Page 1

Informativo do Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí • edição nº79 • Novembro | Dezembro 2012

Nesta edição Município de Nova Odessa (SP) inaugura ETE Quilombo

Pág. 10

Pág. 8

A 6º Edição do Prêmio Ação pela Água enfatizou-o ainda mais como o “Oscar Regional da Água”. Os números atestam isso. O Prêmio recebeu número recorde de projetos (77 no total), dos quais 38 foram selecionados a serem premiados com primeiras, segundas e terceiras colocações numa requintada Cerimônia de Premiação, que aconteceu no dia 27 de novembro, com a presença de 400 convidados, no Espaço Le Blanc, em Americana (SP). Os 38 finalistas conheceram as suas colocações nos temários de cada uma das quatro categorias: Sociedade Civil, Iniciativa Pública, Iniciativa Privada e Pesquisa e Inovação. A Cerimônia de premiação contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o Presidente do Consórcio PCJ e prefeito de Hortolândia (SP), Angelo Perugini, e o Vice-presidente da entidade e prefeito de Americana (SP), Diego De Nadai. Nessa edição especial do Água Viva fique por dentro de tudo o que rolou na entrega dos prêmios e quem foram os ganhadores.

Limeira (SP) mostra confiança no serviço de abastecimento Início da 3ª etapa do Projeto Camanducaia e Jaguari

Pág. 4 188 mil alunos capacitados com o tema Rio+20 em 2012

Pág. 7

Pág. 11

Diretoria do Consórcio PCJ elege metas para 2013 A diretoria do Consórcio PCJ se reuniu no dia 10 de dezembro, na sede da entidade em Americana (SP), para a última reunião do ano e definiu como temas centrais em 2013 a operação do sistema e renovação da outorga do Cantareira e a ampliação da oferta hídrica nas bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. Na reunião, foi apresentado o professor e doutor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Antônio Carlos Zuffo, que está sendo contratado, por meio de um convênio, para estudar a alternativas para ampliação oferta de água na região.

Pág. 6


Editorial

A mudança cultural do trato com a água

A

associação de usuários “Consórcio PCJ” nasceu com muita ousadia e grande desafio de promover a mudança cultural no trato com a água nas Bacias Hidrográficas dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. O entusiasmo e inspiração da entidade, criada em outubro de 1989, iniciou pela sua logomarca que é fruto de uma sequência de painéis, cujo primeiro aponta uma “onda negra” representando a poluição dos nossos rios naquela época, evoluindo até chegar ao logo que temos hoje com a presença do sol, do peixe, com um fundo azulado e uma onda de cor revitalizada, simbolizando a mensagem: “A vida há de vencer”. Esta logomarca, idealizada pela empresa Batogliese Produções, participou de concurso na década de 1990 e conquistou a premiação na categoria “Criatividade Gráfica Ambiental”. Com a meta de alcançar a “Revitalização” sobre a “poluição”, o Consórcio PCJ foi estimulado a procurar conhecer boas práticas em gestão e gerenciamento de recursos hídricos junto a França e Alemanha, países que conseguiram reverter a situação de grave degradação de seus rios. O planejamento para os primeiros 20 anos do Consórcio PCJ foi abraçado com empolgação pelas prefeituras, Estado e sociedade civil num primeiro instante, e depois pelas empresas que aderiram à entidade a partir de 1996. Essa união de boas práticas possibilitou a integração intensa entre os setores urbano, industrial e agrícola. O próprio Consórcio e muitos de seus consorciados participam de concursos no Brasil e no exterior, com destaque e sucesso. Pelo fato da entidade ser membro fundador ou participante

das Redes de Água (Brasil – Rebob, América Latina – Relob e Internacional – Riob), além do Conselho Mundial da Água (WWC), entre outras, ampliaram os horizontes e o reconhecimento por tais premiações. Tal importância é verificada na página nove, sobre a participação da entidade na eleição do novo Presidente e dos novos governadores do WWC, em novembro. Estava faltando um foco local, um “Oscar Regional pela Água PCJ”. Assim, foi instituído pelo Consórcio PCJ o Prêmio Ação pela Água, no ano de 2000, com várias categorias, incentivando a participação de consorciados, prefeituras/serviços de água e sociedade civil organizada (ONGs, Universidades, Clubes de Serviços, Associações e entidades). Em sua sexta edição, o Prêmio Ação Pela Água 2012 contou com a participação de 77 projetos, um recorde em relação às edições anteriores, que através de uma renomada comissão julgadora, colaborou de forma voluntária na avaliação dos projetos e indicou os ganhadores, que você leitor poderá acompanhar nessa edição especial do Água Viva a partir da página onze. O sucesso do Prêmio Ação pela Água 2012 revela a importância do tema para o desenvolvimento sustentável e enfatiza o Consórcio PCJ como uma entidade estratégica nessas discussões, não somente para a nossa região, as Bacias PCJ, como também para o Brasil e presente igualmente em fóruns mundiais. Enfim, este é o último editorial que escrevo como Presidente do Consórcio PCJ, afinal, meu mandato se encerra no próximo dia 31 de dezembro, para então passá-lo ao Presidente do Conselho de Transição, o diretor da Foz do Brasil, Sandro Stroiek, que terá a missão de presidir o Consórcio por três meses e conduzir a eleição de um novo presidente entre os prefeitos eleitos. Quero registrar a minha enorme satisfação de estar a frente do Consórcio PCJ nesses

quatro anos em dois mandatos (2009/2010 e 2011/2012), o que me gerou muito aprendizado e despertou ainda mais em mim a importância da água, conforme podem verificar na minha entrevista ao Água Viva, na página cinco. Desejo boa sorte ao Sr. Stroiek e que o novo presidente do Consórcio PCJ chegue com muito “gás”, pois, o Consórcio continuará crescendo em sua importância, assim como o tema água para o desenvolvimento sustentável. Feliz 2013 a todos! Angelo Perugini Presidente do Consórcio PCJ

Expediente Consórcio Intermunicipal das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (Consórcio PCJ) CNPJ nº 56.983.505/0001-78 – Entidade de Utilidade Pública (Lei Estadual nº 11.943/05 e Municipal nº 4.202/05) Fotos: Acervo Consórcio PCJ

Integrantes Municípios: Americana, Amparo, Analândia, Artur Nogueira, Atibaia, Bom Jesus dos Perdões, Bragança Paulista, Camanducaia, Campinas, Capivari, Cordeirópolis, Corumbataí, Cosmópolis, Extrema, Holambra, Hortolândia, Indaiatuba, Ipeúna, Iracemápolis, Itatiba, Itupeva, Jaguariúna, Jarinu, Limeira, Louveira, Monte Mor, Nova Odessa, Paulínia, Pedreira, Piracaia, Piracicaba, Rafard, Rio Claro, Rio das Pedras, Saltinho, Santa Bárbara d’Oeste, Santa Gertrudes, São Pedro, Santo Antônio da Posse, Sumaré, Valinhos, Vargem, Vinhedo. Integrantes Empresas: Agrícola Monte Carmelo Ltda., ArcelorMittal do Brasil S.A., Ajinomoto Interamericana Ind. e Com. Ltda., BDF Nívea LTDA, Cia. de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Cia. de Bebidas das Américas (AmBev), Raizen S.A. (Filial Costa Pinto), Raizen S.A. (Filial Santa Helena), CPFL Geração de Energia S.A., DAE S.A. – Água e Esgoto (DAE Jundiaí), Elektro Eletricidade e Serviços S.A., Estre Ambiental S.A., Foz do Brasil S.A. – Unid. Limeira, Hopi Hari S.A., Invista Nylon Sul Americana S.A., Orsa Celulose, Papel e Embalagens Ltda., CPIC Capivari Fibras de Vidro Ltda. Petróleo Brasileiro S.A. – Refinaria de Paulínia (Replan), Rhodia Poliamida e Especialidades Ltda., Rigesa Celulose Papel e Embalagens Ltda., Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento (Sanasa), Sherwin Williams Indústria e Comércio do Brasil Ltda., Unilever do Brasil Ltda., Usina Açucareira Ester S.A., Usina Açucareira Furlan S.A., Usina São José Açúcar e Álcool S.A., Valeo Sistemas Automotivos Ltda.

