Page 1

Abril/Maio - 2016

UGT COMEMORA 1º DE MAIO COM SEMINÁRIO E OUSADIA

P

ela terceira vez a UGT - União Geral dos Trabalhadores -, a Central Sindical que mais cresceu nesse último período, realiza um ousado Seminário para comemorar o 1º de Maio, Dia do Trabalhador. O Seminário, cujo tema central “Trabalhadores (as) em Tempos de Crise: construindo alternativas”, é em parceria com o Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (CESIT), do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas e acontecerá nos dias 25 e 26 de abril de 2016, no Novotel Center Norte que fica na Avenida Zaki Narchi, 500 - Vila Guilherme - São Paulo/SP. A ideia é resgatar o significado histórico das comemorações do Dia do Trabalhador que sempre teve por objetivo debater o aprofundamento dos direitos dos trabalhadores e as perspectivas de futuro. Para isso, nada mais apropriado do que a parceria do Movimento Sindical com o Mundo Acadêmico, dando sentido à realização de análises sobre a realidade do mundo e o Brasil na atualidade, na busca de construir saídas para os trabalhadores e o povo diante da grave crise que se apresenta. A proposta desse formato de comemoração do 1º de Maio da UGT é da Secretaria de organização e Políticas Sindicais da Central, que tem como Secretário da Pasta o presidente do Sindicato dos Padeiros de São Paulo, Chiquinho Pereira. Para ele, o movimento sindical brasileiro precisa enfrentar de forma coerente, ousada e combativa a política econômica recessiva que tem como consequência a drástica redução da força de trabalho, gerando milhões de desempregados e retirado direitos históricos dos trabalhadores e trabalhadoras brasileiros.

Paulo Rogério “Neguita”

Seminário UGT 1º de Maio de 2015 - 30 anos de redemocratização do Brasil

MOVIMENTO SINDICAL EM DEBATE Além das questões políticas, econômicas e seus reflexos no mundo do trabalho na atualidade, o Seminário do 1º de Maio da UGT irá discutir e reavaliar a situação do movimento sindical brasileiro. É necessário realizar mudanças profundas na estrutura organizacional, forma e conteúdo das entidades sindicais, de maneira a dar respostas objetivas aos inúmeros problemas que atingem os trabalhadores (as), diante de tão grave crise. A ideia é debater a reunificação do movimento sindical, através de um projeto que unifique as centrais, cujo objetivo é diminuir os danos causados aos trabalhadores (as). “Diante da crise política e econômica que afeta os país, não há alternativa se não a autorregulação da forma de organização das centrais e sindicatos como, por exem-

plo, mudanças nos estatutos, realização de eleições mais democráticas, mandatos compatíveis que coincidam com os mandatos dos parlamentares. Essa discussão é decisiva nas entidades sindicais”. Afirma Chiquinho Pereira. É urgente debater a forma de atuação, as estruturas, o dia-a-dia e, especialmente, a parte jurídica das entidades. Para Chiquinho, se de fato o movimento sindical brasileiro pretende intervir e lutar para coibir os danos que, de forma recorrente, tem causado desemprego e perdas de direitos dos trabalhadores (as), terá que ter a disposição de construir um novo projeto de atuação para oferecer aos trabalhadores e à sociedade. Sem isso, não haverá perspectivas e nem saídas para o povo e o Brasil. Leia mais sobre os Temas e toda programação na página 8.

CAMPANHA SALARIAL DA NOSSA CATEGORIA nO ABC JÁ COMEÇOU A

Campanha Salarial de 2016 dos trabalhadores em panificação e confeitaria da região do ABC já começou. Na Assembleia realizada no último dia 24 de março, na nossa Subsede de Santo André os trabalhadores e trabalhadoras debateram e aprovaram a Pauta de Reivindicações: reajuste salarial acima da inflação e 10% de aumento real! Da mesma forma da campanha salarial do ano passado, Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato afirma que os trabalhadores(as) não aceitarão ser prejudicados por causa da crise política e econômica que o país atravessa e reAbril/Maio - 2016

afirma: “não somos os responsáveis pelo desastre e pelos desmandos provocados pelo governo federal. Portanto, não vamos pagar uma conta que não é nossa”. “Os patrões não tentem, novamente, se aproveitar do caos estabelecido para tirar, ainda mais, direitos e negar as nossas justas reivindicações, pois, até agora, apenas os trabalhadores brasileiros e o povo têm sofrido as consequências dessa crise, com o aumento do desemprego e a precarização do trabalho”, diz Chiquinho Pereira. Leia na página 3 as nossas principais reivindicações.

Paulo Rogério “Neguita”

Assembleia da Campanha Salarial 2016 realizada no dia 24/3 em Santo André

1


Editorial

BRASIL: UM PAÍS PARALISADO A

velocidade dos acontecimentos políticos que o Brasil enfrenta nestes últimos meses, ou melhor, há quase dois anos não nos permite fazer uma análise mais profunda de forma a apresentar um diagnóstico objetivo e apontar um caminho que nos conduza a uma saída em médio prazo. Para muitos analistas econômicos e sociólogos, o Brasil está paralisado. Sua economia não avança, falta investimento, as empresas não acreditam no potencial e a queda no consumo é visível. Os juros continuam altos, a inflação cresce e a previsão para taxa de desemprego no primeiro semestre de 2016 passará dos 10%. Mas o que explica essa paralisia? Por que um país que há três anos parecia estar com uma economia equilibrada, em condições de honrar seus compromissos, pronto para investir em políticas públicas avançadas, hoje se encontra na mais profunda crise econômica? Países como Estados Unidos, Alemanha, Japão, China, Inglaterra, França, entre outros, de uma

