Issuu on Google+

alcaxete

quinzenal regional

Ano 1 - N.º 5

-

20 Maio de 2010

-

Quinzenal

-

Preço: 0.01€

-

Director: Eng.ª Teresa Pedrosa

António Soares

Marketing e Publicidade:

JUNTA DE FREGUESIA DE S. FRANCISCO

«Até hoje não me considero político»

Pág. 16

Págs. 8 e 9

Rua Manuel Gomes Nepomuceno, 9B 2870-127 MONTIJO Tel: 21 231 49 54 - Fax: 21 230 12 17 E-mail: msartesgraficas@clix.pt


alcaxete

quinzenal regional

02

Editorial “Alcaxete, 13 de Maio de 2010: o dia da Espiga” Hoje é um bom dia para eu fazer uma composição, ou redacção como prefiram, acerca do dia da espiga. Estamos na primavera, os dias são luminosos, as flores estão espalhadas pelos campos e deixam o seu perfume no ar. É caso para perguntar o que é que isso tem de especial. Afinal, acontece todos os anos por esta época, por todo o lado, e toda a gente está ao corrente. E se isso não fosse o bastante para me demover de fazer esta “composição”, podia simplesmente encolher-me alegando que não tenho “veia poética” - porque efectivamente não tenho. Falava apenas dos “assuntos importantes”, aqueles que todos querem ouvir falar. Mas então que ideia foi esta de vir para aqui falar do dia da espiga? Estarei apenas a dar importância a um dia em que se colhem umas ervas que mais tarde se reduzem a “palha”? Ou será um imperativo do nosso momento actual? Isso agora fica ao seu critério decidir. Quando o desafio é grande, e exige que o enfrentemos, temos que nos fortalecer. Nestas ocasiões a decisão acertada pode passar por voltar ao início, procurar a origem, a raiz da terra, onde tudo começou. E com a bravura e a coragem que caracteriza este concelho de tradição tauromáquica, acredito que o resultado vai surgir. Quanto à minha composição sobre o Dia da Espiga e como os tempos são modernos, vou deixar aqui apenas parte da i n f o r m a ç ã o d i s p o n í v e l e m http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_da_espiga sobre este dia que, tal como o alcaxete, acontece numa quinta-feira. Vou passar a citar: “O Dia da espiga ou Quinta-feira da espiga é celebrado (…) com um passeio matinal, em que se colhem espigas de vários cereais, flores campestres e raminhos de oliveira para formar um ramo, a que se chama de espiga. (…) O dia da espiga era também o "dia da hora" e considerado "o dia mais santo do ano", um dia em que não se devia trabalhar. Era chamado o dia da hora porque havia uma hora, o meio-dia, em que em que tudo parava, "as águas dos ribeiros não correm, o leite não coalha, o pão não leveda e as folhas se cruzam". Era nessa hora que se colhiam as plantas para fazer o ramo da espiga e também se colhiam as ervas medicinais. Em dias de trovoadas queimava-se um pouco da espiga no fogo da lareira para afastar os raios.” As cores e a simbologia por detrás das plantas que formam o ramo da espiga também davam um excelente assunto, mas não me quero alongar - não me compete a mim fazê-lo. O importante, e que quero realçar, é que cada uma das plantas, em cada uma das suas cores, fazem parte da “Espiga” e têm que estar presentes no ramo. …e são estas as minhas considerações sobre “o dia Espiga”.

Teresa Pedrosa

Ficha Técnica: Proprietário e Editor: Mário M. P. Silva - Rua Manuel Gomes Nepomuceno, 9B - 2870-127 Montijo - Tel: 21 231 49 54 - Fax: 21 230 12 17 * Director: Eng.ªTeresa Pedrosa * Director-Adjunto: João Silva * Sub-Director: Mário Silva * Redacção: Vânia Rosário (vaniamarisanevesrosario@gmail.com) - Fernando Magueta* Publicidade: Ângela Correia * Paginação e Grafismo: MS - Artes Gráficas e Publicidade * Colaboradores: Miguel Boeiro, Fernando Pinto, Joana Roque Lino, Hernani Lopes Pereira, Ana Maria Thomä, Mary Smith, Fátima Vieira, Augusto Silva, Pedro Santos, Marco Pereira * N.º de Registo Definitivo 125834 * Tiragem: 10.000 Exemplares* Periodicidade: Quinzenal * Sede de Redacção: Rua Ruy de Sousa Vinagre - Edífico Monte Novo r/c 2890-999 Alcochete * Tel: 21 098 76 31 * E-mail: geral.alcaxete@gmail.com * Impressão: Coraze - Oliveira de Azeméis.

20 Maio 2010


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Pool de Alcochete em Las Vegas

Quatro elementos do Radical Pool Clube de Alcochete vão marcar presença na Valey National Eight Ball (VNEA),

em Las Vegas, Estados Unidos da América, a maior competição mundial de pool, variante do bilhar, jogada em

mesas de sete pés. Depois de ter obtido a 16ª posição no quadro geral da edição de 2009 Hugo Serralha diz-se mais confiante na participação deste ano, com início a 27 deste mês. “Estou a jogar melhor do que há um ano”, sublinha o capitão da equipa alcochetana, melhor classificado português na prova. Com a experiência amealhada na última tempora e na aventura americana de há um ano o capitão da equipa alcochetana acredita que os resultados da participação na 30ª VNEA (ver caixa) “podem ser melhores do que na nossa primeira p a r t i c i p a ç ã o . Te m o s a experiência do ano passado

Actualidade e acabámos de realizar uma liga onde, colectivamente, obtivemos um excelente desempenho”, justifica. A prova regional onde participa o Radical Pool Clube de Alcochete está integrada na Liga Brunswick, sob a égide da Liga Portuguesa de Pool. Juntamente com Hugo Serralha viajam Carlos Correia, José Correia e Rafael Correia entre mais de meia centena de jogadores nacionais. Os Estados Unidos, Canadá e Austrália são os países que contribuem com a maioria dos competidores presentes na «cidade do jogo» até ao dia cinco de Junho. A participação dos elementos do Radical Pool Clube de Alcochete resulta da participação na Liga

03

Portuguesa de Pool desde o início do ano, prova onde colectivamente o clube obteve a segunda posição. “Infelizmente, devido ao facto da equipa vencedora ter adulterado o resultado da última jornada”, sublinha Hugo Serralha. A equipa vencedora leva todos os seus elementos a Las Vegas. Com o recente encerramento do Bar Radical o clube ficou, temporariamente, sem espaço próprio para a prática da modalidade. Brevemente “esse problema será soluccionado”, garante Hugo Serralha”, empresário e grande divulgador da modalidade na região. Fernando Magueta

O Valey National Eight Ball celebra este ano a sua 30ª edição. Desde 1980 a organização norte-americana já reuniu mais de cem mil praticantes de Bola 8 no Riviera Casino Hotel, entre homens e mulheres, nos escalões junior e adulto. Na edição do ano transacto o VNEA somou 600 mil dólares em prize money que premearam o desempenho desportivo das partidas realizadas em 300 mesas de jogo. Àquela edição inscreveram-se cerca de 5.000 participantes de todo o mundo. Em Portugal o empresário Carlos Teófilo é o grande dinamizador da modalidade e das provas que dão o passaporte para a grande prova mundial de Bola 8.

Um café e um poema O Clube de Leitura em Voz Alta de Alcochete organizou um recital de poesia no Pelourinho Bar, na passada sexta-feira. A ideia de “levar a poesia à rua” foi de Augusto Silva, ao que o grupo aderiu de imediato e de forma espontânea, orientado pela escolha livre e individual de poemas sob o tema «caminhos, busca». Inspirado nos tempos em que Alcochete assistia a tertúlias burguesas e populares dedicadas à poesia – tal como acontecia com o fado –, o mentor deste evento recorda que “há mais de vinte anos” Alcochete não assistia a estes serões que

agora se pretendem recuperar. O recital de poesia ao início de noite revelou, também, leitores das mais distintas faixas etárias e uma enorme interacção entre eles. E a provar que a poesia pode ser divertida ficou a leitura de «O Cantico Tinto», de José Régio, numa versão de um autor desconhecido, mas declamada com enorme entusiasmo a brindar a ideia de Augusto Silva em forma de dedicatória. A iniciativa foi um sucesso e serviu de balão de ensaio para posteriores recitais, segundo Cristina Paiva. A dinamizadora do Clube de

Leitura sublinha a ideia e salienta “o facto de os elementos do grupo conhecerem muito bem os autores portugueses”. Com efeito os autores p o r t u g u e s e s contemporâneos foram os mais recitados naquele início de noite diferente. Como diferente será a manhã do próximo dia 29, quando a Junta de Freguesia de Alcochete receber o Clube de Leitura a convite do agrupamento das associações de pais das escolas do concelho a convite de pais e encarregados de educação. “Vamos ler só para os pais dos alunos”, revela Cristina Paiva. Fernando Magueta

Movimento de Utentes dos Serviços Públicos de Alcochete Comunicação à população O encerramento das consultas médicas na Extensão do Centro de

Saúde de Alcochete, na Freguesia de S. Francisco, foi o motivo da Sessão Pública promovida pela Assembleia Municipal e o Movimento de Utentes Dos

Serviços Públicos De Alcochete (MUSPA) na JF de S. Francisco, no passado dia 7 de Maio. A constituição da mesa contou com a presença do Presidente da Assembleia Municipal Miguel Boieiro, Presidente da Câmara Municipal Luís Franco, deputada Paula Santos do PCP, Presidente da JF de S. Francisco António Soares, comissão permanente nacional do MUSP José Sales, comissão do MUSPA António Gil.

Participaram membros da Assembleia Municipal, da Câmara Municipal, das Juntas de Freguesia do Concelho, e mais de uma centena de residentes de S. Francisco, tendo sido unânime a disposição de lutar por todos os meios para conseguir a reposição dos seus direitos aos serviços médicos de qualidade. Direitos que foram antes conquistados, e que estão a ser retirados, aos poucos, discretamente como se não fosse importante. Mas o direito aos cuidados de saúde

é importante. Com este espírito, e porque temos que ser nós a lutar pelos nossos direitos, o MUSPA tem um abaixo-assinado a decorrer onde, a par com questão do Serviço de Saúde de S. Francisco, reivindica também a construção do hospital Alcochete-Montijo. Vamos todos participar na vigília em frente ao Centro de Saúde de São Francisco dia 21 de Maio pelas 21h.


