Page 1


e

e


NOAH Bastou olhar para Harley para saber que eu a queria em minha cama. Mas veja bem, isso não tem relação com o período de seca sexual deliberada pela qual venho passando. Não porra, essa mulher mexe comigo profundamente, ha algo sobre a sua inocência e vulnerabilidade que faz a minha possessividade correr como fogo pelas minhas veias. Quero faze-la minha, e pode apostar que a terei. Irei mostrar-lhe que, embora eu possa ser cruel para com aqueles que me desobedeçam, se ela se der de bom grado a mim, farei com que o mundo se curve aos seus pés.

HARLEY A posição de estagiária que me foi oferecida é a grande chance da minha vida, mas também implica em trabalhar para o homem que tem a reputação mais notória da cidade. Noah Wright é tudo, menos o Sr. Agradável, especialmente com a sua atitude arrogante, implacável, e tirânica. O que tem de rico e lindo, ele tem de assustador. Noah consegue impor medo por onde passa com apenas um olhar. Todos sabem quem detêm o poder, quando ele esta por perto. Assim faço eu. E agora que estou trabalhando para ele e posso conviver de perto com sua personalidade fria, endurecida, e abrasiva...isso me liga de um jeito absurdamente sujo.


R

& http://rosase-book2.blogspot.com.br/

O


"Nome? "Noah Wright disse, mas não se preocupou em me dar nem um pouco de atenção real. Olhei para Loretta, a secretária de Wright. A mulher mais velha deu-me um sorriso simpático antes de me deixar sozinha. Escutei logo em seguida o som da porta do escritório se fechando, selando-me aqui com ele, fazendo a minha ansiedade subir. "Você não sabe o seu nome?" Ele perguntou novamente, e eu olhei para o meu novo chefe. Havia agora um


cinismo frio na voz dele. Ele ainda não tinha me olhado; ao invés disso, concentrou sua atenção na papelada a sua frente. Eu passei minhas mãos sobre a saia de lápis que usava e respirei fundo, a blusa de seda apertou-se ao meu corpo durante o ato. Senti-me nervosa e claustrofóbica, mas sabia que não era por causa da apertada roupa cara que tinha comprado e sim devido ao homem a minha frente. Eu tinha comprado o conjunto de três peças no momento em que descobri que tinha conseguido o cargo de estagio na prestigiada Indústrias Wright, mas agora me arrependia de não ter escolhido uma roupa mais larga. - Harley Alexander, senhor-. Eu observei como sua mão congelou segurando a caneta. Ele ergueu a cabeça, e fiquei sem ação ao ver o homem absurdamente quente para quem estaria trabalhando pelos próximos meses... o mesmo homem que intimidava a todos com um simples olhar e que ninguém era estúpido o suficiente para ir contra suas ordens. Merda, ele era bonito em todos os malditos lugares, como se tivesse acabado de sair da revista GQ, e pra completar toda a sua gostosura ele ainda tinha uma barba sexy cheia adornando seu perfil aristocrático. Ele parecia elegante e sofisticado, mas ao mesmo tempo exalava perigo e poder. Ele sabia que ele era lindo, porem agia como se não fosse importante esse detalhe. Mordi meu lábio com força, para me impedir de continuar babando sob sua beleza e o encarei...Ele não disse nada; só continuou a olhar -me intensamente. Era


intimidante tal detalhado escrutínio, mas tentei me acalmar para não vacilar. "Harley?" Ele perguntou. Eu assenti, minha garganta muito apertada e minha boca muito seca para realmente dizer qualquer coisa no momento. "Como a marca da moto?" Ele perguntou e ergueu uma sobrancelha escura, sem parecer divertido. Lambi meus lábios e notei sua mão apertando-se em punho em cima da sua mesa. "Eu ..." O que diabos eu deveria responder? "É apenas um nome, Senhor." Eu engoli em seco de novo, minha garganta sentindo-se como se houvesse areia nela. Ele não falou. Eu não falei. E notei o calor e a estranheza na sala crescer dez vezes. Enquanto os segundos passavam e eu olhava para ele do jeito que ele me encarava, quis desesperadamente não demonstrar todo o maldito nervosismo que sentia. Noah Wright, por outro lado, parecia calmo, altivo e inabalável. Os cabelos escuros dele eram de um estilo impecável, ligeiramente mais longo, e penteado longe de sua testa, mostrando sua estrutura óssea forte, bem como a forma angular de seu rosto. Seus olhos eram de um azul áspero e parecia analisar cada pequeno detalhe que encontravam. E seu corpo ... humm, eu não pude deixar de notar quão grande e musculoso ele parecia sentado atrás da sua imponente mesa de vidro. Eu não tinha ideia de como iria trabalhar para ele, quando ao menos conseguia controlar meus hormônios depois de estar em sua presença por apenas cinco minutos.


Ela será minha. Soube disso desde o momento em que a ouvi dizer "Sir" e olhei para cima para vê-la parada ali, parecendo vulnerável e assustada como um bichinho acuado... Merda, reivindicarei cada polegada de seu delicioso corpo. Eu nunca tinha visto uma mulher que quis instantaneamente, nunca quis possuir uma mulher tanto quanto anseio ter Harley. Porra, esta merda é fodida. Vai totalmente contra as regras que criei para minha empresa...Mas eu sou o dono e foda-se a política de não-envolvimento com funcionários. Para o inferno com o fato de que nunca deixei nada me afetar do jeito que ela esta fazendo agora. E Deus ajude quem ousar pensar que pode me impedir de conseguir o que eu quero. E a quero de todas as fodidas maneiras. Harley. Até mesmo seu nome é sexy como o inferno. Ela fica ali parada por um segundo, com as mãos na frente de seu corpo, os dedos entrelaçados. Eu poderia tê-la dito para relaxar, que não precisava me temer, mas a verdade que vê-la tão tensa acordou um lado primal dentro de mim, um animal disposto a atacar....Eu olho para a papelada, sabendo que tinha o arquivo de seu estágio aqui em algum lugar. Nunca dei a mínima sobre quem vem estagiar na minha empresa. É algo que acontece a todo ano por mais tempo do que consigo me


lembrar. Dou a esses recém-formados uma oportunidade de crescer e desenvolverem uma carreira solida nesse mercado competitivo. Se eles quisessem obter êxito neste negócio, precisavam saber como realmente tudo funcionava, e que não se tratava apenas de fama e dinheiro. O mundo corporativo é competitivo e implacável, e quanto mais cedo eles percebessem que, os fracos não tem vez, mas sucesso terão. Mas Harley, apesar do fato de que ela esta nervosa e parecia que tinha sido jogada no covil do leão, era obviamente inteligente e a escolha certa para o cargo. Minha equipe de RH não a teria escolhido dentre as centenas de concorrentes, se fosse o contrario. Eu encontrei o arquivo com suas credenciais, e com seu currículo, e me lembrei de ter falado sobre ela com o meu comitê de organização de estágio. Ela se formou na universidade da Ivy League com um GPA de 4,0, tinha varias projetos de pesquisa no currículo, e tinha estudado especificamente economia/ administração. Eu estive fora da cidade quando Harley fez sua entrevista inicial, mas se ela não fosse tão boa, não teria conseguido passar as três fases rigorosas de entrevistas de qualificação e nem estaria parada na minha frente agora. "Sente-se", eu digo e gesticulo em direção à cadeira vazia na frente da minha mesa. Estaria mentindo se não admitisse que quero vê-la caminhando, quero ver a sua saia lápis esculpir suas pernas grossas enquanto ela se aproxima mais de mim.


Porra, quando ela se move, o tecido da roupa se gruda às suas longas e deliciosas pernas. A saia é de cintura alta, mostrando-me as curvas de seu corpo e a planicidade de seu estômago. A blusa de seda que ela usa esta enfiada em sua saia, aconchegada ao redor de seu seus seios médios. Seu cabelo castanho claro estava preso em um coque elegante, com alguns fios acidentalmente soltos que emolduravam em torno do seu rosto angelical e olhos verdes, complementando seu perfil pra lá de pecaminoso. Foda-se, estou duro como pedra agora. O impulso de ajustar meu pau era forte, mas eu mantenho minhas mãos sobre a mesa e meu olhar fixo sobre ela. Ela se senta, e eu sigo cada movimento seu com meu olhar implacável. Olho como o material de sua saia sobe, mostrando-me as meias calças claras cobrindo suas pernas. Mexo-me um pouco em meu assento, meu pau empurrando mais forte contra minha calça, o bastardo exigia ser livre e se afundar no calor da delicia a minha frente. O filho da puta teria que ter calma. Mas a atração, a possessividade que me tomavam cada vez que a olhava estava tão malditamente grande que não conseguia me controlar. "Embora entenda seu nervosismo, não há nenhuma necessidade para tal." Eu prestei atenção em como sua garganta trabalhou e ela engoliu em seco, um simples movimento para cima e para baixo, como se ela estivesse tentando ser fisicamente mais corajosa.


"Você é intimidante," ela disse, e eu assisti enquanto seus olhos se arregalavam. "Merd....Eu não quis dizer isso." Eu não pude evitar sorrir. Sua sinceridade era uma lufada de ar fresco, mesmo que fosse acidental. "Desculpe, Sr. Wright," ela disse, sua voz alta, seus nervos ainda sob a borda. "Você não precisa se desculpar, senhorita Alexander." Ela levantou a cabeça e olhou para mim. Os olhos verdes dela brilhavam com calor, e quanto mais eu segurava seu olhar, mais crescia a certeza de que a faria minha. E porra, eu a teria em minha cama, espalhada entre os lençóis, tomando meu pau em todas as posições possíveis, e implorando por mais.


Ela só estava trabalhando no meu escritório ha um par de semanas, e eu não conseguia pensar em mais ninguém. "Você precisa de mim para qualquer outra coisa, Sr. Wright?" Harley segurou uma pasta na sua frente, a postura reta, certinha. Porra, queria vê-la desalinhada, aberta e gemendo o meu nome, mas só para mim, só por minha causa. "Sim, há muito mais que quero de ti baby. Que tal tirar essa saia sexy, virar e ficar de quatro? Quero que você me


mostre que é minha, me mostre o que estarei reivindicando. Quero ver a sua buceta apertada exposta e pingando de desejo pelo meu pau. " Claro, eu não disse nada disso, mesmo que realmente quisesse. Mas queria mantê-la no escritório, dar-lhe algo para fazer para que continuasse perto de mim. Quero olha-la, cobiça-la mais um pouco. Eu nem me atentei para o quão assustador estava me tornando com esta mulher. "Eu preciso dos relatórios do negocio Anderson organizados por data." Entreguei-lhe a pilha da papelada. Inferno, costumo fazer tal coisa eletronicamente, mas não desperdiçaria nenhuma desculpa para mate-la no escritório comigo. Ela pegou os relatórios e foi até a sua mesa do outro lado da sala. Ela se inclinou ligeiramente para definir os relatórios para baixo, e sentou sua bunda deliciosa no assento. Foda-se, sua bunda é a fantasia de qualquer homem. Redonda, grande, e bem suculenta, eu só queria ir até ela e trazer minha palma para baixo da sua carne macia, bater o inferno fora daqueles globos carnudos, e ver como ela reagiria. Podia imaginar todas as coisas sujas que faria com ela, todas as coisas quentes que a faria fazer para mim. A faria me agradar e em recompensa a comeria duro e a faria gozar imensamente. Sim, eu estava louco demais por esta mulher, e até que eu a tivesse em meus braços e em minha cama, não descansaria. Não havia como parar o inevitável.


