Issuu on Google+

JUN|JUL|AGO

AGENDA‘2010 www.ccc.eu.com

1


FICHA TÉCNICA Administração VEREADORA MARIA DA CONCEIÇÃO JARDIM PEREIRA Director Geral CARLOS RIBEIRO MOTA

Cartão Visa

CENTRO CULTURAL E CONGRESSOS

EQUIPA Direcção Técnica JOSÉ MANUEL RAMALHO Coordenação/Secretariado DINA SOARES Assistente de Produção Guilhermina Moura Técnica de Luz Joana Coelho Técnico de Som João Nunes Audiovisual/Projeccionista Filipe Fazendeiro Técnico de Palco/Projeccionista Pedro Godinho Economato/Segurança/Apoio Bastidores/ Meios de Informação Jorge Santos Design/Imagem Filipa Serra Galeria de Arte José Antunes Internet oesteonline.net (Associação Oeste)

CAPA: “à bOLEIA” de António Antunes.

2

O CARTÃO Visa CCC não tem custos, está associado ao número de espectáculos que adquirir. Os bilhetes adquiridos por via do CARTÃO Visa CCC têm uma validade temporal de 24 meses. Ao CARTÃO Visa CCC estão associadas várias modalidades de pagamento de um modo progressivo e conforme as disponibilidades financeiras de cada um. Os bilhetes adquiridos pelo CARTÃO Visa CCC são passíveis de serem usados por familiares ou amigos. Durante o ano os utentes do CARTÃO Visa CCC podem recarregar até 4 vezes (anuidade 5€) para compra de módulos-tipo: 10 Bilhetes .................................. 150€ + 5€ 15 Bilhetes .................................. 200€ + 5€ 30 Bilhetes ................................... 350€ + 5€ 45 Bilhetes .................................. 500€ + 5€ Camarote ................................. 3.500€ + 5€


O QUÊ? Perguntem ao vizinho, aos colegas de trabalho, aos amigos, aos pais, irmãos, primas, se já tiveram o privilégio de estarem no CCC. Quantos já foram os que se encontraram aqui para assistirem a uma diversidade ímpar de espectáculos e de actividades culturais complementares ou até para um simples encontro entre amigos? O CCC possui um fluxo regular de públicos que reconhecem no espaço, na sua programação e serviços parte de um “corpo” que se partilha, que se usa e entranha-se. O CCC assume-se, pois, como uma plataforma de cooperação cultural, técnica e científica. Programaticamente toma a forma de um espaço de mobilidade social, transversal porque apresenta uma programação contínua e diversificada, ininterrupta, cujo objecto principal tem sido o uso e o consumo cultural, bem como a valorização da cidade e dos seus territórios histórico-culturais e naturais. Mais recentemente o CCC decidiu aderir ao programa Wonderful Place que reúne um vasto sector económico, artístico e cultural local que pretende afirmar-se no contexto regional e nacional, fazendo das Caldas da Rainha e da região um destino de eleição. Aderimos porque acreditamos que hoje as cidades modernas têm de constituir referência cultural muito forte, para atraírem pessoas e projectos inovadores, capazes de as transformar em cidades criativas.

Este economista advoga que a hora é a do surgimento de uma classe criativa que, associada a sectores com grande capacidade de inovação, proporcione o desenvolvimento e êxito das cidades. Por isso afirmamos, a procura do sucesso não pode ser adiada. “Vivemos num país fantástico mas falta-nos vibração e alma”, afirmou António Câmara, professor da Universidade Nova e vencedor do Prémio Pessoa em 2006, acrescentando: “precisamos de algo que chame as pessoas, uma causa em que acreditem e que as faça sair de casa”. Augusto Mateus em recente entrevista a um semanário referiu que o futuro de Portugal – e da Europa - está na cultura: “Num mundo globalizado, Portugal e os países europeus não têm capacidade para continuar a ser potências económicas e competir com as economias emergentes da Ásia e América do Sul se não fizerem uma reconversão total, deixando de fornecer produtos genéricos e passando a fornecer bens e serviços que incorporem o valor inestimável do seu património e cultura”. O CCC quer estar na vanguarda deste movimento, proporcionando a cada um o motivo para o fazer sair de casa. Carlos A. Ribeiro Mota Director Geral

“Richard Florida autor do Best-seller The Rise of the Creative Class (A Ascensão da Classe Criativa), lançou recentemente Who’s Your City, onde sugere que a escolha do lugar onde vivemos pode ser uma decisão tão importante como escolher um parceiro ou um emprego.” 3


JUNHO DE 01 A 30 Café CCC ZÉ POVINHO DE VOLTA ÀS CALDAS DA RAINHA PAREDES DE COR

Caldas da Rainha, foi seguramente um dos berços da sua existência, a esse facto juntase o engenho e a arte com que muitos artistas locais souberam reproduzir e criar personificações contraditórias, conforme os desenhos e os acontecimentos históricos que personificava, umas vezes um Zé, abúlico que boquiaberto coçando a cabeça, manso não sabendo o que fazer, ao Zé que incrédulo e revoltado com o seu manguito pró activo manifestava a sua insolência e a sua revolta. O Zé Povinho de ontem, tal como hoje, continua a figura identificativa do povo português, que convive mal perante o abandono a que é votado pela classe politica e pelas oligarquias do poder bem como pela sua permanente e malfadada característica ( também ela uma caricatura) de viver em permanente revolta, embora não fazendo nada para mudar a sua sorte. É o próprio Bordalo Pinheiro que ao referir-se a esta personagem dizia: “O Zé Povinho olha para um lado e para o outro e … fica como sempre… na mesma”. O CCC, expõe uma pequena colecção de objectos artísticos produzidos ao longo dos tempos a partir das cerâmicas Caldenses, oriunda de coleccionadores que amavelmente acederam mostrar-nos essas preciosidades.

