__MAIN_TEXT__

Page 1

CINCO

Jornal Escolar

ESTRELAS

CINCO ESTRELAS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SÉRIE III

I EDIÇÃO III

MARÇO 2018

I 0,50 ESTRELAS

CARNAVAL ESCOLAR 2018 DESFILE ANIMOU AS RUAS DE AMARELEJA E SAFARA “I Learn with C.A.K.E. I Grow with C.A.K.E.” é o nome do novo projeto Erasmus+ KA2 que arrancou em Istambul, Turquia, na escola Çekmeköy Saadat Yilmaz Ilkokulu, entre 26 e 28 de fevereiro de 2018, e contou com a presença das professoras Isabel Rosado e Fátima Baltazar, do nosso agrupamento de escolas. Pág. 19

Págs. 8 e 9

Constituição da República Portuguesa Artigo 79.º Cultura física e desporto 1. Todos têm direito à cultura física e ao desporto.

O Desporto Escolar tem contribuído para a formação integral e a realização pessoal dos nossos alunos! Págs. 20 a 24

Sabia que… Uma rubrica onde a opinião do psicólogo deverá ser ouvida pelos pais e encarregados de educação. Pág. 13

O projeto Eco-Escolas é uma iniciativa de cariz internacional, promovida pela Fundação para a Educação Ambiental (Foundation for Environmental Education - FEE ). Consciente da importância deste projeto, a equipa que o dinamiza no nosso agrupamento de escolas tem desenvolvido inúmeras atividades, sempre com o objetivo de sensibilizar os alunos para a importância de preservar o ambiente e motivar para a necessidade de adotar comportamentos sustentáveis no dia a dia. Págs. 27 a 30


CINCO

ESTRELAS

CINCO ESTRELAS N.º 2

I março 2018

Propriedade Agrupamento de Escolas de Amareleja Largo das Flores - 7885 Amareleja  285 980 100

Coordenação Manuela Patrícia Vieira manuelavieira@agvamareleja.drealentejo.pt

Colaboradores Francisco Pereira, equipa de Educação Especial, Fernando Estevens, Rui Gaspar, Jardim de Infância de Amareleja, Escola do 1.º Ciclo de Safara, Júlia Guerreiro, Rita Valério, Susana Balinha, Elisabete Vogado, equipa do Parlamento Estudantil, Carla Reis, alunos da turma 9.º A, Afonso Leandro, Jardim de Infância de Safara, Lúcia Martins, Anabela Ramos, David Fialho, Micaela Rosa, Lara Ramos, Leonor Frias, Miguel Ramos, Santiago Fradinho, Mariana Rosa, Gabriela Gala, Rodrigo Santos, Raquel Patrício, Leonor Bancaleiro, Delfina Veladas, Alice Rocha, Isabel Rosado, Fátima Baltazar, equipa do projeto Eco-Escolas e José Ferreira.

Paginação e revisão Manuela Patrícia Vieira

Periodicidade Trimestral

Impressão Reprografia do Agrupamento de Escolas de Amareleja

SUMÁRIO Editorial

3

II Semana da Inclusão I 2017

4

Dramatização da história “O Natal das Bruxas”

4

Merry Christmas I Tea break na sala de professores

5

Dia de Reis no Pré-Escolar

5

Vamos ajudar a Matilde a andar…

5

Prémio Fundação Ilídio Pinho I Ciência na Escola

6

CAMB I Visita de estudo

6

Exposição I Sistema Solar

7

Parlamento Estudantil

7

Segurança na Internet

8

Visita de estudo a Lisboa

8

Agrupamento de Escolas de Amareleja I Carnaval 2018 8 Programa Integrado de Educação e Formação

10

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família

12

Sabia que…

13

Formação Interna

13

Jovens Escritores

14

Na Biblioteca Escolar...

17

Clube de Teatro

18

Erasmus+

19

Desporto Escolar

20

Clube de Proteção Civil

25

Eco-Escolas

27

Vamos dar o nosso melhor!

31

Passatempos

31

Ler é o melhor remédio!

32

2


CINCO

ESTRELAS

“A Escola tem que ter Futuro! Há que reinventá-la.” Nunca é demais colocar o foco das nossas preocupações na busca da formação integral das nossas crianças e jovens, na Escola como espaço de formação para a cidadania na sociedade atual. Cada vez mais estamos conscientes da importância de uma educação em valores articulada com o estudo da realidade e com os conteúdos curriculares. Paralelamente estamos cientes da importância de se transformar a Escola no espaço privilegiado na formação que valorize o diálogo, a justiça, o respeito mútuo, através das boas práticas quotidianas, as quais possam ajudar na construção de relações sociais mais justas e solidárias. A educação em valores precisa de ser encarada como um processo, isto é, uma ideia torna-se um valor para alguém quando projeta sentimentos positivos sobre essa ideia. Consequentemente, os sentimentos positivos projetados despertam a disposição de repetir os comportamentos desejáveis, não como hábito mecânico, mas como algo que aprendemos e que refletimos e avaliamos segundo as motivações e as convicções que nos são apresentadas pelas razões e pelas emoções. É preciso estimular o pensamento emocional para promover competências emocionais que são essenciais para o sucesso escolar. A investigação sobre esta matéria refere que os alunos mais competentes a nível emocional têm maior sucesso académico. No nosso agrupamento de escolas está em desenvolvimento um trabalho/

Vittra Telefonplan, uma escola situada em Estocolmo, na Suécia.

projeto sobre a importância das emoções para que as nossas crianças e os nossos alunos tenham sucesso académico, mas também porque queremos muito que sejam felizes e encontrem um equilíbrio interno. À pergunta que se segue António Nóvoa responde assim: “A Escola tem futuro? A resposta é sim. Mas é uma outra escola que tem que ser reinventada, com a mesma intensidade, com a mesma audácia, com que os nossos colegas, de há 150 anos, inventaram a escola que temos hoje.” A Escola tem que ter Futuro! Há que reinventá-la.

Francisco Manuel Honrado Pereira

3


CINCO

ESTRELAS

II Semana da Inclusão I 2017

Dramatização da história “O Natal das Bruxas”

Agrupamento de Escolas de Amareleja

Pela equipa de Educação Especial

Por Fernando Estevens e Rui Gaspar

A II Semana da Inclusão do Agrupamento de Escolas de Amareleja decorreu de 11 a 15 de dezembro de 2017 e foi dinamizada pela equipa de Educação Especial do agrupamento. Com o objetivo de assinalar o Dia do Cidadão Portador de Deficiência, que se celebra a 3 de dezembro, os alunos dos 1.º, 2.º e 3.º ciclos puderam realizar atividades alusivas ao tema. Assim, este ano, foi explorada a deficiência motora, com percursos e gincanas, onde em cada grupo de alunos um deles estava impedido de andar por si só. Também foi abordada a deficiência visual com os alunos a desenvolverem atividades quer para a baixa visão quer para o daltonismo. Estas atividades foram dinamizadas em sala de aula no âmbito das disciplinas de Educação Visual e de Educação Física relativamente aos alunos dos 2.º e 3.º ciclos; com os professores titulares de turma e os professores de Educação Especial nas turmas do 1.º ciclo tanto da escola-sede como dos polos e com a equipa da Unidade de Ensino Estruturado que promoveu a participação dos seus alunos, entrosando-os com os demais.

4

No âmbito da disciplina de Português, foi realizada uma dramatização da história “O Natal das Bruxas”, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. Na disciplina supraindicada, os professores responsáveis pela mesma, Fernando Estevens e Rui Gaspar, fizeram uma pesquisa e leitura de várias histórias de Natal, existentes na biblioteca escolar. Depois elegeram a história “O Natal das Bruxas” que integra o livro Natal! Natal!, de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada e decidiram deitar mãos à obra. Os professores fizeram algumas adaptações ao texto e em conjunto com quatro alunas e um aluno, do 6.º B, a professora de Educação Visual, Célia Ramos, e a coordenadora da biblioteca de Amareleja, Delfina Veladas, arranjaram as roupas e os cenários. Foram tempos de muito trabalho, mas também de divertimento. O resultado foi muito positivo! A Inês Santos, a Laura Santos, a Leonor Morais, a Maria Clara Tiago e o Ricardo Casilda desempenharam o seu papel de forma exemplar. Deixamos aqui as felicitações pelo seu excelente trabalho! A dramatização foi um sucesso! Foi apresentada na festa de Natal da nossa escola e contou com a presença de alunos desde o pré-escolar ao terceiro ciclo, encarregados de educação e comunidade educativa em geral. No dia 5 de janeiro, voltou a ser apresentada na biblioteca escolar, no âmbito da comemoração do Dia de Reis, para as turmas do 2.º ciclo.


