Page 1

Publicação semanal produzida pelos estagiários da Agência Experimental do curso de Comunicação Social da Ulbra/Canoas. Julie Moresco da Silva, Tatiani Maciak (textos) e Pedro Henrique Freitas (fotografia).

ANO 5 - NÚMERO 56 l 12 A 19 DE AGOSTO DE 2013

Um peregrino no Rio O estudante de Comunicação Social, Raul Fernandes Viegas, viajou para participar da Jornada Mundial da Juventude, no Rio de Janeiro, e relata os cinco dias entre 3,5 milhões de jovens de todo o mundo, que saudaram a presença do Papa Francisco num grande ato de renovação da fé. Leia a seguir o seu depoimento. FOTO RAUL FERNANDES VIEGAS/ARQUIVO PESSOAL

De 23 a 28 de julho, a cidade do Rio de Janeiro foi palco da 27ª edição da Jornada Mundial da Juventude (JMJ), evento católico voltado aos jovens de todas as nações do planeta. A JMJ Rio 2013 foi considerada pelas autoridades como o maior evento em número de público já realizado na capital carioca: 3,5 milhões de jovens, que saudaram a presença do papa Francisco. Eu tive a alegria de vivenciar essa semana intensa e de renovação de fé. Fui para o Rio de Janeiro com outros 22 jovens das cidades de Canoas, Nova Santa Rita, Esteio e Sapucaia do Sul. O Padre Leonardo Reichert, de Canoas, foi quem nos acompanhou. Embarcamos no dia 22 (segunda-feira) e, ao chegarmos na capital carioca, fomos conduzidos à Paróquia São Rafael Arcanjo, no bairro Vista Alegre, Zona Nor- capas de chuva e nos estabelecemos na orla te. Diariamente, nesse local, tínhamos mo- de Copacabana na tarde de sábado (28), dia mentos de formação espiritual com bispos da Vigília com o Papa, próximo ao Posto 6, pela parte da manhã e, à tarde, participáva- a alguns quilômetros de distância do palco. mos de algum evento ofical da JMJ. A praia estava, desde cedo, tomada por peNessa semana, tivemos uma experiência regrinos. O que nos salvou foi um telão, que única do “ser peregrino”: caminhávamos fez com que a gente não perdesse nada do muito, pegávamos ônibus, metrô, carona, que acontecia no palco. Ao término da vigíetc. Além disso, tentávamos “arranhar” um lia, à noite, fomos dormir. Acordamos soinglês com algum outro jovem estrangeiro. mente na manhã do outro dia ao som de Com os “hermanos” (de língua espanhola), aplausos. Ao ver o motivo das palmas, perera mais fácil e o diálogo fluía mais facil- cebemos que milhões de peregrinos estavam mente. saudando o sol que acabava de nascer na Na quinta-feira (25), tentei me aproximar imensidão do mar. da grade onde o papa iria passar, Toda essa semana intensa de mas tinha muita gente na minha atividades me fez refletir sobre “Precisamos ser o protagonismo dos jovens na frente e minha estatura não ajudou muito. No sábado, porém, ti- “revolucionários”, busca por um mundo mais hunha apenas uma baiana na minha dizendo não a tudo mano e justo. Precisamos, frente que, por sorte, era mais bai- que atente à vida, como o Papa Francisco diz, ser xa do que eu. Consegui ver o papa a tudo o que traz “revolucionários”, dizendo não Francisco a cerca de três metros a tudo que atente à vida, a tudo o egoísmo e falta o que traz o egoísmo e falta de de distância. de amor” A experiência do “ser peregriamor. Precisamos fazer uma no” me fez, além de caminhar um decisão radical por uma vida percurso de nove quilômetros entre o Aterro conforme os ensinamentos de Jesus Cristo. do Flamengo e a Praia de Copacabana, pas- Precisamos botar fé, botar esperança e bosar a noite do dia 27 para o dia 28 na beira tar amor. O cansaço de longas caminhadas, da praia. Eu e meu grupo compramos lonas, as longas filas e as dificuldades que passei

na JMJ não foram para mim motivo de reclamação, mas sim ensinamentos de que no mundo atual é preciso mais paciência entre as pessoas, mais mansidão. O silêncio que o papa nos pediu para fazer durante a Missa de Envio, no dia 29, me fez refletir sobre a presença de Deus na vida de cada um: um Deus mansinho no fundo de cada coração e que é preciso, de vez em quando, “desligarse” do agito do cotidiano e calar-se para escutá-lo. Existe explicação para o fato de 3,5 milhões de jovens ficarem no mais absoluto silêncio por cerca de 3 minutos? Para mim, apenas uma: Deus. Ter a oportunidade de conhecer jovens de diversas partes do mundo, poder partilhar experiências com eles, saber como vivem, seus problemas, suas vitórias, é algo indescritível. Muitos questionam se o idioma não atrapalha. Respondo que não. A língua é apenas um detalhe. Quando professamos, em Jesus Cristo, uma só fé temos todos um só desejo, todos nos entendemos e nos identificamos perfeitamente. Foi uma experiência única. Deixou saudades. Fiz muitos amigos: pessoas que me ensinaram junto com o papa a botar fé, botar esperança e botar amor. O mundo ainda tem jeito! Em 2016, rumo à Cracóvia.

Info 56  

Publicação semanal produzida pelos estagiários da Agência Experimental de Comunicação Integrada do curso de Comunicação Social da ULBRA Cano...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you