^

ZÉ é uma personagem criada por Rafael Bordalo Pinheiro a 12 de Junho de 1875 na 5ªedição de “A Lanterna Mágica” e, que ao longo da sua História é adoptada como personificação nacional portuguesa.

4

Estamos convictos que este contributo pode relançar o debate e a pertinência do momento histórico, que pela similitude existencial teima em mostrar-nos um Zé Povinho que continua a surgir de boca aberta, a não fazer nada para alterar a situação, resignado perante a corrupção e a injustiça, de joelhos pelo peso da carga de impostos e ignorante das grandes questões. É um Zé cheio de contradições mas também de esperança que agora se revela no CCC.^


EM

JUNHO

JUNHO QUA 02 | 22H00 Café CCC

DE 01 A 31 | PAREDES DE COR

CANELA

ZÉ POVINHO DE VOLTA ÀS CALDAS DA RAINHA

MÚSICA

QUA 02 | 22H00 | MÚSICA

CANELA

Consumo mínimo: 2,00€

SEX 04 | SÁB 05 | 21H30 | TEATRO

COMEMORAÇÃO/O QUARTO ARTISTAS UNIDOS

DOM 06 | 10H30 | 15H00 | CINEMA /ANIMAÇÃO

CINANIMA SÁB 12 | 21H30 | MÚSICA

CACIQUE’97 QUI 17 | 22H00 | MÚSICA

THE ZANY DISLEXIC BAND SÁB 19 | 21H30 | ARTES DE RUA

CHARANGA DOM 20 | 18H00 | MÚSICA / CLÁSSICA

JOÃO FERREIRA QUI 24 | 21H30 | MÚSICA

CALDAS HANDSAW MASSACRE SEX 25 | 21H30 | CAFÉ LITERÁRIO

JOSÉ RICARDO NUNES SÁB 26 | MANHÃ | PERFORMANCE

BODIES IN URBAN SPACES SÁB 26 | 21H30 | MÚSICA

^

Os Canela surgiram em meados de 2006, como um projecto de exploração de novas melodias e horizontes musicais, que pretende oferecer aos ouvintes uma viagem sonora emotiva. A sonoridade do grupo começa a ganhar forma através de instrumentos milenares, que permitiram uma ponte entre o Ocidente e o Oriente, fruto de várias viagens feitas pela Ásia e outros cantos do mundo. A exploração de novas harmonias é sustentada por instrumentos orientais como o Sitar, o Harmonium, a Tampura, o Guzheng e instrumentos de percussão do mundo.^

BETH NAHRIN DOM 27 | 17H00 | DANÇA

GECELY BALLET

ESPECTÁCULO DE ENCERRAMENTO DO ANO LECTIVO DE 2009/2010 QUA 30 | 22H00 | CONCERTO COMENTADO

Guzheng/Sitar/Guitarra RUI MARTINS Voz/Harmonium/Tampura/ Swarmandal CLÁUDIA DUARTE Baixo CARLOS BATALHA Flauta RUI REBELO Percussões PAULO KAYMA

APRENDER A OUVIR JAZZ? 5


JUNHO SEX 04 | SÁB 05 | 21H30 Grande Auditório

COMEMORAÇÃO O QUARTO Artistas Unidos TEATRO

^

Os Artistas Unidos vão apresentar em ante-estreia no CCC, duas peças de Harold Pinter, “Comemoração” e “O Quarto”, com encenação de Jorge Silva Melo.^ ^

Em “O Quarto”, a cena abre com Rose a falar com o seu parcialmente distante marido, Bert Hudd, enquanto lhe serve o pequeno-almoço. Rose manifesta, mais para si, a sua inquietação para com o misterioso ocupante do quarto húmido no andar inferior. O velho estalajadeiro, o Sr. Kidd, entra em cena e pouco faz para acalmar Rose dos seus medos e receios.   Após o Sr. Kidd e Bert saírem, aparece um jovem casal, os Sands, à procura de residência. Rose descobre que o casal esteve antes no andar de baixo enquanto procuravam o estalajadeiro. A descrição do que lá viram, ou sentiram na escuridão presente no quarto, apenas alimenta ainda mais a apreensão já antes sentida por Rose.   Depois de os Sands saírem, o Sr. Kidd volta para dizer a Rose que um homem tem estado a aguardar lá em baixo para que Rose o receba, esperando que Bert se ausentasse de casa. O homem desconhecido acaba por ser um negro cego com uma mensagem para Rose.^ 6

Preço adultos: 10,00€ Estudantes e Seniores: 7,00€


^

Em “Comemoração”, três casais jantam no restaurante mais caro da cidade. Numa mesa estão os dois irmãos, Lambert e Matt, e as duas irmãs, Prue e Julie. Lambert e Julie são casados, assim como também o são Matt e Prue. Encontram-se todos a festejar o aniversário do casamento de Lambert e Julie.   Sentados numa outra mesa estão Russel e Suki, os quais se juntam à comemoração. Entre eles inicia-se um diálogo que acaba por se tornar numa teia complexa de temas mais temíveis, o que irá causar uma autêntica guerra de palavras.^