Redação: Murilo Ferreira de Sant’Anna e Felipe Abrahão (estagiário) Diagramação: Paulo de Oliveira Matos Junior Secretaria Executiva: Av. São Jerônimo, 3100, Bairro Morada do Sol – Americana (SP) – CEP 13470-310; Tel./Fax: (19) 3475-9400 – www.agua.org.br – imprensa@agua.org.br

www.agua.org.br

Conselho Editorial: Angelo Perugini – Presidente do Consórcio PCJ; Francisco Carlos Castro Lahóz – Secretário Executivo; Jussara Cordeiro Santos – Subsecretária Executiva; Alexandre Vilella – Gerente Técnico; Murilo Ferreira de Sant’Anna – Jornalista Responsável (Mtb 56896)

2

Novembro | Dezembro • 2012


Institucional

Cantareira e ampliação da oferta hídrica como temas centrais em 2013 Diretoria do Consórcio PCJ prevê os temas como centrais para o planejamento de 2013

A

diretoria do Consórcio PCJ se reuniu no dia 10 de dezembro, na sede da entidade, em Americana (SP), para a sua última reunião do ano e definiu como temas centrais para discussão em 2013 a operação do sistema e renovação da outorga do Cantareira e a ampliação da oferta hídrica para as Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. “O Sistema Cantareira será a grande discussão em 2013. Atualmente, ele está operando dentro da sua normalidade, o que não deverá gerar problemas de reservação para o próximo ano, mas para 2014 já é preocupante”, comentou Paulo Tínel da Sanasa Campinas, que na ocasião representava o então presidente da empresa, Marcos Antônio dos Santos, que também exercia a vice-presidência do Programa de Monitoramento das Águas do Consórcio PCJ. O Cantareira, naquela semana da reunião liberava 7m³/s para as Bacias PCJ. As represas de Jaguari/ Jacareí operavam a 47,83% da sua capacidade, enquanto a de Cachoeira estava em 39,05% e a de Atibainha em 57,60%. Na média geral, também chamada de Sistema Equivalente, o Cantareira, no dia 10 de dezembro, operava a 48,17%. Durante a reunião, foi apresentado o professor e doutor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Antônio Carlos Zuffo, que está sendo contratado pelo Consórcio PCJ para realizar estudos sobre o comportamento hídrico e ampliação da oferta hídrica nas Bacias PCJ, com base na operação do Sistema Cantareira. A contratação se dará por meio de um convênio entre o Consórcio PCJ e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). A diretoria, também, acordou com o conselho de transição – que atuará de Janeiro a Março de 2013,

Novembro | Dezembro • 2012

Membros da Diretoria do Consórcio PCJ ao lado dos funcionários da entidade gerenciando a entidade – a elaboração de cursos de capacitação para os novos prefeitos e assessores que tomam posse em primeiro de janeiro, esclarecendo sobre o sistema de gerenciamento dos recursos hídricos existente e o objetivo do Consórcio e seus programas em contribuição a esta estrutura. O diretor da Foz do Brasil, e vice-presidente do Programa de Saneamento e Racionalização do Consórcio PCJ, Sandro Stroiek, atentou para as discussões que estão ocorrendo no comitê de bacias sobre

3

o reajuste dos valores da cobrança pelo uso da água. “É necessário um melhor acompanhamento dos indicadores, de onde está sendo investido e o estabelecimento de metas intermediárias”, disse Stroiek que a partir de janeiro assume a presidência do Conselho de Transição da entidade. Ele ainda lembrou o grande desafio para 2013. “Conciliar o avanço de tratamento de esgoto com as metas do plano das bacias PCJ será o grande o desafio para o novo presidente do Consórcio PCJ, em apoio aos municípios consorciados. Muitos promotores estão com estas metas como atividades recomendadas”, comentou Stroiek atentando para o fato de a promotoria pública estar negociando com os municípios a concretização das metas estabelecidas do plano das bacias PCJ. A Diretoria do Consórcio PCJ apreciou e aprovou os balancetes do exercício 2012 da entidade, bem como a proposta orçamentária para 2013. Jorge Mercanti, representante da Petrobras/Replan levantou a possibilidade de realizar encontros com as empresas consorciadas convidando outras que ainda não sejam associadas a se associar ao Consórcio PCJ, o que foi aprovado pelos demais integrantes da Diretoria. Ao final, o secretário e a subsecretária executivos realizaram uma fala de homenagem para os atuais membros da diretoria como agradecimento e despedida, já que no ano que vem serão realizadas novas eleições para o Conselho Diretor, bem como para a escolha do novo presidente do Consórcio PCJ, que deverá ocorrer em Março de 2013.


Proteção aos Mananciais

Projeto de Revitalização dos Rios Camanducaia e Jaguari tem plantio de 34,2 mil mudas O Projeto é um convênio entre Consórcio PCJ e Petrobras/REPLAN e irá recuperar 120 hectares na região

O

Consórcio PCJ, por meio do Programa de Proteção aos Mananciais, iniciou em dezembro de 2012 a terceira e última etapa do Projeto de Revitalização das sub-bacias dos Rios Camanducaia e Jaguari, com o plantio de 34,2 mil mudas em 20,5 hectares em quatro municípios: Amparo, Camanducaia (MG), Jaguariúna e Paulínia. O projeto é um convênio entre o Consórcio PCJ e a Petrobras/REPLAN. Os plantios ocorrerão por todo o período chuvoso, previsto para serem finalizados em março de 2013. No total, o projeto plantará 200 mil mudas em 120 hectares, divididos por propriedades de 12 cidades da região. O projeto iniciou suas atividades em 2009, quando o Consórcio PCJ realizou 20 palestras de conscientização com a participação de mais de 400 proprietários rurais e cadastramento de cerca de 230 hectares de áreas para reflorestamento ciliar. Posteriormente, foram elaborados laudos de uso e ocupação do solo e projetos técnicos de reflorestamento ciliar para as propriedades rurais. No período chuvoso de 2010/2011 foi realizada a primeira etapa do plantio com 110 mil mudas nativas em 64 hectares. A segunda etapa teve início nas chuvas de 2011/2012, com o plantio de 56 mil mudas. Os proprietários contemplados com o projeto

Mudas plantadas em área recuperada pelo projeto ficaram isentos dos custos com a aquisição de mudas, plantio e manutenção nas áreas plantadas, por dois anos. Os projetos foram elaborados para as propriedades rurais buscando atender legislações federal e estadual objetivando seus enquadramentos legais perante aos órgãos ambientais fiscalizadores. “É importante atentar que mesmo com o final dos plantios o projeto não termina. O Consórcio

prestará manutenção ainda nessas áreas por mais dois anos, quando essas mudas estarão prontas para crescerem sozinhas. Ainda é necessário atentar que o foco do Consórcio PCJ mais do que plantar é fomentar nas pessoas a importância da revitalização e preservação”, comenta o gerente de meio ambiente da Petrobras/Replan e vicepresidente do Programa de Proteção aos Mananciais da entidade, Mauro José Lauro.

Área em Pedreira (SP) apresenta evolução no desenvolvimento das mudas plantadas 2010

2012 A Estância Nova Europa, no município de Pedreira no interior de São Paulo, foi uma das propriedades da primeira etapa do Projeto de Revitalização das Bacias dos Rios Camanducaia e Jaguari, no período chuvoso 2010/2011, com o plantio de 10 mil mudas de árvores nativas em 6,5 hectares. O Informativo Água Viva voltou

ao local, em dezembro de 2012, junto do coordenador de projetos e responsável pelo Programa de Proteção aos Mananciais do Consórcio PCJ, Guilherme Valarini, para conferir a evolução das mudas plantadas, o que se pode notar pelo seu excelente desenvolvimento, conforme as fotos acima.

4

Novembro | Dezembro • 2012


Entrevista

Liderar o Consórcio PCJ é um curso sobre a importância e o valor da água Prefeito de Hortolândia (SP), Angelo Perugini, se despede da presidência do Consórcio PCJ nessa entrevista especial para o Informativo Água Viva

E

m março de 2009, Angelo Perugini, então prefeito do município de Hortolândia (SP), assumira o desafio de liderar uma das entidades referência em gestão de recursos hídricos no Brasil, com o objetivo de concluir a fase final do planejamento do Consórcio PCJ para seus primeiros 20 anos e e renovar as metas para os próximos anos. O aniversário de 20 anos da entidade, realizado em outubro daquele ano, no Teatro Municipal de Paulínia (SP), mostrou a importância do Consórcio e a conclusão dessa etapa. Perugini buscou renovar a integração entre os consorciados e ampliar as parcerias, “o Consórcio PCJ manteve as irmandades e relações já existentes, ampliou de maneira marcante as relações”, atenta ele. O prefeito de Hortolândia, assumiu a responsabilidade de iniciar as negociações em torno do Sistema Cantareira, deixando uma boa base para seu sucessor prosseguir com as discussões sobre o tema. Nessa entrevista ao Água Viva, Perugini ainda pontua que o foco do Ministério Público nas ações de gestão de recursos hídricos e meio ambiente dividirão as atenções do próximo presidente do Consórcio PCJ. Por fim, ele confessa, num primeiro instante, ter ficado impressionado com a força da entidade e que liderá-la foi um grande aprendizado. “Foi uma grande lição de vida e ao mesmo tempo um curso de capacitação sobre a importância e o valor da água”, finaliza.

Angelo Augusto Perugini Água Viva – O senhor esteve à frente do Consórcio PCJ por quatro anos, divididos em dois mandatos. Quais ações nesse tempo que o senhor destacaria na gestão dos recursos hídricos nas Bacias PCJ? Angelo Perugini – Destaco no meu primeiro mandato (2009-2010) a missão de implementação do sistema de gerenciamento dos recursos hídricos. Gerenciamos os R$ 17 milhões arrecadados com a cobrança pelo uso da água, enquanto o Consórcio PCJ exerceu as funções de Agência de Água PCJ, repassando-os aos tomadores para que se transformassem em ações de revitalização. Encerramos o primeiro mandato com a realização do Simpósio Internacional, que teve a participação de mil pessoas, no Hotel Tauá em Atibaia (SP). No biênio 2011/2012, nosso primeiro grande desafio foi reestruturar o Consórcio sem as funções de Agência de Água PCJ. Tal trabalho foi facilitado pelo fato da sede da entidade com seus 13 programas ter permanecido em Americana (SP), trabalhando independente da Agência. Atuamos intensamente em 2011 com o subprograma “Eventos Extremos”, em parceria com a defesa civil, os governos do Estado e União. Em 2012, realizamos duas comitivas para eventos internacionais de grande relevância: estivemos presentes em Marselha, na França, participando do Fórum Mundial da Água, em março, liderando uma comitiva de 50 pessoas. Na sequência, com comitiva de mesmo porte, estivemos na “Rio +20”, realizada no Rio de Janeiro, no mês de junho. Realizamos em 2012 dois Talk-Show sobre o Sistema Cantareira, com grande envolvimento, inclusive com a promessa do governador do Estado de São Paulo em liberar R$ 190 milhões para a construção de dois reservatórios, sendo um no Rio Jaguari e outro no Rio Camanducaia. Concluímos o ano com a realização do tradicional “Prêmio Ação Pela Água”, conhecido como “Oscar Regional da Água”, que premiou boas práticas em gerenciamento dos recursos hídricos e meio ambiente.

