Issuu on Google+

Ano 02

095/2011 1649 pessoas receberam este informativo

A Cultura não é feita de momentos. É preciso investimentos, dedicação e renovação.

Limeira, 16/10/2011

Artistas Limeirenses Aniversariantes

Marcos Lima Se você tem uma iniciativa cultural mande pra gente.. Estaremos divulgando !

A CULTURA SÓ SE MOVIMENTA NA BASE DAS AÇÕES. CRIE

MOBILIZE

17/10 Rafael Músico

FAÇA PROJETOS

rEiNvEnTe SONHE

DIVULGUE SEU TRABALHO

Estamos no Twitter ►►►

18/10 Graciela Oliveira Bailarina

http://www.twitter.com/acarte_limeira

23/10 Rodrigo Muller Maestro

a

ACARTE NO ORKUT

COLABORE Não imprima este Jornal

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8791580505382414687

Os aniversariantes postados aqui fazem parte da comunidade da ACARTE no ORKUT. FAÇA PARTE DA NOSSA COMUNIDADE TAMBÉM


EDITAIS E PRÊMIOS Programa de Fomento aos Museus Ibram/2011 lança cinco novos concursos. O Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011, do Instituto Brasileiro de Museus, vinculado ao Ministério da Cultura (Ibram/MinC), lançou esta semana cinco novos editais. Nesta sextafeira (14) foram publicados, no Diário Oficial da União (Seção 3, Página 20), o Edital Modernização de Museus – Microprojetos e o Prêmio Pontos de Memória 2011. As inscrições de ambos vão até 27 de novembro. Ontem, foram publicados os prêmios Mario Pedrosa, Ibram de Enredos e Ibram de Roteiros Audiovisuais. Estes editais estão com inscrições abertas até 26 de novembro. Na página do Ibram é possível consultar a íntegra de todos os editais que fazem parte do programa. No total, são mais de R$ 16 milhões em recursos financeiros para prêmios e projetos relacionados à construção e modernização de museus; ao incentivo a artistas contemporâneos; à divulgação do tema museu em diversas mídias; e ao apoio a iniciativas e experiências de memória social desenvolvidas por comunidades e grupos populares. Esses recursos são resultado de emendas parlamentares apresentadas pelo Congresso para o orçamento do Fundo Nacional de Cultura/MinC. Consulta aos editais O Edital Modernização de Museus – Microprojetos consiste em selecionar e premiar 50 iniciativas voltadas para a preservação do patrimônio museológico, implementadas por instituições museológicas ou mantenedoras de museus. O Prêmio Pontos de Memória 2011 busca reconhecer iniciativas de práticas museais e de processos dedicados à memória social que se identifiquem com a perspectiva da museologia social, da diversidade sociocultural e da sustentabilidade, no âmbito do Programa Pontos de Memória, do Instituto Brasileiro de Museus. Ele é voltado para grupos étnicos-culturais tais como indígenas, afro-descedentes, ciganos, ribeirinhos, quilombolas, rurais, urbanos, de periferia, cultura litorânea, comunidades brasileiras no exterior, entres outros. Quanto aos demais editais, o Prêmio Ibram de Roteiros Audiovisuais 2011 visa premiar 18 roteiros inéditos para produção audiovisual com 60% de ambientação em museus brasileiros e vinte produções de mídias digitais com argumentação museológica. São cinco categorias: Roteiro de Longa Metragem; Roteiro de Curta Metragem; Roteiro de Documentário; Roteiro de Cine-TV e Produção de Mídias Digitais. Os prêmios variam de R$ 5 mil a R$ 100 mil. O Prêmio Mario Pedrosa é voltado para trabalhos jornalísticos veiculados na mídia impressa nacional e que tiveram como tema “Mulheres, Museus e Memórias”. São três prêmios de R$10 mil; R$7 mil e R$5 mil para os 1º, 2º e 3º lugares, respectivamente. Já o Prêmio Ibram de Enredos consiste em selecionar e premiar até 34 enredos carnavalescos com o tema “Museus, Memória e Criatividade”. Cada prêmio é de R$ 15 mil. Também estão abertos os editais Modernização de Museus, que seleciona projetos para modernização dos espaços museais e cujas inscrições podem ser feitas até 13 de novembro; Mais Museus, com inscrições até 18 de novembro e que visa o conveniamento de projetos para a implantação de museus em municípios com menos de 50 mil habitantes e sem instituição museológica instituída; e Criação e Fortalecimento de Sistemas de Museus, voltado para entidades públicas nos âmbitos municipal, estadual e distrital e que visa o apoio à estruturação, modernização e fortalecimento do Sistema Brasileiro de Museus. As inscrições para o Edital de Criação e Fortalecimento de Sistemas de Museus segue até 18 de novembro. Novos lançamentos Para a próxima semana estão previstos os lançamentos dos dois últimos editais do Programa de Fomento aos Museus Ibram 2011, chegando a um total de dez editais. São eles: Prêmio Ibram de Arte Contemporânea, que busca ampliar e estimular práticas artísticas contemporâneas a partir da premiação de obras, e o Prêmio Darcy Ribeiro, que está em sua quarta edição e é voltado para práticas de educação não-formais que visem a convergência entre cultura, arte e educação com o objetivo de contribuir para ampliar o acesso da sociedade às manifestações culturais e ao patrimônio cultural brasileiro. O prêmio Darcy Ribeiro é destinado a instituições museais públicas não vinculadas à

