Page 1

MOBILIDADE ESTUDANTIL

De que é que estás à espera?

17 de Março 2010 - nº 103

[p. 9, 10 & 11]

Gabinete Pedagógico quer que a UA seja “universidade inclusiva” [p.12 & 13]

UA: estrangeiros já não vão ao SEF [p.4] Ensino Superior: universidades europeias dão boa nota a Bolonha [p.5] Cá em casa: cantores de Santiago encantam as meninas [p.14]

Moodle Vs. Blackboard: o que pensam os alunos [p.8] Cidade: a partir de dia 25 vamos à feira [p.6]

Este suplemento faz parte da edição de 17de Março do Diário de Aveiro, não podendo ser vendida em separado.


2

aveiro ĂŠ nosso


Editorial

3

Editorial Tiago Alves Presidente da Associação Académica da Universidade de Aveiro

Caros colegas, No passado dia 10 de Março terminou a fase de pré-candidatura para o programa Erasmus. Nesta edição do jornal UniverCidade podes encontrar informações sobre os diversos programas de Mobilidade existentes na Universidade de Aveiro, que se revelam oportunidades únicas, com benefícios inerentes para o teu crescimento pessoal e profissional. No VoxPop demos voz a dois alunos que chegaram à nossa Universidade via programa Erasmus, deixando assim o testemunho de quem embarcou na aventura da mobilidade estudantil. No Ensino Superior é bastante satisfatório perceber a interpretação do Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP) em relação à abertura dos novos cursos de

medicina nas Universidades de Aveiro e do Algarve, para os quais serão seleccionados apenas alunos já licenciados. Face a tantas críticas já existentes, torna-se muito importante haver quem acredite na sua utilidade para a sociedade em geral, tendo o próprio Prof. António Rendas afirmado que o que precisamos não é necessariamente de mais médicos, mas sim de médicos diferentes. Outro dos temas abordados pelo Prof. António Rendas prende-se com a falta de empregabilidade nos cursos superiores, sobretudo ao nível dos mestrados. Reconhecido o problema, manifesta-se então a necessidade de definir os mestrados como uma forte componente de profissionalização, de forma a preparar melhor cada um de nós para o mercado de trabalho. Sendo esta temática centro da grande maioria dos problemas e preocupações dos estudantes relativamente ao futuro. Poderás encontrar a opinião do Presidente do CRUP nesta edição do UniverCidade. Cá na UA, deparamo-nos agora com a mudança da plataforma de E-learning, tendo o Blackboard sido substituído pelo Moodle. As opiniões sobre esta escolha são várias, portanto, nesta edição, pretendemos esclarecer-te do porquê desta mudança, para que possas ter uma posição informada sobre o assunto.

Para a secção Entrevista visitamos Gracinda Martins, que te assiste no Gabinete Pedagógico, e que nos esclarece sobre o funcionamento deste órgão, que tem como objectivo fazer da UA uma Instituição realmente inclusiva. Este gabinete está preparado para prestar apoio pessoal e pedagógico a todos os estudantes, bem como para apoiar os alunos com necessidades especiais. Para estes últimos, consideramos que é essencial uma participação mais activa por parte do governo no apoio às universidades, para que seja possível dar uma melhor resposta a estes alunos que, tal como qualquer outra pessoa, têm pleno direito de acesso ao Ensino Superior, o que exige uma preparação dos vários estabelecimentos de ensino, para que consigam oferecer as condições mínimas e responder a eventuais necessidades. Por último, é importante que saibas que o Gabinete Pedagógico está à disposição de todos os alunos da UA. Se ainda não sabes o que este te pode oferecer, não deixes de ler. No passado dia 9, terça-feira, assistimos à tomada de posse dos órgãos sociais da Associação de Estudantes do Instituto Superior de Contabilidade e Administração da UA (ÆISCAA). Parabéns aos novos membros da ÆISCAA, em especial ao Fábio dos Santos, novo presidente da direcção.

É importante destacar, igualmente, que neste mês terá início a publicação da agenda cultural mensal, onde podes ficar a par de todas as actividades culturais a realizar. As actividades são para ti, por isso fica atento e participa nos eventos. Neste contexto, fica também a referência que irão começar as eliminatórias para o COMA e o CoDJ’s, concursos que tiveram uma boa adesão por parte de bandas de todo o país. Este ano uma das eliminatórias do CoDJ’s terá lugar em Águeda, já a finalíssima será no Bar do Estudante, contando com a presença do Fernando Alvim no júri. Não percas a oportunidade de saber em primeira mão as bandas e dj’s que poderás rever na Semana de Enterro. Mais uma vez, reforço que a tua participação no jornal UniverCidade é fundamental para que este reflicta a voz da comunidade académica, da qual fazes parte. O teu contributo é importantíssimo, por isso não te esqueças: a Equipa Editorial do Jornal UniverCidade está aberta a todos os estudantes, havendo várias secções no jornal que podes enriquecer com a tua opinião ou o teu contributo. Para além do “Diz-se por aí”, onde podes expressar o que pensas, podes contribuir nas críticas a CD’s, livros, espectáculos ou sítios Web. Participa, porque este jornal é teu! Saudações Académicas,

ficha técnica propriedade Associação Académica da Universidade de Aveiro (AAUAv) Campus Universitário de Santiago 3810-193 Aveiro tel: 234 372 320 / fax: 234 372 329 www.aauav.pt coordenação SIM (Sector Informativo e Multimédia) assessoria de imprensa Soraia Amaro equipa editorial Mário Fernandes Pedro Martins Sara Macedo Priscillia Rodrigues

colaboradores Vanessa Brandão Catarina Santos Nilza Monteiro e Direcção da AAUAv Serviços de relações externas da UA

5% de desconto no traje quando acompanhado por 2 amigos*

design e paginação Plural Design tiragem 10.000 exemplares produção com o apoio do

1. A Direcção da Associação Académica da Universidade de Aveiro não é responsável pelas ideias expressas em artigos assinados, sendo que os que não se encontram assinados são da autoria da Equipa Editorial. 2. A colaboração no Jornal UniverCidade está aberta a toda a Comunidade Académica.

traje completo feminino (traje, pasta e sapato): 210 euros

traje completo masculino (traje, pasta e sapato): 230 euros

traje académico e adereços bilhetes e inscrições nas actividades da aauav fotografias merchandising anéis de curso

*exclusivo para sócios

Catacumbas (Cantina de Santiago) tlm. 961 277 116 loja@aauav.pt


4

Notícias UA

UA poderá emitir Certificado Permanente de Habilitações Depois da Medida Simplex 063, demonstrada no início do mês na UA, a secretária de Estado da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques, voltou a lançar um desafio à UA, desta vez para que se torne na primeira universidade portuguesa a emitir um Certificado Permanente de Habilitações. Trata-se de um certificado sem papel que permita, apenas com um simples número, comprovar junto dos serviços que o solicitem as habilitações do aluno. “Este é o desafio que deixo a esta universidade que tem mostrado ser capaz de mudar de uma forma tão moderna os seus procedimentos administrativos”, disse a secretária de Estado, justificando assim o desafio lançado em Aveiro.

Para o Reitor da UA, “serviços ágeis, interligados e fiáveis contribuem sempre para ganhos tangíveis de eficácia e de eficiência”, disse, sublinhando ainda que “a atractividade dos países, das regiões e das próprias instituições depende, em larga medida, da respectiva qualidade e da imagem que projectam”. Manuel António Assunção enquadrou ainda esta futura iniciativa, assim como a Medida Simplex 063, numa actuação mais abrangente que é já “uma das marcas da UA: a permanente cooperação com diversos actores da sociedade, recorrendo ao conhecimento e à tecnologia, para resposta às necessidades do país e dos cidadãos”

Alunos estrangeiros dispensam ida ao SEF Os alunos estrangeiros que pretendam matricular-se na UA já não precisam de se deslocar ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) para certificar a regularidade da sua estadia em território nacional. Isto acontece graças à medida SIMPLEX 063 - Certificação Simplificada de Cidadãos Estrangeiros no Acesso ao Ensino Superior –, resposta dada pela UA ao desafio lançado pela Secretaria de Estado da Modernização Administrativa ao Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas. Este procedimento que comprova a regularidade da permanência em território português dos cidadãos estrangeiro passa, graças a

um trabalho de parceria com o SEF, a ser mais simples. Estes alunos devem agora apresentar os seus documentos (visto, passaporte ou documento de identificação pessoal) nos Serviços de Gestão Académica da UA onde, através de um equipamento para leitura automática destes documentos, é possível aceder à base de dados do SEF e comprovar a regularidade da situação do cidadão estrangeiro em Portugal. Com, actualmente, 848 estudantes de 68 nacionalidades diferentes matriculados, a UA torna-se pioneira na aplicação desta medida.

Literatura em Braille disponível na Biblioteca da UA A Biblioteca da UA recebeu, recentemente, algumas obras de literatura portuguesa e estrangeira, em Braille. Entre as obras disponíveis para deficientes visuais estão “Equador”, de Miguel Sousa Tavares; “Contos do Nascer da Terra”, de Mia Couto; “Orgulho e Preconceito”, de Jane

Austen e “Assim falava Zaratrusta”, de Friedrich Nietzsche. As novas obras, cedidas por António Marques, invisual e amigo da Biblioteca, estão disponíveis para consulta no gabinete 17.3.14, no 3.º piso das Humanidades, podendo ser já consultadas e requisitadas pelos seus utilizadores. A Biblioteca dispõe também de alguns jornais e revistas portugueses, em Braille, como a revista Visão, a Poliedro e o Jornal de Notícias, recebidos regularmente. Para a sua consulta, os utilizadores só precisam de se dirigir ao balcão da Biblioteca e efectuar o respectivo pedido. Para além disso, possui ainda equipamentos específicos para utilizadores invisuais, bem como de um serviço especializado na produção de documentos em formato acessível.

Milhares de pipocas simulam mancha de poluição na Ria de Aveiro A UA participou, no passado dia 11 de Março, de um exercício de combate à poluição na Ria de Aveiro realizado pelo Serviço de Combate à Poluição do Mar por Hidrocarbonetos, da Autoridade Marítima Nacional. Cerca de 500 quilos de pipocas foram lançados à ria, simulando um derrame de 250m3 de IFO 180 resultante da hipotética colisão de um navio mercante com o molhe Sul da Barra do Porto de Aveiro, e a sua posterior contenção e recolha. Esta é a primeira vez que se realiza em Aveiro um exercício desta dimensão, inserindo-se esta iniciativa no “Plano Mar Limpo”. O objectivo é treinar a capacida-

de de contenção e recolha de hidrocarbonetos poluentes no mar (compostos químicos em cujo grupo se insere o petróleo) e a mobilização e acção dos meios da Autoridade Marítima Nacional em terra. As operações de contenção, recolha e limpeza das praias afectadas foram acompanhadas por cerca de 60 alunos das licenciaturas em Ciências do Mar e Meteorologia, Oceanografia e Geofísica e dos mestrados em Ciências do Mar das Zonas Costeiras e em Meteorologia e Oceanografia Física da UA, alguns dos quais participaram activamente no exercício como voluntários na limpeza das praias afectadas.