Novembro | Dezembro • 2012

AV – As discussões certamente se intensificarão em 2013 sobre o Sistema Cantareira. Na sua visão, esse será um dos temas mais desafiadores para o próximo presidente do Consórcio PCJ? Angelo Perugini – O gerenciamento das questões que envolvem a garantia do balanço hídrico das Bacias PCJ e do Alto Tietê sempre ocupará destaque especial na agenda de todos os presidentes do Consórcio PCJ, com o complemento de a partir de 2009 termos passado a conviver com o fenômeno climático “Eventos Extremos”. Por meio de nossa participação na Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico dos Comitês PCJ, atrelado a nossa atuação na renovação da outorga do Sistema

“Deixaremos um bom embasamento para o próximo presidente na condução do tema Cantareira” Cantareira em 2004 e somados aos inúmeros debates que temos promovido, deixaremos um bom embasamento para o próximo presidente na condução do tema “Cantareira”. Dividirão as urgências de pauta do novo presidente a organização dos Ministérios Públicos voltando suas ações para a concretização dos compromissos assumidos no “Plano das Bacias PCJ” 2010/2020, que exigem investimentos regionais superiores a R$ 600 mi por ano. AV – A Organização das Nações Unidas (ONU) estabeleceu como tema para o Dia Mundial da Água 2013 a cooperação. De que forma as parcerias podem contribuir para uma melhor gestão das águas? Angelo Perugini – A resposta é: com planejamento, organização e muito trabalho. Cito como grande exemplo a “Seção Brasil” do Conselho Mundial da

5

Água, na qual somos membros, que é coordenada pela ANA e envolve 40 entidades/instituições públicas e privadas de nosso país e que tem obtido grandes sucessos, como a eleição do Dr. Benedito Braga (Politécnica USP) como presidente do Conselho Mundial da Água. O Consórcio PCJ iniciou, desde meu último mandato, uma reflexão sobre a participação em parcerias, manteve as irmandades e relações já existentes, ampliou de maneira marcante as relações internacionais por onde passam ONU, PNUD, PNUMA, BIRD, BID, UNESCO, entre outras. AV – Em quais pontos o senhor acredita que os municípios devem dar mais atenção à gestão de recursos hídricos? E quais as dificuldades? Angelo Perugini – Com certeza nas atuais fontes de abastecimento e nas futuras, de forma a garantir com sustentabilidade o atendimento às demandas agrícolas, industriais e urbanas. As próprias legislações existentes exigem a elaboração de Planos Municipais de Saneamento, recursos hídricos e meio ambiente. Para tal elaboração são necessárias as realizações de excelentes diagnósticos, que apontarão onde se encontram as reais criticidades de cada municipalidade. AV – Qual foi o seu maior aprendizado dentro do Consórcio PCJ, ainda mais como Presidente da entidade? Angelo Perugini – Minha vivência no Consórcio já ocorre desde muitos anos, da época em que era vice-prefeito de Hortolândia, e sempre vislumbrei na entidade um trabalho de solidariedade regional suprapartidária. Na direção da entidade consolidei tais conceitos e confesso, em primeira instância, ter ficado alarmado com a força da entidade, seu poder de articulação nacionalmente e internacionalmente e a oportunidade de apoiar os Comitês PCJ, nosso “Grande Parlamento das Águas”. Foi uma grande lição de vida e ao mesmo tempo um curso de capacitação sobre a importância e o valor da água.


Gestão

2º Talk-Show sobre o Sistema Cantareira sugere a construção de mais reservatórios Auditório da ESALQ, onde ocorreu o 2º Talk-Show do Sistema Cantareira

E

specialistas apontaram como soluções para a ampliação da oferta hídrica, tanto na bacia do Alto Tietê, onde está inserida a Grande São Paulo, como nas Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ), a necessidade de construção de mais reservatórios entre outras possibilidades. As sugestões foram aventadas durante o 2º Talk-Show “Sistema Cantareira: Um Mar de desafios”, realizado pelo Consórcio PCJ e parceiros, no dia nove de novembro, na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), em Piracicaba (SP). “As Bacias PCJ precisam ampliar sua capacidade de reservação de água, por isso o anúncio do governador, Geraldo Alckmin, em assumir a responsabilidade de construir os dois reservatórios na região, um no Rio Camanducaia e outro no Rio Jaguari, se mostra tão importante, pois, isso dará mais segurança hídrica para as bacias. Em São Paulo, nós estamos com o firme propósito de construir a tão almejada segurança hídrica”, atentou o representante da Sabesp, Ricardo Guilherme Araújo. O engenheiro civil e professor doutor pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Antônio Carlos Zuffo, levantou a possibilidade de se altear as barragens do Sistema Cantareira, ou seja, elevar o barramento para ampliar a capacidade de arma-

zenamento de água. “É necessário a realização de estudos para verificar essa possibilidade, mas configura-se como uma alternativa”, disse ele. O Secretário Executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz pontuou “que essa era uma alternativa polêmica, tendo de ser comprovada por estudos a capacidade da barragem suportar esse alteamento”. A consultora técnica da Sanasa-Campinas, Adriana Isenburg, comentou que “discutir somente o Sistema Cantareira como alternativa de ampliação da oferta hídrica é ser limitado, por isso a importância de se criar fóruns de discussões como esse”, atentou. O sociólogo e pesquisador do Núcleo de Estudos de População (NEPO), da Unicamp, professor doutor Roberto do Carmo, trouxe números que atestam que a população conforme amplia seu poder aquisitivo acaba gastando mais água e que a educação ambiental tem de focar além das crianças diferentes faixas etárias e classes sociais. “O Censo de 2010 mostra uma redução da natalidade e acredita-se que o Brasil logo não apresentará mais crescimento do índice, ou seja, um envelhecimento da população. Como conscientizar a população de terceira idade? O foco não poderá mais ser só as crianças”, disse do Carmo.

A necessidade de melhorar a comunicação com a sociedade sobre temas complexos como o Cantareira, igualmente foi colocado como central pelo engenheiro agrônomo e professor doutor da Esalq, Marcos Vinícius Folegatti. “Pela complexidade, as pessoas apresentam dificuldades de compreensão do que é gestão de recursos hídricos e o Sistema Cantareira. Todo o esforço de esclarecimento e comunicação ainda é pouco, tem de se seguir ampliando a divulgação”, disse. O 2º Talk-Show “Sistema Cantareira: Um Mar de Desafios” ainda contou com as presenças das autoridades: representando o Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (GAEMA), o promotor de justiça Dr. Ivan Carneiro, o jurista ambiental e professor da Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep), Dr. Paulo Affonso Leme Machado, e o prefeito de Camanducaia (MG), Célio de Faria Santos, que na ocasião representou o presidente do Consórcio PCJ, Angelo Perugini. “O Talk-Show tem como objetivo primeiro esclarecer, elucidar a comunidade sobre a atual situação e as necessidades futuras. Depois, contar com a participação da sociedade nesse debate de forma a contribuir com soluções harmoniosas para a ampliação da oferta de água de qualidade”, falou Santos durante a abertura do evento.

Representante da Sabesp, Ricardo Araujo, durante sua palestra de exposição.

Palestrantes e autoridades posam para fotos durante o evento, realizado na Esalq, em Piracicaba.

Roberto do Carmo e Adriana Isemburg apresentam suas opiniões

6

Novembro | Dezembro • 2012


Educação Ambiental

Mais de 188 mil alunos foram capacitados pela Semana da Água 2012

Projeto do Consórcio PCJ trabalhou como tema para esse ano a Conferência da ONU “Rio+20” O

O

Consórcio PCJ apresentou no dia seis de novembro, durante o Seminário de avaliação Regional do Projeto Semana da Água 2012, os resultados obtidos com a execução do projeto, que nesse ano teve como tema as discussões sobre a Rio+20, a Conferência sobre desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU). Dados preliminares confirmam que 188.693 alunos foram capacitados, em 32 municípios. “Esses dados são preliminares, pois, ainda existem municípios que aplicaram a Semana da Água, mas as informações que contém as atividades desenvolvidas, quantidades de alunos capacitados e professores envolvidos, ainda estão sendo contabilizados, o que deverá elevar o número de pessoas atendidas pelo projeto”, comenta a gerente de Gestão e Sensibilização e coordenadora do Programa de Educação e Sensibilização Ambiental do Consórcio PCJ, Andréa Borges. A vice-presidente do Programa e prefeita de Piracaia (SP), Fabiane Santiago, esteve presente ao seminário e se despediu do projeto, tendo em vista que seu mandato de prefeita termina ao final de 2012. “Encerro um ciclo de quatro anos do meu mandato, deixando uma sementinha que é a proposta do tema da Semana da Água 2013, aprovada pela diretoria do Consórcio PCJ, que será o

O Seminário contou com a apresentação de teatro dos alunos da rede pública de Santa Bárbara d’Oeste

Sistema Cantareira e a renovação da sua outorga”, disse ela. Fabiane ainda completou enaltecendo o tamanho e a importância da Semana da Água e do Programa de Educação Ambiental do Consórcio PCJ. “O nosso programa é um modelo para o mundo inteiro”, comentou. Ao final os interlocutores se reuniram em grupos para discutir os pontos positivos e negativos do projeto em 2012, com a presença da bióloga e professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Adriana Braga, que proferiu ao final uma palestra inspiradora. O projeto Semana da Água – 2012 capacitou até

o momento 188.693 alunos, 9.553 educadores, em 32 municípios. Nesse ano, o município de Campinas (SP) foi o que mais teve alunos atendidos pelo projeto, com 34.703 estudantes capacitados. Este ano o Programa de Educação e Sensibilização Ambiental, concedeu certificado “Destaque do Ano” às três melhores propostas de atividades dos municípios participantes da Semana da Água. Receberam a premiação os municípios de Bragança Paulista, Limeira e Piracaia. Também foi concedida menção honrosa pelo trabalho aplicado os municípios: Hortolândia (SP), Rio Claro (SP) e Extrema (MG).

