Issuu on Google+

A

SINDICATO

ANDES

Boletim

Ano 2 Número 2 Dezembro/Janeiro 2013

NACIONAL

Central Sindical e Popular - CONLUTAS

Gestão Autonomia na Luta

Reitoria volta atrás e revoga portaria do

PAD

Leia Mais

Chamada

Artigo

Revista Candeeiro recebe artigos P. 4

CODAP: História e desafios no interior das IFES P. 5


Boletim ADUFS

ditorial Nota de Esclarecimento

Aniversário da ADUFS 33 ANOS DE LUTA! O parabens vai para todos os associados que constroem a história da ADUFS

A ADUFS informa que apoia e contribui materialmente, dentro de suas possibilidades, apenas com eventos da UFS que possuam afinidade com os propósitos da Associação e estejam diretamente relacionados com a luta docente. Diretoria

Ao atravessar o final de mais um ano, é tempo de fazer um balanço do que vivemos nos últimos doze meses e do que esperamos para os próximos. Em 2012, como é do conhecimento de todos, tivemos a maior greve das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES) da história deste país: por cerca de quatro meses, professores, alunos e técnicos das IFES tiveram seu ano de trabalho comprometido com a luta por melhores condições de trabalho e educação. Apesar do longo período de greve, o diálogo entre o governo e os docentes foi bastante escasso, com apenas três reuniões entre representantes do ANDES e do governo, antes deste apresentar a sua proposta final. Apesar do esforço dos docentes para reabrir as negociações, o governo manteve-se intransigente e enviou para o congresso o Projeto de Lei (PL) 4368/12, que trata da carreira docente. Setenta e seis emendas propostas para esse PL não foram o bastante para que se instaurasse uma efetiva discussão sobre o PL na Câmara dos Deputados. Em regime de urgência, os deputados aprovaram o projeto do governo sem levar em consideração as emendas defendidas pela ANDES.

Para muitos de nós, professores da UFS, a falta de diálogo com os docentes não é exclusividade do governo e parece ser norma também das últimas administrações dessa universidade. Em 2012, alguns exemplos dessa política: a Portaria 2016, que normatizava o Plano de Atividades Docentes (PAD), e a Resolução 26/2012, que alterava os critérios para a progressão funcional de professores. Ao realizar a tomada de decisões que terão um grande impacto na vida dos docentes sem antes tentar estabelecer um diálogo, a administração da UFS perde grande oportunidade de escutar as suas bases e corre o risco de adotar medidas que irão de encontro à melhoria do ensino, da pesquisa e da extensão na UFS. É um desejo de toda a comunidade acadêmica que a nova gestão da UFS rompa com antigas práticas dessa universidade e que paute as suas ações a partir do diálogo e dos anseios dessa comunidade - esta é também a luta desta gestão da ADUFS. Nossa seção sindical se despediu de 2012 com a esperança de um 2013 melhor e com as palavras de Pedro Restrepo, trabalhador colombiano, pais de dois filhos desaparecidos há mais de 20 anos, que insiste em encontrá-los: somente perdemos a luta que não lutamos.

Envie sua opinião, crítica, artigo ou sugestão de matéria para o boletim da ADUFS. Contato através do e-mail comunicacao@adufs.org.br ou telefone (79) 3259-2021.

Vídeos da ADUFS no

As palestras e debates realizados no período de greve dos professores já estão disponíveis. Acesse o canal ADUFS ANDES no youtube e confira!

EXPEDIENTE DIRETORIA 2012-2014 - GESTÃO AUTONOMIA NA LUTA Presidente: Brancilene Santos de Araújo; Vice-presidente: Genésio José dos Santos; Secretário: Jailton Costa; Diretor Administrativo e Financeiro: Elyson Nunes Carvalho; Diretora Acadêmico e Cultural: Maria Aparecida Silva Ribeiro. Suplentes: Noêmia Lima (DSS/CCSA); Sérgio Queiroz de Medeiros (DCOMP/CCET); Carlos Franco Liberato (DHI/CECH) Boletim produzido pela ADUFS - Seção Sindical dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe do Sindicato Nacional dos Docentes de Instituições de Ensino Superior Endereço: Av. Marechal Rondon, s/n, bairro Rosa Elze, São Cristóvão-SE Jornalismo e Fotografia: Raquel Brabec (DRT-1517) / Design Gráfico e Ilustrações: Fernando Caldas / Colaboração fotos capa: fotógrafo Adilson Andrade O conteúdo dos artigos assinados é responsabilidade dos autores e não corresponde necessariamente à opinião da diretoria da ADUFS Contato ADUFS: Tel.: (79) 3259-2021 / E-mail: adufs@adufs.org.br / Site: http://www.adufs.org.br N° de Tiragem: 1000 exemplares