Ensino Superior

Mais de metade das universidades europeias considera que a reforma introduzida com o Processo de Bolonha foi “muito positiva”. Ao todo, 58 por cento partilha desta opinião, e apenas 0,1 por cento deu-lhe nota negativa, de acordo com o relatório “Trends 2010: Uma década de mudança no ensino superior europeu”, publicado pela Associação de Universidades Europeias (EUA), que tem analisado o impacto da reforma de Bolonha no ensino superior, ao longo da última década, em 46 países.

Bolonha tem nota “muito positiva” Com 373 mil estudantes no Ensino Superior no ano lectivo de 2008/09 em 136 instituições reco-

nhecidas, 40 por cento das instituições de ensino superior portuguesas tem agora uma estratégia de aprendizagem ao longo da vida, estando ao mesmo nível que a Dinamarca, Finlândia e Hungria. Para além disso, “mais de 80 por cento das instituições de Ensino Superior europeias desenvolve cursos de desenvolvimento profissional para adultos”. No que se refere ao reconhecimento de competências prévias não formais (experiência profissional, por exemplo), o relatório apurou que 12 países têm políticas nacionais nesse

sentido e que outros 19 estão a desenvolver essas medidas. O relatório, divulgado pela EUA e noticiado pela Lusa, conclui também que a implementação da estrutura Licenciatura/Mestrado foi “mais difícil” em áreas como “Medicina, Direito, Engenharia e Medicina Dentária”. A avaliação deste tópico é variável de profissão para profissão. Os autores do relatório consideram que “Bolonha actuou como agente catalisador para melhorar a qualidade do ensino”: 77 por cento das universidades reviram os seus currículos em todos os departamentos no âmbito do Processo de Bolonha.

Conselho de Reitores preocupado com empregabilidade dos cursos superiores O novo presidente do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas (CRUP), que tomou posse no início do mês de Março, defende uma maior presença das questões relacionadas com a empregabilidade nos cursos superiores, sobretudo ao nível dos mestrados. "Queremos qualificar mais, mas queremos que os cursos possam estar mais relacionados com a parte da empregabilidade, seja para obtenção de um grau, para actualizar formação, seja para melhorar competências. O caso mais clássico é o dos mestrados, que devem ter uma forte componente de profissionalização", defende António Rendas. Em declarações à agência Lusa, o novo presidente do CRUP salientou ainda que o contrato de confiança assinado em Janeiro entre o Governo e as universidades e politécnicos vem “dar maior estabilidade às instituições para responderem aos grandes desafios". Isto porque, lembrou António

5

Rendas, durante três anos as instituições tiveram de retirar do seu orçamento, de uma forma que não estava planeada, uma verba muito significativa relacionada com pagamentos à Caixa Geral de Aposentações, ficando com “menos capacidade de melhorar a oferta curricular, diversificar a oferta e de fazer outro tipo de iniciativas na área da investigação e do empreendedorismo. Ao longo do mandato de António Rendas, o CRUP irá verificar a execução deste contrato, acompanhar o processo de acreditação e avaliação dos cursos e estimular o envolvimento das universidades portuguesas nos grandes fóruns internacionais. Portugal precisa “de outro tipo de médicos”

Sobre um eventual excesso de cursos em Portugal, o novo presidente do CRUP prefere esperar pelo trabalho iniciado este ano pela Agência de Avaliação e

Acreditação. No entanto, considera uma experiência muito interessante a abertura de cursos de Medicina nas Universidades de Aveiro e Algarve, nos quais só são recrutados alunos já com uma licenciatura na área da saúde. "Portugal precisa não tanto de mais médicos, mas de ter outro tipo de médicos. Olho para a complexidade da prática médica e pergunto-me se para se ser médico não é preciso também maturidade", afirmou.

Novos desafios de Bolonha

Para a década que agora se inicia, o relatório estabelece como desafios “melhorar a comunicação sobre as reformas para que as partes envolvidas (estudantes, académicos, funcionários e a sociedade) percebam o propósito e os benefícios de Bolonha” e criar “maior ligação entre a Área Europeia de Ensino Superior e a Área Europeia de Investigação para garantir uma política de aproximação coerente e alcançar os objectivos de uma Europa do conhecimento”. Os autores do estudo consideram ainda que os governos e as instituições “precisam de fazer mais para

Escolhas profissionais não dependem da personalidade Um estudo realizado na Universidade de Cádiz,, Espanha, concluiu que a personalidade não influencia na escolha de uma carreira. Os dados, baseados em entrevistas e questionários, realizados em 735 alunos de escolas secundárias da área, mostram que “não há uma relação significativa entre a escolha do curso universitário (vocação) e traços de personalidade”, revelam os investigadores. Para descobrir a vocação dos alunos, foi utilizado um questionário que avalia interesses profissionais dentro de dez áreas diferentes: científica, mecânica, literária, artística, persuasiva, musical, administrativa, assistência social, aritmética e “fora de portas”. Também foi usado um outro questionário, que avalia factores da personalidade para obter resultados relacionados com habilidade de liderança e criatividade, assim como flutuações na motivação. “Dois entre três jovens com idade para iniciar a universidade não faz a menor ideia de que curso deve seguir”, explicam os investigadores, adiantando que género dos entrevistados não é uma variável relevante entre os traços de personalidade e os tópicos preferidos num curso universitário.

promover a mobilidade e retirar muitos obstáculos que existem, dada a crescente importância da internacionalização”. O relatório “Trends 2010: uma década de mudança no ensino superior europeu” baseia-se num questionário feito em 821 universidades e 27 associações universitárias em 46 países. O estudo pretende marcar o lançamento oficial da Área Europeia de Ensino Superior e encerrar a primeira fase da reforma de Bolonha, que se iniciou em 1999.

Aproximação das CLP vai ser premiada O Prémio Fernão Mendes Pinto, instituído pelo Conselho da Administração da Associação das Universidades de Língua Portuguesa (AULP), resulta de um protocolo de cooperação entre a AULP, a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o Instituto Camões (IC) e visa galardoar um trabalho académico que contribua para a aproximação das comunidades de língua portuguesa. Este prémio premeia anualmente uma tese de mestrado ou doutoramento que, de alguma maneira, contribua para a aproximação das comunidades de língua portuguesa, defendida durante o ano civil anterior. As propostas deverão ser apresentadas por Universidades ou Institutos de Investigação Científica de países de língua portuguesa e deverão dar entrada na AULP até ao próximo dia 30 de Maio de 2010. Cada proposta deverá ser fundamentada, fazendo-se acompanhar pelo respectivo curriculum vitae e da respectiva tese de investigação, objecto de provas públicas. O valor monetário do Prémio Fernão Mendes é de dez mil euros, a atribuir numa parceria conjunta entre a AULP e a CPLP ao autor premiado. Mais informações, assim como o regulamento, estão disponíveis em www.aulp.org.


6

Cidade

.0".0 1#& %1 .0-1 00&+%-1 !" %-/3" A FEIRA DE MARÇO ESTÁ DE VOLTA PARA ANIMAR A CIDADE. COM QUASE 600 ANOS DE HISTÓRIA, ESTA FEIRA ESTÁ, DESDE SEMPRE, LIGADA À VIDA DOS AVEIRENSES. PODES COMEÇAR A PREPARAR AS FICHAS PARA OS CARRINHOS DE CHOQUE, PORQUE A PARTIR DO PRÓXIMO DIA 25, VAMOS À FEIRA!

Porta 65 abre candidaturas em Abril

Seja pelas farturas, pelos carrinhos de choque, pela montanha russa, pelas bugigangas e quinquilharias que se amontoam nas barraquinhas ou pelos concertos, a verdade é que a Feira de Março já faz parte da vida dos aveirenses e dos muitos visitantes que todos os anos, entre 25 de Março e 25 de Abril, vêm até cá. E não é para menos: não há um aveirense que não conheça a feira, até porque ela tem mais de 500 anos de história. Foi criada em 1434 pelo rei D. Duarte, como a primeira Feira Franca de Aveiro. Portanto, os aveirenses de há 576 anos atrás iam à feira, na altura junto ao Canal Central, no centro da cidade, comprar e vender os seus produtos isentos de impostos. Depois disso, a Feira de Março – que, curiosamente, começou por acontecer em Maio… - realizou-se em vários lugares da cidade. O mais carismático foi, sem dúvida, o jardim do Rossio, que acolheu a feira até à mudança para o antigo parque de feiras, junto ao Centro Cultural e de Congressos. Era no Rossio que iam à feira os nossos avós. Com a mudança para o novo parque de feiras, em Vilar, a Feira de Março ganhou uma nova dimensão. O recinto é maior, e possui dois grandes pavilhões cobertos, que funcionam como área de exposição para empresas de vários sectores. Aliás, a Feira de Março é também um importante centro de negócios.

Projecto Amália Hoje abre cartaz de concertos

Começa em Abril uma nova fase de candidatura ao Porta 65 – Jovem. Trata-se de um programa que funciona como um sistema de apoio financeiro a jovens que queiram contrair um arrendamento. É regulado por um conjunto de diplomas legais e ajuda jovens que, sozinhos ou em coabitação, queiram a sua independência. Podem candidatar-se a este programa jovens com idade igual ou superior a 18 anos e inferior a 30 anos, salvo quando se trata de um casal: nesse caso, um dos elementos poderá ter até 32 anos de idade. Para além de estar entre as idades estipuladas, os jovens têm ainda de reunir uma série de condições, como: nenhum dos jovens membros do agregado pode ser proprietário ou arrendatário para fins habitacionais de outra habituação, assim como não pode ser parente ou afim do senhorio. Têm, ainda, de ser titulares de um contrato de arrendamento celebrado no âmbito do NRAU (Lei nº6/2006, de 27 de Fevereiro) ou do regime transitório previsto no seu título II do capítulo I. Por fim, não podem usufruir, cumulativamente, de quaisquer subsídios ou de outra forma de apoio público à habitação. Outras condições para candi-

datura estão também explícitas no site oficial. Em Abril tem início uma nova fase de candidatura ao Porta 65 – Jovem. A mesma é apresentada por via electrónica, no Portal de Habitação em www.portaldahabitacao.pt/ porta65j. Para a realização da candidatura será necessário o NIF e a senha de acesso, a que poderás ter acesso em www.e-financas. gov.pt na função “pedir senha”. Durante cada ano existem quatro períodos de candidaturas, depois, cada apoio é concedido pelo período de um ano, podendo ser renovado por igual período, até ao máximo de duas renovações consecutivas. Para todos os que querem saber se poderiam beneficiar do Programa Porta 65 – Jovem, encontra-se disponível um simulador no site oficial, que lhes dará uma melhor percepção sobre se podem ou não beneficiar do mesmo. Para além do site, podes obter apoio e esclarecimentos através do Portal da Juventude (www.juventude.gov.pt), da linha da Juventude (707 20 30 30) ou ainda nas lojas Ponto JA espalhadas pelo país. Em Aveiro, encontras uma no IPJ.

