Page 1

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009 ANO III Impresso da Continental - Fábrica de Pneus de Camaçari

entrevista

Ana Rita Fraga | Seleção e treinamento

meio ambiente Salve a natureza!

conti com você e você! Do estágio à contratação

Continental Camaçari Três anos na rota da


sumário

4 7 8

26

10

responsabilidade social / conti contra a dengue

12

18

segurança /

Mente e corpo zen, segurança bem

Construção. Que departamento é esse?

editorial entrevista Ana Rita Fraga Seleção e treinamento garantem satisfação no trabalho

big six Planejando e executando!

capa /

22 raio-x /

Novos desafios: Estamos preparados para o novo?

Continental Camaçari: Três anos na rota da evolução

20

28

entre nós

conti com você e você! do estágio à contratação

meio ambiente

Salve a natureza!

30

mudando de área…

31

mundo conti

32

retrô

Por Andréia Assunção


entre nós

Por Pedro Carreira (Diretor Superintendente)

Novos desafios Estamos preparados para o novo?

dos a enfrentar. Parte desse estresse se dá em virtude dos fatores externos apresentados no artigo anterior.

Estamos no meio do ano e devemos refletir todos os acontecimentos que estão à nossa volta. Devemos olhar para o futuro e tentar visualizar o que ainda está por vir, pois como uma boa equipe precisamos nos antecipar aos acontecimentos e estarmos preparados para o segundo tempo do jogo! Dobrando os esforços e contendo custos, a Continental conseguiu atingir os valores necessários para manter os empréstimos, junto aos bancos, com os juros esperados (no qual nos referimos no último encontro “Entre Nós”). Isso significa que ganhamos mais tempo, podendo alguns dos projetos “congelados” que tínhamos em Camaçari voltar à luz do dia.

E nós, como ficamos? Neste momento as nossas vendas (da Fábrica) caíram mais do que o esperado por falta de artigos que somente são produzidos pela fábrica de Camaçari e direcionados ao mercado brasileiro. Os resultados de maio e junho com a produção foram abaixo do esperado. O mês de julho começou mal mas esperamos que a situação mude de cor, pois grandes projetos estão em jogo e precisaremos nos esforçar ainda mais nos próximos dois meses para recuperar os pneus que perdemos por conta da atual conjuntura.

Apesar de todas as dificuldades enfrentadas ao longo do semestre, acreditamos esperançosamente que nos próximos meses a situação volte a ficar estável, pois somente quando isso acontecer poderemos avaliar como ficará o mercado brasileiro e se a retoma dos nossos projetos congelados poderá sobrevir ainda este ano. De todo modo, continuaremos buscando melhorar nossa eficiência e os nossos índices de acidentes e absenteísmo. Precisamos lembrar que por trás de toda a nossa aparelhagem e produção, existem pessoas! E é com estas atuações que vamos trabalhar em prol de um mesmo objetivo, e cada vez mais engajados transformaremos a fábrica de Camaçari em uma das melhores fábricas do Grupo Continental.

5 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

cancelamento de projetos, ajustes nas equipes, enfim um pouco mais de estresse do que estamos habitua-

A crise não acabou e acredito que ainda levaremos de um a dois anos para recuperar no Brasil o ritmo que começávamos a imprimir em termos de aprovações junto às montadoras, que com o colapso da economia diminuíram o interesse em nossos pneus mantendo seus atuais fornecedores.

ANO III

só as negociações coletivas, mas infelizmente para todos nós, férias coletivas devido aos cortes de produção,

Não podemos separar a Conti Camaçari do que acontece na Alemanha, pois é lá que está a matriz da nossa empresa, que também vem fazendo contenções com os rumos que o segmento tem tomado nos últimos meses. Mudar as regras do jogo nunca é uma tarefa fácil, mas se faz necessária à medida que o mercado se transforma. Como exemplo podemos citar a Europa, que ainda continua atravessando um mau momento, sofrendo perdas constantes de produção devido a crise econômica.

conticomvocê

Neste segundo trimestre atravessamos, mais uma vez, uma etapa da nossa vida em Camaçari, que incluiu não


editorial

Por Kalil Nicioli

(Gerente de Recursos Humanos)

Conti com Você Revista Continental - Fábrica de Pneus de Camaçari Ano III, Edição 08/2009 Diretor Superintendente: Pedro Carreira | Gerente de Recursos Humanos: Kalil Nicioli Jornalista Responsável e editora chefe: Adriana Souza| Editoração: Accessing | Fotos: Adriana Souza, Accessing e Banco de Imagens da Continental AG.

Na seção responsabilidade ambiental, veja na matéria “Salve a Natureza” como foi realizada a primeira semana do meio ambiente, onde colaboradores se envolveram e participaram de atividades ambientais que marcaram o dia do meio ambiente.

Boa leitura!

Tiragem: 1250 exemplares. Circulação interna. Colaboraram nesta edição: Andréia Assunção, Thiago Caldas, Franklin Santos, Ana Rita Fraga, Alessandro Villa, Kalil Nicioli e Pedro Carreira. Contatos: +55 71 3642-8435 adriana.souza@conti.com.br / www.conti.com.br

7 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Conheça também mais uma competência do Big Six aprendendo a “Planejar e executar” suas atividades no ambiente de trabalho. Na seção Raio-X a matéria “Construção: que departamento é esse?” explica como acontece o processo de construção do pneu e mostra as diferenças dos pneus pesados CVT e PLT.