Sistema Cantareira será o tema da Semana da Água 2013 Levar aos alunos participantes da Semana da Água o funcionamento do conjunto de represas que formam o Sistema Cantareira e os reflexos dessas regras operativas no dia a dia da população é o grande desafio do projeto para 2013. A vice-presidente do Programa de Sensibilização e Educação Ambiental e prefeita de Piracaia (SP), Fabiane Santiago, sugeriu o Cantareira como tema da Semana da Água do próximo ano, na reunião do Conselho de Consorciados, realizada em agosto, no município de Valinhos (SP), o que prontamente foi aprovado pelo Conselho. No Seminário de avaliação do projeto, em novembro, ela justificou a importância de trabalhar o tema em 2013, tendo em vista a aproximação das rodadas de negociação da renovação da outorga do Sistema, prevista para ocorrer em 2014. O presidente do Conselho de Transição do Consórcio PCJ, Sandro Stroiek, também solicitou especial atenção ao tema e encomendou a produção de um vídeo institucional e didático sobre a história do Cantareira e explicar o funcionamento das represas. O Sistema Cantareira é um conjunto de represas situado nas nascentes da bacia do Rio Piracicaba. Ele responde pelo abastecimento de 9 milhões de pessoas da Grande São Paulo e mais de 5 milhões

Novembro | Dezembro • 2012

nas bacias PCJ. As duas regiões representam o 1º e o 3º parque industrial do país, respectivamente. “Falar de água para essas duas regiões é falar da segurança nacional do desenvolvimento econômico”, atenta o secretário executivo do Consórcio PCJ, Francisco Lahóz. Desde a renovação da outorga, em 2004, definiu-se que 31 mil litros por segundo são enviados para a Grande São Paulo e cinco mil litros por segundo ficaram assegurados para as bacias PCJ. Também, a partir de então, a gestão do sistema passou a ser compartilhada entre as duas regiões, por meio da Câmara Técnica de Monitoramento Hidrológico (CTMH) vinculada aos Comitês PCJ. Para a renovação da outorga, prevista para ocorrer

7

em 2014, o grande desafio está em aumentar a vazão para nossa região. Os atuais cinco mil litros por segundo se mostram insuficientes para assegurar o abastecimento dos municípios em época de estiagem (julho a outubro). Em 2011, houve a necessidade de liberação de 12 mil litros por segundo, e nesse ano o Sistema Cantareira chegou liberar nove mil litros por segundo para as Bacias PCJ. A adequação da ferramenta banco de águas (saldo positivo, ou seja, quando não há necessidade de liberar as vazões mínimas, gerando uma espécie de poupança de água, para ser usada em liberações de estiagens) também se configura como importante nas discussões da nova renovação de outorga.


Empresas

Pesquisa revela confiança da população de Limeira no serviço de abastecimento Sondagem apontou que 13% dos limeirenses dispensa o uso de caixa d’água em seus imóveis

O

eficiente serviço de abastecimento realizado em Limeira (SP) pela Foz do Brasil, concessionária responsável pelos serviços de água e esgoto no município, é refletido na confiança dos limeirenses na qualidade da água que sai nas torneiras. Segundo pesquisa realizada pela empresa Limite Consultoria, identificou que 13% da população está diretamente ligada ao sistema público de água e não utiliza reservatório nos imóveis. O levantamento realizado em Agosto de 2012 foi destaque no Jornal O Globo, do Rio de Janeiro, no mês de novembro, comparando o serviço de abastecimento à metropoles como Nova Iork, Londres e Paris. Ainda assim, a concessionária atenta para a importância do uso das caixas d’água. Com a chegada do verão além de muito sol e calor, traz também aumento na incidência de fortes pancadas de chuva, que podem gerar problemas como quedas de energia, acarretando também oscilações no abastecimento de água, já que a energia elétrica é uma das principais condutoras do sistema de abastecimento. O coordenador de tratamento de água e esgoto da Foz, Alexandre Leite, explica que a cidade de Limeira vive uma tendência de diminuição de re-

servatórios nos imóveis e em caso de interrupção no fornecimento de água, essas moradias sentem o impacto.“O limeirense se acostumou a ter água na torneira, à disposição, todos os dias, e esse serviço é de fato essencial. A Foz trabalha para que o abastecimento jamais seja interrompido, porém, não podemos descartar problemas emergenciais e é nessa hora que o reservatório tem função importante”, avalia o coordenador. A principal orientação em relação ao uso da caixa d´água é quanto à limpeza e manutenção. O reservatório deve ser lavado a cada seis meses, pois dessa forma é possível evitar a contaminação da água. Novo diretor assume Foz unidade Limeira Em janeiro, a concessionária Foz do Brasil unidade Limeira contará com um novo diretor. Rogério Tadeu Ramos Sarro, integrante há 21 anos do grupo Odebrecht, assume oficialmente o cargo. Sandro Stroiek, diretor da Foz do Brasil desde 2007, assumirá a unidade de Blumenau, em Santa Catarina. Natural do Rio de Janeiro, o novo diretor é engenheiro civil e contabiliza uma longa trajetória na área de obras. Entre as principais estão o Aeroporto Internacional do Galeão - Antonio Carlos

Município de Limeira, SP

Jobim - e o complexo prisional de Bangu, ambas no Rio de Janeiro, e Usina Hidrelétrica de Lajeado, em Tocantins. Para ele, atuar em Limeira e dar continuidade ao desenvolvimento do saneamento da cidade será um grande desafio profissional. “Esta é uma região bastante próspera e desenvolvida, acredito muito no potencial de Limeira, por isso aceitei o desafio de continuar essa história de crescimento”, considera Tadeu. A Foz do Brasil faz parte do grupo de empresas associadas ao Consórcio PCJ, assim como o município de Limeira é um dos 43 municípios consorciados.

CNRH estabelece diretrizes para elaboração de planos de recursos hídricos com a presença da ministra do meio ambiente

A

28º Reunião Ordinária do Conselho Nacional dos Recursos Hídricos (CNRH), que aconteceu dia 12 de dezembro, em Brasília (DF), aprovou resolução que estabelece diretrizes para elaboração de Planos de Recursos Hídricos de Bacias Hidrográficas. A reunião teve a presença da Ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, que defendeu a importância da preservação da água. Em seu pronunciamento, Izabella associou as ações já realizadas envolvendo os eventos climáticos atrelados à preocupação da garantia dos recursos hídricos em quantidade e qualidade. “O debate sobre o clima ganhou nova forma e a questão da água deverá mobilizar o mundo inteiro”, afirmou. “Essa é a geopolítica do planeta.” Integrante do Painel de Alto Nível de Pessoas Eminentes para a Agenda de Desenvolvimento Pós-2015 da Organização das Nações Unidas, ela enfatizou o compromisso pessoal de reforçar as ações do Conselho Nacional em ação conjunta com a Agência Nacional de Águas (ANA), permitindo a criação e implementação de políticas e ações em todas as Bacias Hidrográficas do país. “A água é uma questão cen-

tral e precisamos de insumos para trabalhar esse tema”, acrescentou. No dia 13, ocorreu a 36ª Reunião Extraordinária do CNRH, que aprovou o detalhamento operativo do Programa sobre Gestão de Recursos Hídricos, integrado ao Gerenciamento Costeiro, incluindo as áreas úmidas, conforme encaminhamento da Câmara Técnica de Integração de Gestão das

Bacias Hidrográficas e dos Sistemas Estuários e Zona Costeira. O ‘’ Relatório de Segurança de Construção de Barragens 2011” e ‘’ O Pacto Nacional para a Gestão das Águas” foram duas apresentações realizadas pela ANA com destaque no

8

evento. Para o secretário executivo do Consórcio PCJ, o engenheiro Francisco Lahóz, presente nas reuniões, em Brasília (DF), como representante do Segmento dos Consórcios Intermunicipais e Associações Civis, “ficou evidente nas participações dos membros do CNRH que vários Estados, com a ajuda da solidariedade nacional, estão produzindo planos de recursos hídricos, incluindo o enquadramento dos corpos d’água, ficando visível uma sensível evolução do sistema’’, disse ele. Lahóz ressaltou a necessidade de que o Pacto Nacional tenha abrangência também a outras questões específicas das bacias hidrográficas, como por exemplo, sinalização sobre qual o modelo ideal para as entidades delegatárias (Agência de Bacias, entre outras) que necessitam da interlocução da União (ANA e CNRHU) junto aos Estados, estimulando mudanças legais e firmamentos de pactos localizados, que possam contornar eventuais carências legais ou procedimentos solidários.

