Issuu on Google+


Apresentação da Agir A criação da Agência de Inovação da UFF (Agir) visa atender às exigências da Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004, denominada “Lei da Inovação”, que prevê a criação de um Núcleo de Inovação Tecnológica, em cada Instituição Científica e Tecnológica Federal (ICT), com a incumbência de executar a lei no âmbito da entidade. Como posto em seu artigo 16, “A ICT deverá dispor de núcleo de inovação tecnológica, próprio ou em associação com outras ICTs, com a finalidade de gerir sua política de inovação”. Vincula à Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação da UFF, a Agir tem por finalidade coordenar, articular e propor a política e ações de estímulo à inovação da Universidade Federal Fluminense. A estrutura da Agência de Inovação é:

- Direção - Fórum de Agentes de Inovação - Divisão de Articulação Acadêmica - Divisão de Capacitação e Difusão - Escritório de Transferência de Conhecimento (Etco) - Divisão de Incubadora de Empresas - Secretaria

3


Apresentação da Agir

Missão

Promover a gestão da inovação tecnológica da UFF, principalmente, no que se refere ao estímulo de desenvolvimento de pesquisas inovadoras, à proteção e à transferência dos “ativos intelectuais” da comunidade acadêmica, atendendo às demandas dos diversos segmentos da sociedade, estabelecendo parcerias e participando proativamente das discussões geradas nos cenários local, regional e nacional.

Visão

Gerar e disseminar tecnologias inovadoras possibilitando a efetivação de parcerias, transformando idéia em produto ou processo novo para utilização na indústria, no comércio, na ciência ou em uma nova leitura do social.

Valores

- Ética - Responsabilidade social - Busca permanente de excelência - Democratização do acesso - Respeito à dignidade, à liberdade de expressão e às diferenças

4


Organograma da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação

5


Organograma da Agência de Inovação

6


Atribuições da Agir

As atividades da Agência de Inovação consistem em: - Estimular, assessorar e dar consultoria (interna e externa) ao desenvolvimento de projetos e produtos para o atendimento das disposições da Lei de Inovação. - Propor aos órgãos superiores da Universidade uma política de inovação e subsidiar as suas discussões. - Submeter aos órgãos superiores da Universidade o plano de ação anual. - Apoiar as atividades de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas por meio de disciplinas, cursos e eventos realizados pela UFF no âmbito da inovação. - Cadastrar as atividades dedicadas ao Empreendedorismo e Inovação desenvolvidas pela Universidade Federal Fluminense, para fins de acompanhamento e fornecimento de informações a órgãos internos e externos, inclusive para relatórios institucionais e sistemas de custos. - Promover atividades de sensibilização, orientação e capacitação de docentes, técnico-administrativos e demais interessados na proteção do conhecimento e na apropriação dos benefícios comerciais advindos da Lei de Inovação, em comum acordo com as instâncias envolvidas. - Buscar a captação de recursos para desenvolvimento de atividade de PD&I através da elaboração de projetos a serem submetidos às agências de fomento e de planos de negócios a serem submetidos aos investidores institucionais. - Atuar em parceria com outras ICTs e empresas, no espírito da Hélice Tríplice de relações entre o setor gerador de conhecimento, o governo e o setor produtivo. 7


- Participar de rede de núcleos congêneres. - Apoiar as atividades relacionadas aos agentes de inovação da universidade, em especial do Etco, das Empresas Juniores, da Incubadora de Empresas e demais atividades relacionadas à área de empreendedorismo e inovação, destacando-se o Curso de Complementação de Estudos em Empreendedorismo e Inovação. - Promover ações que atendam às políticas definidas pelo Fórum de Agentes de Inovação, buscando articular as diversas áreas do conhecimento da Universidade.

Funções Específicas

8


Funções Específicas Articulação acadêmica - Articular o sistema de inovação científica e tecnológica da universidade. - Mapear as pesquisas da Universidade, buscando identificar as iniciativas inovadoras. - Aprimorar a relação entre os diversos núcleos de pesquisa e laboratórios. - Ampliar a parceria dos núcleos de pesquisa e laboratórios com as comunidades científicas, empresariais e governamentais. - Assessorar pesquisadores na busca de fomentos governamentais e empresarias para pesquisas. - Promover parcerias internas e externas para atendimento a demandas regionais e nacionais no âmbito de pesquisas científicas e tecnológicas. - Divulgar as atividades desenvolvidas e a capacitação científica e tecnológica. - Promover o desenvolvimento de grupos de pesquisa e laboratórios em áreas estratégicas.

Capacitação e difusão - Assessorar no planejamento, organização, implementação, acompanhamento e avaliação das atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito do empreendedorismo e inovação desenvolvidas na UFF junto aos setores demandados. - Promover eventos, internos e externos, que visem à difusão dos conceitos de Empreendedorismo e Inovação pela UFF, à ampliação das discussões em torno da área, a sua consolidação na instituição, assim como a divulgação e a troca de 9


experiências dentro e fora da instituição. - Fornecer à direção os dados necessários para o cadastramento todas as atividades dedicadas ao empreendedorismo e inovação desenvolvidas pela Universidade Federal Fluminense, para fi ns de acompanhamento e fornecimento de informações a órgãos internos e externos, inclusive para relatórios institucionais e sistemas de custos. - Organizar um repositório web (sítio) com material didático produzido na Universidade no âmbito da inovação, assim como o disponível no mercado. - Estimular grupos de estudos e pesquisa em empreendedorismo e inovação na UFF. - Constituir grupo de assessores para colaborar no desenvolvimento das atividades. - Promover atividades de capacitação docente e técnico-administrativa, em comum acordo com as instâncias envolvidas. - Gerar (no futuro) uma revista científica.

Articulação com o setor produtivo - Desenvolver mecanismos de identificação e acompanhamento de projetos com potencial de inovação e comercialização, mantendo uma base de dados atualizada; - Estabelecer, em conjunto com a procuradoria jurídica, uma estrutura jurídica capaz de atender à relação universidadeempresa; - Estabelecer um canal de comunicação com o mercado e com a sociedade para conhecer suas demandas, facilitando a sinergia entre universidade – empresa - sociedade; - Estabelecer acordos de cooperação da instituição com em10


presas nacionais; - Participar dos fóruns de PI e do relacionamento institucional com o setor produtivo; - Identificar as demandas de inovação do setor produtivo em nível local e regional; - Estimular a execução de projetos que atendam às demandas de inovação do setor produtivo; - Apoiar a Incubadora de Empresas e as empresas juniores na realização de ações relacionadas à inovação.

Transferência de conhecimento - Gerir política de propriedade intelectual da UFF, dar apoio à transferência de conhecimento, divulgar, proteger os ativos do conhecimento da Universidade e negociar resultados a eles inerentes. - Zelar pela manutenção da política institucional de estímulo à proteção das criações, licenciamento, inovação e outras formas de transferência de tecnologia; - Avaliar e classificar os resultados decorrentes de atividades e projetos de pesquisa para o atendimento das disposições da Lei de Inovação (Lei 10.973, de 2 de dezembro de 2004). - Avaliar solicitação de inventor independente para adoção de invenção na forma do art. 22 da Lei de Inovação; - Opinar pela conveniência e promover a proteção das criações desenvolvidas na instituição; - Opinar quanto à conveniência de divulgação das criações desenvolvidas na instituição, passíveis de proteção intelectual; - Acompanhar o processamento dos pedidos e a manutenção dos títulos de propriedade intelectual da instituição. 11


AGIR Agir

Agência de Inovação Prédio da Reitoria - 3º andar - Proppi Rua Miguel de Frias, nº 9, - Icaraí - Niterói - RJ - CEP 24220-000 (21) 2629-5103 agir@proppi.uff.br

www.proppi.uff.br/portalagir

12


Comissão de Elaboração do Projeto de Criação da Agir - Fabiana Rodrigues Leta (Presidente) - Emmanuel Paiva de Andrade - Esther Hermes Lück - Esteban Walter Gonzalez Clua - José Manuel Carvalho de Mello - Leandro José Luz Riodades de Mendonça - Marcelo Gonçalves do Amaral - Maria Helena Teixeira da Silva Gomes - Marilena Juncá Trindade - Patrícia Dias White - Sérgio José Mecena da Silva Filho

Fórum de Agentes de Inovação - Fabiana Rodrigues Leta (Presidente) - Adriano José da Silva e Silva - Angélica Carvalho Di Maio - Beni Olej - Edson Alvisi Neves - Emmanuel Paiva de Andrade - Esther Hermes Lück - Esteban Walter Gonzalez Clua - Izabel Christina Nunes de Palmer Paixã - José Manuel Carvalho de Mello - Leandro José Luz Riodades de Mendonça - Marcelo Cossenza Pettezzoni de Almeida - Marcelo Gonçalves do Amaral - Maria Helena Teixeira da Silva Gomes - Marilena Juncá Trindade - Osvaldo Luiz Gonçalves Quelhas - Patrícia Dias White - Sérgio José Mecena da Silva Filho - Suzana Hecksher - Thaís de Andrade Rabelo

13


Escritório de Transferência de Conhecimento O Escritório de Transferência de Conhecimento (Etco) tem como função cuidar dos direitos de propriedade intelectual das invenções desenvolvidas na Universidade Federal Fluminense. Tais criações podem ser equipamentos, vacinas, softwares, remédios ou criações como filmes, Cds, fotografias etc. É comum que decorrente das pesquisas científicas realizadas nas universidades surjam invenções com potencial para geração de novas riquezas para a sociedade. Esta qualidade se materializa na forma de patentes e registros e estes instrumentos são alguns dos bens imateriais que, cada vez mais, são valorizados pelo modelo de desenvolvimento que vivenciamos. Apesar de propriedade intelectual ser um assunto atual, este tema está presente no cenário político da sociedade brasileira já há muito tempo e um bom exemplo disto é o fato do país estar entre os primeiros países do mundo a criar uma lei que definia regras de proteção intelectual. Mais precisamente, o Brasil foi o quarto país do mundo a estabelecer regras para lidar com a questão, quando assinou o Alvará de 28 de abril de 1809, depois da Inglaterra, Estados Unidos e França. No Brasil os Ministérios que respondem pelo assunto são: o Ministério de Indústria e Comércio (MICDI) e o Ministério da Cultura. O primeiro lida com questões do direito da propriedade industrial sendo o órgão executor o Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI). O segundo, o Ministério da Cultura, responde pelas questões referentes aos direitos autorais. Desde dezembro de 2004, existe no Brasil uma lei federal voltada

14


a estimular a geração de empresas de bases tecnológicas que utilizem a pesquisa científica universitária para gerar inovação. É a Lei de Inovação que, além de colaborar para que os conhecimentos das universidades públicas sejam usados para a criação de novos produtos e empresas, também obriga que todas as instituições de ciência e tecnologia (ICT) públicas possuam um setor que zele pela propriedade intelectual da instituição. Na UFF o setor responsável por zelar pelos direitos de propriedade intelectual da Universidade é o Etco. Além de se responsabilizar pelas ações referentes à proteção dos direitos de propriedade intelectual, cabe ao Etco trabalhar no sentido de encurtar o caminho entre uma invenção e sua aplicação na sociedade, ou seja, investir na transferência do conhecimento da Universidade para o mundo produtivo. O Etco foi criado formalmente pela Norma de Serviço nº. 529, de 20 de janeiro de 2003 e hoje faz parte da estrutura da Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação (Proppi) estando diretamente ligado à Agência de Inovação (AGIR). Público-alvo Pesquisadores (docentes, alunos e técnicos), especialmente os envolvidos em pesquisa aplicada.