Eu podia sentir seus olhos em mim quando me inclinei, e embora devesse estar um pouco ofendida, o fato de que esse homem muito poderoso estava me comendo com os olhos me despertou como nunca antes. Endireito-me ligeiramente e olho por cima do meu ombro. Ver o foco do seu olhar ainda na minha bunda enviou meu coração em uma corrida. Ele podia ser arrogante, e pelo que ouvi ao telefone, era também frio e implacável, mas tudo isso me excitava. Eu me viro completamente, e lentamente ele move seu olhar pelo o meu corpo. Deliberadamente.. Sem vergonha de ser pego. "Quer que eu leve isso para a sala do pessoal para fazê-lo, para dar-lhe alguma privacidade, Sr?" "Não. Você vai fazê-lo aqui. " Seu tom era firme, inflexível, e enviou um arrepio de prazer pela minha espinha. Eu assenti e me sentei, me preparando para trabalhar, tentando me concentrar, embora o sentisse me vigiar. Noah Wright não fazia nenhum segredo sobre não ter escrúpulos quando se tratava de ir atrás de qualquer coisa que desejasse. Ele era selvagem quando se tratava de adquiri-las, de fato. E agora mesmo, quando senti que me olhava com tanta força como se estivesse estendendo a mão e tocando-me,


soube que não haveria como ignorar o fato de que ele queria que eu cedesse. Mas nenhuma quantidade de excitação ou desejo por esse homem apagaria a realidade da importância desse trabalho. Eu precisava mantê-lo, e foder o chefe - embora soasse bem incrível faze-lo - não era uma atitude inteligente. Precisava manter o nosso envolvimento no âmbito profissional, mesmo ele sendo quente e eu o quisesse muito mal. Tratava-se de trabalho, meu trabalho, o meu meio de subsistência. Olho para cima e o vejo atrás da sua mesa mais uma vez, seu foco em mim como se eu fosse a presa inocente que ele estava faminto para devorar. Merda, queria ser consumida por ele. Quero que ele fique com tanta fome de mim que não possa se controlar. Estou tão ferrada por querer essas coisas com meu chefe, especialmente quando mal comecei a trabalhar nessa empresa de renome mundial. Tentei focar minha mente nos arquivos na minha frente. Era uma tarefa de merda, mas, novamente, eu não passava de uma humilde estagiária não remunerada tentando fazer uma boa impressão ...droga farei o que for preciso para mostrar que sou boa e que seria um grande trunfo como futura funcionaria. Mas, maldição, ainda podia senti-lo me observando, e queria dizer foda-se tudo e apenas ceder. Implora-lo para me foder duro, como supunha que ele fizesse. Não... eu não posso ser fraca. Eu não posso deixar o meu corpo querer anular a minha razão. Porem, merda, ate a


minha mente insiste em me alertar que o quero desesperadamente. O que fazer nesse caso?


Dois meses depois

O fato de eu ter conseguido me controlar por dois malditos meses era uma prova do meu autocontrole. Porra, queria Harley como um animal; o animal dentro de mim, dizia: foda-se ao fato de eu ser CEO, para o inferno com o fato de ser seu chefe. Mas eu precisava ter meus desejos sob controle, precisava tentar focar minha atenção no trabalho. Inferno, se eu continuasse assim, minha resolução inteira desmoronaria. "Porra, preciso da Senhorita Alexander aqui dentro", rosnei para a minha secretaria pelo telefone. Olhei para o arquivo que estava rotulado incorretamente, o que Harley tinha montado para a minha reunião desta manhã.. Porra, precisava me concentrar mais na minha


empresa. Poucos momentos depois, houve uma batida na porta do meu escritório. "Entre." Eu não disse gentilmente. Harley entrou, a saia pecadora que ela usava estava moldada nas curvas tentadoras de seu corpo. Deus, ela era tão sexy, e apenas olha-la fez-me esquecer a razão pela qual a tinha chamado aqui. "Feche a porta", eu disse, sabendo que minha voz provavelmente soava profunda de raiva, mas na verdade era ela estava rouca de excitação. Porra, tudo o que Harley tinha que fazer era entrar no meu escritório e eu estava pronto para fode-la.. Ha meses quero fazer Harley minha, embora ela provavelmente estivesse inconsciente das coisas imundas que desejo fazer contigo. Olhei-a por longos segundos, sem dizer nada, apenas vendo o quanto ela parecia nervosa. Eu não sei por que isso me excitava, mas vê-la mordendo seu lábio inferior, seus olhos arregalados, junto com a preocupação em seu rosto teve dois efeitos agindo simultaneamente dentro de mim. Queria confortá-la, garantir-lhe que ela estava segura comigo e que não precisa temer. Mas eu também queria agarrá-la, dobrá-la sobre minha mesa, empurrar sua saia para cima, e mergulhar meu pau dentro da sua buceta, tomando a sua submissão que sabia que ela me daria.


Porem, ao invés de dizer ou fazer qualquer coisa, caminhei até a minha mesa, peguei o arquivo e o ergui. Honestamente, não dava a merda para o fato de que os papeis não estavam corretos. Quando descobri que ela tinha sido a única a erra-los, tudo o que passou pela minha cabeça foi em mostrar-lhe uma pequena disciplina erótica, de fazê-la me prometer que ninguém mais a teria além de mim. "Você sabe o que é isso?" Eu perguntei, minha voz dura, inflexível. Eu gostava de exercer meu poder sobre ela. Não para ser um filho da puta, mas porque me excitava vê-la desconcertada. Sei que posso ser arrogante, especialmente quando se trata de algo que quero, e provavelmente estou sendo dez vezes mais com Harley. Porra, estou disposto a fazer qualquer coisa para torná-la minha. Tinha esperado dois meses para fazer meu movimento, e estava cansado. Estava pronto para reivindicá-la a qualquer custo. Ela olhou para o arquivo. E eu o abri para que ela pudesse ver os erros nos gráficos dos resultados projetados sobre o próximo ano fiscal. Virei à página para que ela pudesse ver a proposta para as estimativas do próximo trimestre. Fiz isso três vezes para que Harley pudesse ver cada página. Não havia dúvida de que ela sabia do que se tratava agora. - Ha algo de errado com o arquivo, senhor?-


Merda, toda vez que ela dizia esse título inocente, sentia meu pau acordar para a vida. "Sim, senhorita Alexandre. A coisa toda esta errada. " Eu coloquei o arquivo na mesa um pouco mais duro do que o necessário, e a vi pular ligeiramente. Meu coração começou a bater mais rápido. Eu queria ir ate ela, para alisar minhas mãos abaixo de seus braços, tomar suas mãos muito menores nas minhas, e puxá-la perto o suficiente para tê-la contra meu peito. Queria sentir cada pequena polegada do seu corpo no meu. "Eu ... analisei tudo duas vezes, verifiquei números, nomes, senhor." Ela franziu as sobrancelhas. "Eu não entendo como posso ter errado." "Bem, você errou, Senhorita Alexander." observei enquanto ela olhava para o arquivo na minha mesa. Ela finalmente me olhou, e vi preocupação encher seu rosto. "Um pequeno erro pode me custar milhões de dólares." Aproximo-me dela. Já podia sentir o perfume que usava. Ou talvez aquele cheiro doce fosse todo dela? "Eu iria parecer um tolo porque a equipe que tenho não sabe como fazer um maldito relatório direito." Olho para o seu pulso que bate descontroladamente bem abaixo do seu pescoço. "Sinto muito. Eu deveria ter sido mais atenta, Sr. Wright. "


Deus, eu estava fodidamente duro. "Eu ja mandei internos passados para rua por menos que isto." Naturalmente, não havia nenhuma maneira no inferno que a demitiria, mas eu não estava mentindo. Seus olhos se arregalaram, e eu imediatamente quis tranquiliza-la de que tudo ficaria bem. Os estágios que dou na minha empresa são cobiçados, e qualquer pequeno erro significava o fim. Mas Harley era inteligente e um trunfo para a minha equipe. Ela provou isso nos últimos dois meses. "Eu sinto muito." Ela se manteve passando as mãos nervosamente pela sua saia. Não falei por longos segundos, observando sua linguagem corporal. "Relaxe, senhorita Alexander. eu não tenho nenhuma intenção de demiti-la". Preciso dela aqui em mais de um sentido. Eu a vi ficar visivelmente relaxada. "Mas eu também não posso te deixar fazer tal trabalho de merda." Ela assentiu com a cabeça. "Eu entendo, Senhor." Poderia não ser uma posição paga, mas as chances eram boas tanto que na maioria das vezes, quando um estágio era concluído com sucesso, eles eram contratados. "Você quer concertar isso?"


Ela assentiu com a cabeça. Porra, eu sou um bastardo sádico e egoísta. "Para fazer isso, preciso que você venha neste fim de semana. Quero que revise pessoalmente cada arquivo”. Merda, não porque diabos estou sendo tão duro com ela; mas essa era a minha personalidade. Sua postura era rígida, e a maneira como ela começou a morder o lábio fez fogo correr através das minhas veias. "Você me entendeu, senhorita Alexander? " Estava apenas alguns centímetros de distancia, meu foco em sua boca, apesar dela tentar olhar para longe. Eu estava ficando difícil, querendo ela tão malditamente mal que estava prestes a explodir. O que ela faria se eu dissesse que me masturbava pensando nela? Seu rosto ficaria vermelho, suas pupilas se dilatariam, e sua reação seria deliciosamente chocada? Como ela se sentiria se soubesse que fantasio com corpo nu em cima de mim, seus seios saltando, sua vagina estrangulando meu pau?. Porra, irei descobrir todas essas respostas. "Eu entendo, Sr. Wright." Ela passou a língua por seu lábio inferior, e merda...assisti-la fazer tal gesto, me deixou vidrado de tesão. Deus, estou tão difícil agora. Se ela olhar para baixo, será capaz de ver exatamente o efeito que tem sobre mim. Quero que ela olhe para baixo e veja o que faz comigo.


"Bom, te quero aqui as 7:00hrs em ponto no sábado, Harley." Assisti quando seus olhos arregalaram, sabia que ela estava provavelmente chocada com o fato de eu tê-la chamado por seu primeiro nome. Isso não era profissional, e mesmo algo tão pequeno como isso, estava completamente cruzando a linha, mas eu não dava a mínima. Estava cansado de esperar, e neste fim de semana mostraria à Harley exatamente o que queria dela.


