__MAIN_TEXT__

Page 1

2ª Edição 2018/2019

maio 2019

I

0,50 Estrelas

SUMÁRIO

GENTES DA NOSSA TERRA “Chamo-me Virgínia e fui ca-

Editorial

2

beleireira durante mais de

Gentes da nossa terra

3

Projeto “Vamos Dar o Nosso Melhor”

4

Parlamento dos Jovens

5

“A profissão de cabeleireira

Atividades no Agrupamento

6

era difícil (…)”

Atividades do Departamento de Línguas

12

Carnaval na nossa Escola

13

trinta anos, e dona de casa, claro.” (…)

Tudo passa, mas todos os tempos são bonitos. Procuro ocupar meu tempo da melhor forma possível. Pág. 3

CARNAVAL NA ESCOLA O tema proposto este ano foi o “Desporto” e os alunos foram disfarçados das suas várias modalidades.

Pág. 13 e 14

Sabia que…

Dia Internacional para a Consciencialização do Autismo

15

Eco-Escolas “Vamos Limpar o Baldio”

16

Programa Integrado de Educação e Formação

17

Pequenos Cantores de Modas e Expressões Tradicionais

20

O que lemos

21

O que escrevemos

22

Biblioteca Escolar

23

Sabia que…

25

Plano de Formação Interna

26

Clube de Proteção Civil

27

Clube de Teatro

29

Desporto Escolar

31

Os pais são modelos muito importantes para os filhos! É verdade, tudo o que fazemos fica registado e é reproduzido espontaneamente por estes, sobretudo, na sua infância.

Pág. 25

Pág. 27


O Papel da Escola

N.º 2 maio 2019 Propriedade Largo das Flores 7885 Amareleja 

Carla Gomes Luísa Gomes Margarida Grosso jornalescolar

Docentes do Agrupamento, alunos do Agrupamento e Técnicos Especializados do Agrupamento. Paginação e revisão

Entre os inúmeros trabalhos teóricos que se dedicaram ao papel da escola, Pierre Bourdieu e Jean Claude Passeron na obra “A reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino”, são dos mais reconhecidos. Os autores mostram que o sistema de ensino moderno serve como ferramenta de manutenção dos paradigmas sociais estabelecidos. Este ensino molda os que são entregues aos seus cuidados e exclui os que não se submetem ou que não se adaptam aos seus parâmetros. Nesta medida, a educação não pode ser reduzida apenas ao ensino técnico ou à formação de mão de obra especializada, que era a representação passada pelos autores referidos, num contexto social muito próprio. Atualmente o paradigma mudou e o sujeito aprendente já não é visto como agente passivo num meio tão ambivalente, complexo e globalizante, mas que aprenda a manejar as novas tecnologias e, acima de tudo, que aprenda a conciliar as diferenças com as quais vai conviver. Nesta linha de atuação, o papel do professor/educador torna-se vital, uma vez que este é considerado como um facilitador da aprendizagem, como um mediador do conhecimento. Deve procurar priorizar o desenvolvimento humano, bem como o respeito pelas diferenças. Deve proporcionar nos alunos o gosto em adquirir o conhecimento, mas não pode descurar a questão emocional dos discentes, devendo também prepará-los para o exercício ativo da cidadania. A formação de valores, juntamente com o desenvolvimento da cidadania ativa, tem que se desenhar como uma meta fundamental da Escola que queremos.

Trimestral

Impressão Reprografia do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Nesta linha de pensamento, deve-se procurar favorecer a solidariedade humana e, principalmente, a tolerância recíproca. Aproxima-se o final do ano letivo e entende-se como bastante pertinente uma chamada de atenção em relação à nossa atitude, à nossa forma de estar, ao nosso foco enquanto professores/educadores, tendo em conta a nossa missão nesta escola pública. “As crianças/alunos do hoje são do agora e são, fundamentalmente, do amanhã.”

Francisco Pereira (Diretor) 2


GENTES DA NOSSA TERRA Chamo-me Virgínia Rosa de Mira Grilo Montemor e fui cabeleireira durante mais de trinta anos, e dona de casa, claro. A profissão de cabeleireira era difícil, como todas eram: fazíamos permanentes (ondulações no cabelo) com ferros quentes e com um fogão a petróleo, apanhávamos queimaduras nos dedos e as clientes eram protegidas com algodões, senão queimavam as orelhas e o pescoço! Estes trabalhos demora-

vam duas horas a realizar e custavam 20 escudos (10 cêntimos!!). Os cabelos eram cortados, muitas vezes, em companhia dos piolhos e das lêndeas!... No entanto, eu gostava da profissão, era assim a vida; também já se pintavam os cabelos e as noivas davam um trabalhão a preparar! Quando me solicitavam, ia eu e a costureira a casa delas, para que tudo ficasse impecável. Posteriormente, as coisas modernizaram-se: os utensílios e os aparelhos passaram a ser elétricos e a nossa profissão começou a ter cursos de formação. Tudo passa, mas todos os tempos são bonitos! Presentemente, estou reformada. Procuro ocupar o meu tempo da melhor forma possível: escrevo estas memórias, pinto, desenho. Além disso, eu e mais amigas e amigos do meu tempo, frequentamos o centro de dia do Centro Social de Amareleja. Mas não paramos!! Temos um grupo coral misto, que foi iniciado por mim e por algumas amigas minhas e é ensaiado pelo meu filho, professor António Montemor. Existe há três anos e já fomos atuar noutros Lares e Centros de Dia em Moura, Beringel, Barrancos, bem como noutros eventos e locais: festa do Idoso, festa da Família, dia da Poesia ... Simultaneamente, desenvolvemos outras atividades, outros trabalhos, do género trabalhos manuais, em materiais variados, algumas vezes solicitados pela Câmara e orientados pela nossa animadora sociocultural, D. Marina, para ilustrar comemorações e outros dias festivos. Nós contribuímos, assim, como podemos. Estas artes e estas atividades ajudam a passar o tempo com ocupações úteis e bonitas, e a doença e a velhice não custam tanto!!... Um abraço!

