Issuu on Google+

O Que Que a Bahia Tem - G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense (1980) Reluzente como a luz do dia Bela e formosa como as ondas do mar Encantadora e feliz Chega a Imperatriz Fazendo o povo vibrar Ê Bahia Vou cantá-la nos meus versos (vou cantar) Teu passado glorioso Teu presente já famoso E o futuro Deus dirá Pega na barra da saia Vamos rodar Lá, laiá, lá, laiá, lá, laiá Lá, laiá, lá, laiá, laiá (Ê Bahia...) Bahia terra da magia Da feitiçaria e do candomblé Caô, meu pai Caô Caô, meu pai Xangô (bis) Que coisa linda ver O ritual do lava-pés A lavagem do átrio e as catedrais E o pregoeiro a dizer: Quem vai querer? Quem vai querer? (bis) Fubá de castanha Pé-de-moleque, dendê


Apesar De Você - Chico Buarque Amanhã vai ser outro dia Hoje você é quem manda Falou, tá falado Não tem discussão, não A minha gente hoje anda Falando de lado e olhando pro chão Viu? Você que inventou esse Estado Inventou de inventar Toda escuridão Você que inventou o pecado Esqueceu-se de inventar o perdão Apesar de você Amanhã há de ser outro dia Eu pergunto a você onde vai se esconder Da enorme euforia? Como vai proibir Quando o galo insistir em cantar? Água nova brotando E a gente se amando sem parar Quando chegar o momento Esse meu sofrimento Vou cobrar com juros. Juro! Todo esse amor reprimido Esse grito contido Esse samba no escuro Você que inventou a tristeza Ora tenha a fineza De "desinventar" Você vai pagar, e é dobrado Cada lágrima rolada Nesse meu penar Apesar de você Amanhã há de ser outro dia Ainda pago pra ver O jardim florescer Qual você não queria Você vai se amargar Vendo o dia raiar Sem lhe pedir licença


E eu vou morrer de rir E esse dia há de vir Antes do que você pensa Apesar de você Apesar de você Amanhã há de ser outro dia Você vai ter que ver A manhã renascer E esbanjar poesia Como vai se explicar Vendo o céu clarear, de repente Impunemente? Como vai abafar Nosso coro a cantar Na sua frente Apesar de você Apesar de você Amanhã há de ser outro dia Você vai se dar mal, etc e tal La, laiá, la laiá, la laiá


Deixe a Menina - Chico Buarque Não é por estar na sua presença Meu prezado rapaz Mas você vai mal Mas vai mal demais São dez horas, o samba tá quente Deixe a morena contente Deixe a menina sambar em paz Eu não queria jogar confete Mas tenho que dizer Cê tá de lascar Cê tá de doer E se vai continuar enrustido Com essa cara de marido A moça é capaz de se aborrecer Por trás de um homem triste há sempre uma mulher feliz E atrás dessa mulher mil homens, sempre tão gentis Por isso para o seu bem Ou tire ela da cabeça ou mereça a moça que você tem Não sei se é para ficar exultante Meu querido rapaz Mas aqui ninguém o agüenta mais São três horas, o samba tá quente Deixe a morena contente Deixe a menina sambar em paz Não é por estar na sua presença Meu prezado rapaz Mas você vai mal Mas vai mal demais São seis horas o samba tá quente Deixe a morena com a gente Deixe a menina sambar em paz