Sabia que este trabalho seria um desafio, mas eu não tinha ideia de que trabalhar para este homem ter-me-ia a beira de perder a cabeça cada noite. E não tinha nada a ver com o fato dele ser imensamente arrogante. Não, se


devia ao fato da minha libido ficar fora de controle, sempre que estava perto do Sr. Wright. Ele me irrita, fica sob minha pele, mas a maneira como o peguei me olhando, me olhando como se eu fosse um objeto sexual para seus desejos mais pecaminosos, do qual ele ansiava colocar suas garras, tinha meu corpo pegando fogo de dentro para fora como se estivesse em chamas. Mas merda, ele era tão duro comigo, e agora, mesmo sabendo que eu tinha estragado o arquivo que ele tinha que apresentar a sua equipe, me fez sentir uma merda. Ele ficou a poucos metros de mim, olhando para minha boca, me fazendo ainda mais autoconsciente da sua presença. Ele deixava minhas emoções no fodido limite e eu podia sentir o nervosismo e a excitação correr através das minhas veias, estava em cima da borda, a beira de cair em um precipício sem volta. Eu o queria tanto, mas sabia que nunca poderia tê-lo. Ele era meu chefe, e certamente não preciso de um homem arrogante e dominador como Noah em minha vida. Certo? "Você pode ir embora agora", ele disse, e me forcei a dar um passo para trás. Escutar sua voz rouca e grave me despertava ainda mais.. Eu não podia evitar. Estar em sua presença mexia comigo em níveis perigosos. E a maneira como ele cheirava ... Deus, seu cheiro era tão masculino e inebriante. Por um segundo olho para ele, sabendo que precisava sair de lá, respirar um pouco de ar fresco, e colocar meus pensamentos em ordem. Mas eu não conseguia me mexer. Em vez disso, observo o terno


de três peças que ele usava, o azul escuro do material quase parecendo preto. Sua gravata azul marinho estava no lugar perfeito, e a camisa branca por baixo só evidenciava seus músculos definidos. Eu nunca tinha visto um homem tão masculino, Noah Wright era a epítome do que eu ansiava e queria, ele era pura tentação. Era como se eu fosse entrar em combustão só por olha-lo. "Algo mais, Harley?" Ele levantou uma sobrancelha, seus olhos profundos me desafiando a dizer algo mais. Deus, o modo como o meu nome - soou com uma conotação sexual em seus lábios diabólicos- me fez ficar imediatamente molhada. Rezei para que meu casaco cobrisse bem a minha blusa e os meus mamilos que estavam duros. Inferno, se estivesse sozinha, veria o quão pontudos os mesmos estavam. E como se tivesse lido minha mente ou eu tivesse dito as palavras em voz alta, ele olhou para baixo do meu corpo. O desejo de cobrir meus seios, para esconder a reação do meu corpo à sua presença, era forte. Eu não queria, mas me encontrei fazendo isso por puro instinto. Agarrei a borda do meu casaco, fechei ligeiramente, mas tudo que senti foram meus seios serem pressionados juntos. Vi a maneira que ele engoliu em seco, como sua garganta se moveu lentamente, e a maneira como seu corpo inteiro parecia tenso. Deus, a química sexual que sentia por ele era tão forte, mas nos últimos dois meses, eu tinha me mantido centrada e não estava prestes deixar que essas emoções e sentimentos impróprios levassem o melhor do meu


corpo. Estou nessa empresa pra trabalhar e tenho feito um trabalho de merda. Tenho que melhorar e esquecer meu lindo chefe. "Não, senhor", eu finalmente digo, aliso minhas mãos suadas pela minha saia, viro-me e saio. Juro que senti seus olhos em mim, e quando alcanço a porta, agarro a maçaneta, e estou prestes a abri-la, eu olho sobre o meu ombro e o pego examinando minha bunda. Ele lentamente ergueu seu olhar para o meu, aparentemente sem estar envergonhado de que tinha acabado de ser pego. Não, ele parecia satisfeito por eu tê-lo visto.

LEVANTO a garrafa de cerveja ate a minha boca, olho para fora da minha janela para a bela vista da cidade à minha frente, e volto a pensar em Harley. Talvez eu devesse reconsiderar e apenas deixar nosso relacionamento estritamente profissional? Inferno, isso certamente faria minha vida mais fácil. Mas..Porra. Não. Mesmo que eu me dissesse mil vezes que não queria ter nada com ela, forçando-me a negar o que sentia, Harley consumia meus pensamentos. Ela me deixava louco de luxúria e da insana necessidade de possuí-la completamente. Eu não consigo ficar longe dela.


Termino a minha cerveja, e sinto meu pau duro, tão difícil que ate estava doendo. Inferno, tenho estado assim desde que Harley pisou em meu escritório. E à medida que os dias, semanas e meses haviam progredido, esse desejo por ela só aumentara. Abaixo-me e ajusto minha ereção através da minha calça jeans, mas a bastarda não queria sumir. Poderia tê-la ignorado, mas ao invés disso eu sinto o álcool das últimas quatro cervejas que tomara, se movendo através de mim. Não tendo qualquer vergonha, desabotoo minhas calças, puxo meu pau através da roupa, e começo a acariciar-me. Descanso minha cabeça de volta no sofá da sala, fecho os olhos e penso em Harley, como vinha fazendo toda vez que me tocava. Ela estava nua na minha cama, as pernas abertas, e sua buceta molhada para mim. Apertando minha mandíbula, acariciei meu pau mais rápido. - Me toque, Noah. Faça-me vir com sua boca. " Minha respiração tornou-se áspera quando ouvi sua voz em minha cabeça. "Eu quero que você lamba minha buceta como se estivesse morrendo de fome." "Porra." Deus, eu poderia vir agora se me permitisse. Mas queria imaginá-la mais ainda, ouvir suas palavras sujas na minha cabeça. Ela puxou os lábios da sua buceta, deixando-me ver como realmente pronta estava pra mim. Empurrei minha mão sobre o meu pau mais difícil. Na minha cabeça eu estava agora entre suas coxas, lambendo sua buceta, chupando seu clitóris, e empurrando meus dedos profundamente dentro de seu corpo.


E a essas imagens, fizeram meu controle estalar. Eu vim duro, meu sêmen cobrindo minha mão e jeans. Meu orgasmo foi fantástico e pareceu durar uma eternidade, mas merda, também fora extremamente vazio. Quero estar dentro da Harley quando vir. Quero enchê-la com minha porra e fazê-la tomar tudo. Quero cobri-la com meu sêmen até que ela cheire como eu, até que a tenha marcado como minha. Quando termino - tão saciado quanto conseguiria para o momento - abro meus olhos, meu peito subindo e caindo áspero enquanto inalo e exalo o ar lentamente dos meus pulmões. Droga, eu sou um bastardo doente por todas as coisas depravadas que quero fazer com Harley, mas inferno, farei isso e muito mais. Ela que se prepare...pois a foderei ate a exaustão, muito em breve.


Sexta-feira à noite

Peguei minha bolsa, certifiquei-me de ter tudo o que precisaria e saí. Estava prestes a passar pelo escritório de Noah quando eu o ouvi falar com alguém. Olhei em volta


da porta e vi-o de pé junto à janela. Ele estava de costas para mim, e tinha seu celular ao ouvido. Estava perto do inverno, então o sol já estava começando a se por, apesar do fato de que não eram nem seis horas da tarde. A névoa escura do sol afundando abaixo do arranha-céu deu ao ambiente um toque sombrio. Não deveria estar aqui ouvindo sua conversa, mas parecia que quando tinha Noah por perto, eu não conseguia encontrar a realidade ou o bom senso comum para fazer muita coisa além de olhar para ele. - Não sei se posso me ausentar do trabalho, Deacon. Meu coração bateu com força. Eu poderia ouvi-lo falar o dia inteiro. "Eu sei que tem sido um longo tempo desde que fui ai, mas você sabe como as coisas são corridas." Saia agora. Você está invadindo a privacidade dele. "Sim, sair da cidade parece bom, mas eu tenho estado ocupado." E então, enquanto olhava para ele, o vi olhar para mim pelo reflexo da janela de vidro. Eu não consegui me mexer, nem respirar. Ele me pegou o escutando. Tentei pensar em uma desculpa de porque estivera de pé lá, mas nada veio à minha mente. “Tenho que ir, Deacon. Diga à mamãe que falarei com ela mais tarde". Ele desligou, mas não se moveu por longos segundos. Em vez disso, olhamos um para o outro, ou na verdade eu olhei para ele do reflexo do vidro. E então ele se virou. - Gosta de ouvir as conversas privadas das outras pessoas, senhorita Alexandre? -


Sinto uma serie de arrepios atravessarem a minha pele. Não importava se ele estivesse sendo formal ou apenas falando meu primeiro nome. Seu tom de voz sempre causava um estranho prazer pelo meu corpo. "Sinto muito", finalmente digo. "Eu não quis ouvir sua conversa Senhor." Eu não sabia o que mais poderia dizer, então, decido fechar a minha boca e tornar esta situação já embaraçosa, menos ruim. Só preciso ir embora daqui. "Realmente sinto muito," eu disse e me virei para sair. Mas só dei dois passos antes que Noah me chamasse. Quando me virei, ofeguei. Ele estava bem atrás de mim. Estávamos a centímetros de distância, e o cheiro da sua colônia cara encheu os meus sentidos. Eu tinha certeza de que estava tremendo um pouco com sua proximidade. "Quero ter ver cedo aqui amanhã de manhã." Por um segundo não entendi o que ele estava falando. Tive que piscar várias vezes para que a compreensão enchesse minha mente. - Para examinar os arquivos que você organizou-. Ele ergueu uma sobrancelha, seus olhos profundos concentrados no meu rosto, parecia que ele estava se divertindo ao ver a forma como me afetava. "Sim, claro. Mas o escritório fica fechado nos fins de semana, como vou entrar?" Ele sorriu maliciosamente, e maldição, o gesto o deixava ainda mais quente. "Eu também estarei aqui Harley." Não sabia se isso era uma coisa boa ou ruim, dado o que sentia por ele, mas também não podia negar que gostava


de saber que seriamos os únicos no escritório. Merda, só preciso esquecer minhas fantasias e continuar me lembrando de que ele é o meu chefe.

