Issuu on Google+

Ano I - 1ª Edição - Junho | 2010

R$ 9,90

ÚNICA Já ouviu falar em visagismo? Essa nova técnica de beleza já é sucesso nos salões

Ter estilo é se sentir bem Separamos dicas e modelos para você descobrir qual combina mais com você

Leitura que transforma A Biblioteca de São Paulo quer inovar para atrair leitores


Editorial Q

uando a oportunidade de se fazer uma revista cai nas mãos de duas mulheres, só nos resta celebrar a alma e a satisfação do universo feminino. Ser mulher nos dias de hoje, requer muito mais do à escolha do batom, que sem duvida é fundamental para a nossa produção. Mas a mulher moderna é atualizada, preocupa se com questões do futuro e até com a imagem Adriana Marazzi intelectual que deve sempre vir acompaEgydio Gonçalves nhada de um bom estado de espírito.

Idade: 21 anos Aniversário: 29 de março de 1988 Cidade natal: São Paulo, SP Um livro: Persuasão, Jane Austen Um filme: Bonequinha de Luxo Uma música: Black Eyed Peas – I gotta feeling Hobby: escrever Comida preferida: japonesa

Paulo recém inaugurada, trazemos também duas matérias sobre beleza e auto conhecimento, Sim!!! Por que se conhecer para se produzir é fundamental, afinal não somos vitrines de shopping e nos amamos de mais para não prestar atenção em nós mesma, oferecendo assim um equilíbrio perfeito entre as novidades do mercado da moda e a mulher única.

2|

Foi pensando nessa mulher inteligente e que deseja viver de bem com a vida, que recheamos de matérias e entrevistas nosso primeiro número. Fomos à caça das novidades no mundo da leitura e as tecnologias adotadas pela biblioteca de São

Sirlene Almeida Ribeiro Idade: 29 anos Aniversário: 23 de agosto de 1980 Cidade natal: Belo Horizonte, MG Um livro: Comer, rezar, amar Um filme: Avatar Uma música: Black e folk Hobby: andar de bike Comida preferida: japonesa


Nesta Edição 4 | Beleza Já ouviu falar em visagismo?

6 | Moda Ter estilo é se sentir bem

Maia idse

Gu Bares sivo Exclu. 14 Pág

8 | Cultura Leitura para transformar

|3


Já ouviu falar em visagismo? A técnica é cada vez mais procurada nos salões brasileiros, e busca a expressão da personalidade e características pessoais através da beleza Por Adriana Gonçalves Foto | Adriana Gonçalves e Sirlene Ribeiro

N

icole Kidman ficou irreconhecível quando interpretou o papel da escritora Virginia Wolf no filme As horas. A atriz fez questão de ficar o mais parecida possível com a personagem, e usou até uma prótese de nariz para assemelhar-se mais. A atriz Beth Goulart, que está interpretando a escritora Clarice Lispector na peça Simplesmente eu, Clarice Lispector, passou por um trabalho de visagismo, para recriar a imagem da escritora em seu rosto e cabelo, acentuando a semelhança já existente entre as duas. A esse trabalho de criar uma imagem utilizando diversas técnicas de beleza, dá-se o nome de visagismo, derivado da palavra “visage”, que significa rosto em francês. A técnica é ótima para ajudar na construção de personagens para o cinema e teatro, mas é muito utilizada na vida real, para realçar a beleza de homens e mulheres, revelando melhor sua personalidade. O artista plástico, escritor e apresentador de TV Philip Hallawell, que ministra cursos sobre visagismo no Brasil e já escreveu quatro livros sobre o tema, descreve essa técnica como uma arte. “A arte de descobrir o que o cliente deseja expressar através da sua imagem e, consequentemente, a arte de transformar essa intenção numa imagem com harmonia e estética”. Ele explica que essa técnica tem como objetivo captar informações sobre o rosto da pessoa e a imagem que ela expressa, analisando também a personalidade. O conceito, cada vez mais difundido no Brasil, é tema de cursos, workshops, e agora de cursos uni-

4|

versitários em renomadas escolas. Salões e clínicas de estética já oferecem esse serviço, como é o caso do Salão Bijin e do Salão Cat’s Hair, em São Paulo.