COMEMORAÇÃO Tradução JOSÉ MARIA VIEIRA MENDES Interpretação ALEXANDRA VIVEIROS, ANDREIA BENTO, SILVIA FILIPE, SYLVIE ROCHA, VÂNIA RODRIGUES, ANTÓNIO SIMÃO, JOÃO MEIRELES, JOÃO MIGUEL RODRIGUES, PEDRO CARRACA Cenografia e Figurinos RITA LOPES ALVES Luz PEDRO DOMINGOS Encenação JORGE SILVA MELO O QUARTO Tradução PEDRO MARQUES Interpretação LIA GAMA, CÂNDIDO FERREIRA, JOÃO MEIRELES, JOÃO MIGUEL RODRIGUES Cenografia e Figurinos RITA LOPES ALVES Luz PEDRO DOMINGOS Encenação JORGE SILVA MELO

7


JUNHO

Preço: 1,00€

DOM 06 | 10H30 | 15H00 Pequeno Auditório

CINANIMA CINEMA / ANIMAÇÃO 1. COMPOTA DE MAÇÃ REINIS KALNAELLIS 2. MURAVEYKA TATYANA MUSALUAMOVA 3. A PRINCESA E O VIOLINISTA GUTO BOZZETTI 4. O BALÃO DO JOÃO NUNO AMORIM 5. TABUADA DOS 2 JOANA AMORIM 6. AS CORES DA JOANA NUNO AMORIM 7. PINTAS E MANCHAS NA TEMPESTADE DE NEVE LOTTA E UZI GEFFENBLAD 8. PINK NANUQ JEANINE REUTEMANN 9. A OVELHINHA QUE VEIO PARA JANTAR DEP. PRÉ-ESCOLAR DE AVANCA 10. NANIIK, O ESQUIMÓ NUNO AMORIM 11. MASHA E O URSO: COMO SE CONHECERAM DENIS CHERVYATSOV Sessões contínuas. 8


JUNHO

Plateias: 12,50€ Tribuna e Camarotes: 10,00€ Estudantes e Seniores: 25% de desconto

SÁB 12 | 21H30 Grande Auditório

CACIQUE’97 MÚSICA

^

Cacique’97 surgiu em 2005 como o primeiro colectivo português de Afro-beat e é considerada uma das bandas mais promissoras em Portugal.

Voz MILTON GULLI Voz/Percussão MARISA GULLI Baixo FRANCISCO REBELO Teclados JOÃO GOMES Percussão TIAGO ROMÃO Trompete JOSÉ RAMINHOS Trombone VINICIUS MAGALHÃES Sax Alto JOSÉ LENCASTRE Sax Barítono JOÃO CABRITA Bateria MARCOS ALVES

A banda é constituída por 10 elementos de várias proveniências (Cool Hipnoise, Philarmonic Weed, Most Wanted, Spaceboys), numa verdadeira celebração da música africana, do espírito combativo e revolucionário de Fela Kuti. Os Cacique´97 pretendem dar origem a uma banda sonora global dos novos tempos sem perder o lado reivindicativo e de promoção da consciência social característica do afrobeat.^

9


JUNHO

JUNHO

QUI 17 | 21H30 Café CCC

SÁB 19 | 21H30 Rua

THE ZANY DISLEXIC BAND

CHARANGA

MÚSICA

ARTES DE RUA

Consumo mínimo: 2,00€

^

Começou quando três dos quatro elementos se encontraram no liceu, nunca mais pararam de tocar. 20 anos depois a ridícula banda disléxica ainda vive. Em metamorfoses contínuas, esta entidade improvisante prova o valor da criação desinteressada. A música é habitada por visões que têm uma existência independente das harmonias implicadas. Ferozmente viciante, avisam eles...^ Baixo/Guitarra DUARTE Baixo/Guitarra PZ Teclados SÉRGIO FREITAS Bateria ZÉ NANDO PIMENTA

10

^

Espectáculo poético e visual, “Charanga” parte de dois objectos simbólicos, a bicicleta e a fanfarra. Parte das entranhas da terra para desejar os elementos ali ausentes: luz, ar, viagem… Procura a solidão, a nostalgia dos mineiros… e inventa para eles um sonho de criança. Um sonho de fuga e evasão em círculos de um carrossel. Um sonho que se conta com música. A música de uma pequena filarmónica de sopros. O espaço de sonho tem a forma de um círculo. Um círculo de terra com uma enigmática peça de ferro ao centro. Antes, houve uma vida dentro da terra fria e longas viagens por estradas sem fim. Histórias de um antes de ali chegarem que o que abre o espectáculo transpõe para a tela. ^


Preço Único: 5,00€

JUNHO DOM 20 | 18H00 Foyer

JOÃO FERREIRA MÚSICA / CLÁSSICA

^

O pianista João Ferreira apresenta um programa com temas desde o clássico, passando pelo romântico até aos inícios do séc. XX, terminando com uma obra que vem contrastar enormemente na forma e estilo. Participou nalguns concursos nacionais e internacionais destacando-se os primeiros prémios obtidos em 2004 e em 2005 no Concurso de Piano de Ourém, o terceiro prémio no Concurso Pro-Música de Badajoz em 2004, e o segundo prémio ex-aequo no XV Concurso Internacional de Piano Maria Campina, em Faro, realizado em 2010, ano em que não foi atribuído primeiro prémio. Recentemente tocou no auditório da Fundação Portuguesa das Comunicações em Lisboa, concerto transmitido em directo na Rádio e Televisão de Portugal Antena 2. Actualmente estuda na École Normale de Musique de Paris / Alfred Cortot na classe de piano do professor Marian Rybicki. Desde 2007 que é bolseiro da Fundação Albert Roussel.^ 11