04

alcaxete

quinzenal regional

Opinião

Alcochete Símbolo maior do Forcado!

Numa das mais belas Tertúlias Tauromáquicas do País, existe uma sala consagrada ao Forcado onde está patente, aos olhos de todos, um conjunto de fotografias que ilustram as memorias de um passado repleto de história e de um presente condizente com esta tão nobre arte que é a de “pegar toiros”. Este é o Aposento do Barrete Verde de Alcochete! A casa do Grupo de Forcados Amadores do Aposento do Barrete Verde,

que no próximo dia 22 completa 45 anos de existência, após ter sido fundado no longínquo ano de 1965.

Abrilhantou o espectáculo a Banda da Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898, de Alcochete.

O grande mentor deste projecto foi Francisco Penetra Rodrigues, que contou com Artur Garrett para a orientação técnica do grupo, que teve como 1º.Cabo – José Luís Carapinha Rei, a quem competiu capitanear os seguintes homens: Aníbal Pinto; José Pinto; Manuel Pinto; João Mimo; Luciano Pinto; Augusto Henrique; Luís Cebola; José Gomes; Eduardo Vantacich; António Tavares; José Pires; Gregório Bolota; Joaquim Labreca e Francisco Giro.

Em 1967, o Sr. António Luís Penetra é nomeado cabo do grupo de forcados e consegue, corrida após corrida, época após época, afirmar no panorama taurino o nome do grupo de Alcochete, como sendo uma referência entre os grupos de forcados existentes naquela altura, tendo alcançado os mais variados êxitos. Aliás, decorria o ano de 1968 quando o grupo de forcados do Aposento do Barrete Verde alcançou o mais alto prémio, que se podia atribuir a um grupo de forcados, o Prémio da Imprensa. Este troféu encontra-se em exposição no relicário do forcado, na sede do Aposento.

O grupo fez a sua apresentação na Praça de Toiros de Alcochete a 09/08/1965, precisamente num Festival de Homenagem ao Aposento do Barrete Verde, em que fizeram parte do cartel os Cavaleiros Pedro Louceiro; J.Barahona Núncio e José Samuel Lupi, que actuaram generosamente. O grupo de forcados do Aposento do Barrete Verde dividiu praça com o grupo de forcados da Tertúlia Tauromáquica do Montijo.

No ano de 1981, o grupo passa a ser dirigido pelo Sr. Luís António Cebola, que aposta numa renovação formando um grupo de forcados juvenis, que viria a ser determinante nos sucessos subsequentes do grupo e que, rapidamente, consolidou a sua performance ao mais alto nível. É curioso que alguns desses

Os INDEPENDENTES são também políticos responsáveis! Na política, por definição, um político sem partido ou independente é aquele que não está filiado em nenhum partido político. Os independentes podem ter pontos de vista próprios. Aqueles que integram os grandes partidos políticos, podem ter pontos de vista baseados em assuntos sobre os quais eles não sentem que recebem muita atenção de um partido com alguma dimensão. Outros candidatos independentes são associados a um partido político e podem ser antigos membros destes, mas não são capazes de representar a sua ideologia. Uma terceira categoria de independentes são aqueles que podem pertencer ou apoiar um partido político, mas acreditam que não deveriam formalmente representá-lo e então ser sujeito às suas linhas políticas. Dependendo da realidade política e da legislação eleitoral de cada região, seguir uma

carreira política sem filiação partidária pode ter muita, pouca ou quase nenhuma consequência. De um ponto de vista pragmático, independentes teoricamente teriam mais liberdade para defender posições sem necessariamente fazer concessões quer a nível de um programa de governo, quer autárquico ou mesmo de uma plataforma política de aliados. Na prática, é difícil mensurar até que ponto essa liberdade realmente existe. É no entanto aceite que os chamados independentes integrantes nas listas dos vários partidos e por vezes eleitos pelas forças políticas, têm forçosamente de assumir tal situação. Por um lado assumindo de forma clara, a responsabilidade das políticas do partido que os elegeram, exercendo o seu estatuto de independente para as contestar ou não; por outro devem saber posicionar-se, pois

apesar da sua não filiação, inserem-se num contexto político de que não poderão nunca ignorar, quer as políticas assumidas anteriormente por quem os elegeu quer as actuais, encontrando-se, enquanto tais, moradores de uma família política. Porém, é na vida autárquica que a política e os políticos se mostram mais de perto aos cidadãos, e onde os políticos, são escrutinados diariamente por estes. É aqui que o mesmo povo se interroga da razão de certas pessoas, vestidas de políticos, independentes ou não, sem ou com méritos abonados, não serem responsáveis pelo que dizem e escrevem quando anteriormente, os da sua própria família política, não consumaram os conteúdos desses artigos. Exaltando por vezes o princípio de que para trás nada interessa, exprimem-se (com todo o direito que lhes assiste) com opiniões

20 Maio 2010 jovens, ainda hoje, se encontram ligados intimamente ao grupo, dignificando naturalmente o Aposento. Sob o comando de Luís António Cebola, o grupo faz algumas digressões ao estrangeiro nomeadamente a França e a Espanha e em 1991 participa, pela primeira vez na sua história, na corrida da TV. Este ano, considerado para muitos como um ano de ouro, contou ainda com a distinção elaborada pela crítica, que se referiu ao grupo como um dos melhores grupos de forcados da época. Em 1993, na Praça de Toiros de Setúbal, Luís António Cebola despede-se das arenas, passando o seu testemunho a Joaquim José Penetra. Este, enquanto cabo do grupo, continua na senda dos êxitos, conseguindo brilhantes actuações nas corridas em que o grupo actua, ganhando inclusive alguns prémios de melhores pegas nas mais importantes Praças do Pais e participando, também, em algumas corridas em Espanha. Em 1995, é Luís Miguel Cebola quem assume o comando do grupo, cargo que viria a exercer durante 10 anos. A ele se deve a afirmação do grupo, ano após ano, alcançando vários sucessos e troféus de melhores pegas em importantes feiras taurinas, como é o caso das Sanjoaninas nos Açores, entre outras, e que podem ser

balofas, distraídas camufladas e roçando muitas vezes a inexactidão. Não se discute o país, o concelho ou a freguesia, sem que dos verdadeiros cidadãos independentes se assumam também como políticos responsáveis, saibam onde se encontram e assumindo que só estão eleitos porque o partido os fez integrar nas suas listas com um programa próprio escrutinado nos actos eleitorais. As responsabilidades dos filiados nos partidos bem como as dos independentes integrantes nas várias listas, deverão sempre serem assumidas na globalidade para o bem e para o mal. Os nossos eleitos, independentemente de terem ou não cartão dos partidos que compõem a coligação, expressam, cada um a sua opinião individual, com base no programa eleitoral apresentado à população de Alcochete e com o respeito democrático entre todos os que participam na CDU, permitindo-nos desta forma chegar a opiniões alargadas na defesa dos melhores interesses do Concelho.

apreciados no museu taurino do Aposento É em 2002 que o grupo de forcados do Aposento atinge o seu auge, sendo considerado pela Crítica como o Melhor Grupo de Forcados, tendo recebido, também, o troféu de um importante Jornal Taurino. Dois anos depois, João Miguel Salvação, hoje o actual cabo do grupo, foi galardoado pela Crítica com a distinção de Forcado do Ano. Ao longo destes 45 anos, foram escritas em letras de oiro muitas páginas de histórias, umas mais felizes, outras menos, mas tenho a plena convicção de que em todas essas páginas se juntaram homens de várias gerações, que de tudo fizeram para honrar a casa que os viu nascer e crescer enquanto forcados. Por uma simples flor e o calor de um aplauso, estes homens dignificaram a nossa cultura, a nossa identidade e a jaqueta que vestiram, não fora o facto de serem de Alcochete – símbolo maior do Forcado.

Fernando Pinto Deputado Municipal Independente eleito pelo PS bancadapsalcochete@gmail.com

Esta é e será sempre o posicionamento da Bancada da CDU, enquanto coligação, da qual fazem parte militantes do P C P d o P E V e d e Independentes.

FERNANDO LEIRIA Bancada da CDU da AM Alcochete

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALCOCHETE AJUDE-NOS A SALVAR...

CONTRIBUA PELO MENOS COM 1 EURO... NIB PARA CONTRIBUIÇÃO: 001000002303978000158 PARA MAIS INFORMAÇÕES LIGUE: 212 340 557


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Exposição «Meu Pai...Minha Mãe» No próximo dia 29 de Maio pelas 10h no Salão Nobre da Junta de Freguesia de Alcochete será inaugurada a exposição “Meu Pai…Minha Mãe” de trabalhos realizados pelos alunos das Escolas Básicas do Monte Novo, Valbom e do Jardim-de-Infância e Escola Básica da Restauração. Esta exposição resulta da colaboração das Associações de Pais e Encarregados de Educação destas escolas, que conta com o apoio da Câmara Municipal de Alcochete, da Junta de Freguesia de Alcochete e do Agrupamento Vertical das Escolas de Alcochete.

Visita disponibilizado.

Durante a cerimónia de inauguração desta exposição serão entregues os prémios para os melhores trabalhos dos alunos do Jardim-de-Infância e de cada ano do 1º ciclo destas Escolas Básicas. O Clube de Leitura em Voz Alta animará a sessão com leituras subordinadas ao tema “Quando eu for grande...”. Uma actividade a não perder, será o sorteio de prémios entre os participantes. Basta aparecer!

Esta exposição agrega todos os trabalhos que foram entregues no âmbito da comemoração dos dias “do Pai” e “da Mãe”, em que as Associações de Pais das Escolas Básicas do Monte Novo e Valbom e do Jardim de Infância e Escola Básica da Restauração, lançaram aos Pais e Alunos dois desafios a que deveriam responder em conjunto.