Na linha de aprendizado, conheça um pouco mais na seção segurança com a matéria “Mente e Corpo Zen, Segurança bem”. Nessa matéria você aprenderá, através de dicas, que manter-se bem no palco das emoções é fundamental para o equilíbrio físico e mental. Aprecie na sessão “Mudando de área” a experiência de mais um colaborador que mudou de função dentro da empresa. Acompanhe seus desafios e a conquista dos novos conhecimentos adquiridos ao longo da mudança. Na matéria “Do estágio a contratação, um passo que transforma vidas”, conheça quem são os ex-estagiários que hoje fazem parte do time de contratados da Conti Camaçari. Confira o depoimento do colaborador que ganhou o concurso “tal mãe, tal filho”, realizado em homenagem ao mês das mães.

ANO III

Nessa edição conheça num bate papo com a chefe de desenvolvimento de pessoal Ana Rita Fraga, o resultado da pesquisa de clima organizacional Basics Live e os planos de ações adotados para os itens avaliados. Saiba ainda como funcionam as áreas de Recrutamento e Seleção e Treinamento.

Em responsabilidade social, fique por dentro de como foi montada e executada a Campanha “Conti Contra Dengue”. Você saberá como foi o processo da caçada ao mosquito na área externa da empresa.

conticomvocê

Dia 05 de Abril de 2009 a Continental comemorou três anos de história na Bahia, e mais especificamente em Camaçari. A matéria central desta edição, intitulada “Continental: três anos na rota da evolução” convidará todos a embarcar no túnel do tempo, relembrando e revivendo através de depoimentos, histórias fascinantes do início de uma longa caminhada.


entrevista

Ana Rita: Na área de Treinamento, buscamos a capacitação técnica e o desenvolvimento profissional dos colaboradores da unidade de Camaçari, através do planejamento, coordenação e controle das ações de Treinamento e Desenvolvimento. O objetivo é maximizar os conhecimentos dos colaboradores em suas áreas de atuação, e também contribuir para o cumprimento dos objetivos da empresa. CCV: O Basics Live é uma ferramenta importante para garantir qualidade e satisfação no trabalho. Como são colhidas as informações para a pesquisa? Ana Rita: A Pesquisa de Satisfação Corporativa 2008, BASICS Live, avaliou o nível de satisfação dos colaboradores e itens como satisfação e liderança. Teve mais de 133.000 participantes em toda a Continental em mais de 35 países. A pesquisa corporativa é padronizada e composta por 37 perguntas padrão da Companhia e 10 perguntas locais da fábrica de Camaçari. Antes da aplicação da Pesquisa foi montada uma estrutura para emissão dos relatórios individuais que seriam recebidos pela unidade de Camaçari e foram emitidos relatórios individuais para cada uma das divisões. CCV: Depois de avaliados os resultados, quais pontos você destaca? Ana Rita: Identificamos que cooperação com o grupo, comprometimento com o trabalho e qualidade são pontos relevantes para os nossos colaboradores. Os resultados mostraram que, nesses aspectos, nossos índices estão

Ana Rita: Já foram elaborados planos de ação também para as questões locais que obtiveram índices mais baixos, como o serviço de transporte oferecido pela empresa e a apresentação dos princípios do CT.MS. Fizemos um Workshop no dia 05 de Março de 2009 com a presença dos Gerentes, Chefes, Coordenadores e do Diretor da Fábrica. Ficou definido que a ferramenta CT.MS será apresentada a todos os níveis da Fábrica através de workshops e da inclusão de informações sobre CT.MS na integração. Em relação ao transporte será feita uma pesquisa com outras empresas para verificar melhores opções de roteiro e minimização do tempo de deslocamento. CCV: Houve participação significativa dos colaboradores? Ana Rita: Os dados de resposta indicam o percentual de colaboradores que responderam ao questionário. Podemos então observar que dos 850 questionários distribuídos, tanto de forma impressa como online, tivemos respostas de 822 questionários, o que indica um percentual de resposta de 96,7%. Dessa forma, agradecemos a participação significativa dos nossos colaboradores! CCV: O que vai ser feito com o resultado da pesquisa? Ana Rita: Durante os anos de 2009 e 2010, estaremos implantando ações criadas para solucionar os problemas apontados pelos colaboradores, que serão informados sobre as medidas adotadas. É muito importante ter em mente que a Continental é feita por cada um de nós e, por isso, buscar um ambiente de trabalho saudável e motivador é a meta mais importante do Departamento de Recursos Humanos

9 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Ana Rita Fraga é chefe de desenvolvimento de pessoal da Continental Camaçari. A experiência de 18 anos na área de Recursos Humanos inclui a passagem por diversas empresas nacionais de médio e grande porte. Bacharel em Psicologia, com pós- graduação em Administração de Empresas, mestrado em Psicologia Organizacional e um doutorado em curso, em Psicologia Organizacional na UFBA, coordena as atividades de Seleção e Treinamento, e a área de expatriados da Unidade Camaçari. Além dessas três áreas principais, Ana Fraga está à frente de projetos como a Pesquisa de Clima Organizacional (Basics Live) e Avaliação de Desempenho (Employee Dialogue). Sobre os resultados do Basics Live e do Employee Dialogue, entre outros temas, ela fala na entrevista a seguir:

CCV: O processo de treinamento segue a mesma linha?

