Issuu on Google+

1


2

Introdução Prezado Proprietário: Este imóvel foi construído de acordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e ISO 9001/2008, utilizando-se das tecnologias mais avançadas e com uso de materiais de alta qualidade. A Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda. com o intuito de auxiliar o síndico e os proprietários dos apartamentos do condomínio Mandala Vilas Residence, elaborou este manual que busca o aperfeiçoamento contínuo de seus processos e produtos, visando, acima de tudo, a total satisfação de seus clientes. Este manual foi elaborado para ajudá-lo na correta operação, utilização e manutenção do seu imóvel, na certeza de assegurar a sua qualidade. Ele contém informações como: característicasconstrutivas,conformaçãodosambientes,cuidadosnecessáriosduranteasoperaçõesde limpeza e conservação, além de algumas dicas sobre segurança e economia. No caso de troca do Síndico, este se obriga a transmitir as orientações sobre o adequado uso, manutenção e garantia do imóvel ao novo Síndico, entregando-lhe os documentos e manuais correspondentes. Caso a Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda. necessite realizar algum tipo de revisão nos manuais já entregues, esta será feita através de errata, e a(s) folha(s) enviada(s) deverá (ão) ser substituída(s) e/ou inserida(s) no manual, conforme orientações, juntamente com um oficio explicando a causa da modificação. A leitura atenta e integral deste manual é imprescindível, tanto pelo seu proprietário como por todos os usuários do imóvel. É importante que, no caso de venda ou locação, uma cópia seja entregue ao novo condômino, para que o imóvel seja sempre utilizado da forma mais correta. Finalmente, a Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda. coloca-se à disposição dos proprietários do condomínio para eventuais esclarecimentos que se fizerem necessários.


Índice 1. Ficha Técnica 06 2. Descrição do Empreendimento 07 3. Especificações 07 3.1 Áreas comuns 07 3.1.1 Equipamentos e Instalações 08 3.2 Áreas privativas 08 3.2.1 Apartamento 08 4. Desenhos dos projetos 10 5. Garantias 10 5.1 Introdução 10 5.2 Termo de Vistoria 11 5.3 Inspeção Técnica 11 5.4 Solicitação de Assistência Técnica 11 5.5 Definições 11 5.6 Concessão da Garantia 12 5.7 Exceções da Garantia 13 5.8 Execução dos Serviços 14 5.9 Prazo de Garantia 15 5.10 Extinção de Garantia 16 5.11 Garantia Especial do Elevador 17 6. Colocação de Acessórios em Paredes e Pisos 18 7. Funcionamento das Instalações 18 7.1 Instalações Hidráulicas 18 7.1.1 Esgotamento Sanitário e Drenagem de Águas Pluviais 19 7.2 Instalações Elétricas 20 7.3 Instalações Eletrônicas 22 7.4 Instalações Elétricas e Iluminação Áreas Comuns 22 7.5 Sistema de Prevenção e Combate Incêndio 23 7.6 Instalações de Segurança 23 7.6.1 Contra Incêndio/ Sistema de Hidrantes 23 7.6.2 Sistema de Iluminação de Emergência 23 7.6.3 Pára-Raios 23 7.6.4 Instalação de Gás 23 8. Conservação e Manutenção do Imóvel 24 8.1 Projetos 24 8.2 Estrutura 24 8.3 Alvenaria 24 8.4 Revestimento 25 8.4.1 Pastilha e Cerâmico 25

3


4

Índice 8.4.2 Granitos e Mármores 25 8.5 Forros 25 8.6 Esquadria 25 8.6.1 Alumínio 25 8.6.2 Madeira 26 8.6.3 Ferro 26 8.6.4 Ferragens 27 8.6.5 Vidros 27 8.7 Pintura 26 8.8 Impermeabilização 27 8.9 Instalação Elétricas 27 8.10 Instalações Telefônicas 28 8.11 Ar Condicionado 28 8.12 Aquecedores 28 8.13 Instalações Hidrossanitarias 28 8.14 Louças e Bancadas 29 8.15 Metais e Registros 29 8.16 Medidores 30 8.17 Bombas 30 8.18 Barrilete 31 8.19 Jardins e Paisagismo 31 8.20 Áreas Comuns 31 8.21 Cuidados Especiais 31 8.22 Ações Preventivas 32 8.23 Segurança 32 8.24 Lixo 32 8.25 Instalação Projeções em Janelas 33 9. Manutenção e Conservação do Edifício 33 9.1 Paredes 33 9.2 Esquadrias de Alumínio Anodizado 34 9.3 Azulejos e Pisos Cerâmicos 34 9.3.1 Impermeabilização e Vedações 34 9.4 Instalações Elétricas e Iluminação 35 9.5 Louças e Instalações Sanitárias 35 9.6 Metais Sanitários 35 9.7 Portas de Madeira 36 9.8 Revestimentos em Granitos e Mármores 36 9.9 Cuba de Aço 37 9.10 Pinturas 37


Índice 9.11 Vidros 37 9.12 Extintores de Incêndio 38 9.13 Dispositivos Especiais dos Elevadores 38 9.13.1 Fontes de Emergência para Luz nas Cabines e Alarme 38 9.13.2 Manutenção Preventiva 38 9.13.3 Manutenção Corretiva 38 9.13.4 Utilização dos Elevadores (Instrução e Precauções) 38 10. Recomendações Especiais 39 11. Termos e Definições 40 11.1 Definições 40 12. Instalações Especiais 41 12.1 Sistemas de Combate a Incêndio 41 12.1.1 Hidrante 41 12.1.2 Extintores 42 12.1.3 Alarme de Incêndio 42 12.1.4 Porta Corta-Fogo 42 12.1.5 Pára-Raios 42 12.1.6 Dicas Uteis em Caso de Incêndio 43 12.1.7 Cuidados com os Equipamentos de Combate a Incêndio 43 12.2 Elevadores 43 12.3 Central de Gás (GLP) 44 13. Fornecedores 44 13.1 Fornecedores de Projetos 44 13.2 Fornecedores de Materiais 45 13.3 Prestadores de Serviços 46 14. Providencias de Emergência 46 14.1 Principio de Incêndio 46 14.2 Vazamento em Tubulação Hidráulica 47 14.3 Vazamento ou Entupimento em Tubulação de Esgoto 47 14.4 Parada de Elevador 47 14.5 Vazamento de Gás 47 14.6 Curto-Circuito 47 15. Noções Gerais Sobre o Condomínio 48

5


6

1. Ficha Técnica

Empreendimento:

Incorporação:

Mandala Vilas Residence

Bagua Empreendimentos Imobiliários Ltda.

Endereço:

C.N.P.J:

Rua São Paulo 296, lotes 26 e 27, Loteamento Nossa

08.603.605/0001-89

Senhora de Lourdes, zona residencial preferencial

Inscrição Estadual:

17, Lauro de Freitas- Ba - CEP: 4270000

076.680.007- EP

Tipo:

Endereço

Residencial Pluridomiciliar

Rua São Paulo, nº 296. Portão,

Nº. de apartamentos:

Lauro de Freitas, Ba -Cep-42.700-000

148 unidades

Tel.:

Área do terreno:

(71) 3379-9292

5.732,62m²

E-mail:

Construção:

bagua@br.inter.net

RCA Empreendimentos Imobiliários Ltda. C.N.P.J: 08.926.555/0001-70 Inscrição Estadual: 076.220.754- EP Endereço Rua da Alfazema, nº 761, Edf. Iguatemi Business & Flat, lojas 48 a 50 Caminhos das Arvores. Salvador – Ba - Cep-41.820-719 Tel.: (71) 3358-1092 / 1761 E-mail: Engenharia@rcaempreendimentos.com.br


7

2. Descrição do Empreendimento O Empreendimento Residencial Mandala Vilas Residence, situado na Rua São Paulo nº 296, Portão, Lauro de Freitas-Ba, é constituído por 148 (cento e quarenta e oito) apartamentos, distribuídos nos edifícios Torre Norte e Torre Sul. As áreas comuns, divididas em salão gourmet, fitness, espaço infantil, salão de festas, salão de jogos, quadra poliesportiva, espaço zen, redário, parque infantil, piscina adulto e infantil, quiosque com churrasqueira, guarita, quarto de zelador, casa de bombas, grupo gerador, subestação, casa de gás, casa de lixo, além de ampla área verde. 3. Especificações ALERTA O sistema construtivo adotado para a construção do edifício é em concreto armado. Esse tipo de construção permite ao proprietário executar modificações no layout do seu apartamento no sentido de cortar ou remover paredes, não podendo relocá-las em locais diferentes das já existentes. A carga máxima prevista no projeto estrutural para as lajes dos apartamentos é de 300kg/m², por isso, evite sobrecargas.

As tabelas apresentadas a seguir resumem os principais materiais e componentes utilizados no empreendimento, segundo cada ambiente. 3.1 Áreas Comuns Hall de escada

Hall social

Casa de bombas Playground

Subestação

Revestimento de Paredes

Textura sobre massa única

Pintura sobre gesso corrido

Textura sobre massa única

Textura sobre massa única

Revestimento de Piso Interno

Pintura sobre cimentado

Porcelanato Gyotoku 46x46

Pintura sobre cimentado

Porcelanato Pintura sobre Gyotoku 46x46 cimentado

Revestimento de tetos (forros)

Forro de Gesso Concreto Textura sobre concreto aparente com acabamen- aparente to em tinta PVA látex

Tinta PVA sobre massa única

Forro de gesso Concreto aparcom acabamen- ente to em tinta PVA látex

Portas

Porta corta fogo com acabamento em esmalte sintético

Porta corta fogo com acabamento em esmalte sintético

Alumínio AnPorta em chapa de aço com odizado acabamento em esmalte sintético

Luminárias

Tipo arandela com vidro

Em alumínio pintado branco de embutir

Tipo arandela com vidro

Porta em chapa de aço com acabamento em esmalte sintético

Em alumínio Tipo arandela pintado branco com vidro de embutir


8

3.1.1 Equipamentos e Instalações • Tomadas e Interruptores

Siemens, linha Ilus • Tubulação de água quente PPR Aquasystem PVC Amanco • Tubulação de água fria Alumínio Anodizado Preto • Portão • Reservatórios Inferior e

Concreto armado, impermeabilizado com argamassa cristalizante.

Superior

3.2 Áreas Privadas 3.2.1 Apartamentos 1) Living/ circulação • piso: cerâmica gyotoku Village LP 45x45; • rodapé: em madeira envernizada; • parede: gesso corrido pintado com tinta látex pva Coral; • teto: gesso corrido pintado com tinta látex pva Coral; • porta principal: em madeira sólida envernizada; • ferragens: pado; • soleira: mármore bege bahia; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: liso incolor; 2) Varanda: • piso: cerâmica gyotoku Village LP 45x45; • parede: pintura acrílica sobre massa acrílica, e mureta com pastilha ngk, • teto: rebaixo em forro de gesso, com acabamento em pintura sobre massa pva; • rodapé: mármore bege bahia; • soleira: mármore bege bahia; • porta: de correr em alumínio anodizado preto; • vidro: liso incolor; 3) Cozinha • piso: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • parede: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31 • teto: gesso corrido pintado com tinta látex pva Coral; • bancada : granito; • cuba: aço inox Frank; • soleira: mármore bege bahia; • metais sanitários: deca;


9

4) Sanitário social e sanitário suíte • piso: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • parede: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • teto: rebaixo em forro de gesso com acabamento em pintura sobre massa pva; • porta: semi-oca envernizada com guarnições; • ferragens: pado; • soleira: mármore bege bahia; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: mini aurora boreal • bancada: mármore bege bahia; • metais: deca; • louças sanitárias: celite. • Sistema GLP para chuveiros (SEM AQUECEDOR); 5) Lavabo • piso: cerâmica gyotoku Village LP 45x45; • parede: gesso corrido pintada com tinta látex pva Coral; • rodapé: madeira envernizada; • bancada: mármore bege bahia; • louça sanitária: celite; • metais: deca; • teto: rebaixo em forro de gesso com acabamento em pintura látex pva Coral; • soleira: mármore bege bahia; 6) Suítes e quartos • piso: cerâmica gyotoku Village LP 31x31; • parede: gesso corrido pintada com tinta látex pva coral; • rodapé: madeira envernizada; • teto: gesso corrido pintado com tinta látex pva coral; • porta: semi-oca envernizada com guarnições; • ferragens: pado; • soleira: mármore bege bahia; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: liso incolor; • Instalação para Split;


10

7) Área de serviço: • piso: cerâmica gyotoku ártico branco 31x3 ; • parede: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • teto: gesso corrido pintado com tinta látex pva coral; • metais: deca; • louças sanitárias: celite; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: mini aurora boreal • peitoril: mármore bege bahia; 8) Quarto reversível: • piso: cerâmica gyotoku Village 31x31; • parede: gesso corrido pintada com tinta látex pva; • rodapé: madeira envernizada; • teto: rebaixo em forro de gesso com acabamento em pintura látex pva coral; • porta: semi-oca envernizada com guarnições; • ferragens: pado; • soleira: mármore bege bahia; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: liso incolor; 9) Sanitário de empregada: • piso: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • parede: cerâmica gyotoku ártico branco 31x31; • porta: semi-oca envernizada com guarnições (para opção de suíte reversível) e alumínio preto com veneziana (para opção de empregada); • ferragens: pado; • soleira: mármore bege bahia; • esquadrias: alumínio anodizado preto; • vidro: mini aurora boreal • louças sanitárias: celite; • metais: deca; • Sistema GLP para chuveiros (SEM AQUECEDOR); 10) Interruptores / Tomadas e Luminárias: • luminárias:os apartamentos não serão entregues com luminárias e lâmpadas; • interruptores e tomadas: siemens;


11

11) Escada cobertura: • metálica com piso em Mamoré bege bahia e acabamento em pintura esmalte sintético; 12) Terraço descoberto • piso: porcelanato gyotoku Quebec antiderrapante 46x46; • parede: massa única desempolada com textura sobre massa acrílica e gradil sobre mureta, conforme detalhe de projeto; • Rodapé: Granito cinza; 4.Desenhos dos Projetos

Todos os projetos da edificação encontram-se arquivados em CD com o Síndico. São plantas arquitetônicas, hidráulicas, elétricas, segurança, cortes, detalhes e esquemas, que serão muito úteis para a melhor utilização das áreas comuns do condomínio. 5.Garantia A MANDALA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. garante o imóvel objeto do contrato ao qual este anexo se encontra vinculado, na forma a seguir estabelecida: 5.1. Introdução

O presente anexo foi elaborado com a finalidade de transmitir ao Promissário Comprador, no momento da compra de seu imóvel, informações referentes á sua unidade, estabelecendo desde já as condições da concessão da garantia e orientando-o, de forma genérica, sobre o uso, a conservação e a manutenção preventiva do imóvel, sendo certo que no Manual do Proprietário, que será entregue juntamente com as chaves do imóvel, constarão informações mais detalhadas, inclusive algumas já contidas no presente anexo. 5.2. Termo de vistoria do imóvel

Quando concluída a obra, foi efetuada a vistoria da unidade, utilizando-se o respectivo Termo de Vistoria, quando foi verificado se as especificações constantes no Anexo I foram atendidas e se haviam vícios aparentes de construção. 5.3. Inspeção técnica

Constitui condição da garantia do imóvel a correta manutenção preventiva da unidade e das áreas comuns do Edifício, nos termos da NBR 5674, da Associação Brasileira de Normas


12

Técnicas – ABNT, do Manual do Proprietário e da Lei nº 5907/2001. O proprietário é responsável pela manutenção preventiva da sua unidade e co-responsável pela realização e custeio da manutenção preventiva e inspeções prediais das áreas comuns. Após a entrega do imóvel, o Promitente Vendedor poderá efetuar inspeções nas unidades e nas áreas comuns, para verificar a efetiva realização dessas manutenções e o uso correto do imóvel, bem como avaliar os sistemas quanto ao desempenho dos materiais e funcionamento, além de verificar se foram realizadas reformas ou modificações por terceiros no imóvel, obrigando-se o proprietário a permitir o acesso do profissional em suas dependências, para proceder á Inspeção Técnica. SOB PENA DE PERDA DA GARANTIA. 5.4. Solicitação de assistência técnica

O Promitente Vendedor se obriga a prestar, dentro dos prazos de garantia estabelecidos, o serviço de assistência técnica, reparando, sem ônus para o Promissário Comprador, os defeitos verificados, na forma prevista no Manual do Proprietário. Caberá ao Promissário Comprador solicitar, formalmente, a visita de representante do Promitente Vendedor, sempre que os defeitos se enquadrarem dentre aqueles integrantes da presente garantia. Constatando-se, na visita de avaliação dos serviços solicitados, que os defeitos não estão enquadrados nas condições da garantia, não será procedida à execução de qualquer serviço. 5.5. Definições

Com a finalidade de facilitar o entendimento deste documento, fica esclarecido, a seguir, o significado das nomenclaturas utilizadas: 1. Prazo de Garantia: Período em que o Promitente Vendedor ou o Fabricante responde perante o Promissário Comprador quanto a vícios de construção ou defeitos de fabricação; 2. Vida Útil:Período de tempo que decorre desde a data do término da construção (considerada esta a data da expedição”Habite-se” pela Prefeitura Municipal do Salvador),até a data em que se verifica uma situação de depreciação e decadência de suas características funcionais de segurança,de higiene,ou de conforto,tornando economicamente inviáveis os encargos de manutenção; 3. Vícios Aparentes: São aqueles de fácil constatação, detectados quando da vistoria para recebimento do imóvel; 4. Vícios Ocultos: São aqueles não detectáveis no momento da entrega do imóvel e que podem surgir durante a sua utilização regular; 5. Solidez da Construção, Segurança e Utilização de Matérias e Solo: São itens relacionados á solidez da edificação e que podem comprometer a sua segurança, neles incluídos peças e componentes da estrutura do edifício, tais como lajes, pilares, vigas, estruturas de fundação, contestações e arrimos;


13

6. Habite-se: Documento público expedido pala Prefeitura Municipal do Salvador, confirmando a conclusão da obra nas condições do projeto aprovado; 7. Código do Consumidor: É lei nº 8078/90, que instituiu o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, definindo os direitos e obrigações de consumidores e fornecedores, como empresas construtoras e / ou incorporadoras; 8. Código Civil Brasileiro: É a Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que dispões sobre as relações civis; 9. Lei nº 4.591/64(Condomínios e Incorporações): É a lei que dispõe sobre o condomínio em edificações e sobre as incorporações imobiliárias; 10. NBR 5674: É a norma editada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas,que regulamente,define e obriga a manutenção das edificações; 11. Lei nº 5.907/2001: É a lei que dispõe sobre a manutenção preventiva e periódica das edificações e equipamentos públicos e privados, no âmbito do Município de Salvador; 12. Decreto nº13. 251, de 27/09/2001: Dispõe sobre a regulamentação da Lei nº 5.907, de 23/01/2001. 5.6. Concessão da garantia

1 – A garantia abrange os reparos necessários, em decorrência exclusiva de vícios de construção: 1.1 - Os serviços reconhecidos como vício de construção serão reparados por pessoal qualificado pertence á equipe de Assistência Técnica do Promitente Vendedor, ou contratado por ela, ou da Assistência Técnica de fabricante de matérias ou fornecedores de serviços. 1.2 - Todos os materiais substituídos e a respectiva mão-de-obra executada dentro do período de garantia serão gratuitos. 1.3 - Todos os materiais substituídos na forma acima serão de propriedade do Promitente Vendedor. 2. São condições para efetivação da garantia: 2.1- Que o cliente solicite diretamente ao setor de Assistência Técnica do Promitente Vendedor, através de documento formal entregue em sua sede ou através de carta registrada. 2.2- Que os defeitos apontados não tenham sido causados por má utilização ou manutenção do imóvel, desgaste natural dos materiais, acidentes de qualquer natureza ou prolongado desuso. 2.3 - Que imóvel tenha sido mantido e conservado adequadamente, conforme instruções contidas no Manual do Proprietário.


