__MAIN_TEXT__

Page 1

1ª Edição 2019/2020

janeiro 2020

I

0,50 Estrelas

SUMÁRIO

GENTES DA NOSSA TERRA Há vinte anos, em 1999, eu vim para aqui, para esta escola, para a instalar com mais dois colegas (…) Aliás, eu disse que só viria para esta escola, para a instalar durante dois anos... pois agora já posso acrescentar um zero. A escola tem um papel educativo/ formativo e através das suas regras bem definidas tem que contribuir efetivamente para modificar essa tendência para a perda de valores. Os jovens alunos de hoje serão os adultos “amanhã” (…) e, se hoje estes nossos alunos modificarem atitudes e comportamentos, melhores adultos se tornarão. pp. 4 a 7 Sala de Aula do Futuro Laboratório de Aprendizagem Inspirada num modelo criado em Bruxelas pela European Schoolnet, a SAF - Laboratório de Aprendizagens - visa contribuir para a melhoria das aprendizagens,

prevenir

o

abandono escolar e incrementar a motivação dos alunos, através da criação de espaços dinâmicos, apelativos e ino-

Editorial

2

Abertura do Ano Letivo 2019/2020

3

Gentes da nossa terra

4

Atividades no Agrupamento

8

Projeto “Vamos Dar o Nosso Melhor”

8

Biblioteca Escolar

23

Programa Integrado de Educação e Formação

24

O que lemos...

27

O que escrevemos...

28

Clube de Proteção Civil

29

Eco-Escolas

30

Clube de Teatro

31

Desporto Escolar

33

vadores. Os temas fundamentais - “Água”, “Resíduos”, “Energia +”, o tema do ano “Comunidades Sustentáveis e / ou Espaços Exteriores”, bem como os temas

O exercício “A Terra Treme” exigiu a

de “Biodiversidade”,

todos um empenhamento ativo na

“Agricultura

Biológica”,

“Floresta”, “Clima e Alterações Climáticas” -

persecução da sua própria proteção e segurança e na de todos os

vão fazer parte das nossas atividades.

que os rodeiam. Pág. 30

Pág. 29


A Escola tem que ter futuro! A nossa Escola tem futuro. A Escola tem que ter valores! N.º1 janeiro 2020 Propriedade

A nossa Escola tem valores. A Escola, como instituição, é um lugar privilegiado para a aprendizagem e o ensino de valores para que se possa

Largo das Flores -

cumprir um desiderato importante que tem a ver com a

7885 Amareleja

vida em sociedade, com o pleno desenvolvimento dos

discentes, com o exercício da cidadania, favorecendo temas transversais como a Solidariedade, a Justiça, a Ética.

Carla Gomes

Neste mundo globalizado marcado por tantas mudanças

Miguel Almeida

tecnológicas e por novos paradigmas culturais e educaci-

jornalescolar

onais, coloca-se à Escola atual um enorme desafio para poder acompanhar a velocidade das transformações. O que a Escola pretende para os seus alunos, como pro-

Docentes do Agrupamento,

jeto educativo, é que, para além do melhor rendimento

Alunos, Assistentes Operacionais

escolar desejado, diminuam os conflitos interpessoais,

e Técnicos Especializados do

por forma a estarem mais abertos à socialização e inte-

Agrupamento.

grarem valores, atitudes e normas na prática social, de modo a que os valores assimilados possam acompanhá-

Paginação e revisão

los para toda a vida. Quando os alunos se fazem entender e entendem os demais colegas, aprendem a respeitar e a escutar o outro, aprendem a ser solidários, tolerantes, a trabalhar colaborativamente em equipa, a compartilhar.

Trimestral

Quando aprendem a ganhar e a perder, a tomar decisões, então a Escola está, de facto, a ajudar os alunos a

Impressão

desenvolverem-se como seres humanos no seu todo.

Reprografia do Agrupamento de

Concretizando, assim, aquela parte do hino do nosso

Escolas de Amareleja

Agrupamento de Escolas “… Todos nesta missão, De ensinar os meninos, A ser homens com coração.”

Francisco Pereira (Diretor)

2


ABERTURA DO ANO LETIVO 2019/2020 No dia 13 de setembro de 2019, no Agrupamento de Escolas de Amareleja, teve lugar a abertura do ano letivo. Durante a manhã e a tarde desse dia, foi efetuada a receção aos mais novos, alunos do pré-escolar e do 1º ciclo. No dia 16 de setembro, foi a vez dos alunos do 5º e 7ºanos e, no dia 17, regressaram à escola os alunos dos 6º, 8º e 9º anos. Como é habitual, o início deste novo ano foi marcado por duas sessões de entrega de diplomas aos alunos que se destacaram pelas suas atitudes e pelo seu aproveitamento de excelência.

Uma das sessões foi realizada pelos elementos da Direção da escola e a outra contou também com a presença do senhor Presidente da Câmara Municipal de Moura, assim como por alguns elementos da sua equipa, afetos à área da educação. Ambas as sessões foram animadas com momentos de música, dança e poesia. Foram momentos de orgulho para toda a comunidade escolar, nomeadamente para os alunos premiados e para as suas famílias.

3


GENTES DA NOSSA TERRA

Por PIEF1

No âmbito da disciplina Formação Vocacional, o PIEF1 realizou entrevistas a membros da comunidade escolar, com vista a compreender o que envolve o funcionamento da escola e as funções de cada elemento. Assim sendo, apresentamos as entrevistas de dois dos entrevistados: o professor Francisco Pereira e o Senhor Tonecas. Qual é o seu nome completo? Francisco Manuel Honrado Pereira Quantos anos tem? Sessenta e dois

Onde nasceu? Amareleja O que estudou? Eu estudei na Universidade de Évora, licenciatura em Ensino e fiz, mais tarde, mestrado em Ciências da Educação na Universidade de Lisboa. De que disciplinas é professor? Sou professor de Português e de Francês. Há quantos anos exerce a sua profissão? Há quarenta e dois anos. Há quanto tempo trabalha cá? Há vinte anos. Sabemos que é professor, mas exerce a função de diretor. Pode-me explicar em que consiste? Há vinte anos, em 1999, eu vim para aqui, para esta escola, para a instalar com mais dois colegas: o professor José Duarte, que se aposentou há pouco tempo, e a professora Marília Duarte que se aposentou há mais tempo, e que é a esposa dele. Nós os três constituímos a comissão instaladora que organizou e instalou esta escola e este agrupamento de escolas, o que, naquela altura, envolveu as diversas localidades mas mais uma. Neste momento, temos Amareleja, Santo Aleixo, Safara e Póvoa de São Miguel. Mas, na altura, tínhamos também a Estrela, que tinha alunos, tinha lá professores e, portanto, funcionava plenamente. Agora está suspensa. E, desde essa altura, que, ao instalar aqui a escola, nós começámos a trabalhar, sendo que o diretor tem hipótese de dar aulas a uma turma, mas eu não dei. Eu não dou aulas a nenhuma turma por uma razão muito simples, porque com a atividade que eu tenho dentro da direção da escola, com reuniões fora, a turma iria ser seriamente penalizada e prejudicada com a minha assiduidade e eu nunca iria prejudicar uma turma, apesar de gostar muito de dar aulas. Aliás, eu disse que só viria para esta escola, para a instalar durante dois anos... pois agora já posso acrescentar um zero.

4


É fácil organizar todos os professores e funcionários?

