Issuu on Google+

Quarto número do Jornal O Cusco

Março de 2010 EDITORIAL Do Portão para Lá é o tema deste número do Jornal. Neste último mês fizeram-se várias visitas de estudo, que contaram com a participação de diversas disciplinas e com o entusiasmo dos nossos alunos. Assim, aqui ficam esses ecos alegres. Por outro lado, dentro do portão, as coisas também estiveram animadas. O final do período é sempre bastante intenso, mas houve tempo para inúmeros projectos e comemorações. Procurámos deixar aqui os testemunhos desses trabalhos.

D o

P o r t ã o

P a r a

L á

“O que me impressionou muito foi o facto de os resultados das contas serem a chave para resolver o enigma…” Rafael 5º4ª

Os Editores

N E S T A E D I Ç Ã O :

Do Portão para Lá

2

Os Nossos Projectos

4

Comenius / Eco-Escola

6

Nós por Cá

7

Concurso de Poesia

8

Estórias com História

9

Trabalhar para o boneco

10

Ecos

12

“Começámos a andar, falámos muito uns com os outros, fizemos filas indianas, brincámos e no meio do caminho encontrámos uma cobra.” Teresa, 6º6ª

“O navio é um museu vivo porque mostra o navio como era e como funcionou.” 6º1ª


P á g i n a

2

VISITA DE ESTUDO À FRAGATA D. FERNANDO II E GLÓRIA Em Fevereiro, os alunos da turma 1 do 6º ano, visitaram a Fragata D. Fernando II e Glória, que está situada em Cacilhas. Nesta visita de estudo os alunos foram acompanhados pelas professoras Preciosa Marques e Vanda Tomás. Gostámos muito desta visita, especialmente porque na “Fragata D. Fernando II e Glória”, estão em exposição os arranjos interiores, mobiliário, armamento, paióis e manequins personalizando cenas de vida de bordo do século XIX. “O navio é um museu vivo porque mostra o navio como era e como funcionou.” 6º1ª

No mês de Fevereiro, as turmas 1 e 2 do 5º ano, na disciplina de História e Geografia de Portugal, visitaram a mesquita árabe em Murfacém e ficaram a conhecer aspectos importantes da nossa história local... Murfacém é uma localidade portuguesa, pertencente à freguesia da Trafaria, concelho de Almada, distrito de Setúbal. É considerada a localidade mais antiga do concelho de Almada. Situada no cimo de um morro com vista para Lisboa pode-se visitar uma pequena mesquita árabe, que mais tarde, no século XVIII, foi adaptada para capela, sendo conhecida como a Capela de Murfacém ou Capela de Nossa Senhora do Carmo. O seu nome teve origem no Árabe "Mor ha'cen" (o barbeiro) já que, segundo a lenda, aqui viveu há muito tempo um barbeiro que se tornou homem santo. Quando morreu, construíram o morabito para que pudesse descansar em paz. Esta construção conhecida como "marabout" (morabito), designa o espaço e o eremita que naquele local viveu retirado e em reflexão, cujos restos mortais ali repousam. Também denominadas como azóias, do árabe "azzouia", são túmulos de homens santos muçulmanos que deram nome a aldeias. 5º1ª e 5º2ª, História e Geografia de Portugal


P á g i n a

3

CISCO E A ESPIRAL DO CONHECIMENTO No dia 8 de Março as turmas do 5º ano foram ao Colégio São João de Brito em Lisboa ver uma peça de teatro chamada: «Cisco e a Espiral do Conhecimento». O teatro conta-nos a história de Francisco e a sua irmã Bárbara, aprendendo Matemática com a ajuda de um misterioso ponto de luz. Para saberem do que falo vou contar um resumo da história. Numa noite de chuva e trovoada, Francisco, um rapaz amante de rap e de skate, estava em casa devido a uma lesão, quando um trovão faz com que ele seja teletransportado para outra dimensão, onde tudo está diferente, inclusive a mãe que fala ao contrário. É então que aparece Cisco, um ponto de luz que começa a desenhar cálculos, para ele e a sua irmã resolverem. No decorrer de tudo isto aparece também uma senhora muito esperta e misteriosa! Com a ajuda do seu computador Francisco resolve o enigma do Cisco. No final eles aprendem a calcular e também sobre o Universo e de como este é composto. O que me impressionou muito foi o facto de os resultados das contas serem a chave para resolver o enigma que por sua vez estava escrito ao contrário. Ao ritmo do rap, esta peça vai ensinar enquanto nos faz dar grandes gargalhadas, com grandes efeitos especiais, o que faz desta, uma peça que recomendo que vejam! Rafael Castro e Silva 5º4ª