14

2.4 - Que o imóvel não seja mantido fechado por longos períodos, sem o devido arejamento, limpeza e lubrificações. 2.5 - Que não tenham sido feitas reformas ou modificações por terceiros no imóvel, modificando suas características. 2.6 - Que tenha sido feita a vistoria do imóvel, antes do recebimento da unidade. 2.7 - Que o proprietário providencie acesso do pessoal da assistência Técnica ao imóvel, em horário normal de trabalho, de segunda a sexta-feira, das 8:00 ás 12:00 horas e das 13:00 ás 18:00 horas. 2.8 - Que a velocidade da garantia ainda esteja em vigor, conforme prazos constantes na cláusula IX adiante. 2.9 - Que o Promissário Comprador esteja atualizado em suas obrigações com o Promitente Vendedor. 5.7.Exceções da garantia

1-Correrão por conta do Promissário Comprador as despesas referentes á execução dos itens de manutenção e conservação normais do imóvel, abaixo descritos, os quais serão por ele providenciados: • Limpeza e desobstrução de sifões, ralos e caixas sifonadas; • Regulagens periódicas de descargas (caixas); • Reaberto de conexões elétricas • Lubrificação de rodízios, dobradiças, fechaduras e limpeza de trilhos de janelas; • Repintura periódica de peças de ferro; • Lavagens e limpezas; • Recarga de extintores de incêndio; • Revisão periódica de rejuntamentos de cerâmicas, pastilhas, mármores e granitos (inclusive em fachadas); • Repintura de paredes e portas; • Repintura de fachadas; • Encerramento periódico em peças de madeira, mármore e granito; • Revisão de telhados 2- As matérias e peças que sofram desgaste natural ou acidental, em função de seu uso normal, deverão ser periodicamente substituídas pelo usuário e ás suas expensas, conforme orientações contidas no Manual do Proprietário. 2.1 São considerados materiais e peças sujeitos a desgaste natural: • Vedantes de torneiras e registros; • Engates hidráulicos (rabichos, tubos de ligação); • Disjuntores, tomadas e interruptores;


15

• Peças metálicas expostas à ambientes agressivos; • Pecas móveis (dobradiças, fechaduras, etc.); • Reparos de descargas (caixas); • Bombas d’água. 3- Não se enquadram nos itens de garantia os serviços ou materiais listrados abaixo: 3.1 Materiais, acessórios e /ou equipamentos com garantias fornecidas pelos próprios fabricantes /fornecedores (eventuais reclamações deverão ser dirigidas diretamente a eles), tais como: • Elevadores; • Grupo geradores; • Eletrodomésticos; • Móveis; • Equipamentos de ginástica/jogos; • Alarmes e interfones; • Esquadrias de alumínio; • Aquecedores de água; • Central telefônica. 3.2 Materiais, acessórios e/ou equipamentos entregues em perfeito estado, vistoriados no ato da entrega e que só entregam com o mau uso, tais como: • Vidros e espelhos; • Objetos de adorno, vasos, cinzeiros, etc.; • Louças sanitárias; • Metais sanitários • Fechaduras 3.3-Materiais que, pela própria natureza, não são garantidos pelos fabricantes, pois sua duração depende de fatores externos, tais como: • Lâmpada • Motores elétricos; • Componentes eletroeletrônicos; 4-A presente garantia restringe-se aos componentes originais do móvel, não cobrindo quaisquer outras repercussões, mesmo que decorrentes de avarias ou defeitos do imóvel, tais como: • Papel de parede; • Armário embutidos e quaisquer outros móveis; • Eletrodomésticos/luminárias; • Automóveis; • Sancas e rebaixos em gesso executados diretamente pelo proprietário;


16

• Cortinas persianas ou outros materiais e/ou equipamentos similares. 5.8. Execução dos serviços em garantia

1-Cada solicitação de Assistência Técnica gera uma ordem de vistoria; no prazo de até 3 (três) dias úteis(excluindo-se sábados,domingos e feriados).Será realizada uma inspeção no imóvel para averiguar as causas do defeito reclamado. 2- Admitida procedência da solicitação, será programada a execução do reparo, em um prazo com a natureza e complexidade do serviço, do que será informado o Promissário Comprador. 2.1 Os serão executados com matérias iguais aos originais. Na ocorrência de falta no mercado do mesmo material utilizar-se á um similar de características e qualidades semelhantes. 2.2 Serão admissíveis variações decorrentes da natureza do material, ou seja, diferença de tonalidade ou textura em elementos de origem mineral ou vegetal, tais como: madeiras, pedras naturais, mármores, granitos, cerâmicas, azulejos, etc. 3 – Não admitida à procedência da solicitação, o Promissário Comprador será informado dos motivos pelos quais não será executado o serviço solicitado. 4- Em ambas as hipóteses descritas nos dois itens anteriores, o Promissário Comprador assinará o formulário de solicitação de Assistência Técnica gerado. 5- O Promissário Comprador é responsável pela guarda dos seus pertences, não podendo cobrar do Promitente Vendedor indenizações por objetos extraviados dentro do seu próprio imóvel. 5.9. Prazos de garantia

1-Conforme estabelecido no contrato de promessa de compra e venda, todas as garantias descritas neste anexo ficam subordinadas aos prazos de decadência discriminado a seguir, reiterando o Promissário Comprador sua expressa anuência com relação aos prazos de decadência para possíveis reclamações, já manifestada no referido contrato, ou seja: • Prazo de decadência de 90(noventa) dias, contados da data de entrega da unidade da unidade, para reclamar possíveis defeitos aparentes, de fácil constatação ou ocultos na entrega, mas que venham a surgir dentro do aludido prazo de 90(noventa) dias; • Prazo de decadência de 5(cinco) anos,contados da data”habite-se” da unidade,na forma e para os fins previstos no Parágrafo do Artigo 618 do Código Civil,inclusive em relação a problemas em partes estruturais da edificação(lajes,vigas,pilares,fundações,contenções e arrimos) e em vedações(paredes de alvenaria,”dry-wall” e painéis pré-moldados que possam comprometer a solidez e a segurança da edificação. A) Por cinco (5) anos: • Estrutura


17

B) Por três (3) anos: • Impermeabilizações; • Revestimento de fachada; C) Por dois (2) anos: • Fissura na massa do emboço; • Vazamentos internos (junções, ralos, válvulas, etc); • Cerâmicas soltas; • Metais sanitários. D) Por um (1) ano: • Portas, alizares e aduelas; • Colagem das cubas; • Instalações especiais e seus equipamentos. • Fissuras nos forros de gesso; • Instalações elétricas e hidráulicas em geral; • Instalações de exaustão mecânica; E) Por seis (6) meses: • • • • • • •

Ferragens e esquadrias de madeira; Pinturas internas e externas; Rejuntamento de revestimentos cerâmicos internos e externos; Rodapé; Regulagem de caixas acopladas; Entupimento de tubulações hidráulicas e de esgoto; Caimento inadequado do piso.

F) No ato da entrega do imóvel: • • • •

Esquadrias de Alumínio e vidros; Espelhos, interruptores e tomadas; Pintura; Louças e metais sanitários;


18

OBSERVAÇÕES: • TODOS OS PRAZOS DE GARANTIA DE MATERIAL E SERVIÇO RELACIONADOS NOS QUADROS ANTERIORES, TÊM VALIDADE A PARTIR DA DATA DO “HABITE-SE”; • OS PRAZOS DO FABRICANTE SERÃO OS CONSTANTES DOS RESPECTIVOS CONTRATOS E /OU MANUAIS ESPECÍFICOS DE CADA INSTALAÇÃO REALIZADA E DE CADA EQUIPAMENTO ENTREGUE; • NO CASO DE CESSÃO OU TRNASFERÊNCIA DA UNIDADE, A QUALQUER TÍTULO, OS PRAZOS DE GARANTIA AQUI ESTIPULADOS PERMANECERÃO VALIDOS.

5.10.Extinção da garantia

1-Pelo decurso do prazo de validade. 2- A qualquer tempo, desde que se verifique: 2.1 - Modificação ou alteração do imóvel ou de seus componentes, com exceção daquelas porventura executadas durante a construção de prédio e por solicitação do proprietário. 2.2 - A execução de serviços de reparos, consertos ou revisão, por terceiros, que não tenham sido autorizados pela Costa Andrade. 2.3 - A inobservância de qualquer das recomendações constantes do Manual do Proprietário. 2.4 - Desídia na conservação ou mau uso do imóvel. Com relação a eventuais defeitos verificados após a data da entrega das chaves do imóvel, e que surjam dentro do prazo de 90 (noventa) dias daquela data, deverá ser observado o seguinte procedimento: 1°) O Síndico/ Proprietário solicitará formalmente a intervenção da Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda., através de carta protocolada ou email (bagua@br.inter.com), relatando detalhadamente a natureza e a origem do defeito; 2º) A Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda. fará o registro da solicitação, no seu formulário de Pós Entrega. Nessa ocasião, será feita a análise da urgência do serviço, classificando em emergencial ou prioritário. 3º) Nas duas situações deverá ser feita a visita ao local do serviço, para verificação da responsabilidade da empresa. 4º) Comprovado que o defeito apontado é vício de construção, portanto de responsabilidade da RCA Empreendimentos Imobiliários Ltda., será providenciado o reparo, na data agendada pelo cliente, utilizando-se dos mesmos procedimentos que foram utilizados na ocasião da execução dos serviços. 5º) Caso não seja responsabilidade da RCA Empreendimentos Imobiliários Ltda., o síndico/ proprietário será informado, através de correspondência, onde estará descrito o problema e recomendações para o reparo. 6º) Na ocasião da entrega do serviço será feito uma avaliação do serviço prestado, e registrado


19

no formulário de Pós-Entrega. 5.11. Garantia Especial dos Elevadores • Cada prédio residencial possui 02 (dois) elevadores. • Marca: Atlas Schindler • Capacidade: 6 (seis) pessoas ou 450 kg (uniformemente distribuídos e progressivamente carregados) • Velocidade: 0,75 metros /segundo - com controle eletrônico na desaceleração • Piso do Elevador: Mármore e Granito GARANTIA: A garantia dos elevadores é de um ano para defeitos de fabricação e montagem. ATENÇÃO - Para não perder a garantia é necessário que o condomínio de continuidade ao contrato de manutenção com a Atlas Schindler Ltda que já foi criado desde a sua instalação. As garantias cessarão de pleno direito: A) se for constatado que o equipamento sofreu danos por qualquer motivo e/ou acidentes causados pelo seu uso incorreto; B) se os elevadores forem utilizados em desconformidade com o fim especifico para qual foi projetado; C) caso terceiros não autorizados pelo fabricante tenham acesso aos equipamentos. D) na hipótese dos elevadores serem entregues à assistência técnica não especializada; E) se for constatado o uso irregular, no equipamento, de materiais e/ou peças de origem desconhecida; F) quando o destinatário final não seguir as recomendações do fabricante para uso e funcionamento correto do elevador; G) ficam excluídos dessa garantia: lâmpadas, reatores e outros materiais que estejam fora do controle de qualidade da Atlas Schindler. Após término da garantia contratual, o condomínio deve firmar contrato de manutenção com empresa especializada. 6. Colocação de Acessórios em Paredes e Pisos Para a fixação de acessórios (quadros, armários, cortinas e outros) que necessitem furação em paredes e pisos, é importante tomar os seguintes cuidados: • Na fixação de objetos nas paredes, verificar se o local escolhido não é passagem de tubulações hidráulicas e elétricas; • Para melhor fixação recomenda-se o uso de parafusos com buchas, por serem conside


20

rados ideais para paredes com alvenaria de bloco. Recomenda-se evitar o uso de pregos para que não danifiquem o acabamento; • Ao executar armários embutidos sob as pias de banheiros, instruir os marceneiros contratados, para não baterem ou retirarem os sifões e ligações flexíveis, evitando vazamento; • Evitar perfuração da parede próximo aos quadros de luz e nos alinhamentos de interruptores e tomadas, para evitar acidentes com os fios elétricos; • Evitar furar os pisos dos banheiros, para evitar danos na impermeabilização; • Evitar furar o piso da cozinha e área de serviço, para evitar danos na tubulação de gás. 7. Funcionamento das Instalações 7.1 Instalações Hidráulicas Nas áreas comuns, o abastecimento é controlado por registros. Em caso de emergência ou quando houver necessidade de realizar algum reparo na prumada, o registro correspondente deve ser fechado. • O abastecimento de água do condomínio é feito pela rede geral da EMBASA; • Ao passar pelo medidor de consumo do prédio (hidrômetro), a água chega aos reservatórios inferiores que estão localizados ao lado da torre norte, onde eletrobombas fazem o recalque para os reservatórios superiores. Este recalque é feito automaticamente quando os reservatórios atingem um nível mínimo; • Ressaltamos que os registros do recalque de cada bomba devem sempre permanecer abertos; • As eletrobombas são providas de selos mecânicos e não devem ser acionadas sem água no sistema, pois o selo será danificado; • Os dois prédios contam com uma capacidade de reserva de 295.400 L • Reservatório superior em cada prédio: 77.700 L divididos em duas células • Reservatório inferior: Duas células de 70.000 L cada • A partir dos reservatórios superiores, a água desce por gravidade, abastecendo as colunas de alimentação dos apartamentos até o pavimento térreo. Nos apartamentos o abastecimento também é controlado por registros. Em caso de emergência ou quando houver necessidade de realizar algum reparo na rede, o registro correspondente ao ponto específico deve ser fechado. A tabela a seguir discrimina a função e o local de cada registro. Recomenda-se também fechar os registros em caso de ausência prolongada.


21

LOCALIZAÇÃO DOS REGISTROS - APT. 3/4 AMBIENTE

LOCALIZAÇÃO

FUNÇÃO

SANITÁRIO SOCIAL

NO BOX DO SANITÁRIO

CONTROLAR PONTOS DE ÁGUA FRIA E QUENTE DO SANITÁRIO SOCIAL.

SANITÁRIO SUÍTE

NO BOX DO SANITÁRIO

CONTROLAR PONTOS DE ÁGUA FRIA E QUENTE DO SANITÁRIO DA SUÍTE.

SANITÉRIO REVERSÍVEL

NO BOX DO SANITÁRIO

CONTROLAR PONTOS DE ÁGUA FRIA E QUENTE DO SANITÁRIO REVERSÍVEL.

COZINHA / ÁREA DE SERVIÇO

REGISTRO ACIMA DO TANQUE

CONTROLAR OS PONTOS DE ÁGUA FRIA DA COZINHA / ÁREA DE SERVIÇO.

LOCALIZAÇÃO DOS REGISTROS - APT.1/4 AMBIENTE

LOCALIZAÇÃO

FUNÇÃO

SANITÁRIO SOCIAL

NO BOX DO SANITÁRIO

CONTROLAR PONTOS DE ÁGUA FRIA E QUENTE DO SANITÁRIO SOCIAL.

COZINHA / ÁREA DE SERVIÇO

REGISTRO ACIMA DO TANQUE

CONTROLAR OS PONTOS DE ÁGUA FRIA DA COZINHA / ÁREA DE SERVIÇO.

NOTA: Ao instalar armários, prateleiras, filtros, etc., verificar nos anexos deste manual a localização das tubulações hidráulicas, elétricas e telefones embutidas para que não sejam atingidas durante a furação para fixação de buchas e parafusos.


22

7.1.1 Esgotamento Sanitário e Drenagem de Águas Pluviais • Este sistema é composto por tubulações em PVC, dimensionadas conforme normas e padrões adotadas pela ABNT. São interligadas aos pavimentos inferiores através de caixas de inspeção e caixas sifonadas; • Com a finalidade de prevenir possíveis entupimentos ou avarias, é importante que, periodicamente, as caixas sejam inspecionadas; • Neste caso, devem ser adotadas as seguintes providências: a) Limpeza das caixas sifonadas e dos sifões dos apartamentos para a remoção de resíduos. Fazer este serviço manualmente, usando uma luva de proteção. b) Limpeza periódica das caixas de gordura que coletam os despejos das cozinhas. c) Não jogar nos vasos sanitários materiais não degradáveis tais como absorventes, cotonetes, grampos de cabelos e etc. d) Manter os ralos sempre limpos evitando assim, o seu transbordamento. 7.2 Instalações Elétricas Para solicitar a ligação de energia elétrica no seu apartamento basta entrar em contato com a COELBA com o número do protocolo em mãos. Na cozinha encontra-se o quadro de luz que controla toda a energia elétrica da unidade. Esse quadro é constituído de vários circuitos, protegidos por disjuntores que se desligam automaticamente em caso de sobrecarga ou curto-circuito. Cada disjuntor atende a pontos específicos indicados no próprio quadro. Nesse quadro há também um disjuntor geral que protege todos os circuitos de uma só vez. A tabela a seguir apresenta o esquema do quadro de luz com a função de cada disjuntor. QUADRO DE LUZ – APT. 3/4 Nº do Circuito

Local

1

ILUMINAÇÃO GERAL

2

DISPOSITIVO RESIDUAL (DISJUNTORES 4, 5 E 6)

3

ILUMINAÇÃO E TOMADAS

4

BANHEIRO TOMADAS COZINHA MICROONDAS

5

DISPOSITIVO RESIDUAL (DISJUNTORES 8, 9 E 10)


23

6

TOMADAS A. DE SERVIÇO

7

TOMADAS SALA - QUARTO 1

8

TOMADAS Q. REVERSÍVEL – SUÍTE – QUARTO 2

9

AR CONDICIONADO

10

AR CONDICIONADO QUADRO DE LUZ – APT. 1/4

Nº do Circuito

Local

1

ILUMINAÇÃO GERAL

2

DISPOSITIVO RESIDUAL (DISJUNTORES 4, 5 E 6)

3

ILUMINAÇÃO E TOMADAS BANHEIRO

4

TOMADAS COZINHA

5

MICROONDAS

6

DISPOSITIVO RESIDUAL (DISJUNTORES 8 E 9)

7

TOMADAS A. DE SERVIÇO

8

TOMADAS GERAL AR CONDICIONADO

Obs.: O quadro de luz é entregue ao proprietário com a identificação dos disjuntores e seus respectivos circuitos. DR é um tipo especial de disjuntor que possui uma sensibilidade maior que os disjuntores comuns, criado para proteger os circuitos e seus usuários de possíveis riscos. Sua utilização se dá comumente em associação aos disjuntores dos circuitos de tomadas de áreas onde podem ocorrer com mais facilidade um curto-circuito devido a fatores externos.