É até muito fácil. Só depende da liderança, porque nós temos um espírito de missão que realmente pugna por pôr esta escola no mapa do ensino público em Portugal e queremos deixar aqui uma marca que vai certamente perpetuar-se no tempo. Nós passamos pela escola e a escola fica. Virão outras pessoas, novos alunos e o que nós temos que fazer sempre é manter esta escola com qualidade e, para que isso aconteça, contamos sempre com quem está cá. Em primeiro lugar, com os alunos que são o motor desta engrenagem toda, com os professores e com os funcionários, sejam eles operacionais ou técnicos, e com as famílias que é a comunidade. Todos eles são fundamentais para a organização da escola.

Gosta da sua profissão? Porquê? Eu posso dizer que sou daqueles que estou no ensino por vocação, porque gosto da minha profissão. Eu podia ter feito outras coisas. Tive até um convite, na altura, para encetar por outra via de trabalho, mas, como eu achei que queria ser professor, não aceitei o convite.

Quais são as principais dificuldades que enfrenta na sua profissão? Uma das principais dificuldades que esta escola tem enfrentado tem sido a alteração constante dos

seus professores. Só para vocês terem uma ideia, o ano passado entraram para esta escola 52 professores novos, o que não contribuiu para a continuidade que se deseja numa instituição e para a forma como as pessoas se vão envolvendo porque, de repente, desaparecem ou vão para outros lados. E porque vão embora? Por uma razão muito simples. Nesta escola, sendo uma escola periférica, digamos, de Baixo Alentejo interior, temos aqui professores do país inteiro, desde Bragança a Faro. As pessoas, quando puderem mudar para os seus lugares de origem, vão embora. Enquanto a vertente geográfica não for contabilizada pelo Ministério da Educação nos concursos, nós temos sempre esta desvantagem. Apesar disso, vamos mantendo os níveis de qualidade com os docentes que para cá vêm, porque realmente vestem a camisola também e isso é muito importante.

Eu costumo dizer: a escola não se faz de paredes, faz-se de pessoas. E são as pessoas que fazem esta escola e a mantêm viva tal como ela está. Outra das dificuldades passa também pelo número diminuto de assistentes operacionais e isso, muito vezes, põe em causa o bom funcionamento da escola. Tudo isso faz com que nós tenhamos a necessidade de pensar na organização muito seriamente para que as coisas corram bem.

5


Qual é o seu nome completo? António Francisco Martins Anacleto Gosta de ser chamado de Tonecas, porquê? Quando a minha mãe ficou grávida pela segunda vez, não havia ecografias como agora em que sabem, antecipadamente, qual o sexo da criança. Então, a minha mãe, como já tinha um rapaz, pensou que ia ter uma menina. Se tivesse uma filha chamarse-ia Antónia e arranjaram logo ali um diminutivo que era Tóni: “vinha a nossa Tóni, a Tóni”. Não saiu uma “Tóni”, mas um António. A minha mãe nem sequer queria o nome de António, mas, naquela altura, os padrinhos tinham muita influência, por isso fiquei logo batizado como António. A partir daí, passaram a chamar-me Tonecas, um diminutivo de António. Portanto, desde que me lembro, desde que nasci, que me chamam Tonecas e não me importo que os alunos com quem lido aqui me chamem assim também.

Quantos anos tem? Cinquenta e cinco. Onde nasceu? Nasci em Lisboa, na maternidade Alfredo da Costa, e vivo em Amareleja desde 1991. O que estudou? Estudei até aos 17 anos. Aos 17 anos comecei a trabalhar e acabei por fazer o nono ano de escolaridade já a trabalhar. Em 2005, depois de já estar aqui a trabalhar na escola desde 2000, fiz o en-

sino secundário em Moura e, a seguir, tirei um curso superior, em Portalegre, que terminei em dezembro de 2011. Qual é a sua profissão? A minha profissão, neste momento, é encarregado operacional. Há quantos anos exerce a sua profissão? Exerço esta profissão desde 2000.

6


Pode-me explicar em que consiste a sua profissão?

A minha profissão, como encarregado operacional, consiste, principalmente, em distribuir serviço aos meus colegas subordinados e garantir que todos os serviços da escola funcionem. É fácil organizar todos os funcionários? Não há trabalhos fáceis, porque cada dia é um dia e, apesar de termos escalas feitas e tudo bem organizado, há funcionários que entram de baixa, há outros que faltam porque têm de ir a consultas, pode acontecer terem os filhos com algum problema de saúde e têm de faltar. Portanto, podem perceber que é sempre uma gestão diária.

Gosta da sua profissão? Porquê? Sim, porque é sempre um desafio e, como eu sou dado a desafios, gosto deste trabalho. Lidar convosco todos os dias é um desafio e trabalhar nesta escola todos os dias também é. Como gosto de desafios, gosto da profissão. Além disso, gosto de conviver com gente jovem. Quais são as principais dificuldades que enfrenta na sua profissão? Hoje em dia, como devem compreender, as maiores dificuldades que tenho para exercer a minha profissão é a perda dos valores morais que existiam e que me foram incutidos pelos meus pais. São valores que eu tento defender e incutir aos meus filhos, mas vocês sabem e, se não sabem, deviam saber que, hoje em dia, esses valores estão a perder-se. Antigamente, o respeito pelas pessoas mais velhas estava bem presente e, apesar de, por vezes, não terem razão, tínhamos de acatar aquilo que diziam. Hoje em dia, esse respeito tem-se vindo a perder e nota-se uma certa falta de valores morais. Infelizmente, verifica-se que esta situação tem tendência a piorar em vez de melhorar. Na sua opinião, em que medida é que a escola pode contribuir para modificar essa perda de valores? A escola tem um papel educativo/formativo e através das suas regras bem definidas tem que contribuir efetivamente para modificar essa tendência para a perda de valores. Essas regras implementadas, quer pelo Estatuto de Aluno e Ética Escolar ,quer pelo próprio Regulamento Interno, são, muitas vezes, ignoradas pelos alunos e é nosso dever, como adultos profissionais que somos, garantir que essas regras sejam cumpridas. Que conselhos daria, então, aos nossos alunos? Os jovens alunos de hoje serão os adultos “amanhã” e, por sua vez, também terão filhos e os seus filhos também andarão na escola, quer seja nesta ou noutra escola, e, se hoje estes nossos alunos modificarem atitudes e comportamentos, melhores adultos se tornarão.

7


ATIVIDADES NO AGRUPAMENTO

Vamos Dar o Nosso Melhor

Projeto “Vamos dar o nosso melhor” Terminado o ano letivo 2018/19, foram apurados os

Turma

Pontuação

resultados que nos permitem visualizar as turmas 1º lugar

5ºB

41,65

que obtiveram as melhores classificações. Para- 2º lugar

9ºC

39,51

béns àqueles que, ao longo do ano letivo transato, 3º lugar

6ºA

39,21

deram “o seu melhor”!

Este ano , a escola continua a incentivar e a premiar os alunos pela sua atuação responsável e empenhada na escola. Relembramos que este projeto inclui diferentes parâmetros de observação: o comportamento, a assiduidade, o aproveitamento, a participação em atividades de enriquecimento curricular e, pela primeira vez, a presença dos encarregados de educação nas reuniões para as quais são convocados.