forma ou de outra, também são não para de subir. atingidos por essas crises econôA grave situação da saúde micas e ajustes são necessários. no Brasil beira o desespero. As Porém, nenhum deles está diante doenças endêmicas já eram um de uma crise política tão grave problema a ser administrado pelo como a do Brasil. O fato é que, Sistema Único de Saúde (SUS). infelizmente, a crise que se abateu A gripe provocada pelo H1N1 em nosso País tem inúmeras raízes, começa a se espalhar pelo além da questão econômica. País. As epidemias causadas A primeira é a crise dos podepelo mosquito Aedes aegypti, res constituídos, em que os sucescomo a dengue, a chikungunya sivos escândalos de corrupção que e o zika vírus, têm provocado se instalaram nas três esferas da mortes e inúmeros sofrimentos às famílias brasileiras. República (executivo, legislativo e Como um mosquito pode judiciário) habitam as manchetes causar tantos transtornos dos noticiários há meses, provocando um sentimento de perplexina população de um País Chiquinho Pereira, dade na sociedade e, infelizmente, com o grau de desenvolvimento como o nosso e, isso tem sido utilizado como álibi presidente do Sindicato e Secretário de Organização e Políticas Sindicais da União Geral dos Trabalhadores - UGT pior, em pleno século XXI? para disputa pelo poder. A terceira, e de maior impor- O zika vírus é, comprovadamente, A segunda são as medidas provisórias do governo federal tância, é a incapacidade do gover- o responsável pelo nascimento de e os projetos de leis aprovados no da presidente Dilma Rousseff crianças com microcefalia. Esse pelo Congresso Nacional que têm de tomar as devidas medidas para fato tem alterado o comportamento tirado direitos dos trabalhadores e evitar o aprofundamento da crise. dos casais, que são obrigados a do povo, além de avançar na cons- Não é possível a população brasi- evitar filhos, atingindo diretamente a trução de políticas conservadoras leira ter que conviver com o caos relação familiar. Sem citar os casos que não dão respostas às neces- na saúde pública, na educação, – poucos, mas reais – dos casais que sidades da população e da nação. no transporte público, na moradia, fogem para países mais seguros ao Muito pelo contrário, jogam o País com uma inflação nas alturas e tomarem conhecimento da gravidez. no mais absoluto retrocesso. com uma taxa de desemprego que A política de educação não

DEPARTAMENTO DE ESPORTE DO SINDICATO AVISA:

TEM FUTEBOL SOCIETY TODAS AS QUARTAS-FEIRAS

consegue ultrapassar a barreira da péssima qualidade dos conteúdos aplicados. Faltam verbas para as universidades públicas, em particular para as universidades federais. Os professores são pessimamente remunerados, as condições dos prédios e suas instalações põem em risco a saúde do corpo docente e dos alunos. Equipamentos, como laboratórios, não oferecem condições para desenvolver pesquisas ou projetos científicos. Ou seja, a educação no Brasil está um caos. Além das perdas constantes de direitos e projetos que prejudicam os interesses dos trabalhadores, toda população sofre com o desemprego. A previsão é que a taxa para os próximos meses ultrapasse os 10%. Só em janeiro, a indústria paulista registrou mais de 14 mil desempregados no setor. Toda essa instabilidade econômica e política provoca insegurança nos setores empresariais, que deixam de investir no País. É preciso mudar essa realidade brasileira e de forma rápida. O Brasil precisa voltar a crescer!

CAMPANHA SALARIAL DE 2015 DE SãO PAULO

Veja as nossas principais conquistas da Convenção Coletiva de Trabalho do ano passado e confira se os patrões estão cumprindo o acrodo

SÃO PAULO – DATA BASE EM 1º DE NOVEMBRO • REAJUSTE SALARIAL: 10,33% (inflação do período: 10,33%) • PISO SALARIAL ATÉ 60 FUNCIONÁRIOS: R$ 1.197,93 • PISO SALARIAL ACIMA DE 60 FUNCIONÁRIOS: R$ 1.293,72 • PLR NAS EMPRESAS COM ATÉ 20 EMPREGADOS: R$ 241,17 • PLR NAS EMPRESAS COM 21 ATÉ 35 EMPREGADOS: R$ 346,69

C

omo é tradicional, o Departamento de Esportes do nosso Sindicato mantem à disposição dos trabalhadores da categoria o jogo de futebol society conhecido como “rachão”, todas as quartas-feiras, das 16 às 18 horas, oferecendo um momento de lazer e descontração aos nossos associados, que podem desfrutar de três quadras de futebol society, na Avenida do Estado, 1750,

• PLR NAS EMPRESAS ACIMA DE 35 EMPREGADOS: R$ 459,72 próximo ao shopping Central Plaza. Este ano o Departamento de Esporte quer reativar o Festival em comemoração ao Dia do Padeiro. Para isso, conta com a participação dos trabalhadores. “A ideia é retomar o tradicional campeonato de futebol society que no passado chegou a contar com a participação de trabalhadores de mais de 20 padarias. Hoje, o nosso objetivo

é realizar essa e outras práticas esportivas, dando ao trabalhador condições de praticar, pelo menos, um tipo de esporte”, diz Doca diretor do Departamento. Para obter mais informações sobre o futebol society você pode ligar nos números: (11) 7809.7220, falar com Niltinho ou com o diretor Doca, através do número (11) 7809.7483. Venha e participe do seu Sindicato!

