Page 1

janeiro / 2015

1

Jornal do Agrupamento de Escolas de Almeida

Editorial

“CONHECER PARA AGIR” é a premissa para a construção. Uma premissa válida tanto para os aspetos materiais como para os metafísicos. Num mundo em constante mudança, para que essa construção seja sólida, importa que cada um assuma a sua função social e a desempenhe tendo em vista a excelência. Neste sentido, mais do que um direito, é um dever de cada um descobrir a sua vocação e tentar ser-lhe fiel. Salientando que, a flexibilidade profissional é uma das características mais evidentes da sociedade atual – as mutações económicas e sociais, a par da evolução tecnológica, têm posto fim a profissões antigas e criado profissões novas. Nem sempre a vocação profissional é clara. Cada pessoa tem capacidades cognitivas, emocionais e sociais próprias que determinam a profissão mais adequada. E mesmo dentro da mesma profissão há trabalhos específicos que exigem aptidões individuais. À escola compete obrigatoriamente conhecer e fazer desenvolver em cada aluno as suas capacidades individuais, de modo a que ele consiga enfrentar os desafios e os obstáculos que necessariamente encontrará no futuro. Aos adultos, e em particular aos pais, compete aconselhar. A decisão, contudo, terá de ser sempre do próprio jovem. E como em tudo na vida, se um jovem errar redondamente na escolha da profissão, terá de rever a sua decisão, ou então adaptar-se e redescobrir-se na decisão tomada. Só assim se constroem as bases de uma sociedade sólida e feliz. (continua na pág. seguinte...)

N.º 9

janeiro de 2015

Ceia de Natal do Agrupamento

Agrupamento distingue melhores alunos


janeiro / 2015

Editorial

(...continuação da pág. anterior)

Os Serviços de Psicologia e Orientação Escolar assumem, neste âmbito, um papel preponderante nas opções de cada aluno. A crescente autonomia das escolas disponibiliza-lhes percursos escolares válidos que visam responder às individualidades de cada aluno. Além do ensino regular, o ensino vocacional, o ensino profissional, os percursos curriculares alternativos e os percursos escolares individualizados, são opções possíveis para se alcançar o verdadeiro SUCESSO EDUCATIVO. O Agrupamento de Escolas de Almeida, na sua missão de construir e acrescentar Valor à Educação, pese embora todas as suas condicionantes, tem uma oferta educativa diversificada que pretende potenciar todas as capacidades dos seus alunos, orientadas predominantemente para o desenvolvimento do meio em que se insere, conforme preconiza no seu Projeto Educativo “Ensinar e Aprender a CRESCER”. Disto são exemplo o curso Vocacional de 3.º ciclo e a turma de Currículos Alternativos de 9.º ano que complementam, no presente ano letivo, a oferta do ensino regular no ensino básico. No ensino secundário, as opções de Línguas e Humanidades e Ciências e Tecnologias complementam-se com os cursos profissionais de Técnico de Comércio, Técnico de Eletrotecnia, Técnico de Informática de Gestão e Técnico de Bar e Mesa. Frise-se ainda a oferta pós-secundária existente no AEA com o Curso de Especialização Tecnológica de Gestão de Animação Turística, implementado em parceria com o Instituo Politécnico da Guarda. E “porque se vive muito melhor quando a nossa profissão é a nossa vocação” o AEA tem, e honra-se em ter, uma oferta educativa que, para além de rica e diversificada, é ampliada com os projetos de desenvolvimento dos nossos parceiros, que nos movem diariamente com a convicção e a certeza de estarmos a contribuir para o pleno e integral desenvolvimento dos nossos alunos. A formação que os nossos alunos recebem é algo que fará parte deles e que nunca perderão – este é o grande intuito do AEA: a prossecução da FELICIDADE. A direção Ficha Técnica:

