Issuu on Google+

Oitavo número do Jornal O Cusco

Outubro / Novembro de 2010 EDITORIAL

O s

1 0 0

a n o s

d e

R e p ú b l i c a

Sempre muito atento, o nosso Agrupamento não se esqueceu de comemorar os 100 ANOS DE REPÚBLICA. Grande parte desta edição é dedicada a estas comemorações e exposições sobre a República. Conta-nos como se deu a implantação da República em Portugal. Fala-nos de algumas curiosidades e apresenta-nos personalidades importantes da nossa história. Apesar desta comemorações, não nos esquecemos de comemorar o Outono e as suas histórias de terror contadas no dia 31 de Outubro, o famoso Halloween. Os Nossos Projectos neste número trazemnos uma novidade. Estejam atentos! E assim nos despedimos com sabor a castanhas e ansiosos pelo próximo número.

N E S T A ED I Ç Ã O :

A 1ª República

2

Curiosidades

4

Personalidades da República

5

As histórias do C.R

6

Os nossos projectos

7

Eco–Escolas/Comenius

9

A REPÚBLICA NA ESCOLA

Parlamento dos jovens

10

Trabalhar para o boneco

11

Ecos

12

Na Escola Básica 2,3 do Monte de Caparica, comemorou-se no mês de Outubro, o centenário da Implantação da República. Na sala polivalente esteve patente uma exposição sobre a temática onde se abordaram as razões para a queda da monarquia, o mapa cor-de-rosa, o regicídio, as revoltas, o dia da implantação da República, os símbolos da República, as medidas republicanas na educação e no trabalho, a Constituição de 1911, personalidades da República e o 4 de Outubro em Almada. Na inauguração da exposição os alunos das turmas 6º1 e 6º3 cantaram o Hino Nacional e ofereceram uma planta, como símbolo da República, à Directora deste Agrupamento de Escolas. 6º 1ª/6º 3ª


Pá gi n a

2

A 1ª REPÚBLICA Nos finais do século XIX, Portugal continuava a ser um país pouco desenvolvido e a população portuguesa estava descontente com a monarquia. O país atravessava uma crise económica e o rei D. Carlos era acusado de nada fazer para resolver essa situação. Em 1875, formou-se em Portugal o Partido Republicano que tinha como objectivo acabar com a Monarquia e instaurar um novo regime político: a República. O descontentamento da população aumentou, em 1890, com o Ultimato inglês. Os portugueses sentiram-se humilhados e ain- Em 5 de Outubro de 1910 aconteceu uma revolução e foi proda mais revoltados com o rei, por ter cedido clamada a República em Portuaos interesses dos ingleses. gal. O poder foi entregue a um Governo Provisório, chefiado por Teófilo Braga. Em 1911 foi a provada uma nova Constituição onde foram garantidos os direitos à liberdade e à igualdade social e a separação de poderes.

Em 31 de Janeiro de 1891 deu-se a primeira tentativa de implantar a República em Portugal. Esta revolta aconteceu no Porto e fracassou porque as tropas leais ao rei derrotaram os revoltosos. No dia 1 de Fevereiro de 1908, o rei D. Carlos e o seu filho, D. Luís, herdeiro do trono, foram assassinados. Subiu ao poder D. Manuel II, um rei que não conseguiu repor a ordem no País.

Os governos da 1ª República empreenderam diversas reformas com o objectivo de melhorar as condições de vida e de trabalho dos portugueses. Foram feitas diversas reformas na educação, abrangendo todos os níveis, desde o pré-primário ao universitário. O ensino primário e o combate ao analfabetismo foram as principais preocupações dos governos da 1ª República. Foram também aprovadas leis para melhorar as condições de trabalho e garantir os direitos dos trabalhadores. Destacaram-se a fixação dos horários de trabalho e o direito à greve que surgiram em consequência da formação dos sindicatos (movimento sindical). A instabilidade política que se viveu durante a 1ª República, a participação de Portugal na 1ª Guerra Mundial, a crise económica e a subida constante dos preços foram as principais causas da queda da 1ª República. Em 28 de Maio de 1926, o general Gomes da Costa chefiou um golpe de Estado e pôs fim ao regime da 1ª República. Prof. Preciosa Marques


