Page 1

1


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÁTICA

(MS): Gênesis, 2009 índices para catálogo sistemático: 1. Liderança Cristã - Teologia Pastoral - CDD 253

Responsável pelo projeto editorial/gráfico/capa: Egnaldo Martins dos Santos egna78@hotmail. com Revisão de Arquivos: Mota Júnior motajunior7@gmail. com Editor: Márcio Alves Figueiredo l- impressão: Fevereiro de 2009 Quantidade: 1.000 exemplares 2Â impressão: Maio 2009 - Quantidade: 1.000 exemplares 3Â impressão: Agosto 2009 - Quantidade: 1.000 exemplares IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DO PROJETO: EDITORAS MUNDIAL, KENOSIS E GÊNESIS Contato: Gênesis Editora -Rua: Albert Sabin, 721, Taveirópolis - Campo Grande/MS -FONE: 67 3331-8493/3027-2797 www.genesiseditora. com.br DEDICATÓRIA: A cada profissional/consultor de venda da Mundial Editora e Gênesis Editora, que faz seu trabalho com empenho, prazer e dedicação, que está ciente de que não apenas vende livro, mas, sim, espalha saber, fomenta a educação, ajuda o povo brasileiro a realizar sonhos: "Oh! Bendito o que semeia Livros... livros à mao-cheia... E manda o povo pensar! O livro caindo nalma E gérmen - que faz a palma, E chuva - que faz o mar" (Castro Alves) Contato com o IBAC: Fone: (67) 3028.1788/9982.3881: IBAC - Instituto Bíblico-Teológico Aliança Cristã (A.B.K. Associação Beneficente Kenosis) Rua: Praça Cuiabá, n° 111, Bairro: Amambaí – Campo Grande - Mato Grosso do Sul - CEP: 79.008-281 E-mail: chagas. ihac@gmail. Com

2


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÁTICA

PREFÁCIO A SÉRIE CRESCER

O IBAC-Instituto Bíblico- Teológico Aliança Crista, órgão vinculado a Associação Beneficente Kenosis - A.B.K. - está de parabéns. A iniciativa de oferecer aos interessados em conhecer melhor a Teologia Cristã através da Série CRESCER - Programa de Capacitação Bíblica e Teológica - é brilhante, fantástica, oportuna, louvável, exemplar! Esta proposta relevante e inovadora trará entre outros benefícios a quem tiver a oportunidade de conhecê-la: 1 . Direção - quem estuda a Bíblia com motivação correta jamais perderá o senso de direção e de propósito; a Bíblia é o mapa que mostra o caminho de Deus para conduzir o seu povo na rota certa. 2. Proteção - o embasamento bíblico-teológico capacita o cristão a identificar e a refutar com veemência as "doutrinas" pseudo-cristãs propagadas por hereges, embusteiros, religiosos profissionais que tentam ludibriar as pessoas para lograr lucros pessoais. 3. Provisão - A Bíblia proporciona a seus leitores e praticantes uma consciência iluminada e crítica, como também supre a sua fome espiritual, alimenta sua alma, cristaliza saudavelmente sua fé. Este programa foi elaborado com a finalidade de reciclar quem já teve a oportunidade de cursar Teologia como auxiliar quem procura desenvolver o espírito auto-investigativo, ampliar a capacidade de entender/expor/praticar a Bíblia, desenvolver o espírito de servir a Deus e ao próximo, conhecer mais a ciência teológica e, porém, não sabia como atingir tais objetivos - outras vezes, apesar de interesse em crescer no conhecimento, não dispunha de tempo e recursos.

3


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

A Série CRESCER não pretende fazer apologia a uma Teologia meramente intelectual, academicista, técnica, inacessível, complexa. Sua proposta é, sobretudo, uma Teologia popular. Esta iniciativa, aliás, levou em consideração o fato de que a maioria das pessoas a ser contemplada pelo projeto seria, com todo respeito, provenientes de classes mais simples. Isso não significa, porém, que uma pessoa mais dotada de acuidade intelectual ou recursos econômicos está proibida de ter acesso à série. Pelo contrário. Todos são bem-vindos. Quanto a Teologia erudita, no sentido positivo do termo, ficou para outros compêndios teológicos e autores mais capacitados e está a disposição dos interessados em editoras especializadas no segmento ou nas ótimas instituições de capacitação teológica credenciadas pelo M.E.C. O autor procurou comentar cada disciplina deste programa com clareza, simplicidade, objetividade. Alguns termos teológicos não podem ser simplificados facilmente, mas, em tais caos, o professor empenhou-se em esclarecê-los em seguida. A ideia de simplificação considerou o fato: a Igreja Evangélica no Brasil carece de estudos bíblicos-teológicos contextuais, relevantes, coerentes, práticos, mas também diretos, concisos, objetivos. A Série CRESCER não foi projetada para fornecer muitas informações e detalhes. Logo, seus temas precisam de comentários, discussão, reflexão, ampliação enfim. Desde que o M.E.C, reconheceu Teologia como curso de nível superior as exigências se intensificaram; o mesmo, para ser aceito, deve preencher vários requisitos. Informe-se. O que o IBAC pode oferecer é um curso livre com ênfase em aperfeiçoamento; não há caráter formativo, mas, sim, informativo. Esta observação deve evitar críticas injustas quanto à validade deste curso. O IBAC não aprova a nociva índole atual que preconiza a graça barata, o êxito sem preço, a vitória sem batalha. Não há expansão significativa em área alguma da vida que se adquira imediata, rápida, fácil e instantaneamente! As leis do crescimento são radicais, exigentes, árduas, íngremes, ásperas! Não há como mudá-las! Para CRESCER na graça e no SABER deve-se pagar o preço do zelo, da dedicação, da exaustão, da autodisciplina, afinal, não há vitória expressiva que valha a pena a preço de pechincha!

Pr. José Roberto de Oliveira Chagas

4


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

INFORMAÇÕES GERAIS: Diretrizes do IBAC- Instituto Bíblico-Teológico Aliança Cristã -, entidade vinculada a Associação Beneficente Kenosis, concernente a Série CRESCER - Programa de Capacitação Bíblica-Teológica-Prática: • Caráter (Objetivo e Reconhecimento do Curso). •Matriz Disciplinar (Durabilidade do Curso). •Metodologia (Ensino à Distância). •Avaliação (Critérios Teóricos e Avaliativos). • Conclusão e Certificação (Regras Gerais). 1 . Caráter (Objetivo e Reconhecimento do Curso). A Série CRESCER-Programa de Capacitação Bíblica-Teológica-Prática -, oferecida em parceria com instituições sérias que interessam pela construção e socialização da Teologia, é de caráter informativo, não formativo. Desde que a Teologia tornou-se curso superior o M.E.C, formulou regras para reconhecê-lo.. A entidade que oferece o curso Bacharel em Teologia deve ser credenciada pelo M.E.C., ter carga curricular e horária de acordo com a portaria definida, cumprir periodização e créditos, exigir escolaridade mínima dos interessados (ensino médio completo), corpo docente especializado, etc. Também não há mais Curso Básico ou Médio em Teologia. Nossa instituição, cristã e idônea, não tem a intenção de ludibriar o povo de Deus. Ratificamos, assim, que o nosso programa não oferece vantagens acadêmicas. Nosso alvo é auxiliar a Igreja Brasileira a se aperfeiçoar para servir a Deus e ao próximo. Tão-somente. 2. Matriz Disciplinar (Durabilidade do Curso). A matriz disciplinar da Série CRESCER, que visa aprimorar a comunidade de fé no âmbito bíblico-teológico-prático, é composta de 10 (dez) opúsculos, cada um com disciplina específica. 0/a aluno/a deverá estudar sistematicamente as disciplinas conforme a proposta pedagógica da Direção do IBAC - Instituto Bíblico-Teológico Aliança Cristã. O corpo discente terá até 12 (doze) meses após a aquisição do curso para finalizá-lo e, se quiser, solicitar seu certificado. • Veja no final das diretrizes a matriz disciplinar. 3. Metodologia (Ensino à Distância). A metodologia didática empregada neste programa está fundamentada no modelo de ensino à distância, doravante, a Diretoria do IBAC - Instituto Bíblico-Teológico Aliança Cristã - recomenda ao corpo discente que estude cada disciplina regular e sistematicamente, com zelo e dedicação, tendo em vista que a sua capacitação bíblica-teológica-prática dependerá única e exclusivamente do seu próprio esforço. Cabe, então, a cada aluno/a comprometer-se rigorosamente com o próprio crescimento e esmerar-se nos estudos das disciplinas.