estrutura do Ministério da Cultura, órgãos ou entidades públicas que possuam em sua estrutura unidades museais, e instituições museais de direito privado sem fins lucrativos. Os interessados em participar de qualquer um dos editais devem fazer a inscrição pelo Programa SalicWeb. Dúvidas poderão ser esclarecidas pelo email fomento@museus.gov.br. http://www.cultura.gov.br/site/2011/10/14/editas-e-premios/


X Festival de Apartamento (Campinas/SP) Arte da Performance Sábado - 02/07/2011 a partir das 20:30h Entrada Franca, mas uma garrafa de vinho será muito apreciada. Organização:

OFICINA CULTURAL CARLOS GOMES Thaíse Nardim Ludmila Castanheira RECEBE PROJETOS ATÉ ORodrigo FINAL DO MÊS DE Emanoel Fernandes OUTUBRO/2011. Anfitrião: Flávio Rabelo

A Oficina Cultural Carlos Gomes, unidade da Secretaria de Estado Saudável Casa Subversiva - Campinas da Cultura informa que está recebendoRua até Nair o final do mês de outubro/2011, Pimenta da Silva, 905 projetos culturais para oficinas, workshops, seminários e eventos Bairro:palestras, Residencial Terra Nova de formação de público a seremDistrito realizados no 1ºGeraldo Semestre de 2012 nas de Barão - Campinas/SP áreas de teatro, dança, música, artes plásticas, fotografia, cinema, moda, rádio, literatura, gestão cultural, patrimônio histórico, cultura geral e meio ambiente. Os interessados deverão enviar os projetos conforme roteiro anexado juntamente com currículo artístico/profissional atualizado contendo dados para contato. Todos os projetos serão avaliados e entre os critérios de avaliação estão à clareza da proposta juntamente a sua justificativa e forma de execução do cronograma. Os projetos deverão ser enviados ao seguinte endereço de email: carlosgomes@oficinasculturais.org.br Para mais informações: OFICINA CULTURAL CARLOS GOMES Rua Senador Vergueiro, 122 (1º Piso) - Centro- Limeira/SP 19 3442.9857 e 3495.1028 carlosgomes@oficinasculturais.org.br www.oficinasculturais.org.br

VOCÊ ESTA PENSADO EM REGISTRAR SUAS MÚSICAS ? ACESSE: http://www.musica.ufrj. br/index.php?option=c om_content&view=arti cle&id=97&Itemid=129 E SAIBA MAIS..