CCV: Quais aspectos apontados pelos colaboradores serão prioritariamente revistos e modificados?

ANO III

Seleção e treinamento garantem satisfação no trabalho

Ana Rita: Na área de Seleção, temos como objetivo escolher o melhor candidato para a posição correta no menor tempo possível. Dessa forma, contribuímos e garantimos participação no desenvolvimento e na sustentação de uma cultura de alta performance de longo prazo.

muito próximos da escala ideal. Em pontos como estratégia de departamento, remuneração e desenvolvimento profissional registramos avanços em relação à última pesquisa e ficamos na média de satisfação. Mesmo assim, continuamos trabalhando para melhorar ainda mais os índices.

conticomvocê

Ana Rita Fraga

Conticomvocê: O processo de seleção de profissionais é fundamental para o bom desempenho de uma empresa. Qual o foco do processo seletivo na Continental?


big six

Por Franklin Santos Coordenador do TPM

Planejando e executando! A globalização da economia vem impulsionando as organizações a uma nova forma de competitividade: A da eficácia na fabricação de produtos manufaturados. Se uma empresa quer se destacar neste cenário deverá fazer muito mais do que simplesmente manufaturar produtos de alta qualidade para seus clientes.

2. Determinação - Nem sempre as coisas são fáceis de fazer. Mas se há o real intuito de fazer, não se pode esmorecer ao não dar certo na primeira vez. Thomas Edison tentou mil vezes antes de fazer a lâmpada elétrica funcionar;

• Global 8D;

3. Disciplina - Não basta fazer a coisa certa, temos que fazer da maneira correta, mas termos disciplina é fundamental para seguirmos fazendo as coisas como mandam as regras. “As regras são feitas para serem seguidas. Se há regras erradas, mudem-se as regras. Mas isto não é razão para descumprí-las” (Ghandi)

• DMAIC;

4. Autocontrole - Nem sempre estamos sob a supervisão de nossos gestores, mas nem por isso devemos perder o rumo. Devemos ter consciência e certeza do caminho que trilhamos e segui-lo sozinhos.

As indústrias, em nome da sobrevivência, buscam produzir um produto que tenha “qualidade e excelência”, requisitos desejados pelo consumidor, sem comprometer a fórmula do Preço. Isto cria uma série de questionamentos que não existiam até a formação deste novo cenário: É possível reduzir os custos de produção sem comprometer a qualidade dos insumos? Sem comprometer as regras trabalhistas? Sem degradar o processo ou ao meio ambiente? Como se consegue isso? Que ferramentas eu tenho para fazer acontecer?

Assim, podemos definir EXECUÇÃO como sendo a capacidade de realizar as coisas da maneira correta e solucionar problemas, assumindo os riscos. Não há espaço para “achismos” no mundo atual! Temos que tomar decisões baseadas em informações.

Diante disso, uma indústria automotiva japonesa começou a despontar no cenário mundial por produzir itens de alta qualidade e vender a preços menores que seus concorrentes. Foi a partir deste momento que as indústrias co-

Para alcançarmos as nossas metas e obtermos realmente produtos de alta qualidade, devemos solucionar os nossos problemas internos conseguindo assim reduzir nos-

• 5 porquês ; • CAPDo;

Portanto, prezados colegas, as soluções estão em nossas mãos. Quanto mais rápidos quebrarmos as amarras “confortáveis” do passado e buscarmos nos habituar com as ferramentas do futuro, mais facilmente avançaremos para o patamar de empresa classe mundial, tendo a excelência como meta de tudo que fizermos. Lembrem-se de que as matérias-primas, os equipamentos e a tecnologia estão ao alcance de todos, mesmo dos nossos concorrentes, mas o que fará a diferença são as pessoas e o método de trabalho.

“A qualidade começa por mim.” “Eu devo garantir que o que eu passei para o meu colega da estação seguinte não foi apenas algo bom, mas EXCELENTE.”

11 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

1. Persistência - Nada segue adiante se não tivermos a força de vontade para fazer a coisa acontecer. Dizer que não consegue fazer algo é a maneira mais fácil de desistir ou de se esquivar do trabalho;

Para realizarmos estas coisas, podemos novamente recorrer à manufatura enxuta, pois existem diversas ferramentas que podem nos ajudar nestas questões: Essas ferramentas são chamadas de “Métodos de Análise e Solução de Problemas (MASP). Destas, podemos citar como as mais conhecidas e utilizadas:

ANO III

Bem, para conseguirmos EXECUTAR as nossas tarefas, precisamos de 4 qualidades fundamentais:

sos custos e alcançarmos o resultado que desejamos. Contudo, precisamos saber como agir e tratar as informações de situações complexas, através de um método estruturado para a solução dos problemas. Desse modo, poderemos tomar decisões de forma clara e responsável, assumindo os riscos calculados. Para tanto, precisaremos determinar quais são as prioridades, implementar e monitorar o progresso das ações.

conticomvocê

meçaram a prestar atenção às Ferramentas da Manufatura Enxuta: TPM, 5S, SMED, HOSHIN, POKA YOKE, KANBAN, etc. Mas como fazer para que tudo isso desse certo em nossa empresa? Como adaptar a cultura milenar japonesa ao nosso dia-a-dia sem trair a nossa nacionalidade, sem perder a nossa identidade cultural?


capa

Em 05 de abril de 2009 a Fábrica de Camaçari completou três anos, de inauguração oficial. Com investimento inicial de US$ 260 milhões, gerando atualmente mais de 1000 postos de trabalho, a fábrica é uma das mais modernas do Grupo Continental.

