Page 1

e v itar o m o C

www.agricultura.gov.br Central de Relacionamento: 0800 704 1995

a Doença da Vaca Louca no Brasil

Ministério da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento


Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Como evitar a Doença da Vaca Louca no Brasil Missão Mapa Promover o desenvolvimento sustentável e a competitividade do agronegócio em benefício da sociedade brasileira.

BRASÍLIA - 2005 Brasília / DF 2009


© 2009 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida a reprodução desde que citada a fonte. A responsabilidade pelos direitos autorais de textos e imagens desta obra é do autor. 4ª edição. 2009 Tiragem: 20.000 exemplares Elaboração, distribuição, informações: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Secretaria de Defesa Agropecuária Departamento de Saúde Animal Coordenação Geral de Combate a Doenças Coordenação da Raiva dos Herbívoros e das Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis Esplanada dos Ministérios, Bloco D, 3º andar, Anexo A sala 328 CEP: 70043-900, Brasília - DF www.agricultura.gov.br e-mail: pncrh@agricultura.gov.br Central de Relacionamento: 0800 704 1995 Coordenação Editorial: Assessoria de Comunicação Social Equipe Técnica: Bárbara Nely Leite Praça, Tomaz Gelson Pezzini, Guilherme Henrique Figueiredo Marques, Bruno Meireles Leite, Elaine Fátima de Sena. Impresso no Brasil / Printed in Brazil

Catalogação na Fonte Biblioteca Nacional de Agricultura – BINAGRI Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Como evitar a doença da vaca louca no Brasil / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa Agropecuária. – Brasília : MAPA/ACS, 2009. 28 p. ISBN 978-85-99851-62-3 1. Saúde Pública. 3. Defesa Animal. 4. Análise de Risco. 5. Doença da Vaca Louca. I. Secretaria Defesa Agropecuária. II. Título. AGRIS L73 CDU 636.2


APRESENTAÇÃO A produção pecuária brasileira vem obtendo destaque no âmbito do comércio internacional, que se mostra cada vez mais exigente em relação à sanidade animal. Consumidores em todo o mundo têm demonstrado especial preocupação com a Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB), popularmente conhecida como "Doença da Vaca Louca", devido ao risco que representa para a saúde humana, com importantes conseqüências para a comercialização de animais e de produtos de origem animal. Embora a EEB não ocorra no Brasil, a Coordenação da Raiva dos Herbívoros e das Encefalopatias Espongiformes Transmissíveis (CRHE), do Departamento de Saúde Animal (DSA), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) está atenta quanto à vigilância da doença, tendo investido continuamente em medidas de prevenção, informação e capacitação. A principal forma de transmissão da EEB para os bovinos é a ingestão de alimentos elaborados com proteínas e gorduras oriundas de animais. Por isso, já no ano de 1996, o MAPA proibiu o uso da proteína e de farinha de carne e ossos provenientes de ruminantes na alimentação destes animais. Esta cartilha objetiva informar aos produtores rurais sobre a EEB, bem como explicitar o importante papel a ser por eles desempenhado, em consonância com o serviço oficial e outros representantes da iniciativa privada.

Departamento de Saúde Animal


Bom dia a todos! Hoje vamos conversar sobre a Doenรงa da Vaca Louca e o que devemos fazer para manter o Brasil sem essa doenรงa.


A Encefalopatia Espongiforme Bovina, mais conhecida como Doença ou Mal da Vaca Louca, atinge o sistema nervoso principalmente dos bovinos, fazendo com que fiquem com o comportamento alterado. Daí o nome "Vaca Louca".


Os primeiros casos da Doença da Vaca Louca ocorreram na Europa no ano de 1986. Também foram registrados casos em outros continentes. Já o Brasil nunca registrou caso dessa doença.


Além da morte dos animais e risco de transmissão ao homem, outro GRANDE PREJUÍZO da Doença da Vaca Louca seria a restrição à exportação brasileira de carne bovina, que hoje atinge mais de 1 milhão de toneladas, o equivalente a mais de 4 bilhões de dólares por ano!


Qual é a causa da doença?

