Page 1

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO BONFIM - PORTALEGRE

BOLETIM INFORMATIVO

ANO 3 / N.º34

DEZ.17/JAN.18

MAKE A WISH! REALIZAMOS UM DESEJO P.03 INSTANTES DE LIVROS O diretor do agrupamento e a relação com livros e a literatura. P. 06

FESTAS DE NATAL As comemorações do Natal das diferentes escolas do Agrupamento P. 08

TODOS SURDOS

Apresentação do mais recente conto infantil de Luís Nogueiro feito aos nossos alunos surdos P. 11


02

EDITORIAL

EDITORIAL

A

o começar a escrever este editorial dei-me conta da dificuldade que sinto em expressar o que queria, de tal forma que a tarefa acabou por se revelar difícil de se concretizar. Não sei se o conseguirei fazer com a linearidade exigida. Em dezembro deparámo-nos com uma situação limite que consistiu na perda de duas pessoas que faziam parte do nosso Agrupamento e, por isso, eram muito próximas de todos os docentes e não docentes. O acontecimento foi de tal forma inesperado que todos o denominaram de “absurdo”. Foi este conceito que despertou em mim alguma atenção e mereceu alguma reflexão. Porquê absurdo? Por causa da fatalidade? Devido à extemporaneidade? Não me pareceu. Apercebi-me que em todos os que o haviam proferido, havia uma referência ao conflito emergente entre a busca do sentido alusivo à vida e a incapacidade humana de o encontrar; quero dizer com isto que o absurdo emerge, nesta ordem de ideias, como o resultado da contrariedade provinda da correlação do espírito humano com o mundo. Consequentemente, ele destacase da relação que cada um de nós mantém com o próximo, consigo

mesmo e com a vida, demarcando a nossa dimensão existente, para além da essente. É a dimensão existencial do homem que o torna no único ser com a capacidade de, em qualquer momento da sua vida, poder avaliar essa mesma dimensão. Interrogarse sobre os seus valores. Decidir dar um rumo diferente à sua vida. Ou seja, o verdadeiro valor da existência humana reside no exercício do pensamento crítico e racional que dá sentido à proposição socrática de que “uma vida irrefletida não é digna de ser vivida”. Ora se o sentido e o valor existencial estão nesta faculdade, o acontecimento que tanto nos marcou acabou por ser revelador deles mesmos. Quer isto dizer que, ao querermos, de alguma forma, ser nós a homenagear aquelas que tanto nos diziam, acabaram por ser elas a fazê-lo a nós, ficando-lhes ainda mais gratos pela existência que tiveram. Por esta e tantas outras razões que cada um de nós encontrará em nós mesmos, será muito difícil esquecêlas.

FICHA TÉCNICA EQUIPA Cláudia Chorinca Graça Galrão Paulo Matos

CONTACTOS ____________________ O DIRETOR António Luís Rocha Sequeira

www.aeb.pt/portal/ atividades@aeb.pt


ZOOM

03

REALIZOU-SE UM DESEJO A Fundação Realizar um Desejo é a afiliada portuguesa da Make a Wish. Tem como objetivo realizar os desejos de crianças e jovens, entre os 3 e os 18 anos, com doenças graves, progressivas, degenerativas ou malignas, para lhes proporcionar um momento de alegria e esperança. O Agrupamento de Escolas do Bonfim associou-se neste ano letivo a esta causa, contribuindo

com o esforço e solidariedade dos seus alunos e professores para a recuperação da esperança e da força na luta diária travada por estas crianças contra a doença. Com o empenho dos que se

associaram a esta atividade conseguimos vender 754 estrelas e angariar perto de 800 euros a favor da referida associação. Este agrupamento dá assim continuidade ao trabalho diário que se propõe realizar, a formação integral do cidadão. Neste caso concreto construindo cidadãos atentos ao próximo e com uma particular atenção à responsabilidade social de cada um. l