5


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

4. Avaliação (Critérios Teóricos e Avaliativos).

O/a aluno/a deverá estudar o livro, conforme o conteúdo programático, responder as questões teóricas e avaliativas impressas no final de cada opúsculo (ou, se preferir, tirar xerox ou fazer download no site da Gênesis Editora), guardá-las em local seguro e, no final, se desejar receber o certificado, enviá-las ao IBAC -Instituto Bíblico-Teológico Aliança Cristã -, para correção, atribuição de notas e, estando de acordo com as normas da entidade, autorizar sua confecção e postagem. A Gênesis Editora, parceira exclusiva neste projeto, fará contato com os/as alunos/ as para averiguar o interesse pelo certificado e as normas para recebê-lo. 5. Conclusão e Certificação (Regras Gerais). O/a aluno/a que concluir as 10 disciplinas do módulo e atingir pelo menos a nota média (6.0) poderá, se desejar, receber seu certificado de conclusão. O mesmo não é obrigatório. Mas, caso queira-o, é mister efetuar o pagamento de R$ 50,00 (taxa única); tal valor será aplicado para sanar gastos com assessoria de contato, corpo docente (acompanhamento e revisão de provas), confecção e postagem do certificado e despesas afins. O prazo para solicitá-lo é de até 12 (doze) meses após a compra do kit. A liberação em tempo menor ocorrerá se o/a aluno/a tiver quitado o produto junto à editora e enviado as provas ao IBAC.

*Matriz Disciplinar do Programa de Capacitação Btblica-Teológica-Prática 1. Noções de Prolegômenos - Análise Introdutória à Relevância, Natureza e Tarefa da Teologia. 2. Noções de Teologia - Análise Bíblica e Teológica da Pessoa e Obra do Deus Único e Verdadeiro. 3. Noções de Cristologia - Análise Bíblica e Teológica da Pessoa e Obra de Jesus Cristo. 4. Noções de Paracletologia - Análise Bíblica e Teológica da Pessoa e Obra do Espírito

Santo. 5. Noções de Hermenêutica - Análise Crítica, Histórica e Teológica da Interpretação Bíblica. 6. Noções de Liderança Cristã - Análise Bíblica da Filosofia Ministerial de Liderança Cristã. 7. Noções de Homilética - Análise Crítica, Histórica e Teológica da Pregação Cristã.

8. Noções de Gestão Ministerial - Como Fazer Projeto Eficiente e Eficaz Para Gerar Receita. 9. Noções de História da Igreja Cristã - Análise Histórica, Bíblica e Teológica da Eklesia (Primitiva e Medieval). 10.Noções de Teologia Econômica: Mordomia Cristã - Análise Bíblica e Teológica dos Princípios da Contribuição Cristã (1).

*A Diretoria do IBAC pode, se julgar necessário, alterar a grade curricular em kits futuros.

6


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

PRIMEIRA PARTE: POR QUE FRACASSA A LIDERANÇA CRISTÃ

iderança é um assunto frequente na Bíblia. Desde o Antigo Testamento há registro de Deus levantando pessoas, quer homens quer mulheres, como líderes. Aliás, a Bíblia, em sua primeira página fala sobre liderança: "Dominai a terra" (Gn 1.28). Essa teria sido, na opinião de alguns, a primeira diretriz do Senhor Deus ao homem recém-criado. E, na última página, ainda ecoa o mesmo assunto, já numa antevisão celestial: "Reinarão pelos séculos dos séculos" (Ap 22.5). Entre a primeira e a última página da Bíblia há muito a ser refletido a respeito de liderança. Liderança é tema bíblico e atual, de importância primária na Igreja Cristã. George Barna, especialista na área, declarou inclusive, sem aporia alguma, que nada é mais importante do que a liderança. Mesmo que outros afirmem que mais importante é santidade, ou retidão de caráter, ou compromisso com Cristo, ou obediência radical a Deus, nunca houve qualquer movimento significativo e bem-sucedido, revoluções ou outros sistemas, que não tivessem à sua frente líderes fortes e de visão, liderando o caminho da mudança em pensamento, palavra e ação. J. Oswald Sanders, outra autoridade quando o mote em foco é liderança, acrescenta que Deus e homens estão constantemente procurando líderes para as várias ramificações dos empreendimentos cristãos. Nas Escrituras encontramos Deus, com frequência, empenhado na busca de um homem de certo tipo. Não homens, mas um homem. Não um grupo, mas um indivíduo. Em quais áreas a liderança é indispensável?

7


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

SEM LIDERANÇA EFICIENTE E EFICAZ O CAOS AFLORA! Praticamente em todos os segmentos da sociedade exige-se a presença de liderança: na família, na política, na igreja... 1. Família - Lares são destroçadas por falta de liderança. Larry Christenson explica que o conflito em que se encontram muitos lares hoje são causados, em parte, pela extrema simplificação do exercício do comando; ser chefe (líder) da família não se limita ao privilégio de ocupar a cabine do comando e berrar ordens a torto e a direito; na verdade, implica aceitar as responsabilidades de exercer a liderança de forma capaz e inteligente. Urge, portanto, resgatar o significado da liderança bíblica no casamento. O Dr. Silmar Coelho, especialista em família cristã, ratifica que a mulher sente-se segura e protegida ao ser liderada com respeito, amor e sabedoria. Isso não significa que a mulher não seja uma líder ou que o homem para liderar deva agir como um "general" ou um "ditador"; a liderança positiva no homem levará a mulher a participar de tudo. 2. Política - A necessidade de uma liderança capacitada intelectual, ética/moral e espiritualmente para servir na administração pública não é inferior. Política no Brasil lamentavelmente é motivo de escárnio, zombaria, chacota! Político no Brasil, apesar de rara exceção, é sinônimo de embusteiro! Há motivo para tanto. Enquanto milhões de vidas, sem dinheiro algum, perecem famintas, maltrapilhas, ao relento, morando em casebres imundos, tratadas como andrajos humanos, farrapos de gente... muitos "líderes" deste país ganham salários astronômicos, degustam finas iguarias, moram em mansões luxuosas, são aplaudidos pelos poderosos... 3.1greja - Sem liderança eficiente e eficaz, a comunidade de fé atrofia, perde o senso de propósito e destino, não desempenha suas tarefas cruciais: adoração, evangelização, edificação, ação social... Pior ainda: se o líder cristão não tiver motivação correta e santa, ainda corre o risco de, em nome da vil lucratividade e do poder, transformar igreja em empresa, salvação em mercadoria, púlpito em balcão, crente em cliente, VERBO em verba, pastor em guru, vocação em profissão, e assim por diante.

8


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

LÍDERES EM CRISE! Por trás dos numerosos desmandos que estão ocorrendo nas famílias, na administração pública, nas empresas, e, é claro, nas próprias igrejas evangélicas em nossos dias, certamente está o fracasso da própria liderança. E quais são os fatores que estão nocauteando os líderes, de vários âmbitos, atualmente? Poderia relacionar uma lista enorme. Prefiro, porém, aproveitar os fatores identificados por Richard Denny, escritor e consultor inglês, que fez uma extensa pesquisa sobre as causas de fracasso na liderança e chegou a algumas conclusões. Seu trabalho, embora não tenha a finalidade de enfocar a liderança cristã de maneira direta, é relevante, afinal, mesmo que mude a área de atuação, o perfil do líder vitorioso (ou não) é basicamente o mesmo. Transcreverei adiante alguns dos motivos alistados por Denny e, logo em seguida, farei sucintos comentários ligando-os à liderança religiosa. 1 . Incapacidade de organizar detalhes. O líder, inclusive o evangélico, que não conseguir gerenciar as coisas mínimas dificilmente terá êxito nas questões maiores. Não raro, por falta de administrar pequenos detalhes, o líder deixa de fazer a coisa certa, do jeito certo, na hora certa, pela razão certa, levando o grupo a fracassos desnecessários. 2. Falta de disposição para fazer o que se pede para os outros fazerem - Em outras palavras, falta de exemplo. Grupo algum vai seguir fiel e sistematicamente um líder que fala e não faz, promete e não cumpre, assume compromisso e não honra-o. Tal líder segue o modelo farisaico: exige envolvimento, porém sua vida não condiz com suas pregações (Mt 23.3). O líder deve ser, sim, e sempre, o exemplo dos fiéis, o modelador de caminho! 3. Expectativa de pagamento pelo que se sabe, em vez de pelo que se realiza - Quem sabe muito deve fazer muito! Entretanto, nem todos que pensam que sabem, sabem, de fato, que pouco ou nada sabem! Os resultados permanentemente medíocres, por exemplo, evidenciam que o líder que pensa que sabe não sabe, ou, se é que sabe, não está fazendo o que sabe.

