Page 1

EDIÇÃO 1 - ABRIL - 2013

Água, o combustível da vida

2013: Ano Internacional de Cooperação pela Água


Ouça o PodAcqua

Um canal semanal para conhecer trabalhos e opiniões de pesquisadores dedicados ao tema

Acessível toda quarta-feira em http://podcast.unesp.br, na aba PodAcqua

Para participar, escreva para unesp.imprensa@reitoria.unesp.br

Para colocar o Player, acesse http://podcast.unesp.br/podcast-no-meu-site


Imagem

Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

Ilustração de Constança Lucas

Conheça a artista em: http://constancalucas.blogspot.com

3


artigos ..::

Água, o combustível da vida

Foto de rich115

A importância deste precioso líquido e as consequências da falta de cuidado com ele. Pág. 8

índice

reportagens ..::

4

Visão economicista de gestão Até onde a Agência Nacional de Águas (ANA) pode ajudar nas questões socioambientais? Pág. 14 artes ..::

Caminhos do ser

Texto e imagens de Edson de Camargo Bueno. Pág. 22


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

Foto de angela7dreams

:.. Artigos

Utilização de recursos hídricos locais

Diversificar no abastecimento garante maior preservação dos recursos naturais. Pág. 10

Para preservar águas urbanas

Professor em Planejamento Urbano da Unesp destaca importância de nascentes e mananciais. Pág. 12

Reportagens ..::

Deterioração de córrego paulista

::.. Artes

Fluir de imagens

Ribeirão da região de Assis, SP, sofre efeitos da ação humana. Pág. 16

Água na sala de aula

Pesquisa discute o ensino do tema nas escolas. Pág. 18

Foto de Ole Houen

Adriana Zoudine, Carlos Alberto Antonholi e Evandro Angerami constroem universo visual. Pág. 20

5


expediente

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA

6

Reitor Julio Cezar Durigan Vice-reitora Marilza Vieira Cunha Rudge Pró-reitor de Administração Carlos Antonio Gamero Pró-reitor de Pós-Graduação Eduardo Kokubun Pró-reitor de Graduação Laurence Duarte Colvara Pró-reitora de Extensão Universitária Mariângela Spotti Lopes Fujita Pró-reitora de Pesquisa Maria José Soares Mendes Giannini Secretária-geral Maria Dalva Silva Pagotto Chefe de Gabinete Roberval Daiton Vieira Assessor-chefe da Assessoria de Comunicação e Imprensa Oscar D’Ambrosio

Coordenador Editorial Oscar D’Ambrosio Arte Marcelo Carneiro (Chello) Design Gráfico Camila Moraes, Darlene Magalhães, Gustavo de Souza, Marcelo Correia (graduandos em Design Gráfico pela FMU) Colaboradores Imagens¦ Adriana Zoudine, Alessandro Bonvini, Angela7dreams, Cecilia Auxiliadora Bedeschi de Camargo, Chico Tupynambá, Constança Lucas, Edson de Camargo Bueno, Evandro Angerami, Fernando Mafra, JD Hancock, Luciana Cavichioli, Mathias Rhomberg, Ole Houen, Paul Hocksenar, Rich 115 e San Bertini. Textos¦ Cínthia Leone, Edmar José Scaloppi, Edson Bueno de Camargo, José Xaides de Sampaio Alves, Oscar D’Ambrosio e Vininha F. Carvalho. Ilustração da Capa¦ Luiz Fernando Santos. Revisão Maria Luiza Simões Projeto Gráfico Marcelo Carneiro (Chello) Produção Mara Regina Marcato Apoio administrativo Thiago Henrique Lúcio Endereço Rua Quirino de Andrade, 215, 4° andar, CEP 01049-010, São Paulo, SP. Tel. (11) 5627-0323. Contato projetoacqua@reitoria.unesp.br Sites http¦//www.unesp.br/revistaacqua http¦//www.unesp.br/projetoacqua


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

A

A ssessoria de Comunicação e Imprensa d a Unesp, a pa r t i r d e 22 d e m a r ç o ú l t i m o, D i a Mundial da Água, promoveu o chamamento para textos, de no máximo 4.500 caracteres com espaços, e imagens, com resolução mínima de 300 DPIs, para editar, mensalmente, a revista virtual Acqua. A aç ão s er á des envolv id a ao lon go de 2013, dec l a r ado p el a Org a n i z ação das Nações Unidas (ONU) como o A no Internacional de Cooperação pela Água.

editorial

O objetivo da revista virtual colaborativa é, s e g u i n d o o p e n s a m e n t o d a ON U, conscientiza r sobre a necessidade de cooperação envolvendo esse recurso e sobre os desafios no que diz respeito à gestão da água. Podem participar pessoas de dentro ou de fora da Unesp. Vêm sendo recebidos textos e imagens que trabalham, das mais diferentes formas, temas com foco na água, como educação ambiental, diplomacia, gestão em regiões fronteiriças, cooperação financeira, redes legais nacionais e internacionais, entre outros assuntos, envolvendo as mais variadas carreiras em todas as áreas do conhecimento: Biológicas, Exatas e Humanidades, incluindo manifestações artísticas na forma de texto (contos e poesias), imagem (fotografias, desenhos, pinturas, gravuras e ilustrações) ou poemas visuais.

Dúvidas sobre a revista virtua l colaborativa devem ser encaminhadas para unesp.imprensa@reitoria.unesp.br A publicação divide-se em três partes: Artigos, Reportagens e Arte. A sua principal característica é a pluralidade de ideias e concepções de mundo. Nesse sentido, agradecemos aos primeiros colaboradores, que incluem, por exemplo, professores e alunos da Unesp e de outras instituições de ensino superior, e integrantes da Assessoria de Comunicação e Imprensa da Universidade. Felizmente, já nesta primeira edição, não pudemos utilizar todo o material recebido. Portanto, algumas colaborações serão publicadas na próxima edição, que vai ao ar em 22 de maio. Continuem enviando seus artigos, reportagens e imagens. Esta iniciativa foi tomada justamente para ampliar o diálogo da Unesp consigo mesma e com a sociedade como um todo. Contem com a gente, pois a revista Acqua conta com vocês, leitores e colaboradores, para existir. Até breve!