DESPEDIDAS. A ESCOLA ESTÁ DE LUTO

nossa amiga ficou ainda o carácter con-

vinte e um no nosso agrupamento. Os

ciliador e a boa disposição sem deixar

professores e os colegas sentem pro-

de ser frontal e combativa. No dia 1 de

fundamente a sua falta. Foi sempre uma

fevereiro celebraríamos com ela os seus

presença agradável e simpática na ma-

pois de 39 anos ao serviço dos alunos e

64 anos. Sentimos muito a sua falta e

neira tranquila e eficiente com que de-

dos colegas, despediu-se de nós. Vinte

lembrá-la- - emos sempre com amizade

sempenhou as suas tarefas. Ao serviço

e nove desses anos foram passados no

e carinho.

da biblioteca, destacou-se pela sua

nosso agrupamento, tendo antes es-

A nossa amiga Graciosa Pedro, depois

habilidade artística e disponibilidade.

tado em Elvas, Estremoz e Mirandela.

de muito ter lutado com a doença, não

Também os alunos sentem a falta do seu

Sempre gostou muito da sua HORTA,

venceu essa batalha. No dia onze de

carinho.

e fez dela o seu campo de empenho e

novembro fez 64 anos, e cerca de um

ensino, tentando cativar para o respeito

mês depois deixou-nos. Após três anos

Maria de Fátima Pinto Leite

à natureza até os mais resistentes. Da

na Escola Stuart Carvalhais, trabalhou

Joaquina Caeiro

A professora e amiga Ana Santana, de-


04

BIBLIOTECA

ACONTECEU NAS BIBLIOTECAS... EXPOSIÇÕES

ENCONTRO COM O AUTOR HELDER FARIA

ENCONTRO COM A ESCRITORA ISABEL ZAMBUJAL

Nos dias 17 e 18 de janeiro, a escritora Isabel Zambujal dinamizou várias sessões de promoção da leitura com alunos do 1ºciclo (Corredoura, Praceta e Fortios) e do 5º ano. A escritora falou de como tinha escrito algumas histórias e de onde vinha a sua inNa última semana do período foram expostos, na biblioteca da escola Mouzinho da Silveira, os trabalhos de grupo realizados no âmbito da disciplina de História pelos alunos do 7º e 9º anos. Os alunos puderam assim aplicar as aprendizagens feitas na disciplina, bem como desenvolver as competências de pesquisa e criatividade. Na escola Cristóvão Falcão estão expostos trabalhos alusivos ao Natal realizados nas disciplinas de Educação Visual e Educação Tecnológica. l

No dia 11, recebemos o escritor Helder

spiração. Foram expostos alguns tra-

Faria que nos falou dos seus livros, do

balhos, de acordo com a obra que cada

gosto pela leitura e escrita e deixou

turma tinha trabalhado e no final ainda

algumas sugestões de livros, filmes e

houve tempo para autógrafos. l

músicas que, de alguma forma, inspiraram a sua escrita e a sua vida. Esta atividade teve como público alvo algumas turmas do 7º ano (A, B e E) e contou também com a presença dos alunos de Literatura do 11º ano. Foi uma sessão animada com bastante participação dos alunos. l

FEIRA DO LIVRO Decorreu a Feira do Livro nas escolas Cristóvão Falcão e Mouzinho da Silveira entre os dias 4 e 12 de dezembro. Os alunos tiveram assim oportunidade de contactar com grande diversidade de temas e autores, sendo que algumas turmas foram acompanhadas pelos respetivos professores.


DESPORTO

05

2º ENCONTRO DO DESPORTO ESCOLAR - BADMINTON O Agrupamento de Escolas do Bonfim participou hoje, 13 de dezembro, na Escola José Régio, no 2º Encontro do Desporto Escolar na modalidade de Badminton (série A). Marcaram presença os Agrupamentos de Escolas de Gavião, Nisa, a Escola José Régio e a Secundária de S. Lourenço. Tratou-se de uma excelente jornada desportiva em que participaram cerca 50 alunos e 5 professores. O Desporto, a Escola, e principalmente, os Alunos ficaram, mais uma vez, a ganhar! l Ricardo Graça