2


Nº 2

Movimento docente Reitoria volta atrás emite revogação do PAD

Como resultado da pressão feita pelos docentes da ADUFS, o reitor da UFS, Prof. Angelo Roberto Antoniolli, revogou em 3 dezembro a Portaria no 2016 de 7 de agosto de 2012, que normatiza o Plano de Atividades Docentes (PAD). A revogação saiu através da Portaria 3255, após reivindicações por uma maior discussão sobre o sistema. A portaria determina a criação de uma comissão presidida pelo vice-reitor, prof. André Maurício Conceição de Souza, e composta pelos diretores dos centros e campi da UFS, a saber: prof. Eduardo Oliveira Freire (CCET), prof. Antônio Carvalho da Paixão (CCBS), prof.ª Ana Maria Leal Cardoso (CECH), prof.ª Débora Eleonora Pereira da Silva (CCSA), prof. Éder Mateus de Souza (campus de Itabaiana), prof. Gilson Rambelli (campus de Laranjeiras) e prof. Mario Adriano dos Santos (campus de Lagarto), prof. Valter Joviniano de Santana Filho (Diretor AcadêmicoPedagógico do campus de Lagarto) além de um representante da ADUFS, prof. Antônio Fernando Sá. A comissão irá apresentar uma minuta de resolução que normatize o Plano de Atividade Docente, a ser apreciada pelo Conselho do Ensino da Pesquisa e da Extensão (CONEPE). Também deverá apresentar uma minuta de resolução que estabeleça normas e critérios para acompanhamento e avaliação do

Reitoria emite revogação do PAD

O que é o PAD? O PAD É uma ferramenta de planejamento e acompanhamento interno da UFS. Foi lançado na UFS em outubro de 2012, pelo Centro de Processamento de Dados (CPD). Esse sistema é uma exigência dos órgãos de controle externo - Controladora Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas da União (TCU).

docente em estágio probatório, como parte da necessidade de atualização da Resolução no 05/99/CONSU. Todos os professores foram convidados a participar da audiência pública para debate sobre o PAD e situação dos docentes em estágio probatório. Os debates ocorreram nos dias 16 e 17 de janeiro nos campi de São Cristóvão, Itabaiana, Laranjeiras e Lagarto, como forma de ampliar a participação dos professores na construção das novas resoluções. PAD Após a implantação do PAD na UFS, em outubro deste ano, os professores questionaram o grau de ingerência do novo sistema na carga horária docente. A principal queixa se refere às restrições no momento de preencher o formulário, pois algumas atividades são inexistentes,

apesar de serem executadas rotineiramente pelos docentes. “ Vários professores trouxeram reclamações para a ADUFS porque não conseguiram preencher o PAD”, diz a presidente da ADUFS, Brancilene Araújo. “No momento da implantação do sistema, várias das atividades que constavam na portaria não estavam no formulário online. Mesmo que você quisesse preencher sua carga horária, não conseguiria”. O professor David Soares, do Departamento de Matemática da UFS, faz uma sugestão por um sistema personalizado e aberto à captação de informações. “Você não pode mensurar a atividade dos docentes. É preciso que esse sistema seja mais aberto e que o próprio professor seja capaz de tipificar e descrever sua atividade”, afirma.

