{' '} {' '}
Limited time offer
SAVE % on your upgrade.

Page 1


XVI Congresso da ABPI X Encontro Internacional de Estudos Italianos V Jornada de Italianística da América Latina III Seminário Internacional sobre a obra de Andrea Camilleri

ITÁLIA E BRASIL: LÍNGUAS E CULTURAS EM CONTATO Homenagem aos 750 anos do nascimento de Dante Alighieri Homenagem aos 40 anos da morte de Pier Paolo Pasolini Homenagem aos 90 anos de Andrea Camilleri Homenagem aos 25 anos da morte de Alberto Moravia

FORTALEZA (CE) – 26 A 30 DE OUTUBRO DE 2015 HOTEL SONATA DE IRACEMA

Realização: ABPI – Associação Brasileira de Professores de Italiano Universidade Federal do Ceará – UFC Universidade Federal do Paraná – UFPR Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ Universidade de São Paulo – USP Apoio: Alma Edizioni CAPES Casa de José de Alencar Edilingua Disal Istituto Italiano di Cultura di San Paolo


2

ABPI – DIRETORIA DO BIÊNIO 2013-2015 Presidente: Vice-presidente: Tesoureiro: 1ª Secretária: 2ª Secretária: Relações Públicas: Conselho Fiscal:

Profa. Dra. Lucia Sgobaro Zanette (UFPR) Prof. Dr. Fabiano Dalla Bona (UFRJ) Profa. Dra. Paula Garcia de Freitas (UFPR) Profa. Dra. Karine Marielly Rocha da Cunha (UFPR) Profa. Dra. Elisabetta Santoro (USP) Prof. Dr. Mauro Porru (UFBA) Profa. Dra. Flora de Paoli Faria (UFRJ) Prof. Dr. Hilário Antônio Amaral (UNESP) Profa. Dra. Márcia de Almeida (UFJF)

COMISSÃO ORGANIZADORA DO CONGRESSO Prof. Dr. Carlos Alberto de Souza (UFC) Prof. Dr. Fabiano Dalla Bona (UFRJ) Prof. Dr. Mauro Porru (UFBA) Prof. Dr. Rafael Ferreira (UFC) Prof. Dr. Yuri Brunello (UFC) Profa. Dra. Elisabetta Santoro (USP) Profa. Dra. Karine Marielly Rocha da Cunha (UFPR) Profa. Dra. Lucia Sgobaro Zanette (UFPR) Profa. Dra. Maria José Santa Rosa (UFC) Profa. Dra. Paula Garcia de Freitas (UFPR)

COMISSÃO CIENTÍFICA Prof. Dr. Luiz Ernani Fritoli (UFPR) Profa. Dra. Celina Maria Moreira de Mello (UFRJ/CNPq) Profa. Dra. Flora de Paoli Farias (UFRJ) Profa. Dra. Lúcia Fulgêncio (UFMG) Profa. Dra. Márcia de Almeida (UFJF) Profa. Dra. Paola Giustina Baccin (USP) Profa. Dra. Roberta Barni (USP)

COMISSÃO DE AVALIAÇÃO DOS PÔSTERES Prof. Dr. Carlos da Silva Sobral (UFRJ) Profa. Dra. Márcia de Almeida (UFJF) Profa. Dra. Maria Célia Martirani Bernardi Fantin (UFPR)

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


3

Caderno de Resumos e Programação

Organização:

Fabiano Dalla Bona Karine Marielly Rocha da Cunha Lucia Sgobaro Zanette Paula Garcia de Freitas

Revisão:

Elisabetta Santoro Fabiano Dalla Bona Karine Marielly Rocha da Cunha Paula Garcia de Freitas

O conteúdo dos textos é de inteira responsabilidade dos autores.

© Os Autores

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


4

Apresentação

De 26 a 30 de outubro 2015, a Associação Brasileira de Professores de Italiano (ABPI) juntamente com a Universidade Federal do Ceara (UFC), a Universidade Federal do Paraná (UFPR), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e a Universidade de São Paulo (USP) realizarão em Fortaleza (CE) o XVI Congresso da ABPI, o X Encontro Internacional de Estudos Italianos e a V Jornada de Italianística da América Latina. Nesta ocasião serão lembrados os 750 anos do nascimento de Dante Alighieri, os 40 anos da morte de Pier Paolo Pasolini, os 25 anos da morte de Alberto Moravia e os 90 anos de Andrea Camilleri com o III Seminário Internacional sobre a obra de Andrea Camilleri. A realização deste evento múltiplo dá continuidade às propostas que a ABPI desenvolve desde 1980, ano da sua fundação, incentivando e ampliando as atividades dos italianistas no Brasil no intuito de cultivar e desenvolver o diálogo cultural entre Brasil e Itália. Dois países tão distantes geograficamente, mas tão próximos afetiva e culturalmente e que falam duas línguas irmãs. O Brasil que acolheu, principalmente nos últimos dois séculos, milhares de imigrantes italianos que deram vida à maior colônia italiana do mundo com, atualmente, cerca de 25 milhões de descendentes, deve a esses italianos muito de seu desenvolvimento, muita de sua criatividade, de sua gastronomia, de sua maneira de ser e, às vezes, de falar. Os imigrantes italianos que aqui chegaram devem ao Brasil a acolhida, o amparo, a terra, o espaço, a possibilidade de se misturar, de fazer parte, a possibilidade da descoberta do outro e da troca. Pensando em toda a riqueza de ideias e em toda a vitalidade deste encontro Brasil-Itália, neste ano foi proposto como tema do Congresso ABPI “Brasil – Itália: línguas e culturas em contato”. Mais do que nunca, este encontro e a troca entre estes dois países é necessária e com certeza dará bons frutos: a milenar cultura italiana é um dos pilares da cultura ocidental e o jovem Brasil é receptivo, atento, olha para frente sem perder de vista toda a bagagem do passado. Com uma estrutura que propõe conferências, minicursos XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


5

e apresentações de comunicações e pôsteres, os congressos da ABPI, e este XVI é um exemplo, são um momento de trocas, de tomadas de decisões e de propostas de novos desafios como, neste ano, o programa Idiomas sem Fronteira (IsF). Os pesquisadores, os estudantes de graduação e pósgraduação, principalmente brasileiros, italianos e sul-americanos, poderão expor as próprias experiências e propor atividades e soluções a velhos e novos problemas que se apresentem na troca entre Brasil e Itália em um processo de enriquecimento mútuo, de troca de opiniões e de debates. Em nome da atual diretoria da ABPI e da equipe organizadora do Congresso desejo a todos Bom encontro e bom trabalho!

Fortaleza 26 de outubro 2015

Lucia Sgobaro Zanette Presidente da ABPI – Gestão 2013-2015

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


6

RESUMOS ► ADRIANA IOZZI KLEIN (adriozzi@terra.com.br)

Docente

Universidade

de

São

Paulo/USP

As memórias difíceis: autobiografias intelectuais É indiscutível que os estudos sobre as escritas de si, particularmente sobre a autobiografia, têm visto nas últimas décadas um grande florescimento. Atentos às novas concepções teóricas, vários estudiosos mostram que as autobiografias são textos que não falam de seu autor, mas do processo artístico que dá forma ao texto autobiográfico, enfatizando assim os valores literários das obras estudadas mais do que as implicações gnoseológicas de inspiração pessoal. Tais pesquisas sublinham a diversidade e a ampla articulação das formas autobiográficas e, ao mesmo tempo, a complexidade do sujeito autobiográfico. Na Itália, por exemplo, observa-se nos últimos anos um modelo de composição autobiográfica que se repete em várias autobiografias intelectuais. Na realidade, como é nossa intenção demonstrar, em textos autobiográficos desse tipo desponta, ainda que de diferentes formas, uma comum rejeição do discurso autobiográfico em primeira pessoa que tenha de alguma forma um aspecto de completude revelando uma espécie de dificuldade do sujeito que escreve autobiografia. Essa renúncia à escrita autobiográfica em primeira pessoa surge em formas que, de diferentes maneiras, manifestam um frequente impulso a transformar o eu em um Si-mesmo como outro, para usar uma definição de Paul Ricoeur e, portanto, a reconhecê-lo por meio das páginas de livros dos outros ou do relato da vida dos outros. Palavras-chave: autobiografia intelectual; escritas de si; literatura italiana; gêneros e formas literárias. ► ADRIANA MARCOLINI (drimarcoli@gmail.com)

Doutoranda

Universidade

de

São

Paulo/USP

O Rio de Janeiro no olhar de De Amicis, Moravia e Bontempelli A cidade do Rio de Janeiro foi alvo de artigos publicados por Edmondo De Amicis, Massimo Bontempelli e Alberto Moravia. Farei uma análise e comparação entre os três textos. Palavras-chave: Rio de Janeiro; De Amicis; Bontempelli; Moravia. ► ALESSANDRA PAOLA CARAMORI – Docente – Universidade Federal da Bahia/UFBA (alecaramori@gmail.com) Políticas linguísticas e o ensino do italiano: O caso da imigração italiana na Bahia. O ingresso da língua italiana (LI) em diferentes comunidades ocorreu e ainda ocorre por diferentes razões. Uma delas é devido ao fenômeno da emigração que expatriou XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


7 milhares de cidadãos italianos para os mais longínquos lugares, transformando esse idioma e seus dialetos na língua de comunidades de italianos e de seus descendentes. Todavia, ainda, também por diferentes motivos, mas, sobretudo, pela ineficiência de políticas linguísticas, o ensino da LI não ocupa um espaço maior no contexto do ensino público brasileiro, nem ao menos, em regiões nas quais vivem, ainda hoje, cidadãos peninsulares. Desse modo, levando em consideração um dos fatores que os Parâmetros Curriculares Nacionais apontam como ponto de partida para a inclusão de uma língua estrangeira no currículo escolar, os fatores relativos às comunidades locais, é que se delineia esta comunicação. Uma vez que desejamos apresentar um projeto incipiente que busca promover o ensino da LI, inicialmente, nos munícipios baianos, Boa União, Itiruçu, Jaguaquara e Rio Seco (BENEDINI e ARQUILLA, 2015), onde a imigração italiana teve força, principalmente, durante o governo de Octávio Mangabeira e nos quais, nos dias atuais, é possível verificar a forte presença italiana. Palavras-chave: políticas linguísticas; ensino do italiano; imigração italiana. ► ALESSANDRA PAOLA CARAMORI – Docente – Universidade Federal da Bahia/UFBA (alecaramori@gmail.com) Curta o dicionário O projeto de pesquisa "Curta o Dicionário", desenvolvido no Instituto de Letras da UFBA, tem como objetivo a realização de um dicionário multimídia on-line gratuito de expressões idiomáticas extraídas de curta-metragens italianos atuais (preferencialmente da década de 10 do século XXI) e que estejam disponíveis na web. O que se espera hoje é que os dicionários possam apropriar-se cada vez mais das novas tecnologias e atingiam a multidimensionalidade. A partir de material audiovisual disponibilizado na web, por meio de software apropriado, é efetuado o processo de legendagem: marcação de tempo, transcrição das falas do idioma italiano e, finalmente, é feita a sua tradução para o português. Acreditamos que só um dicionário baseado em corpus tenha condições de controlar objetivamente o seu número de entradas, ao mesmo tempo em que seja capaz de fornecer ao utente um recorte vivo das expressões e das línguas tratadas. Nosso objetivo é apresentar as expressões idiomáticas italianas, traduzidas para o português, extraídas dos curta-metragens Mutande di Ricambio (2010) de Luca Merloni ; Dichiarazione d`amore (2010) de Filippo Giovannini e Mezz'ora non mi basta, de (2011) Laura Roventi. As expressões, em que pese a sua própria combinação interna, não podem ser apresentadas isoladamente. É através dos contextos de uso que atingimos o seu significado. Os resultados obtidos apontam, entre outras coisas, para a pluralidade nas escolhas tradutórias: mesmas expressões em italiano, por exemplo, foram traduzidas por diferentes expressões em português, enquanto expressões italianas diferentes encontraram equivalência na mesma expressão. Palavras-chave: expressões idiomáticas; legendagem; curta-metragem. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


8 ANA MARIA CHIARINI – Docente – Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (anachiarini@gmail.com) Tradutoras/personagens: buscando linguagens para os deslocamentos e para a vida Tradutoras/personagens: buscando linguagens para os deslocamentos e para a vida Mesa redonda - A Itália em seus textos: teoria e prática de tradução. Vários romances e contos têm intérpretes, tradutores e tradutoras entre os seus personagens, sendo o falsário Ermes Marana, de Se una notte d'inverno un viaggiatore (Calvino, 1979), talvez um dos exemplos mais famosos. Esta comunicação se insere em um projeto de pesquisa que se propõe a fazer um levantamento de tais narrativas, com ênfase nas produções italiana e brasileira, bem como a tecer uma análise dos retratos do tradutor e da tarefa/profissão da tradução que emergem dessas obras. Como um primeiro produto da pesquisa, este trabalho apresentará Camelia, que vive em Leeds, traduz manuais de instrução para máquinas de lavar e é a protagonista de Settanta acrilico trenta lana, de Viola di Grado (e/o, 2011), e Alice Versani, que vive em Paris, traduz romances e é a protagonista de A tua completa traduzione, de Ilaria Vitali (0111 edizioni, 2011). Os ensaios de Jhumpa Lahiri e Nancy Huston, duas escritoras que transitam pelo exílio e por mais de uma língua, serão alguns dos textos que fornecerão subsídios para a análise. Palavras-chave: retratos do tradutor; exílio. ► ANDREA CABRAL DE SOUZA GOMES – Doutoranda – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ – CNPq (andreabcabral@yahoo.com.br) L’uomo che guarda de Alberto Moravia O trabalho pretende examinar a relação conflitante entre pai e filho na obra L`uomo che guarda (1985), do escritor Alberto Moravia (1907-1990). Neste romance moraviano, o tema do núcleo familiar do protagonista chama a atenção, pois o relacionamento entre o personagem principal Edoardo e seu pai é permeado por tensões que podem ser percebidas através dos diálogos, onde predominam o conflito entre pai e filho. Para examinar o tema proposto, a discussão se embasa teoricamente em dois ensaios de Freud (1856-1939), precisamente Totem e Tabu (1913) e O estranho (1919). Estas obras serão importantes para compreendermos a noção do Duplo, Complexo de Édipo e a de Repetição. Além das obras de Freud, o estudo será embasado em Bourdieu (1930-2002), com a obra a Dominação Masculina (2011) para descrever a relação desigual de poder entre pai e mãe e depois pai e filho. Palavras-chave: Alberto Moravia; Dominação patriarcal; O estranho; Totem e Tabu . ► ANDREA LOMBARDI – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (lombardi.andrea@gmail.com) Dante trasgressivo. Haroldo de Campos traduttore di Dante Dante trasgressivo vuole sottolineare l´aspetto mistico, tramite un quarto livello di lettura che l´autore definisce "anagogico". L´indicazione di un livello mistico, dal suo XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


9 Convivio e dall´Epistola a Cangrande della Scala, allude a una zona di trasformazione del testo: zona, cioé, in cui il testo si afferma con forza sul lettore e opera una trasformazione (effettiva o metaforica), rovesciando il rapporto di subordinazione attribuito al testo da parte del lettore (suo interprete ed esecutore). Trasumanar significar per verba / non si poria spinge questo movimento all ´estremo, per superare i limiti dell’umano, confermando Il: fatti non foste a viver come bruti, del canto XXVI dell´Inferno. Si nota la ripetizione nel testo di un prefisso tras (trascolorare, trasmutare, traspasseare e, finalmente, trasumanar, già ricordato), che ispirerà a Haroldo de Campos la sua transcreazione nel tradurre Dante. Palavras-chave: trasgressione; Haroldo de Campos; teoria da tradução. ► ANNA PALMA – Docente – Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (floripalma@gmail.com) A coisa perdida: Agamben commenta Caproni (2011): analisi di una traduzione metatestuale. Sono venuta a conoscenza di questo libro, a cura di Aurora Fornoni Bernardini, grazie ad una studentessa di dottorato della Facoltà di Lettere della UFMG, che frequentava il mio corso su poetiche della traduzione. Lei l'aveva comprato perché pensava fosse, come dice il titolo, di Giorgio Agamben, autore la cui bibliografia fa parte del bagaglio critico utilizzato nella sua ricerca. In un secondo momento ha constatato invece che si trattava di un'antologia di poesie di Giorgio Caproni (Livorno, 1912 - Roma, 1990). Un inganno editoriale risultato per me fortunatissimo, motivandomi alla lettura e analisi di questa preziosa selezione di raccolte di poesie di Caproni tradotte con testo a fronte. L'analisi è condotta tenendo come riferimento principale la traduzione metatestuale, concetto con il quale Torop (2010) si riferisce alla traduzione di un testo in un'altra cultura. A tale scopo sono presi in considerazione tutti gli altri testi, verbali e non verbali, che accompagnano l'opera tradotta non solo come paratesto presente nella stessa pubblicazione, ma anche sottoforma di recensioni, di pubblicità, di commenti critici ecc. divulgati in diversi media. I risultati terranno conto del pubblico in Brasile considerato come lettore modello (Eco, 2003) dalla curatrice e traduttrice e dalla casa editrice. Si cercherà infine di presentare il libro nell'interezza della sua poetica, sottolineandone la sensibilità traduttiva, come il rispetto della corporalità dei versi (Berman, 2007), della loro oralità (Meschonnic, 2010). Palavras-chave: Giorgio Caproni; metatestuale.