Objetivos - Promover a cultura da propriedade intelectual, disseminando informações pertinentes à área junto à comunidade acadêmica da UFF; - Estimular a inovação tecnológica identificando internamente resultados passíveis de proteção, com vistas a ganhos econômicos para a instituição e para os próprios pesquisadores; - Oferecer aos pesquisadores da UFF orientação e suporte à proteção, transferência e comercialização dos resultados de suas pesquisas; - Contribuir para difusão da imagem da Universidade no cenário nacional, pela integração e articulação com instituições do Sistema Nacional de Inovação.

15


Alguns Serviços Básicos - Redação e acompanhamento de pedidos de proteção (patentes, marcas, modelo de utilidade, desenho industrial, direitos sobre software e direitos autorais); - Pesquisa em Bancos de Patentes e de Marcas para o desenvolvimento de novas pesquisas; - Orientações técnicas em questões de Propriedade Intelectual; - Palestras sobre Propriedade Intelectual Documentos legais sobre Propriedade Intelectual no Brasil LEI Nº 9.279, DE 14 DE MAIO DE 1996 - Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial e dá outras providências. LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998 - Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências. LEI Nº 9.609, de 19 de fevereiro de 1998 - LEI DE SOFTWARE - Dispõe sobre a proteção de propriedade intelectual de programa de computador e sua comercialização no País. LEI No 10.973, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2004 - Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científi ca e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. LEI ESTADUAL No 5.361, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2008 - Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no estadual. Documento UFF NS/UFF n.º- 518/2001 – Dispõe sobre as regras da transferência e regulamentação da propriedade industrial e de programas de computador no âmbito da UFF.

16


ETCO Etco

Escritório de Transferência de Conhecimento Campus do Valonguinho - Outeiro de São João Batista, s/n (antigo prédio do CEG). 24020-141 - Niterói - RJ Horário: 10h-17h Agende sua visita pelo telefone (21) 2629-9970 / etco@vm.uff.br

www.proppi.uff.br/etco

17


Programa de Pós-Graduação em Gestão e Empreendedorismo Programa de Pós-Graduação em Gestão e Empreendedorismo – PPGE – consolida uma iniciativa da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Turismo que vem desenvolvendo, desde 2004, um conjunto consistente de iniciativas na área de Empreendedorismo e Inovação. Com um corpo docente engajado na realização de propostas inovadoras voltadas para o ensino, a pesquisa e a extensão na área, sua projeção teve como marco inicial a criação de um primeiro curso de formação empreendedora dirigido a estudantes de graduação das diferentes áreas profissionais. A partir de 2010, PPGE amplia sua atuação criando cursos de formação empreendedora em nível de pós-graduação lato sensu. Missão Tem como missão gerar conhecimento na área de empreendedorismo, relacionado ao processo de criação de empreendimentos geradores de riqueza, desenvolvendo as capacidades de formulação teórica e implementação prática de acadêmicos e especialistas comprometidos com a melhoria da gestão das organizações lidando com o processo empreendedor que transforma e beneficia a sociedade por meio de organizações inovadoras, criativas e competitivas internacionalmente. Visão O PPGE visa integrar pesquisa, ensino e extensão na área de empreendedorismo, em sua vertente empresarial, que envolve a criação e gestão de empresas; social, relacionado a criação e desenvolvimento de empreendimentos sociais; e ainda no âmbito das organizações onde o empreendedorismo corporativo tem lugar. Integrando as diversas abordagens sobre o empreendedorismo a Universidade Federal Fluminense visa posiciona-se como uma instituição de referência neste campo.

18


São nossos cursos: Curso em nível superior, inserido no Projeto de Expansão do Ensino Superior do MEC e apoiado pelo programa Universidade Aberta do Brasil (UAB), o Curso Sequencial de Empreendedorismo e Inovação da UFF já certificou mais de seiscentos alunos desde 2008, em dez cidades dos estados do Rio de Janeiro e São Paulo. Aprovado pela Resolução n. 320/2006 do Conselho Universitário, sua proposta básica é contribuir para a formação de um profissional autônomo, capaz de avaliar as situações do cotidiano e empreender soluções inovadoras na forma de empreendimentos sociais, acadêmicos, regionais ou empresariais. Pretende desta forma, despertar o espírito criativo e empreendedor, potencializando no aluno os aspectos cognitivos, emocionais e comportamentais que expandem e solidificam uma postura ativa diante da vida e da carreira profissional. Aberto a graduandos e graduados de todas as áreas de formação, o curso é oferecido na modalidade semipresencial, utiliza a Plataforma Instrucional MOODLE e possui tutoria presencial e a distância. O aluno que completar as sete disciplinas, fará jus a um certificado registrado e emitido pela Pró-reitoria de Graduação da UFF. Na última disciplina, o aluno será orientado na apresentação do plano do empreendimento por ele escolhido, que ele construirá por meio das ferramentas de gestão que lhe foram apresentadas pelas disciplinas que compõe o curso. Com isso, os alunos são estimulados a apresentarem um trabalho final com forte componente de inovação do empreendimento proposto.

19


MBA em Gestão Empreendedora Curso de especialização lato sensu possui 360 horas e é composto por 14 disciplinas oferecidas na modalidade a distância. O tempo de integralização do curso é flexível, o que permite ao aluno otimizar sua carga horária disponível para estudo. O planejamento das ações pedagógicas e tecnológicas consideram as necessidades de aprendizagem e o capital cultural que o aluno acumulou em seu percurso educacional e profissional. O curso adota a premissa da abordagem significativa, em que o processo de ensino e aprendizagem considera o acervo de conhecimento do aluno. Assim, o curso possui uma abordagem diferenciada para as áreas de Educação, Saúde e Administração Geral. Sua primeira edição se deu em 2010, com o oferecimento quatro turmas contratadas pelo SESI-RJ e SESI-Nacional, com o objetivo de formar gestores empreendedores em educação. Uma dessas turmas é formada por dirigentes escolares da rede pública de ensino. O impacto positivo do curso junto aos patrocinadores fez com que o SESIRJ contratasse mais três novas turmas em 2011, sendo uma formada por dirigentes escolares de escolas públicas situadas no entrono das comunidades pacificadas (UPP’s). Para garantir que o material didático traduzisse tanto a base teórico- metodológica adotada pelo curso, como a transversalidade da temática do empreendedorismo que permeasse todo o conteúdo das disciplinas, o corpo docente desenvolveu uma coleção de livros especialmente afinada com os propósitos do curso e do público alvo: os gestores escolares. Com isso, o trabalho final elaborado pelos alunos privilegia um plano de intervenção empreendedor com forte componente de inovação na gestão das unidades escolares onde atuam.

20


A Coleção MBA Gestão Empreendedora – Educação, conta com os seguintes volumes:

• • • • • • • • • • • • • •

V.1 Políticas Públicas em Educação. V.2 Inovação e Empreendedorismo V.3 Gestão de Processos V.4 Negociação e Mediação de Conflitos V.5 Liderança e Comportamento Empreendedor V.6 Introdução à Educação a Distância V.7 Gestão Estratégica V.8 Gestão Financeira V.9 Ambiente Regulatório na Educação V.10 Marketing e Comunicação V.11 Modelos de Gestão Educacional V.12 Gestão da Qualidade V.13 Gestão de Pessoas V.14 Plano de Empreendimento

21


MBA Executivo em Gestão Empreendedora Curso de especialização lato sensu orientado por princípios pedagógicos que valorizam a relação teoria-prática e a transdisciplinaridade. É composto por 14 disciplinas num total de 360 horas oferecido na modalidade presencial. O planejamento das ações pedagógicas e tecnológicas consideram as necessidades de aprendizagem e o capital cultural que o aluno acumulou em seu percurso educacional e profissional. Sua primeira edição se deu em 2010. O curso é voltado para profissionais da área de administração que se encontram ou visam alcançar posições de liderança. O ponto de culminância do processo de aprendizagem se dá com o desenvolvimento pelo aluno de um Plano de Empreendimento aliando a teoria e a prática por meio de uma proposta de intervenção na realidade. Este trabalho de conclusão de curso dá materialidade ao aprendizado e permite ao aluno colocar em prática as suas ideias. Com isso, o trabalho final elaborado pelos alunos privilegia um plano de intervenção empreendedor com forte componente de inovação na gestão das empresas onde atuam.

22


Divisão de Incubadora de Empresas A Universidade Federal Fluminense possui um sistema de gestão da inovação coordenado pela Agência de Inovação – AGIR, na qual a Diretoria da Incubadora de Empresas encontra-se inserida, juntamente com as Diretorias do ETCO - Escritório de Transferência de Conhecimento, Articulação Acadêmica e da Capacitação e Difusão em Inovação. A Incubadora de Empresas da Universidade Federal Fluminense (UFF) tem como principal objetivo gerar e estabelecer um tecido empresarial, capaz de interagir com atividades de desenvolvimento e pesquisa da própria Universidade. A implantação da primeira unidade operacional da Incubadora foi aprovada pelo Departamento de Engenharia de Produção em julho de 1997, sendo inaugurada oficialmente em abril de 1999 com apoio da Agência Municipal de Desenvolvimento (ADM)/ Prefeitura Municipal de Niterói, da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa (FAPERJ) e do Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas no Estado do Rio de Janeiro (SEBRAE-RJ). Em março de 2008 foi aprovada pelo Conselho Universitário, com a criação da Incubadora de Empresas da Universidade Federal Fluminense - UFF. A Incubadora de Empresas da UFF possui parcerias institucionais, as quais são constituídas pela AGIR - Agência de Inovação, através de Convênios de Cooperação e/ou alianças estratégicas formais com diversas instituições, resultando em melhorias de infraestrutura, processos de gestão, fontes de informações e outros fatores que beneficiem reciprocamente os parceiros e a Incubadora de Empresas. Constituem-se como seu público alvo os estudantes e ex-estudantes, os professores e os pesquisadores da UFF.

23


A Incubadora desenvolve o Programa Especial de Pré-incubação (de seis meses a um ano) através de um laboratório multidisciplinar de incubação para o desenvolvimento do projeto, cursos e consultorias, que visam preparar o empreendedor (público alvo) para a definição de seu plano de negócios, captação inicial de recursos, além de orientá-lo sobre aspectos legais, contábeis e administrativos. O objetivo é que estas empresas pré-incubadas tenham condições de obter o seu CNPJ e possam introduzir-se no mercado e/ ou obter a incubação. O Programa de Incubação, cuida da seleção entre as empresas pré-incubadas que tenham perfil inovador e que poderão permanecer como incubadas (em até 3 anos). O Programa de Pós-incubação (um ano) apoia a empresa graduada de forma a que esta possa usufruir dos serviços da incubadora enquanto se instala externamente à Incubadora. A Incubadora segue o modelo de incubadora mista, abrigando empresas de base tecnológica e empresas de setores tradicionais. O diferenciado perfil da Incubadora da UFF, traz nele uma política rigorosa no que concerne a ter um público interno de todos os campos de conhecimento desenvolvidos na Universidade para a seleção de suas pré-incubadas (empresas potenciais) e incubadas. No desenvolvimento de projetos, em conjunto com as empresas, destaca-se a área da Captação de Recursos da Incubadora, coordenando as possibilidades internas de obtenção de fomento e financiamento e a avaliação, adequação, elaboração e submissão de projetos às agências financiadoras e de fomento. A Incubadora de Empresas da UFF tem como missão formar empresas sustentáveis, com forte visão ética e social, além de tributariamente responsáveis. Seu maior objetivo é que as empresas incubadas sintam a honra e o prestígio de terem nascido e se desenvolvido dentro da Universidade Federal Fluminense. A Incubadora de Empresas da UFF tem em seu histórico 16 empresas tendo seis destas obtido graduação.

