Page 1

Rio do Sul, sexta-feira, 23 de agosto de 2013 - Ano 1 - Nº 1 - Adove Assessoria de Comunicação - Diário do Alto Vale

Plante uma árvore, escreva um livro e tenha um filho Pág. 14

Aqueça sua casa de forma sustentável Pág. 13

Bikes elétricas se Pág. 14 popularizam em Rio do Sul


Sustentável

12

Com vocês, o Caderno Sustentável!

O

que é ser sustentável? A resposta pode vir de diversas formas e de várias maneiras. Separar o lixo, comprar somente o necessário, não desperdiçar comida, reaproveitar alguns materiais e por ai segue uma extensa lista. Nada disso está errado. Podemos dizer que, ser sustentável é aproveitar o que o mundo nos oferece sem comprometer a disponibilidade para as futuras gerações. Para esclarecer e contribuir com um mundo mais sustentável, a Adove Comunicação e Imprensa em parceria com o Diário do Alto Vale, traz para você o Caderno Sustentável. O projeto visa destacar as boas práticas que auxiliam com o planeta. São ações simples, do cotidiano, e que fazem a diferença. Nosso Caderno já existia, ele ficou quase um ano dando boas dicas e alertando a população sobre a importância de adotar métodos sustentáveis. Tiramos umas férias e já estávamos com saudades. Agora voltamos! Seja bem vindo a primeira de muitas edições. Esperamos poder contribuir e te auxiliar a tornar todas as teorias em prática. Ser sustentável está mais relacionado com o fazer. Então, fique com a gente, siga nossas dicas e mão na massa. Boa leitura!

Redação e edição Adove Assessoria de Comunicação e Imprensa Centro Empresarial Laura Pasqualini Alameda Aristiliano Ramos, n°900 Sala 02, Centro - Rio do Sul - SC Jornalistas responsáveis: Karine Sabino Máira Daniela da Costa Diagramação: Victor Helmuth Peiker Imagens: Arquivo digital Adove, e fotos divulgação Contato: assessoria@adove.com.br Telefonme: (47) 3521-7146

DIÁRIO DO ALTO VALE RIO DO SUL, SEXTA-FEIRA, 23 DE AGOSTO DE 2013

Mas afinal, o que é sustentabilidade?

A

sustentabilidade correlaciona e integra de forma organizada os aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade. A palavra-chave é continuidade — como essas vertentes podem se manter em equilíbrio ao longo do tempo. Quem primeiro usou o termo foi a norueguesa Gro Brundtland, ex-primeira ministra de seu país. Em 1987, como presidente de uma comissão da Organização das Nações Unidas, Gro publicou um livreto chamado Our Common Future, que relacionava meio ambiente com progresso. Nele, escreveu-se pela primeira vez o conceito: “Desenvolvimento sustentável significa suprir as necessidades do presente sem afetar a habilidade das gerações futuras de suprirem as próprias necessidades”. Ela define ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos, sem comprometer o futuro das próximas gerações. O termo envolve um conceito sistêmico, relacionado com a continuidade dos aspectos econômicos, sociais, culturais e ambientais da sociedade. O objetivo maior é que as pessoas possam se manter inseridas num determinado ambiente sem, contudo, impactar violentamente esse meio. Mesmo assim, é importante ter em mente que adotar as práticas que transformem nossa presença em determinado lugar o mais sustentável possível é a única saída para determos a degradação ambiental que estamos experimentando nos últimos anos e as graves alterações cli-

Ações relacionadas a sustentabilidade

máticas que vemos causar grandes desastres em diversas partes do planeta. Ao atuarmos de forma irresponsável e queimarmos indiscriminadamente nossos recursos naturais, sem dar tempo ao planeta para se recuperar, estamos provocando a escassez de recursos necessários a nossa sobrevivência e dificultando a vida de milhões de pessoas. A adoção de ações de sustentabilidade garantem a médio e longo prazo um planeta em boas condições para o desenvolvimento das diversas formas de vida, inclusive a humana. Garante os recursos naturais necessários para as próximas gerações Vale lembrar que a sustentabilidade se aplica a qualquer empreendimento humano, de um país a uma família. Toda atividade que envolve e aglutina pessoas tem uma regra clara: para ser sustentável, precisa ser economicamente viável, socialmente justa, culturalmente aceita e ecologicamente correta. O desafio é enorme, envolve várias gerações e, por isso, você precisa estar ligado no tema.