História

2

ATALAIAS na Raia da Beira Alta “Atalaia” é um vocábulo de origem árabe”T- Talai’a”, lugar donde se exerce vigilância; sentinela”. Segundo o Dicionário do Morais Atalaia é uma “torre donde se observa e vigia ao longe o mar ou a terra”; também se pode referir aquele que observa, o sentinela. Neste sentido surge o verbo “atalaiar”, que significa “vigiar, observar de lugar alto para descobrir ao longe o mar ou a terra; ficar de sentinela, guardar”. A região onde nos encontramos, como zona de fronteira, desempenhou ao longo do tempo um papel que vincou a paisagem e deixou na toponímia inúmeros vestígios. Aqui a raia é muito vulnerável, chamando-se-lhe seca, ou seja, não apresenta obstáculos e acidentes naturais de maior, isto apesar da proximidade do rio Côa, com seu vale encaixado; recordamos que este curso de água deixou de constituir a linha de demarcação entre o Reino de Portugal e Castela no final do séc.XIII, com o Tratado de Alcanices (1297) e portanto a fronteira avançou para Oriente até onde sensivelmente se situa hoje. Dada a sua situação estratégica esta região raiana apresenta uma linha avançada de Castelos e Fortalezas de várias épocas históricas (Castelo Mendo, Cas-

telo Bom, Almeida, Vilar Maior, entre outros exemplos) e também pontos de vigia a que chamamos Atalaias. As Atalaias facilitavam e completavam a defesa da linha de fronteira, em especial das povoações, que assim se podiam acautelar melhor em caso de conflito. Os documentos escritos do séc. XVIII e XIX, bem como a Arqueologia (4) dão-nos conhecimento de muitas Atalaias na região, o que atesta as necessidades de defesa deste território raiano, extremamente vulnerável em caso de invasão. Uma importante fonte de informação é a memória sobre o território de Riba Côa datada de 1804 do francês August du Fay (1), na qual o autor faz uma interessante descrição topográfica, dos caminhos, estradas e onde explana considerações de carácter militar sobre esta região beirã. Revelou-se esta fonte fundamental para um primeiro levantamento das Atalaias da Raia. A partir desta fonte, apuramos que entre a raia/fronteira e o rio Côa se ergueram em tempos de guerra estruturas defensivas simples, algumas ainda visíveis, outras em ruína, passando hoje despercebidas. Na passagem do rio Côa registamos Porto de Atalaia (Roqueamador/Rendo); Caria Talaia, povoado fortificado (Rapoula do Côa) e Porto de Atalaião (nas imedia-

Figura 1 – Vestígios da Atalaia da Lomba do Carril (Malhada Sorda)

“dialogus” - Jornal Trimestral do Agrupamento de Escolas de Almeida

Propriedade e edição: Agrupamento de Escolas de Almeida Av.ª Prof. Dr. José Pinto Peixoto 6350-228 ALMEIDA www.agrupamentodealmeida.net // agrupamentodeescolasde.almeida@gmail.com Diretor: Joaquim Ribeiro Pedroso Paginação e design gráfico: Armindo Pereira // Textos e fotos: comunidade educativa do Agrupamento Impressão: LITORRAIA - Parque Industrial, Lt. 36 6320-317 SABUGAL


3

História

janeiro / 2015

ATALAIAS na Raia da Beira Alta ções da Ponte de Sequeiros). De Sul para Norte podemos referenciar alguns locais associados a sítios que se elevam na paisagem. Assim, temos o lugar de Atalaia ou Cabeço de Atalaiola (nas imediações da Aldeia da Ponte); Atalaia Velha e a Atalaia Nova (Alfaiates), Atalaia do Nujado (entre Alfaites e Aldeia da Ribeira), Carrasqueira da Sentinela (entre Nave de Haver e Poço Velho), Atalaia das Relvas, Atalaia do Picoto e Atalaia da Lomba do Carril (Malhada Sorda), Atalaia da Freineda (Freineda), Atalaia de Vilar Formoso (Vilar Formoso), Atalaia de Castelo Bom (Castelo Bom), Atalaia de Vale de la Mula (Vale de la Mula) e Atalaia de Malpartida (Malpartida). Esta realidade foi descrita por August du Fay da seguinte forma: “[…] Aqui estão seguintes as várias comunicações que findam em Almeida. Ao lado do Sul e flanco direito é aquela que chamando-se ao Carril vai dar por Aldeia da Ponte até Sabugal seguindo uma lomba continuada e deixando á sua esquerda além de muitas atalaias os lugares de S. Pedro, Vilar Formoso, Poço Velho, Nave de Haver, Batocas e Aldeia da Ponte […].” (2) Também a toponímia actual indicia a existência das antigas construções de alvenaria seca que os povos levantaram com objectivos de auto-defesa. Assim, podemos considerar os topónimos Nave Atalaia e Atalaia (Aldeia da Ponte); Atalaia (Aldeia da Ribeira, na margem esquerda da Ribeira da Aldeia de Ponte); Atalaia das Moitas (Vilar Maior); Atalaia (Vilar Formoso, junto ao vértice geodésico auxiliar, com uma cota de 808m) e Cabeço da Atalaia (Senouras). Os vestígios arqueológicos (4) vêm confirmar o que os documentos escritos revelam quanto às numerosas Atalaias que se ergueram outrora na região. São de registar alguns exemplos: a Atalaia de Castelo Bom (Atalainha ou Cabeço Vigia), que dominava o porto de S. Roque, ainda bem conservada; a Atalaia da Lomba do Carril (Malhada Sorda), muito arruinada (com uma cota de cerca de 830m) e a Atalaia de Vilar Formoso, da qual não