- Você tem os arquivos para mim, senhor? Ele se recostou atrás da sua mesa e me fita com um olhar intenso. Quando cheguei aqui esta manhã o encontrei esperando por mim na entrada da frente do edifício. O silêncio tinha sido intenso quando entramos no elevador juntos, e embora ele não tivesse dito nada, eu certamente senti seus olhos sobre meu corpo. Sua atitude pode ser fria, e ele pode tão arrogante a ponto de deixar meus nervos a flor da pele, mas eu não consigo ignorar o que sinto. Embora ainda estivesse vestido de forma impecável, não estava usando seu terno habitual; pelo contrário, ele estava vestindo uma roupa casual, e parecia muito bom em sua camisa de botão e calças khaki. Os dois primeiros botões da sua camisa estavam abertos, revelando o arco grosso e musculoso de seu pescoço e parte do seu peito. Por um segundo tudo o que ele fez foi olhar para mim, sem falar. Mas, novamente, Noah disse o suficiente sem realmente estar falando. Noah tinha esse ar de autoconfiança que o cercava constantemente. O que era


intimidante, um pouco enervante, e isso me excitava demasiado. "E você está preparada para examinar todos os arquivos e se certificar de que não há erros?" Ele arqueou uma sobrancelha em questionamento. Deus, ele poderia ser um bastardo, mas sua voz era tão profunda, tão rouca que mexia com cada polegada da minha pele. "Claro senhor." Passou-se um momento de silêncio. "E se eu dissesse que não dou a mínima para a porra dos arquivos, Harley?" Senti confusão me encher. "Como, senhor?" "Posso mandar outra pessoa analisa-los depois." "Um, então, sem querer soar desrespeitosa, mas por que estamos aqui Sr. Wright?" Merda, porque você me fez vir trabalhar no meu dia de folga? Mas ele não responde de imediato, e sinto a minha raiva crescer. Sim, ele era meu chefe, e sim, o queria como um tipo de demônio desesperado, mas me fazer trabalhar horas em um projeto específico sem intenções de realmente usa-lo? Que porra é essa? "Sr. Wright? " Ainda assim ele permaneceu em silencio. "Então, você não precisa de mim aqui?" Tentei ser respeitosa, porque mesmo que não fosse um serviço remunerado, sabia que se fizesse um bom estagio poderia conseguir um emprego dentro desta renovada empresa. A Wright Industries é um dos maiores nomes da indústria no ramo da economia mundial, e eu queria


desesperadamente o reconhecimento que vinha com tal cargo. Posso ter dinheiro em uma conta bancaria gorda por causa da minha família milionária, mas isso não significa que não correrei atrás do meu sonho de ser bem sucedida em minha carreira. Eu tinha me esforçado duro para me formar em uma das mais conceituadas universidades do país e obter este estágio. Não queria foder isso porque meu chefe era um idiota. - Para os arquivos, não - declarou ele. Minha raiva cresceu ainda mais, e enrolei minhas mãos em punhos. "Então você me chamou para o escritório no meu dia de folga para o que exatamente?" Eu não queria ter sido tão rude em minhas palavras. A surpresa pelo meu tom de voz petulante estava escrita no rosto de Noah. Preciso deste emprego. Eu preciso sorrir e ser educada. Ele não disse nada em resposta, então acenei com a cabeça, decidindo concertar isso com ele mostrando que eu tinha poder e controle sobre minhas emoções. "Ok, então," eu disse e me virei, mas sua voz me parou imediatamente. "Porra, eu não disse que você estava dispensada, Harley." Olhei por cima do meu ombro para ele. Ele ainda estava recostado na cadeira do seu escritório, parecendo arrogante como o inferno, mas também muito satisfeito. Deus, como eu poderia deixar que meus sentimentos anulassem o fato de que esse homem era tão fodidamente irritante?


Sabia que estava sendo um bastardo e ficando sob sua pele, mas porra, isso me excitou ainda mais.


Harley estava chateada comigo, e com razão. Ela pensava que eu estava sendo um filho da puta fazendo-a trabalhar em seu dia de folga. Quando eu não disse nada imediatamente, ela se virou e me encarou de novo. Levantei-me e caminhei em sua direção, era hora de eu definir tudo isso em linha reta, de deixá-la saber minhas intenções. Esperançosamente esperava que ela não me chutasse nas bolas, embora eu provavelmente merecesse. Quando fico bem em frente à Harley, posso ouvir sua respiração se acelerando, eu suavizo minhas feições, empurrando para longe a parede que mantenho ao meu redor. Certifiquei-me de que todos à minha volta estivessem a uma distância segura; assim era mais fácil fazer minha merda. Eu nunca quis nada mais do que o que fosse necessário de qualquer um. Mas, algo sobre Harley me fez querer muito mais. Porra, eu a quero não apenas na minha cama, mas também na minha vida. Anseio faze-la minha mulher e não quero nenhuma outra. Só ela. Acho que ela ficou ciente da mudança em mim. Uma expressão de surpresa cruzou suas feições, mas ela também relaxou em uma fração de segundo. Sem perceber um instinto de possessividade passou por mim. Levantei a mão e empurrei uma mecha de seu cabelo longe de seu ombro. Ela sugou uma respiração ao sentir meu toque e adorei a forma como estava a reagir. Eu não ia mais sufocar o que sentia. Dois meses tinha passado, e estava pronto para apostar minha reivindicação, fazê-la saber que a queria.


Pude ver que a afetava em vários sentidos, mas ela parecia querer resistir ao inevitável. "Sr. Wright. " Ela sussurrou meu nome. "Diga o meu nome, baby. Preciso ouvir isso de seus deliciosos lábios". Eu olhei para a boca carnuda dela. Não sou o tipo de homem que cede a qualquer um ou qualquer coisa, mas para Harley eu alegremente dar-lhe-ia o meu mundo inteiro. Essa mulher seria o meu fim, e não estava prestes a ignorar isso, não quando foi à primeira coisa real que já senti em muito tempo. Eu não ia fingir que era uma experiência superficial passageira. Isso era fodidamente real. Vi varias emoções brilharem em seu rosto, primeiro confusão, depois desejo. Ela me queria; sabia disso pela forma como ela agia ao meu redor e pela sua linguagem corporal. Mas ela estava tentando manter a compostura, tentando manter esta parede entre nós. Eu senti que teria que fazer isso sozinho. "Eu não acho que isso é apropriado, Sr. Wright," ela disse, mas mantive minha mão em sua bochecha e acariciei meu polegar ao longo da sua mandíbula. "Apropriado? Talvez não. Mas parece muito bom para mim, Harley". "Você é meu chefe." Ela tentou parecer inflexível, mas pude ouvir o desejo em sua voz. Eu não parei de tocar sua mandíbula. Eu queria toca-la mais... cada parte do seu pecaminoso corpo. Ela deslizou sua língua fora, passandoa ao longo do seu lábio inferior. Porra, observar tal gesto


me fez perder todo o ínfimo autocontrole que ainda me restava. Abaixei a cabeça, me movi ligeiramente para ela, e soube que se me permitisse beijá-la, não seria capaz de parar. Parei com a minha boca a apenas alguns centímetros de distância da dela. "Diga-me que você quer isso, que você me quer." Eu olhei bem em seus olhos. "Nós não temos que lutar contra essa atração que sentimos." Ela respirou com força, e o doce cheiro da sua respiração, uma combinação de canela e açúcar, fez meu pau ficar ainda mais duro. "Quero-te e sei que você também me quer, Harley. Porra, posso ver como você olha com fome para mim, a maneira como aperta as pernas na minha presença. " - Não devemos cruzar essa linha, Senhor.... - sussurrou ela. E foi quando mandei as consequências á merda e fiz o que tive vontade de fazer pelos últimos dois meses. Coloquei a mão na parte de trás da sua cabeça e mordi seu lábio inferior, em uma caricia deliberadamente torturante. Ela ofegou instantaneamente, e aproveitei essa oportunidade para lamber seus lábios antes de mergulhar minha língua dentro da sua boca. Senti o momento em que ela cedeu, sua resistência sendo esquecida pelo desejo que sentia por mim. Puxei-a para mais perto, inclinei minha cabeça para aprofundar o


beijo, e gemi com o quão bom era seu sabor. Ela deve ter tomado chocolate quente antes de entrar no escritório, merda...ela tinha um gosto incrível. Harley gemeu contra a minha boca. E o som me fez quere-la fodidamente mal. Seu cabelo estava solto ao redor do seu rosto e agarrei algumas mechas soltas, puxando-a para trás, e quebrei o beijo. Imediatamente abaixei minha boca para sua garganta e comecei a chupar e a lamber a sua pele macia. "Oh. Deus, "ela gemeu mais, e eu instantaneamente voltei minha atenção para sua boca, mergulhando minha língua dentro. Um gemido me deixou, meu controle sendo mandado para fora da janela do caralho. Só conseguia pensar em curva-la sobre a minha mesa e fodela loucamente. Tomei sua boca em um beijo mais duro ao mesmo tempo em que ela colocou suas mãos pequenas em meus bíceps, cavando suas unhas nos meus músculos. A minha camisa era uma barreira incomoda. Queria sentir a dor do seu toque se agarrando em mim. "Porra, diga-me que esta adorando o que estou fazendo contigo, Harley." Usei minha mão em seu cabelo para inclinar sua cabeça para mais longe. Foi quando realmente fodi sua boca. Transformei-me em um homem possuído, tão consumido por sua doçura e presença que não poderia sequer ter pensamentos racionais.


"Simm Noah", ela finalmente sussurrou, e empurrei minha língua dentro e fora da sua boca, fazendo com seus lábios o que desejava fazer entre suas coxas. "Desde que você entrou em meu escritório fui incapaz de pensar sobre muito mais," eu admiti livremente. "não consegui parar de querê-la, de ficar obcecado contigo, baby. " Inferno, poderia ter dito a ela que não tinha estado com nenhuma mulher em um maldito ano inteiro antes de conhecê-la. Não tinha tido absolutamente nenhum desejo em ter sexo vazio, e então ela entrou em meu escritório.... Harley era minha fraqueza, e estava doido para fazê-la minha, para que todos soubessem que ela era minha. Foda-se o que as outras pessoas pensassem por ter me envolvido com uma funcionaria. Esta era a minha vida, e se ela me quisesse, a mostraria que apesar de eu ser um bastardo de coração frio ... mudaria por ela. Eu a trataria como uma rainha. Minha rainha. Mas então senti como se um balde de água fria caísse sobre o fogo que consumia meu corpo . Ela colocou as mãos no meu peito me empurrado para trás. "Não está certo. Isto está entrando em território perigoso. "


Respirei lentamente, tentando controlar meu desejo. Passando minha m達o pelo meu cabelo, eu a encarei, sabendo que deveria estar parecendo perigoso. Inferno, eu me sentia fodidamente selvagem. Talvez parar fosse a coisa certa a fazer, mas porra...ela era t達o malditamente viciante. N達o continuar parecia ser errado, mas o que Harley poderia n達o saber era que ela tinha o total poder sobre o que aconteceria aqui.


- Se é isso que você realmente quer, então eu vou parar. " Ele parecia quase agoniado ao dizer isso. Embora soubesse que ele poderia ver que isso era difícil para mim


também, saberia realmente?

exatamente

o

quão

difícil era

"Porra quero que me diga que isso não está certo, que você não me quer." Meu coração estava batendo rápido e duro, minhas mãos tremiam, e gotas de suor se formaram na área entre meus seios e pelo comprimento da minha espinha. "Se você disser que não quer isso, sei que estará mentindo baby, mas irei respeitar a sua decisão." Sim, eu estaria mentindo, mas sei que não queria atravessar a linha e tornar-me apenas mais uma na sua enorme lista de fodas aleatórias. Sempre via ocasionalmente em revistas matérias dele com algumas mulheres famosas, o que já era de se esperar uma vez que ele era bem sucedido e lindo. Um homem como Noah tinha que ter relações sexuais para liberar toda essa tensão sexual acumulada. "Não quero ser mais uma garota que vai espalhar as pernas para você foder e esquecer, não sou assim Senhor". O choque em seu rosto era evidente, e fiquei surpresa com o fato de ter dito tais coisas em voz alta. Mas merda, nem sexo direito já fiz em minha vida. Só fiz sexo duas vezes e ambas as ocasiões tinham sido insatisfatórias. Nenhum dos dois homens em questão quis ter nada comigo depois que transaram, então


comecei a me resguardar mais. Porem o poder e a arrogância que tinha visto de Noah, aliado ao fato dele parecer tão distante com todos ao seu redor, me fez pensar que eu seria apenas mais uma foda casual para ele. Não queria ser mais uma para ele, mas inferno...não conseguia controlar o que sentia, a verdade era que nunca me sentira tão fortemente abalada por um homem. Especialmente um: que ora me deixava louca de raiva, ora me intimidava por causa do seu controle e ora me consumia de desejo com apenas um misero olhar. "Eu te quero baby." Suas palavras tocaram minha cabeça, repetidamente, enraizando-se na parte mais escura do meu cérebro. "Porra, não te vejo você como uma mulher que irei foder e dispensar." Suas sobrancelhas arquearam enquanto ele falava. Ele estava tão perto, e seu cheiro fez meus joelhos ficarem fracos. - O que você quer de mim?Lamentei a pergunta assim que a fiz. Eu realmente queria saber a resposta?


