Page 31

NÓS ADRACES

EVA DREAM

AS ALDEIAS FLORIDAS DE AFECTOS QUE TÓ ROMANO SONHOU

“ SE UMA PESSOA PODE TRABALHAR A IMAGEM DE OUTRA, PORQUE É QUE UM POVO INTEIRO NÃO PODE TRANSFORMAR A IMAGEM DE UM PAÍS?” Tó Romano

Imagine flores. Imagine flores espraiadas pela imensidão dos campos enquanto rola pelo asfalto de uma auto-estrada. Imagine flores sarapintando as janelas de todas as casas, polvilhando todos os canteiros, colorindo todas as ruas... de uma aldeia. De uma vila. De um país. Isso é “Eva Dream”. A ideia nasceu de um sonho real de Tó Romano, o famoso director da Central Models, aquando da sua visita ao Carvalhal, uma aldeia próxima da Figueira da Foz, “tipicamente feia como tantas outras em Portugal”, em 1996, e cuja essência vem amadurecendo até hoje, culminando na edição do livro “Eva Dream”. Enquanto vagueava pelos destinos principais do povoado, o exmodelo e estudioso de arquitectura deambulava igualmente nos seus pensamentos, procurando soluções estéticas para a descuidada descaracterização da pacata aldeia. E a ideia brotou, conforme descreveu na sua obra:

“Ia “desenhar” um sonho… Casas dispersas, hortas e jardins à volta, queria pintar mil e uma fachadas, valeria a pena passar mais duas noites sem dormir. Azuis e verdes, cor de laranja e verde alface, azul escuro e amarelo limão. Podia utilizar as cores todas da paleta: violetas, rosas, vermelhos, dégradés e contrastes em texturas que o próprio sol e clima ajudariam a envelhecer e embelezar com o passar das estações”.

“Transpor para o exterior e devolver à Natureza as cores que a si pertenciam. Natureza colorida que agora podia envolver e abraçar as habitações com flores, trepadeiras, arbustos e árvores floridas ou de frutos. Nos pequenos lotes de terra e quintais que a maioria das casas possuía, poderiam brotar as cores das pétalas que com as fachadas dialogassem, criando para cada canto um cenário belo e harmonioso. Poderia estabelecer ligações acrescentando muros com floreiras, remodelar as habitações, construindo balaustradas e varandas de madeira com flores pendentes ou criar caminhos de sombra com alpendres cobertos de trepadeiras floridas”.

A passagem da imagem pictórica de uma aldeia florida para a imagem nacional do país mais florido do mundo ganhou consistência idílica e procura agora cativar o afecto dos portugueses. Segundo o autor, o mundo natural, pela sua beleza, é passível de criar uma cascata de emoções positivas no ser humano, que estarão na base para a superação da crise sorumbática, vazia de soluções, que afronta Portugal.

‘29,

Profile for ADRACES BIS

Viver 17 - Desportivamente na BIS  

Pensar o desporto de âmbito local como uma alavanca de dinâmicas sócio-culturais para o desenvolvimento de um território "física e intelectu...

Viver 17 - Desportivamente na BIS  

Pensar o desporto de âmbito local como uma alavanca de dinâmicas sócio-culturais para o desenvolvimento de um território "física e intelectu...

Profile for adraces
Advertisement