Assembleia vota nova composição dos GTs GT Carreira e Trabalho Docente: Prof. Marcos Pedroso (Codap); Prof. David Soares (DMA); Profa. Brancilene Araújo (DFS); Prof. Jailton Costa (Codap) e Prof. Augusto César (Núcleo de Secretariado Executivo)

GT Etnia, Gênero e Classe; Prof. Neilson Meneses (DGE), Profa. Elza Francisca (DPS), Prof. Hipolity Bricce (DCS), Prof. Genésio dos Santos (DGE) e Profa. Catarina Nascimento (DSS)

Os GTs são espaços criados especificamente para a realização de estudos sobre temas de GT Previdência e Aposentadoria: Prof. Marcos Pedroso (Codap), Prof. Airton interesse da seção sindical. Paula (DEE), Prof. Luis Alberto (Aposentado), Prof. Elyson Carvalho (DEL) e Profa. Noêmia Confira composição de cada GT: Lima (DSS)

GT Comunicação e Arte. Profa. Maria Aparecida (DLEV), Prof. Jailton Costa (Codap), Prof. Sérgio Queiroz (DCOMP) e Prof. Augusto César (Núcleo de Secretariado Executivo)

Em assembleia geral realizada no dia 04 de dezembro, os professores presentes votaram a composição e recomposição dos Grupos de Trabalho (GTs) da ADUFS.

3


Boletim ADUFS

Chamada Chamada textos Revista Candeeiro Poltica editorial A Revista Candeeiro é uma publicação anual produzida, desde 1998, pela Associação de Docentes da Universidade Federal de Sergipe (ADUFS-SSIND), cujo objetivo é criar espaços de interlocução entre docentes desta e de outras instituições de ensino, pesquisa, extensão e gestão. Sua missão é fomentar o debate sobre a educação pública brasileira, bem como fortalecer e visibilizar ações relacionadas à luta de diferentes categorias trabalhistas, movimentos sindicais, sociais e elementos das culturas que partilham o território nacional. Esse periódico apresenta-se como um espaço de livre expressão de ideias; a responsabilidade pelo conteúdo dos artigos publicados caberá, portanto, exclusivamente, aos seus respectivos autores. Para a edição de 2013, serão aceitos originais, sob a forma de artigos, resenhas de interesse de nossa linha editorial, em língua portuguesa. Ensaios fotográficos, textos poético-literários (contos, crônicas, poemas, literatura de cordel), entrevistas e relatos de experiências também podem vir a ser publicados. Os textos enviados para a Revista Candeeiro devem ser inéditos, porém, a critério do Conselho Editorial, poderão ser aceitos textos para republicação (no caso daqueles já enunciados, orais, impressos ou eletrônicos, inacessíveis em seu suporte de origem). O envio de textos é de fluxo contínuo, enfatizando, cada número, determinado núcleo temático previamente definido e divulgado por ocasião da chamada de textos. Haverá ainda uma seção livre, a qual os textos não diretamente relacionados ao tema poderão ser submetidos. Os textos serão lidos por membros do Conselho Editorial, que decidirão quanto à adequação e à oportunidade de publicação dos textos enviados. Os autores serão informados, individualmente, do resultado desta decisão. O Conselho poderá, ainda, sugerir modificações de estrutura ou conteúdo, condicionando a essas sua publicação. A revisão gramatical e adequação às normas editoriais são atribuições do autor ao submeter seu texto. Chamada de textos Revista Candeeiro Publicação da Associação de Docentes da Universidade Federal de Sergipe – ADUFSSSIND ISSN 1517-1175 Ano XIII No. 21