24


INCUBADORA Divis達o Incubadora de Empresas Contato: incubadora@proppi.uff.br

www.incubadora.uff.br

25


Norma de Serviรงo

26


NORMA DE SERVIÇO Nº 518 DE 27 DE JULHO DE 2001 PUBLICADA EM 30 DE JULHO DE 2001 NO BS/UFF, Nº 121 – SEÇÃO IV, p.3

DISPÕE SOBRE AS REGRAS ACERCA DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA E REGULAMENTAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL E DE PROGRAMAS DE COMPUTADOR NO ÂMBITO DA UNIVERSIDADE

O Reitor da Universidade Federal fluminense, no uso de suas atribuições legais, estatutárias e regimentais, de conformidade com o disposto na Lei 9.279 de 14/05/96, na Lei 9.609 de 19/02/1998, no Decreto 2.553 de 16/04/1998, na Portaria 88 de 23/04/1998 do Ministério da Ciência e Tecnologia, na Portaria 322 de 16/04/1998 do Ministério da Educação, Considerando a necessidade de estabelecer regras para a tranferencia de tecnologia, bem como regulamentar a proteção de direitos relativos à propriedade industrial e de programas de computador, no âmbito da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE – UFF; Considerando a necessidade de fixar critérios para a participação dos servidores da UFF nos resultados financeiros obtidos com inventos e criações, RESOLVE: I – Estabelecer regras regenciadoras dos aspectos relacionados com a propriedade, transferência e gestão dos direitos de propriedade industrial e de programas de computador inerentes ou vinculados à criação ou produção científica e tecnológica da UFF.

27


II – Para efeitos desta NS, entende-se por “direitos de propriedade industrial” as patentes de invenção, os modelos de utilidade, os desenhos industriais e os direitos sobre as informações não divulgadas. III – Não se aplicam ao programa de computador as disposições relativas aos direitos morais, ressalvando, a qualquer tempo, o direito do autor de reivindicar a paternidade do programa de computador, bem como o seu direito do autor de opor-se a alterações não autorizadas, quando estas impliquem deformação, mutilação ou outra modificação do programa que prejudique a sua honra ou sua reputação. IV – Ressalvada disposição contratual em contrário, serão propriedade exclusiva da UFF os inventos, os modelos de utilidade, os desenhos industriais, bem assim os programas de computador desenvolvidos e elaborados durante vigência de contrato ou vínculo estatutário, expressamente destinado à pesquisa e desenvolvimento, ou em que a atividade do empregado contratado de serviços ou servidor seja prevista, ou ainda em que a atividade resulte da natureza desses serviços. V – O disposto no item IV aplica-se, naquilo em que couber, às relações entre o trabalhador autônomo, prestador de serviço, estagiários, alunos, bolsistas e às relações entre a UFF e a empresa contratada. VI – Todas as pessoas referidas nos itens IV e V comunicarão à Universidade, por intermédio do Escritório de Tranferência de Conhecimento – Etco, mencionado no item IX, suas invenções e criações, obrigando-se, na defesa do interesse da Universidade, a manterem confidencialidade e a apoiarem a Universidade nas atividades de registro da propriedade industrial e dos programas de computador. VII – A obrigação de confidencialidade prevista no item VI se esten-

28


de a todo o pessoal envolvido no processo, da seguinte forma: a) para patentes de invenção e modelos de utilidade, não poderá haver qualquer divulgação até a data de depósito do pedido no Instituto de Propriedade Industrial – INPI; entre esta data e a data de publicação do pedido na Revista de Propriedade Industrial, o inventor deverá consultar o Etco, se quiser fazer qualquer tipo de divulgação; b) para desenho industrial, não poderá haver qualquer divulgação até a data do depósito do pedido; c) para programas de computador, não deverá haver divulgação, em qualquer momento, do código-fonte. VIII – Quando o invento e demais criações forem resultantes de projeto em conjunto com outras Instituições, o documento contratual celebrado entre os participantes deverá conter expressa previsão quanto ao direito de co-participação na propriedade IX – A Universidade, por intermédio do Etco – Escritório de Transferência de Conhecimento, a ser criado por ato formal próprio para implementar esta Norma de Serviço, se incumbirá da formalização, encaminhamento e acompanhamento dos pedidos da UFF junto ao INPI e a outros órgãos encarregados de registrar a propriedade industrial no País e no exterior, bem como registrar os programas de computador. Para tanto, poderá contratar escritórios especializados em propriedade industrial e/ou programas de computador. X – A UFF adiantará as despesas decorrentes do depósito e processamento dos pedidos de seu interesse, observando o disposto no item seguinte. XI – As despesas de depósito ou pedido de proteção da propriedade industrial e dos programas de computador, os encargos periódicos de manutenção da propriedade industrial e de programas computador, bem como quaisquer encargos administrativos e judiciais serão deduzidos do valor total dos ganhos econômicos a serem compartilhados nos termos do item XVI desta Norma de Serviço.

29


XII – A UFF se reserva o direito de, na medida do seu interesse, apoiar a transferência das tecnologias desenvolvidas em suas unidade universitárias; estimular o patenteamento das invenções e registros das demais criações; promover a exploração econômica de inventos e demais criações de sua propriedade; realizar o marketing das invenções e conexos além de negociar licença. XIII – Após o depósito ou registro do pedido do invento e demais cria ções, a Universidade levará em conta a análise da viabilidade econômica do produto ou do processo resultante a pesquisa. XIV – Quando o resultado do estudo de viabilidade econômica apontar para a não utilização da invenção ou criação, a Universidade poderá, face à manifestação de interesse, ceder gratuitamente ao inventor ou autor os direitos decorrentes. XV – A UFF poderá transferir, vender, licenciar ou realizar qualquer foma de acordo com terceiros, visando à exploração da propriedade industrial e dos programas de computador, observados, na hipótese do item VIII, os limites de sua co-participação. XVI – Os rendimentos líquidos efetivamente auferidos da transferência de tecnologia e da exploração econômica de inventos e demais criações, pela UFF, sob a forma de royalties, participação regulada por convênios ou contratos, lucros de exploração direta, ou outras formas, obedecerão aos limites estabelecidos pelo § 2º do Art. 3º do Decreto 2533 de 16/04/1998. XII – Independentemente do tipo de seu vínculo e regime de trabalho, ao servidor da UFF que desenvolver invento e/ou criação será assegurada, a título de incentivo durante toda a vigência da patente ou do registro, premiação de parcela do valor dos rendimentos líquidos auferidos pela UFF com a exploração deste invento e criação.

30


XVIII – A premiação a que se refere o item XVII será um terço do valor dos rendimentos líquidos auferidos pela UFF com a exploração do invento e/ou criação. XIX – Esta premiação não se incorpora , a qualquer título, aos salários ou aos vencimentos dos servidores. XX – Dos restantes dos dois terços que cabem à UFF, um terço será alocado no Departamento, na Unidade ou no Centro em que o invento ou criação foi desenvolvido, e um terço será destinado ao Etco para custear o processamento, marketing e outras despesas com as invenções e criações de titularidade da Universidade. XXI – Nos casos em que a UFF firmar contratos de transferência de propriedade, caberá ao(s) inventor(es) ou autor(es) a propriedade na prestação de assistência técnica e científica. XXII – Antes da publicação dos resultados de projetos, pesquisas, estudos ou inventos realizados na UFF, deverão ser tomadas as providências necessárias à garantia dos direitos deles decorrentes, nos termos da legislação vigente. XXIII – Os contratos, convênios, acordos e ajustes em que a Universidade participar com o objetivo de pesquisa e desenvolvimento conterão, obrigatoriamente, cláusulas reguladoras de propriedade industrial e de programas de computador, obdecidos os termos e condições desta Norma de Serviço. XXIV – Serão objetivo de análise prévia do Etco os casos eventualmente omissos desta Norma de Serviço, cabendo ao Reitor a resolução dos mesmos. XXV – Os demais direitos relativos à propriedade intelectual serão objeto de Normas de Serviço específicas. XXVI – A presente Norma de Serviço entrará em vigor na data de sua publicação no Boletim de Serviço da UFF, convalidados todos os atos anteriormente praticados relativamente à matéria em tela.

31


Solicitações de Pedidos de Depósito de Patentes de Invenção e Registro de Programa de Computador

32


1

Patentes de Invenção

33


Compostos tripanossomicidas, composição farmacêutica contendo os mesmos e processo para a produção de composição farmacêutica Patente: Modelo de Utilidade n. PI 0200273-6, SUBSTÂNCIAS TRIPANOSSOMICIDAS DERIVADOS. Depósito em 25 de Agosto de 2005. Pesquisadores: Vitor Francisco Ferreira; Saulo Cabral Bourguignon; Maria Cecília B.Vieira de Souza; Humberto Pinheiro de Araújo Setor: Farmacêutico saulo@vm.uff.br / (21) 2629-2375

Problema: A doença de Chagas, causada pelo Trypanosoma cruzi, é negligenciada e afeta aproximadamente 18 milhões de pessoas e mais de 100 milhões com o risco de se contaminar. Até o momento somente o benzamidazol e o nifurtimox estão disponíveis para o tratamento desta doença. Além de não serem eficazes para cura apresentam severos efeitos secundários como náusea, vômito, inapetência e perda de peso. Solução Proposta: Busca de novo composto alternativo, derivado do alfa-lapachona, para o tratamento da doença de Chagas. Diferencial: Comparado com os compostos experimentais derivados do Beta-lapa-

chona e também os medicamentos utilizados atualmente no tratamento da doença de Chagas, os derivados do alfa-lapachona, com a patente solicitada, apresentam baixa citotoxidade. Benefícios: Descoberta de um composto que possa ser utilizado na produção de medicamento para o tratamento da doença de Chagas sem efeitos colaterais severos e com baixo custo. Potencial de mercado: Alto, levando em consideração que existem aproximadamente 18 milhões de pessoas infectadas na América Latina e mais 100 milhões com o risco de se contaminar por transfusão sanguínea ou por contágio direto pelo inseto vetor (WHO,1998), embora a doença de Chagas afete população com baixo poder aquisitivo.

34


Amostrador de águas rasas modelo Wasserman A tecnologia é muito simples, sendo os sistemas de içamento, fechamento e esvaziamento da garrafa mecânicos. Pesquisadores: Julio Cesar de Faria Alvim Wasserman Setor: Núcleo de Extensão Rede UFF de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável redeamb@vm.uff.br /(21)2629-9974 Problema: A coleta de amostras de água em oceanografi a e hidrografi a vem sendo realizada há muitos anos com garrafas do tipo VanDorn. O conceito básico de um recipiente conectado a um cabo que desce à profundidade desejada permanece. Faltava um equipamento capaz de amostrar água em profundidades precisas em situações de corrente elevada, visto que com o cabo flexível a garrafa deriva com a corrente. Solução Proposta: Substituição do cabo por uma barra fixa de alumínio, a qual é capaz de amostras em profundidades muito precisas Diferencial: A garrafa se distingue de outros mecanismos por ser capaz de coletar água em profundidades precisas,

35

mesmo em situações de corrente elevadas. Benefícios: A amostragem de água é feita de maneira mais precisa, rápida e segura. O risco de descer o amostrador e ter fechamento do compartimento antes da profundidade desejada é menor que nos outros amostradores com cabo. Além disto, o amostrador desce em linha reta, graças à rigidez do cabo, permitindo a determinação precisa da profundidade de amostragem. Potencial de mercado: O equipamento pode constituir uma excelente solução para estudos ambientais em regiões costeiras onde as amostragens não ultrapassam os 4 ou 5 metros de profundidade. Atualmente os portos estão precisando assumir os serviços de monitoramento ambiental das áreas adjacentes e o amostrador inventado pode constituir uma solução mais adequada aos trabalhos de coleta.