poesia;

poetica della traduzione;

traduzione

► ANNITA GULLO – Docente - Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (annitagullo@gmail.com) “Tutto il mondo è paese”: as novas dinâmicas socioculturais e linguísticas A partir da provocação do conhecido provérbio “Tutto il mondo è paese”, pretende-se abordar a polêmica que gira em torno das novas dinâmicas socioculturais e linguísticas na contemporaneidade. É inegável que o processo moderno da globalização deixa suas marcas nas várias culturas mundiais, e que, consequentemente, as novas tecnologias sejam responsáveis pelas mudanças na XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


10 forma como as pessoas se relacionam com o mundo. As línguas como o meio de comunicação mais utilizado, naturalmente, evoluíram. No caso da língua italiana – caracterizada pelo contato com uma grande diversidade cultural e linguística ao longo de sua história – essas mudanças são mais evidentes nos últimos sessenta anos. E considerando que a língua italiana tem sua origem na literatura, as transformações advindas do progresso da economia, dos contatos com outras culturas, e o contato com os novos meios de comunicação dão origem a preocupações polêmicas e divergências entre estudiosos italianos contemporâneos quanto à identidade da língua em uso. Estaria, então, a língua de Dante empobrecendo? Palavras-chave: língua italiana; identidade; literatura italiana. ► BENILDE SOCREPPA SCHULTZ – Docente – Universidade Estadual do Oeste do Paraná/UNIOESTE (perbeni@gmail.com) Visões dos Reinos de Congo, Matamba e Angola: danças, músicas e instrumentos A Istorica Descrizione de' tre regni Congo, Matamba et Angola, do padre Capuchinho Giovanni Antonio Cavazzi narra as peculiaridades da dominação portuguesa na costa ocidental africana. Ao elaborar o seu livro, apoia-se na sua observação pessoal dos fatos, nos relatos dos seus colegas missionários, em epistolas e cartas dos mesmos existentes em Luanda, em arquivos de Roma, dos conventos da Ordem por onde passou (na Bahia, em Pernambuco, em Lisboa e na Itália), além de incluir a tradição oral africana. Expõe, sobretudo, o trabalho dos Capuchinhos sediados na África entre 1645 a 1670, não deixando, entretanto, de divulgar a história, a geografia, a etnografia e os empreendimentos dos portugueses nos antigos reinos de Congo, de Matamba e de Angola. O mundo africano lhe é estranho, mas ao mesmo tempo o fascina e o seu olhar de missionário não consegue compreender uma sociedade distante dos princípios e valores éticos e morais aos quais está habituado. Para esta comunicação, apresentaremos a visão do missionário na descrição das cerimônias e danças religiosas e os nomes dos instrumentos relacionados à musica e dança, que entraram para a língua portuguesa e que Cavazzi toma emprestado à língua do quimbundo. Palavras-chave: Congo e Angola; Giovanni Antonio Cavazzi; missionários italianos; instrumentos musicais; rituais africanos. ► CARLOS ALBERTO DE SOUZA – Docente – Universidade Federal do Ceará/UFC (carlosalsouza@hotmail.com) A desesperança, a impotência e a resignação em Conversa na Sicília de Elio Vittorini: analogias identitárias Conversa na Sicília é permeada de desesperança e traz à tona a problemática que envolve os habitantes daquela região, deixando transparecer a impotência de seus personagens. Isso tem analogias evidentes com a configuração cultural das identidades regionais e subalternas nordestinas do Brasil. Vittorini tenciona despertar os seus leitores para os males do mundo (a guerra e os regimes autoritários), chamando-lhes atenção para o subdesenvolvimento em que se encontra o camponês de sua região, a Sicília, para os maus tratos aos quais estão submetidos os seus XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


11 compatriotas, para a inexistência de uma saúde pública atuante, e a ausência de saneamento básico tão necessário, enfim, da miséria reinante ali. Através da nossa apresentação visamos analisar, instituindo uma ponte ideológico-discursiva com a realidade nordestina do Brasil, o processo pelo qual Vittorini apresenta suas denúncias transportando o real para o ficcional, numa tentativa de despertar o leitor para a sua obrigação como ser social e co-responsável pela manutenção da ideologia e do regime politico-ideológico predominante no território italiano, como também passar a ser um crítico da sociedade na qual ele, leitor, está inserido. Palavras-chave: desesperança; conformação; impotência. ► CARLOS ANTÔNIO DE SOUZA PERINI – Graduando - Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (carlos.perini@gmail.com) Linguística aplicada e informática: a interseção das duas áreas na construção de um aplicativo para a formação de um banco de dados para suporte didático no ensino de LE A proposta deste trabalho é fazer uma interseção entre duas áreas de estudo, que são a linguística aplicada ao ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras (LE) e a informática, e nesse sentido construir um aplicativo online que permita a descrição linguística e a classificação de exercícios que possam ser utilizados para o ensino/aprendizagem de LE. Inseridos no banco de dados e linguisticamente classificados, os exercícios e textos didáticos podem ser posteriormente recuperados pelo mesmo aplicativo na forma de listas de exercícios. O material didático inserido no aplicativo pode ser catalogado pelo professor em duas categorias assim subdivididas: i) em agrupamentos de exercícios definidos pelo professor seja por nível de ensino e por cada etapa de aprendizagem ou por categoria linguística; e ii) também podem ser agrupados segundo o Quadro Comum Europeu de Referência (QCER), seguindo a classificação de habilidades linguísticas esperadas para estrangeiros, em cada nível de competência linguística. Ao permitir a seleção temática de exercícios para cada habilidade a ser desenvolvida, o aplicativo auxilia o professor na seleção e montagem de material didático adicional a ser oferecido aos alunos, o que evita que, no desenvolvimento didático do curso de LE, o professor fique preso somente ao livro didático; além disso, o aplicativo auxilia na classificação e na sequenciação do material didático de acordo com os critérios do QCER. Palavras-chave: descrição linguística de exercícios; QCER; especificação de requisitos de software; banco de dados; ensino/aprendizagem de italiano; suporte didático online do professor de LE. ► CARLOS DA SILVA SOBRAL – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (casobral@gmail.com) Pela palavra do outro O exame do texto literário a partir de práticas e estratégias de tradução como base para estudo da língua e da cultura italiana. O trabalho se apoia nas múltiplas vertentes dos estudos culturais para ler na gênese do prototexto a determinante emocional imanente em suas linhas. A abordagem multidisciplinar se abre ao relato de XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


12 tradutores, linguistas, sociólogos, psicólogos e psicanalistas e serve como suporte à reflexão para a construção didático-argumentativa. O elemento catalisador desta pesquisa está inscrito no limiar crítico da weltanschauung estilhaçada e da matriz determinante que qualifica o texto enquanto produto da manifestação de subjetividade dinamizada no lampejo dos insights criativos do autor. Palavras-chave: língua; dialeto; idioleto; tradução; sociolinguística. ► CAROLINA CRISTOVÃO DE MACEDO – Mestranda – Universidade de São Paulo/USP (carolina.macedo.prof@gmail.com) Princípios e procedimentos para a didatização de filmes Após décadas de suporte sobre o conceito de método no campo de ensino de línguas estrangeiras e em meio a uma busca do método ideal, os professores se viram desamparados para organizarem suas práticas em sala de aula ao se depararem com a rejeição de diversos teóricos do método como elemento estruturador de suas aulas. Sem uma reflexão teórica profunda, muitos resolveram fazer um recorte do que julgaram positivo nos métodos conhecidos, o que resultou em um padrão pouco coerente e, portanto, pouco profícuo. É nessa condição pós-método que nos inserimos atualmente, e à qual se adicionam outros tantos desafios que afetam o processo de ensino- aprendizagem de uma língua. Ao buscar uma alternativa ao formato precedente de coordenação das ações em sala de aula, propomos a didatização de filmes feita pelos próprios professores em seus respectivos contextos de ensino como uma possibilidade de atender à demanda do ensino de línguas de maneira coerente, ética e proveitosa. Para isso, é preciso refletir sobre questões teóricas que sejam capazes de sustentar, bem como explicar, a prática, tais como a Pedagogia do PósMétodo, teorizada por Kumaravadivelu, e o conceito de autenticidade, bem como procedimentos coerentes com tais prerrogativas para empoderar o professor em tal processo, quais as noções de didatização, tarefa e letramento crítico. Não pretendendo restringir as possibilidades pedagógicas para se ensinar uma língua a uma única proposta, o que se intenciona é ampliar as opções do professor e expandir sua autonomia. Palavras-chave: didatização; filme; pós-método; autenticidade. ► CELINA MARIA MOREIRA DE MELLO – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ – CNPq (jeank@domain.com.br) O poeta entre o literário, o político e a polêmica: a recepção de Dante, no romantismo francês Na história da recepção da obra de Dante, em França, um breve episódio se destaca. Apresentamos, em uma abordagem sócio-historica (Foucault, 1969; Chartier, 2014; Bourdieu, 1992) e discursiva (Maingueneau, 2004) uma leitura da polêmica, na imprensa francesa do período romântico, a respeito da biografia de Dante, d e autoria de Charles-Claude Fauriel (1772-1844), publicada na Revue des Deux Mondes em 1º de outubro de 1834. A pesquisa voltada para a circulação de autores, obras, estéticas e temas deve considerar, no que diz respeito às fontes, os veículos de publicação (Kalifa, Regnier, Thérenty & Vaillant, 2011) e a atuação dos mediadores culturais. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


13 Fauriel, historiador da cultura, linguista, erudito e crítico, assumira, em 1830, a cátedra de literatura estrangeira na Sorbonne. Considerado um dos fundadores da literatura comparada, ele transpõe para essa nova área de estudos seus vastos conhecimentos de filologia e gramática comparada. Em seus ensinamentos, um dos mais memoráveis foram as aulas sobre a obra de Dante, em 1833-1834. O poeta e escritor Alphonse Esquiros (1812-1876), em artigo publicado no periódico La France littéraire, critica o texto, afirmando outro método de leitura de uma obra literária, aquele que estabelece relações entre a obra de um poeta e a sociedade de seu tempo. Para além dos posicionamentos conflitantes em uma perspectiva da constituição da autonomia do campo literário, podemos ver o choque de grupos e veículos de publicação rivais, assim como ler um capítulo das narrativas de construção de identidades nacionais. Palavras-chave: Dante; mediadores culturais; recepção; romantismo francês. ► CRISTIANE MARIA CAMPELO LOPES LANDULFO DE SOUSA – Doutoranda – Universidade Federal da Bahia/UFBA (kristamma@hotmail.com) Políticas linguísticas e o ensino do italiano: O caso da imigração italiana na Bahia. O ingresso da língua italiana (LI) em diferentes comunidades ocorreu e ainda ocorre por diferentes razões. Uma delas é devido ao fenômeno da emigração que expatriou milhares de cidadãos italianos para os mais longínquos lugares, transformando esse idioma e seus dialetos na língua de comunidades de italianos e de seus descendentes. Todavia, ainda, também por diferentes motivos, mas, sobretudo, pela ineficiência de políticas linguísticas, o ensino da LI não ocupa um espaço maior no contexto do ensino público brasileiro, nem ao menos, em regiões nas quais vivem, ainda hoje, cidadãos peninsulares. Desse modo, levando em consideração um dos fatores que os Parâmetros Curriculares Nacionais apontam como ponto de partida para a inclusão de uma língua estrangeira no currículo escolar, os fatores relativos às comunidades locais, é que se delineia esta comunicação. Uma vez que desejamos apresentar um projeto incipiente que busca promover o ensino da LI, inicialmente, nos munícipios baianos, Boa União, Itiruçu, Jaguaquara e Rio Seco (BENEDINI e ARQUILLA, 2015), onde a imigração italiana teve força, principalmente, durante o governo de Octávio Mangabeira e nos quais, nos dias atuais, é possível verificar a forte presença italiana. Palavras-chave: Políticas linguísticas; Ensino do italiano; Imigração italiana. ► CRISTIANE MARIA CAMPELO LOPES LANDULFO DE SOUSA – Doutoranda – Universidade Federal da Bahia/UFBA (kristamma@hotmail.com) O ensino do italiano no Brasil: formação dos professores e currículo Desde a década de 90, o interesse dos estudiosos da Linguística Aplicada em pesquisar a formação dos professores de língua estrangeira vem aumentando, uma vez que a formação docente precisa ser compreendida e discutida como parte de um processo de desenvolvimento de qualquer que seja o país. Por isso, minha proposta de comunicação parte dessa premissa e visa apresentar dados preliminares de uma pesquisa de doutorado cujo objetivo é conhecer e analisar como vem sendo desenvolvida a formação de professores de italiano no Brasil. Para tanto, foram XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


14 examinadas as matrizes curriculares e as ementas dos cursos de licenciaturas em Letras com habilitação em língua italiana de algumas universidades públicas brasileiras com o propósito de averiguar se a composição curricular desses cursos possibilita uma formação docente crítica e reflexiva em conformidade com uma pedagogia intercultural. Pois, para repensar a formação do docente de línguas é necessário, primeiramente, conhecê-la para, se necessário, sugerir possíveis caminhos para o futuro. Para a concretização deste trabalho, o arcabouço teórico no qual me embasei contempla estudos que apresentam reflexões sobre o ensino do italiano, Chiarini (2005), Santipolo (2001,2006), Balboni (2002), Torquato (2014); formação de professores de línguas, Celani, (2001, 2004), Ortiz (2008, 2010) e Muller (2010); perspectiva intercultural, Kramsch (1993), Byram (2000), Bennet (2002), Cantoni, (2003), Aguado (2003), Mendes (2004, 2007, 2008), Siqueira (2008), Paraquett (2007, 2009, 2010,) e currículo, Gatti ( 2003, 2011) e Tadeu da Silva ( 2002, 2006, 2011). Palavras-chave: currículo; ensino do italiano; formação de professores; pedagogia intercultural. ► CRISTINA GRAFANASSI TRANJAN – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (crisgtranjan@globo.com) A arquitetura de Lina Bo Bardi no Brasil A arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914-1992) marcou a arquitetura no Brasil desde a sua chegada em nossas terras em 1946. Atuante em projetos de arquitetura e restauração, desenhos, mobiliários, revistas, design gráfico, cenografia, figurinos e ensino, Lina deixou um legado de obras como o MASP, SESC Pompeia, Casa de Vidro, Museu de Arte Moderna da Bahia, Teatro Oficina, entre tantos outros trabalhos. Nascida em Roma com o nome Achilina Bo e graduada na mesma cidade, é em sua estadia em Milão, de 1940 a 1945, que emergem duas marcantes características em sua vida profissional: a primeira passa pela pluralidade do seu trabalho e a segunda pela aproximação com as questões sociais nos programas que praticava. O desdobramento de seu talento foi confirmado no Brasil pelo reconhecimento da crítica brasileira e por parceiros com quem trabalhou como Marcelo Ferraz e Joaquim Guedes (Lelé). A crítica internacional também demonstra admiração por sua obra no Brasil. Por exemplo, o crítico espanhol e professor de arquitetura Josep Montaner, em seu livro "Modernidade Superada", coloca o projeto no Morumbi "A Casa de Vidro", de 1951, na mesma linha de importância da Casa de Vidro do arquiteto alemão Mies Van Der Rohe, dividindo com ele as questões racionais e estruturais da ousadia contemporânea da arquitetura e materiais. Refletir sobre a produção desta arquiteta italiana que um dia escolheu o Brasil para morar e aqui transformou sua obra em referência nacional e internacional torna mister o reconhecimento de sua pluralidade. Palavras-chave: Lina Bo Bardi; arquitetura; movimentos migratórios; Itália-Brasil. ► DANIELA APARECIDA VIEIRA – Doutoranda – Universidade de São Paulo/USP (daniela.apvieira@usp.br) Dos estilos de aprendizagem dos alunos à didatização de materiais para o ensino do italiano LE XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