Novembro | Dezembro • 2012


Aconteceu no PCJ

PPM atinge a marca de 3,7 milhĂľes de mudas plantadas O ConsĂłrcio PCJ, por meio do Programa de Proteção aos Mananciais (PPM), fechou o ano de 2012 com o plantio de 140 mil mudas, o que fez o programa atingir a marca de 3,7 milhĂľes de mudas plantadas em seus 21 anos de atuação. O ConsĂłrcio PCJ alĂŠm de fornecer as mudas, presta assessoria tĂŠcnica na ĂĄrea por no mĂ­nimo dois anos. Este ano tambĂŠm foi implantada a tĂŠcnica piloto de “Remuneração Ambientalâ€?, que consiste no pagamento aos proprietĂĄrios rurais participantes pelo emprĂŠstimo de mĂŁode-obra, aluguel de espaço e maquinĂĄrios (tratores, implementos agrĂ­colas, etc), alĂŠm do fornecimento de insumos.

ANA homenageia ConsĂłrcio PCJ em BrasĂ­lia (DF) A AgĂŞncia Nacional de Ă guas (ANA) entregou ao ConsĂłrcio PCJ, no dia cinco de dezembro, quadro pintado com o tema “BrasĂ­lia e Cerradoâ€? da artista Juliana Limeira, como homenagem pela entidade ter sido finalista do PrĂŞmio ANA na categoria Organismos de Bacias, com o projeto “Casa Modelo EcoDecorâ€?. O presidente do ConsĂłrcio PCJ, Angelo Perugini, e representantes da equipe da entidade estiveram presentes ao evento. A Casa Modelo foi construĂ­da pelo ConsĂłrcio PCJ e parceiros, em 2009, e apresentou novas tĂŠcnicas de construção civil na ĂĄrea da sustentabilidade. Em 2011, 13 arquitetos tiveram a missĂŁo de decorĂĄ-la com materiais sustentĂĄveis.

Conselho Fiscal amplia Prêmio Ação pela à gua

Brasil assume presidĂŞncia do Conselho Mundial da Ă gua, com Benedito Braga da USP O Conselho Mundial da Ă gua (WWC – na sigla em inglĂŞs) elegeu no dia 19 de novembro, os 36 novos membros do Conselho de Governadores. O ConsĂłrcio PCJ ĂŠ membro do WWC e esteve representado na eleição. Este Conselho irĂĄ supervisionar e orientar o trabalho para os prĂłximos trĂŞs anos. O Brasil apresentou quatro candidaturas a Governador do WWC: representantes da ABDIB, ANA, POLI-USP e REBOB, que foram todos eleitos. TambĂŠm foi anunciado o nome de Benedito Braga, professor da Escola PolitĂŠcnica da Universidade de SĂŁo Paulo, para ser o novo presidente do Conselho. As eleiçþes aconteceram durante a Assembleia Geral trienal para a qual 240 participantes se reuniram em Marselha, França. “Esse mandato serĂĄ caracterizado pela continuidade com mudanças e inovaçãoâ€?, disse Braga

Fortaleza ĂŠ eleita para receber Assembleia da RIOB em 2013 A cidade de Fortaleza (CE) serĂĄ sede em 2013 da Assembleia Geral da Rede Internacional de Organismos de Bacias (RIOB). O anĂşncio foi feito durante o 14Âş Encontro dos ComitĂŞs de Bacias HidrogrĂĄficas (Encob), que aconteceu entre os dias cinco e sete de novembro. O ConsĂłrcio PCJ ĂŠ membro da RIOB e esteve representado no evento pelo secretĂĄrio executivo da entidade, Francisco LahĂłz, que tambĂŠm realizou palestra em painel organizado pela Secretaria dos Recursos HĂ­dricos do Estado de Mato Grosso, com o tema “ExperiĂŞncia Bem-Sucedida em Saneamento BĂĄsicoâ€?. No perĂ­odo da tarde, LahĂłz participou de reuniĂľes de cooperação com a Companhia de GestĂŁo de Recursos HĂ­dricos do CearĂĄ (COGHER – CE), entre outros estados brasileiros e com representantes de ĂłrgĂŁos franceses.





  !"#

))&(*+#   )& )!) ,-)%

    !"#

     $$$%&'% &%(



   

 

    



           

     

Novembro | Dezembro • 2012

9



O Conselho Fiscal em sua Ăşltima reuniĂŁo de 2012, realizada no dia sete de dezembro, aprovou a ampliação do PrĂŞmio Ação pela Ă gua para outras categorias representativas da sociedade, entre elas aquelas onde o Legislativo participa, nas prĂłximas ediçþes da premiação. O Conselho Fiscal, formado por vereadores indicados dos 43 municĂ­pios consorciados, apreciou o resultado das contas do ConsĂłrcio PCJ em 2012 e a previsĂŁo de orçamento para o prĂłximo ano. Todas as contas foram aprovadas por unanimidade. O ConsĂłrcio PCJ estĂĄ adimplente com as suas obrigaçþes e suas contas, que desde 2010 tĂŞm sido aprovadas pelo Tribunal de Contas do Estado de SĂŁo Paulo. O secretĂĄrio executivo do ConsĂłrcio PCJ, Francisco LahĂłz, com o apoio da equipe tĂŠcnica, apresentou o relatĂłrio simplificado das atividades da entidade em 2012, com destaque Ă s participaçþes no FĂłrum Mundial da Ă gua, na Rio+20 e a organização dos talk-shows sobre o Sistema Cantareira, alĂŠm de enaltecer o sucesso que foi a realização do 6Âş PrĂŞmio Ação pela Ă gua. A reuniĂŁo tambĂŠm foi marcada por forte emoção pela despedida do vereador SebastiĂŁo Santos da presidĂŞncia do Conselho Fiscal, que serĂĄ reformulada em 2013, com a eleição dos novos legisladores. O secretĂĄrio executivo do ConsĂłrcio PCJ entregou a ele a homenagem de “Boas PrĂĄticas Ambientaisâ€?, que agradeceu o apoio nesses anos todos e com os olhos marejados de lĂĄgrimas, declarou: “Participo desse projeto hĂĄ 20 anos com amor. E quem ama, choraâ€?.


Saneamento

Presidente do Consórcio PCJ, participa da inauguração de ETE em Nova Odessa

O

município consorciado de Nova Odessa (SP) e a Companhia de Desenvolvimento do município (Coden) inauguraram no dia 14 de dezembro, a Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Quilombo, com a presença do então prefeito Manoel Samartin e de diversas autoridades, entre elas o presidente do Consórcio PCJ e prefeito de Hortolândia (SP), Angelo Perugini. Com investimento total de R$ 11,6 milhões, a ETE é considerada a maior obra pública da história do município, com capacidade para tratar o esgoto de 50.000 pessoas. O Presidente do Consórcio PCJ parabenizou o prefeito pelo empenho na realização de obras para o tratamento de efluentes. “Obras como essa, normalmente os políticos evitam fazer porque não dá voto, é esquecida. Coletou o esgoto, o cano fica debaixo do chão, ninguém mais vai lembrar isso”, disse Perugini lembrando o empenho do chefe do executivo de Nova Odessa em buscar recursos federais para a construção e conclusão da ETE. Ele ainda comentou a participação atuante do Município de Nova Odessa na articulação regional. “Participa do Consórcio PCJ, presente em todas as reuniões e mais que isso, o Manoel foi um dos líderes de fundação do Consórcio de Resíduos Sólidos da nossa região, com nove municípios”, pontuou Perugini. O prefeito de Nova Odessa, atentou que a obra beneficiará a população de Nova Odessa e de toda a região. “Cada um tem que fazer a sua parte, e nós estamos fazendo a nossa. A ETE Quilombo é um grande empreendimento, a maior obra pública de Nova Odessa, e a população pode ficar despreocupada, pois o esgoto doméstico será 100% tratado aqui. Além do mais, as cidades que são próximas a Nova Odessa também vão ser muito beneficiadas. Todos poderão ficar de cabeça erguida,

R

Talk-Show Sistema Cantareia realizado pelo Consórcio PCJ, sugere construção de mais reservatórios nas Bacias PCJ

Correio Popular

pois vamos jogar água limpa no Ribeirão Quilombo e não vamos prejudicar o Meio Ambiente”, afirmou. “Estamos aqui por um objetivo final que é poder num final de semana pegar uma vara de pescar e ir até o ribeirão e pescar um peixe, ver uma água limpa”, destacou o diretor presidente da Coden, Ricardo Ongaro, lembrando do sonho de ver ribeirões como o Quilombo, que cruza Nova Odessa, despoluído em áreas urbanas. Inicialmente e em fase de testes biológicos, a ETE Quilombo está operando com 10% de sua capacidade, correspondente ao esgoto da bacia do Córrego Recanto – cujo Coletor Tronco é o único que deságua diretamente na ETE. A partir de meados de fevereiro, quando estiver finalizada a última etapa do Interceptor de Esgoto Quilombo, a ETE deve atingir sua capacidade máxima de 185 litros por segundo, ou 100% do esgoto doméstico produzido pela população urbana da cidade. O Consórcio PCJ auxilia os municípios, por meio do Programa de Apoio aos Consorciados e do Programa de Saneamento e Racionalização na busca por fontes de captação de recursos no avanço de obras para o tratamento de esgoto. Em 23 anos de atuação da entidade, o tratamento de efluentes nas bacias PCJ saltou de 3% para 60%.