A Feira de Março conta também, desde há alguns anos, com um programa cultural paralelo. Este ano, o cartaz é encabeçado pelo projecto Amália Hoje, que sobe ao palco no primeiro sábado da feira, 27 de Março, às 21.30h. O grupo conta com elementos dos Gift (Sónia Tavares e Nuno Gonçalves), Moonspell (Fernando Ribeiro) e Plaza (Paulo Praça) e recupera as canções eternizadas na voz de Amália Rodrigues, vestindo-as com uma roupagem pop e actual. O CD “Amália Hoje” é campeão de vendas, com 10 semanas no top nacional. A 3 de Abril, sábado, às 21.30h, é a vez do regresso a Aveiro dos Hands on Approach. A 5 de Abril, segunda-feira de Páscoa, pelas 16h, sobem ao palco os Santamaria, e a 10 de Abril, sábado, às 21.30h, os D’ZRT de Angélico prometem levar as meninas à loucura! Luís Represas actua em Aveiro a 17 de Abril, às 21.30, e João Pedro Pais a 24 de Abril, também às 21.30h. E para encerrar em grande, José Cid sobe ao palco no último dia da feira, 25 de Março. A Feira de Março tem entrada livre durante a semana. Às sextas, sábados, domingos e feriados os bilhetes custam 1,5 euros, e dão acesso ao recinto dos concertos.

Casa Municipal da Juventude ensina Língua Gestual Gostavas de aprender linguagem gestual? A Casa Municipal da Juventude de Aveiro vai realizar uma Oficina de Língua Gestual Portuguesa de Nível I, aos sábados de manhã. As inscrições custam 25 euros e são limitadas a 20 participantes. A formação vai decorrer nos dias 27 de Março, 10, 17, 24 de Abril, e 8, 15 e 22 de Maio, das 9.30h às 13h. Podes inscrever-te até ao dia 19 de Março, na Casa Municipal da Juventude, de segunda a sexta-feira, das 9.30h às 18h. Esta oficina integra-se no Projecto “For’Jovem” e tem como formadora Ana Susana Silva Cortes.


Cultura

7

DIA MUNDIAL DO TEATRO COM ESPECTÁCULOS GRATUITOS O Cineteatro de Estarreja (CTE) assinala o Dia Mundial do Teatro, que se comemora a 27 de Março, com dois espectáculos de entrada gratuita. Não podes perder esta comemoração de uma das principais artes de palco. A 27, sábado, às 22h, o CTE apresenta WAKE UP, um espectáculo que junta o audiovisual ao teatro, à performance e à dança, trazido pela companhia espanhola Nut Teatro. O espectáculo parte do conceito de intimidade e faz do espectador um "voyeur" e, ao mesmo tempo, testemunha de uma situação que não é a sua mas com a qual se identifica. É convidado a entrar na intimidade das personagens sem, no entanto, saber o que quer que seja sobre elas. A circunstância proposta é uma situação limite: diferentes pessoas alugam um quarto com uma só cama e partilham-na por turnos.

5$3,',1+$6 &8/785$,6

Esta situação, conhecida por "cama-quente" é ideal para se reflectir acerca da intimidade e do espaço para a liberdade individual. No domingo, 28, pelas 16h, é a vez do Teatro de Marionetas Mandrágora subir ao palco com as Lenheiras de Cuca Macuca. As lenheiras, mulheres que carregam lenha, são, neste espectáculo, as depositárias de histórias lendárias ou de fragmentos delas, transmitidos de geração em geração. Propõem uma viagem a um tempo e espaço de ambiguidade, provocador de descobertas, reconhecimento e recriação por parte do espectador.

As lenheiras convidam o espectador a revisitar as lendas com um olhar contemporâneo. Uma vez conhecedores destas lendas, os espectadores sentir-se-ão incluídos nela através do seu imaginário e da proposta cénica que deixa espaços em branco, onde o público pode inscrever o seu texto interior. As entradas em ambos os espectáculos são gratuitas, mediante i levantamento prévio do bilhete (dois por pessoa).

Tiago Bettencourt, "Em Fuga", no aveirense

Anaquim trás a Ílhavo “A vida dos outros”

Tiago Bettencourt, acompanhado pelos Mantha, sobe ao palco do teatro Aveirense no próximo dia 19 de Março, sexta-feira, às 22h, para apresentar “Em fuga”, o seu segundo disco. Os bilhetes custam 13 euros. Tiago Bettencourt tornou-se muito conhecido como voz e rosto dos Toranja, projecto que surgiu com enorme sucesso na constelação pop nacional. Entretanto, lançou-se a solo, com um primeiro disco bem acolhido, e surge agora, acompanhado pelos Mantha, com o seu prometedor segundo registo, "Em Fuga", gravado em Montreal, Canadá, e produzido por Howard Bilerman (que pertenceu aos Arcade Fire).

O Anaquim acaba de lançar o primeiro CD e já se fez à estrada. Entre as salas confirmadas está o Centro Cultural de Ílhavo, a 9 de Abril, às 22h, onde o grupo vem apresentar “A Vida dos Outros”. Projecto alicerçado na música tradicional portuguesa, Anaquim tem como mentor o compositor José Rebola e reúne grandes músicos de Coimbra: João Santiago, Pedro Ferreira, Luís Duarte e Filipe Ferreira. O grupo explora as sonoridades associadas à música tradicional portuguesa, apostando na originalidade dos temas e arranjos. Apesar do lançamento recente, a banda já leva consigo um conjunto interessante de fãs vindo do meio musical, como JP Simões ou Ana bacalhau, dos Deolinda.

Sexta, 9 de Abril, 23h Cineteatro de Estarreja, Café-Concerto, consumo 2 euros TAXI TAXI! - Uma das maiores promessas da indie folk actual, vem apresentar o novo álbum - Still standing at your back door - produzido por Peter Yttling (Peter, Bjorn & John). Neste álbum, o duo Miriam e Johanna assume a execução e gravação de todos os instrumentos utilizados em estúdio, à semelhança do que farão em palco.

Quinta, 15 de Abril, 22h Teatro Aveirense, 8 euros SEAN RILEY & THE SLOWRIDERS - O grupo está em digressão, a apresentar o seu segundo trabalho, “Only Time Will Tell”, numa tournée que culmina em Junho no Porto. A banda, que junta músicos de Leiria e de Coimbra, lançou 12 novos temas originais no seu estilo songwritter.


8

Destaque

Moodle vs. Blackboard A Universidade de Aveiro aposta numa nova plataforma de e-learning, em substituição do antigo Blackboard®: o Moodle®. Esta nova

Para alguns, o Moodle® é mais prático e o próprio design é mais interessante. Para outros, o Blackboard® era mais simples, fácil e atractivo. Afinal o que é que os distingue?

plataforma surge face à necessidade de resposta da actual estrutura da UA. Contactada pelo Jornal UniverCidade, a Unidade de Apoio ao Ensino dos Serviços de Tecnologias de Informação e Comunicação (STIC) explica que o Blackboard® e o Moodle® são plataformas de ensino à distância semelhantes, no entanto, divergentes no que concerne ao seu funcionamento. Tendo em conta que a mudança de plataforma gerou bastante controvérsia no seio da comunidade universitária e tem sido o tema de discussão nas mesas de café da UA, o UniverCidade foi questionar o porquê desta mudança. De acordo com os STIC, a “mudança de plataforma e-learning surge no seguimento de uma medida política adoptada pela própria Universidade de Aveiro e prende-se com vários factores: o Moodle® permite a integração com o Sistema de Informação Único da UA e, para além disso, dispõe de um vasto conjunto de aplicações ao dispor do docente e do aluno, que lhe permite ser mais do que um portal de conteúdos e informações complementares às aulas. Pretende-se com esta nova plataforma que a comunidade académica esteja provida de novas ferramentas de trabalho que serão, sem dúvida, uma mais-valia no seu desempenho”.

Para além disso, também o factor financeiro tem um peso expressivo nesta decisão. “Enquanto o Blackboard® implicava custos significativos à UA, com o Moodle® falamos de uma ferramenta de código aberto (do inglês “open source”), uma ferramenta gratuita, portanto”, esclarecem os STIC. Dando resposta a algumas das questões mais apontadas pelos alunos em relação à nova plataforma, os STIC confirmam que, na fase inicial da sua aplicação, foram sentidas algumas dificuldades no acesso por parte dos utilizadores. “O processo de arranque da plataforma foi bastante complexo, visto termos uma grande variedade de cursos e um elevado número de utilizadores. No início do semestre, devido ao grande fluxo de utilizadores, o sistema tornou-se lento e daí decorreram as complicações no acesso”, explicam. Através do feedback que foram recebendo dos utilizadores, os serviços têm vindo a aperfeiçoar a plataforma. “Aliás, prevê-se que no próximo ano lectivo entre em funcionamento uma nova versão do Moodle® com esse mesmo propósito: aperfeiçoar o modelo actual”, adiantam os STIC. E os alunos, o que pensam do Moodle®?

O Jornal UniverCidade saiu à rua e falou com alguns alunos, procurando recolher algumas impressões sobre o seu primeiro contacto com

o Moodle®. Para João Ventura, aluno do 3º ano de Engenharia Civil, a mudança não é significativa. “Não vejo grandes diferenças entre as duas plataformas, mas tenho de dizer que tive algumas complicações iniciais em aceder ao Moodle® e aos próprios conteúdos”, refere. Também João Almeida, do 2º ano do Mestrado Integrado (MI) em Engenharia Electrónica e Telecomunicações, aponta algumas dificuldades em aceder à plataforma no início deste semestre. “Quando consegui aceder, quase nunca conseguia descarregar ficheiros”, queixa-se. Depois disso, tem recorrido ao Moodle® “uma vez por dia para descarregar os apontamentos das aulas e ver as informações”, e não tem tido “grandes dificuldades”, garante. A maioria dos alunos entrevistados não encontra grandes diferenças entre as duas plataformas. Flávio Meneses, do 1º ano de MI em Engenharia Electrónica e Telecomunicações, considera as duas plataformas “equivalentes”, e confessa que até prefere a estrutura e o grafismo do Moodle®”. “Parece-me ter sido uma boa aposta da UA, no sentido em que poupamos algum dinheiro”, defende. Já a Sara Jesus, do 1º ano de Economia, que visita o Moodle® regularmente para descarregar os conteúdos programáticos, destaca como “grande vantagem” da nova plataforma “o calendário na página

inicial onde podemos agendar todos os eventos”. “Mais simples e atractivo” é como Ana Sofia Lopes, do 1º ano de Línguas, Literaturas e Culturas, vê o Moodle®. “No entanto, penso que não houve grande divulgação deste e devia ter existido um género de formação aos alunos, principalmente de outras áreas que não a informática, porque tive bastantes dificuldades quando acedi pela primeira vez”, sublinha. Para Marcelo Ferreira, aluno de MI em Engenharia Electrónica e Telecomunicações, a nova aplicação é “espectacular”. O aluno lamenta, no entanto, “que ninguém tire o devido partido desta ferramenta”.