A publicação fica disponível virtualmente pela Internet a cada 30 dias, a partir de 22 de abril, em www.unesp.br/revistaacqua ou www.unesp.br/projetoacqua O leitor poderá ter acesso, com a revista Acqua, a uma publicação que permitirá conhecer um pouco de textos e imagens dedicados a um tema que já é um dos pr ot a gon i s t a s des te s é c u l o: a á g u a. Materia l pode ser env iado pa ra o e-mail projetoacqua@reitoria.unesp.br

7


Artigos

A água, o combustíve A importância deste precioso líquido e as consequências da falta de cuidado com ele Vininha F. Carvalho

A

origem da vida em nosso planeta foi a água. Ao lon go de m i l hõ es de a nos de evolução, os organismos vivos se diversificaram e se espalharam pela Terra , sendo que a sobrevivência de todas as espécies animais e vegetais continua ligada à água. O ser humano, durante a gestação, desenvolve-se dentro do ventre da mãe, envolto em água. Após o nascimento, abre os olhos para a existência chorando e os fecha pela morte sob a unção das lágrimas. A lágrima é menor que uma gota d’água, mas se comporta como um meio de comunicação universal, sendo a mensageira da dor e da alegria. A importância deste precioso líquido manifesta-se de forma física, devido à dependência do nosso corpo, que é constituído de 75% de água, e também pela espiritualidade. Na tradição cristã, ela está ligada ao batismo, à purificação e à regeneração.

Aves na natureza

8

A ablução com água é fundamental em todas as religiões, do Islã ao taoísmo. Para Lao Tsé, no livro Tao Te Ching, a água simboliza a suprema virtude. Para os hindus, banhar-se ritualmente no rio Ganges é uma experiência transcendente. O “Rig Veda” dos hindus exalta a água como elemento que traz vida, força e pureza: “Vocês, águas que reconfortam: tragam-me a força, a

Em alguns países da África e do Oriente Médio, a água já está escassa grandeza, a alegria e a visão”, diz um hino dos Vedas, pouco antes de definir a água como regente dos povos. Para o Alcorão, a água benta que cai

do céu é um dos símbolos divinos. Os jardins do paraíso islâmico têm riachos e fontes de água límpida. A m a ior pa r te da super fície terrestre é coberta de água, mas um volume pouco maior que 2% é doce, e mais de 90% dela estão congelados nas regiões polares ou armazenados em depósitos subterrâneos muito profundos. O Brasil é a maior reserva hidrológica do mundo. Da água doce disponível no país: 70% estão na região Norte, 15% na região Centro-Oeste, 6% no Sudeste, 6% no Sul e 3% no Nordeste. Há, pelo menos em tese, 34 milhões de litros de água para cada brasileiro, embora 20% da população urbana não disponha de rede de água e esgoto e 65% das internações pediátricas sejam causadas pela poluição da água. A irrigação de um hectare no nordeste brasileiro consome 18 mil metros cúbicos de água por ano, em

Pescaria


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

el da vida Israel fica em torno de 600 metros cúbicos.Enquanto um habitante do oásis no Saara usa cerca de 3 litros de água por dia, um habitante do Rio de Janeiro gasta 450, de

É provável que a água se torne cada vez mais fonte de tensão Moscou 600 e de Nova York, 1045. A quantidade média diária para satisfazer todas as necessidades de uma pessoa é de 40 litros no máximo. O consumo mundial de água multiplicou-se por sete no século XX, mais do que o dobro da taxa de crescimento da população.Em alguns países da África e do Oriente Médio, a água já está escassa, e por isso há racionamento. A escassez também é a principal causa da degradação da qualidade de vida para um bilhão de pessoas, sem acesso à

quantidade diária ideal estimada pela Organização das Nações Unidas (ONU). No continente africano, cerca de 62% da população só têm acesso a algo em torno de 4 m3/habitante/dia, sendo que, em algumas regiões, o índice é inferior a 3 m3/habitante/dia. Em média, o continente com maior disponibilidade de água é a Oceania, seguido de América do Sul, América do Norte, África, Europa e Ásia. Neste A no Inter n acion a l de Cooperação pela Água, precisamos chamar a atenção para os problemas — inclusive de sobrevivência das espécies — que o mundo enfrenta em decorrência da perspectiva da falta deste recurso precioso e finito, a água potável. É provável que a água se torne, cada vez mais, fonte de tensão e de uma feroz competição entre as nações, se a atual tendência se mantiver; contudo, ela pode ser também um catalizador da cooperação. Devemos nos conscientizar de que as águas não vão acabar no planeta,

Praia da Cocanha

e nem mesmo estão diminuindo em seu volume de moléculas de H2O, porque este ciclo é fechado e estável. A fa lta de cuidados adequados na captação de chuvas e, consequentemente, a poluição dos rios e dos lagos, é que acabará reduzindo o volume de águas doces superficiais, exigindo soluções de alto custo, como a busca de águas subterrâneas profundas ou a dessalinização de águas oceânicas. Procure lembrar de todo o significado cultural, simbólico e socioeconômico da água na próxima vez em que você for saciar sua sede. O copo de água que você segura nas mãos hoje contém mais de 10 milhões de moléculas que estiveram em contato com os nossos ancestrais. Precisamos revitalizar a água, pois ela representa um elo com o passado e um compromisso com o futuro das próximas gerações. Vininha F. Carvalho — jornalista, administradora de empresas, economista, ambientalista e presidente da Fundação Animal Livre ( www.animalivre.org.br).