15

O objetivo deste trabalho consiste em apresentar reflexões acerca dos estilos de aprendizagem dos alunos como aspectos a serem levados em conta no momento de selecionarmos e prepararmos materiais para o ensino do italiano língua estrangeira (LE). Sabe-se que o professor e o aluno são os principais agentes no processo de ensino-aprendizagem: o docente tem sua abordagem de ensinar, e o discente tem sua abordagem de aprender (da qual fazem parte seus estilos de aprendizagem). De acordo com Weisz (2000, p. 71), "a atividade de ensino do professor vai ter de dialogar com a atividade de aprendizagem do aluno", pois, caso contrário, como salientam Felder e Henriques (1995), o professor pode sentir-se incompetente, e o aprendiz pode sentir-se desmotivado. Baseando-nos nesses postulados teóricos, realizamos, como parte de nossa pesquisa de Doutorado, um trabalho com nossos estudantes de nível elementar do Italiano no Campus, curso de extensão universitária da FFLCHUSP: em uma classe com dez alunos, investigamos, por meio de questionários, observações realizadas nas aulas, entrevistas e gravações em áudio de algumas dessas aulas, os estilos de aprendizagem de nossos discentes, visando desenvolver uma abordagem de ensinar mais adequada a tais estilos e, consequentemente, selecionar e elaborar materiais que pudessem favorecê-los. Uma breve análise dos dados coletados mostrou que: todos os estudantes consideram importante saber como eles aprendem melhor uma LE; os estilos de aprendizagem podem ser discutidos e trabalhados na aula de língua; conhecê-los pode contribuir para o processo de didatização de materiais para o ensino do italiano LE. Palavras-chave: ensino do italiano LE; estilos de aprendizagem; materiais. ► DAVI DE SOUSA BARBOSA – Graduando – Universidade Federal do Ceará/UFC (davisouzabarbosa@hotmail.com) Palavrões na escrita de Camilleri: Il ladro di merendine Andrea Camilleri apresenta uma linguagem muito diversificada, composta de elementos que remetem à identidade dos personagens. Sabe-se que, nas obras que narram as histórias do Comissário Montalbano, o autor emprega língua italiana, línguas estrangeiras, dialetos sicilianos, socioletos, idioletos e também neologismos, formando um tecido único compondo o trinômio indissolúvel língua-cultura-identidade. Através de seu texto, Camilleri traz à tona a personalidade dos indivíduos ali representados e imprime a sua sicilianitude na sua escrita. Um dos elementos presentes na produção de Camilleri é o palavrão, isto é, léxico de ordem obscena, escatológica e/ou ofensiva. O presente trabalho tem como objetivos identificar o uso e a função dos palavrões na obra "Il ladro di merendine" e analisar a tradução destes termos na obra "O ladrão de merendas". Palavras-chave: Camilleri; palavrão; tradução. ► DAYANA LOVERRO – Doutoranda (dayanaloverro@gmail.com)

Universidade

de

São

Paulo/USP

A tradução intercultural à luz do modelo "Modalidades de tradução": estudo de caso XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


16 A tradução pode ser observada como um ato de comunicação que ocorre entre indivíduos e entre grupos sociais, assumindo posicionamentos frente a culturas, ideologias e diferentes pontos de vista. O modelo "Modalidades de tradução", de Francis Henrik Aubert, consiste em uma metodologia de pesquisa tradutológica derivada de conceitos elaborados por Vinay e Darbelnet acerca de procedimentos técnicos da tradução. Um dos principais diferenciais do modelo em questão liga-se à possibilidade de análise quantitativa e tipológica dos marcadores culturais evidenciados em uma tradução. A obra "Orfeo Negro", tradução italiana de "Orfeu da Conceição", de Vinicius de Moraes, foi publicada na Itália em 1961. A obra original, publicada no Brasil em 1956 com o subtítulo "Tragédia Carioca", alcançou sucesso significativo no âmbito literário e pela adaptação cinematográfica. Destaca-se pela reinvenção do mito de Orfeu no cenário dos morros do Rio de Janeiro entre as décadas de 1950 e 1960. Através da análise comparativa entre original e tradução, constituiu-se um corpus de termos e expressões que, observado através do modelo "Modalidades de Tradução", reflete marcas culturais. Este estudo pretende refletir sobre particularidades e aspectos interculturais evidenciados no cotejo, bem como analisar aproximações e afastamentos entre o texto de partida e o texto de chegada. Palavras-chave: marcadores culturais; diálogos interculturais; literatura comparada; tradução; Vinicius de Moraes; Orfeu da Conceição. ► DIEGO SILVEIRA COELHO FERREIRA – Mestre – Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (diegosilveiracf@gmail.com) O intelectual Carlos Nelson, tradutor brasileiro do "gramscismo" O intelectual Carlos Nelson, tradutor brasileiro do "gramscismo" Mesa redonda - A Itália em seus textos: teoria e prática de tradução O objetivo desta comunicação é discutir a trajetória de Carlos Nelson Coutinho enquanto intelectual e tradutor de Gramsci no Brasil. O trabalho se justifica por Coutinho ter sido o mais importante divulgador da obra do filósofo italiano no país, com participação na primeira tradução brasileira de Gramsci, ainda nos anos 1960, e, em especial, na primeira edição completa dos Cadernos do Cárcere no Brasil, a partir de 1999. A ideia é interpretar a prática tradutória de Coutinho como a ação política de um intelectual de esquerda que vê no aparato conceitual gramsciano uma possível chave de entendimento da realidade brasileira e de fomento para mudanças sociais profundas no país. Palavras-chave: intelectual; tradutor; Gramsci. ► DÓRIS NÁTIA CAVALLARI – Docente – Universidade de São Paulo/USP (doriscavallari@gmail.com) Tempo presente, a CCF e a CIA A revista Tempo Presente: informazione e discussione foi fundada em 1956, como uma das vozes do Congress for the Culture freedom (CCF ou Associação Européia pela Liberdade da Cultura), pelos amigos de longa data Ignazio Silone e Nicola Chiaromonte. Patrocinada pela Fundação Ford, a proposta da CCF era apoiar revistas de cunho internacional que publicassem textos de autores dispostos a avaliar questões literárias e sócio-políticas do mundo pós-guerra, traduzidos na língua XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


17 nacional do país das publicações. Tempo Presente caracterizou-se pela liberdade na seleção dos artigos e argumentos e preferiu ficar alheia aos estereótipos jornalísticos da época, fato que lhe causou vários problemas de distribuição da revista e o encerramento das edições quando veio à público que as publicações da CCF eram financiadas pela CIA, que repassava a verba para a Fundação Ford, e que na verdade destinavam-se a atuar como armas da Guerra fria no campo da cultura. Palavras-chave: Tempo Presente: informazione e discussione; Congress for the Culture freedom ; guerra-fria; Ignazio Silone; Nicola Chiaromonte. ► DÓRIS NÁTIA CAVALLARI – Docente – Universidade de São Paulo/USP (doriscavallari@gmail.com) La terzina perfetta della Commedia: commento di Chiaromonte su una terzina di Dante Così la neve al sol si disigilla, Così al vento nelle foglie lievi Si perdea la sentenza di Sibilla. Nel febbraio 1964 Chiaromonte pubblicò su Tempo Presente: informazione e discussione, rivista da lui diretta insieme a Ignazio Silone, il testo “Su una terzina di Dante”, nel quale valuta la terzina dei versi 64-66 del canto XXXIII del Paradiso dantesco e non solo tratta dell’emozione provocata dalla perfetta armonia di questi versi, ma riflette anche sul testo e sul contesto in cui furono scritti e sull’inevitabile richiamo all’impossibilità di trattenere il momento, data la limitata capacità umana, effimera e mortale, che non può esprimere l’assolutezza della “luce eterna”. Palavras-chave: Dante Alighieri; Nicola Chiaromonte; Paradiso; Tempo Presente. ► ELENA SANNA – Docente (esanna24@gmail.com)

Università

degli

Studi

di

Cagliari/UNICA

Traduzione, sottotitolazione, dialetti: la sfida del camillerese Lo scrittore italiano Andrea Camilleri, con un'originale ibridazione dell'italiano neostandard e del dialetto siciliano, ha creato una lingua con una propria identità: il camillerese. Questo linguaggio si ripropone in tutte le sue opere, tra le quali emergono le avventure del Commissario Montalbano, protagonista dei numerosi gialli che dal 1994 accompagnano il nome dell'autore e che hanno conquistato il piccolo schermo dal 1997. Le dimensioni nella quali si manifesta il camillerese sono principalmente due: quella diamesica e quella diafasica, fra loro strettamente correlate e indicative per la caratterizzazione dei personaggi. Il camillerese è una lingua che si manifesta soprattutto nella sfera dell'oralità tramite numerosi dialoghi. Essa riproduce quindi il senso del parlato, rimanendo comunque scritta. Se per uno studioso o un lettore il camillerese risulta essere una lingua da scoprire, per un traduttore, invece, rappresenta una vera e propria sfida, soprattutto nel campo della traduzione audiovisiva. Nel Regno Unito, le puntate della serie di Montalbano vengono trasmesse nella loro versione originale e tradotte tramite la tecnica della sottotitolazione. La sfida del sottotitolatore diventa duplice: egli dovrà infatti riprodurre le peculiarità dell'originale XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


18 (ove possibile), cercando inoltre di comprimerle in poche righe, costrette da inevitabili limiti di tempo e di spazio. La sottotitolazione risulta dunque essere condannata (più della traduzione letteraria) a una normalizzazione della lingua. Si procederà pertanto con l'esposizione delle problematiche e delle diverse soluzioni utilizzate durante la fase di sottotitolazione di alcuni degli episodi, condizionata dalla standardizzazione e dalle riduzioni determinate, come in tutti i sottotitoli, dai limiti prima. Palavras-chave: camillerese; sottotitolazione; riduzione. ► ELISABETTA SANTORO (esantoro@uol.com.br)

Docente

Universidade

de

São

Paulo/USP

Un confronto cross-culturale dei pattern nelle richieste in italiano e portoghese brasiliano La pragmatica cross-culturale o contrastiva si occupa del confronto tra le norme che regolano l'uso di due o più lingue inserite nel loro sistema culturale, partendo dall`idea che la scarsa conoscenza dell`altro limita la mutua comprensione e distorce l`interpretazione dei significati trasmessi. Si inserisce in questo contesto una ricerca sulle richieste in italiano e portoghese brasiliano, ideata all`interno di un gruppo di ricerca sulla pragmatica contrastiva, interculturale e interlinguistica, che si propone di riconoscere e confrontare pattern e strategie. I dati sono stati raccolti con un questionario online distribuito a informatori italiani e brasiliani e basato su situazioni che variano, soprattutto, in base a grado di imposizione e distanza sociale (Brown & Levinson, 1987). Ai partecipanti è stato chiesto di scrivere che cosa avrebbero detto in ciascuna delle situazioni presentate sotto forma di (1) Discourse Completion Test (DCT) aperto, nel quale era possibile scrivere senza alcun tipo di restrizione; e (2) scelta multipla, con cinque diverse opzioni di risposta elaborate a partire dalla proposta di Haverkate (1994). La rinuncia agli aspetti interazionali, che questo tipo di metodologie di raccolta dei dati necessariamente comporta, è compensata dal fatto che si può raggiungere un numero molto elevato di informanti, ottenere informazioni sul sapere pragmatico coinvolto nello svolgimento di determinate pratiche comunicative e identificare ricorrenze, utili anche per altri studi. Inoltre, questo tipo di ricerca, essendo ampliabile e replicabile, permette non solo la raccolta di dati di più lingue, ma anche la possibilità di ripetere l`esperimento a distanza di tempo. Palavras-chave: richieste; pragmatica cross-culturale; italiano; portoghese brasiliano. ► ERIC DA SILVA SANTIAGO – Graduando – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (ericsantsilva@hotmail.com) Aldo Palazzeschi e a desconstrução poética em I Fiori Estudo da des-construção poética, por meio do uso do grotesco e do risível, na obra Poesie de Aldo Palazzeschi, especificamente na poesia I Fiori. Para análise do grotesco foi utilizado o Prefácio ao Cromwell de Victor Hugo, no qual o autor define o grotesco como sendo: "[...] a mais rica fonte que a natureza pode abrir à arte [...]" e que o grotesco, unido à comédia, seria: "[...] um novo tipo introduzido na poesia (...) uma nova forma que se desenvolve na arte. Este tipo é o grotesco. Esta forma é a comédia [...]". Já para a compreensão e análise dos conceitos do cômico foram XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


19 utilizadas as obras O Riso de Henri Bergson e História do Riso e do Escárnio de Georges Minois. A obra de Bergson foi utilizada para as conceituações de cômico, risível e riso. Os três fariam parte da "[...] Tensão e elasticidade, (...) as duas forças reciprocamente complementares que a vida põe em jogo. [...]". A obra foi utilizada também para a conceituação e aplicação do absurdo, que pode causar a comicidade das palavras: "[...] O absurdo não é (...) a fonte da comicidade. Não passa de um meio muito simples e muito eficaz de no-lo revelar [...]". Palavras-chave: Aldo Palazzeschi; I Fiori; cômico; grotesco. ► FABIANO DALLA BONA – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (fdbona@gmail.com) Paesaggi letterari nell’opera di Giuseppe Tomasi di Lampedusa Il paesaggio letterario è un’esperienza estetica vissuta da un soggetto che percepisce il mondo come quello che si apre davanti ai propri occhi. La conduzione alla soggettività comporta la formazione di immagini nuove e espressive della natura, poiché è connotata exatamente come uma “esperienza vissuta” (JAKOB, 2005, p. 40) di questa natura da parte dell’osservatore, da parte di un Io che si trova in un QUI e in un ORA. Se il paesaggio può essere quell’insieme di forme di um território e non cambia se non cambiano le sue caratteristiche, la sua percezione non è identica a tutti, poiché dipende dal punto di vista dal quale la percepiamo, dalla direzione verso la quale guardiamo e, la cosa più importante, dal modo come osserviamo il tutto. Il paesaggio letterario, dunque, non consiste solo nella rappresentazione di una parte della natura nella prospettiva dello sguardo di un soggetto. Tomasi di Lampedusa presenta non solo frammenti di natura chiaramente strutturati dallo sguardo dello spettatore, ma anche una natura poetizzata, in un rapporto stretto tra l’ambiente ed il carattere dei siciliani. Egli parla di una ‘insularità dell’animo” incorniciata dalla “violenza del paesaggio” nelle pagine de Il Gattopardo. Il vero protagonista del romanzo è il paesaggio siciliano, inteso come paesaggio fisico, antropologico e morale, ma anche come luogo storico e mitico, spazio delle memorie individuali e colletive, ambiente geografico intensamente amato/odiato e sentito. Palavras-chave: Tomasi di Lampedusa; paesaggio; paesaggi letterari; Sicilia. ► FERNANDA GERBIS FELLIPE LACERDA – Doutoranda – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (fernandagerbis@globo.com) As inquietações dannunzianas O poeta Gabriele D'Annunzio (1863- 1938) nasceu na cidade de Pescara, na Itália, na região do Abruzzo. Desde cedo foi incentivado, por sua família, a apreciar a arte e a leitura de livros clássicos. Sabia grego e latim e ainda na escola foi estudar em Florença, berço da língua italiana e de poetas e artistas consagrados. Começou a escrever poesias e muito novo publicou seu primeiro livro. Desse momento em diante, D'Annunzio permeou por diversas áreas literárias e sociais. A vida para o poeta era a verdadeira inspiração para as suas criações e a necessidade de ser visto e lido era forte e intensa. Fazia de sua vida uma verdadeira obra de arte e tinha por necessidade viver entre ela. A obra de arte dannunziana surge, portanto, da vontade do poeta em responder suas próprias questões vividas. Sua produção artística torna- se, de fato, XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


20 plenamente realizada quando o poeta começa a escrever peças teatrais. Diversas foram as suas inspirações para essas produções, mas mais do que essas inspirações é interessante observar quais foram suas inquietações artísticas e literárias. Palavras-chave: Gabriele D’Annunzio; teatro Italiano. ► FERNANDA PEREIRA DA CRUZ – Docente – Associação Riograndense de Professores de Italiano/ACIRS (fpdacruz@hotmail.com) Imparare l`italiano e la grammatica: un`esperienza che va vissuta in prima persona L`insegnamento dell`italiano allo studente adulto non può prescindere dall`autonomia d`apprendimento. Questo gioca un ruolo fondamentale sull`efficacia dell`apprendimento del discente e conseguentemente sulla sua motivazione, essa ritenuta da Balboni "l’energia che mette in moto hardware e software" facendo sì che diventi un processo di retroalimentazione continuo. Il raggiungimento dell`autonomia è da intendersi come un processo acquisitivo al pari delle altre componenti dell`educazione linguistica tali il lessico e la grammatica. È un`abilità da essere sviluppata e acquisita come le abilità ricettive e produttive, il che espande in molto il ruolo dell`insegnante. In un processo di sviluppo dell`autonomia linguistica l`insegnante deve tener conto delle varie strategie d`apprendimento che la promuovono per scegliere sia il sillabo più adeguato sia i materiali aggiuntivi da adoperare in classe. In generale sono pochi i manuali di lingua che prevedono attività mirate a sviluppare l`autonomia dell`apprendente facendo sì che l`insegnante le debba prevedere e proporre in classe per colmare questa lacuna indispensabile. In questo intervento analizzeremo alcune attività di quest tipo che si possono svolgere in classe abbinate allo studio della grammatica e del lessico. Palavras-chave: approccio andragogico; autonomia d’apprendimento; motivazione; "stimulus appraisal". ► FERNANDA SILVA VELOSO – Docente – Universidade Federal do Paraná/UFPR (fervel1981@gmail.com) Registro de aulas de língua italiana: por um material para a formação inicial de professores Este trabalho, fruto da parceria entre os departamentos de letras estrangeiras modernas e de teoria e prática de ensino da UFPR, com o apoio da UFPR-TV, apresenta o material audiovisual que está sendo produzido para a formação de professores de língua italiana, cujo objetivo é ilustrar as diferentes abordagens para o ensino de LE. Seis aulas de língua italiana, que seguem abordagens distintas de ensino, foram gravadas e estão sendo editadas a fim de fornecer ao aluno-mestre a possibilidade de 'ver' o que é explicado nos textos teóricos, já que pode ser difícil vivenciar todas as práticas em circunstâncias reais. É importante frisar que o material considera o contexto brasileiro, procurando evidenciar a teoria subjacente às escolhas metodológicas do professor, bem como retratar a realidade do ensino da língua italiana em nosso país. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