• DIA DO PADEIRO: R$ 89,37 • CESTA BÁSICA ATÉ 45 FUNCIONÁRIOS: R$ 44,09 • CESTA BÁSICA ACIMA DE 45 FUNCIONÁRIOS: R$ 61,96 • MANUTENÇÃO DAS CLAUSULAS ANTERIORES. ATENÇÃO: A PLR DOS TRABALHADORES DE SÃO PAULO SERÁ PAGA EM DUAS PARCELAS: no 5º dia útil de abRIL DE 2016 E no 5º dia útil de AGOSTO DE 2016. Se o patrão deixar de pagar avise ao nosso Sindicato.

e x pediente

Publicação do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Panificação e Confeitaria de São Paulo. Diretor responsável: Francisco Pereira de Sousa Filho Presidente: Francisco Pereira de Sousa Filho (Chiquinho) 2

Vice-presidente: Pedro Pereira de Sousa

Secretário adjunto de finanças: Fernando Antonio da Silva

Secretário-geral: Valter da Silva Rocha (Alemão)

Sede - Rua Major Diogo, 126, Bela Vista, São Paulo/SP - CEP: 01324-000 Telefone: 3116.7272 - Fax: 3242-1746

Secretário de assuntos jurídicos: José Alves de Santana

Subsede Santo André - Travessa São João, 68 Telefone: 4436-4791

Secretário adjunto: Geraldo Pereira de Sousa

Secretário para cultura, formação e educação: Ângelo Gabriel Victonte

Subsede São Miguel - Av. Nordestina, 95 Telefone: 2956-0327

Secretário de finanças: Benedito Pedro Gomes

Secretário de comunicação e imprensa: José Francisco Simões

Subsede Osasco - Rua Mariano J. M. Ferraz, 545 Telefone: 3683-3332

Subsede Santo Amaro - Rua Brasílio Luz, 159 Telefone: 5686-4959 Edição e redação: Suely Torres (MTb - 21472) Edição de arte e diagramação: R. Simons Fotografia: Paulo Rogério “Neguita” Tiragem: 50 mil exemplares Impressão: UNISIND www.padeiros.org.b padeiros@padeiros.org.br Abril/Maio - 2016


CAMPANHA SALARIAL 2016

ABC: TRABALHADORES APROVAM PAUTA DE REIVINDICAÇÕES A

Campanha Salarial de 2016 dos trabalhadores em Panificação e Confeitarias do ABC e Região já começou. Como todos sabem a nossa data base no ABC é 1º de junho e, como o mar não está para peixe, o nosso Sindicato iniciou os debates com os trabalhadores no último dia 24 de março, em assembleia realizada na Subsede de Santo André, onde foi aprovada a Pauta de Reivindicações dos trabalhadores(as). Chiquinho Pereira, presidente do Sindicato, apresentou o quadro de dificuldades que o país atravessa e alertou os trabalhadores e trabalhadoras: será necessário a participação e o envolvimento de todos e de todas para enfrentarmos

mais essa batalha. A história tem comprovado que em tempos de crise sempre quem paga o ônus são os trabalhadores brasileiros. “A crise econômica e política do país têm servido de desculpas para os patrões negarem nossos direitos. Portanto, é fundamental que os trabalhadores se mobilizem e se unifiquem em torno do Sindicato para obtermos vitórias nessa Campanha Salarial”, finaliza Chiquinho Pereira. Depois de muito debate, os trabalhadores aprovaram por unanimidade a Pauta de Reivindicações da Campanha Salarial do ABC. Leia abaixo nossas principais reivindicações:

MANUTENÇÃO DO PODER AQUISITIVO DOS SALÁRIOS Aplicação do índice de variação do INPC / IBGE, no período compreendido de 01/06/2015 a 31/05/2016 de forma a traduzir: Real de 01/06/2015 a 02/2016 = 7,59% (Estimado em 10,44%) AUMENTO A TÍTULO DE PRODUTIVIDADE Aumento real de 10% (dez por cento), a título de produtividade do setor a ser aplicado nos salários já reajustados conforme o item 1 do memorial de reivindicações. PISOS SALARIAIS PISO SALARIAL de R$ 2.313,70 Restabelecimento da tabela de salários e funções que existiu até 1963, como segue: a) confeiteiro e padeiro mínimo de ........................................................ R$ 5.870,89 b) ½ oficial confeiteiro, ½ oficial padeiro, mínimo de.......................... R$ 3.913,92 c) balconista, copeiro, chapeiro, lancheiro, masseiro, cozinheiro.. R$ 2.548,80 d) gerente mínimo de................................................................................. R$ 7.486,09 e) encarregado mínimo de........................................................................ R$ 5.870,89 f) administrativo mínimo de....................................................................... R$ 3.228,15 g) setor de apoio, mínimo de.................................................................... R$ 2.740,56 h) ajudantes, faxineiros etc, recebem o piso salarial......................... R$ 2.313,70 ABONO a) empresas com 1 a 10 funcionários ... R$ 900,00. (Hoje é 215,00 para 1 a 15) b) empresas com 11 a 20 funcionários.. R$ 1.000,00. (Hoje é 390,00 para16 a 40) c) empresas com 21 a 30 funcionários.. R$ 1.100,00. (Hoje é 570,00 acima de 41) d) empresas com mais de 30 funcionários R$ 1.200,00. JORNADA DE TRABALHO DE 40 HORAS SEMANAIS Jornada de trabalho de 40 horas por semana, sem redução dos salários.

Assembleia da Campanha Salarial 2016 na subsede do ABC

CESTA BÁSICA As empresas fornecerão sem ônus para os empregados, uma cesta básica de alimentos de 35 kg. que será colocada à disposição até o último dia útil de cada mês. DIA DO PADEIRO O dia 13 de junho, Dia do Padeiro, será feriado objetivando a confraternização da categoria, e será remunerado com o valor de R$ 700,00 quando da impossibilidade de folga. Hoje o valor é de R$ 160,00 LICENÇA MATERNIDADE Adesão obrigatória de todas as empresas ao “Programa Empresa Cidadã” conforme regulamentação da Lei 11.770/2008, assim definido: “todas as empregadas terão direito a prorrogação de 60 dias na licença maternidade, conforme Decreto 7.052/2009 de 23 de dezembro de 2009” ESCALA DE FOLGAS As empresas em que o descanso semanal remunerado não coincidirem com os domingos deverão dar uma folga extra por mês para todos os funcionários ( 5º folga mensal) de acordo com o art. 67º da Consolidação das Leis do Trabalho. UNIFORMES Obrigatoriedade das empresas lavarem e higienizarem os uniformes de todos os seus empregados, sem custo para o trabalhador.