OFICINA DE POLÍTICAS CULTURAIS Dias e horários da Oficina: 04/11 - 18:30 às 22:30 h 05/11 - 8:00 às 12:00 h 11/11 - 18:30 às 22:30 h

VAGAS LIMITADAS

INSCRIÇÕES: Escola SENAC Limeira - Fone: 19 - 2114.9199 Haverá entrega de certificado.


FESTIAFRO CHEGA À SEXTA EDIÇÃO E OFERECE R$ 11 MIL EM PREMIAÇÕES Festival de música popular abre inscrições; pelo edital, apenas composições com temática da cultura afro brasileira podem concorrer Criado para fomentar produções musicais e discutir o preconceito racial e as conquistas do povo negro através da magia da música, o Festival Nacional de MPB “FestiAFRO”, com temas relativos à cultura afro brasileira, está com inscrições abertas até o próximo dia 24, com premiação de R$ 11 mil. A organização do evento é da Prefeitura, por meio da Secretaria da Cultura, e as inscrições são gratuitas, podendo ser realizadas pessoalmente, por correio ou de forma eletrônica. As apresentações musicais ocorrem nos dias 19 e 20 de novembro, às 20h, no Teatro Vitória. Segundo edital do festival, o material necessário para inscrição é ficha devidamente assinada, gravação das músicas em CDs, cinco cópias digitadas das composições, três apresentações simples do mapa de palco. As músicas devem ser inéditas – que nunca tenham se apresentado nos festivais realizados no município. Cada músico pode se inscrever com até três composições, mas apenas uma pode ser selecionada pela equipe de triagem. Nenhum intérprete defende mais do que uma canção. O material deve ser enviado para: VI FestiAFRO – Secretaria da Cultura – Rua Senador Vergueiro, 122 – Centro – Limeira / SP – CEP: 13480 005. Quem optar pelas inscrições virtuais, o endereço eletrônico é: festiafrodelimeira2011@gmail.com. Neste caso, todas as solicitações do edital devem ser enviadas em apenas um e-mail, colocando no assunto os nomes das músicas inscritas. Não serão aceitas inscrições virtuais que chegarem através de mensagens fragmentadas. Do total de músicas inscritas, serão selecionadas 20, sendo dez de Limeira e as demais de todo o país, que formam as semifinalistas do FestiAFRO, apresentadas ao público na noite da semifinal, 19. Serão classificadas dez músicas para a final, 20, que serão reapresentadas. Formam o quadro de finalistas dez músicas, sendo cinco de Limeira e o mesmo número na categoria nacional. A metodologia das apresentações é uma novidade nos festivais organizados em Limeira, já que, geralmente, há duas semifinais. Segundo o idealizador do evento e secretário da Cultura, José Farid Zaine, a medida foi adotada para oferecer ajuda de custo maior aos classificados e acirrar o espírito do festival e também proporcionar aos limeirenses classificados verba para que possam participar do projeto. Aos músicos da cidade classificados, a ajuda de custo será de R$ 200. Para os que vierem de fora, o valor varia de R$ 200 a R$ 400. “Trata-se de um novo formato para que possamos observar como será a resposta do público. O que fica garantido é que a qualidade do evento e o alto nível das apresentações estarão mantidos”, disse Farid. Os interessados em participar do FestiAFRO devem acessar o site: www.festivaisdobrasil.com.br para ler o regulamento e baixar a ficha de inscrição.