4

A Revista Candeeiro, por seu Conselho Editorial, abre chamada para o envio de textos de docentes desta e de outras instituições de ensino/pesquisa/extensão, bem como demais associações, interessadas em questões concernentes à educação, cultura, política e sociedade. Tema: Trabalho Docente Subtemas: 1.Desafios contemporâneos à carreira do magistério. 2.Tempos e espaços da educação: histórico das lutas e participação de docentes nos movimentos sociais. 3.Políticas públicas e reformas na educação: seu impacto no cotidiano do trabalho docente. 4.Formação inicial e continuada, progressão e estruturação da carreira do magistério. 5.Saúde, previdência e seguridade. 6.Diálogos intersetoriais: comunicação, cultura e arte. 7.Vida de professor: relatos de experiência. Normas de apresentação de trabalhos Revista Candeeiro ADUFS – Casa do Professor Av. Marechal Rondon, s/n, Jardim Rosa Elze CEP 49100-000 – Campus S. Cristóvão candeeiro@adufs.org.br Telefone: (79) 3259-2021 1.Os trabalhos deverão ser enviados unicamente por e-mail para o endereço: candeeiro@adufs.org.br. Uma ficha de identificação, contendo nome do autor, titulação, função e/ou cargo, unidade e d e p a r ta m e nto, e n d e re ço e l et rô n i co, residencial e comercial, telefones para contato, deve ser enviada, separadamente, no mesmo e-mail; 2.A submissão de textos deverá ser realizada, impreterivelmente, até o prazo de 31/03/2013. 3.Os textos não deverão exceder a 15 páginas, no caso de artigos; e 5 páginas, no caso de resenhas. Devem ser enviados em arquivo eletrônico, no programa Word for Windows ou compatível, em fonte Times New Roman (corpo 12, espaço 1,5), sem qualquer tipo de formatação, a não ser: indicação de caracteres (negrito e itálico). Margens de 3 cm. Recuo de 1 cm no início do parágrafo. Recuo de 2 cm nas citações. Uso de sublinhas ou aspas duplas (não usar CAIXA ALTA). Uso de itálicos para termos estrangeiros e títulos de livros e periódicos. 4.As citações bibliográficas serão indicadas no corpo do texto, entre parênteses, com as

seguintes informações: sobrenome do autor em caixa alta; vírgula; data da publicação; abreviatura de página (p.) e o número desta. (Ex.: SILVA, 1992, p. 3-23). 5.As notas explicativas, restritas ao mínimo indispensável, deverão ser apresentadas no final do texto. 6. As referências bibliográficas deverão ser apresentadas no final do texto, obedecendo às normas a seguir: Livro: sobrenome do autor, maiúscula inicial do(s) prenome(s), título do livro (itálico), local de publicação, editora, data. Ex.: SHAFF, Adan. História e verdade. São Paulo: Martins Fontes, 1991. Artigo: sobrenome do autor, maiúscula inicial do(s) prenome(s), título do artigo, nome do periódico (itálico), volume e nº do periódico, data. Ex.: COSTA, A.F.C. da. Estrutura da produção editorial dos periódicos biomédicos brasileiros. Trans-in-formação, Campinas, v. 1, n.1, p. 81104, jan./abr. 1989. 7.As imagens deverão ter a qualidade necessária para uma boa reprodução gráfica. No caso das ilustrações, deverão ser identificadas, com título ou legenda, e designadas, no texto, de forma abreviada, como figura (Fig. 1, Fig. 2 etc). Membros do Conselho Editorial (responsáveis por este número) Antonio Fernando Araujo de Sá Antonio Ponciano Bezerra Brancilene Santos de Araujo Elyson Ádan Nunes Carvalho Jailton de Jesus Costa Marlucy Mary Gama Bispo Maria Aparecida Silva Ribeiro Sérgio Queiroz Medeiros Jornalista: Raquel Brabec Produção e edição visual: Fernando Caldas Assistente de produção: José Nilson da Silva

Edições da revista Cadeeiro


Nº 2

Artigo

COLÉGIOS DE APLICAÇÃO: HISTÓRIA E DESAFIOS NO INTERIOR DAS IFES A concepção de Colégio de Aplicação surgiu no

atuação na formação inicial e continuada de

considerando a mudança na forma de ingresso

movimento da escola Nova/Ativa, a partir das

professores, não se limitando a campo de

de alunos, implementada desde 2010, de seleção

ideias do teórico mais orgânico desse modelo de

estágio.

através de provas para sorteio público de vagas,

pedagogia, John Dewey, no final do século XX. A

Na lógica inversa a essa perspectiva, tais

essa medida tem inviabilizado,

proposta dessa tendência articulava-se em

Colégios têm, nos últimos anos, no âmbito

significativamente, a política pedagógica

torno da experiência (CAMBI, 1999).

político, administrativo e pedagógico,

proposta no sentido de garantir o sucesso e a

No Brasil, os Colégios de Aplicação foram

vivenciado situações de entraves, agravadas

permanência desse aluno. Urge, também, a

criados através do Decreto Federal n° 9.053 de

com criação da carreira do Ensino Básico,

ampliação imediata do quadro de técnicos

1946. Inicialmente como Ginásios, tinham como

Técnico e Tecnológico (EBTT). Saliente-se que as

administrativos.