21 Palavras-chave: ensino de línguas; formação de professores; vídeo-aulas. ► FERNANDA SUELY MULLER – Docente – Universidade Federal do Ceará/UFC (fersmuller@gmail.com) Totum cordis: análise comparativa das traduções brasileiras da obra Cuore, de Edmondo de Amicis Importante exponente do chamado "romance de formação" no limiar do século XIX/XX, a obra Cuore (1886), de Edmondo de Amicis, rapidamente alcança status de bestseller para além das fronteiras do 'bel paese'. De fundo moralizante destinado à educação infantil, a obra chega no Brasil em 1891 e repete o estrondoso sucesso mundial, alcançando a incrível marca de 46 reimpressões do volume no ano de 1954, por exemplo. Embora tenha tido ao todo quatro versões de tradução no país, o estudo em tela visa analisar comparativamente duas edições da obra de Edmondo De Amicis em território nacional, respectivamente publicadas em 1891 (tradução de João Ribeiro, publicada pela Editora Francisco Alves) e em 2011 (tradução de Nilson Moulin, publicada pela Editora Cosaf e Naif). Portanto, a partir da perspectiva de uma das vertentes contemporâneas dos Estudos da Tradução - nomeadamente Cultural Turn, como bem aponta Susan Bassnet (2011) - , pretendemos ainda cotejar o papel do tradutor em ambas as edições, procurando identificar eventuais marcas de "apagamento" e/ou "co-autoria" desses intermediadores na obra em questão. Palavras-chave: tradução; literatura comparada; Cuore; Edmondo de Amicis. ► FLORA DE PAOLI FARIA – Docente - Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (paolif@terra.com.br) Culture in contatto: Mario Praz ed Alexandre Eulalio Il critico brasiliano Alexandre Eulalio (1932 – 1988) si vedeva, secondo José Guilherme Merquior, come il Mario Praz brasiliano. L'intenzione di questo lavoro è quella d’identificare le possibili aree di contatto tra le culture da loro rappresentate. Eulalio valorizzò il crittico italiano Mario Praz (1896 – 1982), nome certo nella sua biblioteca, e l’ha conosciuto personalmente tramite Luciana Stegagno Picchio, già alluna del professore all’Università di Roma (EULALIO, 1992: 402). José Guilherme Merquior conferma l’affinità: “Alexandre leu todo o Praz, um crítico menor, descobridor de fatos extraordinários especialmente sobre o Decadentismo, e um crítico em regime de notas. (...) Ele devia se ver como um Praz brasileiro” (MERQUIOR, 1993: 295). L’identificazione con Mario Praz risulta dall’interesse nei rapporti tra letteratura e pittura nonché per il gusto alle estensive note e l’attacamento al dettaglio. Uno studio di Praz – dice Sérgio Buarque de Holanda – “pode desenvolver-se como uma abundância, minúcia, complexidade de motivos, que em vão procuraríamos em escritos de história e crítica literária, 35 moldados segundo critérios de rigidez mais convencional”, mas sem, com isso, perder de vista os problemas literários, pois “é o interesse literário que ocupa e quer ocupar francamente o primeiro plano” (HOLANDA, 1978: 183). Palavras-chave: Alexandre Eulálio; Mario Praz; Decadentismo; lavoro critico. ► XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


22

GABRIELE PALLOTTI – Docente – Università degli Studi di Modena e Reggio Emilia/UNIMORE (gabriele.pallotti@unimore.it) La dimensione pragmatica nell'italiano dei parlanti non nativi Quando si pensa a una lingua, a come si impara e si insegna, si tende subito a pensare a lessico e grammatica. Benché l'esistenza di una dimensione pragmatica sia nota da tempo, prima in campo teorico, poi nella dimensione applicativa, le riflessioni in merito per quanto riguarda la didattica dell'italiano sono ancora piuttosto sporadiche. In questa comunicazione si intendono presentare i risultati di alcune ricerche che si concentrano specificamente su questo tema. In particolare, si tratterà la prospettiva interculturale con un esempio molto circoscritto ma che schiude riflessioni ben più ampie: l'apertura delle telefonate di servizio in italiano e in altre lingue europee, che mostra come anche nel compiere atti apparentemente semplici e di routine si proietti tutta la dimensione di un ethos culturale. Verrà inoltre presentato un sito per l'insegnamento della pragmatica dell'italiano a parlanti non nativi, che siano stranieri o italiani di seconda o terza generazione per cui l'italiano non è più la lingua materna. Il sito, chiamato LIRA, fa uso di tecnologie innovative per stimolare l'apprendimento e la riflessione in modalità 2.0, ovvero con un forte contributo da parte degli utenti. La pragmatica, infatti, non consiste di regole fisse e invariabili, ma è estremamente sensibile a fattori quali il genere, l'età, la provenienza geografica. Anche questo esempio concreto si presta a riflessioni di carattere più generale su nozioni come la correttezza, l’appropriatezza, i contenuti del sillabo, i rapporti tra lingua, cultura e identità. Palavras-chave: pragmatica; interculturalità; LIRA. ► GIOVANNI CAPRARA – Docente – Universidad de Málaga (caprara@uma.es) La realtà nella prosa narrativa camilleriana Si è spesso fatto cenno alla vocazione del "raccontastorie" di Andrea Camilleri: una particolarità che definisce il piacere incondizionato del nostro autore per l'arte di narrare episodi storici passati e presenti. L'attenzione antropologico-culturale a cui faceva riferimento qualche anno fa Antonella Santoro in un piacevolissimo articolo in cui l'autrice tracciava un confronto tra Camilleri e Sciascia, almeno per ciò che più li caratterizzava, l'interesse cioè per la storia, non era altro che il pretesto per definire l'importanza assunta nella narrativa di entrambi dalla presenza di fatti veridici in grado di caratterizzare soprattutto il comportamento umano. Ma, oltre a ciò, va aggiunto anche l'interesse degli autori citati per la matrice storica dei propri racconti. In particolare, l'approccio alla realtà fa sì che Camilleri si spinga ad indagare la storia e ad usarla come scenario (quasi si trattasse di un personaggio), concentrandosi su argomenti politico-sociali spesso noti come l'ingiustizia, la corruzione, l'indifferenza della classe politica, i traffici di esseri ed organi umani, per citarne soltanto alcuni. Camilleri usa la realtà per sottolineare quanto interessante sia il suo approccio dettato dal desiderio di denuncia ed offre ai suoi lettori spunti reali in grado di descrivere la situazione soprattutto italiana (moderna) caratterizzata da episodi che hanno fatto parte della nostra vita e che, anche grazie a Camilleri, resteranno indelebili nella memoria di molti. Palavras-chave: narrativa; realtà; Camilleri. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


23

► GIOVANNI CODEÇA DA SILVA – Doutorando – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ - Capes (codecasilva@gmail.com) Circularidade e apropriações - textos e autores italianos no periódico O Paiz (1884 a 1890) O século XIX consolidou diversos projetos de modernidade em escala global. A imprensa, os transportes e o comércio potencializaram a produção literária, a circularidade e as apropriações. Assim a análise do periódico O Paiz, na capital do Império Brasileiro, permite conhecer as trocas interculturais entre Brasil e Itália, bem como, a criação de um cânone de leituras para formação da intelectualidade nacional. A pesquisa se encontra em andamento e esta comunicação apresenta os resultados parciais, especificamente abordando a relação Brasil-Itália, através das publicações do periódico O Paiz no período de 1884 à 1890. O corpus analisado se encontra disponível na Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional. Através da metodologia de análise de discursos, tributária de Mainguenau, compreendemos a formação de uma representação coletiva que se desdobra num ideal de civilização e nação dando origem a tradição brasileira de modernidade. As análises levaram as seguintes conclusões parciais: a circularidade de publicações da literatura italiana desde Dante Alighieri à Goldoni permitiram a ampliação do conhecimento sobre esses tradição ressaltando as discussões sobre questões comuns como a existência de uma língua única, o conhecimento renascentista e a formação de uma intelectualidade. Palavras-chave: circularidade; apropriação; modernidade. ► GIOVANNI STIFFONI – Pós-graduando – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/UNIRIO (giovannistiffoni@yahoo.es) L'immigrazione politica degli immigrati italiani attraverso lo studio della stampa dell'epoca (1904-1913) Nei nostri precedenti studi, seguendo la metodologia proposta da Carlo Ginzburg nella sua opera Il formaggio e i vermi , abbiamo tentato di comprendere il significato di un periodo storico, analizzando la biografia di una figura considerata atipica come quella del mugnaio Menocchio. Avevamo posto la nostra attenzione nel complesso percorso di Camillo Berneri, un intellettuale engagé di sinistra che aveva dovuto viaggiare in tutta Europa perché perseguitato dal regime fascista e dalle sue spie. Seguendo la visione di Sabina Loriga , avevo cominciato ad occuparmi anche dei progetti non realizzati dal protagonista della mia biografia. Cosí ho cominciato ad interessarmi all'immigrazione politica degli antifascisti in America latina, dato che Berneri in varie occasioni dubitó se attraversare l'oceano per raggiungere i suoi compagni antifascisti. Anche in questo mio studio, ho preferito circoscrivere il mio oggetto di ricerca, analizzando soprattutto La Battaglia, forse il giornale di maggiore importanza e durata tra quelli pubblicati dai militanti di sinistra in Brasile. Il principale obiettivo del mio studio é comprendere il significato della loro esperienza, paragonandola con quella vissuta dai loro compagni residenti in Europa. Per questo, analizzeró in una prima fase la loro particolare situazione socio-economica e poi l'originalitá della loro produzione. Palavras-chave: immigrazione politica. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


24

► GIUSEPPE MARCI – Docente – Università degli Studi di Cagliari/UNICA (gmarci@unica.it) Sciascia e Camilleri tra racconto e cronaca sociale Nella "guida ben strana" di Bahia, Jorge Amado propone un'autodefinizione che può essere impiegata anche per spiegare un aspetto, non secondario, dell'opera narrativa di Leonardo Sciascia e Andrea Camilleri: "Racconta quel che sa per averlo vissuto, eroe dei suoi libri è il popolo, la sua meta da raggiungere è l'avvenire". Per dire del suo primo scritto (che prenderà il titolo: Le parrocchie di Regalpetra), Sciascia impiega il termine cronaca (che compare nel titolo del capitolo Cronache scolastiche): cronache di un paese - Regalpetra - che lo scrittore conosce a fondo, nella fisionomia storica e sociale, e in relazione al quale può scrivere in quanto sa per averlo vissuto. Allo stesso modo Camilleri, nei romanzi storici e civili come in quelli polizieschi, ma anche in scritti di minore strutturazione narrativa, se non addirittura occasionali, come possono essere le pagine che descrivono alcuni aspetti di Porto Empedocle, implicitamente o esplicitamente si qualifica come testimone ("vidi dal mio balcone"). Anche i due scrittori italiani raccontano quello che sanno, dunque, e - ciascuno con la propria strategia narrativa e con la visione del mondo che gli appartiene - costituiscono il popolo quale eroe dei loro libri. Più complesso dire se (come lo scrittore brasiliano) ritengano che la meta da raggiungere sia l'avvenire e che cosa poi significhi, per l'uno e per l'altro, l'idea di avvenire: di quali tonalità politiche e sociali si colori, da quali (e diversissimi) umori sia composto quel concetto, destinato a innervare vivide pagine narrative. Palavras-chave: Camilleri; racconto; cronaca sociale. ► GRAZIELE ALTINO FRANGIOTTI – Doutoranda – Universidade de São Paulo/USP (grazielealtino@yahoo.com.br) Sociolinguística e livros didáticos: o tratamento dos registros formal e informal nos livros Rete! e Linea Diretta Desde sua formulação, em 1966, o conceito de competência comunicativa exerce grande influência no campo dos estudos linguísticos. Proposta inicialmente pelo linguista e antropólogo Dell Hymes, a reflexão sobre competência comunicativa surge como reação à tendência estruturalista e gerativista de excluir de seus estudos a preocupação com o uso e com a dimensão social da língua para, ao contrário, conciliar conhecimento linguístico (competência gramatical) e conhecimento de uso (competência sociolinguística). Além de contribuir para a consolidação de disciplinas como a Sociolinguística, o conceito concebido por Hymes influenciou de maneira decisiva a área de Ensino/Aprendizagem de Línguas, uma vez que levou outros estudiosos a refletirem sobre a configuração dessa competência e sobre como seus subcomponentes poderiam estar relacionados, propiciando a formulação de construtos complexos que influenciam, atualmente, desde discussões sobre abordagens de ensino até a formulação de materiais didáticos e avaliações. Diante da importância da concepção de competência comunicativa e, por conseguinte, de seu componente sociolinguístico, o presente trabalho tem como finalidade divulgar os resultados obtidos em uma pesquisa que procurou investigar se/como os livros didáticos Linea diretta e Rete! lidam com fenômenos dos registros formal e informal da língua italiana. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


25 De modo mais específico, analisaremos o tratamento dado pelos dois livros quanto a traços do registro formal, tais quais: circunlocuções; conectivos elaborados; variantes morfológicas formais, entre outros, e quanto a aspectos relativos ao registro informal: sufixo -ata (como em stupidata); sufixo -issimo; diminutivos; epítetos e imprecações; formas onomatopaicas; mínima explicitação sintática; palavras abreviadas; verbos bipronominais (como farcela), entre outros. Palavras-chave: competência sociolinguística; registros linguísticos; livros didáticos. ► HILÁRIO ANTONIO AMARAL – Docente – Universidade Estadual Paulista/UNESP – Araraquara (hilario@fclar.unesp.br) A Itália como metáfora nos romances policiais de Leonardo Sciascia Nos romances do siciliano Leonardo Sciascia (1921-1989) encontramos histórias que podem ser consideradas hipóstases da condição humana. Suas narrativas revelam o conflito trágico entre o indivíduo e as forças obscuras do poder que destroem o homem; forças anônimas, assépticas e indefiníveis. Seus personagens investigam e se envolvem completamente com os fatos até que a decifração do mal surja. Ele apresenta a Sicília como o espelho de uma realidade que não tem fronteiras: uma constelação de instituições jurídicas beneficiadas por imunidades e privilégios que sobrevivem bem radicados no comportamento social. A máfia sobrevive através da sua força mitológica, que pode ser interpretada como uma herança antropológica associada a complexas forças financeiras e políticas. No seu último romance, "Il cavaliere e la morte" (1988), o protagonista é um velho e incorruptível vice-comissário de polícia que deve enfrentar essas forças e a morte que já circula em seu sangue. Além da trama policial, nos deparamos com uma estóica reflexão, religiosamente laica, sobre a dor e sobre o inevitável destino da vida que é o fim. Palavras-chave: romance policial; máfia; estado. ► JADIRLETE LOPES CABRAL – Docente – Universidade Federal da Bahia/UFBA (jadeca@ufba.br) Ensino/aprendizagem da língua italiana na UFBA: relato de experiências Embora não constituam o ponto central sobre o qual basear as reflexões relativas ao modo de funcionamento da educação, não podemos negar que as novas tecnologias impuseram grandes transformações às abordagens tradicionais, o que significa, hoje, considerar o ensino/aprendizagem de maneira colaborativa, interacionista e autônoma. Vivemos a época do aprender a aprender. A didática virtual exige maior autonomia por parte do aluno, forçando-o a se tornar um sujeito ativo durante o processo de construção do seu aprendizado. O uso satisfatório das potencialidades do material didático, a garantia de oferta de diferentes recursos tecnológicos e o predomínio dos mesmos, o conhecimento prévio dos processos de interação e de mediação são outros fatores importantes, condições sine qua non para se alcançar um ensino/aprendizagem de qualidade pela modalidade a distancia. Além disso, a didática virtual propõe uma nova concepção das noções de tempo e espaço, diversamente daquelas tradicionais, pois o espaço se transforma em um espaço de ação, em que XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


26 cada um, tendo o seu próprio tempo, se realiza coletivamente, através de compartilhamentos de experiências, de diálogos e de trocas diversas entre sujeitos relacionais situados historicamente. O espaço virtual é, portanto, o lugar onde são construídos os significados culturais e sociais, considerados, na sua origem, individualmente. Com base nessas premissas, pretende-se apresentar um quadro geral dessas transformações no âmbito do ensino aprendizagem do italiano no Instituto de Letras da UFBA, em particular no Programa de Proficiência em Língua Italiana para Estudantes e Servidores (PROEMIT/PROFICI UFBA) e o compartilhamento de algumas experiências iniciais. Palavras-chave: ensino; língua italiana; EAD. ► JULIANA HASS – Doutoranda (julianahass@hotmail.com)