3


VAMOS DAR O NOSSO MELHOR

Os alunos do 5.º B estão de Parabéns, pois obtiveram a melhor pontuação no final do 1.º Período, no âmbito do projeto Vamos Dar o Nosso Melhor! Destacam-se ainda os alunos do 6.º C e os alunos do 6.º B que conseguiram alcançar os 2.º e 3.º lugares, respetivamente. Relembramos que com este projeto pretende-se premiar a turma que, ao longo dos três períodos, tenha melhor comportamento e melhor aproveitamento. Para isso, é necessário que cada aluno dê o melhor de si próprio e ajude os colegas a darem o melhor de si próprios, de modo a

que todos juntos possam fazer com que a sua turma seja a melhor. Boa sorte a todas as turmas e... deem todos o vosso melhor!!!

RELEMBRANDO OS CRITÉRIOS... COMPORTAMENTO

Participação disciplinar - 3 pontos

Medida corretiva - 5 pontos

Medida sancionatória - 10 pontos Cada dia de suspensão –5 pontos

APROVEITAMENTO ASSIDUIDADE PROJETOS

Nível 1 -3

Nível 2 -2

Nível 3 Nível 4 +1 +2 Faltas injustificadas -2 pontos por cada falta injustificada +1 ponto por cada participação dos alunos

4

Nível 5 +3


Por Ana Santos e Lurdes Pato

PARLAMENTO DOS JOVENS

No dia 7 de janeiro, recebemos no nosso agrupamento de escolas o Sr. Deputado à Assembleia da República, pelo círculo de Beja, João Dias. Esta sessão fez parte do projeto Parlamento dos Jovens, que é coordenado pela Assembleia da República e tem como objetivo primordial dar a conhecer o funcionamento da Democracia. O Sr. Deputado apresentou-se e falou sobre o seu percurso de vida escolar e profissional. Partilhou com a audiência a sua experiência enquanto deputado e as várias questões parlamentares em que estava envolvido. Posteriormente, abordou o funcionamento da Assembleia. Por último, desenvolveu algumas informações sobre as alterações climáticas, nomeadamente so-

bre os oceanos, dado que é este o tema tratado este ano. Os alunos presentes na sessão colocaram questões a que o Sr. Deputado foi respondendo ao longo da sessão e foram abordados temas atuais como o artigo 13º e ações da Assembleia sobre as alterações climáticas. Participação na sessão distrital do Parlamento dos Jovens No dia 18 de fevereiro, decorreu a sessão distrital do Parlamento dos Jovens, em Beja, na Escola Secundária Diogo de Gouveia. Participaram quatro alunas da escola: Micaela Rosa e Lara Correia, do 9ºB, Gabriela Gala e Helena Fernandes, do 9ºC. Foi integrada no projeto de recomendação final a levar à Assembleia da República uma das medi-

das do Projeto de escola apresentado na Sessão Distrital – a sensibilização da população para a utilização de materiais reutilizáveis – tendo em conta que a preservação dos oceanos passará pela redução do lixo e do desperdício, sobretudo ao nível dos plásticos.

1.Apresentação do projeto de recomendação da Escola

2 e 3. Apresentação do projeto de grupo. 5


ATIVIDADES NO AGRUPAMENTO

Por Elisabete Vogado

Recolha de sangue No dia 31 de janeiro de 2019, na escola sede do Agrupamento, decorreu mais uma sessão de recolha de sangue, promovida pelo Serviço de Imunoemoterapia do Hospital do Baixo Alentejo e organizada pela docente

Elisabete Vogado. Esta atividade foi aberta a toda a comunidade escolar, tendo contado com 28 doações de sangue de docentes, não docentes, pais e encarregados de educação, entre outros cidadãos benevolentes. Um grande bem-haja a quem participou nesta causa.

Exposição “Exploração Espacial”

Por Ana Margalha

No final do mês de janeiro, estiveram expostos no átrio da escola sede os trabalhos elaborados pelos alunos das turmas A e B do sétimo ano, no âmbito do tema Exploração Espacial. As maquetes de meios de exploração espacial, sondas, foguetões e satélites foram elaboradas numa articulação entre as disciplinas de Físico-Química e Educação Tecnológica.

6


Caminhada Solidária

Por Patrícia Granito

No dia 4 de fevereiro, realizou-se, pelas 17h30, uma caminhada solidária como forma de assinalar o Dia Mundial da Luta Contra o Cancro. Foi organizada pela Escola de Amareleja e contou com a colaboração do núcleo da Liga Contra o Cancro de Moura e Junta de Freguesia de Amareleja. Este evento teve a adesão de cerca de duzentas pessoas, envolvendo a comunidade educativa e a comunidade em geral. O valor angariado reverteu a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro. A turma PIEF também contribuiu, elaborando o cartaz alusivo a esta atividade. Um bem-haja a todos que nos ajudaram a ajudar!!!!

Por Carmen Conde

Dia de S. Valentim No início do mês de fevereiro, os alunos dos

5º e 6º anos de

escolaridade iniciaram a elaboração de postais e mensagens de São Valentim, em língua inglesa. Posteriormente e, como forma de assinalar a efeméride do dia 14 de fevereiro, foi efetuada a troca de correspondência de “St. Valentine’s Day” com o apoio da equipa da Biblioteca Escolar, sendo o nosso “Carteiro da Amizade” a caríssima assistente operacional, Marília Barradas.

7


A Experimentar Aprendemos

Por Susana Balinha

Atividades experimentais precisam-se! Cada vez mais é necessário uma aprendizagem por experienciação para promover o desenvolvimento de atitudes científicas. O desenvolvimento de hábitos de estudo e a promoção da autonomia são competências que podem ser adquiridas com este tipo de atividades. E cá estão elas nas aulas de Ciências Naturais!

