Page 1

EssÊnciA

Eólica potêncial eólico no Brasil

Ecoturismo através do Mundo

Biodiesel combustível para nova era

Reciclados inovando conceitos


Índice Essência - Ano 1 - Número 1

Eólica

Ecoturismo

Energia eólica, seu potêncial e os benefícios que pode trazer ao Brasil e o resto do Mundo em questão de sustentabilidade e energia limpa.

Energia eólica, seu potêncial e os benefícios que pode trazer ao Brasil e o resto do Mundo em questão de sustentabilidade e energia limpa.

Biodisel

Reciclados

Página 6

Páginas 2 e 3

Página 7

Páginas 4 e 5

Biodisel, combustível para a nova era, sustentabilidade, fonte renovavel com muitas possibilidades de aplicação.

Curiosidades Página 8

Curiosidades sobre sustentabilidade

O Editorial:

Biodisel, combustível para a nova era, sustentabilidade, fonte renovavel com muitas possibilidades de aplicação.

Links Consulta Página 8

Links de consulta.

“A Revista essência tem por objetivo, manter seus leitores informados e atualizados com conteúdos didaticos, atuais e dinâmicos.”

Contato: cleiton.alex@gmail.com


Eólica Definição

Energia eólica no Brasil

Energia eólica (EE) é a energia cinética contida nas massas de ar em movimento, ou seja, no vento. É possível se aproveitar esta energia de forma que haja uma conversão da energia cinética de translação em energia cinética de rotação, com o auxílio de turbinas eólicas (aerogeradores) para a geração de eletricidade (ANEEL, 2008).

A primeira experiência com biocombustíveis no Brasil ocorreu em 1931, quando o governo brasileiro autorizou a utilização do álcool etílico, obtido a partir da cana-de-açúcar, misturado à gasolina, em proporções entre 2 a 5%, respeitada a disponibilidade regional do produto. Já em 1975, houve a criação do Programa Nacional do Álcool (PROÁLCOOL) que visava à substituição parcial da gasolina por álcool etílico, sendo mais um investimento do país em energias renováveis (BRASIL, 2005).

Processo de Geração e Dados Grandes turbinas (aerogeradores), em formato de cata-vento, são colocadas em locais abertos e com boa quantidade de vento. Através de um gerador, o movimento destas turbinas gera energia elétrica.

Atualmente, outro biocombustível está tendo grande destaque no panorama mundial: o biodiesel. Em 2002, o Ministério da Ciência e Tecnologia lançou o Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (PROBIODIESEL), que estimula, por meio do lançamento do "Selo Combustível Social", um conjunto de medidas específicas que objetiva a inclusão e fortalecimento da agricultura familiar na cadeia produtiva da agroenergia, especificamente, do biodiesel. O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, 2006) apresentaram dados que revelam que aproximadamente 85% do total de propriedades rurais do Brasil pertencem a grupos familiares, com cerca de 13,8 milhões de pessoas que têm na atividade agrícola praticamente sua única alternativa de vida. O Banco Central do Brasil (BCB, 2006) calcula que, nos últimos três anos, apenas 23% dos estabelecimentos familiares rurais acessaram financiamentos como o PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

Atualmente, apenas 1% da energia gerada no mundo provém deste tipo de fonte. Porém, o potencial para exploração é grande. Atualmente, a capacidade eólica mundial é de 238,4 GW (Gigawatts). Os países que mais geram energia eólica: 1º - China (62,7 mil megawatts) 2º - Estados Unidos (46,9 mil megawatts) 3º - Alemanha (29 mil megawatts) 4º - Espanha (21,6 mil megawatts) 5º - Índia (16 mil megawatts) 6º - França (6,8 mil megawatts) 7º - Itália (6,7 mil megawatts) 8º - Reino Unido (6,5 mil megawatts) 9º - Canadá (5,2 mil megawatts) 10º- Portugal (4 mil megawatts) Fonte: Relatório de 2011 da Global Wind Energy (capacidade eólica em 15 anos)

Sistema de um gerador de energia eólica

Pág 02


Eólica Turbinas e Moinhos Nos moinhos de vento a energia eólica é transformada em energia mecânica, que é utilizada para moer grãos ou bombear água. Atualmente utiliza-se a energia eólica para mover aerogeradores, que são turbinas colocadas em lugares de muito vento, para produzir energia. Essas turbinas têm geralmente a forma de um catavento ou moinho.