Pinturas de San Bertini

9


Foto de Matthias Rhomberg

Artigos

Utilização de recursos hídricos locais

Diversificar no abastecimento garante maior preservação dos recursos naturais

Edmar José Scaloppi

E

xiste, atualmente, uma conscientização progressiva da sociedade em direção à preservação, racionalização e sustentabilidade nas iniciativas que envolvem o uso de recursos naturais. Com certeza, os recursos hídricos ocupam o topo dessas aspirações. O descaso histórico pela preservação dos recursos h íd ricos acabou determinando um ônus significativo às populações urbanas brasileiras. Para satisfazer uma demanda quantitativa crescente, as municipalidades têm sido obrigadas a incorporar recursos hídricos com qualidade cada vez mais indesejada e a aprimorar o rigor nas estações de tratamento. Em consequência, grande parte da população acabou por ignorar os repetidos apelos assegurando a potabilidade da água fornecida pelas empresas concessionárias de abastecimento às edificações e passou a adquirir rotineiramente a água envasada para o consumo. Recentemente, porém, as grandes metrópoles americanas têm procurado convencer seus cidadãos a utilizarem a água das torneiras para consumo, restringindo o uso de água envasada, 10

em um apelo ambiental consciente para reduzir a produção de embalagens de poli(tereftalato) de etileno, popularmente chamadas de garrafas PET. Um fato amplamente reconhecido em muitas comunidades é a existência de mananciais de água subterrânea surgentes na forma de nascentes ou minas que, apesar de pontuais, poderiam contribuir para o fornecimento de água com melhor qualidade que os recursos superficiais. A utilização desses recursos pontuais deve reduzir a demanda nas estações de tratamento e, principalmente, conscientizar a população de usuários sobre a importância da preservação e do uso racional de recursos naturais limitados e facilmente degradados. As águas subterrâneas têm a grande vantagem de exibir melhor qualidade que as águas superficiais, pelo eficiente sistema de filtragem natura l a que são submetidas desde o processo de infiltração na superfície do solo até o defluxo em nascentes ou poços perfurados até os mananciais. Outras vantagens adicionais decorrem da eliminação de várias etapas do tratamento, como a floculação e a decantação, que reduz o custo e não interfere

em suas qualidades organolépticas. Em localizações privilegiadas, reduzem o consumo de energia para bombeamento, podendo até mesmo dispensar a necessidade d e i n s t a l a ç õ e s d e r e c a l q u e. A rigor, apenas a filtragem da água torna-se necessária. A desinfecção com c loro p er m ite a sseg u r a r a qualidade bacteriológica nos reservatórios de armazenamento e na rede de distribuição. Até mesmo a fluoretação, para colaborar na redução da incidência de cárie dentária na população consumidora, p o d e r i a s e r c r it e r i o s a m e n t e incorporada à rede de distribuição. As áreas reservadas para extração de água potável deveria m ser rigorosamente preservadas, para evitar qualquer possibilidade de contaminação (o tratamento sempre aumenta o custo e interfere na qualidade). Havendo viabilidade, a recomendação seria substituir as tradicionais estações de tratamento pelos eficientes sistemas de filtragem natural nas bacias hidrográficas. Cabe aqui destacar a reconhecida qualidade da água fornecida à cidade de Nova York, retirada a 200 km de distância e 1 200 m de altitude, nas montanhas de Catskill, cabeceiras


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

do r io Del aw a re. O Con sel ho Agrícola da Bacia, formado pelos proprietários rurais, investiu mais de US$ 100 milhões (doados pela cidade de Nova York) em ações nas propriedades para preservar a qualidade da água e melhorar a receita líquida dos agricultores. Dentre essas ações destacam-se a preservação das áreas de captação de água e a coleta, bombeamento e a rm a zena mento de esgotos domiciliares e de dejetos de rebanhos bovinos, para a disposição oportuna em locais seguros, minimizando os riscos de contaminação da água. Em consequência, o sistema de abastecimento de água da cidade de Nova York oferece água filtrada, e não tratada, a seus usuários, a um custo estimado sete vezes i n ferior ao v a lor cobrado por tradicionais estações de tratamento de água existentes na maioria dos centros urbanos brasileiros. Os rebanhos em geral devem ser manejados procurando-se evitar ou restringir seu deslocamento constante nas áreas de pastejo, principalmente em direção aos bebedouros naturais. A experiência tem demonstrado que o deslocamento contínuo do rebanho aos bebedouros naturais, sistematicamente localizados nas áreas de menor cota das bacias hidrográficas, constitui um processo acelerado de degradação do solo e da paisagem, poluição e assoreamento dos reservatórios e cursos de água. Caprichosamente, a pastagem constitui uma cobertura efetiva do solo que reduz o impacto mecânico das gotas de chuva, dificulta o escoamento superficial e aumenta a infi ltração. O pastejo, por outro lado, predispõe a um processo erosivo causado por escoamentos preferenciais que comprometem tanto a qua lidade quanto a quantidade de água disponível nos reservatórios e cursos de água.

Recentemente, a Agência Nacional de Águas (www.ana.gov.br), do Ministério do Meio A mbiente, instituiu o Programa Produtor de Água, cujo objetivo resume-se à redução da erosão e do assoreamento de mananciais no meio rura l, melhorando a qualidade da água e aumentando as vazões médias dos corpos de água de importância estratégica para o país. O Programa,

As águas subterrâneas exibem melhor qualidade que as superficiais alinhado à tendência mundial de pagamento por serviços ambientais e bonificação aos usuários que geram benefícios a toda bacia hidrográfica, prevê apoio técnico e financeiro à construção de terraços e de bacias de contenção, readequação de estradas, recuperação e proteção de nascentes, reflorestamento nas áreas de proteção permanente e reserva legal, saneamento ambiental, etc. Aproveitamento de águas pluviais Uma das formas mais efetivas para a preservação dos recursos hídricos consiste na utilização das águas pluviais para inúmeras finalidades não potáveis, como irrigação, limpeza e uso em sanitários. Diversos municípios brasileiros já dispõem de legislação específica sobre o aproveitamento obrigatório desses recursos em edificações. Para ilustrar, a cidade de Curitiba, PR, através da Lei 10.785/2003 regulamentada pelo Decreto n° 293/2006, estabeleceu medidas que induzem a conservação, o uso racional e a utilização de fontes alternativas

para captação de águas nas novas edificações urbanas. No Rio de Janeiro, esta regulamentação tornouse obrigatória a partir do Decreto n° 23.940/2004. A cidade de Londrina, PR, a partir de 1° de janeiro de 2010, tornou obrigatória a captação de águas pluviais nas novas edificações com área total construída igual ou superior a 200 m2. Nas edificações comerciais e industriais com área total construída igual ou superior a 5 000 m2, deverá ser executado um sistema de reuso, após tratamento, das águas servidas provenientes de chuveiros e lavatórios para utilização em fi n a l idades n ão potáveis. Um dos m a iores b enef íc ios associados ao aproveitamento de águas pluviais consiste na redução do deflúvio por ocasião das chuvas. A existência de instalações para aproveitamento em um grande número de edificações em uma cidade poderia contribuir para reduzir a ocorrência de transbordamentos e inundações que castigam as popu lações, regu la rizando as descargas no sistema de saneamento. Edmar José Scaloppi é professor do Departamento de Engenharia Rural da Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp do Câmpus de Botucatu, SP.

