Issuu on Google+

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014 www.sintraconsp.org.br | sintraconsp@sintraconsp.org.br

O caos da Saúde no Brasil

O governo Dilma destrói a Petrobrás e trabalhador perde dinheiro

Página 18

Página 17

Incompetência faz da Saúde o maior problema do País na opinião dos brasileiros.

Em 4 anos, a Petrobrás caiu da 12ª para a 120ª posição na lista de empresas mais valiosas do mundo. Prejuízo pro trabalhador!

Acordo coletivo: Estamos perto de mais uma vitória! A nossa pauta de reivindicações já foi entregue ao sindicato patronal. Estamos aguardando uma contraproposta, confiantes

de que ela atenda as nossas exigências. É hora de mobilizar ainda mais! Página 04

Cartão Amigo do Trabalhador Conheça as vantagens de ter o seu! Página 10

Dilma dá banquete para empresários enquanto passa a mão no seu dinheiro. Nós protestamos! Página 13


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 02

DIREITOS DOS TRABALHADORES

ARTIGO

A luta das mulheres também é nossa!

N

o dia 08 de março comemoramos o Dia Internacional da Mulher, e essa data é de importância especial na nossa luta por melhores condições de trabalho para todos. Ainda hoje, a mulher continua enfrentando preconceito no mercado de trabalho. O salário delas é, em média, 28% menor que o dos homens, executando as mesmas funções. E pior: essa diferença não diminui desde 2009! Quem aceita uma injustiça está aceitando todas. Por isso, não podemos permitir que as nossas companheiras continuem sendo tratadas com diferença. Sabemos que as mulheres estão entrando em todos os mercados de trabalho, sem medo, buscando qualificação profissional e mostrando competência. Até no nosso setor da construção civil, que sempre foi dominado pelos homens, já temos mulheres mostrando serem boas de serviço. A luta delas também é nossa.

As mulheres são maioria da população, maioria no mercado de trabalho, em média estudam por mais tempo e buscam mais qualificação profissional. Não podemos aceitar que elas continuem sendo tratadas com diferença. Ramalho da Construção Presidente do Sintracon-SP

‘‘

Lugar de mulher é onde ela quiser. E deve ser tratada com respeito e igualdade. Todos nós só temos a ganhar com isso! disse Ramalho

Civil, Ladrilhos Hidráulicos e Produtos de Cimento, Cerâmica para Construção, Pinturas, Decorações, Estuques, Ornatos, Artefatos de Cimento Armado, Instalações Elétricas, Oficiais Eletricistas, Gás, Hidráulicas, Sanitária, Montagens Industriais e Engenharia Consultiva.

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014 Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil de São Paulo / Fundado em 16 de Junho de 1936 / Adaptado ao Decreto de Lei 1.402 - por carta de 14 de maio de 1941. Sede: Rua Conde de Sarzedas, 286 - Centro - São Paulo - CEP 01512-000 Fone: 3388-4800 - Fax: 3207-4921 Sub-Sede Taboão: Rua Elisabetha Lips, 118 - Jardim Bom Tempo - Taboão da Serra - SP - CEP 06763-190 Fone: 4771-1145 / 4771-1146 Internet: www.sintraconsp.org.br E-mail: sintraconsp@sintraconsp.org.br Base territorial: Municípios de São Paulo, Itapecirica da Serra, Taboão da Serra, Embú e Embú-Guaçú, Franco da Rocha, Mairiporã, Caieiras, Juquitiba, Francisco Morato e São Lourenço da Serra. Impressão: Novacamp Editora e Gráfica Ltda. Tiragem: 100 mil exemplares. Representantes: Categoria Profissionais de Trabalhadores do Ramo da Construção

Diretoria Executiva: Presidente: Antonio de Sousa Ramalho Secretário Geral: Antonio de Freitas Pereira 1o. Secretário: Antonio de Sousa Ramalho Junior 2a. Secretária: Josileide Neri de Oliveira Tesoureiro Geral: Wilson Florentino de Paula 1o. Tesoureiro: Darci Pinto Gonçalves 2o. Tesoureiro: Moisés Antonio de Oliveira Diretoria de Base: Atevaldo Vieira Leitao, Jose Pedro dos Santos, Ezequiel Barbosa de Sales, Franciso de Assis P. Lima, Manoel Teixeira de Carvalho, Cícero Saldanha de Oliveira, José Ailson dos Santos Souza. Conselho Fiscal: Osvaldo de Oliveira Souza, Cláudio Aureliano Moreira, Francisco de Andrade Coelho. / Suplentes: José Luiz do Nascimento, Mário Brito do Nascimento, José Geraldo Martins. Delegados da Federação: Antonio de Sousa Ramalho, Darci Pinto Gonçalves. / Suplentes: João Rodrigues de Araújo, Miguel Machado Pereira. Conselho de Redação: Antonio de Sousa Ramalho, Darci Pinto Gonçalves. Redação: Arnaldo Jubelini Jr. - Mtb: 12.597, Dani Duarte. / Fotografias: Ronaldo Gama / Edição Final e Diagramação: OFA Comunicação (ofa@ofacomunicacao.com.br | 11-3311-7729)


PÁGINA 03

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DIREITOS DOS TRABALHADORES

Além de defender conquistas, o movimento sindical precisa assegurar novos avanços

N

o último dia 24 de março, na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Guarulhos e Região, foi realizado um ato destinado à valorização do salário mínimo.

Nos últimos anos, o mínimo brasileiro acumula ganhos reais de 72,3%, fato que melhora a distribuição de renda, aquece a economia e promove inclusão social.

O presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, levou a mensagem do nosso sindicato aos trabalhadores: É importante assegurar a política de reajuste do mínimo negociada entre o movimento sindical e o governo do ex-presidente Lula. Digo isso porque a medida foi positiva para a classe trabalhadora e para a sociedade brasileira. Nos últimos anos, o mínimo brasileiro acumula ganhos reais de 72,3%, fato que melhora a distribuição de renda, aquece a economia e promove inclusão social. O movimento sindical precisa sim lutar pela manutenção de fórmulas que dão certo. Mas jamais pode se dar por satisfeito. É urgente a mobilização dos trabalhadores para melhor equilibrar a balança entre o capital e o trabalho. É extremamente necessário ficar de olho na corrupção, pois o dinheiro que dela vaza daria para completar o aumento dos aposentados e outros. A classe trabalhadora precisa saber, ainda, o que acontece com a Petrobras, que saiu do 12° para o 120° lugar na lista das maiores empresas do mundo por falta de transparência, somada a negócios mal feitos e de duvidosas intenções, no mínimo. Precisamos pensar nos aposentados que ganham acima do mínimo e que, há anos, não recebem aumento real de salário. Diminuir a incidência de imposto de renda nos salários é urgente. Novas conquistas, companheiros, só conseguiremos se o governo debater mais com as centrais trabalhistas e menos com os empresários. Está faltando diálogo. O movimento sindical, no momento, está carente de ser ouvido, o que é, no mínimo, antidemocrático.”


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 04

DIREITOS DOS TRABALHADORES

“Eu acredito no diálogo, mas estamos preparados para o que der e vier!”

A

s nossas reinvindicações já foram entregues aos patrões. Agora, aguardamos uma contraproposta digna. Na entrevista abaixo, o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, conta como estão as negociações e a mobilização dos trabalhadores para fazer prevalecer os nossos direitos.

A Tribuna: Como estão as negociações para a Convenção Coletiva da nossa categoria? Ramalho: No dia 25 de fevereiro, estivemos na sede do sindicato patronal onde protocolamos a entrega da nossa pauta de reivindicações. Sabemos que, em 13 de março, os empresários realizaram uma primeira análise do nosso documento, que contém 98 cláusulas, entre elas, a do aumento de salário de 5% mais a reposição da inflação. No momento, aguardamos uma contraproposta digna, que contemple as necessidades dos trabalhadores da Construção Civil sob a influência do nosso Sindicato.

vai manter o diálogo franco e aberto junto aos patrões. Não vamos tomar nenhuma medida radical. Agora, esperamos resposta rápida às reivindicações e seriedade na condução do processo. Se percebermos que as coisas estão emperrando, não teremos outra alternativa senão mostrar a força do trabalhador.

A Tribuna: Será uma negociação difícil? Ramalho: Sempre é, mas estamos confiantes. Os resultados dependem da mobilização da categoria, por isso acredito que chegaremos a um excelente acordo. Os trabalhadores estão conscientes e sabemos que nossas reivindicações são coerentes.

A Tribuna: Enquanto as negociações não são concluídas, o que o senhor espera da categoria? Ramalho: Que se mantenha firme em seus propósitos e confie na transparência das ações do nosso Sindicato. Sempre que for preciso, soltaremos boletins com informações. É importante ressaltar que a categoria não deve se deixar levar por informações que não venham do Sindicato. Somos um dos maiores e mais representativos sindicatos da América Latina. Chegamos até aqui com seriedade e comprometimento com os trabalhadores.

A Tribuna: A categoria está preparada para sustentar as reivindicações? Ramalho: Sem dúvidas. Nosso Sindicato, como sempre,

A Tribuna: A data limite é 1° de maio. O senhor acredita que, antes disso, tudo estará resolvido? Ramalho: Esperamos que sim, pois nesse ano teremos grandes acontecimentos, como a Copa do Mundo e as eleições. Não podemos perder o foco.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

247 - ABRIL 2014 2014 EDIÇÃO 300 FEVEREIRO

PÁGINA 06

DIREITOS DOS TRABALHADORES

Cuidado com a armadilha das tarefas!

N

essa entrevista, o presidente do nosso Sindicato, Ramalho da Construção, analisa um dos maiores problemas da categoria, que afeta a vida e o destino dos trabalhadores: a prática das tarefas. Entenda por que o sindicato é contra as tarefas, e o que você precisa saber para exigir os seus direitos! A Tribuna: Nosso Sindicato vem fazendo uma campanha de esclarecimento contra a prática das tarefas. Por quê? Ramalho: As tarefas são um dos maiores problemas que temos hoje na construção civil. Os patrões registram o funcionário em carteira pelo piso da categoria, e paga as horas extras (tarefas) por fora. Esse sistema faz o trabalhador perder seus direitos, como FGTS, férias, 13º salário e aposentadoria, além de fazer ele trabalhar mais do que deveria, causando problemas de saúde e aumentando o risco de acidentes.

A Tribuna: Que contas são essas? Como o trabalhador pode saber o quanto está perdendo com as tarefas? Ramalho: Imagine um pedreiro. Ele entra para a empresa sendo registrado pelo piso, que é de R$ 1.298,00. Com as tarefas, ele chega a ganhar R$ 5.500,00 em um mês. A diferença é de R$ 4.202,00 não registrados no holerite. O FGTS dele, o 13º salário e as férias ele vai receber de acordo com os R$ 1.298,00. Se ficar doente e tiver de recorrer ao seguro ou à Caixa, também.

A Tribuna: Se a tarefa é tão ruim para o trabalhador, por que tantos aceitam trabalhar nesse sistema? Ramalho: O trabalhador pensa nas contas do mês, nas coisas que quer comprar para sua família, e acha que vale a pena ganhar um pouco a mais, sem os descontos do holerite. Ele não percebe que um dia vai precisar da aposentadoria, que no fim do ano vai perder no 13º salário, ou que se ficar desempregado vai precisar do FGTS. Ele não faz as contas.

A Tribuna: E se ele tivesse os R$ 5.500,00 registrados no holerite? Ramalho: Aí, o nosso pedreiro do exemplo, teria direito a R$ 513,33 de FGTS todo mês. De 13º salário seriam R$ 6.416,67. De férias, receberia R$ 8.555,55. De aviso prévio, nada menos do que R$ 6.416,67. De DSR, coisa não registrada com o valor do piso, embolsaria R$ 916,67. A diferença é muito grande.