24

7.3 Instalações Eletrônicas Foram previstos pontos de telefone nas salas e nos quartos, exceto quarto reversível para apartamento de 3/4. Todo o cabeamento e enfiação estão executados, bastando solicitar à empresa escolhida a instalação da linha. 7.4 Instalações Elétricas e Iluminação de Áreas Comuns A iluminação dos halls dos elevadores, escadarias e anti-câmaras são controladas por sensores de presença. 7.5 Sistema de Prevenção e Combate a Incêndio Nos edifícios os halls de escada, playground, subestação e casa de máquinas, possuem extintores. O tipo de extintor e o local de sua colocação não devem ser alterados, pois foram determinados pela Prefeitura Municipal de Lauro de Freitas-Ba. 7.6 Instalações de Segurança 7.6.1 Contra Incêndio/ Sistema de Hidrantes Composto de uma coluna com tubulação em cobre interligada às caixas de incêndio, dispostos em cada hall de circulação do pavimento e no playground. “As caixas de incêndio dos pavimentos possuem, além dos registros de comando, mangueiras de 1 1/2” e adaptadores rápidos. Existe no passeio em frente ao prédio, um registro e uma válvula 2 1/2”, protegidos por uma tampa de ferro fundido, o que em caso de necessidade, permitirá a pressurização do sistema exclusivamente pelo corpo de bombeiros. 7.6.2 Sistema de Iluminação de Emergência • Composto de luminárias distribuídas nas Escadas e Hall´s. Este sistema entra em ação numa eventual falta de energia da COELBA. A bateria de cada luminária funcionará por um prazo de aproximadamente 60 minutos, sendo recarregada automaticamente com o retorno da energia; • Recomendamos que o condomínio tenha um contrato de manutenção preventiva para que o sistema esteja sempre em boas condições de uso. 7.6.3 Pára-Raios


25

• Para proteção contra descargas atmosféricas foram instalados sistemas de pára-raios localizado no topo do prédio. O cabo de descida deste equipamento foi soldado na ferragem da estrutura, os quais interligam o captor às hastes de aterramento no piso da garagem; • A cada 05 (cinco) anos deve-se realizar uma inspeção completa através de contratação de empresa especializada para verificação do sistema. Esta inspeção deve ser acompanhada de relatório técnico emitido pela empresa contratada. 7.6.4 Instalação de Gás A distribuição é feita em tubos e conexões de cobre classe I, na prumada com bitola de 35 mm, 28 mm e 22 mm e bitola 22 mm e 15 mm classe I, nos ramais. A prumada de gás, citada inicialmente, é acionada através de 01 (uma) válvula esférica de feixo rápido que possibilita a interrupção rápida do gás para a prumada de cada prédio. O condomínio, quando da sua instalação, deverá adquirir junto a uma Empresa Concessionária fornecedora de gás escolhida em assembléia geral, a instalação enchimento dos cilindros. Ao receber o apartamento o cliente deverá entrar em contato com esta mesma concessionária para efetuar sua ligação. Observe bem, para que não haja vazamentos nas tubulações que passam pelas áreas comuns. Quaisquer irregularidades entrar em contato com a instaladora que dará assistência técnica. ATENÇÃO - É terminantemente proibido fumar dentro da central de gás. 8 Conservação e Manutenção do Imóvel 8.1 Projetos O 1º sindico eleito pela Assembléia de Condôminos receberá cópias em CD de todos os projetos do edifício na data de entrega oficial das áreas comuns. Caberá a este a guarda dos mesmos e transferência ao seu sucessor. Sempre que for necessário consulta, solicite-os ao síndico. 8.2 Estrutura Para qualquer edificação fabricada em concreto armado são definidas as peças componentes da estrutura. As mesmas formam em conjunto uma estrutura rígida capaz de suportar as solicitações previstas no prédio. Desta forma as peças trabalham em conjunto não sendo permitido a retirada de qualquer elemento estrutural total ou parcial como pilares, vigas ou lajes bem como gerar sobre carga acima dos limites previstos em projeto. 8.3 Alvenaria Todas as alvenarias da obra têm função única de vedação e divisão de ambientes, não havendo em alguns casos impedimento de remanejá-las no interior do apartamento. No entanto, grande parte das tubulações das instalações hidráulica e elétrica são embutidas


26

nas paredes. O que torna prudente verificar possíveis passagens de tubos no local a ser retirada a alvenaria. Os projetos encontram-se nas mãos do Síndico que deverão ser consultados sempre que se fizer necessário. Antes de perfurar paredes para colocação de quadros, armários e outros objetos consulte os desenhos por nós fornecidos com o cadastramento de todas as tubulações embutidas a fim de evitar que as mesmas sejam danificadas. A Construtora não assumirá qualquer responsabilidade sobre furos em tubulações e suas conseqüências, que por acaso venham a ocorrer. A acomodação natural da estrutura durante os primeiros meses de utilização poderá provocar o aparecimento de microfissuras em algumas paredes, as quais não colocará em risco o empreendimento. Caso ocorram fissuras no seu imóvel entre em contato com a assistência técnica. 8.4 Revestimento 8.4.1 Pastilhas e Cerâmicas Deve ser utilizado para limpeza dos revestimentos cerâmicos um pano úmido, esponja macia e detergente neutro. Evitar o uso de produtos abrasivos tais como soda cáustica, água sanitária etc. A escova de aço ou vassoura de piaçava retira o rejuntamento do revestimento provocando infiltração além de agredirem o esmalte do revestimento dando aspecto envelhecido. Recomendamos que, periodicamente, seja feita manutenção preventiva (anual) nos rejuntamentos. 8.4.2 Granitos e Mármores Os procedimentos de limpeza de mármores e granitos são semelhantes aos revestimentos cerâmicos, porém cuidados adicionais devem ser tomados com produtos que podem manchá -los e ocasionar eventualmente, perda de seu brilho como é o caso de ácidos, vinagres, sapólios, detergentes corrosivos e até mesmo suco de frutas ácidas. 8.5 Forros Os sanitários possuem o forro de gesso em todos os apartamentos padrão. Este material não resiste a umidade por tanto não podem ser lavados ou molhados. Após o banho quente, evite manter o sanitário fechado para não provocar manchas na pintura do forro, pois o mesmo é fixado com fios de cobre que uma vez umedecido pode provocar manchas no forro. Evite provocar qualquer tipo de impacto sobre os mesmos, bem como colocar ganchos ou


27

pendurar objetos cujos pesos excedam a resistência do material. 8.6 Esquadrias 8.6.1 Alumínio Possuem excelente resistência às intempéries tais como a oxidação e manchas causadas pela variação de temperatura, alguns cuidados, no entanto, devem ser tomados para que estejam sempre em bom estado. As janelas e portas de correr devem ser fechadas devagar, pois estas possuem vidros e limitadores de percurso que poderão ser avariados quando submetidos a impactos. A limpeza deve ser feita apenas com água e sabão neutro (líquido) aplicado com um pano ou flanela. Não devem ser usadas esponjas de aço (bombril) nem produtos químicos ou abrasivos que podem destruir a camada de anodização do alumínio. Para dar brilho na esquadria podese passar um pouco de vaselina líquida retirando-se o excesso com um pano seco. As roldanas devem ser periodicamente lubrificadas com óleo spray (WD-40, White Lub, etc.) e os trilhos devem permanecer isentos de poeiras e detritos para que a esquadria corra com facilidade. Os cantos das esquadrias e baguetes da bandeira fixa são vedados com mastique de silicone. A limpeza deve ser feita com cuidado para não retirar o produto. A retirada do silicone poderá causar vazamentos pela esquadria. 8.6.2 Madeira As esquadrias de madeira enceradas devem ser limpas apenas com um pano ou flanela seca . É aconselhável colocar prendedores nas portas para evitar que a ação do vento as arremesse contra a aduela provocando empenos e rachaduras. 8.6.3 Ferro As esquadrias de ferro foram devidamente protegidas com anticorrosivos e tinta de acabamento da melhor qualidade. É necessário, no entanto, vistoria periódica para identificar pequenos pontos de oxidação, que normalmente acontecem com o tempo, bem como tratá-los adequadamente para não comprometer a vida útil. A manutenção de peças metálicas é feita através de repinturas periódicas. Os pontos em início de oxidação devem ser lixados e aplicados sobre estes uma primeira base de cromato de zinco e duas demãos de esmalte sintético. 8.6.4 Ferragens


28

Para um bom funcionamento das ferragens das portas é recomendável lubrificar periodicamente as partes móveis (dobradiças, maçanetas, etc.) com óleo fino tipo Singer ou WD-40, e os cilindros das fechaduras com grafite em pó. 8.6.5 Vidros A espessura dos vidros é compatível com a resistência necessária para uso normal. Evite pancada nos mesmos bem como nos caixilhos. Para limpeza use apenas álcool, sabão neutro ou limpa-vidros. 8.7 Pintura A pintura de paredes e tetos com o tempo escurece um pouco e fica naturalmente queimada, por reações próprias da tinta, assim sendo, não faça retoques em pontos isolados. Quando necessário, pinte toda a parede. Para manter um bom aspecto visual do seu imóvel, recomendamos uma pintura geral periódica. Ao repintar o imóvel utilize sempre tinta de boa qualidade. Umidade e calor provocam mofo, portanto, mantenha o imóvel bem ventilado, sobretudo nos banheiros. Caso o imóvel fique desabitado por um longo período, aconselhamos forrar os vidros com papel para diminuir o calor no interior do mesmo e, periodicamente, abrir as janelas para arejá-lo. A falta destes cuidados pode deteriorar a pintura das paredes, tetos, forro de gesso, etc. Não use álcool ou água diretamente sobre a pintura. Manchas devem ser limpas com uma esponja macia e úmida com sabão neutro (aplicado levemente sobre a mancha sem esfregar) e secadas com pano limpo e seco. 8.8 Impermeabilização As áreas impermeabilizadas exigem cuidados especiais. Considerada uma área crítica devido a exposição constante a água. Ao se executar obras nestas áreas (terraços, reservatórios, etc.) deve-se certificar da confiabilidade oferecida pelo executor. A recuperação da impermeabilização é onerosa e demanda bastante tempo para se solucionar o problema. A Mandala Empreendimentos Imobiliários Ltda. não se responsabilizará por infiltrações causadas por danos provocados nas impermeabilizações. 8.9 Instalações Elétricas O imóvel é alimentado através do quadro de luz e força. Os disjuntores de proteção se encontram neste quadro devidamente identificado internamente. Os disjuntores foram dimensionados para suportar uma determinada carga a depender da solicitação. Portanto não podem ser modificados por outro de capacidade diferente da determinada em projeto. Todas as especifi-


29

cações dos disjuntores estão determinadas nas plantas de instalação elétrica. Antes de ser instalado qualquer aparelho deve ser verificado se o circuito possui capacidade de suportar o aparelho. Quando da instalação de armários e forro, havendo necessidade de relocação de pontos elétricos, este serviço deve ser executado por profissionais especializados observando-se o dimensionamento correto da fiação, emendas e isolamentos perfeitos. Evite lavar com água corrente as paredes onde existam quadros de luz, tomadas e interruptores. As tampas visam proteger os usuários contra contatos com as partes energizadas, não evitando a entrada de água e conseqüentemente, um possível curto circuito. O quadro de luz e força deve estar sempre desobstruído para um fácil acesso em caso de emergência. Verifique periodicamente o estado das emendas e isolamentos e reaperte as conexões elétricas nos quadros e tomadas substituindo peças que tenham se desgastado pelo uso contínuo ou por processo natural de corrosão causado por agentes externos. 8.10 Instalações Telefônicas As instalações telefônicas dos apartamentos foram executadas de acordo com as normas da Telemar, onde se prevê a existência de uma linha telefônica externa (entroncada a todas as tomadas do apartamento) e uma linha interna (tubulação para interfone). A concessionária ao efetuar a ligação da primeira linha telefônica de cada apartamento utiliza por procedimento padrão a fiação que já está ligada às tomadas. Para instalação de linhas adicionais é necessário trocar a conexão do fio na tomada telefônica que será utilizada por estas linhas. Todos os apartamentos possuem tubulação que permite interligação a uma central telefônica do Condomínio que permitirá comunicação entre a portaria, os apartamentos, os elevadores, e as áreas comuns. 8.11 Ar Condicionado Os apartamentos foram projetados e preparados para o uso de aparelhos de ar condicionado Split em todos os quartos, exceto quarto reversível para apartamento de 3/4, com instalação prevista para maquinas de até 9.000 BTU’s. Portanto, toda a tubulação de instalação e drenagem está pronta de acordo com a localização dos aparelhos no projeto arquitetônico. 8.12 Aquecedores As unidades possuem instalação em tubulação de cobre galvanizado para gás GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) , o apartamento de 3/4 consta de 01 ponto de abastecimento de GLP na cozinha para botijão e 01 ponto em cada banheiro para aquecimento da água e 1/4 01 ponto de abastecimento de GLP na cozinha para botijão e 01 ponto no banheiro para aquecimento


30

Observação: • As unidades não de dispõem de previsão para instalação de chuveiro elétrico. 8.13 Instalações Hidro-Sanitárias Esta é uma parte do imóvel que requer maior cuidado de manutenção, pois seu mau uso pode acarretar danos de custo elevado. A) Água Fria O sistema de alimentação de água fria do edifício é constituído de prumadas (tubulações que trazem a água do reservatório) e ramais que distribuem a água pelos pontos de utilização. Cada tubulação do sistema possui um registro que permite cortar o fluxo de água em caso de vazamento ou necessidade de manutenção. Os registros das prumadas que atendem todos os pavimentos estão localizados na anti câmeras e os registros dos ramais estão localizados na parede da cozinha e banheiro, área de serviço e sanitários. Procure identificar cada registro de seu apartamento para, em caso de emergência, saber onde se localiza e poder fechá-lo com rapidez. Quando for necessária a substituição de chuveiros, torneiras, rabichos etc., é importante que a instalação dessas novas peças sejam feitas cuidadosamente, evitando danificar as roscas de joelhos embutidas nas paredes (recomendamos o uso de fitas tipo Teflon nas roscas, evitandose o uso de cordão, cola ou tinta). Antes de executar perfurações nas paredes consulte o cadastramento das tubulações para evitar danificá-las. Considerar variação máxima de 10 cm para os dois lados. B) Esgoto e Drenagem As redes de esgoto e drenagem têm a função de esgotar os efluentes decorrentes de descarga sanitária, água de banho, água de lavagem, de chuvas, etc. Para este fim as redes foram dimensionadas e executadas, e em condições normais de utilização não devem apresentar deficiências de funcionamento. Todavia alguns cuidados são necessários no uso destes sistemas: - Limpar periodicamente os sifões, ralos e caixas sifonadas dos sanitários e da cozinha para remoção de resíduos que se acumulam e obstruem a passagem da água. Em caixa sifonada e ralo de PVC, não utilizem objetos cortantes ou pontiagudos para limpá-los, nem materiais corrosivos como ácidos, solventes, etc. que podem perfurar o PVC provocando vazamento no pavimento inferior. - Utilizar corretamente os vasos sanitários não jogando nele materiais não degradáveis (como cotonetes, absorventes, algodão, etc.) que podem provocar entupimentos na rede e no próprio


31

vaso. - Não retirar as grelhas dos ralos, a não ser para limpeza, elas evitam a passagem de detritos sólidos que podem provocar entupimentos na tubulação. - Manter os sifões e ralos sifonados sempre com água (formando selo hídrico) para evitar o mau cheiro proveniente da rede de esgoto. - Limpar periodicamente as caixas de passagem (localizadas nos pisos das garagens) 8.14 Louças e Bancadas Não utilize como apoio o vaso sanitário ou lavatório, pois estes materiais são frágeis e podem quebrar ocasionando ferimentos graves. Para limpeza de louças utilize apenas água, sabão e desinfetante. Nunca use pós abrasivos e esponjas de aço (bombril). 8.15 Metais e Registros Para personalizar o seu imóvel é possível substituir as torneiras e os acabamentos de registros por outro modelo do mesmo fabricante, mantendo a base original embutida na parede. O vedante das torneiras e registros deve ser substituído após o desgaste natural do uso, para evitar um consumo excessivo de água proveniente de eventuais vazamentos. Em caso de necessidade de troca ou reparo de torneira, sifão, engates etc. é recomendada à contratação de um profissional do ramo. Não utilize esponja de aço para limpeza das torneiras e registros sanitários, eles podem causar arranhões e desgastes no material. Ao instalar armários sob bancadas, deve-se evitar pancadas nos sifões e tubos flexíveis (engastes). Todos os sifões e engates foram testados na vistoria de entrega do apartamento, portanto a construtora não acatará solicitações de assistência técnica decorrente destes itens. 8.16 Medidores A área destinada aos medidores é o local onde se encontram os quadros de medição dos apartamentos e serviços (áreas comuns do edifício), bem como os quadros gerais de comando. Ao efetuar a ligação de consumidor de energia, a concessionária instala um equipamento de medição de consumo e lacra todas as áreas de acesso à energia não medida. Em nenhuma hipótese estes lacres poderão ser violados. Sob pena de aplicações de pesadas multas pela COELBA. Os quadros de medidores devem ser mantidos fechados. Uma vez por mês a COELBA terá acesso para fazer a leitura dos consumos. O condomínio não deverá permitir o acesso de pessoas não habilitadas para manusear os quadros elétricos.