Então ela queria saber o que eu precisava? Irei dizer a ela então para que nao haja dúvida em sua mente sobre o exatamente quero. Irei mostrar-lhe até que não se esqueça, não questione. Aproximo-me, e sem dizer nada, encosto meus dedos em seu couro cabeludo, emaranhando meus cabelos em torno deles, e ela geme. Olhando-a diretamente nos olhos, havia tantas coisas que queria dizer. Essa situação era fodidamente louca e nova para mim. Era tão diferente de qualquer coisa que já experimentara. Precisava que Harley soubesse que não era um caso passageiro para mim, que queria que ela fosse minha. "É tão simples, Harley," sussurrei e comecei a andar, usando meu corpo para pressioná-la para trás até que a parede a impediu de ir mais longe. "Você é tudo que quero. Só você. " olhei para sua boca, querendo beijá-la, mas sabendo que precisava esclarecer as coisas antes. "Foi repentino, não faz a porra de nenhum sentido, eu sei disso, mas eu nunca senti um desejo tão real como a minha necessidade por ti. " Comecei a acariciar seu couro cabeludo, querendo que ela relaxasse contra o meu


corpo, que ela realmente aceitasse o que estava dizendo. "Tenho passado dois meses fodidos e desde o momento em que entrou em meu escritório, foi só você. " "Isso é loucura," ela finalmente diz, sua voz quase inaudível. "Sim, mas é o tipo bom de loucura. Do tipo que nos faz sentir vivos, que nos faz ir atrás do que queremos e não olhar para trás. " Harley engasgou com minhas palavras. Elas eram cruas, eu sabia disso, mas eram a pura verdade. "Esta é a coisa mais real que já experimentei. É a emoção mais intensa que já senti, baby". Usei minha outra mão para cobrir o lado de seu rosto, acrescentando um pouco de pressão para que ela fosse forçada a inclinar a cabeça para trás, e Harley se inclinou apenas uma polegada. "Porra, quero que você ceda a mim, não por causa de qualquer tipo de troca de poder, não porque você acha que é isso que quer. " Passei meu polegar perto da sua boca, sem tocar seus lábios, mas deixando-a saber, que poderia fazê-lo a qualquer segundo. "Não te quero apenas como um corpo para aquecer a minha cama. Não te quero apenas para ter meu pau em sua buceta. " Eu estava sendo bruto, querendo que ela soubesse exatamente o tipo de homem que sou. "Anseio te fazer minha, porque é assim que te


vejo baby." Me inclino mais perto até que minha boca estava a centímetros da dela. "E você é minha, mesmo que não tenha te reivindicado ainda." Meus lábios roçaram ao longo do dela enquanto eu falava. "Você é, Harley?" me inclinei para trás apenas um centímetro; podia ver seu rosto claramente. Harley estava com os olhos fechados; seus lábios se separaram, e ela estava respirando mais forte. "Olhe para mim" ordenei suavemente. Lentamente ela abriu os olhos, as pupilas dilatadas. "Você é minha, não é?" continuei acariciando seu rosto, bem ao lado de seus lábios. "Porque sei que é isso o que sente. Sei que é isso o que você quer. " E então eu toquei seu lábio. Acariciei com meu polegar ao longo da sua linda boca carnuda. Depois soltei sua boca, e ela soltou um gemido de protesto. Droga, o som me fez pensar em todas as coisas sujas que queria que sua boca fizesse comigo. "Eu ..." Ela não terminou o que tinha começado a dizer. Voltei a colocar meu polegar entre seus lábios, forçando-a a suga-lo, instigando-a. "Diga-me" senti a sua língua se mover ao longo da minha pele, e meu pau empurrou duro contra minhas calças. Movendo-me contra seu corpo, pressionei meu cumprimento de encontro ao seu ventre, amando a suavidade de seu corpo contra a dureza do meu. "Você sente isso, baby?" Ela assentiu e continuou a lamber o meu dedo de forma provocante. "Você sente como estou duro? Porra, é tudo por sua causa Harley.. "


Assisti sua boca, hipnotizado pela visão dela sugando o meu dedo...merda ....poderia gozar ante esse simples gesto. Puxei meu dedo fora da sua boca - apesar de amar tê-lo lá dentro- porque queria saber o que ela tinha a dizer. "Quero muito mais do que uma aventura", ela finalmente disse, e eu gemi em aprovação e apoiei minha testa contra a sua. "Sim, isso é que quero também, Harley". "Eu não posso explicar a atração que tenho por ti Noah. Quero abraçá-la. Anseio ser consumida por ela. " Inclinei-me para trás, tão satisfeito com o que ela disse que queria beijá-la inteira. "Ja estou consumido por isso" eu disse. "Você é tudo em que penso e quero." Estava segurando ambos os lados de seu rosto, prestes a ser tão malditamente honesto que poderia assustar a merda fora dela. "Antes de você entrar no meu escritório, estive celibatário por um fodido ano, porque queria algo mais, queria alguém me fizesse sentir vivo. Você me faz sentir assim. Quando você entrou no meu escritório tudo mudou. Porra, por dois malditos meses só consegui pensar em ti. Estou obcecado, Harley, quero-te pra caralho. " "Deus, isso é tão insano, mas eu não quero parar." Porra. Sim.


"Eu fico pensando em você, imaginando todas as coisas sujas que quero fazer contigo." Mais uma vez ela soltou um gemido sexy que me fez ainda mais duro. "Quero-te espalhada na minha cama, inclinada sobre minha mesa. Quero encher a sua buceta com a minha porra. " Eu corri minha língua ao longo da costura de seus lábios. "Quero reivindicar cada parte do seu corpo como meu". "Oh. Deus." Eu forcei meu pau contra sua barriga, gemendo como um maldito adolescente que não conseguia se controlar. "Beije-me," ela sussurrou, e não estava prestes a negar nada a minha mulher.. Eu bati minha boca contra a dela, devorando-a. Peguei o que ela estava disposta a dar, mas eu queria mais. Eu queria muito mais. Eu fodi a sua boca, fiz dela minha, chupei a sua língua faminto, e quando ela estava ofegante, finalmente me obriguei a me afastar. Seus lábios estavam vermelhos, inchados e brilhantes do nosso beijo ... do meu beijo, da minha posse. - Você está molhada para mim? Ela assentiu sem hesitação, e resmunguei em aprovação. Inclinei-me novamente, soltei seu rosto para segurar sua cintura e puxei-a para frente com força. Olhando em seus olhos, me esfreguei contra ela como um bastardo imundo, fazendo-a sentir meu pau duro. Ela gemeu alto.


"Eu quero sua buceta se contraindo contra o meu eixo, ordenhando-me baby. " Não esperei que ela dissesse nada. Movi minhas mãos para baixo até chegar à borda da sua saia. Puxei o tecido para cima até os seus quadris. Ela ofegou, mas mesmo assim eu não parei. Olhei-a diretamente nos olhos, observando como suas pupilas se dilatavam ainda mais com sua excitação, e sorri. "Você nem faz ideia das coisas devassas que planejo fazer contigo, Harley." Pego o topo de suas meias calças e com um movimento poderoso, rasgo o fino artigo de roupa para longe do seu corpo. "Agora me diga, você está fodidamente molhada para mim?" "Humm....Encharcada," ela disse, seus olhos arregalados de luxuria crua enquanto me olhava. "Porra, baby." Deslizei minha mão entre suas coxas, e ao senti sua calcinha de seda toda molhada, eu amaldiçoei novamente. Mas não a toquei, e não adicionei qualquer pressão também. "Você quer que eu toque a sua buceta baby? Quer que eu te faça sentir tão bem que me sentira por dias em seu interior? " - Meu Deus, sim, Noah. Eu rosnei ao escutar o som do meu nome saindo tão necessitado de seus lábios.


"Então peça. Implore-me para tocar sua buceta. " Deus, queria que ela me implorasse por isso. Quando ela não respondeu imediatamente, mudei minha mão de volta para a sua calcinha. "Diga-me para tocar em você; implore-me por isso, Harley. "Correndo meus dedos ao longo da borda da sua calcinha, eu olhei em seus olhos, esperando que me obedecesse. "Por favor, Noah," ela sussurrou. "Por favor o quê?" levantei uma sobrancelha e esfreguei um pouco mais rápido. "Por favor, me toque. Toque minha buceta. " "Sim, baby, te farei sentir malditamente bem. " Ela gemeu baixo quando empurrei o material da sua calcinha de lado, e instantaneamente minhas bolas se esticaram no meu corpo quando senti a suavidade dos seus lábios vaginais. "Porra, baby. Você esta toda nua? " Ela lambeu os lábios e quando gemeu e empurrou sua buceta contra mim, usei minha mão na parede ao lado dela para equilibrar-me e estabilizar-nos. Comecei a esfregar os lábios da sua buceta e deslizei meus dedos em direção a seu centro, depois os corri para cima e para baixo em sua fenda. Coloquei minha cabeça em seu pescoço, inspirei profundamente, sentindo seu cheiro doce. Trabalhei meus dedos ao longo da sua buceta molhada, a suavidade sedosa da sua carne era tão


fodidamente quente que senti a frente da minha calça ficar molhada do meu pré-semen. Comecei a fode-la forte com os dedos enquanto empurrava meu pau contra sua barriga, o sentimento de atrito era perfeito... muito bom, e estava louco para me afundar em seu interior. "Quanto você me quer, Harley?" "Mui-to, Noahhh" As palavras saíram ofegantes de sua boca, uma prova do quão perto do êxtase ela realmente estava. Bom. Isso era o queria. Quando movi meu polegar para seu clitóris e trabalhei de um lado para outro, ela jogou a cabeça para trás, batendo-a contra a parede. Eu deslizei minha mão atrás de sua cabeça, amortecendo-a, mas ainda esfregando seu clitóris ritmicamente. - Quero estar dentro de você, Harley. Quero te foder tão duro e profundo que não poderá andar em linha reta amanha. " Eu comecei lambendo e mordendo seu pescoço. "Quero meu eixo na sua boceta, quero sentir sua estrangulando meu pau. " Acariciei seu clitóris mais rápido, mais duro, e chupei a sua pele com mais força, sabendo que deixaria uma marca. Ela começou a mover seus quadris, moendo sua buceta contra a minha mão, claramente querendo vir. Porra, eu ja estava duro como


aço. Removendo minha mão do seu interior, eu a levantei para que ela pudesse ver como os meus dedos brilhavam da sua excitação. "Abra sua boca." Ela o fez sem hesitação. "Chupe-os em sua boca, limpe-os," eu exigi e empurrei meus dedos entre seus lábios, assistindo quase como em transe quando ela fez exatamente como disse. Ela passou a língua pelos meus dedos, gemendo suavemente. "Você tem um gosto bom, baby?" Eu tirei meus dedos de sua boca. Ela assentiu e lambeu os lábios. Enfiei os dedos novamente em sua buceta e os levantei ate a minha boca e chupei-os, gemendo. "Porra, sim, você é deliciosa pra caralho baby." Então a agarrei a parte de trás da sua cabeça e a beijei com fúria. Merda, estava feito com as preliminares. Precisava ter meu pau profundamente nela. Precisava fazê-la minha por completo.