9


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

4. Medo da competição - O temor incontido de perder a vaga tem levado à ruína muitas pessoas que ocupam cargo de liderança e outro tanto maior ainda de gente que está sendo liderada. Nem a liderança evangélica está imune a tamanho perigo. Há líder que, por não saber reconhecer suas próprias limitações e tentar superá-las, torna-se um verdadeiro "assassino de talento"; procura destruir todos quantos estão à sua frente em termos de talento, habilidade, competência. E um líder desconfiado e inseguro, mesmo dentro da igreja, pode ser uma desgraça para o grupo. Qualquer pessoa que aspira exercer alguma função de liderança numa igreja séria precisa entender, desde cedo, que na comunidade de fé que está sob sua liderança geralmente vai ter alguém que prega, ora, canta, ensina, toca, administra melhor. E isso não é necessariamente ruim. Pelo contrário. Pode ser uma bênção à comunidade de fé, basta que o líder veja-o não como rival, mas um parceiro na manutenção e expansão do Reino de Deus! (1 Co 1.10-12;3.1-9). Outra lição a ser aprendida é que ninguém fica para sempre. Líder algum dura para sempre. Cedo ou tarde alguém vai assumir o seu lugar! Seja por "livre iniciativa", seja por "livre pressão". Sábio era Moisés que soube reconhecer quando já era o tempo de "passar a tocha" (Dt 31.1-8); ele disse: "Já não posso mais sair e entrar" (v.l). Saiba, então, identificar a hora exata de entrar na arena e a de sair. Saul é exemplo do líder que, mesmo rejeitado, procura manter o trono a qualquer preço. E o protótipo do líder que teme a competição. Ele sabia que Deus o havia rejeitado devido seu pecado e que Davi, embora jovem e inexperiente, seria o novo líder de Israel; seu tempo havia terminado naquela função. Saul, porém, jamais quis se afastar da "cadeira real". Queria ser líder e não liderado, rei e não súdito, por isso, ao invés de preparar seu substituto, preferiu matá-lo. Sua atitude insana quase tirou de Israel a chance de ser liderado pelo melhor e maior de todos os monarcas do Antigo Testamento! Até os apóstolos foram vítima desse mal. Dominados pela inveja tentaram barrar o ministério de libertação de um anônimo que expulsava demônios; viram-no como um rival, um competidor, não como um aliado; já que não fazia parte da elite apostólica deveria parar. Jesus refutou, com termos rígidos, tal atitude (Mc 9.38-41).

10


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

5. Ausência de pensamento criativo - A falta de criatividade é outro elemento destrutivo da liderança duradoura. Se o próprio condutor não tem imaginação, não explora seu potencial criativo, o grupo fica sem senso de destino e de propósito, incapaz de superar as adversidades que surgem no dia-a-dia tentando minar suas realizações. Quantas igrejas evangélicas estão ficando para trás por falta de espiritualidade e criatividade de seus condutores! Não poderia ser diferente. O povo está cansado de rotina, de tédio, de mesmice! E sempre a mesma coisa: nada muda; a música é a de sempre - entediante; o sermãozinho é o de sempre falta poder e saber! Observe os temas das campanhas, dos cultos especiais, das festividades, encontros, etc. e logo fica evidente a terrível crise de criatividade que assola as igrejas evangélicas. 6. Síndrome do "EU" - A autolatria, ou a síndrome de Lúcifer, também tem devastado o ministério de milhões de líderes. Esta, na verdade, é uma piores doenças que está infectando a liderança evangélica pós-moderna. Há líder que só saber dizer o tempo todo: Eu sou , eu penso , eu faço , eu desejo , eu determino , eu , "eu", "eu"... Jesus Cristo dificilmente aparece; o "eu", contudo, está sempre em evidência. Esta não foi uma das causas da queda de Lúcifer ? Segundo a Bíblia ele caiu por: 1) falta de autocontrole, de domínio próprio: "Elevou-se o teu coração". (Ez 28.17); 2) autodivinização e valorização de suas qualidades: "(...)por causa da tua formosura" (v.17); 3) arrogância: "(...) Eu sou Deus" (28.2); 4) motivação e plano errado: "(...)sobre a cadeira de Deus me assento" (28.2); "(...) Eu subirei ao céu, e, acima das estrelas de Deus, exaltarei o meu trono(...) serei semelhante ao Altíssimo" (Is 14.13,14); 5) emprego errado de sua potencialidade: "corrompestes a tua sabedoria" (Ez 28.17); 6) traição: espalhou a discórdia no céu: "(...)levou após si a terça parte das estrelas " (Ap 12.4). O líder cristão, se não quiser ter o mesmo fim de Lúcifer, deve reconhecer que o termo menos importante no grupo é o "eu". Precisa aprender a ser humilde e empregar o termo "nós"! Não é a individualidade que faz diferença; não é o singular; é o plural, é coletivo, é o todo, é a equipe, é o "nós"! O "eu" só é bem-vindo na confissão de João Batista: "Convém que Ele cresça e eu diminua" (Jo 3.30).

11


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

7. Deslealdade - Quero aplicar a esta causa o termo caráter. A retidão do líder, pelo menos no Reino de Deus, é de importância primária. Cabe aquele que conduz algum grupo em o nome e para a glória de Deus manter-se íntegro, fiel. Precisa zelar sistematicamente o que é honesto diante de Deus, diante da igreja e diante da sociedade, ou sua influência como condutor estará arruinada. O Dr. Zenas J. Bicket esclarece que há tempos esperava-se que os profissionais e leigos igualmente satisfizessem os padrões mínimos de integridade e moralidade. Mas após a Segunda Guerra Mundial o caráter foi sendo mencionado cada vez menos. Parece, todavia, que o povo está voltando a preocupar-se com o caráter e a integridade dos líderes políticos, empresariais e profissionais. As falhas de caráter dos líderes religiosos e das figuras de destaque da mídia, abertamente divulgadas pela televisão e imprensa escrita, têm instigado grande ceticismo sobre todos os que se acham em posição de liderança. Kesler alerta: vários perigos rondam a vida do obreiro e podem contribuir para um resultado desastroso. Por falta de caráter da liderança evangélica há ministério promitente sendo destruído. A sociedade pós-moderna, diante de tantos escândalos, já olha para a Igreja com certa cautela; assumiu uma posição de defensiva, afinal, não suporta mais ver tantos pecados, tantos absurdos envolvendo os "santos homens de Deus". Que o Eterno nos ajude a recuperar a credibilidade! 8. Ênfase demasiada na autoridade (poder) - Há líder cristão que, por despreparo em outras áreas, conduz o grupo como se fosse um tirano, impondo sua vontade, forçando-o a obedecer-lhe, pois tem o poder que lhe foi dado pela denominação. Tal líder não aprendeu a liderar segundo Jesus! Está fadado à derrota! 9. Ênfase demasiada no "título" - Se o emprego demasiado de títulos já faz mal ao líder secular, imagina, então, ao líder cristão! Mas a ênfase no "título" é cada vez mais comum entre os líderes cristãos: basta ter uma função mais acentuada e logo cria-se um título para diferenciar o líder dos demais; não pode usar o mesmo "rótulo" dos outros colegas; sua imagem precisa ser iconizada! A liderança cristã precisa rever seu fundamento, sua filosofia ministerial, seus exemplos e sua práxis - com urgência, senão...

12


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

SEGUNDA PARTE: ANÁLISE DOS FUNDAMENTOS DA LIDERANÇA

Certo autor escreveu: Liderança, Liderança, Liderança e ... mais Liderança. A Liderança está em alta. Está na moda. Na mídia. Nos meios de comunicação. Em todo o lugar! Mas está onde realmente deveria estar? No coração das pessoas? Nos sentimentos e nas atitudes? No comprometimento ou no conhecimento? Na ação reflexiva ou na intenção reativa? Liderança é certamente o produto, o artigo mais anunciado, ofertado e comprado nestes últimos tempos. Desde os primórdios da Administração (época da segunda guerra mundial, quando ela não existia ainda como disciplina ou ciência) vem sendo estudada, pesquisada, analisada. Mas realmente vem sendo entendida, compreendida e aplicada em sua plenitude? Apesar da liderança ser assunto que está na Bíblia desde os alvores da criação e, na atualidade, um dos temas mais enfocados dentro e fora do âmbito religioso, ainda existem algumas dúvidas: O que é "líder"? O líder já nasce com o dom de liderar ou torna-se mediante treinamento? Líder e chefe são termos sinônimos ou antônimos? E quais são as funções de um líder eficiente e eficaz? E o que quer dizer o termo "liderança"? Quais são os fundamentos bíblicos e teológicos que calçam a liderança bem-sucedida? Quais são as filosofias ministeriais de liderança? Quem é o melhor exemplo de liderança? Tentarei responder, agora, algumas dessas questões. A proposta deste capítulo é buscar na Bíblia certos fundamentos que sustentam saudavelmente a doutrina da liderança cristã e apontam para uma filosofia ministerial que glorifica a Deus e serve ao próximo.