Quem não possa estar presente na inauguração vai ter oportunidade de desfrutar desta exposição até ao dia 13 de Junho, dentro do horário de funcionamento da Junta de Freguesia de Alcochete, e assinar e comentar no Livro de

No âmbito do Dia do Pai, comemorado no dia 19 de Março, foi lançado aos alunos destas escolas o tema “O dia ideal com o meu Pai!”, devendo cada aluno, em conjunto com o seu pai, padrinho, avô ou amigo, fazer uma banda

Educação desenhada cheia de cor e imaginação. No dia 2 de Maio, por ocasião das celebrações do Dia da Mãe, o tema escolhido foi “Mãe, a flor do meu jardim”. Desta vez foi pedida a construção de uma flor em que podia ser utilizado todo o tipo de material, mas apelando à criatividade para o recurso à reciclagem.

05

Esta actividade foi promovida pelas Associações de Pais e Encarregados de Educação, no pleno exercício das suas funções de incentivo à realização de actividades culturais, com o objectivo sempre presente de aproximar a comunidade familiar à comunidade escolar.

Nasceu a FAPEECA A FAPEECA é uma associação de direito privado e interesse público, educativo, formativo, cultural e científico, sem fins lucrativos e independente de qualquer ideologia política ou religiosa, nascida em Alcochete no passado mês de Março. Tendo em conta que a participação dos Pais e Encarregados de Educação na vida das Escolas deve ser cada vez mais alargada, e que, neste processo de envolvimento dos Pais na Escola assumem particular importância as Associações de Pais e Encarregados de Educação (APEE), pretendes e c o m a FA P E E C A dinamizar e consolidar o movimento associativo de Pais no concelho de Alcochete. Deste modo a FAPEECA intervirá como parceiro da

comunidade educativa junto dos órgãos de gestão dos Agrupamentos de Escolas do concelho de Alcochete, dos órgãos de soberania, instituições e autarquias, sempre com o intuito de possibilitar e facilitar o exercício dos direitos e cumprimentos dos deveres que cabem aos pais e encarregados de educação, c o m o p r i n c i p a i s responsáveis e garante da educação dos seus filhos/educandos. Os membros efectivos da FAPEECA são as Associações de Pais do concelho de Alcochete, legalmente constituídas.

Representatividade dos membros nos órgãos sociais da FAPEECA:

Escola Secundária de Alcochete - Comunicado

No passado dia 28 de Abril, a Direcção desta escola esteve presente numa reunião na Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo, na qual participaram o Director

Regional de Educação, Dr. José Joaquim Leitão, o Dr. Pedro Lara, o Dr. Paulo M a ch a d o , ve re a d o r d a Educação de Alcochete, a Directora e o Sub-director do Agrupamento Vertical de

Alcochete, Dra. Augusta Alves e Dr. Avelino Pinto, respectivamente. Nesta reunião, o senhor Director Regional referiu que, devido a problemas de espaço na Escola E.B 2,3 ElRei D. Manuel I para acolher o número de turmas previsíveis para o ano lectivo de 2010/2011, poderá haver a necessidade de transitarem três turmas de 7.º ano para a Escola Secundária de Alcochete, embora todos os presentes tenham reconhecido não ser esta a solução ideal, tanto mais que a Escola

Secundária presentemente já tem 29 turmas, sendo a sua capacidade máxima de trinta. Perante esta situação, conjugada com a necessidade de colmatar deficiências de construção, prevê-se a possibilidade de alargamento da Escola Secundária num prazo de três a cinco anos, com a sua inserção na 4.ª ou 5.ª fases do P a r q u e E s c o l a r, excepcionalmente, uma vez que a construção deste estabelecimento de ensino é posterior ao ano 2000. Acresce referir que, segundo informação do Dr. Pedro

Lara, caberá à Escola Secundária definir os critérios de selecção dos alunos de 7.º ano a transitar para esta escola e os docentes que vierem a leccionar as disciplinas do currículo do referido ano de escolaridade, serão professores adstritos ao quadro da Escola Secundária. A Direcção Aida Lopes, Carlos Romão, Laureta Mateus e Fernanda Veríssimo.


06

Cultura/Associativismo

alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Câmara atribui 20.722 euros em subsídios A Câmara Municipal aprovou na última reunião pública, que decorreu no passado dia 12 de Maio, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, a atribuição de subsídios, no valor de €20 722, para apoiar iniciativas desenvolvidas pelo movimento associativo. A Associação das Tradicionais Festas de Confraternização Camponesa de São Francisco beneficiou de um subsídio de €12.050, destinados à organização d a s F e s t a s d e Confraternização Camponesa, que se realizam entre os dias 2 e 6 de Junho, e que são uma tradição no Concelho integrando manifestações de índole cultural, recreativa e d e s p o r t i v a . No âmbito do Regulamento

de Apoio ao Movimento Associativo a Autarquia atribuiu os seguintes s u b s í d i o s : Vulcanense Futebol Clube €387,20, para fazer face a encargos decorrentes da formação nas modalidades de andebol e ténis, na época d e 2 0 0 9 / 2 0 1 0 ; Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense - €1 500, (repartidos em duas tranches de €750) para apoiar financeiramente a gravação do segundo CD da banda de música, fundamental na preservação e divulgação do património musical desta c o l e c t i v i d a d e ; Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898 - €1 500, (repartidos em duas tranches de €750) para apoiar

Cenas do Quotidiano

Acerca de... Uma das personalidades mais marcantes da ciência portuguesa contemporânea é a investigadora Elvira Fortunato, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, onde dirige o centro de investigação de materiais. Elvira Fortunato nasceu em Almada, licenciou-se em 1985 em engenharia física e dos materiais, tendo-se doutorado e agregado em microelectrónica e o p t o e l e t r ó n i c a , respectivamente, em 1995 e e m 2 0 0 5 . Te m h o j e publicadas dezenas de artigos em revistas científicas internacionais e já ganhou vários prémios. No âmbito das pesquisas que tem efectuado, juntamente

com a sua equipa, já conseguiu ganhar prémios tão significativos e mundialmente reconhecidos como o da bolsa avançada da European Research Foundation, no valor de 2,25 milhões de euros. Para se ter uma noção da importância deste prémio, a esta bolsa concorreram mais de dois mil investigadores de todo o mundo, dos quais apenas 1% eram portugueses. O projecto que conduziu à conquista desta bolsa inserese na área da chamada electrónica transparente, em que são usados materiais cerâmicos como semicondutores, os quais são usados em transístores. Por seu turno, estes transístores são usados num PDA ou num

financeiramente a gravação do quinto CD da banda de música, fundamental na preservação e divulgação do património musical desta c o l e c t i v i d a d e ; Grupo Desportivo da Fonte da Senhora - €1 500, (repartidos em duas tranches de €750) para fazer face às despesas decorrentes da organização do XXII Festival de Folclore da Fonte da Senhora, II Luso-espanhol, que visa promover o folclore e divulgar o património imaterial do Concelho; Casa da Malta - €2 500, repartidos em duas tranches de €1 250) para apoiar financeiramente a organização das comemorações do 27.º aniversário, que integram um conjunto de iniciativas de

âmbito cultural, com destaque para as exposições de pintura, sessão de pintura ao vivo, lançamento de um livro e apontamentos de fado, que engrandecem o M u n i c í p i o ; Associação Gilteatro - €850, para colmatar despesas decorrentes da encenação da peça “A Bela Vista”, apresentada na Casa do Povo de Alcochete; Núcleo Sportinguista do Concelho de Alcochete €250, para fazer face às despesas decorrentes da

Uma vez mais quero partilhar convosco um assunto de interesse geral. Quem já me conhece sabe que eu não tenho partido, nem religião, nem clube de futebol e que, quando resolvo abordar um tema, é simplesmente a pensar no bem estar de cada um de nós. Como é do vosso conhecimento, uma vez mais continuamos a ser vítimas das medidas que o governo resolveu adoptar e que, como é habitual, só vem prejudicar as pessoas com menos rendimentos e portanto com menos possibilidades financeiras. Desta vez tocou-nos bem de perto e estou a referir-me ao encerramento do Centro de Saúde de S. Francisco. Agora

tocou-lhes a eles e quem sabe quando será a nossa vez? Eu faço parte da Comissão do MUSPA, uma comissão que visa lutar de todas as maneiras possíveis para conseguir repor aquilo a que os moradores de S. Francisco têm direito ou seja, voltar a verem abertas as portas do centro de saúde perto de casa, para que não sejam obrigados a andar a pé os quilómetros que separam S. Francisco do Centro de Saúde de Alcochete. Conheço quem, com 75 anos e com imensas dificuldades para caminhar, já foi obrigada a fazer esse percurso a pé. Será isso justo? Não acredito. Então meus amigos, vamos dar todo o nosso apoio. Uma vez por eles, outra vez por nós!

écrã de televisão. A equipa de Elvira Fortunato desenvolveu juntamente com a Samsung uma nova geração de ecrãs planos transparentes com base na descoberta de um novo material semicondutor para os transístores, a saber, do óxido, como sucede com o óxido de zinco. A investigadora e a sua equipa chegaram até a conseguir dar um uso diverso do habitual ao papel, colocando transístores em papel, inovação nunca antes tentada a nível mundial. Estes transístores podem ser usados, segundo a investigadora, na área da electrónica descartável, de grande consumo e baixo custo. O papel é um material mais barato e apresenta boas propriedades isolantes, sendo um material óptimo para colocação dos transístores. Eles podem ser

usados em ecrãs, etiquetas, pacotes inteligentes ou em aplicações médicas na área dos bio-sensores. Já imaginou, por exemplo, ler um jornal ou uma revista com imagens em movimento? Pois é, com o invento em causa, isso pode ser possível. Para além do transístor de papel, a investigadora e a sua equipa conseguiu ainda fazer uma memória em papel, ou seja, armazenar informação nas fibras do papel, tal como se estivéssemos a guardar informação no disco de um computador. Um outro invento bastante significativo consistiu na descoberta do transístor electrocrómico, que altera a cor da superfície onde for implantado. Imagine que as paredes da sua sala vão mudar de cor num clique, apenas porque lhe apetece.