Noah me tinha esmagada ao seu corpo, e então ele começou a caminhar para trás. Senti sua escrivaninha e em um movimento rápido ele me soltou e limpou sua mesa com uma varredura de seu braço. Engasguei com a força de suas ações, mas também fiquei mais despertada. Ele se virou e me encarou, exibindo uma expressão feroz.


"Tire", ele exigiu, e meu coração correu. Eu não obedeci imediatamente, não porque não quisesse, mas porque sentia essa intensidade vindo dele, este poder envolvendo-se em torno de mim como um casulo de excitação. "Não me faça dizer de novo", disse Noah ao mesmo tempo em que removia suas próprias roupas. Estava movendo-me lentamente quando comecei a abrir o zíper da minha saia e removê-la. Depois chutei fora os meus sapatos e removi o resto das minhas meias, que estavam destruídas, graças a Noah. A cada peça de vestuário que Noah tirava, eu me sentia cada vez mais quente, minha buceta se tornando mais molhada, e meus mamilos doloridos através do meu sutiã e blusa. Antes que eu terminasse de tirar toda a minha roupa, Noah estava nu, seu corpo grande e musculoso em exibição, me fazendo sentir extremamente feminina. Quando desci meu olhar vi seu pau enorme, grosso e longo. Ele abaixou a sua mão e acariciou aquela enorme besta. "Termine de se despir e te deixarei me ter em sua boca, Harley". Minha boca secou, mas me encontrei terminando de me despir rapidamente apenas alguns segundos depois, meu corpo aparentemente no piloto automático enquanto removia a blusa e o sutiã. Lá estava eu, totalmente nua da


cintura para cima, o ar mais frio do que o normal, contra a minha pele. "Termine de tirar sua calcinha baby", disse ele com a voz rouca. Curvei-me terminando de tira-la de mim e então um grunhido veio de Noah. "Não se mova", ele ordenou, e apenas um segundo passou antes que sentisse uma brisa seguida por um tapa duro da sua mão na bochecha do meu traseiro. Engasguei com a dor inicial, mas logo calor e prazer se seguiram. "Abra-as mais baby", ele disse, bem atrás de mim, seu calor corporal me atingindo. Curvei-me, me apoiando mais contra sua mesa e perdi meu equilíbrio um pouco, mas Noah tinha as mãos na minha cintura, firmando-me. Ele me puxou de volta para que meu traseiro batesse bem contra seu pau duro. "Porra! Você é deliciosa baby. " Ele alisou suas mãos sobre minha espinha, esfregando sua palma para cima e para baixo antes de finalmente me dar outro tapa no bumbum. "Sua bunda foi feita para as minhas mãos, a minha boca, o meu pau. " Ele me deu outro tapa estalado, e o calor me encheu, o sangue correndo para a superfície. "Merda, quero ir devagar, para fazer isso ser bom para você, mas Harley, quero te foder duro. "


Olhei por cima do ombro, para ele, sabendo que minha bunda estava tão vermelha quanto meu rosto estava quente. "Então foda-me, Sr. Wright." Sei que estava brincando com fogo, mas queria ser queimada muito mal por ele. Ele rosnou baixo e estava respirando com dificuldade. "Eu não vou devagar. Vou foder o inferno fora de ti baby, e você vai levar tudo. " Ele não perdeu tempo e me empurrou de frente para a sua mesa. Agarrando minha bunda e espalhando-a desavergonhadamente aberta.

"Estou tão pronto para isso. Quero te sentir sem nada baby. Estou Limpo, sempre usei proteção, e anseio sentir os músculos da sua buceta apertando em torno do meu pau. " Ele moldou suas mãos ao longo da curva da minha bunda. "Tenho que te foder cru." Ele empurrou seu pênis ao longo das bochechas da minha bunda. "Eu preciso de você em mim", eu finalmente consegui dizer. O som que ele fez foi uma mistura meio de animal e homem perdendo o pouco controle que ainda lhe restava. Ele deslizou seus dedos entre minhas coxas, e um suspiro me deixou à sensação de seus dedos espessos deslizando através da minha buceta.


"Porra, você esta tão preparada para mim, pronta para o meu pau." Então ele tirou a mão dele. Um segundo depois, a sensação do seu pau pressionado na minha entrada me estendendo ao redor da borda da sua mesa, me tomou. "É melhor você se segurar." Ele rosnou as palavras. Num movimento rápido, enterrou todos os seus monstruosos centímetros em mim, em um movimento duro. Meus olhos se arregalaram, as lágrimas picaram nos cantos deles, e eu respirei fundo. Eu fui esticada completamente. Queimou, e o desconforto foi instantâneo, mas quando ele lentamente puxou e empurrou de volta um segundo mais tarde, o desconforto acabou se transformando em algo feroz, algo ainda mais louco do que o desejo que se movia através do meu corpo. "Isso é tão lento quanto eu posso ir, Harley." Eu olhei por cima do meu ombro para ele. Cada músculo do seu corpo estava tenso. "Eu não quero lento." E eu não queria. Deus, sabe o quanto queria que ele me fodesse selvagemente. Senti suas mãos apertarem dolorosamente a minha cintura e naquele momento soube que obteria exatamente o que desejava. Ele começou a me foder como louco a partir de então. Noah enfiava difícil todo o seu grande pau em minha buceta, em seguida, saia para


voltar a me penetrar cada vez mais duro e mais rápido, tanto que senti o ar me faltar. Meus músculos internos apertaram-se ritmicamente ao redor do seu pau em prazer, também queria deixa-lo a beira do êxtase como eu estava. Ele aumentou a velocidade das arremetidas e o poder com que me fodia. "Você se sente tão bem, baby." Ele gemeu. Gemi alto enquanto ele me reivindicava como um homem possuído. Mas quando estava prestes a gozar, ele puxou seu pênis para fora da minha buceta. Eu não tive tempo para reclamar, porque no momento seguinte ele me fez virar ao redor, levantando-me ligeiramente, e tinha a minha bunda sobre a mesa. O vidro estava frio contra minha pele, mas aqueceria em breve o suficiente. Com um empurrão vigoroso, mas ainda suave, ele me fez deitar de costas. Noah correu suas mãos por minhas coxas internas, subiu os dedos ate a minha buceta, e por um segundo apenas me encarou. "Tão linda. Sua buceta esta toda vermelha, ligeiramente inchada do meu pau, molhada do quanto você me quer. " Ele alinhou seu pau na minha buceta, e enquanto segurava o meu olhar no seu, empurrou profundamente dentro de mim mais uma vez. Ele me fodeu de forma lenta e firme, nunca tirando seus olhos dos meus. Enquanto os segundos se passavam, seus movimentos também se tornavam mais frenéticos, mais erráticos. Ele


era como um louco entre minhas pernas, me fodendo com abandono, soltando grunhidos e rosnados que me lembraram a um animal selvagem. Tudo o que pude fazer foi me segurar na mesa, gemer de luxuria e deixar esse homem poderoso me foder como se não estivéssemos em seu escritório, e eu não fosse sua funcionaria. Deus, era bom demais tê-lo no meu interior. "Você gosta de saber que você está na minha mesa enquanto te fodo, baby?" Ele bateu dentro de mim, e eu ofeguei, todo o meu corpo empurrado para cima no vidro. - Meu Deus, sim, Noah. Ele gemeu. "Sua boceta está tão fodidamente apertada e molhada." Eu não queria que isso terminasse, mas eu não conseguia me controlar, nem conseguia me impedir de ir à borda. Precisava gozar como eu precisasse respirar. Estendi a mão, agarrei seus antebraços, que estavam agora de cada lado dos meus quadris, e cravei minhas unhas em sua carne. Eu precisava me estabilizar, e seu enorme corpo viril era exatamente o que eu precisava para conseguir isso. "Noah...eu-u...vo-u." As palavras foram agudas quando saíram da minha boca. Senti um enorme prazer me encher e cravei minhas unhas ainda mais apertadas


quando Noah começou a me foder mais forte. O som do seu pau entrando na minha buceta era alto, erótico, e sujo de uma forma muito boa. O cheiro de sexo e suor que enchia o ambiente...me fez gemer em abandono. Ele não disse nada, mas diminuiu suas arremetidas, eu estava prestes a vir, mas ele se inclinou para frente e lambeu um caminho entre meus seios. Ele provou o meu suor, e não pude deixar de empurrar meus mamilos para cima, querendo mais do que ele estava me dando. Noah continuou a trabalhar o seu pau dentro e fora de mim.

"Quero ver o seu prazer cobrindo seu rosto. Venha para mim, baby. "Ele se inclinou para frente, puxou meu lábio inferior entre os dentes, e gentilmente o sugou. Atirando a minha cabeça para trás, fechando os olhos, e sentindo a picada de seus dentes ainda na minha boca, eu vim para ele. "Deus, porra, sim", ele grunhiu contra a minha boca, puxou para trás, e começou a bater o seu pau em mim. Eu vim tão difícil, e parecia durar para sempre. Não conseguia respirar, nem podia pensar direito. "Cristo, você está tão fodidamente molhada. Meu pau está encharcado. " Os sons desleixados do nosso sexo encheram minha cabeça.. e fui consumida por sensações incríveis.