FONTES DE FINANCIAMENTO E FOMENTO UM TEMA CRUCIAL PARA A CULTURA Para estimular as potencialidades do setor cultural, assim como garantir a realização das ações previstas no Plano Nacional de Cultura, faz-se necessário um compromisso com o aumento do volume de recursos públicos destinados à cultura, assim como a diversificação dos mecanismos de fomento e financiamento a projetos culturais. Entre as metas do PNC previstas para este tema, está a que determina um aumento em 37% dos recursos públicos para a cultura, em relação ao PIB até 2020. Esta meta refere-se ao compromisso com o aumento dos recursos públicos dedicados à cultura no Brasil. O montante de recursos públicos das três esferas de governo para a cultura passou de 0,13% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2003 para 0,19% do PIB em 2010. Isso representa um crescimento de 46% em 7 anos. Considera-se necessário e factível o crescimento de 37%, acima do crescimento do PIB, dos recursos governamentais destinados à cultura nos próximos 10 anos. É importante acrescentar que no aumento previsto de 37% não estão incluídos os recursos provenientes das leis de incentivo fiscal. Esta meta propõe um aumento real dos recursos aplicados pelo Governo Federal, Estados e municípios (não incluindo recursos incentivados) em cultura. Objetiva-se, ainda, um aumento que vá além do PIB. Também se pretende disponibilizar mais recursos ao setor por meio do mecanismo de incentivo fiscal a pessoas físicas ou jurídicas que doarem ou patrocinarem projetos culturais aprovados pelo MinC. A meta que traduz este compromisso é a que prevê o aumento em 30% dos recursos federais para incentivo fiscal à cultura, em relação ao PIB. Esta meta refere-se ao aumento da renúncia fiscal do governo federal para uso pelo mecanismo de incentivo fiscal das leis federais. Os mecanismos de incentivo fiscal a pessoas físicas ou jurídicas que doarem ou patrocinarem projetos culturais aprovados pelo Ministério da Cultura compõem, com os recursos diretos, importantes fontes de financiamento da área da Cultura. Atualmente, existem dois mecanismos federais de incentivo fiscal, estabelecidos nas leis n° 8.313/91 (Lei Rouanet) e n° 8.685/93 (Lei do Audiovisual). Da mesma forma que se pretende ampliar os recursos diretos, por meio do fortalecimento dos fundos de cultura, deseja-se que a captação de recursos de renúncia fiscal seja reforçada, garantindo que mais projetos com perfil para este tipo de financiamento sejam viabilizados. A meta propõe um aumento real, ou seja, que o recurso deve crescer 30% acima do crescimento do PIB. Tendo como base o valor atual do PIB, na proposta da meta haverá um aumento da renúncia para R$ 1.688.498,00. No mesmo sentido, entre as metas do PNC para 2020, está a utilização de 10% do Fundo Social do Pré-Sal para a cultura, o que deve aumentar, substancialmente, os recursos disponíveis pata o setor. Essa meta refere-se ao montante de recursos do Fundo Social do Pré-Sal a ser direcionado para uso exclusivo da cultura no país. A Lei nº 12.351/10 instituiu o regime de partilha para a produção de petróleo do pré-sal e o Fundo Social (FS). O FS, criado pelo artigo 47 desta lei, é de natureza contábil e financeira, vinculado à Presidência da República, com a finalidade de constituir fonte de recursos para o desenvolvimento social e regional, na forma de programas e projetos nas áreas de combate à pobreza e de desenvolvimento: I – da Educação; II – da Cultura; III – do Esporte; IV – da Saúde Pública; V – da Ciência e Tecnologia; VI – do Meio ambiente; e VII – de Mitigação e adaptação às mudanças climáticas. A destinação de recursos desse Fundo para o setor cultural é importante estratégia de diversificação dos mecanismos de fomento à cultura e representa importante complemento ao financiamento ofertado pelo Ministério da Cultura. http://pnc.culturadigital.br/