Continental Camaçari Três anos na rota da

Situada em uma área de 832 mil m², sendo mais de 500 mil m² de área construída em tempo recorde, a fábrica marcou uma nova etapa da Continental no Brasil. Após nove anos no país, a Continental produziu, em Camaçari, o primeiro de uma série de pneus ContiEcoContact 3 medida 175/70R13 82T. A escolha da Bahia não foi por acaso. O estado é o mais próximo do eixo Sul-Sudeste, maior centro consumidor do país, e porta de entrada para os estados das regiões Norte e Nordeste, um mercado que representa 35% do mercado consumidor nacional.


capa

3 anos

março

2005 “Ansiedade, expectativas e vontade de trabalhar. Sentimentos como esses fizeram parte do início dessa história”

abril

2009 “Continental Camaçari: Três anos na rota da evolução - Parabéns pra Você!!”

setembro

2008

“Projeto Aroeira - O voluntário pode contribuir com seu conhecimento, seu tempo, seus contatos e, principalmente, com sua vontade de mudar o mundo e ajudar a quem precisa”

março

2006 “Primeiro pneu de carga produzido na fábrica”

novembro

2005

Primeiro pneu de passeio construído na fábrica.

“São três anos de desafios constantemente vencidos” Pedro Carreira

abril

2008

linha do tempo

“No rosto de cada uma das 210 crianças da Creche-Escola Recanto das Árvores, a alegria ao receber a nova sede”.

continental camaçari Em sua breve história, a Fábrica de Camaçari registrou vários recordes de produção. Em novembro de 2005, antecipando todos os prazos previstos, o primeiro pneu de teste era produzido para homologação na matriz, na Alemanha: o ContiEcoContact 3, na medida 175/70R13

82T. Em 31 de março de 2006, também se antecipando ao cronograma inicial, saía da linha de produção um General ST 250, o primeiro pneu de carga Continental produzido no país. O primeiro carregamento de pneus para venda foi embarcado em abril do mesmo ano.

abril

2006 “Após 18 meses do lançamento da pedra fundamental, a primeira Fábrica de Pneus da Continental no Brasil é inaugurada oficialmente.

abril

2007 “Dois anos de Fábrica: o alto desempenho é a nossa paixão..”


“São três anos de desafios constantemente vencidos”, analisa Pedro Carreira, diretor superintendente da fábrica de Camaçari. “Com duas unidades produtivas funcionando em velocidade considerada recorde dentro do Grupo Continental, dada a complexidade do produto, em 2006 foram produzidos 700 mil pneus de passeio (PLT) e 4 mil pneus de carga (CVT)”, informa Carreira. Cerca de 70% da produção de pneus foi destinada a países como Canadá, Estados Unidos e México.

“Nos reunimos e levantamos o pneu como um trofeu. Foi muito gratificante!” Alan Michel

Desde o começo das operações, as projeções foram atendidas e até superadas. Os projetos para os próximos anos de atividades na Bahia contemplam desde investimentos em treinamentos para colaboradores a projetos até então suspensos, como EBR, ACS, Robô de Pintura e máquina para Pesagem de Químicos. “Contudo, todo e qualquer projeto de investimento vai acontecer sempre com base em resultados operacionais da fábrica, expressos em eficiência e em custo de mão-de-obra, e na continuidade dos incentivos governamentais”, conclui Pedro Carreira.

Nesses três anos, Alan diz que, tanto profissionalmente, quanto pessoalmente, viveu experiências enriquecedoras. Já passou por dois departamentos e três turmas. “Pude dividir a experiência de estar diante de uma mesma dificuldade e ter várias maneiras de resolver“, conta Alan.

A primeira tarefa foi gerenciar o treinamento dos operadores de produção. Depois de passar pela seleção, era preciso mandar o grupo para Portugal e para Puchov, na República Tcheca. Entre um período e outro, Camila e os colegas paravam para almoçar. O cenário não parecia em nada com o de hoje. “Tinhamos que sair do galpão de ônibus para o refeitório improvisado“, recorda. Desafios e dificuldades superadas e recompensadas nesses três anos. Desde a primeira entrevista para seleção na Fábrica deixou claro que queria trabalhar no RH. “Quando entrei, o gerente de recursos humanos foi claro: disse que não ia ser fácil. Realmente não foi, mas eu queria ver dar certo e fazer parte desse desafio“, conta.

17 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Ao chegar à Bahia, terra conhecida pelo clima quente, a natureza se encarregou de apresentar o maior desafio do projeto. “Tivemos muitas dificuldades com a chuva para construir o túnel CVT e PLT do prédio de utilidades”, relembra José Roberto. Foram 16 meses até tudo ficar pronto. Em alguns períodos, cerca de 1.200 pessoas estavam envolvidas na obra. O trabalho em Camaçari foi desenvolvido em parceria com profissionais da Europa, formando uma equipe concisa, que imprimiu harmonia ao ritmo do projeto. “Tenho muito orgulho de ter participado deste processo, desde o lançamento da pedra fundamental até o presente”, revela Almeida.