função específica servirem de campo de estágio

políticas implantadas para a carreira do Ensino

O debate sobre a atual demanda dos Colégios

às Faculdades de Filosofia, possibilitando a

Superior e para a EBTT não contemplam esses

de Aplicação tem que se fortalecer, interna e

prática docente aos graduandos dos cursos de

Colégios, a exemplo da reposição de vagas de

externamente, de forma a reverter essa adversa

Didática. A esse objetivo fora acrescido o de tais

professores, fato que se agravou com a

conjuntura, sob pena de se acentuar a

instituições tornarem-se espaços destinados ao

publicação da Portaria Interministerial nº 253,

precarização do trabalho, comprometendo o

desenvolvimento de práticas pedagógicas

de 26 de julho de 2011, que limitou o percentual

ensino de qualidade e a formação de

inovadoras, uma vez que, em 1966, com o fim da

de 20% do quantitativo de professores efetivos

professores, função majoritária desses Colégios.

obrigatoriedade da existência de tais escolas, foi

para contratação substitutos, sem

Fontes:

proposto, através do Parecer 262/62 do

disponibilização do Banco de Equivalente para

CAMBI, Franco. História da Pedagogia. São Paulo:

Conselho Federal de Educação, uma redefinição

reposição das atuais vagas dos Colégios.

UNESP, 1999.

para os Colégios de Aplicação, entendendo-os

Tal medida tem causado prejuízos irreparáveis

co m o c e nt ro s d e ex p e r i m e nta çã o e

aos Colégios de Aplicação das IFES,

demonstração. Ressalte-se que, há 20 anos, na perspectiva do

BRASIL. Repensando as Escolas de Aplicação, Série Institucional, vol. V. SESU-MEC, 1993.

comprometendo, significativamente, o

http://ndi.ufsc.br/2012/11/08/seminario-a-funcao-

desenvolvimento de suas finalidades. No caso

dos-colegios-de-aplicacaocap-nas-universidades-

Plano Decenal de Educação Para Todos (1993-

específico do Codap – UFS deixa próxima e clara

federais/. Acessado em 19 dez. 2012.

2003)/MEC, os Colégios de Aplicação são

a ameaça à histórica qualidade do trabalho ali

Marlucy Mary Gama Bispo- Professora e ex-

concebidos como mais um espaço de formação

desenvolvido, reconhecido como referência na

diretora do Codap-UFS.

de professores. Na lógica dessa discussão, o

esfera estadual e nacional. Ademais,

referido Plano propõe uma articulação com a Universidade, no sentido de retomar e fortalecer tais Colégios, “enquanto locais privilegiados para a reflexão sobre a prática

Participação da ADUFS na agenda nacional e local

escolar e a formulação de alternativas que viabilizem melhor preparação de recursos humanos para a Escola Básica, bem como o desenvolvimento de práticas pedagógicas compatíveis com as necessidades da criança e do adolescente” (BRASIL, 1993, p.10). Nesse entendimento, tem-se clara a superação

O QUÊ?

QUANDO?

ONDE?

Workshop sobre “A importância e a consciência do voto na terceira idade”

01 de outubro

Didática 5 do campus de São Cristóvão da UFS

X Curso de Cuidadores de Idosos

23 de novembro

Auditório da ADUFS

04 de dezembro

Didática 6 do campus de São Cristóvão da UFS

da imagem de escola-modelo, até então associada aos Colégios, estabelecendo-se a concepção de Colégios de Aplicação como espaços de referência no que diz respeito à educação básica brasileira. Reforça-se, então, a discussão da função acadêmica e universitária desses Colégios, sua atuação nas IFES, seu fortalecimento e ampliação, bem como sua

Mesa de Debate “A Mulher como Vítima de Violência Doméstica”

5


Boletim ADUFS

Carreira do professor

Governo sanciona lei que consolida desestruturação da carreira docente nas IFE A presidente Dilma Rousseff sancionou, na

discurso e prática do governo, dando

última semana de 2012, o texto da Lei

visibilidade às condições precárias em quase

12.772/2012, que consolida a desestruturação

todas as IFE, principalmente com a expansão

da carreira docente nas Instituições Federais de

via Reuni.