restam mais que algumas pedras, depois da construção nos anos 50 do séc. XX do vértice geodésico de 1ª ordem (cota de 818m). Estas duas últimas atalaias junto ao caminho do Carril, a principal e mais antiga via de comunicação no território de Riba Côa, tanto para fins militares como para a circulação de pessoas e produtos locais, fruto duma economia agro-pastoril. Numa curiosa descrição de meados do séc.XVIII (1758) o Abade de Vilar Formoso refere a existência de uma Atalaia, a qual se situaria onde hoje está implantado o vértice geodésico de 1ª ordem e faz um conjunto de considerações sobre a situação geo-estratégica do povoado: “Este lugar [Vilar Formoso] situado junto da raia de Castela, dista meia legoa ao lugar das Fontes de Onoro, Reino de Castella, e a raia, media a meya legoa , com uma cruz de pedra, suposto que a situação faz baixo com o valle por causa de hum regato chamado a Ribeyra de Tourois, que corre de Inverno, e de verão se seca, que corre junto as casas do Lugar, da parte de oriente; sempre o sitio he campina; fica como encostado, virado a oriente, e da parte de ocidente hum lugar alto chamado o Carril donde o lemite do Lugar que o divide huma estrada que vem da parte norte da villa de Almeyda para o meyo dia (…); está huma atalaya, junto da dita estrada com manancial de agoa, junto de ella que de verão he fria e de Inverno quente, e o tal sitio, tem campina bastante para neelle se fazer hua praça de armas pois deelle se avista a de Almeyda para o norte distante duas legoas e meya, e a de Castello Rodrigo sinco e meia, e para o ocidente se avistão muitas terras deste Reyno de Portugal (…)e para a parte do oriente se avistão muitas terras do Reyno de Casttela (…) e todas aas mais povoaçons, em cercuito, como tambem do alto da atalaya(…) ”. (3) Carlos Teles e Isabel Magalhães (docentes grupo 400/ História) [Este texto foi originalmente publicado pelos seus autores em Dezembro 2006]

(1) Engenheiro e mercenário ao serviço de Portugal, que desempenhou as funções de coronel do Estado-Maior, chefe da 2ª divisão (Entre Tejo e Douro) da Inspecção-Geral das Fronteiras do Reino, no início do séc. XIX. (2) in A.P. Vicente “A Região do Riba Côa na visão do francês August du Fay”, Colecção Bicentenário da Guerra Peninsular, 2006, Edição Câmara Municipal de Almeida, p.47 MARINHO dos SANTOS, João, Notícias e Memórias Paroquiais Setecentistas/4 Almeida, 2005, Co-Edição Centro História da Sociedade e da Cultura-UC/Palimage Editores, p 231

Figura 2 – Local onde se ergueu no passado a Atalaia de Vilar Formoso

TELES, Carlos e TELES, João, Levantamento Topográfico e Arqueológico do Concelho de Almeida, FLUC, 1981


janeiro / 2015

Notícias

4

Dia Internacional da Pessoa com Deficiência No passado dia 3 de Dezembro, celebrou-se o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. O nosso agrupamento, não quis deixar passar este importante dia em branco e convidou os Encarregados de Educação, dos nossos alunos especiais, para um lanche convívio. Neste foram partilhadas doces iguarias, mas também e principalmente experiências, receios, alegrias e reforçado o apoio entre todos os participantes. Foi a primeira vez que este tipo de atividades foi realizado no nosso agrupamento, talvez por isso a aderência não tenha sido a esperada. No entanto, foi um momento único! Foram reforçados os laços de confiança e pareceria entre todos. Não podemos deixar de agradecer a participação do serviço de psicologia do agrupamento, na pessoa da Dr.ª Vera Vilhena, que mais uma vez foi muito importante para atingir os objectivos a que nos propusemos e os quais fora amplamente

atingidos. O nosso agradecimento às entidades (Minipreço no Sabugal e A Nevão no Soito) que contribuíram, em géneros, para a concretização do lanche. O Grupo de Educação Especial agradece a todos os presença, assim como o maravilhoso ambiente que se criou e partilhou.