8


Dia da Internet Mais Segura No dia 5 de fevereiro de 2019, comemorou-se o Dia da Internet Mais Segura. Para assinalar este dia, durante o mês de fevereiro foram realizadas algumas atividades relacionadas com a Segurança Digital, de entre as quais se destacam as sessões de sensibilização dinamizadas pela Escola Segura, em parceria com a Microsoft Portugal, aos alunos do 1.º ciclo do Agrupamento, e também a atividade de leitura de histórias "Nós na Web" promovida pela equipa da Biblioteca Escolar, a aplicação de um Kahoot aos alunos dos 5.º e do 7.º anos e a exploração de recursos disponíveis no portal do SeguraNet. ´ No dia 13 de março, durante a manhã, decorreram sessões de sensibilização sobre o uso responsável das redes sociais na Internet, para alunos do 3.º ciclo, dinamizadas pelo Professor Rui Gonçalo Espadeiro, do Centro de Competência TIC da Universidade de Évora. Estas sessões envolveram a participação ativa dos alunos, fazendo-os refletir sobre os seus hábitos e costumes na Internet. Nesse mesmo dia, realizou-se, na parte da tarde, uma Ação de Curta de Duração sobre Cidadania Digital – Projeto SeguraNet, para docentes do Agrupamento, promovida numa parceria estabelecida entre o Centro de Competência TIC da Universidade de Évora e o CFAE Margens do Guadiana. Nesta ação dinamizada pelo Professor Rui Gonçalo Espadeiro, os docentes trabalharam as temáticas da segurança digital em contexto de sala de aula, tomaram conhecimento de algumas iniciativas do projeto Seguranet, exploraram alguns recursos disponíveis no portal, debateram e planificaram possíveis atividades a desenvolver com alunos. A ação foi muito interessante, registando-se uma boa adesão por parte dos docentes. O balanço das atividades desenvolvidas no âmbito da comemoração do Dia da Internet Mais Segura foi considerado bastante satisfatório. Aguardam-se novos desafios no próximo ano!

9


A propósito de Segurança Digital… … não te esqueças que: 

Deves usar na Internet as mesmas regras que utilizas no teu dia-a-dia!

Tudo o que colocas na Internet permanece online e torna-se a tua pegada digital, que poderá ser vista por qualquer pessoa se não tiveres qualquer tipo de cuidado!

Não deves deixar que a Internet ocupe todo o teu tempo livre! Aproveita para ler, ouvir música, passear e conviver com os teus amigos sempre que possível!

“Vidas com Vida” No dia 7 de fevereiro, os alunos dos 7º e 8º anos foram à Biblioteca observar dois jovens com vi-

das muito diferentes, o António e a Madalena. O António era um rapaz a quem, aos quinze anos, foi diagnosticada uma doença sem cura que lhe ia afetando a mobilidade. Ele sabia que a qualquer momento podia falecer, mas, apesar da doença, continuou a estudar. Por outro lado, a Madalena apresentou uma história completamente diferente. Ela foi, como voluntária, para a ilha de São Tomé e Príncipe com outras colegas para tentar melhorar a vida das crianças que lá vivem. Dava aulas de Informática e ajudou a construir uma sala onde estavam os computadores. Nessa ilha, só havia luz em determinadas horas do dia (horas em que as aulas eram dadas). Esta palestra permitiu-nos pensar sobre a forma de estar na vida: devemos aproveitar as oportunidades, independentemente do dinheiro que temos ou dos problemas que possamos ter. Há sempre algo que “nos faz ir mais além”. António Maria, nº2, 8ºC

Visita de Estudo a Lisboa No dia 14 de fevereiro, realizou-se uma visita de estudo a Lisboa. Fomos acompanhados pela professora de História, Alice Rocha, pela professora de Português, Ana Rodrigues, e pelo professor de Inglês, Miguel Almeida. Partimos muito cedo para podermos aproveitar ao máximo esta viagem. Tivemos a oportunidade de visitar o Lisboa Story Centre e, de uma forma interativa, foi-nos apresentada a história da cidade. Um dos eventos relatados através de um filme foi o terramoto de 1755 que destruiu a cidade. Após esta visita, fomos para o Parque das Nações onde almoçamos. Este momento serviu também para descansar e conviver com os colegas. Na parte da tarde, assistimos a uma peça de teatro – “O que os olhos veem ou o Adamastor”. Já de regresso, não podia faltar uma paragem no McDonald´s para saborear os tão desejados hambúrgueres. Esta visita de estudo foi do agrado de todos, pois, além do convívio, permitiu-nos reforçar alguns conhecimentos das disciplinas. Alunos do 8ºB 10


Visita de estudo a Lisboa e a Mafra No dia 25 de março, os alunos de 6º ano participaram numa visita de estudo a Lisboa e a Mafra, no âmbito das disciplinas de Português e de História e Geografia de Portugal. No período da manhã, os alunos tiveram a oportunidade de assistir à peça de teatro “As aventuras de Ulisses”, no auditório Pedro Arrupe. De tarde, o Convento de Mafra foi o local selecionado para que os alunos pudessem tomar contacto com um dos mais imponentes monumentos da arte barroca, em Portugal. A atividade decorreu de forma bastante satisfatória, tendo os alunos demonstrado interesse e entusiasmo durante parte da visita.

11


ATIVIDADES DO DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS

Por Miguel Almeida

Literacia 3Di No dia 21 de março, decorreu, na Escola Secundária Diogo Gouveia, em Beja, a segunda fase do Concurso da Porto Editora- Literacia 3Di. Apuradas para esta fase foram as alunas Alice Daniela de Almeida Cruz, do 7º A; e Marina Letícia Strecheanu, do 8ºA, que realizaram, respetivamente, a prova de Leitura e a prova de Inglês. As alunas deslocaram-se a Beja, acompanhadas pelos docentes Miguel Almeida, de Inglês, e Ana Rodrigues, de Português. As alunas receberam um diploma e ofertas de participação.

Spelling Bee Decorreu, no passado dia 4 de abril, a 2ª fase do concurso de soletrar em inglês “Spelling Bee”, atividade dinamizada pelo Departamento de Línguas. Nesta etapa final, participaram os alunos apurados na 1ª fase decorrida no 1º período, bem como alguns alunos que não puderam participar na mesma por motivos justificados. Divididos entre 2º e 3º ciclos e por grau de dificuldade, todos os alunos tiveram uma boa prestação e apresentaram-se empenhados frente a um júri composto pelos

docentes Isabel Rosado e Ricardo Lemos. Os alunos foram ultrapassando as várias rondas de palavras até, por fim, se apurarem os vencedores. No 2º ciclo, a classificação dos cinco primeiros lugares ficou ordenada da seguinte forma: 1º classificado, Afonso Leandro (6ºB); 2º classificado, Rodrigo dos Santos (6ºA); 3º classificado, Martim Benigno (5º A); 4º classificado, Ana Carapuça (5º B) e 5º classificado, Rodrigo Guerreiro (5º A). No 3º ciclo, a classificação ficou ordenada da seguinte forma: 1º classificado, Gabriela Gala (9ºC); 2º classificado, Manuel Piteira (7ºA); 3º classificado, Sara Vilão (9º A); 4º classificado, José Piteira (9º C) e 5º classificado, Carolina Godinho (7º B).