PÁGINA 07

247 - ABRIL 2014 EDIÇÃOEDIÇÃO 300 - FEVEREIRO 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

VEJA O PREÇO JUSTO DAS TAREFAS

O Sintracon-SP deixa claro que não recomenda a prática da tarefa. Ela traz jornada de trabalho excessiva, que acaba com a saúde e o convívio familiar do trabalhador, além de aumentar o risco de acidentes. Mas se a prática for do seu interesse, não seja enganado: saiba dosar melhor a carga horária e cobrar o que é justo, sempre por dentro do holerite para não perder seus benefícios. Nas tarefas, o profissional deve ser pago com o preço do metro quadrado. Vejam como ficaram esses preços com o reajuste de 8,99% conquistado na Convenção 2013/2014:

FORROS Aplicação de chapisco: R$ 3,06/m² Aplicação de reboco: R$ 15,50/m² PAREDES Aplicação de chapisco: R$ 3,06/m² Aplicação de emboço: R$ 17,19/m² Aplicação de reboco: R$ 13,01/m² Aplicação de gesso em bloco de concreto: R$ 6,41/m² Assentamento de azulejos 15X15 cm com argamassa: R$ 7,14/m² Assentamento de pastilha cerâmica ou porcelana: R$ 16,06/m² Cantoneira de alumínio proteção de cantos e azulejos: R$ 12,66/m² Execução de massa raspada sobre emboço já pronto: R$ 49,76/m² Aplicação de reboco: R$ 17,19/m²

A Tribuna: Como o trabalhador pode fazer para exigir seus direitos? Ramalho: Quando o companheiro for executar tarefas, deve exigir que tudo o que ganha seja demonstrado no holerite. Ele não estará pedindo nada mais do que o cumprimento das leis do nosso País. E pode contar sempre com o Sintracon-SP para ajudar nisso! A Tribuna: E caso ele já tenha caído no golpe das tarefas? Ramalho: Se o companheiro já faz tarefas, deve seguir as dicas do sindicato: guardar sempre os nomes, endereços, telefones e RG de seus companheiros de trabalho para que eles, no futuro, possam ser suas testemunhas em caso de processo trabalhista. Guardar, também, os endereços das obras em que você trabalhou, a data em que começou e terminou o trabalho naquela obra, o nome da construtora majoritária (a contratante). Tudo isso vai ser muito importante para comprovar na Justiça que você foi vítima dessa fraude.

A Tribuna: Com a nova Convenção Coletiva o que mudou nas tarefas? Ramalho: Na última Convenção Coletiva, o nosso Sindicato deu um golpe de mestre na questão das tarefas. Fez incluir a seguinte cláusula: “Quando houver pagamento de tarefa/produtividade por parte da contratada e/ou contratante, o valor correspondente deverá integrar a remuneração dos funcionários para todos os efeitos legais”. A Tribuna: Que outras vantagens indevidas os empresários levam com as tarefas? Ramalho: Um trabalhador que vive de tarefa, trabalha mais do que devia, acaba com a sua saúde e corre mais risco de se envolver em um acidente. Para o patrão, é só vantagem. Esse operário executa o trabalho correspondente a quatro profissionais e, por isso, a empresa só pensa que está economizando em direitos do trabalhador, uniformes, alimentação, EPI, água, etc. Enquanto isso, um trabalhador está se matando e outros três ficaram sem emprego.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 08

DIREITOS DOS TRABALHADORES

Seconci-SP completa 50 anos e realiza seminário sobre saúde do trabalhador

Entre os dias 17 e 19 de março, o Serviço Social da Construção Civil do Estado de São Paulo (Seconci-SP) comemorou os 50 anos de existência realizando o seminário “50 anos construindo saúde”. No evento, foram discutidos temas como a saúde do trabalhador da Construção Civil, segurança do paciente, a qualidade dos serviços de saúde e a construção do SUS. O Seconci-SP é uma organização sem fins lucrativos, fundada por um grupo de empresários da construção civil, com a missão de promover a saúde, educação e assistência social aos trabalhadores do setor. “O maior patrimônio de um país são os seus trabalhadores, que precisam estar bem para exercerem suas funções e construírem as riquezas do Brasil. Por isso, a iniciativa do Seconci-SP é digna de aplausos, pois a saúde do trabalhador não tem preço”, disse o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção. Reconhecido por seu atendimento digno e de qualidade, o Seconci-SP é parceiro da Secretaria de Estado da Saúde na gestão de unidades de saúde, desde 1999. Hoje, além do Hospital Geral de Itapecerica da Serra, é também responsável pelo gerenciamento do Hospital Estadual Vila Alpina, Hospital Regional de Cotia, Hospital Estadual de Sapopemba, AME Barradas (Heliópolis) e AME Sorocaba. A entidade também mantém parceria com a Secretaria Municipal da Saúde, na gestão do Território Penha/Ermelino Matarazzo.

‘‘

O maior patrimônio de um país são os seus trabalhadores, que precisam estar bem para exercerem suas funções e construírem as riquezas do Brasil. Por isso, a iniciativa do SeconciSP é digna de aplausos, pois a saúde do trabalhador não tem preço! disse Ramalho


PÁGINA 09

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Ser sócio do Sintracon-SP é um bom negócio, veja:


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 10

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Conheça o Cartão Amigo do Trabalhador e aproveite as vantagens!

O

Cartão Amigo do Trabalhador é um benefício exclusivo para os sócios do Sintracon-SP. Além de descontos em uma rede de estabelecimentos comerciais e de ensino, o trabalhador que tem o Cartão Amigo do Trabalhador também concorre a R$ 2 mil por semana. 47 companheiros já ganharam e você pode ser o próximo!

“A maioria dos sindicatos dá uma carteirinha para os sócios, no Sintracon-SP nós damos o Cartão Amigo do Trabalhador, cheio de benefícios”, disse o presidente do sindicato, Ramalho da Construção.

QUAIS SÃO OS BENEFÍCIOS DO CARTÃO AMIGO DO TRABALHADOR? Uma ampla rede de estabelecimentos comerciais e de ensino que oferecem descontos; Sorteios semanais que dão R$ 2 mil ao vencedor; Seguro de R$ 1500 em caso de morte acidental; Diária de Incapacidade Física Temporária por Acidente (DIT) de R$ 10 por dia até 30 dias, a contar do 16º dia

QUEM TEM DIREITO AOS BENEFÍCIOS? Todos os sócios do Sintracon-SP em dia com suas mensalidades e com o cadastro atualizado, para poderem ser localizados em caso de ganharem o sorteio. Mais do que um bom negócio, o Cartão Amigo do Trabalhador é uma conquista dos trabalhadores, resultado de uma gestão moderna, transparente e eficaz do Sintracon-SP.