Dispositivo para medição de deformações dinâmicas em tubulações Patente depositada com número PI0704996-0, no Brasil, em 18/05/2007, com titularidade da UFF e aguarda exame formal. Pesquisadores: Antonio Gama Setor: Engenharia Mecânica agama@vm.uff.br Os inventores trabalham atualmente em novas versões do transdutor e buscam parceiros para seu desenvolvimento e comercialização. Problema: Deformações dinâmicas em tubos surgem principalmente devido à vibração. A determinação das deformações dinâmicas permite conhecer as tensões que atuam no tubo, e desta forma avaliar melhor o risco da ocorrência de falhas por vibração excessiva. Entretanto, os métodos convencionais são trabalhosos e demorados, o que difi culta sua aplicação. Solução Proposta: O transdutor desenvolvido para medição de deformações dinâmicas em tubulações utiliza sensores piezoelétricos que conferem ao dispositivo uma grande sensibilidade às deformações. Sua instalação simplifica e agiliza o processo de medição.

36

Diferencial: Procedimento de utilização simples e rápido; não necessita ser colado em tubulações de material ferromagnético; o transdutor pode ser utilizado acoplado a coletores de dados normalmente empregados na medição de vibrações em máquinas rotativas; Sua instalação pode ser feita em tubos com temperatura elevada. Benefícios: Possibilita a avaliação mais precisas e rápidas; não necessita de técnicos altamente qualificados. Potencial de mercado: Embora inicialmente desenvolvido para medição de deformações dinâmicas em tubulações, o transdutor também pode ser utilizado em outros equipamentos e estruturas. Por ser um instrumento de medição simples e rápido, pode despertar o interesse de setores dedicados à inspeção de equipamentos e estruturas


Processo de produção de substâncias dotadas de características sensoriais e composições contendo tais substâncias A tecnologia tem patente depositada no Brasil em 2005, com número PI0506115-6, com titularidade da UFRJ e UFF. Pesquisadores: Claudete Corrêa de Jesus Chiappini, Selma Gomes Ferreira Leite e Cláudia Moraes de Rezende Setor: Nutrição chiappini@vm.uff.br / (21)26299850 O processo foi testado na produção de vinhos e sua eficiência foi comprovada por meio de análises físicas e químicas e resultados confrontados com parâmetros oficiais. Problema: O consumidor acredita que alimentos e bebidas com materiais naturais que conferem cor, sabor e aroma, são mais saudáveis e seguros que os seus similares sintéticos. Por outro lado, a indústria de alimentos e bebidas depara-se com a necessidade de substituir os compostos artifi ciais, visto que os aditivos sintéticos estão sendo cada vez menos permitidos. Solução Proposta: A presente tecnologia trata de um processo para isolar leveduras de frutos, determinar as produtoras de aroma, otimizar a produção do

aroma, caracterizar sensorialmente o aroma, avaliar a sua composição em compostos voláteis e aplicar em alimentos e bebidas. Diferencial: Utiliza insumos de baixo valor; os aromas obtidos pela fermentação de leveduras possuem condição legal de substância natural e características únicas - por causa do seu perfil mais harmonioso e mais próximo ao que o consumidor considera natural; diferenciam e agregam valor a produtos já existentes quando adicionados. Benefícios: Promove aroma mais agradável que o artifi cial; aumenta o valor agregado do produto que poderá ser considerado natural; protege a saúde do consumidor; permite uso em diversos alimentos e bebidas. Potencial de mercado: A tecnologia tem potencial para substituir os processos atualmente utilizados para produção de aromas naturais e artificiais

37


Água de coco processada, bebida isotônica a base de água de coco e processo de inibição de suas enzimas nativas A tecnologia tem patente requerida no Brasil (PI0510669-9) com titularidade para a UFF, UFRJ e EMBRAPA. O produto está em fase de estudos Pesquisadores: Yanina Madalena de Arruda Calvette Setor:Faculdade Farmácia yanina@vm.uff.br Problema: A comercialização da água de coco ocorre principalmente dentro do fruto inteiro, em conseqüência das alterações ocasionadas pela ação de enzimas nativas e/ou pela introdução de microrganismos deteriorantes durante a abertura do fruto. Produtos obtidos da água de coco processados pelo calor têm pouca aceitação em razão das modifi cações sensoriais ocasionadas pelos tratamentos utilizados atualmente. Solução Proposta: A tecnologia de alta pressão hidrostática (APH) se mostra como uma proposta inovadora. O emprego desta tecnologia deverá contribuir para a efetiva implementação desse método no setor de alimentos. Diferencial: O processamento por Alta Pressão Hidrostática (APH) submete alimentos líquidos, embalados ou não, a pressões entre 1000 e 8000

atm - temperatura significativamente inferior àquela dos processamentos por temperatura. Como resultado, a água de coco obtida estará isenta de microrganismos e da ação deletéria das enzimas deteriorantes. Benefícios: Processamento de uma das principais produções da região costeira do Brasil; Produto com características sensoriais muito semelhantes ao natural; Substituição de bebidas isotônicas e repositores de eletrólitos por um produto natural; Possibilidade de correção e adição de vitaminas, sais minerais e sucos de outras frutas. Potencial de mercado: O mercado mundial de bebidas isotônicas não-carbonatadas cresceu de signifi cativamente nos últimos anos, sendo o setor de maior crescimento dentro da indústria mundial de refrigerantes. A água de coco é considerada uma opção bastante interessante, sendo capaz de substituir algumas misturas comerciais artifi ciais oferecidas no mercado

38


Produção e avaliação IN VITRO e IN VIVO de nanopartículas contedo tuberculostáticos para veiculação pulmonar via aerossóis A tecnologia tem patente depositada com número PI 0802164-3, no Brasil, em 30/09/2008, com titularidade do INT, UFF e USP, e aguarda exame formal. Pesquisadores: Fabio Moyses Lins Dantas (Coordenador, INT), José Mauro Granjeiro (UFF), Ana Paula Campanelli (USP) Setor: Saúde jmgranjeiro@vm.uff.br / (21)26299255 Problema: A tuberculose é um problema de saúde global que vem crescendo a cada ano, matando cerca de 2 milhões de pessoas e aproximadamente 8 milhões se infectam. O colapso nos sistemas de saúde, a emergência de casos de multi-resistência aos fármacos e o avanço dos casos de HIV/AIDS têm contribuído para o avanço da tuberculose. Solução Proposta: O sistema de liberação controlada in situ pulmonar por meio de Desenvolvimento de aerossóis de nanopartículas biodegradáveis e bioabsorvíveis contendo rifampicina, isoniazida e pirazinamida para aumentar a efi cácia e a efetividade do tratamento atual da tuberculose, bem como a aderência ao tratamento.

Diferencial: Há uma otimização técnica implícita em se usar nanopartículas. Além de facilitar a dispersão devido a sua elevada energia superficial, o tamanho diminuto permite uma maior pe-netração no pulmão sem causar obstrução das vias. A formulação também é simples: água esterilizada e nanopartículas. O outro fato é o estímulo à fagocitose pelos ma-crófagos, o que caracteriza uma liberação vetorizada passiva. Benefícios: Espera-se: maior adesão do paciente pela simplicidade de administração do medicamento; redução signifi cativa nos efeitos colaterais e/ou adversos; maior efetividade no controle da doença. Potencial de mercado: Segundo a OMS, atualmente o Basil é o 16º colocado em notifi cações de casos de tuberculose no mundo. O tratamento adequado custa R$ 70,00, chegando a R$ 4.000,00 nos casos de multi-resistência (sem internação).

39


Novo sistema de preionização para lasers gasosos

A tecnologia tem patente PI 0300975-0 de 6 de maio de 2003, com titularidade da UFF. Pesquisadores: Carlos Eduardo Fellows; Utz Tauber e Cricia Rodegheri Setor: Depart. de Física fellows@if.uff.br / (21) 2629-5763 Atualmente o sistema vem sendo testado em outra configurações de tipos de eletrodos e diferentes dosagens de Amerício 241. Problema: Nos lasers gasosos pulsados um sistema de preionização se faz necessário, pois a boa efi ciência da descarga depende das condições da massa gasosa. Os sistemas de preionização já existentes são baseados em pré-descargas, sendo extremamente complexos do ponto de vista elétrico, ou na adição de gases traço com baixo potencial de ionização, gerando impurezas na descarga. Solução Proposta: Inserir no canal de descarga laser, fi tas de Amerício 241, emissor de partículas alfa com atividade de 5,36 mCi. As partículas alfa emitidas pela fonte de Amerício proporcionavam

ionização suficiente para criar condições de descarga optimas. Diferencial: A partícula alfa, por ter baixo poder de penetração (é barrada por uma folha de papel), além de oferecer uma solução simples e de longa duração, não oferece dado ao usuário do sistema laser em questão. Benefícios: Um método de pré-ionização simples, barato e de fácil implementação. A montagem do canal de descarga não depende- rá de um sistema de pré-descarga nem de um Potencial de mercado: O sistema pode ser usado em quaisquer confi guração de lasers gasosos pulsados, com descarga transversal ou axial e também para diferentes tipos de gases (nitrogênio, CO2, excímeros, etc...).

40


Processo Estereosseletivo para preparação de Beta, Gama-Diamino-Ácidos Quirais Úteis na preparação de Peptideomiméticos e Compostos Obtidos pelo Mesmo A tecnologia empregada é de ponta, economicamente viável e de elevada seletividade para as preparações de substâncias farmacologicamente ativas. Pesquisadores: Sergio Pinheiro, José Walkimar de Mesquita Carneiro, Ronaldo Carneiro da Silva, Júnior Octávio Augusto Ceva Antunes Setor: Química Orgânica spinuff@gmail.com / (21)2629-2369 A presente invenção refere-se a um processo inovador de obtenção de análogos aminados da estatina úteis na produção de fármacos peptideomiméticos com atividade antihipertensiva através da inibição da enzima renina. Problema: A presente invenção refere-se a um processo inovador de obtenção de análogos aminados da estatina úteis na produção de fármacos peptideomiméticos com atividade antihipertensiva através da inibição da enzima renina. Solução Proposta: O método inovador desenvolvido em nosso laboratório utilizou aminoácidos naturais como matérias-primas para as preparações dos produtos bjetivados.

Diferencial: Foi desenvolvido um processo estereosseletivo inovador de preparação de beta, gama-diamino-ácidos análogos da estatina que utiliza poucas etapas, reagentes baratos e condições amenas. Benefícios: Foi desenvolvido um método geral que permite as preparações de diversas 4-aminolactamas e diaminoácidos não proteinogênicos com alta potencialidade para os acessos a novas substãncias com atividades anti-hipertensivas e antivirais. Potencial de mercado: Os produtos preparados podem ser empregados industrialmente nas preparações de novos fármacos.

41


Processos de preparação de 6-DIAZO-β-LAPACHONA, 5-DIAZO-β-NOR-LAPACHONA e outras 5 e 6-DIAZOβ-LAPACHONAS substituídas nas posições 3,4, E 3, respectivamente. Patente: PRIVILÉGIO E INOVAÇÃO Número PI0200273-6, substâncias diazo compostos derivados. Depósito em 31 de janeiro de 2002 Pesquisadores: Vitor Francisco Ferreira, Maria Cecília Bastos Vieira de Souza, Milton Neto da Silva, Antônio Vieira Pinto Setor: Síntese orgânica spinuff@gmail.com / (21)2629-2345

Problema: Diversas patentes foram concedidas para o uso quimioterápico da β-lapachona contra diversas enfermidades, bem como de algumas patentes versando sobre a síntese de diversos derivados de estruturas similares. Em nenhuma destas patentes foi encontrada qualquer referência sobre a síntese, uso químico ou mesmo atividade biológica de estruturas do tipo da 6-diazoβ-lapachona e seus derivados. Solução Proposta: Foram investigadas reações de diazotização em uma única etapa, ou em duas etapas independentes, ou então, com o mesmo resultado, em duas etapas temporais e espacialmente simultâneas, quando feitas em um único vaso reacional frente ao reagente toluenossulfonil hidrazi-

da, de preferência em solventes polares de natureza hidrofílica a partir da β-lapachona, nor β-lapachona e seus derivados. Diferencial: Obtenção de novos derivados da β-lapachona e nor β-lapachona utilizando uma metodologia barata, simples e eficiente. Benefícios: Obtenção de novos compostos bioativos e intermediários reacionais Potencial de mercado: Alto levando em consideração a necessidade de novas substâncias com aplicação terapêutica para diferentes alvos biológicos.