Outra que está na equipe desde o começo e lembra dos primeiros dias na Continental é Camila Santos, hoje analista de recursos humanos em Camaçari. Entrou na Continental em dezembro de 2005 como assistente administrativa, na época em que todos os funcionários administrativos trabalhavam em um mesmo local. “A Fábrica sendo montada. Os departamentos ficavam todos num só lugar. Era um grande barracão onde todos ficavam juntos! Os escritórios, como a gente vê hoje, não existiam“, relembra Camila.

ANO III

Muitos profissionais que atuam hoje na Fábrica estão na Continental desde o início. O engenheiro José Roberto Almeida é um deles. Com a experiência adquirida em 1998, durante a implantação do projeto da Continental de Ponta Grossa, no Paraná, foi convocado para erguer a planta de Camaçari. Atuou na fiscalização dos trabalhos de construção civil, mais especificamente nas bases de equipamentos.

O supervisor de produção Alan Michel também participou do processo desde o início. Em julho de 2005, a fábrica ainda estava em construção quando ele e um grupo de 200 pessoas embarcaram para Portugal. Lá, receberam treinamento enquanto as obras continuavam em Camaçari. Foram 5 meses em Portugal e 1 mês na República Eslovaca. Quanto voltou, em março de 2006, a fábrica de PLT já estava em andamento. A de CVT estava começando. “Ficamos um bom período limpando máquinas e organizando tudo“, recorda. A primeira experiência marcante de trabalho em equipe de verdade veio com a fabricação do primeiro pneu. “Cada um fazia uma parte, montava uma etapa e finalmente conseguimos fazer“, lembra. O trabalho durou mais de um dia inteiro. A máquina estava passando por ajustes. “Nos reunimos e levantamos o pneu como um trofeu. Foi muito gratificante!“

conticomvocê

A empresa tem investido na qualificação de seus colaboradores, com investimentos superiores a R$ 5,5 milhões. A contribuição para o desenvolvimento da economia baiana também inclui a atração de novos negócios, como a implantação de indústrias de insumos no Pólo de Camaçari, para fornecimento de matérias primas para a indústria de pneus.


segurança

Dicas No trabalho, use sempre os equipamentos específicos para ajudarem nas questões de segurança. É importante ter em mente sempre que manter a atenção na atividade evita que ocorram os mais inesperados acidentes dentro do seu trabalho. Lembre-se: acidentes podem ser evitados com simples atitudes!

nho de atividades motoras, a maioria das pessoas pensa logo na saúde do corpo. O que poucos sabem é que, o segredo para se manter apto e saudável fisicamente fica guardado na nossa mente. Um exemplo: uma pessoa pode pensar que para ser feliz precisa perder peso, ou mudar uma parte do corpo fazendo cirurgia plástica. Talvez isso seja verdade, mas a conquista desses objetivos e a satisfação através deles só é possível se os pensamentos acompanharem os resultados.

explica o Dr. Luis Siqueira, coordenador de saúde ocupacional da Continental Camaçari . Em estados como Paraná e Ceará, os acidentes cresceram mais de 50% no último ano e a maioria deles são provocados por distração na hora do trabalho. “Um acidente de trabalho deve ser avaliado. Pode ser uma condição insegura ou um ato inseguro. O ato inseguro muitas vezes está ligado a uma dificuldade em casa. Filho ou esposa doentes, aí perde a concentração na atividade”, explica Dr. Luis. Na hora do trabalho devemos manter o foco no que estamos fazendo. Pensar é algo biológico, mas concentrar-se é uma tarefa árdua. Imagine se não nos concentramos na hora de exercer nossas atividades? A mente pode funcionar num ritmo próprio se não for controlada. Por isso é necessário que nos concentremos e dominemos o que se passa em nosso cérebro no momento em que estamos trabalhando. O importante é manter-se focado! A rotina de pensamentos e o bom funcionamento da mente também estão ligados à boa saúde do corpo. Muitas vezes, mesmo sem problemas, não é possível atingir um estado ideal de concentração para realizar

Alimentos crus, que devem ser bem lavados antes de serem ingeridos, concentram mais vitaminas e nutrientes. Funcionam como fonte natural de reposição do “combustível” necessário para o bom funcionamento do corpo e ajudam a prevenir doenças. As fibras presentes nos grãos, por exemplo, facilitam a digestão e dão mais energia e disposição. A água presente nas verduras e frutas ajuda no transporte e absorção dos nutrientes pelas células. Qualquer atividade física, desde que seja praticada com regularidade e sempre sob a orientação de um profissional, traz benefícios. “Além de fazer bem para a cabeça, a prática de exercícios ajuda a diminuir o estresse, melhora a capacidade respiratória, influencia positivamente no controle do peso e reduz o risco de doenças do coração”, explica o Dr. Valmir Santos, cardiologista e médico do trabalho. Mas os acidentes também são resultado de fatores ligados à segurança. Por isso conhecer as regras e segui-las é a melhor forma de prevenir. Buscando monitorar a situação por todos os ângulos, a Continental Camaçari mantém a batalha contra os acidentes de trabalho na planta. “O trabalho na Continental está sendo implantado para avaliar as causas dos acidentes, quando acontecerem. É preciso investigar se foi um ato ou uma condição insegura”, conclui Dr. Luis.

19 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Quando se fala em capacidade física e no bom desempe-

Manter uma alimentação balanceada e praticar atividades físicas regularmente fazem parte de um bom plano para se manter saudável.