Uma proteína chamada príon, que pode ser transmitida aos ruminantes (principalmente bovinos) quando alimentados com ração contendo farinha de carne e ossos de animais com a doença.


O senhor falou que a Doença da Vaca Louca pode ser transmitida ao ser humano?

Sim, se ele comer determinados produtos de um animal que tenha contraído a doença. Mas não se preocupem! Como eu já falei, o Brasil nunca registrou caso da Doença da Vaca Louca.


Isso porque o nosso sistema de criação de bovinos, principalmente engorda, é quase que inteiramente a pasto e a suplementação alimentar que damos para o gado é à base de proteína vegetal, como soja, milho e caroço de algodão. Além disso, desde o aparecimento da doença na Europa, o serviço oficial de defesa sanitária animal do Brasil adotou medidas para evitar a introdução da Doença da Vaca Louca no país, tais como a proibição de importação de animais e seus produtos vindos de países com registro da doença, e a proibição do uso de proteína animal na alimentação de ruminantes exceto leite e derivados.


tá sendo s e á j e u q Além do ue cada q e t n a t impor feito, é para que , e t r a p a sua a um faça nue sem i t n o c s í o pa a Louca. c a V a d Doença

aneira? m e u q e D


“Observando atentamente o gado. Caso identifique um animal agressivo, com olhar assustado, salivando muito, com tremores em algumas partes do corpo e dificuldade para caminhar ou levantar, avise um médico veterinário, de preferência do serviço oficial de defesa sanitária animal. Para continuarmos sem essa doença ça, a vigilância é fundamental. O Ministério da Agricultura (Mapa) e os órgãos oficiais estaduais estão aí para garantir a nossa segurança e a dos animais. É nosso dever contribuir com eles”!


Uma outra maneira é ter cuidados com a alimentação: se, além de pasto, for dado outro tipo de alimento para o gado, este NÃO PODE CONTER farinha de carne e ossos ou qualquer outro produto de origem animal, pois a principal forma de transmissão da doença é justamente pela ingestão desses ingredientes.

Por esse motivo, não se deve oferecer cama-de-aviário ou resíduos da exploração de suínos para o gado!


Cama-de-aviário é a mesma coisa que cama-de-frango?

Apesar de a composição geral ser basicamente a mesma, o termo “aviário” é mais abrangente, pois inclui também cama ou o esterco proveniente de outras aves.


A cama-de-aviário é o conjunto do material utilizado para forrar o piso do aviário, que pode ser de maravalha, palha de arroz, feno de capim, sabugo de milho triturado ou serragem com as fezes, urina, restos de ração e penas que se misturam com esse material.


O senhor poderia explicar melhor por que não podemos aproveitar a cama-de-aviário na alimentação do gado?

Pois não. Apesar de ser uma opção mais barata do que os outros alimentos normalmente indicados, o Mapa proíbe o seu uso na alimentação de bois, búfalos, cabras e ovelhas.


Por quê?

“Porque, no Brasil, é permitido alimentar as aves com ração contendo farinha de carne e ossos ou outros tipos de proteína animal, que podem causar a Doença da Vaca Louca. Parte dessa ração cai na cama. Se dermos esta cama-de-aviário para um ruminante, correse o risco deste animal contrair a Doença da Vaca Louca. O risco ocorre também se alimentarmos ruminantes com resíduos da exploração de suínos”.


Outro problema que pode estar relacionado com a cama-de-aviário é a possível presença de bactérias, arames, pregos e resíduos de inseticidas e antibióticos, além da possibilidade de causar uma doença chamada botulismo.


E existe alguma maneira de aproveitar a cama-de-aviário?

Sim! Como adubo orgânico, o que diminui os gastos com fertilizantes químicos, ou como biogás. Entretanto, é preciso primeiramente fazer um tratamento desta cama, já que ela pode causar poluição do solo ou das águas, prejudicando o meio ambiente. Mesmo com esse tratamento essa cama não pode ser usada como alimento para os ruminantes e deve ser guardada longe do acesso desses animais.