Universidade

de

São

Paulo/USP

Adaptações do romance Il Codice di Perelà Setenta anos após sua publicação, o romance Il Codice di Perelà, de Aldo Palazzeschi, foi adaptado para o teatro, por Roberto Guicciardini, e encenado, pelo Gruppo Della Rocca, como Perelà uomo di fumo, obtendo grande sucesso de crítica e público. Posteriormente, o texto dramático foi readaptado para o radioteatro e a homônima radiopeça recebe, em 1971, o 23° "Premio Italia" da "Rai Radiotelevisione Italiana". Este trabalho consiste na comparação entre duas adaptações: a primeira entre o romance e o texto dramático e a segunda entre o texto dramático e a composição radiofônica, sob o vértice da Adaptação, área de interesse dos Estudos da Tradução. Apesar de Il Codice di Perelà ter nascido quase vocacionado para o espetáculo teatral, uma vez que é uma obra composta praticamente por diálogos, foi necessário adaptá-lo para que pudesse ser encenado. Posteriormente, o texto dramático sofreu uma readaptação para que fosse, então, apresentado no radioteatro. Por meio da contraposição entre o romance e o texto dramático, e entre o texto dramático e a composição radiofônica, foram descritas algumas das características gerais presentes em cada um dos textos, considerando-se questões intersemióticas, a operação coletiva e alguns questionamentos sobre a tradução de textos dramáticos. Como resultado, descobriu-se que houve modificações nas características textuais, para que ocorressem as encenações, concluindo-se que, ao se adaptar o romance para o teatro e o texto dramático para o radioteatro, algo do texto escrito não se atualizou nos espetáculos, pois cada sistema semiótico caracteriza-se por qualidades e restrições próprias. Palavras-chave: Il Codice di Perelà; Perelà uomo di fumo; adaptação; teatro; radioteatro. ► KARINE MARIELLY ROCHA DA CUNHA – Docente – Universidade Federal do Paraná/UFPR (karinemrc@hotmail.com) A intercompreensão em línguas românicas como incentivadora de leitura em língua italiana A Intercompreensão em Línguas Românicas (ICLR) é uma disciplina optativa do currículo do Curso de Letras oferecida na Universidade Federal do Paraná (Curitiba) XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


27 desde o primeiro semestre de 2014. Por ICRL entendemos a possibilidade de comunicar-se, no âmbito da fala ou da escrita, com falantes de outras línguas da mesma família que a nossa expressando-nos sempre na nossa língua: eu falo ou escrevo na minha língua românica e entendo você falando ou escrevendo na sua língua também românica, tendo, neste contexto todas as línguas a mesma importância. Durante o curso, os alunos são expostos à leitura e insumos orais em galego, espanhol, catalão, francês, italiano, romeno e alguns dialetos/variações das línguas já citadas. O objetivo é traçar um quadro com as correspondências morfológicas, fonéticas e sintáticas com as outras línguas irmãs de forma a identificar de uma maneira mais fácil e imediata sobretudo o léxico de uma língua em relação à outra. Como trabalho avaliativo da conclusão da disciplina o aluno escolhe um dos títulos propostos pelo professor em uma língua românica que menos domina. Nesse trabalho pretendemos apresentar os resultados dos alunos que escolheram como leitura conclusiva livros em italiano tendo como embasamento teórico sobre leitura e ICRL Cherem & Nery (1993), Foucambert (2008), Kleiman (1992), Elias & Koch (2012), Grossmann & Simon (2004), Caddéo & Jamet (2013) e Teyssier (2012). Palavras-chave: intercompreensão; leitura; línguas românicas; língua italiana. ► LEANDRO VIDAL CARNEIRO – Graduando – Universidade Federal do Ceará/UFC (vidal_italia@hotmail.com) Reflexões sobre os desafios de traduzir Andrea Camilleri: a questão dos alçamentos vocálicos no romance Il cane di terracotta Apresentamos os resultados de uma atividade investigativa em que procuramos analisar a tradução das representações dos alçamentos vocálicos em vocábulos da variedade siciliana do italiano utilizado por Camilleri no romance Il cane di terracotta e os desafios que esse fenômeno linguístico apresenta ao exercício de tradução da obra. Buscamos considerações teóricas sobre o fenômeno fonético em italiano e em português em alguns estudiosos que já se debruçaram sobre o assunto, como Babini (2002), Câmara Jr. (1970), Pagano (2014), entre outros; em Cerrato (2014), encontramos importantes notas sobre o fazer linguístico-literário de Camilleri; em Barbosa (1990) e em Bassnett (2003), encontramos o referencial teórico/metodológico sobre o fazer tradutório. Após o levantamento de todas as representações de alçamentos vocálicos encontrados no romance e a identificação da posição silábica em que o fenômeno ocorre, procedemos com uma análise comparativa entre o texto na língua fonte e o texto na língua de chegada a fim de identificarmos se os alçamentos vocálicos são representados também na tradução brasileira. Embora o sistema vocálico do português permita a realização de alçamentos vocálicos em algumas variedades regionais do português brasileiro, o tradutor optou por não representá-los, utilizando sempre a variedade padrão dessa língua. Concluímos que, se por um lado, a tradução perdeu a equivalência dinâmica, pois não permite ao leitor a apreciação de um falar regional que marca e caracteriza personagens, tal qual o faz Camilleri em seu texto, por outro, manteve a equivalência formal, porque logra sucesso em transmitir a mensagem global sem muitas perdas. Palavras-chave: alçamento vocálico; Andrea Camilleri; Il cane di terracotta; tradução. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


28 LINDA SALETTE MICELI FERREIRA – Doutoranda – Universidade Federal do Rio de Janeiro/ UFRJ - Capes (lindasalette@gmail.com) A memória na Divina Comédia A Divina Comédia (1321), obra de um dos pilares da Literatura Italiana, Dante Alighieri (1265 - 1321), trata da viagem do personagem Dante ao mundo dos mortos, perpassando os três reinos existentes lá, que são: o Inferno, o Purgatório e o Paraíso. Para tanto, as almas presentes nestes reinos utilizam-se de suas memórias de vida para entrarem em contato com Dante. Assim, a memória, de acordo com Brachtendorf (2012), em sua leitura sobre as Confissões de Santo Agostinho, é o lugar onde permanecem as percepções externas, do mundo, e internas, dos sentimentos, chamados por Santo Agostinho (2011) de palácios da memória. É por meio do colóquio estabelecido entre as almas e Dante que se constrói a obra dantesca, tendo em vista que ele conversa com esses mortos, compartilhando, desta maneira, seus destinos, que segundo Weinrich (2001), torna-se uma memória universal, eternizada em sua obra. Ainda de acordo com este autor, Dante é o homem da memória. Deste modo, com base em Santo Agostinho, Brachtendorf, Weinrich e Rossi (2010), será estudada como se dá a questão da memória nesta obra italiana. Palavras-chave: Dante Alighieri; Divina Comédia; memória. ► LIVIA RAPONI – Doutoranda (livia.raponi@gmail.com)

Universidade

de

São

Paulo/USP

A più voci. Appunti per una biografia letteraria di Ermanno Stradelli Ermanno Stradelli (Piacenza, 1852 - Manaus, 1926), può essere considerato un vero e proprio pioniere nella raccolta e divulgazione della narrativa amerindia, con la quale entrò in contatto nel corso di svariate esplorazioni dell'Amazzonia brasiliana condotte tra il 1880 e il 1900. Mosso da un autentico interesse per le manifestazioni culturali delle civiltà autoctone, condusse una paziente e meritoria opera di ricerca su aspetti centrali del patrimonio materiale e immateriale dei popoli via via incontrati. Fu ritratto in modo brillante da Luis da Camara Cascudo come un "enamorado e seduzido pela floresta", un "amazonense espiritual", che senza pretese scientifiche, ma seguendo un metodo rigoroso ed un'etica del riconoscimento e del rispetto dell'Altro nella sua irriducibilità, riuscì a comporre, in particolare nel Vocabolario Nheengatu-Portoghese, un affresco vivido e articolato del mondo amazzonico, tuttora di grande valore per gli specialisti. Ricordato per aver diffuso, per primo, una versione completa del mito di Jurupari, con La Leggenda del Jurupari (1890), il "doutor conde" è divenuto a sua volta personaggio leggendario nella tradizione orale di varie comunità autoctone dell'Alto Rio Negro. Ricostruirne la biografia, raccontarne la storia di vita, implica un continuo passaggio dal registro - esiguo - dei dati storici documentali, a quello più ampio e in buona parte inesplorato, della memoria orale e del campo simbolico della narrativa mitica dei popoli indigeni dell'Amazzonia nord-occidentale. Ne scaturisce un'affascinante esperienza polifonica, in cui più voci differenti danno luogo ad un singolare contrappunto. Palavras-chave: Amazzonia; narrativa mitica; letteratura di viaggio; mediazione interculturale. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


29 LÚCIA MONTEIRO DE BARROS FULGÊNCIO – Docente – Universidade Federal de Minas Gerais/UFMG (luciafulgencio@hotmail.com) Apresentação de nova coleção didática Está em andamento a elaboração de um novo conjunto de livros didáticos para o ensino de língua italiana, a ser publicado provavelmente em 2016 pela editora HOEPLI (Milano). Trata-se de um material elaborado pelos professores Angelo e Gaia Chiuchiù, tendo em anexo um livro de gramática contrastiva italiano-português direcionado a brasileiros, do qual sou autora. A gramática italiana que embasa a descrição estrutural já está publicada, com o nome de Comunicare in italiano grammatica per stranieri con esercizi e soluzioni. Esta comunicação pretende apresentar essa gramática e o novo material que está sendo preparado. O foco principal da comunicação objetiva constatar a importância do enfoque contrastivo, que pode se constituir como material auxiliar não só para aprendizes, mas sobretudo para professores, na preparação do material e na ênfase a ser concedida a certas questões relacionadas ao ensino da língua italiana (não somente quanto aos aspectos sintáticos, mas também lexicais e culturais). Palavras-chave: didática; linguística aplicada; metodologia de ensino do italiano; gramática contrastiva. ► LUCIA SGOBARO ZANETTE – Docente – Universidade Federal do Paraná/UFPR (lusgob@onda.com.br) Ognuno ha la sua propria Itaca: viaggi con Tabucchi Tabucchi ha scritto a proposito di Il Gioco del rovescio ... “si tratta di una certa cosa che è cosí ma puo essere anche in un’altra maneira...” questa osservazione sembra il filo conduttore dell’opera dello scrittore. In questa comunicazione si propone di mettere in evidenza non solo il limite sottile e quasi inesistente tra realtà comune, e spesso banale, e l’inusuale: qualcosa che sembra così reale e ad un tratto,in un batter d’occhi, diventa un sogno. Illusioni, molte volte cosí presenti e palpabili che provocano ogni momento un sospetto al lettore: “sarà sogno o realtà??” All’interno di questo contesto di impossibilità di definire il “reale” voglio richiamare l’ attenzione sull’idea di viaggio in Tabucchi, non solo come uno dei temi principali della sua opera, come possiamo vedere, per esempio, in Viaggi ed altri viaggi, ma soprattutto perché lui propone il viaggio come mezzo per costruire la propria identità e la maniera per confrontarsi e rispettare l’altro. Tabucchi post-moderno e viaggiatore che ci parla di movimento, viaggi, dislocamenti reali, immaginari o letterari, che siano, per scoprire l’ altro ma anche per riscoprire, ognuno di noi, la propria Itaca. Palavras-chave: viaggio, identità, alterità, scoperta ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


30 LUCIANA DE GENOVA – Mestranda – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJCapes (lugenova@gmail.com) Análise da fala fílmica em três filmes do pós-guerra do cinema italiano Este estudo propõe observar a presença do romanesco no cinema italiano a partir da Segunda Guerra mundial, até os dias atuais. O corpus a ser examinado é constituído por recortes de diálogos transcritos de três filmes italianos de diferentes períodos: Roma città aperta (1945), de Roberto Rossellini, Il sorpasso (1962), de Dino Risi e Viaggi di nozze (1995), de Carlo Verdone. A escolha deste corpus tem como objetivo geral observar as mudanças e a evolução do uso desta variedade linguística no cinema, tendo como base teórica os estudos de Sergio Raffaelli (1992) e Eusebio Cicotti (1996). Quanto ao aspecto metodológico, Fabio Rossi (1999) nos dá apoio à identificação do critério de coleta e tratamento dos dados. Com base nesses estudos, o critério de seleção será a escolha dos fenômenos fonéticos, considerados reveladores da variação diafásica. Para tanto, temos ainda as contribuições de Tullio De Mauro (1993) e Pietro Trifone (1992, 2008) para o estudo sobre as características e a evolução do romanesco, que vai nos auxiliar na identificação dos traços fonéticos desta variedade presentes nas falas fílmicas, objeto principal de nossa pesquisa. A partir de uma análise parcial do corpus percebe-se a evolução do romanesco fílmico, o que nos faz concluir que as falas fílmicas refletem o repertório do italiano nas suas variedades de acordo com a realidade de cada período histórico abordado. Palavras-chave: romanesco; cinema italiano; pós-guerra. ► LUCIANA DUARTE BARALDI – Mestranda - Universidade de São Paulo/USP (lucianabaraldi@gmail.com) O aprendizado significativo no ensino de italiano em uma turma multisseriada de um Centro de Estudos de Línguas (CEL) da cidade de São Paulo Esta comunicação pretende mostrar como se deu a realização de um projeto enquanto estratégia didática voltada para o ensino e o aprendizado significativo da língua italiana em contexto público de ensino. O projeto, intitulado Italianando a San Paolo, partiu de uma necessidade da comunidade escolar em questão e foi idealizado pela professora e pelos alunos, na faixa de 15 a 19 anos, de uma turma multisseriada de italiano de um Centro de Estudos de Línguas (CEL) da cidade de São Paulo. Os dados para a pesquisa, de cunho qualitativo- interpretativista, foram coletados durante o primeiro semestre de 2015 e os instrumentos utilizados foram: gravações em áudio e vídeo, questionários, relatos, registros de interações escritas na plataforma de projetos PBworks Education, no aplicativo WhatsApp e em e-mails. A análise preliminar dos dados evidenciou que as tarefas contribuíram para o aprendizado significativo e para o desenvolvimento da autonomia desses alunos. Além disso, verificou- se que, quando o ambiente e as propostas de atividades favorecem a interação entre os alunos, ocorre colaboração e construção coletiva do conhecimento linguístico e cultural. Há, portanto, uma motivação intrínseca que, quando valorizada dentro do espaço escolar, extrapola os muros da escola e possibilita a construção de conhecimentos que sejam, de fato, significativos para os alunos. Isso se evidenciou ao longo da realização das tarefas propostas, as quais envolveram interação presencial e virtual, culminando na criação do blog Italianando a San Paolo, criado e gerido pelos alunos participantes do projeto.

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


31 Palavras-chave: aprendizado significativo; Centro de Estudos de Línguas (CEL); coconstrução do conhecimento; ensino de italiano; tarefas; turmas multisseriadas. ► LUCIANA LANHI BALTHAZAR – Doutoranda Paraná/UFPR (lucianallbb@hotmail.com)

Universidade

Federal

do

Atitudes linguísticas: o que são e por que pesquisá-las? Esta comunicação objetiva a apresentar algumas definições do conceito de atitudes linguísticas encontradas na literatura. Além disto, o trabalho se propõe a analisar a importância das atitudes linguísticas na vida em sociedade, isto porque o desenvolvimento e a manifestação das atitudes linguísticas têm fortes consequências na vida dos falantes. Durante esta comunicação serão apresentados alguns segmentos influenciados pelas atitudes linguísticas, tais como: o ensino/aprendizado de língua, a própria escola, as mudanças ou a manutenção linguística, os julgamentos sociais, entre outros. Segundo Saville-Troike (2003), a língua pode ser usada para discriminar e controlar porque podemos usá-la para a classificação das pessoas, ou seja, a língua pode ser usada para manter ou colocar as pessoas em determinado local na sociedade. As atitudes linguísticas, por sua vez, podem ser de grande importância neste contexto porque são influenciadas por essas estruturas sociais. Portanto, o papel das atitudes linguísticas na sociedade e na vida dos falantes fundamenta e justifica seu estudo e análise, além de colocá-las em destaque dentro da Sociolinguística. Palavras-chave: atitudes linguísticas; papel na sociedade; sociolinguística. ► LUCIANE DO NASCIMENTO SPADOTTO – Mestranda – Universidade de São Paulo/USP (lucianedonascimento@gmail.com) Ordens e pedidos em língua italiana: uma análise a partir da teoria dos atos de fala O presente trabalho tem como propósito apresentar a análise dos dados coletados para uma pesquisa, desenvolvida no âmbito da pragmática intercultural, que tem como objetivo principal investigar a diferença entre ordens e pedidos em língua italiana. Para atingir tal objetivo, elaboramos um teste de percepção composto por interações verbais entre falantes nativos, obtidas através de role plays semi-abertos gravados em áudio e vídeo (SANTORO, 2012) e diálogos extraídos de filmes italianos da última década. O teste foi submetido a falantes nativos de italiano e brasileiros com diversos níveis de conhecimento da língua italiana. Assumimos como hipótese que os elementos que caracterizam esses dois atos de fala criam diferenças por estarem associados, por um lado, à estrutura linguística usada pelos falantes e, por outro, ao contexto que envolve a interação. Pressupomos ainda que os informantes brasileiros com um maior contato com a língua italiana terão uma competência pragmática mais desenvolvida e que, portanto, suas respostas serão mais semelhantes àquelas fornecidas pelos falantes nativos. Os resultados de nossas análises podem, além de contribuir para a avaliação de nossas hipóteses, servir de base para reflexões sobre o ensino de língua, em especial no que diz respeito ao desenvolvimento da competência pragmática. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


