Issuu on Google+

Produção

consciente Uma fazenda de café no norte do Paraná mostra que é possível produzir sem destruir o meio ambiente. Entre os ingredientes desta receita, está alinhar a produção com padrões em sustentabilidade socioambiental. Com destaque, a propriedade virou modelo de produção e chamou a atenção para a região.

Texto: Fátima Costa l Fotos: Luis Costa/La Imagem e Divulgação

ODEMIR CAPELLO, CONSULTOR DO SEBRAE/PR: “O PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PROPRIEDADES DE CAFÉ, FAZ PARTE DA ESTRATÉGIA DO PROJETO PARA MELHORAR O PREÇO DO PRODUTO NO MERCADO INTERNO E EXTERNO”.

18

RURAL

julho/2010

A

té pouco tempo atrás, o que parecia improvável se tornou não apenas possível como já faz parte da realidade de um grupo ainda restrito de fazendas no País. Estamos falando da produção agrícola que leve em conta padrões de excelência em sustentabilidade socioambiental. E essas propriedades não investiram em práticas mais responsáveis por modismo, causas sociais ou verdes. A opção foi resultado de que a própria sobrevivência do negócio estaria em risco pelo esgotamento dos recursos naturais e pelos novos desafios criados pela dinâmica do mercado, que tornaram temas como desmatamento e queimadas argumentos poderosos no impedimento de entrada de produtos brasileiros, lá fora. Mas, a melhor forma de se proteger contra acusações indevidas e abrir novas possibilidades de negócios foi optar por adoções práticas agrícolas responsáveis e sustentáveis. E foi o que fez, pelo menos, o médico e empreendedor Paulo César Saldanha Rodrigues, que avistou os benefícios deste sistema na lavoura de café. No ano de 2004, ele adquiriu a Fazenda Califórnia, localizada no município de Jacarezinho, distante a 380 quilômetros da capital paranaense. Lá, já existia uma cultura de café que começou desde 1903, mas nada se aproxima com a imensidão dos cafezais de hoje. Atualmente, são 220 hectares. Nesse ano, a produção média deverá atingir mil sacas e a intenção é de se aproximar de 12 mil sacas, nos próximos anos. Com o intuito de promover um melhor escalonamento da colheita e pós-colheita e assim otimizar a qualidade dos cafés produzidos, optou-se pelas variedades de Coffea arábica, tais com o Mundo Novo: 388/17 e 376/4; Catuaí Amarelo: IAC 62 e IAC 86 e Obatã. Com a adoção de um sistema empresarial de produção na lavoura, a propriedade alcançou o maior nível de

z


julho/2010 z RURAL 19


Em junho de 2007, a Fazenda Califórnia foi auditada e, com isso, tornou-se a primeira propriedade a receber a certificação UTZ no Estado do Paraná. sustentabilidade na produção de café cereja descascado. A implantação e condução de todas as lavouras seguem a critérios rígidos de boas práticas agrícolas, desde a escolha das sementes, a produção das mudas, o preparo de solo, a implantação da cultura, passando pelo manejo de plantas daninhas, o manejo nutricional da cultura, o manejo de pragas e doenças até o treinamento dos funcionários em todos os procedimentos e processos. Isso tudo sob um plano socioambiental de melhoria contínua da qualidade de vida no trabalho dos funcionários e da redução dos impactos ambientas gerados pela atividade. Desde a aquisição, a propriedade passou por reformas em todos os talhões de plantio, renovação no processo de produção, 20