Ele se afastou um pouco e depois bateu de volta em mim com força suficiente para atingir algo profundo e secreto no meu corpo. Gritei pela sensação intensamente boa. Ele diminuiu seu impulso e antes que soubesse o que estava acontecendo, ele me pegou em seus braços e me levou ate o sofá no outro canto do escritório imponente. Eu olhei por cima do seu ombro e vi a mesa. O suor a cobria. Os papéis estavam espalhados pelo chão. A prova do que tínhamos feito era erótica ... e imunda. Noah deitou no sofá apenas alguns segundos depois. Eu estava em cima dele, e o olhar em seu rosto me fez sentir muito poderosa. "Pegue meu pau, coloque-o na sua quente e doce buceta e monte-me, Harley." O ar me deixou, mas eu fiz exatamente isso, em parte porque era o que Noah queria, mas também porque era o meu desejo. Uma vez que eu tinha seu pau enorme na minha mão, acariciei todas aquelas polegadas da raiz à ponta. Seu corpo estava tenso, e o vi apertando os dentes. Porque não conseguia me ajudar, me levantei, e coloquei a ponta da sua ereção na minha entrada, e então empurrei-me duro para baixo sobre ele. Engasguei de prazer, e ele gemeu feroz. Com nossas pélvis tocando-se, seu pau


fundo em mim, esperei um segundo para o meu corpo se ajustar ao seu tamanho mais uma vez. "Monte-me baby. " Suas palavras eram ásperas, guturais. Ele Levantou as mãos e envolveu-as em torno da minha cintura, cavando as pontas dos dedos nos meus quadris. "Cavalgue-me ate que goze novamente", ele gritou. Inclinei-me para frente, meus seios apertados em seu peito peludo, a sensação era incrível. Pressionei meu corpo ao longo da sua carne nua, e gemi, quando minha buceta contraiu ao longo do seu pênis por conta própria. - Deus, faça isso de novo-. Gemi ao sentir o seu cheiro sobre minha pele, fazendome sentir bêbada. Colocando minhas mãos nos músculos do seu peito, fiz o que ele queria, descendo minha buceta nele, uma e outra vez. O som de seus dentes chocando juntos era forte. Com as mãos ainda na minha cintura, ele aumentou o ritmo dos movimentos. Merda... era tão bom. Ele respirava com dificuldade, seu peito largo, impressionante à medida que se movia para cima e para baixo, seu controle estalando. "Merda, nunca vou ter o suficiente de ti", disse ele, e embora esta fosse a primeira vez que estivéssemos juntos, eu não duvidei de suas palavras. "Quero que monte em mim até que fique tão selvagem que estará toda dolorida amanha. "


"Oh. Deus. Sim, " eu sussurrei e comecei balançando para frente e para trás sobre ele. Eu empurrei totalmente para cima agora e descansei minhas mãos em seus bíceps definidos, me preparando. Então comecei a cavalga-lo, para cima e para baixo, cada vez mais difícil e mais rápido. "Cristo, baby."

Sua voz era áspera e carregada de luxuria. Não pude deixar de fechar os olhos para absorver mais do quão incrível era tê-lo me fodendo. "Abra os olhos anjo, veja como somos perfeitos juntos." Sua voz era tão dominante que não pude deixar de obedece-lo. Nunca houve um tempo na minha vida em que tivesse sentido tal conexão e prazer com um homem. Mas então conheci Noah e tudo mudou. Abri os meus olhos e mantive o foco em onde estávamos conectados. Quando seu pênis tornou-se visível, vi-o coberto da minha excitação. Ele me completava tão bem, e a queimadura do êxtase ainda estava lá e eu nunca queria que terminasse. "Tão malditamente quente."


Minha respiração me abandonou e meus braços tremiam por me segurar, mas ainda assim eu o rodeava. Observei minha buceta sugando seu pênis. Para cima e para baixo. Seu pau grande me alongando. Meus seios saltavam e senti meu orgasmo correr através do meu corpo mais uma vez. Nunca conseguiria ser capaz de parar o clímax forte que estava sentindo. E merda, eu não queria para-lo.


Assistir Harley em ĂŞxtase era fodidamente bom. O prazer que ela demonstrava aumentava o meu. O fato de que


ela estava cedendo para mim, sendo finalmente minha, me deixava louco de tesão. Porra, eu nunca a deixaria ir. Olhando para seus seios, assisti como eles empinavam eroticamente. Estendi a mão, peguei os grandes globos em minhas mãos, e os apertei. E então ela jogou a cabeça para trás, o cabelo caindo atrás dela e sua boca se abriu em um gemido alto. Ela veio para mim, sua vagina apertando ao redor do meu pau, o prazer tão fodidamente intenso que tive que encostar os meus pés no braço do sofá para me equilibrar. Só quando ela relaxou em cima de mim, ainda balançando para frente e para trás, sua pelve pressionada contra a minha, que estendi a mão e envolvi meu braço em torno da sua cintura. A virei facilmente até ela estar de costas, e pegando a sua perna que pendia do sofá, a levantei contra meu corpo e então empurrei meu pau grande em sua vagina novamente, em um impulso duro. O som que ela soltou foi uma espécie de meio gemido, meio apelo. A puxei para trás e vi meu pau deslizar dentro e fora da sua boceta apertada. Seu sexo delicioso estava molhado e inchado, e porra... tudo por minha causa. Eu estava possuindo cada parte dela agora, mostrando-a com meu corpo que ela era só minha. Com o passar do tempo, Harley perceberia que não se tratava apenas de atração física, a queria ao meu lado para sempre. Meu


orgasmo correu para a superfície, e eu não queria parar. Eu estava tão longe, eu só queria continuar sentindo-a. "Porra, você é tão gostosa, Harley. " Empurrei meu pau forte dentro dela e puxei para fora. Minhas bolas bateram em sua bumba, e o som aumentou o prazer que sentia. Não conseguia parar de olhar para seus seios grandes e inclinei-me para frente e corri a minha língua ao longo dos mamilos rígidos. Toda a minha possessidade subiu a superfície. Merda, poderia dizer a ela repetidas vezes que ela era minha, e isso ainda não seria suficiente. "Toque-me, baby" eu pedi com a voz rouca. Ela levantou as mãos e passou os dedos sobre o meu peito, através dos pelos que cobriam meus músculos, e eu a fodi mais duramente. Meus impulsos estavam com um ritmo feroz enquanto assistia suas bochechas ficarem rosadas de excitação. Abaixei meu olhar novamente para sua buceta e assisti meu pênis ir profundamente dentro e fora dela. Meu pau a esticava cada vez mais. Harley inclinou os quadris e senti sua buceta apertar ao meu redor. "Porra, assim baby. Sugue meu pau na sua deliciosa buceta. " Abaixei os meus dedos entre nossos corpos e comecei a massagear seu clitóris. Adorei o êxtase que vi imediatamente em seu rosto. E então não pude mais me segurar. Aumentei o ritmo das minhas estocadas até que minhas bolas doeram. Arremeti mais uma, duas, e no


terceiro impulso, enterrei meu pau o mais longe possível dentro dela. Vim malditamente duro, enchendo-a com minha porra, fazendo-a tomar tudo. Eu não conseguia nem respirar direito ante tanto prazer que senti ... Por quão delicioso era tê-la. Meu orgasmo durou longos minutos, e me forcei a observar seu lindo rosto. Queria que ela visse o quanto me agradava, e queria ver seu prazer, também. Os pequenos sons que ela fez, os suspiros e suas súplicas para mais. E então desmoronei em cima dela, meu coração disparado. Nossa pele estava esfregando junto a nossa mistura de suor. Puxei para cima dela, ouvindo-a tomar uma grande respiração de seus pulmões. Tudo o que pude fazer por longos momentos foi admira-la, seu rosto corado, seus mamilos duros, e seu peito arfando. Senti um calor mover-se através de mim que nada tinha a ver com ter acabado de reivindicá-la. Então eu abaixei meu olhar para sua vagina, vi meu sêmen começar a escorregar da sua vagina, e usei meu dedo para empurrar minha semente de volta para dentro dela. "Tudo isso pertence a você, Harley." Ela se moveu ligeiramente, e corri meu dedo ao redor da borda da entrada da sua buceta, mantendo minha semente em seu corpo. Eu a marcava, e quer ela soubesse ou não; Harley seria pra sempre minha agora. "Você sente isso?" Eu perguntei, olhando para ela. "Você sente essa atração e eletricidade que nos acomete


quando estamos juntos, sugando-nos? " Ela lambeu os lábios e assentiu. "É assim que sabemos que algo real aconteceu, baby." A ajudei a se sentar e envolvi meus braços ao redor dela. "É quando sabemos que algo está certo." Empurrei os fios de seus cabelos macios que ficaram presos às suas têmporas e acariciei suavemente suas bochechas. "Eu não desistirei de você, baby", eu disse com uma dureza na minha voz, uma determinação para fazê-la saber que em meus braços era exatamente onde ela pertencia. "Isso é loucura, eu sei, e talvez um pouco confuso, mas você não é um caso passageiro para mim. Quero-te para caralho e não estou disposto a me afastar. " Ansiava que ela dissesse que queria ser minha, que precisávamos estar juntos, mas eu sabia que estava me precipitando, que fora muito rápido o modo como as coisas haviam se desenrolado. Mas eu segurei minha respiração e tentei descobrir o que ela estava pensando, o que ela poderia dizer. "Eu não quero que se afaste de mim, Noah." Porra, obrigado Deus.. Senti plena felicidade me tomar, e apertei seu corpo suave contra o meu. "Bom baby, porque não acho que teria sido capaz de deixa-la ir, mesmo se você quisesse".


E essa era a pura verdade, talvez atĂŠ assustadora de certo modo.


Vários meses depois

-Posso pagar sua bebida? A voz profunda atrás de mim me fez olhar por cima do meu ombro. O cara que estava lá parecia como se tivesse acabado de sair de uma sala de reuniões. Ele era jovem,


mas tinha esse ar de confiança ao redor ele. Achei seu ego pouco atraente. Com Noah era diferente.. O estranho segurava uma garrafa de vodka nas mãos, e quando ele sorriu, um flash de dentes retos brancos me cumprimentou. "Não" foi tudo que eu disse, mas ofereci um sorriso educado. "Senhorita?", Disse a mulher do caixa, e me virei de volta. "Aqui está." Ela me devolveu meu cartão e agradeci-lhe antes de sorrir e agarrar as duas garrafas de vinho que eu tinha comprado para o jantar esta noite. Dei ao cara atrás de mim um sorriso amigável antes de sair do supermercado. Noah viria me pegar, e nós iriamos para a sua casa, onde eu iria cozinhar o jantar. Nosso relacionamento tinha começado profissional, então tínhamos tido a explosão de paixão em seu escritório meses atrás, e desde então nós estávamos nos conhecendo. Embora a química e o desejo entre nós fosse como nada que já experimentei - e me consumisse de uma tal forma que nunca queria que acabasse- eu sabia que levar as coisas mais devagar era a atitude mais inteligente a tomar. Embora honestamente eu estivesse amando a natureza alfa, possessiva e protetora de Noah. E mesmo que não


quisesse que ele mantivesse suas mãos fora de mim no escritório, eu também queria manter o trabalho separado do que tínhamos. Era difícil ser uma boa profissional quando ele estava por perto. Senti uma onda de prazer tomar meu corpo ao pensar nele. Ele era muito importante para mim, e eu sabia que também era importante para ele. "Você quer uma carona?", Perguntou o cara que estava atrás de mim. Olhei para ele e balancei a cabeça. "Não, obrigado. Estou esperando por alguém". Ele ergueu as chaves do carro, apontou para o estacionamento, e ouvi um sinal sonoro enquanto destravava o alarme. "Tem certeza linda? Tenho muito espaço e posso deixá-la onde quiser”. - Obrigado, mas não-. Só então ouvi o som de um carro se aproximando. Vireime para ver a Mercedes preta de Noah, estacionando. O homem ainda estava parado ali, olhando abismado para o carro. A porta lateral do motorista abriu, e vi o corpo grande, imponente e musculoso de Noah entrar em cena. Ele andou em torno do carro, seu foco no homem que estava a poucos metros de distancia de mim. Noah usava óculos de sol, mas seu rosto estava tenso. Sua atitude cheirava a possessividade e territorialismo enquanto caminhava ate mim. Noah parou entre o cara e