CINCO

ESTRELAS

Dia de Reis no Pré-Escolar Pelo Jardim de Infância de Amareleja

No dia 5 de janeiro, festejámos o Dia de Reis no jardim de infância, com a realização de diversas atividades: elaborámos e decorámos as nossas coroas de reis. A sala 2 confecionou bolo-rei e a sala 3 umas bolachas para oferecer às famílias e ao pessoal docente e não docente da escola. De tarde, no átrio da escola, vivenciámos a tradição de Cantar os Reis pelos alunos do 4.º ano e as crianças do pré-escolar.

TEA BREAK NA SALA DE PROFESSORES No dia 19 de dezembro, durante o intervalo das 10h30, decorreu um tea break na sala de professores da escola-sede do agrupamento, organizado pelas docentes Isabel Rosado e Francisca Barradas, ambas do Departamento de Línguas. Foi um momento de convívio salutar onde os docentes puderam desfrutar de uma variedade de chás de diferentes aromas e aqueles que preferiram algo mais clássico e tradicional optaram pelo chá à inglesa, servido com leite. O chá foi acompanhado de scones com compotas de vários sabores, com manteiga e natas, bolachinhas e brownies. A decoração das mesas espelhou a arte de bem receber com elegância, aumentando a sensação de carinho com que todos foram recebidos.

Vamos ajudar a Matilde a andar... Pela Escola do 1.º Ciclo de Safara

“Vamos ajudar a Matilde a andar…” foi a causa que os alunos da Escola do 1.º Ciclo de Safara “defenderam de braços abertos e coração cheio”. Para apoiar a causa bastava um simples gesto, a recolha de tampinhas e de caricas. Foram eles, os alunos, que envolveram os pais/ encarregados de educação, familiares e a população em geral, na divulgação da causa. No início de janeiro, a escola de Safara entregou no Quartel dos Bombeiros de Portel, que está a apoiar a causa, a sua contribuição, desejando a recuperação da menina Matilde. Este simples gesto ficou na rotina cívica diária dos alunos desta escola, que continuam a apoiar a Matilde e outras causas. A Escola do 1.º Ciclo de Safara agradece a todos os que colaboraram e colaboram no apoio prestado à menina Matilde. 5


CINCO

ESTRELAS

I Visita de Estudo Por Susana Balinha e Rita Valério

No dia 24 de janeiro, os alunos das turmas A e B do 9.º ano e do PIEF realizaram uma visita de estudo às instalações da Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos (CAMB), que transforma em azeite as produções de azeitona da região onde opera. Durante a visita, os alunos puderam visionar um vídeo documental sobre a história do azeite e da cooperativa, usufruíram de uma visita guiada às instalações da CAMB e conheceram as fantásticas propriedades do azeite da nossa região numa prova de azeites com pedacinhos de pão branco. Esta visita decorreu da articulação dos projetos Eco-Escolas, Ciência na Escola e Erasmus+ com o intuito de divulgar o património natural e agrícola da região; de reconhecer a importância dos recursos naturais e da utilização de produtos endógenos; de sensibilizar a população escolar para a importância da utilização do azeite na alimentação e na saúde como gordura saudável e de reconhecer a importância da CAMB no desenvolvimento da nossa região assim como a importância do empreendedorismo no desenvolvimento da nossa sociedade.

Por Júlia Guerreiro e Rita Valério

A Fundação Ilídio Pinho, o Ministério da Educação e o Ministério da Economia celebraram um protocolo para atribuição de um prémio anual, o Prémio Fundação Ilídio Pinho “Ciência na Escola”, com o objetivo de motivar todos os alunos, desde a educação pré-escolar até ao ensino secundário, para a aprendizagem das ciências. Para a atribuição de prémios, é aberto anualmente um concurso que se desenvolve em duas fases: Concurso de Ideias e Desenvolvimento de Projetos. Terminada a 1.ª fase da 15.ª edição deste prémio, o Agrupamento de Escolas de Amareleja foi selecionado com o seu projeto Aromas da Amareleja para o 4.º escalão (3.º ciclo do ensino básico), tendo recebido 500€. O projeto do nosso agrupamento visa o desenvolvimento de produtos de cosmética natural (sabonetes, sabonetes líquidos e cremes hidratantes), empregando plantas aromáticas e medicinais e produtos produzidos na região (azeite, carvão vegetal e uvas). A cerimónia de entrega dos prémios de desenvolvimento decorreu no dia 18 de janeiro, no auditório da DGEstE - Direção de Serviços da Região Alentejo, em Évora, com a presença do presidente da Fundação Ilídio Pinho, Eng. Ilídio Pinho, do coordenador nacional do prémio, Dr. António Proença e da chefe da Equipa Multidisciplinar de Serviços da Região do Alentejo, Dr.ª Maria João Charrua.

6


CINCO

ESTRELAS

Parlamento Estudantil Exposição I Sistema Solar

Pela equipa do Parlamento Estudantil

Por Elisabete Vogado e Júlia Guerreiro

O Sistema Solar nasceu há cerca de 5000 milhões de anos, a partir de uma gigantesca nuvem de gás e poeira que girava lentamente sobre si própria e, por ação da gravidade, se foi aglomerando. O Sol formou-se quando, no centro dessa nuvem, começaram a ocorrer reações nucleares a partir das quais se iniciou a libertação de energia para o Espaço. Os grãos de poeira que ficaram a girar mais perto da estrela acabada de formar condensaram-se e originaram quatro planetas terrosos - Mercúrio, Vénus, Terra e Marte, semelhantes à Terra. Dos gases mais leves e afastados, resultaram quatro planetas, os gigantes gasosos - Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno. De outros fragmentos da nuvem, resultaram corpos de menores dimensões. O Sistema Solar é constituído pelo Sol e oito planetas que o orbitam, a que se juntam planetas anões, muitos satélites de planetas, incontáveis asteroides, cometas e meteoroides. Pode considerar-se dividido em três zonas: Sistema Solar interno, Sistema Solar externo e cintura de Kuiper. O Sistema Solar interno, onde se encontram os quatro primeiros planetas, que são rochosos, está separado pela cintura de asteroides do Sistema Solar externo, onde se encontram os quatro últimos planetas, que são gasosos. Tendo em conta o interesse do tema, os alunos das turmas A, B e C do 7.º ano foram convidados a construir maquetas do Sistema Solar, que ficaram expostas no átrio principal da escola-sede, no final do mês de janeiro e início de fevereiro, para poderem ser observadas por toda a comunidade escolar. Parabéns aos alunos pelo excelente trabalho!

7

Após a campanha eleitoral, realizaram-se, no dia 16 de janeiro, as eleições no âmbito do Parlamento dos Jovens, programa em que o Agrupamento de Escolas de Amareleja participa. A lista A foi a que obteve maior número de votos, 115, seguida da lista C, com 75. Em terceiro lugar, ficou a lista B, com 22 votos. Os deputados eleitos por cada uma das listas, através do Método D’Hont, participaram na Sessão Escolar, realizada no dia 23 de janeiro. Nesta, os deputados apresentaram e debateram as medidas propostas por cada lista, tendo elegido as três medidas a incluir no Projeto de Recomendação da Escola. Foram ainda eleitos os alunos Rúben Ferreira, Maria Gonçalves e Rita Mestre, do 9.º A, como deputados efetivos, e a aluna Gabriela Gala, do 8.º C, como deputada suplente, para representarem a escola na Sessão Distrital do Círculo de Beja. A aluna Margarida Lúcio, do 9.º A, foi eleita candidata à Mesa da Sessão Distrital. Parabéns aos nossos alunos por se mostrarem cidadãos interessados, informados e interventivos! A todos bem-haja!


CINCO

ESTRELAS

Segurança na Internet

Agrupamento de Escolas de Amareleja

Por Carla Reis e Rita Valério

No dia 6 de fevereiro de 2018, comemorou-se o Dia da Internet Mais Segura. Durante o mês de fevereiro, foram realizadas algumas atividades relacionadas com a segurança na Internet, de entre as quais se destacam as sessões de sensibilização dinamizadas pela Escola Segura, em parceria com a Microsoft Portugal, aos alunos do 1.º ciclo do agrupamento e a dinamização de uma sessão de formação pelas docentes Carla Reis e Maria Rita Valério aos delegados e subdelegados de turma. Posteriormente, os delegados e subdelegados tiveram de dinamizar sessões de sensibilização aos respetivos colegas de turma, contando com o apoio dos respetivos diretores de turma, aos quais se agradece a sua colaboração. Destaca-se ainda a participação do Clube de Teatro na encenação da peça “Os jovens e a Internet”.

