Page 1


TRADUÇÃO: ALANNA M.

Rosas e Livros http://rosase-book2.blogspot.com.br/


JENIKA SNOW – REAL MEN #5

MEIO- IRMAOS

Brendan Tenho escondido meus sentimentos por ela ao longo de vários anos, mas ter Meghan sob o mesmo teto, apenas há alguns centímetros da minha cama, faz com que seja difícil me controlar. A verdade é que quando se trata de Meghan, eu não tenho autocontrole. Eu a amo.

Meghan Eu o conheço por quase toda a minha vida. Ele é arrogante e fica sob a minha pele. E tanto quanto eu quero dizer que eu não me importo com ele, eu estaria mentindo. A verdade é que eu o amo, e não sei se isso acabara me destruindo.

Brendan Ela precisava de um lugar para ficar, e agora ela tem um companheiro de quarto... eu. Mas eu estou prestes a lhe mostrar que eu quero mais do que um arranjo amigável. Muito tempo se passou, e eu estou cansado de esperar. Eu estou pronto para reivindica-la e ser seu homem. Porra, eu nunca fui bom em partilhar, e não quando se trata de Meghan, ela é minha e só minha.

Aviso: Curte histórias curtas, quentes e que vão direto ao ponto? Procura sensualidade sem drama sem deixar nada para a imaginação? Quer uma história suja, mas doce ao mesmo tempo? Bem, então, tire a sua calcinha, porque este breve romance te deixara quente e incômoda.


Prólogo Brendan Eu a quero, e não importa o quanto eu tente esconder, não importa o quanto eu tente negar isso, eu não poderia mentir para mim mesmo. Estava no ponto onde eu não queria ignorá-la, não queria fingir que


eu era apenas esse idiota arrogante que gostava de ficar sob sua pele. Mas vê-la trabalhando me deixava excitado. Isso me fazia duro, me fazia querer carrega-la ate minha cama e mostrar-lhe o que ela fazia com o meu corpo... mostrar-lhe o quanto ela significava para mim. "Acabou" ouvi a mãe de Meghan dizer a meu pai lá embaixo, mas eu estava mais focado na menina que eu tinha aprendido a amar e na dor clara que vi em seus olhos. "Tem sido assim por um longo tempo" disse meu pai em resposta. Por anos, eu tinha escondido o que me sentia por Meghan, fingi que ela não era nada mais do que minha meia-irmã, a menina com quem fui forçado a conviver desde que nossos pais se casaram. Mas porra, não há nada de ruim em estar sob o mesmo teto que Meghan, não quando meu coração poderia parar só de olhar para ela. E mesmo que, tecnicamente, eu não tenha vivido em casa pelo último ano e meio, enquanto frequentava a faculdade, eu vinha todo fim de semana, porra, estritamente para vê-la. Sempre foi por ela. Será sempre por ela. A verdade é que ao longo dos anos meus sentimentos só haviam se intensificado, eu sempre soube que era amor, e que nenhuma outra garota jamais ser compararia a ela. E apenas quando eu havia criado bolas e tentado ser um homem de verdade para dizer a ela que a queria na minha vida de forma permanente, como minha mulher, quando essa merda entre nossos pais, veio à tona. Desse modo, eu não disse nada; não lhe disse como me sentia, porque o pensamento de assustá-la e colocar alguma distância emocional entre nós assustava a merda fora de mim. Eu acho que eu preferia mantê-la nesse nível na minha vida, do que arriscar colocar um muro entre nós, caso abrisse a minha boca e dissesse a ela que a amava. Ela estava sofrendo agora, e porra, o pensamento dela me deixar, não estar na minha vida, não ser capaz de vê-la todos os dias, rasgava o meu coração em dois pedaços.


Eu fui até ela e a ajudei a subir as escadas. Ela não lutou contra mim, não disse nada. Em vez disso, ela me deixou levá-la para o meu quarto, depois a fiz sentar sobre a borda da cama, apenas segurando sua mão. Nós não falamos por longos segundos, e eu odiava que eu não conseguisse encontrar as palavras para fazê-la se sentir melhor. Eu tinha que ser forte por ela, mas a gritaria que estava acontecendo lá embaixo, era demasiado difícil de ignorar. "Vai ficar tudo bem" eu finalmente disse, mas a forma como ela olhou para mim, o fato de que havia tanta dor em seus olhos, tinha esse aperto envolvendo a base da minha espinha. Eu não poderia fazê-la se sentir melhor, e porra, isso era uma droga. Apenas se concentre nela. Meghan é o que importa. Ela sempre foi tão fodidamente importante na minha vida.

Meghan Nós temos vivido sob o mesmo teto há anos. Meus sentimentos por ele tinham crescido para algo que me consumia, e agora eu não só estava sendo puxada para longe da minha casa... como também para distante do cara que eu amava. Olhei para Brendan. Ele era dois anos mais velho do que eu. Ele foi para a faculdade, tinha um quarto nos dormitórios de lá, mas ainda assim, vinha para casa todo fim de semana, passava um tempo comigo, e me fazia sentir como se eu não estivesse sozinha.


Eu não deveria ter deixado mostrar o quanto isso me incomodava, e eu deveria ter sido mais forte, mas fingir era difícil, e eu tinha feito o suficiente disso enquanto vivi com Brendan. Olhei para Brendan. Ele sempre teve essa atitude arrogante sobre si mesmo, este sorriso sexy de canto. Mas comigo, eu sentia como se ele me mostrasse um lado diferente, um lado real que era genuíno e sincero. Eu queria me concentrar apenas na sua proximidade, porem, tive que me dizer que este não era o fim. Ele pode não saber como me sentia, ou o quanto isso me afetava, mas Deus, eu sentia vontade de chorar, mostrando as minhas emoções no sentido mais físico. Ele estava olhando para mim com essa simpatia em seus olhos que me dizia que ele achava que eu estava chateada com o divórcio. Eu não estava. Eu tinha visto essa situação vindo há meses, sabia que o divórcio era inevitável, mas eu esperava que eu estivesse errada. Eu sabia que minha tristeza era por causa de Brendan, e não havia como fingir agora, sabendo que não iria vê-lo. Deus, eu nem sabia se eu ainda viveria na mesma cidade depois disso. Não sabia como ignorar meus sentimentos, eu me sentia perdida. Parecia que eu estava girando fora de controle e eu não tinha nada em que agarrar. E a única coisa que eu queria agarrar era Brendan.


1

Meghan Um ano depois...

Eu olhei para a casa de um andar que seria a minha casa por um período de tempo desconhecido. Eu temia isso, odiava ter tido que ligar para Brendan para pedir-lhe ajuda. Eu não estava me sentindo assim porque eu não queria viver com ele, mas porque eu tinha vergonha de não ter nenhum controle sobre a minha vida. Era como se o mundo tivesse aberto aos meus pês e me engolido inteira. Fiquei envergonhada de que não pude me virar sozinha e tive que pedir qualquer tipo de ajuda. Mas é Brendan. Exalei. Sim, era Brendan, e eu sabia que ele nunca olharia para mim como além de sua meia-irmã, mas ainda assim, me sentia demasiado estranha sobre isso. Durante o ano passado, depois que nossos pais se divorciaram, Brendan e eu mantivemos contato. Inferno, nós ainda vivíamos na mesma cidade, a menos de uma hora um do outro. Mas o tempo, os nossos horários, e a vida nos distanciariam um do outro cada vez


mais. Eu odiava isso. Eu odiava que, mesmo depois de todo esse tempo, eu não tinha dito nada a ele sobre de como eu realmente me sentia. Olhei para o meu carro. Ele estava repleto com a merda da minha bagagem. Eu odiava que tinha chegado a isso. Mudar com a minha mãe não era uma opção já que ela viajava por todo o país agora e meu sustento e escolaridade estavam aqui. Com praticamente nenhuma poupança, e sem tempo para procurar um novo lugar que eu pudesse pagar remotamente, esta era a minha única opção. Brendan era a minha única opção. Esteja grata que Brendan ajudou você. Ele poderia ter dito não. Sim, ele poderia ter, mas eu sabia que ele não iria. Eu o amava, e, embora ele não se sentisse da mesma forma sobre mim, ele cuidaria de mim como um amigo próximo faria e eu sabia que podia contar com ele. Durante todos os anos que tínhamos vivido juntos depois que nossos pais se casarem, eu tinha visto muitos lados de Brendan. Arrogância. Distanciamento. Ele poderia conseguir o que queria, porque ele era o epítome da masculinidade. Saber que ele poderia ter qualquer garota que ele quisesse tinha ficado sob a minha pele, mas era a minha própria culpa, porque eu deixava que o medo me impedisse de dizer a ele como eu me sentia. Eu tinha estado com muito medo de dizer qualquer coisa, temor de que isso pudesse arruinar a amizade que tínhamos. E eu prezava a sua amizade demais para me ariscar. Aos vinte anos, eu deveria já ter coragem para admitir o que eu queria. Eu nunca tinha visto Brendan como alguém da família, não realmente. Apertei o meu domínio sobre minhas malas e respirei fundo antes de caminhar até a porta da frente. Antes que eu pudesse colocar uma das minhas malas para baixo, a porta se abriu e lá estava


Brendan, em todo o seu lindo um metro e oitenta e dois, corpo musculoso e gloriosamente quente. Eu posso controlar os meus hormônios. Merda, estar sob o mesmo teto que ele, sozinha, iria realmente colocar o meu autocontrole em teste.

Brendan Abri a porta e tentei organizar minha mente, mas porra, a verdade é que eu estava em êxtase por vê-la. Ela poderia ter vivido há menos de uma hora do meu apartamento, mas o que ela não sabia era que eu havia ido vê-la a espreita, varias vezes. Tinha que admitir que me tornara um desses caras assustadores, muito obcecados com a mulher que amava para ficar longe. Eu tinha sido muito fodidamente fraco apenas por não vir a público e dizer a ela que há amava todo esse tempo. Inferno, eu gostava de pensar que isto era obra do destino, ou algo assim, me dizendo que precisava arrumar minha vida e estar com Meghan. Eu tinha perdido muito tempo. Ela tinha vinte anos, eu vinte e dois anos, e era hora de eu finalmente dizer-lhe como me sentia. Estava bem encaminhado profissionalmente para fornecer coisas boas e me certificar de que ela fosse feliz. Porra, nem sabia se ela queria ser feliz comigo desse jeito. Um passo de cada vez, primeiro, Meghan precisava se instalar, ter a sua mente limpa, porque eu sabia que no momento ela estava passando por uma situação emocionalmente difícil. Eu iria tornar isso melhor para ela. Eu me certificaria de fazê-la sorrir antes de a noite acabar. Nenhuma outra mulher jamais iria comparar-se a ela. E se ela soubesse a verdade? E se ela soubesse que eu não tenho sido capaz de sequer pensar em outra garota, e muito menos ter relações sexuais com uma desde que me apaixonei por ela? O que ela


pensaria se soubesse que meu objetivo principal é mantê-la perto de mim... em fazê-la irrevogavelmente minha? Ela estava sofrendo agora. O pensamento de não ser o único a estar lá para ela, para conforta-la em momentos ruins, me fez sentir como uma merda. Eu queria ser o único para ela, sempre. É essa a sua desculpa para garantir que ela esteja bem e feliz? Ou quer fazer isso apenas para persegui-la? Eu não a estava perseguindo, ou pelo menos é isso que disse a mim mesmo. Eu estava apenas me certificando de que estivesse bem e segura. Mas foda-se a quero tão sujo e insanamente, que às vezes sinto-me como se fosse à merda de um perseguidor. Eu simplesmente a amo. Cada porra de esquisitão no planeta que vigiava a garota que amava dizia isso. Deus, eu poderia ter rido de minhas divagações internas. "Obrigada novamente." Eu balancei minha cabeça. "Você sabe que eu faria qualquer coisa por você." Um olhar de gratidão atravessou o rosto de Meghan, e eu sabia que esta noite seria definitivamente mais uma do tipo bêbado. "Eu tenho uma garrafa de uísque com os nossos nomes." Eu gostava dela como nenhuma outra - sendo que nem conhecia as outras e nem jamais conheceria. Manter distância, não dizer a ela como me sentia, e fingir que ela menos do que realmente era, tinha sido o pior erro da minha vida. Mas ela estava aqui agora, e eu iria usar esta oportunidade para mostrar-lhe que eu já era um homem crescido e poderia fazê-la feliz. Porra, mas só comigo. Eu só queria que ela fosse feliz comigo. Egoísta ou não, essa era a realidade.


Isso significaria dizer-lhe que você assustou aquele idiota que tinha estado interessado nela na escola. O porque de você fingir que não dava a mínima se ela namorava alguém. Eu estava indo fazê-la minha, não importa o quê. "É definitivamente uma daquelas noites. Whisky deve fazer tudo melhor, Brendan." ela disse e riu, mas parecia forçado. Meu corpo se apertou ao som de meu nome proveniente desses lábios vermelhos carnudos dela. Eu não deveria estar pensando em nada sexual agora. Ela está em um humor de merda, e eu estou sendo um imbecil. O que Meghan não sabia era quão, porra, eu estava feliz que ela estava morando comigo. Claro que eu era um bastardo arrogante, o melhor dos tempos, tinha sido quando estávamos morando juntos e nossos pais se casaram, mas eu sempre quis ser mais suave, mais doce com ela. O fato de ela vir ter vindo me pedir ajuda me fez sentir muito fodidamente fantástico. Agora, eu só tinha que mostrar a ela que eu não era um filho da puta desagradável total, e que o que eu queria com ela não era a fantasia de algum pervertido. "A situação está tão ruim, hein?" Perguntei e me afastei. "Eu diria que ser expulsa do meu apartamento sem aviso prévio e não ter mais para onde ir é muito ruim." Eu peguei uma das malas de suas mãos e coloquei-a no chão. "Que bom que você tem a mim." Ela olhou por cima do ombro para mim, eu não pude me ajudar e sorri. Mas então eu vi seus ombros caírem, notei que a dureza em seu rosto diminuiu, e em seu lugar estava gratidão. Nada mais importava, apenas fazê-la sentir que as coisas não eram tão sombrias. "Eu vou pegar as outras coisas de seu carro um pouco mais tarde," Eu encontrei-me dizendo, não querendo empurrá-la e vê-la se contorcer. E eu gostaria de vê-la contorcer-se para mim.