‘‘

A maioria dos sindicatos dá uma carteirinha para os sócios, no SintraconSP nós damos o Cartão Amigo do Trabalhador, cheio de benefícios sem dificuldades disse Ramalho


PÁGINA 11

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Ramalho da Construção discursa para 300 trabalhadores em canteiro da construtora Rossi

O trabalhador precisa conhecer de perto o dia a dia de um político, até para saber o que cobrar e também para escolher melhor nas urnas.

Cerca de 300 trabalhadores da obra da Construtora Rossi ouviram atentamente a palestra do presidente do nosso Sindicato, Ramalho da Construção, realizada na manhã do último dia 25 de março, no bairro do Jaguaré. Com grande experiência nos canteiros de obras, o sindicalista e também deputado estadual orientou os trabalhadores sobre a importância da qualificação profissional, “que ajuda tanto o profissional, como o sindicato no ato das negociações junto aos patrões”. Na ocasião, Ramalho citou boa parte dos benefícios que o Sindicato oferece aos associados e seus familiares dependentes, entre eles: departamento jurídico, ambulatório médico, odontológico e o Cartão Amigo do Trabalhador, um verdadeiro passaporte para descontos junto a estabelecimentos conveniados (comerciais e de ensino). Ramalho explicou que o acordo coletivo desse ano será difícil. “Precisamos conseguir ao menos manter as cláusulas já existentes na Convenção, pois se trata de um ano competitivo, com grandes eventos, feriados e eleições. Tudo isso acaba implicando nas negociações. Porém, queremos evoluir mais nas conquistas e, para isso, não descartamos a possibilidade de uma greve geral da categoria. A força deve vir do próprio trabalhador. O Sindicato, por si só, não pode fazer muita coisa. Você, companheiro é a nossa força”, ressaltou. Ao finalizar o bate papo, Ramalho colocou seu gabinete na Assembleia Legislativa à disposição dos trabalhadores. “Toda sexta-feira realizamos encontros com alguns trabalhadores na sede do nosso sindicato e, na sequência vamos até a Assembleia, onde visitam o gabinete e conhecem a estrutura do local. Acho isso importante, porque o trabalhador precisa conhecer de perto o dia a dia de um político, até para saber o que cobrar e também para escolher melhor nas urnas”, finalizou.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 12

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Sindicato faz festa para comemorar o Dia Internacional da Mulher

O Dia Internacional da Mulher foi comemorado pelo Sintracon-SP de uma forma diferente neste ano. No Club e Park Rincão, em Embu-Guaçu, as mulheres passaram um sábado de muitas atrações. O presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, prestigiou a festa que reuniu cerca de 400 companheiras, além de receber algumas convidadas de honra, como Josileide Néri de Oliveira, diretora do Sindicato e organizadora do evento; Ana Paula Tavares, do projeto Mulheres que Constroem; a advogada Adriana Ramalho; Maria Auxiliadora dos Santos, secretária da mulher da Força Sindical; e Eunice Cabral, presidente do Sindicato das Costureiras e vereadora de Piracaia. A palestrante Caroline Penteado mexeu com o imaginário das participantes, convidando as mulheres a se valorizarem mais. Enquanto Eunice Cabral emocionou a todos com sua história de vida, dedicada a lutar pelos direitos das trabalhadoras, através do sindicalismo. Por sua trajetória, ela recebeu uma homenagem do Sintracon-SP. Além de todas as atividades do local, as mulheres que estiveram no evento receberam de cortesia tratamentos de beleza para pele, unhas e cabelo, e ainda levaram prêmios pra casa. Foram sorteadas TV de 24 polegadas, tablets, máquinas fotográficas, estojos de maquiagem, relógios de pulso e relógios chaveiros. Uma das participantes, que levou pra casa um relógio chaveiro, foi Maria Madalena, esposa de um associado do Sindicato, moradora de Itaquaquecetuba. Ela foi ao evento acompanhada da mãe e de quatro filhos. Todos adoraram o dia.

“Foi muito marcante, pois tinham atividades para todas as idades. Eu mesma estive em vários brinquedos”, ressaltou Madalena. “Conhecemos de perto a qualidade e desempenho da mulher em todos os ramos que ela atua. E em nosso setor isso não tem sido diferente, pois as companheiras vêm se destacando a cada período”, afirmou Ramalho da Construção. Este foi o primeiro ano em que o nosso Sindicato ofereceu uma festa totalmente dedicada às mulheres. E o resultado foi o melhor possível. “Com o sucesso do evento, nosso objetivo é o de continuar nos próximos anos. A experiência foi além de nossas expectativas. A cada ano devemos aumentar o número de convidadas para celebrar esta data tão especial”, finalizou Ramalho.


PÁGINA 13

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Ramalho prestigia posse da nova diretoria do Sindicato dos Hoteleiros O presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, prestigiou a posse da nova diretoria do Sinthoresp – Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, restaurantes, bares e similares de São Paulo, comandado pelo presidente Francisco Calasans Lacerda, realizada no dia 26/02. Segundo Ramalho, “a posse da nova diretoria, sob o comando do companheiro Calasans, reforça o

compromisso do Sinthoresp na continuidade da luta pelas conquistas trabalhistas e sociais da categoria”. Ramalho ressaltou a história de Calasans e seu trabalho para a garantia dos direitos dos trabalhadores. “Tenho certeza que a caminhada será de muitas conquistas. Desejo aos companheiros todo o sucesso possível, pois a vitória de cada um deles também é a nossa vitória”, declarou.

