Page 1

B7

SALVADOR DOMINGO 5/4/2015

Editor de Ciência Cláudio Bandeira

CIÊNCIA&VIDA

NO PORTAL Assista a dicas de como se exercitar usando elásticos atarde.com.br/cienciaevida

cienciavida@grupoatarde.com.br

Divulgação / Arquivo pessoal

INOVAÇÃO Desenvolvido na BA, software facilita o trabalho de retirada do sangue

Aplicativo de celular ajuda a localizar vaso sanguíneo ALESSANDRA OLIVEIRA Agência Ciência e Cultura – Ufba

A retirada de sangue e a administração de medicamentos por via intravenosa são procedimentos necessários à realização de exames laboratoriais e no tratamento de pacientes no ambiente hospitalar. Na maioria das vezes, o processo é doloroso, principalmente para aqueles com veias menos aparentes, a exemplo de lactantes, obesos e idosos. Foi pensando nisso que os doutorandos em mecatrônica da Universidade Federal da Bahia (Ufba) Rafael Lopes e Galdir Reges desenvolveram um dispositivo que permite a visualização dos vasos sanguíneos antes da per-

furação. A principal motivação para a criação do artefato foi reduzir o risco de infecção, causada pelo excesso de picadas de agulha, e, desta maneira, melhorar a qualidade de vida das pessoas. O invento, composto por celular com câmera, um aplicativo de tratamento de imagens, spot e filtro de luz infravermelha, está em fase de aperfeiçoamento, mas já rendeu o primeiro lugar no concurso “Ideias Inovadoras 2013”, realizado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb). O dispositivo funciona da seguinte maneira: o filtro sobrepõe a lente da câmera fotográfica do celular, deixando passagem apenas para o infravermelho. Na sequência, o spot é li-

Rafael Lopes e Galdir Reges projetaram o dispositivo gado incidindo a luz sobre o local onde as veias possivelmente estão localizadas, permitindo que a câmera capture a imagem das mesmas. “A visualização é possível porque o sangue absorve a luz enquanto a pele a reflete, deixando vasos com profundidade de até 10 milímetros sobressaídos”, explica Lopes.

Transtornos Os problemas mais frequentes gerados pelo número excessivo de picadas de agulha são dor, formação de equimoses, ou seja, pequena quantidade de sangue acumulado fora dos vasos, e flebite, inflamação das paredes das veias que causam endurecimento e, às vezes, formação de pus. Tratamentos como a he-

Número excessivo de picadas de agulha pode causar dor, formação de equimoses e flebite, inflamação das paredes das veias

“Profissionais mal treinados têm menores chances de puncionar a veia na primeira tentativa e podem causar ansiedade” GABRIELLA ARAÚJO, enfermeira

modiálise, que precisam de excessivas perfurações, também causam desconforto nos pacientes. A enfermeira pediátrica Gabriella Araújo explica que o único método existente para diminuição desse desconforto é a ingestão de gotas de glicose antes do procedimento,estimulando aliberação de endorfina, substância química associada a sensações de prazer e bem-estar. Porém isso só se aplica a pacientes neonatais, que são mais sensíveis aos mecanismos empregados para o alívio da dor.

reta, evitando desconforto e possíveis complicações do quadro, visto o risco de contaminação por bactérias na corrente sanguínea. “Profissionais mal treinados, além de terem menores chances de puncionar a veia na primeira tentativa, podem causar ansiedade e estresse nos pacientes”, diz. A estudante Ariane Oliveira, que sofre de insuficiência renal, afirma que alguns dos transtornos causados por um procedimento malfeito são o aparecimento de hematomas e as dores que perduram por dias no local.

Risco de contaminação

Concorrência

Segundo Araújo, apesar de ser considerado um procedimento simples, a colocação de um cateter requer uma execução técnica cor-

“Pacientes crônicos, como eu, que precisam fazer exames e tomar medicações venosas com frequência, têm as veias machucadas, o que

Luciano da Matta / Ag. A TARDE

dificulta a pulsão. Na hemodiálise há o agravante da formação de trombos, ou coágulos, nas veias dos braços”, diz a estudante. Já existem outros aparelhos para visualização de vasos sanguíneos à venda no mercado. No entanto, estes modelos possuem limitações, já que necessitam de claridade para a realização do procedimento. Este fato é confirmado pela enfermeira Thaiane Oliveira. “Em pessoas de pele negra a visualização das veias não é tão eficaz se ela for atendida em um ambiente escuro”, informa.