Ela assentiu e colocou a bolsa no chão também. "Você está com fome?" Eu queria fazê-la se sentir melhor, mesmo que isso significasse fazer para ela a única coisa que eu poderia cozinhar... algo que exigia a churrasqueira. "Não " ela disse suavemente, olhando em volta do meu lugar. "É bem bonito, Brendan." Ela se virou e provavelmente me checou, e levou tudo em mim para não olha-la de cima a baixo. Mas isso teria sido uma coisa muito idiota para fazer, dado o fato de que ela estava se sentindo uma merda no momento. "Obrigado." Eu olhei nos olhos dela, e ela fez o mesmo. Ela parecia nervosa, de repente. Notei que ela torceu as mãos, continuou se movendo para trás e para frente em seus pés, e mordeu o lábio. Ela parecia bonita e sexy como o inferno, e ficou claro que ela estava no limite. "Eu não vou ficar muito tempo. Eu só preciso economizar para encontrar um lugar. " Eu balancei minha cabeça. "Não se preocupe com isso, Meghan. Você pode ficar aqui o tempo que quiser. Vai ser bom ter alguém comigo. " Eu esfreguei uma mão sobre o meu cabelo, sentindo os fios curtos rasparem ao longo da minha palma. Eu estava pensando em um monte de coisas que eu gostaria de fazer com ela enquanto ela estivesse aqui, todas elas envolviam Meghan na minha cama. "Eu vou pagar o aluguel..." "Pare com essa besteira." Eu sorri para suavizar o timbre áspero da minha voz. Um segundo se passou com ela parecendo toda séria. "Você quer me pagar para ficar aqui?" Ela assentiu. "Então você pode cozinhar o jantar. Minhas habilidades se resumem a grelhar bifes e hambúrgueres. Se você souber fazer mais do que isso, nós estamos feitos." Ela sorriu suavemente e aquele pequeno ato foi direto ao meu coração. "Ouça, deixe-me nos fazer algum jantar, vamos ficar bêbados, e toda essa merda ruim será uma memória distante. Ok?" Levou um segundo para responder, mas finalmente, ela balançou a cabeça, seu sorriso alargando.


Sim, isso iria funcionar realmente muito bem. E se eu tivesse sorte, ela nunca sairia da minha casa.

2

Meghan

Eu estava bêbada, e eu sabia que Brendan podia ver isso, mas ainda assim, ele empurrou outro shot em meu caminho. Olhei para uma copia da chave do apartamento que ele me deu, aquele pedaço de metal de bronze significava mais para mim do que jamais saberia. "Eu penso que eu tive o suficiente", eu disse, mas estendi a mão e agarrei o copo em cima da mesa. "Se você pode falar, então você não teve o suficiente."


Eu ri, achando que era especialmente engraçado. "Não que eu tolere embriaguez emocional, mas o inferno, que um pouco de lágrimas iram ajudar a limpar a alma." Eu sorri e balancei a cabeça, mas ainda peguei o copo e bebi o liquido que continha nele. O álcool se estabeleceu em minha barriga, e este calor espalhou-se através de mim. "Essa é minha garota." Eu não podia deixar de sentir ainda mais calor – e nada tinha a ver com o álcool me preenchendo – ao ouvir Brendan dizer isso. Sua garota. Não, eu não sou sua garota. Eu nunca vou ser. Eu não posso cruzar essa linha. Eu não vou. Limpei a garganta; aquele último shot parecendo se espalhar pela minha corrente sanguínea muito, muito rápido. O quarto inclinou um pouco, e eu comecei a rir como uma colegial. Brendan sorriu, um flash de dentes retos e brancos. "Que tal um pouco de pôquer?" Ele levantou a sobrancelha, como se em um desafio. "Eu não tenho jogado pôquer desde... " Eu parei, lembrando-me de quando ainda vivíamos juntos. Brendan tinha sido um pouco idiota arrogante para um monte de gente quando era mais jovem, mas nunca comigo. "Desde quando estávamos vivendo sob o mesmo teto?" Eu balancei a cabeça e passei as palmas das mãos suadas sobre o meu jeans. "Você me ensinou como jogar pôquer" eu disse suavemente, duvidando que ele se lembrasse de uma e única vez que tínhamos jogado. "Mas eu duvido que você lembre..." "Lembro-me muito bem, Meghan." Suas palavras pararam meu coração por um segundo, e eu engoli o caroço que de repente se formou na minha garganta. Essa garrafa de uísque estava parecendo muito, muito atraente agora, pelo menos para me dar alguma coisa para fazer, então eu não estaria aqui sentada olhando faminta para Brendan.


"Bem, já que você estará vivendo sob o mesmo teto comigo de novo, não há tempo como o presente para reacender esse momento, sim?" Eu não respondi imediatamente, porque o olhar em seu rosto me disse que Brendan não tinha apenas um jogo amistoso de cartas em sua mente.

Brendan Eu estaria mentindo se eu dissesse que jogar cartas era tudo que eu queria fazer esta noite. Claro, eu queria Meghan, mas ela não sabia disso. Ela estava bêbada, como eu estava, e ela estava tendo um momento difícil agora. Eu não iria tirar proveito dela, e se ela queria dizer foda-se, eu respeitava isso cem por cento. Strip-pôquer pode não ter sido a melhor rota para ir após o dia que ela teve, mas eu não iria deixá-lo chegar tão longe de qualquer maneira. "Que tal um jogo de strip-pôquer?" Eu levantei minha testa, meu choque me enchendo. E ela surpreendeu o inferno fora de mim. "Oh, por favor. Você sabe que é o que você estava prestes a perguntar." Eu ri. "Eu sou tão transparente?" Ela deu de ombros e riu baixinho. "Eu acho que vai ser divertido. Quero dizer, sim, eu acho que seria divertido." Eu vi seu rosto virar rosa, e isso despertou meu interesse. "Nós não temos que fazer isso. Quer dizer, eu ia jogar essa ideia lá fora, mas inferno, eu tenho JENGA 1 no armário, eu acho." 1

Jenga é um jogo de habilidade física e mental, criado por Leslie Scott, promovido pela Pokonobe Associates e comercializado pela Milton Bradley Company, uma divisão da Hasbro, nos Estados Unidos e no Brasil. Em Jenga, os jogadores se revezam para remover blocos de uma torre, equilibrando-os em cima, criando uma estrutura cada vez maior e mais instável à medida que o jogo progride. A palavra "jenga" é a forma imperativa de "kujenga", o verbo suaíli para "construir".


Ela riu alto, e eu sorri. "Não. Quer dizer, eu acho que falar com você, e um jogo amigável de Pôquer..." Ela olhou para mim então. "Iria certamente obter meu humor em um lugar melhor." Eu levantei minha sobrancelha. "Você está me apressando?" Eu estava meio brincando. "Pro inferno, eu acho que um jogo de strip-pôquer irá ajudar a situação." "Bem, inferno." Eu me inclinei para trás, ouvindo minhas palavras de calúnia ligeiramente. Eu bebia quando eu ia para as festas, mas eu nunca ficava bêbado. Mas lá estava eu, ficando completamente bêbado e estúpido, tentando fazer uma situação melhor, mesmo que esta não fosse a melhor maneira que eu poderia fazer isso. Eu era egoísta quando se tratava de Meghan. Eu mantive minha distância quando vivíamos sob o mesmo teto, quando ela era considerada a minha meia-irmã. Eu poderia ser arrogante. Eu poderia ser intenso. Sempre quis Meghan, e agora era a minha vez de mostrar a ela que seríamos bons juntos, que pertenciam um ao outro. Mas a coisa mais cavalheiresca para eu fazer seria encerrar meus próprios pensamentos e dizer-lhe que não. "Meghan, tanto quanto eu acho que soa muito fodidamente fantástico, nós dois estamos muito bêba..." "Eu não estou tão bêbada que não sei o que estou fazendo. A menos que você esteja com medo que eu vá ganhar?" Seus olhos estavam brilhantes, os lábios vermelhos. Deus, eu queria beijá-la, bastava dizer foda-se a todo o autocontrole e contenção que eu tive durante todos estes anos e ir atrás do que eu queria... ela. Eu sorri, e meu pau estremeceu ao vê-la. Ela era linda em todos os sentidos da palavra, pura na aparência, mas eu sabia que ela tinha um senso de humor perverso e sujo. Ela tinha uma língua sobre ela que poderia dar uma chicotada. Inferno, ela tinha chorado em mim


mais de uma vez, quando nossos pais se casaram e nós vivíamos juntos. O que ela não sabia era que sua atitude virou a porra da minha cabeça. Estendi a mão para o uísque e tomei um gole direto da garrafa. Eu entreguei a ela, e ela olhou para a mesma por um segundo antes que pegasse a garrafa e bebesse dela também. Ela exalou e passou a língua ao longo de seu lábio inferior. Eu quase gemi com a visão; porem ao invés disso, eu enrolei minhas unhas em minhas mãos até que a dor subiu por meus braços. "Bem, você é quem manda." eu disse e sorri. "Embora ficar parcialmente nua na frente de meu meio-irmão provavelmente não seja a coisa mais inteligente que eu já fiz." "Nós não somos parentes, Meghan," eu disse, minha voz grossa, e não tinha nada a ver com o fato de que eu estava bêbado. Inferno, mesmo se nossos pais ainda fossem casados, eu teria ido atrás dela, meio-irmão ou não. Eu pensei nela todo esse tempo e queria fazer algo sobre o que eu sentia, mas eu sempre tinha me controlado porque eu pensava que era o melhor a fazer. "Porra, quero que saiba que não a vejo como uma irmã." Deus, por favor, não me diga que você me vê como a porra de um irmão. Eu não quero ouvir isso. Ela riu suavemente, e eu não podia deixar de olhar para ela. Suas bochechas estavam vermelhas, os olhos brilhantes. Ela era linda, e eu estava feliz que estivesse se sentindo melhor, mesmo que fosse uma alegria advinda do licor que ela tinha bebido. Eu não queria vêla chateada, e se havia algo que eu pudesse fazer para fazê-la sorrir, eu o faria. "Eu não o vejo como família." Seus olhos se arregalaram, e ela olhou para mim. "Não que eu não me importe com você, bem, o que quero


dizer é que eu não o vejo como um irmão." Ela exalou e fechou os olhos. "Deus, eu estou esperando que você saiba o que quero dizer." Eu comecei a rir, amando esse mal-estar dela porque ela estava nervosa e tropeçando em suas palavras. "Sim, eu sei o que você quer dizer." Ela abriu os olhos e sorriu, e meu pau ficou mais duro, todo o meu senso comum me deixando. Porra, eu estava tomando isso como um sinal dos céus ou destino; seja lá o que fosse, estava me dando esta oportunidade, e eu gostaria de mostrar a Meghan que deveríamos ficar juntos. "Vamos jogar pôquer."


3

Meghan

Eu tinha feito isso, apenas disse foda-se a tudo e concordei em ficar nua – semi-nua, pelo menos – na frente de Brendan. A verdade é que eu estava bêbada, e eu sabia que ele sabia, mas eu estava sóbria o suficiente para saber o que estava acontecendo. Talvez isto não fosse à coisa mais sensata a se fazer, mas era bom deixar ir. O ar parecia ainda mais gelado do que provavelmente era e eu estava sentado aqui só de sutiã e calcinha. Embora eu racionalizasse que isso era como um biquíni, algo com que Brendan já havia me visto antes. Biquíni, minha bunda. Isto era mais íntimo, e os meus mamilos malditos estavam duros o suficiente, sabia que ele podia vê-los através do material de algodão fino. Apesar do fato de que eu, obviamente, não tivesse ideia de que seria assim que esta noite transcorreria, eu me amaldiçoei por não ter usado algo mais sexy. É Brendan. Ele não me vê dessa forma.


"Bem, vamos ver o que você tem, Meghan." Por um segundo, tudo que eu podia pensar era que significava no que eu tinha abaixo da minha lingerie, mas eu saí dessa bem rápido e olhei para as minhas cartas. Eu era uma merda ruim quando jogava pôquer, e eu sabia pelo sorriso arrogante no seu rosto, que Brendan tinha uma boa mão. Mas mesmo que eu tivesse perdendo, eu estava segurando dois ases, e eu sabia que era melhor que nada. Pelo menos eu esperava que vencesse tudo o que Brendan estivesse segurando. Para meu azar, ele ainda estava completamente vestido. Eu coloquei minhas cartas para baixo e olhei para ele, me sentindo muito, muito nervosa. Eu estava bêbada, e eu sabia que ele estava também, mas mesmo assim, o próprio pensamento de tirar mais uma peça de roupa, de mostrar mais que meus seios ou a parte inferior, assustou a merda fora de mim. Este era Brendan, o homem que eu amava secretamente. Ele se inclinou e apertou os olhos para as minhas cartas. Depois de um segundo, ele olhou para mim, recostou-se na cadeira e levantou a garrafa de bebida que tinha estado saboreando ate a boca. E quando ele colocou a garrafa no chão, ele sacudiu a cabeça. "Porra." Senti meu sorriso crescer. Eu me inclinei na minha cadeira, cruzando os braços, mas quando vi Brendan abaixar seu olhar para


os meus seios, que agora estavam muito expostos, me senti autoconsciente. Eu afrouxei meus braços e me endireitei. "Deixe-me vê-las" eu disse e apontei para as cartas. Ele colocou uma camisa, pouco depois que cheguei, para minha decepção, mas agora era a minha vez de ver um pouco de carne. Ele jogou suas cartas para baixo, e eu vi que ele tinha um par de dois. Senti minha pele ficar quente. "Tire isso." Fiz um gesto para sua camisa. Senti o calor no meu rosto, e Brendan levantou a sobrancelha, parecendo sexy como o inferno. "Você roubou", disse ele, mas eu podia ouvir a nota de brincadeira em sua voz. "Tire" eu disse, me fazendo soar mais determinada. Ele sorriu, e a visão tinha meu corpo formigando por todo o lugar. Ele só esperou um segundo antes de agarrar a parte de trás de sua camisa e puxá-la para cima e sobre a cabeça. Colocou-a sobre a mesa e empurrou-a para mim. "Você quer mantê-la como um troféu para me bater na próxima partida?" Eu ri, embora no fundo estivesse pensando que seria muito sexy. Ele se inclinou para frente e apoiou os antebraços sobre a mesa, fazendo com que seus músculos flexionassem e agrupassem sob sua pele dourada. Ele então pegou as cartas, embaralhou-as, e começamos outra rodada.


Senti meu pulso começar a aumentar, porque eu sabia que se eu perdesse esta mão, teria que me livrar de algo muito vital. Olhei para as minhas cartas, livrando-me de três, selecionando três novas, e embora eu me sentisse muito bem na mão que eu tinha agora, eu mantive minha cara de pôquer no lugar. "Mostre" disse Brendan, e eu olhei para ele. Colocando as cartas para baixo, eu mostrei-lhe minhas três de um tipo. Era apenas quatro, e eu sabia que ele poderia facilmente ganhar se ele tivesse uma boa mão. Eu tentei medir sua expressão, mas ele manteve-a indecifrável. "Bem?" Eu levantei uma sobrancelha, esperando parecer mais confiante do que eu realmente estava. O fato era que eu estava muito bêbada, e embora eu só tivesse de sutiã e calcinha, eu estava sentindo muito calor. Gotas de suor deslizavam pelo comprimento da minha espinha, palmas das minhas mãos, e até entre meus seios. "Filha da puta", Brendan disse em uma voz provocante, embora houvesse uma pitada de irritação em sua voz. Ele jogou suas cartas para baixo, e eu vi que ele não tinha nada. O sorriso se alargou sobre o meu rosto. "Porra, você está definitivamente melhor. Duas rodadas consecutivas?" Antes que eu pudesse responder, ele se levantou e foi para o botão da calça jeans. Quando ele desfez e puxou o zíper para baixo, aquele seu V que desaparecia no quadril tornou-se mais pronunciado, assim como fez a trilha de cabelo escuro que começava logo abaixo de seu umbigo.