STIC dão apoio aos utilizadores A Unidade de Apoio ao Ensino dos STIC manifestase disponível para receber todas as dúvidas que os utilizadores possam ter. Tal como acontecia com o Blackboard®, a comunidade universitária pode fazer chegar as suas questões através do e-mail uœl@ cemed.ua.pt, por telefone

(extensão 22875) ou pessoalmente, no edifício número 1 (atrás do Departamento de Línguas e Culturas). Os STIC acrescentam ainda que, no ano passado, houve formação para o corpo docente da UA, a fim de agilizar o contacto dos professores com a nova plataforma. Foi também

considerada a hipótese de estender essa formação aos alunos, o que acabou por não ser considerado necessário, tendo em conta que “a utilização por parte do aluno não é complexa ao ponto de o exigir e muitos dos alunos que chegam agora à universidade já tiveram contacto com o Moodle® nas escolas

secundárias de onde provêm”. Os serviços prevêem ainda que venha a ser distribuído um tutorial de utilização do Moodle® pela perspectiva do aluno, com o objectivo de que este tome conhecimento das ferramentas disponíveis nesta ‘nova’ plataforma.


Mobilidade

Campus Europæ Coffee Shop Alunos de mobilidade trocam experiências

No passado dia 3 de Março, teve lugar no bar do CIFOP uma iniciativa de divulgação do programa de mobilidade Campus Europae, com a presença de alunos estrangeiros que cumprem actualmente um período de estudos na UA ao abrigo deste programa. O evento decorreu num ambiente informal, onde os alunos da UA puderam contactar com colegas doutras instituições da rede Campus Europae e ficar a saber um pouco mais acerca dos destinos à sua escolha. O Campus Europae é um programa de mobilidade ERASMUS com maior ênfase na experiência cultural e linguística. Os alunos que se inscrevem no programa podem passar um ano lectivo numa das dezasseis universidades da rede, e aí aprender uma língua nova e conhecer uma cultura diferente. E depois podem fazê-lo uma segunda vez! Se a experiência ERASMUS já é fascinante em si, o Campus Europae acrescenta-lhe uma maior facilidade no reconhecimento de créditos ECTS, um maior acompanhamento pessoal dos estudantes e diversas oportunidades para aprender uma nova língua, que começam antes do aluno deixar a sua universidade de origem e se prolongam ao longo do ano lectivo. O projecto Hook Up!, exclusivo do programa Campus Europae, é um sistema de ensino à distância que permi-

te ao aluno tomar um primeiro contacto com a língua antes de partir do seu país, para facilitar o primeiro contacto à chegada ao país de destino, e ter uma base sólida para aprofundar a aprendizagem e acompanhar as aulas na língua local. Por iniciativa da professora de Português Língua Estrangeira Filomena Amorim, e da Comissão Campus Europae da AAUAv, juntamente com a colaboração da Responsável do Programa Campus Europae do DLC Gillian Moreira, do Coordenador de Português Língua Estrangeira Carlos Morais, e do Gabinete de Relações Internacionais, surgiu o Campus Europae Coffee Shop, uma ocasião para os alunos da UA interessados no programa ficarem a conhecer melhor os destinos à sua escolha, com detalhes contados pelos próprios alunos Campus Europae, em bom português! Em dois dedos de conversa e com sabor a café, participaram não só os candidatos à mobilidade Campus Europae, como também alguns colegas que já viveram essa aventura, os quais aproveitaram para relembrar as suas experiências e as línguas que aprenderam. Destaque-se ainda a forma animada como os colegas estrangeiros encararam o desafio de apresentar os seus países e universidades na língua que vêm aprendendo. Para mais informações, consulta www. campuseuropae.org e www.ua.pt/gri, ou concampuseurotacta pae@aauav.pt.

O Bar do CIFOP teve uma animação adicional na passada quinta-feira.

O Campus Europae é um programa de mobilidade ERASMUS com maior ênfase na experiência cultural e linguística. Alunos candidatos a este programa puderam, recentemente, trocar experiências com os alunos estrangeiros na UA. Num ambiente informal, ficaram a saber mais sobre os vários destinos, as expectativas, as dificuldades e vantagens de ir lá para fora

9


10

Mobilidade

a r e p s e à s está ! ? UÊ

E tu,

Q E D

Os programas de mobilidade são responsáveis pela deslocação de quase 300 alunos da UA a cada ano. Espanha, França, Itália, República Checa, Brasil… a lista de países é longa e estão todos à tua espera. E tu, estás à espera de quê?

Todos os anos, a Universidade de Aveiro participa em diversos projectos europeus de cooperação em educação. Estes programas de mobilidade oferecem experiências únicas para quem os frequenta. À oportunidade de alargar os seus conhecimentos no âmbito do seu curso, junta-se a aprendizagem de uma nova língua, de uma nova cultura, e de estender os seus horizontes. São cerca de 246 os alunos da nossa universidade que se deslocam para os mais variados países, e acolhemos nesta instituição cerca de 264, de diversas proveniências. Anualmente, os países que recebem mais estudantes da UA são Espanha, Polónia, Itália, República Checa e o Brasil, que são também os países de onde vem a maior arte dos alunos estrangeiros na UA. A Universidade de Aveiro participa neste momento em sete projectos. Para além do Programa Erasmus, um dos mais conhecidos e procurados, encontramos também os programas Leonardo da Vinci, Campus Europae, Rede ECIU, Erasmus Mundus, Vulcanus e Programa Luso-Brasileiro Santander. O Gabinete de Relações Internacionais (GRI) está responsável por promover a mobilidade estudantil e proporcionar o acompanhamento técnico necessário aos alunos que lhes permita encontrar um programa adequado aos seus gostos, interesses e necessidades.

Programa Erasmus

O Erasmus é a maior iniciativa de intercâmbio estudantil do mundo: conta com a participação de cerca de 90 por cento das instituições de ensino superior europeias, e já mobilizou cerca de um milhão de estudantes. Este programa está presente nos 27 Estados Membros da União Europeia, nos três países que também fazem parte do Espaço Económico Europeu (Islândia, Liechtenstein e Noruega), bem como a Turquia. A UA participa em Erasmus desde 1987, ano em que esta acção foi criada, e beneficia estudantes e docentes com um ou dois semestres em países parceiros. Todos os Departamentos e Escolas Politécnicas da UA participam neste programa. Para cada um, existe um coordenador departamental Erasmus, responsável por garantir a implementação do programa. Mas afinal, o que precisas de fazer para ir de Erasmus?

1º Etapa: Pré-inscrição

O primeiro passo que terás de realizar para vires a ser um estudante Erasmus é o preenchimento e envio da pré-inscrição de Erasmus. Esta pré-candidatura é feita unicamente de forma on-line. O prazo deste ano foi até 10 de Março. Sempre que tiveres dúvidas acerca da mobilidade Erasmus, poderás pesquisar o site http://www.ua.pt/erasmus/, onde todas as "formalidades" estão ex-

plicadas de forma simples. 2ªEtapa: Preenchimento das Vagas

A segunda etapa no processo de Erasmus é o preenchimento das vagas disponíveis para cada curso. O responsável pela distribuição e atribuição das escolhas realizadas pelos alunos é o Coordenador de Erasmus do respectivo departamento ao qual o curso pertence. Os princípios pelos quais se atribuem as vagas dos locais escolhidos pelos alunos passam pela prioridade em que o aluno colocou o referido lugar (pois são escolhidas três universidades pelos alunos, por ordem de prioridade), pelo número de cadeiras feitas e pela média de curso, em caso de "empate". 3ªEtapa: Confirmação das vagas

Sensivelmente passado um mês após o envio da pré-candidatura de Erasmus, são colocadas no site do GRI as pautas com as colocações de alunos nas universidades que estes escolheram anteriormente. 4ªEtapa: Escolha de Cadeiras

Por fim, o processo de Erasmus conclui-se pela escolha ase cadeiras que terás no semestre ou ano que estudarás fora do nosso país. Por norma, essa escolha acontece três a quatro meses antes do início do semestre em que estarás em Erasmus. As cadeiras são sugeridas pelos Coordenadores Erasmus da universidade que acolherá o aluno e, por norma, este deverá escolher, no mínimo, 30 ECTS, a fim de equivaler um semestre.


17 de Março de 2010

11

Experiências partilhadas

Tanto no site do GRI como nos vários blogs que vão sendo criados para o efeito, os alunos em Erasmus vão partilhando a sua experiência no país e na universidade que os acolhe. Exemplo disso é o bloq criado por alunos do DeCA, disponível em http://erasmus.blogs.ua.sapo.pt/, onde é possível encontrar alguns testemunhos de alunos de mobilidade. Também podem ler o http://voltoja.blogs.ca.ua.pt e consultar o site do GRI. “Salamanca report” O que eu aprendi sobre Espanha até agora: - Toda a gente fuma. - O pessoal come a horas que não lembram a ninguém: o intervalo para almoço é das 14h às 16h. - Ver televisão é impossível. Os programas espanhóis são piores que os nossos e todos os filmes e séries que sejam de fora são dobrados em espanhol. - O campeonato deles é melhor que o nosso. - As aulas teóricas são impossíveis de seguir do início ao fim. - As aulas práticas são giras. - As mulheres produzem-se demais. - Os homens produzem-se demais. - Os velhos produzem-se demais. - Os miúdos produzem-se demais. - Isto é mais frio que Hoth. - Os palavrões são muito característicos, com muitas referências religiosas e escatológicas. - Vida nocturna… Esta é difícil. Acho que basta dizer que a noite começa por volta da uma da manhã. - Pelo amor de Deus, nunca ponham os pés em Villamayor. É pior que Sodoma depois do dilúvio (ou era antes?). - Isto é MUITO frio. Filipe Costa, em Salamanca, 2008

“Tive uma fada madrinha que é a lorena, conhecia-a através da cena do tutor na universidade de destino. Para além de me arranjar casa, o cartão para o autobus, de nos rirmos a valer quando tento pronunciar o “r” de rojo, foi-me buscar no dia em que cheguei, ocupa um lugar no meu coração e ainda, continuamos amiguinhas. Apresentou-me muitos dos seus amigos. Estou a viver com dois mexicanos (uma menina e um menino) que conheci antes de vir para aqui e pagamos, cada um, 130€ por mês fora as despesas. A faculdade fica no centro da cidade. Como em todos os locais há a ‘família erasmus’, por assim dizer. Esta é composta por uma maioria de franceses e italia-

nos, portugueses não há muitos, digamos que a frequentar as cadeiras todas num semestre somos cinco, depois há dois a fazer apenas uma cadeira, alguns alemães, uma polaca, dois brasileiros e três mexicanos” Clarissa Rodrigues Licenciatura em NTC, em Erasmus na Universidad Extremadura (Badajoz), 2008/09