Os Cartazes da 1ª República

Pá gi n a

3


Curiosidades

Pá gi n a

Em 1896, os organizadores dos primeiros jogos olímpicos da era moderna incluíram o ciclismo nos desportos olímpicos. Quando foi implantada a República já havia bicicletas em Portugal, mas sendo muito caras, só estavam ao alcance de famílias abastadas e eram encaradas mais como brinquedo de gente rica do que como meio de transporte. Havia no entanto velódromos – pistas para fazer corridas de bicicleta – um em Algés e outro no Jardim Zoológico. E surgiam ocasionalmente anúncios nos jornais a enaltecer o ciclismo como fonte de saúde e a oferecer professores parar ensinarem homens, mulheres e crianças a andar de bicicleta em locais discretos para que ninguém assistisse aos tombos das primeiras lições.

FUTEBOL

4

CICLISMO

O futebol foi um desporto trazido de Inglaterra pelos aristocratas. Entre os fins do século XIX e o princípio do século XX, foram fundados os primeiros grandes clubes: o Futebol Clube do Porto e o Sporting em 1893 e 1907, e o Sport Lisboa e Benfica em 1908. O futebol surgiu em Inglaterra, oficialmente no ano de 1863, mas só chegou a Portugal dezoito anos antes da Implantação da República. Quem trouxe a novidade foram uns rapazes da família Pinto Basto que tinham estado a estudar em Inglaterra, gostaram daquele desporto e no regresso apresentaram-se com as bolas, os equipamentos e as regras do jogo que logo entusiasmou muita gente. Ainda não havia campos fixos nem relvados, por isso escolhiam-se terrenos planos e lisos, montavam-se as balizas e realizavam-se então partidas de “Foot-Ball”.

De início, o vocabulário relacionado com o jogo continuou na língua de origem, o inglês. Dizia-se “goal” em vez de golo, “goal keeper” em vez de guarda-redes, “line-man” em vez de juiz de linha, etc. O interesse pelo futebol alastrou rapidamente, envolvendo todos os grupos sociais. Em 1910, além dos grupos espontâneos que aproveitavam qualquer terreno plano e bolas de couro ou trapo para jogar, já existiam o Futebol Clube do Porto, o Sport Lisboa e Benfica e o Sporting Clube de Portugal. O primeiro Campeonato Nacional teve lugar em 1921. Venceu o Sporting. A República Portuguesa tinha 2 anos quando Alberto Sanches de Castro pilotou o primeiro avião em Portugal. Mas os heróis da aviação portuguesa foram Gago Coutinho e Sacadura Cabral que em 1922 ousaram tentar a longa travessia do Atlântico Sul. Partiram de Lisboa a 30 de Março a bordo do hidroavião Lusitânia, que tinha 1 motor, 1 hélice e lugar para 2 tripulantes. Levavam consigo apenas bóias de fumo, mapas, instrumentos de navegação para se poderem orientar, pois em grande parte do percurso não veriam mais que mar e céu.

MODA FEMININA A partir de 1920 as mulheres começaram a usar os cabelos curtos e as saias até ao joelho. As roupas tornaram-se mais leves e práticas.

PRIMEIRA TRAVESSIA AÉREA DO ATLÂNTICO SUL


Pá gi n a

Personalidades da República Era advogado. Foi Ministro da Justiça tendo sido responsável pelas leis da Separação da Igreja do Estado, as Leis da Família e as do Registo Civil. Em 1911 foi o líder de uma cisão do Partido Republicano Português, fundando o Partido Democrático e o jornal O Mundo. Assumiu o cargo de Presidente do Ministério (1º Ministro) em três períodos: Janeiro de 1913 a Fevereiro de 1914; Novembro de 1915 a Março de 1916; Abril de 1917 a Dezembro de 1917.