Foi então que eu percebi que ele não estava usando cueca. Senti meus olhos se arregalarem quando os dois lados da calça foram abertos por todo o caminho. Sim, ele era totalmente enorme sob aquelas calças. Eu olhei para ele, sabendo que meus olhos provavelmente pareciam incrédulos, mas fui incapaz de me conter. Eu observei várias coisas imediatamente: ele estava respirando mais rápido, seu olhar baixou para os meus seios, e seu corpo parecia tenso. Ele também estava ostentando uma ereção crescente. "U-um" eu consegui gaguejar, sem saber o que dizer. Sim, eu sabia que isso era strip-pôquer quando começamos a jogar, mas bom Deus, eu acho que eu realmente não tinha estado preparada para isso. "Este é o jogo, sim?" Brendan finalmente disse, mas sua voz parecia rouca, como se talvez ele estivesse desconfortável ou... segurando seu autocontrole com rédea curta. Eu deveria ter balançado a cabeça, ou talvez dito alguma coisa, mas eu estava congelada, minha garganta apertada e minha voz inexistente. Bem quando eu pensei que ele iria empurrar as calças para baixo e revelar o monstro crescente entre as pernas dele, houve três batidas fortes na porta da frente. Meu coração apertou por um segundo, e eu me vi olhando nessa direção. Quando nenhum de nós se moveu, o barulho começou novamente.


"Foda-se", Brendan disse e abotoou as calças. Ele pegou a camisa e jogou-a para mim. "Ponha isso. Eu não quero que ninguém a veja assim." Uma vibração de prazer passou pelo meu corpo com o fato de que ele estava olhando para mim. Enfiei sua camisa apesar do fato de minhas roupas estarem ao alcance de um braço de distância. O material cheirava a Brendan: escuro, picante e todo viril. Ouvi Brendan abrir a porta da frente e, em seguida, ouvi uma voz masculina. Quem falou, soava louco. "Cara, ela totalmente me fodeu, acabou" disse o homem. "Porra, eu sinto muito" Brendan respondeu. Levantei-me, caminhei até a entrada da cozinha, e me inclinei ao virar da esquina para ver Brendan, e quem eu assumi que fosse seu amigo, de pé na porta da frente. "Eu apenas estive vagando depois de que eu bati a merda fora do filho da puta. Eu a peguei com ele e não sabia para onde ir." Então seu amigo olhou na minha direção. "Ah Merda. Eu não sabia que você tinha companhia. " O cara passou a mão sobre a sua cabeça. "Eu vou estar no meu quarto e darei a vocês privacidade." Eu olhei para Brendan. Ele murmurou: "Eu sinto muito" e "Obrigado."


Eu sorri e acenei, sabendo que seu amigo precisava dele agora. Quando eu fui para o meu quarto, ouvi seu amigo dizer: "O quarto dela?" Antes de eu ir para o quarto, me virei e vi Brendan olhando para mim, essa expressão em seu rosto que parecia intensa, de amor. Deus, se esse amor fosse em um nível diferente... como o meu era.

Brendan Vários dias mais tarde... Eu não conseguia tirar a imagem de Meghan em apenas sutiã e calcinha para fora da minha mente. Eu tinha esses malditos pensamentos realmente sujos sobre lhe dizer para tirar a calcinha, e como ela me diria para fode-la, me mostrando o fogo que sabia que ela tinha. Ela estava mal humorada por causa dos problemas como ser expulsa de seu apartamento, mas parecia que estava começando a se sentir melhor. Inferno, eu estava olhando para ela o suficiente, pensando em todas as coisas que eu queria fazer com ela, em quando eu realmente seria um homem de verdade e lhe diria que a amava. Olhei por cima do meu ombro para Meghan enquanto ela preparava o jantar. Inferno, eu queria ir lá e ajudá-la, não só porque eu não queria que ela estivesse fazendo toda essa merda sozinha, mas porque eu queria estar perto dela. Ela parecia sexy, com os cabelos


presos no alto da cabeça e uma blusa muito grande pendurada sobre um ombro. "Você precisa de alguma ajuda?" Gritei da sala. "Eu estou bem", ela respondeu, mas eu estava fora do sofá e indo para a cozinha de qualquer maneira. Encostei-me no batente da porta, cruzando os braços sobre o peito. Ela inclinou-se para pegar algo fora do forno, e a porra do meu pau empurrou em atenção quando as calças que usava moldaram a bunda dela com perfeição. Porra. Inferno. "Merda", disse ela em um suspiro, e eu estava ao lado dela um segundo depois. "O que aconteceu?", Perguntei, vendo sua mão. "Eu só me queimei." Eu agarrei seu pulso e gentilmente puxei-a para a pia. Segurando sua mão sob a água fria correndo, eu olhei para ela. Ela já estava olhando para mim, e eu senti uma eletricidade correr através de meu corpo até onde a toquei enquanto nós olhamos fixamente um para o outro. "Foi rápido. Vou ficar bem ", ela disse, e eu puxei sua mão da água. Olhando para ela, eu queria fazê-la se sentir melhor. Era um forte instinto dentro de mim, eu queria mantê-la segura, até de si mesma.


"Eu tenho um pouco de creme de queimadura no kit de primeiros socorros." Eu não esperei que ela dissesse qualquer coisa antes de me virar para pegar o creme. "Obrigada" disse ela depois que eu voltei e apliquei o creme. Mas eu não soltei sua mão uma vez que foi tudo dito e feito. "Obrigada" ela sussurrou neste momento, mas eu senti esse calor vindo dela, esta emoção que eu queria tanto afirmar como minha. Mas eu me forcei a deixá-la ir. Basta dizer-lhe como se sente. Diga a ela o quanto você a ama. Mas quando eu abri a minha boca, sentindo como se eu pudesse finalmente fazer isso aqui e agora, seu celular tocou. Porra, eu jurava que tanto os telefones quanto alguém que viesse à minha casa, queria quebrar todos os momentos que estávamos tendo. Pelo menos, eu pensava que era um momento. Porra, e se tudo isso estivesse somente na minha cabeça? Talvez ela estivesse pensando que eu estava cruzando uma linha, mas não sabia como me dizer? Porra, você nunca saberá a menos que crie coragem e lhe diga a verdade.


4

Meghan "VocĂŞ estĂĄ bem?" Olhei para Brendan. "Claro. Eu posso lidar com a limpeza ", eu disse e ri. Ele me deu esse meio sorriso que fez o meu sangue pegar fogo.


Seu celular tocou, e ele puxou para fora do bolso para olhar para ele. Um suspiro o deixou, um segundo depois. "Tudo certo?" Ele balançou a cabeça e guardou o telefone. "Sim. É só Hunter querendo sair e beber. Eu não estou triste com isso. " Ele sorriu de novo quando olhou para mim, e eu senti adrenalina correr pelas minhas veias. "Eu estava pensando que você e eu poderíamos caçar pelos canais da Netflix ate encontrarmos algo bom para assistirmos." Meu coração deu esta pequena vibração com a sugestão. "Sim, tudo bem." Eu odiava que eu soei tão ofegante. "Eu só estou indo para ir tomar um banho rápido. Eu cheiro como se tivesse trabalhando." Eu ri e assenti. Eu não deveria ter deixado os meus pensamentos me controlarem, mas tentar não pensar sobre Brendan enquanto vivia sob o mesmo teto que ele, era impossível. E, honestamente? Uma parte de mim não queria empurrar esses pensamentos de lado. Ser sua companheira de quarto não foi como eu pensei que seria. Durante o curto período de tempo que eu tinha estado aqui, ele havia sido respeitoso, doce, e, embora eu soubesse que ele sempre tinha sido assim, eu pensei que talvez ele fosse agir diferente porque eu estava invadindo seu espaço pessoal. Eu coloquei o último prato na máquina de lavar, peguei um desses pacotes de limpeza, e fechei a porta. Fiel à minha palavra, e porque


isto era o mínimo que eu poderia fazer, eu simplesmente nos preparava uma refeição e limpava a casa. Tentei ser tão doméstica quanto pude entre o trabalho e ir para a escola, mas eu estaria mentindo se eu não admitisse que gostava de fazer isso. Parecia estranhamente íntimo, como se fôssemos uma equipe. Isso só parecia certo, e eu odiava que eu tivesse essas ilusões de que tinha algo mais do que havia. Mas você realmente acha que não há nada? Eu pensei sobre a maneira que eu o vi olhar para mim, na verdade, eu jurava que senti a conexão entre nós também. Merda, a poucos minutos atrás, eu senti seu olhar em mim enquanto eu limpava. E quando eu olhei para ele, eu pude ver essa intensidade, esta lança de calor através de mim. Deus, só de pensar nisso agora me tinha toda quente e incomodada. Passaram mais dez minutos antes de eu acabar de limpar a cozinha. Eu ouvi o chuveiro desligar, e eu não pude evitar que pensamentos pervertidos enchessem minha cabeça. Ele nu. Gotas de água em seu corpo. Sua carne ligeiramente vermelha do chuveiro. Senhor. Eu poderia ter tido um ataque cardíaco. Eu fui para a sala, sentindo-me muito tonta com a perspectiva de assistir um filme com Brendan. Droga, eu sou do tipo patética, isso é certo.


Eu ouvi algumas batidas na porta da frente e contemplei ignorá-las. Eu poderia viver aqui temporariamente, mas eu me sentia um pouco estranha em responder à sua porta. Mas depois, eu pensei que não atender, seria rude como o inferno, e eu me vi caminhando em direção a ela, segurando a maçaneta, e puxando a porta aberta. Eu vi um dos amigos de Brendan do outro lado, seu foco em seu telefone por um segundo antes que ele olhasse para mim. O sorriso que ele me deu foi lento, e eu senti como se ele estivesse tentando me imaginar nua, pela maneira como ele estava me olhando de cima a baixo. Eu achava que o nome dele era Hunter. Eu o conheci em outro momento que estive aqui e, embora ele fosse bom o suficiente, eu o senti analisar meu corpo. Era desconfortável, não porque era ele, mas porque eu nunca tinha sido do tipo de mulher que se sentia bem quando um cara a olhava com olhar de lascívia. "Ei. Brendan está por aí? " Eu balancei a cabeça e recuei para deixá-lo entrar. Antes que eu pudesse chamar Brendan, Hunter estava fazendo isso: "Ei, cadela peituda. Traga seu traseiro aqui fora." Eu me parei de revirar os olhos para a atitude machista vinda de Hunter. Virei-me para ir esperar na sala de estar, mas Hunter pigarreou, me fazendo parar para olha-lo.


Ele tinha esse sorriso no rosto, que me disse que tinha algo desagradável em sua mente. "Você está saindo com alguém?" "É uma pergunta bem pessoal para alguém que você realmente não conhece" disse eu, honestamente, tentando não ser uma cadela sobre isso, mas também odiando quando este tipo de coisa acontecia. Não era como se isso acontecesse muito, mas na faculdade, tinha havido algumas vezes que eu fui atingida com comentários obscenos que me faziam sentir como se óleo fosse derramado sobre mim. Eu só sabia aonde isso ia pela forma como ele estava me olhando e lambendo os lábios. "Só estou tentando ser amigável", disse ele, seu sorriso largo. "Então, vendo algum cara?" "Não." Suas sobrancelhas ergueram-se ligeiramente. "Não? Bem, como se sente sobre me deixar levá-la para sair?" Ele chegou mais perto, e eu virei, prestes a dizer-lhe ‘não, obrigada’ mas ele começou a falar novamente. "Jantar, filme, e talvez depois disso possamos ir para o meu lugar para tomarmos algumas bebidas?" Eu me parei de revirar os olhos pela segunda vez em menos de cinco minutos estando em sua presença esta noite. Então, surpreendeu o inferno fora de mim quando Hunter estendeu a mão e passou os dedos em torno de uma mecha do meu cabelo.


"Basta dizer que você sairá comigo, linda." Ele se inclinou um pouco mais perto, e eu inclinei minha cabeça para trás, não a ponto de ir lá com ele. Antes que eu pudesse dizer alguma coisa, eu ouvi Brendan dizer: "Que porra, Hunter?" Hunter olhou para o seu lado. "Ela não está no mercado, então fique fodidamente longe dela." Fiquei surpresa com o que Brendan disse, mas também com a raiva emanando dele. Ele chegou mais perto, o cabelo úmido, e apenas um par de calças de treino penduradas baixo em seus quadris, cobrindo seu corpo. Ele olhou para Hunter, e eu olhei para o cara, vendo que ainda estava perto de mim, e ainda tinha o meu cabelo em volta do seu dedo. "Porra, eu disse para se afastar, Hunter." Houve algo nítido e distinto na voz de Brendan que fez Hunter voltar imediatamente para trás. Ele olhou entre Brendan e eu, depois deu de ombros. "Eu vim para te perguntar se você queria sair esta noite e beber." Brendan balançou a cabeça. "Eu mandei uma mensagem para você dizendo que eu estava ocupado." Hunter ergueu as sobrancelhas. "Ocupado com o quê? Você parece pronto para ir para cama e essas merdas." "Eu já tenho planos." Foi tudo que Brendan disse. "Eu vou falar com você mais tarde." A finalidade na voz de Brendan tinha Hunter balançando a cabeça. Não houve nenhum argumento, nem


tentativas dele, para saírem. Em vez disso, Hunter apenas se virou e saiu. Fiquei ali, me perguntando o que diabos havia acontecido. Brendan tinha sido protetor enquanto estávamos crescendo, mas isso parecia muito diferente. Ele parecia quase possessivo. Ou era apenas obra do meu desejo mais profundo? "Brendan, está tudo bem?" Corri minhas mãos agora suadas em minha calça e olhei para ele. Ele olhou para o chão, sua mandíbula apertando. Sob seu belo rosto havia uma barba bem cuidada, vejo o seu maxilar apertar tenso. "Ele não fez qualquer outra coisa antes de eu aparecer, não é?" Ele olhou para mim então, e eu balancei a cabeça. "Ele não te tocou em qualquer lugar, apenas em seu cabelo, certo?" Eu balancei a cabeça novamente. "Você está bem? Você parece... com raiva pelo que aconteceu." Embora Hunter tivesse sido pra frente como o inferno, a reação de Brendan me chocou. Ele estava indignado. "Estou bem. Apenas Hunter tem uma reputação muito suja, e eu não gosto da ideia de ele perto de você." Ele olhou para mim, e vi um flash de algo em seu rosto. Ele estava mentindo? Ele estava com ciúmes? Antes que eu pudesse realmente deixar isso afundar, ele veio até mim, colocou a mão no meu ombro e me levou para a sala de estar. Eu não perdi como seus dedos flexionaram na minha pele, ou como


eu senti o calor do seu corpo passar por mim. Eu também podia jurar que havia se inclinado e cheirado meu cabelo. "Você tem certeza que está bem?", Eu perguntei e olhei por cima do ombro para ele. Eu congelei quando vi exatamente o quão perto estávamos. Seu rosto estava abaixado, se me levantasse, eu o beijaria agora. Como se eu tivesse dito essas palavras em voz alta, ou talvez ele pensasse a mesma coisa, ele baixou o olhar para meus lábios e segurou lá por longos segundos. "Que tal assistirmos a um filme de suspense?" Ele disse em voz baixa e profunda. Ele olhou nos meus olhos novamente e, tanto quanto eu queria beijá-lo, eu balancei a cabeça e voltei para a sala de estar. Ok, havia algo entre nós, e isso não era apenas unilateral.


