Page 1

Ano 02

098/2011 1649 pessoas receberam este informativo

A Cultura não é feita de momentos. É preciso investimentos, dedicação e renovação.

Limeira, 06/11/2011

Artistas Limeirenses Aniversariantes

Marcos Lima Se você tem uma iniciativa cultural mande pra gente.. Estaremos divulgando !

A CULTURA SÓ SE MOVIMENTA NA BASE DAS AÇÕES. CRIE

MOBILIZE

08/11 Ragi Abib Artes Cênicas

FAÇA PROJETOS

rEiNvEnTe SONHE

DIVULGUE SEU TRABALHO

Estamos no Twitter ►►►

10/11 Sérgio Moreira Músico/Apres. TV

http://www.twitter.com/acarte_limeira

11/11 Carolina Magosso Artes Cênicas

ACARTE NO ORKUT

COLABORE Não imprima este Jornal

http://www.orkut.com.br/Main#Profile?uid=8791580505382414687

Os aniversariantes postados aqui fazem parte da comunidade da ACARTE no ORKUT. FAÇA PARTE DA NOSSA COMUNIDADE TAMBÉM


O Programa Usinas Culturais, proposto pelo Ministério da Cultura no âmbito do Fórum Direitos e Cidadania da Presidência da República, tem por finalidade a realização de investimentos em infraestrutura e programação cultural em áreas de alta vulnerabilidade social, visando especialmente: • • •

o exercício dos direitos; a promoção dos valores da cidadania e da diversidade cultural; o desenvolvimento local e regional por meio da economia criativa.

O Fórum Direitos e Cidadania tem por objetivo debater, propor e articular ações relacionadas à redução da desigualdade, à valorização da diversidade sociocultural e étnica, à garantia dos direitos humanos e ao fortalecimento dos valores de cidadania e da autonomia das pessoas. O Programa Usinas Culturais será realizado nos 134 municípios brasileiros e o Distrito Federal com maiores números de homicídios, incluindo as 26 capitais, o Distrito Federal, municípios do entorno e interior do país, com ações voltadas para as seguintes temáticas prioritárias do Fórum: • • •

valorização da juventude negra promoção da autonomia das mulheres valor ambiental: educação e reciclagem

No período 2011/2014 está prevista a construção de 201 Usinas Culturais, sendo que nesse primeiro processo de habilitação serão elencadas 135 propostas, atendendo a todos os municípios e o Distrito Federal. O preenchimento da Carta de Habilitação pode ser feito até 14 de novembro de 2011. Apresentação: http://www.cultura.gov.br/usinas/index.php?option=com_phocadownload&view=cate gory&id=1&Itemid=5 Carta de Habilitação: http://www.cultura.gov.br/usinas/index.php?option=com_ckforms&view=ckforms&id =2&Itemid=3 Fonte: http://www.cultura.gov.br/usinas/


X Festival de Apartamento (Campinas/SP) Arte da Performance

IPEA PUBLICA NOVO ESTUDO Sábado SOBRE- 02/07/2011 O PROGRAMA a partir das 20:30h CULTURA VIVA Entrada Franca,

PONTOS DE CULTURA: PROGRAMA masOLHARES uma garrafaSOBRE de vinhoOserá muito apreciada. CULTURA VIVA Organização: Thaíse Nardimé uma fundação de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) Castanheira vinculada à Secretaria deLudmila Assuntos Estratégicos da Rodrigo Emanoel Fernandes

O Instituto pública federal Presidência da República. Suas atividades de pesquisa fornecem suporte técnico e institucional às ações governamentaisAnfitrião: para a formulação e Flávio Rabelo reformulação de políticas públicas e programas de desenvolvimento brasileiros. Os trabalhos do Ipea são disponibilizados para a sociedade por Saudável Casa Subversiva - Campinas meio de inúmeras e regulares publicações e seminários e, mais Rua Nair Pimenta da Silva, 905 recentemente, via programa semanal de TV em canal fechado. Bairro: Residencial Terra Nova Distrito de Barão Geraldo - Campinas/SP

