Page 1

Informativo do Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí • edição nº76 • Janeiro/ Fevereiro/ Março e especial Abril de 2012

6º Fórum Mundial da Água TEMPO DE SOLUÇÕES

A Comitiva organizada pelo Consórcio PCJ contou com 50 pessoas ligadas à área de Recursos Hídricos das Bacias PCJ e do Brasil

Nesta edição

O

tamanho e importância do 6º Fórum Mundial da Água atestam como a água tem papel central nas discussões sobre sustentabilidade. Nos seis dias (12 a 17 de março) o evento recebeu mais de 35 mil pessoas de 173 países. Cerca de 1.400 propostas de solução em torno da temática da água foram postadas na plataforma de soluções do Fórum e serão apresentadas na Conferência da Organização das Nações Unidas, Rio+20, que acontece em junho no Rio de Janeiro. O Consórcio PCJ organizou uma comitiva que, além do Fórum Mundial da Água, visitou as experiências com gestão e regulação nas cidades espanholas de Valência e Barcelona, entre os dias sete e 10 de março. A iniciativa buscou a troca de experiências e firmamento de possíveis parcerias.

Prêmio Ação Pela Água abre inscrições

Pág. 3

Conselho Fiscal preocupado com pesca nos rios da região

Pág. 08 Seis prefeituras Consorciadas são eleitas “Município Verde”

Pág. 9 Consórcio PCJ organiza comitiva para Rio +20

Pág. 10

Pág. 13

Entrevista especial com Edson Giriboni Edson de Oliveira Giriboni é Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, mas começou a ganhar destaque na vida pública, quando foi eleito vice-prefeito do município de Itapetininga no mandato 1989/1992, além de exercer o cargo de Secretário de Obras. Nesta entrevista para o Água Viva, Giriboni destaca que o sistema Cantareira exerce papel central para a disponibilidade hídrica, tanto para o Alto Tietê como para as bacias PCJ: o secretário ainda comenta

sobre a importância da conscientização ambiental: “As pessoas precisam saber a importância de se preservar esse bem.

Pág. 05


Editorial

Desenvolvimento sustentável sem sede e sem fome

V

ivemos atualmente uma forte pressão sobre a produtividade agrícola em todo o mundo, mas em especial nos países em desenvolvimento, grandes exportadores de commodities. O progresso que essas nações vêm experimentando nos últimos anos tem contribuído para o crescimento da economia mundial, embora países da Europa e os Estados Unidos estejam mergulhados numa forte recessão. Esse crescimento econômico tem gerado pressão sobre a necessidade de se ampliar a produção agrícola para abastecer os mercados. No mundo, cerca de 1 bilhão de pessoas vive em condições crônicas de fome. E como aumentar a produtividade agrícola sem água? As estatísticas indicam que as pessoas bebem de dois a quatro litros diários de água, no entanto, a maior parte da água que “bebemos” está incorporada aos alimentos que consumimos: produzir um quilo de carne de vaca consome 15 mil litros de água, por exemplo, um quilo de trigo “se bebe”, 1,5 mil litros de água. As bacias PCJ são uma região de extrema peculiaridade. Possuímos um grande parque industrial, perdendo apenas para a grande São Paulo e a Baixada Santista, segundo muitos especialistas. Em nossa região há cidades com características ainda preservadas com ares do interior, se desenvolvendo através do turismo e preservação históricas e ambientais. Além disso, temos, também, grandes metrópoles. Ademais de todo esse desenvolvimento industrial e social, as bacias PCJ possuem forte viés agrícola, com culturas de flores, canade-açúcar, batata, tomate, uva e outras tan-

tas frutas, que fazem de nossa região presença marcante na exportação dessas commodities. Tamanho desenvolvimento e prosperidade contrastam com a disponibilidade hídrica da região, que na época de estiagem chega a apresentar 408 m3/s por habitante/ano. Apenas para título de comparação, o Oriente Médio possui 450 m3/s por habitante/ ano. Podemos nos perguntar: E como essa conta fecha? Se tenho pouca água, como ainda podem haver indústrias e acentuada produção agrícola? A eficiência do sistema de gestão e as práticas de reuso são o segredo para que as bacias PCJ consigam equacionar essa conta e disponibilizar água suficiente para o abastecimento público, setor industrial e agrícola. O Brasil tem papel de destaque no planeta na produção de alimentos. Temos também um território com grande potencial hídrico, mas não podemos abrir mão de um sistema de gestão eficiente, pois, a pressão sobre a disponibilidade de água é eminente, tanto para o desenvolvimento industrial - no setor agrícola -, quanto para o abastecimento o público. O trabalho que o Consórcio PCJ tem realizado nesses 22 anos de fundação é referência em âmbito nacional e internacional. Nossas experiências são apresentadas e aplaudidas em diversos organismos de bacias pelo mundo, desde a América Latina até a Europa. Possuímos laços de irmandade para troca de experiências com a Agência Loire Bretagne, na França, com a Rede Internacional de Organismos de Bacias (RIOB) e Rede Latino Americana de Organismos de Bacias (RELOB). No Brasil, participamos de diversos fóruns e associações para disseminação das experiências em nossa região para outras partes ainda em desenvolvimento mais acanhado que o

nosso. Destacamos termos sido fundadores da Rede Brasil de Organismos de Bacia (REBOB). A ONU, para esse ano, diz em seu slogan para o Dia Mundial da Água que “o Mundo tem sede porque temos fome”. Eu diria que nós, nas Bacias PCJ, sempre tivemos sede e só não passamos fome graças à articulação de diversas entidades ligadas à gestão dos recursos hídricos, dentre elas, o Consórcio PCJ, que nesses anos todos tem procurado apontar soluções aos desafios que o desenvolvimento sustentável se impõe. Angelo Perugini Presidente do Consórcio PCJ

Expediente Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) CNPJ nº 56.983.505/0001-78 – Entidade de Utilidade Pública (Lei Estadual nº 11.943/05 e Municipal nº 4.202/05) Integrantes Municípios: Americana, Amparo, Analândia, Artur Nogueira, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Camanducaia, Campinas, Capivari, Cordeirópolis, Corumbataí, Cosmópolis, Extrema, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Ipeúna, Iracemápolis, Itatiba, Itupeva, Jaguariúna, Jarinu, Limeira, Louveira, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Piracaia, Piracicaba, Rafard, Rio Claro, Rio das Pedras, Saltinho, Santa Bárbara d’Oeste, Santa Gertrudes, São Pedro, Santo Antônio da Posse, Sumaré, Valinhos, Vargem, Vinhedo. Integrantes Empresas: Agrícola Monte Carmelo Ltda., ArcelorMittal do Brasil S.A., Ajinomoto Interamericana Ind. e Com. Ltda., BDF Nívea LTDA, Cia. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Cia. de Bebidas das Américas (AmBev), Cosan S.A. (Filial Costa Pinto), Cosan S.A. (Filial Santa Helena), CPFL Geração de Energia S.A., DAE S.A. – Água e Esgoto (DAE Jundiaí), Elektro Eletricidade e Serviços S.A., Estre Ambiental S.A., Foz do Brasil S.A. – Unid. Limeira, Hopi Hari S.A., Invista Nylon Sul Americana S.A., Orsa Celulose, Papel e Embalagens Ltda., CPIC Capivari Fibras de Vidro Ltda. Petróleo Brasileiro S.A. – Refinaria de Paulínia (Replan), Rhodia Poliamida e Especialidades Ltda., Rigesa Celulose Papel e Embalagens Ltda., Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), Sherwin Williams Indústria e Comércio do Brasil Ltda., Unilever do Brasil Ltda., Usina Açucareira Ester S.A., Usina Açucareira Furlan S.A., Usina São José Açúcar e Álcool S.A., Valeo Sistemas Automotivos Ltda.

