Page 1


Fundação para o Vestibular da Unesp

Rua Dona Germaine Burchard, 515 | Água Branca 05002-062 São Paulo, SP (11) 3670-5300 | vunesp@vunesp.com.br www.vunesp.com.br


Fundação Vunesp Vestibulares, concursos e avaliações. Rigor acadêmico, qualidade e segurança.

Saber quem sabe mais. Em resumo, esse é o papel da Fundação Vunesp, uma das maiores instituições brasileiras dedicadas à seleção de pessoal por meio de exames vestibulares e concursos. Em menos de três décadas, a Vunesp realizou mais de 1.000 concursos e perto de 400 vestibulares, em que concorreram 14,8 milhões de candidatos. A Fundação Vunesp é uma instituição de natureza pública, porém, de direito privado. Sem fins lucrativos, investe os resultados financeiros na melhoria de suas atividades-meio e na qualificação de suas atividades-fim. Com sede na cidade de São Paulo, sua atuação é de abrangência nacional. Recorrem aos serviços da Fundação, sem necessidade de processos licitatórios, órgãos de governo das esferas federal, estadual e municipal, empresas públicas e privadas, entidades diversas da sociedade civil, universidades, escolas e até organismos internacionais. Além de realizar concursos e vestibulares – entre estes, o segundo maior do País –, a Fundação Vunesp atua também na área de avaliação, que contempla os setores de desempenho institucional, ensino e acompanhamento de projetos e programas. Dentre as instituições de ensino para as quais a Vunesp realiza vestibulares estão a Universidade Estadual Paulista (Unesp), a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e a Universidade Federal do ABC (UFABC). Na área de concursos, a Vunesp já selecionou candidatos para o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para o Banco Central e para a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, além de dezenas de outras instituições e empresas. A área de avaliação institucional, de implantação mais recente, teve como primeiro cliente a Secretaria da Educação do Estado de São Paulo e, posteriormente, as unidades paulistas do Senai e do Sesi.


Dispensa de licitação Lei 8.666 autoriza contratação direta da Vunesp por órgãos federais, estaduais e municipais. Por ser uma entidade sem fins lucrativos e de natureza pública, a Vunesp pode ser contratada, para a realização de vestibulares, concursos e outras atividades correlatas, sem a necessidade de licitação. No inciso VIII do artigo 24, a Lei Federal no 8.666/1993 estabelece que “É dispensável a licitação: para a aquisição, por pessoa jurídica de direito público interno, de bens produzidos ou serviços prestados por órgão ou entidade que integre a Administração Pública e que tenha sido criado para esse fim

específico em data anterior à vigência dessa Lei, desde que o preço contratado seja compatível com o praticado no mercado”. Os órgãos públicos do Estado de São Paulo, particularmente, podem valer-se ainda de outro instrumento legal para contar com os serviços da Vunesp. A Lei no 10.882/SP, de 20 de setembro de 2001, autoriza o Poder Executivo a dar prioridade às fundações centrais de apoio às universidades públicas estaduais na celebração de convênios de cooperação, contratos de parceria e de prestação de serviços.


Origem qualificada Vunesp é “filha” de uma das maiores universidades do País A natureza pública da Vunesp advém de sua criação pela Universidade Estadual Paulista – Unesp, em 1979. Mantida pelo governo do Estado de São Paulo, ao lado da USP e da Unicamp, a Unesp tem como atividades-fim a oferta de ensino superior público e gratuito, a execução de pesquisas de natureza científica e tecnológica e a realização de atividades de extensão à comunidade.

graduação lato sensu, os cursos de especialização abrigam 3,2 mil estudantes.

A quase totalidade dos 3.500 professores da Unesp tem o título de doutor e atua em tempo integral. Além de recursos humanos qualificados, a Universidade conta com uma infra-estrutura ampla e diversificada. São cerca de 1.900 laboratórios, 30 bibliotecas (800 mil livros), cinco fazendas de ensino e pesquisa, um hospital de clínicas e três Instituída em 1976, a Unesp está pre- hospitais veterinários, além de museus, hortos, clísente em 23 cidades do Estado de São nicas e biotérios. Paulo. Suas 32 unidades de ensino e pesquisa abrigam 33 mil alunos de graduação, dis- Com base nos principais indicadores de desempetribuídos em 169 cursos. Na pós-graduação stricto nho acadêmico, a Unesp encontra-se posicionada sensu são 108 programas de mestrado e 83 de dentre as dez melhores universidades brasileiras e doutorado, freqüentados por 10 mil alunos. Na pós- as 400 melhores do mundo.


