Page 1

S.Mamede Infesta Matosinhos

nte

ren

re

ife

te

Ve r

dife

e l V rente e t | Ve r d i f e r e n

ife

rd

rd

18 2017

Ve

|

Agrupamento Escolas Abel Salazar

Divulgação Escola Inclusiva * Educação Especial e Curso Profissional Multimédia

O Decreto – Lei nº 3/2008 de 7 de janeiro, define como objetivos da educação especial a inclusão educativa e social, o acesso e sucesso educativo, a estabilidade emocional, a promoção da igualdade de oportunidades, a preparação para o prosseguimento de estudos ou para a vida profissional, de forma adequada a crianças e jovens com necessidades educativas especiais. Considera a educação inclusiva a que “visa a equidade educativa, sendo que por esta se entende a garantia de igualdade, quer no acesso quer nos resultados” e define “ os apoios especializados a prestar (...) visando a criação de condições para a adequação do processo educativo às necessidades educativas especiais dos alunos.” Nos últimos anos temos verificado alterações significativas na educação, que se traduzem em práticas educativas mais humanizadas e inclusivas. A intervenção educativa passa a ser encarada como um conjunto de ações específicas de educação, cujo início deve ser o mais precoce possível, baseado numa avaliação das competências e pontencialidades da criança/ jovem, valorizando cada vez menos os aspetos clínicos.

A MINHA DIFERENÇA É A TUA.

! V e te r D n ifere O Agrupamento de Escolas Abel Salazar, composto por cinco escolas,

respondendo às características individuais dos alunos com necessidades educativas, tem 84 alunos ao abrigo do Dec-Lei nº 3/2008, desde a Educação Pré escolar ao Ensino Secundário.


2

A maior parte destes alunos, segundo um Programa Educativo Individual, encontram-se integrados na turma em tempo total usufruindo de medidas educativas: Apoio Pedagógico Personalizado ( artº17º), Adequações Curriculares Individuais ( artº18º),Adequações no Processo de Matrícula ( artº19) e Adequações no Processo de Avaliação ( artº20). Um grupo mais restrito, cerca de 21 alunos, usufruem de uma medida mais diferenciada– Currículo Específico Individual ( artº21). O Currículo Específico Individual prevê alterações significativas no currículo comum, que se traduzem na priorização / eliminação de áreas curriculares; eliminação/ introdução de conteúdos e objetivos referentes a aspetos específicos. Pretende-se que estes currículos tenham um cariz funcional, isto é, as actividades que desenvolvem têm que ser úteis para a vida presente e futura (vida pós escolar) do aluno.

A Cozinha Pedagógica, é um bom exemplo das disciplinas deste Currículo. Nesta disciplina podem trabalhar conteúdos de uma forma real, facilitando o desenvolvimento de competências pessoais e sociais e autonomia do aluno, aspetos essenciais à sua participação numa variedade de contextos de vida do aluno.


3

“SE O LUGAR NÃO PERMITIR ACESSO A TODAS AS PESSOAS, ESSE LUGAR É DEFICIENTE”.

ver

diferen te

VER

diferente

ENTE, DIFER

VER

DIFERENTE,

ver

ver

diferente,

diferent

e

ver

d i f er e n

te

v er

diam

ver

te

DIFERENTE, V E R ver DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente, diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver Ver d i f e r e n t e VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver VER

diferen te

diferen

VER

NTE, DIFERE

d

Ver

diferente


4

Alguns dos alunos que usufruem de um Currículo Específico Individual

frequentam uma Unidade de Apoio Especializado de Multideficiência e Surdocegueira Congénita.