“Uma forma de tratamento é a compostagem, que é um processo de decomposição do material orgânico - como a cama-de-aviário, palhada e estrume-pela ação de microorganismos presentes no solo. O produto final é rico em nutrientes minerais, que melhoram a "saúde" do solo. O ideal é consultar um técnico, que irá orientá-los quanto à forma correta de fazer a compostagem”. Alguns cuidados ao se montar a pilha: 1. Escolher um local adequado; 2. Iniciar a construção da pilha colocando uma camada de material vegetal seco de aproximadamente 15 a 20 centímetros; 3. Regar a primeira camada com água sem encharcar e molhar cada camada montada; 4. Na segunda camada, colocar restos de verduras, grama e esterco; 5. Na terceira, colocar uma camada de 15 a 20 centímetros com material vegetal seco, seguida por outra de esterco e assim por diante até que a pilha atinja a altura aproximada de 1,5 metros; 6. Revolver a pilha pelo menos três vezes no primeiro mês (7º, 17º e 30º dia), usando pás e enxadas. O composto estará pronto como fertilizante no período de 60 a 90 dias.


Qual a quantidade de cama-de-aviário que devemos colocar na lavoura ou na pastagem?

Depende de uma série de fatores, como as características do solo e a exigência nutricional da cultura. Mais uma vez, buscar orientação técnica é fundamental. É importante que este material seja incorporado ao solo ou que seja distribuído em camadas finas sobre a terra na época das águas. No caso de pastagens, deve-se retirar o gado por 30 a 40 dias, para que haja a incorporação.


Como vocês puderam aprender hoje, é possível aproveitar a cama-de-aviário como adubo. O que não se pode, de forma alguma, é utilizá-la na alimentação de ruminantes. O MAPA não permite o seu uso desde 1996, quando proibiu a farinha de carne e ossos na alimentação de ruminantes.


E se soubermos de alguém que insiste em usar a cama-de-aviário como alimento para os animais?

É seu dever denunciar essa pessoa. Para isso, dirija-se ao serviço oficial de defesa sanitária animal do seu Estado ou ligue para o Disque Denúncia do MAPA: 0800 704 1995


Faça a sua parte para manter o Brasil sem a Doença da Vaca Louca. Denuncie o uso de farinha de carne e ossos, cama-de-aviário e resíduos da exploração de suínos na alimentação de ruminantes. Disque denúncia: 0800 704 1995


Evite a Doença da Vaca Louca (EEB) Não forneça aos ruminantes (bovinos, bubalinos, ovinos, caprinos e outros) proteínas de origem animal, inclusive a cama-de-aviário, resíduos da exploração de suínos e qualquer outra fonte de alimento que contenha proteínas de mamíferos. Lembre-se que leite e derivados não são considerados alimentos de risco para a Doença da Vaca Louca, sendo permitidos na alimentação de ruminantes. Antes de alimentar seus bovinos ou outros ruminantes com ração, concentrados e suplementos protéicos, confira cuidadosamente se no rótulo desses produtos não se encontra o termo: "Uso proibido na alimentação de ruminantes".


Caso você prepare ração, concentrados e suplementos protéicos em sua propriedade, tenha certeza de não estar misturando alimentos para não ruminantes (equinos, suínos e aves) na alimentação dos ruminantes, tendo o cuidado de manter estes alimentos devidamente controlados e separados, pois há o risco de haver contaminação cruzada no transporte, na armazenagem, na pesagem e no próprio cocho dos animais. Guarde sempre com você os comprovantes e notas fiscais de aquisição de rações, concentrados e suplementos protéicos, e também das matérias primas, caso estes alimentos sejam preparados na propriedade. Se notar um animal com sinais de doença do sistema nervoso, como alteração do comportamento, dificuldades de locomoção, paralisia, andar cambaleante, entre outros, avise a unidade local do serviço veterinário oficial mais próximo da sua propriedade. Mantenha-se informado e atualizado em relação às medidas de prevenção e às normas e procedimentos definidos pelas autoridades sanitárias, visitando com periodicidade a unidade local do serviço veterinário oficial e o site do Mapa (www.agricultura.gov.br). Use o telefone 0800 704 1995 para denunciar ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento eventuais descumprimentos da legislação vigente.