Ousadia precoce Ainda no nascedouro, a Vunesp já teve que mostrar a que veio.

duação e 1.700 professores. Assim, além de realizar um exame à altura da Unesp, o desafio original da Vunesp era expresso também nos números de seu primeiro vestibular: 35.658 candidatos, sendo O primeiro desafio da Vunesp se fez constar já em 2.283 selecionados para ingresso na Universidade seu “registro de nascimento”. Seu nome oficial, em 1981. Fundação para o Vestibular da Unesp, revela a fiAs principais características do exame de estréia nalidade primeira para a qual foi criada. da fundação recém-criada eram a sua realização De 1977 a 1980, a seleção de candidatos à Unesp em fase única, com três dias de aplicação, e a era feita pela Fuvest, no mesmo exame que servia classificação por curso, não por carreira. Outro dia outras universidades, como a USP e a Unicamp. ferencial era a inexistência de um programa com Com o objetivo de criar e gerir um vestibular com listas de obras literárias. características específicas às suas necessidades, a Unesp optou por instituir uma fundação com Mesmo diante de uma estrutura incipiente, o concurso foi realizado com êxito. Mais do que isso, poesse fim. rém, nascia ali um sistema de vestibular que viria Mesmo tendo a Unesp, na época, dimensões bem a ser considerado modelar pelos especialistas e, inferiores às de hoje, já se tratava de uma das como conseqüência, em breve seria um elemento maiores universidades brasileiras: seus 65 cursos fundamental para caracterizar a Unesp e alçar a de graduação estavam distribuídos por 14 campi Fundação Vunesp a uma posição de destaque dene contavam com cerca de 10.500 alunos de gra- tre as instituições congêneres no País.


A academia como referência Vunesp avalia seu próprio trabalho, para melhorar sempre. Em coerência com a sua origem, a Vunesp mantém vínculos institucionais perenes com a universidade da qual se originou. Os diretores e conselheiros da Fundação, todos docentes em atividade, são escolhidos e nomeados pelo reitor da Unesp, e as contas da Vunesp são analisadas pelo Conselho Universitário da Unesp e pelo Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Outra maneira de a Vunesp se valer de suas relações com a Unesp é o aproveitamento de docentes e funcionários da Universidade para o desempenho de atividades que são determinantes para o nível de qualidade de vestibulares e concursos: a elaboração e a revisão de questões e a aplicação e correção das provas. Assim, mais do que vínculos institucionais e administrativos, a principal identificação da Vunesp com a Unesp ocorre pela atuação da Fundação alicerçada em critérios e valores acadêmicos. Os vestibulares e concursos realizados pela Vunesp são, dessa forma, naturalmente alimentados pelo saber oriundo da instituição universitária. Além disso – também como característica da universidade –, a Vunesp tem entre suas rotinas a reflexão e a avaliação crítica do seu próprio trabalho, com a perspectiva de aprimorá-lo permanentemente. Todos os vestibulares e concursos realizados pela

Vunesp são avaliados, visando a melhorias futuras. Após a correção das provas, a Fundação faz uma análise detalhada do desempenho geral dos candidatos diante de cada questão apresentada. Consubstanciada em um relatório que é entregue aos elaboradores e aos revisores das provas, essa análise revela, por exemplo, que as questões respondidas corretamente pelos candidatos com classificação mais alta, e de maneira errada pelos candidatos com notas finais mais baixas, foram as mais apropriadas para selecionar os mais bem preparados. Nas questões dissertativas e nas redações, além da estatística de erros e acertos, conta-se com o relatório de todos os examinadores que as corrigiram. Com isso, a Vunesp tem em mãos um valioso indicativo do repertório exibido pelos candidatos em cada área ou disciplina, ponto de partida para a construção e o ajuste de novos instrumentos de medida. Com práticas reflexivas como essa, a Vunesp contribui para a evolução e o aperfeiçoamento das áreas de vestibulares e de concursos no País. A transferência do saber acadêmico para a seleção de pessoal é, portanto, um diferencial da Fundação Vunesp.