32 Palavras-chave: pragmática intercultural; competência pragmática; atos de fala; ordens e pedidos. ► MÁRCIA DE ALMEIDA – Docente – Universidade Federal de Juiz de Fora/UFJF (domenica.perazzi@hotmail.com) Percurso de Scego por Roma: rumo à recuperação da memória colonial Este trabalho propõe a análise de La mia casa è dove sono (2010), de Igiaba Scego, importante voz feminina da literatura pós-colonial na Itália. De origem somali, a escritora nasceu e se formou em Roma, para onde imigraram seus pais, após o golpe de estado do ditador Siad Barre. Métodos: Com base nos Estudos Pós-coloniais (LOMBARDI DIOP & ROMEO, 2014) e sob a perspectiva da Crítica Feminista (SHOWALTER, 1994), procede-se a leitura de La mia casa è dove sono, identificando como os elementos topográficos são mobilizados na recuperação da história da colonização italiana na África, com especial atenção para a campanha na Somália. Resultados: Contista, cronista e romancista, Igiaba Scego denuncia aos leitores o esquecimento do passado colonial e defende a necessidade de revisão da história oficial, que ignorou o testemunho daqueles diretamente atingidos pelo imperialismo italiano na África: os/as colonizados/colonizadas. Conclusões: Em La mia casa è dove sono, o percurso da escritora por vários pontos da capital italiana ativa o mecanismo da memória, esquecida ou comodamente apagada. Dessa forma, sob uma perspectiva multidisciplinar, que alia geografia, história e literatura, Igiaba Scego traz a público, de forma criativa, uma temática que aproxima seu fascínio pelas raízes africanas e seu amor pela terra onde cresceu, afirmando-se como escritora consciente e amadurecida. Palavras-chave: autoria feminina; estudos pós-coloniais; literatura africana/italiana. ► MARCIA RORATO – Docente (marcia.rorato@gmail.com)

Universidade

Estadual

de

Londrina/UEL

Cultivos literários dos italianos e seus descendentes na "terra rossa" de Londrina e região (1930-1970) O projeto de pesquisa em andamento, Cultivos literários dos italianos e seus descendentes na "terra rossa" de Londrina e região (1930-1970), que apresentaremos nessa comunicação, busca encontrar textos ficcionais escritos pelos imigrantes italianos e seus descendentes em Londrina e em algumas cidades da região, dentre o período destacado, visando à organização e edição de uma antologia e de um arquivo histórico-literário. Considerando que italianos e descendentes constituíram um dos grupos étnicos mais numerosos de migrantes que povoaram o município de Londrina e contribuíram significativamente para o seu desenvolvimento, assim como das cidades que se formaram ao seu redor. As fontes, levantadas em arquivos históricos e bibliotecas da região abrangida pelo projeto, são compostas por diferentes tipos de textos, como cartas, poesias e narrativas, etc. Os documentos, fotos e demais materiais referentes aos autores dos escritos reunidos serão organizados para compor uma exposição itinerante pelas próprias instituições que serviram de aporte para a pesquisa e um arquivo histórico-literário que poderá ser alocado junto ao Acervo Bibliográfico Italiano UEL - I Bravissimi para ficar à disposição, tanto da comunidade interna quanto externa à UEL, para consultas e desenvolvimento de novas pesquisas. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


33 Com a realização desse trabalho, espera-se recuperar a trajetória desse grupo social e suas relações étnicas, revelando assim, a identidade dessa expressiva comunidade, de presença marcante até os dias de hoje nas sociedades dessa região. Palavras-chave: escritos literários; italianos; Londrina. ► MARCOS ALEXANDRE SENA DA SILVA – Mestrando – Universidade Federal da Bahia/UFBA (m.alexandre.sena@gmail.com) A legendagem na tradução de expressões italianas: um estudo de caso idiomático sobre o curta-metragem “Mezz’ora non mi basta” O trabalho desenvolvido tem como objetivo geral tratar de expressões italianas traduzidas para o português, retiradas do curta-metragem Mezz'ora non mi basta, de Laura Rovetti, de 2011. Trata-se de um estudo de caso de um dos filmes utilizados no projeto de pesquisa "Curta o Dicionário", desenvolvido no Instituto de Letras da Universidade Federal da Bahia. A partir do material audiovisual disponibilizado na web, por meio de software apropriado, efetuou-se o seguinte processo de legendagem: marcação de tempo, transcrição das falas do idioma italiano e, posteriormente, sua tradução para o português. As sessões contaram com discussões semanais que abordaram o tratamento da linguagem e técnicas tradutórias, suscitando um glossário com 32 expressões, sendo 9 repetidas. Os resultados obtidos apontam para a pluralidade nas escolhas do produto final e indicam a importância dos termos selecionados - para a análise de distintas traduções, em diferentes momentos de um mesmo texto de partida, bem como a avaliação de diferentes termos italianos que se transformam no mesmo texto de chegada. O trabalho baseia-se nas seguintes obras: "Torres de Babel", de Jacques Derrida; "Tradução, desconstrução e psicanálise", de Rosemary Arrojo; "Escândalos da Tradução: por uma ética da diferença", de Lawrence Venuti; "Tradução manifesta: double bind & acontecimento", de Paulo Ottoni; "Teorias contemporâneas da tradução", de Edwin Gentzler; "Os limites da interpretação", de Umberto Eco; "Procedimentos Técnicos da Tradução", de Heloisa Gonçalves Barbosa; e "Tradução para legendas: dos polissistemas à singularidade do tradutor", de Carolina Alfaro de Carvalho. Palavras-chave: tradução; legendagem; curta-metragem; expressões; italiano. ► MARGARETH DE LOURDES OLIVEIRA NUNES – Docente – Universidade Federal de Goiás/UFG (mnletrasufg@gmail.com ) Paisagens culturais na literatura: autores escolhidos Questa presentazione intende esporre un'esperienza di didattica dell'insegnamento della letteratura in lingua italiana attraveso un approccio teorico diverso ovvero quello della geografia culturale e, in particolare, del paesaggio presente nelle opere letterarie e il suo significato non solo nella estesura dell'opera letteraria ma nella comprensione degli elementi culturali. Così appoggiati negli autori quali ANDREOTTI, BETTA e PICCARDI viene proposta la lettura di brani di autori canonici quali ALIGHIERI, CALVINO e PAVESE cercando di individuarne i paesaggi culturali, l'importanza del paesaggio nella narrativa e della geografia culturale nello studio della letteratura italiana da parte degli studenti di lingua e cultura italiana sia all'università sia negli XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


34 istituti privati. Lo studio va fatto con gli studenti a partire dal livello B1 e consiste nel dargli piccoli brani prescelti di opere degli autori soprannominati che saranno lette, in un primo momento in silenzio, poi in gruppo e infine viene fatta una lettura drammatizzata. Se possibile sono invitati a sentire la lettura dei brani fatta da professionisti. La compreensione culturale, estralinguistica, avviene con i concetti di paesaggio appresi dalla geografia culturale gli permette di individuare non solo una realtà fisica ed umana tangibile ma anche quella che fuoriesce dalla memoria dell'autore che poi la reinserisce come paesaggi della narrativa. I gruppi di livello B1, B2 e C1 che tra il 2012 e il 2014 hanno studiato così hanno dichiarato di aver imparato meglio gli aspetti letterari. Palavras-chave: Alighieri; Calvino; Geografia Culturale; Insegnare Letteratura; Pavese. ► MARIA CECILIA (casini@usp.br)

CASINI

Docente

Universidade

de

São

Paulo/USP

Fra diario e taccuino: la dimensione del viaggio in un testo italiano nel Brasile Impero Il ritrovamento di un testo autografo italiano di metà Ottocento in un archivio pubblico brasiliano è all`origine di una ricerca di post-dottorato condotta fra il Brasile e l'Italia, articolata in progetti correlati aventi come fine indicare nuove e diverse possibilità di sviluppo per l'italianistica brasiliana. Il testo in questione, a metà fra il diario di viaggio e il taccuino di appunti, pone al centro dell'attenzione le relazioni interculturali instauratesi fra il Regno delle Due Sicilie e l'Impero Brasiliano, in occasione delle nozze fra Teresa Cristina di Borbone e Dom Pedro II. Palavras-chave: diario; taccuino; letteratura di viaggio; Regno delle Due Sicilie; Brasile Impero. ► MARIA CÉLIA MARTIRANI BERNARDI FANTIN – Docente – Universidade Federal do Paraná/UFPR (pispiti@yahoo.com.br) A condição do imigrante no cinema de Emanuele Crialese e Daniele Gaglianone O presente estudo pretende analisar quatro importantes representações fílmicas italianas contemporâneas que tratam do tema da condição do imigrante, a partir da seguinte chave crítica: Itália: país de emigração x Itália: país de imigração, à luz de algumas teorias do Pós-Colonialismo, tais como as propostas por Abdelmalek Sayad e Stuart Hall, além dos estudos de Paul Ricoeur e Alessandro Dal Lago sobre a identidade narrativa do homem que migra. Com efeito, faz-se necessário abrir o leque de reflexões em torno da complexa questão dos movimentos migratórios, tão atuais e polêmicos, no contexto da nova geografia humana, que vem se desenhando, de modo peculiar e persistente, sobretudo a partir de primórdios do século XX, assumindo traços cada vez mais dramáticos, na contemporaneidade. Os casos que, aqui, escolhemos para cumprir nosso intento são os premiados filmes de Emanuele Crialese: Nuovomondo (2006) e Terraferma (2011) em diálogo com Villaggio di cartone (2011) de Ermano Olmi e La mia classe (2013) de Daniele Gaglianone. Palavras-chave: imigração; cinema italiano contemporâneo. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


35

► MARIA CLARA AMADO MARTINS – Docente – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (mariaclaraamado@gmail.com) A arquitetura de Lina Bo Bardi no Brasil A arquiteta italiana Lina Bo Bardi (1914- 1992) marcou a arquitetura no Brasil desde a sua chegada em nossas terras em 1946. Atuante em projetos de arquitetura e restauração, desenhos, mobiliários, revistas, design gráfico, cenografia, figurinos e ensino, Lina deixou um legado de obras como o MASP, SESC Pompeia, Casa de Vidro, Museu de Arte Moderna da Bahia, Teatro Oficina, entre tantos outros trabalhos. Nascida em Roma com o nome Achilina Bo e graduada na mesma cidade, é em sua estadia em Milão, de 1940 a 1945, que emergem duas marcantes características em sua vida profissional: a primeira passa pela pluralidade do seu trabalho e a segunda pela aproximação com as questões sociais nos programas que praticava. O desdobramento de seu talento foi confirmado no Brasil pelo reconhecimento da crítica brasileira e por parceiros com quem trabalhou como Marcelo Ferraz e Joaquim Guedes (Lelé). A crítica internacional também demonstra admiração por sua obra no Brasil. Por exemplo, o crítico espanhol e professor de arquitetura Josep Montaner, em seu livro "Modernidade Superada", coloca o projeto no Morumbi "A Casa de Vidro", de 1951 , na mesma linha de importância da Casa de Vidro do arquiteto alemão Mies Van Der Rohe, dividindo com ele as questões racionais e estruturais da ousadia contemporânea da arquitetura e materiais. Refletir sobre a produção desta arquiteta italiana que um dia escolheu o Brasil para morar e aqui transformou sua obra em referência nacional e internacional. Palavras-chave: Lina Bo Bardi; arquitetura; movimentos migratórios; Itália-Brasil. ► MARIA GLORIA VINCI – Doutoranda – Universidade de São Paulo/USP (gloriabrasil@hotmail.it) Carlo Belloli in Brasile: un geniale precursore della poesia concreta Scopo di questo intervento è richiamare l'attenzione sull'esperienza artistica del poeta, filosofo e critico letterario italiano Carlo Belloli. Con le due raccolte di poesie pubblicate nei primi anni '40 dal titolo Parole per la guerra e Testi-poemi murali, Belloli anticipava di circa dieci anni le sperimentazioni poetiche dello svizzero Gomringer, dei brasiliani De Campos e Pignatari. Dai dati a nostra disposizione e dai risultati delle nostre ricerche effettuate presso biblioteche e archivi italiani e brasiliani, emerge un complesso e finora misconosciuto intreccio di relazioni, contatti, incontri insospettati, tra i protagonisti dell'arte e della poesia concreta internazionale. La visione storiografica, secondo la quale le tre principali direttrici di sperimentazione della nuova avanguardia poetica concreta - quella brasiliana, quella svizzero-tedesca e quella italiana - abbiano avuto origini indipendenti in ciascuna area, deve essere rivista, così come dovrà essere valutata meglio la funzione propulsiva e ispiratrice dell'opera di Carlo Belloli. Palavras-chave: avanguardia; Brasile; Italia; poesia concreta. ► XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


36

MARIA INÊS CARVALHO CORREIA – Docente – Centro de Línguas e Interculturalidade da UFPR/CELIN (inescarvalho3@gmail.com) Língua italiana LE: presença ausente no Colégio Estadual do Paraná (1929-1931) O objetivo deste estudo é apresentar dados sobre a presença ausente da língua italiana LE no ensino secundário do Colégio Estadual do Paraná entre 1929 e 1931, momento em que esta língua constava no currículo escolar nacional como disciplina obrigatória. Esse estudo foi feito no Centro de Memória deste Colégio no período entre 2012 e 2013 e teve em vista dois processos históricos: as posições valorativas dos sujeitos membros da elite brasileira (suas intenções para com os sujeitos imigrantes), bem como, a pouca tradição da língua italiana standard, instituída pelo novo Estado Italiano. Este estudo faz parte de um pequeno recorte de nossa dissertação de mestrado - "Ensino de Língua Italiana LE: um estudo da concepção de cultura tradicional, sociológica intercultural" (CORREIA, 2014), sob o viés siciointeracionista discursivo. O círculo de Bakhtin permeou a nossa fundamentação teórica com as noções de: enunciado historicamente e socialmente contextualizado, forças centrípetas, centralizadoras e vozes sociais que perpassam os sujeitos discursivos. Aos autores do Círculo somou-se a noção de diferença cultural definida por Bhabha, que contempla os entre-lugares, como um lugar de negociação dos valores culturais e onde se iniciam processos de novos signos identitários. Palavras-chave: Língua Italiana LE; Processo histórico; Sujeitos discursivos. ► MARIA LIZETE DOS SANTOS - Docente – Universidade federal do Rio de Janeiro/UFRJ (mlizete@gmail.com) Dante, trasladado e revisitado "I classici sono quei libri che ci arrivano portando su di sé la traccia delle letture che hanno preceduto la nostra e dietro di sé la traccia che hanno lasciato nella cultura o nelle culture che hanno attraversato (o più semplicemente nel linguaggio o nel costume)", afirma Italo Calvino em seu Perché leggere i classici (Mondadori, 2003, p. 7). A partir da afirmação de Calvino, desde 2004, nos dedicamos a investigar as marcas de clássicos italianos encontrados em produções mais recentes, na Itália e no Brasil. Assim, em 2006, propusemos ao Congresso da ABRALIC o simpósio "BrasilItália: interseções literárias e culturais", o primeiro inteiramente dedicado ao estudo das relações literárias, culturais e linguísticas Brasil-Itália, com o objetivo de reunir pesquisadores dessa área de pesquisa. Em 2008, no mesmo Congresso, realizamos o simpósio "Literatura italiana sob o revérbero", no qual nosso campo de interesse se consolidou. O XVI Congresso da Associação Brasileira de Professores de Italiano (ABPI) se nos apresenta como provocação para investigar os reflexos da obra de Dante Alighieri encontrados na obra de Pier Paolo Pasolini, principalmente, mas não só. Assim, a partir da Divina Commedia e da Vita Nuova, pretendemos, novamente citando Calvino (p.13), demonstrar que "i classici servono a capire chi siamo e dove siamo arrivati e perciò gli italiani sono indispensabili proprio per confrontarli agli italiani". Palavras-chave: Dante; Pasolini; Itália; Brasil; interações. ► XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