UMA BELA CAMINHADA Meus queridos e amados leitores, no dia 17 de Março de 2010 houve um passeio de Educação Física, estava um belo dia. O passeio foi organizado pelo professor Paulo Serranito, um excelente professor de Educação Física. Os alunos de cada turma iam chegando aos poucos porque devíamos estar lá todos às 13h00. É claro que, quando o autocarro chegou, todos nós fizemos fila e entregámos as autorizações, entrámos no autocarro e sentámo-nos. Todos os alunos ouviam vários tipos de músicas. Eu e a minha melhor amiga, Rita Silva, estávamos muito felizes e entusiasmadas por chegar. De repente, olho para o lado e vejo a “contina” Cristina e o professor Valentim, o meu professor de História. Quando chegámos o professor deu-nos a todos um número, eu era o número 21 e a Rita o 23, depois saímos do autocarro e fomos comer e ver o mar. Eu vi uns surfistas, adoro surf! Começamos a andar, falámos muito uns com os outros, fizemos filas indianas, brincámos e no meio do caminho encontrámos uma cobra. O professor Valentim é muito corajoso e a minha colega Filipa adorou a cobra.´ Quando acabámos todos nós tirámos uma fotografia em conjunto e todos voltámos à escola. Foi mais uma vez, um prazer escrever para vocês, meus caros leitores. “Tchau!” Teresa, 6º6ª


P á g i n a

A RODA DOS ALIMENTOS… AINDA Meus caros leitores, cá estou eu novamente para vos lembrar da nova roda dos alimentos que as turmas do 6º 5ªe 6º6ª fizeram na disciplina de E.V.T. com as professoras Maria da Luz e Ana Marta. Estas senhoras, além de serem muito simpáticas, são muito competentes no seu trabalho, por exemplo a professora Ana Marta, quando trabalha com os seus alunos em E.V.T., tem muita calma e paz de espírito, a professora Maria da Luz é “bué fixe” e tem muita energia, para dar e vender. Bem, vamos voltar para a roda dos alimentos. As turmas já tinham acabado e, como o segundo período já está a terminar, deixámos a roda de lado e começámos novos trabalhos para o dia do agrupamento. No dia 8 de Março, dia da mulher, o 6º 6ª e as professoras de E.V.T. foram a caminho do refeitório e colocaram a roda na parede, o nosso “contínuo” Nelo e a professora Conceição Marques também estavam com o 6º6ª. Bem, eu sei que sou aluna, mas também trabalho no jornal da escola e, por isso, vi logo que isto iria dar uma grande notícia! A SEMANA DAS COMEMORAÇÕES Teresa, 6º6ª Entre os dias 15 e 19 a Ludoteca e o Centro de Recursos desenvolveram várias actividades. As actividades em que nós participámos eram actividades para comemorar o Dia Mundial da Poesia, Dia Mundial da Floresta, Dia da Árvore e Dia Mundial para a Eliminação da Discriminação Racial e ainda o Dia do Pai. Para comemorar o dia da poesia e da árvore fomos ao Centro de Recursos, fizemos uma folha de árvore onde escrevemos um poema e fomos à Ludoteca colocá-la numa árvore temática que lá está. A turma do 8º 1ª desenhou na Ludoteca uma floresta em papel de cenário para os restantes alunos da escola pintarem. Para comemorar estes dias está também a decorrer, até ao final do 2º período, uma exposição na Ludoteca com livros do Centro de Recursos, alusivos a estas datas. Pintámos o nosso planeta em papel de cenário e fizemos origamis de caras de pessoas de diferentes etnias. No dia do pai na Ludoteca pintámos copos e também os embrulhámos. Nesse dia muitos alunos participaram e gostaram da actividade. Brenda Castro, 5º3ª

4

CURSO DE INFORMÁTICA Olá, queridos alunos! Nós somos a Tânia, o Marco e a Stephany. Os nossos pais fazem parte do curso de Informática. É um curso que ajuda os nossos pais a mexer em computadores e não só… Este curso é conduzido pelos professores Marco Paulo, Maria da Luz e Patrícia Marta, realiza-se de mês a mês, às quartas-feiras pelas 18h00 e termina às 20h00. As nossas mães estão contentes com tudo o que já aprenderam naquele curso. A mãe da Tânia tem estado bastante entretida a dar “porrada” no rato do computador. A mãe da Stephany ainda não fez tanto, porque a sua Internet avariou…. A mãe do Marco queixase que o rato é muito rápido… Com este curso as nossas mães acham que sabem mais que nós, e elas adoram! Tânia Bento nº 19, Stephany Varela nº 18 Marco Cunha nº 12, 7º 1ª


