Page 20

conhecimento ou a contabilidade de sua empre­ Qual a ava­lia­ç ão que o senhor faz do cenário sa, mas você tem que entender que a indústria econômico ­atual? gráfica é vital para qualquer país. É por meio Quan­do eu ouço economistas e intelectuais que dela que se transfere conhecimento. O papel é têm uma visão pragmática do mundo, e quan­ um formato tão importante quanto o computa­ do vejo o Brasil desses últimos 15 anos, fico dor, o rádio ou a TV. No caso da China, eu per­ muito preo­cu­pa­do. Porque vie­mos de uma in­ flação que o Plano Real ate­ gunto: o que o país fez para nuou bastante, mas, infe­ competir com todo o mun­ lizmente, por falta de visão, do? Colocou o so­c ia ­l is­m o HOJE VOCÊ PODE estamos em um momento para comandar a in­f raes­ ESCOLHER A NUVEM bastante complicado. tru­tu­ra financeira, eliminou ONDE IRÁ DEPOSITAR bu­ro­cra­cias. Por isso se tor­ Quais os principais de­s a­ nou mais barato produzir lá. TODO O SEU fios enfrentados pelo Sebrae CONHECIMENTO OU A em 2015? A China teria, então, unido CONTABILIDADE DE SUA O nosso desafio é buscar o melhor de dois sistemas de EMPRESA, MAS VOCÊ transmitir para aqueles que governo? TEM QUE ENTENDER QUE entendem, que amam a sua O que o país fez foi unir o A INDÚSTRIA GRÁFICA É vida, que se sintam respon­ melhor do so­c ia­lis­mo e do sáveis, como cidadãos e em­ capitalismo, sem radicalis­ VITAL PARA QUALQUER preen­de­do­res, que usem o mos. O radicalismo trans­ PAÍS. É POR MEIO DELA apoio do Sebrae. A  nossa forma o homem em um ani­ QUE SE TRANSFERE missão é participar, inte­ mal. O radical não ouve, não CONHECIMENTO. grar qualquer cidadão em vê, fica cego. Não se pode um processo de desenvol­ confundir programas de go­ vimento pes­soal, mas com verno com ideo­lo­g ias. É pre­ ciso que até as oposições convivam bem, para, a visão do país onde ele vive. Não é só crescer de maneira objetiva, pensar antes no país, no egoisticamente para que este indivíduo fique coletivo. Não adian­t a você querer distribuir rico, mas para que o país seja rico, que ele pos­ as riquezas que não tem. Você precisa ­criar ri­ sa aprender a conviver com a competição, com quezas. E o que faz efetivamente a competi­ a concorrência, que é o melhor professor que ção? Uma produção acima da necessidade da pode haver no setor co­mer­cial. A concorrência te população. Porque se faltar, a inflação é natu­ ensina na medida em que você presta atenção. ral. Se eu tenho um produto que cinco pes­soas Não se julgue su­pe­r ior ou in­fe­r ior a ninguém, querem, vou colocar um preço maior para ver mas um partícipe das transformações. Se ajus­ quem paga mais. São esses aspectos muito ele­ te às novas rea­li­da­des e use-​­as para o seu bem mentares, muito ób­v ios, que, infelizmente, por pes­soal, mas com a visão do bem-​­estar geral, serem tão ób­v ios, pouca gente presta atenção. o bem-​­estar de seu país.

20 REVISTA ABIGR AF  julho /agosto 2014

Revista Abigraf 272  
Revista Abigraf 272  
Advertisement