42


Uso de Novos Glico-Triazóis pertencente às classe α-DRIBO-, α-D-XILO- e α-DARABINO-5-TRIAZÓIS e Inibidores das Enzimas α-GLICOSIDASES Patente de invenção – Inibidores de alfa-glicosidades, composições farmacêuticas compreendendo os mesmos e processo para sua preparação – nº 0000220803235108 28/07/2008

Pesquisadores: Carlos Roland Kaiser, Vitor Francisco Ferreira, Sabrina Baptista Ferreira, Emerson Lima Setor: Síntese orgânica cegvito@vm.uff.br / (21)2629-2345

Problema: Milhares de vidas são perdidas, ou duramente prejudicadas devido a doenças, que prejudicam o bemestar social e excluem uma parcela importante de indivíduos de suas atividades sociais e produtivas. Como exemplo de doenças que acometem grande número de pessoas em todo mundo podemos citar o diabetes, o câncer e as doenças de origem viral. Solução Proposta: Busca de compostos inovadores, α-Dglico-triazólicos possuidores de atividades como agentes inibidores da α-glicosidases, antivirais, antiproliferativos, antimicrobianos, redutores da glicemia, antiobesidade, imunoestimulantes e antidiabéticos.

Diferencial: Possuem a vantagem de terem alta atividade inibitória frente às enzimas α-glicosidases muito superior à acarbose que é um fármaco usado no controle da glicemia. Benefícios: Descoberta de um produto que possa ser usado em diversas doenças como infecções virais, infecções bacterianas, diabete dentre outras. Potencial de mercado: Alta, por possuir alta inibição às enzimas α-glicosidases, enzima envolvida no controle da glicemia.

43


Preparação de derivados da BETA-LAPACHONA via reação três componentes em um Pote Reaciona Patente de invenção –Derivados de β-lapachonas, processos de produção e composição farmacêutica compreendendo as mesmas – nº 0000220803827609, depositada em 25 de Junho de 2008

Pesquisadores: Carlos Roland Kaiser, Vitor Francisco Ferreira, Sabrina Baptista Ferreira Setor: Síntese orgânica cegvito@vm.uff.br / (21)26292345

Problema: A β-lapachona, citada anteriormente, possui atividades biológicas contra diversos patógenos, sendo utilizada como possível candidato a fármaco ou como modelo para compostos mais seletivos ou mais ativos. A β-lapachona é produzida por semi-síntese a partir do lapachol. Solução Proposta: A preparação de derivados da β-lapachona com ou sem grupos substituinte no anel aromático, através de uma reação de três componentes envolvendo derivados substituídos no anel aromático da lausona, formaldeído e gás iso-butileno.

44

Diferencial: A síntese é realizada a partir de reagentes de uso comercial, não havendo a necessidade da extração do lapachol. Benefícios: Síntese da β-lapachona, que é uma substância extremamente importante devido à suas atividades farmacológicas a partir de reagentes disponíveis comercialmente. Potencial de mercado: Alto potencial por ser uma substância importante que se encontra na fase clínica II para o tratamento do câncer de pâncreas.


Usos de novas susbtâncias Trizólicas Tuberculostáticos e Leshmanicidas

Patente de inveção, número PI 0503681-0 depositada em 21 de agosto de 2006 Pesquisadores: Vitor Francisco Ferreira, Núbia Boechat, Marília dos Santos Costa, Maria Cristina da Silva Lourenço, Ivan Neves Jr., Marcelo da Silva Genestra Setor: Farmacêutico cegvito@vm.uff.br / (21)2629-2345 Problema: Diariamete, mais de 35000 pessoas morrem de doeças infecciosas enegligenciadas como Aids, malária, tuberculose, assim como o de leishmaiose, doenças de Chagas e doença do sono. Solução Proposta: Busca de novos compostos triazólicos com alta atividade contra os parasitas, em animais mamíferos, incluindo o homem, infectado contras as variedade destes microrganismo patogênicos, mais especifi camente contra o Micobaterium tuberculosis e os protozoários do gênero Leismania, agentes causadores destas doenças. Diferencial: Descoberta de novas substâncias

45

que possuam diferentes grupos estruturais com alta atividade biológica, com a possibilidade de terem diferentes mecanismos de ação. Benefícios: Descoberta de um composto que possa ser utilizado na produção de medicamento para o tratamento de leishmaniose e tubeculose sem efeitos colaterais severos e com baixo custo. Potencial de mercado: Possui alto potencial de mercado devido a existência de milhões de pessoas infectadas com leishmaniose e tuberculose.


Contêiner para acondicionamento, transporte e exposição de livros

Tanto para a estrutura como para o revestimento externo, atendeu-se ao cronograma exigido* Pesquisadores: Tatiana Carneiro dos Reis Setor: Laboratório de conservacao e restauracao de documentos - Lacord info@tatiana-reis.de / (21)2610-2259 * levando a uma confecção otimizada, já estando em linha de produção e sendo possível uma caixa ser feita em dois dias.

Problema: Enfrentávamos o problema de como atender adequadamente ao tratamento dos livros da coleção Lihed. Uma restauração mostrou-se extremamente dispendiosa e o laboratório, por sua vez, encontrava-se sem os equipamentos adequados. Solução Proposta: Buscamos como solução, dentro do conceito de Conservacao, um tratamento em duas etapas: higienzacao e acondicionamento em caixas para livros de grande porte. Diferencial: O produto criado para o acondicionamento obedeceu aos critérios de Conservacao e foi desenvolvido dentro de um processo laboratorial que englobou a pesquisa da forma,

a experimentação de materiais, o desenvolvimento de protótipos e a construção de um método que aliou tempo, produção e qualidade, por sua resistência para livros de grande porte. Benefícios: O Contêiner apresentou funcoes além do acondicionamento, como o transporte e exposicao de livros. O acondicionamento em caixas ou embalagens confeccionadas em papel neutro ou alcalino. O Contêiner é um estojo portátil, de guarda e exposição. Uma forma única que compacta diferentes funções. O Cônteiner confeccionado quando aberto apresenta visibilidade da lombada, da capa da frente e um espaço reservado à exposição da folha de rosto do livro reproduzida, que é de grande importância por dar informações sobre o mesmo: título, autor, editora, ano. Potencial de mercado: O Contêiner atende aos problemas dos livros de grande porte em geral, desde obras raras aos livros comerciais.

46


Pseudopeptídios ativos contra o vírus da hepatite C Os novos compostos sintéticos são caracterizados por possuir, na porção central, uma estrutura do tipo 1,4:3,6-dianidromanitol

Pesquisadores: Estela Maris Freitas Muri, Thalita Gonçalves Barros, Sergio Pinheiro, Amilcar Tanuri, Octavio Augusto Ceva, Antunes Rodrigo de Moraes Brindeiro, Helena de Souza Pereira, José Boullosa Alonso Neto. Setor: Química Orgânica spinuff@gmail.com / (21)2629-2369 As porções laterais são caracterizadas por possuir ligações peptídeo miméticas provenientes do acoplamento com diversos amino ácidos N-protegidos.

Problema: A hepatite C é uma doença de alto impacto social causada pelo vírus HCV. Diversos novos compostos têm sido avaliados para o tratamento das infecções pelo HCV. Porém, ainda não foram analisada em fases de triagem envolvendo. Solução Proposta: A presente invenção se refere à POTENCIAIS PEPTÍDEO MIMÉTICOS ATIVOS CONTRA O VÍRUS DA HEPATITE C, desenhados como inibidores de polimerases e serina protease do vírus da Hepatite C (HCV).

47

Diferencial: A atual terapia basea-se no uso do interferon alfa combinado com ribavirina. Esta melhora a resposta virológica sustentada, contudo não há estudos prospectivos convincentes. Benefícios: Esses novos compostos, se ativos contra o vírus da hepatite C, poderão ser a base para a preparação de formulações antivirais capazes de cessar a proliferação do HCV responsável pela fl avivirose, a Hepatite C. Potencial de mercado: Se os novos compostos se mostraram inibidores da serina protease, terão potencialidade o tratamento da hepatite C.


Compostos pseudopeptídios ativos contra vírus da família flaviviridae e composição farmacêutica contendo tais compostos Os compostos sintetizados são pseudopeptídeos derivados do isomanídeo em um processo desenvolvido em nossos laboratórios. Pesquisadores: Estela Maris Freitas Muri, Thalita Gonçalves Barros, Sergio Pinheiro, Amilcar Tanuri, Octavio Augusto Ceva, Antunes Rodrigo de Moraes Brindeiro, Helena de Souza Pereira, José Boullosa Alonso Neto Setor: Química Orgânica spinuff@gmail.com / (21)2629-2369 Foram sintetizados pseudopeptídios ativos contra vírus da família fl aviviridae como inibidores da serina protease de potencial interesse para o tratamento da hepatite C

Problema: A infecção pelo HCV é responsável por mais de 80% dos transplantes de fígado no mundo, e no Brasil. Diversos novos compostos têm sido avaliados para o tratamento das infecções pelo HCV. Esses compostos se encontram em fases iniciais de avaliação e a maioria desses compostos ainda não foi analisada em fases de triagem envolvendo seres humanos. Solução Proposta: Na presente invenção são descritos compostos inibidores de serina

48

proteases como potenciais medicamentos anti-hepatite C Diferencial: A atual terapia baseia-se no uso do interferon alfa combinado com ribavirina. Esta combinação melhora a resposta virológica sustentada para 38-43%, contudo não há estudos prospectivos convincentes. Benefícios: Esses novos compostos, se ativos contra o vírus da hepatite C, poderão ser a base para a preparação de formulações antivirais capazes de cessar a proliferação do HCV responsável pela fl avivirose, a Hepatite C. Potencial de mercado: Novos derivados das substâncias sintetizadas poderão vir a apresentar grande importância para inibir a proliferação do vírus da hepatite C.


Sistema para medição de vazão de escoamento bifásico gás-líquido e método relacionado Tecnologia inovadora que utiliza a análise de vibrações em tubulações para determinar as vazões do escoamento bifásico. Pesquisadores: Antonio Lopes Gama, Daniel Pontes Lannes, Lucas Ramalho dos Santos Ferreira Setor: Departamento de Engenharia Mecânica agama@vm.uff.br / lannes@vm.uff. br

Problema: A medição da vazão dos fluidos que compõe um escoamento bifásico do tipo gás-líquido é necessária em muitas situações. É de grande importância, por exemplo, a medição de óleo e gás produzidos em plataformas marítimas não apenas para fins de comercialização destes fluidos, mas também para teste e monitoração dos poços de petróleo, e gerenciamento de reservas. Solução Proposta: Sistema não-intrusivo para medição de vazão de escoamento bifásico gás-líquido em que um conduto não retilíneo é excitado por um atuador e pelo próprio escoamento bifásico em seu interior. A vibração do conduto é medida com sensores de vi-

49

bração e os sinais elétricos destes são enviados a uma unidade de processamento de sinais que determina as vazões. Diferencial: Método de medição não intrusivo, com possibilidade de instalação em tubulações que já estejam em operação sem que haja a necessidade de desmontagem ou modificações na tubulação, possui menor peso, ocupa menos espaço e tem baixo custo. Permite conhecer as vazões de líquido e gás quase em tempo real. Potencial de mercado: Utilização em plataformas marítimas de produção de petróleo. Medição de vazão de escoamentos bifásicos em geral.


