Page 6

tem a palavra

Joaquim Morão

Uma força da natureza da raia beiroa CMCB

Contextualizando: No primeiro número, demos a palavra à Presidente da Câmara de V. Velha de Ródão, por ser o Concelho sede da ADRACES. Nesta edição, solicitamos a palavra ao Presidente da Câmara de Castelo Branco senhor Joaquim Morão, autarquia que exerce, no presente período, a Presidência da Direcção da ADRACES. Contamos poder apresentar nos próximos números as opiniões dos Presidentes de Idanha-a-Nova e de Penamacor, completando assim a ronda das entidades colectivas sócias fundadoras da ADRACES.



Tem a palavra o Presidente: VIVER – Senhor Presidente, tendo em consideração a sua disponibilidade de tempo, seremos breves, limitando-nos a colocar tão só quatro questões: O Senhor, que foi um dos impulsionadores e fundadores deste projecto, já lá vão uns bons doze anos, que apreciação faz hoje do percurso e importância da ADRACES para o desenvolvimento da Beira Interior Sul? Joaquim Morão – É verdade, este é um Projecto do qual nos orgulhamos de ter sido um dos fundadores. Hoje podemos considerar a ADRACES como uma agência regional de desenvolvimento ao nível de uma NUT III que engloba os quatro Municípios da Beira Interior Sul: Castelo Branco, Idanha-a-Nova, Penamacor e Vila Velha de Ródão, com relações de cooperação que vão muito para além deste espaço a nível nacional e europeu. É uma Associação que gere financiamentos comunitários aplicados a projectos locais, quer próprios quer de terceiros, vocacionados para valorização do Desenvolvimento Rural nas suas diversas vertentes, em especial, as da valorização daquilo que de melhor temos nas nossas terras, ou seja, as competências das pessoas, os costumes e valores da nossa identidade cultural e patrimonial, e os nossos produtos rurais. A ADRACES, para além disso, tem

sabido diversificar as suas actividades e maneiras de intervir de que é exemplo esta bela Revista, destinada a apoiar as suas capacidades de sensibilização das pessoas para atitudes de maior iniciativa e empenho em desenvolver os nossos territórios. Esta Associação é um dos elementos da nossa estratégia e desempenha um papel muito importante. Estamos disponíveis para continuar a fortalecer a ADRACES de maneira a que ela ganhe cada vez maior capacidade de intervenção. V. – Em seu entender, qual é o papel que deve e/ou pode desempenhar a Capital do Distrito na criação de sinergias capazes de influenciar todo o Distrito? J.M. – Vejamos, penso que, quando nos empenhamos em obter infra-estruturas fundamentais para o desenvolvimento de Castelo Branco, tais como a auto-estrada, a electrificação da linha férrea ou o acesso ao gás natural, entre outras, estamos a reforçar a voz do conjunto de autarcas, dos empresários e das populações, não só do Distrito, mas de toda a região, contribuindo com a especificidade da nossa experiência para o sucesso das justas reivindicações de todos. Sabe... aquele velho ditado que diz “cria fama e deita-te a dormir” é falso! Quem se deitar a dormir depressa perde a fama e o proveito. O exemplo do trabalho feito é que pode levar longe e aos ouvidos certos... a nossa voz!

Viver 2 - A Juventude da BIS  

Encarar os jovens como sérias esperanças para evitar o despovoamento absoluto e a subsequente desertificação da Beira Interior Sul foi o des...

Viver 2 - A Juventude da BIS  

Encarar os jovens como sérias esperanças para evitar o despovoamento absoluto e a subsequente desertificação da Beira Interior Sul foi o des...

Advertisement