Visita de estudo a Lisboa Pelos alunos da turma 9.º A

No dia 22 de fevereiro, realizou-se uma visita de estudo a Lisboa, no âmbito das disciplinas de Português, História e Geografia. Visitámos o Museu do Aljube onde tomámos conhecimento do contexto político antes do 25 de Abril, sendo este um edifício que era utilizado para prender os presos políticos. Após o almoço, assistimos à peça de teatro O Auto da Barca do Inferno, no Auditório Pedro Arrupe. Com esta peça, ficámos com uma melhor ideia da realidade representada na obra de Gil Vicente. Esta visita de estudo serviu para enriquecer os nossos conhecimentos acerca de vários aspetos lecionados durante as aulas. 8

2018 Por Afonso Leandro, 5.º B

No último dia 8 de fevereiro, a nossa escola, como é tradicional, realizou o desfile de Carnaval pelas ruas de Amareleja. Saímos da escola a seguir o almoço, pois o mau tempo e o frio destes dias alteraram o horário e o dia do desfile. As crianças do jardim de infância iam à frente. A seguir, o primeiro ciclo e depois o segundo ciclo e alguns alunos do terceiro. Alguns elementos da banda filarmónica animaram o desfile com músicas carnavalescas. Ao percorrer as ruas, observei que as pessoas que assistiam estavam sorridentes, penso eu, a gostar do que viam. O Carnaval e as crianças foram capazes de alegrar a vila. Os nossos professores também estavam mascarados. Foi uma das coisas que mais apreciei porque estavam engraçados. Também alguns funcionários se mascararam, como, por exemplo, uma estranha ceifeira alta, magra e muito parecida com o nosso auxiliar senhor Tonecas (talvez irmã?). Mentira... Era ele mesmo; como sempre, no Carnaval, vestido de mulher! O desfile foi animado, divertido, colorido e empolgante. O único ponto negativo foi que durou pouco tempo. De tudo o que pude ver, considero que faltou algo: o rei e a rainha do Carnaval. Na minha opinião, os professores mais divertidos foram o professor Rui Gaspar (de Inglês) e a professora Helena Fava (de Educação Musical), portanto o rei e a rainha do Carnaval 2018 da nossa escola.


CINCO

ESTRELAS

CARNAVAL ESCOLAR SAFARA I Os mais novos desfilaram pelas ruas da aldeia e animaram as pessoas da terra Pelo Jardim de Infância e Escola do 1.º Ciclo de Safara

A águia-imperial faz parte do nosso património natural que é preciso ajudar a conservar Neste Carnaval, fomos águias-imperiais e com a ajuda das nossas mães, amigos do 1.º ciclo, professores, educadora e assistentes operacionais cantámos modas alentejanas, à semelhança daquilo que acontecia nos trabalhos do campo.

O Cante Alentejano como Património Imaterial da Humanidade Os alunos do 1.º ciclo, no âmbito do projeto Pequenos Cantores de Modas e Expressões Tradicionais e em conformidade com o tema proposto pela Câmara Municipal de Moura “Património”, desfilaram trajados de ceifeiros e ceifeiras, entoando modas alentejanas.

9


CINCO

ESTRELAS

Programa Integrado de Educação e Formação Por Lúcia Martins e Anabela Ramos

EXPOSIÇÃO

No dia 1 de dezembro, assinalou-se o Dia Mundial de Luta Contra a Sida. Posteriormente, a turma PIEF realizou uma exposição com a finalidade de alertar para a necessidade de prevenção e de precaução contra o vírus da Sida. Os alunos também distribuíram laços no sentido de sensibilizar a comunidade educativa para a problemática.

Natal Amar@Guloso Desafio Tetra Pak I Guloso 2018 As professoras responsáveis pelo programa Eco-Escolas do Agrupamento de Escolas de Amareleja lançaram o desafio aos alunos da turma PIEF no sentido de participarem no passatempo “Natal Guloso” e eles aceitaram-no com gosto. A atividade foi promovida pela marca Guloso e pela Tetra Pak, em parceria com o programa Eco-Escolas da Associação Bandeira Azul da Europa, com o objetivo de alertar para a importância da reciclagem de embalagens e para a certificação FSC®. Assim, os alunos da turma PIEF, com a ajuda das professoras de Formação Vocacional, Anabela Ramos e Sandra Baía, e da Técnica de Intervenção Local, Lúcia Martins, construíram uma árvore de Natal que foi colocada no átrio da escola-sede. 10


CINCO

ESTRELAS

A convite do Delegado Regional de Educação do Alentejo e da Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares - Direção de Serviços da Região Alentejo (DGEstE - DSRAlentejo), o Agrupamento de Escolas de Amareleja participou numa exposição coletiva de árvores de Natal e de presépios, com uma árvore de Natal realizada pelos alunos da turma PIEF, nas disciplinas de Educação Artística e de Formação Vocacional e com a colaboração da Técnica de Intervenção Local. Esta iniciativa teve como objetivo o incentivo à criatividade e originalidade, utilizando predominantemente materiais reciclados. A árvore de Natal esteve exposta, de 11 de dezembro a 8 de janeiro, nas instalações da DGEstE - DSRAlentejo, em Évora.

O Dia dos Namorados é uma data especial, comemorada a 14 de fevereiro, na qual se celebra o amor. Para assinalar este dia, os alunos da turma PIEF, na disciplina de Formação Vocacional, elaboraram diversos trabalhos como vasos com catos, embrulho de gomas, molduras, porta-chaves, cabides, ímanes, mobiles e pregadeiras. No entanto, como neste dia estávamos na pausa letiva do Carnaval, no dia 8 de fevereiro, realizou-se uma exposição no átrio da entrada principal da escola-sede do agrupamento, onde os alunos tiveram oportunidade de mostrar os seus trabalhos a toda a comunidade educativa. Além disso, foi criado também um mural para os alunos deixarem mensagens sobre o namoro, o amor, o(a) namorado(a), a relação... Os alunos referiram, entre outras coisas, que "o amor cria borboletas na barriga" e que "namorar é ser feliz com a pessoa que se ama". Com esta atividade, pretendeu-se sensibilizar os alunos para a importância das relações interpessoais e para os aspetos afetivos, no sentido de refletirem sobre estas questões. 11

Árvore de Natal com rolos de papel higiénico e outros ornamentos

Árvore de Natal realizada pelo PIEF, exposta na DGEstE - DSRAlentejo (Évora)


CINCO

ESTRELAS

Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família Por Anabela Ramos e Lúcia Martins

ÁRVORES DE NATAL

I EXPOSIÇÃO

O GAAF, à semelhança de anos anteriores, mais uma vez, organizou uma exposição natalícia na nossa escola. Desta vez, foram as “Árvores de Natal” (tema proposto) que rejubilaram aos olhos de todos, expostas na escola até ao dia 18 de dezembro e depois dessa data passaram a fazer montra de estabelecimentos comerciais e instituições de Amareleja, Safara, Santo Aleixo da Restauração e Póvoa de S. Miguel, onde permaneceram até ao dia 8 de janeiro. Assim sendo, mais uma vez, todos tiveram a oportunidade de apreciar a criatividade dos nossos artistas.

O GAAF agradece a colaboração de todos os que participaram nesta iniciativa!

Dia da Internet Segura 2018 Um dia de consciencialização Com o objetivo de sensibilizar a comunidade educativa para as boas práticas na Internet, no dia 6 de fevereiro, Dia da Internet Mais Segura, celebrado anualmente para consciencializar a população sobre o uso seguro, ético e responsável do acesso à rede, o GAAF promoveu, com a colaboração dos alunos da turma PIEF, várias iniciativas alertando para os riscos que ameaçam a segurança e o bem-estar dos utilizadores deste mundo cheio de potencialidades.

PREVENÇÃO DA VIOLÊNCIA NO NAMORO No dia 15 de fevereiro, o GAAF, com a colaboração da Secção de Prevenção Criminal e Policiamento Comunitário (do Núcleo de Investigação e de Apoio a Vítimas Específicas) e da Escola Segura, assinalou o Dia dos Namorados numa sessão informativa subordinada ao tema “Prevenção da Violência no Namoro”, destinada aos alunos do 9.º ano e da turma PIEF. A atividade teve como objetivo sensibilizar os alunos para questões relacionadas com os afetos, a violência e a igualdade de género com a fi12

nalidade de fomentar o desenvolvimento pessoal e social dos alunos.


