Page 1

Docentes e Servidores Públicos Federais realizam mobilizações em todo país O governo federal deu uma demonstração clara nesta quarta-feira (19) de que não há disposição em negociar com os servidores públicos federais (SPF). O recado foi transmitido na reunião entre representantes do Fórum das Entidades Nacionais dos SPF e membros da Secretaria de Relações do Trabalho do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG), que aconteceu durante um ato realizado pelos servidores na Esplanada dos Ministérios, em Brasília (DF). A atividade contou com a presença de centenas de manifestantes de diversas categorias do funcionalismo público e integra o Dia Nacional de Mobilização chamado pelo Fórum. Em diversas cidades do país, os docentes federais se uniram aos demais servidores e foram às ruas cobrar atendimento à pauta unificada da categoria, em defesa de serviços públicos de qualidade e valorização dos SPF. Segundo informe passado após a reunião com o MPOG, o Secretário de Relações do Trabalho (SRT/MPOG) Sérgio Mendonça recebeu os dirigentes e foi explícito ao informar que o governo entende que há um acordo vigente, firmado em 2012 com várias categorias do funcionalismo. Por isso não iria negociar nem a pauta específica das categorias nem a unificada dos SPF. Além disso, Mendoça afirmou que não há margem orçamentária para revisão do acordado. De acordo com Paulo Barela, representante da Central Sindical e Popular – Conlutas na mesa, o secretário da SRT/MPOG disse apenas que seria possível refletir sobre a possibilidade de reajuste nos benefícios sociais. “Reivindicamos um calendário de reuniões para manter a porta aberta e Mendonça respondeu que não há necessidade, pois isso não irá reverter a posição do governo”, comentou Barela. O coordenador da CSP-Conlutas informou que as entidades cobraram do governo uma resposta escrita e oficial à pauta protocolada em janeiro, o que foi prometido para o final de março, e informaram que as entidades devem intensificar as mobilizações. “Vamos intensificar a mobilização para pressionar o governo a mudar essa postura intransigente, como fizemos em 2012”, finalizou. Fonte: ANDES-SN com edição da Adunifesp

Adunifesp realiza primeira Assembleia Geral de 2014 nesta quarta (26) A primeira Assembleia Geral dos Docentes da Unifesp de 2014 será realizada nesta quarta-feira, 26 de março, e vai debater a retomada da mobilização docente em todo o país. O 33º Congresso do ANDES-SN indicou a intensificação da luta pela restruturação da carreira, salários e condições de trabalho, além de uma rodada de assembleias docentes nas universidades federais entre os dias 24 e 28 de março. Já nos dias 29 e 30 de março, o Setor das Instituições Federais de Ensino (IFES) se reunirá em Brasília para discutir o quadro nacional e deliberar sobre o futuro das mobilizações e da luta conjunta com os Servidores Públicos Federais. A plenária acontece das 12 às 14 horas, no Anfiteatro A do campus São Paulo da Instituição. Além da mobilização docente, a Assembleia Geral também discutirá outros temas como a repactuação da Unifesp e o recadastramento no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (Siape).


33º Congresso do ANDES-SN orienta luta nacional dos docentes em 2014 Mais de 450 pessoas entre delegados e observadores participaram do 33º Congresso do ANDES-SN em São Luís do Maranhão. Instância máxima do movimento docente nacional, o encontro, ocorrido entre 10 e 15 de fevereiro, deliberou sobre as ações do Sindicato Nacional em 2014. Segundo o vice-presidente da entidade Luiz Henrique Schuch, o resultado do 33º Congresso para o Setor das IFES, em síntese, foi uma grande conclamação à mobilização da categoria. “A retomada ou não da greve ainda não está definida. Será decidida a partir das deliberações das assembleias. Assim como todas as ações do Sindicato Nacional, essa também se pauta na decisão da base. O que apontamos no momento é pautar o debate”, reforça o vice-presidente do ANDES-SN, apontando que veículos de imprensa tem noticiado de forma distorcida a deliberação do 33º Congresso, informando que os professores entrarão em greve em março. A presidente do ANDES-SN, Marinalva Oliveira, destacou a responsabilidade do Congresso na definição das ações em defesa do projeto de educação pública, por melhores condições de trabalho, carreira e salário, na intensificação da atuação do Sindicato Nacional e no fortalecimento da Central Sindical e Popular – Conlutas. “Temos a tarefa de apontar as estratégias para melhor posicionamento da classe trabalhadora, tanto na conquista de direitos como na acumulação de forças. Precisamos nos fortalecer e para isso a unidade é imprescindível”. O Congresso também apresentou a última etapa da Campanha de Sindicalização do ANDES-SN; lançou a 53ª edição da Revista Universidade e Sociedade, que tem como tema “Dimensões da luta: vozes da rua e as reflexões da universidade”; e a Comissão da Verdade do ANDES-SN apresentou um balanço de suas atividades desde a sua implementação. Além disso, durante o encontro aconteceu a inscrição de chapas para a direção do Sindicato Nacional para o biênio 2014-2016. Apenas uma chapa foi inscrita e é encabeçada pelo docente Paulo Rizzo, da UFSC. O documento que apresenta todas as propostas aprovadas no 33º Congresso é o relatório final e pode ser conferido aqui. Já a Carta de São Luís é o documento síntese das resoluções do encontro e pode ser lida aqui. O Congresso também aprovou um calendário de mobilizações. A agenda indicou as paralisações do dia 19 de março, rodadas de assembleias docentes nas universidades, entre os dias 24 e 28 do mesmo mês, para discutir a retomada da greve, e a convocação de uma reunião do setor das Instituições Federais de Ensino, nos dias 29 e 30 de março, para avaliar o quadro nacional. Após o Congresso, representantes do ANDES-SN já protocolaram a pauta dos docentes e realizaram reuniões com os Ministérios da Educação (MEC) e, juntamente com os demais Servidores Públicos Federais, com o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Fonte: Texto produzido a partir de matérias do ANDES-SN

Eleições do ANDES-SN acontecem nos dias 13 e 14 de maio As eleições da diretoria do ANDES-SN para o biênio 2014-2016 acontecem nos dias 13 e 14 de maio. A Comissão Eleitoral divulgou nesta segunda-feira (24) a homologação da única chapa inscrita. A chapa ANDES-SN de luta e pela base é encabeçada pelo docente Paulo Rizzo, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). A atual presidente da entidade Marinalva Oliveira é candidata a vice-presidente nacional e César Augusto Minto, professor da USP, a 1º vice-presidente da Regional São Paulo. A chapa não conta com nomes da Unifesp.

Boletim Adunifesp #04 (março de 2014)  

Boletim Adunifesp-SSind #04, gestão 2013-2015, publicado 25 de março de 2014. Jornalista responsável: Rodrigo Valente; Projeto gráfico e dia...

Boletim Adunifesp #04 (março de 2014)  

Boletim Adunifesp-SSind #04, gestão 2013-2015, publicado 25 de março de 2014. Jornalista responsável: Rodrigo Valente; Projeto gráfico e dia...

Advertisement