Turbinas conhecidas como “moinhos”

Existem os parques eólicos, que são concentrações de aerogeradores, utilizados para produzir energia, geralmente para alimentar localidades remotas e distantes da rede de transmissão. É possível ainda a utilização de aerogeradores de baixa tensão quando se trata de requisitos limitados de energia elétrica. A energia eólica é uma das mais promissoras fontes naturais de energia, e possui muitas vantagens, porque é renovável, ou seja, não se esgota, limpa, amplamente distribuída globalmente e, se utilizada para substituir fontes de combustíveis fósseis, o que auxilia na redução do efeito estufa.

Considerações Finais O Brasil tem um dos maiores potenciais eólicos do planeta e, existem muitos planos para exploração dessa fonte de energia. O que impede a instalação de mais centrais eólicas ainda é o preço, pois a energia gerada custa entre 60% e 70% a mais que a mesma quantidade gerada por uma usina hidrelétrica.

Pág 03


Biodiesel Definição

Combustível para nova era

Biodiesel é um biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição por compressão ou, conforme regulamento, para geração de outro tipo de energia, que possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil, de acordo com a definição para biodiesel adotada na Lei nº 11.097, de 13 de setembro de 2005, que introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira.

A primeira experiência com biocombustíveis no Brasil ocorreu em 1931, quando o governo brasileiro autorizou a utilização do álcool etílico, obtido a partir da cana-de-açúcar, misturado à gasolina, em proporções entre 2 a 5%, respeitada a disponibilidade regional do produto. Já em 1975, houve a criação do Programa Nacional do Álcool (PROÁLCOOL) que visava à substituição parcial da gasolina por álcool etílico, sendo mais um investimento do país em energias renováveis (BRASIL, 2005). Atualmente, outro biocombustível está tendo grande destaque no panorama mundial: o biodiesel. Em 2002, o Ministério da Ciência e Tecnologia lançou o Programa Brasileiro de Desenvolvimento Tecnológico de Biodiesel (PROBIODIESEL), que estimula, por meio do lançamento do "Selo Combustível Social", um conjunto de medidas específicas que objetiva a inclusão e fortalecimento da agricultura familiar na cadeia produtiva da agroenergia, especificamente, do biodiesel.

O girassol é exemplo de uma fonte renovável.

INCRA e Biodisel O Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e o Fundo das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO, 2006) apresentaram dados que revelam que aproximadamente 85% do total de propriedades rurais do Brasil pertencem a grupos familiares, com cerca de 13,8 milhões de pessoas que têm na atividade agrícola praticamente sua única alternativa de vida. O Banco Central do Brasil (BCB, 2006) calcula que, nos últimos três anos, apenas 23% dos estabelecimentos familiares rurais acessaram financiamentos como o PRONAF (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar).

Pág 04


Biodiesel Áreas de produção no Brasil

Biodiesel é um biocombustível derivado de biomassa renovável para uso em motores a combustão interna com ignição por compressão ou, conforme regulamento, para geração de outro tipo de energia, que possa substituir parcial ou totalmente combustíveis de origem fóssil, de acordo com a definição para biodiesel adotada na Lei nº 11.097, de 13 de setembro de 2005, que introduziu o biodiesel na matriz energética brasileira.

Considerações Finais

Dados técnicos O biodiesel e proveniente de fontes renovaveis, o que lhe confere a qualidade de ser biodegradavel e nao toxico, alem de praticamente nao produzir efeitos prejudiciais ao ambiente. Entretanto, um dos grandes obstaculos para o uso do biodiesel como um combustivel alternativo e o processo de purificacao envolvido no processo. Atualmente este processo e realizado com um grande volume de agua quente, porem este procedimento esta se tornando inviavel em termos ambientais e economicos, uma vez que o custo da agua vem aumentando consideravelmente. Dessa forma, a adsorcao destaca-se como uma tecnica promissora para a remocao de residuos de glicerol, monoglicerideos e diglicerideos ate os limites exigidos pela legislacao, devido a sua seletividade e simplicidade de operacao. O objetivo deste trabalho e realizar um estudo cinetico e de equilibrio da adsorcao de alguns contaminantes, glicerol mono- e diglicerideos, presentes no biodiesel. O biodiesel utilizado neste trabalho foi produzido a partir do oleo de soja. Foram avaliados diversos adsorventes como zeolita, alumina ativada e carvao ativado de coco de babacu e organico. Alem disso, foram feitas modificacoes quimicas com HNO3 nos carvoes ativados. O estudo cinetico foi conduzido a temperatura de 30 ¢XC. No estudo do equilibrio foram avaliadas as temperaturas de 20 ¢XC, 30 ¢XC e 40 ¢XC, para o glicerol e as temperaturas de 20 ¢XC e 40 ¢XC, para os monoglicerideos. Os resultados indicaram que o carvao ativado organico modificado quimicamente com HNO3 foi o mais eficaz na remocao dos contaminantes, atendendo assim ao limite requerido pela legislacao. Os dados experimentais obtidos indicaram que este processo e fortemente dependente do pH do carvao em solucao aquosa. O processo e favorecido por carvoes com pHs acido (pH =2) em solução aquosa.