Adequar o visual àquilo que se deseja expressar para o mundo é importante hoje em dia, inclusive para o mercado de trabalho. A beleza pode parecer ter um papel superficial, com as imposições da mídia, mas não é tão simples assim. Hallawell explica que a beleza não é simplesmente uma questão estética, mas também envolve saúde, aceitação, rejeição e atração. “A pessoa que tem uma imagem equilibrada e harmoniosa, portanto visualmente agradável, é vista como realmente sendo equilibrada e isso traz aceitação num grupo. O mesmo ocorre com a imagem saudável e vigorosa”. No fim das contas, a beleza pouco tem a ver com a aparência em si, mas com aquilo que conseguimos expressar através dela. “A beleza máxima vem do interior de uma pessoa, quando expressa suas qualidades de personalidade, a riqueza de sua trajetória e a integridade de seus princípios, com harmonia e estética. Isso é criar um estilo pessoal e é aí que se encontra o Visagismo”, completa Hallawell.

Fotos: divulgação

Além de aplicado ao rosto e cabelos, o visagismo pode ser aplicado na moda. “Ele se aplica a todas as áreas de imagem pessoal, pois se trata de criar um estilo pessoal, uma identidade visual autêntica”, disse Hallawell, que ressalta que a i dentidade visual é formada em 70% pelo rosto e cabelos, e 30% pelo corpo. ”A criação do estilo, então, deve começar pelo rosto e o cabelo e se estender ao corpo e à moda, nunca o contrário”.

Beth Goulart interpretando Clarice no teatro, e à direira Clarice Lispector

Nicole Kidman quando interpretou Virginia Wolf. Ao lado, foto da escritora.

Philip Hallaw ell www.visagism o.com.br Salão Bijin Rua Lisboa, 33 1 - Jardim Am érica - São Pa Segundas: das ulo 11h às 20h Terça à sexta: das 10h às 20 h Sábado: das 10 h às 17h Tel: 3085-022 5 / 3081-7568 www.bijin.co m.br Cat ’s Hair Shopping Mo rumbi Av. Roque Pe troni Jr., 1089 - piso superio Segunda a sá r, loja 2 bado: das 10h às 22h Domingo: das 14h às 20h Tel: 5181-215 4 www.catshair.c om.br

|5


Ter estilo é se sentir bem Q

Por Sirlene Ribeiro Fotos | Adriana Gonçalves e Sirlene Ribeiro

uando falamos em moda, logo nos vem à cabeça a imagem da mocinha da novela com as ultimas tendências da estação, ou mesmo as vitrines do shopping com sua infinidade de opções para todos os gostos e estilos. Antes de ser moda a roupa tem como finalidade traduzir o ser humano, o figurino marca época e até representa a cultura de um país. Como indivíduo você pode usar a sua imagem para demonstrar desde o seu estado de espírito, até a mulher competente que disputa uma vaga no mercado de trabalho. Um estudo realizado na universidade de Princeton, nos estados Unidos prova que ao vermos uma pessoa pela primeira vez, levamos apenas

um décimo de segundo para fazermos uma espécie de raio X inconsciente de quem acabamos de conhecer, e mais, neste estudo foi identificado que 55% da nossa comunicação é visual, 38% é vocal e penas 07% é verbal. Daí a importância de passar a imagem correta. Mas será que você sabe que tipo de roupa é capaz de traduzir a mulher especial e com personalidade, o que a torna única? O primeiro passo para a construção de sua imagem social é definir o seu estilo pessoal e adaptar também esta imagem ao seu estilo de vida, afinal estar na moda não significa desconforto. Por isso separamos cinco estilos para que você possa se identificar e usar sem medo de errar, no entanto é possível misturar e adaptar cada uma destas tendências de acordo com o seu programa do dia específico.


Estilo moderno

Vestido BDBA Flores

Ousadia e ori que prome ginalidade é o te característi este estilo. A ca principa ld ta compos ição é ter u esm peça da pro a d taque, Com ução em deso com uma e uma camiseta stampa de rosto propositalm e tada, aliad nte aumena a uma ca lça jeans bem sequinha. Vale també m apostar n desenhos geométric os os, misturas d e tecidos, esta pas e até n os acessóri mos inusitados . Ideal para even artísticos e tos grandes cidades.

Sapato Isabel gold, Jimmy Choo

Estilo Novo Sexy

vo sexy é O estilo no te mais eco sutil, um d sa de um blu leve, uma ou um pe, ó s ombro ostas apadaço das c ma cava recendo, u te que interessan rte mostre pa . de sua pele Outra boa e tecido é a saias d y é a o ã ç a in b com o sex éia do nov fluido, a id ensual e nunca vulrs mulher fica a usar uma mini ueir gar, caso q uma blusa mais laror p te nhas saia op rnas podri e d o m s a juga, como inho, isso a n fi m e b o de algodã rar o look. da a equilib mo tar ou mes n ja m u ra Ideal pa da. para a bala

Blusa Drapeada, Gregory. R$ 98

Short TNG, R$ 99,90

Melissa Ultragirl + Alexandre Herchcovitch, R$ 130

|7


Estilo Esportivo Como o nome su gere é ideal para as desc oladas, é composto por peças soltas, como calç a jeans e camiseta bran ca para o dia-dia. Para a academia ou caminha da no parque escolh a camisetas de teci do inteligente, qu e absorvem o suor e jamais use esta produção fora da sua finalidade.