Os passos mais

importantes

Para chegar a uma lista de aprovados, muitos caminhos são percorridos. A divulgação dos aprovados é a etapa sempre mais esperada, tanto para os candidatos como para a instituição a que se destina o concurso ou o vestibular. O que pouco se sabe, porém, é que, para chegar a uma lista com os nomes dos aprovados, a Vunesp percorre um longo caminho, desencadeia uma multiplicidade de ações e mobiliza uma série de competências. Enquanto um vestibular exige seis meses para a realização das etapas de planejamento, preparação, aplicação e correção das provas e divulgação dos resultados, no caso dos concursos a corrida contra o relógio pode durar de três a dez meses.

nejamento”, desenvolvida e aperfeiçoada pela Fundação ao longo dos anos. No caso de ter havido exame com características semelhantes, o que é comum nos vestibulares, o elaborador recebe também uma análise da prova anterior com base no desempenho coletivo dos candidatos, incluindo os erros e acertos de cada questão.

As provas elaboradas pela Vunesp apresentam equilíbrio nos diferentes níveis de dificuldade entre as questões. Metade delas é planejada para ter dificuldade média; a outra metade é subdividida, de um lado, questões difíceis e muito difíceis, e de outro, fáceis e muito fáceis. Os extremos – quesTanto em um caso como no outro, porém, os proce- tões muito fáceis e muito difíceis – não devem redimentos básicos são os mesmos, em termos das presentar mais do que 10% do total de perguntas. etapas a serem cumpridas e do rigor com que as Além disso, a Vunesp toma o cuidado de nunca começar uma prova com uma questão muito difícil, atividades são executadas. que possa inibir ou abalar o candidato. Ao contráELABORAÇÃO rio, a primeira questão está entre as mais fáceis, de modo a estimular o candidato a sentir-se conUma vez definidos os objetivos da seleção, o mofiante. A mesma receita é utilizada no meio da prodelo de prova, os instrumentos de medida e o conva, como forma de animar o candidato a chegar até teúdo programático segundo o qual os candidatos a última questão. serão avaliados, a primeira etapa de um concurso ou de um vestibular é a elaboração das questões. Em termos gerais, a Vunesp apresenta provas que, Para melhor organizar e nortear o seu trabalho, o no conjunto, são de dificuldade média perante o elaborador recebe da Vunesp uma “tabela de pla- conteúdo programático que se quer avaliar. A exce-


ção dá-se em concursos e vestibulares com poucos cargos ou vagas e grande concorrência, que exigem nível de dificuldade acima da média. Tanto no caso de seleção de alunos como de profissionais, são elaboradas questões que buscam avaliar os candidatos mais capazes de executar processos mentais que envolvam raciocínio e reflexão, de compreender razões e relações e de aplicar e usar informações.

Além de contribuírem para a efetiva seleção dos melhores candidatos, os cuidados tomados pela Vunesp no processo de elaboração das provas visam evitar problemas posteriores, que possam prejudicar os candidatos.

CORREÇÃO Quando se trata de uma prova de múltipla escolha, a correção é feita por meio de máquinas de leitura ótica. Sempre as mais eficientes do mercado, as leitoras óticas da Vunesp separam os cartões com algum tipo de inconsistência – duas respostas para uma mesma questão ou ausência de respostas são situações comuns –, que é então analisada por um técnico da Fundação. O resultado final de um concurso dessa natureza pode ser obtido em algumas horas.

Além disso, os elaboradores são orientados a uma série de procedimentos e cuidados. Por exemplo, que cada resposta seja independente, de modo a não fornecer pistas para outras questões nem provocar propagação de erro; que entre as alternativas de resposta somente uma seja a correta; na formulação de questões, não usar forma negativa; e evitar textos desnecessariamente longos, que forcem os candidatos a várias leituras para chegar Já em uma prova discursiva o tempo necessário a uma conclusão. para correção é bem maior – e a complexidade desse trabalho revela o know how desenvolvido REVISÃO pela Vunesp. O trabalho do revisor não se resume à verificação Num vestibular como o da Unesp, com mais de de possíveis erros cometidos por quem elaborou 90 mil candidatos, a correção das provas discuras questões. Nesta etapa, sem que tenha conhecisivas exige a participação de aproximadamente mento da “tabela de planejamento” e das respos400 pessoas, entre examinadores, coordenadotas esperadas pelo elaborador, o revisor resolve res de banca, digitadores e pessoal de apoio. a prova; anota o tempo gasto com a leitura das questões, com a resolução e a transcrição das res- Para melhor discriminar os candidatos, a Vupostas; procura redundâncias, ambigüidades, infor- nesp organiza a grade de correção das quesmações supérfluas ou ausentes. Com isso, ele faz tões discursivas de tal forma que as respostas uma avaliação global da prova – se as questões possam ter pontuações progressivas, desde estão de acordo com o perfil do candidato e com o totalmente incorreta até completamente certa. conteúdo do programa – e sugere alterações. Como exemplo, as questões dos grandes vestiNesse percurso, a prova passa, novamente, pelo pessoal da Vunesp, que, dentre outras verificações, confronta o planejamento e as respostas do elaborador com a análise e a resolução do revisor, e retorna ao elaborador. Este examina as sugestões do revisor, efetua a reformulação da prova, elabora a fundamentação do gabarito para as provas objetivas e define os critérios de correção para as questões discursivas. A revisão seguinte cabe ao pessoal da Vunesp, que também cuida da diagramação e da editoração da prova, formato em que é novamente lida pelo elaborador e liberada para impressão.

