Page 1

LITERATURA DE CORDEL

Xilo Luiz Natividade

MORTE DO JUMENTO QUERIDO

çi ã d e ª 4

. o

12/09 500 exemplares

Alberto Lima


A morte do jumento querido Contaram no meu ouvido Que não vale comentar Desgraceira dum menino Que vivia aprontar Falo sério, sou bom macho Eu não sou de inventar Zézin era muito arteiro Mijava lá no açude Cagava lá no chiqueiro Comia a bola de gude Roubado minhaeiro Assim fazia sua virtude Sempre desacreditado Vivia um tanto feliz Sorria um tanto desvairado Duma vida por um triz Seu jumento, o Inácio Danou-se ensinar com giz. 01


As letras do alfabeto Como ensina pra gente A soletrar e as regras Cansativo e bem pungente. Até Inácio dormir Uma loucura ciente. Passados oitenta dias O animal escrevia Não só o nome Inácio Mas, também trechos da bíblia Os salmos e apocalipse E tudo mais que ele lia. O Zézim com muito medo De roubarem seu jumento Levou pro mato adentro E lambuzou de excremento Sendo assim repulsivo, Feio, podre e xexelento. O caçador Osmar Tosta Embreado mata adentro Ouviu um relincho forte Ao lado do pé de coentro Viu um animal estranho E disse: — Nesse mato não entro! 02


ATENÇÃO: LER EM MOVIMENTO CAUSA CEGUEIRA.

———–———–—***———–—–———

A PELEJA DO HOMEM QUE SEMPRE NASCEU ESCRAVO Do nascimento ao Egito ————————***————————

www.poetaalbertolima.com 55

71

2137-1829

(VIVO) 71 99061428 (CLARO) 71 82072137 (OI) 71 87931549 (TIM) 71 92837861 alberto@poetaalbertolima.com

A morte do jumento querido.  
A morte do jumento querido.  

wwww.poetaalbertolima.com A morte do jumento querido, retrata a vida de Zezim com seu Jumento Inácio que o ensina a escrever com uma vara na...

Advertisement