Ensino. O projeto, que contém elementos do

“Durante esse ano ficou explicitado que não

simulacro de acordo firmado entre o Executivo

há interesse do governo em garantir uma

e o Proifes, foi aprovado de forma sumária

universidade de qualidade para a população

tanto na Câmara quanto no Senado, sob

brasileira. Se tivesse, atenderia a reivindicação

pressão do pedido de urgência apresentado

dos docentes das Instituições Federais de

Olhe fundo nos meus olhos....

voces tem que me aceitar...

eu vou deixar a mente de voces vazia

Ensino (IFE) por uma carreira estruturada, que

pelo governo. Apesar de ter reafirmado recentemente que a

valorize a experiência e qualificação, e

Educação é “prioridade absoluta” de seu

também por melhorias nas condições de

governo, ao sancionar tal lei Dilma Rousseff

trabalhos nessas instituições”, observa.

não demonstra preocupação com a qualidade

Marinalva destaca que com a greve foi

das condições de trabalho, ensino e

possível fazer um debate sobre a educação

aprendizagem nas Instituições Federais de

que o governo quer, baseada na reprodução

DE: govern o para: Prof essores

LErIeirae carocent d

de mão de obra barata para o mercado, e no

Ensino. Marinalva Oliveira, presidente do ANDES-SN, ressalta que a greve dos docentes das IFE, que durou cerca de quatro meses, serviu para expor

sentido contrário à indissociabilidade entre ensino, pesquisa e extensão. Com informações do ANDES-SN

para a sociedade essa contradição entre

Procurador do MP pede extensão de prazo para substituição de terceirizados em HUs

Fila para atendimento no HU da UFS

Procurador do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas da União (MP/TCU), Júlio Marcelo de Oliveira, entrou com solicitação de medida cautelar no TCU para prorrogar até 31/12/2013 o prazo fixado pelo item 9.1 do Acórdão 2.681/2011, que trata do processo de substituição de terceirizados irregulares que atuam nos hospitais universitários do país. Apesar de os Ministros do TCU terem indeferido a medida cautelar, em sessão plenária ocorrida em 10 de dezembro, a solicitação de extensão do prazo foi considerada um passo importante frente à pressão pela adesão imediata à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). O governo utiliza a data de 31 de dezembro de 2012, previsto pelo Acórdão 2.681/2011, como prazo máximo de atendimento à empresa hospitalar.

6

Sem saída No Acórdão 2.081/2012, ficou mantida a exigência, em 31/12/2012, de regularização dos agentes terceirizados, incluídos os Hospitais Universitários (HUs), através da realização de concurso público. Porém, o Ministério do Planejamento não concedeu nenhuma autorização para a realização de concursos, impedindo que os reitores das universidades federais pudessem adotar medidas para regularizar a situação jurídica dos HUs sem comprometer a continuidade do funcionamento dessas instituições. No final de 2011, o Poder Executivo criou a Ebserh, empresa pública de direito privado, com objetivo de assumir a gestão de todos os HUs e outros hospitais públicos. A medida veio como a única saída apontada pelo governo para o problema dos terceirizados nos HUs, um total de 27 mil agentes em todo país.

Em seu relatório, o procurador entende que “o Poder Executivo está atuando de forma inconstitucional, ilegítima e imoral em sua tentativa de implantar a EBSERH nos HUs deste país, usando indevidamente o nome do Tribunal de Contas da União como meio de pressão ilegítima, de absurda coação moral, para constranger os gestores das universidades federais, especialmente seus reitores e os diretores dos HUs, a aceitarem essa verdadeira intervenção na gestão das universidades”. O procurador Júlio Marcelo também defende que a indissociabilidade do ensino, pesquisa e extensão das universidades, prevista na Constituição Federal, conjugada com a autonomia universitária, impedem que se admita a possibilidade de essas universidades entregarem a gestão de seus HUs, parte central da formação da mão de obra da saúde neste país, a uma entidade externa à universidade.