Afonso Augusto 1837-1871 Médica ginecologista e foi pioneira na reivindicação dos direitos das mulheres. Reivindicou para as mulheres o direito a um mês de descanso antes do parto e em 1912 reivindicou também o direito ao voto feminino. Em 1933, foi a primeira e única mulher a votar, em Luanda, onde viveu, a Constituição Portuguesa.Coseu e bordou a bandeira nacional hasteada na implantação da República, na Rotunda, em Lisboa.

Carolina Beatriz Ângelo 1867 – 1935

Alfredo Keil 1850-1907

Autor da música A Portuguesa hino nacional Era alfaiate e escrevia músicas, em especial, óperas. Em 1890, o ultimato inglês inspirou Alfredo Keil compondo "A Portuguesa". Henrique Lopes de Mendonça escreveu para esta música o poema Heróis do Mar, que se tornou popular em todo o país e veio a ser adoptada pela Assembleia Constituinte como hino nacional da República Portuguesa em 1911. Morreu três anos antes da implantação da República.

Médica e fundadora da Associação de Propaganda Feminista. Invocando a sua qualidade de chefe de família, uma vez que era viúva e mãe, foi a primeira mulher a votar em Portugal nas eleições para a Assembleia Constituinte, em 1911. Carolina Beatriz Ângelo foi assim, também, a primeira mulher a votar no quadro dos doze países europeus que vieram a constituir a União Europeia (até ao alargamento, em 1996). Ela e Adelaide Cabete fizeram, pelas suas mãos, a bandeira que viria a ser hasteada em 5 de Outubro de 1910 na Câmara Municipal de Lisboa.

Adelaide Cadete 1871-1911 Era advogado e de origem açoriana (Horta). A 24 de Agosto de 1911 tornou-se no primeiro presidente eleito da República Portuguesa.Governou de 24 de Agosto de 1911 até 26 de Maio de 1915.

Era pintor. Foi nomeado pelo Governo Provisório como membro da comissão encarregue de escolher o modelo da nova bandeira. Como era o único pintor da comissão terá sido um dos principais responsáveis pelo modelo adoptado como bandeira nacional. Foi director do Museu de Arte Contemporânea desde 1916 até 1929. Manuel de Arriaga 1840-1917

Columbano Pinheiro 1857-1929 Participou nos acontecimentos do 5 de Outubro. Foi ele que às 9 horas de manhã, na varanda dos Paços do Concelho, proclamou ao País a Implantação da República. Foi Ministro das Finanças do Governo Provisório. Entre 1911 e 1912 foi Ministro (embaixador) de Portugal em Madrid. Foi Chefe do Governo em 1919, mas só por dois meses.

5

José Relvas 1858-1929

Foi escritor e dramaturgo. Escreveu a marcha “A Portuguesa” que, em 1910, o Governo da República adoptou como Hino Nacional. Fez parte da comissão nomeada pelo Governo para, em 1916, propor as versões definitivas e ofiHenrique Mendonça ciais para piano, canto, 1856-1931 orquestra e banda do Hino Nacional.