13


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

1º FUNDAMENTO: LIDERANÇA É UMA DOUTRINA BÍBLICA VETEROTESTAMENTÁRIA! Liderança é uma doutrina bíblica, pois existe desde os alvores da criação. Mas o que é o "líder" à luz da Bíblia? No hebraico bíblico o termo rõ'sh/re'sh aparece aproximadamente 600 vezes. O mesmo significa "cabeça", "cume", "primeiro", "soma" e, é claro, "líder" nomeado, eleito ou autonomeado. A palavra é usada para se referir aos pais tribais, que são os líderes de um grupo de pessoas: "E escolheu Moisés homens capazes, de todo o Israel, e os pôs por cabeças sobre o povo" (Êx 18.25). Os líderes militares também são chamados de "cabeças": "Estes são os nomes dos valentes que Davi teve: Josebe-Bassebete, filho de Taquemoni, o principal dos capitães" (2 Sm 23.8). Em Nm 1.16, os príncipes são chamados "cabeças" (Jz 10.18). Esta palavra é usada para aludir aos que representam ou conduzem as pessoas em adoração (2 Rs 25.18). A expressão bíblica "cabeça", figurativamente falando, denota superioridade de categoria e autoridade sobre outros 0z 11.11; 2 Sm 22.44). Quando se trata de Jesus Cristo, porém, "cabeça" da igreja (Ef 5.23; Cl 2.19), de todo homem (1 Co 11.3), do universo inteiro (Ef 1.22), de todo poder cósmico (Cl 2.10), o sentido básico de cabeça como fonte de toda vida e energia se torna predominante. Outro vocábulo popular, ainda no hebraico bíblico, é sar; o mesmo, que aparece mais de 410 vezes, significa "oficial", "líder", comandante , capitão , cnele , príncipe , governante . Em alguns contextos representa "homens que claramente têm responsabilidade sobre outros" - governantes ou comandantes; pode ter sentido de "líder" de uma profissão, grupo ou distrito (Gn 21.22; 37.36; 40.2); e é usado para se referir a certos "homens notáveis" dentro de Israel: Abner (2 Sm 3.38; Nm 21.18), Joabe, Abisai e Itai (2 Sm 23.19); descreve ainda a tarefa de "governar", "líder", "governante", "juiz" (Êx 2.14; 18.21), chefe do exército (1 Sm 17.55), "governante" de uma cidade (Jz Ne 3.14)... Está claro que o Antigo Testamento fala de liderança. Mas e o Novo Testamento também enfoca a mesma tematização?

14


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

2º FUNDAMENTO: A LIDERANÇA TAMBÉM FOI HOMOLOGADA EM O NOVO TESTAMENTO! Liderança é um ministério também frequente em o Novo Testamento. A importância do conceito e da prática da liderança cristã, na verdade, estão evidentes nas numerosas citações que aparecem nas referências neotestamentários, desde os Evangelhos às cartas/ epístolas dos conceituados apóstolos de Jesus Cristo. A palavra "cabeça", kephale 15 no grego, metaforicamente, remete, entre outras coisas, à autoridade de Jesus em relação à Igreja (Ef 1.22; 4.15; 5.23; Cl .118; 2.19), aos principados e potestades (Cl 2.10), etc. Aparece também o substantivo hodegos que significa "líder" ou "guia no caminho", formado de hodos - "caminho" e hegeomai "conduzir", "liderar", "guiar" (At 1.16; Mt 15.14; 23.16,24; Rm 2.19); e os verbos hodegeõ - "liderar" ou "guiar pelo caminho" (Mt 15.14; Lc 6.39; Jo 16.13; At 8.31; Ap 7.17); kateuthunõ - "tornar reto", "guiar os pés no caminho da paz" (Lc 1.79); oikodespoteõ -"governem a casa" - isto é, refere-se à "administração e direção dos assuntos domésticos"; hegeomai - "conduzir" (Hb 13.17,24), etc. Há muitas outras referências conceituais à liderança em o Novo Testamento. Entretanto, devido o espaço lacônico, gostaria de ressaltar somente mais dois fundamentos: a liderança na Igreja Primitiva e, depois, concluir citando o modelo de liderança de Jesus Cristo, o maior e melhor de todos os líderes da história. 3° FUNDAMENTO:

LIDERANÇA É UMA NECESSIDADE DA IGREJA CRISTÃ! A origem exata da Igreja Cristã ainda é assunto que suscita as mais calorosas altercações entre muitos teólogos. Mas, partindo do pressuposto que ela nasceu no Pentecoste (há quem pensa diferente e sugere outras possibilidades), certamente, já no seu nascedouro, notou a necessidade de ter uma liderança eficiente e eficaz. Aliás, um dos pilares que fomentou e sustentou o crescimento integral da Igreja Primitiva foi exatamente sua liderança.

15


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

Orlando Costas justificou que a Igreja Primitiva, segundo At

1.12-8.3, cresceu em quatro dimensões: orgânica, diaconal, conceptual e numérica. O Dr. Jorge H. Barro, enquanto comentava o crescimento orgânico, acrescentou: um organismo precisa de organização, e a Igreja em Jerusalém descobriu isto logo em seu estágio inicial (At At 1.15,20,26; 6.1-7), etc. Daniel Reis afirma que a Igreja, de fato, precisa de líderes. O próprio Senhor Jesus dedicou a atenção mais especial de seu ministério aqui na terra para o treinamento daqueles que seriam líderes de sua Igreja. Também não é justo argumentar que eles, como apóstolos, eram dotados de uma qualificação singular, única e irrepetível. Pois, mesmo isso sendo verdade, eles se dedicaram com afinco ao treinamento daqueles que deveriam cuidar das igrejas que plantaram por todo canto do Império Romano. Além do mais, prossegue Reis, as Escrituras em inúmeras passagens ensinam claramente a instituição de líderes espirituais na igreja, de tal maneira que, se assim não fosse, não se poderia entender o relato de Atos dos Apóstolos. O Dr. Douglas, quanto ao governo eclesiástico, esclarece que Novo Testamento não provê qualquer código detalhado de regulamentos, e a própria ideia de tal código pode parecer repugnante para a liberdade da dispensação do Evangelho, no entanto, Cristo deixou atrás de si um corpo de líderes (os apóstolos), por ele mesmo escolhido, ao qual também forneceu alguns poucos princípios gerais o exercício de sua função reguladora. A liderança cristã, porém, nem sempre foi exemplo. Deveria influenciar e transformar a vida das pessoas, todavia, não raro, tornou-se pedra de tropeço. A história da Igreja, diz Carlos Caldas, apresenta um relato desolador de como em dois mil anos de Cristianismo, quantas vezes a ganância por posições de liderança na comunidade, a busca sem escrúpulos por poder, influência, dinheiro e prestígio, que podem advir da ocupação de posição de destaque na Igreja, têm provocado muito sofrimento para cristãos e também para não-cristãos, e consequentemente têm sido responsáveis por um péssimo testemunho à sociedade. Naturalmente os péssimos exemplos revelam que nem todos os supostos líderes seguiram fielmente o que Jesus fez e ensinou.

16


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

4º FUNDAMENTO: A LIDERANÇA IDEAL TAMBÉM FOI EXERCIDA POR JESUS CRISTO, O LÍDER PERFEITO! Este fundamento, na verdade, deveria preceder o anterior, porém, deixei-o por último, de propósito, para ressaltar que a liderança cristã, quando fracassou (ou fracassa) vergonhosamente é porque não seguiu o modelo perfeito de liderança de Jesus. Se porventura seguissem o que ele fez e ensinou não haveria escândalo algum. Não há dúvida de que o maior líder, o líder por excelência, é nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo: não se preocupou em ser o primeiro, mas em ser aquele que estava disposto a servir (Mc 10.42-44); a liderança de Jesus não foi exercício de poder, não era autoritária, estava centrada no indivíduo. Especialistas em capacitação de líderes afirmam categoricamente que sem integridade, coração de servo e mordomia, é impossível construir uma equipe verdadeiramente eficiente... ou tornar-se um líder verdadeiramente eficiente.21 Muito bem, líder algum, em toda a história humana, conseguiu agregar os três elementos basilares da liderança vitoriosa, conforme supracitado, como o Senhor Jesus Cristo. O Dr. John Maxwell sintetiza: liderança é influência. E que outro líder conseguiu influenciar a vida de tanta gente quanto Jesus Cristo? Dois milênios se passaram e o desafio está lançado! George Barna vai mais além: diz que é possível ter influência na vida das pessoas sem levá-las a lugar algum; comparar liderança à influência é apresentar as coisas de modo mais fácil do que na realidade são e determinar as pessoas ao fracasso; produz líderes que são motivadores e informantes; o verdadeiro líder - arremata - causa um impacto muito mais profundo!23 Neste caso, também, Jesus está acima das meras criaturas mortais! Nenhuma outra produziu impacto mais profundo e duradouro na história da humanidade até então. Mais: afirmo, sem aporia alguma, que jamais existirá similar! Foi Jesus Cristo que dividiu a História Universal: nós dividimos as duas fases em antes de Cristo e depois de Cristo! Ele é, então, o centro da História Universal!