Rastreio visual e auditivo

Por Romana Ferreira

Agrupamento de Escolas de Amareleja e Projeto EPIS - Geração de Sucesso - promoveram rastreio visual e auditivo. Uma boa visão e audição são bastante importantes no desenvolvimento da criança, pois influenciam grandemente a aprendizagem, socialização, comunicação e, consequentemente, o seu sucesso escolar. A fim de identificar e prevenir possíveis dificuldades visuais e auditivas, o Agrupamento de Escolas de Amareleja e a EPIS (Empresários pela Inclusão Social), em parceria com as Empresas SP-Ótica de Amareleja e o Centro de Medicina Física e Recuperação de Moura e Acústica Médica promoveram a realização gratuita e com técnicos especializados, de rastreios visuais e auditivos aos vinte e seis alunos do primeiro ano de escolaridade das escolas de Amareleja, Safara, Póvoa de São Miguel e Santo Aleixo da Restauração. Estes rastreios permitiram identificar eventuais problemas de acuidade visual, binocular e auditiva e, quando necessário, foi feito o aconselhamento para consultas nas respetivas especialidades. Para o desenvolvimento de todo este processo, foi fundamental a colaboração das referidas empresas, o apoio da Câmara Municipal de Moura, Juntas de Freguesia de Amareleja, Póvoa de São Miguel e União de Freguesias de Safara e Santo Aleixo da Restauração nos transportes dos alunos até às respetivas empresas e, ainda, a colaboração dos professores titulares, assistentes operacionais e encarregados de educação.

A todos reiteramos os nossos agradecimentos em nome do sucesso escolar dos alunos. 8


Por Maria Cola

Dia da Alimentação

Os meninos do 1º Ciclo vieram ao nosso Jardim de Infância com as Professoras e Assistentes Operacionais. O que fizemos? Conversámos. Ouvimos a canção: “A roda dos alimentos” que o Professor Marco nos deixou gravada. Cinco grupos com meninos e meninas de todas as salas, uniram-se para fazer: 

Batido de banana;

Sumo de laranja;

Sumo de maça;

Sumo de melancia;

Pão com manteiga.

Depois, lanchamos o que escolhemos e fizemos um jogo no polivalente. Gostamos muito desta manhã e ficamos a saber que é importante fazer lanches saudáveis para crescer com saúde. Jardim de Infância e 1º ciclo de Safara

9


Por Natividade Costa

Dia Mundial do Animal

No dia 4 de outubro, as crianças do Jardim de Infância de Amareleja comemoraram o Dia Mundial do Animal. Nos dias antecedentes, foram realizadas diversas atividades, tais como: conversas e registos sobre os direitos dos animais; explorações e pesquisa de características dos animais, habitat, alimentação, locomoção, nascimento, etc; jogos de imitação de som e locomoção dos animais; atividades de expressão plástica na

elaboração de desenhos, pinturas e confeção de máscaras. Fomentou-se nas crianças o respeito pelos animais e a importância de se preservar os animais em vias de extinção.

Dia de São Martinho

Festejámos o S. Martinho a galopar pelo espaço exterior do jardim de infância de Amareleja. Os nossos cavalos foram elaborados com material reciclado e ficaram “fantabulásticos”. As atividades desenvolvidas foram centradas na lenda de S. Martinho, focadas no valor da partilha e solidariedade. As crianças da sala 1 apresentaram a dramatização da lenda de S. Martinho aos grupos 2 e 3 e aos alunos do 1º CEB. Também foram apresentadas, no 1º CEB, canções e poesias por todas as crianças do jardim de infância de Amareleja. As atividades culminaram com o convívio e magusto.

10


Caminhada Solidária

Por Lúcia Martins

No passado dia 31 de outubro, realizou-se, na vila de Amareleja, a “Caminhada Solidária Contra o Cancro da Mama”, na qual se inscreveram noventa e três pessoas. O valor total angariado nas inscrições reverteu a favor da Liga Portuguesa Contra o Cancro. O objetivo da caminhada foi o de divulgar os apoios existentes na Delegação Local e, em simultâneo, angariar fundos, pois o cancro da mama é uma das principais causas de morte entre as mulhe-

res. Em Portugal, anualmente,

são

detetados

cerca de 6.000 novos casos de cancro da mama e cerca de 1.500 mulheres morrem com esta doença. Esta iniciativa foi organizada pelo Agrupamento de Escolas de Amareleja, em parceria com a Delegação de Moura da Liga Portuguesa Contra o Cancro e com o apoio da Junta de Freguesia de Amareleja.

Obrigada a todos pela vossa colaboração e participação!

Palestra “Roma Models”

Alice Rocha e Lúcia Martins

No dia 18 de novembro, realizou-se, na biblioteca da escola sede, a palestra “Roma Models” que teve como oradores Bruno e Sónia Prudêncio, ambos de etnia cigana. Estes transmitiram os seus testemunhos de vida, incidindo no percurso profissional e académico e no modo como conseguiram superar as contrariedades encontradas, tanto no seio familiar como na comunidade de origem. Assim, focaram aspetos como: importância da relação escola-família e do acompanhamento dos pais; obstáculos do dia a dia na escola e perante a sociedade; integração no ensino secun-

dário e no ensino superior (por parte dos colegas e docentes) e valorização da escola. A palestra contou com a presença dos alunos, encarregados de educação e representantes das várias instituições que promoveram e apoiaram a atividade (Projeto Despert@rte - E7G da ADCMoura; Projeto de Mediadores Municipais e Interculturais; Câmara Municipal de Moura e o nosso Agrupamento). Como bem disseram os oradores, “Todos os sonhos podem realizarse, mas para isso tens que lutar por eles!”

11


Sala de Aula do Futuro Laboratório de Aprendizagem

Por Carla Reis e José Manuel Ferreira

No dia 14 de novembro foi inaugurada a Sala de Aula do Futuro (SAF) - Laboratório de Aprendizagens - na escola sede do nosso Agrupamento, no âmbito do PESIM - Plano Educativo para o Sucesso e Inovação em Moura, da Câmara Municipal de Moura. A cerimónia de inauguração contou com a presença do Executivo e colaboradores de diversas áreas da Câmara Municipal de Moura, do presidente da Junta de Freguesia de Amareleja, dos elementos

da Direção do Agrupamento de Escolas de Amareleja, docentes, alunos, pessoal não docente e representantes de Encarregados de Educação. Inspirada num modelo criado em Bruxelas pela European Schoolnet, a SAF - Laboratório de Aprendizagens - visa contribuir para a melhoria das aprendizagens, prevenir o abandono escolar e incrementar a motivação dos alunos, através da criação de espaços dinâmicos, apelativos e inovadores. Esta sala constitui um espaço tecnologicamente rico,

equipado com tablets, computador portátil, quadro e painel interativos, impressora 3D, kits de robótica e equipamentos de áudio e vídeo. Está dividida em seis áreas distintas: Interagir, Apresentar, Investigar, Criar, Desenvolver e Partilhar, as quais permitem que os alunos aprendam num ambiente mais dinâmico, onde se estimula a interdisciplinaridade e a articulação curricular entre as diferentes matérias das diversas disciplinas. Através deste espaço impulsionador de metodologias ativas e diferenciadoras, à disposição de todos os que dele pretenderem usufruir, procuraremos dar mais e melhores respostas em prol do sucesso educativo dos nossos alunos.

