Issuu on Google+

O 788888888888 Criativo Suplemento de poesia

Dia do Pai O amor O amor é lindo Sinto um calor Como uma flor Que até foi benvindo. Na noite cai a chuva Intensamente sem parar Fui daqui para tão longe Que corri, corri, sem parar. O amor é lindo Coisa que já não penso Sinto tantas saudades Que já preciso de um lenço Cai a chuva intensa Noite e dia sem parar Cai de mansinho, cai devagar Com o brilho do teu olhar. Margarida Bernardes (9 anos)

Eu gosto do meu pai Como ninguém. Se alguém lhe faz mal, Não há-de de ficar bem, Porque como o meu pai… pai Não há ninguém. ninguém Só gosto de fazer coisas com o meu pai, Porque como ele, não há ninguém. ninguém Eu sei que quando ele me ralha, ralha É para meu bem. bem António Costa (9 anos)

A Primavera rimavera A Primavera é bela, Ningué inguém a para! Eu gosto muito dela, E não a vou deixar por nada! Na Primavera as árvores dão flor, No Verão erão dão fruto. frut No Outono as folhas caem, E no Inverno com o frio luto! Maria (9 anos)


Para o meu pai Ele é vaidoso E “mentiroso”* É meu pai O gostoso. Dá-me tudo, Amor e carinho. Leva-me para a escola Com o seu grande carrinho. Gosta muito de mim, Brinca comigo… Tem namorada. A história é assim. *Ele faz anos no Dia das Mentiras André Rodrigues (9 anos)

Poema do Inverno Quando o inverno começou, Tudo molhou. O vento soprou E o frio chegou. A minha mãe me agasalhou Com um camisolão O gorro E um blusão. Mas, mesmo assim Fiquei constipado. Tive que ficar Na cama deitado! O inverno traz o frio à gente E por culpa dele Eu fiquei doente Diogo Lourenço (8 anos)

Poema ao professor Rocha, que está doente!

Temos um professor muito brincalhão Apesar de ser um pouco trapalhão. Passa a vida a trabalhar, Na sua quinta vai cultivar! Ficou doente de tanto nos aturar. Não veio à escola, Mas não deixou De trabalhar! Terceiro e quarto anos, O professor Idalino vai comandar, Se eles se comportam mal, Não podem reclamar. As saudades não param, Porque é que ele não vem? Estamos tão preocupados, Esperamos que ele esteja bem! André e António

O nosso professor O nosso professor é o maior Como ele não há ninguém melhor. Sem ele não há brincadeira, Rimo-nos até cair da cadeira. O terceiro e quarto ano não param de falar, Quando vamos passear, estamos sempre a brincar. O professor é mandão, Até manda no cão. Nosso rico professor, ensina-nos tudo, Tudo o que há no mundo: Desde TV ao desporto, E achamos que é do porto. Coitadinho está doente, Até tem o nariz ardente. Ele é muito esperto E também muito aberto. Joana e Carolina


poesia - suplemento