17


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

As publicações sobre liderança mais vendidas no Brasil, hoje, ratificam que Jesus Cristo é, de longe, o líder mais influente de toda a história da humanidade! Hoje, mais de dois bilhões de pessoas, um terço dos seres humanos deste planeta, se dizem cristãos. A segunda maior religião do mundo, o islamismo, é menos da metade menor do que o Cristianismo. Dois dos maiores dias santos deste país (EUA), Natal e Páscoa, são baseados em eventos da vida de Jesus, e nosso calendário até conta os anos a partir do nascimento dele, há dois mil anos! Outros afirmam categoricamente que praticamente todos os avanços da humanidade nesses 1900 anos dever ser atribuídos a Jesus, como o principal inspirador de todos eles! Seus ensinos e estilo de vida inspiraram a valorização e elevação da pessoa humana, a transformação de vidas, o incentivo para as reformas, a melhoria das instituições, a saturação da literatura, a influência nas artes, a inspiração da filantropia! Muitas características de Cristo como líder eficiente e eficaz poderiam ser relacionadas. Há, porém, uma em especial que gostaria de ressaltar: o desejo de servir. Cristo não precisou de posição alguma para ser obedecido ou atendido - ele próprio representava uma posição! Laurie Beth Jones disse que Jesus, o líder, serviu seu povo. A maioria das religiões ensina que fomos colocados aqui para servir a Deus; todavia, em Jesus, Deus está se oferecendo para nos servir. Alguns ficam chocados com a inferência de que Deus nos serve. No entanto, este homem que representava Deus - impregnado de todo o poder de Deus - foi até o povo e perguntou: "Como posso ajudá-los?" Jesus Cristo ensinou frequentemente que para servir é mister simplicidade, modéstia, simplicidade. Enfatizou que quem deseja ser líder deve guardar suas medalhas, seus títulos honoríficos e seus galardões, suas patentes. Jamais recorreu à sua onipotência para persuadir as massas a segui-lo. Conquistou sua afeição gradativamente, servindo-as com amor, relacionando-se com elas, amando os inamáveis, tocando os intocáveis, desejando os indesejáveis, incluindo os excluídos, sarando os feridos, salvando os perdidos.

18


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

Especialistas em treinamento de liderança moderna dizem que, o líder que não conquista, não atrai, não consegue a disposição espontânea e sincera dos que o cercam, não pode ser considerado um líder eficiente e eficaz. Pois bem, Jesus tinha um forte poder de atração. Conviveu com pessoas às voltas com toda sorte de infortúnio e fez com que as mesmas sentissem que havia alguém interessado pelos seus problemas e disposto a auxiliá-las a resolvê-los. Elas se sentiam à vontade e em posição de igualdade quando estavam com ele; não eram marginalizadas, discriminadas, humilhadas; sendo simpático e humano conseguia, sabiamente, direcionar suas vontades, atenções, preferências, interesses. Pesquisadores hodiernos dizem que pelo menos 20 profetas apocalípticos disputavam a atenção das massas no primeiro século da Era Cristã. Mas Jesus se destacou. Por quê? Eis alguns motivos: abertura, flexibilidade, comunicação, equidade, caridade, múltiplas faces (os Evangelhos apresentam Jesus de diversas maneiras: combativo, misericordioso, espiritualizado), ineditismo e misticismo (relatos de milagres e curas também ajudaram a formar uma aura mística). Há, ainda, outro distintivo de Jesus como líder: honestidade. Seu espírito de servir não sufocou sua integridade: quando precisou confrontar as pessoas a fim de construir um caráter retilíneo não teve dúvidas. Expressou nos termos mais duros as severas condições do discipulado. Não se especializou em apregoar benefícios e bênçãos, emoção e excitação, aventuras e vantagens obtidas por seus discípulos. Ele estabeleceu um custo bastante elevado para o indivíduo ser seu discípulo. Ele nunca escondeu a cruz. O maior líder de todos os tempos ratificou, com firmeza, os notórios desafios e sacrifícios da jornada com Deus. O seguidor que Cristo queria não poderia temer a cruz, nem ser superficial. Ele não facilitou os requisitos do discipulado, não mencionou opções fáceis, não deixou de expor os desafios, por isso multidões se maravilharam e aderiram suas doutrinas singulares. Jesus Cristo, especialmente nessa era pós-moderna quando a Igreja Evangélica no Brasil enfrenta uma profunda crise de modelo, continua sendo o modelador de caminho; basta segui-lo.

19


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

5° FUNDAMENTO: A LIDERANÇA DEVE SEGUIR FIEL E PERMANENTEMENTE O MODELO DE JESUS CRISTO! A Bíblia fala sobre muitos líderes eficientes e eficazes; e todos eles, de uma ou de outra maneira, podem nos ensinar lições preciosas nesta área. O Dr. John Maxwell, para citar exemplo, após pesquisar vários guias da Bíblia identificou leis relevantes que por eles eram observadas. E certo, porém, que líder algum, dentro ou fora do contexto bíblico, poderá se igualar a Jesus; ele, portanto, deve ser nosso modelo de liderança transformadora. Um dos textos mais significativos sobre este mote foi escrito pelo Dr. Wander de Lara Proença, razão pela qual vou sintetizá-lo. O mesmo esclareceu que Jesus viveu e desenvolveu seu ministério em um tempo e um lugar marcado por diferentes expressões de liderança: em termos políticos, os romanos exerciam uma liderança centrada no poder absoluto da figura do imperador, que era considerado um ser divino; a dinastia herodiana, que reinava na Palestina da época, fazia uso da força e da intimidação, usando como ameaça a sentença de morte de cruz; a oposição, formada em parte pelos zelotes e sicários, - movimentos reacionários com o propósito de libertar a palestina, e para isso usavam mobilização coletiva, treinamento de grupos armados e a promoção de constantes rebeliões e combates - um dos seguidores de Jesus, inclusive, fora "zelote". Na esfera religiosa o Dr. Wander cita, entre outros, os fariseus e saduceus; os primeiros eram conservadores, legalistas, separatistas, ensinavam o dualismo da recompensa e do castigo (também para legitimar a prosperidade que ostentavam); já os saduceus, classe sacerdotal dominante, preservavam as antigas tradições judaicas, cooperavam com o Império Romano em troca de cargos e favores, sem crer na vida após a morte procuravam obter a felicidade na terra - status quo. Havia ainda naquela época os carismáticos autônomos; João Batista, por exemplo, era um deles. Jesus declarou que ninguém apareceu maior do que João Batista (Mt 11.11), cuja pregação tinha as características principais: forte apelo ao arrependimento e à conversão; proposta de partilha e ajuda mútua; denúncia profética das injustiças.

20


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

1. LIDERANÇA EXERCIDA COM LEGITIMIDADE E ÉTICA - No referido contexto Jesus desenvolveu, com singularidade e estilo próprio, uma liderança transformadora, que serve de modelo e parâmetro para a ação da Igreja atual. Veja alguns exemplos. Jesus Cristo, o líder exemplar, não buscou credenciamento oficial no templo de Jerusalém; o mesmo estava corrompido; era um centro religioso, administrativo, educacional e jurídico, com cerca de 20 mil funcionários, mas concentrava um poder comprometido com interesses corrompidos e alheios à vontade de Deus. Jesus também não se filiou a nenhum dos partidos religiosos atuantes no templo (fariseus e saduceus), por entender que isto seria um obstáculo para o exercício de um ministério profético, o calaria diante de abusos de poder por causa dos interesses escusos e egoístas dos religiosos da época que inviabilizariam a mensagem do Reino de Deus. Jesus, todavia, credenciou-se pelo ministério de João batista; foi iniciado em todos os ritos que o credenciariam com legitimidade para o ministério profético e sacerdotal (batismo de João); isso o fez reconhecido até pelos líderes exigentes do templo (Mt 21.23-27); cumpriu os trâmites legais (Jesus espera a idade mínima pela lei judaica - 30 anos). A presença do Espírito Santo é o verdadeiro começo do Reino de Deus e da nova criação na história, por isso: expulsa demônios, cura doentes, e restabelece a criação destruída; essa presença é a autoridade de sua pregação e liderança. 2. LIDERANÇA QUE SUPERA O DUALISMO DO SAGRADO E DO PROFANO - Jesus, no exercício de sua liderança, literalmente pisou em terreno proibido, ignorando a distinção entre sagrado e profano. Viveu e atuou nos lugares considerados impróprios para um líder religioso. Na Galileia realizou 90% de seu ministério público - era lugar de pobreza, miséria, muitos não judeus, muitos analfabetos, tidos como ignorante da lei - lugar de maldição e amaldiçoados; visitou a terra dos gerasenos, local de criação de porcos, considerado impuro; esteve em Samaria, local de grande miscigenação - Jesus transforma uma mulher e faz dela uma missionária entre seu povo (Lc 10); ministério voltado para os excluídos da sociedade (Lc 4.18).