ANO III

segurança bem

“Distração ou descuido são as maiores causas de acidente de trabalho”

uma tarefa com segurança. É aí que entra em cena o cuidado com o corpo.

conticomvocê

Mente e corpo zen,

A mesma mente que percebe os efeitos externos das conquistas físicas e materiais é também responsável pela concentração e atenção no trabalho.


conti com você e você!

do estágio à

contratação

No final do ano, Lucas vai concluir o curso na Universidade e já está em preparação para assumir um cargo de engenheiro. “É como um sonho se tornando realidade”, diz o ex-estagiário.

um passo que transforma vidas

O programa de estágio da Continental contratou recentemente, além de Lucas, outros dois estagiários: Emanuelle Messias para o departamento de RH e Lucas Mota para Operações. A experiência, que para muitos é uma forma de entrar no mercado de trabalho, traz enriquecimento profissional e acadêmico. Todos ainda estão concluindo os cursos nas faculdades. A maioria tem a chance de, a um ano de receber o tão sonhado diploma, já ter um emprego com carteira assinada. Em tempos de crise, é como tirar a sorte grande.

O sonho do primeiro emprego não estava distante. Eles e outros dois estagiários foram contratados antes do fechamento desta edição. “Eu tinha muita expectativa. Trabalhei muito pra isso e fiquei surpreso. Só contava que fosse acontecer em 2010”, confessa Fernando.

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009 ANO III

Aos 21 anos, subiu um degrau importante na vida profissional. Em maio a carteira de trabalho foi assinada pela primeira vez. As responsabilidades aumentaram. Na engenharia de manutenção, é ele um dos técnicos responsáveis pelo correto funcionamento das máquinas, fazendo manutenção preventiva e corretiva. Do período de estágio, o primeiro que fez na vida, ele vai guardar a importância da experiência para o amadurecimento profissional. “A área em que eu atuo tem tudo que precisava para aprender. Foi perfeito para conciliar com o aprendizado na faculdade”, conta.

Fernando Cruz, de 23 anos, sonha com o mesmo destino de Lucas. No quinto semestre da faculdade de administração, faz estágio na área de compras, há quase um ano. Entrou na Continental através de uma seleção. Foi pré-selecionado e passou por três entrevistas na Fábrica de Camaçari. No departamento ele é responsável por cuidar de taxas de liberação de mercadorias importadas que chegam ao porto de Salvador e pelo controle do prazo para uso dos containers, onde são transportados os produtos.

21

conticomvocê

Lucas cursa o sexto semestre de engenharia mecatrônica. Há um ano e dez meses é estagiário da Continental Camaçari. Cumpriu tão bem o papel que foi contratado antes do prazo oficial de dois anos. “Fiquei muito feliz, mas não foi surpresa. Eu sempre tive conceito máximo nas avaliações do programa aqui na Fábrica, por isso estava confiante”, conta Lucas.

Além de um pouquinho de sorte, fatores como empenho e conhecimento são primordiais na hora de efetivar um profissional. A empatia com a filosofia da empresa também conta muito. A contratação depende muito do comprometimento com o resultado do trabalho”, explica Ana Fraga, coordenadora do programa de estágio da Continental Camaçari.


atualidade

Salve a

devastadores, como o furacão que atingiu Santa Catarina, a seca que assola o Rio Grande do Sul. As mudanças também atingem a Bahia. As chuvas que atingiram Salvador durante o mês de maio foram as mais fortes e mais intensas dos últimos 15 anos. “As chuvas vão ficar cada vez mais fortes e aparecerão em curtos espaços de tempo”, explica Claudia Valéria, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia. Os temporais em Salvador mataram seis pessoas e deixaram centenas desabrigadas.

Tudo isso é resultado do efeito estufa, explicam cientistas e ambientalistas. O aumento da concentração de gases, como o CO2 e o Metano, na atmosfera. As indústrias, os carros e até o processo de decomposição do lixo jogam esses gases na atmosfera, formando um escudo que impede que o calor produzido pelos raios do sol em contato com a superfície volte para o espaço, provocando um superaquecimento.

Com o tema: “Conti com a gente, preservando o meio ambiente”, nos dias 03, 04 e 05 de junho, a Continental realizou uma série de atividades em comemoração ao dia 05 de junho, Dia Mundial do Meio Ambiente. Pela primeira vez, foi realizado um grande evento para celebrar e, principalmente, alertar a comunidade Continental sobre a importância

A escolha do tema revela a intenção de reforçar o compromisso da Continental e dos colaboradores com a preservação do meio ambiente. “No decorrer do evento, foi perceptível o envolvimento dos funcionários, através da participação nas diversas atividades realizadas”, conta Claudia. A programação incluiu exposição da reciclagem dos resíduos de produção, Blitz ecológica, por telefone, abordando a Política de SSMA, coleta seletiva e os impactos ambientais, boas práticas do meio ambiente – como o plantio de mudas de seringueira -, além de um concurso de desenhos feitos por filhos de colaboradores (veja resultado na página seguinte). Durante os três dias, foram realizadas também ações de prevenção e combate à dengue e o lançamento da campanha de redução de desperdício.

23 EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

ficou um grau centigrado mais quente. Parece pouco, mas tem sido o suficiente para provocar efeitos

de preservar a natureza. “O objetivo maior é sensibilizar os colaboradores e familiares em relação ao comprometimento com a preservação ambiental, ratificando as diretrizes da nossa política de SSMA”, explica Claudia Santos, uma das responsáveis pela organização do evento.