Águas de Março - Tom Jobim É pau, é pedra, é o fim do caminho É um resto de toco, é um pouco sozinho É um caco de vidro, é a vida, é o sol É a noite, é a morte, é o laço, é o anzol É peroba do campo, é o nó da madeira Caingá, candeia, é o Matita Pereira É madeira de vento, tombo da ribanceira É o mistério profundo, é o queira ou não queira É o vento ventando, é o fim da ladeira É a viga, é o vão, festa da cumueira É a chuva chovendo, é conversa ribeira Das águas de março, é o fim da canseira É o pé, é o chão, é a marcha estradeira Passarinho na mão, pedra de atiradeira É uma ave no céu, é uma ave no chão É um regato, é uma fonte, é um pedaço de pão É o fundo do poço, é o fim do caminho No rosto o desgosto, é um pouco sozinho É um estrepe, é um prego, é uma ponta, é um ponto É um pingo pingando, é uma conta, é um conto É um peixe, é um gesto, é uma prata brilhando É a luz da manhã, é o tijolo chegando É a lenha, é o dia, é o fim da picada É a garrafa de cana, o estilhaço na estrada É o projeto da casa, é o corpo na cama É o carro enguiçado, é a lama, é a lama É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã É um resto de mato, na luz da manhã São as águas de março fechando o verão É a promessa de vida no teu coração É uma cobra, é um pau, é João, é José É um espinho na mão, é um corte no pé São as águas de março fechando o verão, É a promessa de vida no teu coração É pau, é pedra, é o fim do caminho É um resto de toco, é um pouco sozinho


É um passo, é uma ponte, é um sapo, é uma rã É um belo horizonte, é uma febre terçã São as águas de março fechando o verão É a promessa de vida no teu coração Pau, pedra, fim, caminho Resto, toco, pouco, sozinho Caco, vidro, vida, sol, noite, morte, laço, anzol São as águas de março fechando o verão É a promessa de vida no teu coração.


Corcovado - Tom Jobim Um cantinho e um violão Este amor, uma canção Pra fazer feliz a quem se ama Muita calma pra pensar E ter tempo pra sonhar Da janela vê-se o Corcovado O Redentor que lindo Quero a vida sempre assim com você perto de mim Até o apagar da velha chama E eu que era triste Descrente deste mundo Ao encontrar você eu conheci O que é felicidade meu amor O que é felicidade, o que é felicidade


Garota De Ipanema - Tom Jobim / Vinicius de Moraes Olha que coisa mais linda Mais cheia de graça É ela menina Que vem e que passa No doce balanço, a caminho do mar Moça do corpo dourado Do sol de Ipanema O seu balançado é mais que um poema É a coisa mais linda que eu já vi passar Ah, porque estou tão sozinho Ah, porque tudo é tão triste Ah, a beleza que existe A beleza que não é só minha Que também passa sozinha Ah, se ela soubesse Que quando ela passa O mundo inteirinho se enche de graça E fica mais lindo Por causa do amor


Chega de Saudade - Vinicius de Moraes Vai minha tristeza E diz a ela que sem ela não pode ser Diz-lhe numa prece Que ela regresse Porque eu não posso mais sofrer Chega de saudade A realidade é que sem ela Não há paz não há beleza É só tristeza e a melancolia Que não sai de mim Não sai de mim Não sai Mas, se ela voltar Se ela voltar que coisa linda! Que coisa louca! Pois há menos peixinhos a nadar no mar Do que os beijinhos Que eu darei na sua boca Dentro dos meus braços, os abraços Hão de ser milhões de abraços Apertado assim, colado assim, calado assim, Abraços e beijinhos e carinhos sem ter fim Que é pra acabar com esse negócio De você viver sem mim Não quero mais esse negócio De você longe de mim Vamos deixar esse negócio De você viver sem mim


Samba De Orly - Vinicius de Moraes Vai, meu irmão Pega esse avião Você tem razão de correr assim Desse frio, mas beija O meu Rio de Janeiro Antes que um aventureiro Lance mão Pede perdão Pela duração dessa temporada Mas não diga nada Que me viu chorando E pros da pesada Diz que vou levando Vê como é que anda Aquela vida à toa E se puder me manda Uma notícia boa Pede perdão Pela omissão um tanto forçada Mas não diga nada Que me viu chorando E pros da pesada Diz que vou levando Vê como é que anda Aquela vida à toa Se puder me manda Uma notícia boa