37

MARINÊS LIMA CARDOSO – Docente – Universidade do Estado do Rio de Janeiro/UERJ (marinesrj@yahoo.com.br) A presença italiana no norte brasileiro A rápida expansão da produção de borracha atraiu muitos trabalhadores para a região norte do Brasil. Além dos brasileiros, a região recebeu muitos estrangeiros, como os italianos, que queriam conhecer a seringueira e seu processo de extração, a fim de tentar, também, lucrar de alguma forma com essa riqueza. A partir de 1870, milhões de italianos, entre camponeses, artesãos, comerciantes e artistas, atravessaram o oceano Atlântico em busca de novas oportunidades e melhores condições de vida. Muitos deles, em famílias ou sozinhos, fugiam de uma Europa em crise e se sentiam atraídos, inicialmente, pela oferta de trabalho nas grandes plantações de café. Os emigrantes privilegiaram o Sul e Sudeste brasileiro, mas alguns se voltaram para a região Norte, impulsionados pela possibilidade de enriquecer com o ciclo da borracha. Os italianos que se dirigiram para o norte do Brasil eram artesãos, como sapateiros, costureiros etc, e como não tinham mais possibilidades de viver dos seus ofícios em suas cidades de origem, buscavam desenvolver suas atividades em uma região que estava em formação e precisava de vários tipos de serviços. Além desses trabalhadores, arquitetos e engenheiros migraram para a Amazônia e contribuíram, também, para a formação do contorno artístico do norte brasileiro. Este trabalho busca descrever esse processo migratório bem como as suas implicações no contexto cultural brasileiro, uma vez que esse traço da presença italiana se reflete até hoje na região em destaque. Nessa pesquisa, serão utilizados os estudos de Vittorio Cappelli (2009) e Francesco Lucarelli (2001). Palavras-chave: imigração; Amazônia; influência cultural. ► MAURÍCIO SANTANA DIAS – Docente – Universidade de São Paulo/USP (mauriciosd@usp.br) Uma ideia de Pasolini: pensar-traduzir o poeta das Cinzas de Gramsci Desde as primeiras composições friulanas de 1941 até os ensaios ritmados dos escritos corsários de 1975, os quais já desbordam da tradicional distinção entre poesia e prosa, Pier Paolo Pasolini compôs com voracidade uma persona de poeta que, no limite, pretendeu incluir tudo e seu contrário. No plano formal, ele foi das villotas e terzine dantesco-pascolianas ao poema visual e aos versos livres, passando pelos mais variados manejos do endecassilabo italiano; no plano conceitual, da contínua exposição de uma intimidade que sempre se punha no centro da cena e que por fim serviu, paradoxalmente, à construção de uma autoimagem de poeta civil e público. Estas foram apenas algumas das infindáveis questões que se apresentaram ao trabalho de seleção e tradução da poesia pasoliniana _objeto desta minha fala_, o qual resultou numa antologia feita a quatro mãos com Alfonso Berardinelli que pretende esboçar, pela primeira vez no Brasil, uma imagem de conjunto desse escritor complexo e mais do que nunca perturbador. Palavras-chave: Pasolini; tradução; poesia. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


38 MAURO PORRU (mp43@uol.com.br)

Docente

Universidade

Federal

da

Bahia/UFBA

A morte e a morte de Quincas berro d'Agua in italiano: esiti positivi e negativi. A morte e a morte de Quincas berro d'Agua in italiano: esiti positivi e negativi. Il presente intervento, partendo dal pressuposto che la traduzione è un importante strumento di connessione tra due visioni di mondo, tratta dell'analisi della versione italiana del racconto di Jorge Amado "A morte e a morte de Quincas Berro Dágua", realizzata dalla traduttrice Elena Grechi e pubblicata da Garzanti nel 1987. L'obiettivo principale delle nostre riflessioni è consistito nell'identificare i procedimenti che hanno orientato le scelte traduttive adottate per superare le difficoltà presenti nel testo amadiano, tenendo conto, soprattutto, dell'importanza di un contatto diretto del traduttore con il contesto socio-culturale in cui l'opera originale è nata per poter cogliere con maggior preparazione la struttura del suo linguaggio ed avvicinarsi con più precisione a questa cultura per riuscire a coglierne l'atmosfera. Palavras-chave: traduzione; Jorge Amado; Italia, Brasile. ► MAYARA DA SILVA NETO – Mestranda – Universidade de São Paulo/USP (mayara.neto@usp.br) A pesquisa no âmbito da cortesia linguística: um projeto entre Brasil e Itália O fato de que pesquisas cross-culturais que comparam a percepção da cortesia de falantes de italiano e de português brasileiro sejam raras ou inexistentes e a expectativa de que os resultados de estudos dessa natureza enriqueçam a formação de docentes brasileiros de língua italiana foram as motivações para uma pesquisa que teve como objetivo verificar (a) de que maneira brasileiros e italianos percebem a cortesia linguística em pedidos realizados por falantes nativos de italiano, gravados em áudio e vídeo, e (b) o que motiva percepções semelhantes ou díspares relatadas por brasileiros e italianos. Foi possível constatar que: 1. há percepções análogas entre brasileiros e italianos para a maioria dos pedidos; 2. diversos elementos foram mencionados como justificativa para a atribuição dos níveis de cortesia (em uma escala de 1 a 5); 3. não parece existir correlação entre os níveis de cortesia e os elementos indicados como justificativa; 4. os modos de brasileiros e italianos interpretarem determinados comportamentos linguísticos coincidem e 5. italianos tendencialmente reforçam algumas interpretações por meio do contato com brasileiros. Embora esses indicadores tenham fornecido respostas iniciais, consideramos necessário ampliar o número de informantes e a qualidade dos dados, confirmando as tendências identificadas. Desse modo, poderá ser viabilizado um melhor entendimento da percepção da cortesia de brasileiros e italianos e as informações poderão também ser utilizadas no ensino de italiano a aprendizes brasileiros. Palavras-chave: brasileiros: cortesia; ensino de italiano; italianos; pedidos; percepção. ► PAOLA GIUSTINA BACCIN – Docente – Universidade de São Paulo/USP (pbaccin@gmail.com)

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


39 Dire, Fare, Partire! Material online para professores e alunos brasileiros de italiano Trata-se de um material online gratuito fruto das pesquisas realizadas no Programa de Pós- Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italiana da Universidade de São Paulo, com apoio do Departamento de Mídias Digitais. disponibilizado gratuitamente, para visão online ou download, no portal de e-aulas da USP (www.eaulas.usp.br) e no site dos cursos de extensão da USP (http://cursosextensao.usp.br/course/v iew.php?id=131). Dire, fare, partire! Não é um curso de italiano para estrangeiros a distância, mas um conjunto de materiais didáticos de suporte a alunos e professores dos cursos de graduação em língua italiana das Universidades Brasileiras e para alunos e professores da rede pública. Espera-se que essa proposta contribua, também para alunos e professores de cursos livres de italiano como língua estrangeira no Brasil, sobretudo os monitores e alunos que atuam nos cursos Italiano no Campus. É importante lembrar que o material é dirigido ao aluno brasileiro, ou seja, são tratadas as dificuldades linguísticas e, sobretudo, culturais especificas do aluno cuja língua materna é o português do Brasil. Esse pressuposto permite que o material tenha uma especificidade que não é encontrada em outros materiais didáticos. Recursos disponíveis: vídeoaula, cena ficcional e explicações linguísticas, apostila com respostas dos exercícios e exercícios online com feedback automático e áudio. Palavras-chave: italiano LE; material online; autonomia; tecnologias digitais. ► PAOLO DEMURU – Docente – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP (paolodemuru@gmail.com) Malandragem, pallone e arte di arrangiarsi. Stili calcistici e identità nazionale tra Brasile e Italia Perché in Brasile il calcio è considerato un’“arte”? Il modo in cui ai tropici si gioca a pallone ha a che fare soltanto con la samba e con la capoeira? Per quale motivo, poi, si ritiene che questo stile rispecchi la “malandragem” e il “jeitinho brasiliano”? E perché il vecchio calcio all’italiana, il cosiddetto “catenaccio”, tutto difesa e contropiede, ne rappresenta l’estremo opposto? Quali filosofie – di gioco e di vita – si celano dietro tale tattica? Che cosa c’entra l’“arte di arrangiarsi” con Paolo Rossi, Cannavaro e i mondiali vinti dall’Italia nel 1982 e nel 2006? E che voleva dire Pasolini quando diceva che gli italiani giocano “in prosa” e i brasiliani “in poesia”? La conferenza esplora i rapporti tra calcio, identità e cultura in due paesi storicamente rivali sul terreno di gioco: Brasile e Italia. Attraverso una retrospettiva di ampio respiro, in cui l’analisi semiotica della pratica calcistica dialoga con quella di altri discorsi sociali, come quello politico e mediatico, si cercherà di mostrare come il calcio sia divenuto, nel corso dell’ultimo secolo, un attore di primo piano nel processo di costruzione e messa in scena di entrambi i caratteri nazionali. Palavras-chave: calcio; identità nazionale; Brasile; Italia. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


40 PAULA GARCIA DE FREITAS – Docente – Universidade Federal do Paraná/UFPR (paulifreitas@hotmail.com) Registro de aulas de língua italiana: por um material para a formação inicial de professores Este trabalho, fruto da parceria entre os departamentos de letras estrangeiras modernas e de teoria e prática de ensino da UFPR, com o apoio da UFPR-TV, apresenta o material audiovisual que está sendo produzido para a formação de professores de língua italiana, cujo objetivo é ilustrar as diferentes abordagens para o ensino de LE. Seis aulas de língua italiana, que seguem abordagens distintas de ensino, foram gravadas e estão sendo editadas a fim de fornecer ao aluno-mestre a possibilidade de 'ver' o que é explicado nos textos teóricos, já que pode ser difícil vivenciar todas as práticas em circunstâncias reais. É importante frisar que o material considera o contexto brasileiro, procurando evidenciar a teoria subjacente às escolhas metodológicas do professor, bem como retratar a realidade do ensino da língua italiana em nosso país. Palavras-chave: ensino de línguas; formação de professores; vídeo-aulas. ► QUÉZEA REGINA ALBOLEA MASTELARO – Doutoranda – Universidade de São Paulo/USP (quezea@gmail.com) O papel do léxico específico na área do direito para o desenvolvimento de competências orais e escritas No contexto de internacionalização da universidade é sabido que os estudantes de direito que procuram se aprofundar no estudo das teorias jurídicas vão se deparar com textos escritos em italiano; eventualmente irão fazer um curso ou participarão de algum congresso na Itália, e para isso deverão ter o domínio do idioma. Além disso, o italiano é um dos idiomas requeridos para prova de proficiência de língua estrangeira; um dos requisitos para o ingresso no mestrado ou no doutorado. Faremos uma exposição dos resultados obtidos na pesquisa realizada durante o mestrado, na qual percebemos a ausência de materiais próprios para estudantes brasileiros de italiano jurídico, e apresentaremos de que maneira pretendemos expandir a nossa investigação, pois, acreditamos que o material didático para ensinar o italiano para estudantes brasileiros de direito deva levar em consideração as particularidades de quem fala a língua portuguesa. No nosso caso em específico, a pesquisa partirá de uma base empírica realizada por meio da nossa ação de professor/pesquisador, pois, estaremos diretamente envolvidos na realização de um curso que servirá para a coleta de dados. O nosso objetivo principal é elaborar, a partir de textos jurídicos autênticos, sequencias didáticas, e, aplicá-las durante o desenvolvimento do curso. Pretendemos realizar a análise das necessidades do grupo e investigar, durante a aplicação do material elaborado por nós, se o curso atende as necessidades desses estudantes que desejam aprofundar seus estudos na área jurídica. Palavras-chave: italiano jurídico; ensino de línguas; fins específicos. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


41 RAFAEL FERREIRA DA SILVA – Docente – Universidade Federal do Ceará/UFC (rafarjbr@gmail.com) Tradurre Camilleri: tra profitti e perdite L'impasto linguistico creato da Camilleri può presentarsi in un primo sguardo come una sfida al traduttore. La variazione sociolinguistica e le altre lingue nella sua opera compongono una ragnatela ricca di direzioni, sensi e intenzioni che provocano i traduttori dell'autore siciliano nelle più di 30 lingue a lanciarsi sul cercare le migliori alternative, sul negoziare tra profitti e perdite. In questa sessione saranno disc usse questioni relative alla traduzione dell'opera di Andrea Camilleri in diverse lingue. Palavras-chave: tradurre; Camilleri; portoghese brasiliano. ► ROBERTA BARNI – Docente – Universidade de São Paulo/USP (rbarni@usp.br) Por um estudo da paisagem em Vita dei campi de Giovanni Verga O presente trabalho pretende compartilhar algumas reflexões sobre a forte presença e peso na economia narrativa - da paisagem em algumas novelas de Vita dei campi de Giuseppe Verga. Nelas, a paisagem parece assumir um valor que ultrapassa a mera descrição ou alguma função ainda tardo-romântica, na medida em que suas descrições da natureza não refletem o estado interior das personagens. Paradoxalmente, o Verga da fase verista transmite por vezes a suas representações espaciais uma marca muito mais do que realista, dotada de forte carga simbólica. A paisagem e suas cores parecem trabalhar aqui em sentido inverso, como se desencadeassem os estados de espírito das personagens. Essa representação, todavia, não é unívoca nem homogênea. São inúmeras as diferenças, por exemplo, entre a paisagem agreste de "Nedda" - conto que, segundo a crítica, inaugura a fase verista do autor -, e aquela, mineira, presente em "Ruivo Pelo-ruim". Na primeira, o espaço e o campo são evocações que beiram o mítico, como em certas pinturas de Lojacono; as cores sugerem sensações que vão do calor ao frio, tanto quanto se verifica na própria trama da narrativa, aludindo à passagem da vida à morte. Na segunda, as cores carregadas das descrições cruas de uma realidade inaceitável como a mineira, a paisagem desolada, por vezes demoníaca, parecem sugerir a maldade que as pessoas reservam ao garoto. Relata-se aqui o estágio atual de nossa pesquisa, ainda em andamento. Palavras-chave: Verga; verismo; paisagem e verismo; Vita dei campi. ► SABRINA MACHETTI – Docente – Università per Stranieri di Siena/UNISTRASI (machetti@unistrasi.it) Riflessioni per una cultura della valutazione e certificazione dell’italiano L2 La verifica e valutazione della competenza linguistico-comunicativa è processo centrale nella didattica delle lingue moderne. A livello internazionale il dibattito su tale tema è ormai ampio e, di recente, particolarmente attento all’incidenza in tale processo di variabili quali il contesto, il tipo di pubblico, l’impatto. Il contributo, procedendo da una ricostruzione delle diverse teorie che si sono susseguite in materia almeno a XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


42 partire dagli anni Sessanta del secolo scorso, illustra alcuni concetti di base della verifica e della valutazione linguistica, inquadrando tale processo nel più ampio settore della linguistica applicata. Un riferimento particolare sarà fatto alla valutazione certificatoria, focalizzando l’attenzione sulle scelte teoriche e metodologiche compiute dalla CILS, la Certificazione d’Italiano come Lingua Straniera dell’Università per Stranieri di Siena. Palavras-chave: verifica; valutazione; competenza comunicativa; CILS. ► SARA SILVA OLIVEIRA – Graduanda – Universidade Federal do Ceará/UFC (sarajbletras@gmail.com) A língua de Catarella em português: reflexões sobre a tradução da obra de Andrea Camilleri O presente trabalho propõe um estudo sobre a obra Il Ladro di Merendine (1996), de Andrea Camilleri e sua respectiva tradução para a língua portuguesa, assinada por Joana Angélica D'Ávila Melo. O autor é reconhecido pelo seu fazer literário, através do qual dissemina a cultura siciliana, trazendo até o leitor uma linguagem composta pelo uso do italiano standard e do dialeto siciliano. Seu maior personagem é o comissário Montalbano, cujas peripécias acontecem, sobretudo, na cidade fictícia de Vigata, identificada como a Sicília contemporânea. O objetivo deste trabalho é analisar como se dá o processo de tradução da obra em tela para o português, observando as estratégias usadas pelo tradutor perante um texto marcadamente rico em variações sociolinguísticas, em especial aquelas diastráticas, entre expressões dialetais e culturais do povo siciliano, enfocando a fala do personagem Catarella, assistente de Montalbano. Para tanto, nossa fundamentação teórica se baseará em Preti (2003) e Cerrato (2012) quanto às questões sociolinguísticas, em Berman (2007) e Eco (2007) quanto àquelas tradutórias e em Cândido (1992) quanto àquelas narrativas. Palavras-chave: tradução; sociolinguística; Andrea Camilleri. ► SILVIA LA REGINA – (silvialaregina@gmail.com)

Docente

Universidade

Federal

da

Bahia/UFBA

Traduzir "falsas" traduções: o manuscrito inventado O topos do manuscrito encontrado aparece na antiguidade clássica, passa pela Renascença e floresce vigorosamente pelo menos até o romantismo; esta ficção narrativa, pela qual o texto apresentado seria uma tradução de um imaginário original, levanta ao tradutor real uma série de instigantes questões. O objetivo desta comunicação é promover uma reflexão, analisando alguns exemplos concretos, sobre a tradução destes textos (como Os cantos de Ossian, ou O nome da rosa). Os resultados do trabalho demonstrarão como, na nova tradução / metatradução do texto, num jogo de espelhos e suas refrações, aparecem vestígios também de seu imaginário original, formando um palimpsesto das três culturas, uma tripla camada de texto de onde emergem as vozes dos vários autores. Palavras-chave: manuscrito; metatradução; romantismo italiano. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