Infravermelho Ponto para o dispositivo desenvolvido pelos pesquisadores baianos. Rafael Lopes e Galdir Reges explicam que o seu dispositivo não depende de luz ambiente para tornar as veias visíveis. “A imagem na tela do celular é formada apenas com a reflexão da luz infravermelha, graças ao filtro”. Pensando no futuro, os inventores pretendem ter o Sistema Único de Saúde (SUS) como principal parceiro. Eles almejam a possibilidade de que cada posto de saúde e hospital público possua um dispositivo. Rafael Lopes defende que as maiores vantagens de seu aparato são a simplicidade e o preço.

Software

Doador tem o sangue recolhido: na maioria das vezes, o processo é doloroso, principalmente para indivíduos com veias menos aparentes

“Qualquer câmera de celular pode ser usada, facilitando o acesso da população. Além disso, o custo do kit junto com a licença do software-padrão é de R$ 49, podendo chegar a R$ 99 com o software completo e atualizações irrestritas”, diz. O engenheiro explica ainda que o barateamento do produto o deixa sem concorrentes diretos. De acordo com ele, melhorias estão sendo realizadas no equipamento com o dinheiro proveniente do fomento concedido pela Fapesb. “Alguns componentes já foram importados da China para testes e modelação de um produto final. Após essa etapa, partiremos em busca de investimento”, diz. “Até que isso ocorra, não há previsão de quando será comercializado”, conclui.

INTERNET

NANOMEDICINA

Capacidade de conexões é ampliada

Sistema faz diagnóstico do pré-diabetes tipo 2

AGÊNCIA BRASIL

O crescimento exponencial de equipamentos conectados à internet levou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a adotar uma medida similar à feita em linhas telefônicas. Para atender à demanda, foi necessário acrescentar um dígito nos números de telefone. Da mesma forma, os endereços de protocolo chamados IPv4 – número de identificação que permite a conexão dos equipamentos

à internet – já estão dando lugar a uma nova versão com capacidade “quase infinitamente maior”: o

TELEFONIA INSPIROU AMPLIAÇÃO DE IPS A solução para a ampliação dos IPs é igual à adotada para aumentar o número de linhas telefônicas, com o acréscimo de um dígito ao prefixo da linha

IPv6. “É uma quantidade tão absurdadeIPspossíveisquedaria para colocar um endereço em cada grão de areia existente na Terra”, explica o superintendente de planejamento e regulamentação da Anatel, José Alexandre Bicalho. Responsável pela coordenação da transição das tecnologias, o superintendente explica que os 340 undecilhões (o equivalente a 36 zeros após o 340) de endereços possíveis a partir do novo protocolo vão permitir que cada habitante do planeta

tenha 48x10 elevado à 18ª potência de equipamentos conectados. “É muito improvável que, algum dia, esse número se esgote”, disse ele. A solução para a ampliação dos IPs é semelhante à adotada para aumentar o número de linhas telefônicas, com o acréscimo de um dígito ao prefixo da linha. Só que, no caso da internet, são vários números a mais. “A diferença é que, no caso da transição desses IPs, isso não é feito de forma tão simples”, disse Bicalho.

AGÊNCIA BRASIL

Um sistema desenvolvido pelo Instituto de Física de São Carlos, da Universidade de São Paulo (IFSC-USP), vai possibilitar o diagnóstico pré-sintomático do diabetes mellitus tipo 2, doença que afeta o metabolismo da glicose, a principal fonte de energia do corpo. O diabetes não insulinodependente ou do adulto – tipo 2 – ocorre geralmente em pessoas obesas com mais de 40 anos. Por ser pou-

co sintomático, o portador, na maioria das vezes, permanece por muitos anos sem diagnóstico e sem tratamento, o que pode provocar complicações no coração e no cérebro. O dispositivo foi criado pelo Grupo de Nanomedicina e Nanotoxicologia do IFSC-USP com o objetivo de identificar alterações hormonais, de forma rápida e fácil, que possam indicar a possibilidade de surgimento do diabetes tipo 2 no futuro.

Tecnologia e saúde  

Matéria sobre aplicativo de celular que auxilia na localização de veias, publicada na página Ciência&Vida, do jornal A Tarde

Tecnologia e saúde  

Matéria sobre aplicativo de celular que auxilia na localização de veias, publicada na página Ciência&Vida, do jornal A Tarde

Advertisement