“Para todos aqueles que estão ainda a pensar se querem ou não, não pensem, inscrevam-se e vejam por vós próprios. Dentro da nossa vida académica, esta é a melhor experiência que se pode ter. Cores, Lugares, Pessoas, Línguas, Vidas, tudo de certa maneira tão igual e ao mesmo tempo tão diferente. Arrisquem-se a isso tudo, o pior que vos pode acontecer é terem um semestre/ano que vos vai ficar marcado para sempre, e com uma cambada de novos amigos acoplados". Gil Bastos, Sheffield, Reino Unido

“As aulas aqui só começam em Abril e só nessa altura saberei que disciplinas vou ter. Ainda assim, já tenho algumas dicas para dar a quem esteja a pensar vir para a Universidade onde nasceu o funcionalismo arquitectónico, agora situada na cidade onde viveram Goethe, Schiller, Bach e Lutero, centro cultural e, outrora, político da Alemanha. (Sim, estou muito orgulhosa do sítio onde estou agora.) Este mês de Março é o mês das viagens e do curso de Alemão. Aconselho vivamente a frequência deste curso. A candidatura é feita juntamente com a candidatura à Universidade. No início faz-se um teste para colocar cada pessoa no seu nível de alemão. Há nove níveis diferentes. O primeiro é para quem não sabe mesmo nada e o nono é para quem já só precisa de se aperfeiçoar. Um colega meu ficou nesse nono nível. Eu, que tive um semestre de alemão em Aveiro, fiquei no terceiro. O curso é intensivo. Além de se aprender Alemão, o curso é óptimo para conhecer pessoas. E isso, nesta altura em que só as pessoas do curso de alemão estão em Weimar, é muito importante. Os alunos “normais” estão nesta altura de férias”. Sara Coutinho Licenciatura em NTC, em Erasmus na Weimar Bauhaus Universitat 2008/09


12

Entrevista

Entrevista a Gracinda Martins

“A nossa principal preocupação é que a UA seja uma universidade inclusiva” O Gabinete Pedagógico, da responsabilidade de Gracinda Martins, presta aconselhamento pedagógico e pessoal aos alunos da UA. É responsável também pela integração dos alunos com necessidades especiais, área em que, garante a responsável, “a fama da UA já corre” Quais são as funções do Gabinete Pedagógico da UA?

O Gabinete Pedagógico (GP) tem como principais funções o aconselhamento pedagógico e pessoal a todos os estudantes da UA que o desejem e tem também desenvolvido trabalho no âmbito da Avaliação e Acreditação dos Cursos. De uma forma geral, o GP proporciona aos estudantes apoio em assuntos que se relacionam com alguns aspectos gerais da sua vida académica e pessoal. Qualquer aluno da UA pode frequentar este gabinete de apoio, onde ninguém é julgado ou avaliado pelo que diz ou faz. Procura-se informar, apoiar, incentivar para que o aluno com problemas possa, ele próprio, enfrentar as situações difíceis da sua vida pessoal ou académica. Que tipo de problemas são estes?

alvo, que ajuda quem precisa de uma palavra de incentivo, quem resolva alguma situação … naquele preciso momento. A preocupação principal do GP é transmitir aos alunos a ideia de que não estão sozinhos e que está sempre disponível para os ouvir e ajudar em tudo o que for possível. Que necessidades os levam a procurá-lo?

São de variadíssima ordem, mas as mais frequentes são os problemas emocionais, familiares, relacionamento com os colegas, problemas de adaptação à universidade, angústias, comportamentos, insucesso escolar… Quando a gravidade das situações requer uma intervenção mais específica, mais técnica, sugere-se a intervenção do psicólogo ou psiquiatra. Há também as situações relacionadas com

aconselhamento relativo a mudanças de curso, ou se devem dedicar-se a todas as disciplinas ou “deixar” uma ou duas (esta situação é mais no caso dos alunos com necessidades especiais). Quais as principais preocupações do GP em relação a alunos com necessidades especiais, o que se procura assegurar?

A principal preocupação é que a Universidade de Aveiro seja uma universidade inclusiva. Que a igualdade de oportunidades seja uma realidade. Que os alunos com necessidades especiais possam ser felizes e que, com a ajuda da UA e o seu próprio esforço, adquiram as competências necessárias para, no futuro, serem cidadãos realizados, vivendo a vida em pleno, como qualquer ser humano ambiciona, sendo úteis e podendo transmitir

Para quem não sabe se a situação que o preocupa pode ser colocada ao GP, esta frase será elucidativa: “Se tem um problema e não sabe a quem se dirigir, vá ao Gabinete Pedagógico”. Isto sem qualquer pretensão ou arrogância, até porque é evidente que há assuntos que ultrapassam as funções deste Gabinete, mas nenhum aluno fica sem resposta. Tão pouco substitui o psicólogo ou o psiquiatra, no caso dos problemas pessoais, ou o director de curso, na vertente académica, ou os Serviços Sociais, Serviços Académicos, etc. O GP tem obrigação de saber distinguir o que pode resolver, o que não pode e, neste caso, encaminhar o estudante para os serviços ou entidades competentes.

a outros a esperança e a força que os move. Que todos os que vivem situações difíceis, quaisquer que elas sejam, saibam, através do seu exemplo, que a coragem, o esforço e o gosto pela vida ajudam a superar as situações mais complicadas. Para que se cumpram estes propósitos procura-se assegurar um conjunto de condições para que estes alunos possam empenhar-se na sua formação universitária e preparar aqui o seu futuro. O GP convida habitualmente os alunos com necessidades especiais a fazerem uma visita prévia à UA. Com que objectivos? Como tem sido a adesão ao convite?

É uma acção que se tem revelado muito positiva e que tem atraído o interesse das escolas secundárias. As escolas do distrito, que tenham alunos com necessidades especiais a frequentar o 12º ano, são convidadas a visitar a UA. Para essas visitas são reservadas três quartasfeiras, à tarde, em Maio, para que alunos, professores e encarregados de educação venham ao Gabinete Pedagógico para conversarmos sobre as necessidades desses alunos, no sentido de nos prepararmos para a sua vinda, se for o caso, para informarmos sobre as acessibilidades e apoios, e também para que sejam orientados relativamente ao curso que mais se ajusta aos seus gostos e condição. Já houve ponderação relativamente a determinadas escolhas que não seriam as mais adequadas. Existem projectos em curso para melhoria das condições dos alunos com necessidades especiais?

Não lhe chamaria projectos, mas sim a vontade de fazermos cada vez melhor. Potenciar o que já existe e continuar a procurar soluções, sobretudo para a situação dos alunos surdos.

Quantos estudantes recebe no GP?

Todos os dias aparece alguém, mas não me preocupo muito em “fazer contas”. Prefiro o trabalho de bastidor, aquele que pode até nem ser muito conhecido, mas que atinge o A preocupação principal do GP - da responsabilidade de Gracinda Martins - é transmitir aos alunos a ideia de que não estão sozinhos e que está sempre disponível para os ouvir e ajudar em tudo o que for possível.


17 de Março de 2010

13

“Eu vim para a UA porque me disseram que tem boas condições para as pessoas com necessidades especiais” Que avaliação faz da UA, em termos de acessibilidades? O que falta fazer?

Prefiro, antes de mais, referir a opinião dos nossos alunos com necessidades especiais. Quem melhor do que eles para fazer essa avaliação? E as opiniões são positivas. Também já temos alunos que no dia da matrícula dizem “Eu vim para a UA porque me disseram que tem boas condições para as pessoas com necessidades especiais”. Alguns destes alunos não são de Aveiro, nem sequer do distrito … a fama da UA já corre! Agora, a minha opinião… não quero ser muito efusiva e, assim, direi que não estamos mal. Mas acredito que em alguns aspectos estamos bastante bem. A UA tem feito um enorme esforço de adaptação e quem tiver o gosto de dar uma volta pelo Campus vai verificar que a quase totalidade dos edifícios tem rampas de acesso, há já bastantes sanitários adaptados, os SASUA têm uma residência

com condições para deficientes motores, há plataformas elevatórias no edifício dos Serviços de Acção Social e no Complexo Pedagógico. Há apoio nas refeições na cantina. Os alunos com deficiências visuais e certas deficiências motoras sérias podem usufruir dos serviços específicos da Biblioteca da Universidade, onde existe equipamento próprio e uma pessoa para apoio a estes alunos que realiza trabalho na produção de bibliografia adaptada, entre outras coisas. Os docentes prestam aos seus alunos com NEEs apoio especial, na medida das necessidades de cada um e têm demonstrado uma enorme compreensão em todos os casos, sem olhar ao esforço extra que tal apoio representa. Há também que referir os funcionários e boa parte dos alunos, que estão sempre muito atentos às necessidades especiais.

O Gabinete Pedagógico conta ainda com a colaboração inestimável de um grupo de voluntários, cerca de 60 pessoas, entre docentes, alunos e funcionários, que têm manifestado grande disponibilidade para apoiar os alunos com necessidades especiais, em diversas situações, sempre que solicitados.

E o que falta fazer?

Também sabemos quais são as falhas, e ai de nós se um dia nos sentássemos muito satisfeitos, entendendo que tudo estava perfeito! Não temos capacidade para fazer tudo o que gostaríamos, até pelo facto de não serem concedidas verbas às universidades para as ajudas técnicas. As nossas maiores dificuldades prendemse com os alunos surdos. Necessitam de intérpretes de Língua Gestual e, numa universidade com milhares de alunos, umas boas dezenas de cursos diferentes,

com aulas em simultâneo em diversos departamentos e escolas espalhadas por diferentes cidades (Aveiro Norte, ESTGA), seria necessário um número significativo de intérpretes e, ao saber-se que a UA disponibilizava estes serviços, o número de alunos surdos a escolher a nossa Universidade, como é natural, aumentaria. Seria financeiramente incomportável. Também não podemos acolher alunos com deficiências que os tornam dependentes, ao ponto de necessitarem de um cuidador pessoal, nem instalações para alojar essas pessoas. Podemos permitir-nos sonhar um pouco e dizer que precisaríamos de um bloco residencial específico, quer em acessibilidades e equipamento quer, sobretudo, com pessoal permanente, 24h por dia, para podermos acolher alunos sem autonomia. Ou ter um número indefinido de intérpretes de LGP para os surdos. Mas, como bem se percebe, só nos é possível sonhar.


14

Cá em casa

RESIDÊNCIA DE SANTIAGO A CANTAR… …para as alunas das residências da Universidade de Aveiro.

Fábio dos Santos toma posse na direcção da AEISCAA

Durante Março e Abril os alunos da Residência Universitária de Santiago deslocam-se às várias residências periféricas da UA para cantar e encantar as ‘jovens donzelas’ que os aguardam.