Conheça as referências bibliográficas deste artigo em: http://bit.ly/YzunKC

11


Artigos

Fernando Mafra

Para preservar águas urbanas

Professor em Planejamento Urbano da Unesp destaca importância de nascentes e mananciais José Xaides de Sampaio Alves

A

s cidades nasceram e continuam dependentes das águas, desde a antiguidade até o presente. Para a escolha dos territórios de fixação urbana, a existência de nascentes, córregos e rios era estratégica como elementos de transporte, abastecimento de água e saneamento. No Brasil, a presença do mar em toda a costa trouxe e fixou no litoral os portugueses e outros imigrantes em Salvador, Rio de Janeiro, Recife, São Vicente, São Francisco do Sul, Porto A legre etc., quase sempre na foz de um ou mais rios. Os rios e córregos guiaram, além dos índios, as entradas e bandeiras, que fixaram capelas, freguesias, vilas e cidades no período colonial: São Paulo, Taubaté, Guaratinguetá, Baependi, Juiz de Fora, Vassouras, Barra Mansa, inúmeras cidades mineiras e nordestinas ao longo do 12

“Velho Chico” , também no Sul, Norte e Centro-Oeste. Outras cidades se fixaram pela presença de ouro, diamantes e outras pedras preciosas em suas águas: Ouro Preto, São João Del Rei, Diamantina, Mariana, etc. Os trajetos por transporte animal, de início, e depois por trem a vapor eram dependentes das fontes e mananciais de águas. O trem necessitava de uma fonte de água e de madeira a cada 20 km. Esse fato impôs regras e formas controladas de ocupação e distribuição territorial e formou a organização da rede de cidades que penetrou o território do centro-oeste do Estado de São Paulo, o norte do Paraná e outras regiões, dando origem a cidades como Bauru, Jaú, Araraquara, Marília, Lins, Ourinhos, Araçatuba, Limeira, Rio Claro, Londrina, Maringá etc. Se a evolução tecnológica dos meios de transporte, através do automóvel e da aviação, possibilitou traçados de vias e rotas mais independentes dos recursos aquíferos que definiram a nossa urbanização, as cidades modernas continuaram dependentes das águas como fonte de abastecimento e meio de transporte e saneamento de seus dejetos, casos de Brasília e Palmas; outras nasceram e/ou se desenvolveram por


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

influência direta das necessidades do uso da água como elemento também logístico e estratégico para a produção de energia e/ou o uso do lazer e turismo aquático nos lagos formados por represas hidroelétricas: Ilha Solteira, Barra Bonita, Boraceia, Itapuí, Itaipu, Urubupungá, Paulo A fonso etc. Há inúmeras razões históricas, mas sobretudo funcionais para se preservarem as nascentes e mananciais dos córregos e rios de nossas áreas urbanas, que continuam sendo fontes de abastecimento e de saneamento. Cidades como Bauru crescem ocupando todos os mananciais da cabeceira de seus córregos e rios, que poderão, no limite desta especulação, até secar. As cidades atuais que se desejam saudáveis e sustentáveis exigem o uso conjugado da preservação das ág uas com o cresci mento urbano, tendo maior necessidade de espaços livres para preservação de cabeceiras e margens — que podem servir como áreas de lazer e esporte — de preservação de matas em fundos de vales, destinados para parques integrados, ou mesmo como

áreas de maior permeabilidade e recebimento natural de águas de chuvas, minimizando problemas ambientais atuais de enchentes e assoreamentos dos rios e córregos.

As cidades nasceram e continuam dependentes das águas Fatos que impõem a necessidade de a gestão pública ampliar a conquista destes territórios nas cidades, para além das possibilidades da Lei 6.766/79, piorada pelas novas regras do código florestal em debate, exigindo novos métodos, formas de parcerias e instrumentos urbanísticos sustentáveis economicamente; e não apenas o instrumento já questionável da desapropriação. Nesse sentido, o CP–Cidades da

Faac de Bauru desenvolve pesquisas e extensões de adoção concreta e coesa de instrumentos do Estatuto da Cidade para ampliar as áreas de terras protegidas em torno das nascentes, córregos e de reservas de matas urbanas, sem onerar o poder público e com vantagens econômicas aos proprietários de terras para sua adoção. Trata-se de estabelecer um sistema, jurídico, urbanístico e de gestão democrática aprovado no Plano Diretor Participativo, que pressupõe os seguintes passos: definição de um coeficiente de aproveitamento básico de referência para toda a cidade (sugestão: próximo de um); definição das áreas de Tombamento A mbiental e Paisagístico, com regras de uso privado possível, mas bastante limitado; definição de áreas no entorno valorizado, onde os proprietários de terras das áreas tombadas poderão recuperar por Transferência do Direito de Construir (com regras claras e com incentivos) os potenciais construtivos não exercidos nas áreas tombadas, desde que doando essas terras ao poder público, que passa também a ficar com o ônus de manutenção, reflorestamento e preservação, anteriormente de obrigação privada.

Cecilia Auxiliadora Bedeschi de Camargo

A adoção desses instrumentos significará: economia pública; incentivos à iniciativa privada; novos paradigmas urbanísticos para o desenvolvimento urbano; preservação das nascentes, córregos, rios e matas; e a conquista de cidades mais saudáveis e sustentáveis. José Xaides de Sampaio Alves, Prof. Dr. em Planejamento Urbano e Regional do CPCidades da Faac/Unesp, Câmpus de Bauru.

13


Visão economicista na gestão de águas no Brasil Até onde a Agência Nacional de Águas (ANA) pode ajudar nas questões socioambientais?