12


“Estendal dos Direitos” - Campanha Nacional do 30º Aniversário da Convenção dos Direitos da Criança

Por Lúcia Martins

O GAAF (Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família), através da TIL (Técnica de Intervenção Local) participou na campanha nacional do 30º aniversário da Convenção dos Direitos da Criança – “Estendal dos Direitos”, com trabalhos elaborados pelos alunos, onde foram escritas mensagens, de forma a divulgar e assegurar os DIREITOS DA CRIANÇA. Os trabalhos dos alunos do 1º, 2º e 3º ciclos estão expostos nos estabe-

lecimentos de comércio e nas instituições locais. No átrio da escola, estão os trabalhos das crianças do pré-escolar. Esta iniciativa teve como objetivo sensibilizar a comunidade e aumentar a consciência pública sobre este tema. Obrigada a todos pela colaboração!

13


Visita de Estudo a Monsaraz - 7ºAno

Por Carla Vasconcelos, Elisabete Vogado e Lurdes Pato

No dia 26 de novembro de 2019, realizou-se uma visita de estudo a Monsaraz, no âmbito das disciplinas de História, Geografia e Físico-Química. Nesta visita, os alunos foram conhecer o Observatório do Lago Alqueva (OLA), onde visitaram o Sistema Solar à Escala, no recinto do OLA, e exploraram o programa Stellarium.

Em seguida, foram fazer a visita ao circuito megalítico de Monsaraz: cromeleque do Xerez, Monsaraz; anta 1 do Olival da Pêga e menir da Rocha dos Namorados, em S. Pedro do Corval.

Em S. Pedro do Corval, foram ainda visitar "A casa do Barro", onde tiveram a oportunidade de pintar um prato.

14


Literacia 3Di

Por Miguel Almeida

A LITERACIA 3Di está de volta e apresenta-se com uma nova imagem, assumindo-se como o Campeonato Nacional de Literacia 3Di. Este posicionamento reflete o reconhecimento da iniciativa pelas comunidades educativas, parceiros e muitas outras entidades que, desde a primeira edição, se envolvem na LITERACIA 3Di, que, aliás, foi merecedora do Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República. Nesta quinta edição, a estruturação das provas manteve-se. Assim, fazendo uso da plataforma Escola Virtual, os alunos do 5.º B responderam a questões de Matemática, os do 6.º B realizaram a prova de Ciências, no 7.º A fizeram a prova de Leitura e os alunos do 8.º B realizaram a prova de Inglês, que continua a ser preparada pela equipa da Cambridge Assessment English, enquanto as restantes provas são elaboradas por uma Comissão Científica. As provas decorreram nas semanas entre os dias 17 e 29 de novembro, tendo os alunos realizado as provas relativas à primeira fase do Concurso deste ano na sala de Informática. Os alunos vão agora aguardar pelos resultados para aferir se passarão à segunda fase do Concurso (fase regional), a realizar em Beja, durante o segundo período. Recorde-se que, na fase nacional, os alunos que obtiverem sucesso serão consagrados Cam-

peões da Literacia e receberão os respetivos prémios.

15


Por Carla Reis

Dia Nacional da Cultura Científica

O Dia Nacional da Cultura Científica assinala-se a 24 de novembro. Este dia foi escolhido por ser aquele em que nasceu Rómulo de Carvalho (em 1906), professor de Física e Química, responsável pela promoção do ensino da ciência e da cultura científica em Portugal. Rómulo de Carvalho foi também poeta, sob o pseudónimo de António Gedeão.

Para comemorar este dia, celebrar a ciência e despertar o interesse pela mesma, o Departamento de Matemática e Ciências Experimentais promoveu a realização de diversas atividades para os alunos do Agrupamento.

No âmbito da disciplina de Matemática, os alunos dos 1.º, 2.º e 3.º ciclos participaram em jogos do Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos. Deste campeonato fazem parte os seguintes jogos: semáforo, gatos & cães, rastros, produto e dominório. Estes jogos têm vindo a entusiasmar cada vez mais os alunos do nosso Agrupamento, que descobrem neles uma componente lúdica e criativa que, associada ao pensamento rigoroso, se revela uma maisvalia para a aprendizagem da Matemática.

Os alunos das turmas do 8.º ano realizaram trabalhos de pesquisa sobre matemáticos que, ao longo da história, se tornaram célebres e elaboraram pequenos cartazes que foram expostos no espaço escolar. Esta atividade teve como objetivos mostrar a evolução dos conceitos matemáticos ao longo do tempo, destacar a importância da Matemática no progresso da ciência e, principalmente, motivar para o estudo desta área curricular. Ao longo da atividade, os alunos tiveram a possibilidade de descobrir que grandes génios passaram, também, por dificuldades no decorrer de seus estudos, mas que isso não os impediu de terem sucesso.

16


Os alunos do PIEF organizaram uma exposição de trabalhos realizados em sala de aula, alusivos aos sólidos geométricos. Foi dinamizada pelas docentes de Físico-Química uma sessão para os alunos dos 7.º e 8.º anos, na qual assistiram a vídeos e realizaram um quiz sobre os 50 anos da chegada à Lua. Esta sessão possibilitou a abordagem de assuntos de cultura científica que são do interesse dos alunos e que os motivam para o estudo dos temas relacionados com a ciência, num ambiente mais informal e descontraído.

Os alunos do 3.º A e 4.º A tiveram oportunidade de realizar experiências em contexto de sala de aula, dinamizadas pelas docentes de Ciências Naturais, no âmbito das Ciências Experimentais no 1.º ciclo. Contamos com novas atividades no próximo ano!

17


Por Miguel Almeida

Tea Break

Tea Break

+

Convívio na sala de professores

Realizou-se, no dia 11 de dezembro, mais um Tea Break, atividade dinamizada pelo Departamento de Línguas e que já leva tradição na nossa escola. Este ano, para além dos deliciosos Brownies, tivemos também os tradicionais Scone, o bolo inglês, diversos chás, as cookies e muitas entre outras iguarias típicas da gastronomia anglo-saxónica. Foi um merecido break para convívio nesta época festiva entre toda a comunidade educativa. Ficam as fotos da atividade e a lembrança de um momento degustativo bem passado.

18


Spelling Bee

Miguel Almeida

No dia 17 de dezembro, realizou-se o concurso “Spelling Bee” no Agrupamento de Escolas de Amareleja, entre as 10h50 e as 13h15, conforme planeado. O concurso decorreu dividido em duas partes. Na primeira parte, estiveram em concurso os alunos de 3º ciclo. Estiveram em concurso 13 alunos. Para uma segunda fase, a decorrer no segundo período, ficaram apurados os alunos António Ruivo e João Caeiro do 9ºB; Manuel Piteira do 8ºA e Rodrigo Santos do 7º B.

Na segunda parte do concurso, estiveram em prova alunos do 2º ciclo. Nesta fase, o concurso decorreu até ao fim por várias rondas, tendo sido declarada vencedora a aluna do 6ªB, Ana Carapuça. Em 2º e 3º lugares, ficaram, respetivamente, as alunas Laura Rosado, do 5ºA, e Maria Inês Reis, do 5ºB. Todos os participantes irão receber um certificado de participação.

19


Campeonato de Jogos Matemáticos de Final de Período

Por Carla Reis

No dia 17 de dezembro, realizou-se, na Escola Básica de Amareleja, um Campeonato de Jogos Matemáticos, promovido pelo Departamento de Matemática e Ciências Experimentais. Esta atividade contou com a participação de 58 alunos dos 2.º e 3.º ciclos, tendo sido disputadas várias partidas dos jogos Gatos & Cães, Rastros, Produto e Dominório. Os participantes mantiveram, tal como se desejava, um espírito de competição saudável, respeiVENCEDORES tando-se mutuamente. Todos se divertiram e Gatos & Cães

Julieta Fialho - 6.º A

Depois de disputadas todas as eliminatórias,

Rastros

Miguel Fachadas - 5.º A

foram apurados os vencedores em cada um

Produto

Francisco Santana - 9.º A

dos jogos, aos quais foi atribuído um prémio

Dominório

Luís Pelicano - 9.º B

colaboraram, convivendo e jogando!

simbólico. Foi, acima de tudo, uma tarde bem passada!

Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos

No 2.º período, o Departamento de Matemática e Ciências Experimentais irá dinamizar novos campeonatos de jogos para fazer o apuramento dos alunos que vão representar o Agrupamento de Escolas de Amareleja na Final do Campeonato Nacional de Jogos Matemáticos. Esta irá decorrer no dia 20 de março de 2020, na Universidade de Aveiro!

Informa-te junto do teu professor de Matemática e... não percas a oportunidade de participar! 20


Projetos Intergeracionais Postais de Natal

Por Ana Margalha

No dia 17 de dezembro, os alunos do 5.º A, em representação dos alunos do 2.º e 3.º ciclos, foram dar os votos de Boas Festas aos utentes do Centro Social de Amareleja. Conduzidos pelo professor Marco Teixeira, cantaram uma música de Natal e entregaram alguns postais de Natal, elaborados nas aulas de Educação Tecnológica e Educação Visual. Esta visita proporcionou aos utentes do lar e aos alunos momentos de convívio e alegria partilhada. Esta atividade realiza-se todos os anos numa articulação entre o Conselho de Diretores de Turma e o departamento de Expressões e tem como objetivo promover o encontro entre gerações e a troca de experiências.

Lúcia Martins

Exposição de Pais Natais

O GAAF (Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família) organizou uma exposição de Pais Natais que teve como finalidade envolver toda a comunidade educativa nesta iniciativa destinada a alunos, docentes, pais/encarregados de educação e assistentes operacionais/técnicos. No átrio da sede do Agrupamento estão expostos os Pais Natais até ao dia 9 de janeiro de 2020. Obrigada a todos os participantes pela criati-

vidade dos trabalhos realizados! 21


Por Alice Rocha

Cidadania e Direitos Humanos

Numa sociedade cada vez mais competitiva, cada vez mais individualista, cada vez mais solitária, cada vez mais global, cada vez mais virada para o sucesso rápido, fácil e a todo o custo, cada vez mais virada para a aparência, cada vez mais materialista, cada vez mais hedonista e ainda pouco respeitadora do outro, cabe à escola o importante papel de educar as crianças e os jovens, se possível em estreita colaboração com os pais e as famílias, para os valores da cidadania. A função de transmissão/reprodução de conhecimentos já não é por si só a principal tarefa da escola. No contexto atual - social, cultural e educativo - cabe à escola o grande desígnio e, simultaneamente, o

grande desafio de centrar a sua ação no importante papel e na extraordinária missão de educar as crianças e jovens, de modo a que sejam futuros cidadãos/cidadãs autónomos, cooperativos, colaborativos, solidários, respeitadores da diferença, tolerantes, inclusivos, informados, capazes de resolver problemas, críticos, responsáveis, interventivos, comunicativos, assertivos, curiosos, inovadores, flexíveis, criativos e felizes. Cidadãos/cidadãs que sejam também capazes de observar, estar atentos, analisar, questionar, refletir e agir de acordo com os valores de cidadania, de modo a contribuir para uma sociedade mais solidária, mais justa e mais humanista. A educação das crianças e jovens nos valores e para os valores de uma verdadeira cidadania democrática decerto contribuirá para que os problemas atuais, com repercussões à escala global, co-

mo as crises humanitárias, a discriminação, a intolerância, as migrações forçadas, o desrespeito pelo outro, o racismo, a xenofobia, as desigualdades no acesso a direitos fundamentais, a violência doméstica, os movimentos extremistas/radicais, os crimes cibernéticos, as alterações climáticas, o consumismo desenfreado que leva à insustentabilidade ambiental, entre outros, deixem de existir (ou pelo menos sejam reduzidos na sua frequência e intensidade) e permitam ao Homem, isto é, a todos os homens e mulheres, crianças e jovens, manter a sua humanidade e dignidade. Simultaneamente, deseja-se que este respeito pelo outro se estenda ao respeito pela Natureza. É, indubitavelmente, no diálogo tolerante e pluralista, no pleno exercício dos direitos e deveres e no respeito pelo outro e pelos direitos humanos que se vivencia a verdadeira cidadania democrática consubs-

tanciada nos conceitos de igualdade, liberdade, justiça e fraternidade. Setenta e um anos após a proclamação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, vale a pena perguntar: estes direitos básicos, universais, são efetivamente garantidos a todos os homens e mulheres do mundo inteiro? Infelizmente, a resposta é "Não". Constatamos, então, que ainda há um longo caminho a percorrer em toda a Humanidade. Mas a Humanidade é um somatório de cada um de nós. Por isso, se cada um de nós mudar, a Humanidade também mudará. Em vésperas do início de mais um ano (já serão 20 depois do ano dois mil), façamos todos um esforço de, como vem expresso no 1.º direito da Declaração Universal, agirmos uns para com os outros em espírito de fraternidade!

22


BIBLIOTECA ESCOLAR

Por Delfina Veladas

São Martinho Celebrámos o S. Martinho na nossa escola. Os alunos do Pré-escolar e 1º ciclo fizeram um magusto. Comeram castanhas assadas e ouviram uns meninos a declamar poesias. Alguns alunos do 3º e 4º anos foram declamar poesias alusivas à data, nos vários espaços, nomeadamente nas salas dos 1º e 2º ciclos, na Direção e na Biblioteca. Foi uma atividade muito divertida.

Biblioteca e Leitura - “Vozes em Rede” No âmbito do dia Nacional das Bibliotecas Escolares, os alunos do 5º ano realizaram a atividade "Vozes em Rede”. Depois do diálogo, foi elaborado um mapa concetual.

Outubro: Mês Internacional das Bibliotecas Escolares Comemorou-se, no dia 28 de outubro, o Dia Mundial das Bibliotecas Escolares. No nosso Agrupamento decorreram várias atividades. Na atividade "Vamos Ler", os alunos do 2º ano de escolaridade leram textos da sua autoria para algumas turmas do 1º , 2º e 3º ciclos e na sala 1 do préescolar, para Assistentes Operacionais, Técnicos da Secretaria e elementos da Direção.

Feira do Livro na EBI de Amareleja Decorreu, de 2 a 16 de dezembro, a VIII Feira do Livro na nossa escola. Toda a comunidade foi convidada a visitar a feira e a apreciar os livros que estiveram expostos. Não se esqueçam de que: “Há viagens que não precisam de combustível. É só abrir um livro.” 23


PROGRAMA INTEGRADO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO

Por Rita Martins

Horta do PIEF Nas primeiras semanas de aulas, os PIEF 1 e 2 procederam à limpeza do espaço dedicado à horta e às ervas aromáticas. De seguida, a Junta de Freguesia de Amareleja lavrou uma parte da terra da horta e deixou substrato para misturar na terra. Passado pouco tempo, semearam alfaces, alhos, favas, espinafres, curgete, nabos, nabiças e ervilhas. Plantaram alfaces, couve penca, rabanete, chuchu, couve coração, alho francês e morangos. Nas ervas aromáticas plantaram alecrim, coentros, salsa e orégãos, assim como cidreira, rúcula e

hortelã-menta. Assim, agradecemos à Junta de Freguesia de Amareleja a ajuda prestada.