Desporto Escolar Com o início de mais um ano escolar, o Agrupamento de Escolas de Almeida, vem proporcionar a todos os alunos interessados a possibilidade de praticar uma actividade física, através do programa de Desporto Escolar implementado pela escola. Deste programa fazem parte 10 grupos/equipas das mais variadas modalidades: 3 de Futsal (Iniciados Femininos e Masculinos e Juvenis Masculinos);2 de Atletismo; 2 de Ténis de Mesa; 1 de Badminton; 1 de Xadrez e 1 de Multiatividades para todos os alunos com necessidades educativas. Com o começar do 2º período, vão também ter início os quadros competitivos das várias modalidades, salientando logo nas duas primeiras semanas de aulas os Megas (Mega km, Mega sprint, Mega salto e Mega lançamento) e o Corta Mato escolar, que este ano terá lugar em Vilar Formoso.

Deste 1º período destaca-se a 1ª concentração de Ténis de Mesa, que decorreu no dia 9 de dezembro, precisamente no pavilhão da escola sede do Agrupamento e onde os nossos alunos tiveram uma muito boa participação. O grupo de Educação Física


Notícias

5

janeiro / 2015

HALLOWEEN

No dia 31 de outubro, os alunos do clube de jornalismo, do 8º ano decidiram recolher informações sobre a forma como os alunos da Escola Dr. José Casimiro Matias viveram o dia do Halloween, e partilhá-las com todos. Percorremos as salas das turmas do 1º, 2º ciclo e pré-escolar, vimos os trabalhos que realizaram e a forma como se mascararam; fotografámos e gravámos alguns momentos para mais tarde recordamos

que podem ser visualizados no blog: paioldeletras.wordpress. com. No primeiro ciclo, as salas estavam todas enfeitadas com desenhos alusivos a esta data: desenhos com folhas das árvores, morcegos, bruxas, abóboras esculpidas, caldeirões. Além dos desenhos, alguns alunos traziam máscaras assustadoras. Todas as crianças sabiam o que estavam a festejar. Apesar da timidez que revelavam na nossa presença, mostravam-se muito felizes por serem entrevistados. Os alunos do pré-escolar de Almeida fizeram um desfile de Halloween. Este teve início na sua sala e foram até à secretaria, passaram pelo bar e pela sala da Direção. Ao longo do percurso, cantavam alegremente. No final fizeram uma exposição de desenhos alusivos ao tema. O divertimento foi geral!

A OHA está a mexer! A OFICINA DA HISTÓRIA E ARQUEOLOGIA - OHA -, no presente ano letivo, continua a desenvolver os seus objetivos, no domínio da História e Arqueologia e consequentemente numa abordagem ás múltiplas formas de Património. Os alunos inscritos nas duas escolas do Agrupamento são do 2º e 3º CEB. Os professores de História do AEA são os responsáveis pela dinamização das actividades. Se tens curiosidade inscreve-te, aparece ou visita-nos on-line! http://www.agrupamentodealmeida.net/

http://oficinaoha. blogspot.com/ Blog:

Facebook: oficinaoha Oha Youtube: http://www.youtube. com/user/oficinaha

Estamos a mexer!