56896) Fotos: Acervo Consórcio PCJ Redação: Murilo Ferreira de Sant’Anna, Matheus Michelucci Bovolini (estagiário) Secretaria Executiva: Av. São Jerônimo, 3100, Bairro Morada do Sol – Americana (SP) – CEP 13470-310; Tel./Fax: (19) 3475-9400 – www.agua.org.br – imprensa@agua.org.br

www.agua.org.br

Conselho Editorial: Angelo Perugini – Presidente do Consórcio PCJ; Francisco Carlos Castro Lahóz – Secretário Executivo do Consórcio PCJ; Jussara Cordeiro Santos – Subsecretária Executiva do Consórcio PCJ; Alexandre Vilella – Gerente Técnico do Consórcio PCJ; Murilo Ferreira de Sant’Anna – Jornalista Responsável (Mtb

2

Janeiro/Março + Abril • 2012


Eventos

Prêmio Ação Pela Água está com as inscrições abertas para envio de projetos

Finalistas serão conhecidos no dia 12 de novembro, e a cerimônia de premiação acontecerá no dia 27 do mesmo mês

O

divide-se em três temários. a lista completa das 6º Prêmio Ação pela Água, organizacategorias de premiação pode ser conferida ao do pelo Consórcio PCJ, está com as final desse texto. A edição de 2012 do evento suas inscrições abertas para o envio contará com uma comissão julgadora composta de trabalhos e vão até o dia primeiro por membros indicados pelo Consórcio PCJ de de agosto. Os finalistas serão conhecidos dia 12 notório saber na área do temário. de novembro e a cerimônia de premiação dos O Prêmio Ação pela Água iniciou suas atividades ganhadores acontecerá no dia 27 de novembro, em 2000, com o principal objetivo de reconheno Teatro Paulo Autran, em Americana (SP). cer as melhores práticas de gerenciamento O hotsite do prêmio está no ar e pode ser acessado de recursos hídricos nas Bacias dos Rios pelo endereço www.agua.org.br. No hotsite os Piracicaba, Capivari e Jundiaí. “Racionalização candidatos terão acesso às informações sobre o pelo Uso da Água”, “Excelência em Educação”, prêmio, sua história, ganhadores e vencedores “Responsabilidade Social”, “Qualidade de de edições anteriores. A inscrição dos projetos Água”, “ Gestão de também é totalmente onRecursos Hídricos – line, com o preenchimenControle Quantitativo e to de um formulário de Projetos poderão ser inscrição que deve ser enviados até o dia primeiro Qualitativo”, foram os das edições de 2000 enviado pela plataforma de agosto para análise da temas à 2008, respectivamente. no próprio hotsite. comissão julgadora do O Consórcio PCJ espera O Teatro Paulo Autran, prêmio que os exemplos a serem onde acontecerá a premidemonstrados no 6º prêação das iniciativas vencemio Ação pela Água fordoras, tem capacidade matem ainda mais a apresentação de novas idpara receber 450 pessoas confortavelmente eias e soluções para o aumento da oferta hídrica. acomodadas. Possui ainda três camarins aconParticipe e mostre as iniciativas que sua entichegantes, hall de recepção e espaço para cofdade, prefeitura ou empresa promove e permite fee-break e/ou coquetéis. Para a premiação espara o consumo racional dessa bem estratégico tão sendo programadas apresentações culturais e de valor inestimável que é a água. O 6º Prêa serem divulgadas em breve. mio Ação pela Água conta com o patrocínio da A premiação está dividida em quatro segmentos: Caixa Econômica Federal. Informações sobre a “Órgãos da administração direta e indireta dos história do prêmio, a comissão julgadora e os fimunicípios e concessionárias dos serviços de nalistas podem ser acompanhadas no site www. saneamento”, “Iniciativa Privada”, “Sociedade agua.org.br. Fique atento às datas importantes Civil” e “Pesquisa e Inovação”. Cada segmento do evento.

Veja abaixo a lista completa dos segmentos e temários de premiação: I. Órgãos da administração direta e indireta dos municípios e concessionárias dos serviços de saneamento. Temários: - Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Combate às Perdas e Racionalização - Educação Ambiental e Comunicação Social voltada à Gestão de Recursos Hídricos II. Iniciativa Privada – Empresas privadas de qualquer natureza Temários: - Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Reuso da Água - Ações de Responsabilidade Socioambiental e Comunicação Institucional Integrada III. Sociedade Civil Temários: - Iniciativas e parcerias voltadas à reciclagem e gerenciamento de resíduos sólidos - Experiências voltadas à recuperação de matas ciliares em áreas degradadas - Ações de conscientização e sensibilização ambiental IV. Pesquisa e Inovação Destinado a docentes e acadêmicos de graduação e pós-graduação de instituições de ensino superior e centros de pesquisa que desenvolvam projetos sobre os seguintes temas: Temários: - Gerenciamento de Resíduos Sólidos - Reuso de Água e Combate às Perdas Hídricas - Educação e Sensibilização Ambiental voltada à conservação da água Fique atento ao Calendário do 6º Prêmio Ação Pela Água Prazo para inscrição: 02/05/2012 a 01/08/2012. Comunicação aos finalistas: Até o dia 12/11/2012. Cerimônia de Premiação: 27 de novembro de 2012.

Janeiro/Março + Abril • 2012

3


Educação Ambiental

Consorciados comemoram o Dia Mundial da Água com eventos ambientais

Municipios realizam ações de preservação e conscientização sobre a água com alunos e população nas Bacias PCJ

E

Em comemoração ao Dia Mundial da atrações escolhidas pela DAE S.A. de Jundiaí para comemorações ficou a cargo da CODEN - Companhia Água, empresas e municípios associa- comemorar o Dia Mundial da Água, com destaque de Desenvolvimento de Nova Odessa, que recedos ao Consórcio Intermunicipal das para a palestra do documentarista e mergulhador beu alunos das escolas municipais para uma visita Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Lawrence Wahba, comumente visto no programa técnica em sua ETA (Estação de Tratamento de Água). O município de Rio Claro realizou uma série Jundiaí (Consórcio PCJ) realizaram, no de Fausto Silva, na rede Globo. mês de março, diversos eventos voltados à gestão Professores e coordenadores do município de de atividades comemorativas ao Dia da Água, dos recursos hídricos. As atividades promovidas pe- Limeira realizaram visitas técnicas às Estações de compreendendo plantio de árvores, soltura de alevinos, realização de mesa redonda, exposições, los consorciados também fazem parte do Projeto oficinas, palestras, exibição de documentários, Semana da Água, desenvolvido anualmente pelo dentre outras. Cerca de 1000 alunos de escolas Programa de Educação e Sensibilização Ambienmunicipais, estaduais e particulares participaram tal do Consórcio PCJ, como forma de enaltecer a da caminhada em comemoração ao Dia Mundial consciência preservacionista da sociedade. da Água, organizado pela Prefeitura de São Pedro e Este ano, palestras, visitas técnicas, encontros, o SAAESP (Serviço Autônomo de Água e Esgoto de feiras ecológicas, entre outras ações, fizeram São Pedro), em parceria com a Secretaria Municiparte da lista de eventos comemorativos ao Dia pal de Educação. Mundial da Água, comemorado em 22 de março. O município de Sumaré, através da Secretaria de O tema escolhido pela Organizações das Nações Educação, promoveu diversas atividades com os Unidas (ONU) para a data em 2012 foi “Água e alunos sobre os benefícios do uso consciente da Segurança Alimentar”. água e os malefícios de sua poluição, por meio de O Departamento de Meio Ambiente do municínarração de histórias, confecção de livros, pintura pio de Amparo contou com o apoio da Secretaria de Educação para, juntos, desenvolverem Alunos da rede municipar de Amparo (SP) realizam soltura de alevinos e exposição de painéis. O município de Valinhos realizou o evento “Água atividades voltadas à preservação dos recursos Captação, Tratamento de Água (ETA) e de Esgo- e Sustentabilidade”, que contou com a participação hídricos no município. A SANASA/Campinas promoveu uma ação de to (ETE), além de palestra e visita monitorada ao de diversas entidades privadas e ONGs, e com o conscientização na Lagoa do Taquaral, com Parque da Cidade. O treinamento faz parte da apoio da Secretaria de Desenvolvimento Social e do Departamento de Água e Esgoto. distribuição de cerca de 6 mil copos de água e filipe- abertura da Semana da Água 2012. tas explicativas sobre a importância de economizar A Secretaria de Meio Ambiente e Agricultura de Já em Vinhedo, além de promover visita a estações e não desperdiçar a água. Já o município de Itupe- Monte Mor promoveu um plantio de mudas com de tratamento de água e esgoto, a prefeitura va, através de seu departamento de Meio Ambiente, os alunos da Escola Municipal “Moacyr Vitório For- aproveitou as comemorações do Dia da Água para fazer o lançamento do concurso de desenho da Seorganizou uma EcoFeira na praça central da cidade. chetti”, em comemoração à Semana da Água. No município de Nova Odessa, a organização das mana da Água 2012. Palestra, espetáculo teatral e visita técnica foram as

Opinião PCJ

“As transformações pelas quais a empresa passou retratam a celeridade com que as questões ambientais foram internalizadas nos seus processos, serviços e produtos. A usina implantou e consolidou o sistema de gestão ambiental, certificado em 1999. Em 2004, dobrou a capacidade de produção sem alterar os níveis de captação de água, privilegiando a produção mais limpa e o controle de aspectos ambientais, assegurando níveis de emissões atmosféricas com padrões comparáveis às mais rigorosas legislações europeias. Incorporou os conceitos de ecoeficiência e de análise de ciclo de vida. Todas essas iniciativas culminaram na conquista dos rótulos ecológicos Falcão Bauer, em 2010, e da Associação Brasileira de Normas Técnicas, em 2011.”

José Alencastro de Araújo – Prefeito dode Especialistas Meio Ambiente Município deda AcelloMittal Amparo- SP

Divulgação PMP

Barjas Negri – Prefeiro do município de Piracaicaba/SP

4

“Nosso trabalho à frente da Prefeitura de Piracicaba está voltado ao desenvolvimento do município, ancorado no planejamento e na solução dos possíveis pontos de “estrangulamento”, como: mobilidade urbana, saúde, universalização do saneamento. No âmbito da nossa relação com os rios que compõem a bacia do Piracicaba, destaco a aprovação do Plano Municipal de Recursos Hídricos, desenvolvido pelo SEMAE, integralmente vinculado ao Plano das Bacias PCJ, que permite aplicar com eficiência recursos financeiros na busca por melhores condições de vida para a nossa população.”