Dia Mundial da Alimentação Para assinalar o Dia da Alimentação, que se comemorou no dia 16 de outubro, os alunos do PIEF pesquisaram sobre o tema da alimentação saudável, realizaram cartazes e confecionaram espetadas de fruta e gelatinas que venderam à comunidade escolar. O PIEF 1 confecionou gelatinas de vários sabores que também venderam à comunidade escolar. Já as espetadas de fruta foram realizadas pelo PIEF 2, na disciplina de Matemática e Realidade, pelo que consistiam em sequências de sólidos geométricos. Esta iniciativa teve como objetivo alertar para a importância de termos uma alimentação saudável.

24


Dia Internacional da Erradicação da Pobreza No passado dia 17 de outubro, comemorou-se o Dia Internacional da Erradicação da Pobreza. Assim, os PIEF 1 e 2 pesquisaram informações sobre a pobreza, na disciplina de Viver em Português (o que é e formas de a combater). Com as informações recolhidas fizeram um mural para alertar a comunidade escolar para o problema.

Halloween No dia 31 de outubro, celebrou-se o Dia das Bruxas. O PIEF 1 realizou uns enfeites relacionados com o dia, na disciplina de Formação Vocacional, pesquisou o porquê dele existir e fez um bolo de abóbora, em Viver em Português. Em Educação Artística pintaram, em sacos, pequenos abóboras, fantasmas e caveiras. Estes sacos serviram para colocar pipocas. Por sua vez, o PIEF 2 realizou modelagem de balões, na aula de Matemática e Realidade, que entregou a todos os meninos do Pré-escolar e do 1.ºCiclo da EB de Amareleja.

São Martinho No dia 11 de novembro, no âmbito das atividades de São Martinho, realizou-se uma venda de castanhas, no átrio da escola. Na semana anterior, foi realizada pelo PIEF 1 a pesquisa da lenda de

São Martinho e efetuadas decorações sobre o dia. Já o PIEF 2 escreveu a lenda de São Martinho em poesia, tendo feito também uma pesquisa sobre os provérbios da época. Em Matemática e Realidade, realizaram cartazes de publicidade e uma tabela de registo do que vendiam.

25


Dia Europeu para a Proteção das Crianças

contra a Exploração e o Abuso Sexual No dia 18 de novembro, para assinalar o Dia Europeu para a Proteção das Crianças Contra a Exploração e os Abusos Sexuais, a turma do PIEF 1 foi às turmas do pré-escolar apresentar a história “O Kiko e a mão”. Esta história explica às crianças o que é bom toque e o mau toque. No final, as crianças receberam uma lembrança para entregar aos encarregados de educação e/ou pais, com o objetivo de os sensibilizar e alertar! As crianças e as professoras receberam-nos muito bem.

Dia Internacional dos Direitos da Criança

O Dia Internacional dos Direitos da Criança celebrou-se no passado dia 20 de novembro. Para o assinalar, as turmas do PIEF realizaram o seu “Estendal dos direitos” para ser exposto no comércio local. No dia seguinte, o PIEF 2 ainda recebeu, na Biblioteca, as turmas do

1.ºCiclo da EB de Amareleja para lhes contar a história “Uma aventura na terra dos direitos”. Esta atividade teve como objetivo explorar os direitos das crianças e o como são diferentes ao redor do mundo, celebrando, assim, o 30.º aniversário da Convenção dos Direitos da Criança.

26


O QUE LEMOS... O Cavaleiro da Dinamarca é um livro com uma descrição bastante pormenorizada dos locais. A história acaba por transmitir uma mensagem muito importante: ao longo da sua viagem, o Cavaleiro enfrenta vários obstáculos, mas faz tudo para

poder

cumprir

a

promessa

que

tinha

feito

à

sua

família.

Domingos Lucas, 8ºA

Gostei de ler o livro O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá pelo facto de ser uma his-

tória de amizade e de amor entre dois animais de espécies completamente diferentes, um gato e uma andorinha. O livro cativou-me por mostrar que, apesar de existirem diferenças entre os dois animais, eles conseguiram manter uma amizade. Tratase de uma história onde as personagens são animais, mas que facilmente se aplica ao ser humano.

Rita Marques, 8ºA

Gostei de ler o livro História de um Gato e de um Rato que se Tornaram Amigos, porque passa uma mensagem sobre o valor da amizade que facilmente pode ser transposta para a realidade. Infelizmente, na nossa sociedade, vemos quem discrimine pessoas com algum tipo de problema, o que não se compreende. O nosso dever é ajudar e não discriminar. António Ruivo, 9ºB

Gostei de ler o livro O Braço Esquerdo de Deus, porque é uma crítica bastante subtil ao mal e à violência usada pela Igreja, em nome de Deus. É interessante ver tudo o

que a personagem principal enfrenta para fugir desse ciclo vicioso que a religião foi e continua, inclusivamente nos dias de hoje. O livro mostra-nos ainda como uma amizade nos pode mudar, tornando-nos mais fortes. Marina-Letícia, 9º A

Gostei do livro O Sorriso Das Estrelas. Achei interessante a história. Este livro fala de um romance e de uma paixão entre duas pessoas; ensina que nos podemos apaixonar no momento em que não esperamos e, quando amamos uma pessoa, sentimos a sua falta e fazemos de tudo para estar com ela. Tiago Alves, 9º A 27


O QUE ESCREVEMOS... A Terra, o mar, As florestas, a Natureza, Tudo o que é belo acabará Como o pó na minha mão. Incêndios, bombas, poluição, guerras, Só há uma opção: Mudem, criem, reciclem. Só nós podemos mudar,

Mª Laura

Ou então nunca mais conseguiremos estar

Pão Duro, 9ºA

No planeta que viemos para ficar. Francisco Santana, 9ºA

Atenção, pois o Mundo está cada vez mais poluído: Beatas, tampas, sacos de plástico estão a Invadir os nossos mares. Então, vamos reciclar, Não vamos poluir. Temos que cuidar do nosso planeta!

João Lavado, 9ºA

Está na hora de ajudar! Diana Costa, 9ºA

Estás ligado? Antigamente, não havia tantos aparelhos eletrónicos e nem eram tão acessíveis como na atualidade, nomeadamente os telemóveis. Hoje em dia, a maioria dos jovens tem telemóvel e está sempre ligado a ele. Até parece que o telemóvel tem o dom de os atrair, por isso, discute-se muito se será benéfico ou prejudicial o uso de telemóveis na sala de aula. Na minha opinião, pode ter as duas vertentes: benéfico, porque pode-se trabalhar através dele, fa-

zendo pesquisas sobre determinados temas abordados na sala de aula ou respondendo a perguntas sobre a matéria. Também pode ser útil para poder ouvir música em determinadas aulas, como Educação Visual, Educação Tecnológica, Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Física (nas aulas mais práticas). Torna-se mais estimulante para os alunos trabalhar no telemóvel do que no caderno. Por outro lado, pode ser prejudicial, uma vez que os alunos podem fazer mau uso do telemóvel, utilizando-o para ir às redes sociais e publicar informações sobre as aulas, através de fotos, vídeos ou diretos, transmitindo uma imagem irreal do que realmente se passa dentro da sala de aula. Concluo que deve ficar ao critério do professor o uso ou não do telemóvel nas suas aulas. Maria Clara Tiago, 8ºB 28


Por Elisabete Vogado

CLUBE DE PROTEÇÃO CIVIL

Decorreu, no dia 31 de outubro, na escola-sede do Agrupamento, mais uma sessão de recolha de sangue, promovida pelo serviço de Imunohemoterapia do Hospital do Baixo Alentejo e organizada pela docente Elisabete Vogado. Toda a comunidade escolar foi convidada a participar, ten-

do o feedback sido bastante positivo: vinte e quatro doações. Não podemos esquecer que com esta iniciativa estamos a salvar vidas. Um bem-haja a quem contribui para esta causa!