ESSE É O SEU JORNAL! Colabore conosco escrevendo ou dando sugestões Abril/Maio - 2016

Nosso Jornal A Massa tem como objetivo informar os trabalhadores sobre as ações do nosso Sindicato, bem como fazer o debate sobre questões trabalhistas, políticas, econômicas, culturais e sociais. Queremos que todo trabalhador e trabalhadora participe, escrevendo matérias, dando sugestões sobre temas que gostariam que fossem publicados

aqui e manifestando suas opiniões sobre as atividades realizadas pelo nosso Sindicato. Você pode enviar suas opiniões, textos temáticos, informações sobre questões que ocorreram no seu local de trabalho através do e-mail: comunicacao@padeiros.org.br. Participe contribuindo com o conteúdo do seu Jornal A Massa! 3


Edição nº 54 – Abril de 2016

A JUVENTUDE BRASILEIRA E PERSPECTIVA DE FUTURO O

s jovens, assim como a esmagadora maioria da sociedade brasileira, vivem hoje as incertezas do amanhã. O sistema capitalista predominante no mundo, desde sua origem, nunca proporcionou segurança de futuro para os seres humanos. Muito menos nessa etapa da vida. As dificuldades de acesso a educação, a cultura, lazer e programas específicos para essa parcela da sociedade sempre foi a grande batalha da juventude. Essa situação se agrava entre os jovens dos países periféricos como o Brasil onde, além de lidar com os transtorno típicos da idade são pressionados pelas exigências do mercado econômico, cujo objetivo é vender suas roupas, calçados e bonés de grife, o celular e computador de ultima geração, o carro e a moto do ano. Enfim, a pressão para que os jovens adquiram o que está na “moda” é cruel. Mas, como obter toda essas coisas se a nossa juventude não tem direito a uma educação de qualidade e, muito menos, uma formação profissional que lhe dê as condições de um bom emprego e um bom

salário? A maioria da nossa juventude não consegue terminar nem o segundo grau. Chegar até a faculdade é um sonho interrompido muitas vezes pela necessidade de trabalhar desde cedo para ajudar a família ou pela falta de acesso a universidade pública. Hoje, com a crise econômica e política do país, onde o governo federal não consegue implantar políticas públicas de interesse da juventude brasileira, a situação se agrava e já se percebem os sinais dessa gravidade. Milhares de jovens vivem na mira do tráfico de drogas, outros milhões que vivem nas periferias das grandes cidades quando não são ganhos pelo tráfico são ganhos pelas

Se você gosta de passatempos e palavras cruzadas visite o site www.recreativa.com.br, envie um e-mail com seu nome e endereço completos e peça uma cortesia.

4

Abril/Maio - 2016


Dicas de boa leitura Fotos: reprodução da Internet

O Jornal A Massa traz mais uma dica de leitura para despertar cada vez mais o hábito de boa leitura aos nossos trabalhadores. Livro é a melhor forma de viajar e conhecer o mundo. Confira!

Uma Mulher Perfeita

E As AS quadrilhas da prática dos roubos e assaltos. Pior, milhares se entregam ao consumo das drogas e passam a viver perambulando pelas ruas e avenidas dos grandes centros urbanos. O Relatório do Fundo das Nações Unidas para Infância (Unicef) aponta dados alarmantes sobre a violência contra os jovens e adolescentes brasileiros. Dos adolescentes que morrem por causas externas, 36% foram assassinados, mais de sete vezes o índice da população em geral. Os jovens são o alvo principal das mortes violentas no país. O Relatório da Unicef ainda apresenta dados mostrando que entre 1990 e 2013, o número de assassi-

natos de crianças e adolescentes até 19 anos passou de 5 mil para 10,5 mil por ano, ou seja 28 jovens são mortos por dia, transformando o Brasil em vice-campeão mundial no assassinato de jovens, perdendo apenas para a Nigéria. Para Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato, “viver as contradições típicas da juventude já é muito difícil. São as incertezas, ansiedade em descobrir as coisas, os desejos de interferir nos processos e acontecimentos, a vontade de transformar tudo. Quer dizer, o jovem já tem suas questões específicas para lidar, acrescente a isso a falta de acesso à educação, ao conhecimento, ao lazer, cultura, esporte, aos bens de consumo impostos pela própria sociedade e as péssimas condições sociais, onde falta emprego, transporte público, moradias dignas e sobra violência e assassinatos. Que perspectiva de futuro têm nossos jovens diante de condições tão adversas? Nenhuma. O Brasil precisa cuidar mais e melhor da sua juventude antes que seja tarde.” Finaliza o sindicalista.

Divulgação

No mais recente romance de James Grippando, Abe Beckham, promotor público do condado de Miami-Dade, passou por tempos difíceis após a morte de sua amada esposa Samantha. Agora que se casou com Angelina, ele tem se dedicado ao trabalho. Quando o corpo de uma mulher é descoberto nos Everglades, Abe é chamado para acompanhar a investigação. O FBI está procurando no sul da Flórida o assassino que eles chamam de Cortador, conhecido pelos seus métodos brutais inspirados no passado obscuro da Flórida, quando homens armados de facão cortavam cana sob o sol escaldante. Quando Angelina desaparece, a suspeita se volta contra Abe. Seus amigos mais próximos, familiares, colegas de profissão e os meios de comunicação têm motivos para desconfiar: seu casamento não era o que ele esperava, ele ainda amava Samantha. Ou haveria outra mulher e ele queria que sua nova esposa fosse embora? Autor: James Grippando – Editora: Harper Collins – Páginas: 336 – Edição: 1ª – Ano: 2016