Paul Hocksenar

Reportagens

Cínthia Leone

O

cientista político André Scantimburgo, doutorando da Faculdade de Filosofia e Ciências da Unesp em Marília, afirma que a estrutura em que foi formulada a Agência Nacional de Águas (ANA) facilita sua utilização para atender a interesses do mercado e do governo. “No contexto de crise de água que se avizinha, em que setores econômicos buscarão garantir o privilégio no acesso à água, a ANA, em sua atual formatação, não teria força política para contemplar reivindicações socioambientais”, diz o pesquisador, que se dedica a observar as decisões da Agência em seu projeto atual, sob orientação do professor Francisco Luiz Corsi. Scantimburgo iniciou sua pesquisa em 2004, no mestrado, ao analisar a política nacional de recursos hídricos de 1995 a 2002 e o marco regulatório brasileiro sobre o tema, criado naquele período. “Essa legislação foi altamente influenciada pelo contexto neoliberal do fim dos anos 90”, diz o estudioso, que teve acesso durante a pesquisa a relatórios do Banco Mundial que tratavam da formulação dessa regulação. O Banco, dedicado a financiar países em desenvolvimento dispostos a adotar políticas de liberalização da economia (retiradas da regulação dos mercados), atuou diretamente na criação da lei brasileira, que acabou se tornando um modelo para outros países latino-americanos. A norma determinou a existência de um órgão gestor centralizado, neste caso, a Agência Nacional de Águas, criada em 2001. Também estabeleceu que toda bacia hidrográfica deve ter uma instância participativa — os comitês de bacias hidrográficas —, composta por diferentes setores da sociedade civil. Sca nti mburgo dá como exemplo da v isão neoliberal presente na legislação o estabelecimento da cobrança pelo uso da água e não apenas pelos serviços prestados de distribuição e coleta de esgoto. A lém disso, ele lembra que a norma procurou ret i r a r do E s t a do a at r i bu iç ã o de g a r a nt i r o abastecimento, entregando essa responsabilidade a grupos empresariais com fins lucrativos.

14


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

Para parte dos pesquisadores do tema, a lei representou um avanço ao estabelecer regras para a utilização dos recursos hídricos, como a inclusão do uso e ocupação do solo na gestão de bacias hidrográficas. A própria

Os conflitos sobre os múltiplos usos da água estão ficando cada vez mais evidentes criação dos comitês também é vista como positiva, por representar a possibilidade de democratização das decisões tomadas no tocante a r i o s, cór re go s e a qu í fer os. “M a s, i n fe l i z m e n t e, e s s e s comitês têm um caráter muito mais consultivo do que deliberativo”, diz Scantimburgo. Ele justifica sua fala ao citar as decisões contrárias de comitês às obras de transposição do rio São Francisco e também à criação de novas hidrelétricas na Amazônia, ignoradas nos dois casos pela ANA. O doutorando ressalta que a lei também foi inspirada em modelos

europeus de gestão hídrica, que não se aplicam inteiramente à realidade brasileira. Nos comitês, por exemplo, a participação da sociedade civil enfrenta dificuldades devido à pouca informação disponível à população, enquanto é cada vez mais comum a profissionalização de membros designados por empresas para defender seus interesses nesses fóruns. “Os conflitos sobre os múltiplos usos da água estão ficando cada vez mais evidentes, opondo ambientalistas e populações locais diretamente afetadas a setores econômicos industriais e agroindustriais”, diz o doutorando. Ouça mais no PodAcqua Unesp especial para o Dia Mundial da Água, comemorado em 22 de março.

infraestrutura, com obras de grande porte, a exemplo das já citadas e polêmicas usinas hidrelétricas em rios da Amazônia, como o Madeira e o Xingu, e a transposição do rio São Francisco. Nesses casos, a agência demonstrou sua autoridade ao anular as decisões dos comitês locais. Para André Scantimburgo, esses casos tiveram mais repercussão, mas há outras comunidades no país em situação crítica no que diz respeito ao acesso e às formas de uso da água. “Movimentos sociais ambientalistas denunciam cada vez mais casos em que, atingidos por barragens, indígenas, quilombolas e ribeirinhos ficam marginalizados nas tomadas de decisão”, afirma.

À margem A Agência Nacional de Águas (ANA), vinculada ao Ministério do Meio Ambiente, funcionou durante dois anos durante o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, mas foi nos dois mandatos do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva que a Agência exerceu com mais visibilidade seu papel de gestora. Isso porque foi nesse período que houve mais investimento em

Ouça Podcast com André Scantimburgo

JD Hancock

http://bit.ly/115RPAI

15


Baleia, Chico Tupynambá

Reportagens

Deterioração de córrego paulista Ribeirão da região de Assis, SP, sofre efeitos da ação humana Oscar D’Ambrosio

O

médio e o baixo curso do ribeirão Água do Cervo, na região de Assis, SP, apresentam uma deterioração da qualidade de suas águas, como indicado pela alteração dos parâmetros físico-químicos, sendo verificados elevados valores de condutividade elétrica e turbidez, além de medidas não satisfatórias de oxigênio dissolvido. Essa é a conclusão do trabalho “Avaliação da qualidade da água e do entorno de um rio sob influência rural localizado no oeste do estado de São Paulo” , desenvolvido pelo biólogo Antoniel dos Santos Pimenta e por Solange

16

Bongiovanni, professora do Departamento de Ciências Biológicas da Unesp, Câmpus de Assis, ligada ao Laboratório de Geologia Ambiental da unidade.

Os autores apontam que as atividades antrópicas provocam muitos impactos no ambiente, incluindo o uso, ocupação e manejo do solo para as práticas agropecuárias, que podem causar a deterioração da água, afetando os ecossistemas ripários.

As atividades antrópicas provocam impactos no ambiente

Há assim a necessidade de se avaliar a qualidade das águas de rios sob influência rural, como é o caso do ribeirão estudado. O projeto teve como objetivos avaliar a qualidade das águas de um rio situado no oeste paulista, por meio de parâmetros físicos, químicos e biológicos, e caracterizar o seu entorno.