CINCO

ESTRELAS

Sabia que…

Por David Fialho

Desta vez, esta rubrica abordará os jogos, a Internet e os dispositivos móveis (telemóveis e tablets). Sabemos que estas novas tecnologias vêm para ficar e que trazem grandes mais-valias para as nossas crianças e jovens por serem ferramentas muito úteis na realização de aprendizagens, na aquisição de conhecimentos, por facilitarem o acesso à ciência e à cultura e no desenvolvimento de competências. Ainda assim, nos dias de hoje, são muitos os efeitos nocivos do uso e abuso destes meios que trazem consequências maléficas de curto e longo prazo. A verdade é que as crianças e jovens fazem, na maioria das vezes, um uso incorreto destes meios excessivamente estimulantes ora por passarem demasiado tempo a utilizá-los ora por acederem a jogos e a informação que, muitas vezes, não é adequada para as suas faixas etárias. Como efeitos nocivos, destacamos, então, as alterações no sono, a irritabilidade, o stress, a ansiedade e a agitação, as alterações na capacidade de concentração, o caráter viciante destes meios, o isolamento social bem como a diminuição de atividades académicas, sociais, desportivas e lúdicas. De outro ponto de vista, jovens e crianças acedem, por estas vias, a informação marcada por modelos agressivos e por violência o que os leva a ser mais insensíveis à mesma e a relativizar o impacto destas condutas e o sofrimento dos outros, o que, por sua vez, patrocina a presença de comportamentos marcados por agressividade e violência. Sabemos também que muitos destes programas têm um ritmo acelerado, que não faci-

litam o desenvolvimento de estratégias de pensamento e reflexão, fazendo com que crianças e jovens recebam a informação de modo passivo e que não desenvolvam uma correta capacidade de pensamento e de resolução de problemas. Por fim, percebemos que muitos dos nossos jovens, apesar de irem para a cama cedo, acabam por adormecer tarde, jogando ou comunicando através do telemóvel. Reforçamos que muitos acabam por dormir bastante menos do que o necessário. Para contrariar estas consequências negativas, sugerimos que: - Limite o tempo de exposição do(s) seu(s) filho(s) a estes meios; - Só lhe(s) permita o acesso após a realização das tarefas escolares; - Controle e supervisione os jogos e programas, percebendo se estes são aconselháveis para a faixa etária do(s) seu(s) filho(s); - Promova atividades alternativas (desportivas, lúdicas, leitura); - Verifique se o(s) seu(s) filho(s) não utiliza(m) estes meios em horas tardias.

Formação Interna Por David Fialho

Em termos de formação interna do agrupamento, foram realizadas várias ações de formação e sensibilização, em função do público-alvo a que se destinavam. Para os assistentes operacionais:  Primeiros Socorros;  Intervenção Comportamental e Resolução de Conflitos em Contexto Escolar. Para o pessoal docente:  Aplicações Informáticas de Suporte Pedagógico;  Ferramentas Colaborativas do Google Drive em Contexto Educativo;  Questionários no Google Drive. Para os pais e encarregados de educação:  A Adolescência;  Livro Infantil. 13


CINCO

ESTRELAS

Jovens Escritores Igualdade

A importância da escola

de género

Por Micaela Rosa, 8.º B

Neste texto vou argumentar a favor da seguinte tese: andar na escola é a oportunidade de uma vida melhor no futuro. Eu concordo totalmente com esta ideia. Acho que a escola é uma fonte de conhecimento muito grande onde vou evoluindo, sabendo mais coisas novas e tendo mais conhecimentos de matérias que nem sabia que existiam. Todos nós, até mesmo sabendo pouco, evoluímos sempre mais e ficamos mais independentes e com mais responsabilidade. Eu gosto de estudar porque quero ser alguém no futuro, ter um bom emprego e ter o meu próprio dinheiro. Não quero ser mais uma na família a viver por conta dos meus pais. Quero ser um exemplo para o meu irmão mais novo e não depender dos meus pais para nada. Apesar de as aulas, às vezes, serem um pouco aborrecidas, tudo o que lá fazemos no presente tem um resultado no futuro. Eu sempre gostei da escola porque fui incentiva desde muito nova pelas minhas primas e pela minha mãe a estudar. A minha prima estudava muito e agora, que é adulta e trabalha, tem um bom emprego e ganha bem. Eu quero seguir o exemplo dela e ser como ela. A oportunidade de uma vida bem-sucedida surge com a escola e com as ferramentas que ela nos dá.

Por Lara Ramos, 6.º A

A igualdade de género é um dos temas de que mais se fala nos nossos dias, mas será que ela existe mesmo? Ora vejamos, todas as pessoas, seja homem ou mulher, têm os mesmos direitos e deveres, mas o que acontece é que quando a mulher chega do trabalho tem de fazer o jantar, tratar da casa…, mas o homem senta-se no sofá a ver televisão e a descansar. Além disso, homem e mulher devem receber o mesmo ordenado, o que não acontece muitas vezes, pois realizando o mesmo trabalho, o homem, por vezes, ganha mais. Apesar de se falar muito em igualdade de género, continuamos a assistir a situações como as que acabo de falar. Por Leonor Frias, 4.º A Escola Básica de Amareleja

Caminhando por aí, um camaleão eu vi Andava ele a passear com os olhos a rodar Mas ele parou e uma mosca saboreou Ali continuou e outra mosca devorou Lá fiquei a olhar, um bom tempo a esperar Ele me olhou e se pisgou Assim acaba a história O camaleão era comilão e grandalhão. Por Miguel Ramos, 4.º A Escola Básica de Amareleja

14

Camaleão a camuflar A sua cor está a mudar Mariposas está a caçar A língua a esticar Lentamente a andar E os predadores a despistar Até o seu habitat encontrar O seu som é o gecar.


CINCO

ESTRELAS

Pero

Perfeita, mas nas mãos erradas Por Gabriela Gala, 8.º C

Por Santiago Fradinho, 4.º A Escola Básica de Amareleja

Ela era uma rosa Nas mãos de quem Não tinha intenções De cuidar dela

Gosto muito de pero, Ele é muito bom! Eu tenho um pereiro No quintal do meu avô.

Ela era uma brisa suave Nas mãos de quem Não a ia Sentir

Eu gosto de pero E aí é que vai! Eu tenho um pereiro No terreno do meu pai.

Era também um céu estrelado Nas mãos De quem Não o ia Observar

Eu gosto muito de pero E gosto a valer! A minha mãe tem muitos na loja Mas é para os vender.

Mas essa pequena E linda rosa Balançou Sobre o chão E desfez-se Num sussurro Tão profundo Que jamais Alguém o conseguiu Perceber.

Tenho um pereiro, Lá no meu pomar. Quando for grande, o irei regar. E muitos peros irá dar!

O PODER DA VIOLETA Por Mariana Rosa, 8.º C

Era uma menina de alma deprimida Que ansiava a sua ida.

A NATUREZA

Mas um contratempo a fazia pensar: A pequena violeta que crescia Sem uma irmã poderia ficar.

Por Lara Ramos, 6.º A

A violeta era tão querida Tão inocente E tão dependente...

Quando olho para ti, fico a pensar se serás deste planeta ou se a um outro pertences.

Por isso, embora deprimida, Decidiu ponderar Para à violeta cheia de vida Poder ensinar Que não vale a pena sofrer Pelo que agora a faz desfalecer.

Chove e faz vento, faz frio e calor. É a força da natureza Que tem muito valor. 15


CINCO

ESTRELAS

A Fada Oriana

O ENCONTRO DO GATO E DA LUA

RECONTO Por Rodrigo Santos, 5.º A

Num lindo dia de sol, a fada Rainha encontrou a fada Oriana numa floresta e apontou para um vulto. Era uma velhota quase a cair. A fada Oriana voou, voou e quando viu que faltava um passo para a velhota cair, gritou para ela parar, mas como a velhota era surda, não a ouvia. Oriana parou-a e levou a pobre velhota até casa. Mas a sua viagem não acabava ali, viajou depois até à casa de um homem rico onde havia muitos móveis e uma carta no chão, que dizia: — Dá-me metade dos teus móveis. Oriana esqueceu a carta. Foi para fora da casa e ouviu uma voz que vinha do lago dessa casa. Era um peixe que precisava de ajuda. Foi nessa altura que Oriana olhou o seu reflexo no lago e percebeu a sua beleza, esquecendo tudo à sua volta. Na floresta que antes Oriana tratara, agora tudo estava diferente, por isso, a fada Rainha tirou-lhe as asas e a varinha de condão porque Oriana esqueceu tudo à sua volta e só pensou em si e na sua vaidade. Oriana foi até à floresta pedir ajuda aos animais para estes convencerem a fada Rainha a dar novamente os poderes à fada Oriana. Mais tarde, foi de novo à floresta falar com os animais porque uma fada má queria dar-lhe umas asas e uma varinha de condão só para fazer o mal e Oriana não aceitou. Passado algum tempo, Oriana foi até à aldeia e voltou a encontrar a mesma velhota quase a cair. Oriana, sem asas, correu e saltou para a ajudar. A fada Rainha apareceu e devolveu as asas e a varinha de condão a Oriana e assim ela salvou a velhota. Oriana ficou muito contente porque salvou a senhora e recuperou finalmente as suas asas e a varinha de condão.