Caros amigos,

organização do Torneio de Sueca Inter-colectividades. Ao Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete a Autarquia atribuiu um subsídio de €184, para financiar o transporte dos alunos com Acção Social, da EB1 de São Francisco, na visita à Quinta Pedagógica Bichos do Mato, em Setúbal, no dia 14 de Junho, uma actividade prevista no Plano Anual de Actividades para o ano lectivo de 2009/2010.

PARTICIPEM DA VIGÍLIA EM FRENTE AO CENTRO DE SAÚDE DE S. FRANCISCO NO PRÓXIMO DIA 21 DE MAIO PELAS 21 HORAS Este vai ser o primeiro passo. Outros se seguirão para tentar evitar que os poucos direitos adquiridos que ainda temos, nos sejam retirados. Conto convosco! Paz e muito amor nos nossos corações. Abraço com carinho Ana Maria Thomä amthomae@gmail.com

Ou imagine que vai mudar a cor do carro, das janelas, do seu equipamento de trabalho… Pois isto já é possível, graças ao trabalho da investigadora e da sua equipa. Nós, portugueses, temos tanto para descobrir sobre nós próprios! E que tal começarmos já? Bom fim de semana.

Joana Roque Lino


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Tauromaquia

07

Próximos Cartéis FEIRA DE MAIO EM AZAMBUJA Campo Pequeno, 20 Maio - 22H00 Ganadarias: Ortigão Costa - Varela Crujo Luis Rouxinol - Rui Fernandes Procuna - Miguel Angel Perera Forcados: Amadores da Chamusca Angra do Heroismo, 21 de Maio Tiago Pamplona - Alexandre Gomes - Marcelo Mendes Forcados: Ramo Grande Ganadarias: Rego Botelho | Ezequiel Rodrigues Terrugem, 22 de Maio Paulo Caetano - José Manuel Duarte Pedro Salvador - João Moura Caetano Marcos Tenório - Duarte Pinto - Rui Guerra Forcados: Portalegre Ganadarias: Sommer D'Andrade - Cunhal Patrício Paulo Caetano - Pontes Dias - Ortigão Costa Francisco Luís Caldeira

A Centenária Feira de Maio, a mais castiça das Festas Ribatejanas, está de regresso à Vila de Azambuja, entre os dias 27 e 31 de Maio. São cinco dias recheados de festa brava e aficion, onde não vão faltar actividades equestres, taurinas, animação popular e muita música. O evento tem início no dia 27 de Maio, com a abertura oficial marcada para as 17h00, na Praça do Município, com a colaboração da Fanfarra da Associação dos Bombeiros Voluntários de Azambuja e de Campinos. No Campo da Feira, a “Praça das Freguesias” é inaugurada às 18h00. Um espaço que apresenta a gastronomia regional e a animação artística mais típica das Nove Freguesias do Concelho. No recinto estarão, também, os pavilhões das Actividades Económicas e do Artesanato “Artes e Ofícios”.

Moita, 22 de Maio Marcelo Mendes - Soller Garcia Juan del Álamo - Morenito de Portugal Forcados: Moita Ganadarias: Manuel Veiga

Às 19h00 tem lugar a primeira entrada e largada de toiros, um dos momentos altos da festa. Destaque ainda para a actuação da fadista Carminho, pelas 24h00, no Páteo do Valverde, e para a “Mesa da Tortura”, Prova de Resistência e Bravura, a partir da 01h30, na Praça do Município.

Moita, 23 de Maio Rui Salvador - Luis Rouxinol - João Salgueiro Vitor Ribeiro - João Telles Jr - Tiago Carreiras Forcados: Aposento da Moita Ganadarias: Conde de la Corte

Sexta-feira há cortejo de campinos pelas ruas da vila à luz de archotes, pelas 21h00, e largada de toiros às 22h. Segue-se a “Noite da Sardinha Assada”, com a distribuição gratuita de sardinhas, pão e vinho em diversos locais da Vila. Pela noite dentro, para além da actuação Herman José, na Praça do Município, a partir das 3h00, seguem os arraiais até ao romper do dia.

Coruche, 29 de Maio António Telles - Pablo Hermoso de Mendoza João Telles Jr Forcados: Montemor - Coruche Ganadarias: Passanha Azambuja, 30 de Maio Joaquim Bastinhas - João Moura Caetano Tiago Martins Forcados: Azambuja - Alenquer Ganadarias: Paulo Caetano S. Francisco, 3 Junho - 17H00 Feriado Nacional Ganadaria: Jose Luis Marca Luis Rouxinol - Carlos Alves - Marcos Bastinhas Forcados: Amadores de Alcochete - A. Elvas integrada nas Festas de Conf. Camponesa

Sábado é o Dia do Cavalo, com provas de campo, a partir das 15h00 na Várzea do Valverde, como os Jogos de Cabrestos, Condução de Cabresto e Prova de Perícia de Campinos. A largada de toiros está marcada para as 18h30. À noite, destaque para o Espectáculo Equestre “Maio Ribatejo”, pelas 21h30, na Praça de Toiros, para o Concerto com “Expensive Soul & Jaguar Band”, a partir das 24h00, junto à Escola Secundária de Azambuja, e a partir das 2h00, mais uma “Mesa da Tortura”, Prova de Resistência e Bravura, na Praça do Município. Na manhã de domingo, Dia do Campino, decorre a tradicional homenagem ao campino. Este ano o homenageado é o Campino Lúcio Perinhas, um dos campinos que há mais anos colabora na Feira de Maio e dedica a sua vida aos cavalos e aos toiros. A largada de toiros está marcada para as 10h30. Neste dia, destaque ainda para a Tradicional Corrida de Toiros à Portuguesa, na Praça de Toiros de Azambuja, pelas 17h00 e para o espectáculo “O Teu Espírito Equestre”, no Páteo do Valverde. No último dia, segunda-feira, 31 de Maio, os alunos do 1º Ciclo da Escola Básica vão encher as ruas da Vila, pelas 9h00, com muita animação e a Escola de Toureio de Azambuja vai fazer uma Exibição, na Praça de Toiros, a partir das 15h30. A última largada de toiros está marcada para as 18h30.

51.º Concurso de Ganadarias de Évora Decorreu no Domingo passado em Évora com organização da empresa Terra Brava de Carlos Pegado e Jorge de Carvalho, o mais antigo concurso de ganadarias do Mundo, este ano na sua 51.ª edição que contou com cerca de 3/4 de casa. As ganadarias a concurso foram as de Miura, Palha, Victorino Martin, Murteira Grave, Passanha e Dolores Aguierre. O prémio de bravura recaiu unanimente sobre a ganadaria Portuguesa Palha de João Folque e o prémio de apresentação recaiu sobre a espanhola Victorino Martin, escolha esta que não agradou à generalidade do público. Completou o cartel os cavaleiros António Telles, João Salgueiro, Vitor Ribeiro e os Forcados de Montemor e Évora.

FEIRA DE MAIO NA MOITA A empresa Toiros e Tauromaquia de Manuel Cardoso "Néné" deu a conhecer oficialmente os dois cartéis que compõem a Feira de Maio 2010 da Moita. Assim no Sábado 22 de Maio pelas 17 horas com o formato de novilhada actuam os cavaleiros praticantes Marcelo Mendes e Soller Garcia. E no toureio apeado Morenito de Portugal e a grande promessa de Espanha Juan del Álamo. Sairão á arena Moitense seis preciosos novilhos da ganadaria de Manuel Veiga, que serão pegados pelos Forcados Amadores da Moita. De realçar que a empresa Toiros e Tauromaquia num acto de fomentar a aficion nos mais novos dará entradas totalmente grátis para a novilhada a todos os jovens com idades compreendidas entre os 6 e 11 anos, desde que acompanhados por um adulto. No mesmo dia e pelas 22 horas todos os aficionados poderão presenciar gratuitamente ao desenjaulamento dos toiros da ganadaria Espanhola de Conde de la Corte a serem lidados no dia seguinte. No Domingo 23 de Maio pelas 17 horas para além dos já referidos toiros de Conde de La Corte sairão à arena os cavaleiros Rui Salvador, Luis Rouxinol, João Salgueiro, Vitor Ribeiro, João Telles Jr. e Tiago Carreiras. Remata este cartel o Grupo de Forcados do Aposento da Moita.


08

alcaxete

quinzenal regional

Em Foco...

20 Maio 2010

António Soares António Soares, o actual Presidente da Junta de Freguesia de São Francisco, não se considera político. Ao fim de 37 anos de carreira política, acredita ser mais importante ajudar uma pessoa do que defender as ideias de um partido. Jornal Alcaxete: O que o levou, inicialmente, a envolver-se na política? António Soares: Envolvi-me na política após o 25 de Abril. Como tantos outros, nessa altura era muito jovem, tinha apenas 19 anos e a minha propensão surgiu frente ao Partido da Juventude Socialista. No entanto, considero que a minha vocação nunca foi para a política. Até hoje não me considero político. Sempre tive uma maior inclinação para o desporto. Em 1973, quando eu tinha 18 anos, pensei em fundar um clube em São Francisco, na freguesia onde eu nasci e onde nasceram também os meus pais e os meus avós. Na época, como o desporto mais conhecido na zona era o futebol, acabei por reunir cerca de quinze rapazes, entre os quais eu era o mais novo, e todos juntos iniciámos o percurso do Futebol Clube de São Francisco. Nesta fase, o meu envolvimento na política foi baseado na ampliação da comunicação entre entidades como a Câmara Municipal de Alcochete e o Futebol Clube de São Francisco. Só em 1989, após ter recebido várias propostas para figurar na lista à Assembleia Municipal de Alcochete, acedi ao pedido e entrei efectivamente nesta