JUNHO

Preço Normal: 5,00€ Preço Especial: 3,00€

QUI 24 | 21H30 Pequeno Auditório CALDAS HANDSAW MASSACRE

MÚSICA

^

Caldas Handsaw Massacre é uma original banda caldense, que toca músicas de bandas sonoras de filmes com instrumentos incomuns e que venceu a 1ª edição do “Caldas Dá-te Música”. O projecto Caldas Handsaw Massacre surgiu em 2008 pelas mãos de Edgar “Benfas” Guerreiro e Nelson “Guru” Rodrigues, com o propósito de ser mais uma das “one night bands”, que têm vindo cada vez mais frequentemente a formar-se nas Caldas da Rainha. O nome é um óbvio trocadilho com o título do conhecido filme de terror “Texas Chainsaw Massacre”, adaptado para a realidade da cidade onde residem, realçado pelo facto de entre os instrumentos da banda existir uma serra. ^ 12

Serra Musical/Guitarra EDGAR GUERREIRO Baglama Saz/Bandolim/Guitarra ORLANDO TRINDADE Percussões ANDRÉ CARDOSO Guitarra/Banjolim NELSON “GURU” RODRIGUES Guitarra PEDRO CASTELHANO Contrabaixo PEDRO RICO Guitarra/Baixo PEDRO SIMÃO


JUNHO SEX 25 | 21H30 Café CCC JOSÉ RICARDO NUNES CAFÉ LITERÁRIO

^

O escritor caldense José Ricardo Nunes apresenta no CCC “Alfabeto Adiado”, o primeiro livro de prosa que edita. A obra vai ser apresentada por Luís Mourão, ensaísta e crítico literário e docente na Escola Superior de Educação de Viana do Castelo. “Alfabeto Adiado”, publicado pela Editora Deriva, é a primeira incursão do autor no domínio da ficção e trata-se de um livro composto por 23 pequenas histórias autónomas e independentes entre si. Se bem que não sejam temas do livro, definidos à partida, a verdade é que nele se reflectem algumas questões essenciais: a questão da identidade, a experiência do corpo, a solidão, a criação literária e a escrita. A prosa é densa e trabalhada e a linguagem tem uma forte carga poética. Não é, por isso, um livro ‘tradicional’ de ficção.^

13


JUNHO SÁB 26 | MANHÃ Ruas da Cidade BODIES IN URBAN SPACES

PERFORMANCE

^

“Bodies in Urban Spaces” é um caminho em movimento, coreografado para um grupo de bailarinos. Os artistas conduzem a audiência através de partes seleccionadas de espaços públicos e semi-públicos. Uma cadeia de intervenções físicas montadas muito rapidamente e existindo apenas de um modo temporário, permite ao espectador compreender o mesmo espaço ou lugar de um modo novo e diferente – correndo. Esta intervenção convida os habitantes a passear na sua própria cidade e, deste modo, estabelecer uma relação mais forte com o seu bairro e a sua localidade. O percurso irá ter início na rua Heróis da Grande Guerra e será baseado no Corredor Cultural criado por um grupo de alunos da Escola Secundária Raul Proença (apresentado no CCC em Março de 2009). Gonçalo Henriques, Joana Ribeiro, João Silva, Margarida Pedro e Sara Gouveia foram os autores da proposta de criação de um corredor cultural entre o CCC e o Parque D. Carlos I, passando pelo “Jardim das Águas” (obra escultórica da autoria de Ferreira da Silva) e pelo Palácio Real. ^

14

Concepção e Coreografia WILLI DORNER Assistência MICHAEL O’CONNOR Interpretação 20 a 25 participantes locais Fotografia LISA RASTL


Preço Único: 10,00€ Estudantes e Seniores: 25% de desconto Bilhete Família: Na compra de dois bilhetes, oferta do 3º. 4º e seguintes com 50% de desconto.

JUNHO SÁB 26 | 21H30 Pequeno Auditório

BETH NAHRIN MÚSICA

^

Beth Nahrin é um grupo liderado pelo cantor iraquiano Khalid Kaki que apresenta um programa baseado na música tradicional do Iraque, inspirado em poemas místicos da tradição árabe, persa e curda. Mesopotâmia (do antigo arameu Beth Nahrin “Entre rios”) é o nome pelo qual é conhecida a Zona do Próximo Oriente entre os rios Tigre e Eufrates e que coincide aproximadamente com as áreas não desérticas do actual Iraque. O grupo faz-se acompanhar de uma bailarina de dança oriental que reflecte nas suas expressivas danças todo um manancial de cor, exotismo e beleza, interpretadas com elegância e sensualidade.^

Oud árabe/Voz KHALID KAKI Violino JAWAD IBIX Darbouka/Deff SALAGH Deff LUIS AALAE Dança Oriental SONIA ALEJANDRE

15


JUNHO

Consumo Mínimo: 2,00€

QUA 27 | 22H00 Café CCC APRENDER A OUVIR JAZZ? CONCERTO COMENTADO

^

Comentador/Director ADELINO MOTA Saxofone Alto JOÃO CAPINHA Guitarra MÁRCIO SILVÉRIO Contrabaixo GONÇALO LEONARDO Bateria VÍTOR COPA

“Aprender a ouvir jazz?” é um projecto que junta o maestro Adelino Mota e um Quarteto de Jazz, formado com ex-alunos seus. Neste concerto, os músicos proporcionam uma viagem que visa despertar o interesse e sensibilizar o público para aspectos melódicos, harmónicos e rítmicos do jazz que, de uma forma geral, passam despercebidos à maioria dos ouvintes. Os exemplos sonoros são complementados pela linguagem simples das explicações do comentador. Todos os temas abordados terão como suporte exemplificativo alguns “standards” escolhidos a dedo. No decorrer do concerto desmistificam-se muitas das ideias preconcebidas acerca do jazz, como sejam o seu carácter elitista, a visão da improvisação como desprovida de regras e dúvidas acerca da organização dos sons nesta música centenária, mas bem viva. Este projecto já foi apresentado em várias salas do país, destacando-se a apresentação no teatro Viriato de Viseu e Festa do Jazz do Teatro S. Luiz.^

16


EM

JULHO DE 01 A 31 | PAREDES DE COR

ORLANDO TOMÉ TRINDADE SÁB 03 | 21H30 | TEATRO

O QUÊ?!