bulares de 2009 receberam cinco pontuações: de zero a quatro. Esse método, além de favorecer a sistematização da correção da prova, resulta sempre em uma nota final calculada a partir de números inteiros. Para a correção de redações, a Vunesp desenvolveu uma metodologia que reduz as interferências de avaliações subjetivas – comuns nesse tipo de prova – por parte dos examinadores. Para tanto, são observados como itens de avaliação os conceitos gramaticais e técnicos, a evolução da argumentação e a estrutura do texto. Cada redação é corrigida por duas pessoas, sem que


uma saiba a nota, de zero a dez, dada pela outra. Quando a diferença é igual ou menor do que dois pontos, é feita a média aritmética de ambas. Se a diferença entre as duas avaliações for maior do que dois pontos, ou se um dos avaliadores atribuir nota zero, a redação vai para um terceiro corretor, e a nota definitiva será a média aritmética das duas notas de valor mais próximo.

Realizada a correção de todas as provas, as notas correspondentes são digitadas e o cálculo da nota final é feito por computador, com base nas fórmulas apresentadas no edital. A consistência das notas finais é feita por amostragem, manualmente, por especialistas da Fundação Vunesp. Somente após essa conferência a lista dos aprovados é liberada para conhecimento público.

Concursos a toda prova Vunesp realiza concursos para os governos federal, estaduais e municipais, empresas públicas e entidades da sociedade civil. A experiência que desenvolveu na aplicação de exames vestibulares, sua primeira atribuição, qualificou a Vunesp para um outro desafio igualmente complexo: a realização de concursos públicos. Em 1988, ano em que se iniciou na atividade, a Vunesp organizou cinco concursos, que contaram com 202 mil inscritos; no decorrer de 2007, foram 104 certames, com mais de 1,5 milhão de candidatos. Até o

final de 2008, haviam sido organizados pela Fundação 1.039 concursos, perfazendo 11.800.956 candidatos. Os concursos realizados pela Vunesp são demandados por instituições dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, dos governos federal, estaduais e municipais, por empresas públicas e por entidades da sociedade civil. Assim, figuram entre os clientes da Vunesp:

■■ Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo

■■ Procuradoria Geral do Estado de São Paulo

■■ Banco Central do Brasil

■■ Secretarias estaduais de São Paulo: Administração Penitenciária, Educação, Fazenda, Meio Ambiente, Recursos Hídricos e Saúde.

■■ Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo – Prodesp ■■ Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo – Sabesp ■■ Companhia do Metropolitano de São Paulo – Metrô ■■ Conselho Federal de Psicologia ■■ Fundação Pró-Sangue Hemocentro de São Paulo ■■ Fundação Procon ■■ Imprensa Oficial do Estado de São Paulo ■■ Ministério Público do Estado de São Paulo ■■ Banco Nossa Caixa S.A. ■■ Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura ■■ Prefeituras dos municípios de Guarulhos, Osasco e Sorocaba, dentre outras.

■■ Secretarias do município de São Paulo: Administração e Saúde. ■■ Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Senai ■■ Serviço Social da Indústria – Sesi ■■ Tribunal de Contas do Estado de São Paulo ■■ Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo ■■ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ■■ Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso ■■ Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul ■■ Tribunal Regional Federal da 3a Região

(Veja mais clientes para os quais a Vunesp realiza concursos nas lâminas encartadas no final desta publicação.)