Todos os participantes receberam um diploma de participação na atividade. 12


CARNAVAL NA NOSSA ESCOLA

No dia 1 de março, no período da manhã, realizou-se o habitual desfile de Carnaval da nossa escola. O tema proposto este ano foi o “Desporto” e os alunos foram disfarçados das suas várias modalidades. A criatividade não faltou para a preparação e para o improviso dos respetivos disfarces, exibidos pelas principais ruas de Amareleja, onde não faltou público para ver os meninos, meninas e professores disfarçados…

Foi uma manhã cheia de música e de muita animação.

13


14


DIA INTERNACIONAL PARA A CONSCIENCIALIZAÇÃO DO AUTISMO

Por Sílvia Santos

No dia 2 de abril, é assinalado o Dia Internacional para a Consciencialização do Autismo. Neste ano letivo, o grupo de docentes de Educação Especial, em articulação com várias disciplinas, nomeadamente Educação para a Cidadania e Cidadania e Desenvolvimento, desenvolveram a atividade “Coração Azul”. Esta iniciativa pretendeu envolver os alunos do pré-escolar, 1º, 2º e 3º ciclos do Agrupamento de Escolas de Amareleja. Consciencializar, sensibilizar e informar a comunidade educativa sobre a problemática do autismo foram os principais objetivos desta

ação que decorreu de 25 de março a 2 de abril, culminando na elaboração de um trabalho coletivo. E porque o amor, a amizade e a entreajuda são “ingredientes” fundamentais na partilha de vivências com a pessoa com autismo, juntos construímos Corações Azuis que não são indiferentes ao nosso olhar!

Painel elaborado na EB de Amareleja.

Painel elaborado na EB da Póvoa de São Miguel.

15


Por Lília Fernandes e Susana Balinha

Vamos Limpar o Baldio A equipa do Projeto Eco-Escola do Agrupamento, em articulação com a Junta de Freguesia de Amareleja, promoveu a atividade “Vamos limpar o Baldio” no dia 3 de abril, integrada nas atividades de proteção da Floresta/Ambiente. Esta atividade contou ainda com a colaboração dos elementos da Escola Segura e do SEPNA, dos Bombeiros Voluntários de Moura, dos representantes da Proteção Civil e do Clube da Proteção Civil, do PESIM - Plano Educativo para o Sucesso e Inovação em Moura - e do Conselho de Diretores de Turma. Os alunos do terceiro ano, segundo e terceiro ciclos contribuíram, de forma bastante entusiasta, para o desenvolvimento da atividade. Para além de recolhermos vários tipos de resíduos, tais como entulho de obra, animais mortos, sacos cheios de lixo, pneus, entre outros, foi igualmente possível aproveitar a beleza natural do baldio, reconhecer as espécies autóctones da fauna e da flora presentes no espaço e aproveitar para desfrutar do agradável Parque de Merendas que este espaço inclui. Apelamos a todos os frequentadores deste espaço para o manter Limpo e possível de ser utilizado por todos!

Muito Obrigada a todos pela colaboração!

16


PROGRAMA INTEGRADO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO No âmbito do Plano Anual de Atividades da turma PIEF, relativo ao final do primeiro período, mas, sobretudo, ao segundo, foram desenvolvidas as seguintes atividades: Almoço de Natal No âmbito da comemoração desta quadra festiva, a turma PIEF, no dia 11 de dezembro de 2018, organizou um Almoço de Natal, onde estiveram presentes alunos,

professores e Direção da Escola, sendo notório o bom ambiente entre os presentes. Dia do Obrigado O dia 11 de janeiro foi assinalado através da elaboração de peças de roupa com frases associadas ao tema, que foram colocadas num estendal, de forma expositiva, no átrio da escola. Estes trabalhos foram desenvolvidos nas aulas de Educação Artística e Formação Vocacio-

nal, sendo que as frases foram elaboradas em conjunto com a TIL (Técnica de Intervenção Local).

Visita de estudo a Moura A visita de estudo ao Museu Municipal - Lagar de Varas - e Cooperativa Agrícola de Moura e Barrancos, no dia 29 de janeiro, teve como principal objetivo os alunos ficarem a conhecer uma das grandes potencialidades do concelho e da região em geral, o azeite. No espaço museológico, todos tiveram oportunidade de presenciar como, antes, se produzia o tão apreciado azeite, bem como de provar uma iguaria gastronómica, as Tibornas. A visita à Cooperativa serviu para apreciar que modernas técnicas podem produzir azeite de grande qualidade, onde a produção biológica começa a ter um peso muito importante. 17


Comemoração do Dia Mundial da Luta Contra o Cancro Nas disciplinas de Educação Artística e Formação Vocacional foram elaborados separadores de livros.

Foi também realizado um cartaz alusivo ao tema, em colaboração com o 7ºB. Dia de S. Valentim Esta atividade, à semelhança de outras, foi iniciada alguns dias antes, durante as aulas. No próprio dia, os alunos montaram a banca do PIEF no átrio da Escola onde foram distribuídas diversas iguarias confecionadas por eles e pelos professores de Educação Artística e Viver em Português. Foi ainda montada a “banca do Amor”, preparada pelos alunos e pelas professoras de Educação Artística e Formação Vocacional.

18


Plantação de árvores com a Junta de Freguesia Com o objetivo de promover a articulação com as entidades parceiras deste Agrupamento de Escolas, no dia 19 de fevereiro, após solicitação da Junta de Freguesia de Amareleja, a turma PIEF participou na plantação de diversas árvores num espaço exterior à Escola.

Dia da Mulher A turma elaborou um cartaz alusivo ao tema, nas aulas de Educação Artística e Formação Vocacional, que foi exposto no dia em questão. Os alunos realizaram ainda pregadeiras para oferecer a todas as mulheres da escola sede.