32

A ligação de energia de cada apartamento deverá ser solicitada pelo proprietário diretamente a COELBA pessoalmente ou através do Call Center COELBA: 0800-0710800, informando o número do expediente do empreendimento. Torre Norte nº. 9100192798 e Torre Sul nº. 9100189845. 8.17 Bombas A) Bombas de recalque: As elevações de água à caixa superior da edificação são executadas por um sistema com duas bombas, onde uma é ativada e outra permanece na reserva. As bombas estão instaladas na casa de bombas, na garagem ‘pavimento subsolo’. As bombas de recalque são comandadas por dispositivos chamados “automáticos de bóia”. Estes dispositivos ligam as bombas, quando o nível da água na caixa superior descer abaixo de um determinado limite estabelecido. Mas, isto somente ocorrerá se o nível da caixa inferior estiver acima de um mínimo também previamente estabelecido. Caso não se verifiquem estas condições, a bomba não funcionará. Elas devem funcionar alternadamente, porém, nunca simultaneamente. Tanto o dimensionamento elétrico como das tubulações assim foram calculados. Sempre devem ser verificadas as aberturas nos registros, que permitem a passagem de água na bomba que entrará em operação. O registro fechado causará a queima do motor. Em caso de enguiço constatado em uma das bombas, o reparo deve ser imediatamente providenciado junto à empresa de manutenção. As bombas de recalque devem ser periodicamente revisadas. É recomendável que o Condomínio mantenha, com empresa especializada, contrato de conservação e manutenção do equipamento. 8.18 Barrilete A distribuição de água no Edifício é feita através do barrilete localizado abaixo do reservatório superior. Chama-se barrilete ao conjunto de registros de gaveta que comandam a distribuição de água nas diversas prumadas do edifício. 8.19 Jardins e Paisagismo Os jardins das áreas comuns do edifício foram entregues plantados e mantidos até a data da entrega do condomínio. O condomínio deverá regar diariamente os jardins e contratar empresa especializada para dar manutenção (podar, retirar ervas, adubar, matar formigas, fungos, etc.).


33

8.20 Áreas Comuns As áreas comuns do edifício são um bem coletivo e, como tal, cada condômino deve zelar por ele. O valor agregado do seu imóvel depende da apresentação e do estado que se encontrem as áreas comuns, portanto sua preservação implica na valorização do seu imóvel. 8.21 Cuidados Especiais Na instalação de armários em paredes de fachadas torna-se necessária a utilização de chapas de isopor por trás dos armários, evitando a criação de mofo decorrente da umidade da parede externa. Ao viajar ou ao deixar o apartamento fechado por algum tempo lembre-se de tomar as providências necessárias: - Feche todos os Registros de água; - Feche o registro do Gás; - Desligue todos os disjuntores no quadro de luz localizado na cozinha; - Avise ao síndico ou administrador o período no qual o apartamento estará desocupado e informe um telefone para comunicação em caso de emergência. - Deixe as janelas dos sanitários e área de serviço semi-abertas com o objetivo de arejar o apartamento para evitar efeito estufa que causa empeno de portas, mofo, etc. 8.22 Ações Preventivas Normas de Conservação e Manutenção - Obriga-se o síndico a atender às orientações do “Manual do Proprietário”, procurando sempre zelar, conservar e manter a unidade e o prédio, promovendo o que se fizer necessário e respondendo pelas omissões ou excessos, ou pelos danos que causar, tanto à unidade como ao prédio, pelo que cumprirá e fará cumprir, por todas as pessoas que ocuparem a unidade, a qualquer título, dentre outras, as seguintes obrigações: 1 - conservar as esquadrias da unidade (para evitar danos a sua durabilidade e prevenir infiltrações), fazendo revisão a cada seis (06) meses, comprovadamente; 2 - rever, a cada doze (12) meses, através do condomínio, as fachadas e repor os rejuntes ou revestimentos que estiverem faltando, em decorrência da ação do tempo ou de outros fatores; 3 - rever, também a cada seis (06) meses e através do condomínio, o telhado do prédio, a fim de recompor danos ou estragos causados pela ação do tempo ou por outros fatores e remoção de detritos (sacos plásticos, folhas, etc.) nas calhas e ralos;


34

4 - rever, também a cada doze (12) meses e através do condomínio, a laje impermeabilizada dos pavimentos de utilização comum; 5 - zelar, conservar e manter todos os equipamentos e acessórios da unidade e das partes comuns do prédio, promovendo seu uso adequado e fazendo os necessários reparos, através da assistência técnica direta dos respectivos fabricantes; 6 - cuidar para que não sejam colocados pregos ou outros objetos perfurantes nas áreas assinaladas nas plantas da unidade, de modo a prevenir danos às tubulações embutidas das instalações elétricas, hidráulicas, telefônicas ou quaisquer outras. 8.23 Segurança • Não se pendurar nas janelas para limpeza dos vidros; utilizar utensílios com cabos alongados especiais para esse fim. • No caso de ausências prolongadas, é aconselhável desligar a chave geral de energia elétrica e o registro de gás do seu apartamento. (se possível). 8.24 Lixo O lixo deve ser depositado em local e horários estabelecidos pelo regulamento interno do edifício. 8.25 Instalação de Projeções em Janelas Para instalação de redes ou grades nas janelas do apartamento deve atender ao padrão que não interfira na fachada do prédio que esteja em acordo com a Convenção e Regimento Interno do Condomínio. Após instalação das proteções, executar o devido reparo nos pontos furados ou quebrados e executar a pintura ou recomposição na cor e material original existente da fachada. 9

Manutenção e Conservação de Edifício

É importante que o usuário utilize de forma correta e promova a manutenção preventiva de sua unidade. Assim haverá um menor desgaste de materiais e peças, evitando-se a danificação e o envelhecimento precoce das partes do Edifício. A seguir estão descritos alguns cuidados nas operações de limpeza e manutenção. 9.1 Paredes * Antes de perfurar as paredes, consulte os projetos evitando, deste modo, à perfuração de tubulações de água, energia elétrica ou gás, nelas embutidas;


35

* Para melhor fixação de peças ou acessórios use apenas parafusos com buchas especiais; * Procure manter os ambientes bem ventilados. Nos períodos de inverno ou de chuva pode ocorrer o surgimento de mofo nas paredes, decorrente de condensação de água por deficiente ventilação, principalmente em ambientes fechados (armários, atrás de cortinas e forros de banheiro). • As áreas internas (unidades privativas e áreas comuns) devem ser pintadas a cada três anos, evitando, assim, o envelhecimento, a perda de brilho, o descascamento, e que eventuais fissuras, possam causar infiltrações. ATENÇÃO - As fissuras que não geram infiltração são consideradas normais, aceitáveis e deverão ser tratadas pelo condomínio quando do processo de manutenção preventiva da edificação. 9.2 Esquadrias de Alumínio Anodizado • As esquadrias de alumínio exigem alguns cuidados que devem ser tomados para que estejam sempre em bom estado. As janelas e portas de correr devem ser fechadas devagar, pois pancadas fortes podem danificá-las ou causar a quebra do vidro. As roldanas devem ser periodicamente lubrificadas com óleo spray (WD-40 ou White Lub) e os trilhos devem permanecer limpos de poeira e detritos para que a esquadria corra com facilidade; • A limpeza deve ser feita apenas com um pano limpo umedecido com água e sabão neutro (liquido). Não devem ser utilizados produtos químicos ou abrasivos que podem destruir a camada de anodização do alumínio; • Para dar brilho na esquadria pode-se passar um pouco de vaselina liquida retirando-se o excesso com um pano seco; • Não apoiar escadas ou outros objetos na superfície das esquadrias e evitar pancada sobre as mesmas. 9.3

Azulejos e Pisos Cerâmicos

• Jamais deverão ser utilizados produtos a base de detergentes agressivos, ácidos ou soda cáustica, bem como escovas e produtos concentrados de amoníaco que atacam o esmalte das peças e seu rejuntamento; • A limpeza e lavagem destes revestimentos poderão ser feitas com sabão em pó neutro, utilizando pano úmido ou esponjas; • Na limpeza tomar cuidado com encontros de paredes com tetos em gesso; • Semestralmente, deve ser feita a revisão de rejuntamento, principalmente na área para Box de chuveiro, pois a água quente com sabão ataca o material e pode provocar, no futuro, infiltrações para o andar de abaixo, apesar de impermeabilizações efetuadas. Para refazer o rejuntamento, utilizar materiais apropriados existentes no mercado e mão-de-obra especializada.


36

9.3.1 Impermeabilização e Vedações Pelas características técnicas específicas das impermeabilizações feitas no prédio, recomendam-se cuidados especiais por ocasião de alterações que possam influir nas condições de permeabilidade das superfícies tratadas (banheiro) tais como substituição de pisos, colocação de batedores de portas no piso e etc. 9.4

Instalações Elétricas e Iluminação

A manutenção preventiva das instalações elétricas é bastante simples e deve ser executada com os circuitos desenergizados (chaves desligadas): • Quadro de distribuição de circuitos (uma vez por ano): • Reapertar todas as conexões; • Eliminar pontos de fios que apresentarem sinal de superaquecimento; • Substituir chaves com problemas para religação; • Rever estados de isolamento das emendas de fios. • Tomadas, interruptores e pontos de luz (a cada dois anos): • Reapertar todas as conexões; •

Verificar estado dos contatos elétricos e substituir as peças que apresentarem desgaste

9.5

Louças e Instalações Sanitárias

• Não jogar gordura ou resíduos sólidos nos “ralos” das pias ou lavatórios; • Fazer a limpeza de todos os “ralos” e sifões de pias e lavatórios periodicamente, sendo conveniente que este serviço seja executado por um profissional especializado; • Jogar água nos ralos e sifões quando estes estiverem muito tempo sem uso, para evitar o mau cheiro da rede de esgoto, principalmente no verão; • Evitar o uso excessivo de detergente nas máquinas de lavar roupa e louça, pois os resíduos destas depositam-se na tubulação, causando futuros entupimentos; • Semestralmente, deve ser feita a revisão de rejuntamento das peças sanitárias. 9.6

Metais Sanitários

• Deve-se proceder à limpeza dos metais sanitários ou ferragens apenas com pano úmido, pois qualquer produto químico poderá acarretar remoção da película protetora, ocasionando a sua oxidação; •

Não utilizar esponja de aço ou similares;


37

• Durante o manuseio de torneiras e registros não se deve forçá-los, pois isso pode danificar as suas vedações internas e provocar vazamentos; • Não utilizar torneiras ou registros como apoio ou cabide; • Evitar impactos nos tubos flexíveis que alimentam os lavatórios e as caixas acopladas dos vasos sanitários. 9.7

Portas de Madeira

• As portas devem ser limpas com pano umedecido com água. Jamais utilizar produtos ácidos ou à base de amoníaco; • Nunca molhar a parte inferior das portas para evitar seu apodrecimento; • Cuidado especial deve ser tomado com relação às batidas de portas. Além de causar trincas na madeira e na pintura, podem causar danos ao revestimento das paredes ou estragar as fechaduras; • Para evitar emperramentos de dobradiças e parafusos, verificar que estes estejam sempre firmes e que nenhum objeto se interponha sob as portas; • Lubrificar periodicamente as dobradiças com uma pequena quantidade de óleo de máquina de costura ou grafite; • As portas e ferragens não estão dimensionadas para receber aparelhos de ginástica ou equipamentos que causem esforços adicionais; • Nas fechaduras e ferragens, não aplique produtos abrasivos, basta uma flanela para limpeza. 9.8

Revestimento em Granitos e Mármores

• Utilizar apenas sabão em pó neutro ou pequena quantidade de detergente diluído em água, esfregando a superfície das pedras; • Nunca utilizar produtos cáusticos ou agressivos, pois podem danificar as pedras; • Remover imediatamente as manchas que possam penetrar nas pedras tornando a limpeza impossível; • Os pisos em pedra natural não devem ser lavados com muita freqüência para evitar danos em seu rejuntamento. 9.9

Cuba de Aço

• Usar apenas água e sabão neutro para retirar sujeiras e gorduras da cuba de aço. Nunca usar materiais abrasivos como palhas de aço, saponáceos, etc; • Após a lavagem, passar pano com álcool para devolver brilho natural ao aço inox.


38

9.10 Pintura • Nunca usar álcool sobre tinta plástica (látex PVA); • Com o tempo, a pintura escurece um pouco, devido à exposição constante à luz natural e à poluição. Não faça retoques em pontos isolados, em caso de necessidade pinte toda a parede ou cômodo; • Aconselhamos que sejam efetuadas 2 (duas) demãos de esmalte sintético nas esquadrias de ferro (portões, grelhas, etc.) a cada 12 (doze) meses para boa conservação dos mesmos; • Não esfregar as paredes; • As fachadas deverão ser pintadas periodicamente garantindo assim uma perfeita estanqueidade e evitando o aparecimento de fungos, recomendamos que este serviço seja executado anualmente, por uma empresa especializada; • Umidade e calor provocam mofo; portanto mantenha o imóvel sempre ventilado, sobretudo nos banheiros para evitar manchas de bolor. 9.11 Vidros • Para realização da limpeza, deve-se utilizar apenas pano umedecido com álcool ou produtos destinados a este fim; • Deve-se ter cuidado, no momento da limpeza para não danificar as esquadrias de alumínio. 9.12 Extintores de Incêndio Verificar constantemente se: a) O acesso aos extintores não está obstruído; b) O lacre não está rompido; c) O manômetro indica pressurização (faixa verde ou amarela); d) O aparelho não apresenta vazamento; e) Os bicos e válvulas da tampa estão entupidos; f) Acompanhar o período de validade de carga dos extintores. Observações: • Programe a recarga de forma a não deixar os locais desprotegidos. • Utilizar uma empresa credenciada e idônea para realizar recargas nos extintores 9.13 Dispositivos Especiais dos Elevadores 9.13.1 Fontes de emergência para luz nas cabines e alarme Cada cabine é dotada de um dispositivo que, no caso de falta de energia elétrica, além de mantê-la parcialmente iluminada, continuará a assegurar o funcionamento do botão de alarme.


39

9.13.2 Manutenção preventiva A manutenção tem como meta principal proteger os diversos circuitos e instrumentos responsáveis pela segurança dos elevadores, impedindo que possíveis falhas possam provocar acidentes. Esperar que ocorra a paralisação do equipamento por defeitos provocados pelo desgaste de peças será anti-econômico e incômodo para os usuários. 9.13.3 Manutenção corretiva A causa principal do funcionamento irregular de um elevador é o desgaste de alguns de seus componentes (elétricos ou mecânicos) combinados à utilização indevida por parte dos usuários. Estas dificuldades poderão ser eliminadas através de um serviço permanente, mediante contrato de manutenção. 9.13.4 Utilização do elevador (instruções e precauções) Embora seja um equipamento dotado de um elevado grau de confiabilidade e segurança, recomendamos aos usuários a observância dos seguintes itens: a) Não ultrapassar o limite de peso determinado pelo fabricante. b) Nunca permitir que as crianças brinquem nos elevadores, ou que as utilize sozinho. c) Não colocar obstáculos que possam impedir o livre funcionamento das portas. O elevador só funciona se todas as portas estiverem fechadas. d) Ao abrir a porta do elevador no pavimento, certifique, sempre, se a cabina está no pavimento. e) Não permitir que seja atirado lixo no poço do elevador, visto prejudicar algumas peças na sua caixa, ocasionando enguiços. f) Não sair da cabina, sem ter observado o seu nível e o do pavimento. Apertar seguidamente o botão de chamada do elevador ou forçá-lo não reduzirá o tempo de espera, apenas poderá danificar este instrumento sendo, portanto, um prejuízo para o próprio usuário. 10 Recomendações Especiais O síndico é responsável pela coordenação das atividades de manutenção, conservação e limpeza das áreas comuns e equipamentos coletivos do condomínio, porém cabe a cada proprietário zelar pela manutenção e limpeza das áreas comuns do prédio. A boa conservação do prédio valoriza continuamente o seu imóvel. A data e horário da mudança devem ser comunicada ao síndico ou à administradora, para programar o transporte de seus móveis é importante observar se as dimensões dos móveis e/ou equipamentos são compatíveis com as dimensões dos ambientes e vãos de portas.