5

Brendan Desde a noite que eu vi Hunter tocando o cabelo de Meghan, e do incidente na cozinha, eu tentei ficar longe e pensar sobre como diabos eu estava indo a este respeito. Não era tão fácil apenas dizer a ela como eu me sentia; pelo menos não para mim. Eu, com toda certeza da porra, não queria estar na ponta dos pés em torno disso, mas eu também sabia que deveria ser lento e suave, e não apenas soltar essa merda sobre ela. Tinha sido o "irmão", o amigo, e o cara que sempre a protegia. Porra, eu a queria tão mal, porem sabia que se agisse com desejo na sua frente, iria confundir o inferno fora dela. Pelo menos eu achava que iria. Se eu tivesse bolas, eu teria dito há muito tempo que eu a amava. Esta noite. Eu faria isso esta noite depois que eu viesse para casa, apos sair com os caras. A verdade era que eu preferia ficar em casa com Meghan. Mas todos nós teríamos algum tempo fora, agora. Com Garrett tendo pegado sua namorada o traindo, e batendo a merda fora do cara que tinha estado com ela, sabia que ele precisava de seus amigos. Então, restava a mim e alguns outros para fazê-lo se sentir melhor. Era o mínimo que eu poderia fazer por ele.


Mas porra, eu queria ficar em casa com Meghan. Eu queria apenas sentar-me ao lado dela, sentir o aroma doce, floral, que sempre se agarrava a ela, e tocá-la, porque ela era minha. Peguei meu telefone e enviei-lhe um texto, uma vez que estes planos tinham acabado de aparecer no momento. Eu queria que ela soubesse onde eu estaria e quando voltaria. Eu provavelmente vou chegar em casa atrde. Vamos levar um amigo para afogar suas mágoas.

Vi três pequenos pontos aparecem na tela e sabia que ela estava digitando uma resposta. Meghan: Desculpe ouvir que seu amigo está chateado. Eu não vou estar em casa até mais tarde de qualquer maneira porque estou estudando para as provas finais. Fique bem.

Eu odiava que ela estaria sozinha. Fique segura. Se precisar de mim, não hesite em me ligar. Chegarei a ti em um instante.

Mesmo que tivesse que ir ao bar, eu iria sairia imediatamente caso ela precisasse de mim. Eu sempre chegaria até ela, porque ela era a porra da minha prioridade.

Meghan


Fui para o meu quarto e fechei a porta, sentindo-me exausta. As aulas estavam na reta final do semestre, eu tinha provas finais na semana que vem, e eu estava tentando pegar horas extras no meu trabalho medíocre. Mesmo tentando fingir que não me incomodava que a minha antiga colega de quarto trabalhasse no mesmo lugar que eu, era cansativo. Mas pedir demissão porque a detestava, não era uma opção. Eu precisava do dinheiro, especialmente agora. Tinha sido apenas alguns dias desde que fui morar com Brendan, e Deus, era bom estar sob o mesmo teto que ele novamente. Eu estava tentando fazer dinheiro extra para ajudar Brendan financeiramente, mesmo que ele fosse inflexível dizendo que não precisava fazer isso. Cozinhar o jantar para ele era o mínimo que eu poderia fazer para ficar aqui, mas eu também comecei a lavar toda a roupa e ter certeza que a casa ficasse limpa. Ele não era horrível nas tarefas domésticas, mas o fato é que ele vivia sozinho, e ficou claro que não era tão preocupado em manter as coisas organizadas. Ele era engraçado e um bom homem, e o fato de que estava me ajudando, sem esperar nada em troca, me mostrou que ainda existiam caras decentes no mundo. Claro, eu sabia disso bem antes de agora, mas estar nesta situação, apenas nós dois, realmente me mostrou o que eu poderia ter. Fechei os olhos e encostei-me à porta do quarto. O que eu poderia ter? Eu não achava que Brendan me via como algo mais do que o que eu era, mas eu também não podia negar o sentimento que eu


tinha quando ele olhava para mim. E certamente não parecia ser um olhar inocente. Eu sentia o calor vindo de seu olhar, e só de pensar nisso tudo, sobre o toque inocente de nossas mãos, e como isso me fazia sentir... tinha essa esperança florescendo no meu peito, de que talvez ele sentisse algo a mais por mim. Mas a realidade, e o bom senso me disseram para acordar, me concentrar em obter um emprego e sair, porque querer algo assim, provavelmente, não passava de ilusões tolas. Eu precisava colocar minha mente em ordem, parar de deixar as minhas emoções e desejos me governarem, e me concentrar em trabalhar em direção ao objetivo final. Eu não poderia ficar aqui para sempre, mesmo que isso soasse bastante agradável. Brendan pode ter dito que eu poderia ficar aqui pelo tempo que eu precisasse, e eu acreditei nele, sabendo que ele quis dizer isso, mas eu não queria abusar da sua hospitalidade. E se ele trouxesse uma garota para casa, ou quisesse trazer, mas se sentia muito estranho, porque eu estava aqui? Deus, só de pensar nele com alguém torcia meu estômago. Só de pensar em ver uma garota entrar por aquela porta com ele, sabendo por que ela estava lá, me fazia doente. O ciúme estava vivo em mim, e eu odiava. Mas, novamente, esta foi a minha mente conjurando esta merda. Ele não tinha falado com uma garota no telefone, e mesmo que o fizesse, eu não poderia ficar chateada. Ele não sabia como eu me sentia sobre ele, e ele não deveria ser celibatário por minha causa. Fechei os olhos e balancei a cabeça.


Eu me empurrei para longe da porta e caminhei até a cômoda, peguei uma muda de roupa, e ouvi a porta da frente abrir e fechar antes de eu mesmo me virar. O som dos caras rindo alto me disse que Brendan estava em casa, e ele claramente trouxe alguns amigos com ele. Fui até a porta do quarto e abri, ouvindo o fim de uma piada bruta, seguida por todos rindo. Eu não ouvi nenhuma mulher, o que me fez sentir como uma idiota, porque eu estava tentando ver caso alguma estivesse aqui. Mas eu também não estava disposta a ir verificar apenas no caso de ela não estar dizendo nada. Não era o meu negócio, e eu precisava me preocupar comigo. "Obrigado por ter vindo comigo" disse um rapaz. "Eu não sei o que diabos fazer sobre Trina." "Está tudo bem, cara" disse Brendan, sua voz grossa e profunda, e um pouco arrastada. "Confie em mim, eu sei tudo sobre estar preso em minha própria besteira, embora eu nunca estive em uma situação como essa." Houve um murmúrio de acordo. "Eu sei o quão difícil é quebrar a cabeça em torno de alguém." "Serio?" Disse o cara. "Você tem alguém?" Um cara perguntou depois que Brendan falou. Um momento de silêncio se passou, e eu senti meu peito apertar de dor. Eu encontrei-me instintivamente me afastando do quarto e banheiro para mais perto da entrada da sala. Olhei ao redor do cômodo. Três grandes caras estavam todos sentados, de costas para mim. Brendan estava na sala, encostado na


parede, com o rosto concentrado, o que eu assumi que tinha sido feito devido a pergunta. "Porra,

não tenho, mas tenho certeza para caralho que quero

alguém." "Então, vá atrás dela. Você, pode ter qualquer uma que quiser, seu bastardo." Uma rodada de riso encheu a sala de estar dos outros três rapazes. "Não, não é assim tão fácil, e ela não é como as outras meninas. Eu tenho me aguentado por um tempo, precisando descobrir como diabos eu vou dizer-lhe." "Porra, você soa como se este fosse um negócio real," um dos outros caras disse. " E é" foi a resposta de Brendan. "E como é que isso vai funcionar? Tipo você está com cólicas por isso? Diga à garota que vocês terão que transar calados boca para que sua irmã não ouça." "Foda-se, Max. Ela não é a porra da minha irmã, e sua presença aqui não será um problema do caralho. Então cale a boca sobre isso." Minha barriga apertou ao ouvir isso. Deus, se eu tivesse que ouvi-lo fazendo sexo com outra mulher... Eu balancei a cabeça, não iria pensar sobre isso. Um chuveiro quente era exatamente o que eu precisava. Talvez isso fosse limpar minha cabeça e me ajudar a relaxar e a não pensar sobre Brendan com outra pessoa.


Uma vez no banheiro, eu me despi e olhei para mim mesma no espelho. Eu ainda podia ouvi-los falar e me perguntei qual a profundidade dos sentimentos de Brendan para com a sua garota misteriosa. Saber que ele queria alguém, que nutria sentimentos fortes o suficiente para fazê-la "um negócio real", me fazia querer perfurar a garganta da tal infeliz. Olhei para o meu corpo, na verdade, eu não era bonita no sentido clássico, não da maneira que um cara como Brendan provavelmente gostava. A verdade era, que eu realmente não sabia que tipo de garota Brendan gostava. Durante o ensino médio e na faculdade, ele nunca trouxe qualquer menina em casa e nunca sequer falou sobre alguém em que estivesse interessado. Afastei-me do meu reflexo no espelho e entrei no chuveiro, deixando a água quente correr pelas minhas costas. Fiquei ali por longos minutos, sem fazer nada, apenas inalando o ar cheio do vapor, tentando limpar minha mente, e tentando descobrir uma maneira de agir como se eu estivesse "normal". Uma vez que eu saí do chuveiro e estava vestida, eu tentei ouvir se os caras ainda estavam aqui. Apenas ouvi o silêncio, mas meu coração estava batendo alto, o som enchendo minha cabeça. O que aconteceria se eu fosse apenas honesta, se dissesse a ele como eu me sentia? Como isso poderia ser errado? O que poderia haver de ruim nisso? Claro, isso era mais fácil dizer do que fazer.


Saí do banheiro e olhei para a sala de estar. A luz estava acesa, mas eu não ouvi nada. Com uma toalha fixada para manter o meu cabelo molhado no topo da minha cabeça, eu fui para a cozinha para pegar uma garrafa de água antes de olhar para a janela. Eu não me incomodei em acender a luz e estava feliz que eu tinha optado por isso quando ouvi ruídos lá fora. Antes mesmo que eu pudesse obter o que vim pegar na geladeira, eu olhei pela janela da cozinha em cima da pia para ver os três caras em um carro, e Brendan na frente deles. Um deles estava ficando no banco de trás enquanto o outro estava subindo na frente. O motorista, eu presumi, ainda estava falando com Brendan. Eu não poderia realmente ouvir o que eles diziam, apenas o profundo timbre da voz de Brendan quando ele respondeu ao que quer que seu amigo lhe disse. Ele me paralisava. A maneira como Brendan ficou lá, com as pernas musculosas ligeiramente afastadas, seus grandes braços cruzados sobre o peito, tinha-me pensando em coisas muito sujas. Quando o cara deu a volta no carro e entrou e Brendan virou, eu deveria ter tomado isso como um sinal para começar a colocar minha bunda para fora da cozinha, e não ficar travada como um verme. Mas, quando vi Brendan olhando diretamente para mim através da janela, apesar das luzes lá fora, eu fiquei congelada. Eu tinha a sensação que hoje à noite seria um tipo de noite de ruptura, e não sabia se estava pronta para isso.


6

Meghan

Eu sabia que deveria ter me movido, ou mesmo ter desviado o olhar, mas eu não podia me forçar a fazer qualquer uma dessas coisas. Nós trocamos olhares por longos segundos, e foi só quando eu ouvi o ligeiro click da garrafa de plástico que estava segurando, que percebi que eu estava esmagando-a em minha mão. Isso me fez sair do meu estupor congelado por um segundo, mas depois senti a minha excitação aumentar dez vezes mais forte, e odiava que eu não conseguia controlar meu corpo traidor.


Minha blusa esfregou contra meus seios, fazendo meus mamilos endurecerem. Eu me sentia suja, mas de uma forma boa, de uma forma que me disse que eu queria algo que eu não podia ter. Brendan começou a ir para dentro, e eu sabia que só precisava ir para o meu quarto, então eu não tornaria este um momento incrivelmente estranho. Mas, é claro, logo que sai da cozinha, Brendan estava entrando pela porta da frente. Abaixando minha cabeça, fiquei olhando para o chão, eu planejava apenas murmurar boa noite e me afastar. "Hey" Brendan disse, sua voz profunda me enchendo de calor. "Sim?" Eu me sentia muito nervosa por algum motivo. Eu não virei totalmente, apenas olhei por cima do ombro para ele. Ele ergueu as sobrancelhas, provavelmente se perguntando por que diabos eu estava agindo de forma estranha. E eu estava agindo de forma estranha como o inferno. Senti que ele podia ouvir meu coração acelerado, que ele podia ver as gotas de suor começando a se formar no meu corpo. Esta reação foi instantânea, e eu odiava que eu estivesse agindo assim; minhas emoções, sentimentos, até mesmo o modo como meu corpo estava respondendo, estava fora do meu controle. Era como se apenas com um olhar seu, ele fizesse tudo em mim despertar, sentia como se fosse morrer se não lhe dissesse como eu me sentia. "Qual o problema?", Perguntou ele, a preocupação em sua voz muito evidente.


"Nada" eu disse, minha voz ligeiramente alta, me sentindo como se estivesse em um penhasco prestes a cair. Suas sobrancelhas arqueiam em descrença. "Meghan, que porra está errada? Você está agindo estranha como o inferno." Eu balancei a cabeça e corri as palmas das mãos suadas sobre as minhas pernas. "Eu estou bem" eu menti, mas eu sabia que não havia sido convincente. Quanto mais eu estava aqui, olhando para ele, pensando nele querendo alguma outra menina, mais eu queria dizer a ele como eu me sentia. Eu queria dizer a Brendan que deveria ser nós dois. Mas eu nem sequer sabia se algo assim aconteceria. Tudo o que eu sabia era que eu queria dizer a ele que o amava, mas eu estava com medo. Pensar em mim, cuspindo as palavras para fora, e admitindo que o amava, era tão terrível que eu senti minhas mãos começarem a tremer. Eu não tinha planejado dizer a ele, pelo menos não agora, não ainda, mas depois de ouvir sobre esta mulher misteriosa dele, o fato de que eu poderia vê-lo com ela, ouvi-los juntos... sim, eu não poderia lidar com isso, nem sequer queria imaginar isso. Ele deu um passo mais perto e sacudiu a cabeça. "O que diabos está acontecendo? Você está bêbada?" Ele perguntou e eu olhei para cima e para baixo. Eu sei que era mais por causa da preocupação, mas seu olhar em mim enviou arrepios correndo pela minha espinha. Tinha a minha excitação acesa e queimando mais forte.


E, claro, os meus nervos estavam em frangalhos, minha garganta estava seca e apertada, e eu senti como se eu fosse tropeçar em minhas palavras se eu tentasse dizer qualquer coisa. "Vire-se e olhe para mim" disse ele, com uma voz mais dura do que eu jamais o escutei se dirigir a mim. Ele deu um passo mais perto, com a testa franzida, o seu grande corpo tenso. "Aconteceu alguma coisa na sua faculdade hoje?" Eu podia sentir a raiva e calor vindo dele. "Será que alguém incomodou você?" Sua voz era mortalmente tranquila. Eu olhei ao redor e balancei a cabeça. "Não" eu disse suavemente, não confiando em minha voz. "Estou bem." Ele balançou a cabeça, me impedindo de dizer algo mais para assegurar-lhe que eu estava bem no que dizia respeito a alguém me machucando. Ele me olhou de cima a baixo novamente. "Eu não acredito em você, porque você não parece bem. Você parece com medo ou nervosa, como se algo muito fodidamente grave estivesse acontecendo, Meghan." Ele se aproximou mais, e eu senti o calor de seu corpo se movendo ao longo do meu. Eu tremi, enrolei as minhas mãos em punhos nos meus lados, e tentei trabalhar minha coragem para dizer a ele como eu me sentia. Eu sabia que, se ele me rejeitasse, eu não podia ficar aqui. Eu tinha certeza que ele não iria me chutar para fora, mas eu me sentiria muito estranha estando aqui depois de ser recusada.