Estilo Tradicional da para quem È uma ótima pedi tabilidade emoa es deseja afirmar su o desde o pretinh ria va a éi id a , al on ci a inho, a única regr básico até o tern de da esteja ajusta é que esta peça seu corpo, o que forma correta ao . ância e conforto lhe confere eleg união de neIdeal para uma re ntação de um gócios ou aprese projeto.

Regata Coleção Dereón by Beyoncé, C&A. R$ 25,90

Vestido básico Gregory, R$ 328

Calça jeans Marisa, R$ 49,90 Sapato Kalli, Jimmy Choo Adidas Honey Low Rosa, a partir de RS 99

8|


Paixão por sapatos

S

e a idéia é você se sentir bem, então propomos a você o primeiro desafio na hora de compor um dos look acima, daremos dicas sobre calçados, mas é você quem irá definir o que mais tem a ver com o seu estilo e conforto. As mulheres de pernas grossas devem evitar salto muito fino, e sandálias de tirinha, pois é desproporcional ao corpo e passa a impressão de pés esparramados. Para escarpim, prefira os bicos levemente alongados. Já o salto grosso garante elegância e conforto para o seu visual. As mulheres altas podem abusar dos sapatos nas suas mais variadas formas, levando em conta apenas o conforto para cada situação. Sorte a delas. O tênis e a rasteirinha só conhecem a regra do conforto, praia, academia e caminhada, portanto desfrute e aproveite para relaxar de todas as tensões. As baixinhas devem abusar dos sapatos de bico fino e toda sua espécie em matéria de salto alto existente, lembrando que para ocasião informal em que você

Pernas longas e finas

Pernas grossas Use e abuse das cores creme e cor de pele, sempre com re, pois o peito do pé liv . nas alongam as per

Akiko, Jimmy Choo

procure conforto existe sandálias de meio salto que fazem verdadeiros milagres, só dê preferência ás de bico fino sempre. Agora que você tem cinco opções de passeio, vale ressaltar que a melhor beleza é a interior, cultive boas energias e recicle as experiências negativas como forma de aprendizado, mantenha uma boa rede de amigos e colegas, mostre ao mundo suas habilidades de forma segura e jamais invasiva, mantenha se atualizada, seja respeitosa com todos e o retorno social estará garantido.

Wylde, Jimmy Choo

ultra lta de tira, Sandália a . Ou a cor preta moderna n ico redondo. eb sapatilha d

Pernas longa s

Pernas curtas Escarpim de bico fin o, alonga e afina a silhueta.

e magras

Peep toe alé m de ousado , confere um visual elegante.

Quiet, Jimmy Choo Light, Jimmy Choo

|9


Leitura para transformar A recém inaugurada Biblioteca de São Paulo pretende inovar para atrair leitores e facilitar o acesso aos livros Reportagem e fotos | Adriana Gonçalves e Sirlene Ribeiro

Q

ualquer um desconfiaria ao ouvir que o terreno onde era o Carandiru, palco de sangrentas rebeliões, abriga hoje a moderna Biblioteca de São Paulo, inaugurada em 8 de março deste ano. Em meio a um gramado verde, a silenciosa e imponente construção revela paz onde um dia houve sofrimento. O silêncio permeia todos os cantos em volta do prédio. Lá longe mal se ouve o barulho dos carros na Avenida Cruzeiro do Sul, e até quase se pode ouvir os pássaros cantando no Parque da Juventude. Lá dentro já é bem diferente. Alegre e colorida, a biblioteca atrai pessoas de todas as regiões, inclusive de fora da cidade. Os espaços multimídia trazem o acesso à internet - que por enquanto é irrestrito - àqueles