P á g i n a

DESPORTO ESCOLAR No dia 5 de Março realizou-se o Troféu Aventura II, que teve lugar no Barreiro, na Escola Básica D. Luís Mendonça Furtado. Eu e os restantes alunos que fazem parte do desporto escolar reunimonos em frente à escola por volta das 8:30 da manha. Os professores que nos acompanharam foram os professores João Mugeiro, Cristina Saturnino e Marisa Almeida. Entrámos nas carrinhas para ir para o Barreiro, mas, como estava muito trânsito, chegámos um pouco depois da hora prevista. Por fim chegámos à escola onde se ia realizar as actividades. Pouco depois de chegarmos começaram as actividades, havia várias para realizar: BTT, Slide, Rappel, escalada, entre outras. Eu e o meu grupo, os alunos do professor João rapidamente concluímos as nossas tarefas e ficámos em segundo lugar. Na hora de almoço dirigimo-nos todos para o refeitório, quando acabámos de almoçar ajudámos os professores a levar o material para as carrinhas. Chegámos à nossa escola por volta das 13:30. E foi assim que decorreu a nossa manhã. Vanessa, 9º2

5


P á g i n a

6

Lembras-te do último desafio que te fizemos para participares no nosso projecto? Claro que sim. Pois é, alguns alunos da nossa escola arregaçaram as mangas e puseram mãos à obra. Foram tiradas fotos muito elucidativas sobre os consumos excessivos de energia nas suas casas e ao mesmo tempo como se poderá poupar energia. Depois de alguma pesquisa chegámos a diversas conclusões: PORQUÊ POUPAR ENERGIA? O utilizador doméstico obtém a energia essencialmente de duas formas distintas: Electricidade, que chega a nossas casas maioritariamente através da produção hídrica e térmica, esta última com recurso à queima de combustíveis fósseis (carvão, gás natural e derivados de petróleo) e utilização directa de combustíveis tais como o butano, o propano, o gás naturalou o gasóleo, que são queimados localmente para a produção de calor (esquentadores, caldeiras, etc.).A utilização de combustíveis fósseis apresenta dois grandes problemas: os impactos ambientais, provocados pelo aumento da produção de CO2 e de outras fontes de poluição, e a dependência nacional face aos mercados internacionais, originada pela ausência de recursos energéticos fósseis em território português. Adicionalmente a este cenário energético, constata-se que as famílias pagam cada vez mais pela energia que consomem e que existem elevados níveis de ineficiência e desperdício na utilização de energia. É nesse sentido que a poupança se revela tão importante. Inês Paiva, 7º3ª Quais os resultados da poupança energética?

Maria do Castelo Fernandes

MOSTRA DE MODA DOS 3R No próximo dia 23 de Abril, realizar-se-á, uma vez mais, na escola sede EB 2/3 do Monte de Caparica, a Festa do Agrupamento de Escolas do Monte de Caparica. Este ano o tema de escola, e da festa, é “Eco-cidadão - eu também quero ser”. Com base neste tema, a Ludoteca, em conjunto com os Directores de Turma e Área de Projecto, decidiu convidar os alunos a participar numa mostra de moda. Este projecto pretende motivar e incentivar os alunos para as questões ambientais através da redução de desperdícios, reciclagem e reutilização de materiais. Pretende-se que os alunos realizem fatos para uma mostra de moda onde se divulgará a imaginação e o engenho dos nossos criativos. Vem à Ludoteca e inscreve-te! Contamos contigo e com a tua imaginação. Nós podemos ajudar… Ludoteca