Competências superiores Selecionar os melhores candidatos implica razão, método e sensibilidade. Uma prova bem elaborada e corrigida com rigor não encerra a revelação das competências e dos saberes mobilizados pela Fundação Vunesp para a realização de seus vestibulares e concursos. A escolha dos profissionais que atuam nas etapas de elaboração, revisão e correção, por exemplo, atende a várias exigências. As mais relevantes são que essas pessoas sejam portadoras de sólidos conhecimentos da área em que trabalham ou das disciplinas que ministram e que tenham sensibilidade por questões educacionais, o que, no caso de vestibulares, implica a compreensão da difícil articulação entre o ensino médio e o ensino superior. Para elaborar, revisar e corrigir as provas de vestibulares, a Vunesp vale-se exclusivamente de professores, que têm preferência também nos concursos. Pela prática adquirida na sala de aula, eles estão habituados a aliar o conhecimento relevante à dosagem certa do nível de dificuldade do que se ensina e do que se cobra. Na área de concursos, porém, não são somente professores que elaboram as provas. Quando os cargos a serem preenchidos se referem a especialidades, notadamente no domínio de técnicas ou tecnologias, a Vunesp recorre a profissionais altamente qualificados que atuam no mercado. Há situações em que uma prova é elaborada conjuntamente por um professor e um profissional. A Vunesp tem em seu cadastro cerca de 1.000 cola-

boradores para elaboração, revisão e correção dos exames. Na maioria são docentes da Unesp e de outras instituições públicas, já afeiçoados ao sistema de trabalho da Fundação e ao repertório dos candidatos. A escolha dos perfis acadêmicos ou profissionais correspondentes às necessidades de um vestibular ou concurso baseia-se em conceitos e técnicas da área de medidas educacionais, que trabalha com sistemas de mensuração do rendimento acadêmico. Na Fundação Vunesp, as medidas educacionais são o ponto de convergência da pedagogia, da estatística, da sociologia e dos conhecimentos específicos das diversas disciplinas – enfim, um conjunto de elementos que são tratados de um modo educacional direcionado à avaliação. É, portanto, com base em medidas educacionais que a Vunesp define, para cada vestibular ou concurso, o correspondente programa de conteúdo, os tipos de prova e as disciplinas que irão balizar as habilidades e competências a serem avaliadas nos candidatos. Com essas providências, todas as provas elaboradas pela Vunesp atendem a métodos e parâmetros científicos apropriados para a área educacional e sua avaliação, independentemente dos cargos para preenchimento, do nível de escolaridade exigido e do porte ou área de atuação da instituição a que se destina o concurso ou o vestibular.


Sem elas, não há exame. São as atividades-meio, que, em conjunto, se equivalem a uma grande operação de logística. Em paralelo à realização das atividades-fim de vestibulares e concursos – definição de programas e elaboração e correção das provas –, a Vunesp está capacitada também para executar as atividadesmeio pertinentes. Para tanto, ela desenvolveu e aprimorou métodos e ações que podem ser vistos como um amplo sistema logístico, cuja importância é proporcional às dimensões do concurso ou do vestibular a que se destinam. Para a aplicação das provas do vestibular da Unesp, por exemplo, que soma mais de 90 mil candidatos, são utilizadas – simultaneamente – cerca de 150 escolas e 2.500 salas de aula, em 30 cidades. Em todos esses locais, as provas têm horas pontualmente marcadas para começar e terminar. Para que isso aconteça sem nenhuma margem a atropelos ou imprevistos, somente para os três dias de provas a Vunesp seleciona, contrata e treina 6.000 pessoas. Somadas às que participam das outras etapas, o vestibular da Unesp exige a participação de aproximadamente 6.500 pessoas. Em razão do número de exames que aplica anualmente, em muitas cidades do País, o cadastro de colaboradores externos da Fundação soma perto de 40 mil nomes. Para se ter uma idéia da complexidade dessas atividades-meio, para a realização de um vestibular ou concurso, independentemente do seu porte, a Vunesp gera, cada um a seu tempo, cerca de 95 documentos de naturezas diferentes. A primeira participação dos técnicos da Fundação em um processo de seleção dá-se na orientação das melhores formas de avaliação e na indicação, à instituição contratante, dos editais e comunicados necessários, incluindo assessoramento para