21


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

3. LIDERANÇA QUE PROMOVE TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Jesus tornou-se pessoa do povo, vivendo com todo tipo de pessoa, sem fazer acepção; seus discípulos vieram do meio do povo; conviveu com pobres, doentes, analfabetos, pecadores, gentios, publicanos, prostitutas e escravos. Jesus foi na contramão do sistema religioso da época em relação a sua membresia. Muitos de seus seguidores, com suas atividades e vidas não eram bem vistos na época: pastor de ovelhas - trabalhava no sábado; açougueiros - contato com sangue; pessoas doentes ou com deficiências físicas - cego; o pobre - não podia pagar pela sua purificação ou taxas cobradas para manter a estrutura do poder religioso; sua meta: devolver a dignidade e o convívio social dos marginalizados. Mais do que curar as pessoas, Jesus as inseria novamente na vida social tornando novamente aceitos, e para isso enfrenta até escândalos.

4. LIDERANÇA QUE VALORIZA O TREINAMENTO E O PREPARO DE OUTROS LÍDERES - Jesus não atuou sozinho e nem quis exercer

liderança isoladamente; ele decidiu dividir sua tarefa, chamando 12 discípulos; ele exerceu mais do que tudo o papel de educador dos seus novos liderados. Constituiu uma escola teológica e ministerial; sua forma de ensino se baseava na palavra e vida, seus discípulos aprendiam ouvindo e vendo a vida do mestre. Seus alunos aprenderam uma espiritualidade solidária e cristocêntrica, uma teologia prática contextualizada, alicerçada sobre a palavra de Deus; ademais, enfatizou-se a necessidade de um ministério sob o poder e a capacitação do Espírito Santo (Lc 4.16-21). O Dr. Wander ainda menciona outras facetas da liderança transformadora desempenha por Jesus Cristo e que serve de base aos líderes cristãos pós-modernos: liderança que proporciona à mulher oportunidade de liderança ministerial, liderança que transforma a relação entre o ser humano e a natureza, liderança que valoriza o serviço ao invés do senhorio, etc. Estou certo de que, conquanto exista um grupo expressivo de líderes que servem de modelo, Jesus Cristo ainda é o primeiro da lista; sua filosofia ministerial de liderança, se conhecida e praticada, tornará qualquer líder eficiente e eficaz; também evitará a crise de credibilidade que atinge diretamente a liderança evangélica.

22


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

TERCEIRA PARTE: LIÇÕES RELEVANTES DE LIDERANÇA EM Êx 18

Nesta disciplina de liderança já ficou claro que a liderança é um assunto presente na Bíblia, desde a criação (Gênesis) à consumação de todas as coisas (Apocalipse). Estudamos, nas páginas recentes, alguns fundamentos da liderança cristã transformadora. Neste terceiro capítulo, finalizando a disciplina, gostaria de abordar a filosofia ministerial de liderança de Jetro; a mesma, apesar de ter sido ensinada há milênios, ainda permanece relevante. Poderia enfocar, neste desfecho, vários aspectos bíblico e teológicos da liderança cristã, estilos de liderança, características e funções dos líderes vitoriosos, novos paradigmas para uma liderança transformadora, etc. Há, porém, um tema de importância primária: a exaustão que grassa entre a liderança cristã. Lideranças de igreja, ministério de louvor/coral/banda, escola bíblica, união feminina/ masculina, célula/pequeno grupo/grupo familiar, etc, não estão imunes ao esgotamento. Liderança, aliás, é um ministério com alto nível de estress; é impossível ser líder sem experimentar, em algum momento, o peso da exaustão, do cansaço, da fadiga. Pretendo, por conseguinte, mostrar certos fatores que levam o líder cristão ao esgotamento, revelar as principais características de um condutor esgotado e, à luz dos ensinos de Jetro, propor alguns princípios para erradicar este mal que tem devastado ávida de milhares de guias espirituais. A exaustão, outrossim, deve se tornar cada vez mais presente na vida das pessoas. Nem mesmo a liderança cristã está imune a ela. Este, portanto, é um assunto apropriada para finalizar esta disciplina sobre noções de liderança cristã.

23


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

LIDERANÇA É TAREFA PRAZEROSA E... ESTRESSANTE! Liderança é tarefa prazerosa, porém pode ser estressante. Apenas na mente de um ficcionista liderança e esgotamento são elementos distintos. E dependendo da filosofia ministerial de liderança o estresse pode ser maior ou menor; quem não delega poder nem funções certamente ficará mais esgotado do que o líder que tem uma equipe competente e confiável; mas, ainda assim, o estresse pode aparecer em alguma fase da jornada. Afinal, como se não fosse suficiente os problemas internos e corriqueiros, o mundo atual faz questão de revelar novos desafios aos líderes.

E o QUE É LIDERANÇA? Liderança "é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum" (Hunter); "é o processo de motivar, mobilizar, dar recursos e dirigir as pessoas a buscar, de modo entusiástico e estratégico, a visão de Deus que um grupo adota em conjunto" (Barna); "capacidade de fazer com que as coisas aconteçam" (Dusilek); "é a capacidade e desejo de unir homens e mulheres num propósito, e o caráter que inspira confiança" (Montgomery); "execução específica, resultados benéficos por meio de pessoas" (Meyer & Slechta). Billie Davis acrescenta: a liderança é algo necessário quando se quer cumprir um propósito qualquer - quando se quer que seja feito; existe, contudo, a noção de liderança cristã porque Deus tem um propósito em mira; há algo que ele quer que seja feito. Diante de tais definições fica claro que liderar pode resultar em estresse e esgotamento. Goodall explica que o termo "estresse", palavra relativamente nova, era originalmente um termo próprio da física ou da engenharia; referia-se a uma força severa colocada sobre um edifício ou uma ponte; a meta era construir uma estrutura forte o bastante para resistir o máximo de estresse; com relação às pessoas, estresse é a resposta não específica do corpo a qualquer demanda que lhe é feita. O esgotamento neste caso é a exaustão causada por excessivas demandas de energia, força ou recursos.

24


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

MOISÉS: UM LÍDER À BEIRA DO ABISMO! Parte da liderança cristã hodierna está estressada, também, por causa da filosofia ministerial adotada. Sua visão, às vezes, é egrégia, mas a prática é incorreta; a missão é santa, mas o método é impróprio. Veja, por exemplo, o caso de Moisés. Ele recebeu uma tarefa complexa, mas nobre: libertar Israel, do Egito, e guiá-lo à Canaã. Ciente da imensidão do desafio, empenhou-se em persuadir Deus, alegando sua péssima dicção, entre outras deficiências. Mas Deus não aceitou desculpas; antes, supriu suas fragilidades: quando precisou de um orador, veio Arão; quando estava à beira de um colapso, apareceu Jetro. Vamos extrair algumas lições de Êxodo 18. 1. O LÍDER EFICIENTE E EFICAZ DEVE SABER QUE ATIVISMO PODE SUFOCARA COMPETÊNCIA ADMINISTRATIVA - Um líder sábio,

como Moisés, pode não ver necessidades simples e óbvias nem encontrar soluções eficientes e eficazes, quando está sobrecarregado. Jetro logo percebeu um grave erro: o líder estava resolvendo sozinho os problemas de um povo numeroso; sequer tinha auxiliar. Mesmo os assuntos de pouca importância careciam de sua apreciação. O atendimento começava de manhã e estendia até à tarde, pois era apenas um homem para atender uma nação com cerca de 2 milhões de pessoas. Quando Jetro viu o sofrimento da massa, questionou a atitude de seu genro: "Que é isto que fazes ao povo?" (Ex 18.14). 2. O

LÍDER

EFICIENTE

E

EFICAZ

NÃO

DEVE

INACESSÍVEL; DEVE, SIM, OUVIR E FAZER O QUE É CERTO!