ANO III

O Planeta está mudando. A temperatura da terra não para de aumentar. Nos últimos 100 anos, a terra

Algumas consequências, como as chuvas em excesso, já podem ser vivenciadas. Outras - caso a poluição e a degradação do meio ambiente não sejam contidas - estão previstas para um futuro, não tão distante, que será cenário para nossos netos e bisnetos. Cientistas estimam que a cada cem anos, o nível do mar suba cerca de 40 centímetros. Em 200 anos, é o suficiente para inundar diversas regiões do litoral da Bahia. No norte do estado, nas regiões de Irecê e Juazeiro, algumas áreas estão em processo de desertificação. O solo já não abastece as plantas com nutrientes. “Não há como reverter o que já foi feito, temos que nos adaptar às mudanças e evitar que danos maiores sejam causados”, alerta Augusto Tosato, ambientalista.

conticomvocê

natureza!


responsabilidade social

O concurso premiou três criações que melhor abordaram o tema: “Proteja o Meio Ambiente”, transmitindo a ideia de promoção do uso consciente dos recursos naturais. Os vencedores, que receberam cada um uma bicicleta, foram:

Números que servem de alerta e dicas para soluções:

1

• Cada pessoa produz, em média, 1 kg de lixo por dia. Em Salvador, entre entulho, lixo hospitalar, embalagens, garrafas PET, restos de comida, são 4 mil toneladas de lixo por dia. A reciclagem, além de evitar a poluição de rios e oceanos, reduz a energia gasta para o processamento desses resíduos e, consequentemente, a redução dos gases poluentes lançados na atmosfera; • Na Continental, em quatro dias, o refeitório contabilizou 139 kgs de alimentos desperdiçados. A quantidade seria

2

Na categoria 4 a 6 anos, Felipe Oliveira de 4 anos, filho de Silas Souza de Oliveira;

suficiente para alimentar 278 pessoas. Se o desperdício continuar nesse ritmo, em um ano, só os colaboradores da continental terão jogado fora comida suficiente para alimentar 25.368 pessoas. Fora a geração desnecessária de lixo; • Uma pessoa, segundo a ONU, precisa de 110 litros de água, por dia, para atender as necessidades do dia-a-dia. A média de gasto dos baianos, assim como de todos os brasileiros, é de 200 litros por dia. Uma torneira de banheiro aberta durante cinco minutos, tempo médio para uma

3

pessoa escovar os dentes, gasta 12 litros. Se ficar fechada durante o processo, gasta apenas meio litro. É possível economizar ainda mais se o chuveiro também ficar fechado enquanto usamos sabonete e shampoo; • Uma sacola plástica, daquelas de supermercado, leva 100 anos para desaparecer no meio ambiente. Alguns estabe-

25

como na compra de medicamentos ou poucos itens, dá até para dispensar a sacola; leve na mão, no bolso, ou na bolsa; • Produzir energia elétrica hoje na Bahia consome carvão e

5

petróleo. A queima desses combustíveis lança gás carbônico e metano na atmosfera. Economizar energia é bom para a saúde do planeta. Lembre ainda de apagar a luz quando o ambiente estiver vazio. A natureza está ameaçada. O futuro está em risco. Depois de ler esta reportagem, pare e pense: Como você quer que seja a Bahia de amanhã?

ANO III

Na categoria 10 a 12 anos, Janaina Adriane F. da Anunciação de 10 anos, filha de Percival Ferreira da Anunciação.

4

das antigamente para carregar produtos. Em alguns casos,

conticomvocê

Na categoria 7 a 9 anos, Verônica Santana da Silva de 9 anos, filha de Cesar Jesus da Silva;

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

lecimentos já oferecem a opção de sacolas de pano, usa-


responsabilidade social

Voluntários preparados e unidos contra o dengue

Unir esforço e conscientização provou ser uma combinação eficaz na luta contra uma das doenças que mais tem assustado a Bahia. Em mais uma batalha contra a dengue, colaboradores da Continental Camaçari promoveram uma ação integrada de combate ao mosquito. A ação é resultado da campanha: Conti contra a dengue: seja mais forte que o mosquito!

Focos da dengue foram eliminados depois da aplicação de produtos apropriados. A batalha foi bem sucedida, mas é preciso se manter atento aos riscos. A dengue continua fazendo vítimas na Bahia. Mais de 60 mil casos foram registrados em todo o estado e pelo menos 50 pessoas morreram. Na Continental, a água parada, decorrente do período chuvoso, é a principal ameaça.

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Caçada ao mosquito

ANO III

dengue

A ação é uma iniciativa da empresa e conta com o apoio dos colaboradores. “Além de afastar o perigo do local de trabalho, a campanha reafirma a preocupação com a saúde e a qualidade de vida dos colaboradores da Continental”, explica Adriana Souza, responsável pela área de Comunicação Social da empresa. O evento fez parte da programação da semana do meio ambiente.

27

conticomvocê

conti contra a

A primeira batalha foi no dia 4 de junho. Dez voluntários vestiram a camisa do projeto e participaram de um mutirão, junto com o centro de controle de zoonoses de Camaçari. Profissionais especializados na guerra contra a dengue acompanharam e orientaram os colaboradores que percorreram a área externa da Fábrica.


raio-x

Que departamento é esse? forma ao pneu. Durante o processo, é feita a montagem dos componentes para que sejam encaminhados ao passo seguinte: o da vulcanização. O produto chamado pneu em verde tem forma e dimensões muito próximas à do produto acabado.