“Campinas avançou rumo à sustentabilidade ao: criar a Secretaria de Meio Ambiente; municipalizar o licenciamento ambiental; instituir o Banco e o Sistema Integrado de Áreas Verdes; criar Unidades de Conservação; aumentar a porcentagem do esgoto tratado; formar coletivos educadores ambientais; participar do Consórcio e Comitê das Bacias PCJ; fortalecer a participação da sociedade civil, através dos conselhos. O maior desafio continua sendo compatibilizar o crescimento econômico, igualdade social e a conservação dos recursos naturais.”

Divulgação PMC

Wilson Roberto Engholm – Presidente da DAE /SA Jundiaí

“Foram muitos os avanços, começando pela Serra do Japi, APA protegida e preservada há 20 anos. Considerada uma das cidades com melhores índices de saneamento entre municípios com 300 mil habitantes, Jundiaí tem 100% de sua zona urbana atendida por água tratada e esgoto coletado, tratado e afastado. Construiu em 1997 a primeira ETE do Brasil, onde é possível dar um destino até ao lodo residual, reaproveitado em lavoura de eucaliptos e cana-de-açúcar.”

Divulgação ArcelorMittal

Divulgação DAE.SA

A Rio+20, Conferência sobre desenvolvimento sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU), discutirá em junho os avanços verificados desde a Eco92 até hoje e quais os desafios para o futuro. Quais os avanços e desafios você destacaria de seu município ou empresa na questão da sustentabilidade nos últimos 20 anos?

Pedro Serafim Junior - Prefeito do município de Campinas

Janeiro/Março + Abril • 2012


Entrevista

As soluções para o abastecimento devem ser de forma integrada Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo concede entrevista especial para o Informativo Água viva

E

Edson Giriboni, Secretário de Saneamento e Recursos hídricos de São Paulo

dson de Oliveira Giriboni é secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, mas começou a ganhar destaque na vida pública, quando foi eleito vice-prefeito do município de Itapetininga no mandato 1989/1992, voltou a ser vice-prefeito de Itapetininga para no período 2001/2004, quando ocupou a Secretaria Municipal de Indústria e Desenvolvimento, desenvolveu um trabalho de contato com grupos empresariais, alguns dos quais atualmente já instalados. Nas eleições de 2006, foi eleito deputado estadual. Sua primeira grande iniciativa foi a realização do “Estudo do Perfil Socioeconômico das Regiões Administrativas do Estado de São Paulo”, implantado em 45 cidades da Região Sudeste do Estado. Esse relatório foi entregue pessoalmente ao governador José Serra e ao vicegovernador Alberto Goldman, que exerciam o cargo na época, além dos secretários de governo. Os estudos serviram para as ações que já estão sendo desenvolvidas. Nesta entrevista para o Água Viva, Giriboni destaca que o sistema Cantareira exerce papel central para a disponibilidade hídrica tanto para o Alto Tietê como para as bacias PCJ. O secretário ainda comenta sobre a importância da conscientização ambiental: “As pessoas precisam saber a importância de se preservar esse bem. Também são necessários investimentos. Programas de reuso de água são importantes”.

Água Viva - Secretário, quais pontos o senhor destaca no estado de São Paulo que podemos verificar um considerável avanço na qualidade das águas e dos serviços de saneamento para a população? Edson Giriboni - São duas questões que estão diretamente ligadas. Um saneamento básico adequado significa água limpa, de qualidade para a população. O Estado de São Paulo tem avançado muito nessas duas questões e é exemplo para o resto do país. No rio Tietê a mancha de poluição diminuiu 160 km nos últimos anos, um avanço extraordinário; entre 2004 e 2009, que são os últimos dados de que dispomos, os domicílios do Estado que dispõem de serviços de tratamento de esgotos passaram de 39% para 63%. São números que nos deixam satisfeitos, mas não acomodados, muito pelo contrário, o governador Geraldo Alckmin tem dado prioridade ao investimento em saneamento básico. Esses investimentos irão refletir na qualidade da água e na qualidade de vida da população. AV - O Brasil e, claro, o Estado de São Paulo vivem franco desenvolvimento econômico, como pode ser verificado nos últimos anos. Entretanto, desenvolvimento sem água não é possível. Tanto a grande São Paulo como a Região Metropolitana de Campinas, situada no coração das bacias PCJ, possuem disponibilidade crítica de água. Quais as alternativas que o senhor vê para não comprometer o desenvolvimento dessas duas importantes regiões para o Brasil? Edson Giriboni - A disponibilidade de água é fundamental para o desenvolvimento econômico. Na minha opinião, são necessárias ações em conjunto para evitar a escassez dos recursos hídricos, como por exemplo, uma maior conscientização ambiental. As pessoas precisam saber a importância de se preservar esse bem.

Janeiro/Março + Abril • 2012

Também são necessários investimentos em programas de reúso de água. Temos que trabalhar também contra o desperdício. A Sabesp assinou um contrato inédito no Japão de US$ 440 milhões para ampliar o combate às perdas de água, em fevereiro deste ano, com a agência de fomento do governo japonês, a Jica. O financiamento será utilizado para ampliar e acelerar os investimentos do Programa Corporativo de Redução de Perdas de Água da Sabesp. A meta é baixar as perdas dos atuais 25,6% para um percentual em torno de 15% no fim desta década. Para a questão do abastecimento na região metropolitana de São Paulo, estamos elaborando uma PPP [Parceria

“A disponibilidade de água é fundamental para o desenvolvimento econômico. Na minha opinião, são necessárias ações em conjunto para evitar a escassez dos recursos hídricos. ” Público Privada] para viabilizar o Sistema São Lourenço, que irá trazer água da Bacia do Alto Juquiá, com capacidade de captação de 4,7 m³/s. Também são estudadas alternativas para resolver a questão da região metropolitana de Campinas. A Bacia do PCJ conta com um dos comitês mais atuantes e precursores de todo o país, com decisões colegiadas que consideram todos os usos múltiplos dos recursos hídricos, incluindo, é claro, a questão regional. As discussões levam ao melhor acordo possível e à busca de alternativas viáveis para o abastecimento, ou seja, para que não falte água para ninguém. AV - Como está o andamento do plano da Macrometrópole? É possível ampliar a oferta

5

hídrica com base nos estudos em andamento? Edson Giriboni - Desde 2008, o governo do Estado instituiu um grupo de trabalho, envolvendo diversas secretarias, para estudar o plano da Macrometrópole. É uma região que compreende 180 municípios e abrange quase 21% da área do Estado, com uma população de aproximadamente 32 milhões de pessoas. Nos próximos 30 anos, calcula-se que a região da macrometrópole possa demandar até 60 m³/s a mais de água. São várias as alternativas para atender essa demanda e ampliar a oferta hídrica com aproveitamento integrado dos recursos hídricos, como: os dos rios Itatinga e Itapanhaú, na vertente marítima; a bacia do Alto Tietê e Litoral Sul; a represa de Jurumirim, no Alto Paranapanema; a bacia do rio Sorocaba; a bacia dos rios Juquiá e Ribeira do Iguape; a bacia dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí; a bacia do rio Paraíba do Sul; os recursos hídricos subterrâneos do Aquifero Guarani; e o reservatório de Barra Bonita, no rio Tietê. Não será uma única proposta que irá atender à demanda. Além disso, as ações já mencionadas de redução de perdas de água e de ampliação do sistema integrado de abastecimento de água também devem ser consideradas nessa conta. AV - O Sistema Cantareira exerce papel central para a disponibilidade hídrica, tanto para o Alto Tietê, quanto para as bacias PCJ, assim como ambas as bacias necessitam de maior oferta de água. Como podemos equacionar e equilibrar essa questão sem comprometer o desenvolvimento das duas regiões? Atualmente a grande São Paulo recebe 31 m3/s, enquanto as bacias PCJ, 5 m3/s. Edson Giriboni - A saída é pensar em soluções integradas e não só na questão hídrica, mas em todos os aspectos, daí a importância da regularização da Macrometrópole envolvendo essas duas importantes regiões do Estado.


Empresas

Foz do Brasil dará início à ampliação da ETE Tatu na cidade de Limeira Após o município atingir 100% de tratamento de esgoto, o foco agora é a ampliação e melhoria da ETE

ETE de Tatu que será ampliada em Limeira

A

concessionária Foz do Brasil e associada ao Consórcio PCJ recebeu da CETESB, no mês de abril, a Licença Prévia e de Instalação para dar início à ampliação da capacidade de vazão e aumento da eficiência da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Tatu. Agora que o município consorciado de Limeira trata todos os seus esgotos, o investimento será direcionado na ampliação e melhoria da estação de tratamento. A ampliação da estação está prevista para ser executada de 2012 a 2014. O investimento faz parte do Programa de Despoluição das Bacias Hidrográficas de Limeira, previsto no Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público e no contrato de concessão com a Prefeitura de Limeira. Com a ampliação, a ETE Tatu passará da capacidade atual de 750 para 1200 litros por segundo.

