Issuu on Google+


FLOREIADO ADIR DE ITACIMBIRA

Editora Despacho Literรกrio


SOBRE O AUTOR

Nascido na terra, filho mestiço de cangaceiro e gaúcho, Adir desde cedo se interessou pelas belas artes, inicialmente atuando no colégio na área cénica com o grupo teatral Palquinho Mágico, e mais tarde se especializando em mímica e na confecção de fantoches. Sempre trilhando o caminho cristão, Adir prestou apoio em clinicas de reabilitação salvando menores do crack e da heroína. Foi na clinica que conheceu Elizabette, sua quarta mulher que lhe mostrou o dom das palavras. A paixão foi a primeira vista e Adir logo foi picado pelo mosquito da poesia e saiu escrevendo por todos os cantos. Junto com artistas do nordeste, índios e mendigos, Adir formou o movimento Poetas do Pau de Cebo que revolucionou a literatura baiana. Infelizmente depois de tanto sucesso, veio a tragédia: preso por esfaquear Elizabatte e o amante em um crime pacional, Adir encontrou na cadeia suporte emocional com o seu parceiro de cela e de cama Pastor Amir, onde foi ungido novamente. "FLOREIADO" marca o retorno deste poeta regional as palavras e rimas que tanto nos apaixonam.


Para Pastor Amir


“Meu coração é um caminhão desgovernado na rodovia da paixão.”


NO BALANÇO DO TREM Cada vagão que passa me faz tirá-ro-lei-rar. Tirá-ro-le-ia comigo. Pois o suco moreno que bebes é o meu sémen.


QUEM SOU EU? Se eu fosse o que sou N達o teria sido o que n達o fui Mas se tivesse deixado de ir Ent達o n達o teria ficado.


PAIXテグ OCULTA Fui matar a tristeza em mesa de bar Mas nテ」o encontrei a cura na bebida E sim no garテァom parrudo que me servia Cabelo loiro Pele bronzeada Quadrテュs bem definidos Ah se ele soubesse que quando ele passa...


O DESJEJUM O Marajá janta a luz de velas No banquete tem até carne de cavalo Mijo à céu aberto Ajudem as crianças carentes Elas só querem um quilo de amor


300 DE ESPASMOS Índia, meu amor por ti é guerreiro Quando te vejo me esplandeço Índia, te como no escuro Quanto enjoar dessa aldeia será tarde Não me ligue nem me procure Vou colocar fogo nessa tua tribo Cadela


60 GRAUS EM TAIUMÃ Mil emoções na praia Tanga apertada nas cochas Lambi a calda de caramelo Fico me sorvendo Me derreto por ti


A TRISTEZA DO DEFORMADO Danço nú ao lado dela Meu corpo a anoja


UNDERGROUND Portas que abrem. Portas que fecham. E este governo que não pára de roubar? Rouba meu coração.


PROSTITUTUS IN VOYAGE Queria ir de trem até a sua casa Te mostrar minha roleta. Entrar no seu vagão. Por favor não cobre passagem.


LAMÚRIAS E POSSESSÕES Uma borboleta cruza meu caminho Beijo meu próprio ânus e reconheço o gosto É vinho, da mais safada e baiana safra Queria que este trem me levasse para o espaço Voar.


Jingle “O banco mágico” O banco é Itaú. O banco é Itaú O banco é Itaú To me cagando Se o banco não é Itaú Então vai, toma, no cu! Itaú! Melhor banco do mundo! É isso ai! É nóis!


Dias de sol em Ijuí  Inda me recordo das épocas douradas As bronhas suadas O veraneio à tardinha O tarado da raspadinha Que saudades da terra deixada Quando tive que pegar a enxada E capinar o meu matagal de desejos


O grito do Quiningombe Ai ai ai ô dendê! Carapapatinoê! Tatoreio! Tatoreio! Imãnaué Pingoleio! Buiotô ô Senho!


Floreiado Girei o tererê Rodopiei no tererê Ela disse que eu to com o diabo no corpo Mas é porque quando a vejo eu ajo igual um porco Comprei um buquê de flores Mui belas e cheia de amores Deixei na varanda de sua casa Para aquecer a nossa brasa Mas quando cheguei de noite Era com o Zeca que ela tava no açoite Daí me desfloresci


SensualĂ­cimo Quando penso no Fura-bolo Me sorveio todo Hoje em dia ele anda de muleta Mas ainda dĂĄ vontade de pegar naquela chuleta


Tico És tu o profano salamito Minha tchutchuca Deixo meu tico mole ao sol Ao sol da minha pátria Terra idolatrada Dor na próstata


Odor Peido em tua boca Gosto de azedo Crist達o e armado Faixa preta do Senhor


O choro do mudo Chuva de AIDS Cai sobre mim Chuva de AIDS Me mata o coração Nuvem de AIDS Vai pra longe de mim Nuvem de AIDS Tenha dó de mim


Pingolim E os sonhos que não vivi com uma anã.. Sou um suíno por ti Pequeno animal Tu és uma criatura obscena


Waka mongo Busco a cura para a malária Na Amazônia a dentro Mas acabo por contrair um vírus Waka mongo O sintoma? Dançar


Ulisses Benga Tu és o anular Sussurro em Italiano Il Mondo Riddondo Casamento é na igreja Buceta é grudada na cara


Tapir Oca As vezes acho que sou o homem-anta As vezes penso que sou Radolo Ou o rei das cobras Vou para o Rio de Janeiro Ver o Alexandre Frota Preciso de dinheiro emprestado


Putildo e Rataldo Tu e eu meu amor Precisamos enfrentar nosso inimigo O temĂ­vel barĂŁo Preconceitus Para que eu possa cuspir em sua cara Em liberdade divina


Tapajó Taynó Sua cigana vagabunda Atingiste o ápice da sensibilidade erógena Copula com uma árvore Pornô extreme 3 reais


Geriatrix Em MachuPichu Quero um seio velho para amamentar Quero comer rã e gargalhar A confusão estará armada Makakabua


Capitão Confusão Sodomia No chão sujo da praça Rezo ao deus Loki O deus da baderna Que me leve a uma ilha tropical Quero ser servido À la fru-fru Quero riqueza e luxo Quero um pagodão Estou louco?


Capitão Confusão 2 Minha disfunção sexual abranda Sou procurado nas ilhas Cayman Pago o cartão de crédito em 8 prestações Mas não posso deixar minha sauna


Gênio Multimidia Guerra dos Farrapos Deus da Microsoft Estou doente “A Rocha” Com Nicolas Cage Grande filme


In Memorium Morra com a máscara no rosto Continue olhando através da máscara


Lamúrias da Escravidão Aonde você estava para ser o que parecia realmente longe quando se preocupou até tentar encontrar o que estava procurando mais? Estava percebendo que perto parecia diferente ao atingir o que queria além. Procurou sair para então ficar próximo do que estava acima de si. Dividiu, portanto, a necessidade no momento que buscou ver o resto. É tão real que fez ficar preocupado com guardar e deixar entrar. Soou bem melhor no momento que pensou na manhã similar a noite do dia anterior, o que é a saída.


Editora Despacho Literรกrio, 17 de Fevereiro 2014



Floreiado por Adir de Itacimbira