Fios de Leitura

Um projeto de escola aLer+ Realizou-se no dia 7 de novembro, no auditório da Torre do Tombo, em Lisboa, o V Encontro de escolas aLeR+. No evento houve lugar à partilha de boas práticas de escolas e agrupamentos que fomentam a transversalidade da leitura em todas as áreas curriculares, envolvendo professores, alunos, assistentes operacionais, pais e encarregados de educação, no desenvolvimento de uma cultura de leitura nas redes concelhias. Os conferencistas convidados salientaram a importância da aquisição de hábitos de leitura pelos alunos e a forma como esta pode contribuir para o sucesso escolar, para o desenvolvimento de uma cultura de valores e para a formação do humano. O projeto apresentado pela biblioteca do Agrupamento de Escolas de Almeida “FIOS DE LEITURA” foi selecionado para entrar nesta rede de escolas que entende a centralidade da leitura no currículo e no projeto educativo como um meio para melhorar o sucesso educativo dos alunos, colocando a leitura e o prazer de ler no centro do projeto educativo. No encerramento esteve presente o Ministro da Educação e Ciência que entregou os diplomas aos agrupamentos e escolas agora integrados. Para saber mais: http://www.rbe.min-edu.pt/np4/1302.html


janeiro / 2015

Curso Vocacional

Recoleção de Frutos e Sementes de Outono

6

Apanha do marmelo

Apanha da azeitona

O Curso Vocacional de Almeida teve a sua primeira saída de campo, a 24 de Outubro, para a Freineda para recolherem marmelos. Esta ida à Freineda teve como objetivo apanhar marmelos para depois serem confecionados na cantina da escola para se transformarem mais tarde em marmelada e outros doces, no projeto que estão a desenvolver “cama mesa e roupa lavada”. Fomos acompanhados pela D. Graça, que nos ajudou a identificar algumas ervas comestíveis. Depois de confecionar os marmelos e de os transformar em doces tivemos a oportunidade de pôr todos aqueles doces caseiros numa prova de doces, na Escola e na casa Canto com Alma com alma. Os alunos do curso vocacional da escola de almeida estão muito contentes com o desenvolvimento do projeto. Alexandra Pereira

Na quarta-feira do dia 12 de Novembro de 2014, os alunos do curso Vocacional que estão a participar e a estagiar no projeto Cama Mesa e Roupa Lavada fizeram uma saída de campo a Escalhão para fazer a apanha da azeitona. Na saída de campo fizemos a apanha da azeitona num terreno do Sr. Mário, funcionário da escola de Almeida e nosso colaborador, que emprestou o terreno para se poder realizar a atividade. Na chegada ao local onde se ia realizar a atividade a professora deu instruções aos alunos para a realização da apanha. O Sr. Mário ensinou-nos como apanhar (ripar) a azeitona mais rapidamente e, assim, começamos a apanhar azeitonas e no decorrer da atividade colhemos outros frutos, o medronho. Acompanharam, participaram e trabalharam a D. Fátima e o Sr. Mário, funcionários da Escola. No fim da atividade os alunos juntaram todas as azeitonas que tinham apanhado e já na escola colocámo-las em água para adoçar. Edgar Esteves

Apanha da bolota No dia 31 de outubro de 2014 os alunos do curso vocacional que pertencem o projeto cama mesa e roupa lavada foram a apanhar bolota e outras coisas mais. A bolota foi descascada e cozida para doce, as que já estavam germinadas foram para o berçário. Gostei muito de ter realizado esta atividade e com isto aprendi outras coisas mais. Todos os estagiários do projeto cama, mesa e roupa lavada gostaram e os alunos do curso vocacional foram quase todos e foi muito divertido. Micaela Fonseca


Curso Vocacional

7

janeiro / 2015

Doce de Bolota

Doce de malagueta

No dia 18 de Dezembro de 2014 os alunos do curso vocacional reuniram-se para preparar doce de malagueta e bolota para a sua venta devido a sua crescente demanda. Utilizámos receitas pesquisadas e adaptadas pelo nosso grupo “cama mesa e roupa lavada”. Jonathan Jimenes

No dia 18 de Dezembro de 2014 os alunos do projecto: cama, mesa, roupa lavada fizeram doces, começamos por esterilizar os frascos do doce, também esterilizamos as tampas dos frascos, de seguida começámos a cortar a malagueta e guardamos as sementes para semearmos. À tarde fomos cortar as etiquetas para os frascos do doce de malagueta e colámos com a pistola de cola quente. Gostei de fazer o doce de malagueta, foi um dia bem passado com os meus colegas e com a professora. Obrigado à professora, que me propôs este dia. Gonçalo Cunha