esfera. Em 1991, quando desenvolvi projectos neste âmbito, ganhei o gosto pela área. Entretanto, passaram dez anos e apenas em 2001 voltei a figurar numa lista, desta vez como VicePresidente da Junta de Freguesia de São Francisco. Volvidos dois mandatos, em 2009, o meu cargo foi alterado para Presidente de Junta. Pessoalmente, acredito que a partir do dia 11 de Outubro de 2009 deixei de ser socialista. Quando assumi o cargo de Presidente da Junta de Freguesia de São Francisco, passei a focar-me e a preocupar-me mais com as pessoas e menos com a política. JA: Como é que encara o seu cargo de Presidente da Junta de Freguesia de São Francisco? AS: Encaro com grande responsabilidade. No entanto, sinto-me bem acompanhado. Tentei desde início formar uma boa equipa, uma equipa bastante sólida. Estamos todos unidos. Apoiamo-nos uns aos outros. Podemos contar uns com os outros e sabemos que estamos todos a trabalhar para o mesmo objectivo e com o mesmo propósito. Sozinhos podemos não conseguir nada, mas juntos alcançamos muitas vitórias. JA: A população tem abertura suficiente para falar consigo, quer seja para o elogiar ou para criticar? AS: Sim, claro. Eu estou aberto a todos os diálogos. Não há ninguém que tenho vindo a esta junta, desde que aqui estou, que não tenha sido atendido e que não tenha

sido bem recebido. Eu acredito no bem das pessoas e sempre que as posso ajudar, faço-o com todo o gosto. Além disso, eu dou bastante valor à opinião das pessoas face ao meu trabalho e ao desempenho das minhas funções. JA: Ao longo da sua carreira, existe algum episódio que guarde com especial carinho? AS: Apesar de desempenhar este cargo há pouco tempo, na última década tive a oportunidade de acompanhar o desenvolvimento de alguns dos projectos desta junta. Um dos aspectos que me deixa mais orgulhoso é o facto desta freguesia já poder contar com uma Caixa Multibanco. Infelizmente, a freguesia continua a lutar por uma Farmácia, que ainda não sabemos quando e como é que vai chegar. JA: Numa perspectiva menos positiva, existe algum episódio que guarde com mágoa? AS: Recentemente e para grande preocupação minha, sofremos um percalço com o Posto de Saúde e o atendimento das Consultas Médicas. O encerramento deste posto afecta em muito a nossa freguesia. Foi o povo que construiu aquelas instalações e foi através da junta que se mobilou o posto. Não houve custos extra. O espaço tem óptimas condições. Neste momento, não acredito que hajam justificações suficientes para se proceder ao encerramento do posto, principalmente, sem aviso prévio. Agora permanece a dúvida se este será ou não um encerramento


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Em Foco...

09

«É mais importante ajudar uma pessoa do que defender as ideias de um Partido» temporário ou permanente. JA: Derivado da sua experiência, tem algum conselho que queira deixar aos seus colegas autarcas? AS: Sim. Acredito que é muito importante, na maioria das vezes, deixar a política de parte, para que nos possamos realmente dedicar às questões e aos afazeres das nossas funções em prol da população que em nós confia. Esta é a base da minha conduta enquanto Presidente e acredito que todos deveríamos tentar fazê-lo. JA: Gostaria de deixar alguma mensagem à população? AS: Gostava de reforçar a ideia de que o executivo da

junta tudo vai fazer para repor as consultas no Posto Médico de São Francisco, recorrendo a todos os meios possíveis. Estamos neste momento a realizar um abaixo-assinado e convidamos todos a visitarem as instalações da junta e a participarem no mesmo. Estamos igualmente em sintonia com a Câmara Municipal de Alcochete d i a n t e d e s t a responsabilidade, tentando repor os direitos dos nossos cidadãos, no que diz respeito à área da saúde. Estamos ainda à disposição para ouvir e ajudar quem quer que precise da nossa assistência. A equipa de Junta de Freguesia de São Francisco está cá para acompanhar a

sua população. Finalmente, deixamos aqui uma palavra de força e amizade à Comissão de Festas, que prepara agora as comemorações do próximo dia 2. Que não hajam desmotivações. Vânia Rosário

Perfil do eleito António José da Silva Soares tem, actualmente, 55 anos. Foi fundador do Futebol Clube de São Francisco em 1973. É Presidente do Futebol Clube de São Francisco desde 1973. Foi Membro da Assembleia Municipal de Alcochete entre 1989 e 1992. Foi Vice-Presidente na Junta de Freguesia de São Francisco entre 2001 e 2008. Actualmente, é Presidente da Junta de Freguesia de São Francisco. Encontra-se a cumprir o primeiro mandato, tendo sido eleito em 2009.

Nesta edição, damos por terminado, o ciclo de entrevistas efectuadas aos principais autarcas do nosso concelho. Iremos continuar com outros entrevistados, nas mais variadas áreas de interesse para Alcochete.

alcaxete

quinzenal regional

o nosso jornal


alcaxete

quinzenal regional

C

GU FRE

ES IA

20 Maio 2010

HE TE

10

O D E A LC

FREGUESIA DE ALCOCHETE LUDOTECA DA FONTE DA SENHORA Este é um Projecto de Animação Sócio-Educativa dirigido aos mais e menos jovens da zona rural da Freguesia. Já se desenvolve há cinco anos. Para os mais jovens existem, diariamente, actividades de educação e animação e os menos jovens têm actividade física duas vezes por semana e curso de alfabetização três vezes por semana. Oferecemos alguns serviços de apoio e acompanhamento à comunidade e ainda, este espaço, é utilizado para diversos convívios entre a população sénior que ali se desloca diariamente.

SALA I A SALA de Informática da Junta de Freguesia de Alcochete é um equipamento específico onde funcionam, neste momento, quatro cursos de informática. Destes, dois são no âmbito do protocolo com o Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete, de níveis diferentes e abordam vários programas e, os outros dois são da nossa inteira responsabilidade (estão a decorrer Iniciação e Office). Este espaço é, por vezes, também utilizado para o desenvolvimento de actividades no âmbito dos estágios dos alunos do ensino secundário.

Projecto “ALCOCHETE PRAIA LIMPA” Iremos dar início à 5ª edição do Projecto “Alcochete Praia Limpa” que se desenvolve em parceria com o Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete, com o apoio do Município de Alcochete, da AMARSUL e da SIMARSUL. As actividades práticas iniciaram-se no dia 19 de Maio e terminarão no dia 4 de Junho. Participam todos os alunos dos 3º e 4º anos das EB 1 da Freguesia. A génese deste Projecto centra-se nas preocupações ambientais e na preservação do património natural que os promotores e os colaboradores têm. Pretendemos desenvolver a consciência ecológica nos jovens e contribuir para sensibilizar as entidades responsáveis para esta dimensão cada vez mais determinante na nossa qualidade de vida.

Como aqui já foi referido anteriormente o Concelho de Alcochete foi o seleccionado pelo Instituto Nacional de Estatística, I.P (INE) para realização do Inquérito-Piloto com vista aos Censos 2011. Se ainda não preencheu ou entregou os formulários (papéis) que lhe foram disponibilizados, em mão, ou depositados na sua caixa de correio deve fazê-lo até ao dia 4 de Junho (último dia) na Junta de Freguesia de Alcochete. Não esqueça que a entrega deste formulário é obrigatória.


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

O que nos passa ao lado

“…espécies como a andorinhado-mar, a graça vermelha, o ostraceiro americano, o painhode Wilson, entre outras que durante alguma fase do seu ciclo de vida passam pela Reserva Natural do Estuário do Te j o , s o f r e m u m a m o r t e dolorosa e quase certa…” Caros leitores, hoje o mundo caminha para o que não idealizamos dele, demonstrando o que não queremos para os nossos filhos e para futuras gerações, e nele o animal Homem teima em destruir a única terra que temos. Todos os dias nos chegam através dos meios de comunicação, e não só, notícias de atrocidades cometidas pelo Homem que lamentavelmente afectarão negativamente o nosso presente e o nosso futuro. Cabe aos grandes líderes políticos do mundo a responsabilidade de chegar a acordo sobre as directivas a seguir de forma a defender os interesses dos povos respectivos essencialmente nestas questões: na protecção

legal para os pobres nos limites aos fortes, para que não oprimam os fracos, nos conteúdos das leis promulgadas e na sua divulgação, na saúde, na educação e na protecção do ambiente e das espécies, de forma a assegurar um desenvolvimento sustentável e garantindo o futuro das gerações vindouras. Este deveria ser, na minha opinião, o código na luta da humanidade pela edificação de uma ordem e transformar o direito em poder. Contudo, sabemos que a supremacia da lei vê-se ameaçada por todo o Mundo. Vejamos o seguinte: todos nós temos conhecimento de civis massacrados no Iraque e no Afeganistão, vítimas de atentados radicais islâmicos. No Darfur, dizimam-se populações, no norte de Uganda vemos crianças mutiladas, obrigadas a actos de indescritível crueldade. Em Israel vemos civis, incluindo crianças deliberadamente vitimadas por bombistas suicidas palestinianos, na Palestina vemos lares destruídos, e como se não bastasse, actos semelhantes a estes continuam a ser planeados por esse mundo fora Ao nível do ambiente, assistimos ao desmantelamento ilegal do pulmão do Mundo, a Amazónia, que vem tendo uma área cada vez mais reduzida. Qual é afinal a intervenção dos líderes políticos eleitos?