JULHO DE 01 A 31 Café CCC ORLANDO TOMÉ TRINDADE INSTRUMENTOS MUSICAIS

PAREDES DE COR

SÁB 10 | 21H00 | MUSICALDAS

ORQUESTRA NACIONAL DO PORTO DOM 11 | 21H00 | MUSICALDAS

RODRIGO GONÇALVES TER 13 | 21H00 | MUSICALDAS

JOSÉ VALENTE DOM 18 | 21H00 | MUSICALDAS

DUO RAFAEL BONAVITA E LEONOR LEAL TER 20 | 21H00 | MUSICALDAS

PAULO JORGE FERREIRA QUA 21 | 21H00 | MUSICALDAS

EDDY SLAP PROJECT - BASSAB QUI 22 | 21H00 | MUSICALDAS

CHRISTIAN LINDBERG SÁB 24 | 21H00 | MUSICALDAS

15º CURSO DE VERÃO JOVENS MÚSICOS AUDIÇÃO FINAL DOM 25 | 21H00 | MUSICALDAS

MARKUS STOCKHAUSEN SEX 30 | 21H30 | MÚSICA/CORAL

GRUPO OLISSIPO

^

Orlando Tomé Trindade iniciou a sua formação Musical em 1990 com o professor Vasco Agostinho, passou também pelo Orfeão de Leiria e pelo Conservatório de Caldas da Rainha na Disciplina de Guitarra Clássica. Paralelamente também se dedicou à Guitarra Eléctrica. Entre 1998 e 2003 trabalhou na construção e reparação de guitarras eléctricas com Carlos Tavares. A partir do ano 2000 foi-se interessando pelos instrumentos antigos e pela sua construção, iniciou o trabalho neste campo com o músico Joaquim António Silva, membro dos grupos de música antiga “La Batalla” e “Concerto Atlântico” dirigidos por Pedro Caldeira Cabral. Já construiu réplicas destes instrumentos para vários músicos e grupos, nacionais e internacionais.^ 17


JULHO

Preço Único: 10,00€ Estudantes e Seniores: 25% de desconto

SÁB 03 | 21H30 Pequeno Auditório

O QUÊ?! TEATRO ^

“O QUÊ?!”, é um espectáculo baseado no universo de Samuel Beckett, que relata a viagem de dois amigos, Mercier e Camier, que um dia resolvem sair da cidade onde vivem para “espairecer”.

Direcção JOÃO LAGARTO Interpretação AFONSO LAGARTO, JOÃO LAGARTO, JOANA BARROS, TIAGO GRAÇA Espaço Cénico/Figurinos MARISA FERNANDES Desenho de Luz MIGUEL CRUZ

São dois vagabundos, parentes próximos de Vladimir e Estragão, os personagens centrais da peça de Beckett “À Espera de Godot”, só que em vez de estarem à espera dum tal senhor Godot, estão em trânsito – mas o mais longe que conseguem ir é até à segunda paragem dum comboio que se dirige promissoramente para Sul. A chuva que cai quase continuamente também não ajuda muito e eles limitam-se a fazer o seu percurso de sempre – bares e bordéis. Um narrador que nunca sai de casa (João Lagarto) vai descrevendo e imaginando os vários locais por onde os dois amigos vão passando e vai ele próprio encarnando os vários personagens que eles encontram pelo caminho. A peça estreou em Novembro de 2009 na sala estúdio do Teatro da Trindade e tem a particularidade de reunir em cena João Lagarto e o seu filho Afonso Lagarto.^

18


JULHO

Para mais informações consultar programa próprio.

SÁB 10 | 21H00 | Grande Auditório

ORQUESTRA NACIONAL DO PORTO COM BERNARDO SASSETI E JEAN FRANÇOIS LÉZÉ Direcção Musical RUI PINHEIRO ORQUESTRA NACIONAL DO PORTO Piano BERNARDO SASSETTI Percussão JEAN-FRANÇOIS LÉZÉ

DOM 11 | 21H00 | Pequeno Auditório

RODRIGO GONÇALVES

“TRIBOLOGY VOL.2” COM LLIBERT FORTUNY Piano/Fender Rhodes/Composição RODRIGO GONÇALVES Sax Alto/Tenor LLIBERT FORTUNY Guitarra MÁRIO DELGADO Contrabaixo BERNARDO MOREIRA Bateria CARLOS MIGUEL

TER 13 | 21H00 | Pequeno Auditório

JOSÉ VALENTE

RECITAL DE ACORDEÃO

Acordeão JOSÉ VALENTE

19


DOM 18 | 21H00 | Grande Auditório DUO RAFAEL BONAVITA E LEONOR LEAL RECITAL DE MUSICAS E DANÇAS PASSEIO PELO BARROCO PROÍBIDO