Por Raquel Patrício, 5.º C

Numa noite em que a Lua brilhava mais do que nunca, o Gato foi para o telhado mais alto que encontrou e disse-lhe: — Minha querida, estou confuso, não sei porque é que me segues... Então, calmamente, a Lua respondeu: — Mas eu não te sigo. O Gato, que agora estava frente a frente com a Lua, achava-a cada vez mais linda com os seus belos olhos azuis e a sua boca pequena e vermelha. Até que lhe perguntou: — Então porque é que a tua luz anda todas as noites a seguir-me? — É fácil – explicou a Lua – a minha luz tem de chegar a todo o lado, até a ti. O Gato disse: — Agora que sei que afinal não me segues, queres ser minha amiga? — Claro – respondeu a Lua. E passaram a noite a falar até que o Sol chegou e despediram-se muito felizes. E o nosso amigo Gato estava tão feliz por ter uma amiga que contou isso a todos os gatos da cidade. (Atividade realizada a partir do filme de animação Estória do Gato e da Lua, de Pedro Serrazina, recomendado pelo Plano Nacional de Cinema.)

SONHAR Por Leonor Bancaleiro, 6.º A

Todos podemos sonhar, pois os sonhos não se pagam. Se tivermos imaginação, Podemos fazer tudo o que quisermos. Sonhar dá-nos força para atingirmos os nossos objetivos Ir aos lugares mais longínquos sem sair do mesmo lugar. 16


CINCO

ESTRELAS

Na Biblioteca Escolar... Por Delfina Veladas

APRESENTAÇÃO DE UM LIVRO Foi um bom momento vivenciado por todos os amantes da escrita o lançamento do livro A Certeza da Luz, de António Agostinho Campaniço, promovido pela Escola Secundária de Moura e pela Escola Básica Integrada de Amareleja, no dia 11 de dezembro, na nossa biblioteca escolar. Essa ação foi o desfecho de um trabalho colaborativo realizado entre as duas escolas e estruturado pelas suas bibliotecas escolares. O autor do livro, natural de Amareleja, esteve presente e sensibilizou-se com os resultados do trabalho realizado pelos professores e alunos das duas escolas, os quais foram expostos em vários locais centrais da EBI de Amareleja. Os objetivos delineados foram alcançados: promover o contacto dos alunos com a poesia de um autor local e explorar a sensibilidade dos alunos para a interpretação emocional dessa poesia, estimulando parcerias entre as duas bibliotecas. Outras ações decorrentes desta atividade terão lugar, nas duas escolas, na Semana da Leitura que se realizará durante o 2.º período.

Feira do Livro I dezembro 2018 Decorreu, de 4 a 15 de dezembro, a Feira do Livro da EBI de Amareleja. Teve como objetivos promover o contacto dos alunos com uma grande variedade de livros, a renovação do fundo documental da biblioteca e a aquisição de livros pela comunidade educativa. Todos os alunos do pré-escolar, 1.º e 2.º ciclos visitaram a feira.

A visita do Geronimo Stilton Recebemos, no dia 8 de janeiro, na nossa escola, a visita do Geronimo Stilton. Esta atividade foi promovida pela Editorial Presença e consistiu na ida às escolas desta personagem muito querida dos leitores. Além do contacto com o Geronimo, os alunos do 1.º ciclo ficaram a conhecer os novos livros editados. Os alunos interessados procederam à aquisição de livros. Seguiu-se uma sessão de autógrafos e foi oferecida a cada aluno uma bolsa para lápis com o nome da personagem. Os alunos mostraram muito interesse por esta atividade. 17


CINCO

ESTRELAS

Por Alice Rocha

O Clube de Teatro continua vivo! Após um início de ano letivo hesitante, os novos alunos inscritos no clube (Beatriz Ferreira, Beatriz Santana, Filipa Honrado, Laura Figueira, Leonardo Ferreira e Rita Martins), todos da turma B do quinto ano, têm dado vida nova ao clube. No final do primeiro período, estes alunos apresentaram a peça "Quem é o Pai Natal?" às crianças da Creche Bem Me Quer e aos utentes do Centro Social de Amareleja. A peça correu bem e o público gostou, sobretudo o público sénior. Já no segundo período, apresentaram uma pequenina peça, intitulada "Os Reis Magos", às crianças do pré-escolar e aos alunos do 1.º ciclo. Depois, seguiu-se a peça "O que é o Depositrão?", apresentada às crianças do pré-escolar e aos alunos do 1.º ciclo e do quinto ano. Esta peça abordou a questão da colocação dos eletrodomésticos inutilizados no respetivo eco-ponto: o depositrão! Com esta atitude, ajudamos a preservar o ambiente. Em fevereiro, foi a vez de apresentar uma pequena peça sobre a importância da segurança na Internet! A peça, apresentada aos alunos do 1.º ciclo e à turma PIEF, intitulava-se "Os jovens e a Internet" e foi escrita por um ex-aluno do agrupamento, Gonçalo Caro, na altura em que frequentava o Clube de Teatro. Neste momento, os alunos encontram-se a preparar uma peça sobre a importância do uso racional da água que será apresentada no Dia Mundial da Água, que se comemora no dia 22 de março. O Clube de Teatro espera contar ainda com a participação dos alunos mais antigos no clube que estão agora nos oitavo e nono anos... Como sempre, o clube está sempre aberto a novas inscrições. Por isso, se gostas de representar, não hesites: inscreve-te! Os ensaios decorrem no refeitório, diariamente, entre as 10h30 e as 10h50. 18


CINCO

ESTRELAS

Por Isabel Rosado

“I Learn with C.A.K.E. I Grow with C.A.K.E.” é o nome do novo projeto Erasmus+ KA2 que arrancou em Istambul, Turquia, na escola Çekmeköy Saadat Yilmaz Ilkokulu, entre 26 e 28 de fevereiro de 2018, e contou com a presença das professoras Isabel Rosado e Fátima Baltazar. C.A.K.E. (Cultura, Arte, Conhecimento e Educação) surge como uma metodologia inovadora cujo objetivo se centra na promoção do conhecimento cultural, na criatividade e na compreensão intercultural através da educação, onde a arte e a cultura são elementos-chave ao serviço da educação que, como todos sabemos, deve ter em conta os novos desafios sociais, uma vez que está a tornar-se muito clara a forma como a sociedade está a mudar em termos globais e a tornar-se cada vez mais internacionalmente competitiva. As qualificações e competências dos nossos alunos estão, por isso, a tornar-se cada vez mais numa das nossa principais preocupações e prioridades. Elas são a chave para o futuro de qualquer país e se quisermos que eles estejam à altura, teremos de lhes construir os alicerces educativos necessários que lhes permitam lidar com todos esses fatores de mudança de forma construtiva e crítica. Neste sentido, a arte e a cultura são elementos indispensáveis que facilitam o conhecimento e traduzem-se na educação da seguinte forma: experienciar a arte através, por exemplo, das danças, do teatro, do cinema e das artes plásticas facilita o processo de aprendizagem, ajudando a reconhecer e a relacionar as diferenças no mundo e contribuindo para a criatividade; o conhecimento cultural fornece as bases para o encontro e discussão, para a cooperação e coexistência, para o desenvolvimento das suas personalidades.

Com este projeto, pretende-se, através das artes, nomeadamente da dança e do conhecimento do património cultural, numa primeira abordagem, que as aprendizagens dos nossos alunos façam parte de um processo criativo, onde a motivação seja um fator facilitador do conhecimento interdisciplinar. Juntamente com os nossos parceiros em Istambul, Turquia, e em Battipaglia, Itália, contamos, além da partilha de boas práticas, proporcionar aos nossos alunos e colegas grandes momentos de interação linguística, artística e cultural a um nível de excelência ao qual nos temos vindo a habituar e como é apanágio do nosso agrupamento de escolas.

19


CINCO

ESTRELAS

DESPORTO ESCOLAR Por Fátima Baltazar

I Jogo de Futsal I Série A I Fase 1 Decorreu, no passado dia 6 de dezembro, o primeiro jogo de futsal - série A - fase 1, na Vidigueira. No encontro, participaram apenas 7 alunos devido à limitação do transporte (carrinha de 9 lugares). A viagem de ida e volta decorreu dentro da normalidade, os alunos tiveram um bom comportamento assim como um bom desempenho durante todo o jogo.