Exercício Público para o Risco Sísmico O exercício nacional A TERRA TREME realizou-se no dia 15 de novembro, pelas 11h15. Esta iniciativa foi promovida pela Autoridade Nacional de Proteção Civil e procurou chamar a atenção para o risco sísmico e para a importância de comportamentos simples que os cidadãos devem adotar em caso de sismo, mas que podem salvar vidas. Teve a duração de apenas um minuto, durante o qual os participantes foram convidados a executar os três gestos que salvam: BAIXAR, PROTEGER E AGUARDAR. Após estes três gestos, toda a comunidade educativa se dirigiu para o ponto de encontro da escola, de forma ordeira e organizada. Este

exercício foi um ato de cidadania, um compromisso cívico que exigiu a todos um empenho ativo na persecução da sua própria proteção e segurança e na de todos os que os rodeiam. Estão todos de Parabéns!! Para o próximo período há mais. Porque TODOS SOMOS PROTEÇÃO CIVIL!

29


Por Lília Fernandes e Esmeralda Henriques

ECO-ESCOLAS

Desde o ano letivo 2003-2004 que a nossa escola se encontra inscrita no Programa Eco-Escolas, sempre atenta às preocupações ambientais, à sustentabilidade e à cidadania. Este ano letivo, mantemos o nosso compromisso e cá estamos para promover novas atividades. Os temas fundamentais - “Água”, “Resíduos”, “Energia +”, o tema do ano “Comunidades Sustentáveis e /ou Espaços Exteriores”, bem como os temas “Biodiversidade”, “Agricultura Biológica”, “Floresta”, “Clima e Alterações Climáticas” - vão fazer parte das nossas atividades. Neste primeiro momento, procedeu-se à auditoria ambiental, um questionário abrangente e que

tem em consideração as atividades desenvolvidas na nossa escola com impacto sobre o Ambiente, designadamente: o lixo (resíduos sólidos), a utilização da água e da energia – (temas-base de trabalho de uma Eco-Escola), o espaço interior e exterior da escola, no que diz respeito ao ruído, aos recreios, à alimentação praticada pelos alunos e aos transportes utilizados na sua deslocação para a escola. O dia 27 de setembro foi assinalado com a Greve Climática Global e, como tal, a nossa escola teve a Bandeira Verde a meia haste, entre 27 e 30 de setembro, como símbolo de pesar e de alerta para a urgência de medidas para inverter as altera-

ções climáticas. Neste âmbito, foi selecionada uma das árvores do exterior da escola como "a árvore dos compromissos”, onde cada aluno, professor, funcionário, encarregado de educação e outros pudessem deixar o seu compromisso devidamente identificado sobre o que pode e quer fazer pelo clima.

Feira da Vinha e do Vinho À semelhança dos últimos anos, o nosso Agrupamento fez-se representar com um stand na XVIII

Feira da Vinha e do Vinho de Amareleja, que decorreu de 6 a 8 de dezembro. O stand do Agrupamento de Escolas de Amareleja foi decorado com base na política de 3 R's: reduzir, reutilizar e reciclar, ações práticas que visam minimizar o desperdício de materiais e produtos, além de poupar na Natureza. A exposição patente no nosso stand refletiu as preocupações ambientais do Agrupamento, motivando toda a comunidade educativa e local para a problemática ambiental, na tentativa de educar a nova geração para a preservação do planeta, protegendo os oceanos e a floresta - Geração Azul e

Verde. Graças à criatividade, é possível reaproveitar diversos materiais para novas funcionalidades, evitando a produção de resíduos. 30


Por Alice Rocha

O Clube de Teatro do nosso Agrupamento está de parabéns pelo trabalho desenvolvido até ao momento! Os quinze alunos inscritos já apresentaram três pequenas peças desde o início do ano letivo. A primeira peça, intitulada “Da Monarquia à República”, foi apresentada no dia 4 de outubro, nas respetivas salas de atividades/ aulas, às crian-

ças do préescolar e aos alunos do primeiro ciclo e da turma A do quinto ano. Com a apresentação desta peça pretendeu-se comemorar a implantação da República.

A segunda peça intitulava-se “Uma lição de alimentação” e foi apresentada na Biblioteca da escola sede, nos dias 16 e 18 de outubro, às crianças do préescolar, aos alunos do primeiro ciclo e aos alunos do 5.ºA, 6.ºA e 6.ºB. Com esta peça sensibilizaram-se os alunos para a importância de uma alimentação saudável que deve ser variada e equilibrada, devendo-se reduzir o consumo do sal, açúcar, fritos e gorduras.

31


A terceira peça, intitulada “As virtudes do vinho”, foi apresentada à comunidade na inauguração

da Torre do Relógio, no dia 9 de novembro, ficando também agendada a sua apresentação na Feira da Vinha e do Vinho, mais concretamente no dia 8 de dezembro, pelas 20 horas. Para além disso, alguns alunos do Clube de Teatro declamaram poemas aquando da cerimónia da entrega do prémio de mérito escolar “Corino de Andrade”, no dia 10 de outubro, e a propósito da comemoração do Dia da Cultura Científica, no dia 28 de novembro (na Secretaria, Direção, Sala de Professores e à turma do 5.ºA). Ao longo do ano letivo, serão apresentadas mais peças sempre com o objetivo de comemorar factos históricos e culturais, promover uma cidadania ativa no âmbito da proteção da natureza e do ambiente, da defesa dos direitos humanos e da igualdade de género. As peças serão dirigidas a toda a comunidade escolar, desde as crianças do pré-escolar aos alunos do 9º ano, não esquecendo as turmas do PIEF. Os alunos do Clube de Teatro têm sido responsáveis e empenhados, abdicando, muitas vezes, do tempo destinado ao intervalo da manhã para ensaiar. Para além disso, são muito criativos e expressivos em palco!

Com a participação no Clube de Teatro, pretende-se: Promover hábitos de leitura; Aperfeiçoar o domínio da língua portuguesa (expressão oral e escrita); Desenvolver a expressividade, a colocação de voz e a expressão motora; Desenvolver a criatividade e o sentido estético; Contribuir para o desenvolvimento da autoestima, da autoconfiança e da autonomia; Ajudar a capacitar os alunos para falarem em público ou para públicos alargados; Melhorar a relação interpessoal; Desenvolver o espírito crítico, o sentido de responsabilidade e a capacidade de intervir; Promover o trabalho em equipa, o espírito de partilha e o respeito pelas normas básicas de convivência em grupo; Promover atitudes de diálogo, argumentação, compreensão e tolerância; Possibilitar de uma forma lúdica, através dos temas selecionados, a interiorização de valores como o respeito pelo Ambiente, a cidadania, a tolerância, a amizade, a cidadania europeia, entre outros; Contribuir para o enriquecimento cultural de toda a comunidade educativa através, por exemplo, de peças que divulguem a vida e a obra de personalidades históricas ou de factos históricos; Contribuir para o crescimento pessoal dos alunos; Melhorar a participação dos pais e encarregados de educação na vida escolar; Colaborar com as várias estruturas educativas (clubes, departamentos, etc.) e instituições locais (Junta de Freguesia, Ludoteca, Câmara Municipal de Moura), entre outras. Por tudo isto, os pequenos atores e atrizes estão de parabéns! Resta relembrar que o Clube de Teatro está aberto a novas inscrições... Se gostas de representar, inscreve-te! 32


DESPORTO ESCOLAR

Pelos docentes de Educação Física

European School Sport Day O grupo de Educação Física da nossa escola aderiu, este ano letivo, ao European School Sport Day, com a organização de uma gincana de bicicletas, escalada e um jogo de matraquilhos humanos, para todos os alunos do Agrupamento. O “Dia Europeu do Desporto na Escola” está integrado na “Semana Europeia do Desporto” que se realiza na última semana de setembro.