Nas últimas semanas temos assistido a mais uma das grandes catástrofes que ficará na história negra do Ambiente. Falo da explosão que aconteceu na plataforma petrolífera "Deepwater Horizon" no Golfo do México, propriedade da BP, que desde de 20 de Abril 2010 despeja cerca de 800 mil litros de petróleo por dia. Trata-se de um volume maior do que se poderia prever, provocando, isso sim como seria de prever, uma enorme e grave baixa na população da Reserva Natural de Pass-a-Loutre, levando à destruição de diversas espécies limícolas, marítimas e outras, sendo a área afectada comparada ao tamanho de um país como Porto Rico. Não podemos ainda esquecer que parte solúvel do petróleo é cancerígena, o que terá graves implicações também ao nível da reprodução das espécies. A minha amiga Silvia Gaus, uma bióloga alemã, envolvida nas operações de limpeza e resgate das aves atingidas, dizia-me desalentada que as tentativas de limpar os pássaros cobertos pelo crude são praticamente em vão. Meus caros amigos, espécies como a andorinha-do-mar, a graça vermelha, o ostraceiro americano, o painho-de Wilson, entre outras que durante alguma fase do seu ciclo de vida passam pela Reserva Natural do Estuário do Tejo, sofrem uma morte dolorosa e quase certa. Sabemos que o instinto da ave é limpar-se e se as suas penas estiverem sujas de petróleo é

Alteia Miguel Boieiro

Quando nos doía a garganta íamos à farmácia e comprávamos rebuçados de alteia que eram mais agradáveis do que os rebuçados de mentol, também muito recomendados para o mesmo efeito. Actualmente a parafernália de medicamentos para os males de garganta é quase infindável e poucos se recordam de usar a alteia. O nome é derivado do grego antigo e significa que serve para curar. Cientificamente, denomina-se “Althaea officinalis L.” e é curioso que igualmente a palavra latina officinalis reforça o sentido medicinal desta planta europeia que só medra em climas soalheiros. Pertence à família das malváceas, como a sua irmã malva e daí, ser também popularmente conhecida por malvaísco. Muito vistosa, atingindo uma altura que às vezes chega a 1,5 m, possuindo grandes flores

normalmente brancas ou rosáceas, é cultivada principalmente como planta ornamental. Há uma subespécie ainda mais bonita que dá flores mais escuras, de negro aveludado, a que dão o nome de malva-da-india. A alteia possui raiz fusiforme, carnuda e mucilaginosa, de sabor adocicado. Tem caule erecto, robusto e cilíndrico com penugem fina, folhas macias, arredondadas, lobuladas, alternas e curtamente pecioladas. As flores surgem nas axilas das folhas superiores formando, por vezes, panículas, tendo cinco sépalas e cinco pétalas cordiformes com numerosos estames. O fruto forma carpelos castanhos, dispostos em círculo. É uma planta hermafrodita perene, dado que todos os anos brotam da raiz novos rebentos. As flores são polinizadas principalmente por abelhas o que a torna também numa apreciada espécie melífera. Alguns constituintes químicos conhecidos: mucilagens, pectinas, flavonóides, óleo essencial, amido, açúcares,

ácido málico, aspargina, tanino, sais diversos, etc. Propriedades medicinais mais divulgadas: anti-inflamatória, béquica, calmante, emoliente, expectorante, laxante, sudorífera. A parte mais importante desta planta é a raiz. Ela deve ser desenterrada no Outono, bem limpa e seca. Jamais se deve lavá-la para não diluir as preciosas mucilagens que contém. O cozimento da raiz emprega-se em gargarejos, em clisteres e em cataplasmas. Trata gastrites, gastroenterites, colites, afecções respiratórias, irritações das mucosas digestivas, bronquites, problemas da pele. Antigamente os bebés mastigavam a raiz de alteia durante a época da dentição, pois amolecia as gengivas e facilitava o aparecimento dos dentinhos. Segundo Arden Moore e Bridget Doherty em “Herbs that Heal”, nos países anglosaxónicos era popular uma guloseima fina chamada “marshmallow”, constituída por raízes de alteia moídas, claras de ovos e açúcar.

Página Verde certo que não irá alimentar-se e a sua luta será inglória. Os que chegarem a ser resgatados, dificilmente sobreviverão, muitos terão que ser abatidos de forma rápida e indolor, pois é atroz o sofrimento de que estão a ser vitimas. Na área do pescado, as ostras, o atum-azul do Atlântico que se encontra na época de desovar, a tartaruga que se encontra na fase de construção dos ninhos, e outras espécies de pescado, sofrem consequências deste desastre. Certamente que estarão lembrados do vazamento do Prestige em 2002, que matou 250 mil pássaros e apenas sobreviveram 600 e que provocou estragos nas pescas espanholas. Desta vez, espero que com a ajuda dos ventos e das correntes marítimas, a probabilidade da mancha de petróleo do Golfo do México atingir os Açores, possa ser de facto reduzida. Embora seja certo que o pescado sofrerá consequências. Por isso questiono-me sobre as preocupações dos grandes líderes políticos acerca deste assunto. Que medidas tencionam tomar que minimizem estes desastres no futuro? A empresa responsável pelo acidente, já com processos em tribunal por causa de outros «acidentes», pagará 3 biliões de dólares pela limpeza da área afectada, o que alegadamente a iliba de tudo o que causou (é para rir). Pelos vistos desde que pague, poderá continuar a sua actividade. O ambiente ficou

Rezam as crónicas que também os romanos utilizavam as raízes doces e sumarentas da alteia na sua sofisticada culinária. Tanto as folhas, como as flores podem igualmente ser usadas na preparação de medicamentos, desde que se encontrem limpas de “ferrugem”. Registam-se ainda aplicações nos domínios da cosmética, tinturaria e no fabrico de vernizes (óleo). A fitoterapia tradicional descreve inúmeras receitas

11

p r e j u d i c a d o m a s isso…paciência. A vida continua. Pelo menos para alguns. Os efeitos sobre as espécies e os seus habitats, a biodiversidade, o próprio ser humano e sua sobrevivência ao longo do tempo não importam, estão se linchando para isso, o importante é ganhar fortunas e “quem vier atrás que feche a porta”. É este o pensar de muitos dos que gerem o mundo. E embora tenha fé que as gerações vindouras digam que basta, que chegou o momento de construir, dar passos em direcção à liberdade justa e duradoura, esse caminho não será fácil. E cada geração tem o seu papel a desempenhar nestas lutas e apenas isto pode garantir um planeta melhor. Mas nesta época teremos que pensar e perguntar: E se o mundo mudasse?

Augusto Silva

compostas em que a alteia é a protagonista central. Com a devida vénia, limito-me a transcrever uma simples preparação, apontada por Maurice Mességué na sua famosa obra “C'est la Nature qui a Raison”: - Mergulhem uma compressa numa infusão de malvaísco e apliquem-na no rosto e logo o acne e as irritações da pele desaparecem. E em banhos de boca, as aftas não resistem.


12

Actualidade

alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Museu Municipal vai inventariar Património Cultural Edificado do Concelho

EDITAL N.º 33/2010

DELIBERAÇÕES DA REUNIÃO ORDINÁRIA DE 12 DE MAIO DE 2010

LUÍS MIGUEL CARRAÇA FRANCO, Presidente da Câmara Municipal do Concelho de Alcochete:

TORNA PÚBLICO, que para cumprimento do n.º 1 do artigo 91.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com as alterações introduzidas pela Lei n.º 5-A/2002, de 11 de Janeiro, na reunião ordinária realizada em 12 de Maio de 2010, foram presentes os seguintes assuntos:

A Câmara deliberou aprovar: - Pedido apresentado por CONSTRUFALCO – Sociedade Imobiliária, SA para redução da garantia bancária do loteamento Quebrada Norte, em Alcochete, referente ao processo N.º LU.002.06; - Relatório Anual da Comissão Arbitral Municipal – 2009 – Mais foi deliberado remeter à Assembleia Municipal); - Ratificação do Despacho n.º 10/10 – 1.ª Alteração às Grandes Opções do Plano de 2010 – PPI e AMR; - Ratificação do Despacho n.º 11/2010 – 1.ª Alteração ao Orçamento da Despesa 2010; - Prolongamento de Horário de Encerramento dos Estabelecimentos de Restauração e Bebidas durante o período das Festas de Confraternização Camponesa de S. Francisco a decorrer entre os dias 2 a 6 de Junho (até às 04:00 horas); - “Construção do Centro Escolar de S. Francisco” – Proc.º I-02/10 – Aprovação de Aditamento ao Projecto de Execução; - “Conservação e Manutenção dos Sistemas de Abastecimento, Reservatórios: Elevado do Samouco e Apoiados do Batel” – Proc.º N-16/01 – Cancelamento de garantia bancária; - Proposta de Isenção de Taxa de Saneamento – cliente n.º 1277339; - Aceitação de doação de material informático; - Ratificação ao Protocolo de Parceria celebrado entre a T-LVT e o Município de Alcochete; - Voto de Louvor à Banda da Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898.

O Museu Municipal de Alcochete vai proceder à inventariação de todo o Património Cultural Edificado do Concelho até 2012. Este projecto foi apresentado em Alcochete no dia 15 de Maio, na Noite dos Museus, no âmbito das comemorações do Dia Internacional dos Museus que, este ano, têm como tema "Museus e a Harmonia Social". Este projecto local, que abrange a totalidade do Município de Alcochete, t e m u m conjunto de objectivos, com destaque p a r a a “salvaguarda do património edificado através da sua caracterização exaustiva em fichas de registo”, “a disponibilizaçã o ao público d e s s a informação em suporte de papel e digital no Museu Municipal, na Biblioteca de Alcochete e na plataforma do Sistema de Informação Geográfica da Câmara Municipal de Alcochete”, e “a sua integração com o património arqueológico na Planta de Condicionantes do futuro Plano Director Municipal de Alcochete”. Na apresentação do projecto no Núcleo de Arte Sacra, o Presidente do Município salientou a importância deste projecto no momento em que a Câmara Municipal de Alcochete aposta “na criação de um paradigma jurídico de intervenção” que proceda ao enquadramento da reabilitação e conservação do património edificado do concelho.

“Acho que é o momento certo do ponto de vista interno e até do ponto de vista da sensibilização dos proprietários de alguns dos imóveis com interesse cultural e mesmo social para a necessidade de reabilitarmos aquilo que é o nosso património edificado”, disse Luís Miguel Franco. O Presidente da Câmara mencionou ainda o projecto de reabilitação urbana que está a ser desenvolvido pela Divisão de Ordenamento do Território e Urbanismo (DOTU) que engloba a requalificação da Frente Ribeirinha de Alcochete, salientando que o projecto de Inventário do Património Edificado é m a i s abrangente. “ É fundamental que criemos em todos nós a necessidade de preservar o espaço público, o espaço urbano, para termos uma melhor imagem da urbe, da vila e do concelho de Alcochete”, frisou o autarca. O Inventário do Património Cultural Edificado do Concelho de Alcochete decorrerá em três fases distintas: inventário de todo o património religioso e do património inserido nos espaços urbanos do concelho e nas respectivas áreas de expansão até final de 2010, inventário do património em espaço rural em 2011 e inventário do património do Núcleo Antigo da Vila de Alcochete em 2012.