Nº 2

Premiação Professores da UFS recebem prêmio da Fapitec

Em sua 4ª edição, o Prêmio Fapitec/SE de Divulgação Científica e Inovação Tecnológica 2012 divulgou a lista dos ganhadores do ano. Ao todo, 6 professores da UFS foram premiados pela contribuição ao desenvolvimento científico, tecnológico e inovador do Estado. A cerimônia de premiação aconteceu no dia 14 de dezembro, no auditório da Federal das Indústrias de Estado de Sergipe (FIES), durante a programação do Dia do Empresário.

O edital referente ao prêmio acontece todos os anos, uma promoção da Fundação de Apoio à Pesquisa e Inovação Tecnológica do Estado de Sergipe (Fapitec/SE). O objetivo da iniciativa é incentivar a pesquisa em Ciência, Tecnologia e Inovação (C,T&I) no Estado, além de estimular a participação de bolsistas, pesquisadores, jornalistas e empresários em atividades científicas. Para se candidatar à categoria

Pesquisador Fapitec, os professores deveriam ser pesquisadores ou bolsistas da Fapitec em nível de doutorado, com projeto concluído ou em desenvolvimento nos últimos cinco anos em editais da mesma fundação. Das sete modalidades que representam as áreas da ciência, seis foram preenchidas por trabalhos desenvolvidos por professores da UFS. Os ganhadores de todas as categorias receberam um prêmio no valor de 1 mil reais.

Conheça um pouco mais sobre os trabalhos premiados Ciências Agrárias Pesquisadora: Maria de Fátima Arrigoni Blank (Departamento de Engenharia Agronômica) Trabalho: O trabalho teve por objetivo a indução de calos em acessos de patchouli [Pogostemon cablin (Blanco) Benth] (espécie aromática pertencente à família Lamiaceae que possui grande valor comercial devido ao óleo essencial extraído de suas folhas) para estudo do metabolismo primário e secundário.

Ciências Biológicas Pesquisador: Daniel Pereira Bezerra (Departamento de Fisiologia) Trabalho: As plantas são promissoras fontes de novos bioativos compostos. O objetivo do estudo foi investigar o potencial citotóxico de nove plantas encontrado no Brasil, das famílias Annonaceae, Apocynaceae, Euphorbiaceae, Clusiaceae, Verbenaceae e Lamiaceae. Como resultado, o estudo contribui para a compreensão das potencialidades de plantas do Brasil como fontes de novas drogas anticancerígenas.

Ciências Exatas e da Terra Pesquisador: Emmanoel Vilaça Costa (Departamento de Química) Trabalho: Avaliação do potencial químico das espécies de Annonaceae de Sergipe frente às atividades biológicas contra o protozoário causador da Doença de Chagas, as larvas do mosquito causador da Dengue, bem como seu efeito em fungos e bactérias, buscando para isso novas fontes de produtos naturais bioativos.

Ciências Humanas, Linguística, Letras e Artes Pesquisador: Sergio Hugo Menna (Departamento de Filosofia) Trabalho: Trabalho histórico e argumentativo que analisa os principais projetos direcionados a construir métodos de criatividade científica. A abordagem explora a interface entre a filosofia e as ciências cognitivas, e tem corolários para a compreensão, a divulgação e o ensino da ciência.

Ciências Sociais Aplicadas Pesquisador: Elmer Nascimento Matos (Departamento de Economia) Trabalho: Implicações em termos da estrutura industrial de Sergipe dos investimentos resultantes da atração de sua política de incentivos fiscais, destacando seus limites e barreiras impostas pela sua própria dinâmica. Os resultados mostram que, a depender da política descentralizada de atração industrial, sem a coordenação do governo central, levará apenas à realocação de setores da indústria no território nacional sem maiores pontos de agregação para a soldagem da economia brasileira e pouco contribuindo para a resolução de sua questão regional.