sua elaboração. Editais bem elaborados e redigidos com clareza não só têm sua compreensão facilitada pelos candidatos como evitam contestações e pedidos de impugnação. Visando à divulgação do concurso ou do vestibular, a Vunesp informa sobre sua realização em jornais não oficiais, em outras mídias e no site da Fundação, além de cuidar da impressão de folhetos, cartazes e boletins. As inscrições, feitas por meio do site da Vunesp, resultam em um banco de dados dos candidatos e na emissão da listagem correspondente. Antes disso, porém, ocorrem a elaboração do manual ou do boletim do candidato e a definição do cronograma e das formas de pagamento das inscrições. A convocação dos candidatos para as provas ocorre por meio de edital ou do correio. As provas, cumpridas as etapas do processo de

elaboração, são editoradas na Vunesp, que também se responsabiliza pela impressão, pelo empacotamento e transporte. A aplicação das provas também exige um minucioso processo, que começa com a avaliação e a escolha dos locais, passa pela contratação e treinamento de coordenadores e fiscais e é concluído com a preparação das dependências para receber os candidatos. Para os candidatos portadores de necessidades especiais, as provas são apresentadas ou aplicadas em condições adaptadas. Para deficientes visuais, as questões são escritas em Braile ou em caracteres ampliados. Nas salas com deficientes auditivos são alocados fiscais especializados em linguagem por sinais. Sob autorização médica, são aplicadas provas também em hospitais, nos casos em que o candidato se encontrar internado.

Grandezas desafiadoras Um único concurso teve 238 mil candidatos; outro, foi aplicado em todas as capitais do País. A dedicação da Vunesp à realização de concursos públicos traduz-se em diversas formas de grandeza. Cada um deles implica um desafio particular para a sua execução. Dois dos concursos que realizou, por exemplo, ultrapassaram a casa dos 200 mil inscritos – número que, pela sua magnitude, põe à prova a capacidade da Vunesp em várias fases do certame, como: registro das inscrições, impressão dos questionários, escolha dos locais para realização dos exames, seleção de fiscais e auxiliares e correção das provas.

RECORDE DE INSCRIÇÕES O concurso recordista em número de inscrições foi realizado em fevereiro de 2004, a pedido do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. As 1.016 vagas para escrevente técnico judiciário foram disputadas por 238.008 candidatos. Até então, o maior volume de candidatos – 204.365 – referia-se a um concurso para a Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, realizado em setembro de 2003.

RECORDE DE CARGOS O concurso com o maior número de cargos foi realizado para a Prefeitura de Taubaté (SP), em março de 2000. Eram oferecidos 104 cargos, de merendeira

a borracheiro, de técnico de necropsia a engenheiro, de historiógrafo a cirurgião dentista ambulatorial para portadores de HIV, passando ainda por eletricista, tratorista, comprador pleno, fiscal de rendas imobiliárias e 26 especialidades médicas. Concursos dessa natureza revelam a qualificação da Vunesp para preparar e aplicar diferentes tipos de prova.

RECORDE DE CIDADES Em termos de número de cidades onde foram aplicadas as provas, o concurso recordista foi para oficial de promotoria do Ministério Público do Estado de São Paulo, em agosto de 2001. O exame foi feito por 97.641 candidatos, distribuídos por 148 cidades em todas as regiões do Estado. Ou seja, a Vunesp precisou montar uma logística que cobriu todo o território paulista.

RECORDE DE CAPITAIS Em abril de 1998, a Vunesp realizou um concurso desafiador – dessa vez, em termos nacionais. Demandado pelo Banco Central, o certame para selecionar 290 candidatos para o cargo de analista (26.345 candidatos) teve suas provas realizadas – no mesmo dia e horário – em todas as capitais estaduais do País e no Distrito Federal.


Sua excelência, o

candidato.

A Vunesp conta com estrutura de alta capacidade para atendimento aos candidatos de concursos e vestibulares. Mil candidatos? Dez mil? Duzentos mil? Três vestibulares mais cinco concursos sendo realizados quase simultaneamente? Não importa a demanda de inscrições, nem o número de certames em andamento, a Vunesp dispõe de um sistema para o atendimento aos interessados em informações sobre vestibulares e concursos que realiza. Para ocasiões em que chegam a ocorrer 800 mil ligações em um mês, a Fundação conta com o Disque Vunesp (11 – 3874-6300), sustentado por um sistema de telefonia com softwares e hardwares de última geração. Orientado por menus, o usuário do Disque Vunesp obtém, por meio de mensagens gravadas, atualizadas semanalmente, informações sobre novos concursos ou vestibulares, datas de inscrição, datas e locais das provas, resultados, etc. O usuário pode, também, ser atendido pessoalmente pelos operadores do Disque Vunesp, treinados e capacitados para o fornecimento de informações sobre os certames em andamento ou já realizados pela Fundação. O sistema de telefonia possibilita a emissão de relatórios, em tempo real, para o monitoramento das ligações: quantos candidatos estão sendo atendidos, quantos