Mas não era por ficar sem-teto que eu estava com tanto medo de dizer qualquer coisa. O simples pensamento de perder Brendan assustava a merda fora de mim. Ele agarrou meus ombros em um aperto suave e se inclinou até estarmos olho-a-olho. "Você sabe que você pode falar comigo sobre qualquer coisa, certo?" Um momento de silêncio se passou, e eu assenti. "Eu sei." Ele deu ao meu ombro um aperto e deslizou as mãos pelos meus braços, a eletricidade que eu senti de seu toque espalhando por cada minha. Basta lhe dizer. Você se sentira pior se não o fizer. Mas ainda assim fiquei calada, nos olhando fixamente um para o outro, porque o medo de perdê-lo era demais. "Você está assustando a merda fora de mim agora” disse ele, uma agitação em sua voz que me disse que estava realmente preocupado. Eu mordi meu lábio, inspirei e expirei, tentando me acalmar. Dei um passo para trás porque eu precisava de um pouco de distância para fazer isso. O cheiro de álcool dele estava fluindo entre nós. Embora eu pudesse dizer que ele estava provavelmente um pouco embriagado, ele não agia como bêbado agora. Ele parecia alerta, pronto para ouvir o que eu tinha a dizer. Duvido que esse será o caso uma vez que eu abrir minha boca. "Meghan, venha, querida, fale comigo." Tomei mais uma respiração profunda e soltei. "Você ama alguém?"


Ele pareceu surpreso, como o inferno, eu também teria ficado se ele tivesse jogado essa pergunta para mim. Ele não respondeu por um segundo e levantou a mão para passá-la sobre os curtos fios de seu cabelo. "O quê?" Ele disse, com a voz mais apertada. "Eu..." Deus, eu poderia fazer isso? "Eu ouvi você dizendo que você se preocupava com alguém, e eu me perguntei..." Eu engoli o caroço de repente na minha garganta. "Não é da minha conta..." "Sim, eu estou apaixonado por alguém" ele disse, me cortando. Ele olhou para mim por apenas um segundo antes de se virar, como se me fitar o fizesse desconfortável. "Mas é complicado como o inferno." É, provavelmente, mais para mim do que para você. "Não é sempre complicado?" Perguntei com um tom de voz brincalhão, mas a situação parecia muito tensa, e eu me senti estranha por não dizer mais absolutamente nada. Ele olhou para mim, em seguida, com o rosto tenso, como se isso fosse quase doloroso. "Porra, é muito fodidamente complicado." Engoli depois que ele falou e balancei a cabeça lentamente. "Mas eu não entendo por que você está me perguntando isso." Minha boca parecia muito seca no momento, mas eu sabia que deveria me controlar, por assim dizer. "É por isso que você está agindo assim?" Sua testa franziu novamente. "Eu..."


"Você está preocupada sobre mim amando alguém, Meghan?" Sua pergunta me pegou de surpresa, e eu pisquei algumas vezes, não tendo certeza de como responder, embora a resposta fosse demasiado fácil. Enquanto os segundos se passavam, e a estranheza de toda esta situação crescia, eu sentia a percepção enchendo minha mente enquanto eu olhava para ele. Ele sabia, ou pelo menos supunha. Isso ficou claro pelo olhar que ele estava me dando. Era uma mistura de choque e algo mais, algo que eu realmente não poderia decifrar. Diga de uma vez, então. "Meghan?" Ele disse meu nome profundamente. "Sim, é por isso que tenho agindo assim, mas não é a única coisa." Corri minhas mãos sobre as minhas pernas novamente, tentando impedi-las de tremer. "Por quê?" Ele perguntou e se moveu um passo mais perto novamente. Eu não conseguia respirar no momento e comecei a hiper-ventilar. "Porque..." Eu consegui dizer, minha voz nada mais do que um sussurro. "Porquê o que?" A expressão chocada em seu rosto estava misturada com aquela outra coisa que eu não poderia dizer o que era. Ele estava há apenas alguns centímetros longe de mim agora, o cheiro do álcool que atava sua respiração e o perfume que ele usava fazendo eu me sentir bêbada.


"Porque se importa com isso, Meghan?" Deus, por que isso era tão difícil? "Porque eu não quero que você ame outra pessoa." Eu disse parte da verdade. Já é um começo, certo? Mas meu coração estava batendo tão forte, tão rápido, que eu jurava que ele seria capaz de ouvi-lo, vê-lo batendo rapidamente sob o meu peito. Ele não se moveu, mas ele ainda segurou o meu olhar, ainda me fazendo sentir como se pudesse ver dentro da minha alma. "Você não

quer

eu

ame

outra

pessoa?"

Ele

disse

suavemente,

profundamente e baixou o olhar para a minha boca. Oh Deus. Eu senti como se pudesse entrar em combustão, aqui e agora. "Eu não quero que você ame mais ninguém", eu sussurrei. Eu poderia ter fechado os olhos pelo puro terror que passou por mim, mas em vez disso, eu me forcei a olhá-lo nos olhos. Eu não sei quanto tempo ficamos lá, nós dois quase nem respirávamos, mas, finalmente, ele se inclinou para trás uma polegada. Eu encontrei-me respirando

profundamente,

não

percebendo

que

eu

estava

segurando a minha respiração. "Você me ama?" A maneira como ele disse me fez sentir como se eu tivesse cometido um erro, como se talvez eu devesse ter mantido minha boca fechada. "Sim, eu te amo, Brendan."


Ele quebrou o contato visual comigo, olhando para o chão, e eu vi sua mandíbula apertar. Era claro que ele estava imerso em seus próprios pensamentos, e eu sabia que tinha acabado de arruinar o que tínhamos. Tarde demais para voltar atrás agora. Muito tarde para tentar fazer isso parecer menos grave do que é. Porque era sério, tão sério que eu agora sabia que dizer a ele era a coisa certa, se acabasse terrivelmente ou não. "Diga isso de novo" disse ele, mas sua testa franziu, como se ele ainda estivesse tão confuso que não acreditasse no que eu dissera. Eu não podia avaliar como ele se sentia pela sua expressão. "Eu te amo e saber que você ama outra pessoa, dói." Eu disse de novo, agora saindo mais fácil. Um segundo de silêncio se passou enquanto ele me observava, e então ele suspirou e fechou os olhos. "Você não tem ideia do que essas palavras saindo da sua boca causam em mim, Meghan. " Nojo? Constrangimento? Desconforto? "Porra, saber que a garota que eu amo se sente da mesma maneira é muito fodidamente incrível." Espere. O que?


7

Meghan

Ele se aproximou, colocou as mãos na parede ao lado da minha cabeça, e disse em voz baixa: "Você é a garota que eu estava falando." Ele olhou para os meus lábios. "Você é a pessoa que eu amo." Quando ele olhou para o meu rosto, meu coração saltou para a garganta. "Eu estive apaixonado por você por anos, mas não tive coragem de dizer nada. Eu não queria estragar o que tínhamos, a amizade que nós construímos." Ele se aproximou novamente, e eu fechei meus olhos enquanto eu cheirava o seu perfume inebriante. "Sempre foi você, Meghan." "Brendan?" Eu não sei o que eu estava perguntando a ele, mas eu senti como se fosse Alice no país das Maravilhas, que tinha acabado de cair no buraco do coelho.


"Você foi única que eu sempre quis, preferi tê-la como amiga por medo de perdê-la" ele disse e se afastou um pouco para me olhar intensamente. Deus, essa era a sua voz; profunda, rouca e cheia de carência? Isso está realmente acontecendo? Eu não sabia o que dizer, nem sabia se eu poderia ter falado se as palavras estivessem estado lá. Meu coração estava na minha garganta pelas coisas que Brendan me disse. Ele nunca tinha sido o tipo de cara sentimental, nunca foi de mostrar suas emoções, na verdade. Ele tinha sido centrado e forte, o homem que tinha garantido que nenhum cara mexesse comigo, mesmo que suas atitudes auto protetoras me deixassem louca, às vezes. Ele sempre me protegeu e cuidou de mim, então o fato de que ele estava dizendo que me amava também era quase demais, quase inacreditável. Bem aqui, agora, com a maneira como ele olhava para mim, tive certeza que tudo o que estava acontecendo entre nós era... real. Ele me queria do jeito que eu o queria, e tudo que eu queria fazer era estar com ele. Eu não me importava se houvesse quaisquer riscos em estar com Brendan, ou mesmo se eu deveria. Senti-o brincar com os fios de cabelo detrás da minha orelha, e arrepios correram pela minha espinha. As pontas de seus dedos escovaram a curva da minha orelha de vez em quando, e eu só queria senti-lo contra mim. Poderíamos ter dito que nos amávamos, mas ainda parecia surreal.


"Sempre será apenas você, Meghan." "Isso é tão difícil de acreditar" eu disse com sinceridade. Brendan era lindo, inteligente, e espirituoso. Ele atraía as mulheres. Ele poderia ter tido qualquer uma que quisesse, mesmo que eu nunca tivesse realmente visto ele com luxuria. Ele balançou a cabeça e olhou para a minha boca novamente. Eu o senti mover os dedos ao longo do meu queixo e em seguida, sobre a minha bochecha. Eu abri minha boca enquanto ele moveu seus dedos ao longo dos meus lábios. "Só existe você para mim. Sempre foi." Ele se moveu um pouco mais perto, de modo que seu corpo estava agora pressionado contra o meu. Eu fiz este ruído involuntário na parte de trás da minha garganta quando seus músculos entraram em contato com a minha suavidade. Também senti o quanto ele era. Grande e Grosso. E tudo isso por minha causa. "Eu não posso nem pensar em mais ninguém, porque eu estou tão apaixonado por você" ele murmurou, ainda olhando para minha boca, ainda correndo os dedos ao longo do meu lábio inferior. "Eu não quero mais ninguém, Meghan, e eu tenho trabalhado minha coragem ao longo dos anos para lhe dizer como me sentia." Eu não conseguia pensar, não conseguia nem respirar depois de suas palavras.


"Eu quero te mostrar com a minha boca" disse, baixo e profundo, sua voz se movendo ao longo da minha carne. "Eu quero te mostrar com a minha língua e mãos o quanto você significa para mim." Ele pressionou a parte inferior do corpo com mais força contra o meu. "E eu quero te mostrar com meu pau o quão bom eu posso te fazer sentir." Oh. Merda. Eu definitivamente tinha acabado de cair no buraco do coelho.


8

Brendan

Eu queria beijá-la pra caralho, mas ainda estava me recuperando do fato de que a mulher que eu amava se sentia da mesma forma sobre mim. Ela parecia tão vulnerável e bonita agora. Inferno, ela ainda tinha uma toalha enrolada na cabeça. Olhei para Meghan, olhei para seus cheios lábios rosados, e queria me perder em sua boca. Eu queria que ela ficasse fraca nos joelhos, enquanto devorasse a sua boca. Queria que ela estivesse tão fraca sobre o que eu estava fazendo com ela, que ela só poderia se agarrar a mim. Porra. Eu queria tomar o controle, e faze-la gritar o meu nome enquanto estivesse sobre o meu pau. Sim, talvez eu estivesse indo um pouco rápido, visto que tínhamos acabado de professar como nos sentíamos, mas parecia a


oportunidade perfeita para mostrar realmente o que ela significava para mim. Eu queria que ela realmente visse quão apaixonado estou por ela, que só tive olhos pra ela todos esses anos, que meu amor tinha se enraizado no meu coração. Eu disse que eu a amo, e queria mostrar-lhe tal sentimento no sentido mais físico. Mas eu não queria apressá-la. Isso seria em seus termos, em seu tempo. Eu iria tão lento ou rápido como ela quisesse, porque eu não iria deixá-la ir. "Eu quero te beijar pra caralho" eu disse, mais para mim do que qualquer outra coisa. Mas o pequeno som que ela fez depois que eu disse isso, tinha meu pau repuxando pra caralho, como se tivesse prestes a explodir. "Eu quero que você me beije" ela sussurrou e olhou para a minha boca. "Isso é loucura?" Perguntou ela. "Não. É perfeito porra. Você é perfeita" eu disse instantaneamente. Esperei até que ela levantasse o olhar e me olhasse nos olhos. "Você é minha, Meghan. Você sempre foi." E então eu a beijei, todo o autocontrole apenas me deixando quando a realidade bateu em mim. Meghan me amava. Ela me queria. Eu não iria negar isso a qualquer um de nós.


Eu segurei seu rosto com as mãos, inclinei a cabeça para o lado um pouco e, finalmente reivindiquei sua boca. Ela era doce, inocente, e toda minha. A maneira como ela gemeu, abriu a boca ligeiramente, e deixou-me ter o meu caminho com ela, tinha-me tão fodidamente excitado que eu poderia ter vindo em minhas calças apenas por beijá-la. Quando ela se levantou na ponta dos pés, pressionando os seios no meu peito, e eu senti as curvas que compunham o seu corpo, eu gemi, não sendo capaz de manter o som para dentro, não querendo mantê-lo. Meu pau empurrou por trás do zíper da minha calça jeans, e eu queria mais, precisava de mais. Meu coração estava batendo descontroladamente, e eu queria beijá-la mais duro, possuíla e tê-la consumindo cada parte minha. O que eu queria fazer para Meghan era sujo, mas apenas das melhores maneiras. À medida que o beijo se intensificava, e eu a senti agarrar meu bíceps, cravando as unhas em minha carne, o pouco controle que eu tinha, me deixou. Eu puxei a toalha da sua cabeça e emaranhei minhas mãos em seu escuro cabelo úmido. Meghan teria que tomar banho de novo, porque quando eu tivesse acabado com ela, ela estaria suada como a porra do inferno. Eu empurrei minha língua em sua boca, gemendo, o som saindo gutural e cheio de necessidade. "Porra, isto é muito melhor do que imaginava" eu disse contra sua boca. Enfiei uma das minhas mãos para baixo de seu seio e envolvi meu braço em volta da sua cintura. Sem pensar no que eu estava


fazendo, eu usei a minha força para levantá-la do chão. Graças a porra ela colocou os braços em volta do meu pescoço e suas pernas em volta da minha cintura. Apertei-a completamente contra a parede, ajeitei a minha pélvis entre suas coxas abertas, e friccionei meu pau duro contra sua vagina. Deus, eu podia sentir como ela estava quente por mim. Eu acariciei minha língua ao longo dela e puxei-a mais profundo em minha boca, amando que ela gemeu. Eu não poderia me ajudar, mas empurrei

meu

pau

duro

contra

sua

vagina,

querendo

desesperadamente que não tivesse nada entre nós para que eu pudesse estar enterrado dentro dela. Eu quebrei o beijo depois de longos segundos e olhei para seu rosto. Sua boca estava inchada e vermelha dos meus beijos. "Eu quero você pra caralho." Eu tinha bebido esta noite e fiquei ligeiramente embriagado, mas depois de ouvir Meghan dizer que me amava, sabendo que ela queria isso... eu tinha ficado sóbrio consideravelmente. Eu queria fazê-la se sentir bem. Eu queria fazê-la gozar. Eu era possessivo com ela, e se ela soubesse que eu tinha afugentado qualquer cara que pensou que poderia tê-la, ela poderia pensar que eu era um verme maldito. Mas eu queria que ela soubesse, queria ser honesto. Mesmo que fosse como um balde de água fria sobre esta situação, ela precisava saber. "Eu quero deixar tudo em aberto." Meu coração estava batendo rápido e forte.