Além de aumentar a vazão, a estação ampliará implantação da segunda caixa de areia da estação. também a eficiência do tratamento do esgoto, Essa unidade, conhecida como desarenador, é uma com a implantação de novos equipamentos e etapa importante do tratamento, responsável por processos para dar início à segunda fase do tra- retirar as partículas de areia do esgoto. tamento. A previsão para esse ano é também instalar uma Atualmente, a ETE Tatu recebe uma vazão mé- nova peneira na entrada do tratamento e iniciar as dia de 550 litros de esgoto por segundo, po- obras para instalação de mais um tanque de decanrém, em períodos de chuva essa vazão aumen- tação. ta, chegando próxima ao limite da estação, cer- A implantação do tratamento secundário na ETE ca de 700 litros por segundo. A ampliação da Tatu consiste na execução do sistema de lodos atiestação é uma obra planejada e projetada para vados convencional que utiliza tanques de aeração, acompanhar o aumento da demanda do muni- tanques de decantação e recirculação de lodo, forcípio, até o ano de 2030. No final do ano pas- mado por bactérias que se alimentam da matéria sado, a ETE Tatu passou a receber uma maioe orgânica presente no efluente. contribuição de esgoto, proveniente da região do Mercado Modelo e da obra executada no Córrego Barroca Funda. Por isso é importante iniciar a ampliação da estação para que a cidade continue com o saneamento universalizado. Prevista para acontecer em três anos, a ampliação da ETE Tatu será executada sem prejudicar o funcionamento da estação em operação. A obra será bastante complexa e será iniciada ainda nesse primeiro semestre, com a Vista aérea da ETE que passará da capacidade atual de 750 para 1200 litros

Valeo Itatiba reutiliza água de ETE em vasos sanitários dos vestiários para os funcionários

nos vasos sanitários dos vestiários, em sua planta situada no município de Itatiba. Essa iniciativa está propiciando a economia de cerca de 500 m³ de água mensalmente. Para possibilitar essa ação, dois filtros foram instalados na saída da Estação de Tratamento de Efluentes Biológicos, sendo um filtro de areia e outro de carvão ativado, o que possibilita uma melhor clarificação da água, viabilizando o reuso nos sanitários. Além disso, um reservatório de água e uma tubulação de distribuição foram exclusivamente instalados para viabilizar o abastecimento dos pontos de consumo. Esta prática contribui para um menor consumo da água utilizada pela empresa, cuja captação é realizada no rio Atibaia. A escassez de água é um tema atual e de extrema importância, o qual vem sendo discutido nos últimos tempos com maior frequência. As indústrias possuem fundamental importância no desenvolvimento e adoção de estratégias que contribuam para a redução no consumo deste recurso natural essencial a vida. Para efeito de comparação, as Bacias PCJ possuem uma disponibilidade de 405 m3/habitante/ano, abaixo de países desérticos situados no Oriente Médio, que possuem 450 m3/habitante/ano. Levando-se em conta estas considerações, a empresa consorciada do Grupo Valeo possui metas agressivas e ambiciosas na tentativa de redução do consumo de água. A concretização desta ação contou com o empenho da equipe de Segurança e Meio Ambiente, juntamente com o departamento de manutenção da Valeo Itatiba.

Sistema de Reuso da empresa que permite o reaproveitamento nos sanitários

A Valeo, empresa associada ao Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), desde o mês de março passou a reutilizar a água proveniente da sua Estação de Tratamento de Efluentes Biológicos

6

Janeiro/Março + Abril • 2012


Proteção aos Mananciais

Matrizeiro de árvores nativas é lançado com o objetivo de evitar extinção de espécies Projeto faz parte do Programa de investimento R$ 0,01 m3/s, pioneiro na cobrança voluntária pelo uso da água

Prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis (direita), realiza plantio simbólico de muda nativa no Matrizeiro

“E

ssa matriz florestal tem o objetivo de não deixar que entrem em extinção espécies de árvores nativas tão fundamentais para a nossa bacia, nossas áreas de matas ciliares”, assim o prefeito de Jaguariúna, Gustavo Reis, atentou em seu discurso sobre a escolha do município para a implantação do matrizeiro florestal. O projeto, financiado com recursos do Programa de Investimento Médio Jaguari R$ 0,01 m3/s do Consórcio PCJ, foi oficialmente lançado no dia 27 de abril, na Fazenda da Barra, em Jaguariúna (SP). Na área foram plantadas 600 mudas de 100 espécies diferentes, nativas do bioma Mata Atlântica, com o objetivo de fornecer sementes aos viveiros florestais da região para restabelecer e ampliar a oferta das espécies que se encontram ameaçadas ou em estágio de extinção nas Bacias PCJ. O projeto faz parte do Programa de investimento R$ 0,01 m3/s, pioneiro na implantação da cobrança voluntária pelo uso da água e grande fomentador da cobrança oficial, que teve início nas bacias PCJ, em 2006. O Programa conta com a participação dos municípios de Amparo, Holambra, Jaguariúna e Pedreira. O prefeito de Jaguariúna agradeceu em seu discurso a todos os outros prefeitos participantes da iniciativa: “é um nascedouro de mudas que vai evitar a extinção de espécies que já estão sofrendo muito com a ação da mão humana, que ao invés de conservar acaba degradando o meio ambiente”. Reis ainda lembrou que Jaguariúna foi a cidade mais bem pontuada dentro das bacias PCJ no selo Município Verde Azul, alcançando 87 pontos,

Janeiro/Março + Abril • 2012

na avaliação de 0 a 100. “Foi a primeira vez que participamos dessa certificação e ficamos em primeiro lugar, o que para nós é muito orgulho”, disse o prefeito. O secretário de Gestão em Meio Ambiente, José Francisco Bernardes Veiga Silva, destacou a integração e envolvimento de vários parceiros, como ONG’s e empresas, na concretização do Matrizeiro. A subsecretária executiva do Consórcio PCJ, Jussara Cordeiro, comentou que o Programa de Investimento Médio Jaguari R$ 0,01 m3/s, mesmo com a implantação da cobrança oficial, permaneceu com suas atividades. “Esse programa foi aplicado em três

Reis assiste a explicações sobre métodos de plantios

sub-bacias e a do Jaguari era a menor entre elas, porém, com diversos projetos implantados. E não vamos parar por aqui. Na última reunião de diretoria do Consórcio PCJ, foi aprovada a continuidade desse projeto”, lembrou ela. Durante o evento os municípios assinaram o documento termo de intenção pela continuidade do “Projeto Contribuição Voluntária para Continuidade da Revitalização da Bacia do Médio Jaguarí – Programa R$ 0,01/m3”, prosseguindo com as atividades do programa. Outros municípios que queiram aderir ao projeto devem entrar em contato com o Consórcio PCJ pelo telefone (19) 3475-9400.

Reis, ao lado de representantes dos quatro municípios participantes que assinaram documento pela continuidade do Programa R$0,01 m3/s

7


Recursos Hídricos

Conselho Fiscal do Consórcio PCJ demonstra preocupação com pesca nos rios da região Vereadores membros do Conselho estão atentos ao risco quanto ao consumo de pescado com metais pesados

O

Rio Piracicaba em trecho de classe 4, em frente ao Engenho Central, comumente utilizado para pesca pela população

Conselho Fiscal do Consórcio PCJ externou em sua última reunião, realizada em fevereiro, a preocupação com a pesca nos rios da região e o risco do potencial consumo desse pescado com possíveis índices de contaminação por metais pesados. O presidente do Conselho Fiscal e vereador de Campinas, Sebastião dos Santos, foi o primeiro a demonstrar preocupação com esse assunto. “Há pesca em rios, como o Atibaia e o Capivari, e em represas, como aqui em Americana, na represa do Salto Grande, em que há contaminação dos peixes por metais pesados. Infelizmente, a população acaba consumindo esses pescados sem nenhuma orientação, causando mal à saúde”, comentou ele. Santos ainda disse acreditar que maiores vazões do Sistema Cantareira para as Bacias PCJ, atrelado aos avanços da região no tratamento de efluentes, podem ajudar na diluição da carga poluidora e, portanto, aumentar a qualidade da água de rios, onde a população está acostumada a pescar. “Sem dú-

vida nenhuma, o aumento da vazão de água do Sistema Cantareira vai possibilitar uma melhor qualidade da água aqui para os rios que cruzam nossa região. Certamente, a contaminação dos peixes seria muito menor e, consequentemente, o benefício viria para toda a população que sofre influência do Sistema”. Estudos realizados por universidades em todo o país atestam que a presença acumulada de metais pesados em peixes pode causar sérios problemas de saúde a humanos, como câncer, danos celulares, mal de Parkinson, impotência, alucinações, insônia, anorexia e dificuldades de memória, entre outros. O chumbo, por exemplo, gosta de se alojar nos ossos. “Ele compete com o cálcio”, diz a nutricionista Késia Quintaes, doutora pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em depoimento à revista “Saúde”, da Editora Abril. Em outras palavras, ele danifica o esqueleto. Francisco Lahóz, Secretário Executivo do Consórcio PCJ, lembrou que a entidade realizará diversos encontros esclarecedores sobre a antecipação das

Pescador concentrado fazendo a prática da pesca

discussões que envolvem a renovação da outorga do Sistema Cantareira, agendada para acontecer em 2014. Segundo ele, os eventos são estratégicos para que um consenso entre Bacias PCJ, Bacia do Alto Tietê, Agência Nacional de Água (ANA) Governo do Estado de São Paulo e Sabesp, seja construído. “Essas reuniões devem ser de modo construtivo, para que quando chegarmos a 2014, nós não peçamos aquilo que não seja possível e, também, para nós não abrirmos mão daquilo que não podemos”, afirmou o Secretário Executivo do Consórcio PCJ. O Conselho Fiscal do Consórcio PCJ é formado por vereadores dos 43 municípios associados à entidade. Na reunião do começo do ano, na sede da entidade, em Americana, os membros do conselho também apreciaram as contas da entidade durante o exercício de 2011, além de discutirem sobre como maiores vazões do Sistema Cantareira para as Bacias PCJ poderiam contribuir para a melhora da qualidade da água dos rios atrelada aos avanços no tratamento de esgoto.