Reza a Tradição que tudo começou numa noite de farra em que três alunos decidiram deitar a mão às suas guitarras e com o cobertor das próprias camas aos ombros numa noite fria ao luar lá foram perturbar o sono das residentes femininas e respectivos vizinhos. E porque queremos que esta história marque pela positiva, não vamos revelar os nomes dos heróis deste feito ou o respectivo desfecho. O que importa frisar é que deste episódio nasceu um ritual que todos os anos conduz os jovens de

Põe a tua bicicleta a andar!

Santiago às varandas e janelas das moças, com suas guitarras afinadas e vozes a prumo. E fugindo às regras do código de faina: ali todos trajam – do finalista ao caloiro. Estes empossam então o amado cobertor da própria cama e seguem rumo ao destino: Residência Nº1 (ex-masculina); Residência Feminina Mário Sacramento e Residência de Aradas. O ano de 2010 é mais um que não foge à regra e avizinha-se o momento de maior alegria destes jovens: as serenatas. Com datas

marcadas - 24 de Março [Residência Nº1 (ex-masculina)]; 07 de Abril [Residência Feminina Mário Sacramento] e 08 de Abril [Residência de Aradas] -, a Comissão de Residentes da Residência Universitária de Santiago convida todas as residentes e amigas a estarem presentes numa noite memorável. Os caloiros e veteranos, fazendo jus à tradicional noite onde a laranjada não faltará, prometem cantar e desafinar!

Até 31 de Março, a Câmara Municipal de Aveiro está a promover a campanha “Bicicleta Solidária”, uma acção desenvolvida no âmbito do projecto europeu de mobilidade saudável “Life Cycle”, a que a UA e a AAUAv também se associaram. Esta campanha consiste num desafio feito à comunidade aveirense, no sentido da população oferecer as suas bicicletas (incluindo bicicletas para crianças) que deixaram de ser utilizadas para que possam ser melhoradas (na Oficina da BUGA e, eventualmente, noutras oficinas da cidade). Estão associados a esta campanha todos os agrupamentos escolares do concelho, a UA, a AAUAv, o Hos-

pital Infante D. Pedro, a PT Inovação e a própria Câmara Municipal. Revela o teu lado humanitário e participa nesta campanha, entregando a tua bicicleta na AAUAv, na Loja BUGA (9h19h) ou nos restantes pontos de recolha das instituições aderentes, até dia 31 de Março. Finalizada a recolha das bicicletas, a campanha irá ainda organizar uma Venda Solidária das Bicicletas, sendo o produto dessa venda revertido para uma instituição de solidariedade social de Aveiro.

Fábio dos Santos tomou posse, no passado dia 9 de Março, à frente da Direcção da Associação de Estudantes do ISCAA. O aluno de Mestrado em Contabilidade - ramo Auditoria foi o vencedor das eleições de 25 de Fevereiro. A Mesa da Assembleia-Geral é presidida por André Bastos e Conselho Fiscal por Tânia Lopes. No momento da tomada de posse, Fábio dos Santos lançou um agradecimento especial aos alunos e referiu um conjunto de projectos nas áreas da “formação e pedagogia”, “criação do arquivo histórico” e a “promoção das boas relações entre docentes e alunos”. O novo presidente adiantou ainda que “irá ser dada especial atenção a uma semana de conferências da AEISCAA e aos alunos em regime nocturno”. No que respeita à Acção Social, Fábio dos Santos afirmou pretender “colaborar com os SASUA de forma a minimizar o abandono escolar”, considerando que este será “um trabalho conjunto de união e entendimento”. A terminar, o novo presidente deixou um “agradecimento especial” sua antecessora, Ana Cristina Pereira. A presidente cessante aproveitou o momento para lembrar que “existem problemas na recepção do dinheiro devido ao novo regime institucional, o que chegou a por em causa a continuidade da AEISCAA”, um assunto que, assegurou, “continua por resolver”. Fábio dos Santos, da lista M, foi o vencedor das eleições para os órgãos sociais da AEISCAA. Conseguiu 308 votos, 58,5 por cento dos 526 votantes. Para além da Direcção, ficará também à responsabilidade da sua equipa, a Mesa da Assembleia-geral, que conseguiu 290 votos (55,1 por cento) e o Conselho Fiscal, que conquistou 294 (55,8 por cento).


17 de Março de 2010

$*(1'$&8/785$/ Chá das 5:

Ciclo Cinema:

Dia 17: Actuação Trio Dia 24: Especial Dia do Estudante

Dia 5: Snatch Dia 12: América Proibida Dia 19: “Sessão à vontade do freguês”

Ciclo Cinema: Dia 15: Laranja Mecânica; Dia 29: Condenados de ShawShank

Chá das 5: Dia 7: Especial Dia Aberto Dia 14: Chá das 5 Açoriano

BE: Dia 18: Guest Night Dia 23: Apresentação do Cartaz do Enterro 2010 Dia 25: “Coelhinhos andam à solta”

Auditório: Dia 25 – Concerto com Kathaarsys (Espanha); Tales For The Unspoken e Azagatel entrada: 2,5€

ABRIL

Dia 7: Festival Académico e Dia Aberto Dia 8: Festa Associação de Cabo Verdianos Dia 14: Final CoDJ’s Dia 15: DECADANCE Dia 21: Festa ESSUA Dia 22: Noite 0 Enterro

3$5&(,526 $$8$9 3$5$$ &8/785$

COMA

DIA 16 - Plavray; Triple Plug; Art7< ; Phama; DIA 17 - Motim;Osiria; 1,5L; Sunya. DIA 23- Apply Zii; Synopse; Meu Outro Tanto; US&THEM DIA 24 - Modo Mudo; Empty; PragHa; Ugly Smile.

CODJS

DIA 16 - BackyardSoundSystem; The Stripeduo; Dj Zé Mylo. DIA 17 - Dj Pix-l; Dj Pedro Felix; Nerds Approaching; DIA 18 (ÁGUEDA) - Dj Andre Baron; BedBoys; Dj Francis Oliver. DIA 23 - Ricky J Dj; Diaz at Work; Dj Hours. DIA 24 - Dj Pedro Gamelas; Dj Xikobe; Dj Zounds

15


16

Do fundo do baú

DO FUNDO DO BAÚ “SE CALHAR, ESTUDAR ATÉ É UMA COISA IMPORTANTE…”, PENSAVA ESTE PUTO, RECORDADO PELO ROGÉRIO PAIS NO JORNAL UNIVERCIDADE DE 12 DE FEVEREIRO DE 1998. MAS O TEMPO EM QUE O PUTO PENSAVA ISSO ERA UM TEMPO EM QUE OS PUTOS AINDA JOGAVAM À BOLA NA RUA E AINDA ESFOLAVA OS JŒLHOS. E HOJE, QUANTO DISTO AINDA FAZ SENTIDO? ONDE ESTÁ A “TERRA DO SABER”?

International Spot Dear colleague,

A good part of this edition of UniverCidade is dedicated to Mobility. We chose to speak about the different programs that can help you to live a mobility experience, as the ones you’re probably in right now. Besides explaining all the steps students should take in order to access mobility programs, we thought that the best way to explain why is it so great to go study abroad was asking those who did it! And that’s what we did in VoxPop. We also publish a few testimonials of Portuguese students studying in European universities, where they tell how they’re taking it: the weather, the food, the classes, the language, all the new experiences they’re living and how are they coping with it. Still in the same subject, we we’re also quite happy to find out that people feel free to use UniverCidade as an area to exchange of ideas and post their views. And it goes further than the students’ community, as you can see in this edition, where Niall Power, Head of GRI (International Relations Office) sent us his thoughts on Erasmus Buddy. Keep in mind that this space is also yours, so you can do the same. Use our e-mail – univercidade@ aauav.pt – and send us your own thoughts on Mobility or any other subject you might find interesting.

In UniverCidade n.103, we also tell you some more about Gabinete Pedagógico, and office at UA that offers advice to students in different areas. It also helps students with special needs to find their way over here, by making sure that they have access to everything they need. We spoke to Gracinda Martins, who’s in charge of this office, who explained us her main concerns regarding these students and made an evaluation of UA’s accessibilities. She takes as her mission to ensure that UA it’s “a truly inclusive university”, as she told us. In this edition we start publishing a monthly agenda for cultural events. There’s a lot going on in the Students’ House: coffee is cheaper on Mondays, from 12 to 15 p.m., and there are free movie sessions at night; there’s a tea party with live music every Wednesday; there are gigs several times in the month; there’s a band and DJ competition going on, where we’re choosing some new faces to play at Students’ Week, in late April. There will also be an Academic Festival and many parties at BE… The list is huge, so keep an eye on this agenda and check the website to make sure that you’re on top of it. If you want to talk to us, you know where you can find us. Come and visit us ate Students’ House, near


18

Núcleos

Aveiro anfitriã dos CNU de Judo AAUAv qualifica-se para as finais nos CNU Basquetebol F/M

Os pavilhões aveirenses Galitos e Aristides Hall receberam nos passados dias 23 e 24 de Fevereiro, o II Torneio de Apuramento de Basquetebol feminino e masculino para as fases finais do Campeonato Nacional Universitário de Basquetebol. Esta é mais uma modalidade onde a equipa da AAUAv conquista sólidas posições, afirmando-se como uma das favoritas. Ficaram assim qualificados para as Fases Finais, juntamente com a AAUBI. Para as fases de repescagem seguem as equipas da Académica de Coimbra e a Académica do Minho. Também no feminino as nossas atletas verdes e brancas conquistaram o direito a estar presente nas fases finais, a serem realizadas em meados de Abril, em Matosinhos. Como uma das maiores apostas desportivas a nível federado da UA, o basquetebol, masculino e feminino, continua assim o seu caminho em direcção aos grandes títulos, exigindo um esforço cada vez maior, tanto pessoal por parte dos jogadores como financeiro, da academia e dos clubes.

No passado dia 6 de Março de 2010, a Associação Académica da Universidade de Aveiro, organizou o Campeonato Nacional Universitário (CNU) na modalidade de Judo. Contando com a presença de mais de 70 atletas de norte a sul do país, foi um evento muito concorrido, em ano de não apuramento para as Universíadas. Com a representação de várias associações académicas presentes (AAC, AAUM, AAUAlg, AEFMH, AAUAç, AAUAv, U. Lisboa, U. Nova, AAULHT, IPC, AEISMT, AEISEG) este foi mais um evento organizado pelo novo clube de judo da cidade de Aveiro. No tapete, os atletas lutaram no quadro masculino em seis categorias: -60kg, -66kg, -73kg, -81kg, -90kg e +90kg, levando a AAC para casa o título de Campeã Nacional Universitária de Judo de Equipas. No quadro feminino, houve luta apenas em duas categorias: -57kg e -63kg, contando com cerca de uma dezena de atletas.