"Eu te amei por tanto tempo, Meghan. Eu te amei antes mesmo que eu soubesse o que era amar. " Eu olhei para seus lábios, tão vermelhos e inchados. "Eu não estive com ninguém, porque eu quero você. Só você." "Brendan..." "É só você, e por causa disso, na sua época de escola dei um jeito de manter os fodedores à distância." Ela separou os lábios ligeiramente, e eu desejei que eu soubesse o que ela estava pensando. "E ate hoje eu os tenho assustado, dizendo-lhes que se eles fodessem com você eu os quebraria." Ela não falou, mas sua respiração aumentou. " Eu não estou orgulhoso do que fiz. Mais foi minha forma de protege-la, Meghan. Eu não vou pedir desculpas por nada disso. Eu não posso." Ela não falou durante longos segundos e não me olhou nos olhos. "Você assustou quaisquer caras que tentaram, ou que marcaram encontro comigo?" Nós desembaraçamos os membros uns dos outros, e eu dei um passo para trás, certificando-me de que ela deixa-la estável sobre o chão. "Sim. Eu disse que não tinha orgulho disso, mas eu também não vou negar que eu gostei de saber que você estava a salvo, intocada por aqueles idiotas que te usariam e depois te deixariam." Ela franziu sua testa. "Mas você não sabia disso. Eles poderiam ter sido realmente doces, Brendan. "


Dei de ombros. "Isso não importa, porque eu não queria que qualquer cara, idiota ou cavalheiro, estivesse com você." Mais silêncio se estendeu. "Isso é... intenso, Brendan." Eu balancei a cabeça. Ela levantou a cabeça e me olhou nos olhos novamente. "Você não tem que me dizer isso." Eu assenti. "Eu sei." "Porquê então? Por que não manteve isso para si mesmo, porque você deve saber que é uma espécie de loucura." Eu balancei a cabeça novamente. "Sim é, mas eu te amo, e quero ser honesto contigo. Eu quero que você saiba que não há mais ninguém para mim. Eu queria tudo colocado para fora, Meghan." Uma parte de mim lamentou dizer isso a ela, mas eu sabia que essa era a coisa certa. "Você não precisava ter assustado ninguém. Eu só queria você." Meu coração começou a bater mais duro com as palavras dela. "Eu amo você, Brendan, e desejava que não tivesse demorado tanto tempo para contar-lhe." Eu estava feliz para caralho que ela não tinha me afastado. Ela teria tido todo o direito depois do que eu admiti, mas ela apenas olhou para mim com essa sinceridade em seus olhos. Minha menina me amava, e eu não estava indo para foder isso. "Eu ainda quero isso" ela sussurrou. Senti meu pau idiota ficar mais duro.


"Isto é sobre você e eu, baby" eu disse, olhando nos olhos dela. " Eu quero mostrar-lhe quão bom isso pode ser, quão bom eu posso tratála." "Seja meu primeiro, Brendan." Fechei os olhos e gemi. Saber que ela era pura, a porra de uma virgem, me fez sentir como um bastardo sujo de merda pelo que eu queria fazer com ela. "Eu nunca fiz sexo, Meghan" eu disse, querendo que ela realmente soubesse da verdade. Eu não tinha vergonha de admitir isso. Eu nem sequer me importava que alguns caras pensassem que essa admissão era idiota. Fiquei orgulhoso que nunca tinha estado com qualquer outra pessoa. Ela era minha, sempre foi, e daríamos um ao outro a nossa virgindade, e porra, tudo estaria certo do mundo. Meghan seria minha. "Deus, isso é real?" Ela parecia sussurrar para si mesma. "Baby, isto é tão real quanto parece." Então eu a beijei, mostrando-lhe com o meu corpo o quanto eu quis dizer as minhas palavras. Não importava se eu nunca tinha tido relações sexuais, porque eu sabia que logo que eu estivesse com Meghan, assim que eu estivesse profundamente em sua vagina, alegando a sua virgindade da maneira que ela a minha, as coisas só iriam cair no lugar. Perfeição acontecia assim.


Eu a esmaguei contra mim novamente, enfiei as minhas mãos em seu cabelo, e a beijei até que nós dois estávamos com falta de ar, e eu senti como se estivesse prestes a atirar minha carga no meu jeans. Eu tinha pensado tantas vezes em Meghan, imaginando-me com ela e na doce satisfação de finalmente tê-la. Esta era a minha realidade agora, e porra, era perfeito. Eu tinha minhas mãos nos lados do seu pescoço, mantendo-a imóvel enquanto eu a fodia com a minha boca. E não havia outra maneira de descrever o que eu estava fazendo com ela. Ela arqueou para mim, seus seios pressionando em meu peito, deixando-me sentir o quão duro seus mamilos estavam. Ela estava preparada para mim. Eu sabia disso sem dúvida. Inferno, eu estava pronto para ela agora. Eu poderia ter gozado por apenas beijá-la se eu deixasse meu controle escorregar mais. Quando ela estava ofegante contra a minha boca, eu puxei para trás, forçando-me a quebrar o beijo. Inferno, eu não queria, mas tão quente quanto parecia transar com ela contra esta parede, eu a queria na minha cama, meu cheiro em torno dela, e seu cabelo espalhado pelo meu travesseiro. Eu a puxei para longe da parede, para os meus braços, um segundo depois. Enterrando meu rosto em seu pescoço, eu respirei fundo, ficando bêbado do seu cheiro. Eu ainda estava atordoado com o fato de que isso estava acontecendo.


Quando eu estava no quarto, levei-a para a cama, deitei sobre ela, e apenas olhei para a mulher que eu amava. Deus, ela era perfeita, e minha, e eu queria ir devagar nesta última etapa, mas eu estava tendo um inferno de um tempo difícil mantendo meu controle. Eu poderia nunca ter tido relações sexuais antes, preferindo poupar-me para uma garota que eu amava mais do que tudo, mas inferno, eu sabia que poderia agradá-la. Ela estava no topo da minha lista, a minha prioridade, e não havia nada que eu não faria para fazê-la feliz. "Venha aqui", disse ela suavemente, e eu nem sequer pensei em não fazer o que ela queria. Inferno, se ela me queria em minhas mãos e joelhos e rastejando para ela, implorando para lamber sua buceta, eu teria prazer em fazer isso e pedir mais. Merda, apenas pensar em fazer isso, em espalhar os lábios de sua buceta com os dedos para que eu pudesse come-la, tinha-me louco de desejo. Eu queria espalmar meu pau através do meu jeans, antes de eu colocá-lo nela. Sim, eu queria estar no fundo de sua buceta, tão profundo que não haveria um lugar que eu não estaria tocando; não haveria dúvida de que ela era minha. Eu deitei na cama, olhando para o seu pé de aparência delicada com as unhas pintadas de vermelho, e disse-me para ir devagar. Não foi porque eu pensei que iria ser muito intenso e cru, embora isso fosse verdade também, era porque eu estava tão excitado por ela – que eu poderia gozar, mesmo sem estar em sua doce buceta.


"Eu preciso tê-la nua, baby" eu disse, e antes da última palavra sair para fora, Meghan já estava tirando a roupa. Eu estava congelado enquanto eu observava sua pele lisa cremosa sendo revelada, amando o fato de que ela estava usando uma lingerie branca. Em seguida, ela estava nua, pronta, disposta e toda minha. Não importava o quanto eu queria que isso durasse, eu sabia que não havia nenhuma maneira que eu poderia prolongar muito. Eu estava muito excitado. Eu deixei o meu olhar viajar sobre suas pernas, parei por um segundo para olhar para a sua buceta, que era coberta por um pequeno monte de pelos, e mantive meus olhos subindo sobre sua barriga, seios grandes com as pontas dos bicos rosados, e finalmente parei na boca dela. Eu gemi quando ela passou a língua ao longo do lábio inferior. Abaixei minha boca e mordi seu lábio superior e, em seguida, pelo inferior. Ela soltou um gemido sexy e doce, e eu adicionei pressão, beijando-a ferozmente. "Eu preciso de você", disse ela contra a minha boca, e eu gemi. Puxando para trás e olhando para o seu rosto, a porra do meu controle estalou. "Eu estou pendurada sobre um fio, Brendan." "Foda-se." O desespero era claro em sua expressão, e eu não queria fazê-la esperar. Eu não queria esperar tanto. "Eu quero fazer isso especial, ir devagar, ser romântico..." "Eu não pedi lento ou romântico. Eu quero exatamente do jeito que você quiser para mim. " Cristo.


"Eu poderia te devorar até a exaustão, baby." Eu engoli o nó na minha garganta. "Eu quero isso", ela disse com uma voz grossa misturada com o prazer. "Eu não quero parar uma vez que isso começar, mas podemos começar?" Eu sorri. Ela era exigente, e porra, me fez sentir bem saber que ela me queria assim. Mas a realidade da situação também me bateu. "Eu não quero te machucar." "Eu só quero você. Fique comigo." Minha garganta apertou depois que ela falou. "E se for cru e duro? E se eu não conseguir me controlar o suficiente para ser gentil, Meghan? " "Eu só quero você." Bem, porra, parecia que a mulher que eu amava não era tão inocente como eu pensava. Porra..Obrigado.. Deus. Eu não acho que eu poderia ser gentil agora, não quando a mulher da minha vida estava deitada nua debaixo de mim.


9

Meghan

Isso está realmente acontecendo. Cada parte minha parecia que estava se movendo entre quente e frio, rígido e borbulhante. Eu não podia negar que a maneira como ele olhava para mim parecia como um homem possuído, como se ele fosse tão obcecado por mim que nem sequer podia controlar-se. Talvez isso devesse ter me assustado, mas a verdade é que eu achei que escaldante, tão malditamente quente que eu não conseguia pensar direito. Eu tinha estado me poupando não porque eu pensei que teria uma chance com Brendan, mas porque eu o amava tanto que não quis nenhum outro homem. E saber que ele também me amava... Deus, eu estava em êxtase de felicidade. Eu estava nervosa, sim, mas eu queria Brendan do jeito


que ele queria me levar. Eu sabia que seria rápido, duro, implacável, porque ele me amava e não podia se controlar. Inferno, eu me sentia da mesma forma. "Eu quero você", eu disse, levantando as mãos e passando-as até seus braços. "Eu quero você tão nu quanto eu estou." Ele fez esse som baixo e profundo dentro de seu peito. Seu corpo inteiro grande, estava tão tenso, como se ele estivesse tentando esconder que não estava afetado da maneira como ele realmente estava. Da mesma forma que estava me afetando. Eu vi como suas pupilas dilataram, e conforme os segundos se passaram, nossa respiração aumentou, e seu corpo parecia ficar mais tenso, eu sabia que isso ia ser insanamente apaixonado. Então ele estava em mim, com as mãos no meu peito, sua boca na minha. Ele me beijou por longos segundos, mergulhando sua língua dentro e fora da minha boca, me alegando. Ele quebrou o beijo e moveu sua boca ao longo da minha bochecha, sobre a minha mandíbula, e começou a chupar o ponto logo abaixo da minha orelha. Ele se moveu em cima de mim um pouco, e eu senti seu pênis duro cavando direto sobre minha buceta. "Eu preciso de você nu, Brendan" Eu disse ofegante. Ele começou a pressionar a sua ereção em seu jeans contra minha buceta, e eu senti o quão grande ele era, quão grosso e longo. Eu estava obscenamente molhada.


Ele afastou-se e tirou a camisa e a lançou de lado. Olhei para seu peito duro, liso. Ele era definido em todos os lugares certos – tão masculino que era difícil não se sentir muito feminina com ele. "Você quer que eu te toque, faça você se sentir bem?" Deus, sua voz era tão rouca, tão profunda. "Sim", eu disse sem hesitar. "Mostre-me, Meghan, baby. Mostre-me onde quer que eu faça você se sentir bem." Eu estava tão excitada que era como se não conseguisse nem pensar direito. Era como se eu estivesse bêbada, ou tão intoxicada que eu sentia como se isso não fosse real. "Eu quero que você me toque em todos os lugares." Eu não estava exagerando. "Mostre-me", disse ele com mais força, mais dominante, e recuou outra polegada, dando-me algum espaço. Eu levantei minha mão, alisei-a para baixo da minha barriga, sobre o meu monte, e coloquei-a entre as minhas pernas. "Abra os lábios da sua buceta para mim. Deixe-me ver quão molhada esta." Minhas mãos tremiam, meu coração trovejando por trás das minhas costelas. Nós dois estávamos respirando rápido e tínhamos gotas de suor ao longo do nosso corpo.


Esta poderia ser a minha primeira vez, mas eu não queria ir devagar. Eu não queria suave. Tudo que eu queria era que Brendan estivesse comigo. Ouvi meu coração trovejando nos meus ouvidos, senti-o na minha garganta. Isso era uma loucura, mas em um bom caminho. "Separeos. Deixe-me te ver, Meghan. " Eu não tinha dúvida de que ele poderia ver exatamente como eu estava molhada para ele. E quando eu puxei os lábios de minha buceta, o gemido animal que saiu dele atravessou por todo o meu corpo. Ele estendeu a mão e passou o dedo diretamente através do meu centro, e um suspiro me deixou. Um arrepio de prazer me consumiu, e eu sabia que não iria durar, que eu podia morrer agora mesmo e ser a mulher mais feliz do mundo. "Você me quer aqui, Meghan?" "Deus, sim." Isso parecia tão certo. Ele fez um rápido trabalho de obter seu jeans fora, e o que foi revelado foi um pau massivamente impressionante. Ele voltou para mim, apenas a alguns centímetros do meu corpo novamente. Com os dedos ainda correndo para cima e para baixo na minha fenda, ele usou a outra mão para agarrar o seu pau enorme. Sua carne era suave, tonificada, e o monstro entre suas coxas era obviamente acima da média.


Ele esfregou a palma para cima e para baixo do eixo enorme que ele tinha, e eu senti calor e eletricidade vindo dele. Senti meu pulso bater descontroladamente no meu clitóris, e eu queria pedir-lhe para ignorar toda essa tortura erótica e apenas me foder já. Eu queria Brendan agora. "Eu preciso de você" eu finalmente consegui dizer, e o gemido que veio dele meu deixou ainda mais quente. Abaixando o olhar para o que ele ainda estava fazendo a si mesmo, eu senti meu coração apertar no meu peito com a visão do fluido claro que pontilhava a ponta do seu pênis. Então me vi aproximando, empurrando a mão dele e tomando o pau enorme na minha mão. Ele grunhiu, seu prazer claro. Ele estava duro e grande, e os meus dedos não poderiam envolver completamente em torno de sua base. Deus, o que eu iria sentir com isso enfiado em mim? Qual seria a sensação de ser esticada ao máximo por Brendan? Obviamente, ele se encaixaria em mim, mas eu não podia deixar de pensar que seria um ajuste apertado. Eu comecei a acariciá-lo, para cima e para baixo, constante e lento. Ele gemeu de novo, os músculos de seu pescoço destacando-se em um relevo gritante. "Porra, se continuar fazendo isso vou gozar antes que eu esteja em você, baby." "Talvez isso não seja uma coisa ruim."