Os alunos em idade escolar representam um segmento especialmente importante na promoção da atividade física e do desporto, tendo em conta que é nesta etapa da vida que as crianças e os jovens adquirem as bases da sua literacia motora e adotam hábitos de vida saudáveis. Por esta razão, a Semana Europeia do Desporto em Portugal tem um dia reservado exclusivamente para

as Escolas, o Dia Europeu do Desporto na Escola, a exemplo do que acontece em 26 EstadosMembros da União Europeia. Este ano, este dia foi celebrado no dia 27 de setembro. A dinamização da Semana Europeia do Desporto Escolar permitiu já que 187 500 alunos de 375 agrupamentos de escolas estivessem envolvidos e participassem em atividades que promovem a oferta desportiva das escolas, junto dos alunos e respetivas famílias como incentivo à aquisição de hábitos de vida ativa e saudável. Foi assim um momento ideal para a escola promover a sua oferta desportiva para os alunos que ainda não integram o Desporto Escolar. Para além de envolver estes alunos, este dia foi também uma oportunidade para a divulgação, junto dos encarregados de educação, da oferta desportiva do nosso Agrupamento.

Atividade de Canoagem & BTT Decorreu, no passado dia 25 de setembro, a 1ª atividade de Canoagem&BTT inserida no âmbito da comemoração da Semana Europeia do Desporto. Esta atividade teve, também, como objetivo recrutar alunos para o Clube KaxKadura e Multiatividades, onde serão promovidas diversas atividades ao longo do ano letivo.

33


Corta-Mato Escolar

No dia 23 de outubro, realizou-se na nossa escola o corta-mato escolar, atividade no âmbito do desenvolvimento do desporto escolar nacional nas escolas do país, que serve de apuramento para o corta mato regional, a realizar no dia 21 de novembro, em Beja, e para o qual os seis primeiros classificados de cada escalão ficam apurados. O dia nasceu cinzento, a chuva ameaçava cair e o frio fazia-se sentir, mas nada assustou os nossos alunos e, no final, até o sol espreitou para ver aqueles que subiam ao pódio para receberem as suas medalhas. Os percursos foram realizados dentro e fora do recinto escolar para que os nossos 203 participantes pudessem aproveitar, da melhor forma, os espaços que a nossa escola e a Vila de Amareleja

nos

oferecem.

Dentro do recinto escolar, o grupo de Educação Física optou pelos percursos de 200m para os minis (pré-escolar), e de 500m para os Benjamins A/B (alunos dos 1º e 2º anos) e para os infantis A. Para os restantes escalões, o percurso foi realizado dentro do recinto escolar e fora deste, passando junto ao parque de Amareleja. Os alunos vencedores nos diferentes escalões estão de parabéns!

1ºlugar

2º lugar

3º lugar

Infantis A masculinos

Miguel Fachadas, 5ºA

Salvador Ruivo, 5ºB

João Modesto, 5ºA

Infantis A femininos

Lara Alves, 4ºA

Catarina Sousa, 4ºA

Lara Valente, 4ºA

Infantis B masculinos

Duarte Ferreira, 7ºA

Rodrigo Santos, 7ºB

Afonso Tareco, 7ºC

Infantis B femininos

Ana Rita Mendes, 6ºA

Lara Gonçalves, 6ºB

Érica Zambujeira, 6ºB

Iniciados masculinos

João Carapuça, 8ºA

Tomás Rosado, 8ºA

Henrique Nunes, 8ºA

Iniciados femininos

Laura Santos, 8ºB

Diana Borralho, 9ºA

Soraia Fontes, 8ºA

Juvenis masculinos

André Castelhano, 9ºA

Luís Caeiro, PIEF2

Luís Fialho, PIEF2

Juvenis femininos

Marina Strecheanu, 9ºA

--------------------------

----------------------------

34


Os seis primeiros classificados de cada escalão ficaram apurados para representar a nossa escola no corta-mato regional, em Beja, no dia 21 de novembro. O grupo de Educação Física agradece aos bombeiros voluntários de Moura e aos agentes da Escola Segura que asseguraram a segurança dos nossos alunos, à professora Esmeralda Henriques pelo auxílio prestado e à professora Célia Ramos por ter feito a cobertura fotográfica. Agradecemos, também, a presença do nosso diretor, professor Francisco Pereira, e subdiretor, professor José Manuel Ferreira.

Corta-Mato Municipal No dia 29 de outubro, realizou-se, em Moura, o corta-mato municipal. Esta atividade contou com a presença dos alunos que obtiveram os primeiros lugares no corta-mato realizado no Agrupamento de Escolas de Amareleja, servindo, assim, como um exercício de treino para o regional que terá lugar no dia 21 de novembro, em Beja. Os nossos alunos participaram com empenho e, no final da realização da prova, as reações foram muito positivas, percebendo, através das prestações obtidas, que, no regional, se poderiam empenhar ainda mais, já que alguns ficaram com a sensação de que “poderiam ter dado um pouco mais”. De salientar todos os resultados obtidos, evidenciando-se os alunos: Miguel Fachadas, do 5º A, do escalão infantil A, que obteve o primeiro lugar concelhio, e a aluna Laura Santos, do 8ºB, do escalão Iniciados, que obteve o 2º lugar. Neste sentido, o cortamato municipal foi uma mais valia para os nossos alunos. Estão todos de parabéns, pois dignificaram o bom nome da nossa escola. 35


Corta-Mato Regional

No dia 21 de novembro, realizou-se, no Estádio Fernando Mamede, em Beja, o corta-mato regional. Mais um dia típico de inverno, com a chuva a cair e o frio a fazer-se sentir, mas nada a que os nossos alunos atletas não estejam habituados. Participaram várias escolas da região do Baixo Alentejo, todos excelentes atletas e com excelentes participações. Nenhum dos alunos da nossa escola foi medalhado, no entanto tiveram excelentes prestações, destacando-se o aluno Salvador Ruivo, do 5º B, que, entre 130 participantes, obteve o 8º lugar no escalão de Infantis A. Nos infantis B Masculinos, o aluno Rodrigo Santos, do 7º B, obteve o 19º lugar. Todos os alunos participantes estão de parabéns, pois foi com grande empenho e entusiasmo que realizaram o regional.

A todos, o nosso muito obrigado!

36

Profile for Jornal Escolar 5 estrelas

Jornal 5 estrelas jan2020  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Jornal 5 estrelas jan2020  

Jornal do Agrupamento de Escolas de Amareleja

Advertisement