Reunião do Conselho Fiscal que aconteceu em fevereiro de 2012

8

Janeiro/Março + Abril • 2012


Sustentabilidade

Prefeituras consorciadas são destaque no projeto “Município verde-azul” Cinco municípios que integram o Consórcio PCJ receberam a certificação

O

Logo e slogan do Projeto Município Verde-Azul

Governo do Estado de São Paulo divul- Na última edição, após o prazo de 10 dias para gou no mês de abril o ranking ambien- os municípios entrarem com recurso, 49 encamital dos municípios que participaram do nharam ofícios solicitando reavaliação das notas, Projeto Município Verde-Azul. Das 43 alguns sofreram modificação e outros tiveram o recidades que formam o Consórcio PCJ, cinco conse- curso considerado improcedente. Por isso, houve guiram nota superior a 80 pontos, em uma avalia- uma reclassificação do ranking: Os 158 municípios ção que varia de zero a 100. Jaguariúna, Limeira, certificados passaram a ser 164. Indaiatuba, Americana, Vinhedo e Paulínia foram Todos os 645 municípios do Estado de São Paulo, os municípios mais bem colocados entre os con- participaram do projeto, que aconteceu a partir da assinatura de um “Protocolo de Intenções” que sorciados. Jaguariúna obteve a maior pontuação, alcançando propõe 10 melhorias ambientais: Esgoto Tratado, Lixo Mínimo, Recuperação a 62º posição entre as 158 cida Mata Ciliar, Arborização dades certificadas como muUrbana, Educação Ambiennicípios verdes, com 87,10 “Das 43 prefeituras tal, Habitação Sustentável, pontos. Limeira obteve 83,93 pontos ficando na 102º posiassociadas ao Consórcio Uso da Água, Poluição do Ar, Ambiental e Conseção. Indaiatuba, com 83,81 PCJ, seis se consagraram Estrutura lho de Meio Ambiente, onde pontos, ficou na 104º posicomo ‘Municípios Verde os municípios concentram os ção. Americana alcançou 82,88 pontos, ficando na Azul’, ao alcançarem nota seus esforços na construção uma agenda ambiental 118º colocação, seguida por superior de 80 pontos, de efetiva. Vinhedo, com 81,81 pontos, em uma avaliação que O objetivo do projeto do na 132º posição. Paulínia obmunicípio “Verde-mais bem teve 81,07 pontos na 136º varia de zero a 100 ” colocados Azul” é a descenposição, fechando a lista das tralização da gestão ambienseis cidades consorciadas tal como o caminho mais vique atingiram a nota mínima de 80 pontos e, assim, sendo classificada com o tí- ável rumo ao desenvolvimento sustentável. Com a gestão ambiental compartilhada, o Governo de tulo de “Município Verde Azul”. As cidades de Jaguariúna, Limeira, Indaiatuba, São Paulo passou a ter os municípios como fortes Paulínia e Vinhedo tiveram uma gradativa melho- aliados, tomando decisões conjuntas. ra, comparando a pontuação da penúltima edição Esta política ambiental também visa promover a participação mais ativa da sociedade na adminiscom os dados atuais. Lançado em junho de 2007, o Município Verde tração ambiental e, dessa forma, conscientizar a Azul tem como principal proposta descentralizar população, transformando-a em cidadãos coma agenda ambiental paulista, considerando que a prometidos em preservar o meio ambiente. base da sociedade está nos municípios. Em 2008, O certificado de Município Verde Azul garante à adna divulgação do primeiro ranking, 44 municípios ministração municipal a prioridade na captação de alcançaram nota igual ou superior a 80. Em 2009, recursos junto à Secretaria de Estado do Meio Amforam 168. Já, em 2010, 144 municípios recebe- biente, por meio do Fundo Estadual de Prevenção e Controle da Poluição – FECOP. ram a certificação.

Janeiro/Março + Abril • 2012

9

Jaguariúna é a melhor colocada entre os municipios da RMC O município de Jaguariúna, que integra a RMC (Região Metropolitana de Campinas), e uma das 43 cidades consorciadas ao Consórcio PCJ obteve a melhor pontuação no “Município Verde-Azul”. A cidade atingiu nota de 87,10, ocupando a 62ª posição no ranking dos 164 municípios que receberam nota mínima para ser contemplada com o título de “Município Verde-Azul”. Porém, as ações ambientais já vêm sendo implantadas na cidade há algum tempo como, por exemplo, a obrigatoriedade do uso de madeira legal em obras públicas e privadas, a realização de inspeções semestrais na frota própria e terceirizada da Prefeitura em veículos movidos à diesel, a proteção aos mananciais de abastecimento público, o reflorestamentos de Áreas de Preservação Permanente - APPs de cursos d´água ou nascentes do Município, a preservação de recursos hídricos, entre outras . O secretário de meio ambiente de Jaguariúna, professor Veiga, se mostra satisfeito com o título para a cidade. “É um motivo de orgulho para a cidade, nesta gestão já criamos diversas ações visando o meio ambiente, tudo isso deu à cidade um avanço na preservação ambiental”. Veiga afirma que o desafio agora é continuar ampliando o ganho ambiental para o município de Jaguariúna, sendo cada vez mais reconhecida como uma cidade que preserva o meio ambiente. Já o prefeito do município, Gustavo Reis, destaca a importância da certificação. “Ganhar o Certificado de Município Verde Azul e a liderança do ranking ambiental da Região Metropolitana de Campinas é um extraordinário reconhecimento às políticas públicas que defendem a convivência harmoniosa entre o ser humano e o meio ambiente.” Reis destaca que a preservação ambiental não se faz apenas com discurso, mas principalmente com ações concretas que tenham como preocupação maior o bem-estar das pessoas. “Com a contemplação do título Município Verde Azul e com diversas iniciativas implantas pelo município para preservar o meio ambiente, a cidade serve como referência para outras regiões do país”, atenta ele.

Foto aérea do município de Jaguariúna, melhor colocado no projeto Verde Azul entre as cidades da RMC


Eventos

Consórcio PCJ terá acesso à Conferência da ONU na Rio +20 A entidade conseguiu se credenciar junto a ONU e estará presente ao Rio Centro entre os dias 20 e 22

O

Vista aérea da cidade do Rio de Janeiro que sediará a Rio+20 e diversos eventos paralelos sobre sustentabilidade

Consórcio PCJ recebeu o credenciamento junto à Organização das Nações Unidas (ONU) para participar da Conferência sobre desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. A entidade é uma das poucas no Brasil a conseguir o acesso ao Rio Centro, local onde acontecerá a Conferência da ONU, entre os dias 20 e 22 de junho. O Consórcio PCJ participará da Rio +20, através de uma comitiva composta por 40 representantes ligados à área ambiental e gestão de recursos hídricos das bacias dos Rios Piracicaba, Capivari, Jundiaí e

de âmbito nacional. A comitiva ficará baseada em Angra dos Reis, devido às restrições de hospedagem nos hotéis na cidade do Rio de Janeiro. A entidade vai manter um estande no Píer Mauá, localizado na área central do Rio de Janeiro, para divulgação do Consórcio PCJ e das ações de preservação e recuperação das bacias PCJ. No local acontecerão apresentações, tecnologias e programas sobre sustentabilidade. O espaço é patrocinado pelas empresas Sanasa/Campinas, Nivea, Fóz do Brasil e Ajinomoto. O Consórcio PCJ também está credenciado a participar dos Diálogos para a sustentabilidade, que ocorre entre os dias 16 e 19 de junho, em que serão eleitas três propostas a serem levadas para a conferência com os chefes de estado. No dia 18, pela tarde, o tema central será a água, e o Consórcio PCJ estará presente com o intuito de levar suas sugestões sobre o assunto. A entidade será representada pelo gerente técnico Alexandre Vilella. No dia 20, das 14h às 16h, a entidade participará do painel “Sustentabilidade Ambiental: o papel dos municípios e instâncias regionais”, com o objetivo de promover a experiência do Consórcio PCJ na Integração Regional dos 43 municípios consorciados. Esse painel está sendo organizado pela Secretaria de Meio Ambiente do Estado de São Paulo e também contará com a participação de outros prefeitos do estado e de representantes da Itaipu Binacional. O evento acontece no Pavilhão dos Atletas, em frente ao Logo do Consórcio PCJ para a Rio +20 Rio Centro.

