Page 113

No entanto, é de salientar o esforço por parte da Direcção Geral dos Serviços Prisionais que procurou fomentar novas dinâmicas público-privadas para, desta forma, explorar a mão-de-obra disponibilizada pelos reclusos, retirando desta acção vantagens económicas tanto para este como para o próprio sistema prisional: “O objectivo é, explicou o responsável Rui Sá Gomes (antigo director da DGSP), criar trabalho, dar formação, permitir empregabilidade. Vamos tentar que as prisões possam elas próprias funcionar como prestadores de serviços a terceiros. [...] Porque é que um estabelecimento prisional não pode ser encarado como uma empresa, rentável para bem do recluso e do próprio sistema?”108 Estas acções, contudo, continuam a interpretar a prisão como um edifício fechado, não existindo em Portugal qualquer estabelecimento prisional, construído ou em estado de projecto, que procure uma dimensão programática de equipamento público, que enriqueça a cidade e não se feche perante esta109. Os três terrenos escolhidos, segundo este critério, localizam-se na cidade do Porto, junto das denominadas novas centralidades urbanas, procurando que o edifício prisional funcione como dinamizador desses lugares e redefina urbanisticamente os seus espaços envolventes. Assim os lugares abordados localizam-se em Bessa Leite, junto à Avenida da Boavista e do Pólo II da Universidade do Porto; em Francos, junto da avenida AEP e na Constituição, junto do Hospital da Prelada e encontram-se sucintamente ilustrados nas imagens e descritos nas páginas 41, 42 e 43 do volume II desta prova. A procura de um lugar periférico, isolado dos grandes centros urbanos, partiu dos princípios inerentes a um dos edifícios contemporâneos que me acompanhou e influenciou ao longo de quase todo o meu percurso académico: o convento de La Tourrete. De uma forma sucinta, pretendia-se que este edifício permitisse “Alojar 103 no silêncio homens de oração e de estudo e construir-lhes uma igreja.”110 Assim o arquitecto Le Corbusier ergueu um edifício sobre um terreno isolado, junto da pequena vila de Eveux-sur-Arbesle, em Lyon, rodeado por uma floresta densa, cuja pendente permitiu que este se elevasse fazendo com que uma das suas fachadas captassem todo o horizonte, voltando para esta paisagem alguns dos dormitórios, a sala de convívio comum, o refeitório e o capítulo. O silêncio daquele lugar e o horizonte por ele oferecido transformaram-se na casa dos homens que pretendiam encontrar a disciplina através da religião. As fronteiras que separam os conceitos de um convento e os de uma prisão são ténues. Num convento os seus habitantes vivem por vontade própria, segundo regras rígidas, num ambiente de clausura, procurando a disciplina nos espaços que o constituem, com o objectivo de “[...] eliminate the private and all the material distractions to encourage and enrich the spiritual life. A plain cell and minimal possessions encouraged meditation on the transcendent, [...] and from the solitude of the plain cell the monk came to this communal life in a setting of magnificent and soaring architecture, embellished with the finest of crafts of present and past times.”111 Um edifício prisional deverá também, através das suas características arquitectónicas e da sua correcta in Público 18 Setembro de 2006, p. 20 Esta afirmação baseia-se nas informações acessíveis sobre este assunto, que se limitam àquelas que foram mencionadas ao longo desta prova, sendo de relembrar que se encontra em fase de projecto uma prisão para Lisboa, a implantar junto do Estabelecimento Prisional do Linhó, mas cujo funcionamento e programa me foi impossível consultar por questões de sigilo 110 BOESIGER 1994, p. 122 111 FAIRWEATHER 2003, p. 9 108

gestão, permitir que essa disciplina seja administrada aos homens que nela se vêem obrigados a habitar, possibilitando-lhes construir princípios de reestruturação e de reinserção, sendo fundamental que o lugar, como um dos elementos principais do projecto, reúna as condições necessárias para que tal objectivo seja alcançado.

109

these  

Prova final em arquitectura na FAUP - 2006_2008