dica de Teatro NO CORAÇÃO DAS MÁQUINAS

Divulgação

Sinopse: O espetáculo foi criado a partir da ocupação e depois autogestão por empregados na fábrica de relógios LIP, que funcionou por dois anos sob o controle dos próprios trabalhadores nos anos 70, na França. A peça revive a primeira noite de ocupação da fábrica do ponto de vista de sete funcionárias. Durante esta noite resistindo ao cerco da polícia e lutando por seus empregos, essas mulheres, tão diferentes entre si, vão descobrir as dificuldades e a força de viver uma utopia coletiva. Em Cartaz na Oficina Cultural Oswald de Andrade - Temporada: De 15/04/2016 até 07/05/2016. Local: Rua Três Rios, 363, Bom Retiro – São Paulo/SP - Telefone: (11) 3222-2662. Sessões: Quintas/Sextas/Sábados, às 20 horas - Preço: Grátis http://www.oficinasculturais.org.br

dica de Cinema Divulgação

O Caçador e a Rainha do Gelo Sinopse: A Rainha Ravenna (Charlize Theron) governava com justiça até o dia em que sua bondosa irmã Freya (Emily Blunt) deu à luz uma menina destinada a retirá-la de seu posto de mais bela do reino. Irada, ela assassinou a criança, mergulhando sua irmã em uma profunda depressão. Anos mais tarde, ao saber da morte de Ravenna, Freya decide ir em busca de seu espelho mágico. Só que Ravenna ressuscita e caberá à Rainha do Gelo e aos rebeldes Erik (Chris Hemsworth) e Sara (Jessica Chastain) lutarem, mais uma vez, contra os poderes malignos da vilã. Abril/Maio - 2016

5


Cidadania

A CRISE NA SAÚDE DOS BRASILEIROS E DO BRASIL reprodução da Internet

A

pesar de a nossa Constituição Federal colocar que a vida é o bem maior dos direitos fundamentais e em seu artigo 196 preceituar que a saúde é um direito de todos e um dever do Estado, o que observamos atualmente é a decadência da saúde pública em todos os cantos do Brasil e o sucateamento do Sistema Único de Saúde – SUS. As notícias diárias sobre a crise na saúde em todo país são estarrecedoras. A começar pela Rede Básica de Saúde que faltam médicos, remédios e equipamentos para realizar o mais simples dos exames. Pior ainda são as condições físicas dos prédios onde estão funcionando a maioria desses atendimentos: assoalhos danificados, vazamentos de água e esgotos, banheiros quebrados, aberturas em tetos que quando chove ficam inundadas, paredes sem pinturas, enfim, um verdadeiro caos. Os hospitais públicos ocupam as manchetes dos jornais diariamente. Sem atendimento, os pacientes são jogados como se fossem animais pelos corredores, escadas e recepções. Muitos com doenças crônicas como diabetes, câncer, asma, entre outras. É um verdadeiro descaso com o ser humano que já debilitado por portar esses tipos de doenças, são humilhados e tratados como lixo. Pasmem, mas é assim que muitos brasileiros que dependem

da saúde pública se sentem. Como se não bastasse à inoperância no atendimento e tratamento dessas doenças endêmicas, a situação se agrava ainda mais quando se trata de epidemias como no caso da dengue, da Chikungunya e zika vírus, sem falar na tal da gripe H1N1 que começa a apavorar a população brasileira, em particular nos estados das regiões sul e sudeste. No Brasil, até o ultimo dia 26 de março já foram registrados 444 casos de pessoas com H1N1 e 77 mortes, dessas 55 ocorreram no estado de estado de São Paulo. A vacina contra gripe provocada pelo vírus H1N1 está em falta porque o surto começou antes do período previsto e os governos não se prepararam para esse fato. O Ministério da Saúde antecipou à distribuição da vacina junto ao governo de São Paulo e no início de abril foram ministradas doses nos funcionários da saúde, no dia 11/04 foi a vez dos idosos, crianças e grávidas e a partir do dia 30/04, pessoas com doenças crônicas e demais. Desesperada com o alto índice de óbitos já registrado no estado, a população de São Paulo enfrentou filas quilométricas em clínicas particulares para adquirir a dose da vacina, apesar do alto custo. O fato é que o governo brasileiro não consegue resolver a situação da saúde pública no país. São inúmeras situações de descaso. Os

pacientes com problemas de ortopedia têm amargado sérios sofrimentos. Vários casos onde o paciente fica meses com pernas, braços fraturados aguardando uma cirurgia, o que tem deixado muitos deles com sequelas graves. E como consequência, muitos são impedidos de desenvolver suas capacidades profissionais, tendo que ficar meses e até anos afastados, sobrecarregando a previdência e, pior, sem perspectiva de voltar a exercer suas funções laborais. “A situação da saúde no Brasil já virou um caso de desespero na sociedade. Inúmeros tra-

balhadores estão sendo prejudicados por falta de atendimento e de tratamento das doenças causadas no ambiente do trabalho. As mães e pais brasileiros não sabem como fazer com seus filhos, principalmente as crianças, quando adoecem, pois não tem a quem e nem onde recorrer. São muitos os casos em que se perde um filho por não ter sido atendido a tempo de evitar o óbito. Infelizmente a questão é gravíssima. O país, a população e a saúde brasileira pedem socorro”, desabafa Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato.

FEDERAÇÃO DOS PADEIROS AVALIA A CRISE ECONÔMICA E POLÍTICA QUE AFETA OS TRABALHADORES NO PAÍS!