P á g i n a

7

A MINHA CASA DA CHINA A minha casa fica numa cidade da China, chama-se FUJIAN. A minha casa é grande. A minha casa tem três andares. A minha avó mora no 1º andar. A minha mãe e o meu pai moram no 2ºandar. A minha irmã e eu moramos no 3º andar. A minha casa em todos os andares tem uma sala grande, três quartos e duas casas de banho. Na sala do 1ºandar há uma secretária, em cima da secretária tem uma televisão. Perto da janela há dois sofás para a minha querida avó descansar. No corredor do 1ºandar há muitas flores, porque a minha avó gosta de flores. Na sala do 2ºandar há uma secretária, em cima da secretária tem um computador para o meu pai e a minha mãe. O meu pai depois de jantar vai jogar jogos no computador. Na sala do 3ºandar há uma secretária, em cima de secretária tem um computador. O computador é para a minha irmã e para mim. Todos os dias depois de jantar nós as duas vamos para o computador jogar jogos de dança. Ao lado da secretária há um aquário de peixes, dentro do aquário há muitos peixes. Os peixes têm várias cores, também tem plantas para peixes, os peixes todos os dias andam à volta da planta. O meu quarto tem uma cama grande, tem uma televisão, ao lado da televisão tem um armário para eu guardar os meus livros de leitura e os meus livros da escola. A minha casa tem um jardim. No jardim há muitas flores, que foi a minha avó que plantou. As flores têm várias cores e vários nomes, amarelo, vermelho, branco, rosa, etc. Tem vários tipos de flores: rosas, jasmim, cravo, etc. … No jardim também tem alguns animais, tem o pato, tem o coelho, tem o cão, etc. … O pato todos os dias põe ovos, o coelho está sempre a saltar, o cão está sempre a ladrar. Eles todos os dias estão contentes. Há cinco anos que os dias de felicidade terminaram. Eu quero encontrar dias felizes. Tenho a minha avó, sempre comigo, mas eu não consigo, porque a minha avó está na China, e tenho muitas saudades da minha avó. Eu ainda não gosto de Portugal. Eu estou a tentar gostar mais. Não gosto muito da escola porque há algumas pessoas que são muito chatas, e estão sempre a gozar comigo. Talvez vá melhorar…. She Xiang Fang, 7º1ª


P á g i n a

8

CONCURSO DE POESIA Agora que observaste…sentiste… ESCREVE um texto poético de acordo com a imagem “A Janela”

A JANELA DOS MEUS SONHOS… Aqui no interior é tudo

Olha como eu sou tão bonita Com os meus cortinados radiantes E com os meus vidros bastante brilhantes Através de mim, vês um belo prado Observas um belo mar Desvendas os céus E vês as criancinhas a brincar Mas está na hora de me despedir! Pois os meus donos estão a chegar Eles vão me limpar E através de mim vão observar.

Na janela dos meus sonhos, eu vejo o mar… Vejo o horizonte… e não paro de sonhar. Nesta linda paisagem, Eu vejo o amanhecer… Vejo o pôr-do-sol e não paro de crescer. Comigo está o meu búzio-caracol, nesta “ilha” perdida… à espera de chegar, a minha vida desconhecida. 1º PRÉMIO – 6º Ano

Erica Mota, n.º 8, 6º3ª

1º PRÉMIO – 7º Ano Tânia Bento nº 19, 7º 1ª

tão fechado Sem espaço e o ar abafado. Sinto-me como se estivesse a ver a liberdade é o conforto do “stress” da sociedade. Vejo uma ilha … Pretendo ficar sozinho o dia-a-dia é um sufoco… Quero ficar sozinho sair daqui mas tenho medo que ninguém se lembre de mim. Morro de pressão Vivo de desejo Quero ouvir o som dos búzios a cantar quero solidão e o barulho do mar.

A JANELA

O BÚZIO

Pelo vidro olho o céu… Num momento fico parado. Chego junto ao vidro… Sinto um forte sentimento.

Estará o búzio ali a enfeitar Ou mesmo só a observar? Pode estar a ver o mar Ou a sentir o cheiro da brisa no ar.

Vou abrir a janela, Que bela visão tenho aqui! Vou-vos contar o que vi:

Vendo o brilho da maré E a areia em rodapé Ao fundo uma ilha deserta Onde só vai gente esperta!