RURAL

julho/2010

processamento, colheita, secagem e armazenagem. Infelizmente, o médico não pode ver o trabalho concluído e a imensidade de café no quintal da sua propriedade, mas o sonho se tornou realidade por meio das mãos do sobrinho Luiz Roberto Saldanha Rodrigues. “Nessas áreas os frutos já estão sendo colhidos agora”, diz Luiz Roberto. “Entretanto, para adoção desse sistema e por nunca termos tido trabalhado com café anteriormente, visitamos propriedades agrícolas modelos em seus segmentos de mercado, assim como participando de uma série de eventos técnicos de cafeicultura pelo País todo. Trouxemos o que havia de melhor conforme as características da nossa região”, frisa. E esse foi o ingrediente principal de um

z


Projeto de Cafés Especiais do Paraná

sistema de gestão moderno alicerçado em conhecimento e tecnologia para a melhor utilização dos fatores de produção capital, terra e trabalho. “Sempre incluído nessa equação, o compromisso primordial com o ser humano, fator dinâmico e essencial no processo produtivo. Apostamos na qualidade de vida e de trabalho dos funcionários. Esse é o ponto fundamental para a conquista de excelência de produção”. Esses fatores ajudaram a propriedade a se tornar conheci-

Desde janeiro de 2006, existe o Projeto de Café Especiais do Paraná que tem como objetivo produzir e comercializar cafés especiais para o mercado interno e externo, tendo como público alvo produtores de cafés especiais da região. Atualmente, a área de atuação abrange 45 municípios tendo aproximadamente 7.500 produtores no território. Segundo o gestor do Sebrae, a região apesar de pequena, produz 50% dos cafés do Paraná, em alguns municípios deste território é considerado o setor que mais emprega e o que apresentar o maior percentual do PIB. O projeto trabalha em várias frentes as mais importantes são: comercialização, inovação tecnológica, certificações, associativismo, capacitação, consultorias e caracterização da bebida e central de negócios. O projeto conta com vários parceiros que investem recurso como: Federação da Agricultura do Estado do Paraná, Instituto Agronômico do Paraná, Banco do Brasil, Sindicatos rurais, entre outras entidades.

julho/2010 z RURAL 21


1 EM TODOS OS PROCESSOS DA FAZENDA, DESDE A PRODUÇÃO DAS MUDAS (1), PASSANDO PELA COLETA SELETIVA (2) E TAMBÉM PELO PROCESSAMENTO DAS CEREJAS DESCASCADAS (3), A PREOCUPAÇÃO COM A PRESERVAÇÃO DAS RESERVAS AMBIENTAIS (4) DA PROPRIEDADE ESTÁ SEMPRE PRESENTE.

da, mercado afora. Aplicado essas práticas na produção em pouco tempo, o retorno estava garantido. Em junho de 2007, a Califórnia foi auditada e tornou-se a primeira propriedade certificada UTZ, no Estado do Paraná. O sistema de rastreabilidade da UTZ Certified assegura práticas de cultivo responsáveis do ponto de vista social e ambiental, em áreas como a higiene, a boa gestão do solo e o uso de pesticidas e fertilizantes nas culturas de café, cacau e na produção de chocolate. Além disso, a certificação trata da manutenção de registros, da segurança do trabalhador e acertos trabalhistas, assim como o acesso à educação e aos serviços de saúde. No Brasil, 140 propriedades estão certificadas UTZ. A cada negociação, o comprador paga um prêmio ao produtor pelo café certificado. “E o mais importante é que uma fazenda, após implementar a certificação, começa a obter redução de custos ao longo dos anos, devido ao uso das boas práticas agrícolas, por exemplo, o manejo integrado de pragas, onde são monitoradas e auditadas anualmente, e com isso obtendo o melhoramento contínuo e o alavancamento da produção”, explica o engenheiro agrônomo Eduardo Sampaio e representante da UTZ no Brasil. Sistema agronômico

4 22

RURAL

julho/2010

Entretanto, o proprietário menciona que é preciso destacar que o sistema implantado na fazenda não é orgânico e sim agronômico. Há no mercado uma produção orgânica que acaba distorcendo quanto à questão de sustentabilidade. “Nós fazemos os três alicerces de


3

2 Aposta na qualidade de vida e condições de trabalho dos funcionários. Esse é o ponto fundamental para a conquista de excelência de produção. Especiais do Norte do Paraná, o processo de certificação de propriedades de café, faz parte da estratégia do projeto para melhorar o preço do produto no mercado interno e externo. “Essa propriedade está num estágio mais avançado, não só de infraestrutura, mas também de profissionalismo de

LUIS SALDANHA: “DESDE A AQUISIÇÃO, A PROPRIEDADE PASSOU POR REFORMAS EM TODOS OS TALHÕES DE PLANTIO”.