40

As partes condominiais não podem ser modificadas, salvo nos casos previstos na Convenção Condominial, a fim de se preservar a unidade estética do conjunto. Os elementos dispostos na fachada do prédio em hipótese alguma poderão ser alterados. Não apertar demais as torneiras e registros para não diminuir a vida útil dos vedantes. Fazer limpeza freqüente do arejador das torneiras. O acesso ao terraço, casa de medidores de energia, instalações dos motores e máquinas dos elevadores, instalação das bombas de água, sistema de tratamento de esgoto, conjunto gerador de emergência e outras instalações mais especificas, somente é permitida para fornecedores e prestadores de serviços afins à atividade, os quais deverão estar acompanhados e/ou autorizados por preposto do Condomínio. Deve-se evitar o transito de veículos com carga mais de 300k (trezentos quilos) nas vias do condomínio, visando a boa conservação das mesmas. A altura máxima de veículos deve ser de 2.60m. 11 Termos e Definições 11.1 Definições Com a finalidade de facilitar o entendimento deste manual, esclarecemos o significado das nomenclaturas utilizadas: 1. Prazo de Garantia: Período em que a Construtora ou o Fabricante responde perante o proprietário quanto a vícios de construção ou defeitos de fabricação; 2. Vida Útil: Período de tempo que decorre desde a data do termino da construção (data da expedição do “Habite-se” pela prefeitura) até a data em que se verifica uma situação de depreciação e decadência de suas características funcionais de segurança, de higiene, ou de conforto, tornando economicamente inviáveis os encargos de manutenção; 3. Vícios Aparentes: São aqueles de fácil constatação, detectados quando da vistoria para recebimento do imóvel; 4. Vícios Ocultos: São aqueles não detectáveis no momento da entrega do imóvel e que podem surgir durante a sua utilização regular; 5. Solidez da Construção, Segurança e Utilização de Materiais e Solo: São itens relacionados à solidez da edificação e que podem comprometer a sua segurança, neles incluídos peças e componentes da estrutura do edifício, tais como lajes, pilares, vigas, estruturas de fundação, contenções e arrimos; 6. Habite-se: Documento público expedido pela Prefeitura Municipal, confirmando a conclusão da obra nas condições do projeto aprovado; 7. Código do Consumidor: É a lei nº. 8078/90, que instituiu o Código de Proteção e Defesa do Consumidor, melhor definindo os direitos e obrigações de consumidores e fornecedo-


41

res, como empresas construtoras e/ou incorporadoras; 8. Código Civil Brasileiro: É a lei nº. 10.406, de 10 de janeiro de 2002, que dispõe sobre as relações civis; 9. Lei nº. 4.591/64 (Condomínios e Incorporações): É a lei que dispõe sobre o condomínio em deificações e sobre as incorporações imobiliárias; 10. NBR 5674: É a norma editada peça ABTN (Associação Brasileira de Normas Técnicas, que regulamenta, define e obriga a manutenção das edificações). 12 Instalações Especiais 12.1 Sistemas de Combate a Incêndio Este Edifício possui sistema de proteção e combate a incêndios, projetado em conformidade com as normas da ABNT e o Código de Segurança contra Incêndio e Pânico. A localização e os tipos de equipamentos instalados não podem ser modificados sem prévia aprovação da SUCOM. Do sistema de proteção contra incêndios fazem parte os extintores, as caixas de incêndio, pára -raios e as portas corta-fogo. A localização destes equipamentos pode ser verificada no projeto de instalações. 12.1.1 Hidrantes O sistema é composto de uma rede de hidrantes, que interliga o reservatório superior às caixas localizadas em cada pavimento. Em caso de incêndio, na caixa de cada pavimento existem mangueiras com engate rápido que se acoplam facilmente no registro e tem comprimento suficiente para alcançar qualquer ponto no pavimento. Em frente à guarita, existe um registro de recalque protegido por uma tampa de ferro fundido para permitir ao corpo de bombeiros, se necessário, o abastecimento do sistema através de carro pipa. A administração do condomínio deve promover treinamento de combate a incêndio com os funcionários para que os mesmos estejam aptos a manobrar o sistema com rapidez em caso de sinistro. As mangueiras dos hidrantes têm como objetivo, único e exclusivo, o combate a incêndio, não devendo em hipótese alguma ser utilizado para serviços de lavagens e outros. 12.1.2 Extintores Em cada pavimento do edifício existem um acionador manual (quebra-vidro) e extintores portáteis dos tipos água pressurizada e pó químico. Na subestação, gerador e casa de máquina CO2. Os extintores servem para combater princípios de incêndio para que não se alastrem. Cada tipo serve a uma finalidade especifica que deve ser conhecida, pois o combate inicial do foco evita a tragédia maior.


42

O extintor de água pressurizada é utilizado para combater fogo em materiais combustíveis, tais como: papel, madeira, tecidos, etc. Não pode ser utilizado em eletricidade. O extintor de pó químico seco é utilizado para combater fogo em líquidos inflamáveis como gasolina, óleo, tintas, gás liquefeito, etc., e em materiais combustíveis. O extintor de CO2 é utilizado para combater fogo em circuitos e equipamentos elétricos. Os prazos de validade destes equipamentos devem ser verificados periodicamente e, quando necessário, devem ser recarregados por empresa especializada. 12.1.3 Alarme de Incêndio O sistema de alarme de incêndio é composto de uma central de comandos interligados de acionadores tipo “quebre o vidro”. Em caso de incêndio o sistema avisa através de uma sirene aos ocupantes do edifício e o painel identifica o pavimento onde se iniciou o sinistro para que as providencias sejam tomadas. 12.1.4 Porta Corta - Fogo As portas corta-fogo servem para impedir a propagação do fogo e proteger as escadas durante a fuga, em caso de incêndio. Para um funcionamento perfeito, devem ser periodicamente lubrificadas e não se deve permitir que permaneçam abertas, seguras por pedaços de madeira ou outros objetos. O acesso a estas portas nunca pode ser obstruído. Na limpeza de corredores, halls e escadas devem ser evitados produtos que possam causar corrosão às portas corta-fogo. As escadas não devem servir de depósito para móveis, bicicletas e outros objetos. A iluminação de emergência de escadas e de antecâmaras deverá ser mantida em perfeito funcionamento. 12.1.5 Pará - Raios O pára-raios faz parte do sistema preventivo contra incêndios. Ele tem a finalidade de proteger a edificação contra as descargas atmosféricas que ocorrem em dias de tempestade. O sistema é constituído de: - Gaiola de Farady, instalado na cobertura da edificação; - cordoalha de cobre (cabo de descida), para escoramento do raio; - malha de terra, constituída de hastes de cobre enterradas no solo Quando detectados quaisquer avarias ou problemas, os elementos do sistema deverão ser imediatamente reparados ou substituídos.


43

12.1.6 Dicas úteis em caso de incêndio • A primeira providência é telefonar para o Corpo de Bombeiros, pelo número 193. • Nunca devem ser utilizados os elevadores, devem ser utilizadas as escadas. • O fogo deve ser combatido com a utilização do extintor mais apropriado. • Em caso de não saber manusear os extintores e as mangueiras, deve-se sair imediatamente do local, desligando a eletricidade, fechando portas e janelas atrás de si e alertando aos demais moradores. • Não se deve jogar água sobre instalações elétricas energizadas. 12.1.7 Cuidados com os equipamentos de combate à incêndio 01. O registro geral da coluna de incêndio não pode ser fechado. 02. O sistema de pressurização sempre deverá ser mantido ligado. 03. Os equipamentos de combate a incêndio não devem ser utilizados para outras finalidades. 04. O acesso aos extintores não pode ser obstruído. 05.A pressurização e a integridade do lacre dos extintores devem ser verificadas periodicamente. 06. Manutenções e recargas devem ser programadas em etapas, de maneira a não deixar a edificação desprotegida. 07. O estado geral das mangueiras deve ser verificado periodicamente, detectando-se a existência de nós, furos, trechos desfiados, ressecados ou descascados. 08. Vazamentos detectados nos registros devem ser, imediatamente, consertados. 09. As etiquetas existentes nas portas corta-fogo (marcas de conformidade) não podem ser retiradas ou pintadas. 10. Os tubos e as conexões não podem ter suas especificações alteradas, salvo legislação específica. 12.2 Elevadores Para chamar o elevador acione o botão de chamada uma única vez e, apenas, no sentido desejado; a insistência e a força não farão o elevador chegar mais rápido e poderão danificá-lo em seu próprio prejuízo. Observe o número máximo de passageiros indicados na cabina. Para segurança de todos, a lotação não deve ser excedida. Isso além de perigoso é ilegal. Não mantenha a porta aberta. Prender o elevador por “um minutinho” prejudica as pessoas que aguardam atendimento. A irritação pode levá-los a forçar portas e botoeiras, danificando seu patrimônio. Fumar na cabina do elevador é proibido por lei. Respeitando-a você estará garantindo o conforto e segurança sua e dos demais passageiros.


44

Não permita que crianças brinquem ou viagem sozinhas no elevador. Oriente-as para que não risquem painéis, botoeiras e nem apertem todos os botões. O transporte de cargas concentradas e pesadas, a exemplo de cofres, exige regulagem especial dos freios e manobra em baixa velocidade. Em caso de necessidade comunique-se com a assistência técnica da Atlas Schindler para solicitar as providências necessárias para transporte de carga. O acesso à casa de máquinas dos elevadores é permitido apenas aos responsáveis pela operação e manutenção dos equipamentos. Não permita que pessoas desavisadas atirem lixo no poço dos elevadores. Oriente os responsáveis pela limpeza para que tomem cuidados ao lavarem o hall, não permitindo que a água caia no poço através das soleiras. Tal inobservância tem causado curtos circuitos e paralisações que prejudicam os usuários e oneram os proprietários. 12.3 Central de Gás (GLP) O GLP (Gás Liquefeito de Petróleo) é uma mistura de gases butano e propano. É incolor e inodoro. A Petrobrás adiciona a esta mistura um produto com odor característico para acusar aos usuários qualquer vazamento. O GLP para uso residencial é distribuído em cilindros de 13,45 e 90 quilos. O Edifício foi entregue com uma rede de gás encanado, em tubos de cobre, interligando todos os apartamentos à central de gás localizada ao lado da casa de lixo dentro do condomínio. Para utilização do sistema o condomínio deverá fechar contrato de fornecimento de gás com uma das distribuidoras, adquirir delas os botijões e conectá-los à rede na central de gás através de manifold a ser executado pelo condomínio em função da quantidade e capacidade dos botijões necessários. Para operação do sistema deverão ser seguidos os procedimentos e recomendações da distribuidora contratada pelo condomínio. O acesso de pessoas à casa de gás deve ser limitado aos funcionários treinados para o manuseio do gás. Não é permitido fumar no interior da central de gás. Em caso de vazamento de gás no apartamento, abra as portas e janelas para ventilar o ambiente e chame o técnico da distribuidora de GLP contratada


45

13

Fornecedores

13.1 Fornecedores de Projetos Projeto Empresa Contato Telefone Projeto Empresa Contato Telefone

Arquitet么nico Danilo Andrade Danilo Andrade (71) 3451-3020 / 3354-3658 Estrutural Escrit贸rio Francisco Peixoto Francisco Peixoto (71) 3176-0101 / 3176-0102

Projeto Empresa Contato Telefone

Instala莽玫es Producto Engenharia Robson Campinho e Pedro Mechelon (71 ) 3371-5499 / 3362-4388


46

13.2 Fornecedores de Materiais

MATERIAL

FORNECEDOR

TELEFONES

Alambrado da quadra

Cercas e Cia

(71)3285-3280

Automatização dos Portões

AC3

(71)3378-7756

Bloco cerâmico

Cerâmica moderna

(71)3621-2444

Cerâmica

Gyotoku

(11)4746-5000

Disjuntores

Steck

(71)2201-4300

Engates, Sifões e Válvulas

Kelly

(71)4009-1155

Equipamentos para piscina

Villas Piscinas

(71)3379-6369

Esquadrias de vidro e alumínio

Skala

(71)8193-4010

Fechaduras e dobradiças

Pado

(71)3377-5974

Fios e cabos

LCA Laminação

(27)3298-1450

Gesso

Maxgesso

(87)3870-2887

Granito

Bahia Pedra

(71)8276-4015

Geradores

Stemac

(51) 2131-3800

Louças Sanitárias

Celite

(81)3452-8400

Pavimentação ruas

Concretiza

(71)3378-9900

Pia de aço inoxidável

Franke

(71)3382-5002

Portas de madeira

Terramata

(71)9905-9886

Portões da guarita

Skala

(71)8193-4010

Rede elétrica

Eletrokit

(71)8117-6935

Rede de água e esgoto

Eletrokit

(71)8117-6935

Telha cerâmica

Cascatel

(71)3672-1022

Tintas e Verniz

Coral

(81)3452-8211

Tomadas e interruptores

Siemens/Centelha

(71)3186-3666

Torneiras e registro

Deca/Duratex

(71)3382-5002

Tubos e conexões

Amanco/C.Ramos

(71)3392-9865

Equipamentos para Academia

DMS Fitness

(71)3345-3999

Móveis Área Comum

Quarttier

(71)3379-7278


47

13.3 Prestadores de Serviços

SERVIÇOS EXECUTADOS

EMPRESA

TELEFONES

Hidráulica

G.O. Santana Elétrica

(71)8104-9604

Elétrica

G.O. Santana Elétrica

(71)8104-9604

Telefone

Miltel Telecomunicações

(71)3379-3188

Portão

Edsat

Antena Coletiva TV

Edsat

Sistema de Combate a Incêndio

Enéberus

Instalação de Gás

Progás

Esquadrias Varanda e Janela

Skalla

Impermeabilização Piscina

Wellca Impermeabilização

Ar condicionado/ Aquecedores

Centraltec

Jardim e Paisagismo

Arte & Vaso

Elevadores

Atlas Schindler

Darfa - Estação de Tratamento de Original Comércio e Água (ETE)

Serviços Ltda.

(71)3289-5591 (71)3289-5591 (71) 3261-0088 (71)3239-8057 (71)8193-4010 (71)3345-1807 (71)3237-8900 (71) 8774-8476 (71)3324-6302 (71)3379-6498


48

Providências de Emergência 14.1 Principio de Incêndio No caso de incêndio, existem mangueiras de lona guardadas nos armários nos halls dos pavimentos. As escadas são isoladas por porta corta-fogo, que devem ficar sempre fechadas para impedir a penetração de fumaça. Com isto, em caso de incêndio, as pessoas podem descer pelas escadas, para evacuação do edifício. Lembramos que é fundamental avisar à portaria, logo que ocorra algum princípio de incêndio no prédio e de extrema importância ligar para o corpo de bombeiros. 14.2 Vazamento em Tubulação Hidráulica No caso de vazamento na tubulação de água, a primeira providência a ser tomada, é o fechamento do registro geral de água (quente ou fria do cômodo onde está ocorrendo o vazamento). Após este procedimento, chamar imediatamente empresa especializada responsável pela manutenção das instalações do edifício (consultar a Administração). 7.1

Vazamento ou Entupimento em Tubulação de Esgoto

No caso de algum vazamento em seu teto, solicitar ao proprietário do apartamento superior, que evite utilizar o cômodo em que está ocorrendo o vazamento, e após este procedimento, chamar imediatamente empresa especializada responsável pela manutenção das instalações do edifício (consultar a Administração). No caso do entupimento de algum ralo, válvula ou vaso sanitário evite utilizar estes locais. Não tente desentupir com cabos de vassouras, pedaços de ferro ou madeira. Chame imediatamente empresa especializada responsável pela manutenção das instalações do edifício (consultar a Administração). 7.2

Parada de Elevadores

Se houver o caso de ficar preso no elevador, não se assuste, pois não há o menor risco. Aperte o botão de alarme que a administração do Condomínio tomará as devidas providências. Mantenha calma!


49

7.3

Vazamento de Gás

Caso verifique vazamento de gás no apartamento, deve-se imediatamente solicitar a administração que o registro geral seja fechado. Após isto, chamar empresa especializada responsável pela manutenção das instalações do edifício (consultar a Administração). Caso o vazamento seja no fogão, deve-se imediatamente fechar o registro de gás, localizado próximo ao aparelho, além de ventilar o ambiente ao máximo. Feito este procedimento, chamar a assistência técnica do aparelho. (consulte a administração). 7.4 Curto-Circuito No caso de algum curto-circuito, fuga de corrente ou choques, o interruptor “DR” (Diferencial Residual, que detecta toda passagem de corrente para a terra e desliga automaticamente o circuito elétrico) ou disjuntor específico do ramal afetado, “DJ”, se desligará automaticamente no qaudro de luz. Para corrigir, é só voltar a chave do disjuntor que desarmou à sua posição original (ligado), mas antes, procure verificar a causa do desligamento, chamando imediatamente uma empresa especializada responsável pela manutenção do edifício. 8 Noções Gerais Sobre Condomínio O que é Condomínio? Para começar, basta saber que Condomínio significa “domínio comum” sobre um objeto, portanto, muitas áreas existentes no empreendimento são co-propriedade de todos os condôminos, onde todos eles exercem, ao mesmo tempo, o direito de propriedade. Decorre daí que todos são donos, mas não desfrutam individualmente dessas áreas, por serem comuns a todos. Segundo Machado (1998), nos edifícios tais áreas incluem “fundações, telhado, paredes externas, acessos, corredores, saguões, pátios, terraço superior, elevadores, estações de força, redes elétricas, hidro-sanitárias e de gás, áreas de lazer (piscinas, playground, quadras esportivas, salas de jogos, salão de festas); churrasqueiras, lavanderia e outros itens disponíveis em cada condomínio”.


50

Viver em condomínio é: Passar a viver em comunidade; Construir novos conceitos de convivência; Respeitar as regras do Condomínio; Saber que temos direitos e deveres comuns; Ter consciência do bem comum; Saber que preservar o bem comum também é preservar e valorizar o seu patrimônio; Participar das decisões conjuntas; Respeitar as decisões da Assembléia. Como Organizar a Administração de um Condomínio?

Quando nos mudamos para uma nova moradia, há muita coisa por fazer. No caso de um condomínio, talvez a mais importante delas seja promover os laços de vizinhança que deixam o lugar com aquele jeitinho de “gente conhecida e amiga”, comum nos bairros mais antigos, uma verdadeira comunidade. Quando dizemos viver em comunidade estamos nos referindo a um grupo de pessoas que residem de modo parecido num mesmo local, bairro, conjunto, bloco, cidade e têm algo em comum, os mesmos problemas e preocupações. São pessoas que , apesar de morando no mesmo local, conservam suas histórias pessoais, seus estilos de vida, recursos naturais, instituições, necessidades e possibilidades. O Que é Assembléia Geral ?

É o órgão máximo do condomínio. As decisões mais importantes no seu condomínio serão tomadas em Assembléia Geral, onde todos os votos têm o mesmo valor. As decisões serão sempre por maioria simples. Num Processo democrático, quem se omite de votar abre mão de um direito, restando-lhe apenas acatar o que foi decidido pela maioria. Existem dois tipos de Assembléia Geral: Ordinária e Extraordinária.