10

No dia 21, pela manhã, no Hotel Clube Mediterranée, em Rio das Pedras (RJ), onde estarão hospedados os membros da comitiva devido à dificuldade de vagas no setor hoteleiro na cidade do Rio de Janeiro, o Consórcio PCJ promoverá o painel “Participação e Contribuição dos usuários da água e sociedade civil organizada não governamental dos recursos hídricos e meio ambiente”, com destaque para a participação de integrantes de entidades francesas de gestão da água. O painel será aberto com a palestra “A cooperação Internacional como ferramenta na busca de soluções para a água”, do secretário geral da Rede Internacional de Organismos de Bacias (RIOB) e membro do Escritório Internacional da Água, o francês François Donzier. Em seguida, as apresentações terão duração de 10 minutos cada uma, sendo que a primeira será feita pelo técnico da Fundação Agência de Bacias PCJ, Eduardo Cuoco Leo, que abordará sobre o Plano de Bacias PCJ 2010 a 2020 e enquadramento dos corpos d’água. Finalizando a participação do Consórcio na Rio+20, a entidade promoverá no dia 23, no hotel Club MED, o painel “As Lições da Rio+20”, que será realizado pelo assessor de comunicação e jornalista da entidade, Murilo Sant’Anna, sobre avaliação da conferência e os resultados obtidos com a mesma. O Consórcio PCJ sempre primou pela participação em grandes eventos nacionais e internacionais ligados à área ambiental e de gestão de recursos hídricos, com o objetivo de promover troca de experiências entre diferentes entidades ligadas à água. A entidade, em 2012, participou, no mês de março, do 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha, na França, evento que formulou propostas sobre o tema água a ser apresentado na Rio+20.

Janeiro/Março + Abril • 2012


Aconteceu no PCJ

Consórcio PCJ fornece mudas para reflorestamento na bacia do Córrego Barroca, em Limeira A bacia do Córrego Barroca Funda será beneficiada com o plantio de 2 mil mudas de espécies nativas, em uma Área de Preservação Permanente (APP) de 12 mil m2, localizada às margens de uma nascente, no bairro Cecap, no município consorciado Limeira. A ação de reflorestamento foi realizada em janeiro, pela concessionária dos serviços de saneamento no município e associada ao Consórcio PCJ, Foz do Brasil, como Termo de Compensação e Recuperação Ambiental (TCRA), e contou com o apoio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Bioatividades. Grande parte das mudas foi fornecida pelo Consórcio PCJ.

Secretário Executivo do Consórcio PCJ participa do Fórum Internacional de Gestão Ambiental em Porto Alegre

No período de 21 a 23 de março de 2012, em Porto Alegre, foi realizada a segunda edição do Fórum Internacional de Gestão Ambiental, com o tema “Água e Comunicação: Uma relação Vital”. O Consórcio Intermunicipal das Bacias PCJ participou do painel “A sociedade civil organizada e o meio ambiente”, através do Engenheiro Francisco Carlos Castro Lahóz, secretário executivo da entidade, que teve a especial missão de efetuar um relato sobre a participação da Comitiva, organizada pelo Consórcio PCJ, no 6º Fórum Mundial das Águas, ocorrido em Marselha – França, no período de 12 a 17 de Março de 2012.

Novidades do setor de saneamento básico são foco de debates em evento da ASSEMAE com o apoio do Consórcio PCJ As novidades do setor de saneamento foram discutidas durante o 6º Seminário de Tecnologia em Saneamento, organizado pela Regional São Paulo da ASSEMAE (Associação Nacional de Serviços Municipais de Saneamento), em Águas de Lindoia (SP), de 21 a 23 de março, e contou com o apoio e participação do Consórcio PCJ. No último dia do evento, o gerente técnico da entidade, Alexandre Vilella, coordenou a mesa de trabalhos do painel “Interface do Saneamento com a Gestão dos Recursos Hídricos”.

Dados da estação meteorológica do Consórcio PCJ estão disponíveis na internet Estação foi construída em parceria com as empresas Ajinomoto e PETROBRAS/Replan por meio do projeto Colaboradores Ambientais. A estação meteorológica instalada na sede do Consórcio PCJ e implantada com recursos do projeto Colaboradores Ambientais, que contou com a participação das empresas Ajinomoto e PETROBRAS/Replan, já está disponível pela internet, no site www.agua. org.br. A página apresenta dado como temperatura, volume de chuvas, velocidade dos ventos, entre outros. Para isso, basta acessá-los pelo canal Colaboradores ambientais e em seguida clicar sobre “Dados Meteorológicos”. A estação foi construída em 2011 e tem como objetivo ser uma ferramenta de educação ambiental para os visitantes do Centro de Referência em Gestão dos Recursos Hídricos – a sede do Consórcio PCJ – e da Casa Modelo, além de ser mais um ponto de referência para medições meteorológicas na região. Para a coordenadora de projetos do Consórcio PCJ, Ligia Cepeda, “a estação meteorológica, além de servir de comparação de dados com outros pontos de medição presentes nas bacias, é uma importante ferramenta para explicar aos visitantes sobre o clima e as mudanças climáticas que estamos vivenciando nos últimos anos”, comenta ela.

Comitiva norte-americana conhece ações do Consórcio PCJ Comitiva do Rotary Clube dos estados da Califórnia e Nevada (EUA) esteve na sede do Consórcio PCJ conhecendo as ações de gestão de recursos hídricos desenvolvidas pela entidade. Faziam parte da comitiva: Dan Halloran, da cidade de Penn Valley, Lyndsay Bryant e Carly Nilson de South Lake Tahoe, do estado da Califórnia, Robin Krueger e Kimberly Phipps-Nichol, da cidade de Reno, do estado de Nevada. Ao final da visita, todos puderam conhecer a Casa Modelo de uso Racional de Água e Energia Elétrica, que foi reformada no final de 2011 com decoração sustentável. Faz parte da cultura do Consórcio PCJ receber entidades e comitivas internacionais com o intuito de troca de experiências na área de gestão de recursos hídricos e meio ambiente.

Janeiro/Março + Abril • 2012

11


Gestão

Consórcio PCJ vai realizar eventos de esclarecimentos sobre o Cantareira

A

O Conselho do Consórcio PCJ aprovou, durante a sua 68ª Reunião Ordinária, que aconteceu no município de Louveira (SP), em fevereiro, a realização de eventos de esclarecimento para toda a comunidade durante o ano de 2012 sobre a gestão do Sistema Cantareira e os impactos para as bacias PCJ decorrente da renovação da sua outorga prevista para ocorrer em 2014. Também teve destaque os estudos para a construção de dois reservatórios na área de Pedreira (SP) e Amparo (SP), que devem regularizar uma vazão de Fabiane Santiaga presidiu a reunião de Consorciados 6m3/s para a região. A reunião foi presidida pela vice-presidente do Consórcio PCJ, que responde pelo Programa de Educaatingidas pelo Sistema Cantareira, entendam o que ção e Sensibilização Ambiental, e prefeita do municíé a renovação da outorga”, lembrou o vice-presidenpio de Piracaia, Fabiane Santiago, que atentou para te do Consórcio PCJ, que responde pelo Programa os desafios desses encontros em elucidar para três de Saneamento e Racionalização, e diretor da Foz do públicos distintos – população, imprensa e gestores Brasil, Sandro Stroiek. técnicos – o papel da região nesse debate. “AcrediO Vice-presidente pelo Programa Sistema de Monito ser importantíssima a iniciativa do Consórcio PCJ toramento, e presidente da Sanasa Campinas, Marem traduzir para a população de uma maneira geral co Antônio dos Santos, enfatizou a integração e o o que é outorga e como se dá esse processo. Além diálogo conjunto entre as partes envolvidas na consdisso, é fundamental que todos participem, trazentrução de um consenso para 2014, além de deixar do as reinvidicações do seu município, socializando a Sanasa à disposição para realização de encontros o tema”, comentou Fabiane. de esclarecimentos e apoio na O secretário de Meio Amcondução desses eventos. biente de Americana, Jonas O assessor de gabinete da Santarosa, externou sua preSecretaria de Saneamento e Eventos serão no ocupação com a busca de Hídricos do Estado formato de talk-show, Recursos ampliação da oferta hídrica. de São Paulo, Rui Brasil Assis, “Em Americana, tivemos ca- em que a plateia poderá esteve presente na reunião sos de empresas de serem participar com perguntas respondendo às indagações dispensadas de instalarem dos consorciados e externou aos palestrantes no município por falta de que embora a população não balanço hídrico”, disse. Sanesteja crescendo mais num tarosa ainda completou diritmo tão acelerado, o desenzendo que “na renovação da volvimento econômico vai exioutorga do Sistema Cantareira, em 2004, previa-se gir mais água tanto para a bacia do Alto Tietê, onde fontes alternativas até 2014 e não temos soluções está a Grande São Paulo, como para as bacias PCJ. A ainda”, comentou ele. saída? Segundo ele, reduzir o consumo. Os eventos de esclarecimentos serão no formato de “Temos de trabalhar num cenário não tendencial, talk-show, em que a plateia poderá participar com mas em gestão de demanda, priorizando os prograperguntas aos palestrantes, mediados por um comas de controle de perdas hídricas, de reuso e uso ordenador. Durante a reunião do Conselho, definiuracional de água”, comentou Assis. -se pela realização de três talk-shows: um na parte Para ele, a construção de novos reservatórios nas baixa da bacia, muito provavelmente em Piracicaba, bacias PCJ, como os que estão sendo estudados outro na parte média na região de Campinas, e oupara a região dos municípios de Pedreira e Amparo, tra na parte alta, em Bragança Paulista. “Acredito ser do porte da represa do Cachoeira, do Sistema Canum tema de total relevância para as bacias PCJ e é tareira, visam complementar a oferta hídrica para a necessário que as 5 milhões de pessoas da região, região.