19


PEQUENOS CANTORES DE MODAS E EXPRESSÕES TRADICIONAIS Por António Montemor Este Projeto desenvolveu e continua a desenvolver atividades dentro e fora do espaço da sala de aula. Cantamos as Janeiras ao uso habitual da tradição dos mais jovens – porque os adultos expressam-se tradicionalmente na Noite de Reis num Cante às Almas: "À porta de uma Alma Santa / Bate um Deus a toda a hora ..." - e cantamos no espaço da Escola Sede - 4º e 5º anos. Interpretaram-se marchas alegres, festejando o Carnaval, na semana que antecedeu esta quadra, nas salas de aula, nos diversos edifícios do Agrupamento.

Os Pequenos Cantores do Pólo de Safara foram homenagear as Senhoras, no Dia Internacional da Mulher, cantando para elas no Lar Social de Safara. O Dia Internacional da Poesia foi festejado na Biblioteca com a atuação de alunos e com declamações, bem como interpretações de Modas Tradicionais por parte de alguns professores. Ao longo deste período, os alunos do 5º ano desenvolveram um trabalho criativo baseado no tema da Moda "A Mariana Campaniça" – bastante interessante... Vamos transcrever uma parte do trabalho da Cristiana Cardas, 5º B: Entretanto, o Projeto tem estado e recolher Bailes de Roda tradicionais, que os alunos já

começaram a praticar, retomando assim esta bonita tradição de expressão popular, praticamente esquecida.

"A história da Menina Campaniça Era uma vez uma menina chamada Mariana que, um dia, foi ao Monte da Légua passear com uma sua amiga chamada Maria. Andavam a passear, até que passou por elas um rapaz e disse: - Que olhos tão lindos tu tens!... - disse para a Mariana. - Obrigada por dizeres isso. - Como te chamas? - Eu chamo-me João - O teu nome também é bonito!! - disse a Mariana. E, a partir daí, ficaram muito amigos, sempre a cantar ..."

20


O QUE LEMOS... Livro que relata algo verídico e que impressiona qualquer leitor. A sua autora fala-nos de uma experiência que nós nunca pensamos ser possível, mas acaba por nos transmitir a mensagem de que as dificuldades nos ajudam a ganhar forças para as ultrapassarmos. Marina, abandonada numa floresta colombiana, acaba por ser criada por uma família de macacos. Um livro de memórias que nos dá uma lição inesquecível.

Carolina Grilo 9ºC

“A Culpa é das Estrelas” é um livro que relata uma história verídica. Trata-se de dois jovens que, juntos, enfrentam momentos difíceis das suas vidas marcadas por uma doença difícil. Contudo, a coragem e a esperança permitem-lhes aproveitar o tempo de vida que lhes resta. Foi um livro que gostei de ler pelo tema tratado e que considerei importante para mim. Beatriz Vitorino, 9ºC

O livro fala de uma bonita história de amor e a mensagem que nos transmite é a de que nunca devemos deixar nem desistir de quem está sempre ao nosso lado para nos ajudar. Bruna Tito, 9ºC

Este livro relata a história de uma mulher somali, Nura Abdi, que foi excisada aos quatro anos de idade. Quando viaja pela Europa, percebe a barbaridade do ato de mutilação a que foi sujeita. Este livro fez-me perceber o sofrimento de tantas mulheres que continuam a ser vítimas deste ato e, sobretudo, ter consciência de que a vida não é fácil para todos. Lara Paulino, 9ºC

21


O QUE ESCREVEMOS... O Auto da Barca do Inferno, de Gil Vicente, é uma obra estudada pelos alunos no 9ºano de escolaridade. Trata-se de uma sátira social aos costumes da sociedade portuguesa do século XVI. De uma forma cómica, mas mordaz, o autor denuncia os vícios das diversas classes sociais através das personagens que, após a morte, são julgadas, tendo como objetivo não apenas criticar mas, sobretudo, corrigir. O texto abaixo apresentado prova que a crítica feita há alguns séculos atrás se aplica na atualidade, pois, infelizmente, a ganância, a corrupção, a presunção, entre outros, ainda existem. No seu texto, a aluna recria uma das cenas, imaginando o que poderia ser o julgamento de um banqueiro nos nossos dias. O Banqueiro Anjo – Pois tal coisa não acontecerá. Vem um banqueiro com o seu cofre dourado

Vai pera a barca de onde vieste

e com uma chave na mão. Aproxima-se e

Que é lá que vais entrar.

diz:

Banqueiro – Mas… porquê?

Anjo – Aqui, não entrarás assim

Banqueiro – Oulá marinheiro! Oulá!

tão carregado!

Diabo – Olhem só quem cá chegou!

Esse cofre não é cá bem vindo!

Amigo banqueiro, que carregado

Banqueiro – E as pessoas que ajudei?

vens?!

Isso não é suficiente para

Banqueiro – Esta barca pera onde vai ela

Me deixares entrar?

com tanta gente a dar à vela!

Anjo – Oh, que bondade tão louvável!

Diabo – Vai para o abismo.

E os juros que lhes cobraste?

Entrai, entrai, que esta barca

Banqueiro – Tudo isso estava nos contratos!

Partirá muito brevemente!

Anjo – Não as ajudaste, só as roubaste!

Barqueiro – Nesta barca não hei de

Essa tua ganância

eu entrar!

Tomará todo este navio.

A estoutra barca me vou.

Banqueiro – Oh, pobre de mim! Nunca pensei ser verdade

O banqueiro dirige-se à barca do Anjo e diz:

Tudo aquilo que lá falavam! Banqueiro – Hou da barca, oulá! Anjo – Que quereis?

O banqueiro regressou à barca do Diabo e nela

Banqueiro – Eu nesta barca quero entrar

embarcou.

E pera o Paraíso navegar.

