Page 1


ESTE FOLHETO É PARTE INTEGRANTE DO ACERVO DO BEHETÇOHO EM FORMATO DIGITAL, SUA UTILIZAÇÃO É LIMITADA. DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS.


INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO O Acervo Eletrônico de Cordéis do Behetçoho é uma iniciativa que pretende dar consequências ao conceito de (com)partilhamento dos artefatos artísticos do universo da oralidade, com o qual Behetçoho e Netlli estão profundamente comprometidos.

INFORMAÇÕES SOBRE A EQUIPE A equipe de trabalho que promoveu este primeiro momento de preparação e disponibilização do Acervo foi coordenada por Bilar Gregório e Ruan Kelvin Santos, sob supervisão de Edson Martins.

COMPOSIÇÃO DA EQUIPE Isabelle S. Parente, Fernanda Lima, Poliana Leandro, Joserlândio Costa, Luís André Araújo, Ayanny P. Costa, Manoel Sebastião Filho, Darlan Andrade e Felipe Xenofonte


JOSÉ COSTA LEITE

PELEJA DE GERALDO MOUSINHO COM CACHIMBINHO


Vamos ouvir a peleja De dois conquistas de raรงa Porque Geraldo Mousinho Com nada se embaraรงa E Cachimbinho onde canta O povo todo acha graรงa. Esta dupla nordestina Geraldo Cachimbinho Estรก botando pra quebrar Porque Geraldo Mousinho Se banha na mesma fonte E bebe do mesmo vinho. Cachimbinho, agora hรก pouco Viajou de Limoeiro E foi cantar com Geraldo Na cidade de Salgueiro Vamos ouvir eles dois Na toada do pandeiro.


Cachimbinho disse assim: ─ Geraldo, vamos cantar Tenho 3 sacos e 1 pote De versos, pra despejar No assunto que quiser Garanto lhe acompanhar. G, então vamos começar Num trabalho improvisado Como quem faz uma troca Num trocadilho engraçado Cuidado, senão você Tambem vai ficar trocado. C. troco o dedo pelo dado E troco o dado pelo dedo Cuidado, que logo cedo A poeira voar G. para não fazer enrêdo Troco juá por jaú Troco cajá por cajú E troco cajú por cajá


C. troco Pará por Peru E troco jaca por pinha Troco capão por galinha E troco jacú por jucá G. troco o trem pela linha E troco foice por faca Troco bezerro por vaca E troco a maré pelo mar. C. troco o chá pelo café Troco a bala pela bola Troco a sala pela sola E troco o café pelo chá. C. troco o na viola Troco a porta pela chave Troco a janela na trave E troco a bola no bilhar. G. troco por algodão por agave Troco a luz pelo farol Troco a lua pelo sol E troco o eixo no mancar


C. troco a rede no lençol E o caro no barato A mentira no boato E o calangro no preá. G. troco o gato pelo rato E troco o farol pela luz Troco o diabo pela cruz E troco o jardim no pomar. C. troco salsa por mastruz Troco a bola pela bala Troco a mola pela mala E o pandeiro no ganzá. G. troco a cozinha na sala E troco a vaca no zebú Troco o guará no guarú E troco o guarú no guará. C. troco cajá por jacú E troco manga por jaca Troco tostão por pataca E a dezena na milhar.


G. troco o jegue na macaca E troco o rato no socó Troco o gambá no mocó E troco o mocó no gambá. C. troco a pua no enxô E o grilo no papavento Troco você num jumento Pra ver o bicho que dar. G. vou trocar neste momento A enxada no machado E troco você num veado Porém não vá se zangar. Levantou-se um cidadão E aos dois cantores, pede Um trabalho e pagou logo Dizendo: ninguem se arrede A prova não vai ser mole Fede o velho do fole E a fole do velho fede.


C. o velho Félix lá na sede Deixe o povo todo mole Tocando seu fole velho E com ele ninguém bole Afirma o povo da sede Que o fole do velho fede E que fede o velho do fole. G. talvez você se atole Seu cara de escaravelho O velho Félix toca bem Juro pelo o Evangelho Depois que tomar um gole Fede o velho e fede o fole Fede o fole e fede o velho. C. seguindo o mesmo Evangelho Antes que você se atole Eu falo no velho Félix Que prova que não é mole E no fole mete o velho Fede o fole e fede o velho Fede o velho e fede o fole.


G. um dia eu chupei umbu Porque estava com sêde Era chupando e jogando As casacas fora da rede Eu comprei a seu Pachêco Umbú secando, umbú sêco Umbú maduro, umbu verde. C. eu viajei no sertão Mas eu estava pêco Quando lá falta inverno O povo quebra no bê Chupei pra matar a sede Umbu maduro, umbu verde Umbu secando, umbu sêco. G. namorei uma sertaneja Já vi namôro seguro Chupei umbu a vontade A moça me disse: eu te juro Que tiro de quando em quando Umbu sêco, umbu secando Umbu verde, umbu maduro.


C.eu vi um mouco serrando Um tôco, uma certa vez Uma mouca chamanda Inês Foi tambem se aproximando O pó ficou aparando Sorrindo de fazer dó E rodou numa perna só Namorando com o mouco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó. G. o mouco beijava a mouca E a mouca beijava o mouco Ele estava quase rouco E a mouca meia louca Deu-lhe um beijo na bôca Que assanhou o pitó O mouco foi pró forró E lá tomou agua de côco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó.


C. vi o mouco mouco mais a mouca Trabalhando no roçado Era um namôro danado Ela estava meia rouca Fazendo uma força pouca O mouco inchava o gogo E disse: eu como mocotó Todo dia e não é pouco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó. G. o mouco olhava pra mouca E a mouca olhava pró mouco Ele ficou meio rouco De beijar na sua boca E a mouca quase louca Beijava ele sem dó Os dois faziam uma mó Como quem cantava um côco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó.


C. pois o mouco namorava Com a mouca todo dia Olhava ele e sorria E ela lhe abraçava Com ele se entraçava Lhe chamando: Meu Xodó Êle tinha um olho só E pela mouca ficou louco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó. G.a mouca perto do mouco Aparava com a mão O pó que caia no chão Mas o mouco ficou louco Um dia lhe deu um sôco E ela arrochou-lhe o gogó O mouco de paletó Parecia um galo chôco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó.


C. o mouco disse pra mouca: ─ Dizem qu’eu sou meio mouco Mas por você vivo louco Quero beijar sua bôca Disse a mouca: eu fiquei louca Por você: o meu xodó Vou sair do caritó Pra comer peixe de côco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó. G. o mouco ganhava pouco Serrando pau todo dia Mas a mouca lhe dizia: ─ Sei que você não é louco Trabalha que fica rouco E pra desatar o nó Ela dansava forró Sendo escondida do mouco O mouco serrava o tôco E a mouca aparava o pó.


Cachimbinho canta bem O Geraldo é competente Sabe improvisar repente Trabalhando muito vêm Até em São Paulo também Lá no Rio de Janeiro E no Nordeste brasileiro Inda vão cantar trocando Tem mais um disco gravado Enchendo o Brasil inteiro.

FIM


Peleja de geraldo mousinho com cachimbinho