Portal do Meio Ambiente Presente em todas as mídias, Consórcio PCJ é destaque, pelos 20 anos de luta em prol da qualidade Hídrica nas Bacias PCJ, em portal Online.

Jornal de Piracicaba Documento elaborado pelo Consórcio PCJ, que descreve os avanços na gestão dos Recursos Hídricos das Bacias PCJ que será entregue na RIO+20 é destaque no Jornal de Piracicaba.

Correio Popular Carta de Americana que engaja luta pela Água será encaminhada a Conferência sobre o Desenvolvimento Sustentável da ONU, diz Correio Popular

EPTV Vasão do Rio Piracicaba foi o tema da entrevista com link ao vivo do Secretário Executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, para a EPTV

Tv Cultura Consórcio PCJ, representado pelo seu Secretário Executivo, Francsico Lahóz, cedeu a Tv Cultura uma entrevista sobre as cheias do Rio Piracicaba

O Liberal Jornal O liberal enaltece Carta da Água, elaborada pelo Consorcio PCJ, que será encaminhada a Rio +20 que acontecerá em Junho.

Sistema Cantareira: responsável pelo abastecimento de metade da Grande SP e outras 5 milhões de pessoas nas Bacias PCJ

12

Janeiro/Março + Abril • 2012


EDIÇÃO ESPECIAL

Comitiva do Consórcio PCJ buscou soluções, integração e cooperação internacional no 6º Fórum Mundial da Água

A comitiva do Consórcio PCJ contou com 50 pessoas ligadas à área ambiental de Recursos Hídricos das Bacias PCJ e do Brasil

O

O tamanho e importância do 6º Fórum Mundial da Água atestam como a água tem papel central nas discussões sobre sustentabilidade. Nos seis dias (12 a 17 de março), o evento recebeu mais de 35 mil pessoas de 173 países. Cerca de 1.400 propostas de soluções em torno da temática da água foram postadas na plataforma de soluções do Fórum e serão apresentadas na Conferência da Organização das Nações Unidas, Rio+20, que acontece em junho no Rio de Janeiro. O Consórcio PCJ organizou uma comitiva que, além do Fórum Mundial da Água, visitou as experiências com gestão e regulação nas cidades espanholas de Valência e Barcelona, entre os dias sete e 10 de março. A iniciativa buscou a troca de experiências e firmamento de possíveis parcerias. Faz parte da cultura do Consórcio PCJ a troca de experiências com diversos organismos internacionais. A entidade já recebeu visitas de diversos representantes da América Latina, Espanha, França, Alemanha, inclusive de universidades, como de Harvard dos Estados Unidos, entre outras. Durante os seis dias de evento, a entidade promoveu suas ações, a integração e o estabelecimento de parcerias, além de apoiar e participar na elaboração dos painéis. No dia 13, pela manhã, o Consórcio PCJ participou do painel sobre “Gestão Municipal de Recursos Hídricos”. A entidade apresentou como case a experiência por meio das 43 prefeituras consorciadas, suas conquistas e desafios na área de gestão dos recursos hídricos, com a palestra do prefeito do município consorciado de Atibaia. No dia 14, à tarde, o Consórcio apresentou a mobilização industrial e o pacto pelas águas que as

Janeiro/Março + Abril • 2012

27 empresas consorciadas têm em prol das bacias. O painel “Organização do setor privado na Gestão dos Recursos Hídricos: o case de parcerias entre a indústria e o Consórcio PCJ” também abordou os resultados obtidos com o convênio entre o Consórcio e a Petrobras/REPLAN, por meio de ações de educação ambiental e reflorestamento. Já no dia 16, pela manhã, o Consórcio PCJ promoveu painel sobre a cooperação internacional e parcerias, em que Representantes do Consórcio PCJ e da Agência Loire Bretagne estiveram reunidos com o objetivo de construir uma nova parceria entre as entidades visando o desenvolvimento de ações previstas no acordo de cooperação técnica estabelecido em 2006, na cidade de Lyon, na França, durante a Pollutec, e outras novas ações. Pela tarde, o secretário executivo da entidade, Francisco Lahóz, representando o Presidente e Prefeito de Hortolândia, Angelo Perugini, participou da cerimônia de assinatura do “Pacto Mundial pela melhor gestão de bacias” que prevê uma grande mobilização para aprimoramentos na gestão de bacias pelo mundo todo.

Comitiva organizada pelo Consórcio PCJ para o 6º Fórum Mundial da Água 13


EDIÇÃO ESPECIAL

Água como fator determinante para o desenvolvimento sustentável Tema foi dado destaque durante o 6º Fórum Mundial da Água

E

ncontrar soluções e alternativas para um desenvolvimento sustentável com atenção especial a gestão da água foi o tom dos debates em MarselhaFrança, no 6º Fórum Mundial da Água. Essa importância pode ser comprovada pela presença de diversas autoridades, entre elas, o primeiro ministro francês, François Fillon. Também estiveram presentes Jean-Claude Gaudin, prefeito de Marselha, Benedito Braga, presidente Comitê do Fórum Internacional, Loïc Fauchon, presidente do Conselho Mundial da Água e outras tantas autoridades do mundo todo. O brasileiro Benedito Braga comentou que “água é vida e vida é água correndo pelo rio”. Ele ainda lembrou as ações ambientais que estão sendo realizadas no Brasil e dos preparativos para a Rio+20. No mesmo dia, houve a inauguração do Pavilhão Brasil dentro da área de exposição do Fórum, cujos discursos de abertura foram marcados pela vinculação do desenvolvimento sustentável à boa gestão da água. A inauguração contou com a presença da Ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, que também, enfatizou a água como fator determinante para um desenvolvimento com sustentabilidade. “Acredito que no Brasil essa é uma

abordagem consolidada; se olharmos o sistema de governança de recursos hídricos de 1992 para cá, se percebe que mudamos completamente a estatura institucional, legal e econômica”, disse ela. A ministra ainda atentou para a importância de a população apreender o verdadeiro sentido da água. “O que é desafiante é fazer a sociedade brasileira apreender o sentido da água quando ela liga o mundo rural e mundo urbano, por que não dá para você plantar sem água, não dá para viver em qualquer cidade do planeta sem água, não dá para ter ilusão de sustentabilidade sem água. Portanto, água é central para o processo de desenvolvimento sustentável do país, como também para nossas relações geopolíticas”, afirmou Isabella. Para ela, florestas e água

são os dois temas que colocam o Brasil alinhado com a cooperação regional e internacional. O Consórcio PCJ participou do Pavilhão Brasil durante toda a semana promovendo as experiências de gestão das bacias PCJ e as ações promovidas por seus 43 municípios e 27 empresas consorciadas.