Torneio Bola ao Capitão No dia 13 de dezembro, realizou-se o torneio Bola ao Capitão, destinado aos alunos de 5.º ano, no pavilhão desportivo da nossa escola. Todas as turmas de 5.º ano estiveram presentes, tendo participado um total de 6 equipas. O torneio decorreu de forma bastante satisfatória e muito participativa.

Professores/Assistentes Operacionais vs Alunos No dia 13 de dezembro, realizou-se, no pavilhão desportivo da nossa escola, um jogo amigável de futebol entre professores/assistentes operacionais e alunos. Os professores/assistentes operacionais entraram no jogo praticamente a ganhar, no entanto, os alunos recuperaram e acabaram por igualar o resultado final (7 - 7). Esta atividade promoveu o convívio salutar entre todos os participantes, reforçando os laços intergeracionais. 20


CINCO

ESTRELAS

Realizou-se, no dia 14 de dezembro, o torneio de basquetebol 3x3. A atividade decorreu no pavilhão desportivo da nossa escola e contou com a participação de 20 equipas, num total de 80 alunos de todas as turmas dos 2.º e 3.º ciclos, mais 6 alunos árbitros/mesa. No total, foram realizados 30 jogos, nos vários escalões etários/género. Parabéns a todos pela sua participação, empenho e boa disposição, pois contribuíram para o sucesso deste torneio. A colaboração dos alunos árbitros/mesa foi fundamental para o bom funcionamento da atividade.

CLUBE DE FANS DO BASQUETEBOL O Clube de Fans do Basquetebol (CFB) foi criado, oficialmente, no dia 7 de julho de 1994 e é, sobretudo, uma escola de basquetebol itinerante, ministrando aulas de formação, com o objetivo de promover e divulgar a modalidade em diferentes escolas de norte a sul do país. Durante a manhã do dia 15 de dezembro, todas as turmas de 2.º e 3.º ciclos da nossa escola estiveram presentes na ação de formação sobre basquetebol. Estiveram envolvidos cerca de 250 alunos da EBI de Amareleja, uns a participar e outros a assistir. Os alunos tiveram oportunidade de interagir com jogadores profissionais de basquetebol e o entusiasmo e o dinamismo estiveram sempre presentes. O balanço desta ação foi considerado bastante satisfatório, contribuiu em muito para o aumento da motivação dos alunos para da prática desta modalidade, o feedback dos alunos foi muito positivo e entusiástico. Esta atividade foi realizada no seguimento do torneio de basquetebol 3x3, que contou com a participação de 20 equipas das nossa escola. As mensagens pedagógicas contra a droga, o álcool e o tabaco são sempre veiculadas no início de cada ação, conciliando-se a prática desportiva

com valores altamente relevantes, do ponto de vista pedagógico e social para as crianças e os jovens abrangidos pelas suas atividades. Os monitores responsáveis por estas ações de formação são jogadores profissionais da Liga Portuguesa de Basquetebol e da Pró-Liga, nomeadamente, na nossa escola, estiveram presentes os atletas Mário Jorge e Miguel Salvador. O CFB ainda conta com o patrocínio e o apoio especial da Fundação AMI, um protocolo que dá pelo nome Dribla a Indiferença, que visa evitar a exclusão social das crianças e jovens contemplados com as atividades. Um especial agradecimento à Junta de Freguesia de Amareleja, pelas lembranças oferecidas à equipa presente nesta ação.

21


CINCO

ESTRELAS

I ENCONTRO DE ATLETISMO

II Encontro de Badmínton I Série A No dia 17 de janeiro, decorreu o segundo encontro de badmínton - série A, em Moura, onde participaram alunos provenientes de várias escolas, a saber: Escola Secundária de Moura, EB 2,3 de Moura, EB 2,3 de Pias, EB 2,3 Abade Correia da Serra (Serpa) e EB 2,3 de Amareleja. Da EB 2,3 de Amareleja participaram 23 alunos nos diversos jogos dos vários escalões/género: Infantil A, Infantil B, Iniciados, Juvenis e Pares (masculinos, femininos e mistos) e obtiveram excelentes resultados, por isso, estão de parabéns.

No dia 24 de janeiro, 55 alunos de várias escolas participaram no primeiro encontro de atletismo, que decorreu em Castro Verde. O atletismo é das modalidades desportivas mais antigas em termos de organização competitiva. Costuma dizer-se que os Jogos Olímpicos podem acontecer apenas com o atletismo, mas nunca sem ele. Da EB 2,3 de Amareleja participaram 7 alunos e, em destaque, estiveram os seguintes: Rita Mestre e Rúben Modesto que conseguiram um 1.º lugar no seu escalão. Os alunos participaram nas provas com entusiasmo. A participação nesta iniciativa foi importante como forma de aprendizagem para os encontros seguintes. Parabéns a todos!

III Encontro de Futsal I Séria A I Fase 1 No dia 24 de janeiro, realizou-se, em Cuba, o terceiro encontro de futsal, tendo a nossa escola defrontado a de Cuba. Da EB 2,3 foram convocados 12 alunos e um árbitro para medir forças com a equipa adversária. Todos os alunos participaram no jogo, com tempos de prática muito semelhantes, demonstrando uma boa atitude e um comportamento adequado durante toda a competição. De salientar que não houve qualquer tipo de incidente, durante o jogo, nem alunos lesionados. A propósito desta modalidade, sabias que o futebol de salão começou a ser praticado em 1930 na cidade de São Paulo, no Brasil, e em Montevideu, no Uruguai? Devido à dificuldade em encontrar campos de futebol, improvisaram jogos nos campos de basquetebol e hóquei, aproveitando as traves usadas na prática deste último desporto.

Alunos da nossa escola que se destacaram!

22


CINCO

ESTRELAS

IV Encontro de Futsal I Séria A I Fase 1

Corta-Mato Distrital No dia 29 de janeiro, 34 alunos apurados no corta-mato escolar, realizado na nossa escola em novembro passado, participaram, de forma bastante satisfatória, na prova de corta-mato distrital, realizada em Alvito, que contou com a presença de cerca de 41 escolas de todo o Baixo Alentejo e Alentejo Litoral, num total aproximado de 1100 alunos. A organização está de parabéns pelo trabalho desenvolvido assim como todos os alunos pela sua participação, empenho e bom desportivismo que demonstraram.

No dia 31 de janeiro, realizou-se o quarto encontro de futsal, no pavilhão desportivo da EB 2,3 de Amareleja, tendo a equipa da nossa escola defrontado a da escola da Vidigueira. O jogo teve início às 14h30 e terminou uma hora depois. Da nossa escola, foram convocados 12 alunos para jogar e 2 para arbitrar, a saber: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 Arb Arb

Tomás Pires Tomás Ferreira Ricardo Cassilda Rodrigo Santos Duarte Ferreira Carlos Dinis Perfeito João Pedro Baltazar Salvador Perfeito

5.º A 5.º A 6.º B 5.º A 5.º B 5.º A 7.º A 7.º B

Henrique Nunes Rafael Gala Rodrigo Vitorino Alcides Vitorino Pedro Tiago Rúben Modesto

7.º A 5.º A 5.º B 6.º A 9.º B 9.º A

Todos os alunos e árbitros convocados compareceram, demonstrando uma atitude e comportamento adequados durante o jogo. Parabéns pela sua participação e pelo desempenho!

23


CINCO

ESTRELAS

II ENCONTRO DE ATLETISMO

III Encontro de Badmínton I Série A Realizou-se, no dia 21 de fevereiro, na Escola Básica de Pias, o terceiro encontro de badmínton – série A. Participaram 119 alunos das várias escolas envolvidas nesta série:  EB 2,3 de Pias;  Escola Secundária de Moura;

Este encontro decorreu, no dia 7 de fevereiro, no Complexo Desportivo de Beja, tendo os alunos participado, com entusiasmo, nas provas de saltos e lançamentos. Estas provas são sempre encaradas como momentos importantes de aprendizagem para os encontros seguintes; além disso, motivam os alunos para a prática de hábitos de vida saudáveis. Em destaque estiveram os alunos seguintes: Miguel Fachadas, com um 1.º lugar no salto em comprimento e salto em altura; Clara Moreira, com um 1.º lugar no salto em altura e 2.º lugar no salto em comprimento; Filipe Branco com um 1.º lugar no salto em comprimento e salto em altura; Maria Mendes, com um 2.º lugar no lançamento do peso; Pedro Tiago, com um 2.º lugar no salto em comprimento e salto em altura e, por último, Belén Tereno com um 1.º lugar no salto em altura.