A lua espalhando a sua luz radiosa, alegre na noite, Convidando todos para a paz. Eu perco-me no tempo. As horas a voarem por mim. Não estou a sonhar certamente… Tanta beleza sem fim!!! 1º PRÉMIO – 9º Ano Óscar Mendes – 9º 1

Ou vendo as ondas dançar Num balançar de encantar Ou vendo a areia amarela Num quente que é só dela. Pode estar a enfeitar Para boa aparência dar Ou para uma casa de praia parecer Num cantinho, ao amanhecer. Agora pergunto e volto a repetir: Estará o búzio ali a enfeitar Ou só mesmo a observar? Aqui fica a questão Que um dia irão desvendar. Catarina Chaíça, 6º5ª

Ó mar silencioso repetente por ondas traiçoeiras leva-me contigo e o teu movimento gracioso, bem no fundo sei que posso encontrar o mais precioso. 1º PRÉMIO – 8º Ano Rúben Domingues, n.º 14, 8º2

A PRAIA O mar dá-nos a sua brisa O mar dá-nos a sua imagem bela A praia dá-nos a sua areia lisa. A praia deu-me um búzio Belo como o som da amizade Coloquei-o à janela Numa noite de imensa claridade. A praia, o mar, as ondas… As ondas limpam-nos a alma São vida que nos dá amor Amor que nos transmite a sua calma A calma de uma flor. João Pedro Rodrigues, 6º 6ª


P á g i n a

D é d a l o e Í c a r o

9

Ícaro, filho de Dédalo, encontrava-se aprisionado juntamente com o pai, por ordem do rei Minos, num labirinto, do qual se dizia ser impossível sair. Dédalo, porém, não desesperou, pois sabia que a fuga estava a ser vigiada por terra e mar, mas não no céu. Assim, com o engenho que o tornou célebre, fabricou para Ícaro e para si mesmo umas asas que colou com cera aos seus ombros e aos do filho. Antes de levantarem voo, o velho recomendou sabiamente ao jovem que não voasse nem muito baixo, para não ser visto, nem muito alto, uma vez que o calor do sol poderia derreter a cera. No entanto, quando voavam sem esforço em direcção a Creta, Ícaro começou a sentir-se capaz de novos feitos, dominado e transtornado por aquela nova força que lhe havia sido dada. Imprudentemente, desprezou os conselhos do velho, voando mais alto e aproximando-se cada vez mais do sol, não ouvindo sequer os gritos consternados do pai, que o tentava chamar à razão. Depressa as asas de Ícaro começaram a derreter. Depois de se soltarem, o jovem caiu no mar e as águas fecharam-se imediatamente sobre si. Dédalo, percebendo que o filho não voltaria à tona, continuou a voar até Creta, onde foi recebido pelo rei com cordialidade. Conta-se também que Dédalo erigiu, nas ilhas do Âmbar, duas colunas, uma em honra de Ícaro, e outra com o seu próprio nome, e ainda que gravara com as suas mãos, nas portas do Templo de Cumas, o triste fim de seu filho. O mar onde Ícaro se despenhou passou a chamar-se mar Icário. A ilha, para onde as vagas atiraram o seu corpo já sem vida, começou a ser chamada de Icária. http://www.prof2000.pt/users/secjeste/dlrc/2009/Icaro.htm


P á g i n a

RITMOS Luis, Nilton, Nelson e Zé. Andamos na escola Básica Sabes como é que é, A escola é „pó’ futuro não podemos portar mal! É normal „tamos‟ em Portugal! Como o Monte Caparica não há igual, Andamos na escola para ser alguém na vida para termos um trabalho e não vida bandida, vamos ajudar a combater contra o desemprego, a crise mundial até já mete medo não podemos levar a vida a brincar temos de aproveitar o mundo em 2012 „tá‟ previsto acabar, “não às armas nucleares, não ao tormento da guerra nossa canção sobe aos ares como um beijo vindo da terra” como o nosso mundo está já não dá para sorrir, catástrofes naturais, o nosso mundo „tá‟ a destruir, não vale a pena chorar porque chorar é sofrer nesta miséria de mundo temos de sobreviver. Pessoal o nosso está prestes a acabar nós os 4 prometemos que pelo mundo vamos rezar… Luis, Nilton, Nelson e José. CEF 1

1 0


P á g i n a

1 1

Desafios

Memorizar o Lê com atenção o seguinte diálogo: Pedro: Já consigo escrever o Pi à décima casa decimal. Inês: Eu também. Decorei a seguinte frase: “Fui a casa e parti distraído os pratos azuis dos ursos.” Pedro: Que engraçado! Eu também consigo com a ajuda de uma frase: “Fui a Roma e vesti gabardina no sábado antes das cinco.” Encontra o que há de comum entre as duas frases e irás descobrir como elas ajudam o Pedro e a Inês a escrever o  até à décima casa decimal. Dá asas à tua imaginação, e inventa uma frase que te ajude a escrever o  com 10 casas decimais. E com mais casas decimais, és capaz? Envia as tuas respostas para o mail do Jornal ocusco2009@gmail.com

Complète la grille avec les mots en observant les dessins

PRECISAM-SE Alunos(as) interessados(as) em ser repórteres oficiais do Centro de Recursos. Pretende-se que escrevam, para o jornal “O Cusco”, artigos de divulgação de leituras e notícias sobre a vida do CR. Oferecem-se boas condições de trabalho.