SER

Jetro, diante do ativismo de seu genro, não culpou os israelitas que não lhe davam descanso. Mas a atitude de Moisés, como líder, é que estava errada! Jetro não teceu elogios ao líder de Israel por trabalhar demais. Pelo contrário. Viu naquela atitude um grave erro. Ele indignou-se quando viu o agrupamento em pé diante de Moisés, exposto ao sol causticante do deserto, sem conforto algum, aguardando o momento de ser atendido. Jetro teve pena de Moisés - e principalmente - do povo. Logo, ao invés de silenciar-se ou defender o labor estressante de seu parente, questionou-o severamente, mostrando seus erros gerenciais.

25


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

3. O LÍDER EFICIENTE E EFICAZ E MODESTO - SABE RECONHECER QUANDO ESTÁ ERRADO E PROCURA FAZER O QUE É CERTO - Até mesmo um líder eficiente e eficaz está sujeito a erros. Mas é

fato que, ainda assim, sua modéstia o faz aceitar e assumir a responsabilidade quando algo está errado. Este também foi o caso de Moisés. O líder de Israel em momento algum parece ter ficado ressentido, cabisbaixo, descontente com as verdades que Jetro lhe disse; a confrontação não gerou hostilidade em seu coração; sabia que estava errado, que sua filosofia ministerial de liderança era inoperante e que precisava de orientação; não se escondeu atrás do cargo majoritário que ocupava, nem usou elementos espirituais para tapar a boca de Jetro. É verdade que, a princípio, quando interpelado sobre seu método impróprio de gerenciar a nação, procurou esquivar-se da responsabilidade dizendo que parte da culpa era do burgo: "É porque o povo vem a mim para consultar a Deus" (Êx 18.15). Claro que a multidão corria a ele sempre que necessário - ninguém mais fora designado para atendê-la! O povo recorria ao que estava à disposição. O erro, portanto, estava realmente no estilo gerencial de Moisés. A população, embora escolhida por Deus, não tinha autonomia para levantar líderes, ainda que para amenizar seu desconforto; Moisés, porém, podia; era ele mesmo o culpado pelo infortúnio do povo uma vez que assumira o papel de único mediador entre Deus e os homens; era o principal responsável pelas questões espirituais, no entanto, não bastasse essa função essencial, ainda decidiu ser a via intermediária das relações humanas. Moisés, quando ainda consciente de que estava tentando resolver o problema da população, explica a Jetro: "Quando tem alguma questão vem a mim, para que eu julgue entre um e outro, e lhes declare os estatutos de Deus, e as suas leis" (Ex 18.16). Sua explicação, contudo, foi insuficiente para justificar sua atitude, por isso Jetro lhe respondeu com firmeza: "Não é bom o que fazes" (Ex 18.17). Apesar dos motivos apresentados, o método centralista - um líder atender milhões - era totalmente incorreto. A intenção de servir era boa, mas a prática não merecia louvor algum. Cada problema poderia ser resolvido direito, com rapidez e eficiência, para tanto bastava um pequeno ajuste.

26


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

4. O LÍDER EFICIENTE E EFICAZ SABE QUE COM A CENTRALIZAÇÃO DE PODER TODOS PERDEM!- O monopólio de poder

nas mãos de uma minoria corre o risco de se tornar um entrave à realização dos ideais do grupo. Embora a centralização exista praticamente em todas as esferas das relações humanas nem sempre é benéfica. Quando de trata de liderança cristã a centralização de poder e atividades não apenas é prejudicial: constitui-se uma oposição ao modelo de liderança ensinado e praticado por Jesus Cristo. O esgotamento mental, físico, emocional, psicológico, familiar, conjugal, social e espiritual, anda de mãos dadas com o exclusivismo, o monopólio. O problema, entretanto, é que nem todos os líderes cristãos sabem disso. Alguns, talvez, nem tomarão conhecimento de tal verdade. Outros, quando for tarde demais. O sogro mostrou que se Moisés não tivesse disposto a mudar rotinas, métodos e maneiras de trabalhar, a consequência imutável seria a destruição pessoal e coletiva: "Certamente falecerás, assim como tu, como este povo que está contigo" (Êx 18.17,18). Alguns prejuízos causados pela centralização de poder: 1. Excesso de atividades - O líder que se julga capaz de fazer tudo sozinho termina se envolvendo com todas as tarefas. Impede todas as iniciativas, bloqueia toda espécie de ajuda, quer fazer tudo por que não acha que outros sejam tão capazes quanto ele. Ou talvez tenha medo de ver um subalterno desempenhando uma função e logrando êxitos expressivos; assim, acumula afazeres e, às vezes, gaba-se do ativismo, alegando que é bom líder já que está sempre ocupado. 2. Má qualidade - Devido o excesso de tarefas abraçadas, não consegue fazer direito nem uma e nem outra. Realiza tudo pela metade, e por fim nada presta. Afinal, líder algum tem a capacidade de se envolver com todas as funções do ramo em que atua e auferir sucessos notáveis. Isso é impossível! 3. Inibição de potencial - Além da má qualidade do serviço prestado, resultante do acúmulo de atividades, um terceiro problema surge onde impera o egoísmo, o reinado do terror, o monopólio de poder: inibição de potencial. O teste da liderança eficaz passa por este crivo. Novos e talentosos líderes simplesmente não revelam-se quando seu superior assume todas as funções, controla todas as atividades, tomas todas as decisões.

27


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

5. O LÍDER EFICIENTE E EFICAZ DISTRIBUI TAREFAS E TODOS GANHAM! - Moisés, foi um líder singular em vários aspectos, mas

parece que fracassou na distribuição de tarefas. Mesmo tendo em Israel gente gabaritada, capaz de resolver pequenas questiúnculas, não lhe deu oportunidade para provar suas qualidades; a situação mudou porque Jetro, alguém de fora, lhe mostrou o erro que estava cometendo. Jetro disse: "O trabalho te é pesado demais; tu só não podes fazer" (Ex 18.18). Ed René Kivitz enfatiza que a estrutura judicial do povo de Israel era precária até que Jetro sugeriu a divisão do povo em pequenos grupos, dando mais agilidade e funcionalidade ao julgamento das demandas populares e suprindo com mais rapidez e eficiência a necessidade daquele imenso rebanho. Mais: livrou Moisés de um estresse, uma úlcera ou um infarto do miocárdio, se é que isso existia naquele tempo; aliás, se não existia, Moisés o teria inventado, caso não acatasse o sábio conselho do sogro! A liderança eficiente e eficaz, ao invés centralizar poder e tarefas procura distribui-los à equipe. O líder delega as funções e participa, de alguma forma, do processo; não pode, aliás, deixar os outros trabalhar e ele ficar parado! Moisés, por exemplo, seria o líder dos líderes, isto é, se concentraria nas questões que exigiam mais a sua presença: representar o povo diante de Deus em oração, ensinar os seus estatutos e as leis, etc. Ex 18.19-23). Todo líder deveria saber que ninguém é capaz de fazer tudo: nem os mais qualificados, talentosos, entusiastas, etc. Pode até ser escolhido por Deus para um propósito específico e insigne, considerar-se o mais santo, o mais hábil ou o que tenha "maior" poder, todavia sozinho não irá muito longe. O texto em apreço revela uma curiosa ironia: de um lado havia um líder trabalhando laboriosamente, do outro homens qualificados sem nada fazer; um estava sobrecarregado, outros de braços cruzados; era o perfeito retrato da desordem! Ora, quando o líder trabalha demais há alguém capacitado "fazendo nada". Não foi por acaso que Jetro censurou a atitude de Moisés; sua atitude servia apenas para drenar suas energias e penalizar a nação; sua fadiga era desnecessária; precisava rever sua filosofia miniterial de liderança. E o que Jetro diria a nós?