A Assembléia Geral Ordinária é realizada, obrigatoriamente, uma vez por ano para exame e aprovação das contas do condomínio, aprovação do próximo orçamento eleição dos síndicos e subsíndicos. Já a Assembléia Geral Extraordinária poderá ser convocada a qualquer momento e por qualquer morador, conforme artigo 9º da Convenção do Condomínio. É através da Assembléia


51

que se aprova e se altera a Convenção de Condomínio. As convocações para as Assembléias e reuniões deverão ser feitas, preferencialmente, por escrito e individualmente. Assim, ninguém poderá dizer que “ não sabia” ou que “não foi convocado”. Convenção de Condomínio

Para conseguirmos uma convivência harmoniosa é necessário estabelecer algumas regras. Com elas objetiva-se facilitar a organização da comunidade e garantir os mesmo direito e deveres para todos. O artº. 9 da lei nº. 4.591 qualifica como partes para a elaboração da convenção de condomínio “os proprietários, promitentes compradores, cessionários ou promitentes cessionários dos direitos pertinentes À aquisição das unidades autônomas”. Segundo Franco e Gondo (1971) inferem que “no resguardo dos direitos e interesses dos adquirentes dos apartamentos, devem eles necessariamente participar da elaboração do instrumento de convenção que estabelece as regras de utilização do edifício”. De acordo com a lei deve constar numa Convenção: Discriminação das partes comuns e particulares; Destinação das diferentes áreas; Modo de usar as coisas e os serviços comuns; Encargos, forma e proporção das contribuições dos condôminos para as despesas de mcusteio e para as extraordinárias; Modo de escolher o Síndico, sub-síndico e conselho fiscal e suas atribuições além das legais; Definição sobre o pagamento ou não das atividades do síndico; Modo e prazo para convocação das assembléias, quorum para os diversos tipos de votação; Forma e quorum para as alterações da Convenção e para aprovação do regimento interno; Forma de contribuição para a constituição do Fundo de Reserva. Regimento Interno

Além da Convenção do Condomínio, outro documento importante é o regimento interno. Este documento é elaborado pelos moradores e rege as normas de convivência em comunidade. È no regimento interno que serão definidas as regras práticas como o uso das áreas comuns, horários de mudança, fixação de taxa e dia de pagamento do condomínio, multas por atraso, percentual do fundo de reserva, manutenção de animais, etc. Direitos e Deveres A convenção é um documento importante como é importante a participação dos condôminos na sua discussão e aprovação, pois nela estão contidos os seus direitos e deveres. A seguir listamos alguns deles:


52

Direitos Usar, gozar e dispor da respectiva unidade habitacional, resguardando as normas legais, e da convenção; Usar as partes e coisas comuns, desde que não impeça uso idêntico pelos demais condôminos; Comparecer às Assembléias e nelas discutir e votar livremente; Convocar Assembléia Geral Extraordinária e nela recorrer dos atos do Síndico e/ou Sub-Síndico; Examinar, a qualquer tempo, a documentação do condomínio; Execer funções de Síndico, Sub-síndico e membro dos Conselhos Deveres

Acatar as decisões da assembléia; Contribuir com as despesas do Condomínio e Fundo de Reserva; Não afixar cartazes, inscrições, placas, avisos, ou letreiros nas fachadas dos apartamentos / casas; Não embaraçar o uso das áreas comuns mesmo a título provisório; Não exercer ou permitir que se exerçam nas unidades, atividades ruidosas e outras suscetíveis de incomodar os demais condôminos ou seus inquilinos; Modificar as disposições das paredes externas somente com autorização dos órgãos competentes do poder público municipal, desde que não prejudique os demais condôminos; Composição da equipe administrativa do Condomínio Conforme a lei do Condomínio, a equipe administrativa é formada por: Síndico O Síndico é a pessoa que está colaborando mais intensivamente para o bom andamento do condomínio. Ele tem atividades estabelecidas pela convenção que são: Representar o Condomínio e praticar atos de defesa dos interesses comuns, limitados pela lei 4591 de 16/12/64; Impor multas estabelecidas em lei, convenção ou regimento interno; Cumprir e fazer cumprir e fazer cumprir a convenção e o regimento interno e executar as deliberações das assembléias; Prestar contas às assembléias dos condôminos; Delegar as funções administrativas a outrem, se aprovado em assembléia; Manter guardadas durante 5 anos a documentação do condomínio; O Síndico poderá ser destituído, pela forma e sob as condições previstas na convenção, ou, no silêncio desta, pelo voto de dois terços dos condôminos presentes, em assembléia geral, especialmente convocada.


53

Conselho Consultivo O Conselho Consultivo assessora o síndico na solução dos problemas do condomínio, podendo a convenção definir atribuições específicas de co-responsabilidade na administração do condomínio. Os condôminos podem ainda decidir por estabelecer outros representantes ou sub-síndicos, caso julguem conveniente.


54

16 - COBERTURA DUPLEX TORRES A e B dwg.pdf

1

2

3

4

5

AP-J/2

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

J

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

Ø100mm

Ø100mm

COBERTURA AP. 906 Ø100mm

VAZIO

COBERTURA AP. 905 AP-H/5

I

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100 ENCHIMENTO

DESCE

H

CASA DE MÁQUINAS

Ø100mm

TERRAÇO

VES-H/5

VTQ-G/2

TQ-G/2

HALL DESCE

VTG-H/5

ELEVADORES

VTQ-G/1

PROJ. POÇO

HALL VES-F/2

Ø25mm

G

OR

Ø25mm

AF-F/5' AF-T/12'

Ø25mmPP

SANIT.

LAVABO

m

00

DO

Ø25mmPP

VT-F/3

PE

DET.18 000 000

Ø75mm PELO TETO

LAJE IMPERMEABILIZADA

VAZIO PE

VT-E/3

LO

ENCHIMENTO

TE TO m

Ø25mmPP

M

m

00

VI PA

Ø1

DO

TG-F/2

Ø25mmPP

Ø25mm Ø25mm

SHAFT TQ-E/3

SANIT.

OR

RI

FE

IN

VTG-F/2

HAL AP-E/3

D

Ø25mmPP

SANIT.

Ø25mmPP

Ø25mm Ø25mm

LAVABO

DET.18 000 000

HALL

DESCE

HALL TQ-D/2

VGLP-F/5

VTQ-D/2

VTG-C/5

DESCE

C

Ø75mm

VTQ-D/1

PELO TETO DO PAVIM INFERIOR

ES-F/2

E

V

ALVENAR TIJOLO M

SHAFT

ENCHIMENTO

LO

SHAFT

TQ-F/3

AP-F/3

Ø25mmPP

TE

TO

m

PA VI

M

IN

FE

RI

SANIT. Ø25mm

Ø25mm

Ø1

F

AF-F/5 AF-T/1

Ø25mmPP

Ø100mm VES-C/5

REC-C/ GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

COBERTURA AP. 904

AP-C/5

TERRAÇO

Ø100mm

B

TERRAÇO

ENCHIMENTO

VAZIO

COBERTURA AP. 903

Ø100mm

Ø100mm

A GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100 AP-A/2

PLANTA BAIXA COBERTURA DUPLEX - TORRES A e B ESCALA: 1/50

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100


55

16 - COBERTURA DUPLEX TORRES A e B dwg.pdf

6

7

8

9

10

11

AP-J/9

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

Ø100mm

Ø100mm

Ø100mm

COBERTURA AP. 907

COBERTURA AP. 908

AP-H/6

TERRAÇO GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

ENCHIMENTO

Ø100mm

DESCE

TERRAÇO

VES-H/6

TQ-G/9

HALL DESCE

VTG-H/6

VTQ-G/11

HALL VTQ-G/9

SOBE

5 12

Ø25mm

SANIT.

Ø25mm

LAVABO

Ø25mmPP

VES-F/9

Ø25mmPP PE

VGLP-F/5

SANIT.

M VI PA m m 00

Ø1

Ø25mmPP

DO

Ø25mm Ø25mm

SHAFT

TO

TE

Ø25mmPP

ENCHIMENTO

FE

IN

VT-F/8

OR

RI

DET.18 000 000

LO

AP-E/8 TQ-F/8

RIA DE MACIÇO

LAJE IMPERMEABILIZADA

VAZIO

VT-E/8

RI

OR

TO DO PAVIM INFERIOR

FE

ENCHIMENTO

IN

ES-F/9

PCF

LAVABO

Ø25mmPP

SANIT.

Ø25mmPP

m

m

00

DO

Ø25mm

Ø1

TO

Ø25mmPP

PE

SANIT.

TG-F/9

TE

TQ-E/8

Ø25mm

Ø25mmPP

AP-F/8

LO

SHAFT

PA VI

M

LL

VTG-F/9

Ø25mm Ø25mm

TQ-D/9

DET.18 000 000

VTQ-D/11

DESCE

DESCE

HALL

VTG-C/6

HALL VTQ-D/9

DESCE

VES-C/6

Ø100mm

ENCHIMENTO

TERRAÇO

/6 GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100 AP-C/6

TERRAÇO

Ø100mm

COBERTURA AP. 901

COBERTURA AP. 902

Ø100mm

Ø100mm GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100

GRELHA EM PVC REFORÇADO 100x100 AP-A/9


56

LF_PREFEITURA_04-PAV.01 TIPO_- R 06.dwg

VER DETALHE DO RAIO DE CURVATURA VARANDAS 5.35 .11

.14

.61

2.89

3.035

.14

2.745

3.095

.14

2.745

.50

2.97

.14

.14

.14

2.790

.14

.14

2.790

.14

1.690

1.20x1.80/h=.50m

VARANDA

PROJEÇÃO COBERTURA

.14

DETALHE DA VARANDA 01

MURETA h=1.10m

.39

.48

.09

.14

1.20x1.80/h=.50m

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

5.51m2

CAQUEIRA

4.14

2.45 m2

2.70x2.30

.12

2.72

1.435 .15 3.15

2.72 .15

projeção

SUÍTE

.14

.12

.90

.70x2.10

CIRCULAÇÃO 2.80 m2

QUARTO

.70x2.10

12.91 m2

4.02 m2

LIVING

2.55 m2

5.11 m2

.14

PASSA-PRATO 1.20x1.00/h=1.10m 1.20

1.31m2

LIVING 12.91 m2

COZINHA 5.02m2

.99

.14

1.08

ESC

APT. 107

12.58 m

BLOCO 1 E BLOCO 2

16.44 m2

SANIT.

1.42

.23 .30

1.615

1.02 .14

LIVING

EXAUSTÃO MECÂNICA

5.93 m2

LAVABO .70x2.10

.910 1.870

PASSA-PRATO 1.20x1.00/h=1.10m

1.70 m2

1.10

.52

1.03

SANIT.

1.10x1.00/ h=1.10m

1.65 m2

4.65

3.01 2.60

2.60

ESCALA 1/50

C

.80x2.10 EXAUSTÃO MECÂNICA 1.29

BALCÃO

W.C. SERV.

QT. REVERSÍVEL

4.02 m2

.14

.88

SHAFT

5.11 m2

2.55 m2

.30

SANIT.

.79

.80x2.10

COZINHA

A. SERVIÇO

.14

.14

.80x2.10

.69

.14

PEITORIL-h=1.50m

.90x1.20/h=1.10m

5.02m2

.14

.11

.60x2.10

QUARTO

1.31m2

.80x2.10

.14

.14

LIVING

.55x.55/ h=1.70m

1.435

SHAFT

1.25

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

COZINHA

LAVABO

EXAUSTÃO MECÂNICA

VAZIO

1.44

.70x2.10

COZINHA

.14

EIXO

26°

1.10x1.00/ h=1.10m

A. SERVIÇO

PEITORIL-h=1.50m

1.44

QUARTO 01

.60x2.10

.90x1.20/h=1.10m

.60x2.10

.55x.55/ h=1.70m

.70x2.10

1.70 m2

.14

.14

1.80x1.20/h=1.10m

.70x2.10

SANIT.

BALCÃO

.60x2.10

1.65 m2

CIRCULAÇÃO

APT. 102

BLOCO 1 E BLOCO 2

16.44 m2

W.C. SERV.

1.20

5.93 m2

LIVING

.95

SANIT.

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

3.06x2.10

2.51 m2

APT. 101

BLOCO 1 E BLOCO 2

SANIT.

EXAUSTÃO MECÂNICA

.95x2.10

QT. REVERSÍVEL

.95x2.10

2.45 m2

2.60

2.60

CAQUEIRA

5.47 m2

A. SERVIÇO

12.60 m2

.60x2.10

.14

.14

8.280

.60x2.10

2.57 m2

VARANDA

1.20x.80/h=1.50m

.70x2.10

futuro split. .39

3.77 m2

2.61x2.30 projeção

MURETA-h=1.10m

.70x2.10

VARANDA

.12

.12

1.20x1.80/h=.50m

futuro split.

8.20 m2

11.40m2

.70x2.10

.12

.80x2.10

.27

QUARTO 01

.80x2.10

.60

3.825

2.08

1.80x1.20/h=1.10m

2.785

2.71

01

2.57 m2

02

APT. 108

.14

.70x2.10

.60x2.10

.60x2.10

1.435

CIRCULAÇÃO

.70x2.10

.90

BLOCO 1 E BLOCO 2

QUARTO

4.640

8.280

.14

03 04

A. SERVIÇO

12.60 m2

2.51 m2

2.80 m2

.70x2.10

.14

projeção futuro split.

1.20x.80/h=1.50m

2.61x2.30

26°

2.785

4.74 m2

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

.14

.10

.39

.49

MURETA h=1.10m

.09 .17

LAJE IMPERMEABILIZADA

2.35

.13

.61

.49

3.035

12.03

.18

2.700

.15

.18

10.80

1.690

.14

2.790 1.85

.61

5.35

.58

DETALHE DO RAIO DE CURVATURA VARANDAS ESCALA 1/200

.14

2.790

12.38 1.85

R3.81

R3.81

2.17

.58

PROJEÇÃO COBERTURA

CAQUEIRA

1.74

5.27m2

1.20x1.80/h=.50m

1.20x1.80/h=.50m

26°

VAR.

PROJEÇÃO COBERTURA

.145

h=1.10m

1.80x1.20/h=1.10m

2.70x2.30

VARANDA

.45

.14

QUAR. LIVING

VAR.

VAZIO

VAR.

26°

VAR.

MURETA

8.20 m2

1.74

3.825

R3.81

LIVING QUAR.

3.77 m2

QUARTO 01

11.40m2

.90

2.17

VARANDA projeção futuro split.

SUÍTE

.14

.62

.15

R21.59

9.85

CALHA

25.5° 51°

DETALHE DA VARANDA 02

TELHA EM CONCRETO

10.50

9.85

CALHA

i=30%

TELHA EM CONCRETO

10.80

i=30%

CALHA

TELHA EM CONCRETO

i=30%

TELHA EM CONCRETO i=30%

CALHA

.15

.60

EIXO

.60

1.66

1.92

2.45 m2 1.80x1.20/h=1.10m

.14 07

.28

BLOCO 1 E BLOCO 2

12.60 m2

CIRCULAÇÃO

.14

R3.81

PROJEÇÃO COBERTURA

2.45 m2

.50

3.095

.14

2.745

.14

2.790

3.035

.14

2.745

.14

2.790

.14 .14

1.690

.09

.14 1.79

1.79 7.24

1.690

.14

2.790

.14

2.789

.14 .14

2.745

.14

3.095

2.745

.14

3.035

.14

A

VER DETALHE DO RAIO DE CURVATURA VARANDAS

.14 2.97

1.10

38.12

VER DETALHE DA VARANDA - 01

.14 8.280 2.60 .14 3.01 .49

.39

1.20x1.80/h=.50m

.14

.10

.39

MURETA h=1.10m

.09

.14 .61

.14

5.51m2

MURETA h=1.10m

.14 2.97

.14

VARANDA

1.20x1.80/h=.50m

.49

1.44

CAQUEIRA

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

.14

.14

11.40m2

8.20 m2

1.80x1.20/h=1.10m

1.20x1.80/h=.50m

.14

5.35

SUÍTE

QUARTO 01

2.70x2.30

PROJEÇÃO COBERTURA

1.47

1.79

h=1.10m

.14

2.45 m2

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

5.51m2

.45

PROJEÇÃO COBERTURA

1.80x1.20/h=1.10m

CAQUEIRA VARANDA

MURETA

.145

3.52

.145

MUR

2.70x2.30

projeção futuro split.

3.77 m2

.14 .10m ETA h=1

projeção futuro split.

2.61x2.30

VARANDA

1.75

.14 .11

8.20 m2

.70x2.10 1.20x.80/h=1.50m

1.44

VARANDA

.60x2.10

09

.86

VAZIO

projeção futuro split.

QUARTO 01

11.40m2

.70x2.10

8.280

.95x2.10

A. SERVIÇO

1.23

.60x2.10

2.51 m2

08

PEITORIL-h=1.50m

APT. 105

QUARTO

2.80 m2

06

.50x.50/h=1.10m

D

4.02 m2

5.93 m2

3.825

.28

1.12

.85

SANIT.

QT. REVERSÍVEL

EXAUSTÃO MECÂNICA

2.57 m2

.14

.28

SANIT.

.14

3.22

16.44 m2

2.60

LIVING

2.60

12.91 m2

BLOCO 1 E BLOCO 2

.90

1.22

.28

.28

1.65 m2

LIVING

APT. 106

11 10

1.20x.80/h=1.50m

.55x.55/ h=1.70m

.90x1.20/h=1.10m

.60x2.10

W.C. SERV.

1.10x1.00/ h=1.10m

.14

.14 1.70 m2

5.02m2

12

1.23

2.51 m2

BALCÃO

SANIT.

.70x2.10

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

2.785

A. SERVIÇO

2.55 m2

.14

1.31m2

5.11 m2

.80x2.10

LAVABO

.60x2.10

.70x2.10

1.20x1.00/h=1.10m PASSA-PRATO

PCF h=1.50m

1.2Ox.70

COZINHA

.28

.84

.95

4.65

POÇO DE EXAUSTÃO

14

04

12.60 m2

.90 .14

VAZIO .80x2.10 EXAUSTÃO MECÂNICA

.70x2.10

.70x2.10

QUARTO

4.640

1.435

03

1.20

1.42 .14

BLOCO 1 E BLOCO 2

15

.55x.55/ h=1.70m

1.44

A. SERVIÇO

25.58 m2

2.80 m2

SUÍTE

2.89

.70x2.10

COZINHA

2.55 m2

PEITORIL-h=1.50m

.80x2.10

.70x2.10

.60x2.10

1.20x1.00/h=1.10m PASSA-PRATO

2.970 .14 1.20

A. SERVIÇO

5.11 m2

CIRCULAÇÃO

13

01 02

3.77 m2

1.20x1.80/h=.50m

.90x1.20/h=1.10m

COZINHA

.80x2.10

SOBE

APT. 107 BLOCO 1 E BLOCO 2

CIRCULAÇÃO

16

DESCE

ESCADA 12.58 m2

16.44 m2

.60x2.10

.9Ox.2.10

1.25 2.47

1.20

LIVING

LIVING

17

26°

3.825

.14

.60x2.10

BALCÃO

SHAFT

.80x2.10

HALL/POÇO

18

05

2.785

EXAUSTÃO MECÂNICA

.790

1.54 m2

COZINHA

.70x2.10

.90

1.31m2

1.65 m2

1.70 m2

SHAFT

5.02m2

.99

2.61x2.30

.11

.14

1.71 .09 1.00 1.20 .23 .30

1.29

PASSA-PRATO 1.20x1.00/h=1.10m

1.31m2

1.08

.14

SANIT. APT. 108

.14

4.02 m2

W.C. SERV.