E

m reunião realizada nos dias 31 de março e 1º de abril, a diretoria da Federação Brasileira dos Trabalhadores nas Indústrias de Panificação, Confeitarias e Padarias – FEBRAPAN - debateu a grave situação do país que vive uma crise econômica e política sem precedentes, e tem causado inúmeras perdas de direitos dos trabalhadores e trabalhadoras e provocado forte insegura na sociedade. Para Chiquinho Pereira não é admissível que um governo deixe uma nação chegar ao ponto em que o Brasil está. Um governo envolvido em inúmeros escândalos de corrupção, nos vários setores da administração e, mais, cujo centro é a Petrobras, empresa fundamental para o desenvolvimento do país e orgulho dos brasileiros. Com relação ao mundo do trabalho esse governo fez pior do que muitos que por lá passaram. São inúmeras Medidas Provisórias que tiram conquistas históricas dos trabalhadores. O Ministério do Trabalho, órgão que podiamos contar para barrar os 6

abusos cometidos pelos patrões foi praticamente desativado. Começou com o sucateamento e hoje ele é um apêndice do Ministério da Previdência Social. Na questão da Segurança e Saúde do trabalhador, o Brasil é campeão em acidente de trabalho, inclusive em casos fatais. Faltam auditores fiscais para fiscalizar e autuar as empresas. As poucas ações do Ministério do Trabalho para prevenir os acidentes, como a Norma Reguladora nº 12 (NR 12) que estabelece as medidas preventivas de segurança do trabalho a serem adotadas pelas empresas visando à prevenção de acidentes esta sendo ameaçada, através das pressões das empresas junto ao Congresso Nacional objetivando sua suspensão. O governo da Dilma Rousseff não consegue

Paulo Rogério “Neguita”

implementar uma política econômica que garanta o desenvolvimento do país com valorização do trabalho e, muito menos, dar respostas às necessidades básicas dos trabalhadores e da população como emprego, acesso à saúde, educação, moradia, transporte público, entre tantas outras questões que permitam uma vida digna para os brasileiros. Infelizmente, a marca desse governo é

a corrupção, a insegurança da sociedade, o desemprego, o aprofundamento da miséria. A FEBRAPAN é clara em sua posição: é contra esse governo, pois, além de ter mergulhado o país num vergonhoso processo de corrupção tira direitos dos trabalhadores e não executa políticas públicas que atendam as necessidades da população e da nação brasileira. Abril/Maio - 2016


Opinião

CHIQUINHO PEREIRA SE FILIA AO PMDB Por Suely Torres - Jornalista

C

hiquinho Pereira ou o “Chiquinho dos Padeiros”, como é conhecido e tratado carinhosamente pelos companheiros do Movimento Sindical brasileiro, se filiou ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), no último dia 21 de março. O Ato de filiação que foi realizado na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo contou com a presença de mais de 300 pessoas, entre elas parlamentares, sindicalistas, lideranças do Movimento Social e popular, além dos amigos que foram prestigiar o sindicalista. A Senadora Marta Suplicy (PMDB) fez questão de ressaltar a importância de ter uma liderança sindical como o Chiquinho Pereira no PMDB. “Chiquinho a tua vinda para o PMDB é muito positiva. A tua história de vida e a tua luta, sempre defendendo os trabalhadores, vai contribuir muito para a gente tirar o Brasil dessa grave crise” Disse a senadora. Para Marta Suplicy a possível candidatura de Chiquinho Pereira para vereador em São Paulo irá ajudar nas mudanças que a cidade e o Brasil precisam. Os deputados Jorge Caruso, Itamar Borges e Jooji Hato, todos do PMDB, também fizeram questão de falar da importância que tem para o partido a filiação de uma liderança como Chiquinho Pereira. Para eles é um privilégio participar com o sindicalista desse momento político em que o PMDB está chamado a contribuir para tirar o país dessa crise e mudar São Paulo. Ainda no momento de sua fala, o deputado Jorge Caruso transmitiu ao Chiquinho a mensagem de boas vindas do vice-presidente da República, Michel Temer, ao sindicalista: “Chiquinho, o doutor Michel pediu para lhe dizer que está muito feliz com a sua filiação ao nosso partido. E mais, que o seu compromisso com a defesa dos interesses dos trabalhadores e do Brasil irá contribuir para fortalecer, ainda

Fotos: Paulo Rogério

mais, o nosso querido PMDB”. Além da mensagem do vice-presidente Michel Temer, o deputado Caruso falou que por motivo de compromissos em Brasília, o deputado federal Baleia Rossi não poderia participar do ato de filiação e pediu que ele também transmitisse ao Chiquinho a satisfação que é para o PMDB de São Paulo receber em suas fileiras quadros políticos como ele que, além de ser um sindicalista respeitado em todo país, é um homem de grande capacidade política e um excelente articulador das questões da nossa sociedade. Já os sindicalistas Ricardo Patah, presidente da UGT Nacional, Valdemar Schultz, presidente da UGT de Santa Catarina e Natal Leo, presidente do Sindicato Nacional dos Aposentados da UGT fizeram questão de expressar que Chiquinho Pereira é uma liderança que sempre se dedicou à luta dos trabalhadores. Para eles, Chiquinho Pereira a frente da política irá contribuir, ainda mais, Ato de filiação de Chiquinho Pereira realizado na Assembleia Legislativa de São Paulo não apenas para melhorar a vida dos trabalhadores, mas, também, a vida da população grande vitória para todos que moram na cidade, prefeitura de São Paulo, bem como para compor a bem como para todos os brasileiros. “A senadora chapa de vereadores, pois tem ideias, propostas, de São Paulo. Ao fazer uso da palavra, Chiquinho Pereira Marta Suplicy já mostrou sua capacidade de seriedade e muita disposição de luta. Também estiveram presentes ao Ato, Bruna disse que sempre teve o compromisso e a preo- administrar São Paulo, pois ela foi, comprovacupação de transformar a dura realidade dos damente, a melhor prefeita, onde os interesses Lee, presidente do PMDB mulher, os sindicalistas trabalhadores e do povo. Para ele, o sindicato da sociedade e o desenvolvimento da nossa Salim Reis, Canindé Pegado, Francisco Soares, é uma importante trincheira de luta, porém, a metrópole sempre estiveram em primeiro lugar”. Pedro Pereira, José Carlos Lima Coelho, Francisco participação na política amplia as condições de Segundo Chiquinho Pereira, o PMDB tem Conceição, Monteiro, Adilson Lima, Paulo Mori, se obter maiores conquistas não apenas para os a responsabilidade de ajudar o Brasil a mudar Raimundo Nonato, Wagner José de Souza, Maria trabalhadores, mas para a população em geral. e, como filiado, ele se coloca à disposição para Cleide Leme, Weber Matias dos Santos, Perla de Para Chiquinho Pereira, a possibilidade da contribuir com esse objetivo e, mais do que isso, Freitas, Edson Ramos, Daniel Paulo Lima, além candidatura e da eleição da Senadora Marta ele também se coloca à disposição do partido de toda diretoria do Sindicato dos Padeiros de Suplicy para prefeitura de São Paulo será uma para ajudar a senadora Marta Suplicy a assumir a São Paulo.