Ele resmungou depois que eu falei. "Toque-me mais rapidamente, adicione um pouco de pressão." Sua voz estava grossa, seu foco em mim. Eu enrolei minha mão apertada em torno de seu pênis e comecei a esfregar a palma da mão para cima e para baixo em seu comprimento. "Foda-se, eu não quero que você pare" disse ele baixo e inclinou-se para descansar a mão na minha cabeça. Seu corpo grande estava se inclinando sobre mim, seus olhos se encontraram os meus. "Mas se você não parar, vou gozar antes que isso comece." Antes que eu pudesse pegar minha velocidade para fazê-lo gozar, Brendan tirou minha mão dele e teve seu corpo descansando plenamente no meu. Nós nos beijamos por longos segundos, e tanto quanto eu amava ter sua boca na minha... Eu precisava de mais.


10

Brendan Eu estava prestes a vir, e eu sequer tinha entrado em Meghan. Eu queria que isso durasse pra caralho, queria fazê-la gozar várias vezes antes que eu me deixasse gozar, mas porra, eu estava tendo um tempo difícil obtendo controle. Eu quebrei o beijo e olhei para ela por longos segundos. Ela era tão fodidamente linda, tão doce, tão genuína, e ela era toda minha. O fato de que ela não tinha me dado uma joelhada nas bolas depois que lhe disse que tinha afastado os idiotas interessados, me fez sentir bem que ela gostasse que eu tivesse cuidado dela. Eu admiti


que estivesse errado, mas eu era muito possessivo e territorial para recuar. Eu ajustei meu corpo muito maior sobre o dela, não querendo esmagar seu corpo. Meu pau idiota decidiu naquele momento, que o som um pouco mole que ela fez, seria minha ruína. "Você está pronta?" Eu perguntei e passei o meu polegar sobre seu lábio inferior. "Eu já estou pronta." Eu descansei minha testa na dela e fechei os olhos. Meu corpo inteiro estava tão extremamente tenso, meus músculos tensos sob a pele. Será que esta mulher sabia o que ela fazia para mim, que eu cairia de joelhos e a adoraria, se fosse isso o que ela queria? Será que ela sabia o quanto eu realmente queria ela na minha vida, que eu faria qualquer coisa para me certificar de que ela estivesse feliz comigo? Provavelmente não, mas eu usaria o resto da minha vida para prova-la de que era digno de chamá-la de minha. Meu pau estava tão duro, e pré-semen estava constante na ponta do meu eixo. Eu nunca tinha ficado assim, nem mesmo quando eu pensava sobre Meghan e me masturbava. Não, isto estava acima de tudo ou qualquer coisa que eu poderia ter imaginado. Deus, eu poderia ficar olhando para Meghan por toda a porra da noite. Seu rosto estava corado e suas bochechas tingidas desta cor rosada. Suas pupilas estavam dilatadas, e sua boca estava vermelha e inchada dos meus beijos.


"Eu nunca vou me cansar de você, Meghan." Eu estava todo possessivo, todo bárbaro porque eu queria que ela soubesse, que todas as outras pessoas soubessem – que ela era só minha. Senti todos os tipos de loucura apaixonado por esta mulher. Abaixei-me e coloquei minha mão em sua buceta, mas mantive contato visual com ela. "Quem possui isto, Meghan?" Ela começou a respirar mais forte, e eu adicionei mais pressão contra sua fenda. "Diga-me quem é dono dessa buceta." Ela lambeu os lábios, e eu deslizei meu dedo para cima e para baixo contra seu clitóris. "Você é, Brendan." Rosnei baixo, como algum tipo de animal de merda. "Sim, sou dono da sua doce buceta, Meghan." Eu provoquei ainda mais clitóris, esfregando para frente e para trás, e vi sua cabeça cair para trás de prazer. "Ninguém nunca a tocara aqui, apenas eu. Ninguém nunca te fara sentir isso, apenas eu. " Eu esfreguei o clitóris mais rápido, e ela engasgou. "E eu vou ter certeza que você saiba exatamente porque é minha." Sua vagina estava quente e molhada para mim, e enquanto eu esfregava seu clitóris, eu mudei meu polegar para baixo para o buraco de sua buceta. Eu não a penetrei, apenas esfreguei o dedo sobre sua abertura, deixando-a saber que eu estava lá. "Deus, isso é tão bom, Brendan."


Meu peito apertou e meu pau estremeceu ao ouvir suas palavras suavemente faladas. Ela colocou a mão sobre o centro do meu peito e mudou-se para baixo até que ela estava sobre meu pau duro. Eu precisava dela tocando meu pau, mas, ao mesmo tempo, se ela me tocasse eu estaria susceptível a gozar em toda a sua barriga. Porra, quando eu finalmente gozasse, eu queria estar enterrado no fundo dela. "Baby, tanto quanto eu quero a sua mão no meu pau, se me tocar, eu vou gozar, e eu não quero que isso acabe antes que eu esteja dentro do seu corpo." Inclinei-me mais uma vez, tomei sua boca em outro beijo duro, profundo. Meghan abriu a boca mais larga para mim, e eu mergulhei minha língua dentro, saboreando seu doce e viciante sabor. Eu estava feito de prolongar isso. Tirei minha mão de suas coxas, lambi os dedos que tinham estado tocando-a, e gemi com seu sabor. Eu precisava do meu pênis em sua vagina agora. Eu precisava tomar sua virgindade, e eu precisava dela para tirar a minha. "Abra-se para mim, baby", eu gemi contra sua boca, sentindo-a fazer exatamente isso, e então eu alcancei entre nossos corpos, mais uma vez, para agarrar meu pau. "Eu te amar de forma crua, Meghan. Eu preciso ser capaz de sentir cada parte sua." "Deus. Sim, Brendan. "


Talvez eu devesse ter me preocupado em engravida-la, mas a verdade era que o próprio pensamento de sua barriga grande com o meu filho me agradava. Mas isso não significava que ela estava pronta para tudo isso. "Mas eu posso usar um preservativo, se quiser." "Eu estou bem. Acabei de terminar meu período, por isso, devemos estar bem a esse respeito." Ela riu suavemente. "Isso é um assassino de humor ou o quê?" Pressionei meus quadris mais duro contra o dela, mostrando-lhe que isto definitivamente não era um assassino de humor. Ela estava me fazendo perder a cabeça, mas porra, isso era uma coisa boa. Com a ponta da minha ereção em sua entrada e os meus olhos focados nos dela, eu sabia que tinha que simplesmente fazer isso. Eu odiava o fato que lhe causaria dor, e se eu pudesse ter tomado isso dela, eu teria em um instante. Mas o pensamento de estalar sua cereja2, tomando-a como minha, e sabendo que seu sangue virgem estaria sobre o meu pau, tinha todo o meu corpo tremendo de desejo. "Apenas faça isso, Brendan. Não se preocupe com qualquer outra coisa. " E eu fiz exatamente isso. Eu empurrei todos os centímetros do meu pênis dentro dela e odiava que ela engasgou de dor por minha causa. Eu não poderia ajudar o gemido que me deixou ao sentir a apertada e molhada 2

Estalar a cereja: forma de dizer que ele tirou a virgindade dela.


buceta dela. Ela estava tão quente, tão pronta para mim, eu quase gozei logo em seguida. Quando eu estava totalmente dentro dela, minhas bolas pressionadas contra sua bunda, eu parei. Ela tinha as unhas enterradas na carne em meus ombros, e seus olhos estavam arregalados quando ela olhou para mim. "Eu sinto muito, baby" eu disse e me inclinei para beijá-la suavemente. "Eu estou bem, Brendan." Eu comecei a me mover dentro e fora lentamente, com cuidado. Mas a cada segundo que passava, meu prazer foi construído para um nível que tudo consome, e vi no rosto de Meghan que ela sentiu isso também. Minhas mãos estavam enroladas em punhos acima de sua cabeça, meus ombros curvados para frente enquanto empurrava dentro e fora dela. Minhas bolas estavam apertadas e meu pau estava tão duro que doía. Eu precisava gozar desesperadamente, precisava enchê-la com a minha porra, para que ela cheirasse a mim... Estivesse marcada pelo meu sêmen. Foda-se, sim. Eu precisava marcá-la. Então eu inclinei para trás e vi como o meu pau deslizou para fora de sua vagina. "Oh, merda," Eu grunhi, o sentimento de sua vagina apertando meu pau, e as imagens na minha cabeça me mandando perigosamente perto da borda.


Olhei para seus seios, os grandes montes tremendo enquanto eu os pegava. Seus mamilos eram rosados, os bicos duros, ligeiramente alongados. Mergulhei minha cabeça para baixo e arrastei minha língua sobre um mamilo. "Deus." Ela gemeu. Puxei uma ponta dura em minha boca e suguei, puxando o sangue para a superfície e sentindo-a contorcer-se debaixo de mim. Ela respirava com dificuldade, os sons suaves deixando-me saber que ela gostava do que eu fazia. "Quero transar com você até que ambos desmaiemos de prazer e eu te encha com a minha semente, Meghan." Eu não podia parar as palavras que saíram; e nem sequer tentei detê-las. Ela me queria desta maneira, e eu teria certeza de faze-la se sentir bem a cada porra de segundo.


11

Meghan Havia dor e o desconforto era quase demais para lidar em primeiro lugar, mas a cada segundo que passava, tudo mudou. Essa sensação desconfortável começou a aquecer dentro de mim, começou a se sentir bem, poderosa. O fato de que ele era tão grande, tão longo e grosso, tinha lágrimas picando em meus olhos. Foi repentina, a penetração doeu mais do que eu poderia ter imaginado, mas me senti bem. Saber que era Brendan dentro de mim, que ele era o único a dizerme que me amava, que eu era sua, fez tudo o mais desaparecer. Estendi a mão e agarrei seus ombros, os músculos tensos sob as minhas mãos. Eu enrolei minhas unhas em sua carne quando ele


começou a puxar para fora. Quando ele empurrou de volta para mim, o desconforto estava lá, mas conforme o tempo passava, a dor diminuiu, e em seu lugar ficou este sentimento de euforia. Nós não falamos por longos minutos, e isso era bom, porque sentir Brendan em mim, vendo o quanto ele estava tentando se controlar, indo devagar, fez este momento significar muito mais do que ele provavelmente saberia. E quando ele começou a bombear em um ritmo constante para dentro e para fora da minha buceta, eu não pude evitar que varias emoções e sensações atravessassem o meu corpo. Nós estávamos suados, seu corpo se movendo com fluidez sobre o meu, a solidez de sua forma pairando acima de mim, usando seu poder para me mostrar o quão bom ele poderia ser. "Você gosta disso, baby?" Um flash de prazer bateu em mim. "Sim", eu gemi. "Você é tão perfeita." Ele empurrou dentro e fora de mim lentamente, e então ele se inclinou para me beijar, nunca parando seus movimentos. Brendan esta me fodendo lento e fácil, mas eu sabia que não iria durar. E isso estava bem, porque eu não queria que ele prolongasse. Eu queria explodir para ele e ver como ele gozaria, também. Essa sensação de estar cheia, esticada, e consumida por Brendan era algo que eu sempre quis, mas não como qualquer coisa que eu


jamais poderia ter imaginado. A sensação de sua dureza com a minha suavidade, da sua masculinidade à minha feminilidade, me fez tão louca com desejo que eu não podia suportar. "Beije-me" eu disse com um gemido sussurrado. E ele fez exatamente isso... possessivo, descontrolado, como um homem que sabia o que queria. Eu não pude impedir que meus músculos internos se apertassem em torno de seu pênis, mas me senti tão bem. "Porra você é tão gostosa, baby." Ele começou a realmente se mover. Ele começou a me foder rápido e duro. Ele saiu de mim uma polegada, somente assim a cabeça larga de seu pau estava agora na entrada da minha buceta. Olhando nos meus olhos, eu podia ver que ele estava lutando consigo mesmo, e eu coloquei a mão em seu duro, peito suado. "Não se segure." Parecia que era tudo que ele precisava ouvir. Ele empurrou de volta para mim, com mais força, com determinação. Engoli em seco, amando cada segundo. "O fato de que eu finalmente tenho-te..." ele disse com a voz tensa. "Droga, é tão bom pra caralho." Ele empurrou profundamente em mim novamente, empurrando-me no colchão. "Você se sente tão bem, Meghan." Ele se inclinou e me beijou, sua respiração dura, seus movimentos quase frenéticos. "Eu te amo, porra. Eu sempre vou te amar, e nada vai mudar isso. "Ele se afastou e olhou nos meus olhos.


"Você me entende? Você entende o quanto eu quero dizer cada palavra? " Eu balancei a cabeça, sentindo a verdade por trás do que ele disse, sabendo que este era real. Esta era a minha vida. Com cada polegada que ele afundava em mim, me senti reivindicada... possuída por ele. "Eu vou assistir enquanto te fodo, enquanto te faço minha, Meghan." Ele empurrou-se ligeiramente, e se inclinou para trás, olhando entre as minhas pernas. Ele observou enquanto seu pênis entrava e saía de mim. "Observe-me, Meghan. Assista o que estou fazendo com você." Eu levantei, coloquei o meu peso em meus cotovelos, e engasguei com a visão erótica diante de mim. Vi o comprimento de Brendan revestido de sangue, minha virgindade em uma forma física. Ele era enorme, seu grosso pau mergulhando dentro e fora de mim, me alongando. "Você gosta de assistir o que eu faço para você? Você gosta de assistir como eu reclamo a sua virgindade da mesma maneira que você está reivindicando a minha?" Eu pude apenas acenar. Ele se mexeu um pouco mais até que estivesse de joelhos, agarrou meus quadris e me puxou para baixo um pouco, para que ele estivesse profundamente em mim. Ele usou seus polegares para separar os lábios da minha buceta, e o fato de que ele tinha as mãos


lá, bem como o seu pau enterrado em mim, me teve quase gozando ali mesmo. Então ele deslizou os polegares para baixo até que ele os tinha diretamente no buraco da minha buceta. Ele apenas os manteve lá, fazendo-me muito ciente do fato de que ele estava tocando a parte mais íntima minha. Brendan agarrou meus quadris e começou a empurrar e puxar para fora de mim mais rápido, mais duro. "Isso pode ser uma coisa muito arrogante, e bastarda para eu dizer, Meghan..." ele disse me penetrou novamente. "Mas cada parte sua me pertence." Ele continuou a me foder difícil de novo e de novo, e eu arqueei meus seios, um suspiro me deixando. "Sua virgindade sempre será minha, do mesmo jeito que a minha sempre será sua." "Sim, Brendan." "Diga meu nome novamente." "Brendan," eu gemi. Seus músculos apertaram enquanto ele me comia como se tivesse estado esperando isso por toda a sua vida, e isso me excitou. Ele estivera esperando por mim, da mesma forma que estive esperando por ele. Nós dois estávamos tão suados, mas Deus era bom, porque significava que estávamos tão apaixonados.