“Construir o futuro” Plantar uma árvore Prova de Doces Gourmet No dia, 7 de Dezembro de 2014, os alunos do curso vocacional, estagiários da Cama Mesa e Roupa Lavada, organizaram uma prova de doces na Casa “Canto com Alma” em Almeida. Todos os doces foram feitos pelos alunos com produtos colhidos por eles mesmos, e cozinhados na cantina escolar devidamente etiquetados. Os alunos preparam a casa para esse dia, decorando-a. Esta atividade angariou fundos para futuros projetos, por exemplo para a estufa/berçário que queremos fazer. Bruno Monteiro, nº5

No dia 17 de Dezembro os alunos do projecto “cama, mesa e roupa lavada” fizeram uma plantação de árvores na Escola Dr. José Casimiro Matias. As árvores plantadas foram macieiras e pereiras. Cláudia Correia


Notícias

janeiro / 2015

Os melhores alunos de 2013/2014

8

Hugo Prata Miuzela

ºC ic lo 3.

1.

ºC ic lo

Na habitual reunião geral de início de ano letivo que juntou toda a comunidade educativa no Pavilhão Multiusos de S. Pedro do Rio Seco, no passado mês de setembro de 2104, foram divulgados os nomes dos melhores alunos de todo o Agrupamento de Escolas de Almeida, durante o ano de 2103/2014, nos diversos ciclos de ensino. Deixamos nesta páginas os nomes dos que mais se distinguiram desejando que a seu interesse e dedicação ao estudo continue e que possa também servir como incentivo para todos os alunos do agrupamento.

André Vicente Almeida

Afonso Martins Almeida

Rafaela Correia Almeida

Salomé Bispo Almeida

Filipa Albano Almeida

Tiago Adriano V. Formoso

Carolina Monteiro V. Formoso

Catarina Rico V. Formoso

Inês Dias V. Formoso

2.º Ciclo Celina Teles Almeida

Eva Dias V. Formoso

Rita Rico V. Formoso

Francisca Fonseca V. Formoso


Notícias

9

janeiro / 2015

Os melhores alunos de 2013/2014

Ensino Secundário Renato Bispo Almeida

Rita Fernandes V. Formoso

Ensino Profissional Fábio Prata Almeida

João Guerra V. Formoso

Prémio de Mérito Ana Sofia dos Santos Martins foi distinguida com o Prémio de Mérito do Agrupamento. Além do percurso escolar em que a média final do secundário lhe permitiu seguir o ensino superior no curso que mais desejava, Medicina, a aluna venceu as Olimpíadas Portuguesas de Biologia Sénior. Este triunfo permitiu-lhe participar, entre 6 e 13 de junho, nas Olimpíadas Internacionais da Biologia, que tiveram lugar na Indonésia (Bali). Esta viagem à Indonésia, segundo a Ana, foi fantástica e muito gratificante, não só pelos contactos com jovens de muitos países mas também por todas as atividades que teve oportunidade de desfrutar em Bali, nomeadamente um safari a idas à praia.

Esta não foi a primeira experiência da Ana no estrangeiro, pios há dois anos atrás, através do concurso “Ruta Quetzal”, permitiu-lhe uma experiência na Colômbia juntamente com outros 250 jovens de diferentes países. Quanto ao futuro, a Ana Sofia está a frequentar o Curso de Medicina (terminou o Ensino Secundário com média de 18,6 valores) e diz que gostava de conciliar o trabalho de laboratório e investigação com o acompanhamento de doentes. Já quanto às suas notas no tempo que esteve no Agrupamento, a Ana afirma que tem que se estudar muito e trabalhar bastante, referindo também que isso não é incompatível com outras atividades, pois também gosta e tem tempo de estar com os amigos, além de também fazer parte dos escuteiros, praticar natação e ter aulas de guitarra.

Agradecimento à comunidade escolar Infelizmente, não tive oportunidade de o fazer antes, mas não podia ir embora sem vos dirigir umas palavras, a vocês, professores, funcionários, direção da escola e colegas. Na verdade, o que vos quero dizer resume-se numa palavra: OBRIGADA! Obrigada pela disponibilidade, ajuda e apoio com que sempre me brindaram; Obrigada por vibrarem com as minhas conquistas, por partilharem da minha alegria, bem como das minhas preocuações e medos; Obrigada por me felicitarem; Obrigada por me terem dado o privilégio de viver rodeada de pessoas tão boas como vocês. Sinto-me uma sortuda por vos ter conhecido. Não se esqueçam de que foi, também, graças a vocês que cheguei aonde cheguei. INFINITAMENTE OBRIGADA! ATÉ SEMPRE.