No jogo do vale tudo, patrões tentam acabar com a nr 12!

C

Arquivo Sindicato

omo não conseguiram acabar com a NR 12 no Congresso Nacional, pelo menos até agora, os patrões fazem manobras na reunião do grupo de trabalho da Comissão Tripartite. Porém, mais uma vez, os membros da Comissão que representam os trabalhadores Chiquinho Pereira em audiência pública no Senado/DF detectaram as manobras dos empresários e que nós estamos travando, é para que essa lei evitaram mais esse golpe contra a saúde e valha para as máquinas fabricadas da edição da segurança dos trabalhadores. norma para adiante. Ou seja, a saúde e segurança dos trabalhaAssim Pensam dores são menos importantes do que o lucro os patrões das indústrias. Se o funcionário ficar mutilado é Nas palavras de Carlos Walter Pedro, coor- problema dele e da família, o fundamental é a denador do Conselho Temático de Resoluções do empresa aumentar o lucro da produção. Trabalho da Fiep (Sistema composto pela FederaChiquinho Pereira, presidente do nosso ção das Indústrias, Sesi, Senai, IEL todos ligados Sindicato, disse que assim como ocorreu durante a Confederação Nacional das Indústrias – CNI), a batalha no Congresso Nacional para impedir “a Norma Reguladora brasileira tem aspecto po- que fosse votado o Projeto de Lei que suspendia sitivo, como o seu rigor. Mas, ao mesmo tempo, a NR 12, o nosso Sindicato será incansável na pune empresas que investiram anteriormente em luta para barrar essa proposta indecente do setor equipamentos e precisam fazer adaptações que industrial que significa na prática o desmonte das elevam o custo da produção”. exigências de segurança de que trata a Norma Para Walter Pedro “o que nós precisamos Reguladora nº 12. “A luta será travada até que conseguir é que a NR-12 não atinja as máquinas não exista nenhum risco à saúde e segurança do passado. Não existe uma lei que retroaja e dos trabalhadores e trabalhadoras da nossa essa norma está retroagindo. A luta da Fiep, e categoria”. Finaliza Chiquinho. Abril/Maio - 2016

“Neguita”

Nosso Sindicato realiza 3º Cipão nos dias 4, 5 e 6 de Maio

O

3º Encontro de Trabalhadores que fazem parte das Comissões Internas de Prevenção de Acidentes (CIPA) será realizado nos dias 4, 5 e 6 de maio de 2016. O objetivo do encontro é formar os trabalhadores e trabalhadoras, de acordo com a Norma Reguladora nº 5, que trata da Saúde e Segurança no Trabalho. Além das questões técnicas do que trata a NR 5, será debatido também a importância da defesa da NR 12, fundamental para prevenção de acidentes e mutilações causadas por Máquinas e Equipamentos, que tem vitimado, principalmente, os trabalhadores da nossa categoria.

Chiquinho Pereira afirma que é fundamente e de importância vital que todos os trabalhadores e trabalhadoras da nossa categoria dos padeiros e confeiteiros participem do 3º CIPÃO. O número de acidentes ainda é muito grande, inclusive com sequelas permanentes como as mutilações, que causam transtornos para o trabalhador e sua família. Portanto, você que faz parte da CIPA e já recebeu um comunicado da empresa em que trabalha para participar desse 3º Cipão, se organize e se prepare para essa atividade primordial para sua formação no combate aos acidentes no ambiente de trabalho. Participe!

7


Fotos: Paulo Rogério

Lutas e Perspectivas

“Neguita”

SEMINÁRIO 1º DE MAIO DA UGT:

“Trabalhadores(as) em Tempos de crise: Construindo Alternativas” Programação do Seminário DIA 25/04/2016: Das 08:30h às 10:00h – Ato de abertura do Seminário, com a presença de sindicalistas, personalidades do mundo acadêmico e autoridades políticas; Das 10:00h às 13:00h – Exposição e debates sobre o tema “Crise Política e Econômica Brasileira e o Cenário Internacional - Diagnóstico da Crise Política e Econômica; Quais as bases de um projeto de desenvolvimento inclusivo e sustentável; Das 13:00h às 14:30h – Almoço; Das 14:30h às 16:15h – Exposição e debates sobre Trabalho e esporte: os impactos das Olimpíadas - Olimpíadas Rio 2016 versus compromisso com os trabalhadores (as) brasileiros; Esporte Olímpico no Brasil: Aspectos Estruturais; Os trabalhadores e a Indústria Esportiva no Brasil: diagnóstico e desafios nas relações de trabalho; Seminário 1º de Maio da UGT em 2015, “Trabalhadores(as) e os 30 anos de Redemocratriação do Brasil”