1.10x1.00/ h=1.10m

SANIT.

.80x2.10

.90x2.10

.28

.14

.14

2.57 m2

.70x2.10

.90

LAVABO .70x2.10

1.615

1.02

.52

1.70 m2

.910

1.10 1.870

EXAUSTÃO MECÂNICA

5.93 m2

projeção futuro split.

.14

1.280

.70x2.10

LAVABO

.14

SANIT. 1.10x1.00/ h=1.10m

1.65 m2

12.91 m2

QT. REVERSÍVEL

.60x2.10

5.02m2

PCF

.14

1.03

.60x2.10

PEITORIL-h=1.50m

1.44 .14

4.02 m2

.80x2.10 EXAUSTÃO MECÂNICA

.80x2.10

BALCÃO

W.C. SERV. .30

SANIT.

21.32 .14

1.23

.88

SHAFT

5.11 m2

2.55 m2

.60x2.10

C

.79

.69

.80x2.10

COZINHA

A. SERVIÇO

.70x2.10

3.01 .14

.90x1.20/h=1.10m

.14

.14

.11 1.25

.60x2.10

SANIT.

5.93 m2

LIVING

COZINHA

SHAFT

.80x2.10

.60x2.10

QT. REVERSÍVEL

EXAUSTÃO MECÂNICA

16.44 m2

5.02m2

.11

.80x2.10

VAZIO

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

1.31m2

EXAUSTÃO MECÂNICA

SHAFT

5.11 m2

PASSA-PRATO 1.20x1.00/h=1.10m

.80x2.10

PEITORIL-h=1.50m

1.44

BALCÃO

COZINHA

.70x2.10

.60x2.10

.14

.60x2.10

2.55 m2

LAVABO

SANIT.

APT. 103 BLOCO 1 E BLOCO 2

COZINHA

.70x2.10

SANIT.

.70x2.10

2.57 m2

BLOCO 1 E BLOCO 2

HALL ELEV.

9.06 m2

APT. 102 BLOCO 1 E BLOCO 2

1.10x1.00/ h=1.10m

A. SERVIÇO

APT. 104 .95x2.10

12.91 m2

1.70 m2

.90x1.20/h=1.10m

.60x2.10

12.60 m2

12.91 m2

.14

LIVING

.95x2.10

2.60

.09

BLOCO 1 E BLOCO 2

SANIT.

EXAUSTÃO MECÂNICA

5.93 m2

2.80 m2

QUARTO

LIVING

2.60

2.51 m2

.95x2.10

QT. REVERSÍVEL

CIRCULAÇÃO

A. SERVIÇO 2.51 m2

A. SERVIÇO

LIVING

.55x.55/ h=1.70m

11.40m2

projeção futuro split.

.14 .86

12.60 m2

.60x2.10

4.02 m2

.55x.55/ h=1.70m

SUÍTE

2.61x2.30

.66

.70x2.10

QUARTO

2.80 m2

APT. 101

EIXO

1.83

2.80 8.20 m2

1.20x.80/h=1.50m

1.76

.14 .90 8.280

CIRCULAÇÃO

.14

.14

QUARTO 01

projeção futuro split.

3.77 m2

.70x2.10

16.44 m2

.14

5.27m2

2.70x2.30

.70x2.10

.70x2.10

SANIT.

1.20x1.80/h=.50m

VARANDA

1.80x1.20/h=1.10m

VARANDA 1.20x.80/h=1.50m

.18 .13

2.83 .14

1.20x1.80/h=.50m

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

VARANDA 2.61x2.30

projeção

1.65 m2

.14

4.74 m2

3.77 m2

W.C. SERV.

.14

2.97

.14

.15

2.785 3.825

8.20 m2

11.40m2

2.60

3.095

.14

CAQUEIRA

PROJEÇÃO COBERTURA

CAQUEIRA

projeção futuro split.

2.57 m2

2.60

PROJEÇÃO COBERTURA

.14

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

QUARTO 01

SUÍTE

.60x2.10

2.60

2.710

.17

PROJEÇÃO COBERTURA

futuro split.

.14

2.791

.14

.14 MURETA h=1.10m

5.51m2

8.280

1.690

.14

5.35

.48

1.690

.14

1.10

3.825

2.790

.14

3.035

.14

.50

2.745

.14

VARANDA

NÍVEL 1º PAVIMENTO - 20.22 m NÍVEL 2º PAVIMENTO - 23.12 m NÍVEL 3º PAVIMENTO - 26.02 m NÍVEL 4º PAVIMENTO - 28.92 m NÍVEL 5º PAVIMENTO - 31.82 m NÍVEL 6º PAVIMENTO - 34.72 m NÍVEL 7º PAVIMENTO - 37.62 m NÍVEL 8º PAVIMENTO - 40.52 m

2.710

MURETA h=1.10m

2.70x2.30

OBS.: LEGENDA DE NÍVEIS:

.17 2.791

.14

1.20x1.80/h=.50m

.14

7.24

2.785

2.790 .14

.09

1.20x1.80/h=.50m

.39

.48

3.095

.14

2.745

.14

.14

2.97 .14

3.035

.09

2.89 .11 .14

.49

.39

.61

B

38.12

.14 5.35

2.33

VER DETALHE DA VARANDA - 02

2.89 5.35

.11

.14


57

LF_PREFEITURA_04-PAV.01 TIPO_- R 06.dwg

EIXO

B

VER DETALHE DO RAIO DE CURVATURA VARANDAS

38.12

.14

.14

7.24

2.789 .14

1.92

.14

1.690

.14

2.790

.14

3.035

2.745

.14

3.095

1.10

5.35

.14

.14

2.97

2.89

.11

.14

.39

MURETA h=1.10m

1.20x1.80/h=.50m

.48

.09

1.66

2.745

1.20x1.80/h=.50m

PROJEÇÃO COBERTURA

.14

PROJEÇÃO COBERTURA

VARANDA

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

5.51m2

CAQUEIRA 2.45 m2

8.20 m2

.15

SUÍTE 11.40m2

projeção futuro split.

3.825

VARANDA

2.785

QUARTO 01

2.70x2.30

.05

1.80x1.20/h=1.10m

2.61x2.30

1.20x.80/h=1.50m

projeção futuro split.

.14

.14

3.77 m2

HALL ELEV.

.95x2.10

.09

BLOCO 1 E BLOCO 2

1.71

COZINHA

.95x2.10

CIRCULAÇÃO

.90 1.44 3.01 1.44 .14

2.60 .14

.60x2.10

09 .70x2.10

projeção futuro split. .14

1.20x.80/h=1.50m

2.61x2.30

.69

.86

VAZIO .14

MURETA

.145

1.80x1.20/h=1.10m

PROJEÇÃO COBERTURA

2.45 m2

11.40m2

8.20 m2

2.70x2.30

CAQUEIRA

VARANDA

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

5.51m2

.14

1.75

PROJEÇÃO COBERTURA

SUÍTE

QUARTO 01

h=1.10m

.14

3.52

projeção futuro split.

1.20x1.80/h=.50m .14

.14

2.790

.14

2.789

.14

3.095

2.745

.14

3.035

.14 1.10

.49 .14 2.89

2.97

.11

.14

5.35

.14

A

.14

2.745

.09

1.690

7.24

1.20x1.80/h=.50m

.39

MURETA h=1.10m .14 1.79

2.785

1.44

VARANDA 3.77 m2

1.79

.14

.14 .70x2.10

2.80 m2

08

PEITORIL-h=1.50m

.14 .60x2.10

BLOCO 1 E BLOCO 2

12.60 m2

8.280

APT. 105

QUARTO

A. SERVIÇO

1.23

2.51 m2

07

.50x.50/h=1.10m

D

4.02 m2

5.93 m2

2.57 m2

.90

.28

SANIT.

QT. REVERSÍVEL

EXAUSTÃO MECÂNICA

SANIT.

BLOCO 1 E BLOCO 2

.70x2.10

3.22

16.44 m2

2.60

1.22

.28 .28 .28

06

1.20

05

1.65 m2

LIVING APT. 106

11

1.12

.85

.55x.55/ h=1.70m

.90x1.20/h=1.10m

.60x2.10

W.C. SERV.

1.10x1.00/ h=1.10m

10 .28

PEITORIL-h=1.50m

.80x2.10 1.70 m2

12.91 m2

12

.28

BALCÃO

SANIT.

.70x2.10

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

LIVING 13

.28

2.55 m2

.14

1.31m2

.60x2.10

.70x2.10

LAVABO

5.11 m2

5.02m2

SOBE

1.23

A. SERVIÇO

.55x.55/ h=1.70m

VAZIO

1.20x1.00/h=1.10m PASSA-PRATO

PCF h=1.50m

1.2Ox.70

1.25

.9Ox.2.10 2.47

m2

COZINHA

2.55 m2

.80x2.10 EXAUSTÃO MECÂNICA

14

DESCE

CADA

15

A. SERVIÇO

5.11 m2

.80x2.10

POÇO DE EXAUSTÃO

1.54 m2

16

.90x1.20/h=1.10m

COZINHA

.80x2.10

25.58 m2

.14

.790

HALL/POÇO

.60x2.10

BALCÃO

SHAFT

.14

.14

1.70 m2

SHAFT

17

1.65 m2

CIRCULAÇÃO

.90x2.10

.84

4.02 m2

.80x2.10

1.00

1.31m2

EXAUSTÃO MECÂNICA

.14

.11

.14

1.280

LAVABO

.80x2.10

PCF

18

SANIT.

5.93 m2

W.C. SERV.

1.10x1.00/ h=1.10m

SANIT.

.60x2.10

.09

1.20x1.00/h=1.10m PASSA-PRATO

.70x2.10 .70x2.10

2.970

5.02m2

1.20

.14

QT. REVERSÍVEL

EXAUSTÃO MECÂNICA

16.44 m2

21.32 1.23

SANIT.

LIVING

COZINHA

SHAFT

.60x2.10

2.57 m2

APT. 103

9.06 m2

.60x2.10

.70x2.10

.14

.14

APT. 104

BLOCO 1 E BLOCO 2

2.60

.66

.60x2.10

12.60 m2

12.91 m2

2.60

1.76

QUARTO

LIVING

8.280

2.80 m2

2.51 m2

.14

CIRCULAÇÃO

A. SERVIÇO

.70x2.10

.86

.14

.70x2.10

2

AUTOR DO PROJETO : DANILO BAHIA DE ANDRADE. CREA/RJ 891075500/D - VISTO BA: 11050

DETALHE DA VARANDA 02 PROPRIETÁRIO : DANIEL PFISTER

LIVING 16.40 m2

CONSTRUÇÃO:

QUARTO 12.60 m2

2.79x2.30

VARANDA 3.77 m2

0m

.05

A h=1.1 MURET

R.06

REVISÃO GERAL

04/01/2010

DANILO ANDRADE

VERÔNICA

R.05

REVISÃO GERAL

26/12/2007

DANILO ANDRADE

ALLAN

00

EMISSÃO INICIAL

04/12/2006

LUCIA MOLINARI

REV.

VARANDA

PROJETISTA

ADRIANO

DESENHISTA

APROVO

1.74

CAQUEIRA

5.27m2

DATA

MODIFICAÇÃO

4.74 m2

(LOCAL PARA CONDENSADOR)

.14

MURETA h=1.10m .15 .42

DANILO ANDRADE - ARQUITETO

2.70

3.03

.17

1.85

5.89

LAJE IMPERMEABILIZADA

A utilização deste desenho está condicionada ao contrato estabelecido entre a RUA DAS HORTÊNCIAS, Nº740, SALA 306 os Arquitetos e o cliente, não podendo sob hipótese alguma ser Danilo Andrade www.daniloandrade.com EDF. COMERCIAL ITAIGARA - ITAIGARA - SSA - BAHIA 55 71 8101.2244 reutilizado, alterado, ampliado, adequado, ou sofrer outro tipo de intervenção ITAIGARA - SALVADOR – BAHIA CEP.:41.810-010 TEL / FAX: 3451.3020 / 3354.3658 sem a expressa anuência da Projetista. daniloandrade@terra.com.br / escritorio@daniloandrade.com arquiteto

AUTORES DO PROJETO

EQUIPE TÉCNICA

DANILOANDRADE

AUTOR: Danilo Andrade - Crea 89105500-RJ

ANA PAULA RIOS ALESSANDRA ALFANO LILIAN MOTTA

LUCIA MOLINARI ANDRÉA TOMBO

RESPONSÁVEL TÉCNICO:

EQUIPE TÉCNICA

DANILO ANDRADE- Crea 891075500/D-RJ - VISTO BA:11050

CALHA

OBRA

MANDALA VILAS RESIDENCE CLIENTE

BAGUA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA ENDEREÇO

ESPECIALIDADE

RUA SÃO PAULO 256, LOTE 26, LOT. NOSSA SENHORA DE LOURDES ZONA RESIDENCIAL PREFERENCIAL 17, LAURO DE FREITAS - BA DESENHO

ESCALA

1/100

ARQUITETURA

TÍTULO DO DOCUMENTO

TMA ARQUITETURA TRAÇO 3 ARQUITETURA E REFORMA DATA

PLANTA BAIXA PAVTº TIPO 01

TIPO DE OBRA

DEZEMBRO/2007

CONSTRUÇÃO

CODIFICAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

04 - PLANTA BAIXA PAVTº TIPO 01

CLASSE DE PROJETO

PROJETO LEGAL ARQUIVO

LF_PREFEITURA_04-PAV. 01 TIPO.dwg

REVISÃO

05


58

LF-PREFEITURA_07 - DUPLEX_- R 07.dwg

38.12 3.03

2.89

.14

3.15

2.75

.14

2.79

.14

1.69

3.58

.14

.14

1.69

.14

.14

.14

.14

.14

1.20x1.60/h=.50m

.14

MURETA h=1.10m 1.80x1.20/h=1.10m

.53

1.20x1.60/h=.50m

1.10m

1.22m2

.73

.69

.14 1.52 1.71

.14

.15

.95x2.10 2.97

4.74 1.65

.80

SOBE

02

03

04

05

06 .60x2.10

.14

.14

11

A. SERVIÇO

04

1.52

2.40 m2

1.52

2.40 m2

06

08

09

1.20x.80/h=1.50m

.86

.73

.69

.73

07

.50x.50/h=1.10m VAZIO

.14

.14

.14

.14

.14

1.80x1.20/h=1.10m .14 .43

.14

.85

.14

05

.14

1.10m

TA h=

PROJEÇÃO COBERTURA

MURE

1.26

CAQUEIRA .14

2.36

.14

1.80x1.20/h=1.10m

.14

.95x2.10

12

10

1.20x.80/h=1.50m

8.05 m2

PROJEÇÃO COBERTURA

1.80x1.20/h=1.10m MURETA h=1.10m .14

.53

1.20x1.60/h=.50m

2.97

2.97

1.22

13

03

A. SERVIÇO

projeção futuro split.

1.20x1.60/h=.50m

5.02m2

1.23

SOBE

20.95 m2

.85

COZINHA

14

01

LIVING

QUARTO 01

16 15 1.12

02

4.64

15 16

13.02 m2

.84

5.50 4.07

APT. 908

17

1.23

ESCADA

PROJEÇÃO COBERTURA

.14

14

4.64

1.42

13 16 15

12.60 m2

BLOCO 1 E BLOCO 2

.90 .70x2.10

2.79

18

5.03m2

12

APT. 907

QUARTO

12

14

COZINHA

11

11

POÇO DE EXAUSTÃO

2.60 m2

10

BLOCO 1 E BLOCO 2

13

.60x2.10

HALL/POÇO

09

15.35 m2

10

SANIT.

.70x2.10

11.51m2

PCF

LIVING

.14 1.69

06

08

.70x2.10

.14 .79

.90x2.10 05

07

09

EXAUSTÃO MECÂNICA

SUÍTE

04

.14 1.28

DESCE

1.22m2

03

.80

SOBE

LAVABO

.70x2.10

1.70 m2

02

07

2.56 m2

.70x2.10

01

.14 1.23

.95x2.10

.14

.80

1.65 m2

SANIT.

SOBE

1.03

W.C. SERV.

.60x2.10

.14

.14

1.29

.80x2.10

EXAUSTÃO MECÂNICA

.14 1.69

1.2Ox.70

.80x2.10 SHAFT

.60x2.10

.14

.14 2.79

PCF h=1.50m

.99

.9Ox.2.10

.14

.79

.80x2.10

5.11 m2

2.55 m2

.84 1.76

5.02m2

25.58 m2

1.20

1.20

.14 .91

COZINHA

A. SERVIÇO

6.03 m2

3.83

COZINHA

SHAFT

CIRCULAÇÃO

QT. REVERSÍVEL

projeção futuro split.

01

.80x2.10

08

1.28

5.03m2

07

MECÂNICA EXAUSTÃO

.80x2.10

.90x1.20/h=1.10m

.14

09 08

SHAFT

5.11 m2

1.13 PEITORIL-h=1.50m

.14

LAVABO

.94

1.70 m2

.15

SANIT.

1.29

.80x2.10

PEITORIL-h=1.50m

.14 3.15

16.70

COZINHA

2.55 m2

VAZIO

1.61

.14

.70x2.10

01

HALL ELEV.

8.93 m2

COZINHA

.14

SOBE

02

.70x2.10

03

.60x2.10

04

.14

05

.90x1.20/h=1.10m

A. SERVIÇO

.95x2.10

11 .80

.14 1.03

.84

06

1.65 m2

.60x2.10

12

10

.60x2.10

3.91 m2

13

APT. 902

07

W.C. SERV.

2.40 m2

14

BLOCO 1 E BLOCO 2

08

C

.14

.14 1.52 4.64

16 15

09

A. SERVIÇO

1.92

2.40 m2

15.35 m2

10

3.91 m2

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

A. SERVIÇO

LIVING

12 11

MECÂNICA EXAUSTÃO

6.03 m2

BLOCO 1 E BLOCO 2

2.97

1.42

1.76

2.56 m2

QT. REVERSÍVEL

12.60 m2

APT. 901

5.50

.14

.14

SANIT.

QUARTO

15 16

13

4.07

14 .60x2.10

.70x2.10

SANIT.

1.20x.80/h=1.50m

1.20x1.20/h=1.10m

.14 4.64

.90

.70x2.10

1.28 .14 .60x2.10

h=1.70m .55x.55/

VAZIO

1.20x.80/h=1.50m

20.95 m2

.70x2.10

futuro split. 1.61

.73

LIVING

.14 projeção

.55x.55/ h=1.70m

1.80x1.20/h=1.10m

.14

11.40m2

SANIT.