Gabriela Gala, 9ºC 22


BIBLIOTECA ESCOLAR

Por Delfina Veladas

Concurso Nacional de Leitura – Prova de Escola A primeira fase do Concurso Nacional de Leitura - a Prova de Escola - decorreu no dia 13 de dezembro e contou com a participação de cinco alunos do primeiro ciclo, quatro do segundo e cinco do terceiro. As provas dos três grupos de concorrentes consistiram na leitura de um texto, na resposta a uma questão de compreensão do mesmo e a uma última de opinião sobre uma imagem ou frase relacionadas com o tema da leitura feita. No 1º ciclo, concorreram as alunas Eva Martins, Irina Rocha, Lara Valente, Maria Inês Monteiro e Matilde Robles. De entre elas, destacaram-se a Maria Inês Monteiro, que ficou em 2º lugar, e a Eva Martins, em 1º lugar. No 2º ciclo concorreram a Mafalda Martins, a Mariana Serrano, a Raquel Patrício e o Rodrigo Santos. Em 2º lugar ficou a aluna Raquel Patrício e em 1º a Mafalda Martins. No 3º ciclo, para além da Andreia Batista, do Bruno Zeferino e da Gabriela Gala, concorreram o Ricardo Cassilda, que ficou em 2º lugar, e a Marina Strecheanu, que ficou em 1º. Foi uma atividade que os alunos receberam com entusiasmo e que proporcionou um bom momento de Leitura.

Quem és tu na Web? Os alunos dos 3º e 4ºanos da Escola de Amareleja participaram em algumas

atividades que os alertaram para os perigos que a Internet pode representar para os utilizadores que não estão atentos a determinadas regras de proteção pessoal. A ação designada por Quem és tu na Web? decorreu nos dias 5 e 6 de fevereiro e contou com duas atividades. A primeira delas decorreu da parte da manhã, tempo em que a Escola Segura esteve com os alunos para os alertar para a questão da Segurança na Internet. Da parte da tarde, foi a coordenadora da Biblioteca Escolar que continuou a trabalhar o tema com os alunos, através de histórias e jogos em suporte digital. Os alunos foram levados a observar comportamentos incorretos em

termos de proteção pessoal na Internet e a formular propostas para alterar os mesmos. 23


Concurso Nacional de leitura - prova municipal A Fase Municipal do Concurso Nacional de Leitura realizou-se em Moura, no dia 19 de fevereiro. Representaram o nosso Agrupamento os alunos Eva Martins e Maria Inês Monteiro, do 1ºciclo; Mafalda Martins e Raquel Patrício, do 2ºciclo; Maria Strecheanu e Ricardo Cassilda, do 3ºciclo, os quais tiveram uma participação muito meritória. A prova escrita decorreu após o almoço, na Biblioteca Municipal Urbano Tavares Rodrigues, seguindo-se a prova oral, aberta ao Público, no Cineteatro Caridade. Foram selecionados para a fase seguinte a Eva, a Mafalda e o Ricardo. No Cineteatro, entre as duas provas, uma turma do 7ºano

da Escola Secundária de Moura, orientada pela professora Dina Marques, agraciou os participantes e o público com bonitas canções em português e inglês. A fase intermunicipal realizar-se-á em Alvito, no dia 23 do próximo mês de abril.

Dia dos namorados Para celebrar este dia, a Biblioteca realizou duas atividades, as quais se foram desenrolando ao longo do tempo. Tratou-se do Correio do Amor e do Concurso de Poemas de Amor. A primeira atividade decorreu como nos anos anteriores e entusiasmou muito os alunos que, du-

rante três semanas, foram escrevendo cartas de amor, ou de amizade, colocando-as numa caixa de correio para o efeito, na Biblioteca. No dia 14, foram distribuídas por uma das nossas colaboradoras, a Marília. A segunda atividade - Concurso de poemas de amor - teve menos participação. Talvez por ser uma atividade mais exigente, uma vez que os alunos só podiam concorrer com inéditos, ou por ser uma atividade nova e, por isso, desconhecida, este concurso teve fraca adesão e os poe-

mas escritos tiveram uma qualidade pouco aceitável. Estamos confiantes de que, para o próximo ano, esta atividade será bem sucedida.

Semana da leitura – Hoje leitor, amanhã leitor! A Semana da Leitura decorreu de 11 a 15 de março e ficou marcada pelas atividades:

Livros em viagem

24


SABIA QUE...

Por David Fialho

Sabia que... as nossas crianças e jovens são muito "marcadas" pelo que veem e ouvem, sendo influenciadas pela informação com que se deparam, sobretudo, por aquela que lhes dão mais importância? Nesse sentido, os pais são modelos muito importantes para os filhos! É verdade, tudo o que fazemos fica registado e é reproduzido espontaneamente por estes, sobretudo, na sua infância. Deste modo, sermos um modelo apropriado resulta na provável "reprodução", pelos nossos educandos, das nossas atitudes e dos nossos comportamentos corretos, o que é meio caminho andado para conseguirmos alcançar as metas educacionais que vamos estabelecendo. Ainda assim, por vezes, somos traídos pelo nosso temperamento, bem como pelas nossas emoções e pelo cansaço, o que nos leva a cometer alguns excessos e a ter comportamentos menos modelares... perdemos o controlo, gritamos, batemos e amuamos. Quantas vezes não observamos pais aos berros a pedir aos filhos que falem baixo, pais a bater nos filhos tentando corrigir o seu comportamento agressivo?? A verdade é que se torna muito complicado mudar comportamentos quando a nossa conduta é semelhante. Também os problemas de medo e de ansiedade na infância e juventude podem ter uma relação com modelos de medo e ansiedade. Mas não é só aqui que o nosso modelo interfere... o nosso comportamento social, moral e cívico, o nosso modo de resolver problemas, o nosso empenho e profissionalismo são também modelos tendencialmente seguidos por estes. É verdade que, com a chegada da adolescência, começamos a perder impacto, em detrimento das modas e dos pares. Também é verdade que não estamos sozinhos... há outros modelos a interferir e a dificultar as nossas tarefas parentais. Além dos pares, os jogos, a televisão e a Internet têm um papel fundamental, influenciando o comportamento e as atitudes dos nossos jovens com informação e com modelos que, frequentemente, são desadequados e aos quais eles estão expostos repetidamente. Muitas vezes, damos com comportamentos incorretos que são patrocinados por estes modelos. Os comportamentos agressivos, o frequente palavreado obsceno e insultuoso com que nos deparamos na nossa Escola, o modo "abrasileirado" com que muitos jovens falam, vem, muitas vezes, destes meios e acaba por ser generalizado entre pares. Por fim, importa relembrar que programas e jogos violentos promovem a aprendizagem de novas formas de violência, contribuem para uma maior insensibilidade relativa à violência e ao sofrimento dos outros e faz com que a agressão seja percebida como uma estratégia adequada e eficaz para a resolução de problemas e de conflitos. Deste modo sugerimos que: Seja um modelo adequado para o seu filho! Esteja atento à informação com que este tem contacto nos jogos, televisão e Internet, censurando alguns conteúdos desadequados para a faixa etária de crianças e jovens. Aproveite para trabalhar atitudes, valores e princípios quando veem televisão em conjunto, ou quando estão em contacto com diferentes modelos, quer adequados, reforçando-os, quer desadequados, reprovando-os.