que nunca tinham visto um computador antes, e a disposição dos livros, com as capas viradas para frente, atrai os olhares curiosos. Toda essa tecnologia, um investimento de R$ 12,5 milhões, pretende atrair as pessoas para a leitura, como explicou o Gerente de Cultura da biblioteca, Mario Silva: “A biblioteca é voltada para a leitura, para o incentivo da leitura, não para a pesquisa”. O moderno espaço para deficientes visuais é um exemplo disso, com livros em braile, e um novo equipamento que lê o livro em voz alta e já ao mesmo tempo grava o áudio em CD para ser levado para casa. A bibliotecária Denise de Queirós, 51, que há 19 anos trabalha na Biblioteca Pública Mário Schenberg, aprovou o investimento. “Quando abre o livro e não é aquela voz ruim, é uma A fachada da biblioteca combina modernidade e praticidade


voz suave até, e ele começa a ler na hora, até já põe um CD e já vai gravando”. Todo o conceito da biblioteca foi criado para facilitar o acesso à leitura, porém tal patrimônio encontra dificuldades para se manter intacto. Algumas semanas antes de nossa visita foi instituída uma nova regra para conhecer o lugar, a entrada só seVista da área infantil, os biombos dão liberdade para os jovens. ria permitida mediante apresentação de documento com foto e a utilização dos armários. comprovante de residência, para a confecConversamos com a direção da carteirinha. tora da biblioteca Magda Wagner Ruiz, de 39 anos, contou que foi impedido de Maciel Montenegro, que entrar na biblioteca, pois não havia trazido o comproexpôs as razões vante de endereço. “Eu freqüenpara as medidas to outras bibliotecas há muito adotadas anterior“Você aceita as tempo e nunca passei por isso”, mente. “No início disse ele, indignado com a buropessoas que antes não tinha normas cracia. Já Luiz Carlos Silva, 42, e na verdade deu teve sorte que encontrou uma eram excluídas, problema. Você conta de luz na carteira por acaaceita as pessoas mas afugenta so, conseguiu fazer a carteirinha que antes eram e comemorou que pôde até leoutras pessoas” excluídas, mas var livros pra casa. “É chato ter afugenta outras que trazer comprovante, mas eu pessoas. O moraMagda Maciel Montenegro gostei quando entrei lá dentro, dor de rua não dá Diretora da Biblioteca têm jornais revistas à vontade, problema pra gende São Paulo poltronas confortáveis. É um te, mas ele cheira ambiente agradável”. mal e as pessoas Quando perguntados sobre o se queixam”. Ela ainda que levou a essa decisão, os funcionários foram cauteexplica que mesmo com a losos, mas Rafael Corrêa, 23, explicou que alguns atos intenção de levar o acesso de vandalismo por parte dos usuários foram a causa aos livros a todas as pessoda medida. “Houve a depredação de alguns volumes, e as, há situações que saem por isso a gente tomou esse cuidado”. do controle, e por isso deQuando voltamos lá, um mês depois, a biblioteca já vem haver regras. “Outra estava diferente, mais organizada e com sistema de história é do rapaz que código de barras para a entrada dos visitantes e para quebrou o vidro da biblio-

| 11


Primeiro andar da biblioteca com estantes baixas (à esq.). Móbile no teto, a decoração foi feita para acolher os visitantes.

teca com um chute e mordeu a mão da funcionária. der e interpretar um texto. Ele estava visivelmente drogado”. O crítico literário Manuel da Costa Pinto, 43, que Atitudes como essas são comuns na maioria das bihoje trabalha nos bliotecas e outras instituições programas “Letra públicas. Denise explica que “Os pais não lêem, livre” e “Entrelijá teve problemas como esse na Biblioteca Mário Schennão têm livros em nhas” da TV Cultura, explica que a berg, e como é complicado casa, por tabela culpa disso, além lidar com essas situações. “A de ser do Estado, gente já chegou a pegar genas crianças não que negligencia a te aqui roubando livro. As educação em topessoas põem o livro na calça, lêem” dos os sentidos, é mas se estão aqui dentro não também de uma podemos considerar roubo, é Manuel da Costa Pinto falta do hábito da Crítico literário uma situação muito chata”. leitura. “Os pais Para ela, falta entendimento não lêem, nem têm por parte dos visitantes do livros em casa, por tabela que a biblioteca representa. “O pessoal não entende as crianças não lêem, quer que isso tudo é deles, não precisa roubar”. dizer isso vai de geração Falta de entendimento e falta de hábito. Apesar da em geração e vai tornando alta taxa de alfabetização (90% entre a população com o livro um objeto relíquia mais de 15 anos), no Brasil menos de 25% da populado passado”. ção é letrada, ou seja, tem capacidade de compreen-

12 |


O espaço multimídia oferece acesso à Internet às pessoas que não têm condições de pagar pelo serviço.