Pontos de Cultura: olhares sobre o Programa Cultura Viva é mais um exemplo da tradição do Ipea de apoio e divulgação de trabalhos que contribuem com o debate e a ampliação de conhecimento a respeito de políticas públicas. A proposta dos organizadores foi apresentar ao público, em uma única publicação, parte das análises produzidas recentemente sobre o tema das políticas culturais que estavam dispersas em forma de dissertações de mestrado, teses de doutorado, relatórios de pesquisa e artigos. O resultado é um livro-quadro que representa parte do esforço em colocar sob perspectiva e à luz da crítica as experiências vividas em torno do Programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura (MinC), e também conhecido por abrigar os Pontos de Cultura. Fica, assim, demonstrado o apreço do Ipea pela pesquisa feita sob diferentes enfoques metodológicos, orientações teóricas e estilos argumentativos. Baixe o Livro: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/livros/livro_pontosdecultura. pdf

VOCÊ ESTA PENSADO EM REGISTRAR SUAS MÚSICAS ? ACESSE: http://www.musica.ufrj. br/index.php?option=c om_content&view=arti cle&id=97&Itemid=129 E SAIBA MAIS..


FUNARTE SP ABRE INSCRIÇÕES PARA OFICINAS DE CAPACITAÇÃO EM ARTES CÊNICAS Atividades integram o Programa de Capacitação Artística e Técnica em Artes Cênicas, que realiza este ano 136 oficinas em várias regiões do país Publicado em 3 de novembro de 2011 A Fundação Nacional de Artes (Funarte) está com inscrições abertas para seis oficinas de capacitação artística e técnica em artes cênicas na cidade de São Paulo. A programação, que em São Paulo abrange neste momento ações em teatro e dança, faz parte do Programa de Capacitação Artística e Técnica em Artes Cênicas, viabilizado por meio do Centro Técnico de Artes Cênicas (CTAC) e das Coordenações de Teatro, Dança e Circo do Centro de Artes Cênicas da Funarte. As oficinas de São Paulo têm início na primeira semana de novembro e são gratuitas. Veja, a seguir, quais são elas e como se inscrever. Oficinas do Programa de Capacitação Artística e Técnica em Artes Cênicas Complexo Cultural Funarte São Paulo. Alameda Nothmann, 1.058, Campos Elíseos. Tel (11) 3662-5177 Gratuitas http://www.funarte.gov.br/funarte/funarte-sp-abre-inscricoes-para-oficinas-decapacitacao-em-artes-cenicas/


EDITAL DO 16º CULTURA INGLESA FESTIVAL INSCRIÇÕES ABERTAS Você conferiu o curta-metragem 2 no 15º Cultura Inglesa Festival? Ou se divertiu com O Mistério no Expresso do Oriente, a peça infantil inspirada no clássico da Agatha Christie? Esses e tantos outros eventos que fizeram parte do #15CIF nasceram e foram viabilizados pelo 15º Edital Cultura Inglesa Festival. E agora é chegada a hora de preparar novos espetáculos para brilharem na próxima edição do Festival! Se você é admirador da cultura do Reino Unido, é a sua hora de criar. Estão abertas as inscrições para o Edital do 16º Cultura Inglesa Festival. Mais de R$ 500 mil serão distribuídos entre os 15 projetos selecionados. Os trabalhos podem concorrer nas categorias teatro adulto, teatro infantil, artes visuais, cinema digital e dança. . Como se inscrever A ficha de inscrição, o projeto e demais documentos (comprovante de residência, declaração Padrão e declaração de participação) devem ser entregues pessoalmente ou enviados pelo correio (via SEDEX) para o endereço: Rua Ferreira de Araújo, 741 – 3º andar. O regulamento completo, as declarações e a ficha de inscrição você encontra nos links abaixo. As inscrições estão abertas até o dia 8 de novembro. Participe! Dúvidas? Acesso nosso Google Moderator para enviar suas perguntas. http://www.google.com/moderator/#15/e=c2cdf&t=c2cdf.40&f=c2cdf.5478b8 Regulamento: http://significa.com.br/_extranet_/downloads/16cifregulamento.doc Declaração Padrão: http://significa.com.br/_extranet_/downloads/16cifdeclaracaopadrao.doc