SUPERINTENDÊNCIAS FEDERAIS DA AGRICULTURA NOS ESTADOS ACRE SFA-AC Rodovia AC-40, 793 Rodovia AC-40, Nº 793, Segundo Distrito, Segundo Distrito 69901-180 - Rio Branco/AC. 69901-180 Rio Branco/AC Tel: (68) 3212-1305 / 3212-1310 Tel: (68) 212-1324 / Fax: 212-1313 sedesa-ac@agricultura.gov.br ssa-ac@agricultura.gov.br

MARANHÃO SFA-MA Pça da República, 147 - Diamante Pça da República, 147, Bairro Diamante, 65020-150 São Luís/MA CEP: 65020-150 - São Luís/MA Tel: (98) 221-2457 / Fax: 231-4766 Tel: (98) 2106-1961 / 2106-1962 ssa-ma@agricultura.gov.br sedesa-ma@agricultura.gov.br

SFA-AL ALAGOAS Av. Av. Fernandes Fernandes Lima, Lima, 72, 72 – Farol Bairro Farol, Maceió/AL 57050-900 57050-900 - Maceió/AL. Tel: (82) 221-5020 R.207 Tel: (82) 3315-7000 Fax:(82) 221-7047 / 3223-2767 sedesa-al@agricultura.gov.br ssa-al@agricultura.gov.br

MATO GROSSO SFA-MG Al. Dr. Annibal Molina, s/nº Av. Raja Gabaglia, 245, Ponte Nova Cidade Jardim 78115-901 Várzea Grande/MT CEP: 30380-090 - Belo Horizonte/MG Tel: (65) 685-1952 / Fax: 685-1156 Tel: (31) 3250-0306 / 3250-0300 ssa-mt@agricultura.gov.br FAX: (31) 3250-0314 sedesa-mg@agricultura.gov.br MATO GROSSO DO SUL

SFA-AM AMAPÁ R. Maceió, 460469 - Adrianópolis, R Tiradentes, – Bairro Central CEP: 69057-010 - Manaus/AM. 68906-380 Macapá/AP Tel: Tel: (92) (96) 4009-3801 223-3067 R.323 sedesa-am@agricultura.gov.br Fax: (96) 222-4467 ssa-ap@agricultura.gov.br SFA-AP R. Tiradentes, 469 AMAZONAS Bairro Central, R. Maceió, 460 - Adrianópolis CEP: 68906-380 - Macapá/AP 69057-010 Manaus/AM Tel: 3222-0282 Tel: (96) (92) 3223-3075 232-8073 / /Fax: 232-8073 sedesa-ap@agricultura.gov.br ssa-am@agricultura.gov.br BAHIA SFA-BA Largo dos dosAflitos, Aflitos,s/nº s/nºEd. - Ed. Ceres Largo Ceres, 40060-030 Salvador/BA CEP: 40060-030 - Salvador/BA Tel: (71) (71) 3320-7436 320-7417 / /Fax: 320-7417 Tel: 3329-5890 ssa-ba@agricultura.gov.br sedesa-ba@agricultura.gov.br CEARÁ SFA-CE Av. dos dosExpedicionários, Expedicionários, Av. 3442 Benfica, - Benfica 3442 60410-410 Fortaleza/CE CEP: 60410-410 - Fortaleza/CE Tel: (85) (85) 3455-9201 494-1555 / /Fax: 494-1955 Tel: 3455-9202 ssa-ce@agricultura.gov.br sedesa-ce@agricultura.gov.br DISTRITO FEDERAL SFA-DF SBN Q.01, Q. 01,BL.D Bl. D- -5ºAndar, 5º andar SBN Ed. Palácio Palácio Desenvolvimento, Desenvolvimento Ed. 70057-900 Brasília/DF CEP: 70057-900 - Brasília/DF Tel: (61) (61) 3329-7101 326-3562 Tel: Fax:(61) 326-2565 (61) 3329-7100 ssa-df@agricultura.gov.br sedesa-df@agricultura.gov.br ESPÍRITO SANTO SFA-ES Av. N.Sra. dos Navegantes, 495, Av. N. Srª dos Navegantes, 495, 8º.andar - Praia do Suá 8º Andar, Praia do Suá. 29050-420 Vitória/ES CEP: 29050-420 - Vitória/ES Tel: (27) 381-2720 Tel: (27) 3137-2754 Fax: (27) 381-2204 (27) 3137-2704 ssa-es@agricultura.gov.br sedesa-es@agricultura.gov.br GOIÁS SFA-GO Pça Cívica, 100, 4º andar Pça. Cívica, 100, 3º andar, Caixa. Postal: 149 CX. Postal 149, 74003-010 Goiânia/GO CEP: 74003-010 - Goiânia/GO Tel: (62) 221-7249/221-7256 Tel:(62) Fax:(62)3221-7205 221-7254 FAX: (62) 3229-0400 ssa-go@agricultura.gov.br sedesa-go@agricultura.gov.br