PROCULTURA SÓ ENTRARÁ EM VIGOR A PARTIR DE 2013, DIZ SECRETÁRIO Elaborado pelo Ministério da Cultura com a participação popular para substituir a Lei Rouanet, o ProCultura (Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura) só deve entrar em vigor, na melhor das hipóteses, em 2013. A expectativa é do secretário de Fomento e Incentivo à Cultura do ministério, Henilton Parente de Menezes. Segundo Menezes, a reforma da atual lei de incentivo à cultura, em vigor desde 1991, é complexa e exigirá habilidade dos parlamentares responsáveis por redigir um texto capaz de gerar o mínimo de insatisfação entre os diferentes segmentos afetados pelas mudanças. Para ele, unanimidade é algo quase impossível de se obter no tema. - Esse projeto certamente não será sancionado pela presidenta da República este ano. O secretário falou sobre a mobilização de grupos de teatro pela criação do Prêmio Teatro Brasileiro, previsto em PL (projeto de lei) encaminhado pelo ministério ao Congresso Nacional. Já aprovado pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados, o PL 6.722/2010 está sendo analisado na Comissão de Tributação e Finanças, de onde seguirá para a Comissão de Constituição e Justiça e, em seguida, para o Senado. - Supondo que o projeto seja votado ainda no primeiro semestre de 2012, algo que eu acho factível, nós só conseguiremos implantar a lei em 2013. Uma lei como essa, que se refere à renúncia fiscal, só pode entrar em vigor no exercício fiscal subsequente. Ele enfatizou que, além da sanção presidencial, a implementação da nova lei exigirá um período de transição devido ao número de projetos culturais sendo executados com base na legislação em vigor. - Teremos algo em torno de 12 mil projetos [culturais] sendo executados com base na legislação atual. Serão de dois a três anos de transição para que estes projetos sejam concluídos. Quanto ao Prêmio Teatro Brasileiro, o secretário considera normal e positivo que os grupos teatrais tenham se mobilizado para garantir mais recursos para o setor. Menezes não discordou sequer do argumento de que o prêmio pode ser uma forma de o Estado reassumir seu papel de gestor dos recursos públicos obtidos por meio das leis de renúncia fiscal, mas ressalvou que isso vai depender da redação final da lei.

- De certa forma, eles [grupos teatrais] têm razão. Só é preciso lembrar que, atualmente, 25% dos recursos obtidos por meio de renúncia fiscal vão para as artes cênicas. Podemos ter um prêmio bem desenhado, que favoreça a desconcentração dos recursos, ou um prêmio que continue beneficiando os grupos do Rio de Janeiro e de São Paulo, que, hoje, já ficam com 80% dos recursos disponíveis. Para o secretário, o importante é discutir a ampliação dos recursos destinados ao Fundo Nacional de Cultura, mecanismo por meio do qual o Ministério da Cultura investe em projetos culturais e que, para este ano, dispõe de apenas R$ 204 milhões, enquanto o total a ser movimentado este ano por meio da Lei Rouanet chega a R$ 1,35 bilhão. - O projeto de lei prevê que o Fundo Nacional de Cultura será equiparado ao valor da renúncia fiscal. Defendemos a ampliação dos valores destinados ao fundo, mas, para isso, temos que encontrar formas de torná-lo mais atraente para os empresários. Com o fundo, o ministério poderá distribuir os recursos de forma muito mais equilibrada por todo o país. Relator do projeto de lei na Comissão de Tributação e Finanças da Câmara dos Deputados, o deputado Pedro Eugênio (PT-PE) informou que apresentará uma primeira versão de seu relatório durante um seminário agendado para o próximo dia 8 de novembro. - Estamos conversando com os setores de vários segmentos artísticos, e não só do teatro, dialogando com os ministérios da Fazenda e da Cultura e, em breve, apresentaremos uma primeira versão do relatório. O prêmio para o teatro já está incluído no projeto de lei e eu mesmo sou favorável a sua manutenção. Qualquer artigo [do projeto de lei], no entanto, pode ser aprovado ou suprimido nas comissões. O deputado, assim como o secretário, destacaram que ainda não há definição quanto a valores e critérios de premiação, nem sobre a fonte dos recursos necessários. Isso e a possível criação de prêmios para outras manifestações artísticas, garantem eles, vai depender das discussões no Congresso Nacional.