Demais informações: http://festival.culturainglesasp.com.br/prepare-o-seu-projeto-para-o-edital-do16%C2%BA-cultura-inglesa-festival/4502


MAESTRO RODRIGO MÜLLER RECEBE PRÊMIO DE PROFISSIONAL DESTAQUE DO ANO Destinado geralmente a profissionais do campo empresarial, prêmio entregue pelo Rotary Clube Limeira Norte celebrou desta vez a área artística da cidade Pelo reconhecimento de seu trabalho junto à Orquestra Sinfônica de Limeira (Osli) e Escola Livre de Música (ELM), o maestro Rodrigo Müller foi homenageado na noite de ontem, dia 26 de outubro, com o recebimento do prêmio de “Profissional de destaque do ano pelos serviços prestados à comunidade limeirense”. O certificado foi entregue pelo Rotary Clube Limeira Norte, em evento realizado na sede da entidade. Ao longo dos 16 anos de sua trajetória frente aos trabalhos da Orquestra Sinfônica de Limeira, o maestro Rodrigo Müller recebeu diversos prêmios de reconhecimento. Apesar de ser natural de Rio Claro, cidade vizinha à Limeira, o maestro costuma dizer que se considera limeirense, pois foi aqui que recebeu apoio e oportunidade de desenvolver seu trabalho de músico e maestro a convite do então secretário da Cultura, José Farid Zaine, em 1995. Destinado geralmente a profissionais ligados ao ramo do comércio e empresarial, o protocolo de premiação deste ano contou com uma exceção ao selecionar um profissional da área artística para receber o certificado. “Fico muito contente de ser homenageado e mais feliz de saber que isso é fruto de um trabalho desenvolvido por muitas pessoas que acreditam em mim e colaboram para que cada vez mais a Orquestra Sinfônica de Limeira e a Escola Livre de Música sejam reconhecidas pela população limeirense”, considera Müller. Entre os prêmios já recebidos pelo maestro, estão: Título de “Parceiro da Cultura”, entregue pelo Governo do Estado de São Paulo em 1998 pelos trabalhos realizados no Projeto Guri, onde foi professor nos polos de Limeira (1999 a 2002) e Júlio Prestes (2001 a 2002); “Troféu Limeira”, entregue pelo Poder Legislativo de Limeira em 2004 em reconhecimento ao seu trabalho frente à Orquestra Sinfônica de Limeira e formação por meio da Escola Livre de Música; “Troféu Fumagalli”, em 2007, também relacionado ao trabalho junto à orquestra e escola de música e Título de “Cidadão Limeirense”, concedido pela Câmara Municipal de Limeira no ano passado. Felipe Furlanetti Assessor de Comunicação Orquestra Sinfônica de Limeira 9283-2114 / 3451-2750 oslimeira@yahoo.com.br www.sinfonicadelimeira.com