Foi obtida uma remocao de glicerol de cerca de 86% utilizando o carvao ativado organico modificado quimicamente. O modelo cinetico de pseudo-primeira ordem foi o que melhor se ajustou aos dados experimentais do monoglicerol (R2 = 0,9245) enquanto que o modelo de pseudo-segunda ordem apresentou um melhor ajuste aos dados experimentais cineticos do glicerol (R2 = 0,9670) e diglicerideos (R2 =0,9485). Para a cinetica do glicerol e monoglicerideos e possivel afirmar que a etapa de difusao intra-particula esta envolvida no processo de adsorcao, apesar de nao ser possivel afirmar que esta seria a unica etapa controladora do processo de adsorcao. O modelo de Freundlich foi o que melhor se ajustou aos dados experimentais de equilibrio de adsorcao. O parametro n para todas as temperaturas foi menor do que 1, indicando uma adsorcao desfavoravel, confirmando o formato obtido pelas isotermas. O estudo termodinamico indicou que o processo e espontaneo e termodinamicamente favoravel. Para o glicerol o valor de ƒ´Ho foi de 42,70 KJ mol-1 indicando que o processo de adsorcao e endotermico, logo a adsorcao e favorecida pelo aumento da temperatura. O valor obtido de ƒ´So de 160, 34 J mol-1 K-1 indicou a afinidade do adsorvente pelo glicerol. Os dados de equilibrio dos monoglicerideos indicaram que o processo nao sofreu influencia significativa da temperatura.

Pág 05


Ecoturismo Sobre o ecoturismo e sua definição

Opções de diversão e lazer em familia

Pág 06


Reciclados Opções para reciclagem e reutilização na concepção de produtos novos “i) Em primeiro lugar é necessário verificar se não será possível evitar a produção do resíduo, por exemplo utilizando produtos fabricados de forma diferente, ou prolongando o tempo de vida útil do produto. ii) Em segundo lugar é necessário verificar se não é possível encontrar uma nova serventia para esse produto, em que grande parte das suas propriedades ainda possam ser rentabilizadas, caso por exemplo de um pneu que seja recauchutado; grande parte dos materiais usados para o seu fabrico e toda a tecnologia vão ser aproveitados, apenas se acrescentando a borracha gasta durante o seu primeiro ciclo de vida. iii) Finalmente quando não é possível aproveitar grande parte do valor do produto podemos tentar a terceira alternativa, ou seja aproveitar a matéria prima que o constitui, em alguns casos para fabricar produtos idênticos, como no caso do usos de sucatas de aço para produzir perfis e chapas com características similares ao do produto original. Neste caso estamos perante uma operação que actualmente se denomina reciclagem. O três princípios constituem a conhecida sigla dos 3 Rs: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.

Dada a grande perda de trabalho e tecnologia incorporada na maioria dos produtos quando passamos da segunda para a terceira opção, importa aqui questionar-nos se os esforços necessários à implementação das duas primeiras hipóteses estão ser encarados de forma igual à actualmente dedicada à reciclagem. Só partindo desta análise será correcto que esta Comissão venha a debruçar-se sobre o problema dos RIP, visto que a produção de resíduos deste tipo em grande quantidade é o resultado de um processo de industrialização, sendo portanto a produção industrial a causa primeira de aparecimento de RIP. Importa avaliar, antes de procurar uma solução para os resíduos, se estarão a ser desenvolvidos os necessários esforços para evitar a produção dos resíduos perigosos, pois como é do senso comum, a melhor forma de resolver um problema é evitar o seu aparecimento. Se cada vez que um problema deste tipo surgir nos limitarmos a procurar medidas para a sua remediação, então estaremos de forma, porventura inconsciente, a contribuir para a perpetuação da situação. O uso das melhores tecnologias actualmente disponíveis em condições economicamente aceitáveis, (BATNEC), permite fabricar produtos com elevada longevidade. Não corresponde portanto ao avanço tecnológico o slogan implícito da nossa sociedade: "deite fora e compre novo". Em relação à sigla dos 3Rs, só para o terceiro R existem políticas concretas, planos e incentivos. Para a implementação do princípio da redução e para o da reutilização pouco mais se tem feito do que uma vaga campanha moral, com efeitos muito reduzidos. Sugerem-se assim medidas concretas para que a redução de resíduos deixe de ser uma atitude meramente verbalizada mas sem consequencias práticas.