Pá gi n a

6

Deixem-me contar o que aconteceu no CR no dia 5 de Outubro. Como sabem nesse dia foi feriado e a escola esteve fechada. Por isso, quando entrei no CR, no dia 6 de manhã, qual foi o meu espanto quando vi a prateleira da História de Portugal completamente desarrumada. Haviam livros deitados, abertos, em cima uns dos outros, de pernas para o ar, com a lombada ao contrário, no chão… Como era possível se tudo tinha ficado arrumadinho? Corri ao sistema de vigilância do CR e visionei o filme da câmara de segurança nº 2 que fica mesmo em frente a essa prateleira e pude assistir com assombro a tudo o que foi dito e feito. -“Mataram o Rei! Mataram o Rei!”- gritou um livro baixinho da Ana Maria Magalhães e da Isabel Alçada. -“Olha! Estás um bocado atrasado! Isso foi no dia 1 de Fevereiro de 1908!”- comentaram os livros de Geografia que moram na prateleira de trás. -“Calem-se! Isto é um tema tão interessante que é sempre actual.”- respondeu o livro todo enxofrado. Mas mal se tinha calado ouviram-se choros e lamentos e muitos gritos de raiva. Era o livro”Reis e Rainhas de Portugal” que ao saber da notícia assim manifestava a sua dor: -“Assassinos, assassinos que deram cabo do meu querido reizinho. Ai, malandros, malandros!”-gritava a vozinha estridente, tão alto que irritava. -“Cala-te! Pareces uma velha maluca!”- admoestou um livro de banda desenhada, muito direito e garboso recentemente chegado ao CR-“ até te digo mais”- continuou”- Mataram o Rei!... Viva a República!” -“AH! Malandro que tu és desses”- disse o Reis e Rainhas . -“Desses?!?!?! Desses, o quê? O que é que a senhora quer dizer? A monarquia já não servia ninguém, estávamos a ficar atrasados em relação à Europa!”- argumentou “Machado dos Santos” de José Jorge Letria”. E assim continuaram durante mais um pouco. Os ânimos começaram a exaltar-se e às duas por três ferveu cacetada entre eles. Atiravam-se uns aos outros, mordendo arranhando, arrancando páginas, e empurrando-se das prateleiras abaixo! Só vos digo: Uma verdadeira REVOLUÇÃO. Prof. Ana Filipe Como sabes, no dia 5 de Outubro deste ano fez 100 anos que a República foi implantada em Portugal. No CR existem muitos livros sobre o assunto. Aqui ficam algumas sugestões: “Mataram o Rei!” de Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada conta a história de um grupo de amigos que viaja no tempo e assiste ao Regicídio. “Presidentes da República” da colecção universal júnior. Neste livro encontras a biografia de todos os presidentes que Portugal já teve. “Machado dos Santos” de José Jorge Letria conta a história de um herói republicano que teve um importante papel na revolução de 5 de Outubro. “A Minha Primeira República” de José Jorge Letria faz-nos recuar até 1910 e conta a história de Manuel Francisco, um miúdo a viver em Lisboa nessa altura e que assiste a todos os acontecimentos. Prof. Ana Filipe

Uma árvore na República A Escola EB1/JI Monte de Caparica, com o apoio da Junta de Freguesia do Monte de Caparica, comemorou o Centenário da República Portuguesa, no dia 12 de Outubro de 2010 com a plantação de uma árvore no recreio da escola. Todos os alunos, professores e funcionários estiveram presentes e todos prometeram zelar pelo saudável crescimento da nova árvore.


Pá gi n a

7

Festa de Outono Olá e bem-vindos à festa do Outono! Aqui há muitas coisas para comprar e a preços muito baixos, por exemplo: todos os espantalhos pequenos, médios e grandes são a 0,50€; os bolos também são a 0,50€; os colares a 1,50€ e, por último, os sumos são a 0,20€. E sabem o que é que eu comprei? Eu comprei um bolo, um sumo e um espantalho grande, que é um fantoche muito giro; mas, na verdade, foi a minha mãe que comprou o espantalho fantoche. Ah! E quase que me esquecia… o doce de marmelada é a 1,50€. Ah! pois é! A minha mãe também comprou marmelada! Mas… sabem onde eu vendi? Eu vendi num cantinho, numa bancada só de espantalhos e o meu pai foi logo a correr para a minha bancada, só para comprar o meu espantalho pequenino. A festa foi das 9h às 15h, mas também não gostei nada do tempo, porque esteve sempre a chover. Antes de eu ir comprar, um menino andava a espiarme e eu e mais uns amigos meus fomos apanhá-lo. Depois da festa do Outono, fui para a casa da minha avó, para depois ir para a natação. E foi assim a festa do Outono. Eu até gostei, não foi uma parvoíce. Ruan 3º1ª

Eu diverti-me muito na festa do Outono. Foi engraçada. Havia bolos, espantalhos, sumos, velas, nozes, bolachas e muitas pessoas. Esta festa foi linda, maravilhosa, encantadora… Mas do tempo não digo o mesmo! Era chover, chover, chover. Bem, pelo menos era como estava o tempo. Ainda tenho muito para contar e ainda não acabei. O que tenho para contar é se tive alguém que conhecia ou alguém da minha família na festa. Bem, eu não tinha ninguém da minha família… mas vou falar das pessoas que eram tantas…tantas! Eu não comprei nada, porque não tinha dinheiro. Não importa que eu não tivesse dinheiro, o que importa é que me diverti enquanto os outros andavam a comprar. Eu não pude comprar nada, porque estava muito ocupada com a banca dos sumos, a vender sumos com o meu colega Rafael. Estavam muitas crianças, senhoras e senhores, e estavam tantas pessoas que não conseguia ver o Rafael, nem os clientes, nem os sumos. Havia sumos de laranja, maçã, ananás e pêra. Depois, a festa acabou e eu fui embora.