Engenharias e Computação Pesquisador: Hendrik Teixeira Macedo (Departamento de Ciência da Computação) Trabalho: Investigação de possibilidades de uso de robótica para o aprendizado e para pesquisa de Inteligência Artificial (IA). Um pré-requisito importante era que os dispositivos robóticos utilizados tivessem baixo custo de aquisição ou construção, de forma a potencializar a disseminação de seu uso. Trabalho realizado com participação dos professores Dr. Marco Túlio Chella (DCOMP/UFS) e Dr. Leonardo Nogueira Matos (DCOMP/UFS) e do ex-aluno Danilo Henrique Fonseca Menezes (Bacharel em Ciência da Computação)

7


Eventos ADUFS inaugura Sala de Leitura Desde a inauguração da sede própria da ADUFS, a Casa do Professor, em 2012, o projeto incluía uma Sala de Leitura para os docentes, que pudesse ser usada também para reuniões de grupos menores, comissões, comandos de greve, representantes dos diversos segmentos de nossa categoria e demais envolvidos no movimento sindical. A ideia começou a tomar corpo quando a Editora da UFS, na pessoa do professor Péricles Morais fez uma expressiva doação de títulos para este espaço. Daí em diante, um pequeno aviso no mural ao lado da máquina de café fez com que novas contribuições fossem chegando. O nome da sala foi uma decisão unânime entre diretoria e associados de diferentes centros. E no dia 19 de dezembro, a ADUFS inaugurou a Sala de Leitura Prof. João Costa durante a confraternização de final de ano dos professores. O espaço conta com títulos variados, de literatura a trabalhos acadêmicos, e está aberto ao público das 8h às 19h para consulta e leitura local. A Sala de Leitura homenageia o professor João Costa, do Departamento de Letras da UFS. A escolha do nome se deve ao reconhecimento do grande formador de professores e demais profissionais da UFS. João Costa faleceu em janeiro de 2011. Prestigiaram o evento a esposa e o filho do professor homenageado, Dona Maria Costa e o advogado João Carlos Oliveira Costa. “Ficamos muito agradecidos pela homenagem ao meu pai. Acredito que é um reconhecimento por tudo o que ele fez em nome da educação. Tinha verdadeiro amor pelo que fazia, contribuía de coração, e conseguiu transferir isso para muita gente, inclusive para os filhos”, disse João Carlos. O professor Antônio Ponciano, que conviveu com João Costa, descreveu seu companheiro de jornada no discurso de abertura da sala. “Era um homem divertido, de bom humor, sincero. Ele me formou, serviu de modelo e foi uma grande referência do Departamento de Letras. Parabenizo a ADUFS por criar esse espaço de reconhecimento a João Costa, é uma homenagem muito merecida”, afirmou. Após a abertura da sala, os participantes se dirigiram ao auditório da ADUFS para dar continuidade à programação. Houve apresentação de contadores de história Antenor e Izabel, do Grupo Prosarte,

seguida de discursos por parte dos professores. Um coquetel fechou a noite comemorativa de final de ano. Os critérios para a circulação dos volumes ainda estão sendo discutidos internamente, mas já está disponível a livre consulta dos títulos pelos associados e a utilização do espaço para fins de estudo, pesquisa em arquivos impressos e digitais. A ADUFS continua aceitando doações para o acervo da sala.

Francisco Dantas: finalista do prêmio Machado de Assis, da FBN O livro “Caderno de Ruminações”, do escritor sergipano Francisco Dantas, foi uma das obras finalistas do Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional, na categoria Machado de Assis. A informação foi veiculada em 15 de dezembro no blog do escritor e jornalista Felipe Pena, um dos jurados da categoria Romance da premiação. O Prêmio Literário da Fundação Biblioteca Nacional 2012 tem por objetivo premiar autores, tradutores e projetistas gráficos em reconhecimento à qualidade intelectual e estética de suas obras. Ao todo, são oito categorias para o prêmio; o primeiro colocado de cada um deles foi contemplado com o valor de R$12.500,00. O resultado saiu no dia 21 de dezembro. Lançado em 31 de maio de 2012, o livro do romancista sergipano e professor

aposentado do Departamento de Letras da UFS, publicado pela Editora Alfaguara, conta a história do doutor Otávio Benildo Rocha Venturoso, que vive um momento de crise profissional e amorosa. Prestes a se casar com sua prima Analice, mulher de caráter duvidoso, ele começa a remoer seu passado, lembrando-se da infância Livro foi lançado em maio no interior do Sergipe, da de 2012 rigidez do pai e de seus estudos como médico. Francisco Dantas nasceu em Riachão do Dantas e possui outras obras publicadas: Cartilha do Silêncio (1997) e Os Desvalidos (1993).


Boletim ADUFS nº 2