Futebol de 11 masculino salvo pela repescagem

Com quatro atletas a representar a Associação Académica da Universidade de Aveiro, foi Tony Ferreira a chegar mais longe, na categoria de -66kg, ao alcançar um excelente 5º posto final, numa das categorias mais concorridas. Realizado no Pavilhão Aristides Hall, duas áreas de combate e uma de aquecimento pontuaram este espaço da Universidade de Aveiro. O torneio, que ocupou toda a manhã, estendeu-se para além da hora prevista, alongando-se até às 4horas, já que o número de atletas foi maior do que o inicialmente previsto. Esta foi a primeira vez que uma prova desta envergadura, a nível nacional, foi organizada na cidade de Aveiro.

Nos passados dias 2 e 3 de Março realizouse, na cidade de Faro, o segundo Torneio de Apuramento de Futebol 11. Os relvados do Campus da Penha da Universidade do Algarve acolheram oito equipas universitárias. A final foi disputada entre e AAUM e os nossos atletas da AAUAv, onde o Minho levou a melhor com uma goleada de 5-0. O 3º e 4º lugar foram conquistados, respectivamente, pela Académica de Coimbra e pela vizinha AEISCAC. A AAUAv e o IPV tiveram a possibilidade de seguir em frente para a fase final devido à Fase de repescagem, a ser realizada no Estado Universitário de Lisboa nos dias 24 a 26 de Março.


17 de Março de 2010

19

Flávio André regressa às vitórias no Ténis de Mesa

Hugo Ferreira confirma superioridade no Badminton

Volei Feminino campeão na Covilhã

Vem jogar Capœira connosco!

Flávio André, aluno de Engenharia Civil, foi o grande vencedor do II TI realizado no passado dia 4 de Março no Pavilhão Desportivo Aristides Hall. Nos lugares imediatos, classificaram-se André Francisco, aluno de Gerontologia, Valter Vieira de EGI e Sérgio Cunha de Engenharia Física, repartindo estes dois o terceiro lugar. Com estes resultados, André Francisco acaba por ser o grande vencedor na modalidade de Ténis de Mesa pois, a juntar a este segundo lugar, temos a vitória obtida no primeiro torneio interno realizado no primeiro semestre. Desta forma André Francisco terá como prémio um Bilhete Geral para a Semana do Enterro. Flávio Almeida e Sérgio Cunha, segundo e terceiro classificado, respectivamente, terão com prémios bilhetes para uma noite da Semana do Enterro.

O aluno de Engenharia Física Hugo Ferreira foi o dominador absoluto na modalidade de Badminton neste ano lectivo. Além da vitória no II TI, ficou classificado em segundo lugar no torneio do primeiro semestre, o que lhe permite ser o vencedor absoluto na modalidade de Badminton, ganhando assim um bilhete geral para a Semana do Enterro 2010. Nos lugares imediatos classificaram-se Flávio Rino de Matemática, e Alice Silva de Educação de Infância.

Nos passados dias 4 e 5 de Março, a Equipa Feminina de Voleibol da Universidade participou no II Torneio de Apuramento para os CNU’s na Covilhã. Apresentando-se em grande forma, trouxe para casa o 1º lugar, com vitórias em todos jogos por 2-0, e a confirmação da sua presença nos Campeonatos Nacionais Universitários em Maio. A saída decorreu com alguns percalços mas com uma avaliação final muito positiva, e durante a permanência na Pousada da Juventude até houve tempo para umas brincadeiras na neve. Esperamos representar a UA e cidade de Aveiro nos Nacionais da melhor forma possível e trazer para casa mais um troféu.

O Núcleo de Capoeira convida a comunidade académica a experimentar praticar uma nova modalidade cheia de surpresas. Arte de luta ímpar no mundo, a Capoeira recorre ao balanço da música, ao toque do berimbau e liberta-se… Solta o ataque e esquiva, como numa conversa melodiosa entre dois sábios. È essa a Capoeira que promovemos e preservamos, também como desporto, mas muito mais como arte ou forma de vida. Movimentação física, música, história, convívio…. E a certeza de uma mente sã num corpo são. Visita-nos no Pavilhão Haristides Hall: treinos às segundas e quartas-feiras, das 20.30h às 22hv, ou envia um e-mail para capoeira@aauav.pt. O primeiro treino de experiência é gratuito! Axé!

Os vencedores do II Torneio de Ténis de Mesa

Os vencedores do II Torneio de Badmington


20

Núcleos

CARTOLA EM DOSE DUPLA

Quando ouvirem falar que não se agradam a gregos e troianos, é mentira! A Magna Tuna Cartola provou isso no passado dia 3 de Março. E como? Porque actuaram para públicos de faixas etárias bem diferentes. A primeira actuação deu-se à tarde na Santa Casa da Misericórdia para um simpático grupo de idosos, que mostraram a sua satisfação ao ver que nem toda a juventude está perdida e que fazem algo de útil. Sempre com um sorriso nos lábios a MTC alegrou um pouco a tarde dos presentes. No final e já com as cordas vocais bem aquecidas, a Magna

GrETUA mostra “3 Novas Histórias de Bolso”

Tuna Cartola despediu-se e regressou à base para iniciar o aquecimento para a próxima actuação. E já acomodados no Bar do Estudante começaram as hostilidades com uns finos umas belas Febras para ir delineando o plano para o Arraial. E mesmo não havendo fogo-de-artíficio como de costume para não cair na rotina, a diversão foi a mesma ou mais até, mais uma vez a MTC presenteou o público presente com as músicas já bem conhecidas da Comunidade Académica, despedindo-se com pedidos de “Encore”!. E como já de costume a festou prolongou-se e bem pela noite dentro, mas desta já dentro do BE.

Cartola toca pelo Haiti

Revelando mais uma vez seu lado solidário, a Magna Tuna Cartola esteve presente no dia 26 de Fevereiro, pelas 21:30h, no Centro de Congressos de Aveiro, onde abriu uma noite dedicada à memória das vítimas da recente catástrofe no Haiti. Após uma actuação sempre animada e irreverente da MTC, seguiram-se as interpretações de talento de alguns alunos ainda-não-universitários (que não desiludiram e sempre mantiveram o público entusiasmado), óbvio que estes certamente pensarão em seguir estudos depois de ver os sorrisos estampados na cara de cada um dos mem-

O GrETUA tem em cena, nos dias 18 e 19 de Março, a peça “3 Novas Histórias de Bolso”. “Uma peça originalmente feita para a infância, mas que por alguma maravilhosa razão agradou ainda mais aos adultos”, diz João Fino, o encenador. É a terceira e última vez que é apresentada, por isso, não percas a oportunidade perceber o porquê de tanta gente ter gostado do que viu Produzida pelo CETA e encenada por João V. Fino, a peça foi criada a partir de textos de “Teatro às 3 pancadas”, de António Torrado. No Espaço Gretua, a partir das 21.15h.

bros da MTC. A Magna Tuna Cartola deixa aqui o seu profundo agradecimento à Escola Secundária Homem Cristo pelo convite por esta causa tão nobre. MTC presente na tomada de posse do novo Reitor

No passado dia 22 de Fevereiro, decorreu no Auditório da Reitoria da UA, a cerimónia de tomada de posse do novo Reitor da UA, Manuel António Assunção. E depois de todo o protocolo normal destas andanças, a MTC entrou em cena para dar as boas-vindas à sua maneira bem característica entoando para o novo Reitor o “Macho Português”.

powered by:

Para quem não sabe, Manuel António Assunção é um Cartola, e isso é também um motivo de orgulho para nós, sabermos que alguém que sempre ajudou a MTC ao longo do seu percurso, está a envergar este “muy” nobre cargo. Por isso, deixamos desde já os votos das maiores felicidades no novo cargo e que os anos vindouros sejam positivos e prósperos em todos os aspectos. Claro que também não poderíamos deixar o agradecimento à antiga Reitora Maria Helena Nazaré que, mesmo não sendo Cartola também muito merece o nosso apreço por todo o óptimo trabalho desenvolvido em prol da Comunidade Académica.


Diz-se por aí...

21

26%8'',(6 '$8$

',=6( 325$Ž Os estudantes estrangeiros na Universidade de Aveiro chegaram bem este semestre. Ainda bem. Mas não tinham grande noção do tamanho do exército que os aguardou na estação de comboios de Aveiro. Este semestre, setenta e seis estudantes voluntários da UA (sim, setenta e seis) levantaram o dedo quando a UA perguntou “quem é que está disponível para receber os estrangeiros na UA em Fevereiro?”. Isto é, mais acolhadores (chamados, em bom americano, “buddies”) do que acolhidos. Magnífico! (se me permitem). O estudante estrangeiro chega ao seu destino cansado e algo miserável. Deixou para trás a sua zona de conforto em busca da aventura académica, mas há-de passar por um pequeno purgatório, o que os manuais técnicos chamam “o período de adaptação”. É um tempo efectivamente chato (diz quem já passou por ele)! Um tempo de insegurança, de saudade, de relativa pobreza e da dependência da boa vontade da sua comunidade anfitriã. Quem se chama “Mustafa” e tem pele um pouco mais escuro, um cheiro porventura diferente do que o costume cá, sabe do que estou a falar. Daí a nobreza e pura amizade do nosso exército de “Buddies”. Apetece-me exagerar no meu louvor a eles, mas não, vamos ser objectivos – são apenas fantásticos! Maravilhosas! O Mustafa, e companhia, teve direito a um serviço gratuito de fraternidade e solidariadade. Uma vez chegados, foram rapidamente conduzidos às pensões da cidade de Aveiro. Um café ou jantar naquela primeira noite e na manhã seguinte a primeira paragem é o Gabinete de Relações Internacionais da UA para conhecer outros “miseráveis” na mesma condição, mas com a mesma sorte. Viva ERASMUS!

MUS, outra coisa é acolher aquelas várias centenas de estudantes e investigadores (são cinco vezes mais do que os ERASMUS, isto é cerca de 600 pessoas por ano) que escolhem a Universidade de Aveiro para ficar durante vários anos para formação ou contratos de investigação. Missão impossível? Talvez não! Vejam só o exemplo do meu amigo Marco. O Marco é o campeão dos “buddies” portugueses. Já dispensou o seu tempo pessoal para acolher mais de 15 alunos internacionais este ano. É um craque de amizade - uma maravilha de relações públicas. Aparece sempre de traje académico inteirinho, pois sabe qual é o valor da sua cultura e sabe partilhá-la. Na semana que precede o início das aulas, o Marco esta disponível e generoso, conforme o seu costume. Nem todo o estudante pode ser um Marco, como nem todo futebolista pode ser um Figo. Mas sinto que, se 76 estudantes da UA se mostraram disponíveis para acolher igual número de estudantes de intercâmbio no mês de Fevereiro, os nossos estudantes que vêm de países longínquos ficar entre três e cinco anos em Aveiro (sim, a UA acolhe estudantes e estagiários da Austrália, Singapura, Irão, Gana, Cuba, China, Isreal e Palestina, entre vários outros países) podiam perfeitamente beneficiar do mesmo modo deste contacto valioso com um “buddy”. Última nota: a AAUAv tem a “Casa de Estudante”, que abriu as portas incondicionalmente à nova comunidade estrangeira. E o Centro Universitário de Fé e Cultura tem sempre a porta aberta (inclusivé no tempo das férias de Natal). Nem falo dos apoios tantas vezes concedidas pelos Serviços de Acção Social. Se procurar, nas Universidades Europeias, gente mais disponível para fazer sentir acolhido uma comunidade estrangeira, difícilmente o encontrará.