Antes de falar da máquina de construção, vale lembrar que no departamento são preparados os materiais mais importantes para a qualidade do pneu; são eles: a tela de carcaça metálica e as cintas metálicas, os breakers produzidos nas máquinas de corte e os talões produzidos nas BAC’s - máquinas que unem a produção do núcleo e da cunha.

A camada é pré-montada com as paredes, o reforço do talão, a tela e a tira do ombro. Os talões vão compor a carcaça no tambor principal, que dá estrutura ao pneu CVT. Ao mesmo tempo, os breakers e o piso são montados no tambor auxiliar para compor o pacote do piso.

A máquina de construção dos pneus CVT é automática e de fase única. Nela a carcaça e o pacote da cinta do piso são construídos ao mesmo

Através de dois anéis de transferência, carcaça e piso são levados para o tambor de conformação, onde acontece a

montagem do pneu. Nesse processo, a ação conjunta dos dedos mecânicos e da estação de carretilhagem une os dois para criar o pneu em verde. Por fim, um robô leva o pneu para a cabine de pintura e, em seguida, para um armazém automático, onde aguarda a chamada da prensa de vulcanização, para aonde é levado com auxílio de um transportador aéreo. A construção é a última fase onde é possível ver todos os componentes do pneu. É nesta etapa que são avaliadas as características qualitativas, antes de montagem, e a união de automação. Todo o processo é acompanhado pelos olhos atentos do construtor CVT, que cumpre a tarefa com sucesso!

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Lá, chegam todos os materiais que vão dar

tempo em dois tambores diferentes, por causa do peso do pneu. Alguns pneus pesam acima de 60 kg, e para diminuir o esforço dos colaboradores, que acompanham o processo, essas máquinas são equipadas com dispositivos automáticos de movimentação.

ANO III

como o coração do processo produtivo.

A maior diferença, além das dimensões e peso, entre um pneu CVT e PLT, está na estrutura. No caso do CVT, é totalmente de aço para garantir a carga do transporte. Por isso, o departamento de construção é totalmente climatizado para evitar a oxidação que atinge os materiais metálicos componentes dos pneus CVT.

conticomvocê

O departamento de construção é conhecido

29


mundo conti

mudando de área…

área

Por Andréia Assunção Assistente Financeiro

mudando de

Mudança é a palavra da vez. Quando se deseja enfrentar um novo desafio, superar limites, galgar novos caminhos, o primeiro passo é mudar.

Após amadurecimento na função, surgiu uma grande oportunidade de mudança: Trabalhar na área financeira, onde me especializei. Hoje, atuando na área de Contas a Pagar, tenho a oportunidade de cooperar com os outros colaboradores para o bom desenvolvimento da organização e manutenção da sua capacidade de pagamento, atendendo a política da empresa.

Para mim, isso significa uma conquista, um grande passo rumo ao meu crescimento profissional. Ter a oportunidade de aplicar meus conhecimentos na área que estou atuando está sendo muito gratificante. Espero daqui pra frente superar meus limites e vencer mais um desafio que surgiu em minha trajetória. Investir e acreditar no capital humano são algumas das peças fundamentais para o desenvolvimento profissional e hoje me sinto como uma colaboradora que foi “vista” e por causa disto tenho um grande caminho a trilhar.

Operador | Preparação - calandra

Inúmeras vezes eu ouvi dizer que uma imagem vale mais que mil palavras, mas só agora pude ver esse ditado se aplicar em minha vida, ou melhor em nossa vida. Vencer o concurso “Tal mãe, tal filho” não era uma certeza, apenas uma expectativa. Incentivos com certeza não faltaram. Todos que viam a foto me apoiavam, diziam que iam votar em mim, que eu e minha mãe éramos muito parecidos e já convictos com a vitória, já me consideravam o ganhador. Resolvi participar. Escolhi a foto, entreguei no RH, e quando saiu o resultado a surpresa: fui o mais votado e por isso ganhador do concurso! Fiquei hiper feliz! O meu maior presente, minha mãe, ganharia um microondas de presente!

31

Agradeço a todos que votaram em mim e lhes digo que a semelhança entre mim e minha mãe começou desde o berço. Todos que me visitavam comentavam que era incrível como nos parecíamos. O tempo passou, tornei-me um adulto, mas nem mesmo o tempo conseguiu apagar com o que mais temos em comum, pelo contrário, apenas confirmou o que todos já perceberam e o que a ciência chama de herança genética. Por fim, deixo uma mensagem para a principal merecedora dos louros: Mãe, continuarei trilhando o caminho que tens me ensinado, porque: “Mais que aparência física, quero herdar o seu caráter!”

EDIÇÃO 08 / ABR - MAI - JUN / 2009

Entrei na Continental em 2006 e exerci durante três anos o cargo de Assistente do Departamento de Engenharia de Manutenção e Industrial. O conhecimento adquirido ao longo destes anos me proporcionou uma visão geral da organização e uma grande interação com os setores.

Por Thiago Caldas

ANO III

cimentos, novas superações. No mundo profissional não é diferente.

conticomvocê

Mudar de hábitos, de atitudes, de ocupação, buscando novos conhe-


Conti Com Você - Revista da Continental Pneus  

planejamento editorial (texto+arte), pauta, redação de texto e revisão de conteúdo.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you