Sardinhada no Ministério da Fazenda

Trabalhadores e lideranças da Força Sindical organizaram, no último dia 12 de março, em frente ao Ministério da Fazenda, um churrasco de sardinha e abacaxi. O ato aconteceu ao mesmo tempo que a reunião do ministro Guido Mantega com os maiores empresários do País. O Sintracon-SP esteve representado pelo secretário-geral Antonio de Freitas Pereira, a segunda-secretária Josileide Néri de Oliveira, o diretor de Base Francisco de Assis Pereira Lima, e o diretor de Base e vereador por Diadema Atevaldo Vieira Leitão. Os trabalhadores levaram mais de 40 quilos de sardinha e 30 abacaxis, e o protesto chamou a atenção da mídia e de todos que passavam pelo local. Ficou claro que os trabalhadores estão indignados com a demora do governo em resolver questões como o fim do Fator Previdenciário, a atualização da tabela do Imposto

de Renda e a manutenção da fórmula que corrige o salário mínimo, prevista para acabar em 2015 (os trabalhadores pedem a prorrogação até 2025). “Enquanto o governo está recebendo os maiores empresários do Brasil lá em cima para comer caviar, nós vamos comer nossa sardinha, aqui em baixo. A política de correção do mínimo não foi ideia do governo, mas uma conquista das centrais de trabalhadores”, disse Carlos Lacerda, da Federação de Metalúrgicos. Ele destacou ainda que as mudança na correção do salário mínimo não prejudicou ninguém como especulava-se na época da adoção. “Foi justamente essa política que mostrou que a adoção da metodologia não quebrou ninguém e nem vai quebrar: o que quebra é a corrupção”, concluiu.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

NOTÍCIAS DO SINDICATO

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

Sub-sede de Taboão leva atendimento do sindicato para mais perto de você A Sub-sede do Sintracon-SP em Taboão da Serra foi criada para facilitar o atendimento ao trabalhador da construção civil, especialmente os associados que vivem em Embu, Embu-Guaçu, Itapecerica da Serra, Franco da Rocha, Mairiporã, Juquitiba, São Lourenço da Serra, Francisco Morato e Caieiras, além da própria Tabão da Serra. Na sub-sede, os trabalhadores da região podem fazer homologações, levar denúncias e dúvidas para os assessores de base, e até mesmo passar pelo dentista. O Ambulatório Odontológico funciona de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h, e faz obturações, extrações e limpeza. Para prótese, tratamento de canal e ortodontia é preciso marcar horário. O Ambulatório Odontológico funciona de segunda a sexta, das 8h às 12h e das 14h às 18h. TELEFONE: (11) 4771-1145 /

4771-1146 ENDEREÇO: Rua Elisabetha Lips,

118, no Jardim Bom Tempo (Área central de Taboão da Serra).

TABOÃO DA SERRA

PÁGINA 14


PÁGINA 15

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

NOTÍCIAS DO SINDICATO

Esporte marca a 7ª edição do ConstruSer

N

o dia 29 de março, cerca de 50 mil trabalhadores da construção civil e familiares tiveram um dia de lazer e convivência nos diversos Centros de Atividades do SesiSP que participaram da 7ª edição do ConstruSer. Realizado pelo SindusCon-SP, o evento visa elevar a qualidade de vida dos trabalhadores do setor por meio de atividades que melhorem sua autoestima e a convivência com seus familiares.

“Foi um dia que passei com a minha segunda família, que são os trabalhadores da construção civil”, disse o presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, ao final do evento. Ele esteve presente na unidade de Osasco, junto de 12 mil trabalhadores, onde atletas do Sesi interagiram com o público, compartilhando experiências sobre a importância do esporte e conduzindo oficinas entre pais e filhos. Murilo Endres, atleta da seleção brasileira de vôlei, era um deles. “O atleta serve de exemplo para os mais jovens, e essa

interação com as pessoas é fundamental para promover o esporte na formação dessa nova geração”, disse ele. Em vários locais do estado foram oferecidas atividades de cultura, lazer, educação alimentar, orientações de saúde, artesanato e qualificação profissional. “O Sintracon-SP apoia o ConstruSer porque para nós é fundamental oferecer aos trabalhadores atividades que nem sempre eles têm acesso e que são tão importantes para a formação deles como profissionais e cidadãos”, completou Ramalho.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 16

ARTIGO

A volta do AI-5? A

CIDADANIA

Força Sindical teme que o projeto de lei antimanifestação do governo federal, se aprovado, vire a segunda versão do AI-5, o ato institucional que endureceu o regime militar, em dezembro de 1968.

Naquele período, primeiro foram proibidas as livres manifestações. Depois, os jornais e emissoras de televisão foram censurados. Mas foi justamente o povo nas ruas que conquistou a redemocratização. Parece que o governo se esqueceu desse capítulo da história. O ministro da Justiça, atropelado pela pressa, pode cair no terreno da intolerância. Será que ele não se recorda da importância das Diretas Já em São Paulo e no Rio de Janeiro? A Força Sindical teve acesso à íntegra do projeto, chamado por alguns de lei antiterrorismo. Considera-o uma mordaça com viés autoritário aos movimentos sociais cujo intuito é inibir, senão calar as livres e legítimas manifestações de rua. Como o do governo, há quase dez projetos similares no Congresso. Representantes da Força Sindical reuniramse recentemente com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal para expressar a preocupação da classe trabalhadora com o tópico. Ambos os líderes se mostraram sensíveis ao tema e temerosos, como os sindicalistas, pela ameaça de supressão dos direitos sociais. Se confirmado o texto, não restará dúvida de que o projeto de lei do governo nada mais é do que uma tentativa de reprimir as demandas da população. Aproveitando-se do momento de turbulência e excessos praticados por pequenos grupos como os “black blocs”, ele visaria criminalizar os protestantes. Já contamos 50 anos desde o golpe de 1964 e 25 anos desde a promulgação da Constituição cidadã. O bom senso pede que mudanças sejam debatidas com racionalidade, baseadas no princípio da razoabilidade. O governo precisa entender que manifestante é