43 ► SILVIA POZZATI – Doutoranda – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ (pozzatisilvia@gmail.com) Un nuovo incontro con Monteiro Lobato: la traduzione de "A Chave do Tamanho" Usando lo strumento di una scrittura piana, apparentemente del tutto accessibile, Monteiro Lobato nasconde una affascinante ricchezza di messaggi nelle pieghe delle proprie opere. Come avviene per i quadri di Picasso o Braque, l'aspetto che il pubblico coglie ad un primo sguardo è solo una frazione di quanto l'autore vuole esprimere e comunicare. Anche i libri che Lobato ha scritto specificamente per l'infanzia, in particolare A Chave do Tamanho, sono ben lungi dal rappresentare le favole unidimensionali a volte stigmatizzate come tali. La ricchezza della sua scrittura, tuttavia, al tempo stesso un enorme pregio, rappresenta una difficoltà in campo traduttivo. Senza dubbio, ha rappresentato l'ostacolo maggiore nel caso dell'incontro mancato fra la prima opera per l'infanzia di Lobato, Nasino, e i lettori italiani. La problematica ecologica, una delle più importanti in questo libro, ma, soprattutto ne A Chave do Tamanho, riveste un ruolo primario nella serie di messaggi che l'autore vuole trasmettere ai lettori. Non è, fra l'altro, una natura asettica, astratta quella che egli vuole appassionatamente salvaguardare, è la natura ricca, poliedrica, complessa del paese che ama incondizionatamente, il Brasile. La sfida traduttiva nel caso della seconda opera è stata affrontata con un lavoro attento e capillare, studiando per ogni termine e frase quale migliore corrispettivo potesse venir ritrovato nella lingua obiettivo (nel caso qui esaminato l'italiano). Trasmettere fuori dai confini del grande paese in cui è stato situato e scritto le immense potenzialità dell'ecosistema brasiliano, metterne in evidenza quanto lo rende unico, chiedere rispetto e protezione. Palavras-chave: Monteiro Lobato; A Chave do Tamanho; traduzione. ► SIMONE CASINI – Docente (simone.casini@unipg.it)

Università

degli

Studi

di

Perugia/UNIPG

Brasile 1960. Gli anni della svolta per l’opera di Alberto Moravia Nell’estate del 1960 Alberto Moravia giunge in Brasile per presiedere il congresso del PEN Club. Ha appena concluso La noia, il suo undicesimo romanzo, quello che più direttamente si ricollega all’ispirazione originaria dell’opera di esordio, Gli indifferenti (1929), e che segna una decisiva svolta nel suo percorso artistico, intellettuale e umano. In questo intervento cercheremo di ricostruire quel momento della vita e dell’opera dello scrittore cinquantenne, in cui si riassume e si conclude una decennale ricerca e si apre una nuova fase. Negli anni seguenti tenterà nuove strade in campo intellettuale e letterario, mentre in compagnia di Dacia Maraini e di Pier Paolo Pasolini compie la “scoperta” decisiva per lui del Terzo Mondo. Uno specifico approfondimento verrà dedicato alle opere di quegli anni (La Ciociara, La noia, L’attenzione, L’uomo come fine) e all’esperienza del Brasile. Palavras-chave: Alberto Moravia; Brasile; anni 1960. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


44 SIMONE LOPES DE ALMEIDA NUNES – Mestranda – Universidade Federal do Ceará/UFC (simonelanunes@gmail.com) A atividade tradutória com Le avventure di Pinocchio aplicada ao ensino de língua estrangeira O uso da tradução já passou por diversas mudanças referentes ao ensino de língua estrangeira (LE), de elemento fundamental na abordagem Gramática-Tradução à sua exclusão por completo com a Abordagem Direta. Atualmente, ela volta lentamente a ganhar espaço em sala de aula. A tradução como ferramenta pedagógica, ou seja, quando o professor a utiliza para verificar e reforçar a aprendizagem, é de grande valia e, quando contextualizada com elementos socioculturais, torna-se mais significativa e eficaz, além de contribuir para formação da identidade cultural do indivíduo, bem como para o aprimoramento do conhecimento da língua materna. Dessa forma, propomos nessa comunicação uma atividade tradutória que utiliza por base um dos clássicos da literatura mundial: Le Avventure di Pinocchio (1883) com intuito de aproximar o aluno não apenas da língua, mas, também, da cultura a qual ela faz parte, fazendo uso da atividade tradutória para introduzir o ensino de elementos culturais da língua estrangeira, aplicando, quando possível, um cotejo entre culturas. Para tanto, apoiarnos-emos, principalmente, nas propostas de Balboni (2011), Romanelli (2009), Hurtado Albir (1998) e Atkinson (1993). Palavras-chave: Pinocchio; pedagógica.

cultura;

ensino

de

língua

estrangeira;

tradução

► SUSI LEOLINDA ROSAS QUEIROZ – Graduanda – Universidade Federal da Bahia/UFBA (susirosas@yahoo.com.br) Italia - storie, ballate e racconti: uma tradução parcial e comentada Sabendo que a tradução consiste em processo de leitura e interpretação, entende-se que traduzir implica em fazer escolhas e criar estratégias, mas o que motiva essas escolhas? O presente trabalho, através da realização de uma tradução comentada, tem o propósito de contribuir com os estudos da tradução refletindo sobre questões práticas do processo tradutório como o público a que se destina, a pertinência do uso de notas de rodapé em literatura infantil, a tradução em prosa e poesia e como fazer a ponte cultural entre texto de partida e de chegada. Considerando a perspectiva funcionalista dos estudos da tradução, foram traduzidos três capítulos - Liguria, Abruzzo e Sardegna - do livro infantil Italia storie, ballate e racconti do escritor italiano Roberto Piumini. Foram também abordados os conceitos de estrangeirização e domesticação propostos pelo teórico Lawrence Venuti ao discutir o objetivo principal do texto traduzido: divulgar a cultura italiana. A perspectiva da mediação cultural foi então decisiva para conduzir as escolhas do tradutor, incluindo sua opção por uma tradução comentada e por sua apresentação bilíngue. Ao elaborar pequenas introduções a cada capítulo, apresentando elementos fundamentais no texto, mas pouco conhecidos pelo leitor brasileiro, o tradutor, além de possibilitar o acesso a um texto escrito em língua italiana, fortalece as pontes entre as duas culturas. Palavras-chave: literatura infanto-juvenil; tradução; tradução comentada. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


45 VITOR DA CUNHA GOMES – Doutorando – Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ- Capes (vitornaitalia@hotmail.com) A formação dos professores de italiano nas instituições de ensino superior do estado do Rio de Janeiro a partir das perspectivas das políticas linguísticas O presente estudo objetiva analisar a formação do professor de italiano a partir das políticas linguísticas. A pesquisa surge após alguns questionamentos que conduzirão os pontos centrais do conteúdo a ser pesquisado: A política linguística é abordada nos cursos de graduação em LPI nas IES/RJ? Quais são implicações dos estudos das políticas linguísticas para a formação de licenciados em italiano? Formulou-se a hipótese de que a política linguística é abordada de maneira insatisfatória por culpa da destinação do tempo de estudo do aluno na graduação, gasta-se muito tempo em disciplinas ligadas diretamente ao ensino da língua estrangeira, o que impossibilita a realização de reflexões que não estejam conectadas intrinsecamente ao aprendizado da língua em questão. O aluno, muitas vezes, ingressa no curso sem nenhum conhecimento da língua estrangeira escolhida, o que pode obstruir sua formação plena, tal fator confecciona um relevante problema para promover a proficiência na língua italiana e ao mesmo tempo torná-lo capaz de lecioná- lá e pesquisar sobre temas que não fossem o seu processo de ensino/aprendizagem. A pesquisa se realizará baseando-se nos estudos de Balboni (1998, 2002 e 2003) que fundamentarão a pesquisa no que concerne o ensino da língua italiana, Rajagopalan (2003, 2004 e 2005), Calvet (2002 e 2007) e Chardenet (2011) guiarão os estudos sobre às políticas linguísticas. Palavras-chave: ensino da língua italiana (LE); políticas linguísticas; formação docente. ► YURI BRUNELLO – Docente (ybrunelloomatic@gmail.com)

Universidade

Federal

do

Ceará/UFC

Uma "nova Grécia". A Itália literária na dedicatória de Musica do Parnasso Música do Parnasso é uma coletânea lírica publicada em 1705 por Manuel Botelho de Oliveira. Trata-se, segundo o próprio autor, da primeira antologia poética publicada de forma impressa por um brasileiro. Falando da Itália moderna, Botelho caracteriza-a na sua dedicatória de abertura - como uma Grécia renovada: "Transformou-se a Itália em uma nova Grécia", e as musas "na mesma Itália se reproduziram no grande Tasso e delicioso Marino". A "nova Grécia" caracteriza-se por expressar duas distintas "formações discursivas": a virgiliana e a ovidiana. Virgílio é definido por Botelho como "famoso", enquanto o adjetivo escolhido por definir a arte do poeta das Metamorfoses é "elegante". Os dois modelos, o épico-virgiliano e o estético-ovidiano, segundo a particular leitura feita por Botelho na dedicatória, prolongam-se através da literatura de Tasso e de Marino, tanto que Botelho chega a individuar uma continuidade entre Virgílio e Tasso. A extensão desta modernização estética à Espanha e a Portugal implica uma desvalorização, dentro da reconstrução critico-narrativa de Botelho, da linha Homero-Virgílio-Tasso. A poesia portuguesa aparece caracterizada pelas "elegâncias" ovidianas, o próprio Camões inclusive, verdadeiro contra-Tasso do período maneirístico-barroco. Tudo isso será abordado ao longo da nossa apresentação. Palavras-chave: fama; elegância; maneirismo; barroco; discursos. XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


46

MINI-CURSOS ► GABRIELE PALLOTTI – Università degli Studi di Modena e Reggio Emilia/UNIMORE Analizzare le produzioni degli apprendenti di italiano seconda lingua: la prospettiva dell’interlingua Il problema di valutare le produzioni linguistiche in L2 viene spesso posto in termini di errori: quanti errori vengono commessi, di quale tipo, di quale gravità? Questo però implica considerare il sistema linguistico di chi impara come una versione più o meno adeguata della lingua di arrivo. E’ invece noto, nella psicolinguistica evolutiva e nella teoria della valutazione, che le persone devono essere valutate per quello che sono, non per quello che non sono, o che gli manca. Il concetto di interlingua va in questa direzione, proponendo di esaminare le produzioni degli apprendenti di L2 come frutto di sistemi evolutivi, instabili e provvisori, ma con una loro logica. Il corso intende sviluppare la capacità di ‘vedere’ le interlingue, attraverso molti esempi concreti e analisi di testi. Verranno fornite anche griglie per la valutazione sistematica, dove valutazione deve intendersi in senso formativo, cioè utile all’insegnante per conoscere meglio i propri alunni e programmare interventi didattici più efficaci. ► GIUSEPPE MARCI – Università degli Studi di Cagliari/UNICA Leonardo Sciascia scrittore e profeta Nel tempo di due ore, previste per il minicorso, vorrei offrire, sull’opera dello scrittore italiano Leonardo Sciascia (1921-1989), una informazione di sintesi che non sia genericamente illustrativa ma miri a mettere in luce le specificità propriamente letterarie, da un lato e, dall’altro, gli aspetti riguardanti l’attenzione storico-sociologica, politica e civile che sostiene il suo ruolo di profeta. Sciascia visse una stagione particolarmente intensa della storia italiana, quella che inizia col fascismo, si sviluppa con la Seconda guerra mondiale, lo sbarco degli americani in Sicilia (1943), la ricostruzione della vita democratica con la forte contrapposizione politica tra la Democrazia cristiana e il Partito comunista. Senza dire del fenomeno rappresentato dalla mafia, che Leonardo Sciascia – a cominciare dal suo primo romanzo giallo,Il giorno della civetta (1961) – contribuì a far conoscere (in un’Italia che preferiva ignorarne l’esistenza) dando vita a forti campagne pubblicistiche e a un’attività politica che lo portò ad assumere il ruolo di consigliere comunale e di deputato al Parlamento. In questa veste si occupò di uno dei fatti più drammatici della vita politica italiana nella seconda metà del Novecento: il rapimento e l’assassinio del presidente della Democrazia cristiana Aldo Moro, alla cui vicenda dedicò un pamphlet di alta intensità emotiva e letteraria: L’affaire Moro (1978). Obiettivo del minicorso sarà quello di mostrare – attraverso l’analisi di romanzi e saggi – come l’elemento saggistico e quello letterario convivano nelle opere dello scrittore, nell’intreccio tra qualità della scrittura e profondità dei concetti elaborati da un profeta per lo più inascoltato. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


47 PAOLA GIUSTINA BACCIN – Universidade de São Paulo/USP Dire, Fare, Partire! Material online para professores e alunos brasileiros de italiano Trata-se de um material online gratuito fruto das pesquisas realizadas no Programa de Pós- Graduação em Língua, Literatura e Cultura Italiana da Universidade de São Paulo, com apoio do Departamento de Mídias Digitais. disponibilizado gratuitamente, para visão online ou download, no portal de e-aulas da USP (www.eaulas.usp.br) e no site dos cursos de extensão da USP (http://cursosextensao.usp.br/course/v iew.php?id=131). Dire, fare, partire! Não é um curso de italiano para estrangeiros a distância, mas um conjunto de materiais didáticos de suporte a alunos e professores dos cursos de graduação em língua italiana das Universidades Brasileiras e para alunos e professores da rede pública. Espera-se que essa proposta contribua, também para alunos e professores de cursos livres de italiano como língua estrangeira no Brasil, sobretudo os monitores e alunos que atuam nos cursos Italiano no Campus. É importante lembrar que o material é dirigido ao aluno brasileiro, ou seja, são tratadas as dificuldades linguísticas e, sobretudo, culturais especificas do aluno cuja língua materna é o português do Brasil. Esse pressuposto permite que o material tenha uma especificidade que não é encontrada em outros materiais didáticos. Recursos disponíveis: vídeoaula, cena ficcional e explicações linguísticas, apostila com respostas dos exercícios e exercícios online com feedback automático e áudio. ► PAOLO DEMURU – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo/PUC-SP Imbiancare e rinvigorire. Calcio, razza e potere nel Brasile post-abolizione e nell'Italia fascista Il corso intende esplorare le relazioni tra i discorsi sul calcio e i discorsi sulla razza nel Brasile post-abolizione e nell’Italia fascista. In particolare, si cercherà di dimostrare come lo sport abbia giocato un ruolo di assoluta rilevanza nel processo di costruzione e sedimentazione di due specifici modelli di cultura nazionale: il modello del cosiddetto branqueamento, sorto in Brasile a cavallo tra Ottocento e Novecento sulla scia delle riflessioni seminali di João Batista Lacerda, e quello dell’italiano nuovo, ideato e difeso dalla dittatura mussoliniana. In entrambi i casi abbiamo a che fare con progetti di rigenerazione e rifacimento della popolazione nazionale, i cui effetti si estendono ben oltre i confini del discorso scientifico e politico, riecheggiando in sfere come la moda, l’alimentazione, la cura del sé, l’architettura, etc. Una trama di vincoli e nessi semantici in cui il calcio, ancora una volta, spicca e si afferma come elemento propulsore, contribuendo in modo decisivo alla consolidazione di precisi rapporti di forza e strutture di potere, su cui oggi, alla luce delle trasformazioni in atto nei due paesi, è forse il caso di tornare a riflettere. Lezione 1. Calcio e imbiancamento nel Brasile post-abolizione. Lezione 2. Calcio, razza e potere nell’Italia fascista: italiani nuovi e identità schizofreniche. ►

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


48 SABRINA MACHETTI – Università per Stranieri di Siena/UNISTRASI Riflessioni per una cultura della valutazione e certificazione dell’italiano L2 Lezione n. 1: Test oggettivi e test soggettivi a confronto La lezione ha l’obiettivo di far familiarizzare i partecipanti, anche attraverso momenti di attività pratica, con la costruzione e l’utilizzo dei test oggettivi e dei test soggettivi ai fini della verifica e della valutazione della competenza linguistico-comunicativa in italiano come lingua straniera. Di entrambi gli strumenti verranno prese in esame le diverse tipologie, le relative caratteristiche, i vantaggi e gli svantaggi legati al loro utilizzo. Verrà inoltre proposta una riflessione sull’adeguatezza dei diversi strumenti in relazione alla diversità degli obiettivi, dei contesti e dei pubblici che sono coinvolti nel processo di verifica e valutazione. Lezione n. 2: Può la valutazione linguistica informare la didattica? Questioni di impatto e nuove frontiere della verifica e della valutazione linguistica La lezione ha l’obiettivo di riflettere assieme ai partecipanti su alcune delle nuove modalità di verifica e valutazione della competenza linguistica e sulla loro possibilità di creare un impatto positivo nella didattica delle lingue moderne, con particolare riferimento al caso dell’italiano come lingua straniera. In particolare, saranno illustrati principi ed obiettivi del Learning-Orientend Language Assessment (LOA) e sarà proposta una riflessione su come utilizzare a fini didattici le specifiche e i risultati della valutazione certificatoria. ► SIMONE CASINI –Università degli Studi di Perugia/UNIPG Moravia:Viaggi e romanzi 1. Anni Trenta: Stati Uniti e Messico, Cina, Grecia 2. Dopoguerra: fra Stati Uniti e Unione Sovietica 3. Anni Sessanta: alla scoperta del Terzo Mondo 4. Il personaggio dell'inviato speciale 5. Anni Settanta: le grandi interviste

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


49

XVI CONGRESSO DA ABPI – Itália e Brasil: línguas e culturas em contato – Fortaleza/Ceará – 26 a 30/10/2015 -


Profile for ABPI Italiano

ABPI - Caderno de Resumos 2015  

ABPI - Caderno de Resumos 2015  

Advertisement