Page 57

expansão e precarização do trabalho na universidade

comparando-se o ano de 2005, ano inicial dos contratos examinados, ao ano de 2010 (esse per-centual, em seu cálculo, desprezou os servidores da firma Sulclean que atuam no HUSM, devido ao fato do contrato inicial desses trabalhadores não ter sido examinado). Em relação aos servidores técnico-administrativos, embora tendo um aumento no número de trabalhadores entre os anos de 2006 e 2010, conforme dados obtidos junto a PRRH, esse percentual foi de 7,25%, apenas. A diferença entre os dois tipos de contratação é gritante, sendo possível inferir que a UFSM está passando por um processo de terceirização em seus serviços. A intensificação do trabalho na UFSM fica evidente pelas respostas obtidas através do questionário aplicado segundo o método de medida de intensificação de Sadi Dal Rosso. De acordo com os trabalhadores, essa intensificação do trabalho não se dá pelo aumento da jornada de trabalho, uma vez que esta é fixa, mas acontece pelo preenchimento de pequenos intervalos que antes existiam e que hoje são preenchidos não mais por uma conversa com um colega ou por um cafezinho, e sim com o trabalho que cada vez mais se acumula com poucos servidores para realizá-lo. Existe também, como medida dessa intensificação, um aumento no ritmo e velocidade do trabalho e embora exista a cobrança por parte das chefias, ela é menor que a exigência da necessidade imposta pelo próprio trabalho, que deve ficar pronto e essa é uma cobrança individual feita por cada servidor sobre si mesmo. Sobre a saúde do servidor notou-se através dos dados obtidos com a Junta Médica que a regulamentação para a apresentação dos pedidos de afastamento parece ter intimidado os servidores, que passaram a apresentar menos atestados. Já nas respostas dadas, ao serem questionados, os trabalhadores, embora tenham em sua maioria respondido que sua saúde está igual ao período de ingresso, a margem que o separa de um estado pior é muito pequena, mas diferentemente da pesquisa observada na Universidade Federal Fluminense, em que a piora do estado de saúde dos servidores estava ligada a relações interpessoais e ao trabalho, na UFSM o que parece estar agravando o estado de saúde dos trabalhadores é um fator natural e relatado por alguns que é a idade, pois segundo eles, há vinte anos a saúde era bem melhor. As relações interpessoais variam entre boas, muito UNIVERSIDADE E SOCIEDADE

boas e ótimas em sua maioria, porém com ressalvas a falta de tempo para o convívio com os colegas devido ao acúmulo de trabalho. Outro ponto a ser ressaltado é a dificuldade imposta pela convivência com trabalhadores contratados de forma diversa e com remuneração tão desigual, o que de certa forma exerce pressão sobre os servidores, dificultando o relacionamento. Cabe a nós, professores, servidores técnico-administrativos e alunos, juntamente com o conjunto da sociedade, comprometermo-nos com a construção de uma universidade verdadeiramente popular, em que as pessoas possam sentir orgulho por trabalhar em uma instituição em que serão tratadas com o respeito, a democracia e a justiça que merecem e que a sociedade tanto necessita. Vamos à luta. Referências BRESSER PEREIRA, L. C. Os Primeiros Passos da Reforma Gerencial do Estado de 1995. Brasília: 1995. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/Papers/2010/Os_primeiros_passos_reformar_gerencial_estado_1995.pdf>. Acesso em: 4 out. 2010. DAL ROSSO, S. Mais Trabalho! A Intensificação do Labor na Sociedade Contemporânea. Ed. Boitempo, 2008. São Paulo – SP. DAL ROSSO, S. Mercado universitário - Diretrizes para a contratação de serviços, continuados ou não. Revista Universidade e Sociedade. Nº 42, junho, 2008. 212 p. GRAZIANO, W. Hitler ganhou a guerra – o poder econômico e o jogo de interesses por trás das relações internacionais. E. Palíndromo, 2005. São Paulo-SP. MARE. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. A Nova política de recursos humanos / Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Brasília: MARE, 1997. 52 p. Cadernos MARE da reforma do estado; c.11. Disponível em: < http://www.planejamento.gov.br/secretarias/upload/Arquivos/publicacao/seges/PUB_Seges_Mare_ caderno11.PDF> Acesso em: 3 out. 2010. MARE. Ministério da Administração Federal e da Reforma do Estado. Os Avanços da Reforma na Administração Pública: 1995-1998. Brasília: MARE, 1998. 127 p. Cadernos MARE da reforma do estado; c.15. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/documents/mare/ cadernosmare/caderno15.pdf> Acesso em: 3 out. 2010. UFSM. Comissão Interna de Supervisão da Carreira. UFSM, 2010. Santa Maria - RS Disponível em: <http://jararaca.ufsm. br/websites/cis/5cb28b408ccb67f7361bda014ec5857b.htm> Acesso em: 5 out. 2010.

DF, ano XXI, nº 48, julho de 2011 - 63

Revista Universidade e Sociedade - N°48  

Revista do Sindicato Nacional ANDES-SN

Advertisement