QUANDO O ESTADO QUER SER MERCADO Já não temos uma noção clara de como o Estado pode atuar de maneira consistente na area da cultura, suprindo o vácuo histórico em relação à sua responsabilidade constitucional de garantir direitos e liberdades culturais a todos os cidadãos: condição básica de cidadania em qualquer sociedade avançada. O campo de batalha em torno das políticas públicas de cultura tornou-se mera disputa por financiamento. A nova política cultural anunciada pelo governo Lula nasceu para ampliar o escopo de atuação da cultura. O artista, sobretudo o consagrado pelo mercado e pelas políticas liberais do passado, deixaria de ser o beneficiário principal dos incentivos do Estado. O desafio era descentralizar, estimular o protagonismo da população brasileira. Sem dinheiro, estrutura e capacidade de gestão para alcançar pretensiosa meta, o Estado atuou diretamente na construção de novos setores, organizados e legitimados para brigar pelo Erário, concentrado nas mãos dos tradicionais produtores de cultura do eixo Rio-São Paulo. Sem uma arquitetura de gestão pública alternativa, deixou de atuar em função e à favor do mercado para atuar como o mercado, com seus formatos consagrados e seus vícios: priorizar a visibilidade da operação em detrimento da prioridade; exigir contrapartidas além da atividade cultural, garantir o foco de atenção para a marca patrocinadora (nesse caso, o governo). Foi inaugurada a era do marketing cultural governamental. Cultura popular, pontos de cultura, griôs, ciganos, cultura digital, GLBTs e um sem-número de “setores” antes alijados do financiamento tradicional à cultura entraram na arena, como reconhecimento a todas as formas de cultura, além das artes e letras. O frágil e fácil instrumento utilizado para celebrar as mais diversas colorações da nossa diversidade cultural foi o balcão de financiamento. O edital tornou-se sinônimo de política cultural, conferindo um ar de celeridade, lisura, transparência e critério na divisão do bolo. Como tecnologia importada do setor privado, o edital foi criado para ativar marcas em torno da repercussão gerada pelo conjunto das ações culturais patrocinadas. O patrocinador ganha no atacado e no varejo: ele dá as cartas, coloca a comunidade cultural a seu serviço e ativa sua marca em vários momentos, da convocatória à entrega do produto, passando pelo anúncio dos resultados. Se é bom para o mercado, pode ser melhor ainda para o Estado.

O efeito simbólico dessa nova “política” foi extraordinário, ampliando a percepção da imensa riqueza cultural da periferia, dos grotões e do fora do eixo. Por outro lado, apresentou sua faceta neopopulista. Zonas conceituais cinzentas, regulamentos pouco consistentes e comissões julgadoras comprometidas com o poder possibilitaram o escoamento de verbas para interesses de grupos partidários, movimentos e igrejinhas organizados para abocanhar seu naco desse novo “mercado”, anabolizado pelo Estado. O gestor público age como uma espécie de cool-hunter, que se apropria dos modos de vida, das falas e dos jeitos das comunidades para, em seguida, traduzir isso tudo em discurso oficial competente. Publicidade, road-shows, blogs, redes sociais e uma forte relação com a mídia garantem que números distorcidos e teses mal traçadas ganhem força, com o aval dos setores contemplados com o dinheiro público. De caráter personalista, essas propostas não sobrevivem ao segundo mandato. Sem critérios e metodologias, são esculpidas para valorizar os poucos e bons por trás do balcão que distribui recursos. Esses, por sua vez, responsabilizam o Estado pelo caos do financiamento público à cultura. A democracia, o sistema político e a legislação vigente seriam incompatíveis com as inovações propostas. Qualquer semelhança com o mercado é mera coincidência. Assim como o Estado neoliberal virou refém da Lei Rouanet, o neopopulista se coloca a reboque de um complexo e caótico modelo de participação, que inclui conferências, colegiados, conselhos, câmaras setoriais, fóruns, comissões, grupos de trabalho, consultas públicas e até mesmo redes. O simulacro da cidadania se faz no contraponto e na sobreposição dessas diferentes instâncias. O capitalismo de Estado, na área da cultura, impede a geração de novos modelos de gestão, tanto no âmbito público quanto no privado, pois assume o comando de uma atividade que deve funcionar de maneira aberta, livre e democrática. Enquanto isso, a infraestrutura e a prestação de serviços culturais ao cidadão, função primordial do Estado, são deixados de lado. As infinitas oportunidades de estímulo à criatividade e à diversidade cultural proporcionadas pelas profundas mudanças ocorridas na economia brasileira e nos modos de produção cultural, poderão ser desperdiçadas. * Publicado originalmente na revista ANTRO POSITIVO. Fonte: http://www.culturaemercado.com.br/pontos-devista/quando-o-estado-quer-ser-mercado/


PRÓXIMO TEMA CANÇÕES À L’ACARTE MÚSICAS AUTORAIS DE ARTISTAS LIMEIRENSES a

UMA LINDA AMOSTRA DA PRODUÇÃO MUSICAL DE LIMEIRA

A


a

NOVEMBRO

MÊS DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Criança desaparecida. Informações para: (016) 3274-5156