Equipamento para refrigeração e processo de refrigeração (PI 0400707-7) - Trata-se de uma proposta inovadora em estagio ainda de pesquisa

Pesquisadores: Mucio Continentino e Andre Ferreira Setor: Resfriamento, baixas temperaturas. mucio@cbpf.br / 021-21417407

Problema: Resfriamento e/ou liquefação de gases a baixas temperaturas por campo magnético externo ou pressão aplicada. Solução Proposta: Trata-se de um refrigerador para funcionar a baixas temperaturas, por exemplo, para liquefação de gases. O processo de refrigeração baseia-se nos efeitos magneto e baro-calóricos nos quais se utiliza ou campo magnético ou pressão externa, respectivamente, para produzir resfriamento. Diferencial: Baseia-se nas propriedades de certos materiais de terra rara que apresentam o efeito Pomeranchuk de estado sólido. No caso do resfriamento por campo magnético diminui-se sensivelmente o numero de partes móveis no processo Benefícios: O processo é limpo e bastante eficiente Potencial de mercado: Industrias químicas e petrolíferas. Resfriamento de magnetos supercondutores para aplicação na área medica.

50


Processo de caracterização microestrutural de aços inoxidáveis de estrutura austeno-ferrítica por meio de réplica metalográfica Existe uma maior demanda da utilização de aços austeno-ferríticos, sendo requisitada à utilização de técnicas não intrusivas com diversas tecnologias para minimizar a ocorrências de falhas durante o serviço nesta classe de material

Pesquisadores: Juan Manuel Pardal, Sérgio Souto Maior Tavares, Maria da Penha Cindra Fonseca, José Adailson de Souza Setor: TCE/TEM juanpardal@vm.uff.br (21) 26295584 Problema: Atualmente existem muitos problemas relacionados às técnicas de inspeção não destrutiva dos aços austeno-ferríticos em termos de caracterização microestrutural que garantam as propriedades mecânicas e de resistência à corrosão após de realizados os processos de fabricação. Solução Proposta: A presente invenção refere-se a um processo de caracterização microestrutural de aços inoxidáveis de estrutura austeno-ferrítica por meio de réplica metalográfica, utilizado como uma ferramenta para a inspeção não destrutiva de tubulações e equipamentos. Diferencial: Simplicidade na realização do en-

saio para detecção de fases deletérias, assim como no percentual de austenita e ferrita, podendo ainda documentar e registrar as características microestruturais. Benefícios: Possibilidades de poder empregar este tipo de ensaio tanto na soldagem durante a pré-fabricação e montagem de componentes tais como spools e outros equipamentos de processo. Potencial de mercado: Existe grande potencialidade de utilização tendo em vista à necessidade de utilização de ensaios não intrusivos de rápida aplicação e baixo custo nesta classe de material.

51


Processo de tratamento térmico para aumento nas pripriedades mecânicas e resistência ao desgaste de aços inoxidáveis de estrutura austeno-ferrítica Com o advento do pré sal, torna-se necessária a melhora continua da qualidade dos materiais empregados em componentes offshore e onshore com tecnologias mais avançadas em termos de extração e refino do petróleo.

Pesquisadores: Juan Manuel Pardal, Sérgio Souto Maior Tavares, José Adailson de Souza, Adriana Loureiro da Silva, Cherlio Scandian (UFES), Flávio Marques (UFES) Setor: TCE/TEM juanpardal@vm.uff.br (21) 26295584

Problema: Atualmente existem muitos problemas relacionados à seleção e especificação de materiais para atender às as exigentes condições de serviço atuais, tal como acontece com necessidade de exploração e extração de petroleo no pré sal. Solução Proposta: A presente invenção refere-se à realização de um processo de tratamento térmico em aços inoxidáveis de estrutura austeno-ferrítica visando obter um aumento nas propriedades mecânicas e resistência ao desgaste destes materiais sem prejuízos na resistência à corrosão e tenacidade ao impacto.

52

Diferencial: Simplicidade no ganho de resistência com tratamentos térmicos de curta duração. Benefícios: Possibilidades de poder empregar este tipo de ligas em outras aplicações industriais, tais como componentes resis- tentes ao desgaste. Potencial de mercado: Existe grande potencialidade de aplicação tendo em vista à necessidade de utilização de materiais que aliem uma maior resistência sem impacto significativo no preço do material após de realização do tratamento térmico apresentado na invenção


Instrumento cortante rotativo tronco-cônico, retentor intrarradicular direto, elemento de correção de inclinação e Kit compreendendo os mesmos A presente invenção se refere à preparação e restauração de dentes tratados endodonticamente consistindo em um conjunto de elementos, compreendendo instrumento cortante rotativo tronco-cônico, retentores intrarradiculares anatômicos diretos e elementos de correção de inclinação com guias e/ou parafusado.

Pesquisadores: Isis A.V.P. Poiate e Adalberto B. Vasconcellos (UFF); Matsoyoshi Mori, Ivo Contin, Tomie N. de Campos, Reinaldo Missaka, Mikiya Muramatsu, Julio C. Nogueira, Rubens C.R. Carvalho e Edgard Poiate Jr. (USP); Kátia Regina Hostilio Cervantes Dias (UERJ); Knud Sorensen (Medical Burs) Setor: Odontologia isis_poiate@yahoo.com.br

Problema: Dentes em necessidade de tratamento endodôntico sofrem uma considerável perda de tecido dentinário devido a lesões cariosas, fraturas ou desgastes, que é agravada por procedimentos clínicos de acesso endodôntico necessários para realização do tratamento adequado. A redução da massa de tecido dentinário dificulta a retenção suficiente da prótese para restauração, necessitando, portanto, de um retentor intrarradicular (RIR). Entretanto, não há consenso clínico e/ ou científico padronizado quanto à melhor técnica ou material empregado na confecção de restaurações seguras que cumpram a requisitos

53

biomecânicos quanto aos esforços mastigatórios. Solução Proposta: Esta invenção propicia vantagens significativas em relação aos RIR do estado da técnica, a qual possibilita um aumento do seu desempenho e apresenta uma relação custo/ benefício mais favorável; compreende em um conjunto de elementos para a preparação e restauração de dentes tratados endodonticamente; compreende um kit para a preparação e a restauração de dentes tratados endodonticamente. Diferencial / Benefícios: Apresenta a vantagem de compreender dispositivos que permitem a redução no tempo de preparo, aumento da longevidade das restaurações protéticas, pode ser aplicado em qualquer elemento dentário e cumpri os requisitos biomecânicos quanto aos esforços mastigatórios através da dissipação de tensões, resistência e retenção do pino e núcleo ao reparo total ou parcial. Potencial de mercado: Mais pacientes poderão ter acesso a este tipo de restauração odontológica


Extrato, composição farmacêutica e processo de obtenção de substâncias que apresentam ação inibitória contra o vírus HIV-1 A obtenção destes produtos é relativamente simples. No entanto, técnicas de cultivo conhecidas em países orientais e obtenção por via sintética permanecem potenciais.

Pesquisadores: Valéria Laneuville Teixeira, Izabel Christina Nunes de Palmer Paixão, Claudio Cesar Cirne-Santos, Luiz Roberto Ribeiro Castello Branco, Magui Aparecida Vallim da Silva, Joel Campos de Paula, Diana Negrão Cavalcanti, Viveca Antonia Giongo Galvão da Silva e Roberto Campos Villaça Setor: Indústria farmacêutica, de medicamentos valerialaneuville@gmail.com / 2629 2296 Problema: O grau de morbidade e mortalidade causadas pelo HIV, o impacto global da infecção sobre a economia e sobre os recursos no atendimento aos portadores do vírus, são enormes e continuam crescendo. Em face de sua emergência como um dos importantes agentes infecciosos deste século, apresenta-se como um dos principais alvos de estudos em diversas partes do mundo. Solução Proposta: Uso de extrato de produtos marinhos apresentando ação inibitória contra o vírus HIV-1, composições farmacêuticas contendo produtos marinhos apresentando ação inibitória contra o

54

vírus HIV-1 e também um processo de obtenção dos produtos marinhos apresentando ação inibitória contra o vírus HIV-1. Diferencial: O custo da fabricação dos medicamentos anti-HIV é enorme, apesar da fabricação da maioria dos medicamentos disponíveis ser nacional (com importação dos insumos). Diversos grupos nacionais de pesquisa vêm realizando estudos de desenvolvimento de novos anti-retrovirais desde o inicio dos anos 90. Entretanto, nenhum destes medicamentos foi testado completamente em estudos pré-clinicos. Benefícios: Produto nacional a base de algas marinhas não-tóxicas, comestíveis em países orientais, e que podem ser cultivadas ou os produtos podem ser obtidos por processos sintéticos em laboratórios. Potencial de mercado: Grande potencial de mercado uma vez que poderia substituir medicamentos muito caros no mercado brasileiro e mundial.


Controlador para chaveamento automático de circuitos de interligação de áreas de sistemas elétricos Sendo um controlador centralizado que atua na geração, os custos de implantação podem ser bastante reduzidos se forem projetados como uma malha adicional nos Controles Automáticos de Geração (CAG), que fazem o controle secundário da frequência. Com isso, os canais de comunicação existentes para o CAG também podem ser utilizados para este novo controlador

Pesquisador: Carlos Henrique Costa Guimarães Setor: Engenharia Elétrica chcg@vm.uff.br / 9847-4760

ter a sua integridade física.

Problema: O chaveamento de circuitos que interligam áreas de sistemas elétricos de grande porte provoca impacto torcional nos eixos de geradores. Atualmente é realizado manualmente e, portanto, sujeito a falhas humanas, que podem até, em caso extremo, provocar o rompimento de eixo de geradores, ou no mínimo levar a fadiga do material, reduzindo a sua vida útil. Solução Proposta: O controlador centralizado atua na geração das áreas envolvidas com o circuito a ser chaveado de forma a reduzir os impactos torcionais nos eixos das máquinas próximas de suas extremidades. O funcionamento deste dispositivo baseia-se nas equações de oscilação do rotor do conjunto gerador-turbina e na equação da potência ativa que flui no circuito. A variação do torque no eixo do gerador no momento do chaveamento não pode comprome-

55

Diferencial A operação de chaveamento de circuitos de interligação de áreas é feita hoje em dia de forma manual, requerendo muito cuidado, pois pode desencadear um processo de perda de sincronismo do sistema elétrico provocado pelo desligamento ou perda de máquinas geradoras. Com o controlador proposto, essa operação passa a ser automática, evitando falhas humanas além da maior rapidez no processo de manobra. Benefícios: Com o controlador proposto, algumas restrições operativas não precisam mais ser adotadas, como por exemplo, se fazer o desligamento prévio de máquinas que estão sujeitas a quebra de eixo quando do chaveamento de circuitos de interligação, evitando perdas de arrecadação e confiabilidade do sistema. Potencial de mercado: Operador Nacional do Sistema Elétrico e Empresas Geradoras e/ou Transmissoras de Energia Elétrica


Compostos 1-hidroxi-2-O-acil-SN-glicero-3-fosfocolinas – processo compreendendo tais compostos (co-titularidade IEAPM/UFRJ) Compreende a síntese de estruturas químicas, em laboratório, e com poucas etapas ou reações, a partir do tratamento de lecitinas.