Stephenie Meyer é a autora de uma saga que está a entusiasmar os alunos da nossa escola. Que o diga o 7º2 (entre outros) que têm “devorado” estes livros. Trata-se da história do amor entre uma jovem tímida e um vampiro:”Crepúsculo”,“Lua Nova”, e “Eclipse”já se encontram na nossa biblioteca e neste momento estamos á espera de “Amanhecer”. Também fizeram furor as “mangas” Naruto e Dragon Ball pois têm sido muito requisitadas. Recentemente atribuímos o prémio “Leitor Número Quatrocentésimo”à aluna Nádia Brito. Qual será o aluno 500º? E quando será atribuído o prémio? Está nas tuas mãos, caro leitor! Vai até á biblioteca, vêm ver as novidades e requisita livros para casa! Também temos muitos filmes novos. “Viagem ao Centro da Terra” pode ser visto (infelizmente só por dois alunos ao mesmo tempo) em 3D! Tem cenas espectaculares. O Centro de Recursos continua a promover vários concursos e actividades, alguns em parceria com a Ludoteca. No terceiro período retomaremos o concurso “Puzzles Misteriosos” com novo horário. Mantêm-te informado!


P á g i n a

Barquinho de vela branca enfumada Balançando suavemente Sobre as ondas do mar. Quem me dera ir nesse barquinho! Para outra terra… Para outro lugar. Não tenho raízes a prenderem-me Nem tenho porque ficar Levo tudo o que tenho comigo, A luz do meu pensamento E a capacidade de Amar!

Gonçalo‟s Daily Routine I get up at 6.50, but I stay five minutes in bed. Then I have breakfast. I brush my teeth and get dressed. I catch the bus to school. My classes start at 8:30. I have lunch with my friends after lunch we (Alexandra, David, João Pedro, Teresa and I) play a game called “Campeão”. In the afternoon I have classes again. At 17: 30 it´s time to go home. At home, I have a snack, I have a shower and do my homework. Sometimes I play with my sisters. After dinner I brush my teeth and go to bed at 22:30.

Encarregada de Educação de ex-aluna do 6º6ª

Gonçalo 6º 6ª

Jornal da Juventude Sinónimo de amizade O que nos une é pura realidade Amizade verdadeira amizade unida mas nem sempre por todos e sentida a amizade é um sentimento real é bonito é banal tive inspiração para encontrar um tema a palavra amizade não passa de um dilema e é à Ludoteca que dedico este poema. Ana Valente Cef 2

Se amanhã houvesse um Terramoto como o de 1755, como será que reagiria a população Portuguesa? De que modo Presidente enfrentaria as dificuldades e as destruições causadas pelo Terramoto? Quais seriam as primeiras medidas a serem tomadas pelos Portugueses? Será que iríamos precisar da ajuda da Europa para superar esse grande embate? Pois, temos de estar preparados para este tipo de acidentes. Nunca se sabe se 2012 será o Ano da Profecia… Kanga Rodrigues CEF 2

Colaboradores Alunos: Brenda, 5º3ª Joana Palhau, 5º 4º Gonçalo, 6º 6ª Teresa Rodrigues, 6º 6ª Nádia Viegas, 7º 3ª Inês Paiva, 7º 3ª Ilustrações: 7º1ª,2ª,4ª

Cláudio, 8º1ª She Xiang Fang, 7º1ª

Gonçalo Oliveira, 8º 1ª Cátia Lopes, 8º 2ª Miguel Neves, 8º 3º André Figueira, 9º 1ª

Contactos: ocusco2009@gmail.com

1 2

Professores: Maria da Luz Vieira Maria do Castelo Fernandes Ana Martins Paula Morais Preciosa Marques Valentim Frias Ema Algarvio Natércia Figueiredo Isolina de Jesus

Graciosa Silva Ana Filipe Marisa Guilherme Sílvia Faím Maria José Alexandre Sónia Ribeiro Coordenação: Conceição Marques Maria Elisa Coelho Vanda Tomás


Cusco4