- Exploração dos recursos vegetais de florestas e matas de forma controlada, garantindo o replantio sempre que necessário. - Preservação total de áreas verdes não destinadas a exploração econômica. - Ações que visem o incentivo a produção e consumo de alimentos orgânicos, pois estes não agridem a natureza além de serem benéficos à saúde dos seres humanos; - Exploração dos recursos minerais (petróleo, carvão, minérios) de forma controlada, racionalizada e com planejamento. - Uso de fontes de energia limpas e renováveis (eólica, geotérmica e hidráulica) para diminuir o consumo de combustíveis fósseis. Esta ação, além de preservar as reservas de recursos minerais, visa diminuir a poluição do ar. - Criação de atitudes pessoais e empresarias voltadas para a reciclagem de resíduos sólidos. Esta ação além de gerar renda e diminuir a quantidade de lixo no solo, possibilita a diminuição da retirada de recursos minerais do solo. - Desenvolvimento da gestão sustentável nas empresas para diminuir o desperdício de matéria-prima e desenvolvimento de produtos com baixo consumo de energia. - Atitudes voltadas para o consumo controlado de água, evitando ao máximo o desperdício. Adoção de medidas que visem a não poluição dos recursos hídricos, assim como a despoluição daqueles que se encontram poluídos ou contaminados.


Sustentável

DIÁRIO DO ALTO VALE RIO DO SUL, SEXTA-FEIRA, 23 DE AGOSTO DE 2013

Aqueça sua casa de forma sustentável

O

inverno, especialmente aqui no Sul do Brasil, é bastante rigoroso. Para escapar das temperaturas negativas, muitas pessoas recorrem aos aquecedores elétricos e ar condicionado. Porém, esses produtos tem seu lado negativo pelo alto consumo de energia elétrica. Para fugir da alta conta de luz, contribuir com o meio ambiente e ainda deixar a casa bem aquecida, é importante adotar alguns métodos caseiros e de grandes resultados. Espalhar mantas e xales pela casa é uma ótima opção. Estenda elas no sofá, nas camas, poltronas e até mesmo por cima de baús. Além de deixar tudo mais confortável e aumentar a sensação de aconchego, as mantas funcionam como excelentes recursos decorativos. Os tapetes também auxiliam no aquecimento da casa. Coloque-os em todos os cômodos da casa, especialmente se o piso for frio. Quem não sofre com problemas de alergia, pode optar

A

por tapetes mais felpudos, que são ainda mais quentes. Outra dica sustentável é utilizar as bolsas de água quente. Há quem coloque elas na cama antes de deitar, assim, o colchão estará quentinho na hora de dormir. Essa é uma opção barata, ecológica e econômica: nem precisa jogar a água fora, basta aquecê-la novamente no dia seguinte. Apesar de tantas dicas, nenhuma delas supera o calor que vem do sol. Então, aproveite ao

máximo a energia dele. Abra as janelas para que os raios solares entrem. Se estiver aquele ventinho frio, abra as cortinas e mantenha os vidros fechados, para o claor do sol entrar. Se você gosta de uma casa ventilada, não se esqueça de fechar as portas e janelas, ao final da tarde, para que o calor não saia. O mais é deixar a imaginação esquentar o coração, com velas, mantas, carinho, aconchego e muito calor humano.