Esculturas de reciclados

Por exemplo a criação de incentivos para o aparecimento de veículos de construção modular, sem alterações estéticas num período pré-definido, acompanhada de um incentivo a uma verdadeira indústria de recondicionamento como existe para a aviação e para a reparação naval, seria uma boa oportunidade de efectivamente reduzir a produção de resíduos, baixar drasticamente o consumo de matérias primas e outros recursos não renováveis, conseguindo criar novas actividades económicas bem mais compatíveis com o desenvolvimento sustentado do que a actual espiral da produção intensiva. Enquanto tal não acontece teremos de continuar na parte mais baixa da hierarquia dos 3Rs, continuando a tentar a reciclagem como forma de minimizar os problemas referidos.

Móveis feitos apartir de reciclados

Os vocábulos reciclar e reciclagem, ou os correspondentes em francês e inglês, são palavras bastante recentes. Todavia o aproveitamento de materiais usados deve ser quase tão antigo quanto a humanidade. O termo corresponde obviamente ao desenvolvimento de uma actividade industrial nova, que se distingue do processo de aproveitamento tradicional de objectos ou materiais usados.

Pág 08


Curiosidades Sustentabilidade • A cada tonelada de papel que se recicla, 40 árvores deixam de ser cortadas. • Uma gota de água caindo o dia inteiro corresponde a 46 litros. • A quantidade de alimentos desperdiçados seria suficiente para matar a fome de toda a população carente brasileira. • Relatórios da ONU apontam que 85% de produção e do consumo no mundo estão localizados nos países industrializados que tem apenas 19% da população. • As três pessoas mais ricas do mundo têm lucro superior ao PIB dos 48 países mais pobres onde vivem cerca de 600 milhões de pessoas. • É estimado que sejam gastos no planeta 435 bilhões de dólares por ano em publicidade. 15 bilhões de dólares seriam suficientes para acabar com a fome do mundo, que mata 10 milhões de crianças por ano. • Os EUA têm 5% da população mundial e consomem 40% dos recursos disponíveis. Se os 6 bilhões de pessoas usufruíssem o mesmo padrão de vida dos 270 milhões de americanos, seriam necessários 6 planetas. • Os EUA aumentaram em 13% (e deverá chegar a 29% até o fim da década) suas emissões poluentes nos últimos 10 anos.

Pág 08


Links de consulta Eólica Páginas 2 e 3

http://coral.ufsm.br/petagrofw/?p=248 http://bases.bireme.br/cgibin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=REPIDISCA&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=2 7089&indexSearch=ID http://www.suapesquisa.com/o_que_e/energia_eolica.htm

Biodisel Páginas 4 e 5

http://dspace.c3sl.ufpr.br/dspace/handle/1884/24010 http://www.sebrae.com.br/setor/agroenergia/o-setor/biodiesel/o-que-e

Ecoturismo Página 6

http://www.institutoroma.org.br/artigos/ecoturismo_desejo_e_realidade.pdf http://books.google.com.br/books?hl=ptBR&lr=&id=ZkU6EiXujeIC&oi=fnd&pg=PA7&dq=Ecoturismo&ots=QioNeuGcty&sig=RNjEpgbYAAgNSU7e3rpkuUOcDSY#v =onepage&q=Ecoturismo&f=false http://www.turismo.gov.br/turismo/programas_acoes/regionalizacao_turismo/estruturacao_segmentos/ecoturismo.html

Reciclados Página 7

http://paginas.fe.up.pt/~jotace/gtresiduos/recic.htm

Curiosidades Página 8

patricia-quintiliano.blogspot.com.br/2012/12/curiosidades.html

Pág 09

Revista Essência  
Revista Essência  

Trabalho acadêmico de Design Gráfico!

Advertisement