Filosofia - Noel Rosa O mundo me condena, e ninguém tem pena Falando sempre mal do meu nome Deixando de saber se eu vou morrer de sede Ou se vou morrer de fome Mas a filosofia hoje me auxilia A viver indiferente assim Nesta prontidão sem fim Vou fingindo que sou rico Pra ninguém zombar de mim Não me incomodo que você me diga Que a sociedade é minha inimiga Pois cantando neste mundo Vivo escravo do meu samba, muito embora vagabundo Quanto a você da aristocracia Que tem dinheiro, mas não compra alegria Há de viver eternamente sendo escrava dessa gente Que cultiva hipocrisia


Alguém me Avisou - Dona Ivone Lara Foram me chamar Eu estou aqui, o que é que há (2x) Eu vim de lá, eu vim de lá pequenininho Mas eu vim de lá pequenininho Alguém me avisou pra pisar nesse chão devagarinho (2x) Sempre fui obediente Mas não pude resistir Foi numa roda de samba Que juntei-me aos bambas Pra me distrair Quando eu voltar na Bahia Terei muito que contar Ó padrinho não se zangue Que eu nasci no samba E não posso parar Foram me chamar


Quem Te Viu, Quem Te Vê - Chico Buarque Você era a mais bonita das cabrochas dessa ala Você era a favorita onde eu era mestre-sala Hoje a gente nem se fala, mas a festa continua Suas noites são de gala, nosso samba ainda é na rua Hoje o samba saiu, lá lalaiá, procurando você Quem te viu, quem te vê Quem não a conhece não pode mais ver pra crer Quem jamais esquece não pode reconhecer Quando o samba começava você era a mais brilhante E se a gente se cansava, você só seguia adiante Hoje a gente anda distante do calor do seu gingado Você só dá chá dançante onde eu não sou convidado O meu samba assim marcava na cadência os seus passos O meu sonho se embalava no carinho dos seus braços Hoje de teimoso eu passo bem em frente ao seu portão Pra lembrar que sobra espaço no barraco e no cordão Todo ano eu lhe fazia uma cabrocha de alta classe De dourado eu lhe vestia pra que o povo admirasse Eu não sei bem com certeza porque foi que um belo dia Quem brincava de princesa acostumou na fantasia Hoje eu vou sambar na pista, você vai de galeria Quero que você assista na mais fina companhia Se você sentir saudade, por favor não dê na vista Bate palmas com vontade, faz de conta que é turista


O Mundo é Um Moinho - Cartola Ainda é cedo, amor Mal começaste a conhecer a vida Já anuncias a hora de partida Sem saber mesmo o rumo que irás tomar Preste atenção, querida Embora eu saiba que estás resolvida Em cada esquina cai um pouco a tua vida Em pouco tempo não serás mais o que és Ouça-me bem, amor Preste atenção, o mundo é um moinho Vai triturar teus sonhos, tão mesquinho. Vai reduzir as ilusões a pó Preste atenção, querida De cada amor tu herdarás só o cinismo Quando notares estás à beira do abismo Abismo que cavaste com os teus pés


Homenagem Ao Malandro - Chico Buarque Eu fui fazer um samba em homenagem à nata da malandragem, que conheço de outros carnavais. Eu fui à Lapa e perdi a viagem, que aquela tal malandragem não existe mais. Agora já não é normal, o que dá de malandro regular profissional, malandro com o aparato de malandro oficial, malandro candidato a malandro federal, malandro com retrato na coluna social; malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal. Mas o malandro para valer, não espalha, aposentou a navalha, tem mulher e filho e tralha e tal. Dizem as más línguas que ele até trabalha, Mora lá longe chacoalha, no trem da central


Partido Alto - Chico Buarque Diz que deu, diz que Deus, Diz que Deus dará, Não vou duvidar,ô nega E se Deus não dá, Como é que vai ficar, ô nega? Diz que deu, diz que dá, E se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega, Deus dará, deus dará (2x) Deus é um cara gozador, Adora brincadeira Pois prá me jogar no mundo, Tinha o mundo inteiro Mas achou muito engraçado Me botar cabreiro Na barriga da miséria Nasci brasileiro Eu sou do Rio de Janeiro Diz que Deus dará, Não vou duvidar,ô nega E se Deus não dá, Como é que vai ficar, ô nega? Diz que deu, diz que dá, E se Deus negar, ô nega Eu vou me indignar e chega, Deus dará, Deus dará Deus me fez um cara fraco, Desdentado e feio Pele e osso simplesmente, Quase sem recheio Mas se alguém me desafia E bota a mãe no meio Dou pernada a três por quatro E nem me despenteio Que eu já tô de saco cheio Refrão (1x)