1º TORNEIO DE ATLETISMO

JOGO DO 24

Decorreu no passado dia 29 de novembro em Nisa o I Torneio de Atletismo do Desporto Escolar. Estiveram presentes 4 escolas (Nisa, Campo Maior, Portalegre e Ponte de sôr) com um total de 70 alunos. O Agrupamento de Escolas do Bonfim fez-se representar por 9 alunos sendo 6 da EB1 Praceta e 3 da EB Cristovão Falcão sendo acompanhados pela Professora de Educação Fisica e responsável pela equipa do desporto escolar - Paula Rocha. O Torneio compreendeu as especialidades de: velocidade, salto em comprimento, salto em altura, lançamento do peso e estafetas. É de realçar que em todas elas os nossos alunos obtiveram os 1º, 2º e 3º lugares nos diferentes escalões etários. Todo o evento decorreu de uma forma com muita alegria. Para a professora foi um enorme orgulho ver os seus atletas FELIZES. l Paula Rocha

Realizou-se no dia 13 de dezembro, na Biblioteca da Escola Secundária Mouzinho da Silveira, mais um Campeonato do Jogo do 24. A atividade contou, mais uma vez, com grande participação e entusiasmo dos alunos. Realizaram-se eliminatórias e uma final para cada um dos níveis de ensino. Em primeiro e segundo lugare ficaram, respetivamente, os alunos Afonso Fernandes e Santiago Bello Moraes, do 3ºciclo. Relativamente ao ensino secundário, o aluno José Marcelo Lourenço ficou em primeiro lugar e o aluno Diogo Nogueiro em segundo. l

ENCONTRO DO TÉNIS

Realizou-se no passado dia 6 de dezembro, no Clube de Ténis de Elvas, o primeiro encontro desta modalidade, no âmbito do Desporto Escolar, que contou com a presença de alunos do Agrupamento de Escolas do Bonfim, da E. B. n.º1 de Elvas e do Centro Escolar de Campo Maior. Neste evento conviveram e jogaram Ténis durante o período da tarde cerca de 40 alunos e 4 professores, numa jornada muito competitiva mas igualmente muito agradável e animada. De realçar a forma hospitaleira como todos os elementos da escola organizadora nos receberam, fomentando a vontade de regressarmos sempre... O nosso agrupamento contou com a representação dos alunos Ana Carolina Fernandes, Mariana Realinho, José Bernardo Calha, Cristiano Pires, Vicente Guilherme, Nuno Brito, Francisco Mourinho, Dinis Pires e Pedro Cobra. l Ricardo Graça


PROJETO

INSTANTES DE LIVROS Mafalda: Quais são os três livros que mais aprecia? Diretor: Eu gosto e aprecio todos os livros. De todos, os que menos gosto são os romances mas sabendo através do vosso guião, que me entregaram previamente que era preciso indicar três eu comecei a refletir e procurar ver quais é que foram aqueles que de uma forma ou outra me disseram mais alguma coisa. Eu considero que a importância e a relevância dos livros tem a ver com o momento da vida que nós vivemos e no qual os lemos. O primeiro é o Siddhartaha do Hermann Hesse isto porque foi um dos livros que eu quando era

mais jovem li, e sem perceber nada daquilo que tinha lido. Sou de uma aldeia transmontana, e não havia livrarias, e portanto não tínhamos grandes oportunidades de ler. Só tínhamos aquelas bibliotecas itinerantes que andavam numa carrinha de mês a mês e eu tinha por hábito “cravar” alguém que me fosse buscar um livro só para eu folhear. Quando eu consegui ter acesso ao cartão, aquilo que eu fazia era ler o que podia no tempo em que a carrinha estava lá e depois requisitava os livros para ir lendo durante aquele mês. Curiosamente, eu escolhi um livro com o que eu considerava ser um título apelativo e aí se percebe a importância dos