EB 2,3 de Moura;

EB 2,3 Abade Correia da Serra (Serpa);

 EB de Amareleja. Da nossa escola estiveram presentes 26 alunos: 9 do grupo-equipa 1 - Infantil A Mistos e 17 do grupo-equipa 2 - Vários Mistos. O encontro decorreu de forma bastante satisfatória. Foram realizados vários jogos, nos vários escalões etários/género: Infantil A, Infantil B, Iniciados, Juvenis, Masculinos e Femininos. Obtivemos excelentes resultados, nomeadamente 1.º e 2.º lugares. Estão todos de parabéns! Alunos da nossa escola que se destacaram!

Nos dias 15 e 19 de fevereiro, disputou-se, na nossa escola, a fase escola das provas Mega Sprinter: (MegaSprinter + MegaSalto) e (MegaKm e MegaLançamento), respetivamente com a participação total de 65 alunos. A competição serviu para apurar os representantes da escola para a fase distrital que decorrerá em Odemira. Todos estiveram de parabéns pela correção, empenho e pelos resultados obtidos nas provas. 24

Henrique Prazeres

7.º A

5.º Lugar

Rúben Modesto

9.º A

2.º Lugar

Mª Clara Gonçalves

9.º A

2.º Lugar

Cátia Azevedo

9.º B

1.º Lugar

Pedro Tiago

9.º B

3.º Lugar


CINCO

ESTRELAS

Clube de Proteção Civil Por Elisabete Vogado

Escola de Infantes e Cadetes dos Bombeiros Voluntários de Moura SENSIBILIZA, MOTIVA E FORMA AS GERAÇÕES MAIS NOVAS O meu voluntariado na Escola de Infantes e Cadetes dos Bombeiros Voluntários de Moura tem sido incrível. Eu ainda nem acredito que lá estou envolvida em atividades que me ensinam a agir em situações de emergência. Sempre tive admiração pelos bombeiros, porque salvam vidas, apagam fogos, entre outras iniciativas de proteção e socorro. Já tenho a farda e tenho muito orgulho em poder usá-la. Das várias atividades que houve, a que me marcou mais foi a comemoração dos 70 anos dos Bombeiros Voluntários de Moura. Até tivemos a participação do Presidente da Câmara Municipal de Moura; além disso, recebemos todos um certificado referente ao batismo de mergulho e outros bombeiros foram promovidos a bombeiros de 1.ª, 2.ª e 3.ª categorias.

Que informação devo dar à pessoa que atende o telefone de emergência? Deve informar, de forma simples e clara:  O tipo de situação (doença, acidente, parto, etc.);  A gravidade aparente da situação;  O número, o sexo e a idade aparente das pessoas a necessitar de socorro;  As queixas principais e as alterações que observa;  O número de telefone do qual está a ligar;  A localização exata e, sempre que possível, pontos de referência;  A existência de qualquer situação que exija outros meios para o local, por exemplo, libertação de gases, perigo de incêndio, etc.

Nádia Caeiro, 8.º B

Para mim, fazer parte de uma instituição de heróis como a Escola de Infantes e Cadetes dos Bombeiros Voluntários de Moura é um privilégio. Lá já aprendemos a fazer primeiros socorros, fizemos a descida de ângulo, também fizemos o batismo de mergulho e andámos de barco na barragem de Alqueva. Também aprendemos a fazer a formatura e já temos a nossa farda. Fui para a Escola de Infantes e Cadetes porque é fantástico fazer voluntariado, pela garra, coragem e dedicação que se tem de ter.

Desligue apenas quando o operador indicar. É importante lembrar que o 112 é o Número Europeu de Emergência, sendo comum, para além da saúde, a outras situações, tais como incêndios, assaltos, etc.

Lara Correia, 8.º B 25


CINCO

ESTRELAS

QUAL É O RISCO SÍSMICO DO TERRITÓRIO PORTUGUÊS?

No dia 15 de fevereiro, pelas 15h25, realizou-se mais um simulacro de sismo na escola-sede do agrupamento. Após ter sido dado o alarme, uma equipa de alunos, colaboradores do Clube de Proteção Civil, iniciou a verificação de todos os blocos/pisos e espaços exteriores dos edifícios da escola, registando se, nas salas, todos se protegiam debaixo das mesas e, posteriormente, se as mesmas estavam evacuadas e apresentavam a respetiva sinalética na porta. Durante a evacuação das salas de aula, constatou-se que os alunos saíram mais ordeiramente para o ponto de encontro onde permaneceram de forma mais organizada. Todas as turmas estavam nos respetivos locais e os docentes com o livro de ponto, indispensável para um melhor controlo da presença dos alunos. Apesar de tudo, como aspetos a melhorar, a responsável pelo clube sugere que todos os docentes leiam as informações referentes aos diversos tipos de simulacros, enviadas por email pela Direção, por forma a uniformizar procedimentos. Solicita ainda que, no ponto de encontro, local definido especificamente para agrupar a população escolar em caso de evacuação, todos os elementos da comunidade educativa permaneçam no campo desportivo, aguardando o regresso à normalidade. Na parte superior do campo, apenas deverão ficar os colaboradores do clube, identificados com os coletes refletores. Para o próximo período há mais porque todos somos Proteção Civil!

26

Portugal continental está numa zona de risco sísmico moderado. A localização perto da fronteira entre as placas euroasiática e africana e a existência de um conjunto de falhas ativas junto à costa e mesmo no território fazem com que o país tenha "uma atividade sísmica moderada, pautada por eventos de grande intensidade, mas muito separados no tempo", explica o geofísico José Borges, do Centro Geofísico de Évora. "No contexto mundial, há zonas muito piores, nomeadamente no Pacífico. No contexto europeu, Itália e Grécia estão numa situação mais complicada, mas logo a seguir aparecem Portugal e Espanha", acrescenta. Ou seja, a zona do Mediterrâneo, afetada pela convergência entre as placas europeia e africana. Os Açores, perto da Crista Média Atlântica, uma cordilheira submarina que divide e atravessa o oceano no sentido sul/ norte, estão também numa zona complicada. Mas no Continente o risco não é o mesmo em todo o território: diminui de sul para norte - Algarve, Alentejo, Lisboa e região oeste são as zonas com mais risco, enquanto o Norte tem estado a salvo dos eventos mais destrutivos. Isto porque estes geralmente têm origem a sudoeste do cabo de São Vicente. Disponível em URL: https://www.dn.pt/dossiers/cidades/ sismos/noticias/interior/15-grandes-questoes-sobre-ossismos-1450671.html


CINCO

ESTRELAS

Todos os delegados ambientais estiveram presentes e, de seguida, procedeu-se à plantação de algumas espécies autóctones na escola-sede do agrupamento bem como de algumas plantas aromáticas. Pela equipa do projeto Eco-Escolas

I Conselho Eco-Escolas I 2017/2018 O conselho Eco-Escolas é o órgão que superintende o desenvolvimento do programa Eco-Escolas. É constituído pelo professor coordenador, por representantes dos professores/educadores, dos alunos, do pessoal não docente, dos encarregados de educação, do município e outros que sejam considerados pertinentes para o desenvolvimento das temáticas escolhidas. Ao conselho Eco-Escolas cabe-lhe implementar a auditoria ambiental, discutir o plano de ação, monitorizar e avaliar as atividades e coordenar as formas de divulgação do programa na escola e na comunidade. No dia 22 de novembro, realizou-se o primeiro conselho Eco-Escolas onde alguns delegados ambientais estiveram presentes como representantes das suas turmas com o objetivo de terem o primeiro contacto com o projeto. Durante esta reunião, tomaram conhecimento dos temas a trabalhar durante este ano letivo e de algumas das atividades já planificadas no âmbito dos diversos projetos e campanhas dinamizados pela Associação da Bandeira Azul da Europa, já divulgados na 1.ª edição do nosso jornal do presente ano letivo.

No dia 28 de novembro, realizou-se uma pequena ação de sensibilização no âmbito da reflorestação nacional, dinamizada pela Engenheira Sílvia Monteiro do Gabinete de Ambiente da Câmara Municipal de Moura. 27


CINCO

ESTRELAS

ENFEITES DE NATAL

HASTEAR DA BANDEIRA VERDE ECO-ESCOLAS

COM MATERIAIS REUTILIZÁVEIS

Com a chegada de Natal, foi preciso inspiração para decorar a escola. Uma técnica simples e que não carece de grande investimento é a reutilização de materiais. Tal como já vem sendo hábito, essa técnica foi posta em prática na escola-sede do agrupamento, tendo sido elaborados vários enfeites de Natal que foram expostos à comunidade escolar através da decoração de alguns espaços da escola.