Deus me deu mão de veludo Prá fazer carícia Deus me deu muita saudade E muita preguiça Deus me deu perna cumprida E muita malícia Prá correr atrás de bola E fugir da polícia Um dia ainda sou notícia Refrão Jesus cristo ainda me paga, Um dia ainda me explica Como é que pôs no mundo Essa pouca titica Vou correr o mundo afora, Dar uma canjica Que prá ver se alguém me embala Ao ronco da cuíca E aquele abraço prá quem fica


Feitiço da Vila - Noel Rosa Quem nasce lá na Vila Nem sequer vacila Ao abraçar o samba Que faz dançar os galhos, Do arvoredo e faz a lua, Nascer mais cedo. Lá, em Vila Isabel, Quem é bacharel Não tem medo de bamba. São Paulo dá café, Minas dá leite, E a Vila Isabel dá samba. A vila tem um feitiço sem farofa Sem vela e sem vintém Que nos faz bem Tendo nome de princesa Transformou o samba Num feitiço descente Que prende a gente O sol da Vila é triste Samba não assiste Porque a gente implora: "Sol, pelo amor de Deus, não vem agora que as morenas vão logo embora Eu sei tudo o que faço sei por onde passo paixao nao me aniquila Mas, tenho que dizer, modéstia à parte, meus senhores, Eu sou da Vila!


Com Que Roupa? - Noel Rosa Agora vou mudar minha conduta Eu vou pra luta pois eu quero me aprumar Vou tratar você com a força bruta Pra poder me reabilitar Pois esta vida não está sopa E eu pergunto: com que roupa? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou? Agora eu não ando mais fagueiro Pois o dinheiro não é fácil de ganhar Mesmo eu sendo um cabra trapaceiro Não consigo ter nem pra gastar Eu já corri de vento em popa Mas agora com que roupa? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou? Eu hoje estou pulando como sapo Pra ver se escapo desta praga de urubu Já estou coberto de farrapo Eu vou acabar ficando nu Meu terno já virou estopa E eu nem sei mais com que roupa Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou? Com que roupa que eu vou Pro samba que você me convidou?


Conversa de Botequim - Noel Rosa Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa Uma boa média que não seja requentada Um pão bem quente com manteiga à beça Um guardanapo e um copo d'água bem gelada Feche a porta da direita com muito cuidado Que não estou disposto a ficar exposto ao sol Vá perguntar ao seu freguês do lado Qual foi o resultado do futebol Se você ficar limpando a mesa Não me levanto nem pago a despesa Vá pedir ao seu patrão Uma caneta, um tinteiro Um envelope e um cartão Não se esqueça de me dar palitos E um cigarro pra espantar mosquitos Vá dizer ao charuteiro Que me empreste umas revistas Um isqueiro e um cinzeiro Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa Uma boa média que não seja requentada Um pão bem quente com manteiga à beça Um guardanapo e um copo d'água bem gelada Feche a porta da direita com muito cuidado Que estou disposto a ficar exposto ao sol Vá perguntar ao seu freguês do lado Qual foi o resultado do futebol Telefone ao menos uma vez Para três quatro, quatro, três, três, três E ordene ao seu Osório Que me mande um guarda-chuva Aqui pro nosso escritório Seu garçom me empresta algum dinheiro Que eu deixei o meu com o bicheiro Vá dizer ao seu gerente Que pendure esta despesa No cabide ali em frente Seu garçom, faça o favor de me trazer depressa Uma boa média que não seja requentada Um pão bem quente com manteiga à beça Um guardanapo e um copo d'água bem gelada Feche a porta da direita com muito cuidado Que não estou disposto a ficar exposto ao sol Vá perguntar ao seu freguês do lado Qual foi o resultado do futebol