Muito embora esse fator influencie, o acesso à leitura deve ser sempre fornecido e incentivado pelo Estado. Até julho do ano passado foram registradas 5.186 bibliotecas públicas em todo o país, segundo o SNBP (Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas). Uma pesquisa encomendada pelo Ministério da Cultura, o 1º Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais, realizado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) neste ano mostrou que em 420 cidades brasileiras ainda não há bibliotecas municipais, ou seja, 7,54% dos 5.565 municípios do país. A pesquisa ainda indicou que nessas instituições há uma média de 296 empréstimos por mês e uma freqüência média de usuários de 1,9 vez por semana. Em 91% delas não há serviços a deficientes visuais, e 94% delas não possuem serviços para portadores de necessidades especiais. Nesse sentido, a Biblioteca de São Paulo é um primeiro passo para uma melhora nas bibliotecas de todo o país, servindo de modelo para as outras. “Lá seria uma biblioteca padrão. Vamos ver se vai continuar, porque o custo... seria muito legal se fosse pra todos”, afirma Denise. O Governo do Estado prevê o investimento

de R$ 1 milhão por ano na compra de novos livros para o acervo. Além disso, tamanho investimento com ênfase na leitura pode trazer como conseqüência um impacto positivo na sociedade, de caráter transformador dos indivíduos, como explica Costa Pinto: “A literatura é o conhecimento pela imaginação, como disse o escritor mexicano Carlos Fuentes, e ela cria um distanciamento da realidade, formando nas pessoas um sentido crítico, de que as coisas são, mas elas poderiam ser de outra maneira”. Para ele, não é a leitura que transforma a sociedade, mas ela é um instrumento que transforma os leitores em transformadores.

| 13


GUIA DE BARES

Onde ir no fim de semana? Três lugares imperdíveis... The Wall

L

ocalizado no térreo do Hotel Unique. Sobra tranqüilidade para conversar e bebericar coquetéis como o cîroc strawberry mojito R$33.00 trata se de uma mistura de vodca premium francesa, morango com pedaços de folhas de hortelã, açúcar e club soda. Local: Avenida brigadeiro Luiz Antonio, 4.700 Hotel Unique, Jardim Paulista. Fone: 3055-4700

Pé pra fora

C

om suas vinte e cinco mesas, cobertas com toalhas nas cores azul e bege, todas voltadas para a rua em uma enorme varanda, daí o nome do bar. Cerveja original R$6.00 geladaça, aos sábados e quartas feijoada na cumbuca R$ 61.20 serve duas pessoas. Local: Avenida Pompéia, 2517, Vila Madalena. Fone: 3672-4154

Bar do Genésio

E

specializado em espetinhos, mais de 40 tipos. Chope da brahma á R$ 4,90. Clientela descolada e cozinha aberta até tardão da noite. No menu contam massas fusilli com ragu á R$28.50 e pizzas individuais, além de caldinhos de feijão branco R$ 8.00. Local: Rua Fidalga, 265, Vila Madalena. Fone: 3812-6522

14 |


Agradecimentos

F

azer uma revista requer preparação, empenho e criatividade. No nosso caso, além de tudo isso, a revista Única representou um grande aprendizado, experiências que ficarão para sempre em nossas memórias, e momentos de muita diversão. E no meio de tudo, encontramos a cooperação de várias pessoas sem as quais nossa revista não seria a mesma. Agradecemos ao professor Luis Vicente por toda a paciência, incentivo e animação. Também às nossas queridas modelos, Naiara Neris, Bianca Brandini e Vanessa Gonçalves, que cederam um tempinho dos seus dias para nossas divertidíssimas sessões de fotos, com direito a muitas trocas de roupas. Ao casal propaganda, Heino Welge e Tatiana Marazzi, que recentemente ficaram noivos. Ao técnico de fotografia Marcelo Boca, que nos deu dicas valiosas na hora dos cliques, e teve muita paciência em nos aguentar toda semana lá. E também à maquiadora Rebecca Orenstein. Um agradecimento especial aos nossos entrevistados, à diretora da Biblioteca de São Paulo, Magda Montenegro, à bibliotecária da Biblioteca Pública Mário Schenberg, Denise de Queirós, e ao artista e escritor Philip Hallawell. Ver o resultado no final valeu a pena! Conquistamos um resultado que é a expressão de tudo o que fizemos e aprendemos. Esperamos que todos tenham gostado da revista! Adriana e Sirlene


Neste dia dos namorados, apimente sua relação. Dê Chilli Beans


Revista Única