Issuu on Google+


ESTE FOLHETO É PARTE INTEGRANTE DO ACERVO DO BEHETÇOHO EM FORMATO DIGITAL, SUA UTILIZAÇÃO É LIMITADA. DIREITOS AUTORAIS PROTEGIDOS.


INFORMAÇÕES SOBRE O PROJETO O Acervo Eletrônico de Cordéis do Behetçoho é uma iniciativa que pretende dar consequências ao conceito de (com)partilhamento dos artefatos artísticos do universo da oralidade, com o qual Behetçoho e Netlli estão profundamente comprometidos.

INFORMAÇÕES SOBRE A EQUIPE A equipe de trabalho que promoveu este primeiro momento de preparação e disponibilização do Acervo foi coordenada por Bilar Gregório e Ruan Kelvin Santos, sob supervisão de Edson Martins.

COMPOSIÇÃO DA EQUIPE Isabelle S. Parente, Fernanda Lima, Poliana Leandro, Joserlândio Costa, Luís André Araújo, Ayanny P. Costa, Manoel Sebastião Filho, Darlan Andrade e Felipe Xenofonte


JOSÉ COSTA LEITE

A CHEGADA DE SILVINO NA VILA MACAPARANA


Santa Virgem Imaculada Mãe de Cristo, soberana focalizai minha mente com rima doce e humana n'A Chegada de Silvino na Vila Macaparana. Tem gente que afirma que Silvino era um cangaceiro respeitador e honesto corajoso e justiceiro com o dedo no gatilho era um lobo carniceiro. Muitas pessoas comentam que Antônio silvino era muito perverso e valente do coração de pantera não tinha medo de nada lutava com qualquer fera.


Já outros dizem que ele era cheio de bondade tinha um bom coração e muita dignidade sendo assim não se sabe aonde está a verdade Todo mundo já conhece a huistória de Silvino o homem mais corajoso deste sertão nordestino que trazia sua vida traçada com o destino. Antônio Silvino era respeitado no sertão não podia trabalhar com tanta perseguição a vida de cangaceiro não é brincadeira não.


Ant么nio Silvino sempre mandava um seu camarada na casa dum fazendeiro com uma carta lacrada pedindo sempre uma ajuda para a sua vida for莽ada. Certo dia ele mandou um seu amigo levar uma carta de Manoel Belo que vivia a negociar na vila Macaparena era o maior lugar. Em 1910 Macaparena, coitada! Era uma pequena vila (no orinanal viva) de matas arrodeiada s贸 tinha ali gente pobre trabalhador da enxada.


Mas hoje Macaparena é uma bela cidade situada numa chã é bonita de verdade e quem for filho dela de longe sente saudade. Naquele tempo Silvino mandou um seu cangaceiro na casa de Manoel Belo para lhe pedir ligeiro uma garrafa de cachaça e cem mil réis em dinheiro. Dizia assim o bilhete: – Manoel Belo, meu amigo me arranje cem mil réis que ninguém bole consigo do contrário fica sendo o meu maior inimigo.


– Uma garrafa de cachaça mande pra gente beber e cem mil réis em dinheiro que eu aqui vivo a sofrer a policia me persegue nada eu posso fazer. Garanto que os meus homens não irão lhe pertubar porém veja se Manoel se o senhor não mandar torna-se meu inimigo e pode se pregarar. Porque cem mil réis só quebra a quem já vive quebrado e o senhor vive bem se não estou enganado sou eu: Antônio Silvino o homem desassombrado.


Manoel Belo quando leu o bilhete, disse assim: – Eu não vou mandar dinheiro pra cangaceiro ruim se ele for macho mesmo que venha tomar de mim O homem voltou e disse que Manoel Belo era muito valente e Silvino ficou pior que fera disse: Breve irei botar fogo na sua tapera Silvino mandou de novo o cangaceiro ir levar outra carta e Manoel Belo começou lhe maltratar dizendo: Antônio silvino se quiser, venha buscar


Três vezes Antônio Silvino o seu portador mandou na casa de Manoel Belo que bem zangado ficou dizendo muita pilhéria e um tostão não soltou Porém na terceira vez para acabar de ajeitar o portador disse a ele: – O senhor não quer mandar Silvino mandou dizer que pode lhe esperar. – Breve ele chega aqui qu'ele é homem de verdade e dessa vez ele leva dinheiro em quantidade e o senhor tem que dar por gosto ou contra vontade


O portador foi embora e Silvino por ser ladino se destinou a ir lá mostrar quem era Silvino pra saber se Manoel Belo era valente ou mofino Silvino em Macaparena avistou um cachaceiro perguntou: você conhece Manoel Belo, o estradeiro? Eu vou já acertar as contas com aquele maloqueiro O cachaceiro lhe disse: – Manoel Belo é um sacana negou-me uma bicada há mais de uma semana ele é o homem mais ruim que mora em Macaparena


- Se o senhor quiser pagar uma bicada pra mim Silvino lhe disse: eu pago disse o cachaciro assim: – Não vou nem chegar na porta que o homem é muito ruim. Silvino seguiu com eles e mais adiante o cachaceiro lhe disse: --- A casa é aquela Silvino deu-lhe um dinheiro que ele ficou contente e bebeu o dia inteiro. Antônio Silvino era muito disposto e ladino disse Manoel Belo assim: – Você é brabo ou mofino? Se prepare pra morrer qu'eu sou Antônio Silvino


Manoel Belo quando viu Silvino meio zangado foi falar, tremeu a fala ficou da cor dum finado saltou por uma janela e correu desembestado. Silvino deu-lhe três tiros para ver se ele parava porém Manoel Belo ia que o mato abria e fechava numa carreira tão grande que nem veado pegava. E Silvino gritou: Quem não estiver com preguiça venha ver mercadorias e o povo na cobiça embocou dentro de casa como urubu na carniça


Tinha gente que levava peça de mescia e comida lata de óleo, cigarros e vejo gente em seguida de toda Macaparana buscar grade de bebida Todo mundo que chegava era somente levado 10, 12 quilos de charque e outras coisas juntando tinha velha que saía com as pernas “trambecando” Um velho de Araça que era muito comilão levou cem quilos de charque doce, arroz e macarrão peças de brim “cráque” e 3 sacos de feijão. FIM



A chegada de silvino na vila macaparana