Jacson Andrade e-mails para: douglas@fiap.com.br


CULTURA LIMEIRA FestiAfro Terminou a triagem que ouviu de forma minuciosa as mais de 70 músicas que chegaram com a tentativa de participação dentro da sexta edição do Festival Nacional de MPB com temas relativos à cultura afro brasileira “FestiAFRO”. O evento acontece nos dias 19 e 20 de novembro, às 20h, no Teatro Vitória, com organização da Prefeitura de Limeira, através da Secretaria da Cultura. A entrada é franca. Foram recebidas mais de 70 músicas na primeira fase do projeto, a de inscrições. A maioria das canções enviadas é de São Paulo, Santa Catarina e Rio de Janeiro. Porém, confirmaram participações dentro do FestiAFRO cinco estados brasileiros: São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Mato Grosso e Goiás. De Limeira, 26 inscrições chegaram, mas apenas sete foram classificadas. Idealizador do projeto e secretário da Cultura, José Farid Zaine explicou que não foram atingidas as dez músicas limeirenses, pois algumas composições não falavam sobre o tema afro. “O Festival celebra a história da cultura negra e compositores de músicas que fugiram ao tema foram rigorosamente desclassificados”. No total, apresentam-se no FestiAFRO 17 músicas, sendo dez de todo o Brasil e sete de Limeira, concorrendo aos R$ 11 mil em prêmios. Segundo Farid, gêneros diferentes da MPB estarão presentes nas apresentações ao vivo do festival. “Temos rap, samba e maracatu, uma pluralidade de estilos musicais que fará a diferença neste ano”. Do município, a maior parte dos intérpretes classificados participa pela primeira vez de um festival, desde que a realização dos festivais voltou a acontecer, no ano de 2005, na administração de Silvio Félix. Trio Patinhas, Família Salve, Cipriana Villa e Banda Akazzus debutam em festivais. Os outros três classificados, Milena Massaro, Toc Percussivo e Silvanei Bonfim, já participaram de eventos do gênero (FestiAFRO, Canta Limeira e Musical Ecológico de Limeira – MEL). Na disputa nacional, quase todos já passaram por Limeira e voltarão para mostrar novos trabalhos, agora ligados à cultura afro. “Composições fortes que marcarão, com certeza, o sucesso do nosso evento. Pesquisas e estilos que celebrarão um povo que significou e significa tanto para o fortalecimento da nossa própria história”, finalizou Farid. VEJA OS CLASSIFICADOS DE LIMEIRA: Banda Toc Percussivo – Caboclo de Lança. Trio Patinhas – Nocaute Família Salve – Break Grafite Milena Massaro – Laranjeira Cipriana Villa – Coisas do Meu Brasil Silvanei Bonfim – Do Mundo Para o Morro Banda Akazzus – Incolor Veja os classificados de todo o Brasil: Ruthe Glória – Certeza Tavinho Limma – Tudo é maracatudo! Thiago Augusto – Abençoado Guidi Vieira - Samba do Pé Ivânia Catarina – Galanga Rei Diorgem Júnior – Enquanto Seu Lobo Não Vem Cristoilma – Tribo de Xangô Zeca Barreto e André Fernandes – Erê Odara Ronai Nava – Olé-Lê-Sabiá Flávio Freire – O Canto de Xangô para Yemanjá Nos próximos dias, a organização do FestiAFRO confirma os nomes dos jurados e das participações de artistas convidados. Outras informações podem ser obtidas no telefone da Secretaria da Cultura, (19) 3451 0502. Ronald Gonçales

a


Fone: [19] 3451.5164 www.inflaveis.com.br

SENAC Limeira (19) 2114-9199

Instrumentos Musicais Limeira – SP Av. Piracicaba, 450 Vila São João Caso você queira contribuir com algum tema, ou tenha alguma dúvida, entre em contato conosco! Faremos o possível para auxiliá-lo.

ACARTE Associação Cultural dos Artistas e Técnicos de Limeira CONTATOS: e-mail: acartelimeira@gmail.com BLOG ACARTE: http://acartelimeira.blogspot.com/

Fone: (19) 3704-7200

JORNAL CULTURAL ACARTE - 098  

ARTE, CULTURA, EDITAIS

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you