manifestante e terrorista é terrorista. Esse mesmo projeto, se mantido como vimos, chegaria ao absurdo de propor a redução de três para duas pessoas reunidas para que seja caracterizada, perante o Código Penal, formação de quadrilha. Quer dizer que dois sindicalistas propondo uma greve na porta de fábrica por atrasos nos salários serão, com eventual aprovação do projeto do governo, presos e enquadrados no artigo de formação de quadrilha? Interessante que o Palácio do Planalto faça alarde por meio de propaganda institucional do aumento da renda da população nos últimos anos, como se fosse mérito governamental, mas se esqueça que os reajustes salariais são conquistas dos sindicatos. E os sindicatos, por sua vez, utilizaram atos, manifestações e greves como forma de organização e pressão para obter tais resultados. Sim, porque é inequívoco que foram as nossas manifestações que ajudaram a melhorar a distribuição de renda no país. Atos de vandalismos são inaceitáveis. Mas precisamos estar vacinados contra as tentações autoritárias. A Força Sindical defende manifestações de rosto limpo, como faz há 22 anos. Afinal, todos os trabalhadores e militantes estão nas ruas porque acreditam na luta e nas bandeiras que empunham. Não precisam resguardar suas identidades. Mas não abrem mão de seu direito de manifestar-se livremente. Miguel Torres Presidente da Força Sindical, CNTM e Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes


PÁGINA 17

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

CIDADANIA

Petrobrás: corrupção e incompetência que trazem prejuízos ao trabalhador Um dos maiores patrimônios do povo brasileiro, a Petrobrás, está se afundando em um mar de incompetência e suspeitas de corrupção. A empresa já estava ficando mal das pernas por causa da incompetência do Governo Dilma em controlar a inflação. Para não perder de vez o controle sobre os preços, o governo obrigou a Petrobrás a continuar vendendo a gasolina a um preço baixo. Resultado: a inflação continua descontrolada e a empresa ficou no prejuízo. Isso já era ruim para os milhões de trabalhadores que investiram seu FGTS em ações da Petrobrás. Mas, agora, a situação ficou pior. Primeiro, um ex-funcionário da empresa holandesa SBM denunciou que funcionários da Petrobrás receberam propina para fazer negócios com a SBM. Depois, um diretor da Petrobrás foi preso em uma operação da Polícia Federal, suspeito de lavagem de dinheiro. Agora, também surge a história da compra, em 2006, de uma refinaria em Pasadena, nos EUA, em que a Petrobrás pagou 30 vezes o valor que a empresa valia. E com tudo aprovado pelo Conselho de Administração da Petrobrás, presidido na época por Dilma Rousseff. Se isso tudo não bastasse, aparecem

também suspeitas de superfaturamento na construção das refinarias de Abreu e Lima, em Pernambuco, onde o expresidente Lula firmou uma parceria da Petrobrás com a PDVSA, da Venezuela, sorrindo para fotos ao lado de Hugo Chavez. No fim, a PDVSA não pagou o que prometeu e a Petrobrás resolveu não cobrar o calote. Antes de todos esses escândalos, as ações dos trabalhadores que investiram seu FGTS na Petrobrás já tinham perdido 30% de seu valor. Agora, em crise, e caindo da 12ª posição para a 120ª posição na lista de empresas mais valiosas do mundo, a situação da Petrobrás deve piorar ainda mais. A oposição ao Governo Dilma, liderada pelo senador Aécio Neves (PSDB-MG), trabalha por uma CPI que investigue o que está acontecendo nessa empresa que já foi o orgulho do Brasil. É bom mesmo que tudo seja investigado. Porque a Petrobrás é patrimônio do trabalhador brasileiro, e não de um partido político.

‘‘

O PT, que sempre mentiu dizendo que o PSDB queria privatizar a Petrobrás, fez muito pior: roubou a Petrobrás do povo brasileiro! disse Ramalho


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 18

CIDADANIA

Saúde é o principal problema do Brasil

VOCÊ PRECISA SABER

Governo Dilma cumpre só 10,6% das obras de Saúde prometidas no PAC Em 2010, Dilma lançou o PAC 2, um pacote de obras em várias áreas. Segundo um levantamento do Conselho Federal de Medicina, apenas 10,6% das obras prometidas na Saúde foram entregues. E metade delas nem começaram!

No Brasil Unidades Básicas de Saúde (UBS) Prometidas: 15.638 Entregues: 1.404 (9%) Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Prometidas: 503 Entregues: 15 (3%)

Em São Paulo Unidades Básicas de Saúde (UBS) Prometidas: 1.347 Entregues: 130 (9,6%) - Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Prometidas: 120 Entregues: ZERO!

Pesquisa feita pela CNI e o Ibope no fim de 2013, mostrou que a saúde é o maior problema do Brasil. A saúde foi escolhida por 58% dos entrevistados, ficando na frente da segurança, drogas, educação e corrupção. O resultado não é por acaso. A saúde pública no Brasil não trata os mais pobres com dignidade. Os postos de saúde e hospitais estão lotados, sem médicos, sem remédios, sem equipamentos e sem vagas. A demora por um exame ou o encaminhamento para um especialista muitas vezes deixa a doença muito pior do que era. Só na gestão do último ministro da Saúde, Alexandre Padilha, que será candidato a governador de São Paulo pelo PT, foram fechados 13 mil leitos do SUS no Brasil, em pouco mais de dois anos. Piorou ainda mais a situação que já não era boa. O governo do PT demorou 11 anos para descobrir que o Brasil precisava de mais médicos. Mas a cada ano 13 mil médicos são formados no Brasil. Ou seja, se tivesse estímulo de bons salários e condições de trabalho, nesses 11 anos mais de 130 mil médicos brasileiros poderiam estar atendendo a população. O resultado apareceu em mais uma pesquisa CNI/ Ibope, esta de março de 2014, onde 77% dos entrevistados desaprovam o Governo Dilma na área da Saúde. Agora, denúncias começam a aparecer, acusando a gestão de Alexandre Padilha de desvios e superfaturamento no Ministério da Saúde. A Polícia Federal está investigando um desvio de R$ 90 milhões na compra de Viagra. A saúde dos brasileiros já não está bem. Com incompetência e corrupção só pode piorar!

‘‘

O Governo Dilma não está interessado em entregar as obras, mas apenas em fazer propaganda delas disse Desiré Callegaria Diretor do Conselho Federal de Medicina


PÁGINA 19

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

CIDADANIA

Por que transferir o título?