Carolina 3º1ª


Pá gi n a

8

A caça ao tesouro foi uma das actividades da Ludoteca. Haviam 10 pistas e 10 grupos de alunos, o objectivo deste jogo era encontrar todas as pistas espalhadas pela escola e realizá-las até chegar ao tesouro. Quem conseguisse encontrar mais pistas era o grupo vencedor. Tivemos de decifrar muitas pistas, por exemplo: desenhar uma abóbora; saltar à corda; atirar a bola para um cesto de olhos vendados; elaborar um poema sobre o Outono ou o Halloween; escrever as respostas das pistas encontradas; etc… No final, cada grupo recebeu um prémio de participação (um saco com doces), mas o grupo vencedor foi o que recebeu uma recompensa maior. Foi uma actividade divertida! MartaTinoco, Carolina Tinoco, Daniel Santos, Catarina Ribeiro 5º 1ª

Halloween Embora seja uma tradição anglo-saxónica, o CR comemorou o Halloween. Realizou-se um concurso (A Frase Mais Assustadora!) e os vencedores foram a Telma Marina e a Andreia Amiguinho do 5º1 e a Iderlene do 5º3. Estas meninas receberam, cada uma, um pacotinho com doces. Tradição muito portuguesa é sem dúvida o S.Martinho que se comemora todos os anos a 11 de Novembro. Por isso, decorreu na biblioteca um pequeno passatempo.

Na sexta-feira dia 29/10/2010, a turma 2º1ª da Escola EB1/JI Monte de Caparica, festejou o Halloween com uma actividade lúdica no polivalente da escola, onde o Professor Luís e os seus alunos conseguiram muito bem comemorar e abordar a temática em causa, através de um jogo que incluía os famosos "mortos-vivos", múmias e bruxas. Foi uma tarde muito divertida e muito, muito assustadora. Animadora Ângela Barrocas

Prof. Ana Filipe

Na Ludoteca

Para o Halloween, a Ludoteca expôs trabalhos realizados pelos alunos desta escola: uns recortaram figuras assustadoras, outros pintaram bruxas, abóboras, fantasmas e gatos. Por fim, pendurámos os trabalhos assustadores dos alunos.

MartaTinoco, Carolina Tinoco, Daniel Santos, Catarina Ribeiro 5º 1ª


Pá gi n a

9

CUIDA DO MEIO AMBIENTE ALGUNS CONSELHOS do 6º5 - Não deites lixo para o chão; - Não desperdices papel. Utiliza, sempre que possível, ambos os lados da folha; - Poupa água: fecha a torneira durante o duche enquanto te ensaboas e enquanto escovas os dentes; troca o banho de imersão pelo duche; … - Preserva a qualidade da água, não deitando produtos tóxicos pelo cano; - Não faças fogo na floresta para evitar incêndios; - Poupa energia eléctrica: desliga a luz quando não estiver a fazer falta; não deixes a televisão em stand-by; - Não maltrates a Natureza: acarinha os animais, não destruas as árvores e outras plantas, não poluas as praias, o campo e os rios, etc. - Recicla/ Reduz e Reutiliza. Na nossa escola existem contentores e mini ecopontos para que o lixo seja separado e seja despejado no Ecoponto que se encontra no seu exterior. Para que este objectivo se cumpra é necessário que tu colabores e deposites o lixo no sítio certo! Ecoponto AZUL – Papel, cartão, etc. Ecoponto AMARELO – Embalagens de plástico, pacotes de bebidas, latas, sacos de plástico, esferovite, … Ecoponto VERDE – Garrafas, frascos e boiões de vidro. Prof. Sandra Franganito