Desafinado - Tom Jobim Quando eu vou cantar, você não deixa E sempre vêm a mesma queixa Diz que eu desafino, que eu não sei cantar Você é tão bonita, mas tua beleza também pode se enganar Se você disser que eu desafino amor Saiba que isto em mim provoca imensa dor Só privilegiados têm o ouvido igual ao seu Eu possuo apenas o que Deus me deu Se você insiste em classificar Meu comportamento de anti-musical Eu mesmo mentindo devo argumentar Que isto é Bossa Nova, isto é muito natural O que você não sabe nem sequer pressente É que os desafinados também têm um coração Fotografei você na minha Rolley-Flex Revelou-se a sua enorme ingratidão Só não poderá falar assim do meu amor Este é o maior que você pode encontrar Você com a sua música esqueceu o principal Que no peito dos desafinados No fundo do peito bate calado Que no peito dos desafinados também bate um coração


Canta Canta, Minha Gente - Martinho da Vila Canta Canta, minha Gente. Deixa a tristeza pra lá. Canta forte, canta alto, Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Cantem o samba de roda, O samba-canção e o samba rasgado. Cantem o samba de breque, O samba moderno e o samba quadrado. Cantem ciranda, o frevo, O côco, maxixe, baião e xaxado, Mas não cantem essa moça bonita, Porque ela está com o marido do lado. Canta Canta, minha gente. Deixa a tristeza pra lá. Canta forte, canta alto, Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Mas a vida vai melhorar. A vida vai melhorar. Quem canta seus males espanta Lá em cima do morro Ou sambando no asfalto. Eu canto o samba-enredo, Um sambinha lento e um partido alto. Há muito tempo não ouço O tal do samba sincopado. Só não dá pra cantar mesmo É vendo o sol nascer quadrado. Canta Canta, minha gente. Deixa a tristeza pra lá. Canta forte, canta alto, Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Mas eu disse: Que vai melhorar. Que a vida vai melhorar.


Ora se vai melhorar. Que a vida vai melhorar. Mas serĂĄ que vai melhorar? Que a vida vai melhorar. Eu jĂĄ vou ĂŠ me mandar. Que a vida vai melhorar. Que a vida vai melhorar.


Os Sertões (1976) - Em Cima da Hora Marcado pela própria natureza O Nordeste do meu Brasil Oh! solitário sertão De sofrimento e solidão A terra é seca Mal se pode cultivar Morrem as plantas e foge o ar A vida é triste nesse lugar Sertanejo é forte Supera miséria sem fim Sertanejo homem forte (bis) Dizia o Poeta assim Foi no século passado No interior da Bahia O Homem revoltado com a sorte do mundo em que vivia Ocultou-se no sertão espalhando a rebeldia Se revoltando contra a lei Que a sociedade oferecia Os Jagunços lutaram Até o final Defendendo Canudos (bis) Naquela guerra fatal


Cotidiano - Chico Buarque Todo dia ela faz tudo sempre igual: Me sacode às seis horas da manhã, Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã. Todo dia ela diz que é pr'eu me cuidar E essas coisas que diz toda mulher. Diz que está me esperando pr'o jantar E me beija com a boca de café. Todo dia eu só penso em poder parar; Meio-dia eu só penso em dizer não, Depois penso na vida pra levar E me calo com a boca de feijão. Seis da tarde, como era de se esperar, Ela pega e me espera no portão Diz que está muito louca pra beijar E me beija com a boca de paixão. Toda noite ela diz pr'eu não me afastar; Meia-noite ela jura eterno amor E me aperta pr'eu quase sufocar E me morde com a boca de pavor. Todo dia ela faz tudo sempre igual: Me sacode às seis horas da manhã, Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelã. Todo dia ela diz que é pr'eu me cuidar E essas coisas que diz toda mulher. Diz que está me esperando pr'o jantar E me beija com a boca de café. Todo dia eu só penso em poder parar; Meio-dia eu só penso em dizer não, Depois penso na vida pra levar E me calo com a boca de feijão. Seis da tarde, como era de se esperar, Ela pega e me espera no portão Diz que está muito louca pra beijar E me beija com a boca de paixão. Toda noite ela diz pr'eu não me afastar; Meia-noite ela jura eterno amor


E me aperta pr'eu quase sufocar E me morde com a boca de pavor. Todo dia ela faz tudo sempre igual: Me sacode Ă s seis horas da manhĂŁ, Me sorri um sorriso pontual E me beija com a boca de hortelĂŁ.