Governo de SP prevê recursos no orçamento 2013 para reservatórios nas Bacias PCJ epresentantes do Consórcio PCJ e dos Comitês PCJ, se reuniram no dia 26 de dezembro de 2012, com o secretário de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo, Edson Giriboni, em reunião no seu gabinete, em São Paulo – Capital. O secretário informou que o orçamento do Estado de São Paulo para 2013 contempla recursos para a construção de dois reservatórios nas Bacias PCJ, localizados nos rios Camanducaia e Jaguari. Os recursos cobrem os custos com os projetos executivos, para as atividades preliminares técnicas e de licenciamento, ações sequenciais aos projetos básicos, já em fase final de elaboração e para desapropriações. Estiveram presentes à reunião o Superintendente do Departamento de Água e Energia Elétrica (DAEE), Alceu Segamarchi, do presidente dos Comitês PCJ e prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, cargos esses exercidos por ele até 31 de dezembro, e do vice-presidente do Programa de Monitoramento Hidrológico do Consórcio PCJ e presidente naquela ocasião da SANASA/Campinas, Marco Antônio dos Santos, além de diversos técnicos. O encontro foi demandado pelo então presidente do Consórcio PCJ e prefeito de

A Tribuna de Piracicaba

Hortolândia (SP), Angelo Perugini, solicitando conhecer o atual estágio do processo dos reservatórios. Participaram, também, da reunião o Secretário Executivo do Consórcio PCJ, Francisco Carlos Castro Lahóz, Paulo Tinel, da SANASA, representando o grupo de eventos extremos e barragens do Consórcio PCJ, Luiz Roberto Moretti, Diretor do DAEE-BMT e Secretário Executivo dos Comitês PCJ, além de outros técnicos da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos e do DAEE. Segundo o secretário executivo do Consórcio PCJ, a informação é extremamente positiva, pois, além de ser uma importante obra para a garantia hídrica da região, mostra o comprometimento do Governo do Estado, das Bacias PCJ e da sociedade com a causa. “Os reservatórios representarão um acréscimo de 7 m3/s de água para as Bacias PCJ”, disse Lahóz. O secretário foi consultado pelo então presidente da Sanasa/Campinas e vice-presidente do Consórcio PCJ, Marco Antônio dos Santos, sobre a renovação da outorga do Sistema Cantareira, em que ele deixou evidente o compromisso do Governo de São Paulo com a garantia hídrica das Bacias PCJ e do Alto Tietê.

10

Proposta de alteamento das barragens do Cantareira foi destacada como uma das alternativas para aumento da oferta hídrica.

Rádio Azul Celeste 6º Prêmio Ação pela Água, realizado na cidade de Americana, foi destaque na rádio

Jornal de Piracicaba Jornal destacou o 6º Prêmio Ação Pela Água e as conquistas do setor privado na premiação.

O Liberal Proposta do Consórcio PCJ para construção de novos Reservatórios nas Bacias PCJ, gera debates na região e é destaque na mídia

SBT SBT realiazou a cobertura do 6º Prêmio Ação pela Água realizado em novembro na cidade de Americana, SP

Novembro | Dezembro • 2012


Edição Especial

6º Prêmio Ação pela Água premia 38 finalistas

F

oi um sucesso! A realização do 6º Prêmio Ação pela Água 2012, organizado pelo Consórcio PCJ, recebeu número recorde de projetos (77 no total), dos quais 38 foram selecionados a serem premiados com primeira, segunda e terceira colocações numa requintada Cerimônia de Premiação, que aconteceu no dia 27 de novembro, com a presença de 400 convidados, no Espaço Le Blanc, em Americana (SP). Os 38 finalistas conheceram as suas colocações nos temários de cada uma das quatro categorias: Sociedade Civil, Iniciativa Pública, Iniciativa Privada e Pesquisa e Inovação. O evento contou com as presenças do Presidente do Consórcio PCJ e prefeito de Hortolândia (SP), Angelo Perugini, do vice-presidente da entidade e prefeito de Americana (SP), Diego De Nadai, o chefe de gabinete da Agência Nacional de Águas (ANA), Horácio Figueiredo Júnior. Representando as secretarias de Saneamento e Recursos Hídricos e de Meio Ambiente, estiveram presentes Camilo Gava e Zuleica Perez, respectivamente. Diversos veículos da imprensa regional também marcaram presença no evento. No total, 14 prefeitos das Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí (PCJ) compareceram ao evento, prestigiando a premiação, que foi conduzida pelos jornalistas com experiência em sustentabilidade e meio ambiente, Rosana Jatobá (Rádio Globo) e Rui Gonçalves (Globo News). “É uma satisfação enorme estar aqui para falar daquilo que garante a vida: a água”, falou Rosana antes de iniciar as apresentações dos ganhadores. Rui também agradeceu imensamente o convite do Consórcio PCJ e disse que se sente muito à vontade em participar dos eventos da entidade. “Tenho um laço de amizade muito grande com o PCJ [Consórcio PCJ]”, atentou ele. O Presidente do Consórcio PCJ, Angelo Perugini, agradeceu a todas as 77 iniciativas que foram enviadas ao 6º Prêmio Ação pela Água e acrescentou que todos já são vitoriosos, independente de qual colocação alcançaram. “Todas as 77 iniciativas que

Novembro | Dezembro • 2012

enviaram seus projetos são vencedoras e estão contribuindo para a ampliação da oferta de água em quantidade e qualidade. Por isso, em nome do Consórcio PCJ, o nosso muito obrigado a vocês, por acreditarem que um futuro sustentável começa por maior respeito pela água”, disse ele. A primeira categoria a ser premiada foi Pesquisa e Inovação, cujo projeto vencedor em primeiro lugar foi o de “Quantificação dos Serviços Ambientais das matas ciliares”, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo. Em seguida deu-se início às premiações dos temários da categoria Sociedade Civil, iniciando por Ações de Conscientização e Sensibilização Ambiental. O projeto ganhador na primeira colocação foi “Águas do Piracicaba”, da Associação Mata Ciliar. No temário Iniciativas e Parcerias Voltadas à Reciclagem e Gerenciamento de Resíduos, o vencedor foi o Instituto Elektro, com o projeto “Coleta de óleo vegetal”. Por fim, no terceiro temário dessa categoria, Experiências voltadas à Recuperação de Matas Ciliares em Áreas Degradas, o primeiro lugar ficou com a ONG Elo Ambiental, com a iniciativa “Esforços para proteção e recuperação da bacia hidrográfica do córrego Bom Jardim”. Na categoria Iniciativa Privada, o temário Gerenciamento de Resíduos Sólidos premiou na primeira colocação o projeto “Desenvolvimento de aplicações sustentáveis para os resíduos de siderurgia”, da ArcelorMittal. O Shopping Iguatemi Campinas e a AmBev dividiram a primeira colocação no temário de Reuso da Água, com os projetos “Reuso de água no Shopping Iguatemi Campinas” e “Sistemas de reaproveitamento, recuperação e tecnologias para a redução do consumo de água”, respectivamente. No temário Ações de Responsabilidade Socioambiental e Comunicação Institucional Integrada, o primeiro colocado ficou com a ArcelorMittal, com o projeto “Transformando o amanhã com sustentabilidade”. Por fim, a última categoria a ser premiada na noite

11

foi Iniciativa Pública. No temário Combate às Perdas e Racionalização, Foz do Brasil e Sanasa/Campinas, dividiram a primeira colocação com os projetos: “Racionalização e reúso interno de água na ETE Água da Serra – Limeira” e “Estação de Produção de Água de Reuso Capivari II”, respectivamente. O projeto “Complexo Estufa: Cisterna”, da prefeitura de Hortolândia, levou o prêmio em primeiro lugar no temário Educação Ambiental e Comunicação Social. Encerrando as premiações do 6º Prêmio Ação pela Água, a prefeitura de Corumbataí, ficou em primeiro lugar no temário Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Confira ao final da matéria as colocações de todos os 38 finalistas. O Prêmio Ação pela Água iniciou suas atividades em 2000, com o principal objetivo de reconhecer as melhores práticas de gerenciamento de recursos hídricos nas Bacias dos Rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí. “Racionalização pelo Uso da Água”, “Excelência em Educação”, “Responsabilidade Social”, “Qualidade de Água”, “ Gestão de Recursos Hídricos – Controle Quantitativo e Qualitativo”, foram os temas das edições de 2000 à 2008, respectivamente. Na edição de 2012, o Prêmio bateu recorde no envio de projetos, com o recebimento de 77 iniciativas, destas, 38 foram escolhidas para serem finalistas. Na última edição, em 2008, por exemplo, foram enviados 33 projetos, o que configura o Prêmio Ação Pela Água como uma das grandes premiações da área de recursos hídricos, considerado o Oscar da Água. O 6º Prêmio Ação pela Água contou com o patrocínio master da Caixa Econômica Federal, patrocínios do Buffet Claudia Porteiro e Invista, e os apoios da Agência Nacional de Águas, da Prefeitura Municipal de Americana, Confederação das Industrias do Estado de São Paulo (CIESP), Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos de São Paulo, Departamento de Água e Energia Elétrica do Estado de São Paulo (DAEE).