No dia 28 de novembro, realizou-se a cerimónia do hastear da Bandeira Verde Eco-Escolas referente ao ano letivo 2016/2017 como prémio pelo desempenho da comunidade educativa nas atividades desenvolvidas no âmbito da preservação e proteção do ambiente.

XVI Feira

DA VINHA E DO VINHO Amareleja 2017 À semelhança dos últimos anos, mais uma vez, o nosso agrupamento fez-se representar com um stand na XVI Feira da Vinha e do Vinho de Amareleja, que decorreu de 8 a 10 de dezembro de 2017. O stand do Agrupamento de Escolas de Amareleja foi decorado com base na política dos 3 R’s: reduzir, reutilizar e reciclar, ações práticas que visam minimizar o desperdício de materiais e produtos, além de poupar a natureza da extração inesgotável de recursos. A exposição patente no nosso stand refletiu as preocupações ambientais do agrupamento, mostrando que, graças à criatividade, é possível aproveitar diversos materiais para novas funcionalidades, evitando a produção de resíduos. O espírito criativo dos nossos alunos não passou despercebido com a divulgação de várias formas de criar, construir, comunicar e decorar a partir de resíduos, protegendo assim o ambiente. 28


CINCO

ESTRELAS

Conservação do Saramugo na Bacia do Guadiana No âmbito do projeto LIFE Saramugo, nos dias 13 e 14 de dezembro, decorreu uma ação de sensibilização subordinada ao tema “Conservação do Saramugo na Bacia do Guadiana”, na biblioteca escolar, dinamizada por uma técnica bióloga da Liga para a Proteção da Natureza. Esta iniciativa resultou da articulação do projeto EcoEscolas com as docentes de Ciências Naturais do agrupamento a fim de sensibilizar a população escolar para a importância da conservação das populações de saramugo nas três sub-bacias do rio Guadiana (Xévora, Ardila e Vascão) e alertar para os perigos de pré-extinção desta espécie de peixe. Esta ação destinou-se às turmas dos 5.º, 6.º, 7.º e 8.º anos e foi muito interessante.

Opiniões que contam... Relativamente à sessão, aprendemos que o peixe saramugo tem, no máximo, 7 cm e alimenta-se de algas, invertebrados, plantas e detritos. Vive em todas as estações do ano, nas ribeiras. Este peixe está em perigo de extinção porque há muita poluição e há muitos predadores. Reproduz-se entre maio e junho e põe apenas 100 ovos todos os anos. Vive aproximadamente 3 anos. Gostámos muito da sessão porque permitiu o conhecimento de espécies de peixes que nós desconhecíamos. Madalena Morgado, Matilde Martins e Rita Guerra do 7.º B

O que mais gostámos foi de aprender sobre as espécies de peixes de água doce e o que nos preocupou mais foi saber que o saramugo é uma das que está em perigo de extinção, pois não queremos que esta pequena espécie de 7 cm desapareça. Aprendemos também que os barbos se alimentam de saramugos e os saramugos de algas e restos de outras plantas. Pedro Ganhão, Vasco Gonçalves, Luís Pelicano e Miguel Gonçalves do 7.º B 29

Aromáticas na sala

Nos dias 31 de janeiro e 6 de fevereiro, a Engª Sílvia Monteiro, da Câmara Municipal de Moura, dinamizou uma sessão de formação intitulada “Aromáticas na sala”, destinada aos alunos dos 1.º e 2.º ciclos da escola-sede do agrupamento. Esta atividade foi organizada pelas docentes de Ciências Naturais, Experimentais e Físico-Químicas, no âmbito dos projetos Eco-Escolas e Ciência na Escola, tendo por objetivos divulgar o património natural da região, reconhecer a importância dos recursos dos naturais e da utilização dos produtos endógenos e sensibilizar a população escolar para a importância da utilização das ervas aromáticas na alimentação e na saúde.


CINCO

ESTRELAS

CONSERVAÇÃO DA

De salientar ainda que os alunos da turma PIEF tiveram uma colaboração proativa nas atividades.

Águia-Imperial-Ibérica

Nos dias 27 e 28 de fevereiro e 1 de março, realizaram-se várias sessões de sensibilização, na escola-sede do agrupamento, sobre a conservação da águia-imperial-ibérica, para os alunos dos 2.º e 3.º ciclos, desenvolvidas pela bióloga Raquel Alcarias, integradas no projeto LIFE Imperial da Liga para a Proteção da Natureza.

ÁGUIA-IMPERIAL-IBÉRICA

AROMAS DA AMARELEJA No âmbito dos projetos Aromas da Amareleja e Eco-Escolas, realizaram-se, durante toda a manhã do dia 20 de fevereiro, sessões informativas subordinadas ao tema “Vamos trocar umas ideias sobre plantas aromáticas, medicinais e condimentares” para os alunos do 3.º ciclo, dinamizadas pelo Dr. Filipe Sousa, da ADCMoura.

Exclusiva da Península Ibérica, a águia-imperialibérica (Aquila adalberti) é uma das aves de rapina mais ameaçadas da Europa e está entre as mais raras do mundo. Esta águia de grande porte pode atingir 2,10 m de envergadura, 80 cm de comprimento e entre 3,5 e 5 kg de peso, sendo as fêmeas sempre um pouco maiores que os machos. Possui um bico e garras extremamente fortes e aguçados e plumagens bastante distintas ao longo dos primeiros anos de vida. Os adultos são identificáveis pela sua cor castanho-escuro quase negro com um bordo branco que delimita as asas a partir dos ombros e pela cauda cinzenta com uma barra terminal larga de cor preta. O tamanho da sua população reprodutora é tão reduzido que existe um elevado risco de extinção desta espécie.

No âmbito dos projetos Aromas da Amareleja, Ciências Experimentais e Eco-Escolas, foi realizado, no dia 21 de fevereiro, um workshop de sabonetes com ervas aromáticas, para os alunos das turmas dos 1.º e 3.º anos, do 1.º ciclo, dinamizado pela Dr.ª Helena Chamorro, da CLDS 3G de Moura.

Disponível em URL: http://www.lifeimperial.lpn.pt/pt/aguiaimperial-iberica 30


CINCO

ESTRELAS

VAMOS DAR O NOSSO MELHOR!! É com grande satisfação que o Agrupamento de Escolas de Amareleja tem o prazer de informar toda a comunidade educativa que os alunos das turmas abaixo mencionadas, durante o primeiro período letivo, se destacaram pela sua assiduidade, comportamento e aproveitamento.

Observa os dados e efetua as somas, completando os espaços em branco com os algarismos correspondentes.

1.º Lugar: 6.º A (46,57 pontos) 2.º Lugar: 9.º A (42,33 pontos) 3.º Lugar: 8.º C (40,21 pontos) Parabéns a todos e continuem a dar o vosso melhor!

Passatempos Monta a máscara de coelho da Páscoa.

Descobre as 7 diferenças no segundo desenho.

31


CINCO

ESTRELAS

Ler é o melhor remédio!

O MACHADO DO LENHADOR Um lenhador deixou cair o seu machado no meio do leito dum rio turbulento. Sem saber o que fazer, sentou-se e começou a chorar. Compadecido com a tristeza do lenhador, Hermes atirou-se ao rio e, daí a pouco, voltou com um machado de ouro. — Este machado é teu? — perguntou Hermes. — Não me pertence — respondeu o lenhador. Hermes submergiu nas águas do rio e voltou com um machado de prata. — Este machado é teu? — perguntou Hermes. — Não me pertence — respondeu o lenhador. Hermes mergulhou pela terceira vez e voltou com o machado que o lenhador tinha perdido. — Este machado é teu? — perguntou Hermes. — Sim, pertence-me — respondeu o lenhador. Encantado com a honestidade do lenhador, Hermes ofereceu-lhe os três machados. Quando se encontrou com os companheiros, o lenhador contou-lhes o que lhe tinha acontecido e mostrou-lhes os três machados. Um dos lenhadores pensou em obter igual número de machados. Correu até à beira do rio, lançou lá para dentro o seu machado e começou a chorar. Hermes apareceu, atirou-se ao rio e, daí a pouco, voltou com um machado de ouro. — Este machado é teu? — perguntou Hermes. — Sim, é meu, é meu! — rejubilou o homem. Aborrecido com o descaramento do homem, Hermes não lhe deu o machado de ouro nem voltou a mergulhar no rio. Os desonestos, mais cedo ou mais tarde, acabam por ser descobertos e castigados. Fábulas de Esopo - Recontadas por António Mota 32

Profile for Jornal Escolar 5 estrelas

Jornal 5 estrelas mar2018  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Jornal 5 estrelas mar2018  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Advertisement