R. Dom Aquino, 2696 - Centro SFA-MS 79002-970 Campo Grande/MS R. 2696, Centro, (67)Aquino, 325-7100 R.2003 Tel:Dom CEP: 79002-182 - Campo Grande/MS Fax: (67) 325-7666 Tel: (67) 3316-7120 / 3316-7100 / ssa-ms@agricultura.gov.br 3316-7119 sedesa-ms@agricultura.gov.br MINAS GERAIS Av. Rajá Gabaglia, 245 SFA-MT Cidade Jardim Alameda Dr. Belo Annibal Molina, s/nº 30380-090 Horizonte/MG Ponte Nova, Tel: (31) 3250-0416 CEP: 78115-000 - Várzea Grande/MT Fax: (31) 3250-0418 Tel: (65) 3685-5678 / 3685-5481 ssa-mg@agricultura.gov.br sedesa-mt@agricultura.gov.br PARÁ Av. Almirante Barroso, 5384 - Souza SFA-PA 66030-000 Belém/PA Av. Almirante Barroso, 5384, Castanheira, Tel: (91) 243-3355 R.247 CEP: 66645-250 - Belém/PA Fax:(91) (91)3214-8697 243-3887 / 8637 / 3231-6422 Tel: ssa-pa@agricultura.gov.br Fax: (91) 3231-5878 sedesa-pa@agricultura.gov.br PARAÍBA BR-230, Km 14, Estrada SFA-PB João Pessoa/Cabedelo BR-230, KM 14, Estrada, 58310-000 Cabedelo/PB João Pessoa/Cabedelo, Tel: (83) 246-1235 R.203 CEP 58310-000 - Cabedelo/PB Fax: (83) 246-1203 Tel: (83) 3246-2123 / 3246-6321 ssa-pb@agricultura.gov.br FAX: (83) 3246-2535

sedesa-pb@agricultura.gov.br PARANÁ R. José Veríssimo, 420 - Tarumã SFA-PE 82820-000 Curitiba/PR Av. General San Martin, Tel: (41) 361-4082 / Fax: 366-3260 1000, Bongi ssa-pr@agricultura.gov.br CEP: 50630-060 - Recife/PE Tel: (81) 3236-8500 PERNAMBUCO sedesa-pe@agricultura.gov.br AV. General San Martin, 1000 - Bongi SFA-PI 50630-060 Recife/PE R. Taumaturgo de Azevedo, 2315, Tel: (81) 3227-3911 R. 204 CEP: 64001-340 - Teresina/PI Fax: (81) 3227-0309 Tel: (86) 3223-4321 / 3222-4545 ssa-pe@agricultura.gov.br FAX: (86) 3222-4324 sedesa-pi@agricultura.gov.br PIAUÍ R. Taumaturgo de Azevedo, 2315 SFA-PR 64001-340 Teresina/PI R. 420, Tarumã, Tel:José (86)Veríssimo, 222-4545 R. 222 CEP: 82820-000 - Curitiba/PR Fax: (86) 222-4324 Tel: (41) 3361-4052 ssa-pi@agricultura.gov.br sedesa-pr@agricultura.gov.br

RIO GRANDE DO NORTE SFA-RJ Av. Hildebrando de Góis, Av. Rodrigues Alves, 129, 11º andar, 150 - Ribeira CEP: 20081-250 - Praça Mauá 59010-700 Natal/RN Rio de Janeiro/RJ Tel: (84) 221-1741 R.222 Tel: (21) 2233-9122 / 3263-0822 Fax: (84) 221-1740 sedesa-rj@agricultura.gov.br ssa-rn@agricultura.gov.br

