Page 22

Penitenciário do Estado (Susipe). A atualização final do

De acordo com o desenvolvedor Renan Silva (foto), o maior diferencial de ter um sistema próprio é o poder de transformar os dados em informação (quantitativa) e em longo prazo em conhecimento (qualitativo) da população carcerária.

programa foi reenviada ao Espirito Santo. Diversas outras funcionalidades foram adicionadas ao sistema, algumas com o intuito de adequação aos processos internos da Susipe e outras com o objetivo de expandir a abrangência do sistema na gestão desses processos internos. “Dentre as mudanças estão: o novo módulo de unidades, que traz a gestão da localização do preso custodiado dentro de cada unidade; o controle de capitulação, que padroniza e facilita ao operador do sistema, a escrita correta da capitulação da Lei; o cadastro biométrico; o novo módulo de visitantes, que possibilita o cadastro dos visitantes e a conectividade com TJPA, permitindo a consulta na base de dados doTribunal via web services”, explicou o desenvolvedor de sistemas da Susipe, Renan Silva. De acordo com o desenvolvedor, o maior difer-

mandas judiciais tão importantes para a pessoa presa”,

encial de ter um sistema próprio, projetado conforme os

assegurou a diretora de Execução Criminal, Giane Salzer.

reais objetivos e necessidades da organização, é o poder de transformar os dados em informação (quantitativa) e em longo prazo em conhecimento (qualitativo) da população carcerária do Estado, contribuindo, desta maneira, para a melhoria da administração prisional do Estado. “O Poder Judiciário e os demais órgãos que integram o Sistema de Justiça do nosso Estado já tem acesso ao Infopen. Com isso, as atividades específicas da área criminal, qualquer comarca, juízo e desembargo poderão saber a localização de presos, assim como a informação quanto ao seu recolhimento e a condição de foragido ou não. O Infopen veio para encurtar distâncias, facilitar o acesso a informação em tempo real e agilizar as de-

A Central de Triagem da Marambaia (CTMAB) foi a primeira unidade prisional a receber o novo sistema. Para que a implantação ocorresse, a unidade teve que manter o Siscoop, antigo sistema de controle prisional, atualizado para migrar as informações para o Infopen. “Deixamos a unidade estabilizada para receber o novo programa. A partir disso, partimos para a fase de capacitação dos funcionários, até o momento em que todos (diretores, inspetores e servidores) sabiam operar o Infopen. O sistema é uma ferramenta importantíssima e uma evolução ao sistema penitenciário. Agora, além de diminuir os erros, o software possibilita encontrar um preso na cela onde ele estiver, mesmo que esteja em em outra unidade prisional. Sem contar a facilidade de acesso, já que posso fazer tudo isso até mesmo pelo celular”, contou o coordenador administrativo, Andresson Palheta. outra unidade prisional. Sem contar a facilidade de acesso, já que posso fazer tudo isso até mesmo pelo celular”, contou o coordenador administrativo, Andresson Palheta.

22

ALÉM MUROS

. JAN/ FEV

2016

Além Muros Jan / Fev 2016  
Além Muros Jan / Fev 2016  
Advertisement