Wilson Vieira/Videografic

produção: o econômico, o social e ambiental. O nosso código de boa utilização de produtos, com o manejo de pragas e doenças, é utilizado respeitando o meio ambiente. Nada mais é do que adoção de um sistema boas práticas agronômicas”, enfatiza Luiz Roberto. A partir deste sistema, eles também conquistaram prêmios como o de Qualidade 2009 e de Sustentabilidade 2009, promovendo um sistema de boas práticas agrícolas (aplicação da ciência agronômica em seu mais alto grau de conhecimento) aliado à promoção da conservação ambiental e do incremento da Qualidade de Vida no Trabalho. Neste ano, a fazenda recebeu o Prêmio Destaque de Sustentabilidade do Café do Paraná. O título contemplou a propriedade que mais se destacou na prática da sustentabilidade ambiental, social e econômica. Concorreram à premiação todas as propriedades participantes da etapa estadual do Concurso Café Qualidade Paraná 2009, promovido pelo Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater). Para o consultor do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/PR), em Jacarezinho, Odemir Capello e gestor do Programa Cafés

julho/2010 稀 RURAL 稀 23


seu proprietário. Provavelmente, isto fará com que outras sigam o caminho, ou seja, será usada como exemplo”, pontua Capello. “Os benefícios diretos teríamos aqueles relacionados à agregação de valor em função do maior valor recebido pelo produto com consequente aumento da rentabilidade da atividade em si, e ao Para o gestor do Sebrae/PR, Odemir Capello, a acesso a mercapremiação recebida pela Fazenda Califórnia mostra dos com aumento a importância de se investir na elevação da qualidade da vantagem comdos cafés produzidos na região do norte pioneiro. petitiva em rela“Graças ao comprometimento e à mudança de ção aos produpostura dos cafeicultores, hoje o café produzido na tores convencioregião está se tornando referência nacional e nais de café. Esse internacional. A melhoria da comercialização do diferencial para o produto exige mudanças dentro e fora da porteira. ano de 2010 tem Investimentos em qualidade, inovação, certificação variado de R$ da produção, gestão profissional das propriedades, 5,00 a R$ 10,00 associativismo e infraestrutura são estratégias que por saca de café auxiliam nesse processo”, analisa. “Ser diferente não beneficiado”, jusé inventar e sim aproveitar o que existe aqui com tifica o proprietárelação aos fatores climáticos, como chuva, rio. temperatura média, entre outros fatores. Estamos Ele ainda comcriando uma nova forma de agregar valor ao nosso pleta que enquanproduto”, diz. to consumo de caDe acordo com o proprietário da Fazenda fé tradicional cresCalifórnia, o norte do Paraná é uma região abençoada, ce a taxas entre possui solos férteis e planos, chuva em abundância 1% e 2% ao ano, o e um clima favorável ao amadurecimento do café. mercado de cafés “Está aí a receita perfeita para produção de cafés de especiais dentre qualidade. Estudos recentes do Instituto Agronômico os quais os susdo Paraná (Iapar) demonstram que o equilíbrio de tentáveis crescem atributos é uma característica marcante dos cafés a taxas de dois especiais da Região, ou seja, um balanço perfeito dígitos ficando enentre corpo, doçura, acidez e sabor residual, com tre 12% e 15%, notas marcantes de aroma e sabor de chocolate, aproximadamente. caramelo e floral”, esclarece Luiz Saldanha. “Isso ainda é pouco porque a base absoluta é pequena, mas mostra a força desse mercado. Na verdade é tudo uma questão de educação do consumidor, e por estarmos na era da informação acho um caminho praticamente sem volta, cada vez a exigência por qualidade aumenta”. 萀

O café diferente

24

RURAL

julho/2010


Revista Rural