SFA-RN RIO GRANDE DO SUL Av. Góis,150, Av.Hildebrando Loureiro da de Silva , 515, Ribeira, Ed. Fernando 5º andar, Sala 505 Costa Ribeiro CEP: 59010-700 Natal/RN 90010-420 Porto Alegre/RS Tel: Tel:(84) (51) 4006-9675 3284-9514 / Fax: 3284-9512 (84) 4006-9679 ssa-rs@agricultura.gov.br sedesa-rn@agricultura.gov.br RIO DE JANEIRO SFA-RO Av. Rodrigues Alves, 129, 8º andar BR-364, KM 5,5, Sentido a Cuiabá, 20081-250 Rio de Janeiro/ RJ CX 35, Tel:Postal (21) 2253-7507 / Fax: 2253-7507 CEP: 76815-800 Porto Velho/RO ssa-rj@agricultura.gov.br Tel: (69) 3225-4985 / 3901-5601 sedesa-ro@agricultura.gov.br RONDÔNIA BR-364, Km 5,5 SFA-RR Sentido Cuiabá - CP 35 Av. Santos Dumont, 1470, 78900-970 Porto Velho/RO CX 132, Aparecida, Tel:Postal (69) 216-5610 / Fax: 222-2460 CEP: 69306-040 ssa-ro@agricultura.gov.br Boa Vista/RR RORAIMA Tel: (95) 3263-9605 Av. Santos Dumont, 582 sedesa-rr@agricultura.gov.br CP.132 - S. Pedro 69305-340 Boa Vista/RR SFA-RS Tel:Loureiro (95) 623-9605 R.28 Av. da Silva, 515, Fax: (95) s/ 623-9364 7º andar, 701, ssa-rr@agricultura.gov.br CEP: 90010-420 - Porto Alegre/RS Tel: (51) 3284-9588 SANTA CATARINA sedesa-rs@agricultura.gov.br R. Felipe Schmidt, 755 - Ed. Embaixador, 8º andar - CP 1502 SFA-SC 88010-002 Florianópolis/SC R. Felipe Schmidt, Nº 755 - Ed. Tel: (48) 3025-9930 / Fax: 3025-9988 Embaixador, 11º andar, ssa-sc@agricultura.gov.br CX Postal 1502,

CEP: 88010-002 - Florianópolis/SC SERGIPE Tel: (48) 3261-9906 / 9907 / 9999 Av. João Ribeiro, 428 - Centro sedesa-sc@agricultura.gov.br 49065-000 Aracajú/SE Tel: (79) 3179-2468 SFA-SE Fax: 3179-2466 Av. Dr.(79) Carlos Firto, 428 ssa-se@agricultura.gov.br CEP: 49065-310 - Aracajú/SE Tel: (79) 3179-8000 / 3712-8002 SÃO PAULO sedesa-se@agricultura.gov.br Av. 13 de Maio, 1.558, 3º andar – Bela Vista SFA-SP 01327-002 São Paulo/SP Av. 13 de Maio Nº 1558, 8º andar, Tel: (11) 251-0400/251-5742 CEP: 01327-002 - São Paulo/SP Fax: (11) 287-8988 Tel: (11) 3251-0400 ssa-sp@agricultura.gov.br sedesa-sp@agricultura.gov.br TOCANTINS SFA-TO Av. NS 1201 Sul, Cj. 2, Lote 05 Av. NS 1.201Palmas/TO Sul, Conj. 2, Lote 7, 77015-202 CEP: 77015-202 - Palmas/TO Tel: (63) 215-8518 R.227 Tel: (63) 3219-4300 ssa-to@agricultura.gov.br sedesa-to@agricultura.gov.br


e v itar o m o C

www.agricultura.gov.br Central de Relacionamento: 0800 704 1995

a Doença da Vaca Louca no Brasil

Ministério da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Cartilha Vaca Louca  

Hoje vamos conversar sobre a Doença da Vaca Louca e o que devemos fazer para manter o Brasil sem essa doença.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you