Olá amiguinhos!!!!! No passado mês de Outubro realizou-se na Grécia uma reunião muito importante com todos os Professores envolvidos no nosso Projecto Comenius. Dessa reunião saíram as programações para todo o ano lectivo. Aqui vão as novidades: Todos os países irão fazer trabalhos acerca de um rio ou oceano localizado nas proximidades da sua escola / região, por isso nós iremos trabalhar o Rio Tejo e o Oceano Atlântico nas várias disciplinas intervenientes no nosso Projecto. Os resultados deverão ser publicados no nosso www.E-Journal e também no www.Facebook onde foi criado um grupo a que poderás aceder. Acede ao Facebbok e digita no motor de busca o título do nosso Projecto “Be an Eco-Euro-Citizen, depois só tens que pedir permissão para pertenceres ao grupo e irás lá encontrar todos os Professores e alunos de todos os Países nossos parceiro, assim poderás falar sobre os teus trabalhos e sobre os trabalhos dos alunos estrangeiros, poderás ainda vir a fazer novas amizades com colegas de outras nacionalidades.

Ahhh, é verdade, na próxima semana iremos ter a visita

Prof. Maria Do Castelo

de 6 alunos de uma escola de Espanha.


Pá gi n a

10

QUERES SER DEPUTADO? PORQUE NÃO! ... Já ouviste falar dos deputados, da Assembleia da Republica (AR) e dos órgãos de soberania (Assembleia da Republica, Governo, Presidente da Republica e Tribunais). Quando falamos nestas coisas, na sala de aula, parecem uma seca, coisa sem interesse, nada bué… Mas para se ser bom cidadão é preciso sabermos, também, algumas coisas da política. Todos fazemos política sem nos apercebermos. Quando decides comprar um gelado de cinquenta cêntimos, e não de um euro, será que estás a tomar uma decisão que tem a ver com política? Pensa nisso …

Agora tens a possibilidade de ser deputado... O programa Parlamento dos Jovens é uma iniciativa da AR que se realiza anualmente, dirigida aos jovens do 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico e do Ensino Secundário, que termina com a realização de duas Sessões Nacionais na AR: uma para o Ensino Básico outra para o Ensino Secundário.

Violência em meio escolar...

O assunto escolhido para debate, neste ano, é a “Violência em meio escolar”. Tu sabes que, por vezes, alguns rapazes e raparigas não vêm para a escola para aprender e não se portam MUITO BEM … Mas são nossos colegas, e o que temos de fazer é dizer-lhes que a escola é boa, é aqui que aprendemos a ser bonitos e grandes…

Como podes participar? O teu Director de Turma já te deu, por certo, algumas dicas…que te vai ajudar a estudar o tema, organizar debates na sala de aula. Há um grupo de professores que vai estar atento às regras do programa e supervisionar o processo. Vai constituir-se uma Comissão Eleitoral Escolar, com a participação de um aluno. Organiza-te com outros colegas, que podem ser da tua turma ou de várias turmas, numa lista de dez elementos e, em conjunto, têm de propor uma, duas, ou, no máximo, três medidas sobre o tema. Isto é, o que entendem que a Assembleia da República, o Governo, os órgãos locais (ou outras entidades), os próprios jovens, devem fazer para resolver uma questão, relacionada com o tema, que vocês considerem importante. É o vosso programa eleitoral. Quantas mais listas houverem mais o debate eleitoral será animado. Após a fase da campanha eleitoral, haverá a eleição, em Janeiro, e poderás vir a ser um dos eleitos à Sessão Escolar!

Se quiseres saber mais vai ao portal http://app.parlamento.pt/webjovem2011/index.html.


Pá gi n a

11

Desafios Utilizando este padrão de círculos, desenha a figura 4. Quantos círculos serão necessários para obter a figura 10? E para obter a figura 20?