Edição Especial Iniciativa Pública

Combate às Perdas e Racionalização 1º Lugar: Foz do Brasil | Limeira - SP e Sanasa Campinas

A

Sanasa/Campinas e a Foz do Brasil dividiram o primeiro lugar na categoria Iniciativa pública do temário Gerenciamento de Resíduos Sólidos no 6º prêmio ação pela água, com os projetos “Estação de Produção de Água de reuso Capivari II” e “Racionalização e reuso interno de água na ETE Água da Serra – Limeira”, respectivamente. O projeto desenvolvido pela Foz do Brasil tem como objetivo aprimorar e reduzir o volume consumido de água potável no processo de tratamento de esgoto da estação Água da Serra através do reuso da saída da própria estação substitutivamente à água potável. Com a reutilização da água da própria saída da estação como fonte de abas-

tecimento, onde houve uma redução de 82% do consumo de água. O projeto “Estação de Produção de Água de reuso Capivari II” elaborado pela Sanasa/Campinas surgiu pela necessidade da estação de esgoto, e com ela há possibilidade de reduzir a emissão de um efluente que possa ser reaproveitado para fins não potáveis. As melhorias já são nítidas, houve a redução de 99% da carga de poluição (em termos de DBO) que seria lançada no Rio Capivari. A Sanasa/Campinas busca ampliar a capacidade de produção, iniciar a comercialização da água de reuso bem como receber determinados tipos de efluentes industriais para tratamento adequado.

Vencedores da categoria Combote às Perdas recebem o prêmio do Prefeito de Rio Claro (SP), Du Altimari

Educação Ambiental 1º Lugar: Prefeitura Municipal Hortolândia - SP

O

projeto “Complexo estufa: cisterna”, da prefeitura municipal de Hortolândia, foi premiado como o melhor projeto na categoria Iniciativa Pública do temário Educação Ambiental e Comunicação Social voltada à Gestão dos Recursos Hídricos no 6º Prêmio Ação pela Água. O projeto está em prática desde fevereiro de 2012 com o objetivo de incentivar a população em aproveitar de maneira correta a água da chuva nas residências com a implantação de um sistema simples de aproveitamento, o que diminuiria consideravelmente o escoamento do alto volume de

água nas redes pluviais em dias de tempestades. O Complexo Estufa conta com o Viveiro Embaúba, localizado no Centro de Referência Ambiental Parque Escola (CREAPE), e possui um viveiro de mudas, cisterna e espiral de ervas medicinais (método de cultivo para pequenos espaços). O local é utilizado para a formação de cidadãos, que são conscientizados sobre a importância do reuso da água e o reaproveitamento de materiais orgânicos para adubagem. A iniciativa despertou o interesse da população em reutilizar e economizar a água tratada em Hortolândia.

Ricardo Schimidt da Florespi entrega prêmio aos ganhadores na categoria Educação Ambiental

Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1º Lugar: Prefeitura Municipal Corumbataí - SP

R

esidências com 100% de coleta e separação do lixo. Assim a prefeitura municipal de Corumbataí venceu o temário ‘’Gerenciamento de Resíduos Sólidos’’, na categoria Iniciativa Pública do 6º Prêmio Ação pela Água, com o projeto ‘’Coleta Seletiva de lixo’’. O projeto vencedor foi uma ação emergencial de Corumbataí em 1995, quando o lixão da cidade estava prejudicando a qualidade hídrica, do ar e do solo local. Desde então a coleta seletiva de lixo foi tema de conscientização nas escolas e comunidades da cidade.

‘’No lugar do antigo lixão foi construído o Aterro Sanitário Municipal, que hoje recebe o lixo coletado por 100% da população, separado entre reciclável e orgânico, processo realizado semanalmente e em dias alternados’’, quem afirma é Lucilene de Aquino, bióloga e responsável pelo projeto. Segundo Lucilene, a próxima meta do programa é tratar melhor o lixo orgânico despejado no Aterro. ‘’Estamos estudando um processo eficaz de compostagem do lixo orgânico, porque esse tipo de material contamina os recursos naturais’’, disse ela.

Silvio Marques da ASSEMAE entrega premiação aos ganhadores da categoria Resíduos Sólidos

Novembro | Dezembro • 2012


Edição Especial Iniciativa Privada

Responsabilidade Socioambiental 1º Lugar: ArcelorMittal | Piracicaba - SP

O

projeto “Transformando o amanhã com sustentabilidade” deu o primeiro lugar à empresa ArcelorMittal, no 6º Prêmio ação pela Água, na categoria iniciativa privada com o temário educação ambiental. A analista de comunicação Maria Antonia Bueno Consani, uma das envolvidas com o projeto, diz que “todos os trabalhos desenvolvidos pela ArcelorMittal Piracicaba estão alinhados às diretrizes da ArcelorMittal corporação, que tem a sustentabilidade como um de seus princípios”. Maria Antonia também destaca que em todas as unidades são desenvolvidos projetos que buscam envolver a comunidade. Na unidade da ArcelorMittal em Piracicaba,

onde se realiza o projeto, é desenvolvido uma gama de ações voltadas à construção de uma sociedade sustentável, através de um conjunto de práticas que se orientam pelo crescimento econômico-financeiro, considerando integralmente os aspectos sociais e ambientais. Segundo Maria, “a unidade de Piracicaba conta com 20 projetos desenvolvidos entre os empregados e também com a comunidade, em parceria com a prefeitura, escolas e entidades. Essa é uma prática que tem se consolidado desde 1999”. A iniciativa tem se consolidado com o atendimento de diversos púbicos como crianças, idosos e professores, inclusive com a capacitação deles.

Vencedores na categoria Socioambiental recebem o prêmio de Dalto Brochi da ARES-PCJ

Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1º Lugar: ArcelorMittal | Piracicaba - SP

R

eaproveitar e valorizar os resíduos sólidos da siderurgia. Foi assim que a empresa ArcelorMittal venceu o temário ‘’Gerenciamento de Resíduos Sólidos’’, na categoria ‘’Iniciativa Privada’’ do 6º Prêmio Ação pela Água, com o projeto ‘’ Desenvolvimento de aplicações sustentáveis para os resíduos da siderurgia’’. O objetivo central do projeto, iniciado em 2007, é a valorização dos resíduos industriais, numa visão socioambiental e econômica para diminuir e até mesmo extinguir o despejo desses componentes em aterros. A empresa busca economizar gastos destinados à dis-

posição final de resíduos e acrescentar receita com a venda deles de acordo com o valor de mercado. Outra meta da ArcelorMittal é colaborar para a redução da exploração de recursos naturais. De acordo com Sandra Nogueira de Souza, analista de Utilidades e Meio Ambiente da empresa, o projeto já faz parte da gestão da ArcelorMittal e os objetivos ainda serão alcançados para que os resíduos siderúrgicos não sobrecarreguem os aterros sanitários. ‘’Nós só vamos parar esse projeto quando 100% dos resíduos sólidos da siderurgia forem destinados ao reúso e reciclagem’’, afirma ela.

Ganhadores da categoria Resíduos Sólidos recebem o prêmio da Prefeita de Piracaia (SP), Fabiane Santiago

Reuso da Água 1º Lugar: Ambev | Jaguariuna - SP e Shopping Iguatemi Campinas

O

shopping Iguatemi, localizado em Campinas (SP) e a empresa AmBev foram os vencedores do temário “Reuso da Água” na categoria Iniciativa Privada do 6º Prêmio Ação pela Água, com os projetos “Reuso de Água no Shopping Iguatemi Campinas” e ‘’Sistemas de Reaproveitamento, recuperação e tecnologias para redução do consumo de Água”, respectivamente. O projeto do Iguatemi foi concluído em 2010 e surgiu da escassez de água local e teve como objetivo a redução do volume de efluentes lançados na rede pública, além de economizar energia e água potável através de uma estação

Novembro | Dezembro • 2012

de tratamento de esgoto (ETE). O gerente de manutenção, Luis Eduardo Mancin, afirma que ‘’a meta futura é a ampliação do shopping, e posteriormente a da estação, que terá maior capacidade e não gerará mais esgoto para o Iguatemi’’. O outro projeto vencedor foi iniciado pela AmBev em janeiro de 2011 e tem como objetivo a aplicação de técnicas para a diminuição de captação de água por meio de sistemas de recuperação instalados na empresa. Para Tattiana Lupion Torres, gerente de meio ambiente da AmBev, ‘’o próximo objetivo é diminuir de 7 mil m³ de água por dia para 5 mil m³ o consumo local.’’

Francisco Lahóz realiza a entrega do prêmio aos vencedores da categoria Reuso da Água


Edição Especial Sociedade Civil

Conscientização e Sensibilização Ambiental 1º Lugar: Associação Mata Ciliar

C

om o Projeto ‘’Águas do Piracicaba’’, a Associação Mata Ciliar faturou o primeiro lugar no temário Sensibilização Ambiental da categoria Sociedade Civil do 6º Prêmio Ação pela Água. A iniciativa, de janeiro de 2011, consiste em promover a participação da população na administração dos recursos hídricos das Bacias dos Rios Piracicaba, Jundiaí e Capivari. O projeto incentiva novas práticas que colaborem para a conservação e a recuperação de áreas naturais degradadas, como florestas e matas ciliares. O projeto ‘’Águas do Piracicaba’’ conta com

oficinas de capacitação ambiental para Professores (OCA - Pro), composta por aulas teóricas e práticas gratuitas destinadas a gestores e professores do ensino básico e fundamental, onde professores e alunos interagem e discutem a importância da preservação da natureza com o auxilio de kits didáticos fornecidos pela própria Associação Mata Ciliar. Jorge Bellix de Campos, presidente da Associação Mata Ciliar, aponta uma de suas próximas metas. ‘’O grande desafio do projeto agora é a formação de grupos de jovens que pensem no futuro de suas comunidades e no meio ambiente’’, conclui ele.