O som de seu pênis entrando e saindo da minha buceta encheu o quarto. Brendan inclinou a cabeça para trás, os músculos do pescoço esticando em esforço. "Deus, eu estou tão perto," eu gritei, não me importando que soasse descontrolada. Ele colocou o dedo no meu clitóris e começou a esfregar para frente e para trás. Ele olhou para mim, seu foco no meu rosto, como se ele tivesse a intenção de me observar vir. "Goze, Meghan. Venha para mim." E assim, eu fiz. Eu explodi. Os músculos da minha buceta apertaram em torno dele, e ele empurrou contra mim com mais força. Grunhidos e gemidos o deixaram. "Foda-se, eu vou gozar, Meghan" ele disse ofegante. "Eu queria fazêla vir de novo, mas porra, eu não posso adiar." "Não pare." Eu queria vê-lo gozar por minha causa. Ele gemeu asperamente novamente. "Porra. Eu te amo tanto." Ele empurrou profundamente. "Eu estive esperando por esse momento, para que você fosse minha, por um longo tempo, porra." Eu ia gozar de novo. Quando olhei para seu rosto, vi o controle de Brendan escorregar, e eu sabia que o seu não ia durar muito mais tempo. "Eu estou vindo de novo" eu disse e gritei quando o prazer caiu através de mim.


"Deus, isso é bom pra caralho", disse ele, com os olhos fechados. Meus músculos internos o apertaram duro, e nós dois gememos. Ele começou a me foder mais rápido, mais forte, e bateu em alguma coisa dentro de mim. Eu arqueei minhas costas e deixei que a sensação me consumisse. "É isso aí. Molhe meu pau como se estivesse morrendo de fome da minha porra." Eu soube no momento em que ele veio junto comigo. Seu enorme corpo ficou rígido, e este som profundo o deixou quando ele enterrou-se profundamente dentro de mim. Foram longos segundos antes que seu corpo finalmente relaxasse, e ele descansasse seu peso sobre mim. Nós dois estávamos suados, nossa pele pressionadas eroticamente juntas. Tudo que eu queria fazer era ficar assim, mas eu tinha a necessidade de respirar, e Brendan era um grande homem. Ele rolou de cima de mim e me puxou para perto. Minhas costas estavam contra seu peito, e ele passou um braço musculoso ao redor da minha cintura. Antes que eu soubesse o que estava fazendo, ele tinha a mão entre minhas pernas, seus dedos pressionados em minha buceta, e ele empurrou de volta o semen começando a escorregar para fora de mim. "Eu pertenço aqui, sempre." Senti um arrepio ao ouvir suas palavras possessivas. Ele tirou a mão, e eu me virei em seus braços até estarmos cara a cara. Eu me inclinei para beijá-lo, querendo estar o mais próxima que pudesse


por causa da intimidade que tínhamos acabado de compartilhar. Eu sabia que nunca conseguiria o suficiente dele. Inclinei a cabeça para trás, olhei para seu rosto, e tentei avaliar o que ele poderia estar pensando. Ele olhou para mim, e o sorriso que ele me deu, me fez saber que tudo ficaria bem, que esta tinha sido a coisa certa a fazer, e que nada nos separaria. "Eu quis dizer cada palavra que eu disse," ele me disse suavemente. "Cada palavra, Megan." Meu coração deu um pequeno salto dentro do meu peito. "A partir do momento em que soube que te amava, sempre foi você. Ninguém nunca vai se comparar, e ninguém nunca vai me fazer sentir do jeito que você faz. "Ele mudou de posição na cama e cobriu o lado do meu rosto com a mão grande. "E eu não vou deixar você ir. Eu tenho você agora, e é assim que isso vai ficar." O silêncio durou apenas alguns segundos antes de ele falar novamente. "Eu quero que você fique aqui comigo, não porque você não tem nenhum outro lugar para ir, mas porque você quer estar aqui comigo. Para ser minha, Meghan. " Senti meu coração bater mais forte. "Eu quero que você esteja na minha cama, na minha vida, compartilhando-a comigo." Ele olhou para mim, segurou o lado do meu rosto, e eu senti o amor que ele tinha por mim. "Eu quero isso pra caralho. Quero compartilhar minha vida com você." Eu não segurei o meu sorriso. "Eu quero isso, Brendan."


"Sim?" Perguntou ele, com um enorme sorriso no rosto. "Sim." Ele me segurou mais apertado. "Eu não quero ir a qualquer lugar, Brendan, eu te amo muito." eu disse honestamente. "Bom, porque você é minha baby."


Epílogo

Meghan Quatro anos depois... Olhei para o meu telefone, verifiquei o texto de Brendan novamente, e então olhei para o restaurante em frente a mim. Parecia fechado, mas o endereço estava correto. Eu estava prestes a ligar para Brendan quando a porta se abriu e um homem mais velho sorriu e me fez um gesto. "Meghan?", Ele perguntou, e eu balancei a cabeça, movendo-me para frente. "Por favor, entre." Eu ergui minhas sobrancelhas, não tendo certeza do que diabos estava acontecendo, mas entrei no edifício. Quando eu tinha recebido a mensagem de Brendan mais cedo para vir a este restaurante cerca de quarenta e cinco minutos de distância de onde nós vivíamos, eu fiquei obviamente confusa. Ele disse que ele iria me encontrar aqui porque estaria trabalhando até tarde.


O fato era que eu não estava mesmo no clima para jantar, especialmente depois da condução de quase uma hora que tive que fazer. Eu tinha que falar com Brendan, porque o que eu tinha descoberto me apavorava. Só descobri esta manhã, e eu sabia que não ia esperar para revelar o fato de que estava grávida. Exalei com esse pensamento. Eu. Uma mãe. Isso assustou o inferno fora de mim, e apesar de que Brendan e eu tínhamos feito uma vida para nós, essa não era uma gravidez planejada. Como Brendan iria reagir? Eu sabia que ele queria ter filhos e, embora tivéssemos estado juntos há quatro anos, não planejar algo como isso poderia fazer girar a cabeça de alguém. Eu sabia que a minha estava. O homem que me deixou entrar fechou a porta do restaurante atrás de nós. Eu fiquei ali, olhando para o interior vazio: as mesas e cadeiras todas perfeitamente alinhadas em torno do espaço aberto, o bar ao lado tinha luzes acesas sob as bebidas, mostrando a exposição maciça atrás do balcão. "Eu não entendo..." "Por aqui" ele disse, me cortando. Segui-o através do restaurante vazio até um corredor curto, e então ele finalmente parou na frente de uma porta fechada. "Aqui está", disse ele, fez um gesto para a porta, em seguida, virou-se e saiu. Que diabos?


Eu empurrei a porta aberta, e eu senti cada parte do meu corpo congelar. Brendan estava no centro da sala. Havia tantas velas espalhadas ao redor que não precisava de qualquer outra iluminação. A mesa pequena estava definida para o lado, duas placas cobertas em cima dela, e uma baixa música fluía por todo o ambiente. "Brendan?", Perguntei, olhando ao redor, ainda não sabendo o que diabos estava acontecendo. Quando meu foco pousou sobre ele novamente, eu finalmente percebi que ele estava vestido muito agradável. Um terno e gravata cobriam seu corpo enorme e musculoso, e eu senti o início do calor familiar me preencher. Mesmo depois de tantos anos, eu só precisava olhar para ele para sentir prazer. Então eu percebi o que ele tinha na mão. Uma pequena caixa preta. Eu engoli o caroço na minha garganta, senti meu coração começar a bater descontrolado, e embora eu ainda estivesse paralisada, estava delirantemente feliz. Nós tínhamos falado sobre casar tantas vezes ao longo dos últimos quatro anos, que eu sabia que esse dia chegaria eventualmente. Mas tinha sido minha decisão esperar até depois que eu terminasse a faculdade e concluísse o meu mestrado. E eu tinha acabado de completa-lo hoje. Eu cobri minha boca, as lágrimas começando a encher meus olhos. Ele não sabia que eu estava grávida, e ele ficou esperando para


propor. Mas eu lhe dizer iria mudar os eventos que eu sabia que estavam indo para acontecer hoje à noite? Eu sabia que tinha que lhe dizer antes de algo mais acontecer. "Brendan, eu preciso falar com você" Eu sabia como eu provavelmente parecia: nervosa e preocupada. A preocupação estava em seu rosto instantaneamente, e ele estava na minha frente em questão de segundos. "O que está errado, amor? Na bunda de quem preciso bater por fazer você parecer com medo?" Só um segundo se passou antes que ele começasse a falar novamente. "Oh merda, talvez seja eu." Eu balancei a cabeça, não querendo que ele achasse nada disso. "Você viu tudo isso vindo, e eu coloquei um medo da porra em você, não foi?" Eu balancei a cabeça novamente. Isso só estava piorando. Então disse de uma vez: "Eu estou grávida." Um momento de silêncio se estendeu, onde ele não disse nada. Mas então eu vi a preocupação em sua expressão virar lentamente choque. Eu rapidamente voltei a falar, não tendo certeza do que fazer com a tensão repentina do cômodo. "Eu queria te dizer, caso você não quisesse passar por isso." Eu fechei minha boca, me sentindo insegura agora. "Não querer fazer isso?", Ele finalmente disse após longos segundos, o choque claro em sua voz. "Baby" ele disse e se aproximou. "Isso é tudo o que eu queria desde o momento em que você disse que seria


minha." E então ele caiu de joelhos e cobriu minha barriga com as mãos. "E agora você tem meu bebê em você." Lágrimas caíram instantaneamente, e eu não me incomodei em limpá-las. Ele ficou lá por longos segundos, apenas segurando as mãos na minha barriga. Qualquer pensamento que eu poderia ter tido sobre Brendan não estar bem com isso voaram para fora da minha mente maldita. Ele abriu a caixa do anel e olhou para mim. "Meghan, embora eu tenha certeza que você saiba o que acontecera..." ele disse e sorriu, e eu sorri de volra. "Amor, você é a única mulher que eu sempre quis. Você é a única mulher que significa algo para mim. Sem você, eu não existo. Sem você na minha vida, eu não sou nada, apenas uma casca de um homem." Deus, aqui estavam mais lágrimas. "É por sua causa que me tornei uma pessoa melhor e quero ser assim até o dia em que morrer. Eu esperei até que você se formasse antes de fazer isso, porque eu sabia que era o que você queria. Mas eu quero que você saiba que te quis como minha esposa desde o momento em que você disse que me amava." Limpei minhas lágrimas, sentindo como se estivesse flutuando acima de tudo isso, vivendo um sonho. "Eu não posso me imaginar com qualquer outra pessoa, compartilhando minha vida com nenhuma outra mulher." Ele ainda tinha uma mão na minha barriga, e eu senti seus dedos acariciarem levemente meu ventre. "E agora você está me dando um bebê,


Meghan." Ele ainda segurava o anel para cima, um solitário lindo que era perfeito em todos os sentidos. "Você já me fez o homem mais feliz do mundo, mas se disser que sim seria bastante incrível também." Eu ri baixinho e balancei a cabeça. "Sim, Brendan." Ele se levantou e me envolveu em um abraço. Por longos segundos, ele apenas me segurou, e foi a melhor sensação do mundo. Em seguida, ele se afastou, tirou o anel da caixa e colocou-o no meu dedo. "Você sempre foi minha; isso só tornou oficial agora." Eu ri baixinho depois que ele falou. Eu sempre fui de Brendan, e eu sempre seria.


Epílogo Dois

Brendan Nove meses depois... Eu era pai. Alegria e felicidade, encheu-me ao ponto que eu nem sequer tentei não chorar. Eu me afastei, vendo como a enfermeira entregava a minha filha para Meghan. Deus, eu estava fodidamente chorando agora, provavelmente, parecendo como alguém que não poderia manter sua merda junta, mas inferno, eu não me importava. Eu não ligava para o que poderiam dizer. Eu era a porra de um pai, e este dia, bem como quando Meghan tinha dito "eu aceito", foram os dois momentos mais felizes da minha vida.


Meghan olhou para mim e sorriu, e o mundo estava certo, perfeito, e eu nunca iria deixa-la ir. Caminhei até a mulher que eu amava, minha esposa, a mãe da minha filha. Sentado na beira da cama, eu tive cuidado, sabendo que ela estava ferida. Deus, ela tinha sido tão forte. Meghan havia ficado vinte e três horas em trabalho de parto antes de a nossa menina nascer. Queria poder fazer sua dor ir embora, mas merda, eu estava tão orgulhoso dela. "Você esta malditamente linda, baby" Eu disse suavemente e me inclinei para beijá-la de leve na boca. Nossa filha fez o som mais bonito, e eu não me impedi de sorrir. "O voo de sua mãe deve estar aterrissando no próximo par de horas, e meu pai está dirigindo para cá agora." Meghan acenou e sorriu, descansando sobre a cama. "Mas se você não estiver a fim de ver alguém, eu vou lhes dizer para esperar." Ela balançou a cabeça. "Não. Vai ser bom tê-los aqui." Uma vez que Meghan e eu tínhamos decidido ficar juntos e era o que queríamos – o que precisávamos – não hesitamos em deixar nossos pais saberem. No começo tinha havido um pouco de hesitação da sua parte, talvez até mesmo desaprovação, mas como o passar do tempo eles não tiveram escolha a não ser aceitar o que estava acontecendo. Não havia nenhuma maneira que eu terminasse com Meghan. Mas a sua aceitação não demorou muito, e eles tinham nos dado o apoio que pedimos, tinham estado lá no nosso casamento, e tinham


sido uma influência positiva e constante em nossas vidas e nas nossas escolhas. "Segure-a" Meghan disse gentilmente, eu não queria admitir o fato de que eu estava com medo como o inferno. "Eu não levo jeito, baby" eu disse, o pânico me dominado. "Eu não quero segurá-la errado." Meghan riu. "Você não vai. Você vai fazer bem." Ela se moveu um pouco, e antes que eu soubesse, eu estava segurando a minha filha. O bebê tentou abrir os olhos pequenos, mas parecia difícil para ela fazer o ato. "Você pode tirar esta merda para fora de seus olhos?" Eu disse antes que eu percebesse que provavelmente poderia ter dito mais suave. Meghan riu ao meu lado. A enfermeira sorriu. "Tem que ficar aí, senhor." Eu balancei a cabeça e olhei para a minha filha. "Você ainda gosta do nome que escolheu?" Meghan colocou a mão no meu braço e eu olhei para minha esposa. "Se você fizer." Eu balancei a cabeça. "Bem, pequenina, parece seu nome sera Elisabeth Brianna." Ela fez um pequeno som macio, e eu ri. "Eu acho que ela aprova." Eu me inclinei e a beijei suavemente na testa, sentindo a projeção do fino cabelo escuro em cima de sua cabeça pequena.


E enquanto eu estava sentado ao lado de minha esposa, segurando a menina que havíamos feito com amor, eu sabia, sem sombras de dúvida, que não havia nada melhor no mundo do que estar completo. E não havia ninguém neste mundo que iria me fazer me sentir desse jeito, exceto a pequena família que eu tinha agora. O amor era uma coisa especial, poderosa para ter, e eu era um sortudo por ser capaz de experimenta-lo.

Fim


Jenika snow a real men #5 roommate  
Jenika snow a real men #5 roommate  
Advertisement