Samba de Uma Nota Só - Tom Jobim Eis aqui este sambinha feito numa nota só. Outras notas vão entrar, mas a base é uma só. Esta outra é conseqüência do que acabo de dizer. Como eu sou a conseqüência inevitável de você. Quanta gente existe por aí que fala tanto e não diz nada, Ou quase nada. Já me utilizei de toda a escala e no final não sobrou nada, Não deu em nada. E voltei pra minha nota como eu volto pra você. Vou contar com uma nota como eu gosto de você. E quem quer todas as notas: ré, mi, fá, sol, lá, si, dó. Fica sempre sem nenhuma, fique numa nota só.


O Meu Lugar - Arlindo Cruz O meu lugar É caminho de Ogum e Iansã Lá tem samba até de manhã Uma ginga em cada andar O meu lugar É cercado de luta e suor Esperança num mundo melhor E cerveja pra comemorar O meu lugar Tem seus mitos e Seres de Luz É bem perto de Osvaldo Cruz, Cascadura, Vaz Lobo e Irajá O meu lugar É sorriso é paz e prazer O seu nome é doce dizer Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa, lá lá laiá Ahhh que lugar A saudade me faz relembrar Os amores que eu tive por lá É difícil esquecer Doce lugar Que é eterno no meu coração E aos poetas trás inspiração Pra cantar e escrever Ai meu lugar Quem não viu Tia Eulália dançar Vó Maria o terreiro benzer E ainda tem jogo à luz do luar Ai que lugar Tem mil coisas pra gente dizer O difícil é saber terminar Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa, lá lá laiá, Madureiraaa Em cada esquina um pagode num bar Em Madureiraaa Império e Portela também são de lá Em Madureiraaa E no Mercadão você pode comprar Por uma pechincha você vai levar Um dengo, um sonho pra quem quer sonhar Em Madureiraaa


E quem se habilita atĂŠ pode chegar Tem jogo de lona, caipira e bilhar Buraco, sueca pro tempo passar Em Madureiraaa E uma fezinha atĂŠ posso fazer No grupo dezena centena e milhar Pelos 7 lados eu vou te cercar Em Madureiraaa E lalalaiala laia la la ia... Em Madureiraaa


Desde que o Samba é Samba - Caetano Veloso A tristeza é senhora Desde que o samba é samba é assim A lágrima clara sobre a pele escura A noite, a chuva que cai lá fora Solidão apavora Tudo demorando em ser tão ruim Mas alguma coisa acontece No quando agora em mim Cantando eu mando a tristeza embora A tristeza é senhora Desde que o samba é samba é assim A lágrima clara sobre a pele escura A noite e a chuva que cai lá fora Solidão apavora Tudo demorando em ser tão ruim Mas alguma coisa acontece No quando agora em mim Cantando eu mando a tristeza embora O samba ainda vai nascer O samba ainda não chegou O samba não vai morrer Veja o dia ainda não raiou O samba é o pai do prazer O samba é o filho da dor O grande poder transformador


Renascer das Cinzas - Martinho da Vila Vamos renascer das cinzas Plantar de novo o arvoredo Bom calor nas mãos unidas Na cabeça de um grande enredo Ala de compositores Mandando o samba no terreiro Cabrocha sambando Cuíca roncando Viola e pandeiro No meio da quadra Pela madrugada Um senhor partideiro Sambar na avenida De azul e branco É o nosso papel Mostrando pro povo Que o berço do samba É em Vila Isabel Tão bonita a nossa escola! E é tão bom cantarolar La, la, iá, iá, iá, iá, ra iá La, ra, iá


roda lelob