Pesquisadores: Ricardo Coutinho (IEAPM), Maria Helena C. B. Neves (IEAPM), Claudio C. Lopes (UFRJ), Rosangela Sabbatini C. Lopes (UFRJ), Vanessa de A. Martins (UFRJ) e Renato Crespo Pereira (UFF) Setor: Departamento de Biologia Marinha - UFF rcrespo@iduff.br Problema: A bioincrustação é um processo natural que ocorre com qualquer estrutura submersa em água do mar. Constituída por uma grande variedade de micro- e macro-organismos. Esta comunidade incrustante causa diversos problemas como entupimento de canalizações, comprometimento estrutural de plataformas ou menor desempenho de embarcações devido ao aumento da força de arraste. Estes e outro problemas advindos da bioincrustação causam grandes prejuízos à economia mundial. Solução Proposta: Novos compostos anti-incrustantes 1-OH-2-acil-snglicero-3-fosfocolinas e seus análogos, puro ou em mistura, com fórmula WCH2CHXCH2PO3YCH2CH2Z, onde W é preferivelmente uma hidroxila ou um O-acil com 02 a 22 átomos de carbono e, onde X é preferivelmente um O-acil

com 02 a 22 átomos de carbono ou hidroxila (OH) e onde Y pode ser um (O-) ou um OH e onde Z é preferivelmente um trimetil-amônio [N+(CH3)3] podendo ser um grupo dimetil-amônio protonado [N+H(CH3)2]. Diferencial: Com o banimento do uso de TBT, tornou-se premente a busca por anti-incrustantes que sejam eficazes no combate à bioincrustação, mas que não resultem em prejuízos ambientais. A presente invenção, um produto de ação anti-incrustante com base em 1-OH-2-acil-snglicero3-fosfocolinas e seus análogos, não são agressivos ao meio ambiente. Benefícios: São substâncias com ação biocida/ repelente, de fácil síntese, utilizando matéria-prima de baixo custo e abundante, compreendendo uma rota de síntese de fácil execução. Estas substâncias poderão ser utilizados na preparação de 25 revestimentos e tintas marítimas antiincrustantes. Potencial de mercado: Uma vez que podem ser obtidos de matéria prima abundante, resultarão em produto economicamente viável ou de baixo custo.

56


Método de preparação de derivados C-Alquilados de 2-Hidroxi-1,4-Naftoquinonas. Nova preparação do Lapachol Neste processo foi realizada uma reação de Knoevenagel, empregando aldeídos diversos, gerando inicialmente uma quinona metide, a qual é reduzida in situ com ácido fórmico e assim levando aos produtos desejados

Pesquisadores: Wilson da Costa Santos, Sabrina Baptista Ferreira, David Rodrigues da Rocha, Vitor Francisco Ferreira Setor: Farmácia e Química wsantos@vm.uff.br /(21) 2704-5078/ gqosabrina@yahoo.com.br/ (21) 2705-7555 davidrrocha@uol.com.br / (21) 2228-4174 cegvito@vm.uff.br / (21) 3351-3522

Problema: As reações de alquilação da lausona, mais especificamente no carbono C-3, desperta grande interesse dos químicos uma vez que permite a obtenção de compostos de grande valia por suas propriedades farmacológicas, como o lapachol. Entretanto, as metodologias conhecidas até o momento levam à formação de sub-produtos, caracterizando-se por seus baixos rendimentos. Solução Proposta: A solução encontrada neste trabalho foi proceder a uma reação de Knoevenagel empregando-se aldeídos diversos, seguida de uma redução in situ, levando aos produtos desejados em elevados rendimentos e sem formação de sub-produtos significativos.

57

Diferencial O diferencial nesta metodologia é o uso de ácido fórmico como agente redutor e o emprego de elevadas temperaturas empregando um reator de alta pressão. Benefícios: Os benefícios principais são os elevados rendimentos alcançados e a possibilidade de acessar diversos compostos, dentre estes o lapachol e seus análogos. Potencial de mercado: O lapachol é um composto extremamente estudado por químicos e biólogos, por sua extensa lista de propriedades farmacológicas, sendo assim de elevado interesse e de alto custo no mercado.


Compostos Peptídeos Miméticos potencialmente ativos contra o vírus da Hepatite C e composição farmacêutica contendo tais compostos A tecnologia empregada envolve a condensação de alfa-aminoácidos protegidos com derivados do isomanídeo para as formações de uma série de ésteres e de amidas, mostrando-se satisfatória para obtenção dos peptídeos miméticos desejados.

Pesquisador: Estela Maris Freitas Muri, Thalita Gonçalves Barros e Sergio Pinheiro Setor: Instituto de Química, Departamento de Química OrgânicaUFF, Faculdade de Farmácia-UFF spinuff@gmail.com (21) 26292369 Problema: A Hepatite C, causada pelo vírus HCV, é a causa principal da hepatite crônica e conduz a uma disfunção hepática e carcinoma hepatocelular. A terapia atual baseia-se no uso do interferon-alfa com a Ribavirina e apresenta uma resposta virológica sustentada de somente 38-43% e é somente parcialmente efetiva e limitada pelos seus efeitos adversos. Além disto, não está disponível uma vacina contra o vírus HCV. Solução Proposta: Desenvolver compostos peptídeos miméticos que possam inibir a ação das enzimas polimerase e serina protease do vírus da Hepatite C, impedindo assim, a replicação viral. Diferencial Os compostos peptídeos miméticos

58

sintetizados apresentaram atividades in vitro frente a hepatite C. Estes compostos se ligam ao sítio catalítico da enzima NS3 protease e o mecanismo de ação destes compostos ocorre por inibição da enzima serina protease NS3. Benefícios: O desenvolvimento de novos compostos que possam inibir a ação de enzimas polimerase e da serina protease NS3 pode vir a introduzir uma terapia antiviral eficaz para o tratamento da hepatite C. Potencial de mercado: A metodologia desenvolvida levou a identificação de peptídeos miméticos protótipos e será empregada nas preparações de novos peptídeos miméticos de maiores potenciais de mercado.


Processo de produção de extrato microencapsulado de corante natural Tecnologia inovadora que utiliza a técnica de encapsulação para promover estabilidade ao extrato de ficobiliproteínas oriundas de cianobactéria.

Pesquisador: Thaís Souza Passos, Kátia Gomes de Lima Araújo, Maria Helena da Rocha Leão thais_spassos@yahoo.com.br/ (21) 26299604 Problema: Os aditivos alimentares são cada vez mais utilizados na indústria alimentícia, sendo para estas imprescindíveis. Os corantes sintéticos são os mais polêmicos entre todos os aditivos, pois seu uso é justificado por ser muito atrativo para os consumidores, mesmo sendo quase um consenso entre os cientistas a ocorrência de reações adversas em curto e longo prazo por sua ingestão. Solução Proposta: Os corantes naturais, que seriam uma alternativa saudável aos artificiais, ainda são muito instáveis e caros e de difícil utilização e manuseio industrial, por se degradarem facilmente com fatores importantes, como temperatura, oxigênio, luz e pH, requerendo pesquisas maiores para sua utilização industrial. Esta tecnologia vem, então, propor a solução da instabilidade e manuseio industrial, auxiliando, e muito, na logística de sua utilização industrial.

59

Diferencial Extrato obtido a partir de cianobactérias, com possibilidade de utilização de 100% da biomassa para extração da substância de interesse; - Maior velocidade de crescimento e maior controle do cultivo por se tratar de uma matéria-prima microbiana e necessidade de menor área para fermentadores para o cultivo das células; - Estabilidade, fator ausente na maioria dos outros corantes naturais, e determinante para a logística industrial; - Saudável, por ser uma proteína natural e por não apresentar contra-indicações à ingestão, considerando que muitas bactérias do tipo são comestíveis; Potencial de mercado: Usos desse extrato microencapsulado como corante natural para a indústria alimentícia, cosmética e de tintas.


Ração Extrusada para Camarão Pesquisador: Fabiana Lindenberg dos Santos, Cristina Tristão de Andrade e Kátia Gomes de Lima Araújo Setor: Ciência de Alimentos aquicultura fabianalindenberg@yahoo.com.br / (21) 36174901

trias. A invenção da ração extrusada à base de proteínas do soro do leite busca utilizar o subproduto soro do leite lançado nos rios pelas indústrias de alimentos. Os resíduos das indústrias de laticínios lançados nos rios é um dos fatores que mais causam preocupação em termos de poluição.

Problema: A alimentação das espécies é um dos principais fatores que afetam a viabilidade de qualquer empreendimento de aquicultura, chegando a representar de 50% a 70% das despesas de uma fazenda de cultivo. A farinha de peixe é a principal fonte de proteínas nas dietas para aquicultura; porém, o seu uso ocasiona forte pressão de pesca sobre espécies forrageiras, provoca a sobrepesca e até a depleção de alguns desses estoques. A disponibilidade da farinha de peixe é irregular devido a mudanças climáticas, o nível de proteínas, a qualidade e a digestibilidade variam de acordo com o tipo de peixe. O custo sofre muitas flutuações devido ao mercado e mudanças no meio ambiente.

Diferencial A ração é vantajosa devido a tecnologia de extrusão melhorar as características físicas dos “pellets” dando maior estabilidade na água, reduzindo perdas de nutrientes e melhorando a qualidade da água. A adição de sementes de linhaça na ração extrusada busca obter camarões com melhor qualidade nutricional em relação ao perfil de ácidos graxos e a redução do teor de colesterol. Gerando um produto final saudável para o consumo.

Solução Proposta: A substituição da farinha de peixe por outra fonte de proteína diminuiria a pressão sobre os estoques pesqueiros, além de contribuir para a redução do custo de produção, principalmente quando se utilizam proteínas de subproduto de indús-

Potencial de mercado: A ração está apta para comercialização e o potencial de mercado é promissor. No Brasil, o maior produtor do continente, a carcinicultura se consolidou nos últimos anos. Atualmente os camarões de água doce são cultivados em quase todo o território, sendo a maior concentração na região sudeste. A produção varia ao redor de 400 toneladas por ano. Alcança bons preços no mercado nacional e internacional devido ao tamanho e sabor de sua carne.

60


2 61

Patente de Modelo de Utilidade


Equipamento de Endoscopia Rígida

Patente de Modelo de Utilidade, protocolo 0221004415367, depositado em 29/03/2011 no INPI. Pesquisador: Luiz Felippe Júdice Setor: HUAP / Ciências da Saúde lfjudice@urbi.com.br Problema: O tratamento de pacientes portadores de lesões obstrutivas da via aérea superior frequentemente exige do médico a utilização de instrumental rígido, para facilitar o manuseio dessas lesões. É comum que esses pacientes se apresentem ao médico numa situação de emergência e com risco de asfixia. É necessário, portanto, tomar medidas para a desobstrução da via aérea recorrendo a dilação, ressecção endoscópica com laser ou eletrocautério . Às vezes a utilização de stents é a única alternativa viável. Solução proposta Estamos apresentando um equipamento para endoscopia rígida destinado ao manuseio de pacientes portadores de lesões obstrutivas da via aérea com auxilio de laser, eletrocautério, criocautério. O equipamento é também apropriado para a colocação de órteses (stents) na via aérea.

62

Diferencial Este equipamento de endoscopia rígida possui sistema full lumen com iluminação proximal e retrátil, com cabo removível, permitindo a suspensão manual ou o acoplamento a um sistema de suspensão apoiado na região peitoral do paciente liberando as duas mãos do operador para o trabalho. Benefícios Permite a utilização de tubos de inserção de diversos calibres , curtos ou longos para atender às particularidades de cada caso. Permite também acoplar um accessório para ventilação com entrada lateral em ângulo que possibilita trabalhar com pinças , laser ou eletrocautério e balão de dilatação sob visão e concomitante com a ventilação. Potencial de mercado Alto potencial de mercado, visto que os equipamentos existentes são importados e não preenchem todas as características do invento aqui apresentado.


3 63

Registro de Programa de Computador


Processador XTemplate

A ferramenta foi desenvolvida com a linguagem Java.