estão na fila de espera, os que eventualmente desistem e os que ligam novamente. Outra forma de atendimento ocorre por meio do site da Vunesp (www.vunesp.com.br), cujo conteúdo é organizado separadamente para vestibulares, concursos e avaliações. O site suporta até 1.400 visitas/consultas simultâneas. Já houve picos de 300 mil visitantes num único dia e de seis milhões em um mês. Os interessados têm acesso a informações sobre os certames a serem realizados, os que estão com inscrições abertas – com link para o formulário correspondente –, os que estão em andamento e os já encerrados. Há possibilidade de consultas aos editais, à relação de locais de provas e, posteriormente, a todas as informações e publicações relativas ao concurso ou vestibular de interesse. Na sessão “e-mail”, o candidato pode tirar dúvidas por meio do envio à Fundação de sua questão de interesse específico. Concursos mais concorridos chegam a gerar mais de mil e-mails por dia – todos respondidos por pessoal qualificado para essa função. Com esses recursos, a Vunesp amplia seu rol de serviços aos clientes e oferece informações seguras e confiáveis aos candidatos.


Tolerância zero;

segurança dez. Vunesp fecha todos os cercos para evitar vazamento de informações A logística empregada pela Vunesp para a realização de um vestibular ou concurso contém, em várias situações, elementos de rigorosa segurança. Eles visam ao sigilo das provas, à integridade e à lisura dos exames. As providências com o sigilo começam já na etapa da elaboração das questões. Elaboradores, revisores e avaliadores não pertencem aos quadros regulares da Vunesp, o que dificulta saber quem são. Assuntos relacionados às provas não são tratados por telefone ou por e-mail, mas sim pessoalmente. As provas são entregues pelo elaborador, à Vunesp, manuscritas, como forma de se evitar que estejam registradas em um computador. O elaborador não pode redigir as questões em seu local de trabalho. Elaboradores, revisores e corretores não podem ter parentes inscritos nos certames para os quais colaboram. A instituição contratante não tem acesso à prova an-

tes da sua aplicação e, nas dependências da Vunesp, o controle é rigoroso. Os trabalhos de diagramação e editoração eletrônica são feitos em uma sala de acesso restrito ao pessoal do setor, os computadores não são ligados à Internet e cada funcionário editora apenas parte de um exame. Somente um técnico da área de medidas educacionais tem acesso a cada caderno completo das questões. Nos grandes vestibulares, uma única pessoa tem acesso ao gabarito integral, que é elaborado somente depois que os candidatos são autorizados a entregar a prova. A impressão das provas geralmente ocorre na própria Vunesp, e somente os gráficos manuseiam o material. Quando o número de exemplares a ser impresso é elevado, e a gráfica da Vunesp está sobrecarregada, utiliza-se a Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Nessas situações, o trabalho de impressão é acompanhado por um esquema especial de segurança, que inclui a presença de pelo menos dois funcionários da Vunesp. As provas são transportadas com escolta até a Vunesp, onde são


mantidas em um cofre. Somente os diretores da Fundação têm acesso aos cofres, que só podem ser abertos simultaneamente por duas pessoas. Quando o exame é aplicado fora da cidade de São Paulo, as provas viajam sob sistema especial de segurança. Outra ordem de cuidados com a segurança ocorre na aplicação das provas. No dia anterior ao exame, por exemplo, as salas e demais dependências que abrigarão os candidatos – normalmente em uma escola – são minuciosamente inspecionadas. O objetivo é verificar a existência de “colas” ou de algum meio de comunicação com o ambiente exterior. As embalagens com as provas são abertas na sala da aplicação, diante de todos os candidatos, que, por sua vez, não podem portar bolsas, relógios e qualquer tipo de aparelho eletrônico. Para dificultar o contato visual com a prova de quem está sentado ao lado, a Vunesp tem como padrão destinar uma área mínima de 1,5 m2 para cada candidato na sala de aplicação. São utilizados dois tipos de fiscais. Os “fixos” permanecem na sala de aplicação, enquanto os