.14

futuro split.

PROJEÇÃO COBERTURA

TA h=

.43

.14

3.83

SUÍTE

projeção

.14

.14

MURE

2.79

QUARTO 01

PROJEÇÃO COBERTURA

1.26

CAQUEIRA 1.80x1.20/h=1.10m

2.36

.14

PROJEÇÃO COBERTURA .85

.14

3.03

.14

2.89

.14

3.15

.14

2.75

.14

2.79

.14

.14

1.69

.14

3.58

.14

1.69

38.12

LIVING QUAR. LIVING

LIVING QUAR. LIVING 26

VAZIO

°

26° PROJEÇÃO COBERTURA

R3.81

R3.81

2.03 .60

2.03

R21.5

9

.60

DETALHE DO RAIO DE ESCALA 1/200

OBS.: LEGENDA DE NÍVEIS:

NÍVEL 1º PAVIMENTO - 20.22 m NÍVEL 2º PAVIMENTO - 23.12 m NÍVEL 3º PAVIMENTO - 26.02 m NÍVEL 4º PAVIMENTO - 28.92 m NÍVEL 5º PAVIMENTO - 31.82 m NÍVEL 6º PAVIMENTO - 34.72 m NÍVEL 7º PAVIMENTO - 37.62 m NÍVEL 8º PAVIMENTO - 40.52 m

28°

28°

56°


59

LF-PREFEITURA_07 - DUPLEX_- R 07.dwg

LEGENDA :

B

AMBIENTES COM FORRO

2.75

3.15

2.89

.14

1.20x1.60/h=.50m

1.20x1.60/h=.50m

.85

1.26

CAQUEIRA

QUARTO 01 8.05 m2

SUÍTE 11.51m2

.14

.14

projeção futuro split.

.14

LIVING 20.90 m2

projeção futuro split.

.70x2.10

LIVING

5.50

11

.14

COZINHA .80x2.10 SOBE

.70x2.10

15.35 m2

03

04

05

06

W.C. SERV. 1.65 m2

07

12

SANIT.

.14

.14 13

APT. 905 16 15

.70x2.10

.60x2.10

14 .90

4.64

4.64

.14

2.56 m2

BLOCO 1 E BLOCO 2

4.07

AUTOR DO PROJETO : DANILO BAHIA DE ANDRADE. CREA/RJ 891075500/D - VISTO BA: 11050

D .14

11

12.60 m2

3.91 m2

6.03 m2

PROPRIETÁRIO : BAGUA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA. DANIEL PFISTER

.60x2.10 .14

1.28

.70x2.10

5.50

QUARTO

QT. REVERSÍVEL

EXAUSTÃO MECÂNICA

1.76

09 10

1.42

APT. 906

15 16

SANIT.

08

BLOCO 1 E BLOCO 2

13

.55x.55/ h=1.70m

.14

.60x2.10 02

01

.84

1.70 m2

LAJE PARA INSTALAÇÃO CONDENSADOR

.90x1.20/h=1.10m

1.03

SANIT.

2.55 m2

.14

1.22m2

A. SERVIÇO

5.11 m2

.80

.70x2.10

LIVING

12

.84

.80x2.10

16.70

VAZIO

1.13

SHAFT

LAVABO

.55x.55/ h=1.70m

PEITORIL-h=1.50m

2.55 m2

3.15

.91

11

1.61

CONSTRUÇÃO: .70x2.10

projeção futuro split.

.14

LIVING

1.10m

QUARTO 01 8.05 m2

1.80x1.20/h=1.10m

SUÍTE 11.51m2

2.79

TA h=

.14

.43

MURE

.14

projeção futuro split.

1.80x1.20/h=1.10m

3.83

.14

20.90m2

.14

1.26

CAQUEIRA

E CURVATURA VARANDAS

.14

2.75

.14

.53

1.80x1.20/h=1.10m MURETA h=1.10m

1.20x1.60/h=.50m

R.07

REVISÃO GERAL

04/01/2010

DANILO ANDRADE

R.06

REVISÃO GERAL

26/12/2007

DANILO ANDRADE

00

EMISSÃO INICIAL

04/12/2006

LUCIA MOLINARI

REV.

.14

3.15

1.20x1.60/h=.50m

2.89

.14

3.03

DATA

MODIFICAÇÃO

PROJETISTA

VERÔNICA ALLAN ADRIANO

DESENHISTA

APROVO

.14

DANILO ANDRADE - ARQUITETO

A utilização deste desenho está condicionada ao contrato estabelecido entre a RUA DAS HORTÊNCIAS, Nº740, SALA 306 os Arquitetos e o cliente, não podendo sob hipótese alguma ser Danilo Andrade www.daniloandrade.com EDF. COMERCIAL ITAIGARA - ITAIGARA - SSA - BAHIA 55 71 8101.2244 reutilizado, alterado, ampliado, adequado, ou sofrer outro tipo de intervenção ITAIGARA - SALVADOR – BAHIA CEP.:41.810-010 TEL / FAX: 3451.3020 / 3354.3658 sem a expressa anuência da Projetista. daniloandrade@terra.com.br / escritorio@daniloandrade.com arquiteto

A

2.79

.14

.85

.14 .15

14

.14 .14

.90x1.20/h=1.10m

A. SERVIÇO

COZINHA

.14

.79

EXAUSTÃO MECÂNICA

08

10

.14 .99

07

09

1.65 m2

PEITORIL-h=1.50m

.14

.80x2.10

01

W.C. SERV.

06

5.11 m2

1.29

02

05

04

.80x2.10

.60x2.10

03

03

.60x2.10

.80x2.10

.80

04

02

SHAFT

SOBE

05

01

.14

2.79

1.70 m2

1.20

01

SANIT.

.80x2.10

SOBE

.80 02

1.22m2

MECÂNICA EXAUSTÃO

1.20

03

LAVABO

1.29

07

.60x2.10

.70x2.10

08

1.03

.70x2.10

09

04

SANIT.

6.03 m2

3.91 m2

.80

SOBE

10

06

QT. REVERSÍVEL

MECÂNICA EXAUSTÃO

07

05

.60x2.10

08

11

06

1.61 .14

2.56 m2

09

BLOCO 1 E BLOCO 2

12

SANIT.

10

APT. 903

1.28

.70x2.10

1.76

12

12.60 m2

13

.60x2.10

13

BLOCO 1 E BLOCO 2

QUARTO

.90

14

1.42

4.64

4.07

4.64

16 15

APT. 904

.70x2.10

15.35 m2

15 16

3.83

.14

.14

.43

2.79

1.80x1.20/h=1.10m

1.10m

TA h=

1.80x1.20/h=1.10m

14

.14

.14

.53

MURETA h=1.10m 1.80x1.20/h=1.10m

MURE

3.03

.14

.14

.14

.14

2.79

AUTORES DO PROJETO

VER DETALHE DO RAIO DE CURVATURA VARANDAS

CADASTRO ISS LAURO DE FREITAS: 134821

BLOCO 1 E BLOCO 2 ESC

1/50

EQUIPE TÉCNICA

DANILOANDRADE

AUTOR: Danilo Andrade - Crea 89105500-RJ

PB. 9º PAV. DUPLEX

ANA PAULA RIOS ALESSANDRA ALFANO LILIAN MOTTA

LUCIA MOLINARI ANDRÉA TOMBO

RESPONSÁVEL TÉCNICO:

EQUIPE TÉCNICA

DANILO ANDRADE- Crea 891075500/D-RJ - VISTO BA:11050

OBRA

MANDALA VILAS RESIDENCE ENDEREÇO CLIENTE

BAGUA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA DESENVOLVIMENTO ENDEREÇO

ESPECIALIDADE

RUA SÃO PAULO 256, LOTE 26, LOT. NOSSA SENHORA DE LOURDES DESENHO

PLANTA BAIXA 9º PAVIMENTO DUPLEX

TMA ARQUITETURA TRAÇO 3 ARQUITETURA E REFORMA ESCALA

1/50

ARQUITETURA

TÍTULO DO DOCUMENTO

DATA

TIPO DE OBRA

DEZEMBRO/2007

CONSTRUÇÃO

CODIFICAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

07-PLANTA BAIXA 9º PAVIMENTO DUPLEX

CLASSE DE PROJETO

PROJETO LEGAL ARQUIVO

LF_PREFEITURA_07-DUPLEX.dwg

REVISÃO

06


60

38.12

1.10

.14

3.09

.14

7.45

.14

.14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

.14

3.58

.14

5.21

.14

.14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

PRO

JEÇ

ÃO VIG

BLOCO 1 E BLOCO 2

A

MURO INCLINADO A PARTIR DE h=1.50

BLOCO 1 E BLOC

COBERTURA AP. 902

COBERTURA A

3.24

2.70

VAZIO

TERRAÇO

3.28

4.37

BLOCO 1 E BLOCO 2

4.37

COBERTURA AP. 901 h=1.50m 1.00x.60/

42.30 m2

h=1.70m .55x.55/

1.54

3.13 .14

3.13

1.80

06 PCF COM FECHADURA

08

1.54

12

DESCE

15

14

15

16

2.00x2.30

13

13

02

14

14

12 11

.14 .14

04

.14

10

1.20

1.67

1.14

1.20

1.67

.14

05

06

07

08

09

42.30 m2

3.24

4.37

TERRAÇO

COBERTURA AP. 908

4.37

3.15

6.05

1.20

2.80

3.28

VAZIO

COBERTURA AP. 907

MURO INCLINADO A PARTIR DE h=1.50

A

JEÇ

PRO MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

COBERTURA A

BLOCO 1 E BLOCO 2

VIG ÃO

BLOCO 1 E BLOC

.14 1.10

3.09

.14

.14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

.14 .14

.14 7.45

.14 3.58

38.12

OBS.: LEGENDA DE NÍVEIS:

NÍVEL 1º PAVIMENTO - 20.22 m NÍVEL 2º PAVIMENTO - 23.12 m NÍVEL 3º PAVIMENTO - 26.02 m NÍVEL 4º PAVIMENTO - 28.92 m NÍVEL 5º PAVIMENTO - 31.82 m NÍVEL 6º PAVIMENTO - 34.72 m NÍVEL 7º PAVIMENTO - 37.62 m NÍVEL 8º PAVIMENTO - 40.52 m

1

1 G. CORPO h=1.10m

03

2.70

6.59

.14

6.11

5.21

09

1

13

16 15

2.00x2.30

16

ESCADA

1.20

2.19

11

17

.14

10

18

07

08

1.23

3.13

09

1.54

.80

1.30

.9Ox.2.10

1.30

07 2.01

POÇO DE EXAUSTÃO

.

DESCE

6.11m2

.90x2.10

06

DESCE

1.20 m2

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

HALL

2.21

05

HALL

2.34

13

04

.14

03

.80

LAVABO

.50x.60/ h=1.70m

.80

12

14

02

5.08 m2

11

BLOCO 1 E BLOCO 2

07

06

.84

1.74 m2

10

.14

06

3.13

01

08

3.01

05

.14

02

.80

03

.70x2.10

SANIT.

.60x2.10

04

05

07

09

55.33 m2

01

.60x2.10

.14

06

TERRAÇO

ESCADA DE MARINHEIRO 04

08

8.65 m2

.86

MECÂNICA EXAUSTÃO

5.00 m2

4.90

C

03

02

1

09

HALL SANIT.

3.06

SHAFT

LAJE IMPERMEABILIZADA

.80

SHAFT

1.61

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

1.44 .12 .14 2.91

.78

.90x2.10

.80

h=1.70m .55x.55/

01

1

1

12.44 m2

09

07

SHAFT

13

CASA DE MÁQUINAS

PROJ. POÇO ELEVADOR

08

EXAUSTÃO MECÂNICA

14

1.30

LAVABO

.80

.14

.14 .14

5.00 m2

1.20 m2

.14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

10 2.01

SANIT.

.60x2.10

11

5.08 m2

1.74 m2

01

02

13 12

HALL

.60x2.10

03

04

1.61

.12 1.44

05

SANIT.

.14

3.01

16.70

VAZIO

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

.14

06

14

.14

h=1.70m .50x.60/

.80

4.90

07

16 15

1.30

08

2.00x2.30

DESCE

2.34

2.19

6.11m2

.80

.70x2.10

3.01 3.06 .14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

2.21

HALL

10

1.67

1.54

DESCE

13

11

2.91

.14

1.67 .14 PROJ. POÇO ELEVADOR

12

09

6.57

2.80 .14

2.00x2.30

16

PROJ. RESERVATÓRIO SUPERIOR 02 CÉLULAS - CAPACIDADE TOTAL DE 77,70m3 RTI = 15.000 LTS

15

55.33 m2

PCF COM FECHADURA

2.70 14

.14

TERRAÇO

6.05

.14

6.59

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

6.57

3.15 .14

ESCADA DE MARINHEIRO

6.11


A

61

1.10

.14

5.21

.53

3.09

.14

.14

7.45

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

ÇÃO

CO 2

JE PRO

MURO INCLINADO A PARTIR DE h=1.50

3.24

AP. 903

A

VIG

COBERTURA AP. 904 BLOCO 1 E BLOCO 2

TERRAÇO

3.28

42.30 m2 6.11

6.59

6.05

2.00x2.30

15

14

02

.50x.60/ h=1.70m

03

04

05

3.01

07 08 2.34

.80

6.11m2

.14

.12

3.01

11

CONSTRUÇÃO:

13 15

14

TERRAÇO

.14

3.15

55.33 m2

6.11

3.28

TERRAÇO

COBERTURA AP. 905

42.30 m2

.14

3.24

BLOCO 1 E BLOCO 2

AP. 906

MURO INCLINADO A PARTIR DE h=1.50

PRO

JEÇ

CO 2

16.70

1.44 .14 1.44 .12

D

6.59 6.05

.14

PROPRIETÁRIO : BAGUA EMPEENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA.

2.91

12

16

2.00x2.30

2.70

.14 3.06

6.57

.14

2.80

AUTOR DO PROJETO : DANILO BAHIA DE ANDRADE. CREA/RJ 891075500/D - VISTO BA: 11050 MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

09 10

HALL

DESCE

2.00x2.30

.14

06

.14

01

1.74 m2

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

15 16

.60x2.10

5.08 m2

DESCE

3

5.00 m2

SANIT.

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

2.19

12

SANIT.

4.90

1.20 m2

HALL

11

4

LAVABO

.60x2.10

.70x2.10

2.01

10

1.61

SHAFT

.80

9

.78

MECÂNICA EXAUSTÃO

8 .80

2.21

.55x.55/ h=1.70m .80

01

7

VAZIO

.14 .86

1.61

02

03

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

3.01

04

SANIT.

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

8.65 m2

05

5.00 m2

SHAFT

01

LAJE IMPERMEABILIZADA

6

06

.55x.55/ h=1.70m

02

05

04

.14

03

04

03

.14

05

02

.60x2.10

EXAUSTÃO MECÂNICA

.80

6

01

SANIT.

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

1.74 m2

1.20 m2

LAVABO

.14

7

2.91 .14

07

2.01

8

3.06

08 h=1.70m .50x.60/

.60x2.10

.80

.70x2.10

9

09

4.90

HALL

5.08 m2

10

.80

.80

11

11 10

2.34

.14

.80

2.19

12

HALL

6.11m2

2.21

3

13 12

PROJ PERGOLADO EM CONCRETO

2.00x2.30

15 16 DESCE

4

TERRAÇO 55.33 m2

DESCE

16

.14

.14

.14

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

.14

.14

2.70

6.57

3.15

2.80

R.08

REVISÃO GERAL

18/11/2010

DANILO ANDRADE

VERÔNICA

R.07

REVISÃO GERAL

04/01/2010

DANILO ANDRADE

VERÔNICA

R.06

REVISÃO GERAL

26/12/2007

DANILO ANDRADE

ALLAN

00

EMISSÃO INICIAL

04/12/2006

LUCIA MOLINARI

REV.

DATA

MODIFICAÇÃO

PROJETISTA

ADRIANO

DESENHISTA

APROVO

ÃO VIG

A

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

.14

.53

MURETA + GRADIL h=1.10 + .30m

.14

.14 3.09

1.10

5.21

DANILO ANDRADE - ARQUITETO

A utilização deste desenho está condicionada ao contrato estabelecido entre a RUA DAS HORTÊNCIAS, Nº740, SALA 306 os Arquitetos e o cliente, não podendo sob hipótese alguma ser Danilo Andrade www.daniloandrade.com EDF. COMERCIAL ITAIGARA - ITAIGARA - SSA - BAHIA 55 71 8101.2244 reutilizado, alterado, ampliado, adequado, ou sofrer outro tipo de intervenção ITAIGARA - SALVADOR – BAHIA CEP.:41.810-010

sem a expressa anuência da Projetista.

arquiteto

AUTORES DO PROJETO

TEL / FAX: 3451.3020 / 3354.3658

daniloandrade@terra.com.br / escritorio@daniloandrade.com

EQUIPE TÉCNICA

DANILOANDRADE

AUTOR: Danilo Andrade - Crea 89105500-RJ CADASTRO ISS LAURO DE FREITAS: 134821

ANA PAULA RIOS ALESSANDRA ALFANO LILIAN MOTTA

LUCIA MOLINARI ANDRÉA TOMBO

RESPONSÁVEL TÉCNICO:

EQUIPE TÉCNICA

DANILO ANDRADE- Crea 891075500/D-RJ - VISTO BA:11050

OBRA

MANDALA VILAS RESIDENCE

B

7.45

PB. PAV. COBERTURA DUPLEX BLOCO 1 E BLOCO 2 ESC

1/50

ENDEREÇO CLIENTE

BAGUA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA DESENVOLVIMENTO ENDEREÇO

ESPECIALIDADE

RUA SÃO PAULO 256, LOTE 26, LOT. NOSSA SENHORA DE LOURDES DESENHO

PLANTA BAIXA 10º PAVIMENTO COBERTURA DUPLEX

TMA ARQUITETURA TRAÇO 3 ARQUITETURA E REFORMA ESCALA

1/50

ARQUITETURA

TÍTULO DO DOCUMENTO

DATA

TIPO DE OBRA

DEZEMBRO/2007

CODIFICAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

CONSTRUÇÃO

CLASSE DE PROJETO

PROJETO LEGAL ARQUIVO

REVISÃO

08-PLANTA BAIXA 10º PAVIMENTO COBERTURA DUPLEXLF_PREFEITURA_08-COBERTURA.dwg 06


62


Manual