Page 1

PESQUISA DE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO (APO) Pesquisadores: Abiola Yayi Anivaldo Gonçalves Cassiano Guimarães João Pedro Ferreira Orientadoras:Rita Saramago e Simone Villa


 É dada introdução a este trabalho a partir de dados coletados em campo. Foi feito um questionário acima dos parâmetros considerados de maior importância relacionados aos espaços da moradia popular e suas consequências para os usuários.  Procura-se entender um tanto mais sobre as criticas feitas pelas famílias, e, pelas descrições retrucadas a certas perguntas preeminentes, poder avaliar o quão realmente relevante seria a possibilidade de uma resposta ao que se julga deficitário.  A vida nas cidades, essencialmente para aqueles desfavorecidos, pouco concilia qualidade a um padrão de construção. Muitas vezes os lucros destinados à iniciativa privada, passam pela frente deixando um rastro de má edificação, perene, que acaba por situar-se em uma forma de agressão à própria natureza.  O ”teto“ ministrado pelo poder público, bolado para incorporar em um espaço ínfimo as condições primarias de uso e habitação – “objeto casa” - pouco aborda estudos que satisfaçam a ideia de um lugar original e confortável, senão digno de lar.  Neste trabalho tentaremos apresentar, com base em estatísticas, uma espécie de priorização a nós descrita, a qual por fim, servirá de impulso à constituição do conceito do “mínimo necessário”.  Seguem os resultados de nossa visita.  Coordenadas geográficas: quadra visitada     

Bairro Jardim Holanda A Norte: Al. Deocleciano Martins A Sul: Al. Balthazar do Nascimento A Leste: Al. João de Almeida A Oeste: Não identificada


Traço: Perfis dos Entrevistados  Entrevistado 1

 Entrevistado 4

   

    

Nome Completo: n/d Idade: n/d Profissão: Dona de Casa Número de integrantes da família: 3, mãe e 2 filhos  Localização: Rua xxx , número 170, Jardim Holanda  Renda Familiar: entre R$1201,00 e R$1920,00

 Entrevistado 2    

Nome Completo: n/d Idade: mais de 66 Profissão: Dona de Casa Número de integrantes da família: 2, mãe e filha  Localização: Rua xxx , número 1055, Jardim Holanda  Renda Familiar: entre R$241,00 e R$720,00

 Entrevistado 3    

Nome Completo: Nair Soares Idade: 56 a 65 Profissão: Dona de Casa Número de integrantes da família: 3, ela e dois netos  Localização: Rua xxx , número 130 Jardim Holanda  Renda Familiar: entre R$721,00 e R$1200,00

Nome Completo: n/d Idade: n/d Profissão: Funcionário Público Número de integrantes da família: 3 Localização: Rua xxx, número 90, Jardim Holanda  Renda Familiar: acima de R$1921,00

 Entrevistado 5  Nome completo: Elisangela Cristina de Oliveira Santana  Idade: 26 a 35  Profissão: n/d  Número de integrantes da família: 3  Localização: Rua xxx , número 110, Jardim Holanda  Renda Familiar: R$1201,00 e R$1920,00


Traço: Perfis dos Entrevistados A maior parcela dos entrevistados responde por uma renda familiar superior a 2 salários mínimos, e habita geralmente a residência num total nuclear de 3 habitantes. A maioria dos entrevistados eram mulheres, donas de casa já aposentadas. Minas Gerais está como o estado de maior representatividade relativa às descendências, com exceção apenas de dois indivíduos, um natural da região centro-oeste e outro da nordeste, tendo ambos já vivido em Uberlândia há bastante tempo. A taxa de escolaridade analisada é baixa, sendo que a maioria tem ensino básico incompleto e a minoria cursado somente o ensino fundamental. Não foram registrados na pesquisa entrevistados com ensino superior.


 Projeção aproximada da habitações entrevistada

 Um dos principais fatores desse API é a flexibilidade dentro da habitação.Encontrámos no local, habitações modificadas e em processso de modificação(ampliação), situação que deixa pensar que a população é pré-disposta à flexibilidade sem saber o que é.Os moradores compram as habitações com a intenção de modificá-las ao longo do tempo, o que é normal, sendo que as casas são padronizadas, mas cada casa tem um perfil de morador diferente.A questão é "será que uma modificação direcionada, mais fácil ,mais econômica, e mais vantajosa do ponto de vista arquitetônico e do conforto é possível?"É uma possibilidade à qual o API deverá responder.


Fotografias da รกrea


Grรกficos


Considerações  Em considerações finais sobre o conjunto habitacional, relatamos de maneira geral uma posição neutra dos moradores quando somados os pontos replicados e pesados na balança. As casas em si não foram avaliadas como muito confortáveis. Constatamos que a organização espacial e as dimensões são os fatores mais problemáticos. O conforto térmico aderido parece ser razoável segundo os usuários, mas sentimos uma falta de mais arborização tanto dentro no terreno correspondente à propriedade, quanto fora. Fator de gravidade para a avaliação da zona de conforto.  Muito do desconforto e também do consumo exagerado de energia, tanto para aquecimento como para resfrigeração, percebidos na entrevista, vem do uso errado e inadequado de materiais de construção, de esquadrias, mau posicionamento nos terrenos em relação ao sol e ventos predominantes e outros fatores. E geralmente este desconforto e consumo exagerado de energia vem da econômia feita durante a consturção. Reduz-se o custo inicial, mas o custo e despesa ao longo dos anos é bem maior.  O elemento mais satisfatório parece ser a área do terreno. A parte construída representa apenas a metade ou talvez menos da metade do total, dando a possibilidade aos moradores de ampliar as casas conforme as suas necessidades (muitas casas já foram e ainda estão sendo ampliadas).  A relação com o entorno, por sua vez, não é muito interessante. Os moradores, em sua maioria, não tem conhecimento da vizinhança imediata. As fachadas frontais têm acesso murado, portanto nenhum dos entrevistados reclamou quanto a segurança do setor, até então.

PESQUISA DE AVALIAÇÃO PÓS-OCUPAÇÃO(APO)  

Trabalho de pesquisa sobre a avaliação pós ocupação das habitações do bairro Jardim Holanda em Uberlândia-MG