Foram atribuídos os seguintes subsídios: - Vulcanense Futebol Clube – €387,50; - Sociedade Filarmónica Progresso e Labor Samouquense €1.500,00 repartidos em 2 tranches de €750,00 cada; - Sociedade Imparcial 15 de Janeiro de 1898 – €1.500,00 repartidos em 2 tranches de €750,00 cada; - Grupo Desportivo da Fonte da Senhora – €1.500,00 repartidos em 2 tranches de €750,00 cada; - Grupo Casa da Malta – €2.500,00 repartidos em 2 tranches de €1.250,00; - Associação GilTeatro – €850,00; - Núcleo Sportinguista do Concelho de Alcochete – €250,00; - Associação das Tradicionais Festas de Confraternização Camponesa de S. Francisco – €12.050,00; - Agrupamento Vertical de Escolas de Alcochete – €184,00.

E, para constar, se lavrou o presente Edital e outros de igual teor que vão ser afixados nos lugares públicos do costume.

E eu, (Dulce Constantino), Chefe da Divisão de Administração e Recursos Humanos, o subscrevi. Paços do Concelho de Alcochete, 14 de Maio de 2010 O PRESIDENTE DA CÂMARA, Luís Miguel Franco (Dr.)

FAÇA PUBLICIDADE NO «NOSSO JORNAL»


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Actualidade

13

M O N T I J O ...em Destaque! Dia Internacional dos Museus Comemorações do Dia Mundial da Dança

No âmbito do Dia Internacional dos Museus (18 Maio), a Câmara Municipal de Montijo, através do Serviço Educativo do Museu Municipal, desenvolveu um conjunto de actividades, entre os dias 17 e 20 de Maio, dirigidas ao público sénior e escolar. Este ano, o tema do Dia Internacional dos Museus foi “Museus e Harmonia Social” e, por isso, o Serviço Educativo do Museu Municipal preparou actividades que pretenderam contribuir para o diálogo intercultural, interpretar e reflectir sobre a sociedade e as suas mudanças No dia 17 de Maio, a actividade proposta foi “À Descoberta da Arte Pública”, no centro da cidade. Desenvolvida em parceria com o Gabinete do Idoso e com a Uniseti Montijo, propôs mostrar, aos mais idosos, o que é arte pública e procurá-la no centro da cidade. As crianças do 1.º ciclo do ensino básico puderam participar, no dia 18 de Maio, na

zona ribeirinha do Montijo nos “Pescadores de Sonhos” (uma conversa com o pescador Aranha, um passeio de barco pelo Estuário do Tejo e jogos tradicionais da época do pescador Aranha) e na actividade “Viagem ao interior da Atalaia”, que contou com um passeio de carroça pela freguesia da Atalaia, jogos tradicionais e uma pintura colectiva, em papel de cenário, sobre a Quinta do Museu Agrícola da Atalaia. No dia seguinte, o Serviço Educativo do Museu Municipal implementou, novamente, o atelier “Os Pescadores de Sonhos”. No dia 20 de Maio as localidades de Canha, Pegões Velhos e Figueiras receberam, as crianças do pré-escolar para brincarem às “Espiguinhas do Campo”. A um passeio no campo para apanhar a espiga, seguiuse um diálogo dirigido com as crianças para levá-las a compreender o significado do Dia da Espiga. No final

realizaram uma pintura e colagem colectiva, tendo como tema o campo.

(A)BRAÇO DE FERRO Sábado, 22 de Maio pelas 16,30H, no Cine-Teatro Joaquim de Almeida será apresentado um projecto de Marta Silva. Usando e misturando várias técnicas e estilos, explorar noções de consciencialização corporal, a partir da descoberta de fisicalidades, dinâmicas e energias diferentes em movimentos que se aproximam ou afastam do quotidiano. Tendo a consciência de que na préadolescência o BULLYING é uma realidade, iremos explorar o corpo em interacção com o

Exposição «Da Bicicleta ao Motociclo» De 15 de Maio a 15 de Junho, o Museu Agrícola da Atalaia vai receber a mostra “Da Bicicleta ao Motociclo”, organizada pela Câmara Municipal do Montijo e AAVAC – Associação dos Amigos dos Veículos Antigos e Clássicos. Esta é uma mostra de velocípedes, que pretende dar a conhecer este meio de transporte, barato, ecológico e saudável, inventado no século XIX, e a sua evolução até aos

nossos dias. Numa altura em que, cada vez mais, a sociedade se debate com questões ligadas à defesa do ambiente, esta exposição pretende demonstrar a importância da bicicleta como veículo do passado, que deverá vir a tornar-se uma das alternativas do futuro. Pode visitar a mostra “Da Bicicleta ao Motociclo” de terça a sexta-feira das 9h30 às 12h30 e

Eco-Feira de Projectos Escolares 2009/2010 No dia 19 de Maio teve lugar, pelo sétimo ano consecutivo, a EcoFeira de Projectos Escolares 2009/2010, na Praça da República, das 9h00 às 13h00, uma iniciativa organizada pelo pelouro do ambiente da Câmara Municipal de Montijo. Este ano a Eco Feira contou com a participação das escolas EB1/JI do Montijo, EB1/JI do Bairro do Mouco, EB1/JI do Bairro da Liberdade, EB1/JI do Bairro da Caneira, EB1/JI do Alto Estanqueiro e EB1 da Atalaia e JI de Sarilhos Grandes. No espaço da Ecofeira foram realizadas actividades complementares, com a colaboração da Escola Profissional do Montijo (Curso de Animadores) e da Escola Secundária Poeta Joaquim Serra (Curso Profissional Técnico de Apoio à Infância). À disposição de todos os participantes e visitantes estiveram insufláveis, pinturas faciais e diversos ateliers.

A empresa Urze – Agricultura Biológica, a Agência Local para a Gestão de Energia – S-Energia brindou os presentes com diversas actividades interactivas. A Eco-Feira pretende criar um espaço onde se promoverá todo o trabalho desenvolvido ao longo do ano na escola, sobre as temáticas ambientais, mostrando à população em geral, através da possibilidade de interacção com venda simbólica dos produtos resultantes dos vários projectos. O projecto Hortas Escolares está implementado em 15 escolas do concelho e pretende promover e sensibilizar a comunidade escolar para os benefícios da agricultura biológica em relação à agricultura convencional. A Eco-Feira 2009/2010 tem o apoio da Polícia de Segurança Pública e dos Bombeiros Voluntários de Montijo. Por motivos de segurança, o trânsito esteve encerrado na Praça da República, durante o período de realização da actividade.

outro a partir da imagem de um ABRAÇO. Este abraço pode transportar em si atitudes opostas. Procurar no corpo o termómetro de energia que transforma um abraço amigo num abraço agressivo e vice versa.Criação de situações e acções de equilíbrio e desequilíbrio de poder, que questionem a intencionalidade da relação de oposição física ou psicologia a partir do próprio corpo. ATELIER DE MOVIMENTO | M/6 | Dos 10 aos 14 Anos | Sala Principal | Duração 120min | Atelier ARTEMREDE


alcaxete

quinzenal regional

Saúde/Actualidade

14

Ver Bem Alcaxete Como vai a sua Saúde Visual? Finalmente chegamos ao Astigmatismo o tema possivelmente mais difícil de interpretar. O Astigmatismo D

e

f

i

n

i

ç

ã

o

:

O astigmatismo define-se como sendo uma deformação ao nível da córnea que por várias razões é irregular, que faz que o astigmata tenha uma visão imperfeita, porque não tem percepção nítida dos contrastes das linhas horizontais, verticais e obliquas. Mais raro mas também possível é a causa do astigmatismo não estar só na córnea mas também no cristalino (a lente do olho). Sintomas: - Cansaço ocular - Dores de cabeça Causas e tratamentos A astigmatismo pode ser de origem hereditária, pode também acompanhar a miopia

ou a hipermetropia. Os pequenos astigmatismos são difíceis de diagnosticar. O astigmatismo mais grave é o karatocone, nesta deformação grave da córnea as consequências podem levar ao transplante da mesma. O astigmatismo corrige-se com óculos ou lentes de contacto, em certos casos existe também a hipótese de fazer cirurgia a laser(LASIK).

20 Maio 2010

Coincidências...

Vamos descontrair um pouco Quantos círculos estão na fig. abaixo? Envie-nos a sua resposta para VerBemAlcaxete@gmail.com Hernâni Lopes Pereira Óptico – Optometrista Director Técnico Institutoptico de Alcochete

do

Coloque as suas dúvidas para VerBemAlcaxete@gmail.com

Recebemos no nosso email, um artigo publicado em 1871, numa publicação da época, intitulado “As Farpas”, da autoria do grande escritor Eça de Queiroz, que narrava o seguinte: «O País perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os carácteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há principio que não seja desmentido.

Não há Instituição que não seja escarnecida.

Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente.

Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos.

O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.

Ninguém crê na honestidade dos homens públicos.

A certeza deste rebaixamento invadiu todas as consciências.

Alguns agiotas felizes exploram.

Diz-se por toda a parte: o país está perdido!»

A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia.

Como se pode ler, 139 anos depois, este artigo de opinião de Eça de Queiroz, continua bastante actual, assentando como uma luva, no momento que o País atravessa.

O povo está na miséria.