títulos e na altura deparei-me com este livro, o Siddhartha, e achei um nome estranho. Então, toca de o tirar as escondidas, e folheei-o, li uns parágrafos ou outros, mas a maior partes das coisas que aqui estão não consegui ler. A escola onde eu andava no 2º e 3º ciclos era uma antiga cadeia e as obras que havia era a coleção completa de Os cinco Enid Blyton. Também andei num colégio particular e li muitas biografias por imposição dos orientadores e influenciou uma altura em que eu tinha 11 ou 12 anos e parecendo que não é uma altura muito marcante na forma como nós entendemos as coisas. Mais tarde no décimo ano fui para


em grande sofrimento e quando chega ao topo a pedra resvala outra vez até ao sopé e lá vai outra vez o Sísifo a apanha-la. E portanto isto é o absurdo. Nós temos de encontrar o sentido no absurdo para que o absurdo não se torne na nossa vida. O outro livro que também me marcou é o “Velho e o mar , que é um clássico, e que também é parecido

“EU COMECEI A LER “POR MODA”, COMECEI A FAZER ISTO PORQUE ME APERCEBI QUE OS MAIS VELHOS, QUANDO CHEGAVAM AS BIBLIOTECAS ITINERANTES, AQUILO ERA UMA CORRERIA DE TODO O TAMANHO, E UMA VEZ EU FUI A CORRER TAMBÉM.”

uma cidade onde existia uma livraria em condições, e ia até lá e curiosamente voltei a deparar-me com este livro (Siddhartha) e li-o todo já com outro olhar, foi determinante e marcou-me significativamente. Um outro que me marcou muito é o Mito de Sísifo, que é um livro curioso também, porque além de defender a filosofia do absurdo tem um conteúdo impressionante. O absurdo é o que dá sentido a vida, é aquilo que todos nós todos os dias de certa forma procuramos. Nós vivemos uma vida efémera, todos nós sabemos que vamos morrer. O autor deste livro (Mito de Sísifo) diz que o absurdo é aquilo que nós sofremos, fazemos por sofrer e não viver durante o tempo em que temos de o fazer. É um livro bastante interessante, consiste num homem que tem de transportar uma pedra acima da montanha e está

com o mito de Sísifo. É um pescador que está alguns dias sem pescar nada e no octogésimo quinto dia consegue pescar um peixe enorme, de 5 metros, depois de ter andado a lutar e sofrer e durante o caminho em que o transporta para a terra os tubarões vão comendo o peixe que o apanhou e quando chega a terra já só está a espinha. Tal como o Mito de Sísifo está empregando de significado. Portanto estes foram sobretudo os livros que me marcaram tendo em atenção que existem muitos mais. Andreia: Qual é o seu escritor favorito? É algum desses três? Diretor: É o Albert Camus, gosto muito, li a obra quase toda dele, tenho a primeira versão do prémio nobel em francês quase toda. Gosto muito do Camus.

Mafalda: O Siddhartha foi o livro que mais marcou a sua vida? Ou existe outro que tenha marcado mais? Diretor: Não, houve um que também me marcou muito por influência do Camus também que é o idiota do Dostoiesky que é também um livro “pequenino”. Curiosamente é um romance, o único romance que eu gostei, mas que vai muito na linha do Camus da teoria e filosofia do absurdo. Também foi muito significativo. Mafalda: Quais foram os sentimentos que este livro despertou em si? ( Siddhartha) Diretor: Sobretudo de simplicidade e de interioridade. Faz-me pensar muito e conviver bem comigo mesmo. Levou-me a ponderar e a fixar um pouco em mim, em conviver com aquilo que eu sou. Faz-me pensar bem comigo mesmo em função daquilo que eu sou, tendo sempre a oportunidade de me transformar no que eu quiser. Não sinto a necessidade de agradar a quem quer que seja, menos aos meus filhos, que esses eu gostava muito de agradar. Mas no que diz respeito ao contacto com os outros dá me uma grande autoconfiança. Individualmente faz de nós pessoas diferentes. Andreia: De onde é que vêm este gosto pela leitura? Diretor: Eu comecei a ler “por moda”, comecei a fazer isto porque me apercebi que os mais velhos, quando chegavam as bibliotecas itinerantes, aquilo era uma correria de todo o tamanho, e uma vez eu fui a correr também. O facto é que os meus pais não me incentivaram, a minha mãe é doméstica e o meu pai era funcionário público, e ainda que o meu pai gostasse muito de ler, nunca influenciou muito a minha leitura. Portanto o que influenciou foi aquela avalanche de colegas meus quando viam chegar a carrinha e iam atras e eu ia também. Depois descobri um mundo novo, e foi aí que de facto houve uma influência. l Projeto “Instantes de livros” realizado pelas alunas da turma de literatura do 11º ano, Mafalda Flores e Andreia Mendes.