Guitarra Barroca RAFAEL BONAVITA Bailarina LEONOR LEAL

TER 20 | 21H00 | Foyer

PAULO JORGE FERREIRA RECITAL DE ACORDEÃO COM QUARTETO DE CORDAS

Acordeão/Direcção Musical PAULO JORGE FERREIRA Violino ANA BEATRIZ MANZANILLA Violino ALEXANDRA MENDE Viola de Arco LU ZHENG Violoncelo CATHERINE STRYNCKX

QUA 21 | 21H00 | Pequeno Auditório

EDDY SLAP PROJECT - BASSAB

Baixo Eléctrico (4 e 5 cordas « fretless »)/Bass Sitar/Picollo Bass EDDY “SLAP” CABRAL Bateria/Percussão LUÍS CANDEIAS

20


QUI 22 | 21H00 | Grande Auditório

CHRISTIAN LINDBERG “HELIKON CHAMBER TRIO”

Trombone CHRISTIAN LINDBERG Piano ANDREA LINDBERG TARRODI Bandoneon JENS LUNDBERG TARRODI

SÁB 24 | 21H00 | Grande Auditório

15º CURSO DE VERÃO DE JOVENS MÚSICOS - AUDIÇÃO FINAL

Alunos e professores do 15º Curso de Verão de Jovens Músicos de Caldas da Rainha.

DOM 25 | 21H00 | Grande Auditório

MARKUS STOCKHAUSEN

PROJECTO “ETERNAL VOYAGE” Trompete/Sintetizador/Director Musical MARKUS STOCKHAUSEN Voz RABIH LAHOUD Flauta Bansuri DINESH MISHRA Clarinete TARA BOUMAN Piano/Sintetizador FLORIAN WEBER Bateria/Percussão DIMITRIOS DORIAN KOKIOUSIS

21


EM

AGOSTO DE 01 A 31 | PAREDES DE COR

ROGÉRIO GUIMARÃES SEX 06 | 22H00 | TEATRO

UM, NINGUÉM E CEM MIL

AGOSTO DE 01 A 31 Café CCC

ROGÉRIO GUIMARÃES RECICLAGEM PAREDES DE COR

SÁB 07 | 22H00 | MÚSICA

CARMEN SOUZA SEX 13 | 22H00 | MÚSICA

LA REVUELTA SÁB 14 | 22H00 | TEATRO / STAND UP

NICOLAU

QUA 18 | 22H00 | TEATRO / MARIONETAS

ROBERTOS 20 E 21 | 22H00 | DOM 22 | 17H00 | TEATRO

HISTÓRIA DE DOIS SÁB 28 | 22H00 | MÚSICA

VIRGEM SUTA

^

Esta mostra tem como título “RECICLAGEM” e é um trabalho fotográfico feito segundo a interpretação, não de um fotógrafo, mas de um pintor a partir de restos de imagens que ainda hoje se encontram num tapume existente num velho estabelecimento, já em ruinas, no centro de Caldas da Rainha. As primeiras e grandes exposições de Rogério Guimarães aconteceram com a “Pompa e Circunstância” que só os “Putos” sabem dar. Na década de 70 realizou várias exposições IN(convenientes) e alguns percalços com a censura. Deixou de expor durante alguns anos. A partir de 1992 recomeça a expor com a regularidade que os “Senhores e donos” de todas as coisas e da cultura também, o permitem. Uma forma de ser. Uma forma de ver. Sem dependências decorativas.^

22


AGOSTO

Fosso de Orquestra: 15,00€ Plateias: 12,50€ Tribuna e Camarotes: 10,00€

SEX 06 | 22H00 Grande Auditório UM, NINGUÉM E CEM MIL TEATRO

^

Autor LUIGI PIRANDELLO Versão Cénica e Direcção NELSON MONFORTE Interpretação VIRGÍLIO CASTELO Dramaturgia e adaptação ISABEL PARREIRA Oralidade ANA AMORIM Técnico DUARTE OLIVEIRA Produção

“Um, Ninguém e Cem Mil”, é a história de um homem, Moscarda pai de família e banqueiro influente, que através de um simples comentário da mulher ao seu nariz (“Olha bem para ele: descai-te para a direita”) vê a sua identidade posta em causa e descobre que há uma infinidade de Moscardas na perspectiva dos outros. A banal constatação da sua pequena imperfeição física provocará no protagonista comportamentos cada vez mais estranhos para os que o rodeiam, levando-o progressivamente à loucura e à quase bancarrota financeira. Humorístico e profundamente irónico, «Um, ninguém e cem mil», foi o último romance publicado por Luigi Pirandello, Nobel da Literatura, e é considerado pela crítica como um dos pontos mais altos de toda a sua obra, onde o autor resume e aprofunda todo o seu universo, que marcou de forma original a literatura do séc.XX.^

23


AGOSTO

Plateias: 15,00€ Tribuna e Camarotes: 12,50€

SÁB 07 | 22H00 Grande Auditório

CARMEN SOUZA MÚSICA

Voz/Wurlitzer/Guitarra Acústica CARMEN SOUZA Baixo/Contrabaixo THEO PAS’CAL Percussão PEDRO SEGUNDO Piano acústico JONATHAN IDIAGBONYA Guitarra TIAGO SANTOS ^

Ess ê Cabo Verde revelou em 2005 uma cantora fora de série. Com este primeiro disco, Carmen Souza escolheu os ritmos cabo-verdianos (morna, batuku, kola san djon) para dar vida às letras que ela própria escreve. Afro, Gospel, Jazz, sempre foram géneros que marcaram a formação artística de Carmen Souza; trazer essas influências para a música cabo-verdiana foi um desafio que contou com a preciosa ajuda do génio Theo Pas’cal, compositor, produtor e baixista da formação que acompanha Carmen Souza. Três anos depois conquista definitivamente o público e a crítica com o muito aclamado Verdade, álbum que marca uma viragem em direcção ao Jazz. A recepção por parte da imprensa internacional não podia ter sido melhor a julgar pelas excelentes críticas geradas em vários países. O seu trabalho é reconhecido no mercado de World Music como único e inovador, reflectindo a evolução da música cabo-verdiana: uma mistura de ritmos tradicionais cabo-verdianos com influências mais contemporâneas do Jazz/Fusão.^ 24


Preço Único: 10,00€ Estudantes e Seniores: 25% de desconto Bilhete Família: Na compra de 2 bilhetes, 25% de desconto no 3º e o 4º é oferta.