25


Plano de Formação Interna - Pessoal Docente Quanto ao Plano de Formação Interna da nossa Escola, continuamos a organizar e a desenvolver Ações de Formação de Curta Duração (AFCD) e Cursos de Formação (CF) com a finalidade de promovermos melhores conhecimentos e competências nos nossos docentes, o que resultará numa melhor prática letiva. Este ano já foram realizadas ou estão a decorrer a(o)s seguintes ações/cursos de formação:

"Observação e análise das práticas de ensino", AFCD de 3 horas que teve como formadora a

nossa professora Lurdes Pato e que contou com a presença de 59 formandos:

"Propostas de operacionalização do Decreto-Lei N.º 54 de 6 de julho de 2018", AFCD que teve como formadora a professora Fernanda Caetano, do Agrupamento de Escolas de Almodôvar, e que contou com a presença de 57 formandos;

"Desenvolvimento de competências sociais e emocionais em contexto educativo", segunda edi-

ção do CF de 25 horas que tem como formador o nosso psicólogo David Fialho e que conta com a participação de 14 formandas;

"Suporte básico de vida", formação de 2 horas desenvolvida pela nossa professora Carmen Conde e que contou com a participação de 17 formandos;

"Supervisão da prática letiva e desenvolvimento profissional", CF de 25 horas que tem como

formadora a professora doutora Isabel Fialho, da Universidade de Évora, e que conta com a participação de 16 formandos;

"Cidadania Digital - Projeto Seguranet", AFCD de 3 horas que teve como formador o professor Rui Gonçalo Espadeiro, do Centro de Competência TIC da Universidade de Évora e que contou com 21 formandos;

26


CLUBE DE PROTEÇÃO CIVIL

Por Carmen Conde, Elisabete Vogado e Susana Balinha

Clube de Proteção Civil Depãrtãmento de Mãtemãticã e Cienciãs Experimentãis Nos dias 19 de dezembro e 16 de janeiro, realizaram-se ações de formação sobre “Suporte Básico de Vida”, dirigidas a docentes e não docentes. Na semana de 21 a 25 de janeiro, foram dinamizadas diversas formações sobre “Suporte Básico de Vida“ aos alunos das turmas do 5.º, 6.º, 9.ºanos e PIEF. Estas sessões foram apresentadas aos alunos a pedido das docentes do Departamento de Matemática e Ciências Experimentais responsáveis pela disciplina de Ciências Naturais nas respetivas turmas (Prof. Andreia Tomé, Mª João Oliveira e Susana Balinha), uma vez que esta temática faz parte integrante dos conteúdos da disciplina. A formação foi dinamizada pela docente Carmen Conde, a qual tem a formação de bombeira. No decorrer da formação, foram dadas muitas informações importantes relativas ao Suporte Básico de Vida (SBV). A articulação realizada com a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Moura, no que diz respeito ao empréstimo do manequim para treino do SBV e da máscara ambu, permitiu que a formação decorresse de forma mais participativa e dinâmica, de acordo com os interesses dos nossos alunos.

27


O SBV consiste num conjunto de procedimentos realizados sem recurso a equipamento específico e que tem como objetivo a manutenção da vida e o ganho de tempo, até à chegada de ajuda especializada.

O SBV inclui: ▪ Avaliação inicial (verificar condições de segurança e se a vítima responde); ▪ Permeabilização das vias respiratórias; ▪ Ventilação com ar expirado (respiração boca a boca); ▪ Compressão do tórax (compressão cardíaca externa);

Em caso de doença súbita ou acidente ligue 112. A chamada é gratuita e está acessível de qualquer ponto do país a qualquer hora do dia. O 112 é o Número Europeu de Socorro, sendo comum, para além da saúde, a outras situações, tais como incêndios, assaltos, etc. A chamada será atendida por um operador da Central de Emergência, que enviará os meios de socorro apropriados. Em determinado tipo de situações, a chamada poderá ser transferida

para o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM. A sua colaboração é fundamental. Faculte toda a informação que lhe for solicitada para permitir um rápido e eficaz socorro às vítimas. Depois de feita a triagem da situação Os operadores dos CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgentes) indicam-lhe a me-

lhor forma de proceder, enviando, se necessário, os meios de socorro adequados. Desligue o telefone apenas quando o operador indicar.

28


Por Alice Rocha

O Clube de Teatro, durante os meses de janeiro e de fevereiro, esteve pouco ativo, pois os alunos inscritos, maioritariamente do 5.ºA e do 6.ºC, deixaram de revelar interesse em participar nas atividades do Clube… Ora, este Clube só funciona em pleno quando os alunos estão verdadeiramente interessados e empenhados em participar. Todavia, no final de fevereiro, um grupo de cinco alunos da turma A do quarto ano, designadamente, Carlota Tiago, Laura Rosado, Miguel Fachadas, Maria Inês Túbal e Rodrigo Banha responderam afirmativamente ao desafio de participarem no Clube de Teatro. E desta forma, o Clube renasceu!