Ana Sofia dos Santos Martins


janeiro / 2015

Pré-escolar e 1.º Ciclo

10

Semana da Alimentação Cumprindo o PAA, ao longo desta semana e como já vem sendo habito, os meninos do pré-escolar e 1º CEB de Miuzela, desenvolveram várias atividades em torno desta temática. Prepararam espetadas, saladas de frutas, marmelada, geleias…Só que desta vez devidamente equipados com chapéu de cozinheiro!

CHAPELANDO Tendo aderido ao projeto NEPSO, este ano subordinado ao tema “o chapéu”, têm sido várias as atividades que as educadoras desenvolveram com os seus grupos para que as crianças apreendam a versatilidade/utilidade do chapéu. Lengalengas, canções e histórias inventadas para o efeito, têm sido algumas das metodologias/atividades desenvolvidas para abordar o tema. De forma lúdica as crianças vão descobrindo algumas das funções que o chapéu pode ter. O soldado usa chapéu para se proteger…o cozinheiro usa chapéu por questões de higiene… E agora, sabiam que a bruxa Zebelina usa aquele chapéu porque a sua cabeça não para de crescer? Sabiam que o Pai Natal usa chapéu para esconder um GPS que o guia na noite de Natal? Estejam atentos à próxima edição, que mais os meninos do pré-escolar irão descobrir!


11

Pré-escolar e 1.º Ciclo

janeiro / 2015

A Festa de Natal na Miuzela No dia 13 de Dezembro de 2014 houve um encontro no Centro Cívico da Miuzela: a escola, o Jardim de Infância, Lares e Centros de Dia do Concelho de Almeida, promovida pela Câmara Municipal, para celebrar a Festa de Natal. O «Natal» é um dos momentos mais esperados do ano por todos nós, pois, é dar e receber alegria, felicidade... Assim, foi a nossa festa. Partilhou-se boa disposição, alegria... Na nossa escola houve uma grande lufa-lufa nos preparativos: Pintar o cenário, fazer os acessórios e trajes, para a nossa peça de teatro, ensaiar pequenas canções e poesias. Fizemos um teatro intitulado «A galinha medrosa» que era uma galinha que tinha medo de tudo, até da sua própria sombra... mas com o decorrer da história todos puderam constatar que até os mais medrosos são capazes de atos corajosos, quando guiados pela fé. Cantamos algumas musiquinhas, «A história de Maria», «Vai nevar», «Na lapinha de Belém» ensaiadas pelo nosso professor de música, Paulo Marques, e as nossas professoras. Cantamos o «hino da Miuzela» juntamente com os idosos do Centro de Dia. Depois a festa continuou pela tarde fora com a atuação dos

outros Centros de Dia e uma sessão de fados. Por fim a «Ceia de Natal» antecipada. O que correu menos bem foi o tempo. Estava muito chuvoso e frio! É próprio do Natal como diz o proverbio «Ande o frio por onde andar, no Natal há-de chegar.

HALLOWEEN O dia de 31 de outubro aproximava-se, as Srs. professoras pediram para trazermos de casa abóboras para trabalhar. Fizemos os moldes, e apanhamos folhas no recreio. Depois fomos com as abóboras para a sala do Jardim-de-infância, marcamos os desenhos nas abóboras, cortamos com uma faca e tivemos que retirar o que estava lá dentro com uma colher ou com a nossa mão. Fizemos ali uns grandes estragos nas abóboras, mas que lindas elas ficaram! Bebés com chupeta, comboio e piratas e a maior parte não tem reconhecimento possível...Mas todas elas tinham chapéu em formas muito variadas e muito coloridos! E as dos Jardim?! Mas que obras de arte!... Até decoraram a porta com a bruxa Zibelina e a sua vassoura. Depois exploramos uma história escrita pela educadora Adosinda «O chapéu de Zebelina» que aborda a separação dos entes queridos, morte, numa outra perspetiva. De tarde escurecemos a sala, pusemos uma vela dentro de cada uma das abóboras. Todos juntos aprendemos e recitámos o poema da bruxa Zibelina e ela, contente com o nosso trabalho ofereceu um chupa-chupa para cada menino!


12

Foto Reportagem

Ceia de Natal do Agrupamento

janeiro / 2015

Dialogus #9  

Jornal Escolar do Agrupamento de Escolas de Almeida

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you