Ao longo de três ou quatro dias os incansáveis guerreiros do exército procuram casa decente em Aveiro para abrigar um estudante estrangeiro. Traduzem, negociam e fecham o negócio do quarto, para que o Mustafa e companhia se sintam seguros cá, e finalmente, em casa! Os “Buddy” dos alunos internacionais são exactamente isso, um “buddy”, quer dizer, um amigo de confiança.

Bem-haja todos os “buddies” da Universidade de Aveiro. Bem-hajam os donos de apartamentos, os baristas, restauradores, bibliotecários, agentes dos serviços públicos e privados, pois os estudantes estrangeiros na UA morrem de saudades quando finalmente partem de Aveiro. Sei disso porque me escrevem com grande frequência e o balanço é francamente positivo! Bem-hajam.

Mas agora surge outro problema. É que uma coisa é recrutar um exército de setenta e tal estudantes para acolher os ERAS-

Niall Power Coordenador do Gabinete de Relações Internacionais


22

Sugestões Culturais

O HOMEM QUE SONHAVA SER HITLER { Tiago Rebelo } Para fugir aos best-sellers internacionais, o JU sugere-te um romance português: «O Homem Que Sonhava ser Hitler». Nas bancas a partir de 20 de Março, esta é a história de António Gaspar – Inspector-chefe da Polícia Judiciária – que decide iniciar uma investigação sobre um aparente incidente que, na verdade, se revela uma gigantesca conspiração contra a democracia portuguesa. Num clima de extrema violência e espionagem, o autor dá-nos conta de personagens como Caveira, chefe das tropas de choque de um partido neonazi liderado pelo seu irmão, um homem sem escrúpulos que planeia repetir o projecto Hitler em Portugal. Com uma narrativa alucinante, Tiago Rebelo apresenta-nos na sua 11ª obra um surpreendente romance de intriga e suspense que aborda a actualidade de ponto de vista social e político.

A ÚLTIMA CRÓNICA

UM SONHO POSSÍVEL

AMÁLIA HOJE

SOLDIER OF LOVE

{ Mário Crespo }

{ John Lee Hancock }

{ Hoje }

{ Sade }

Mário Crespo é um dos mais respeitados jornalistas portugueses, com uma longa carreira na televisão. Passou pela RTP, onde foi correspondente internacional e é, desde há vários anos, carismático pivot do Jornal das Nove da SIC Notícias, para além de assinar colunas regulares na imprensa escrita. Mais de 100 crónicas publicadas em vários jornais ao longo de três anos compõem o livro de Mário Crespo “A última crónica”, neste livro comenta os acontecimentos mais marcantes dos últimos anos. A ideia de lançar um livro de crónicas - cujo prefácio é escrito por Medina Carreira - surgiu na sequência da não publicação de uma crónica sua no Jornal de Notícias.

Com estreia para 25 de Março, «Um Sonho Possível» («The Blind Side») é baseado na história verídica de Michael Oher (Quinton Aaron) cuja história de vida é apaixonante. Michael Oher nasce no seio de uma família problemática e, devido à ausência do pai e toxicodependência da mãe, é afastado desta, vindo a ser acolhido por uma família branca. Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock – Oscar de Melhor Actriz Principal com este filme) e Sean Tuohy (Tim McGraw) decidem acolher o jovem negro sem-abrigo e apostando no seu potencial, educam-no como se fosse um dos próprios filhos. Michael Oher é agora estudante e ofensivo esquerdo da liga profissional de futebol americano aclamado por todos os Estados Unidos e filho adoptivo de Leigh e Sean a quem deve todo aquilo que conquistou na vida.

3$ 66 $7 (0 32 6

Amália Hoje é um álbum lançado a 27 de Abril de 2009 pelo projecto pop português ‘Hoje’, que reúne três vozes distintas: Fernando Ribeiro, dos Moonspell, e Paulo Praça e Sónia Tavares, dos The Gift. Logo depois do seu lançamento, Amália Hoje passou a liderar as tabelas de vendas em Portugal por mais de 20 semanas, sendo disco de platina (vendas superiores a 20 mil unidades) no início de Junho. Em Novembro de 2009 chega aos três Discos de Platina, sendo o disco mais vendido em Portugal, no ano de 2009.

Depois de 10 anos desde o lançamento do multiplatinado “Lovers Rock”, Sade lança um novo trabalho: “Soldier of love” é o nome deste disco, certamente um dos mais esperados de 2010. Os temas deste álbum revelamse um misto de chill-out e R’n’B, com traços de jazz, pop, soul, reggae, numa combinação tropical e exótica. Sade caracteriza-se por um som intemporal, único, que levou os seus únicos cinco anteriores álbuns, numa carreira que já perfez vinte e cinco anos, a alcançar o top 10 da Billboard Top 200 Album Chart, e a vender cinco milhões de cópias em todo o mundo.


17 de Março de 2010

23

http://ilhas-universitarias.hostei. com/

LOVE AND REVOLUTION

ROCK IN RIO 2010

FOGE FOGE BANDIDO

B FACHADA

{ the Loyd }

{ Lisboa }

{ 8 de Abril - Aula Magna, Lisboa }

{ 23 de Abril - Festival Santos da Casa, Coimbra }

A banda de Santa Maria da Feira acaba de lançar o seu segundo trabalho discográfico, "Love And Revolution". No disco, destacam-se a versão da música HELP!, dos Beatles e o single do primeiro EP, Tear In The Pocket, em versão acústica. Dão corpo ao projecto Jou, na voz e guitarra, Christophe, na guitarra solo, Paulo Azevedo, no baixo e Mike B, na bateria. O grupo pisa os palcos desde 2004 ao lado de nomes como Xutos & Pontapés, Blasted Mechanism, Fonzie, EZ Special e Ricardo Azevedo num percurso que já levou a banda a participar na Festa Europeia da Música na cidade de Lausanne, Suíça. "Love And Revolution" mantém o estilo da banda, marcado por uma grande dose de energia e irreverência misturados num registo intenso, coeso e marcadamente rock. (www. theloyd.com).

A mais de dois meses, já muito se especula sobre um dos maiores festivais em Portugal. O Rock in Rio acontece a 21, 22, 27, 29 e 30 de Maio no Parque da Bela Vista, em Lisboa, como tem sido habitual, e já há vários nomes confirmados: Miley Cryus, Muse, Rammstein, Shakira, Elton John, Ivete Sangalho, e também os portugueses Mariza, Xutos e Pontapés, Luís Represas, Rui Veloso, os Trovante, entre muitos outros. A venda dos bilhetes começou no dia 24 de Fevereiro e este ano os bilhetes são diários, individuais e têm o preço de 58 euros. Estão à venda no site do festival, nas sucursais do millennium bcp, FNAC, BP, Agências Abreu e estações da CP aderentes.

Se quiseres viagem por mundos criativos onde a intelectualidade cultural é um mera “espectadora”, protagonizados pelo artista Manuel Cruz, quererás assistir a este espectáculo definitivamente. Em palco, o músico portuense vai apresentar, sob o pseudónimo de Foge Foge Bandido, os temas do seu primeiro álbum de originais a solo, “O Amor Dá-me Tesão/Não Fui eu que Estraguei”, considerado pela crítica especializada um dos melhores discos de 2008. Os Foge Foge Bandido vão estar na Aula Magna, em Lisboa, no dia 8 de Abril, às 21h30. Os bilhetes custam 18 e 20 €.

“Um Fim de Semana no Pónei Dourado” é o disco que continua a ser divulgado por uma das banda “sensação” de 2009, considerado por muitos críticos. Os b fachada vão estar presentes no festival Santos da Casa, em Coimbra, dia 23 Abril. Devemos considerar um desafio aos parâmetros da canção popular? Não! O que os b fachada revelam é um artista que sabe melhor do que o que opta por mostrar. B Fachada prefere adoptar um estilo estudantil desmazelado.

Visitem este site e divulguem! Este projecto é recente e depende dos utilizadores para o seu crescimento. Se tens colegas das ilhas ou mesmo que estudem no Ensino Superior dá-lhes a conhecer este portal. Neste site podem obter todas as informações úteis sobre tudo o que é preciso saber, com especial destaque para os apoios e benefícios sociais dos alunos insulares. Para além disso, o portal está cada vez mais completo, com informações sobre todas as instituições, alojamentos e locais de interesse de todas as zonas universitárias do país.

www.joaoleitao.com/viagens/

Apelidado pelo próprio autor como “Diário de Viagens” este é um lugar de troca e partilha de informação para viajantes onde podes encontrar dicas de viagens, testemunhos, fotografias, de vários países do mundo, informações de bilhetes e respectivos preços, mapa, notícias do mundo, links de sites de referência sobre viagens, transportes, hotéis, hostels e pousadas, etc.


17 de Março de 2010

92;323 Nesta edição do jornal UniverCidade em que a mobilidade estudantil está em destaque, dedicámos o VoxPop àqueles que escolheram a UA para estudar durante um semestre ou um ano do seu percurso académico, e convidámo-los e contar-nos porque fizeram esta escolha. Porque vieste de Erasmus? Vim de Erasmus porque acho que se trata de uma experiência que todas as pessoas deveriam ter. É uma forma de conhecer pessoas diferentes, de muitos países e de muitas culturas. É, também, uma oportunidade de sair de casa e ser mais independente. - Porque escolheste a Universidade de Aveiro? Escolhi a cidade de Aveiro porque queria vir para um país onde pudesse aprender a língua num só ano, então coloquei as possibilidades de ir para Portugal ou Itália. Acabei por escolher não só porque tive maior curiosidade em conhecer este país, mas também porque estava também perto de casa. Desta forma, muitos amigos espanhóis têm a possibilidade de me virem visitar. { Elena Cordero Hoyo

Nacionalidade: Espanhola Erasmus Novas Tecnologias da Comunicação }

- Porque vieste de Erasmus? Porque queria aprender português, apesar de possuir conhecimentos de português brasileiro pois esteve lá um ano a morar. Na Polónia, Portugal é famoso por ser um país simpático e tive curiosidade de o visitar.

-Porque escolheste a Universidade de Aveiro? Tem variedade de cursos, fica perto da praia, e é um meio pequeno, pois sou natural de Varsóvia. Przyjedzajcie warto Erasmus!!!!!! { Krzysztof Gawronski - “Kris” Nacionalidade: Polaco Erasmus Gestão }

UniverCidade 103  

Jornal UniverCidade nº 103 da AAUAv

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you