O valor dos produtos sustentáveis Ter uma vida equilibrada e saudável não tem preço e cada vez mais, as pessoas adotam esse estilo de vida. Pesquisa realizada pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (Ibope) revelou que a escolha por produtos sustentáveis estão na preferência da população, mesmo que tenham seja necessário pagar mais por isso. Pelo menos 70% da população brasileira pagariam mais caro para adquirir produtos que não causem gran*Com informações de Info Exame

Apenas 60% do lixo do Brasil terá destino correto em 2014

des impactos na natureza, revelou a pesquisa. Também segundo o estudo, 61% das pessoas mudariam seu estilo de vida para beneficiar o meio ambiente. Além desses resultados, o Ibope também constatou que as pessoas que descartam corretamente os resíduos sólidos encontram-se na faixa etária de 35 a 75 anos. Já as que reutilizam materiais são mais jovens, entre os 20 e 24 anos de idade. Porém, apesar dos núme-

ros, nem sempre as respostas dos entrevistados condizem com as suas práticas no cotidiano. De acordo com o Instituto, 86% concordam que a separação correta do lixo é dever de todas as pessoas, mas somente um número irrisório, de 26%, recicla os resíduos com frequência. Que tal colaborar, de fato e na prática, com ações sustentáveis? Comece agora. Pequenos gestos mudam o mundo e o tornam num lugar melhor de se viver.

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) apresentou estimativa que revela que o Brasil ainda deixa muito a desejar quando o assunto é a gestão de resíduos sólidos. Segundo a avaliação, o país avança lentamente no setor e, se não acelerar o ritmo, terá apenas 60% de seu lixo sendo destinado corretamente em 2014 - ano em que, de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), todos os municípios brasileiros deveriam estar com seus lixões desativados e substituídos por aterros sanitários. Ainda segundo a estimativa da Abrelpe, no ritmo em que está, o Brasil só vai conseguir universalizar a coleta de resíduos urbanos em 2020 ou mais. “A perspectiva da Abrelpe leva em conta as médias nacionais de gestão de resíduos. O Brasil é um país continental e as diferenças regionais são gritantes nesse setor, o que significa que o processo de universalização da coleta de resíduos urbanos pode atrasar ainda mais”, explica Carlos Silva Filho, diretor executivo da Associação. Divulgado em maio, o Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2012 apontou que o país deu destino incorreto a quase 24 milhões de toneladas de lixo no ano passado, o que equivale a 168 estádios do Maracanã lotados.

“A falta de espaço já não é mais problema nem desculpa para quem quer montar uma horta. Com um sistema de plantio em canos de PVC, a horta pode ser colocada em qualquer lugar, até na varanda de um apartamento. Mais parecida com uma escada, a horta suspensa, como é chamada, é simples de fazer e econômica”.

13


Sustentável

14

Bikes elétricas se popularizam em Rio do Sul

A

s bicicletas elétricas transformaram a rotina de muitas pessoas. Em Rio do Sul, elas já podem ser vistas tanto em momentos de lazer, como para locomoção diária. Essa nova opção de transporte se tornou algo seguro, econômico e de muita praticidade. Como vantagens, elas possibilitam fugir de grandes engarrafamentos com facilidade. As bikes elétricas permitem chegar mais rapidamente ao lugar desejado, seja para trabalhar ou se divertir. Porém, a principal vantagem que elas apresentam está na sustentabilidade que promovem. Modernas, não emitem nenhum gás poluente na atmosfera. Esse fator promove um grande ganho para o meio ambiente. Elas são silenciosas, práticas e super econômicas, além disso, garantem um transporte rápido e cômodo para qualquer lugar. Pioneiro em trazer essa novidade para Rio do Sul e região, a JK Bike, loja especializada em bicicletas, trabalha com a linha elétrica há quatro anos. Desde o início das vendas, as bikes elétricas sempre tiveram uma grande procura, tanto por pessoas físicas quanto por empresas, que viram nelas uma solução de transporte rápido e fácil. De acordo com o diretor da JK Bike, Joel Ricardo Rodrigues, a grande procura se dá pelas facilidades que o produto apresenta. “Essa linha de bicicletas possuem um baixo custo. Elas gastam menos de um centavo por quilômetro rodado e esse, é um dos fatores que favorecem as vendas”, disse. Joel apostou e investiu no segmento e hoje comercializa bicicletas elétricas para todo o Brasil, através de representantes e do e-commerce. A busca pelo aperfeiçoamento tornou a JK Bike na primeira loja de bikes elétricas a obter o selo do Inmetro. Agora, a empresa busca a regulamentação do uso das bikes. Por se tratarem de veículos ciclomotores, o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) definiu que todos os municípios regulamentem o uso das bicicletas elétricas. Em Rio do Sul, um projeto de lei do vereador, José Thomé, tramita na Câmara. A ação visa maior segurança para ciclistas e pedestres.