A peça por eles representada “A Igualdade começa em casa” correu tão bem que, no próprio dia, outros alunos da mesma turma, designadamente, António Maria Martins, Beatriz Silva, Inês Bairinhas, João Torres, Leonor Batista e Leonor Mendes, quiseram inscrever-se. Mais tarde, foi a vez dos alunos João Modesto e Eva Martins integrarem o grupo. Desta forma, na primeira semana de março, o Clube de Teatro estava de novo em ação! E que ação! Os alunos representaram a peça “A igualdade co-

meça em casa” nos dias sete e oito de março, para os alunos do primeiro ciclo e do quinto ano e para os encarregados de educação. Na semana seguinte, no dia 15 de março, apresentaram a peça “Ler é bom!”, integrada nas atividades da Semana da Leitura, promovida pela Biblioteca Escolar, às crianças do pré-escolar e aos alunos do primeiro ciclo. No dia 28 de março apresentaram a peça “A Festa da Água!”, no âmbito da comemoração do Dia Mundial da Água, que se celebra no dia 22 de março. Esta peça foi apresenta-

da aos alunos do 1.º ciclo, do 5.ºA e do 8.ºB tal como aos encarregados de educação. Entretanto, foram apresentadas as peças “Viva a Liberdade”, no dia 24 de abril, aos alunos do 1.º ciclo e do sexto ano e aos encarregados de educação, e “Lutar pela liberdade”, no dia 2 de maio, às crianças do pré-escolar e aos alunos do primeiro ciclo.

29


Os alunos que integraram recentemente o Clube de Teatro estão de parabéns por todo o traba-

lho desenvolvido! E estão de parabéns pelo extremo empenho, pela responsabilidade, pela expressividade em cena, pela autonomia, pelo espírito de iniciativa, pela criatividade, pela cooperação e pela qualidade do trabalho desenvolvido! De parabéns estão também os seus pais e demais familiares que têm assistido à representação de algumas das peças, apoiando-os, motivando-os e encorajando-os a ir sempre mais além... Esta presença, que se traduz em amor e afeto, é o melhor que os pais podem dar aos filhos, são as asas que os farão voar a vida toda! O Clube de Teatro pretende contribuir para o desenvolvimento das competências ligadas à leitura, memorização e comunicação bem como para o desenvolvimento da autoestima, da autonomia, do espírito de iniciativa, da cooperação, da criatividade e do espírito crítico. Pretende ainda

contribuir para o alargamento da cultura geral, nomeadamente, para a sensibilização da comemoração de dias históricos ou mundiais, não só nos alunos que participam no clube como nos que assistem às peças. Se quiseres fazer parte do Clube de Teatro, inscreve-te! Os ensaios decorrem das 10:30 às 10:50/11:00 no Refeitório da escola. Participa!

30


DESPORTO ESCOLAR III Encontro de Badminton Realizou-se, no dia 20 de fevereiro, no Agrupamento de Escolas de Amareleja, o 3º encontro de badminton. Estiveram presentes as escolas que fazem parte do quadro competitivo da série E da CLDE BAAL, Agrupamentos de Escolas de Pias e Serpa; Agrupamento de Escolas de Barrancos; Escola Secundária de Moura e Escola Básica de Moura. Este encontro contou com a participação de cento e dezasseis alunos dos vários escalões (infantis A e B Masc/Fem;

iniciados

Masc/Fem;

Juvenis

Masc/Fem).

O Agrupamento de Escolas da Amareleja fez-se representar pelos alunos: infantis A: Micael Martins; João Modesto; João Torres; Miguel Fachadas; Fabiana Martins; Diogo Carrilho e Miguel Ramos. No escalão infantil B: Mafalda Gaspar. Nos iniciados, competiram os alunos: Domingos Lucas; Beatriz Vitorino; Carolina Grilo e Rita Gonçalves. Por último, o escalão juvenil esteve representado pelos alunos: José Varanda; José Carriço; Filipe Branco; Bruna Tito e Maria José Mendes. Destacam-se os alunos do escalão infantil A: Miguel Ramos e Miguel Fachadas, que obtiveram o primeiro e segundo lugares, respetivamente. No entanto, estão todos de parabéns pela forma empenhada com que participaram no torneio. A docente responsável pelo Grupo Equipa de Badminton, bem como os seus atletas agradecem a colaboração dos Professores Sérgio Silva e Marcos Valente e dos Auxiliares de Ação Educativa, D. Elisabete Borges e Sr. Carlos Monteiro e da aluna Vanessa Ferreira que possibilitaram a viabilidade do torneio, já que

para a sua realização foi necessário montar cinco campos de badminton e marcá-los. 31


Grupo Equipa - Futsal 2018/2019 A equipa de Futsal da nossa escola tem vindo a disputar, de forma exemplar, o campeonato de futsal de infantis B masculinos - série B, do distrital de escolas. Partiu para a última jornada com três vitórias, zero empates e duas derrotas, somando onze pontos na classificação final. A uma jornada do final da fase de grupos, podia decidir quem ficaria em primeiro, segundo e terceiro lugares, respetivamente, já que as restantes posições já estariam quase definidas. As duas primeiras equipas do nosso grupo seguiram em frente para de-

frontarem os respetivos primeiro e segundo do grupo da série A. Na deslocação a Cuba, a nossa escola acabou por perder um jogo que esteve muito indefinido do princípio ao fim, terminando num 4 a 2 para a escola de Cuba, seguindo, assim, esta escola em primeiro lugar e a nossa em 3º lugar da geral. De enaltecer a grande evolução das nossas crianças, o empenho e a dedicação, bem como o esforço que demonstraram sempre em querer fazer mais e melhor. PARABÉNS! Foram enormes e para nós foram os melhores de todo o grupo a jogar futebol.

Resultados finais: E.B. Pias - 9 vs Amareleja – 6 E.B. Amareleja – 7 vs E.B. Vidigueira – 4 E.B. Amareleja – 0 vs E.B. Cuba – 4 E.B. Amareleja – 6 vs E.B. Pias – 5 E.B. Vidigueira – 5 vs E.B. Amareleja – 9 E.B. Cuba – 4 vs E.B. Amareleja - 2

Classificação: 1º E.B. Cuba – 16 pontos 2º E.B. Pias – 13 pontos 3º E.B. Amareleja – 12 pontos 4º E.B. Vidigueira – 4 pontos Em Cima: Prof Sérgio Silva, Tomás Ferreira, Rafael Gala, Tomás Pires, Pedro Monteiro, Leonardo Ferreira. Em Baixo: Leonardo Ferreira, Rodrigo Vitorino, José Fontes, Rodrigo Santos. 32

Profile for Jornal Escolar 5 estrelas

Jornal 5 estrelas mai2019  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Jornal 5 estrelas mai2019  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Advertisement