08

ATIVIDADES

FESTA DE NATAL DA CORREDOURA

Festa de Natal da Corredoura onde atuaram os nossos meninos e estiveram como convidados os alunos da Cerci Portalegre.​


ATIVIDADES

DIA DE REIS No dia de Reis, a EB1/JI de Fortios foi cantar uma canção de Reis ao Lar S. Domingos, desejando a todos os presentes um Bom Ano.

CONCERTO PSP As escolas da Praceta e Corredoura foram convidadas a assistir a um espetáculo fantástico: “ Concerto de Palmo e Meio” e a visita do Falco., da Filarmónica da P.S.P. Todas as crianças adoraram. l

09


10

ATIVIDADES

UMA HISTÓRIA E UM NATAL DIFERENTE

AS ARVORES DE NATAL DA ESCOLA DA PRACETA Este ano, a EB1/JI da Praceta substituiu a tradicional festa de Natal realizada pelos alunos, por uma peça de teatro para os alunos. Assim, no dia 12 de dezembro, fomos ao CAEP assistir à peça “A Branca de Neve” que, como já é hábito da companhia Rituais Dell Arte, reuniu outros personagens e transmitiu mais alguns ensinamentos. Todos gostaram muito da peça, os atores interagiram muito com as crianças e no final, o Pai Natal e as professoras fizeram uma pequena coreografia que muito animou a plateia. É claro que o Pai Natal aproveitou para distribuir uns miminhos que por sinal eram bem docinhos! l


ATIVIDADES

11

VISITA AO CAEP

No âmbito dos projetos finais de curso, os alunos do Curso Profissional de Desenho Digital 3D, visitaram as instalações do Centro de Artes e Espetáculos de Portalegre. Fomos recebidos pelo Sr. Diretor Joaquim Ribeiro e pela Sr. Ilda Nabais, em que ambos nos guiaram ao longo da visita. Os alunos tiveram a oportunidade de visitarem os bastidores e todos os espaços que normalmente não estão acessíveis aos espetadores. Conheceram toda a estrutura técnica existente neste espaço e puderam perceber que

por detrás de um espetáculo está uma grande infraestrutura quer técnica, quer humana. O nosso obrigado por nos terem recebido tão bem. l Cláudia Chorinca

TODOS SURDOS O nosso amigo Luís Nogueiro voltou a fazer-nos uma visita e trouxe-nos, mais uma vez, uma surpresa muito boa para nos contar! Parece que passou as férias dele a pensar em nós e acabou o tão prometido livro que fala sobre nós, os surdos! O livro intitula-se “Todos Surdos” e nós tivemos o privilégio de ver a história contada em primeira mão por ele, com a ajuda das intérpretes, claro. Estivemos muito atentos e adorámos a história! Alguns de nós até se arrepiaram com o enredo e ficou a promessa de, da nossa parte, desenhar os momentos que mais nos marcaram na história. Ficámos também a saber que já temos mais de 700 gostos na página do Facebook do projeto solidário “Todos Surdos”. Façam também o vosso gosto! «O conto infantil “TODOS SURDOS” relata a história de um menino chamado Jerónimo que tem uma surpresa no pri-

meiro dia de aulas na sua nova escola. Este menino foi colocado numa turma onde os restantes colegas são todos surdos. Como vai ser a primeira interação da criança como os colegas e como vão os pais reagir a este conflito? (...)» (citação retirada da página de Facebook Todos Surdos) Obrigada Luís pela fantástica história que escreveste sobre o nosso mundo de que tanto nos orgulhamos! l


B dez.jan2018  
B dez.jan2018  
Advertisement