Fonte:


PATROCÍNIO CULTURAL NA ERA DA CONVERGÊNCIA Os abalos sísmicos provocados pela convergência digital e pela crise econômica internacional têm reflexos diretos na indústria cultural e no investimento privado em cultura. A indústria busca maneiras de se reinventar, traçar novos modelos de negócio, evitando o alastramento da asfixia sofrida pelo mercado fonográfico para outros setores como audiovisual, mídia impressa e radiodifusão. Os novos empreendimentos criativos, que surgem em forma de redes, ambientes colaborativos e metodologias de gestão não lineares, são a cada dia incorporados pela indústria, pela mídia e por um novo mercado do entretenimento, que se consolida como ferramenta de promoção de causas sociais e ambientais. No campo corporativo, a instabilidade não está restrita aos fluxos de capital, mas também aos elementos simbólicos que compõem uma marca e sua relação com diversos públicos de interesse. Estratégias de criação, desenvolvimento e manutenção de marcas tornam-se cada vez mais complexas e difíceis, sobretudo pelos novos processos de mediação, emaranhados e, ao mesmo tempo, líquidos. O investimento em cultura ganha uma nova perspectiva, pois tira a marca do pedestal, inserindo-a na dinâmica cultural, no cotidiano dinâmico e instável da contemporaneidade. Marcas são códigos culturais complexos. Carregam sentido e significado em redes e comunidades constituídas dentro de uma nova cultura da convergência. O patrocínio cultural aproxima e interage de forma proativa e diferenciada com essa nova realidade. Experiência de marca e reputação em contato direto com as novas metodologias de convivência e construção do imaginário. Ao agregar valores, conceitos, atitudes, as marcas promovem um novo jeito de ser, se articular e dialogar com o consumidor e o cidadão dessa nova era, antenado, participante, ativo. Cada vez menos público-alvo e mais sujeito. O investimento cultural privado precisa ser compreendido como inovação, inteligência, transcendendo o mecenato empresarial tradicional, para a configuração de ações e relações orgânicas, conscientes e efetivas com a sociedade. Novos vetores são incorporados à gestão de marca, muito além da constituição de elementos simbólicos impostos por força e vontade dos meios de comunicação de massa, a partir da manipulação dos mitos e códigos culturais do nosso tempo. Marcas são mais do que ideias prontas, acabadas, impostas à sociedade. São construídas no dia-a-dia, na relação direta com o cidadão. São também projetos político-culturais, que exigem discursos coesos, estruturados, proativos; estruturas que garantam coerência e efetividade a esses discursos; com diálogo aberto, articulado, capaz de ouvir e incorporar fãs, críticos e consumidores-partícipes ao processo de construção e experimentação de marca. Marcas contemporâneas podem avançar para uma relação direta, não mediada, e de confiança com seus públicos. Para isso, é preciso: • Reconhecer, valorizar e promover a diversidade cultural. • Respeitar os direitos culturais dos cidadãos, não apenas o acesso ao conhecimento, mas também a liberdade de expressão. • Fortalecer a cultura local, sem impor o global. • Promover o diálogo, a partir de redes e telas convergentes. • Garantir o protagonismo e a participação dos agentes envolvidos. O patrocínio cultural avança e oferece oportunidades concretas de estabelecer esse contato direto, porém protegido e resguardado por relações de confiança e prestígio entre artistas, ou produtores culturais e seu público. A o ambiente e atmosfera tradicionais de associação de marca são agregados os valores de compromisso social, comunicação de rede e experiência de marca, tornando o patrocínio cultural umas das ferramentas mais eficazes para promover a transição do tradicional ao contemporâneo. Fonte: http://www.culturaemercado.com.br/pontos-de-vista/patrocinio-cultural-na-era-daconvergencia/

