Page 3

editorial

Desafios e oportunidades. Temos tudo para dar um “passo à frente”

S

omos sabedores de todos os desafios que o futuro Presidente da República terá que enfrentar, entre os quais responsabilidade fiscal, reforma da previdência, reforma tributária, melhoria da educação, segurança, e principalmente recuperar a confiança em todos os níveis. Em que pesem todos esses desafios, o primeiro turno das eleições nos deu motivos para reforçar nosso otimismo, apesar das dificuldades. Os resultados das urnas mostraram, mais uma vez, que os brasileiros estão atentos e refletem sobre as necessidades do país, optando por mudanças que ajudam a oxigenar a política, ao mesmo tempo em que reforçam a esperança de dias melhores. De fato, quando olhamos de forma mais atenta para o Brasil, notamos inúmeras vantagens competitivas. Temos um país continental com 8.516.000 km2 e mais de 200 milhões de habitantes formando um povo trabalhador, corajoso e guerreiro que já se mostrou muito resiliente no enfrentamento de crises. Não convivemos com catástrofes naturais, guerras, etc. Temos uma economia pujante e diversificada, com posição de liderança mundial em segmentos do agronegócio e de alguns setores da indústria, entre outros. Na nossa área, contamos com um sistema financeiro forte e com a presença competente do Banco Central do Brasil, reconhecido internacionalmente como um dos melhores do mundo. Há obstáculos a superar, entre os quais a geração de empregos, pois hoje temos mais de 13 milhões de desempregados. Mas, por outro lado, se olhamos a parte das oportunidades. Notamos que surgiram mais de 2 milhões de novas empresas no ano passado, número recorde, de acordo com a Serasa Experian. E no primeiro semestre batemos mais um recorde para o período, com 1,26 milhão de empresas criadas, sendo que as MEIs tiveram uma participação de 81,8%. Conforme o Sebrae, os pequenos negócios abriram 350 mil novas

vagas no primeiro semestre. Ou seja, nota-se com clareza o protagonismo das pessoas em buscar soluções, criando micro e pequenas empresas, gerando emprego, renda e desenvolvimento ao nosso país. O que precisamos fazer é apoiar essas iniciativas para que essas empresas possam prosperar e continuem a gerar riquezas. Com esse pensamento, a ACREFI vai realizar no dia 22 de novembro Hilgo Gonçalves o 13º SIAC (Seminário Internacional Presidente da ACREFI ACREFI), que terá como lema “Brasil, um passo à frente...”. Será um amplo fórum de análise e debate sobre as perspectivas da economia brasileira e global na visão dos especialistas convidados, que certamente estimulará reflexões em relação aos negócios e ao futuro da economia. (ver matéria nesta revista). Tratase de mais uma iniciativa da ACREFI para disseminar conhecimento, uma das prioridades da nossa entidade, abrindo espaço para reflexão, para formar opinião e ajudar na tomada de decisões ainda mais conscientes, considerando o cenário que nos cerca. A ACREFI acredita que se respeitarmos os desafios que se apresentam e potencializarmos as oportunidades existentes, continuando a atuar em inovações para criar alternativas de geração de crescimento, seremos bem-sucedidos. É claro que em momentos como este, é necessário que cada um procure ser protagonista em sua área de atuação e nós, da ACREFI, manteremos o nosso foco, no contínuo esforço para contribuir com um ambiente ainda mais saudável do crédito no País e na relação com os consumidores e empresas, apoiando iniciativas de cidadania financeira e o Cadastro Positivo. Precisamos pensar num “Brasil, que dê um passo à frente...”, trabalhando atentos aos desafios que se apresentam, mas de olho em todas as oportunidades que o país oferece para nós e para as gerações futuras. f setembro - outubro 2018 I FINANCEIRO

3

FInanceiro 111/Setembro - Outubro 2018  

A revista do crédito

FInanceiro 111/Setembro - Outubro 2018  

A revista do crédito