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

Para isso, foram mensuradas variáveis físico-químicas da qualidade de água e aplicou-se a técnica do azul de metileno como indicador de poluição orgânica. Também foram realizados um biomonitoramento com macroinvertebrados bentônicos e a análise das características do entorno do rio, buscando verificar sua influência sobre os recursos hí-

sa e ocorrem avançados processos de erosão e assoreamento. Com isso ficou clara a influência do entorno sobre a qualidade da água, existindo, ainda, a possibilidade de piora das condições ambientais observadas, tendo em vista a grande vulnerabilidade dessas áreas a distúrbios antrópicos. Concluiu-se que o rio estudado encontra-se degradado pela gran-

Há a necessidade de se avaliar a qualidade das águas de rios sob influência rural dricos e identificar as áreas mais suscetíveis a impactos. Os resultados obtidos pelas diferentes abordagens empregadas mostraram uma deterioração da qualidade das águas do rio estudado, principalmente nos trechos finais, onde as atividades agrícolas são intensas, a mata ciliar é escas-

de pressão exercida pelas atividades agrícolas, sendo a falta de mata ciliar outro fator decisivo para esta condição.

tram-se ocupadas por plantações de cana-de-açúcar, praticamente não existindo mais cobertura vegetal. “Esses fatores foram determinantes para a degradação da qualidade da água, deixando clara a influência do uso, ocupação e manejo do solo sobre esse curso d’água”, comenta Antoniel. Os pesquisadores concluem que o ribeirão Água do Cervo está sofrendo os efeitos da ação antrópica, apresentando condições ambientais ruins e que podem ser agravadas, uma vez que possui alta suscetibilidade a impactos, devido às características do entorno. “Mas, apesar dos problemas, as soluções existem e são estritamente necessárias para a recuperação desse precioso bem da natureza”, finaliza o pesquisador.

A avaliação do entorno mostrou uma situação preocupante, pois constatou-se que as margens do ribeirão Água do Cervo encon-

Painel Água, Chico Tupynambá

17


Reportagens

Ilustrações Luciana Cavichioli

Gomes Marin, integra o Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Unesp, Câmpus de Presidente Prudente. É uma pesquisa qualitativa, do tipo “estudo de caso”, em que os dados foram coletados a partir da análise documental dos Planos Diretores de 28 escolas e da aplicação de questionários e entrevistas semiestruturadas com quatro docentes. Os dados foram analisados com base no referencial teórico a respeito da água, Educação Ambiental e prática docente. Os resultados obtidos na pesquisa aponta m a existência de Projetos Especia is a

Água na sala de aula

Pesquisa discute o ensino do tema nas escolas. Oscar D’Ambrosio

D

efender a relevância de discutir a questão da água como conteúdo essencial para a formação do aluno do Ensino Fundamental é o assunto da pesquisa “Educação Ambiental e água: concepções e práticas educativas em escolas municipais”. O objetivo é identificar e avaliar como o tema água é abordado no contexto da Educação A mbiental nas Escolas Municipais do Ensino Fundamental, especificamente nos quartos anos, da cidade de Presidente Prudente-SP. Este trabalho, nesse sentido, investigou como o tema água comparece nos Projetos Especiais das Escolas, nos planos de ensino, nos livros didáticos de Ciências e de Geografia adotados pelo município, e como é abordado pelos docentes, a partir das suas concepções teórico-metodológicas. A pesquisa, dissertação de mestrado de Natália Teixeira Ananias, sob orientação de Fátima Aparecida Dias 18

respeito da Educação A mbiental em dez escolas, p orém n ão t r at a m esp eci f ica mente d a á g ua. Os do centes n ão t iver a m acess o du r a nte a formação inicial e continuada a discussões sobre Educação Ambiental e água, o que revela a urgência de investimentos na qualificação profissional. As concepções e saberes dos quatro docentes estão baseados principalmente nos conteúdos dos livros didáticos, em textos veiculados pela mídia, e em pesquisas de sites na Internet, cujos conteúdos merecem uma avaliação criteriosa, sendo constatados casos em que a abordagem do tema água é feita de maneira superficial. As práticas educativas são baseadas em aulas expositivas, leitura de textos informativos ou contidos nos livros didáticos, pesquisas e experimentos físico-químicos. Os docentes consideram relevante ensinar sobre a água e destacam principalmente os hábitos e atitudes em prol do seu uso racional na escola e nas residências. Contudo, os conteúdos merecem aprofundamentos teóricos, complementações e articulações com a realidade vivida.

Cabe a cada um cumprir o seu papel frente às questões ambientais Os docentes não mencionaram os mananciais de abastecimento da cidade de Presidente Prudente e


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

tampouco os materiais educativos disponibilizados sobre a questão da água no contexto local. Este estudo permitiu um olhar atento sobre as concepções e práticas educativas dos docentes, com o intuito de contribuir para a melhoria da qualidade do ensino, no que diz respeito principalmente à formação de professores para a Educação Ambiental. “A realização da pesquisa proporcionou o conhecimento de como a Educação Ambiental, especificamente no que diz respeito ao tema água, está sendo desenvolvida no município de Presidente Prudente, com alunos do quarto ano”, conclui Natália.

Os docentes não tiveram acesso a discussões sobre Educação Ambiental

A pesquisa discute o tema água e a sua relevância para a formação do aluno no sentido de compreender e intervir na realidade, e conclui que as escolas investigadas contemplam a Educação Ambiental em seus projetos especiais, contudo não apresentam projetos específicos. “Cabe a cada um de nós cumprir o seu papel frente às questões ambientais e principalmente à água, elemento

essencial para a vida. Indivíduos mais conscientes e atentos às questões ambientais são capazes de contribuir no sentido de conservar, recuperar e preservar os recursos hídricos”, conclui a pós-graduada. “O desafio é promover a Educação Ambiental de qualidade, crítica, transformadora em todos os ambientes escolares e em todos os níveis de ensino, o que inclui a formação universitária e continuada dos profissionais envolvidos.” Ela acredita que investimentos para estabelecer parcerias entre a Rede Municipal de Ensino e órgãos competentes vinculados à questão da água, como por exemplo o Comitê de Bacias Hidrográficas do Pontal do Paranapanema (CBH-PP), Organizações Não - Governamentais, Secretarias Municipal e Estadual do Meio Ambiente, são oportunos no sentido de qualificar o trabalho realizado sobre Educação A mbiental, especificamente sobre o tema água.