DIÁRIO DO ALTO VALE RIO DO SUL, SEXTA-FEIRA, 23 DE AGOSTO DE 2013

Plante uma árvore, escreva um livro e tenha um filho

D

iz a sabedoria popular que só temos uma vida completa quando plantamos uma árvore, escrevemos um livro e temos um filho. Mesmo que esses não sejam os ideais de vida de muitas pessoas, é preciso assumir que são três coisas que podem ser colocadas em prática por qualquer um que esteja preocupado com o futuro. Escrever um livro é algo mais complexo para alguns, ter um filho é mais ainda, especialmente nos dias atuais. Concluímos então, que plantar uma árvore é a mais fácil dessas tarefas. Essa ação leva menos de vinte minutos e traz frutos por centenas de anos. Apesar de ser a mais rápida, das três atividades listadas é a menos praticada pela maioria das pessoas. O plantio de uma ou mais árvores é ofuscado pela correria diária e por isso, fica em segundo, terceiro e ás vezes, nem entra nos planos. Diante da importância que

uma árvore tem para o planeta, isso é um dado preocupante. São bilhões de pessoas no mundo despreocupadas com o amanhã. Se cada um desses milhares de habitantes cumprisse pelo menos com este item da trilogia, o meio ambiente seria um lugar bem mais

saudável. Então não espere mais. Essa atitude simples pode gerar grandes valores e proporcionar benefícios incríveis. Plantar uma árvore é o primeiro passo, não apenas para uma vida completa, mas para um futuro melhor para todos.

A conta aumentou! Saiba como reduzir as taxas de água e luz Anunciados em julho, os reajustes nas contas de água e luz já estão valendo. A taxa de água aumentou em pelo menos R$2,00, já a tarifa de energia elétrica foi reajustado em 12,9% para residências e 14,07% para indústrias. Diante do aumento é preciso de algumas medidas sustentáveis para driblar o alto consumo. No caso da eletricidade é preciso ficar atento aos aparelhos ligados na tomada. Computadores, carregadores de celulares, e tantos outros itens conectados podem ser os grandes vilões. Só

deixe na tomada o que realmente for necessário, como a geladeira, por exemplo. A troca de lâmpadas também pode contribuir de forma significativa com essa redução. Opte pelas fluorescentes e evite inúmeras luzes acesas pela casa. Para ter uma boa iluminação aposte em paredes claras, abra janelas e coloque nas áreas de circulação, como garagem, sensores de presença. Assim como a luz, a água também pode ser economizada com ações simples. Feche bem as torneiras, evite deixá-las

abertas por longos períodos ao escovar os dentes e lavar a louça e diminua o tempo no banho. Reduza o consumo e reaproveite a água de lavar roupa para limpar calçadas e até mesmo o carro. A água da chuva também pode ser reaproveitada, coloque vasilhas nas calhas e utilize o liquido para, entre outras coisas, molhar jardins. Além de reduzir a conta de água e luz, dicas como essas são sustentáveis e contribuem com um meio ambiente melhor. Faça a sua parte, o seu bolso e o planeta agradecem.

Caderno Sustentabilidade n 1 2013  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you