AGOSTO SEX 13 | 22H00 Grande Auditório

LA REVUELTA MÚSICA

^

La Revuelta é um grupo colombiano de música urbana nascido em 2001 que combina a geração de novos e modernos compositores colombianos, ancorada nas raízes de um dos mundos mais ricos e mais apreciados patrimónios musicais. Recolhe o talento de 10 músicos dedicados ao estudo dos sons tradicionais Sul-Americanos e emergentes manifestações culturais da cidade grande, a banda apresenta-nos o som do piano exuberante selva - a Marimba, instrumento de percussão tradicional - mistura os ritmos da grande selva de cimento do Pacífico, com a força da vida e varredura do hip hop, funk e outros ecos da vida nas ruas de Bogotá. ^

Voz/Didgeridoo AILÍN CALDERÓN Voz/Guasá ÁNGELA OLARTE Voz VERÓNICA ATEHORTÚA Direcção/Marimba JUAN DAVID CASTAÑO Bombo ANDRÉS RODRÍGUEZ Guitarra ADWIN OSPINA Bateria FERNEY SEGURA Baixo Eléctrico DIEGO GUTIÉRREZ Cununo JAIR CAICEDO

25


AGOSTO SÁB 14 | 22H00 Grande Auditório

Fosso de Orquestra e 1ª Plateia: 20,00€ 2ª Plateia: 17,50€ Tribuna: 15,00€ Camarotes: 12,50€

NICOLAU TEATRO / STAND UP

^

Prestes a comemorar 50 anos de carreira, Nicolau Breyner faz uma reflexão sobre os muitos papéis que já interpretou e sobre a relação que hoje tem com o mundo. Num tom intimista partilha com o público as histórias mais divertidas dos bastidores do teatro, cinema e televisão, bem como algumas das suas inquietações actuais. “Porque é que os computadores nunca funcionam?” ou “Quem é que se lembrou de criar casas-de-banho inteligentes?”, são algumas das irritações que confessa.

26

Ao longo do espectáculo, Nicolau canta algumas canções, sendo acompanhado ao vivo por um trio de músicos. Em palco estará também um ecrã no qual se projectam vídeos com cenas de arquivo, representativas de vários momentos da sua carreira. Para não se desviar muito do assunto, porque história puxa história e só temos hora e meia, o Nicolau estará munido de um GPS que lhe vai dando indicações úteis: “está a sair do guião, volte ao texto logo que possível!”. ^


AGOSTO

AGOSTO

QUA 18 | 22H00 Café CCC

ROBERTOS

SEX 20 E SÁB 21 | 22H00 DOM 22 | 17H00 Grande Auditório

TEATRO / MARIONETAS

HISTÓRIA DE DOIS

Consumo mínimo: 2,00€

TEATRO 1ª e 2ª Plateia: 12,50€ Tribuna e Camarotes: 10,00€ Bilhete Família: Na compra de 2 bilhetes de 12,50€, desconto de 50% no 4º e 5º bilhetes. ^

Comédia hilariante, com Teresa Guilherme e Guilherme Filipe escrita por Eduardo Galán e dirigida por Celso Cleto.

^

Originário da tradição europeia de marionetas de luva, que se julga ter tido a sua génese no Polichinelo da Comédia Dell’Arte Italiana do séc. XVI, o Teatro de Robertos Português mantém as características próprias desta forma de teatro tradicional. Tendo aparecido em Portugal no séc. XVIII, manteve-se quase inalterado até meados do séc. XX, altura em que entrou em decadência, muito por força da concorrência com formas mais contemporâneas de entretenimento popular. A S.A.Marionetas, tendo tido o privilégio do contacto directo com o Mestre António Dias, um dos últimos fantocheiros populares portugueses, recriou, a partir do seu testemunho, duas peças (O Barbeiro e a Tourada), que compõem o repertório deste espectáculo de rua. Pretende-se não deixar desaparecer o teatro de Robertos, enquanto herança cultural portuguesa.^

A história fala-nos de Luísa, uma mulher divorciada e empregada de supermercado, que é chamada à escola do filho pelo seu mau comportamento. E é aí, que conhece Carlos, o director de turma, um viúvo respingão e solitário. Ambos vão descobrir o que os une, mas também aquilo que os separa.^ Direcção CELSO CLETO Autoria EDUARDO GALÁN Interpretação TERESA GUILHERME, GUILHERME FILIPE

Bonecreiro/ Bonecos JOSÉ GIL Guarda-roupa MARIA LUÍSA Desenho NATACHA PEREIRA Fotografia J. PESQUEIRA Produção S.A.MARIONETAS - TEATRO & BONECOS

27


AGOSTO SÁB 28 | 22H00 Grande Auditório

VIRGEM SUTA

Preço Único: 10,00€ Estudantes e Seniores: 25% de desconto Bilhete Família: Na compra de 2 bilhetes, 25% de desconto no 3º e o 4º é oferta.