“Com a realização deste estudo, esperamos que os debates a respeito da Educação Ambiental e o tema água, principalmente no que tange à formação inicial e continuada dos docentes no município de Presidente Prudente, recebam maior atenção. Nesse contexto, docentes comprometidos e com formação adequada sobre água colaboram para a construção de espaços formativos e na educação de indivíduos mais preocupados com as questões ambientais, o que possibilita novos caminhos para o futuro da sociedade” , conclui.

19


Artes

Adriana Zoudine

Summertime - Mangue

Adriana Zoudine

Summertime

Adriana Zoudine

Adriana Zoudine

60º N - Outono - Canal em Petersburgo

Sobre a artista plástica Adriana Zoudine dedica-se à pintura a óleo sobre tela, à pintura sobre vidro (fused glass) e à xilogravura. Sempre teve interesse no reflexo das imagens e da luz na água. Daí a sua atração pelas paisagens aquáticas, sejam mares, lagos ou rios, e por cidades onde a água desempenha o papel de uma personagem fundamental. O eco da linda arquitetura nos canais e as amplas paisagens com águas proporcionam um leque sem fim de possíveis temas. Saiba mais em:

Adriana Zoudine

http¦//bit.ly/10swNkS

20

52º22' N - Outono - Canal Petersburgo - Zurich


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

Carlos Alberto Antonholi HAICAIS I

II

III

lua refletiu chuva de prata no rio água com estrelas

Um lago sem água céu isento de estrelas alma invernada

no espelho d'água duas carpas coloridas :uma tela viva

SOBRE ONDAS E REDES ondas das águas, das horas... radioativas, sonoras... de frio e de calor. ondas e redes quando não acalmam jogam ao mar para de alimento servir aos peixes redes de dormir, de pescar... redes sociais que formam paradigmas. balançam oscilam e desequilibram. -ondas e redes. como compreender (?) :fluxo da vida.

Sobre o poeta Carlos Antonholi nasceu na cidade de Araras, São Paulo, em 1972. Sua formação abrange a habilitação de ator pela Fundação das Artes de São Caetano do Sul e Letras pela Faculdade São Bernardo. É dramaturgo com algumas peças encenadas e poeta. Saiba mais em: www.micropoetricidade.com.br

21


Artes

Edson Bueno de Camargo ave agourenta

Caminho das Pedras

a ausência do som que se faz antes da chuva cria um silêncio tão alto que o ouvem os passarinhos se espantam as moscas

vertente ferroviária caminho de jegues e carroções puxados por burros

e eu insano feito ave agourenta perturbado dançando de braços abertos lábios roxos de frio e piedade massa d’água cobrindo a cabeça gelo frio das alturas não me abalo com que dizes já não creio

pedras angulares pedreiras centenárias capões de mato e taperas olarias abandonadas água grande travessia guarús distraídos pegos de surpresa uma ausência permeia meus ouvidos o silêncio

potes paridos o bloco de granito em seu sonho de sílica e alumínio respira pratos e xícaras inspira para o interior da terra o calor de fornos de mil graus a terra bebe a sede água de potes de artesania incomparável potes paridos por oleiros besuntados de argila homens cinza homens barro e cabelos emaranhados de porcelana crua árvores humanas e seus frutos torneados a frio poteiros com os pés fincados na terra agora úmida e depois matéria-prima que seca ao sol

22

Edson Bueno de Camargo

Edson Bueno de Camargo

o chão da oficina é fábrica e útero do mundo da criação dos seres e das coisas da lapidação de deuses inconscientes o calor da fornalha que a tudo devora e ama


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

estilhaço

ouro para o nascer do sol

primavera

um pássaro aberto no vento em atitude de desvendar continentes e derribar abismos a partir de um estilhaço de ferro no centro do cérebro

postas à terra três moedas de prata com faces de deuses há muito esquecidos

primeiro o vento te cobre a pele com aquela brisa gostosa o arrepio de frio o sentir-se vestido de ar

para lembrar a natureza trina do sagrado e o caminho que deve ser trilhado

depois o cheiro da grama da terra molhada

fazer a corte às pedras (sina de gigantes) e sua dor consistente dobrar o espaço em partes semelhantes como colcha e lençóis aproximando as realidades no quântico hino do poema e sua alquimia léxica tudo se consome em espelhos lavados em sangue limpo de línguas mutiladas pelo duro cristal da palavra lavrada em vidro vulcânico com letras fincadas na pele lisa vão dos dedos a membrana que lembra que já fomos filhos da água (a ave mergulha no mar com a certeza líquida que o oceano não é sólido)

sete moedas de bronze ou de cobre como paga para entrar no campo dos mortos em livre passagem porque aquilo que é levado para ali ali deve permanecer mas às vezes é necessário conversar com os mortos aplacar sua ira e o medo deles para com o destino dos vivos (muitos ainda se lembram vivos) um cântaro repleto de água para que toda a sede seja saciada e o destino das aves seja adequadamente traçado no céu

fechar os olhos e ouvir a vinda dos pingos o breve silêncio a parede de água a se aproximar a roupa molhada colada ao corpo abrir a boca e sentir o gosto da água gelada misturado ao suor recente do rosto tudo tem cheiro de sol tem gosto de sol mas o sol não está por fim abrir os olhos e ver as réstias de sol furando as nuvens e estas mitigando coadas da chuva tem prazeres que o tempo não come

e semente abundante para a fome de todos aplacar também é necessário terra fresca para a raiz das árvores e os pés cansados e todas as trilhas e pedras da jornada porque é preciso breu para pintar a noite ouro para o nascer do sol e algodão para tecer as nuvens :. só assim poderás descansar sob o véu do céu

Edson Bueno de Camargo — Santo André — SP, 1962, mora em Mauá – SP. Poeta, pedagogo, fotógrafo extemporâneo e entusiasta de arte-postal. Publicou: “cabalísticos” Orpheu – Editora Multifoco – Rio de Janeiro – 2010; De Lembranças & Fórmulas Mágicas Edições Tigre Azul/ FAC Mauá - 2007; Mapa do Abismo e Outros Poemas Edições Tigre Azul/ FAC Mauá 2006, Poemas do Século Passado 1982-2000. Participou de algumas antologias poéticas e publicações literárias diversas: Babel Poética, Zunai, Germina, Meiotom, Confraria do Vento, O Casulo, Celuzlose, entre outras. <http://umalagartadefogo.blogspot.com>.