a


MINC COLOCA EM RISCO O INVESTIMENTO DO DINHEIRO PÚBLICO VIA LEI ROUANET O Ministério da Cultura, com a publicação da nova portaria 83, em uma ação antidemocrática, desqualifica pareceristas e reduz valores pagos para análise de projetos que pleiteiam recurso com dinheiro público em mais de 400%, induzindo os pareceristas a pedirem descredenciamento e fazendo com que projetos que pleiteiam recursos públicos sejam analisados novamente internamente ou por profissionais não qualificados. A quantidade de projetos inscritos na Lei Rouanet, vem crescendo ano a ano, até o final de 2009, uma quantidade enorme de projetos através da Lei Rouanet, perderam suas possibilidades de patrocínio em função do atraso na avaliação dos projetos, chegando a demorar mais de 6 meses para sua aprovação. Existem milhares de projetos já realizados desde 2006, sem qualquer avaliação de sua realização, prestação de contas e para onde foi o investimento do dinheiro público, bem como milhares de projetos que pleiteiam recursos públicos com valores super faturados e proponentes sem nenhuma capacidade de realização. O Minc através de um edital de credenciamento realizado em 2009 e 2010, selecionou especialistas para montar um Banco de Pareceristas, habilitados a examinar projetos que postulem verbas da Lei Rouanet e com isso ter a disposição os profissionais mais qualificados do setor cultural nas mais diversas áreas e segmentos. Com o credenciamento de pareceristas, no final de 2009, projetos passaram a ser publicados em menos de 2 meses, bem como centenas de projetos já realizados obtiveram seus pareceres favoráveis ou não. Com a nova portaria, publicada no dia 12/09 no diário oficial, o Minc entre outras definições, como conteúdo a ser abordado no parecer, prazos de emissão do parecer (10 dias), sanções em caso de descumprimento das regras, numa atitude arbitrária reduziu absurdamente o valor pago para emissão de pareceres técnicos em projetos culturais do Programa Nacional de Apoio à Cultura (Pronac). Os pareceristas possuem notória especialização em suas áreas de análise, representam o que mais há de democrático no que diz respeito a avaliação de projetos culturais no Brasil, pois são profissionais do mercado que não tem envolvimento direto com qualquer governo e sim com o zelo do investimento dos recursos públicos e com a cultura, contribuindo para uma análise imparcial, técnica e isenta de influências políticas ou governamentais, o que só vem a contribuir para o profissionalismo e ética da cultura no Brasil, um avanço nas avaliações de projetos culturais que pleiteam recursos públicos, profissionais das mais diversas regiões, contribuindo para a democratização das análises. Estes profissionais assinaram um Termo de Compromisso com o Ministério da Cultura, vinculados entre outras coisas à uma tabela de valores que foi disponibilizada no ato da inscrição do edital de credenciamento, depois de quase 2 anos em vez um reajuste na tabela, publicam uma queda drástica nos valores. Uma análise de um projeto requer horas e horas de concentração e além da carga horária é um trabalho de desgaste mental, pois trata se de análise criteriosa sobre conteúdo, objetivos, justificativa, democratização do acesso, acessibilidade, ficha técnica, documentação e histórico do proponente, marketing e planilha de custos. Edital de credenciamento http://www.cultura.gov.br/site/2009/07/13/edital-de-credenciamento-n%C2%BA-12009/ Tabela de valores (a qual todos os profissionais foram credenciados) http://www.jusbrasil.com.br/diarios/8049311/dou-secao-1-02-09-2010-pg-45 Nova tabela de valores (com reduções de mais de 400%) http://www.jusbrasil.com.br/diarios/30440638/dou-secao-1-12-09-2011-pg-4 Fonte: http://www.culturaemercado.com.br/pontos-de-vista/minc-coloca-em-risco-oinvestimento-do-dinheiro-publico-via-lei-rouanet/#.TpR47ZWAi6c.facebook

