Page 107

Consciência de classe, organização de classe

que constituem o fundamento da sociabilidade huma- se disponham a devolver os meios de produção que na, isto é, ela não é uma força que se impõe ao humano são de fato nossos. Esse é o único acordo possível. como a Ideia Hegeliana ou sua expressão no EspíriA contradição no âmbito do real se expressa na to Objetivo ou no Espírito Absoluto. Assim, não nos possibilidade de uma contradição no momento da espanta que a forma imediata da consciência da classe consciência, de forma que podemos falar da possibilitrabalhadora seja a expressão da mesma consciência da dade de uma consciência de classe própria de cada segburguesia. Por quê? mento que personifica esses interesses distintos. Aqui Porque o proletariado não vive em outras relações. se apresenta outro risco. Há um viés sociológico que Ele vive nas relações constitutivas do capital. Portanto, tenta entender a consciência de classe como forma de a primeira expressão de uma consciência social, que os pensamento típico de cada classe, ou seja, a partir de trabalhadores tomam como sua, é a expressão das re- que valores pensam e agem os trabalhadores, ou a parlações que eles compartilham com a burguesia na exis- tir de que valores pensam e agem a burguesia, ou os tência mesma da sociedade capitalista. camponeses, ou a pequena burguesia e assim por dianSendo assim, podemos afirmar que a primeira ex- te, numa clara aproximação em relação ao universo da pressão da consciência dos trabalhadores é a consci- sociologia compreensiva de Weber (1979) e, no limite, ência burguesa. Eles pensam o mundo e a si mesmos a um problema antropológico que permitiria ao pesquipartir dos elementos que constituem a consciência da sador ir até a classe trabalhadora como Levi-Strauss burguesia, e não nos espanta que a primeira expressão diante dos trobriandeses. prática dessa forma de consciência seja o amoldamento O problema é que dessa forma se torna impossível dos trabalhadores à sociedade da qual eles fazem parte compreender o ser da classe e sua consciência. O ser e não sua negação. da classe é um ser em movimento, ceifado de contraA pergunta, então, passa a ser outra: como é pos- dições e seu processo de consciência também, que só sível superar esse amoldamento, uma vez que estamos pode ser compreendido no interior da totalidade de condenados a partilhar com nosso adversário de classe suas relações e não isoladamente. a mesma base material que constitui o fundamento de Dissemos que a primeira expressão da consciência nossa consciência social? é a do amoldamento, é a consciência da ordem da qual É, no entanto, esse mesmo fato que permite a possi- os trabalhadores fazem parte, expressando aquilo que bilidade dos trabalhadores irem além de sua consciên- Marx, em seus primeiros textos, largamente analisou cia imediata. A sociabilidade em que estamos inseridos como o fenômeno da alienação. é cindida em interesses de classe opostos, Em um outro momento, vemos os A sociabilidade antagônicos e irreconciliáveis. Tem gentrabalhadores se revoltando, entrando em que estamos te que ainda acredita que não se trata de em luta, reivindicando suas demandas um antagonismo irreconciliável, ou seja, imediatas, aqui e ali explodindo em inseridos é cindida em acredita na possibilidade de conciliação formas mais avançadas de luta contra interesses de classe entre as classes. a ordem capitalista. Em situações mais opostos, antagônicos Vejamos porque são inconciliáveis. precisas e raras podemos ver os trabae irreconciliáveis. A sociedade é dividida entre aqueles que lhadores levantando-se em movimentos apropriaram os meios de produção, conhistóricos significativos, rompendo a Tem gente que ainda tratam a força de trabalho, extraem maisordem burguesa, ousando ir além dela, acredita que não se trata valia, acumulam privadamente a riqueza derrubando o estado burguês, iniciando de um antagonismo socialmente produzida. De outro lado experiências socialistas. irreconciliável, ou seja, estamos nós, expropriados dos meios Diante desse movimento, as pessoas que nos permitem produzir os bens que se perguntam: qual é, então, a verdadeira acredita na possibilidade satisfaçam nossas necessidades. Que tipo essência da consciência da classe? de conciliação entre de acordo que podemos ter com eles? Aqueles que acham que a verdadeias classes. Talvez poupá-los fisicamente, caso eles ra essência da consciência da classe esUNIVERSIDADE E SOCIEDADE

DF, ano XXI, nº 48, julho de 2011 - 125

Revista Universidade e Sociedade - N°48  

Revista do Sindicato Nacional ANDES-SN

Advertisement