O

Seminário da UGT em comemoração ao 1º de Maio tem como parceiro o Centro de Estudos Sindicais e Economia do Trabalho (CESIT), do Instituto de Economia da Unicamp. Neste momento de crise política e econômica que o país atravessa a Central propôs realizar uma ampla e plural reflexão sobre as questões colocadas para o movimento sindical brasileiro, adotando como tema “Trabalhadores(as) em Tempos de Crise: construindo alternativas”. Sob o tema central serão abor-

dados três momentos que estão ocorrendo no Brasil: a Crise Econômica e Política, o Centenário do Samba e as Olimpíadas Rio 2016. Todos esses temas são considerados pela UGT importantes por estarem relacionados diretamente ao problema do emprego e das condições de trabalho. Segundo Chiquinho Pereira, presidente do nosso Sindicato e Secretário de Organização e Políticas Sindicais da Central, “em relação ao tema Crise Política e Econômica, nosso objetivo é diagnosticar a si-

tuação; discutir as bases de um projeto de desenvolvimento inclusivo e sustentável e, construir alternativas para a saída da crise, sem abrir mão de uma agenda trabalhista que assegure os direitos e conquistas dos trabalhadores”. Quanto aos temas, Centenário do Samba e As Olímpiadas Rio 2016, “pretendemos resgatar e discutir o papel do samba na luta dos trabalhadores e fazer um diagnóstico do que representam as Olimpíadas Rio 2016 para os trabalhadores(as) brasileiros”, afirma Chiquinho.

Das 16:15h às 16:30h – Intervalo para o café; Das 16:30h às 19:00h – Exposição e debates do tema Trabalho e Cultura: Centenário do Samba – letras que cantam a luta dos trabalhadores. Resgate e discussão do papel do samba na luta dos trabalhadores; Das 19:00h às 23:00h – Jantar e coquetel de confraternização com Roda de Samba com o grupo “Velha Arte do Samba”, de Campinas. DIA 26/04/2016: Das 07:45h às 08:30h – Café da Manhã; Das 08:30h às 13:00h – Exposição e debate sobre Desemprego, Trabalho Escravo, Direitos Trabalhistas, Previdência, Crise e Futuro do Sindicalismo. Explosão de Desemprego, aumento do problema da miséria e da desigualdade social. A luta dos trabalhadores pela garantia dos direitos; Estrutura, autonomia e unidade sindical; Das 13:00h às 13:30h – Encerramento com a Leitura e deliberação do Relatório Final; Das 13:30h às 15:00h – Almoço.

Exposição Fotográfica

História do Samba e sua relação com os trabalhadores A União Geral dos Trabalhadores (UGT) realizará, a partir do dia 1º de maio, a exposição fotográfica “Os Trabalhadores e os 100 Anos do Samba”, com 30 painéis medindo 4 metros de altura. Será uma homenagem a todos os trabalhadores

Em novembro de 1916, o compositor Donga (1890-1974) marcou seu nome na história e na música brasileira: registrou na Biblioteca Nacional a partitura da canção “Pelo Telefone”, que havia sido composta em uma roda de músicos num terreiro

de candomblé. Assim, ele foi considerado o primeiro samba da história. A partir daí o ritmo tipicamente brasileiro ganhou não só as rodas, mas as gravadoras e rádios de todo o Brasil, conquistando cada vez mais fãs, afinal, “quem não gosta de samba bom

sujeito não é”, como canta Dorival Caymmi. Como este ano o samba comemora seu primeiro centenário, a União Geral dos Trabalhadores (UGT) prestará uma homenagem ao ritmo e aos trabalhadores na exposição fotográfica “Os Trabalhadores e os

100 Anos do Samba”, que ficará em cartaz na Avenida Paulista, um dos principais cartões postais da cidade de São Paulo, a partir do dia 1º de maio, em comemoração ao Dia Internacional dos Trabalhadores, e vai até o dia 30 do referido mês.

A NOSSA SUBSEDE EM SANTO ANDRÉ ESTÁ DE CARA NOVA

O

nosso Sindicato tem como objetivo principal a defesa dos interesses econômicos, profissionais, sociais e políticos dos trabalhadores. Porém, além das lutas e conquistas, o nosso Sindicato também tem a preocupação de ampliar e preservar o patrimônio da categoria. Já reformamos o prédio da nossa Sede Central na capital paulista e construímos a Escola de Panificação que será inaugurada em breve. Há alguns anos atrás o patrimônio do nosso Sindicato era bastante reduzido. O prédio da nossa sede Central foi construído no final da década de 80 e a nossa Subsede de Santo André, assim como as Subsedes de Santo Amaro, São Miguel e Osasco foram adquiridas no final da década de 70 e início da década de 80, respectivamente. E, a exemplo da Sede Central do nosso Sindicato, todas serão reformadas. A reforma do prédio da nossa Subsede em Santo André, a qual acabou de ser concluída e reinaugurada no último dia 24 de março, traz maior comodidade e 8

espaços planejados para atender os trabalhadores e suas famílias. Todo prédio passou por reforma e conta com um novo Auditório, quatro Salas para o atendimento odontológico, Sala para o Atendimento Jurídico, Recepção ampla e confortável. “Os trabalhadores associados ao nosso Sindicato merecem o melhor. Os valores das mensalidades das sindicalizações, assim como a contribuição sindical da categoria são investidos para fazer as lutas em defesa e garantia dos direitos, nas estruturas dos atendimentos que oferecemos como atendimento médico, odontológico e jurídico, na Colônia de Férias. Ou seja, além de muita luta, os trabalhadores da nossa categoria conta com um patrimônio fabuloso”. Finaliza Pedro Pereira, vice-presidente do nosso Sindicato. Venha visitar nossa Subsede de Santo André! Participe das atividades do seu Sindicato! Nosso endereço é Travessa São João, 68 – Bairro Jardim. Participe! Sua presença é muito importante para o fortalecimento da nossa luta!

Fotos: Paulo Rogério “Neguita”

Veja como era a nossa subsede e o quanto os trabalhadores avançaram na conquista do seu patrimônio

Abril/Maio - 2016

A Massa - Abril/2016  
A Massa - Abril/2016  

Jornal A Massa - Abril/2016 - Sindicato dos Padeiros de SP.

Advertisement