Finalistas da categoria recebem o prêmio do Prefeito de Indaiatuba (SP), Reinaldo Nogueira

Reciclagem e Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1º Lugar: Instituto Elektro | Elektro Campinas - SP

C

ada litro de óleo que é descartado sem consciência pode contaminar 10 mil litros de água (Fonte: USP), criando ainda uma camada sobre a água que impede a penetração solar, causando a morte da fauna aquática. Com foco em reverter isso por meio da educação ambiental, o projeto “Coleta de óleo vegetal”, promovido pelo Instituto Elektro em parceria com a Empresa Elektro, recebeu a primeira colocação no temário reciclagem e resíduos sólidos da categoria Sociedade Civil do 6º Prêmio Ação pela Água. Realizado no mês de junho, a iniciativa coletou 540 litros de óleo durante a semana do meio ambiente. A proposta agora é dar continuidade à coleta, também nas dependências do Instituto Elektro.

O objetivo do projeto “Coleta de óleo vegetal” é conscientizar os colaboradores e a comunidade local da importância do descarte correto do óleo usado através de uma campanha de arrecadação. A cada dois litros de óleo doado o participante recebeu duas pedras de sabão com rótulo personalizado fabricadas na usina do Instituto Triângulo. A estagiária de meio ambiente da Elektro, Mariany Pacheco explica o surgimento do projeto: “A ideia surgiu na semana do meio ambiente, em junho. Nós tínhamos que preparar uma atividade que conseguisse envolver 100% dos colaboradores da Elektro em uma ação de educação ambiental, assim, nós organizamos a coleta de óleo em 14 municípios”, explica ela.

Prefeito de Camanducaia (MG), Celio Faria Santos faz entrega dos prêmios na categoria Resíduos Sólidos

Recuperação de Matas Ciliares em Áreas Degradadas 1º Lugar: Elo Ambiental | Vinhedo - SP

C

om os ‘’Esforços para Proteção e Recuperação da Bacia Hidrográfica do Córrego Bom Jardim’’, nome dado ao projeto da ONG Elo Ambiental, a entidade conquistou o primeiro lugar na categoria Sociedade Civil, no temário Recuperação de matas ciliares no 6º Prêmio Ação pela Água. O projeto está em andamento desde 1998 e trabalha para minimizar os problemas que a Bacia do Rio Piracicaba enfrenta no que se refere à qualidade e a quantidade de água disponível ao abastecimento público. O córrego Bom Jardim, um dos afluentes do Rio Atibaia, localizado próximo às cidades de Valinhos e Vinhedo, associadas ao Consórcio PCJ, é o foco da iniciativa.

A criação da APRM (Área de Proteção e Recuperação dos Mananciais) da Bacia do Bom Jardim, pioneira nas Bacias PCJ, e a aprovação, na Câmara Municipal de Valinhos, da lei de criação da APA (Área de Proteção Ambiental) Municipal da Serra dos Cocais, que abrange a bacia do Bom Jardim, foram resultados desse projeto. Claudia Grabher, diretora de projetos da Elo Ambiental, lembra que, segundo a Constituição Federal, o meio ambiente é um bem coletivo e de direito fundamental às pessoas. Sendo assim, ela aponta uma das principais metas da ONG: “Iremos trabalhar para a aprovação de Novas APRM’s, pois ainda existem áreas sem essa preservação no âmbito regional”, finaliza Claudia.

Vencedores na categoria Áreas Degradadas recebem o prêmio do Prefeito de Nova Odessa, Manoel Samartin

Novembro | Dezembro • 2012


Edição Especial Pesquisa e Inovação

Pesquisa e Inovação

1º Lugar: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas | IAG – USP

O

Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo, em parceria com a The Nature Conservancy (TNC), faturou o primeiro lugar na categoria ‘’Inovação’’ do 6º Prêmio Ação Pela Água com o projeto ‘’Quantificação dos Serviços Ambientais das Matas Ciliares’’, criado em janeiro de 2010 e que ainda está sendo desenvolvido por alunos e professores da Universidade. O objetivo do projeto é quantificar os serviços ambientais das mata ciliares em dois pontos da Microbacia Ribeirão das Posses, localizada no município de Extrema-MG e comparar os dois locais, um preservado e reflorestado, com outro desprote-

gido e sem reflorestamento. A comparação é feita utilizando os parâmetros de variáveis climáticas, de umidade do solo, vazão, nível do aquífero, evapotranspiração e fluxo de sedimentos. O projeto busca a viabilizar de forma simples e didática as informações científicas de modo a ressaltar as melhorias ambientais, proporcionadas pelo uso adequado do solo. Jonathan Mota da Silva, Doutorando da USP e integrante da equipe de pesquisa, aponta algumas melhorias da disseminação dessas informações. “Quantificar o efeito da reconstituição das matas ciliares gera um ganho efetivo na qualidade da água e no amortecimento das cheias, evitando enchentes”, afirma ele.

Fotos da Premiação

Novembro | Dezembro • 2012

Finalistas da categoria Pesquisa e Inovação recebem o prêmio do Prefeito de Analândia (SP), Luiz Garbuio


Vencedores Sociedade Civil Gerenciamento de Resíduos 1º lugar: Instituto Elektro | Coleta de Óleo Vegetal 2º lugar: ONG Pró Jóa | Programa Lixo Mínimo 3º lugar: Prefeitura de Rio Claro (SP) | Coloque o Lixo no Lugar Certo e na Hora Certa

Recuperação de Áreas Degradas 1º lugar: Elo Ambiental | Esforços para proteção e recuperação do córrego Bom Jardim 2º lugar: Associação Barco Escola Natureza | Adote uma Árvore 3º lugar: Instituto de Proteção Socioambiental da Bacia Hidrográfica do Rio Corumbataí | Implantação de Mata Ciliar no Ribeirão Claro

Educação Ambiental 1º lugar: Associação Mata Ciliar | Projeto Águas do Piracicaba 2º lugar: Associação Barco Escola da Natureza | Programa Barco Escola e Elo Ambiental | Vídeo “Elos da Água” 3º lugar: Jaguatibaia | Da semente à muda, da muda à árvore

Iniciativa Privada Reuso 1º lugar: Ambev | Sistemas de reaproveitamento, recuperação e tecnologias para a redução do consumo de água e Shopping Iguatemi Campinas | Reuso de água no Shopping 2º lugar: Caterpillar | Água: redução, otimização e reuso 3º lugar: Nivea | Reuso do Rejeito da Osmose Reversa e Honda | Redução do consumo de água através do reuso

Resíduos 1º lugar: ArcelorMittal | Desenvolvimento de aplicações sustentáveis para os resíduos de siderurgia 2º lugar: Kidde Brasil | Programa de redução de resíduos na estação de tratamento de efluentes industriais na Kidde Brasil - unidade de Extrema / MG 3º lugar: Caterpillar | Ações para um mundo sustentável e Rhodia – DEPLAT - Destinação das purgas de lodo do tratamento de água

Educação Ambiental 1º lugar: ArcelorMittal | Transformando o amanhã com sustentabilidade 2º lugar: Caterpillar | Código H2O e Tivoli Shopping | Projeto de Educação Ambiental “Meio Ambiente e Segurança - Uma visão holística na prática” 3º lugar: Petrobras/REPLAN | A integração regional no processo de ampliação da outorga e Usina Furlan | Na trilha do verde, caminhando para o saber

Iniciativa Pública Educação Ambiental 1º lugar: Prefeitura de Hortolândia (SP) | Complexo Estufa: Cisterna 2º lugar: Prefeitura de Extrema (MG) | Observando o Rio Jaguari 3º lugar: SAAE Indaiatuba | Valorização Indaiatubana da Água e Sabesp | Projeto Gaia de Educação Ambiental - Atitude que transforma o meio

Combate às Perdas e Racionalização 1º lugar: Foz do Brasil | Racionalização e reuso interno de água na ETE e Sanasa Campinas | Estação de Produção de Água de Reuso Capivari II 2º lugar: SAAE Indaiatuba | Programa de Combate às Perdas 3º lugar: DAE Jundiaí | Aquisição de equipamentos e realização de obras na Bacia do Jundiaí

Gerenciamento de Resíduos Sólidos 1º lugar: Prefeitura de Corumbataí (SP) | Programa Coleta Seletiva de Lixo 2º lugar: Foz do Brasil | TARESC: Termo de aceitação de recebimento de efuentes não-domésticos no sistema de coleta de esgoto do município de Limeira 3º lugar: SAAE Salto | Coleta Seletiva no município de Salto

Iniciativa Pública 1º lugar: Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas – USP | Quantificação dos Serviços Ambientais das matas ciliares 2º lugar: ESALQ | Documentário nas águas do Piracicaba e blog socioambiental 3º lugar: Instituto Brasileiro de Educação para a Vida | Educação Ambiental de corpo e alma

Novembro | Dezembro • 2012


Água viva 4º Trimestre 2012 especial Prêmio Ação pela Água  

Edição do 4º Trimestre traz um especial sobre os projetos premiados no 6º Prêmio Ação Pela Água. considerado por muitos o Oscar da Água nas...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you