28


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

6. O LÍDER EFICIENTE E EFICAZ FAZ ESCOLHAS CERTAS! Jetro foi uma espécie de mentor: 1) soube identificar a tarefa a ser conservada - nem tudo estava errado na administração de Moisés; algumas atitudes desse líder foram recomendadas por Deus, logo, não precisavam de ajustes. Era mister sua permanência como mediador entre Deus e os homens, afinal foi ele o escolhido para tal ofício (Êx 18.19,20); esse cargo, então, deveria ser retido; 2) identificar a tarefa a ser implementada - a receita de Jetro para evitar a sobrecarga de Moisés e a aflição do povo foi o treinamento de assessores para algumas questões de menor importância; eles seriam nomeados pelo próprio Moisés, por vários motivos: a) ele conhecia o suficiente os homens de Israel, b) sabia quem tinha potencial para ser um líder, c) impossibilidade de transferir a culpa depois, havendo fracasso, pois ele mesmo que os escolheu. Os auxiliares não seriam escolhidos de maneira arbitrária, baseada em favoritismo pessoal (Êx 18.21), pois tais nomeações são problemáticas, sempre causam transtornos à obra de Deus; e cada líder deveria, no mínimo, possuir: 1. Capacidade - haja vista a necessidade constante de tomar decisões sensatas. 2. Espiritualidade - não adiantava ser capaz e não temer a Deus; para Jetro, qualificação e espiritualidade caminham lado-a-lado, estão entrelaçadas; mas também não deveria escolher alguém que tivesse num padrão elevado de comunhão com Deus, e fosse inapto para desempenhar a tarefa de tamanha urgência. 3. Vida ética e moral intocável - possuir moral ilibada era uma maneira de não ceder ao assédio dos judeus desonestos, dispostos a pagar propina para obter resultados favoráveis. Cada líder/cabeça seria responsável por certo departamento com tamanho diferenciado (Êx 18.21b), podendo julgar causas de menor gravidade; Moisés cuidaria de outras coisas (Êx 18.21) e atenderia os casos especiais. Ele, desta forma, beneficiou o povo e aliviou a si próprio (Êx 18.22), uma vez que tinha uma equipe para ajudá-lo a "levar a carga", e "suportar a tensão"(Êx 18.23). Que a liderança evangélica também seja totalmente participativa, democrática e colegiada... seja uma liderança de excelência.

29


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

NOTAS 1 MARCONDES FILHO, Juarez. "Fundamentos Bíblicos Para a Liderança Contemporânea". In KOHL, Manfred W & BARRO, Antônio Carlos (orgs). Liderança Cristã Transformadora. Londrina: Descoberta, 2006, ps.68,69. 2 BARNA, George. Líderes em Ação. São Paulo: United Press, 1997, p. 19. 3 SANDERS, J. Oswald. Liderança Espiritual São Paulo: Mundo Cristão, 1985, ps. 11,12. 4 CHRISTENSON, Larry. Para Onde Vai a Família? Horizonte: Betânia, 2â ed., 2001, p.9. 5 MAHANEY, C. J." Liderança Masculina e Bom Senso Feminino". In GRUDEM, Wayne & RAINEY, Dennis. Famílias Fortes, Igrejas Fortes. São Paulo: Vida, 2005, p.227. 6 COELHO, Silmar. O que as Mulheres Esperam dos Homens. Rio de Janeiro: Não Desista, 2001, p.23. 7 MARINS, Luiz A. Socorro! Preciso de Motivação. São Paulo: Harbra, 1995. 8 D'ARAÚJO FILHO, Caio Fábio. Síndrome de Lúcifer. Belo Horizonte: Betânia, 1988. 9 BICKET, Zenas J. "O Caráter do Servo do Senhor". In Pastor Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2006, 5â ed., p.114. 10 KESLER, Neemuel. A Crise de Integridade no Ministério Pastoral. Rio de Janeiro: CPAD, 2005, ps.9-32. 1 SILVEIRA, Carlos Augusto Froes. "Liderança Está na Moda". In http:/Avww.institutojetro.com.br 12VINE, W. E. & UNGER, Merril F. & WHITE (JR), William. Dicionário VINE Rio de Janeiro: CPAD, 2â ed., 2003, ps.57-59. 13 DOUGLAS, J. D. (ed.). & (SHEDD, Russel P). O Novo Dicionário da Bíblia. São Paulo: Vida Nova, 3â ed. rev., 2006, p.179. 14 VINE & UNGER & WHITE (JR), Op. Cit., p.69. 15VINE & UNGER & WHITE (JR), p.687. 16 BARRO, Jorge H. De Cidade em Cidade. Londrina: Descoberta, 2â ed. rev., 2006, p.107. 17REIS, Daniel. "Liderança Para a Igreja Local". In HORREL, John S. (org.). Ultrapassando Barreiras. São Paulo: Vida Nova, 1994, p.45 18 DOUGLAS & SHEDD, Op. Cit., ps.559-561. 19 CALDAS, Carlos. Fundamentos da Teologia da Igreja - Coleção Teologia Brasileira. São Paulo: Mundo Cristão, 2007, p.73. 20 DUSILEK, Nancy Gonçalves. Liderança Cristã. Rio de Janeiro: JUERP, 5â ed., 1996, ps.35,36. 21 MEYER, Paul J. & SLECHTA, Randy. Os 05Pilares da Liderança. São Paulo: Vida, 2007, p. 27. 22MAXWELL, John C. As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança. São Paulo: Mundo Cristão, 1999, p.37. 23BARNA, George. Desperte o Líder que Há em Você. Rio de Janeiro: CPAD, 2004, p.6. 24RIZZO JR, Miguel. Jesus Cristo. São Paulo: Cultura Cristã, 2a ed., 1989, p.ó. 25HUNTER, James C. O Monge e o Executivo. Rio de Janeiro: Sextante, 6â ed., p.61. 26PRICE, J. M. A Pedagogia de Jesus. Rio de Janeiro: JUERP, 9â ed., 1995, ps. 147-161. 27 WILKES, C. Gene. O Último Degrau da Liderança. São Paulo: Mundo Cristão, 2000, p. 254). 28PADILLA, Ivan, Op. Cit., p. 121. 29 SANDERS, J. Oswald. Discipulado Espiritual. Rio de Janeiro: JUERP, 1995, p.18. 30 MAXWELL, John C. 21 Minutos de Poder na Vida de Um Líder. São Paulo: Mundo Cristão, 2002. 31 SILVA, Samuel Costa da. Liderança Eficaz. Brasília: Palavra, 2006, ps.25-31. 32 HUNTER, James C, Op. Cit. p.25. 33 BARNA, George, Desperte o Líder que Há em Você, p.7. 34 DUSILEK, Nancy Gonçalves, Op. Cit., p.21. 35 SANDERS, J. Oswald, Liderança Espiritual, p.20. 36 MEYER & SLECHTA, Op. Cit. p.16. 37 DAVIS, Billie. Liderança Eficaz. Campinas: ICI Brasil, 2007, p.16. 38 GOODALL, Wayde I. "Dominando o Estresse e Evitando o Esgotamento", in Pastor Pentecostal, idem, p.169. 39 KIVITZ, Ed René. "Pequenos Grupos, Uma Velha Novidade". In HORREL, John S., Op. Cit., p.61. 40 MCNAIR, S. E. A Bíblia Explicada. Rio de Janeiro: CPAD, 10a ed., 1994, p.43. ---------- EIMS, Leroy. A Formação de um Líder. São Paulo: Mundo Cristão, 1998, ps.63-79.

30


SÉRIE CRESCER: PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BÍBLICA-TEOLÓGICA-PRÃTICA

QUESTIONÁRIO LIDERANÇA CRISTÃ *Nome: ________________________________ Sexo: ( )DataNasc._/_/_Natural:„ *End.: __________________________ Bairro: Cidade: ______________________________________ UF_ CEP: ______________________ Fone: ( __ ) ___________ *Nome completo, sem rasuras, conforme constará no certificado. * Endereço correto para o qual será enviado o certificado.

I. QUESTÕES TEÓRICAS: 1. A liderança, em geral, parece estar em crise. Cite alguns fatores que podem estar no subsolo da possível crise. Resp. ______________________________________________________

2. Jesus Cristo é líder modelo. Descreva, então, marcas da liderança de Jesus, conforme o texto do Dr. Wander de Lara Proença Resp. ______________________________________________________

3. Mencione algumas definições de liderança. Resp. ___________________________________

4. Quais são os prejuízos quando o líder centraliza o poder? Resp. _______________________________________________

31


II. QUESTÕES AVALIATIVAS: 1. Você exerce alguma função de liderança na sua igreja? Qual? Comente a respeito de suas atividades enquanto líder. Resp. ______________________________________________________

2. Qual sua opinião sobre o conteúdo desta disciplina? Resp. ____________________________________________

3. Como você avalia o seu aproveitamento deste módulo - tempo dedicado ao estudo da disciplina, comentários importantes suscitados, possíveis descobertas? Resp. ______________________________________________________

4. De que maneira você pretende aplicar em sua vida e ministério o que aprendeu nesta discplina? Resp. ______________________________________________________

5. Como você avalia a forma como as informações foram transmitidas pelo professor-escritor: você conseguiu compreender o que ele quis lhe passar ou teve dificuldades? O que poderia ser melhorado? Resp. ______________________________________________________

32

NOÇÕES DE LIDERANÇA CRISTÃ - José Roberto Oliveira  

NOÇÕES DE LIDERANÇA CRISTÃ - José Roberto Oliveira

Advertisement