Ministra do Meio Ambiente, Isabella Teixeira, e Comitiva do Consórcio PCJ

Resultados do convênio entre o Consórcio PCJ e Petrobras/REPLAN são destaque no Pavilhão Brasil Os resultados do convênio entre o Consórcio PCJ e a Petrobras/REPLAN firmado em 2008, que previa ações de educação ambiental e reflorestamento, foram apresentados no Pavilhão Brasil, no painel “Organização do setor privado na Gestão dos Recursos Hídricos”. A parceria foi elogiada pela plateia e tida como exemplo a ser seguido de ações de integração regional. O convênio previa duas vertentes de ações nas bacias PCJ. Em Educação Ambiental, foi realizado pelo Consórcio PCJ o projeto “Eu uso e não abuso”, que previa capacitar duas mil pessoas com noções de reuso da água e aproveitamento de água de chuva, mas acabou atingindo 118 mil pessoas capacitadas, entre o público formal e não formal. Essa etapa do projeto foi finalizada em julho de 2010. Já a ação de reflorestamento está propiciando a recuperação das bacias dos rios Camanducaia e Jaguari com o plantio de 200 mil mudas nativas. A primeira etapa dos plantios já foi realizada, e a segunda segue em andamento. O estabelecimento da parceria e os resultados obtidos foram apresentados

pelo secretário executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, que enalteceu o compromisso da Petrobras com o meio ambiente e, em especial, com a água. “Esse projeto nos surpreendeu com os bons resultados obtidos. Capacitamos muito além do esperado as pessoas sobre temas como reuso e aproveitamento de água de chuva, além de já termos iniciado os plantios de recuperação de mata ciliar nos rios Camanducaia e Jaguari e até o final do ano iniciaremos a fase final”, disse Lahóz. A iniciativa Consórcio PCJ e Petrobras/REPLAN chamou a atenção do outros palestrantes do painel, como o representante da Federação Internacional dos Operadores de Água Privada, Jack Moss, da Assistente de Gerenciamento de Projetos de Água do Conselho Mundial de Negócios para o Desenvolvimento Sustentável, Anne-Léonore Boffi, da Gerente Corporativa de Meio Ambiente da Petrobras, Monica Moreira Linhares e do Coordenador de Recursos Hídricos e Efluentes da Petrobras, Carlos de S. Castro Gonzalez.

14

Janeiro/Março + Abril • 2012


EDIÇÃO ESPECIAL

Exemplo de integração regional do Consórcio PCJ é enaltecido no Pavilhão Brasil do Fórum Mundial da Água Prefeito de Atibaia destacou os avanços das bacias PCJ com a integração dos 43 municípios consorciados

A

Representantes do Consórcio PCJ e palestrante do Painel sobre Gestão Municipal de Recursos Hídricos

integração regional promovida pelo PCJ e os avanços realizados nos últimos anos na Consórcio PCJ foi destacada pelo prefei- despoluição dos rios da região, como no caso do to do município consorciado de Atibaia tratamento de efluentes, saltando de 3%, em 1989, (SP), José Bernardo quando o Consórcio foi funDenig, no painel sobre Gestão dado, para 50% atualmente. Municipal de Recursos Hídri“O tratamento de efluentes “O tratamento de cos, realizado no dia 13 março, nos permite ter um rio mais no Pavilhão Brasil, dentro do limpo, possibilitando a sua efluentes nos permite 6º Fórum Mundial da Água. despoluição, consequenteter um rio mais Denig lembrou ainda que as mente, uma água de melhor limpo, possibilitando bacias PCJ respondem pelo qualidade para a captação a sua despoluição, abastecimento de 9,5 milhões e diminuindo os custos de de habitantes da Grande São tratamento”, disse. consequentemente, Paulo e outros cinco milhões O secretário executivo do uma água de melhor da região. Consórcio PCJ discorreu soqualidade para a captação bre a fundação da entidade Também participaram do encontro o Secretário de Sanea- e diminuindo os custos de e toda a movimentação da mento e Recursos Hídricos do tratamento ” comunidade, necessária para Estado de São Paulo, Edson que isso ocorresse, e fez uma Giriboni, o prefeito do municíbreve explanação da história pio de Toledo (PR), José Carlos Schiavinato, o di- de implantação do sistema de gestão nas bacias retor de coordenação da Itaipu Binacional Nelton PCJ. “Atualmente, todas as ferramentas de gestão Friedrich, o prefeito de Sorocaba (SP) Vitor Lippi e estão implantados na região”, afirmou. o Secretário Executivo do Consórcio PCJ, Francisco O painel aconteceu no Pavilhão Brasil e foi presLahóz. tigiado por diversas pessoas, tanto participantes Denig enalteceu o trabalho de gestão das bacias nacionais quanto internacionais. Além da experiên-

Janeiro/Março + Abril • 2012

15

cia do Consórcio PCJ, o prefeito do município de Toledo (PR) apresentou a parceria com a Itaipu Binacional, por meio do projeto “Água Boa”, e o prefeito de Sorocaba (SP) abordou os investimentos para despoluição do rio Sorocaba que cruza o município, com a ampliação dos investimentos de reurbanização e melhorias na qualidade de vida na cidade. O secretário de Saneamento e recursos hídricos do estado de São Paulo deu destaque para a área de saneamento. “O grande desafio para o Brasil e para o estado de São Paulo é a universalização do saneamento, garantir água e esgoto tratado para todos. Não é uma questão só de saneamento, existe também outro fator que é a habitação: tirar pessoas de áreas de risco e encosta de rios para lugares mais seguros, com mais qualidade de vida”, lembrou Giriboni. Ao final do dia, representantes do Consórcio PCJ participaram do Encontro da Rede Latino Americana de Organismos de Bacias (RELOB), no mesmo Pavilhão Brasil. A reunião contou com as presenças do secretario permanente da Organização da Rede Internacional de Organismos de Bacias (RIOB), Jean François Donzier, o diretor presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Vicente Andreu Guillo, e o vice-presidente RELOB, o colombiano Edgard Bejarano.

Prefeito da cidade de Atibaia, José Bernardo Denig


EDIÇÃO ESPECIAL

Painel de cooperação internacional promovido pelo Consórcio PCJ destaca os resultados de parcerias internacionais

Sistemas de gestão da França e do Brasil são abordados em Painel promovido pelo Consórcio PCJ

Secretário Executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz, durante apresentação no Painel de Cooperação

O

O

Consórcio PCJ promoveu no dia 16 de março, no penúltimo dia do 6º Fórum Mundial da Água, em Marselha - França, painel sobre cooperação internacional, com a presença de autoridades francesas e brasileiras, que abordaram o sistema de gestão da França e do Brasil, além de formas de cooperação entre os dois países. Estiveram presentes pela Agência de Água francesa Loire Bretagne, Michel Stein, e pelo Escritório Internacional da Água, Alain Bernard. Representando o Brasil, pela Agência Nacional de Águas (ANA), Rodrigo Flecha, e pelo Consórcio PCJ, o Secretário Executivo, Francisco Lahóz. Stein pontuou em sua apresentação sobre a história do sistema de gestão na França e as parcerias que já estão estabelecidas com a Hungria, Mékong no Vietnã, Ásia, além da parceria de longo anos com a região das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (bacias PCJ), no Brasil, por intermédio do Consórcio PCJ. “O exemplo de gestão do PCJ é único. Daqui 10 ou 15 anos, vocês vão estar no mesmo nível que estamos [Região Loire Bretagne – França]”, comentou Stein. O representante da Agência Loire Bretagne também levantou a importância de investimentos do sistema em comunicação e disseminação das informações. “Todo ato político tem de ter respaldo da sociedade. Por isso é importante comunicar-se com a sociedade toda”, disse.

Integrantes do Painel de Cooperação Internacional Alain Bernard, representando o Escritório Inter- na vontade política e na consciência política”, disse. nacional da Água, atentou para a integração re- Representantes do Consórcio PCJ e da Agência gional no planejamento e gerenciamento dos sis- Loire Bretagne estiveram reunidos durante o 6º temas de gestão. “Não é um conjunto de projetos Fórum Mundial com o objetivo de construir uma individuais, é realmente uma estratégia coerente nova parceria entre as entidades visando o desende melhoramento da bacia, por meio da qual não volvimento de ações previstas no acordo de coopserá financiado um projeto de maneira individual. eração técnica estabelecido em 2006, na cidade É um programa de vários projetos que visam um de Lyon, na França, durante a Pollutec, bem como planejamento de cinco anos”, explicou ele. outras novas ações. Bernard, quando indagado sobre o sistema gestão Nos seis dias do eventos do Fórum Mundial da brasileiro, lembrouÁgua, o evento recebeu mais 35 se da importância de mil pessoas de 173 países. Cerca se ter claras as metas de 1.400 propostas de solução “Nossa região necessita inseridas dentro dos em torno da temática da água de mais água para se planos de bacias, foram postadas na plataforma visando um horide soluções do Fórum e serão desenvolver e atender às zonte até 2030. “Não demandas futuras. Nesse apresentadas na Conferência da basta ter o comitê de das Nações Unidas, sentido, é fundamental que Organização bacias, é necessário Rio+20, que acontece em junho a renovação da outorga do no Rio de Janeiro. ter um plano de ação Sistema Cantareira considere O Consórcio PCJ, além das que norteie o comitê, construído em negociações de parcerias com essa necessidade. ” consenso com todos a agência francesa, promoveu os atores envolvidos, painéis, participou de enconestados e governo tros e troca de experiências federal. É criar uma base de diagnóstico, estamos com diversos organismos de gestão de recursos aqui hoje e queremos chegar ali em 2030. hídricos do mundo inteiro. A comitiva organizada Depois é compatibilizar os aspectos financeiros, se pela entidade para visitar o Fórum contou com a não é compatível, temos ambições muito grandes participação de 50 representantes de várias par, temos de adaptar ao recurso financeiro disponív- tes do Brasil, promovendo integração e troca de el. Acho realmente que o esforço tem de ser feito experiências.

16

Janeiro/Março + Abril • 2012

Jornal Água Viva_1º Trimestre 2012  

Jornal Institucional do Consórcio PCJ, Água Viva 1º trimestre de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you