MÚSICA

^

28

A história dos Virgem Suta não é a história normal das bandas de hoje em dia. Não foram descobertos através do Myspace, não fizeram uso das autoestradas da informação para conquistar os milhares de fãs com que poderíamos abrilhantar esta nota. Valeram-se de duas guitarras, da voz e da quase ‘ousadia’ de uma mão cheia de canções e, sem exageros líricos, as suas autoestradas foram outras. Perderam a conta às vezes que fizeram o País de Sul a Norte e de Norte a Sul. Mais uma vez, não o fizeram como as bandas normais, a tocar em todas as aldeias e terriolas onde os quisessem a actuar. Não! Habituem-se. Em Suta é um estado exagerado de estar, de viver, de pensar. Eles eram virgens no mundo da música e quiseram demorar o tempo que fosse necessário para se considerarem prontos. Conseguiram-no e brindam-nos com uma belíssima estreia. Ah! É preciso dizer que os Virgem Suta residem em Beja. E aí o tempo, é relativo. ^

Voz/Guitarra JORGE BENVINDA Guitarras/Coros NUNO FIGUEIREDO Baixo/Sintetizador/Coros HÉLDER MORAIS Guitarras/Coros NUNO RAFAEL Programações/Guitarras/Coros JOÃO CABRITA Bateria/Programações SÉRGIO NASCIMENTO


CINEMA NO CCC

SEG | 21H30 Pequeno Auditório Preço: 4,50€

JUNHO 07

VIAGEM A LISBOA

Título Original | Lisbon Story De | Wim Wenders Com | Canto e Castro, Manoel de Oliveira, Teresa Salgueiro, Patrick Bauchau e Rüdiger Vogle. Alemanha | 1994 | 105’ | Cor | Drama | M/12

14

O VOO DO BALÃO VERMELHO

Título Original | Le Voyage Du Ballon Rouge De | Hou Hsiao-Hsien Com | Juliette Binoche, Simon Iteanu, Song Fang, Hippolyte Girardot, Louise Margolin, Anna Sigalevitch. França | 2006 | 115’ | Cor | Drama | M/12

21

AS ERVAS DANINHAS

Título Original | Les Herbes Folles De | Alain Resnais Com | Sabine Azéma, Andre Dussollier, Anne Consigny, Sara Forestier e Vladimir Consigny. França/Itália | 2009 | 104’ | Cor | Drama

28

O EXTRAVAGANTE SENHOR RUGGLES

Título Original | Ruggles Of Red Gap De | Leo McCarey Com | Charles Laughton, Mary Boland e Charlie Ruggles. EUA | 1935 | 90’ | Cor | Comédia

29


JULHO 05

DO OUTRO LADO

Título Original | Auf Der Anderen Seite De | Fatih Akin Com | Baki Davrak, Nursel Kose, Hanna Schygulla, Tunkel Kurtiz, Nurgul Yesilçay e Patrycia Ziolowska. Alemanha/Turquia | 2007 | 122’ | Cor | Drama

12

PARE, ESCUTE, OLHE

Título Original | Pare, Escute e Olhe Realização | Jorge Pelicano Produção | Costa do Castelo Filmes Produtor | Paulo Trancoso Este documentário é uma viagem por um Portugal profundo e esquecido, conduzida pela voz soberana de um povo inconformado, maior vítima de promessas incumpridas dos que juraram defender a terra. DEBATE COM O REALIZADOR após a exibição do documentário.

19

SOUL KITCHEN

Título Original | Soul Kitchen De | Fatih Akin Com | Adam Bousdouks, Moritz Bleibtreu, Birol Ünel e Anna Bederke. Alemanha | 2009 | 99’ | Cor | Drama

26

WELCOME

Título Original | Welcome De | Philippe Lioret Com | Vincent Lindon, Firat Ayverdi, Audrey Dana e Derya Ayverdi. França | 2009 | 110’ | Cor | Drama

AGOSTO 30

Cinema no mês de Agosto: consultar programa específico.


OFICINAS PARA ADULTOS CURSOS:

CONSTRUÇÃO DE MÁSCARAS EM METAL DANÇAS DE SALÃO FENG SHUI FOTOGRAFIA HISTÓRIA DE ARTE MARIONETAS LITERATURA DE CORDEL

INFORMAÇÕES GERAIS Rua Dr. Leonel Sotto Mayor 2500 Caldas da Rainha tel. 262 889 659 fax. 262 889 660 www.ccc.eu.com geral@ccc.eu.com HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO CCC 10h00 às 02h00 BILHETEIRA Dias de espectáculo - Abre 2h antes e encerra após o términus do espectáculo Quarta a Sexta - 18h00 às 21h00 Feriados - 15h00 às 13h00 Sábados - 10h00 às 13h00 Dias de Cinema - 20h00 às 23h00 Encerra às segundas e terças caso não haja cinema ou espectáculo. BILHETEIRA ON-LINE www.ccc.eu.com POSTO DE INFORMAÇÕES Segunda a Sexta - das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00 Sábado - 15h00 às 19h00 Domingo - 13h00 às 18h00 SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS Segunda a Sexta - das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 18h00 ESTACIONAMENTO SUBTERRÂNEO Aberto 24h/7 dias da semana

INSCRIÇÕES ABERTAS 31


JULHO | 03

AGOSTO | 06

AGOSTO | 14

AGOSTO | 20, 21 E 22

32


Programação - junho / julho / Agos -2010