Para apoiar CERCIMA pode fazer-nos chegar o seu donativo por transferência bancária para: Banco Montepio Conta nº : 1938.7 NIB : 003600019910001938753 (este é mais um exemplo de ilusão de óptica)

O Alcaxete felicita o Grupo de Forcados Amadores do Aposento do Barrete Verde, pela passagem do seu 45.º aniversário


alcaxete

quinzenal regional

20 Maio 2010

Quinta-feira, 20 de Maio 15h00 e 18h00 | Fórum Cultural de Alcochete Reflexologia Podal Infantil de Pais para Filhos Organizada pela Do Nascer ao Ser, nesta sessão de reflexologia podal infantil, de participação gratuita, serão abordadas formas sobre como os pais podem aplicar a reflexologia podal infantil nos seus filhos e o que se pode fazer para promover a saúde aplicando esta terapia complementar. Com esta técnica pode-se ajudar em diversas situações como cólicas, obstipação, diarreia, irritabilidade, insónia, constipações, gripes, otites, dentição, entre muitas outras. Em crianças maiores a reflexologia pode ser uma ferramenta útil na promoção do relaxamento, do reforço imunitário, de vínculo afectivo entre pais e filhos, entre outras. Público: Pais e avós de crianças dos 0 aos 16 anos. | Inscrições (limitadas a 15 participantes/sessão): 962825529 | do.nascer.ao.ser@gmail.com. Organização: Do Nascer ao Ser. www.do-nascer-ao-ser.com Sábado, 22 de Maio 22h00 | Fórum Cultural de

Alcochete dança e música: “… entre Danças & Compassos” O flamenco é uma intensa fusão cultural temperada de distintas influências. Com “… entre Danças & Compassos”, o Mais Flamenco – Companhia de Ballet apresenta, no Fórum Cultural de Alcochete, a graciosidade da música andaluza e a sensualidade da cultura flamenca, aliadas à técnica de dança clássica. Direcção de espectáculo e Argumento: Alfonso Maleno. | Direcção artística: Rute de Sá Lopes. | Coreografia: Alfonso Maleno e Rute de Sá Lopes. | Figurinos: Adelaide Ferreira. | Bailarinos: Rute de Sá Lopes, Alfonso Maleno, Inês Freitas, Carla Bártolo, Carla Floriano, Mafalda Martins, Paula Lopez, Filipe Santos, João Carlos Petrucci, João Pereira, Jorge Vargas e Luís Gil. Figuração: Matilde de Sá Lopes, Maria Helena Maya e João Esquível. | Produção: Mais Flamenco Ballet. Duração: 60 minutos | Público: Geral. | Bilheteira: € 6,00. |

Organização: Mais Flamenco Ballet – Companhia de Dança. Informações e reservas (levantamento até 18 de Maio): Fórum Cultural de Alcochete –

21 234 96 40 | dcil.sac@cmalcochete.pt www.maisflamenco.blogsport.c om Domingo, 23 de Maio 11h30 | Largo de São João teatro de marionetas: “Pequenas Fábulas” | Marie et Tonio Três pequenas fábulas visuais, de extrema poética, sem palavras mas com diversas marionetas de fio e corporais onde várias histórias se encadeiam umas nas outras como desenhos animados. Nestas "Pequenas Fábulas" podemos encontrar personagens fantásticas como elfos, dragões, uma amazona, mas também um "cowboy", um frango e ovos de ouro… Autoria, Encenação, Interpretação e Construção de Marionetas: Marie Magalhães e Anthony Mainguet. | Produção: Compagnie Marie et Tonio (França). | Duração: 50 minutos | Público: > 3 anos. Informações: Fórum Cultural de Alcochete – 21 234 96 40 | dcil.sac@cm-alcochete.pt Integrado no “Sementes – Mostra Internacional de Artes para o Pequeno Público”.

Domingo, 30 de Maio 16h00 | Largo de São João teatro: “Caldeirada” | Teatro Extremo É o Centenário do Corpo de Bombeiros Voluntários da Cidade. O comandante decidiu restaurar o primeiro carro que o Corpo de Bombeiros utilizou, planeando mostrá-lo à

Agenda Cultural 15 população com uma grande festa que terminará com uma quermesse. Para o ajudar nessa tarefa escolheu quatro bombeiros que talvez não sejam os mais competentes mas, sem dúvida, os mais entusiastas. O comandante faz a formatura. Um deles toca tambor e todos ao ritmo da música desfilam para mostrar o carro aos cidadãos…mas o carro não funciona tão bem como se

esperava, cai a escada… os baldes… a roda! Que desastre! Bom. Lá conseguem finalmente chegar ao destino. Chega o momento do sorteio…mas ninguém trouxe as rifas… isto não pode ser…todos tentam encontrá-las e culpam-se uns aos outros…deveria ser um dia perfeito, mas tudo acaba numa grande "caldeirada"… como se não bastasse, nesse momento

começa a sair fumo de um edifício ao lado… Serão estes bombeiros capazes de extinguir o fogo? Funcionará a bomba de água? Encontrarão água?… e o fogo? Encontrarão o fogo?. Texto: Criação Colectiva | Encenação: Jordi Magdaleno | Interpretação: Jan Gomes, João Paulo Silva, Rui Ventura, Teresa Negrão e Tiago Pereira | Direcção de Actores e Coreografia: Jaume Navarro | Música: Carles Mateu I Dura | Cenografia: Txema Rico Martinez. | Figurinos: Rosa Sole. | Direcção de Produção: Sofia Oliveira. | Produção: Teatro Extremo. Duração: 45 minutos | Público: Geral. Informações: Fórum Cultural de Alcochete – 21 234 96 40 | dcil.sac@cm-alcochete.pt Integrado no programa “… E Porque Hoje é o Último Domingo do Mês” e no “Sementes – Mostra Internacional de Artes para o Pequeno Público”. www.teatroiextremo.com


alcaxete

quinzenal regional

16

S. Francisco em Festa!

Realizam-se de 2 a 6 de Junho, as 36.ª Festas de Confraternização Camponesa na Freguesia de S. Francisco. Tiveram início em 1974, fruto de um bailarico, que tinha sido feito um ano antes, no Largo onde hoje está construído o palco, pela mão de homens como o Chico Espadinha, o António Luís Margalhau, o Custódio Filipe, o João Gordo, o António Martins, o António Taneco, o Albino Félix, o Domingos Correia, o Augusto Lourenço, o Tremoço, o António João Correia, o Francisco Correia (Vica) e muitos outros. Com mais ou menos dificuldades, todos os anos, no primeiro fim-de-semana de Junho, elas aí estão, para alegrar a Freguesia e todos aqueles que a visitam por esses dias. Com um orçamento de 30.000 euros, vai-se realizar uma vasta programação, onde não vão faltar, os

Ao correr da Manga* Desloquei-me a Beja, no sentido de contactar pessoalmente o Sr. Eng.º Joaquim Pires, Director Regional do Desenvolvimento Agrário da Região Autónoma dos Açores, afim de o convidar a dar uma entrevista para uma próxima edição do “Alcaxete”. Natural de Alcochete, mas radicado em terras açorianas, já lá vão 25 anos, é filho de uma ilustre família alcochetana. Fui encontrá-lo na Ovibeja, no Pavilhão dos Açores, onde anualmente a Secretaria Regional da Agricultura e Florestas, expõem e promove produtos açorianos, nesta importante Feira Agrícola a sul do Tejo. Do variado material promocional exposto aos visitantes, destaquei um livro com o título “Olh'esse toiro!”, da autoria do fotógrafo João Costa, entretanto já falecido, com o prefácio escrito pelo nosso conterrâneo e dedicado às Touradas à Corda na Ilha Terceira.

Cartaz alusivo ao festival de variedades taurinas organizado pela comissão de festas em 1975

20 Maio 2010

Do prefácio, com a devida vénia, retirei um pequeno excerto, que diz o seguinte: “Os especialistas em economia referenciam que, não faz sentido falar de desenvolvimento de uma determinada localidade ou região sem integrar todos os fenómenos e actividades que ocorrem nesse lugar ou, que sobre ele têm influência. Assim, para entender o desenvolvimento sustentável de qualquer região, é fundamental conhecer a forma como o Homem se relaciona com a cultura desse espaço, com a sua natureza e como utiliza e preserva os seus recursos” Sendo os Açores uma região reconhecida a nível nacional e internacional, como grande destino turístico, não só pelas suas tradições como pelo seu património paisagístico, sendo considerada mesmo em alguns casos como património mundial da humanidade, os açorianos da Terceira, não perderam a

oportunidade de promover e defender as suas raízes e a sua história, trazendo à planície alentejana, uma demonstração daquilo que fazem na sua terra, com a realização de uma tourada à corda em plena Ovibeja. O Eng.º Joaquim Pires, escreveu ainda que: “De facto, o povo terceirense é um apaixonado da Festa Brava, que a herdou desde os primórdios do povoamento da ilha. Esta paixão honra, com muito orgulho a sua história, tal qual é cultivada na Terceira fazendo, justamente, com que a tourada à corda figure nos anais da tauromaquia nacional.” Um bom exemplo, de como se deve defender as tradições e cultura taurina de uma região, mesmo que fique no meio do Oceano Atlântico, a mil e quinhentos quilómetros, deste rectângulo à beira mar plantado. Mário Silva

bailes, as largadas de touros, o desporto, os espectáculos musicais, o tunning, uma concentração de motorizadas antigas, a noite da sardinha assada, o fogo de artifício e uma grandiosa corrida de toiros. De destacar o apoio da Câmara Municipal de Alcochete e da Junta de Freguesia de S. Francisco, além dos donativos conseguidos junto da população e comércios locais, sem os quais dificilmente se conseguiria o brilhantismo que as Festas de Confraternização Camponesa sempre conseguem alcançar. Para que tudo corra pelo melhor, esperemos que S. Pedro possa dar uma ajudinha. Mário Silva

(*) AO CORRER DA MANGA foi o título de uma página dedicada à Festa Brava, do antigo jornal Echo de Alcochete, que foi publicado na década de oitenta. Era seu autor, José Piqueira, alcochetano e grande amigo da sua terra.

Todo o Trabalho Gráfico Revistas - Folhetos - Cartazes Paginação Electrónica Fotolitos Serigrafia Tampografia Impressão Lazer e Digital Brindes Publicitários

Rua Manuel Gomes Nepomuceno, 9B - 2870-127 MONTIJO - Tel: 21 231 49 54 - Fax: 21 230 12 17 - e-mail: msartesgraficas@clix.pt


N.º 5 - 20 Maio 2010