M

uitos trabalhadores da construção civil vieram de outras cidades e outros estados para tentar uma vida melhor em São Paulo. Eu também fui assim. Saí de Conceição do Piancó, na Paraíba, ainda jovem. E vim para São Paulo, onde tive a felicidade de poder mostrar o meu trabalho em mais de 700 canteiros de obras por aqui. A verdade é que o nordestino chega em São Paulo cheio de timidez e medo, como se não tivesse o direito de querer mais do que um trabalho. Ele não chega pensando em participar da vida em São Paulo, exigir seus direitos de cidadão, e ser uma alavanca para o crescimento dessa cidade. Eu sou hoje o presidente do Sintracon-SP e testemunha da força que nós temos quando lutamos pelos nossos direitos. Vejam quantas coisas já conquistamos nas nossas greves e mobilizações. Nós podemos participar do nosso sindicato, de associações de bairro, ir até a escola dos nossos filhos para acompanhar o trabalho feito, até a subprefeitura do nosso bairro. E principalmente nós podemos votar! Até hoje alguns políticos não dão importância para a nossa categoria porque sabem que existe um grande número de trabalhadores da construção civil que não votam porque não transferiram o título de eleitor quando saíram da sua terra. Por isso, quanto mais trabalhadores fizerem a transferência do título de eleitor, votarem e participarem nas eleições, mais a nossa categoria será forte e respeitada! Ramalho da Construção, presidente do Sintracon-SP

Nós podemos participar do nosso sindicato, de associações de bairro, ir até a escola dos nossos filhos para acompanhar o trabalho feito, até a subprefeitura do nosso bairro. E principalmente nós podemos votar!

VEJA COMO TRANSFERIR


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 20

CIDADANIA

Diretoria do Secovi-SP recebe governador Geraldo Alckmin O governador Geraldo Alckmin foi o convidado da reunião do NAT (Núcleo de Altos Temas) em conjunto com a Política Olho no Olho, do Secovi-SP. O evento ocorreu no último dia 21 de março e destinou-se exclusivamente aos membros do NAT e empresários associados ao Secovi-SP. Alckmin falou sobre as dificuldades que o Brasil enfrenta na economia e no social, com baixo crescimento, diminuição na geração de empregos, e a situação difícil da saúde, educação e segurança dos brasileiros. Ele também apresentou dados sobre o trabalho do Governo de São Paulo nas áreas da habitação, qualificação, transportes e segurança.

“É impressionante a importância que tem a indústria de construção civil e todo o mercado imobiliário, gerando empregos e renda. Quero destacar a inovação de São Paulo com o Casa Paulista. Nós estamos usando parte dos recursos do Estado para o programa, que é destinado para famílias que ganham até R$ 1.600”, disse Alckmin. O presidente do Sintracon-SP, Ramalho da Construção, acompanhou o evento e disse que a palestra do governador foi enriquecedora. “O governador Geraldo Alckmin é reconhecido por todos como um homem sério e honesto, ouvir suas ideias e conhecer melhor o seu trabalho me dá a certeza de que nosso estado está em boas mãos”, disse Ramalho.


PÁGINA 21

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

SAÚDE

Vacine sua filha contra o HPV!

SERVIÇOS

Começou no dia 10 de março a campanha de vacinação contra o HPV (papilomavírus humano) - causador de câncer de colo do útero -, para meninas de 11 a 13 anos. Até 10 de abril, aproximadamente cinco mil postos de saúde em todo o estado de São Paulo, com horário de funcionamento das 8h às 17h, estarão abastecidos com as vacinas contra o HPV para a aplicação da primeira dose. Nesse período, estima-se que 808 mil garotas sejam imunizadas, o que corresponde a 80% das paulistas na idade alvo da ação. Além dos postos de saúde, a vacinação

também deve ocorrer em escolas, a critério de cada município. Pais ou responsáveis devem consultar a direção das unidades de ensino para saber se haverá vacinação no local. A imunização completa é feita em três etapas. A segunda dose deve ser aplicada seis meses após a primeira. Já a terceira, que funciona como um reforço, deve ser aplicada cinco anos após a primeira. No próximo ano, a vacina contra o HPV será destinada às meninas entre 9 e 11 anos e também será dividida em três etapas.

SOBRE O HPV O HPV (papilomavírus humano) é um vírus contagioso que pode ser transmitido com um único contato direto com a pele ou mucosa infectada. Sua principal forma de transmissão ocorre via relação sexual, mas também há contágio entre mãe e bebê durante a gravidez ou o parto (a chamada transmissão vertical). Inicialmente sem sintomas, a infecção por HPV pode evoluir para lesões de pele e mucosas e em alguns casos também ocasiona o surgimento de verrugas genitais. Quando não tratada corretamente, estas lesões podem evoluir para um câncer genital, como o câncer de colo de útero, cuja doença tem como principais sintomas dores, corrimento ou sangramento vaginal.


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 22

QUALIFICAÇÃO

São Paulo cria novos incentivos à qualificação profissional

A capacitação profissional será ainda mais estimulada em todo o Estado de São Paulo. No último dia 13 de março, foram anunciadas, pelo governo Alckmin, 162.208 novas vagas em cursos do Via Rápida Emprego. Houve ainda a entrega de mais 17 carretas equipadas com salas de aula e laboratórios, que permitem levar qualificação profissional a diversos municípios. “O trabalho muda a vida da gente. O trabalho faz com que nos sintamos úteis às pessoas, nos realiza. Estamos ajudando quem mais precisa e fazendo um bom casamento entre educação e mercado de trabalho”, definiu Geraldo Alckmin. Do total das vagas anunciadas, 82 mil são para cursos presenciais distribuídos por todas as regiões administrativas do Estado. Destas, 19.800 são para alunos da rede estadual de ensino. Ainda serão ofertadas mais 80 mil vagas em inglês e espanhol à distância pelo Via Rápida Idiomas. O objetivo é qualificar profissionais que atuam ou estão

interessados em ingressar nos setores ligados ao turismo, comércio, serviços e eventos esportivos como a Copa do Mundo. Outra novidade é a ferramenta online Vaga Certa, de intermediação de mão de obra para o mercado de trabalho, destinada aos alunos concluintes do Via Rápida Emprego e aos estudantes e formandos dos cursos técnicos e tecnológicos do Centro Paula Souza. A nova ferramenta online funcionará como uma central de vagas. O site gratuito contará com espaço destinado aos empregadores e aos alunos. Para alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos), foi lançado o Professor Online, um site para orientação de estudos dos alunos do Programa. O portal vai permitir que o estudante publique suas dúvidas de forma privada. Um grupo de professores responderá às questões, com base nos materiais de apoio ao programa, guiando o estudo dos alunos.