Podemos contar com uma sala para o 1º Ciclo na EB Padre Manuel de Castro e no próximo ano lectivo será aberta uma para o 2º e 3º ciclos na EB Maria Manuela de Sá, aumentando assim a diversidade e qualidade da resposta educativa, respeitando a faixa etária dos alunos.

ver diferente ver diferentever Diferente RENTE VER D E F I D IFERE ER V e t NTE v n e er dife rve Difer rente ver

diferen ver Di ferente VER DIFER ENTE ver difer ente ver dfi nreeer v Di fid rev ET tv enere NEREFID V etneref RE e id r neref


5

Ve

e! r D t if eren

Estas Unidades constituem uma resposta educativa específica e diferenciada que visa: auxiliar os alunos que a frequentam a terem acesso à informação que os ajude a realizar aprendizagens significativas; criar oportunidades para que vivenciem experiências de sucesso e apoiar a sua participação ativa em atividades desenvolvidas com os seus pares sem necessidades especiais.

A frequência específica destes ambientes educativos constitui apenas mais uma na vida destes alunos, pelo que esta resposta tem que articular-se com o trabalho que se desenvolve na Escola.


te

Ve r

dife

e nt

ren

rent

|V

f

er

ife

er

Ve

rd

e

6

di r e| V e er di fe r e n t e l V

Gostaríamos de referir a parceria com a Câmara Municipal de Matosinhos, que permite a estes alunos terem um leque mais diversificado de atividades nomeadamente a Hipoterapia e a Hidroterapia, assim como sessões de terapia com cães - Projecto Ladra Comigo.

ver

diferen te

VER

v er

diferente

ver

ENTE, DIFER

V ER

DIFERENTE,

ve r

diferente,

d i f er e n t

e

ver

d if e r e n

te

ver

diam

te

VER

DIFERENTE, V E R ver DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente, diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver Ver d i f e r e n t e VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver

VER

d ifer e n

te diferen

NTE, DIFERE

d

Ver

diferente


7

Nas atividades anteriormente referidas são desenvolvidas diversas ações no sentido de estimular as competências motoras, psicopedagógicas, neuromusculares, cognitivas, percetivas, psicossociais e sensoriais.


8

te

Ve r

dife

e nt

ren

rent

f

er

ife

di r e| V e er di fe r e n t e l V

|V

er

Ve

rd

e

Um leque muito abrangente que torna este método privilegiado na reabilitação de crianças com necessidades educativas especiais. Têm-se revelado um ótimo complemento no trabalho multidisciplinar de reabilitação.


9

dif

e r

rd r if e re nt e v e

en

.

t e ve

Ve

ve

e! r D t if eren

É uma forma de manter estes alunos ocupados com qualidade e, dar resposta às respetivas famílias, uma vez que há muita dificuldade em encontrar soluções de ocupação para períodos de férias para alunos que apresentem sérias dificuldades não só a nível cognitivo, mas também motor e sensorial, acrescida de problemas de saúde. A partir deste ano letivo ainda em parceria com a autarquia conseguiu-se dar resposta a esta população durante as interrupções letivas através do Projeto “Matosinhos Inclusivo”. Os alunos podem frequentar a escola nos períodos das interrupções, onde desenvolvem atividades de caráter lúdico/ocupacional.


10

Este agrupamento continuará a desenvolver esforços para dar uma resposta diversificada e de qualidade, como aos restantes alunos. ver

ENTE, DIFER

te

ver

diferente

VER

DIFERENTE,

ver

ver

diferente,

diferent

e

ver

d i f er e n

te

v er

diam

diferen

d

Ver

diferente

É A TUA.

VER

DIFERENTE, V E R ver DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente, diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver Ver d i f e r e n t e VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver diferente VER DIFERENTE, VER DIFERENTE, ver diferente, Ver VER

diferen te

VER

ERENÇA A MINHA DIF

te diferen

NTE, DIFERE

Ver diferente_Revista inclusiva_Aeas_2017 18  

Revista para a divulgação da diferença-escola inclusiva. Projeto do D.de Educação Especial e do Projeto de Todos para Todos-Referencial SDP...

Ver diferente_Revista inclusiva_Aeas_2017 18  

Revista para a divulgação da diferença-escola inclusiva. Projeto do D.de Educação Especial e do Projeto de Todos para Todos-Referencial SDP...

Advertisement