23


Artes

Litorais da existência

E

vandro Angerami realiza suas paisagens marítimas pintando in loco no Brasil e no exterior. Inicia seu trabalho ao vivo e o termina no ateliê ou o produz totalmente entre as quatro paredes do seu estúdio. As pinturas transmitem vivência e intensidade espiritual no ato de lidar com cavaletes, pincéis e tintas. Suas imagens acentuam o caminhar de um processo criativo em que o mar e a areia são pretextos para o desenvolvimento de uma linguagem própria e aprofundada pelo desafio pessoa l de se i mpor e vencer dificuldades técnicas e imagéticas. O pintar de Angerami é um estar no mundo que se apoia num tripé: educação, cultura e comunicação. Suas paisagens ensinam a ver, são uma forma de conhecimento daquilo que chamamos realidade e transmitem a plena convicção de um artista jovem, mas progressivamente íntegro em sua devoção ao ato de criar. Evandro Angerami é mestre em Artes Visuais pela New York Studio School of Painting, Drawing and Sculpture (NYSS), de Nova York, EUA, e licenciado em Artes Visuais pelo Centro Universitário de Belas Artes de São Paulo. Frequentando os ateliês de A ldemir Martins e Rubens Matuck desenvolveu a técnica e o olhar. Realizou exposições individuais em Nova York, Paris, São Paulo e Santos. Imagens do artista podem ser acessadas em: www.angerami.com Oscar D'Ambrosio

24


Revista Acqua - Edição 1 - Abril 2013

25


Podcast

Podcast Unesp lança PodAcqua

Objetivo é divulgar pesquisas e opiniões sobre o tema

E

m 6 de março deste ano, para gerar debate sobre o tema Água, o Podcast Unesp, produzido pela Assessoria de Comunicação e Imprensa da Universidade, lançou o PodAcqua Unesp, um canal em que o ouvinte poderá conhecer um pouco do trabalho de pesquisadores dedicados ao tema. O produto, semanal, disponível às quartas-feiras, em http://podcast.unesp.br, na aba PodAcqua, traz trechos de entrevistas com especialistas da Unesp e de outras instituições sobre água, nas mais diferentes áreas do conhecimento, com atenção especialmente voltada à gestão responsável dos recursos hídricos. Cada edição tem cerca de 3min30s e pode ser baixada, reproduzida e veiculada livremente, mediante os devidos créditos.

A jornalista responsável pelo projeto é Cínthia Leone. Formada pela Unesp de Bauru, integra a equipe da Assessoria de Comunicação e Imprensa da Unesp. Especializada em Divulgação Científica pelo Núcleo José Reis da USP e em Relações Internacionais pelo Programa San Tiago Dantas (Unesp, Unicamp e PUC-SP), é aluna de mestrado em Ciência Ambiental pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP.

Foto de Alessandro Bonvini

Os i nteress ados em d iv u l g a r seus projetos por meio do Pod Acqua podem enca m in ha r e-mail para unesp.imprensa@reitoria.unesp.br

Player do Poscast Unesp

Quem deseja r ta mbém poderá uti l iza r o player de aúdio deste e dos demais canais do Podcast Unesp di reta mente no seu site, blog ou página pessoal. Para saber mais, clique em http://podcast.unesp.br/podcast-no -meu-site Conheça os entrevistados entre 6 de março e 17 de abril José Xaides de Sampaio Alves, especialista em planejamento urbano e regional da Unesp em Bauru, acredita que o mercado imobiliário representa atualmente o maior risco para recursos hídricos das cidades brasileiras.

Francisca Alcivania de Melo Silva, agrônoma da Unesp em Registro, defende uso do resíduo após desinfecção. Fernando Tangerino Hernandez, engenheiro agronômo da Unesp em Ilha Solteira, montou rede para auxiliar agricultores da região a obter irrigação mais eficiente. Luiz de Campos Júnior, um dos idealizadores da iniciativa Rios & Ruas, comenta sobre o projeto que visa sensibilizar a população de São Paulo em relação aos rios invisíveis da cidade. André Scantimburgo, cientista político da Unesp em Marília, analisa o papel da Agência Nacional de Águas na atual política de recursos hídricos do país. Didier Gastmans, geólogo da Unesp em Rio Claro, comenta sobre o aperfeiçoamento das medições de idade geológica de águas subterrâneas. Ricardo Hirata, geólogo formado pela Unesp e professor da USP, explica as dificuldades de gestão de águas subterrâneas no Brasil e cita situação crítica no Recife. Antonio Thomaz Júnior, geógrafo da Unesp em Presidente Prudente, pesquisa disputas pelo acesso à terra e a outros recursos naturais.

26


Unesp Agência de Notícias - UnAN Voltado a jornalistas, difunde as principais atividades da Universidade http://www.unesp.br/agenciadenoticias Portal Unesp Divulga notícias de ensino, pesquisa, extensão e administração http://www.unesp.br Podcast Unesp Disponibiliza arquivos de áudio com pesquisas e opiniões de especialistas http://podcast.unesp.br Minuto Unesp Informativo diário em áudio e vídeo sobre diversas atividades http://unesp.br/agenciadenoticias/minutounesp Revista Unesp Ciência É a revista de divulgação científica da instituição http://www.unesp.br/revista Jornal Unesp Enfoca pesquisas e atividades de ensino e extensão http://www.unesp.br/jornal Unesp Informa Está voltado aos funcionários da Universidade http://www.unesp.br/unespinforma Guia de Profissões É destinado a orientar o estudante do Ensino Médio sobre os cursos oferecidos pela Unesp http://www.unesp.br/guiadeprofissoes Blog ACI Realiza cobertura on-line de importantes eventos nacionais ou internacionais http://blogaci.unesp.br Debate Acadêmico Publica artigos sobre os mais diversos temas http://www.unesp.br/debate-academico/ Você Sabia? Traz, de forma bem-humorada, dados inusitados da Unesp. http://www.unesp.br/vocesabia


Revista Acqua - Edição 1 - Abril - 2013  

O objetivo da revista virtual colaborativa é, seguindo o pensamento da ONU, conscientizar sobre a necessidade de cooperação envolvendo esse...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you