Pesquisadores: Joel André Ferreira dos Santos e Débora Christina Muchaluat-Saade Setor: Departamento de Ciência da Computação joel@midiacom.uff.br, debora@midiacom.uff.br Problema: Geração automática de documentos NCL 3.0 padrão a partir de documentos NCL que utilizem templates de composição, especificados com a linguagem XTemplate 3.0. Solução Proposta: Processador de templates de composição especificados com a linguagem XTemplate 3.0. O processador transforma um documento NCL 3.0 que usa templates de composição, especificados com a linguagem XTemplate 3.0, em um documento NCL completo, seguindo a especificação da linguagem NCL 3.0 nas normas do Sistema Brasileiro de TV Digital. Diferencial: A definição do processador permite que templates e documentos que usam templates sejam definidos

64

separadamente, o que permite um maior reúso dos templates criados, além de maior facilidade na autoria de documentos que usam templates. Benefícios: Facilidade na definição de programas interativos para TV digital utilizando a linguagem NCL, por permitir o reuso de estruturas genéricas, especificadas como templates de composição. Conversão de um documento que usa templates para um documento NCL padrão, seguindo a norma SBTVD. Potencial de mercado: Comercialização para empresas focadas na autoria de aplicações para TV digital, que podem utilizar templates para oferecer interfaces de criação de documentos mais simples e fácil, além desenvolvedores NCL experientes ou não, como uma forma de facilitar ou mesmo possibilitar a criação de aplicações.


Linguagem XTemplate 3.0

A linguagem foi definida de acordo com o padrão XML Schema do W3C.

Pesquisadores: Joel André Ferreira dos Santos e Débora Christina Muchaluat-Saade Setor: Departamento de Ciência da Computação joel@midiacom.uff.br, debora@midiacom.uff.br Problema: Dificuldade de especificação de relacionamentos de sincronismo e interatividade na produção de programas multimídia interativos para o Sistema Brasileiro de TV Digital especificados com a linguagem NCL 3.0. Impossibilidade de reuso de estruturas genéricas em programas de TV digital que tenham comportamentos similares apenas com a especificação Ginga-NCL padrão. Solução Proposta: Linguagem XTemplate 3.0 para criação de templates de composição para programas NCL. A versão 3.0 de XTemplate adequa as versões anteriores de XTemplate ao perfil 3.0 da linguagem NCL e adiciona funcionalidades como a definição de leiaute para os componentes genéricos da linguagem e a definição do valor de variáveis utilizadas pela

65

linguagem em tempo de utilização do template. Diferencial: Definição modular da linguagem XTemplate, o que facilita sua extensão e seu grande poder de reuso, o que permite a criação de uma grande gama de templates para aplicações interativas. Benefícios: Facilidade na definição de programas interativos para TV digital utilizando a linguagem NCL, por permitir o reuso de estruturas genéricas, representadas por templates de composição. Nova facilidade para linguagem NCL sem modificar a norma SBTVD. Potencial de mercado: Comercialização para empresas focadas na autoria de aplicações para TV digital, que podem utilizar templates para oferecer interfaces de criação de documentos mais simples e fácil, além desenvolvedores NCL experientes ou não, como uma forma de facilitar ou mesmo possibilitar a criação de aplicações.


2DEE (Gerador de linhas de corrente de escoamentos elementares bidimensionais) Solicitação de Pedido de Depósito de Patente: Programa de Computador - 2DEE - 10/09/2008; Nº 0000270805015640 Pesquisador: Fernando da Cunha Peixoto Setor: Departamento de Engenharia Química e de Petróleo teq@vm.uff.br

É de particular interesse o estudo de escoamentos invíscidos (irrotacionais e incompressíveis). Como se sabe, em tais escoamentos, tanto o potencial de velocidade quanto a função de corrente são regidos pela equação de Laplace. Encontram-se soluções, fácil e analiticamente, para estas equações, quando aplicadas a escoamentos elementares, tais como escoamentos uniformes, dipolos, fontes, sumidouros e vórtices. O princípio da superposição permite encontrar soluções para escoamentos mais complexos, desde que estes possam ser descritos como composições destes escoamentos elementares. O programa desenvolvido permite ao usuário definir quais escoamentos uniformes utilizará, bem como o número de cada um deles. Além disso, é possível posicioná-los em qualquer lugar do espaço, permitindo, portanto, a sobreposição para composição. O programa tem objetivos didático-pedagógicos.

66


UNIT 1D M A tecnologia consiste em um programa computacional desenvolvido na plataforma do programa Wolfram Mathematica (para versões 6.0 e em diante) para a solução de problemas de valor inicial unidimensionais utilizando a Técnica da Transformada Integral Generalizada (GITT), capaz de resolver diferentes problemas de advecção-difusão.

Pesquisadores: Carlos Henrique Costa Guimarães, Leandro Alcoforado Sphaier (UFF), Renato Machado Cotta (UFRJ), Carolina P. Naveira-Cotta (UFRJ), João N. Nonato Quaresma (UFPA) Setor: Engenharia Mecânica lasphaier@id.uff.br / 21-26295576 Problema: A grande maioria de códigos para simulação computacional que utilizam a Técnica da Transformada Integral Generalizada (GITT – Generalized Integral Transform Technique) são desenvolvidos para uma aplicação específica. Além disto, a utilização da GITT é normalmente difícil para usuários que não sejam versados na técnica. Solução Proposta: Desenvolver um código unificado e de simples utilização que permita a simulação de diferentes problemas via GITT utilizando a mesma abordagem. O atual código têm como nome UNIT 1D M. A abreviação UNIT tem como significado Unified Integral Transforms. Diferencial: A Técnica da Transformada Integral

Generalizada (GITT) é um método híbrido, de caráter analítico-numérico, capaz de resolver potencialmente qualquer problema representado por um sistema de equações diferenciais parciais, como é encontrado em uma série de problemas de fenômenos de transporte e engenharia em geral. A natureza analítica do método permite que o erro global da solução seja controlado e monitorado de maneira precisa e eficiente. Benefícios: Diferentes tipos problemas podem ser rapidamente resolvidos por GITT com o programa desenvolvido. Uma gama maior de usuários podem fazer usufruto da técnica sem grandes dificuldades. Potencial de mercado: A solução proposta tem potencial de atender à demanda de simulações computacionais de diferentes problemas encontrados em mecânica dos fluidos, transferência de calor e massa e áreas afins. Ele pode ser utilizado na simulação de novos problemas ou para a verificação de simulações desenvolvidas com outros métodos.

67


SCEG – Sistema de Consulta de Enfermagem Gerontológica (Protocolo 020090118711) O software protótipo possui uma linguagem de programação Delphi 7.0; a base de dados: MySql; e alguns aplicativos (Corel Draw 11, Paint).

Pesquisador: Vania Vieira de Carvalho Rosimere Ferreira Santana Setor: Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa/ Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgico vaniavcarvalho@yahoo.com.br / 7869-4050 rosifesa@enf.uff.br / 8824-1026

Problema: Informatização dos dados em saúde e sua especificidade no atendimento a de qualidade às pessoas idosas, população crescente em nosso país, em 2025 seremos 34 milhões de idosos. Solução Proposta: Software integrado com sistemas de alertas para a formulação diagnóstica dos fenômenos de enfermagem e em saúde, formulando um plano de cuidados gerontológicos como produto final. Diferencial O software desenvolvido para a consulta de enfermagem gerontológica integra a Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE) desenvolvendo uma busca sistemática das evidências mais en-

68

contradas nos idosos, validada em estudos anteriores, seguido por um layout que contempla as fases do processo de enfermagem: histórico de enfermagem, diagnóstico de enfermagem (NANDA), intervenção de enfermagem (NIC) e resultados (NOC). Benefícios: O sistema de informação pretende transformar a rotina do ambulatório de dados assistemáticos, em dados categorizados, organizando o registro de coleta, armazenamento, manipulação e recuperação de dados informativos de cada paciente cadastrado. Potencial de mercado: Atenção básica de saúde Clínicas gerontológicas


SIMULALTE A Tecnologia estudada (OFDM) será utilizada na quarta geração da telefonia celular.*

Pesquisador: Eduardo Rodrigues Vale e Onésimo Ferreira. Setor: Departamento de Telecomunicações da UFF eduardo.vale@globo.com onesimoferreira@yahoo.com.br (21) 2772-7513

Diferencial: As Plataformas de Simulação OFDM existentes mostram os resultados de BER e Vazão em função da variação da Modulação. O Diferencial da nossa Plataforma é que ela apresenta os resultados de BER e Vazão em função da variação da quantidade de pilotos inseridos.

*Apresenta uma grande robustez ao Desvanecimento Seletivo em Frequência, ou seja, eficiência em multipercursos (ambientes típicos de telefonia móvel) e alta eficiência espectral. OFDM é uma forma de Modulação em que um único fluxo de dados é transmitido através de um número de subportadoras, a uma taxa mais baixa.

Problema: Análise do Desempenho da Tecnologia OFDM para os Sistemas Móveis de Quarta Geração. Influência da Densidade de Pilotos no Desempenho do Sistema OFDM. Solução Proposta: Plataforma de Simulação OFDM, explorando aspectos, tais como alternativas para uma melhoria da relação sinal-ruído do sistema.

69

Benefícios: Retrata plenamente os efeitos da variação das quantidades de pilotos inseridos no desempenho dos sistemas OFDM. Os resultados esperados são: BER vs. Eb/No vs Pilotos, Vazão vs. Eb/No vs Pilotos, BER vs. Pilotos. Vazão vs Pilotos. Potencial de mercado: Ferramenta com forte Potencial de Mercado para as Operadoras de Telefonia Celular que implantarão a Quarta Geração (4G) de telefones celulares.


SEMF – Simulador de Escoamento Multi-Fásico A modelagem seguiu a metodologia de Beggs e Brill para o escoamento da mistura* Pesquisadores: Fernando Cunha Peixoto, Anália Santos e Paula, Lívia Tomaz de Souza Paula Setor: Departamento de Engenharia Química e de Petróleo fpeixoto@vm.uff.br / (21) 26295557 * Com predição das propriedades físico-químicas e de transporte usando correlações tradicionais e manipuláveis conforme comentários constantes das listagens e a implementação se deu em software aberto e gratuito.

Problema: A produção de petróleo no Brasil está basicamente calcada na exploração em águas profundas. A modelagem da retirada dos fluidos do interior das rochas e de seu escoamento até a superfície, é bastante hermética quando feita através de modelos fenomenológicos baseados em equações de balanço. Habitualmente, empregam-se modelos semi-empíricos e/ou simplificações que atendem aos objetivos rotineiros de projeto e simulação. Solução Proposta: Implementar em Scilab (plataforma

70

aberta e gratuita) consolidados modelos preditivos para a perda de carga em risers de produção de petróleo, bem como para as variações das propriedades físico-químicas da mistura multifásica esperada. Diferencial: O programa, por ter sido desenvolvido numa plataforma aberta, gratuita e que disponibiliza as rotinas em arquivos de texto, permite o acesso total às correlações utilizadas, constituindo-se importante ferramenta de ensino, na medida que a modificação das rotinas é trivial. Benefícios: O programa permite o acompanhamento gráfico de 32 variáveis de estado e a qualidade dos resultados é perfeitamente mapeável, na medida em que as correlações utilizadas são comentadas e podem ser alteradas. Potencial de mercado: Instituições de ensino de engenharia de petróleo e instâncias de treinamento de profissionais das empresas atuantes no setor.


UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Reitor Roberto de Souza Salles Vice-Reitor Sidney Luiz de Matos Mello Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação Antonio Claudio Lucas da Nóbrega Diretora da Agência de Inovação Fabiana Rodrigues Leta Diretora do Escritório de Transferência do Conhecimento - Etco Maria Helena Teixeira da Silva Gomes Divisão de Incubadora de Empresas Francisco Batista de Sousa Divisão de Articulação Acadêmica Marilena Juncá Trindade Divisão de Capacitação e Difusão Patrícia Dias White Equipe Agir Ainá Ignácio Neves Juliana Mara da Silva Milton Batista de Jesus Projeto Gráfico Thiago Petra

Universidade Federal Fluminense

Apoio:


Catálogo Agir 2011