Criança desaparecida. Informações para: (016) 3274-5156

Jacson Andrade e-mails para: douglas@fiap.com.br


CULTURA LIMEIRA Centro de Formação do Professor dá vida ao Salão Limeirense de Arte Contemporânea Vinte e sete artistas com 69 trabalhos, entre obras e projetos, estarão disponíveis para apreciação do público a partir desta sexta-feira, 14, às 20h, no Centro de Formação do Professor, com o retorno do Salão Limeirense de Arte Contemporânea (Slac), chegando às 25ª edição. A realização é da Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Cultura, com o apoio do Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura e Oficina Cultural Carlos Gomes. A entrada é gratuita. No total, os artistas concorrem aos R$ 10,5 mil em prêmios. Na noite de abertura, serão conhecidos aqueles que tiveram seus trabalhos destacados pela equipe de curadoria, formada por Cláudio Cretti, Fernanda Lopes e Juliana Monachesi. Além dos prêmios, o coordenador do Slac e diretor da Escola de Cultura e Artes e Bibliotecas, Juraci Rodrigues Soares Requena, adiantou que haverá duas menções honrosas. “Isso mostra que a qualidade dos trabalhos inscritos surpreendeu os profissionais que analisaram às 259 produções que chegaram”, disse. Secretário da Cultura, José Farid Zaine contou que o Slac retornou com aprovação popular. “Muitos artistas se inscreveram e acreditaram no nosso trabalho, o que nos deu mais segurança na primeira fase do projeto. Agora, a equipe da cultura está mobilizada para a montagem do salão, que está sendo estudada desde que as obras selecionadas foram conhecidas”. A curadoria aconteceu no dia 11 de setembro, na sede da Secretaria da Cultura. A montagem do salão ocorre nesta quinta e sexta, em tempo integral. Cerca de dez funcionários participam dessa etapa do Slac. “Agora, a exposição sai do papel e ganha vida”, destacou Requena. Durante o Slac, workshops acontecem com a curadoria. No dia 15, das 15h às 17h, Cretti e Fernanda trazem “Arte e Seus Meios – Tradição na Contemporaneidade?”. E, no dia 29, também das 15h às 17h, ocorre a palestra “Práticas da Apropriação, da Colagem e da Citação na Arte Contemporânea”, com Juliana. A entrada é gratuita e os interessados devem se inscrever na Oficina Cultural, localizada na Rua Senador Vergueiro, 122 – Centro.

Salão Limeirense de Arte Contemporânea (Slac) Abertura: 14 de outubro de 2011, às 20h, no Centro de Formação do Professor (Rua João Kühl Filho, s/nº - ao lado do Museu da Joia – Parque Cidade de Limeira). Exposição até: 30 de outubro. Horários: De segunda a segunda, das 9h às 21h. Agende participação da sua escola, comunidade ou faculdade: (19) 3442 6539. Realização: Prefeitura de Limeira, por meio da Secretaria da Cultura. Apoio: Governo do Estado de São Paulo, Secretaria de Estado da Cultura e Oficina Cultural Carlos Gomes. Informações gerais: (19) 3451 0502. Fonte: http://culturalimeira.blogspot.com/2011/10/centro-de-formacao-do-professor-davida.html

a


ESCOLA DE DANÇA GLAUCIA BILATTO Matrículas abertas para baby-class (crianças a partir de 4 anos), turmas aos sábados das 11:00 ao 12:00h, início dia 15/10/2011, vagas limitadas...

Fone: [19] 3451.5164 www.inflaveis.com.br

Maiores Informações: 3702-0378 Escola de Dança Glaucia Bilatto SENAC Limeira (19) 2114-9199

Instrumentos Musicais Limeira – SP Av. Piracicaba, 450 Vila São João Caso você queira contribuir com algum tema, ou tenha alguma dúvida, entre em contato conosco! Faremos o possível para auxiliá-lo.

ACARTE Associação Cultural dos Artistas e Técnicos de Limeira CONTATOS: e-mail: acartelimeira@gmail.com BLOG ACARTE: http://acartelimeira.blogspot.com/

Fone: (19) 3704-7200


JORNAL CULTURAL ACARTE - 095