VIA RÁPIDA EDUCAÇÃO INTEGRAL Em parceria com a Secretaria da Educação, 20 mil vagas de cursos profissionalizantes serão abertas nas escolas da rede estadual. O Via Rápida - Educação Integral oferecerá 13 opções de formação diferentes em áreas como Cuidando de Idosos, Agentes de Turismo, Gestor de Projetos Sociais e Organizador de Eventos. As aulas serão oferecidas para a 3ª série do Ensino Médio, depois da grade regular de ensino, o que amplia

a jornada dos estudantes na rede estadual e aumenta sua permanência na escola. As vagas serão distribuídas em 330 unidades de 135 municípios, sendo 8.500 oportunidades na Capital e Grande São Paulo e outras 11.500 no Interior e Litoral. As unidades foram selecionadas por terem estrutura que comporte ao menos duas turmas extras - de 30 alunos em cada sala - disponíveis para o Via Rápida. A previsão é que as aulas comecem até o final de abril.


PÁGINA 23

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

SAÚDE

Dicas de primeiros socorros para seus filhos em casos de doença e acidente

I

ntoxicações, cortes, sangramento, engasgos, febres, queimaduras. Esses são alguns dos principais problemas envolvendo nossas crianças em casa.

O Dr. Sumio Egawa, diretor clínico do Ambulatório Médico do Sintracon-SP, dá algumas dicas úteis para que você possa fazer os primeiros socorros. “A principal dica é manter a calma diante do problema, pois nervosismo só piora a situação”, disse ele. Intoxicações Se a criança engolir um remédio que não devia, ou em grande quantidade, álcool, plantas e frutinhas venenosas, a dica é manter a criança em ambiente arejado e desapertar suas roupas. Se ela engoliu produtos químicos, não provoque vômitos. Tenha em mãos a embalagem do produto e ligue para o Centro de Controle de Intoxicação pelo telefone 0800 771 3733. Cortes e arranhões Lave o ferimento com água corrente e sabonete. Limpe o local com algodão embebido em água morna. Se, após cinco minutos, continuar a sangrar, faça pressão na área com um pano limpo. Caso o corte seja grande ou profundo e o sangramento intenso, leve a criança ao hospital, sem deixar de continuar pressionando o ferimento. Sangramento nasal Se o nariz da criança começar a sangrar, aperte firmemente as narinas por cinco minutos. Coloque compressa de pano frio ou bolsa de gelo no nariz. Se o problema continuar, leve a criança com urgência ao hospital. Engasgos Ponha o bebê de cabeça para baixo e dê batidas firmes entre os omoplatas (os dois ossos salientes das costas).

Se a criança for maior de nove anos, abrace ela por trás, em pé, pressionando sua mão fechada acima do umbigo dela. Com a outra mão, empurre com força sua mão fechada para dentro e para cima. Não tente tirar um objeto estranho com o dedo. Leve a criança com urgência ao hospital. Febre alta Retire da criança o máximo de roupas possível. Dê banhos mornos. Faça-a beber bastante líquido (água ou chá). Se a febre não parar, procure orientação médica com urgência. Queimaduras Só trate queimaduras em casa quando elas forem pequenas e superficiais. Resfrie depressa a área atingida com água fria por cinco minutos, ou aplique compressas (úmidas e frias). Não use gelo! Não use, também, cremes, óleos, pasta de dente ou pomadas sobre a queimadura. No caso de bolhas, não as fure. Caso a queimadura atingir grande parte do corpo, leve a criança com urgência a um hospital. Dicas úteis Guarde sempre em casa uma caixa de primeiros socorros, com gaze esterilizada, curativos, algodão, álcool, tesoura, termômetro e mercúrio cromo.

PARA GUARDAR Recorte este quadro e deixe em local fácil de ser visto, como porta da geladeira ou ao lado do telefone fixo.

Telefones Úteis Polícia: 190 Samu: 192 Bombeiros: 193 Centro de Controle de Intoxicação: 0800 771 3733 Hospital mais próximo: ____________________ Médico da criança: ____________________


A TRIBUNA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

EDIÇÃO 247 - ABRIL 2014

PÁGINA 24

8,99 %

ÍNDICE DE

AUMENTO SALARIAL MAIO 2013 A ABRIL 2014

PISO EM R$

POR HORA

QUALIFICADO

R$ 1.298,00

R$ 5,90

11,11%

NÃO QUALIFICADO

R$ 1.067,00

R$ 4,85

8,99%

MONTAGENS

R$ 1.555,40

R$ 7,07

8,99%

TIQUETE CARTÃO MAGNÉTICO SEGURO DE VIDA MORTE OU INVALIDEZ MORTE NATURAL MORTE DO CÔNJUGE E FILHO (SOLTEIRO) AUXILIO FUNERAL

AUMENTO DE

era de R$ 15,00 foi para R$ 18,00 | Aumento de 20% era de R$ 150,00 foi para R$ 200,00 | Aumento de 33,33% era de R$ 40.000,00 foi para R$ 45.000,00 | Aumento de 12,5% era de R$ 15.000,00 foi para R$ 16.875,00 | Aumento de 12,5% até 21 anos de R$ 3.000,00 foi para R$ 3.375,00 | Aumento de 12,5% era de R$ 1.800,00 foi para R$ 2.025,00 | Aumento de 12,5%

Seconci = Obrigado a contribuir (Cláusula 10a.) A Empresa contratada deverá fornecer aos seus funcionários, nos termos de cláusula da presente convenção refeição no mesmo padrão e qualidade nas refeição fornecida pele empresa contratante no canteiro de obras.


Tribuna Abril 2014