eu, seu corpo grande bloqueando o homem muito menor da minha visão. Embora eu devesse ter dito algo, dar a Noah uma sugestão não verbal que estava tudo bem, eu não pude mover-me. "Ei", disse o sujeito, sorrindo, mas começando a se virar. O cara parecia preocupado. Sim, Noah conseguia ser intimidante, sem dizer uma maldita palavra. "Noah," eu disse. Mas antes que eu pudesse dizer-lhe para entrar no carro, que esta atitude alfa ciumenta não era necessária - mesmo se eu amasse - ele se virou e me encarou. Ele lentamente tirou seus óculos de sol, colocando-os no bolso do paletó e caminhando para frente. Eu não tinha ideia do que ele iria fazer, mas um olhar para o cara que ainda estava lá me disse que o mesmo estava bastante confuso com a situação. Noah envolveu a mão na minha cintura, puxou-me para seu enorme corpo musculoso e usou sua outra mão para cobrir a parte de trás da minha cabeça. Ele bateu a boca na minha, enfiou a língua entre meus lábios, e me beijou com enorme paixão.. me reclamando como sua, diante de qualquer um que estivesse prestando atenção. Noah estava me marcando, e deixando esse pobre homem que não sabia o que diabos estava acontecendo, ver exatamente quem era meu dono. E como sempre quando Noah me tocava, eu me perdi no momento. Vime escrava de meus desejos, faminta pelo toque do


homem que me completava. Estava impotente para impedir qualquer coisa de acontecer no que se referia a Noah, porque este homem tinha tornado-se o meu tudo ... como eu era o seu tudo. E quando ele finalmente quebrou o beijo, eu fui deixada ofegante e mole contra os seus braços. "É assim que deixo as pessoas saberem a quem você pertence, baby," Noah disse, sua boca perto da minha, com um sorriso diabolicamente quente em seu rosto. Olhei sobre o ombro de Noah para ver o cara arrastando o traseiro para longe de nós, e rimos suavemente. "Você o assustou querido. " Reclinei minha testa contra seu peito definido, amando a sensação da sua mão deslizando ligeiramente pelas minhas costas. "Bom baby. Porque não quero nenhum idiota cobiçando o que é meu". Tudo que pude fazer foi balançar a minha cabeça e sorrir. Noah nunca iria mudar, mas eu não queria que ele fosse diferente também. Ele era perfeito para mim exatamente assim: possessivo e protetor.


"Venha aqui baby", disse com uma voz profunda, meu corpo em chamas de desejo por ela. Tínhamos acabado de comer, mas porra... ainda estava faminto... por Harley. Eu estava na mesa, observando-a enquanto ela trazia uma garrafa de vinho e duas taças, as hastes delicadas do vidro entre seus dedos. Harley sorriu para mim, merda ela é tao deliciosamente sexy e sedutora. "Coloque isso na mesma e venha ate mim, anjo." Ela fez o que eu pedi, e a puxei para o meu colo. "Você sabe o quanto eu te amo?" "Tanto quanto eu te amo Noah?" Ela sorriu e se inclinou para me beijar. Eu não a deixei ir. Coloquei as minhas mãos na parte de trás da sua cabeça e a segurei forte contra meu corpo, deslizando minha língua ao longo da dela, fazendo-a me dar sua sensualidade, sua paixão.


"Não há como você pode me amar tanto quanto eu te amo, anjo", eu sussurrei contra seus lábios, mordendo-os eroticamente. "Meu amor por ti me consumi como fogo." "O meu também, amor", ela respondeu suavemente. Pode ter sido apenas seis meses desde que tínhamos começado a nos relacionar, mas sabia que esta mulher tinha sido feita exatamente para mim. Sei que ela precisava de tempo para se acostumar com o nosso relacionamento antes de eu assustar a merda fora dela ao pedir-lhe em casamento. A daria todo o tempo do mundo, porque sei o quanto a amo e a quero comigo. Quero-a como minha esposa, como a mãe dos meus filhos, e se ter paciência era o que precisava fazer para conseguir isso, eu teria o suficiente para encher o maldito planeta. “Não posso te prometer que domarei meus modos possessivos, mas posso prometer que te darei o mundo se quiser, Harley." Seguro o seu rosto a deixando ver as emoções que me subjugavam. "Posso te prometer meu amor eterno, minha devoção. " Deslizo minha mão em torno da sua cabeça para cobrir sua nuca. "Posso lhe prometer que sempre serei fiel a ti e que você sempre será minha maior prioridade, baby. " O sorriso deslumbrante que ela me deu teve meu corpo inteiro vindo à vida. Isso é tudo o que preciso dela, apenas um olhar, um toque.


"Tudo que eu preciso neste mundo é que você me ame, Noah." Inclinei-me e beijei-a, e mal me afastei, disse contra sua boca. "Anjo. Meu amor por você é eterno. " Eu olhei em seus olhos. "Você é meu mundo Harley.. Sem você, uma parte de mim está faltando". Exagerado? Talvez. Se era verdade tudo o que dissera? Absolutamente. E se eu não pudesse ser honesto com a mulher que amava, qual era a porra do ponto? Se eu não pudesse deixar a mulher que amava com toda minha alma saber que ela era meu tudo, não havia nenhum ponto em tentar ser um homem melhor. E Harley tinha me mostrado tudo isso e muito mais.


Um ano depois

Ver Noah em ação no trabalho na sala de conferência foi a coisa mais erótica e atraente que eu já testemunhara.


"O fato de que estamos a meio ponto de fechar o negocio pode parecer ganho, mas erros pequenos nesse acordo são imperdoáveis." Ele parecia tão feroz quando disse essas palavras. Eu tomei breves notas para depois passar as informações para a minha pequena equipe sobre todos os pontos que Noah apontara. Depois de estar na Wright Industries por um tempo tão curto, ajudei com o aspecto financeiro da divisão da folha de pagamento. Claro, esperava que um dia tivesse meus conhecimentos mais aprofundados quanto ao aspecto de recursos humanos de toda a empresa uma vez que tinha me formado em economia e feito especialização em gerência empresarial. Mas mesmo estando aqui há apenas um ano, eu tinha me esforçado mundo para chegar onde estava. "Então, na nossa próxima reunião, eu não só quero ver esses números de volta onde eles estavam nos relatórios passados, mas quero que os superemos. " Mexi-me no meu assento, o quarto ficando mais quente; o fato de que tinha visto-o o dia todo dando ordens me fez querer implora-lo para me foder duro agora. "Reunião encerrada." Todo mundo levantou e saiu, mas eu fiquei lá em meu assento, gotas de suor saindo entre meus seios. Ele olhou


na porta, e quando a última pessoa que saiu, ele virou a cabeça e olhou para mim. "Você entendeu tudo, baby?" Ele perguntou, levantando uma sobrancelha, sua voz baixa, profunda. Eu assenti, sentindo como se tivesse areia em minha garganta. Ele manteve os olhos em mim enquanto caminhava até as janelas e fechava as cortinas uma a uma. Eu sabia o que ele queria embora não tivesse dito nada. Ele andou ao redor da mesa e parou quando estava a poucos centímetros de mim. "Acha que pode ditar exatamente o que disse à sua equipe?" Acenei com a cabeça novamente, com a mesma inclinada para trás enquanto olhava para sua figura sexy. "Case-se comigo, baby", ele disse ao meu lado, as palavras faladas suavemente, mas ainda muito reais. Afastei-me e olhei em seus olhos profundos. Ele segurou minha bochecha e alisou seu polegar ao longo do meu lábio inferior. "Sei que esta não é a maneira mais romântica de propor, e embora você já seja minha, quero-a para sempre ao meu lado. Seja minha esposa, eu preciso disso Harley”.


Não soube o que dizer por longos segundos, mas a resposta já estava se repetindo em minha cabeça mais de uma vez, eu só não consegui encontrar a minha voz. "Quis te pedir a tanto tempo, Harley." "Noah," finalmente disse. "Diga que sim meu amor," ele disse e abaixou o rosto para que ficasse perto do meu. "Nós somos tão bons juntos. Estávamos destinados a sermos um do outro'. As lágrimas vieram em meus olhos antes que pudesse tentar pará-las. Ele estava certo, e me vi acenando com a cabeça. "Quero-te ao meu lado pelo resto da minha vida. Quero ter uma família contigo. " Ele colocou a mão na minha barriga. "Quero meus bebês aqui, quero ver como você fica grande por causa da vida que criamos crescendo dentro de você. " Embora Noah possa não ser o tipo de homem de flores e chocolate, nunca deixou de me fazer sentir extremamente amada através de palavras e atitudes. "Case-se comigo, baby." Ele pegou a minha mão e colocou-a sobre seu coração. "Você é dona do meu coração." Ele acrescentou um pouco de pressão onde sua mão cobria a minha sobre seu peito. "Da minha alma, da minha vida. Você me possui por completo." "Sim Noah," eu finalmente disse. - "Claro que me casarei com você".


Ele me puxou forte contra seu peito um segundo depois, segurou a parte de trás da minha cabeça e disse ao meu ouvido: "Te farei a mulher mais feliz do mundo, Harley. " Ele já me fazia à mulher mais feliz e amada do mundo.


Nove meses depois

Se tivesse sido do meu jeito, eu teria casado com hรก Harley um ano atrรกs. E teria saltado de cabeรงa nesse


compromisso com dela. Soube que ela seria minha desde o início, mas eu também quis dar-lhe tempo para entender no que estava se metendo comigo. Sei que posso ser um homem ciumento; possessivo e exigente na maioria das vezes, mas nada na minha vida significava mais para mim do que a mulher que estou esperando no altar da igreja agora. Quando a marcha nupcial começa a tocar, tudo e todos ao meu redor desapareceram. Concentro-me no corredor, e meu o coração para quando a vejo, bem antes da entrada. O sol fluí através do vitral das grandes portas dianteiras duplas, a luz moldando sua bela figura, fazendo a frente do seu corpo ligeiramente sombreado. Seu pai esta ao lado dela, e quando Harley caminha mais perto, não posso deixar de sentir a mais intensa das emoções me consumindo. Vendo-a caminhar com um lindo vestido de noiva em minha direção, prestes a dizer seus votos, prestes a ser minha esposa, fez a porra do meu lado possessivo erguer-se como um animal feroz. E então ela me foi dada por seu pai, e tudo o que queria fazer era puxá-la e beijá-la sem sentido. Queria marcá-la como minha na frente de todos. Mas sou um cavalheiro, e posso controlar meu desejo, pelo menos por agora. Depois que a cerimônia começa -dizemos nossos votos e somos pronunciados como marido e mulher pelo padreuma imensa felicidade enche-me.


Puxo minha esposa para perto, coloco uma mecha do seu cabelo atrás da sua orelha com meus dedos em concha e olho-a nos olhos. Embora ela sempre tivesse sido minha, agora, neste momento, era oficial. "Eu disse que você seria minha, baby" eu sussurrei. Não me importava que os convidados me ouvissem, mas isso era para ela ... só para ela. " Não há nada mais importante para mim do que você, minha doce Harley, e nunca haverá". "Eu te amo tanto Noah, e você é oficialmente meu agora" ela disse suavemente, sorrindo. Sim porra, eu sou. Eu sou todo dela, e nada mudaria isso. Agora eu só esperava que ela estivesse pronta para ser a mãe dos meus bebes.


Jenika snow a real man #6 arrogant  
Jenika snow a real man #6 arrogant  
Advertisement