“volantes” têm uma série de incumbências. Uma delas é a comunicação entre as salas de prova e a coordenação do exame; outra, é o acompanhamento dos candidatos (um por vez) aos sanitários, indicando qual box deve ser utilizado e inspecionando o local depois do uso. Em média, a Vunesp aloca um fiscal para cada 30 candidatos. Como forma de inibir a ação de “candidatos-piloto”, uma das providências tomadas pela Fundação é gravar em vídeo a imagem de todos os presentes na sala de aplicação. Outra medida é tomar a impressão digital dos candidatos. Terminado o período de aplicação, as provas são novamente embaladas e colocadas em malotes, que são lacrados e fechados com cadeados. Vão diretamente para o cofre da Vunesp ou de um banco conveniado com a Fundação, de onde só saem para a correção. Com essas providências, entre outras, a Vunesp tem logrado êxitos contínuos na manutenção da integridade e da lisura dos exames que realiza em todo o País. Com isso, oferece tranqüilidade e segurança à instituição a que se destina o vestibular ou o concurso, aos cidadãos que deles participam e à sociedade.


Avaliação, também

com a qualidade Vunesp.

Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, Senai e Sesi já recorreram aos trabalhos da Fundação. Em paralelo aos vestibulares e concursos, a Vunesp dedica-se à realização de avaliações de sistemas, abrangendo desempenho institucional, ensino e acompanhamento de projetos e programas. Os primeiros trabalhos da Vunesp nessa área, realizados para a Secretaria da Educação paulista, contemplaram o Sistema de Avaliação de Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp), referente aos anos de 2001 e 2002. No primeiro ano, o Saresp avaliou o rendimento escolar de 907.669 alunos da 4a e 8a séries, dos Ciclos I e II do Ensino Fundamental regular, e de alunos das classes de aceleração e das classes de recuperação dos Ciclos I e II do Ensino Fundamen-

tal. No segundo ano, avaliou o rendimento escolar de uma amostragem representativa de 331.000 alunos de 5.110 escolas estaduais, das séries finais dos Ciclos I e II do Ensino Fundamental. Em ambos os anos, a Vunesp prestou assessoria técnica especializada nos serviços de diagramação, impressão, distribuição, logística de aplicação, aplicação, leitura ótica das respostas das provas objetivas e correção das provas de redação, e processamento de dados. Cuidou ainda da elaboração dos relatórios com os resultados do desempenho geral e por habilidade, para cada Escola, Diretoria de Ensino, Coordenadoria de Ensino e para o conjunto do Estado.

SENAI e SESI

Já para o Serviço Social da Indústria, regional de São

Em 2006, a Vunesp atuou no Programa de Avaliação

realização das Provas de Competência Técnica para

da Educação Profissional (Provei) do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, Departamento Regional

Paulo, a Vunesp prestou assessoria técnica para a professores da instituição, em 2006 e 2007. O exame integra o sistema de avaliação de desempenho docente

de São Paulo. A avaliação abrangeu 74 escolas da

com vistas à progressão na carreira.

rede Senai-SP que ministram cursos de aprendizagem

A elaboração das provas, sua impressão, aplicação e

industrial, técnicos e superiores de tecnologia. O Provei envolveu a verificação dos conhecimentos, habilidades e atitudes inerentes ao trabalho de alunos concluintes, e o levantamento de expectativas e características dos alunos e das condições existentes nas escolas

correção foram atribuições da Vunesp, que fez também a análise dos resultados. As provas foram realizadas por cerca de 1.800 professores, em 17 pólos do Sesi no Estado de São Paulo.

para o desenvolvimento do processo de ensino e

No campo da avaliação, a Vunesp soma outras

aprendizagem.

experiências – como exames para a Ordem dos

À Vunesp coube a responsabilidade de elaborar, imprimir e aplicar questionários para 7.810 alunos, 1.850 docentes, 183 coordenadores e 70 diretores, bem como de analisar e divulgar os resultados. Ainda elaborou e aplicou as provas de conhecimentos

Advogados do Brasil; exames para ingresso na residência médica em várias faculdades, e exames para obtenção de títulos de especialista em áreas como psicologia, fisioterapia e terapia ocupacional, ginecologia e obstetrícia, fonoaudiologia e dermatologia.

específicos e de raciocínio lógico e realizou entrevistas

(Veja os clientes para os quais a Vunesp realiza trabalhos de

qualitativas em 23 escolas da rede.

avaliação nas lâminas encartadas no final desta publicação.)


Folder Vunesp  

Trabalho de divulgaçao das atividades da Vunesp, desenvolvido para a Academica Comunicaçao

Advertisement