Figura 1

Figura 2

Figura 3


Pá gi n a

12

O Olheiro do Mtekapta Há fight, há fight, há fight… Diz o dicionário que o olheiro é um observador, um vigilante. O olheiro do Monte de Caparica anda por aí, a falar com os seus botões. Não é cusco, não é forte, não tem manias. É um personagem mistério que de tão misterioso até passa sem cusquices, coscuvilhices, sem criar chatices. Há dias que fica fulo, de cabelo eriçado como o ouriço-cacheiro. É que de quando em vez, na escola, vê uma correria de meninos e meninas, todos na mesma direcção, como se de repente uma mola lhes provocasse um impulso desmedido, tonto, qual bando de pássaros esfomeado à procura de grãos de trigo, algures descobertos. O olheiro verifica que lá do meio dos meninos - pardalitos esvoaça uma expressão que o intriga, eriça, como quando pede uma gelado, uma goma e lhe são negados: Há fight, há fight, há figth…E a expressão lá se vai espalhando por tudo quanto é sítio, supõe o olheiro que chega a ouvir-se em casa de alguns dos meninos - pardalitos. Há fight? Mas o que é isso? Será que os meninos esvoaçando vieram de uma agradável aula de inglês, aprenderam uma palavra nova e estão agora a saboreá-la? Será que os meninos - pardalitos estão apenas a treinar-se num grito de guerra próprio da sua idade? Estarão os meninos esvoaçantes apenas e só a brincar-se com coisa nova, bué divertida? O olheiro interroga-se e olhando na direcção em que correm os meninos, fica fulo, de cabelo eriçado, profundamente desiludido: é que os meninos - pardalitos vão em correria alegre, juntar-se, aplaudindo, a dois colegas que estão em luta, a baterem-se esganiçadamente… E o olheiro pensa que estamos numa escola, e na escola aprende-se a ser amigo, a ser solidário, a conviver sem fights, a aprender, a ser bonito… É certo que todos os dias vemos na televisão coisas que não devíamos ver, violências que não deviam existir… Mas, por favor, meninos - pardalitos, Fight na escola, não!

"O que é crescer? O que é aprender? " Crescer é aprender. Á medida que vamos crescendo, vamos aprendendo. Quando vamos aprendendo vamos crescendo por dentro. Crescer é aprender é desenvolver. Á medida que vamos crescendo, temos dúvidas do que vamos aprendendo. Á medida que vamos crescendo vamos ganhando coragem para enfrentar os nossos medos.

Nº1 Aprender é viver. Nº2 Aprender é desenvolver conhecimentos. Nº3 Crescer dá-nos saúde e dá-nos felicidade. Nº4 Aprender é querer ter um bom futuro. Nº5 Crescer faz-nos viver. Nº6 Crescer dá-nos coragem e faz-nos sobreviver. Nº7 Aprender dá-nos alegria e amor. Nº8 Aprender dá-nos uma boa profissão.

Sérgio, Tiago, Letícia, Nuno e Leandra 5º 4ª

Luís, Gonçalo, Renato, Márcia, Jaime 5º 4ª

Colaboradores Alunos: Carolina, 3º1ª Ruan, 3º 1ª Joana Ramalho, 3º 2ª Catarina, 5º 1ª Daniel, 5º 1ª Carolina Tinoco, 5º 1ª Marta Tinoco, 5º 1ª Diogo Ferreira,5º 1ª Iara Leitão, 5º 2ª

Beatriz Pinto, 6º 4ª Joana Palhau, 6º 4ª Ágata Silva, 7º 1ª Catarina Lopes, 7º 1ª Teresa Rodrigues, 7º 5ª Nuno Serra, 7º 5ª Rita Silva, 7º 5ª Nádia Gomes, 8º 2ª Nádia Viegas, 8ª 2ª Carlene, 8º 3ª André Figueira, 9º 3ª

Cláudio Fonseca,9º 1ª Gonçalo Oliveira, 9º 1ª

Sílvia Faim Natércia Figueiredo Francisco Coelho Ângela Barrocas Marisa Guilherme

Professores: Ana Filipe Maria da Luz Vieira Maria do Castelo Fernandes Paula Morais Coordenação: Preciosa Marques Conceição Marques Ema Algarvio Contactos: ocusco2009@gmail.com Sandra Franganito


Cusco 8